Projeto de Dados de Sistema para Integração Longitudinal de Informações e Procedimentos em Centros Médicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Dados de Sistema para Integração Longitudinal de Informações e Procedimentos em Centros Médicos"

Transcrição

1 Projeto de Dados de Sistema para Integração Longitudinal de Informações e Procedimentos em Centros Médicos Thiago Martini da Costa 1, Julio César. Daneluzzi 2, Sylvia Rosalina Grasseschi Panico 2, Joaquim Cezar Felipe 3 1 Programa de Pós-graduação de Informática em Saúde - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) 2 Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) - Universidade de São Paulo (USP) 3 Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) - Universidade de São Paulo (USP) Brasil Resumo Um desafio com o qual frequentemente se deparam os projetistas de sistemas de informações em saúde é a multiplicidade de subsistemas que são desenvolvidos para atender a necessidades de setores ou de procedimentos específicos dentro do ambiente operacional dos centros médicos. Esses subsistemas são geralmente desenvolvidos isoladamente e as possibilidades de integração das informações inerente aos mesmos são restritas e ineficientes. Neste artigo são apresentados os métodos e procedimentos adotados para o desenvolvimento e a implementação de uma base de dados integrada, abrangendo subsistemas de conduta e atendimento de um centro médico municipal. Os resultados obtidos a partir da integração longitudinal de todas as informações manipuladas também são apresentados. O sistema resultante apresenta alta eficiência e flexibilidade na geração de resultados de consultas cruzadas relativas aos diversos subsistemas. Palavras-chave: bancos de dados de saúde; registros médicos; integração de informações. Abstract A challenge which architects of health information systems have frequently to deal is the widevariety of subsystems developed to complement some departures needs and medical centers specific requirements. These subsystems are generally developed separately with the integration possibilities restricted and inefficient. This paper presents the methods and tasks adopted to develop and implement an integrated database which covers municipal medical center s conducts and care delivery subsystems. Longitudinal integration results concerning the related information are presented too. The system presents high efficiency, flexibility generating cross queries related to the different subsystems. Key-words: health care databases, medical records; information integration. Introdução A informatização das áreas de abrangência das Ciências Médicas é uma realidade que ganhou força e se consolidou no decorrer das últimas décadas [1]. A Informática em Saúde pode ser definida como uma área do conhecimento que lida com armazenamento, recuperação e uso da informação e do conhecimento biomédico para a resolução de problemas e a tomada de decisão [2, 3]. A crescente demanda pelo desenvolvimento de Sistemas de Informação em Saúde (SIS), Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) e Sistemas de Informação Hospitalar (SIH), entre outros, vem corroborar a tendência de se tratar a informação como insumo estratégico dentro das organizações de saúde. O conhecimento gerado a partir do controle da informação permite a manutenção e a otimização do processo produtivo, beneficiando diretamente os ambientes de atendimento e gestão em saúde [4]. O PEP é, atualmente, um dos principais temas de pesquisa e desenvolvimento no âmbito da Informática Médica. O prontuário eletrônico visa melhorar a eficiência e a organização do armazenamento das informações de saúde, provendo novos recursos e aplicações do conhecimento para elevar a qualidade da assistência à saúde do paciente. Nesse sentido, pesquisas na área [5] mostram que o PEP pode também melhorar o relacionamento médicopaciente fazendo com que o paciente interaja e participe mais ativamente de seu cuidado, utilizando o PEP como um recurso para conhecer e estudar as informações sobre seu estado de saúde. O PEP pode proporcionar: acesso rápido aos problemas de saúde e intervenções atuais; acesso a conhecimento científico atualizado, influenciando o processo de tomada de decisão; melhoria de efetividade da assistência; possível redução de custos e otimização dos recursos. Quando comparado ao registro manual, as principais vantagens do PEP são: maior precisão e maior proporção de informação correta; menor tempo para alocação da informação; uso mais econômico dos recursos financeiros; maiores facilidade e rapidez para recuperação da informação sobre o paciente [6]. Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, o PEP se constitui

2 em uma das principais fontes de dados para os Sistemas de Informação em Saúde [7]. Uma simples versão digitalizada de documentos de saúde não pode ser considerada um prontuário eletrônico, uma vez que não traz mudanças de comportamento e não possibilita a estruturação da informação para uso em apoio à decisão. É necessário não somente substituir os formulários em papel, mas principalmente prover novos recursos e aplicar técnicas de geração de conhecimento, para que se atinja uma elevação na qualidade da assistência à saúde do paciente [3]. Um sistema de registro das informações do paciente, devidamente estruturado, pode oferecer benefícios significativos na classificação de novas doenças e reclassificação das já existentes, assim como em análises estatísticas de forma geral, inclusive com a utilização de técnicas de mineração de dados, que poderão ser usadas para a descoberta do conhecimento intrínseco às informações contidas nos registros. Vale ressaltar, ainda, que o processo de estruturação está diretamente ligado às categorias de atendimento. Cada especialidade possui suas necessidades e procedimentos diferenciados para a geração do diagnóstico de forma ágil e objetiva. Isto implica que as particularidades de cada especialidade devem ser levadas em consideração e que o processo de gestão e recuperação de informação deve estar focado em auxiliar a prática clínica em suas diversas nuances. O foco da Informática em Saúde deve ser o paciente. Sistemas que integrem a informação estruturada de atenção básica de crianças, adolescentes e seus familiares, gerada por equipes multidisciplinares, são importantes para dar suporte à tomada de decisão clínica, assim como no estabelecimento de políticas de saúde pública. O presente artigo descreve um trabalho cujo objetivo global foi informatizar e integrar informações relacionadas aos processos de atendimento realizados no dia-a-dia de um Centro Médico Social e Comunitário municipal. Foi desenvolvido e implantado um sistema que integra informações de crianças, adolescentes e seus familiares, realizando também interfaces com escolas estaduais próximas à UBS, com o intuito de dar suporte a procedimentos voltados à busca ativa. Mais especificamente, este artigo trata do processo de estruturação da informação, descrevendo a metodologia empregada para a modelagem dos dados, a partir do levantamento de requisitos do sistema. Esse processo foi conduzido com foco na integração de diversos módulos relativos a diferentes tipos de atendimento praticados na UBS, com o cuidado de implantar e manter uma estrutura longitudinal de tratamento da informação em saúde inerente ao contexto. Sistema de Informações Vila Lobato O Centro Medico, Social e Comunitário (CMSC) Vila Lobato é uma Unidade Básica de Saúde (UBS) localizada no bairro de Vila Lobato, região periférica da cidade de Ribeirão Preto, estado de São Paulo. O CMSC Vila Lobato foi implementado por meio de um convênio entre a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP- USP), Hospital das Clínicas da FMRP-USP, e Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, há aproximadamente 40 anos. Este CMSC atende a uma população estimada de 18 mil pessoas e recebe alunos de graduação, pós-graduação e docentes da FMRP-USP para praticarem ativamente a medicina preventiva em pediatria e saúde da mulher. Possui no âmbito da pediatria seu foco de atendimento em crianças e adolescentes com ênfase na saúde da família. O CMSC Vila Lobato pode ser considerado como uma rica fonte de informações, por possuir um acervo físico de registros organizados com informações sobre o acompanhamento da saúde de três gerações [8]. Um sistema de informações, denominado SI-VilaLobato, foi desenvolvido com o objetivo de informatizar todos os procedimentos de atendimento em saúde praticados no Centro. Diante do largo escopo de informações que permeiam esses procedimentos, adotou-se a estratégia de dividir o sistema em módulos. Os módulos correspondiam às diferentes frentes de atendimento ao paciente praticadas no CMSC Vila Lobato, e, para que fosse elaborado um desenvolvimento progressivo e centrado no usuário, uma abordagem iterativa foi executada. O escopo de cada um dos módulos do SI- VilaLobato é descrito a seguir. SI-Criança. O CMSC Vila Lobato possui um prontuário em papel estruturado, rico em informações sócio-econômicas e de saúde de crianças, abrangendo desde o seu nascimento, até o final da adolescência. O SI-Criança foi o módulo do SI-VilaLobato, cujo escopo consistiu em modelar e desenvolver todas as informações de prontuário relativas aos atendimentos prestados a crianças. SI-Proise. O Programa de Integração Saúde e Educação com Participação da Família e da Comunidade (PROISE) é um mecanismo utilizado pelo CMSC Vila Lobato para trazer os alunos-adolescentes das escolas do bairro para o centro médico, onde eles podem ter sua saúde e desenvolvimento acompanhados, ampliando, assim, o escopo de atenção básica realizado pelo centro médico na comunidade onde ele atua. Este módulo surgiu como uma demanda imediata, pois a listagem dos alunos-adolescentes que devem ser atendidos e a manipulação das informações desses atendimentos do PROISE eram realizadas manualmente, o que dificultava o trabalho da equipe de saúde.

3 SI-Adolescente. Os prontuários de crianças e adolescentes do CMSC Vila Lobato são essencialmente semelhantes, diferindo em duas fichas de importância chave: a ficha de abertura de caso novo e a ficha de evolução clínica. O escopo deste módulo é focado, portanto, nessas duas fichas que são distintas do núcleo comum do prontuário. SI-Proespa. Atendimentos individuais ou em grupos de pacientes realizados por equipes multidisciplinares também necessitam de atenção especial na informação manipulada. Esse módulo do sistema é relacionado principalmente na integração dos dados de atendimentos em grupo, utilizando informações de saúde mencionadas no SI-Proise. Métodos O planejamento da base de dados relacional do presente projeto foi realizado após as etapas de especificação de requisitos de cada módulo. Inicialmente foram realizadas reuniões entre pesquisadores e equipe de saúde do CMSC Vila Lobato e a equipe de pesquisadores docentes e alunos do curso de graduação em Informática Biomédica da USP, com o objetivo de delinear os requisitos e o escopo do projeto SI- VilaLobato de forma global. Conhecido o escopo do SI-VilaLobato, ele foi dividido em quatro módulos, encarados como sub-projetos independentes, para facilitar seu desenvolvimento: SI-Criança, SI-Proise, SI- Adolescente e SI-Proespa. Os módulos foram desenvolvidos separadamente. No entanto, tendo como meta sua integração no SI-VilaLobato, os pesquisadores do CMSC Vila Lobato e os desenvolvedores que participaram da especificação de requisitos inicial coordenaram as reuniões e os levantamentos de requisitos específicos de cada módulo. O levantamento de requisitos dos módulos foi elaborado seguindo paradigma do modelo iterativo incremental de Engenharia de Software. Os requisitos foram tomados como referência para a modelagem da base de dados, resultando nos Diagramas Entidade- Relacionamento (DER) da mesma. Caso em algum módulo fosse necessária alguma alteração em entidade que fosse comum a outros módulos, a modificação era avaliada e implementada em todos os módulos, garantindo assim a integridade entre os módulos do SI- VilaLobato. Os DERs foram gerados por meio da ferramenta de distribuição gratuita DBDesigner 4 1, que, posteriormente, gera automaticamente scripts na linguagem SQL para a implementação física do banco de dados. O DBDesigner gera 1 DBDesigner 4 - scripts para o Sistema Gerenciador de Bases de Dados (SGBD) MySQL. Pequenas alterações nesses scripts foram necessárias para adaptar a criação do banco de dados no SGBD que atualmente está sendo utilizado no SI-VilaLobato: o PostgreSQL 2 versão 8.2. Resultados Os módulos foram desenvolvidos individualmente. O primeiro subsistema desenvolvido foi o SI-Proise, de forma que a base estrutural de cadastro de profissionais de saúde, pacientes e atendimentos foi projetada durante a elaboração do referido subsistema. Os subsistemas SI-Criança, SI- Adolescente e SI-Proespa utilizaram a mesma estrutura provida pelo SI-Proise incrementado-a de acordo com os requisitos específicos. A despeito do projeto individual dos subsistemas do SI-VilaLobato, deve-se salientar que a base de dados do SI-VilaLobato é única e foi obtida como resultado da integração dos referidos módulos. A Figura 1 ilustra os módulos e suas intersecções. As entidades que possuem uma indicação com a cor vermelha pertencem ao SI-Proise, da mesma forma entidades que possuem indicação com a cor verde pertencem ao SI-Criança, o SI- Adolescente está representado pela cor azul e o SI-Proespa pela cor amarela. A entidade principal do SI-VilaLobato é a Pessoa. O principal relacionamento pertinente ao sistema é o relacionamento entre Pessoa e Atendimento. Todos os subsistemas utilizaram esse conceito básico como pedra angular de sua estrutura de dados. A entidade Atendimento é uma entidade genérica que contém um conjunto básico de atributos, tais como a data do atendimento, o tipo de agendamento que foi realizado (rotina, retorno assistencial, fora de dia etc.), se o paciente compareceu ou não àquele atendimento, dentre outros atributos. Para abordar as especificidades de cada subsistema, sem no entanto sobrecarregar ou comprometer a estrutura do SI- VilaLobato como um todo, foram planejadas especializações do tipo parcial e exclusiva. Dois exemplos que ilustram a especialização mencionada são a evolução clínica da criança e a evolução clínica do adolescente. Embora sejam atendimentos, que possuem, data, horário, tipo de agendamento, entre outras informações comuns, a evolução clínica da criança, pertencente ao subsistema SI-Criança, difere da evolução clínica do adolescente, pertencente ao subsistema SI- Adolescente, pois para o adolescente são registradas informações referentes a uso de drogas e sexualidade, por exemplo, enquanto que para a criança são registradas informações 2 PostgreSQL -

4 referentes ao aleitamento, desenvolvimento da fala, etc. graças à integração promovida pela modelagem dos dados, é ilustrada na Figura 2. As consultas Figura 1 Modelo de dados com as representações de integrações relacionais entre os subsistemas Tanto as informações referentes a um atendimento especializado, como, por exemplo, evolução clínica da criança e evolução clínica do adolescente são registradas nas respectivas entidades e na entidade Atendimento, pois se tratam de atendimentos. O registro de informações básicas na entidade Atendimento, sendo este Atendimento especializado ou não, permite a recuperação longitudinal de informações de maneira rápida e acessível, além de garantir a integração e consistência dos diferentes módulos do sistema. Adicionalmente, na estrutura de base de dados proposta foi realizado um mapeamento entre a Classificação Estatística Internacional de Doenças (CID) e o vocabulário médico local. As nomenclaturas utilizadas pela CID não refletem apropriadamente a terminologia local; dessa forma, foi desenvolvido um dicionário de dados que viabilizou a portabilidade da nomenclatura das impressões diagnósticas para outros sistemas. Relatórios construídos com as informações estruturadas resultantes da integração dos subsistemas do SI-VilaLobato foram desenvolvidos a partir de simples consultas na base de dados do sistema. Um exemplo de associação seqüencial entre informações, obtida apresentam quais foram os atendimentos que tiveram a impressão diagnóstica (ID) dengue entre março e abril de 2008 e, consequentemente, quais são os pacientes que moram próximos aos pacientes que tiveram o diagnóstico de dengue. A maneira como as informações estão estruturadas nas bases de dados dos subsistemas do SI-VilaLobato possibilita rápida identificação tanto de fatores de risco como populações em situação de risco. Discussão e Conclusões A integração entre as bases de dados longitudinais dos diversos subsistemas do SI- VilaLobato obteve êxito em gerar as informações que os pesquisadores e gestores de saúde do CMSC Vila Lobato necessitavam. Exemplos são os relatórios que, fundamentados em simples consultas SQL fornecem informações sobre pacientes potencialmente em risco e sobre estratégias de assistência que estão dando certo ou errado. Dois fatores foram fundamentais no sucesso da referida integração. As reuniões iniciais entre as equipes de desenvolvimento e do CMSC Vila Lobato possibilitaram a identificação dos requisitos do SI-VilaLobato e esclareceram a logística de atendimento do referido centro de

5 saúde, fornecendo uma visão de onde se queria chegar. O segundo fator considerado como fundamental foi a reavaliação em conjunto do projeto da base de dados junto aos membros responsáveis pelas equipes de todos os Ruiz, Profa. Dra. Alessandra Macedo e Prof. Dr. Luiz Antônio; aos alunos Juliana Pollettini, Tiago Almeida, Daniane de Paula, Pedro Perez, Marcelo Ponciano e todos os alunos do curso de Informática Biomédica que participaram do Figura 2 Na parte superior, relatório que apresenta os atendimentos que tiveram paciente com a impressão diagnóstica (ID) dengue. Na parte inferior, relatório que apresenta todos os pacientes em situação de risco por morarem próximos aos casos de dengue. subsistemas quando alguma alteração estrutural foi necessária. As reavaliações não só aprimoraram o conhecimento de detalhes das necessidades do centro de saúde como também garantiram que informações pormenorizadas pudessem ser repassadas a todos os subsistemas, enriquecendo desta forma a base de dados e garantindo a coesão. O projeto de base de dados proposto no presente trabalho pode servir como exemplo e referência no processo de informatização de centros médicos sociais, como o de Vila Lobato, que manipulam informações complexas oriundas de diversos tipos de programas de saúde. Concluímos que o elemento chave da integração dos diversos subsistemas de registro de informação em saúde é o paciente. Quando o paciente é colocado como objeto principal do sistema de informação, ganham os profissionais de saúde que têm em mãos de maneira mais hábil informações estratégicas para tomada de decisões e, principalmente, ganham os próprios pacientes que adquirem uma nova visão sobre seus estados de saúde, com seus potenciais fatores de risco sendo avaliados e reavaliados com mais rapidez e eficiência. Agradecimentos Agradecemos pela valiosa contribuição: aos professores pesquisadores Prof. Dr. Evandro projeto de dados; à funcionária do CMSC Vila Lobato Eliana Gomes. Agradecemos também à Fundação de Amparo ao Ensino e Pesquisa de Ribeirão Preto pelo fomento fornecido. Referências [1] Massad E, Marin HF, Azevedo-Neto RS. O prontuário eletrônico do paciente na assistência, informação e conhecimento médico. São Paulo: USP/UNIFESP; [2] Shortliffe EH, Cimino JJ. Biomedical informatics: computer applications in health care and biomedicine. 3rd edition. Springer; [3] Costa CGA. Desenvolvimento e avaliação tecnológica de um sistema de prontuário eletrônico do paciente, baseado nos paradigmas da World Wide Web e da engenharia de software. Dissertação de Mestrado. Campinas (SP): Núcleo de Informática Biomédica, Universidade Estadual de Campinas; [4] Felipe JC, Costa TM, Dorielo EAG, Silva, MP Estruturação da informação para registro eletrônico de evolução clínica do paciente. In: Rocha A. (Org.). Informática de saúde - boas práticas e novas perspectivas. 1a ed. Porto (Portugal): Editora da Universidade Fernando Pessoa. 2007; 1 p

6 [5] Sigulem D. Um Novo Paradigma de Aprendizado na Prática Médica da UNIFESP/EPM. Tese de Livre Docência. São Paulo (SP): Departamento de Informática em Saúde, Universidade Federal de São Paulo.; [6] Tomasi E, Facchini LA, Maia MFS. Health information technology in primary health care in developing countries: a literature review. Bulletin of the World Health Organization. 2004; 82 (11). [7] Cunha F, Silva HP. O prontuário eletrônico como unidade de transferência e criação de conhecimento em saúde. [Internet] Visualizado em 13/07/2006. Disponível em: ocunhahelenasilva.pdf. computacional que facilite a pesquisa acadêmica e o acompanhamento da saúde e do desenvolvimento de adolescentes em atenção básica à saúde. Relatório de Iniciação Científica apresentado à Fundação de Amparo ao Ensino e Pesquisa Aplicada do HCFMRP. Ribeirão Preto (SP); Contato Nome: Thiago Martini da Costa Nome: Joaquim Cezar Felipe [8] Costa TM, Panico SRG, Ruiz EES. Projeto interdisciplinar para a criação de uma ferramenta

Ouvidoria Digital na Atenção Básica em Saúde

Ouvidoria Digital na Atenção Básica em Saúde Sessão #54 Sala Porto de Galinhas 2 22/10 Ouvidoria Digital na Atenção Básica em Saúde Ricardo G Costa 1,2, Julie A Todesco 1,2, Poliana Cerqueira Pereira 3, Paulo Mazzoncini Marques Azevedo 2, Domingos

Leia mais

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil Gestão de uma Farmácia Solidária a partir de um Aplicativo Pautado em Normas, Padrões e Requisitos preconizados pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde Osmani José Sadzinski 1, Fabio Duarte 1,4,

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

Sistema Gerenciador de Clínica Médica Automatizando a Clínica Cardiomed Implantação

Sistema Gerenciador de Clínica Médica Automatizando a Clínica Cardiomed Implantação Sistema Gerenciador de Clínica Médica Automatizando a Clínica Cardiomed Implantação Acadêmico: Giuliano Márcio Stolf Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja Apresentação Clínica médica SI na área da saúde

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Cristiane Vaucher(**) Enfermeira. Membro do Comitê de Implantação da SAE no INCA IV Jornada de Enfermagem em Oncologia

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Estruturação da. Prontuário rio Eletrônico do Paciente

Estruturação da. Prontuário rio Eletrônico do Paciente Estruturação da Evolução Clínica para o Prontuário rio Eletrônico do Paciente Éderson Antonio Gomes Dorileo Thiago Martini da Costa Marcelo Ponciano da Silva Prof. Dr. Joaquim Cezar Felipe X Congresso

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 15/05/2013-15:50:44 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE

Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SISTEMA SAÚDE EM REDE - SISREDE Belo Horizonte Pop. estimada: 2.375.151 hab. (estimativas IBGE 2010) Informatização da Rede

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ Dayse Duarte Tenorio Diretoria Acadêmica de Eletrotécnica IFRN Campus Mossoró E-mail: dayse_tenoro_d@hotmail.com Lucas Duarte Almeida Departamento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS Renata Pinto Dutra Ferreira Especialista Administração de Sistemas de Informação Instituto Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE JOGO E GERAÇÃO DE SÚMULAS DE HANDEBOL

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE JOGO E GERAÇÃO DE SÚMULAS DE HANDEBOL SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE JOGO E GERAÇÃO DE SÚMULAS DE HANDEBOL ¹ Hélder SANTOS; ² Bruno FERREIRA; ¹ Estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. IFMG campus Bambuí ² Professor do curso

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx...

http://www.microsoft.com/pt-br/case/details.aspx... Casos de Sucesso A Cyrela está completamente focada no pós-venda e a utilização do Microsoft Dynamics 2011 só reflete mais um passo importante na busca pela qualidade do atendimento ao cliente Roberto

Leia mais

OS 10 ANOS DE GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Francisco Nunes Navarro Gabriel Gasparini

OS 10 ANOS DE GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Francisco Nunes Navarro Gabriel Gasparini OS 10 ANOS DE GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA BIOMÉDICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Francisco Nunes Navarro Gabriel Gasparini Os autores Francisco Nunes Navarro Graduando em Informática Biomédica na Universidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos

Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos Painel Aplicações móveis na área da saúde: m-health Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos Profa. Magdala de Araújo Novaes Núcleo de Telessaúde, Hospital das Clínicas, Departamento de Medicina

Leia mais

Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente

Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente Graduação em Engenharia da Computação 2013.2 Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente Proposta de Trabalho

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

A Internet facilitando tratamentos médicos

A Internet facilitando tratamentos médicos VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 A Internet facilitando tratamentos

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATIVIDADES COMPLEMENTARES DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Emerson Barros de Meneses

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades , URL: http://www.ecmal.br/metodologia Página 1 de 5 Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades A iniciação científica é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO DIABETES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Patrick Pedreira Silva patrick.silva@usc.br Universidade Sagrado Coração, Centro de Ciências Exatas

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); PLANO DE TRABALHO 2014 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DO SiGH NO NÚCLEO DE HEMOTERAPIA DE RESENDE

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DO SiGH NO NÚCLEO DE HEMOTERAPIA DE RESENDE SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DO SiGH NO NÚCLEO DE HEMOTERAPIA DE RESENDE RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar a possibilidade de informatização

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras

A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras A importância do PDTI na implantação da Governança de TI nas Prefeituras Brasileiras Hugo Queiroz Abonizio 1, Rodolfo Miranda de Barros 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE

CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE Juliano Flores Prof. Wagner Walter Lehmann Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI0034) Prática do Módulo

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL

SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL Foto: Fundo Comunicação Social Arquivo Público do Distrito Federal SISTEMA DE ARQUIVO DO HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL SYSTEM OF MEDICAL RECORDS FROM HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL Este trabalho

Leia mais

Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul

Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul Iara Ferrugem Velasques 1 Rejane Vargas Dornelles 1, Tânia Regina Prauchner 1 pnmaii, rejanevd, taniarp@fepam.rs.gov.br

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Inovação Tecnológica através do Software SISO Sistema Odontológico da UNIOESTE

Inovação Tecnológica através do Software SISO Sistema Odontológico da UNIOESTE Inovação Tecnológica através do Software SISO Sistema Odontológico da UNIOESTE Rafael Voltolini 1, Anderson Zanardo Dias 1, Anselmo Luiz Éden Battisti 1, Claudia Brandelero Rizzi 1, Jorge Bidarra 1, Fabiana

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais