Física. Resolução das atividades complementares. F8 Reflexão da luz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física. Resolução das atividades complementares. F8 Reflexão da luz"

Transcrição

1 Resluçã das atvdades cmplementares 3 ísca 8 Reflexã da luz p. 3 Quas sã as les da reflexã? prmera le dz que, numa reflexã, s fexes ncdente e refletd sã cplanares. segunda le dz que s ânguls de ncdênca e reflexã têm a mesma medda. (Uesp-PI) Um ra de luz mncrmátca, prpagand-se ncalmente em um plan vertcal β, ncde sbre um espelh plan, cm lustrad na fgura a segur. Sabe-se que plan β é perpendcular a espelh plan. Na fgura, s segments I, II, III, IV e V representam as pssíves dreções segudas pel ra de luz, após sua reflexã pel espelh. entre as alternatvas abax, assnale aquela que melhr representa a trajetóra físca real seguda pel ra refletd. ra ncdente nrmal a espelh I II V IV III a) I c) III e) V b) II d) IV Ra ncdente, lnha nrmal e ra refletd sã cplanares (estã n mesm plan b). N ra ncdente I ra refletd R r spelh lternatva a.

2 3 (cmal-) m se tratand de um espelh plan, bjet e a magem têm mesm tamanh. Nessas cndções, send bjet real, sua magem será: a) vrtual e dreta. c) real e dreta. e) mprópra. b) real e nvertda. d) vrtual e nvertda. r lternatva a. r bjet real magem vrtual mesm tamanh e dreta 4 (s-mg) bserve a fgura abax, nde estã representads ds pnts e, clcads dante de um espelh plan. dstânca d pnt até a magem de em relaçã a espelh é de: cm 30 cm a) 4 cm c) 30 cm e) nenhuma das respstas anterres. b) 90 cm d) 60 cm 4 cm 4 cm 30 cm cm 60 cm Prtant, a dstânca d pnt à magem de (9) é de 60 cm. lternatva d.

3 UNII UNII (urg-rs) fgura mstra uma sala quadrada de lad. Nela, pdems bservar, também, um espelh plan 9, clcad n cant, de md a encbrr cant. Para um bservadr clcad em, mstrad na fgura, é pssível enxergar as magens d(s) cant(s): a) d) e b) e) e c) ' 4 camp vsual ' a 4 Só cant está n camp vsual d bservadr. lternatva a. p. 4 6 (Unfe-MG) m 93 f fundad Insttut letrtécnc de Itajubá, qual deu rgem à UNII Unversdade ederal de Itajubá, crada em abrl de 00. Para cmemrar a transfrmaçã em unversdade, um alun reslveu estampar numa camseta uma nscrçã que, dante de um espelh plan, pdera ser lda na magem: UNII Pde-se cnclur que a nscrçã estampada na camseta pssu a segunte frma: a) IINU c) UNII b) d) lternatva b.

4 7 (UM) esejand bter a dstânca que separa um bjet de uma determnada regã, e sem pder realzar tal medda dretamente, um estudante usu um espelh plan de cmprment e mntu dagrama mstrad na fgura abax, nde 9 é a magem d bjet e θ é ângul, medd em relaçã à nrmal a espelh, sb qual bservadr lha dretamente para a magem d bjet. segment 9 é perpendcular a espelh e tdas as meddas estã n plan d papel. m base nesse dagrama, pdems afrmar que a dstânca d bjet a espelh plan vale: a) cs θ c) sen θ e) sec θ b) tg θ d) ctg θ tg( 90 u) tg( 90 u) ctg u ctg u 90 r r u 8 (UMG) Uma vela está sbre uma mesa, na frente de um espelh plan, nclnad, cm representad nesta fgura: espelh vela ssnale a alternatva cuj dagrama representa crretamente a frmaçã da magem d bjet, nessa stuaçã. magem magem espelh vela espelh vela a) c) espelh vela magem espelh vela b) d) magem vela lternatva b.

5 9 (IT-SP) lhar-se num espelh plan, retangular, fxad n plan de uma parede vertcal, um hmem bserva a magem de sua face tangencand as quatr brdas d espelh, st é, a magem de sua face encntra-se ajustada a tamanh d espelh. segur, hmem afasta-se, perpendcularmente à parede, numa certa velcdade em relaçã a espelh, cntnuand a bservar sua magem. Nessas cndções, pde-se afrmar que essa magem: a) trna-se menr que tamanh d espelh tal cm vst pel hmem. b) trna-se mar que tamanh d espelh tal cm vst pel hmem. c) cntnua ajustada a tamanh d espelh tal cm vst pel hmem. d) deslca-se cm dbr da velcdade d hmem. e) deslca-se cm metade da velcdade d hmem. Para um bjet real, espelh plan cnjuga uma magem vrtual, smétrca em relaçã à superfíce refletra e cm as mesmas dmensões d bjet. abe anda salentar que, n espelh plan, bjet e magem cnsttuem fguras enantmrfas. Tas característcas da magem ndependem da psçã d bjet em relaçã à superfíce refletra d espelh; prtant, quand hmem se afasta, perpendcularmente à parede, ele cntnua a bservar sua magem ajustada a tamanh d espelh, cm vsta ncalmente. 0 (USar-SP) Uma crança bserva um passarnh cm um perscóp cmpst de ds espelhs plans, paralels e nclnads de 4º, cm está representad na fgura. pnt representa lh da crança e P, passarnh. P Q T S R Pde-se afrmar que a magem d passarnh vsta pela crança, pr me desse perscóp, está lcalzada n pnt: a) P c) R e) T b) Q d) S P P R lternatva c.

6 p. (UPel-RS) Quand vcê se aprxma de um espelh plan de grandes dmensões, pres a uma parede vertcal, tem a mpressã de que sua magem se aprxma d espelh e va aumentand de tamanh. a) Iss realmente acntece? Justfque. b) Quas as característcas da magem bservada num espelh plan? a) magem frmada pr um espelh plan é sempre vrtual, dreta, d mesm tamanh que bjet e smétrca em relaçã a plan d espelh. Send assm, a magem se aprxma d espelh, mas nã aumenta de tamanh em relaçã a bjet. b) Vrtual, dreta, d mesm tamanh e smétrca em relaçã a plan d espelh. (U-) fgura mstra uma sala quadrada,, de m de lad, cm uma parede de 6 m de cmprment, nd d pnt M (pnt méd de ) até pnt (centr gemétrc da sala). Um espelh plan deve ser clcad na parede, de md que uma pessa stuada em P (pnt méd de M) pssa ver máxm pssível d trech de parede M. etermne a largura mínma d espelh, nã mprtand sua altura., m Representand a stuaçã d prblema: P stabelecend a semelhança entre s trânguls P9PJ e SMJ: P stabelecend a semelhança entre s trânguls P9P e P9Q: P P P M nalmente, ds trânguls P9PJ e P9R: m m e R Q 4 m S y Q z R S 6 m m m P M J 3 m 3 m 6 m P 3 m x M J P 9 m P 4 m J x x 4x 8 6x 8x 8 x m 4 9 y y 4, m 4 4 Z z m Prtant: m 4, m e e, m

7 3 (uvest-sp) Um espelh plan, em psçã nclnada, frma um ângul de 4º cm chã. Uma pessa bserva-se n espelh, cnfrme a fgura. flecha que melhr representa a dreçã para a qual ela deve drgr seu lhar, a fm de ver s sapats que está calçand, é: a) c) e) b) d) 4 Representand a magem smétrca em relaçã a plan d espelh: 4 g, a pessa devera lhar na dreçã. 4 (Unmep-SP) Uma pessa pára na frente de um espelh plan fx numa parede e levanta a mã dreta. magem frmada pel espelh pssu as seguntes característcas: a) natureza real, mesm tamanh d bjet e levantará a mã dreta. b) natureza real, mar que bjet e levantará a mã dreta. c) natureza vrtual, mar que bjet e levantará a mã esquerda. d) natureza real, mesm tamanh d bjet e levantará a mã dreta. e) natureza vrtual, mesm tamanh d bjet e levantará a mã esquerda. Um espelh plan frnece sempre, de um bjet real, uma magem vrtual, dreta, mesm tamanh e enantmrfa (frmas cntráras: mã dreta mã esquerda). lternatva e. (uvest-sp) Uma jvem está parada em, dante de uma vtrne, cuj vdr, de 3 m de largura, age cm uma superfíce refletra plana vertcal. la bserva a vtrne e nã repara que um amg, que n nstante t 0 está em, se aprxma, cm velcdade cnstante de vdr 3 m m/s, cm ndcad na fgura, vsta de cma. Se cntnuar bservand a vtrne, a jvem pderá cmeçar a ver a magem d amg, refletda n vdr, após um nterval de temp, aprxmadamente, de: m a) s c) 4 s e) 6 s b) 3 s d) s camp vsual d bservadr está determnad cm ndca a fgura: s m P MP VISU m m nstante em que pderá vsualzar a magem de crrespnde a mment em que adentra a regã d camp vsual, u seja, a nstante em que atnge pnt P. Nessa stuaçã, terá se deslcad m. m a velcdade de é cnstante e vale m/s: v s t s t t m

8 6 (UP) nquant se veste para r a uma festa, uma jvem se aprxma e se afasta sucessvas vezes de um espelh plan para verfcar se está bem vestda. nsderand que tamanh real de sua magem quand se encntra n pnt mas afastad d espelh é h, gráfc que melhr representa tamanh real de sua magem,, em funçã d temp, t, à medda que ela se aprxma e se afasta uma vez d espelh, é: a) h c) h e) h t t t b) h d) h t spelh plan sempre va frnecer magem de mesm tamanh, ndepende da dstânca d bjet a espelh. lternatva e. t p. 9 7 (URJ) flha cnsegue ver-se de pé, pr nter, n espelh plan d quart da mãe. espelh, mantd na vertcal, mede 40 cm de altura e sua base dsta 70 cm d chã. mãe, entã, mve espelh 0 cm em dreçã à flha. alcule, em centímetrs: a) a menr dstânca entre s lhs da menna e chã que lhe permte ver-se pr nter; 40 cm b) quant a magem se aprxmu da menna após deslcament d espelh. 40 cm a) b) d 0 cm 40 cm 70 cm 40 cm d x 70 cm d 70 x x d 40 cm x d? 0 40 cm

9 8 (Mack-SP) Quand clcams um pnt bjet real dante de um espelh plan, a dstânca entre ele e sua magem cnjugada é 3,0 m. Se esse pnt bjet fr deslcad em 40 cm de encntr a espelh, sua nva dstânca em relaçã à respectva magem cnjugada, nessa psçã fnal, será: a),40 m c) 3,0 m e) 4,00 m b),80 m d) 3,60 m 40 cm,40 m,60 m,60 m 3,0 m Prtant, a nva dstânca em relaçã à respectva magem cnjugada, nessa psçã fnal, será de,40 m. lternatva a. 9 (Umesp-SP) Seja a segunte experênca: vcê está de cstas, em repus, junt a um espelh plan. Num determnad nstante vcê sa andand em lnha reta, perpendcularmente a espelh, cm aceleraçã de 0, m/s. Sua velcdade, em m/s, em relaçã à sua magem, 3 segunds após níc d mvment, será de: a), m/s c),0 m/s e) 6,0 m/s b),0 m/s d) 3,0 m/s v ve a 0, m/s t 3 s 0 v v0 at v 0,? 3, m/s v?, 3,0 m/s e

10 0 (I-SP) Quand grams um espelh plan de um ângul a em trn de um ex perpendcular a plan d espelh, a magem: a) gra de um ângul a em trn d mesm ex. b) gra de um ângul 3a em trn d mesm ex. c) nã se altera. d) também gra de um ângul a em trn d mesm ex. magem nã se altera, nã depende d mvment de rtaçã d espelh. lternatva c. (USS-RJ) s espelhs plans sã asscads, unds pr um lad cmum, de md a frmar um ângul dedr de abertura a Se um bjet fr clcad entre s espelhs, n plan bssetr d ângul dedr, quantas magens d bjet serã frmadas? a) 0 c) 40 e) 0 b) 47 d) 33 N 360, a , a N 360 7, N 47 p. 3 (Uesp-PI) Na fgura, vê-se um espelh esférc de Gauss e alguns ras ncdentes e refletds. I II III V stã de acrd cm as prpredades ds espelhs esfércs de Gauss: a) s ras I e II. c) s ras II e III. e) smente ra III. b) s ras I e III. d) tds s ras. Td ra de luz que ncde paralelamente a ex prncpal passa pel fc (ra II crret). Td ra de luz que ncde n vértce, frmand um cert ângul, é refletd cm mesm ângul (ra I crret). lternatva a. 0

11 3 (Vunesp-SP) Uma haste lumnsa é clcada dante de um espelh côncav, de fc, perpendcularmente a seu ex prncpal e cm uma de suas extremdades sbre ele. Se a dstânca da haste a espelh fr gual a 3 da dstânca fcal d espelh, qual a alternatva que melhr representa a magem I frmada? a) I d) I I b) e) I c) I Vams cnstrur a magem frmada: lternatva d. 4 (MJ-SP) Um pequen preg se encntra dante de um espelh côncav, perpendcularmente a ex óptc prncpal, entre fc e espelh. magem d preg será: a) real, nvertda e menr que bjet. b) vrtual, nvertda e menr que bjet. c) real, dreta e menr que bjet. d) vrtual, dreta e mar que bjet. e) real, nvertda e mar que bjet. Representand a stuaçã: lternatva d.

12 (SPM-SP) Um espelh esférc cnvex frma, de uma vela clcada perpendcularmente a ex prncpal d espelh, uma magem: a) vrtual, dreta e menr. c) vrtual, nvertda e menr. e) real, nvertda e mar. b) vrtual, dreta e mar. d) real, dreta e mar. V Imagem frnecda pel espelh cnvex é sempre: vrtual dreta menr lternatva a. 6 (Unube-MG) fgura mstra um bjet entre centr de curvatura e fc de um espelh côncav. V magem frmada está além d centr de curvatura e é: a) vrtual, dreta e menr que bjet. c) real, nvertda e menr que bjet. b) vrtual, dreta e mar que bjet. d) real, nvertda e mar que bjet. V lternatva d.

13 p (esgranr-rj) fgura a lad lustra um espelh côncav, em cuj ex prncpal sã destacads ses pnts, gualmente dstantes, entre s quas se encntra fc () desse espelh. lcand-se um bjet () n pnt, pnt sbre qual se frmará a sua magem é: a) d) 4 b) e) c) lternatva e. 8 (Uesp-PI) Tem-se um espelh esférc de Gauss. ante dele é pst um bjet real. magem btda é nvertda e amplada. ssnale a alternatva crreta sbre espelh e a psçã d bjet em relaçã a mesm. a) espelh é côncav e bjet deve ter sd clcad entre fc e vértce. b) espelh é cnvex. c) espelh é côncav e bjet f clcad entre centr de curvatura e fc. d) espelh é côncav e bjet f pst sbre centr de curvatura. e) espelh é côncav e bjet f pst atrás d centr de curvatura. V Imagem: real nvertda mar Prtant espelh é côncav e bjet está entre centr de curvatura e fc. lternatva c. 3

14 9 (M-SP) Um espelh esférc côncav é utlzad para prjetar sbre uma tela a magem d Sl. dstânca fcal d espelh é, m. Qual é, aprxmadamente, a dstânca entre a magem d Sl e espelh? a) 3,0 m c),0 m e),0 m b), m d), m Sl está mut dstante; cnsderams aprxmadamente cm um bjet n nfnt, que mplca frmaçã de uma magem n fc. f d, m 30 (UMG) Uma pessa segura uma bla de árvre de Natal em sua mã. magem d seu rst que ela vê nessa stuaçã tem tdas as característcas a segur, excet: a) É amplada em relaçã a rst. b) É vrtual. c) Nã é nvertda (de cabeça para bax) em relaçã à pessa. d) É frmada atrás da superfíce refletra. la de Natal, funcna cm espelh esférc cnvex que sempre frnece uma magem cm característcas vrtual, dreta e menr; prtant, nã pde ser amplada. lternatva a. 3 (spx-sp) Na prta de entrada de uma lja, encntrams um espelh cnvex que está dspst estrategcamente para que s vendedres pssam bservar td nterr d recnt. m relaçã à magem de um bjet real frmada pr esse espelh (cnsderand- gaussan), pdems afrmar que é: a) vrtual e mar d que bjet. b) real e menr d que bjet. c) nvertda e menr d que bjet. d) sempre dreta e menr que bjet. e) sempre frmada na frente d espelh. V magem: vrtual dreta menr lternatva d. 4

15 3 (Unmep-SP) m geral, s espelhs retrvsres usads em mtccletas cnjugam para bjets reas uma magem menr e dreta. tp de espelh e a psçã d bjet para tal us sera: a) um espelh côncav cm bjet clcad sbre centr de curvatura. b) um espelh plan cm bjet clcad entre fc e vértce d espelh. c) um espelh cnvex e bjet clcad em qualquer psçã à frente d espelh. d) um espelh plan e bjet clcad n fc d espelh. e) um espelh côncav e bjet clcad sbre fc d espelh. V magem: vrtual dreta menr bjet em qualquer psçã. lternatva c. m questões cm a 33, a respsta é dada pela sma ds númers que dentfcam as alternatvas crretas. 33 (UM-PR) as afrmatvas abax, assnale que fr crret. (0) Uma magem vrtual nã pde ser mstrada numa tela. (0) Um espelh cnvex nunca frma uma magem real de um bjet real. (04) Um espelh côncav sempre frma uma magem vrtual. (08) Um espelh côncav nunca frma uma magem real amplada de um bjet real. (6) magem vrtual frmada pr um espelh côncav é sempre menr que bjet. (3) Quand a magem encntra-se na frente d espelh ss sgnfca que a magem é vrtual. (64) Tds s ras paralels a ex de um espelh esférc cnvergem para mesm pnt deps de refletds. sse pnt é centr de curvatura d espelh. Sma: = 03 (0) (V) (0) (V) Um espelh cnvex sempre frnece uma magem vrtual, dreta, menr. (04) () Um espelh côncav pde frnecer uma magem real, depende da psçã d bjet. (08) () bjet entre centr de curvatura e fc, magem real, nvertda e mar. (6) () bjet entre fc e vértce n espelh côncav, cnjuga uma magem vrtual, dreta e mar. (3) () Td element na frente d espelh é real. (64) () Tds s ras paralels a ex prncpal d espelh, paraxas, refletem passand pel mesm pnt, fc, se espelh bedecer às cndções de Gauss.

16 p (URN) Um bjet lumns e extens, clcad dante de um espelh cnvex, tem magem: a) vrtual, dreta e menr que bjet. b) vrtual, nvertda e mar que bjet. c) real, dreta e mar que bjet. d) real, nvertda e menr que bjet. e) mprópra. V magem: vrtual dreta menr lternatva a. 3 (UP) Numa aula, utlzand experments cm materal de bax cust, prfessr de Óptca tenta mstrar, as seus aluns, a frmaçã de magens num espelh esférc. Para realzar a demnstraçã, ele utlzu a superfíce externa e espelhada de uma bla de árvre de Natal, cuj ra vale 0 cm, e, usand uma vela acesa cm bjet real, clcu-a sbre ex cm prncpal e antu cudadsamente s dads de suas bservações sbre a magem btda. nsderand este aparelh cm send deal e clcand uma vela de cm de altura, num pnt que se encntra a cm d vértce d espelh, cnfrme a fgura, prfessr mstru que a magem é: a) mprópra. c) nvertda cm altura de,0 cm. e) dreta cm altura de cm. b) dreta cm altura de,0 cm. d) nvertda cm altura de cm. R 0 cm f R 0 cm espelh cnvex: f 0; f cm; cm; p cm Usand a quaçã de Gauss: p9 cm f p p 9 p 9 p 9 p9 6 9 p ( 6 )? p ( 0 6 ) cm cm 6

17 36 (fa-mg) Um espelh esférc, cuj ra de curvatura é gual a 0,30 m, tem sua face côncava vltada na dreçã d Sl. Uma magem d Sl é frmada pel espelh. dstânca dessa magem até espelh é: a) 0,60 m c) 0,30 m e) 0,4 m b) nfnta d) 0, m Sl bjet n nfnt magem n fc f R 0,30 0, m d f 0, m 37 (Underp-MS) Uma pequena lâmpada emte luz apenas pr um hemsfér, a qual ncde em um espelh esférc prduznd um fexe clíndrc frmad pr ras lumnss paralels a ex prncpal d espelh. Nessas cndções, a lâmpada está lcalzada: a) sbre vértce d espelh. b) sbre fc d espelh. c) sbre centr de curvatura d espelh. d) entre centr de curvatura e fc d espelh. e) entre fc e vértce d espelh. fexe de ras que ncde passand pel fc d espelh reflete paralelamente a ex prncpal. Prtant a lâmpada deve ser clcada n fc d espelh. lternatva b. 38 (urg-rs) nsdere a frase abax: Um bjet, clcad a uma dstânca de 0 cm de um espelh curv, gera uma magem vrtual amplada em vezes, send tp de espelh cm dstânca fcal de cm. melhr pçã para preencher as lacunas é: a) côncav, 0 3. c) cnvex, 0. 3 e) plan, 0. b) côncav, 0. d) cnvex, 0. p 0 cm vrtual magem: dreta espelh côncav mar p 9 p 9 p 0 p9 0 cm f p p 9 f 0 ( 0) f 0 f 0 cm spelh côncav, f 0 cm 7

18 39 (spx-sp) m frente a um espelh gaussan côncav de centr, vértce V e fc prncpal sã clcads ds bjets reas X e Y de mesm tamanh, cnfrme a fgura abax. X espelh cm V desenh está fra de escala. 0 cm Y Tmand pr base enuncad d prblema e as les da Óptca gemétrca, pdems afrmar que: a) dstânca entre bjet Y e sua magem crrespndente é de 60 cm. b) tamanh da magem d bjet Y é mar que tamanh da magem d bjet X. c) magem d bjet X frmada pel espelh é vrtual e nvertda. d) ra de curvatura d espelh é de 0 cm. e) magem d bjet Y frmada pel espelh é vrtual e nvertda. Imagem d bjet X Imagem d bjet Y f p p 9 f p p p 9 0 p p 9 0 p p 9 60 p 9 p9 40 cm p9 60 cm 40 x p 9 p 9 60 y 3 p 0 p 0 3 x z Prtant, a magem d bjet Y é mar que a magem d bjet X. y 40 (UTM-MG) Uma lja de espelhs pssu, fx a uma parede, um mstruár cm dverss mdels de espelhs esfércs. lhar para um espelh esférc côncav, um clente que esteja entre vértce e fc desse espelh terá reprduzda uma magem de seu rst, a) real, menr e nvertda. c) vrtual, mar e dreta. e) vrtual, menr e nvertda. b) real, mar e dreta. d) vrtual, menr e dreta. bjet entre (fc) e V (vértce). V magem: vrtual dreta mar lternatva c. 8

19 4 (Mack-SP) m um antepar lcalzad a 60 cm d vértce de um espelh esférc, frma-se a magem nítda de um bjet real clcad sbre ex prncpal d espelh e a 0 cm dele. tp e ra de curvatura desse espelh sã, respectvamente, a) côncav e cm. c) côncav e 30 cm. e) cnvex e 30 cm. b) cônvav e 0 cm. d) cnvex e cm. p9 60 cm antepar magem prjetada espelh côncav p 0 cm f p p 9 f f 60 4f 60 f cm R f? 30 cm espelh côncav, R 30 cm 9

Física 3 aula 1 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS

Física 3 aula 1 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA COMENTÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS ísca 3 aula COMENTÁRIOS ATIIDADES PARA SALA. A luz branca (luz d Sl) a atngr uma superfíce vermelha, s pgments deste crp absrvem tdas as cres e rá refletr a cr vermelha. Se ele fr lumnad pr uma fnte de

Leia mais

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos

Capítulo. Lentes esféricas delgadas. Resoluções dos exercícios propostos Caítul 4 s undaments da ísca Exercícs rsts Undade E Caítul 4 Lentes esércas delgadas Lentes esércas delgadas esluções ds exercícs rsts P.33 trajet esquematzad basea-se n at de ar ser mens rerngente que

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes Cnstruíd dretamente a partr ds póls e zers da funçã de transferênca de malha aberta H(. Os póls de malha fechada sã sluçã da equaçã + H( = 0, u: arg( H( ) = ± 80 (k+), k = 0,,,... H( = Para cada pnt s

Leia mais

e) 02) Com os dados fornecidos na figura abaixo (espelho côncavo), calcule a que distância do vértice (V) se encontra a imagem do objeto (O).

e) 02) Com os dados fornecidos na figura abaixo (espelho côncavo), calcule a que distância do vértice (V) se encontra a imagem do objeto (O). PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A 0) Um objeto O é colocado em rente a um eselho côncavo de centro de curvatura em C. Assnale a oção que melhor determna a osção e o tamanho da magem

Leia mais

ÓPTICA. PRINCÍPIOS DE ÓPTICA GEOMÉTRICA A trajetória da luz ao viajar de um ponto para outro é tal que o tempo de percurso é mínimo.

ÓPTICA. PRINCÍPIOS DE ÓPTICA GEOMÉTRICA A trajetória da luz ao viajar de um ponto para outro é tal que o tempo de percurso é mínimo. ÓPTI PINÍPIS D ÓPTI GMÉTI trajetóra da luz a vajar de um pnt para utr é tal que temp de percurs é mínm. PINÍPI D INDPNDÊNI Quand s ras de luz se cruzam, cada um deles segue seu trajet cm se s utrs nã exstssem.

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 5

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 5 Itrduçã às Cêcas Físcas Módul Aula 5 Letes Vcê já deve ter vst u usad letes mutas vezes: em óculs, máquas ftgráfcas, bóculs, luetas, mcrscóps. N cema, sã usadas letes para a prjeçã da magem ds flmes. Uma

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. raio de luz

ÓPTICA GEOMÉTRICA. raio de luz L légi stadual Luiz ianna ísica 2 drian d alle ág. 1 ÓTI GMÉTRI Óptica Gemétrica é estud ds princípis fundamentais e cnsiderações gemétricas da luz, sem necessidade d cnheciment prévi das terias que explicam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIA INTEGRADA DO PONTAL Físca Expermental IV Lentes Cmpstas Objetv Determnar as stâncas cas e lentes e um sstema e lentes cmpstas. Intruçã utas vezes

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Os fundamentos da física Volume 2 1. Resumo do capítulo. Instrumentos ópticos

Os fundamentos da física Volume 2 1. Resumo do capítulo. Instrumentos ópticos s fundaments da físca Vlume 1 Capítul 15 Instruments óptcs A aberraçã crmátca de uma lente é defet decrrente da decmpsçã da luz branca a atravessar sstema. A crreçã desse defet é feta pr me da asscaçã

Leia mais

Notas de Aula - Reatores Prof. Dr. Marco Antonio Pereira

Notas de Aula - Reatores Prof. Dr. Marco Antonio Pereira USP EEL - Escla de Engenhara de Lrena Reatres ula 6 Reatres ntínus em Sére e/u Paralel Reatres Tubulares em Sére Sejam reatres pstnads em sére e X, X 2,..., X, a cnversã de saída de cada um ds reatres

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respstas ds itens de cada questã, frnecend as unidades, cas existam Apresente de frma clara e rdenada s passs utilizads na resluçã das questões Expressões incmpreensíveis,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

CAPÍTULO 10 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS CAPÍTULO 0 TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS TRANSLAÇÃO DE EIXOS NO R Sejam O e O s eis primitivs, d Sistema Cartesian de Eis Crdenads cm rigem O(0,0). Sejam O e O s nvs eis crdenads cm rigem O (h,k), depis

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C Questã 46 N instante t = 0 s, um móvel A parte d repus cm aceleraçã escalar cnstante e descreve uma trajetória retilínea. Nesse mesm instante, utr móvel B passa pr A, cm velcidade escalar cnstante, descrevend

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta. Resposta. a) calcule a área do triângulo OAB. b) determine OC e CD. Questã Se Amélia der R$,00 a Lúcia, entã ambas ficarã cm a mesma quantia. Se Maria der um terç d que tem a Lúcia, entã esta ficará cm R$ 6,00 a mais d que Amélia. Se Amélia perder a metade d que tem, ficará

Leia mais

Questão 13. Questão 14. Resposta

Questão 13. Questão 14. Resposta Questã Uma empresa imprime cerca de.000 páginas de relatóris pr mês, usand uma impressra jat de tinta clrida. Excluind a amrtizaçã d valr da impressra, cust de impressã depende d preç d papel e ds cartuchs

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

COLÉGIO GALILEU ALUO(A): Nova FASES DA LUA

COLÉGIO GALILEU ALUO(A): Nova FASES DA LUA COLÉGIO GALILEU ALUO(A): FASES DA LUA Nva É quan emsfér lunar vlta para a Terra nã reflete nenuma luz Sl. Dzems também que a Lua está em cnjunçã cm Sl. A Lua Nva só é vsível urante s eclpses Sl que, alás,

Leia mais

5. (Insper 2014) Considere o quadrilátero convexo ABCD mostrado na figura, em que AB 4cm, AD 3cm e  90.

5. (Insper 2014) Considere o quadrilátero convexo ABCD mostrado na figura, em que AB 4cm, AD 3cm e  90. Nme: ºANO / CURSO TURMA: DATA: / 08 / 014 Prfessr: Paul 1. (Uneb 014) A tirlesa é uma técnica utilizada para transprte de carga de um pnt a utr. Nessa técnica, a carga é presa a uma rldana que desliza

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar:

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar: IFS - ampus Sã Jsé Área de Refrigeraçã e ndicinament de r Prf. Gilsn ELEENTS E GEETRI Gemetria significa (em greg) medida de terra; ge = terra e metria = medida. nss redr estams cercads de frmas gemétricas,

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 3

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 3 Espelhs Esfércs Espelhs esfércs côncavs e cnvexs palavra "calta" ns lembra daquela tampa que se põe sbre a rda em um carr, send hje em da quase plana em alguns mdels. Da gemetra entretant sabems que calta

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBUAR a Fase RESOUÇÃO: Proa Mara Antôna Gouvea Questão Um quadrado mágco é uma matr quadrada de ordem maor ou gual a cujas somas dos termos de cada lnha de cada coluna da

Leia mais

o que se entende por lente.

o que se entende por lente. 1062.0041 As lentes esféricas e suas principais características. 1. Habilidades e cmpetências. 3. Mntagem. B ::; A términ desta atividade alun deverá ter Cas necessári cnsulte a instruçã ]992.021. cmpetência

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

CAPÍTULO 3. por cento das pessoas são. tenta destras e só trinta por cento são

CAPÍTULO 3. por cento das pessoas são. tenta destras e só trinta por cento são '. CPÍTULO 3 PERSPECTV LNER d. l (-' \. ;' 1- '. ) f-. t - r L- --;;._-.L u f. O DESENHO SMÓLCO DESENHO CONCRETO (COM PERSPECTV) perspectiva linear é um artifíci que permite a desenhista criar uma ilusã

Leia mais

Direção do deslocamento

Direção do deslocamento Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítul 6: TRABALHO E ENERGIA CINÉTICA Resum: Prfas. Bárbara e Márcia. INTRODUÇÃO A imprtância d cnceit de energia se baseia n princípi da cnservaçã da energia:

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questã 1 Numa cidade d interir d estad de Sã Paul, uma prévia eleitral entre.000 filiads revelu as seguintes infrmações a respeit de três candidats A, B, ec, d Partid da Esperança (PE), que cncrrem a 3

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino das Ciências na Educação Básica Área de Concentração: Matemática ALEX DE BRITO COELHO

Mestrado Profissional em Ensino das Ciências na Educação Básica Área de Concentração: Matemática ALEX DE BRITO COELHO Mestrad Prfissinal em Ensin das Ciências na Educaçã Básica Área de Cncentraçã: Matemática ALEX DE BRITO COELHO Prdut Final da Dissertaçã apresentada à Universidade d Grande Ri Prf. Jsé de Suza Herdy em

Leia mais

OBMEP NÍV. 6)A figura é composta de triângulos retângulos isósceles todos iguais. Qual é a área em 2. 30 cm

OBMEP NÍV. 6)A figura é composta de triângulos retângulos isósceles todos iguais. Qual é a área em 2. 30 cm NÍV NÍVEL 7 a Lista 1) Qual é mair ds númers? (A) 0 006 (B) 0+6 (C) + 0 006 (D) (0+ 6) (E) 006 0 + 0 6 ) O símbl representa uma peraçã especial cm númers. Veja alguns exempls = 10, 8 = 7, 7 = 11, 5 1 =

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA A área de um triângul é dada

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano.

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano. Aula 3: Mviment Anual d Sl e Estações d An. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Suza Oliveira Filh &Alexei Machad Müller O espetácul d pr d sl n Guaíba, em Prt Alegre. Intrduçã Prezad alun, Observar

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

Oficina de Capacitação em Comunicação

Oficina de Capacitação em Comunicação Oficina de Capacitaçã em Cmunicaçã APRESENTAÇÕES: DICAS E INSTRUMENTOS Marcele Basts de Sá Cnsultra de Cmunicaçã mbasts.sa@gmail.cm Prjet Semeand Águas n Paraguaçu INTERESSE DO PÚBLICO Ouvir uma ba história

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por:

Física FUVEST ETAPA. Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. b) A energia cinética (E c ) do meteoro é dada por: Física QUSTÃO 1 Uma das hipóteses para explicar a extinçã ds dinssaurs, crrida há cerca de 6 milhões de ans, fi a clisã de um grande meter cm a Terra. stimativas indicam que meter tinha massa igual a 1

Leia mais

5 ANÁLISE ESPACIAL DE ÁREAS

5 ANÁLISE ESPACIAL DE ÁREAS 5 ANÁLISE ESPACIAL DE ÁREAS Glbert Câmara Marla Sá Carvalh Oswald Gnçalves Cruz Vrgna Crrea 5.1 INTRODUÇÃO Este capítul dscute métds de análse de dads espacas cuja lcalzaçã está asscada a áreas delmtadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa E. alternativa D. alternativa E

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa E. alternativa D. alternativa E NOTAÇÕES C é cnjunt ds númers cmplexs. R é cnjunt ds númers reais. N {,,,...}. i denta a unidade imaginária, u seja, i. z é cnjugad d númer cmplex z. Se X é um cnjunt, P(X) denta cnjunt de tds s subcnjunts

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2

QUARTA EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES DE QUARTO DE ONDA EWALDO ÉDER CARVALHO SANTANA JÚNIOR EE06115-67 TURMA2 UNIVERSIDADE FEDERA DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOOGIA DEPARTAMENTE DE ENGENHARIA DA EETRICIDADE ABORATÓRIO DE ONDAS EETROMAGNÉTICAS QUARTA EXPERIÊNCIA DO ABORATÓRIO DE ONDAS TRANSFORMADORES

Leia mais

O que vemos quando nos miramos em um espelho côncavo?

O que vemos quando nos miramos em um espelho côncavo? O que vems quand ns mirams em um espelh côncav? What d we view lking t urselves in a cncave mirrr? Fernand Lang da Silveira Institut de Física UFRGS Endereç eletrônic: lang@if.ufrgs.br Rland Axt Departament

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Unidade Óptica. Física. Capítulo 1 Princípios da óptica

Unidade Óptica. Física. Capítulo 1 Princípios da óptica Unae Ótca Reruçã rba. Art. 84 Cóg Penal e Le 9.60 e 9 e feverer e 998. Caítul Prncís a ótca Para ncar estu a ótca e-se fazer uma ntruçã ressaltan a mrtânca a luz e sent a vsã. Pem-se ana cmentar as fculaes

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Conjugando Imagens em Espelhos Esféricos

Conjugando Imagens em Espelhos Esféricos onjugando magens em Espelhos Esféricos Daniel Schulz Licenciado em ísica pelo UNLASALLE Mestrando em ísica pela URGS www.if.ufrgs.br/~dschulz Prof. olégio Espírito Santo/anoas-RS Espelhos esféricos são

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2 Resoluções Segmento: Pré-vestibular oleção: Alfa, eta e Gama. Disciplina: Física aderno de xercícios 1 Unidade VIII Óptica Geométrica Série 2: studo da reflexão e dos sistemas refletores 1. Da figura obtemos:

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

são as áreas dos retângulos brancos, Após o 5º. giro: 5

são as áreas dos retângulos brancos, Após o 5º. giro: 5 Sluçã da prva da 1ª Fase SOLUÇÕES 1ª FSE 2016 OMEP N2 2016 Nível 2 1 1 1 Cada faia da bandeira tem área igual a 300 cm 2. s partes brancas da faia superir têm, prtant, área igual a 150 cm 2. parte branca

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!!

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! CADERNO CATARINENSE DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1(): 15-156, 1995. CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1 Ed. Especial: 64-68, 004. Fernand ang da Silveira Institut

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Os fundamentos da física Volume 2 1. Resumo do capítulo. Conceitos fundamentais

Os fundamentos da física Volume 2 1. Resumo do capítulo. Conceitos fundamentais Os fundamentos da físca Volume Capítulo Concetos fundamentas A energa cnétca das moléculas de um corpo (agtação térmca) corresponde à energa térmca. Calor é a energa térmca em trânsto entre corpos a dferentes

Leia mais

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura

CAPÍTULO 2 RETIFICADORES A DIODO 2.1 - RETIFICADOR MONOFÁSICO DE MEIA ONDA A DIODO. a) Carga Resistiva Pura CAPÍTULO ETFCADOES A DODO.1 ETFCADO MONOFÁSCO DE MEA ONDA A DODO a) Carga esistiva Pura A estrutura d retificadr mnfásic de meia nda alimentand uma carga resistiva está representada na figura.1. v D D

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Kit Estrgnfe ABN-AB-ABK-ABL METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012

PROGRAMA REGIONAL DE PROVAS PARA BENJAMINS B 2011/2012 COMPETIÇÕES PARA O ESCALÃO DE BENJAMINS B (10-11 ANOS) A respnsabilidade de rganizaçã das actividades para este escalã etári pderá caber as clubes, esclas u à AARAM. As prvas aqui designadas devem ser

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Vantagens do Sistema Trifásico

Vantagens do Sistema Trifásico Vantagens d Sistema Trifásic Original: 6-06-03 Hmer Sette Revisã: 30-06-03 Agra que sistema trifásic chegu as amplificadres, cm advent d TRI 6000 S da Etelj, interesse pel assunt na cmunidade de áudi aumentu

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais