COMISSÃO DE AUTO AVALIAÇÃO PLANO DE MELHORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DE AUTO AVALIAÇÃO PLANO DE MELHORIA"

Transcrição

1 COMISSÃO DE AUTO AVALIAÇÃO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDARIA/3 DE BARCELINHOS Julho 2012

2 2/6 O Plano Melhoria da Escola, construído pela Comissão Auto Avaliação para o ano letivo , visa reforçar e consolidar as práticas melhoria. A construção ste Plano teve como referências o Dispositivo Auto Avaliação implementado e os resultados apurados pela comissão Auto Avaliação. Neste contexto, foram finidos os seguintes domínios ação da CAA ÁREAS A AVALIAR: A Escola como lugar aprendizagem da restante comunida educativa - âmbito do trabalho colaborativo dos professores. Encontradas as áreas a avaliar e vidamente balizada a nossa intervenção para o presente ano letivo, promoveu-se à construçs quadros referenciais. Para dar resposta aos indicadores finidos houve necessida procer à elaboração múltiplos instrumentos recolha e tratamento informação, que pois aplicados nos permitiram sintetizar/tratar graficamente a informação, reconstruir os contextos e produzir uma análise SWOT, que verá fundamentar a tomada cisões na elaboração ste plano melhoria. Os Indicadores análise tidos em conta para cada uma das prioridas implicaram um trabalho diagnóstico que assentou nas seguintes fontes informação: Projeto Educativo para ; Pesquisa documental a atas, relatórios Inquéritos a alunos e professores. Entrevistas a professores representativos dos conselhos turma e partamentos. O plano ação apresentamos seguida verá ser cuidadosamente analisado pelo Conselho Pedagógico o qual se verá pronunciar quanto à sua exequibilida. Neste plano não finimos critérios importância das ações melhoria por consiramos que este plano é exequível, no entanto faltará, após a sua aprovação na generalida, constituir uma subcomissão modo a estabelecer um plano mais pormenorizado, em conjunto com os responsáveis das ações melhoria, por forma a estabelecer metas, prazos e avaliar o impacto ssas ações.

3 3/6 Plano Ação por elemento constitutivo: A avaliação das estratégias não é sistemática. Nem sempre a indisciplina é abordada em se partamento Alteraç corpo das atas modo a comtemplar explicitamente a avaliação das estratégias. Alterar a orm trabalhos para a primeira reuni ano dos partamentos modo a incluir o bate e aferição comportamentos e a atuação dos professores perante a indisciplina. Direção, início do ano letivo Direção, início do ano letivo;. Registo em Atas. Registo em Atas partamento; Relatório final. Direção. Análise realizada pelos Coornadore s Departamento s; Nem sempre a indisciplina é abordada em se partamento; Não existem referências nas atas sta partilha e para além disso como a colaboração é informal não se faz forma sistemática e não se faz a sua avaliação. Departamentos Abordar a indisciplina em se partamento através palestras, workshops, etc. Modificar a estrutura das atas e das orns serviço do partamento modo a contemplar espaços que permitam formalizar e promover essa partilha. Direção, início do ano letivo; Registo em Atas; Relatório final. Registo em Atas Departamento; Relatórios. Leitura dos relatórios finais pela Leitura dos relatórios dos coornadores no final cada ano letivo pela CAA Análise pela CAA das atas Departamento.

4 4/6 Não há prática continuada elaboração pedagógicos multimédia em conjunto. Não existe cultura criação pedagógicos em conjunto na escola. Falta condições físicas na escola que potencie o trabalho colaborativo Dependência exagerada dos manuais e nos criados pelas grans editoras. Subpartamentos Responsabilizar o coornador partamento/subpartamento pela manutenção um portefólio digital que possibilite a partilha e experiências através uma plataforma aprendizagem virtual Colocar no horário dos professores às quartas feiras, das 16h50 às 18h20, reuniões subpartamento para fomentar o trabalho colaborativo. Criar espaço físico que possibilite o trabalho colaborativo na escola, com condições trabalho (mesas, cairas, estantes e computador). Promover no final do ano letivo um encontro entre todos os docentes para refletir sobre a sua prática, on fossem realçados os pontos fracos, fortes e constrangimentos, assim como estratégias melhoria para o futuro. Subcoornadores partamentos e Docentes. Coornador Subpartamentos/gru pos disciplinares. Direção. Departamento/subpa rtamento. Taxa partilhados por professor. Questionário aplicado aos professores Resultado da avaliaç funcionamento das salas trabalho elaborada pelo subcoornador/grup os disciplinares. Questionário aplicado aos professores. Execução da ação. Ficha reflexão critica; Sugestões, propostas fornecidas pelos docentes no encontro reflexão. Análise, pela CAA, dos partilhados através das taxas partilha por professor. Análise, pela CAA dos resultados do aplicado aos professores. Avaliaç trabalho senvolvido através análise dos resultados dos s Observação direta. Avaliação das propostas participantes através ficha reflexão crítica.

5 5/6 Ausência avaliação estratégias presentes PCT; das no Alterar a estrutura da ata contemplando nesta a avaliação das estratégias implementadas ao aluno no processo ensino - aprendizagem. Coornadores DT. Registo em relatório Coornador DT. Análise do plano actividas da turma pela Pouca reflexão sobre as características/n ecessidas do perfil do aluno. Ensino Básico Não são registados em ata quaisquer reflexões acerca das práticas letivas. Ensino Secundário Nem sempre há registo em ata e no PCT. Ensino Profissional Duplicação informação. Conselhos Turma Acrescentar no molo ata existente, no tópico outros assuntos um conjunto indicadores que relembre ao conselho turma a necessida refletir sobre aspetos que possam melhorar a integração/adaptaç aluno, e o sucesso ste nas suas diferentes vertentes. Uniformizar documento/grelha para avaliação das atitus dos alunos no Ensino Básico. Criar um código conduta e aplicá-lo às especificidas da turma, registando o modo atuaçs professores/ alunos s a 1ª reunião Reduzir o número documentos modo a que não haja repetição informação; Criação uma plataforma digital que auxilie à criação e gestão documentos. Coornadores DT; Diretores Turma. Direção e equipa responsável: Coornador dos directores turma, directores turma, Representante da Associação pais e reforço d o papel dos Delegados/sublegad os turma (palestras, reuniões regulares com a Direcção ); Coornador das Novas Oportunidas; Diretores Curso. Registo em ata Conselho turma e PCT. Relatório dos Diretores Turma. Registo em ata directores turma. Questionário a alunos, assistentes operacionais e professor. Divulgaç guião à comunida. Grau satisfação da comunida escolar. Inquérito na página da escola. Criação uma plataforma digital De gestão documental. Análise realizada pelo Conselho Turma e verificação das atas e PCT relatórios pela Análise do PCT, atas e inquérito pela Leitura do código conduta pelo director turma aos alunos. Verificação dos utilizadores da plataforma digital e análise dos dados do

6 6/6 Não se faz o levantamento das necessidas formaçs professores forma sistemática. Pouco Oferta na Escola. Oferta pouco diversificada Não há oferta na área da indisciplina e avaliação. Formação continua Fazer o levantamento das necessidas formação e elaborar o plano formação para a escola anualmente. Promover formação no espaço escolar gratuitamente, em períodos maior disponibilida dos professores. A oferta verá ser diversificada para abarcar todos os grupos disciplinares. Promover ações formação nas áreas indisciplina e avaliação. Comissão Formação contínua do Conselho Pedagógico; Coornadores Comissão Formação contínua Conselho Pedagógico; Coornadores Coornador Subpartamentos. Coornador Subpartamentos. Registo em ata ou criação ficha própria para o efeito. Levantamento do nº acções formação promovidas pela escola, nº participantes e grau satisfação. Questionário a professores Questionário a professores registos em ata Levantamento do nº acções promovidas pela escola.e avaliaç grau satisfaçs participantes em atas partamento resultados do resultados do Comissão Avaliação Interna da Escola Inês Tomé Jorge Salgueiro João Rodrigues Pedro Gonçalves Teresa Raquel Carvalho Virgílio Pereira

COMISSÃO DE AUTO AVALIAÇÃO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDARIA/3 DE BARCELINHOS

COMISSÃO DE AUTO AVALIAÇÃO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDARIA/3 DE BARCELINHOS COMISSÃO DE AUTO AVALIAÇÃO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDARIA/3 DE BARCELINHOS Outubro 2011 O Plano Melhoria da Escola, construído pela CAA para o ano letivo 2011 2012, visa reforçar e consolidar as práticas

Leia mais

Plano de Melhoria 2012/2015. Escola Básica de 1º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura

Plano de Melhoria 2012/2015. Escola Básica de 1º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura Plano de Melhoria 2012/2015 Escola Básica de 1º ciclo com Pré-Escolar de Boaventura Índice Introdução... 2 Prioridade 1... 3 Prioridade 2... 4 Prioridade 3... 5 Prioridade 4... 6 Considerações finais...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA 2012/2015 PLANO DE MELHORIAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO

AVALIAÇÃO INTERNA 2012/2015 PLANO DE MELHORIAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO AVALIAÇÃO INTERNA 2012/2015 Equipa Autoavaliação: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais Rita Magalhães PLANO DE MELHORIAS Estrutura do Plano Melhorias

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016

Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016 Relatório Autoavaliação Escola 2015 / 2016 Equipa de Autoavaliação 10 de novembro de 2016 (em branco) Índice 1. Introdução... 1 2. Objetivos da autoavaliação da Escola... 1 3. Atividades da equipa em...

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO Legislação relativa à avaliação Orientação técnica nº 3/2016, de setembro (ANQEP) Cursos de Educação e Formação nível básico (ano letivo 2016/2017). Orientação técnica

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna

Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARADAS Agrupamento de Escolas de Aradas Trabalho Desenvolvido Equipa de Avaliação Interna 2006-2013 Equipa de Avaliação Interna Página 1 [ES C R E V E R O E N D E R E Ç O D A

Leia mais

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias.

Constituída a equipa, iniciaram-se os trabalhos necessários à elaboração deste Plano de Melhorias. Plano de Melhoria 1. Introdução Em Julho de 2012, o Agrupamento de Escolas de Carnaxide-Valejas juntou-se à Escola Secundária Camilo Castelo Branco dando origem ao atual Agrupamento de Escolas de Carnaxide.

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA P S I C Ó L O G A L I L I A N A B Á R T O L O SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Enquadramento

Leia mais

Modelo de autoavaliação da ESARS

Modelo de autoavaliação da ESARS 2014-2017 Modelo de autoavaliação da ESARS Observatório da Qualidade Índice Introdução 2 Enquadramento 3 Trabalho desenvolvido no ano letivo 2013-2014 e 2014-2015 4 Missão e Finalidades 6 Princípios Orientadores

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 I - Enquadramento legal Definição do âmbito da Autoavaliação do AEFS Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho (alteração

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO

Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO Agrupamento Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães (150812) Escola EB 2,3 Abel Salazar Ronfe, Guimarães (343638) PREÂMBULO 1 O Plano Melhoria constitui-se como instrumento suporte à programação e à

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

C O M I S S Ã O D E A V A L I A Ç Ã O. Plano de Melhoria I N T E R N A

C O M I S S Ã O D E A V A L I A Ç Ã O. Plano de Melhoria I N T E R N A O C O M I S S Ã O D E Plano de Melhoria 2010 2013 A V A L I A Ç Ã O I N T E R N A O Plano de Melhoria da Escola, construído pela CAI para o triénio 2010 2013, visa reforçar e consolidar as práticas de

Leia mais

1ª Medida- Crescer a Comunicar

1ª Medida- Crescer a Comunicar 1ª Medida- Crescer a Comunicar 2- Anos de Escolaridade a 3- Designação da Crescer a Comunicar a da execução da ) Atendendo às orientações curriculares/ metas da educação pré -escolar verifica-se que um

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

Autoavaliação Qualidade do Ensino do Agrupamento

Autoavaliação Qualidade do Ensino do Agrupamento Autoavaliação Qualidade do Ensino do Agrupamento 2014-2018 PLANO DE AÇÃO 1 ÍNDICE 1 Introdução. 3 2 Divulgação. 4 3 Circuito de Informação 5 4 Equipa de Autoavaliação.. 6 4.1 Funções a desempenhar/competências

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1. A BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1.1. DEFINIÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A Biblioteca Escolar (BE) constitui um espaço que proporciona a democratização do acesso a uma variada

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA DR. FR ANCISCO FERNANDES LOPES BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO DE ACÇÃO 2009-2013 Introdução O Plano de Acção da Biblioteca Escolar para o quadriénio 2009/2013 encontra-se dividido em quatro

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 B. Leitura e literacia Avaliação 4 2011 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alcabideche Escola Básica de Alcabideche PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Alcabideche Escola Básica de Alcabideche PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO BIBLIOTECA ESCOLAR - ALCABIDECHE E ALTO DA PEÇA - GLOBAL Data Atividades Reuniões entre a Professora Bibliotecária/Coordenadora da Biblioteca Escolar () o Diretor do Agrupamento (DA) e/ou a Coordenadora

Leia mais

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11

Escrito por Administrador Quinta, 05 Fevereiro :48 - Actualizado em Terça, 10 Novembro :11 Plano de Ação e Plano Estratégico do Agrupamento 1.Plano de Ação Para dar consecução à missão e aos valores, pretende o Agrupamento desenvolver uma ação educativa alicerçada num conjunto de princípios

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL EANES. Plano de melhoria referente ao relatório de autoavaliação 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL EANES. Plano de melhoria referente ao relatório de autoavaliação 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL EANES Plano de melhoria referente ao relatório de autoavaliação 2015/2016 O plano de melhoria para o Agrupamento de escolas Gil Eanes é fruto do relatório da Autoavaliação produzido

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Intermédio

Plano de Ações de Melhoria Intermédio Plano de Ações de Melhoria Intermédio PAM Intermédio 2016/2017 Março de 2017 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF Educação

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas D. Sancho I PLANO DE MELHORIA 2016-2018 Elaborado nos termos previstos na Recomendação nº 1/2011 da IGEC Áreas de melhoria apontadas na Externa concluída em 20/01/2016. Uma escola

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Escola Secundária/3 de Almeida Garrett PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Analisar o Passado, compreender o Presente para antecipar o Futuro 2014-2016 Índice 1. Introdução... 3 2. Estrutura do Plano de Ações de

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Inicial

Plano de Ações de Melhoria Inicial Plano de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2016/2017 Outubro de 2016 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Carta de Missão 2013/2017 Maria Guilhermina Cruz de Pina Madeira Barros Ramos Compromissos Objetivos Estratégias Metas/Critérios de sucesso C1 Sucesso escolar

Leia mais

Plano de Melhoria JULHO/ 2013

Plano de Melhoria JULHO/ 2013 JULHO/ 2013 Índice 2 Introdução 3 I Ponto de partida 4 II Componentes do Plano 5 A. Objetivos, metas e indicadores 5 B. Ações a implementar 8 C. Cronograma 10 D. Intervenientes 10 E. Recursos 10 F. Monitorização,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto

GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA. Relatório Final. Ano Lectivo 2010/ Plano de trabalhos/ acções previsto GRUPO DE TRABALHO DA AVALIAÇÃO INTERNA Relatório Final Ano Lectivo 2010/2011 1. Plano de trabalhos/ acções previsto Escola Secundária Dr. José Afonso RF: 2010-11 Calendarização dos principais processos

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA 1. Introdução A avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Maia, da responsabilidade da IGEC, decorreu de 17 a 20 de novembro do ano transato. A classificação de Muito Bom em todos os domínios enche-nos

Leia mais

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO O direito de participação dos pais na vida da Escola processa-se de acordo com o disposto na Lei de Bases do Sistema Educativo,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira ENQUADRAMENTO Importa que a avaliação externa das escolas seja um processo útil para o desenvolvimento e a melhoria de cada escola. Para tal,

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR da Escola Básica 1º ciclo e da Escola Básica e

BIBLIOTECA ESCOLAR da Escola Básica 1º ciclo e da Escola Básica e 2015/2016 BIBLIOTECA ESCOLAR da Escola Básica 1º ciclo e da Escola Básica e Secundária pólo Aquilino Ribeiro e pólo Luís Veiga Leitão DATA LOCAL ATIVIDADES OBJETIVOS/DOMÍNIOS ORGANIZADORES/ INTERVENIENTES

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010

BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 BIBLIOTECAS ESCOLARES AUTO-AVALIAÇÃO BIBLIOTECA ESCOLAR DE MARRAZES 2009/2010 ONTEM... tendo magníficas colecções de informação, um ambiente físico inspirador ou uma rede avançada de tecnologia de informação.

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA - ATUALIZADO EM OUTUBRO DE 2016 - TRIÉNIO 2015-2018 Índice I INTRODUÇÃO... 2 II ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO... 2 III IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE MELHORIA... 3 IV PRIORIZAÇÃO DAS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA

Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/ Santa Cruz do Bispo AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2012 PLANO DE MELHORIA Leça da Palmeira, Julho 2012 0 INDICE Introdução. Relatório da avaliação externa..

Leia mais

Projeto SAME. «Construção e impacto de um Observatório da Qualidade numa escola TEIP» José Maria de Almeida

Projeto SAME. «Construção e impacto de um Observatório da Qualidade numa escola TEIP» José Maria de Almeida Projeto SAME «Construção e impacto de um Observatório da Qualidade numa escola TEIP» José Maria de Almeida Objeto do estudo Contexto do estudo Objetivos Questão principal Questões secundárias Metodologia

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2015/2016

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2015/2016 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2015/2016 PLANO DE MELHORIA 2016/2018 Plano de melhoria 2016/2018 1-Introdução. 2- Modelo de identificação da acção de melhoria. 3- Áreas e acções de melhoria 3.1- Promoção

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA 1 PLANO DE MELHORIA Melhoria. Da avaliação externa a que a escola foi submetida nos dias 7 e 8 de Março de 2012, resulta a obrigatoriedade de

Leia mais

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho.

A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. A autoavaliação é o processo em que a escola é capaz de olhar criticamente para si mesma com a finalidade de melhorar o seu desempenho. Finalidades Identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA PLANO DE MELHORIA 2013 2015 1 - Introdução Entende-se por Plano de Melhoria da Escola um conjunto de procedimentos e estratégias organizadas e implementadas com o objetivo de promover a melhoria dos processos

Leia mais

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA Luísa Correia. Modelos e práticas de Auto-avaliação de Bibliotecas Escolares RBE Outubro/Dezembro 2010 Pressupostos

Leia mais

7. Participar em atividades (efemérides, palestras, eventos de leitura, sessões formativas, projetos, clubes, outras)

7. Participar em atividades (efemérides, palestras, eventos de leitura, sessões formativas, projetos, clubes, outras) QA Questionário aos alunos 17 Escola: 1 Identificação: Data: Masculino 2 Frequentas o Feminino Ensino Básico: 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º Outros cursos Ensino Secundário: 10.º 11.º 12.º Curso profissional Outros

Leia mais

Trabalho Individual Final (TIF) Ação: C523A-14_15. Avaliação das aprendizagens dos alunos refletir sobre as práticas avaliativas

Trabalho Individual Final (TIF) Ação: C523A-14_15. Avaliação das aprendizagens dos alunos refletir sobre as práticas avaliativas Trabalho Individual Final (TIF) Ação: C523A-14_15. Avaliação das aprendizagens dos alunos refletir sobre as práticas avaliativas Turma 1 Formador - Joaquim Morgado Formanda Cristina Maria Sereno Augusto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS Relatório de avaliação Final. Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar.

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS Relatório de avaliação Final. Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar. Relatório de avaliação Final AÇÃO DE MELHORIA N.º 1 Final ano letivo 2012-2013 Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar. Renovar a campanha de divulgação e utilização

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Enquadramento Equipa de autoavaliação Representantes do PD José Bentes Guerreiro

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Ações de Melhoria (PAM) Equipa de Autoavaliação: Albertina Pinto, Ana Paula Costa, Ana Paula Neves, Ana Spínola, Benjamim Sampaio, Dina Paulino, Francisco

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALLIS LONGUS PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA VALONGO, JUNHO 2013 INTRODUÇÃO O Plano de Melhoria constitui-se como instrumento de suporte à programação e à implementação da melhoria

Leia mais

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO 2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. S DE FORMAÇÃO 4.1. PESSOAL DOCENTE 4.2. PESSOAL NÃO DOCENTE ASSISTENTES ADMINISTRATIVOS 4.3. PESSOAL NÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA Código 160635 [2016/2018] (DGE) PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE 1. Identificação do Agrupamento de Escolas Viseu Norte... 2 2. Compromisso social do Agrupamento / Histórico e metas de sucesso... 2 3.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / a / Dezembro de Profª Bibliotecária: Maria Clara Nogueira de Almeida DEFINIÇÃO Documento que apresenta as linhas orientadoras para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA PLANO DE MELHORIA Cuba Julho de 2012 1- Introdução A avaliação é um procedimento que permite à organização que o implementa modelar a sua identidade, analisar os pontos fortes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LINDA-A-VELHA E QUEIJAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LINDA-A-VELHA E QUEIJAS 2016-2019 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LINDA-A-VELHA E QUEIJAS 2016-2019 1 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escolas de Linda-a-Velha e Queijas resulta e tem como referência o relatório da avaliação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

Plano Estratégico do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Plano Estratégico do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais 1. Introdução O Plano Estratégico é um instrumento de gestão orientado para a produção de decisões e de acções que guiam o que uma organização quer alcançar a partir da formulação do que é. A elaboração

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA SÍNTESE Plano de promoção da qualidade das aprendizagens, que incluiu s focadas na melhoria do trabalho pedagógico em sala de aula e da qualidade das aprendizagens desenvolvidas pelos alunos. É um plano

Leia mais

Equipa Coordenadora da Autoavaliação da Escola

Equipa Coordenadora da Autoavaliação da Escola Biénio 2009-2011 Equipa Coordenadora da Autoavaliação da Escola OBJETIVO É objetivo deste documento servir de Sinopse do trabalho desenvolvido pela equipa de Autoavaliação da Escola no decurso do biénio

Leia mais

Atividades de Apoio Educativo

Atividades de Apoio Educativo Plano Curricular 2012 2013 Plano Anual de Atividades Atividades de Apoio Educativo Departamento/Estrutura: Orientações para as Atividades de Apoio Educativo Receção Biblioteca Manuel Monteiro Zonas de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO

AVALIAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO DESENVOLVIMENTO DA AVALIAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO PARA O TRIÉNIO 2010-13 MARÇO 2013 Introdução No ano letivo 2010/11 iniciou-se um ciclo de três anos para o desenvolvimento

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Modelo de autoavaliação (RBE)

Modelo de autoavaliação (RBE) Modelo de autoavaliação (RBE) B I B L I O T E C A S D O A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E E U G É N I O D E C A S T R O E S C O L A B Á S I C A D E E U G É N I O D E C A S T R O Índice 2 1. Pertinência

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 1 Introdução Um Plano de Melhoria é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho académico dos alunos e a qualidade

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Resolução CCCC nº 006/2015. Regulamenta o Programa de Acompanhamento de Egresso (PAE) do Curso de Graduação em Ciências Contábeis.

Resolução CCCC nº 006/2015. Regulamenta o Programa de Acompanhamento de Egresso (PAE) do Curso de Graduação em Ciências Contábeis. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Resolução CCCC nº 006/2015

Leia mais

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 plano tecnológico da educação objectivo estratégico e metas objectivo estratégico colocar Portugal entre os cinco

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

Projeto Educativo 2013-2017

Projeto Educativo 2013-2017 Projeto Educativo 2013-2017 A Escola A CONSTRUIR Qualidade dos Recursos Recursos humanos Serviços e equipamentos Instalações Qualidade da Interação com a comunidade Família Comunidade educativa Qualidade

Leia mais

5 de setembro 2017 REUNIÃO GERAL

5 de setembro 2017 REUNIÃO GERAL Subdiretor Sérgio Laranjinho Adjunta da Diretora Cláudia Suzano Diretora Paula Maria Figueira diretor@avp.pt Adjunto da Diretora Luís Silva Adjunta da Diretora Mª José Serelha 5 de setembro 2017 REUNIÃO

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 BIBLIOTECA ESCOLAR 2015-2016 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR DIRETORA DA BIBLIOTECA ESCOLAR, ANA CARVALHO EXTERNATO D. AFONSO HENRIQUES Largo da Igreja, nº 81 4660-227 Resende Índice 1. Introdução... 2 2. Domínio

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS ANOS LETIVOS: 2014/2015 A 2017-2018 Coordenadora do plano: Maria José

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE Observatório da Qualidade Plano de Ação 2011/2012 ÍNDICE Introdução... 2 Equipa e Horário Semanal... 2 Metodologia

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO 2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO Aprovado em Conselho Pedagógico de 18 de novembro de 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. MODALIDADES DE FORMAÇÃO 5. ÁREAS DE FORMAÇÃO 5.1.

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais