Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn"

Transcrição

1 Epidemiologia Disciplina: Higiene e profilaxia animal Fábio Raphael Pascoti Bruhn

2 Epidemiologia Conceito: epi (sobre) + demo (povo) Estudo da distribuição dos estados de saúde e eventos em populações, com objetivo de prevenir a ocorrência dos agravos Usos da epidemiologia Causalidade dos agravos Planejar, vigiar e avaliar a saúde coletiva e produção animal, por meio de indicadores epidemiológicos Processo epidêmico Elucidação da cadeia epidemiológica das enfermidades

3 MÁGICO-RELIGIOSAS Pré-história (até 3500 a.c) e idade média (500 a 1500 a.c) TEORIA DOS MIASMAS Século XVII a XIX Higiene e saneamento básico Caçadores e coletores, a.c. Serra da Capivara (Piauí) Port Scene with the Villa Médici (1637) (Claude Lorrain) Renascimento Lições de anatomia do Dr. Tulp (1632) (Rembrandt) TEORIA UNICAUSAL Final do século XIX Bacillus anthracis (1877) A cada doença uma causa TEORIA MULTICAUSAL Final do século XIX Fatores de risco Modelo ecológico Robert Koch

4 Epidemiologia social A saúde e doença são fenômenos ao mesmo tempo biológicos e sociais Efeito sobre a prática médica e produção animal br/msf/malaria.html

5

6

7 Cadeia epidemiológica Conceito Processo de identificação dos mecanismos envolvidos no processo de propagação das doenças que envolve os hospedeiros, os agentes patogênicos, o ambiente e os meios pelos quais os agentes infectam os susceptíveis Ecologia das enfermidades Doenças transmissíveis Parasitismo

8 Fatores determinantes da tríade epidemiológica Transmissão horizontal: doença é transmitida de uma fonte de infecção para um hospedeiro Transmissão vertical: é aquela transmitida de uma geração para a próxima Hospedeiro: pode ser uma planta, animal ou artrópode que pode se infectar por, e permitir a manutenção (replicação e desenvolvimento), dos agentes infecciosos Portadores: são os hospedeiros que estão albergando e eliminando o agente sem manifestar sinais clínicos relacionados à sua presença Reservatório: os animais vertebrados capazes de atuar como fontes de infecção no processo de disseminação da doença Vetores: vetores são transmissores vivos dos agentes infecciosos

9 Fatores determinantes da tríade epidemiológica Hospedeiro Agente Ambiente Susceptibilidade: pode se restringir a uma espécie ou a várias espécies, como no caso do vírus da febre aftosa, que acomete várias diferentes espécies de animais Transmissibilidade: se refere a duração do período no qual o animal pode transmitir Virulência: é a capacidade do agente em produzir casos graves ou fatais Patogenicidade: é a qualidade que tem o agente infeccioso de, uma vez instalado no organismo, produzir sinais clínicos (casos da doença / total de infectados)

10 Rotas de infecção Fecal-oral Respiratória Láctea Pele, córnea e mucosas

11 Indicadores epidemiológicos Índices x indicadores Índices Sintetizam em uma única medida diferentes dimensões do atributo de interesse Indicadores Inclui apenas um aspecto daquilo que se deseja medir

12 Medidas de morbidade Quantificar as doenças em populações Estabelecer prioridades de ação Avaliar as medidas de intervenção Avaliar o endemismo de determinada enfermidade Epidemia Incidência e prevalência

13 Incidência Absolutos ou relativos 1. Exemplo: AIDS no Brasil (2008): novos casos de AIDS (www.sistemas.aids.gov.br) 2. Taxa (ou coeficiente) TI=n o novos casos / n o de pessoas no ½ período Ex. (AIDS): TI=33.000/ = 0,00017 = 17 casos a cada habitantes

14 Prevalência Prevalência pontual Exemplo: AIDS no Brasil (2008): casos P = no casos prevalentes / população (determinado local e tempo) P= / =0,0033=0,33%

15 Incidência X Prevalência P = I x duração da afecção Mortalidade Letalidade

16 resso/socio/almeida-008.pdf

17

18 Resultados

19

20 Conclusão

21 Sumário Raciocínio causal dos agravos mudou ao longo da história, passando de explicações mágicoreligiosa para as multicausais e sociais Importância da compreensão da cadeia epidemiológica para melhor prevenir e promover saúde dos animais e rebanhos Entendimento dos principais indicadores epidemiológicos e suas aplicações práticas

22 Referencias BATISTELLA et al., O Território e o Processo Saúde-Doença. Disponível em:http://www.epsjv.fiocruz.br/pdtsp/index.php?livro_id=6&area_id =4&autor_id=&capitulo_id=13&arquivo=ver_conteudo_2>. CORTES, J. A. Epidemiologia: conceitos e princípios fundamentais. São Paulo: Livraria Varela, p. ROUQUAYROL, M. Z; SILVA, M. G. C. Epidemiologia & Saúde. 7 ed. Rio de Janeiro: MedBook, p. THURSFIELD, M. Veterinary epidemiology. 3 ed. Oxford: Blackwell Publishing, p.

EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES VIRAIS L A B V I R - I C B S U F R G S 2015

EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES VIRAIS L A B V I R - I C B S U F R G S 2015 EPIDEMIOLOGIA DAS INFECÇÕES VIRAIS L A B V I R - I C B S U F R G S 2015 EPIDEMIOLOGIA Estudo das doenças em populações, investigando os seus determinantes, a sua dinâmica e distribuição. VÍRUS Partícula

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Centros de Controle e Prevenção de Doenças Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Marc Fischer, MD, MPH Arboviral Diseases Branch 8 de junho de 2016 Objetivos Atualizar a epidemiologia

Leia mais

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES REGIONAIS DE HEPATITES VIRAIS Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 CADEIA DE TRANSMISSÃO DOS VÍRUS Depende:

Leia mais

Chikungunya: o próximo desafio

Chikungunya: o próximo desafio Chikungunya: o próximo desafio Febre do Chikungunya É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya: CHIKV O nome chikungunya deriva de uma palavra em Makonde (língua do grupo Banto) que

Leia mais

CONCEITO DE ZOONOSES 04/08/ % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal.

CONCEITO DE ZOONOSES 04/08/ % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal. CONCEITO DE ZOONOSES 800 ESPÉCIES DE PATÓGENOS 60% DE TODAS AS SP CONHECIDAS 60 % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal. 80% dos patógenos que poderiam

Leia mais

MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu

MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu MEDIDAS GERAIS DE PROFILAXIA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1 CONCEITO E IMPORTÂNCIA Profilaxia: Procedimentos utilizados com

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países.

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. Ano 2 Nº 4 16 de Junho de 2009 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. A transmissão da doença se dá através da picada do mosquito transmissor

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

A intervenção da ergonomia na prevenção das LMERT

A intervenção da ergonomia na prevenção das LMERT A intervenção da ergonomia na prevenção das LMERT, Lda Fevereiro 2008 Estrutura da Apresentação Apresentação da Empresa Âmbito e Objectivos Análise Ergonómica dos Postos de Trabalho Resultados da Análise

Leia mais

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador Segurança no uso de animais de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Ética no uso dos animais Segurança do experimentador Como em qualquer laboratório, pratique Boas Praticas Laboratoriais no

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE

INDICADORES DE SAÚDE Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação de Vigilância e Controle Ambiental de Vetores INDICADORES

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

Vírus do Nilo Ocidental Nova ameaça à segurança transfusional? West Nile virus A new threat to transfusion safety?

Vírus do Nilo Ocidental Nova ameaça à segurança transfusional? West Nile virus A new threat to transfusion safety? Rev. bras. hematol. hemoter. 2004;26(2):114-121 Novaretti MCZ et al Tendências / Trends Vírus do Nilo Ocidental Nova ameaça à segurança transfusional? West Nile virus A new threat to transfusion safety?

Leia mais

Desde a escola ouvimos uma antiga definição de que meio ambiente era chamado de tudo o que é vivo, ou seja, todas as coisas que vivem neste planeta e

Desde a escola ouvimos uma antiga definição de que meio ambiente era chamado de tudo o que é vivo, ou seja, todas as coisas que vivem neste planeta e O Meio Ambiente Desde a escola ouvimos uma antiga definição de que meio ambiente era chamado de tudo o que é vivo, ou seja, todas as coisas que vivem neste planeta e estão ligadas a vida dos seres humanos.

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica em relação à Malária

Ações de Vigilância Epidemiológica em relação à Malária Ações de Vigilância Epidemiológica em relação à Malária Levantamento dos vetores de importância médica As ações antrópicas na região de potencial malarígeno( a Amazonas, por exemplo), como o desmatamento

Leia mais

61,6 milhões cobertos (59,6%)

61,6 milhões cobertos (59,6%) Previdência Social Brasil - 2013 População Residente: 201,4 milhões (2016 205,9) Urbana: 170,7 milhões Rural: 30,7 milhões População Economicamente Ativa - PEA: 103,4 milhões População Desocupada: 6,7

Leia mais

Epidemiologia. Introdução à Epidemiologia. João José de Freitas Ferrari

Epidemiologia. Introdução à Epidemiologia. João José de Freitas Ferrari Epidemiologia Introdução à Epidemiologia João José de Freitas Ferrari Inicialmente o homem era vegetariano, alimentando-se de frutos e raízes.depois passou a se alimentar da carne de animais que caçava.

Leia mais

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira

Introdução à pesquisa clínica. FACIMED Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Introdução à pesquisa clínica FACIMED 2012.1 Investigação científica II 5º período Professora Gracian Li Pereira Questão de pesquisa x relevância Questão PICO FINER Literatura existente Como fazer? Delineamento

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 88

PROVA ESPECÍFICA Cargo 88 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 88 QUESTÃO 26 Em um processo de transição demográfica, é CORRETO afirmar: a) A taxa de natalidade aumenta. b) O envelhecimento da população diminui. c) A mortalidade de crianças

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE HEPATITE

VAMOS FALAR SOBRE HEPATITE VAMOS FALAR SOBRE HEPATITE HEPATITE É uma inflamação do fígado provocada, na maioria das vezes, por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar a doença, que se caracteriza por febre, icterícia

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO HIGIENIZAÇÃO DAS CAIXAS D ÁGUA

VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO HIGIENIZAÇÃO DAS CAIXAS D ÁGUA VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM AÇÃO HIGIENIZAÇÃO DAS CAIXAS D ÁGUA Prevenir ainda é o melhor remédio! A falta de higienização periódica das caixas d água pode acarretar na ocorrência de muitas doenças. Conheça

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia)

PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) *C0048302E* C0048302E CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.150, DE 2014 (Do Sr. Rodrigo Maia) Altera a Lei nº 8.080, de 11 de setembro, de 1990, para determinar a realização de campanhas destinadas

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de Dengue, Febre Chikungunya e Febre Zika. Nº 2, Semana Epidemiológica 02, 11/01/2016

Boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de Dengue, Febre Chikungunya e Febre Zika. Nº 2, Semana Epidemiológica 02, 11/01/2016 Boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de Dengue, Febre Chikungunya e Febre Zika. Nº 2, Semana Epidemiológica 02, 11/01/2016 Dengue Introdução A dengue é uma doença febril aguda, causada pelos

Leia mais

MPT. Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS

MPT. Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS MPT Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS JULIANA BORTONCELLO FERREIRA Procuradora do Trabalho EXEMPLOS DE FATORES OCUPACIONAIS DE RISCO

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

Boletim Semanal da Dengue

Boletim Semanal da Dengue Prefeitura de Nova Lima Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Vigilância em Saúde Boletim Semanal da Dengue Semana Epidemiológica 09 Este boletim tem por objetivo apresentar

Leia mais

Caracterização Sociodemográfica

Caracterização Sociodemográfica INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 29 Caracterização Sociodemográfica Vista aérea Estação das Barcas Praça XV de Novembro - Centro 1.9 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Medidas de Freqüência de Doenças e Problemas de Saúde: Mortalidade, Padronização de taxas

Medidas de Freqüência de Doenças e Problemas de Saúde: Mortalidade, Padronização de taxas Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós P s Graduação em Saúde Coletiva Medidas de Freqüência de Doenças e Problemas de Saúde: Mortalidade, Padronização de taxas Porque Mortalidade? Morte

Leia mais

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso?

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso? Caso Clínico 1 Identificação - R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural dee São Paulo, residente em Belém há vários anos. História da Doença Atual - Procurou atendimento médico emm 15/5/2006, relatando

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais

Mix de Marketing (IV) 4P Promoção

Mix de Marketing (IV) 4P Promoção Mix de Marketing (IV) 4P Promoção Mix de Marketing Produto Preço Criação de valor Captação de valor Entrega de valor Comunicação de valor Praça Promoção COMUNICAÇÕES INTEGRADAS DE MARKETING (CIM) Abrange

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIOLOGIA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA. Tema: Identidade dos Seres Vivos COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ BIOLOGIA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA. Tema: Identidade dos Seres Vivos COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO BIOLOGIA PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA Tema: Identidade dos Seres Vivos Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento de fatos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.964, DE 2008 (Do Sr. Valdir Colatto)

PROJETO DE LEI N.º 3.964, DE 2008 (Do Sr. Valdir Colatto) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.964, DE 2008 (Do Sr. Valdir Colatto) Acrescenta artigo à Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, para estabelecer a obrigatoriedade de se anotar na carteira de

Leia mais

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011

Vacinas do Calendário de Imunização do Estado de São Paulo 2011 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 2011 Bepa 0;8(8):9- Informe técnico 0 Vaccines included in the Immunization Schedule for the State of São Paulo 0 Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações. Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo,

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

ESTADO A,BIENTAL DO MUNDO E RISCOS

ESTADO A,BIENTAL DO MUNDO E RISCOS DISCIPLINA NATUREZA E SOCIEDADE ESTADO A,BIENTAL DO MUNDO E RISCOS Selma Simões de Castro selma@pq.cnpq.br Goiânia, 2013 Introdução JÁ SE CONHECE O LUGAR E A FUNÇÃO DOS SOLOS NAS PAISAGENS, TERRITORIOS

Leia mais

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 ETAPAS DO EXAME 19/09 - Divulgação eletrônica da lista de estudantes inscritos e convocados ao Enade 2014 21/10 a 23/11 Período para resposta eletrônica ao Questionário do Estudante

Leia mais

Aplicação de jogos virtuais como temática de educação entre as matérias

Aplicação de jogos virtuais como temática de educação entre as matérias Aplicação de jogos virtuais como temática de educação entre as matérias Autor: Bianca de Lima Co-autores: Danielle Costa Fernanda Jesus Orientador: José Vicente Robaina Co-Orientador: Ana Lúcia Bastos

Leia mais

FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal. Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública.

FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal. Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública. FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Fonte de dados Prof. Tiarajú A. de Freitas Fonte de dados Os indicadores socioeconômicos

Leia mais

Implementação das Precauções Básicas Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano)

Implementação das Precauções Básicas Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano) Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano) Dra. Isabel Neves Coordenadora do Grupo Coordenador Local do PPCIRA Unidade Local de Saúde de Matosinhos Lisboa, 5 de maio de 2014 Experiência do

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE. DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 DISCIPLINA: Ciências Naturais CÓDIGO DA PROVA: 02 CICLO: 2º ANO DE ESCOLARIDADE: 6º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da

Leia mais

PROGRAMA DE BIOLOGIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2015/I

PROGRAMA DE BIOLOGIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2015/I PROGRAMA DE BIOLOGIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2015/I BIOLOGIA COMPETÊNCIAS ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar

Leia mais

NUPLAN Núcleo de Planejamento

NUPLAN Núcleo de Planejamento NUPLAN Núcleo de Planejamento PRINCIPAIS FUNÇÕES Planejamento Orçamentário Alocação dos recursos financeiros disponibilizados pela Diplan, em categorias de despesas e em setores/projetos do CPqLMD. Planejamento

Leia mais

Seminário Casos Reais de Implantação do Modelo de Gestão do Conhecimento (GC) para a Administração Pública Brasileira

Seminário Casos Reais de Implantação do Modelo de Gestão do Conhecimento (GC) para a Administração Pública Brasileira Seminário Casos Reais de Implantação do Modelo de Gestão do Conhecimento (GC) para a Administração Pública Brasileira GC na administração pública: melhor desempenho organizacional, melhores serviços para

Leia mais

1) (ENEM 2003) A malária é uma doença típica de regiões tropicais. De acordo com dados do Ministério da Saúde, no final do século XX, foram

1) (ENEM 2003) A malária é uma doença típica de regiões tropicais. De acordo com dados do Ministério da Saúde, no final do século XX, foram 1) (ENEM 2003) A malária é uma doença típica de regiões tropicais. De acordo com dados do Ministério da Saúde, no final do século XX, foram registrados mais de 600 mil casos de malária no Brasil, 99% dos

Leia mais

DENGUE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE ZOONOSES

DENGUE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE ZOONOSES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE ZOONOSES DENGUE O QUE É DENGUE? É uma doença infecciosa causada por um arbovírus

Leia mais

Medidas de frequência: Estudo dirigido. Lucia Pellanda Departamento de Saúde Coletiva UFCSPA

Medidas de frequência: Estudo dirigido. Lucia Pellanda Departamento de Saúde Coletiva UFCSPA Medidas de frequência: Estudo dirigido Lucia Pellanda Departamento de Saúde Coletiva UFCSPA Uma freqüência é uma contagem de dados, número absoluto de observações em cada categoria Você pode pensar em

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO APSUS - 2012

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO APSUS - 2012 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO APSUS - 2012 REFLEXÃO INICIAL "Não é possível gerir o que não se pode medir...e, se não se pode gerir, não se poderá melhorar " (William Hewlett) Se você não mede, você não gerencia!

Leia mais

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000 Q.01 a) Apesar de o predatismo ser descrito como uma interação positiva para o predador e negativa para a presa, pode-se afirmar que os predadores têm um efeito positivo sobre a população de presas. Explique

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Trabalho de biologia

Trabalho de biologia Trabalho de biologia Grupo: Kaio Moraes(20) Leonardo Silveira(21) Matheus Ramôa(23) Paulo Reis(25) Pedro Guido(26) Pedro Neves(27) Raphael Barbosa(30) Índice : Histórico da doença Agente causador Ciclo

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Roberto Schaeffer (PPE/COPPE/UFRJ) Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, 23 de maio de 2013 Objetivo

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

Populações. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho

Populações. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho Populações Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho Conceitos fundamentais Espécie População Indivíduo Por que os estudos de populações são importantes? Permitem descrever a estrutura espacial e o comportamento

Leia mais

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS

10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS 10 ANOS DE LIGA DA MAMA: AÇÃO DE EXTENSÃO VOLTADA PARA PREVENÇÃO E COMBATE DAS DOENÇAS MAMÁRIAS SOUZA-NETO, José Augusto; FREITAS-JUNIOR, Ruffo; CABERO, Flávia Vidal; FREITAS, Thaís Castanheira; TERRA,

Leia mais

Principais Delineamentos de Pesquisa. Lisia von Diemen

Principais Delineamentos de Pesquisa. Lisia von Diemen Principais Delineamentos de Pesquisa Lisia von Diemen Tipos de Estudos Observacionais Descritivos Analíticos Instante Período de Tempo Experimentais Randomizado Não-Randomizado Observacionais Descritivos

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO Calendarização - 20/2011 Período Data N.º semanas Número de tempos 8 minutos) por ano de escolaridade

Leia mais

Boletim epidemiológico HIV/AIDS - 2015 30/11/2015

Boletim epidemiológico HIV/AIDS - 2015 30/11/2015 HIV/AIDS - 215 3/11/215 Página 1 de 6 1. Descrição da doença A AIDS é uma doença causada pelo vírus do HIV, que é um retrovírus adquirido principalmente por via sexual (sexo desprotegido) e sanguínea,

Leia mais

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor.

Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Planária, esquistossomo, solitária etc. Corpo achatado dorsoventralmente Vida livre ou parasitas. Surge o sistema excretor. Sistemas: Digestório Incompleto Respiratório Difusão Nervoso Ganglionar Circulatório

Leia mais

Titulação Mínima. Terça-feira das 9h35 às 11h15 e Quarta-feira das 9h35 às 11h15. Terça-feira das 20h55 às 22h35 e Sexta-feira das 20h55 às 22h35

Titulação Mínima. Terça-feira das 9h35 às 11h15 e Quarta-feira das 9h35 às 11h15. Terça-feira das 20h55 às 22h35 e Sexta-feira das 20h55 às 22h35 Planilha atualizada em 28/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Pedagogia Literatura

Leia mais

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios.

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. Características demográficas do envelhecimento Vera Andrade, 2014 Pirâmide Etária Pirâmide

Leia mais

A Governança do Acesso ao Patrimônio Genético e aos Conhecimentos Tradicionais Associados no Cenário Nacional

A Governança do Acesso ao Patrimônio Genético e aos Conhecimentos Tradicionais Associados no Cenário Nacional Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento do Patrimônio Genético A Governança do Acesso ao Patrimônio Genético e aos Conhecimentos Tradicionais Associados no Cenário Nacional MP 2186-16 de

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA)

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - FEAM - QUADRO DE INDICADORES E METAS DA DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) FEAM CÓD OBJETIVO

Leia mais

Aedes: criadouros e soluções

Aedes: criadouros e soluções Aedes: criadouros e soluções Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Equipe de Vigilância de Roedores e Vetores Porto Alegre - 2016

Leia mais

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida Planejamento e Desempenho de Custos Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida O que é um orçamento? É o planejamento financeiro para um determinado projeto. Objetivo da aula: apresentar

Leia mais

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público - Módulo Básico Profª Drª Fernanda Graziella Cardoso email: fernanda.cardoso@ufabc.edu.br Março/2014

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF. UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.CLAUDIA MAINENTI UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN e o PROCESSO DE ENFERMAGEM

Leia mais

L/O/G/O Evolução da população

L/O/G/O Evolução da população L/O/G/O Evolução da população Comportamento dos indicadores demográficos Resumo 1 2 Indicadores demográficos Evolução da população 3 4 Click t add title in here Click to add title in here Indicadores demográficos

Leia mais

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança

Missão Controle Atenção. confiança. Segurança Missão Controle Atenção confiança competência Respeito Segurança Nosso objetivo desde a municipalização SUS foi e continua sendo a análise permanente da situação de saúde, controle dos determinantes, riscos

Leia mais

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis

Coimbra. Síndroma Respiratória Aguda. Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Coimbra Síndroma Respiratória Aguda Forum Nacional no Contexto de uma Nova Estratégia para as Doenças Transmissíveis Nova Estratégia Doenças Transmissíveis: Evolução recente, contexto actual e perspectivas

Leia mais

Sistemática dos seres vivos

Sistemática dos seres vivos Sistemática dos seres vivos O mundo vivo é constituído por uma enorme variedade de organismos. Para estudar e compreender tamanha variedade, idd foi necessário agrupar os organismos de acordo com as suas

Leia mais

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA Roteiro da aula 1. Por que planejar a pesquisa? 2. Principais tipos de desenhos de pesquisa - Quantitativos ou qualitativos - Transversais ou longitudinais - Exploratórios,

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS DO 2º CICLO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS-2ºCICLO (PROVA 1. INTRODUÇÃO ESCRITA) Prova nº 06 O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico

Leia mais

UERJ 2015 (Questões 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10)

UERJ 2015 (Questões 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10) (Questões 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10) 1. (Questão 1) Nos vegetais, uma parede celular envolve a membrana plasmática. Cite o principal tipo de carboidrato que compõe a parede celular dos vegetais, bem

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÍNDICE DE ABANDONO DO TRATAMENTO CONTRA TUBERCULOSE PULMONAR: AVALIAÇÃO DO CENÁRIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA.

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÍNDICE DE ABANDONO DO TRATAMENTO CONTRA TUBERCULOSE PULMONAR: AVALIAÇÃO DO CENÁRIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA. I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÍNDICE DE ABANDONO DO TRATAMENTO CONTRA TUBERCULOSE PULMONAR: AVALIAÇÃO DO CENÁRIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA. ASSICLEI DO NASCIMENTO SILVA 1, Esp. CLEIDILENE LUIZA DOS

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA

RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA ESAF PR Seminário Paranaense de Educação Fiscal RESPONSABILIDADE SOCIAL, ÉTICA E CIDADANIA Fabiane L.B.N.Bessa Papel do Estado e suas relações com a sociedade civil e o mercado -> apoio recíproco Reformas

Leia mais

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain 67 4.2 Estudo II Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain Enquanto anticorpos anti-t. gondii são

Leia mais

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS

- ; - -1,- NOTA TÉCNICA N`&5-7.12016/ CGNOR/DSST/SIT/MTPS . - ; - -1,- - MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala B, 1 andar, sala 176 - CEP: 70056-900 - Brasilia/DF sitgmte

Leia mais

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre MECANISMO DE FINANCIAMENTO Programa Operacional Regional do Norte ON.2, DESIGNAÇÃO DA OPERAÇÃO NORTE-10-0156-FEDER-000132 - Rede Desportiva de Ribeira de Pena- Requalificação do pavilhão Municipal EIO

Leia mais

CONDUTA E SEGURANÇA PARA USUÁRIOS DOS LABORATÓRIOS E PLANTAS PILOTO DO DCA

CONDUTA E SEGURANÇA PARA USUÁRIOS DOS LABORATÓRIOS E PLANTAS PILOTO DO DCA LABORATÓRIOS E PLANTAS PILOTO DO Pág. 22/49 Código: NC- 5.5 Lista de Símbolos de segurança (ANEXO V) Símbolo e significado combustível Radioatividade ou Observação Inflamável (F). Extremamente Inflamável

Leia mais

DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ESPECIAL Engenharia de Software DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE por Paulo Borba DECISÕES IMPORTANTES A SEREM TOMADAS NOS PROJETOS E NA CARREIRA DE UM PESQUISADOR EM ENGENHARIA DE SOFTWARE.

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek. Roteiro de Recuperação Final 2014 Ciências 6º Ano

Centro Educacional Juscelino Kubitschek. Roteiro de Recuperação Final 2014 Ciências 6º Ano ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: 6º Ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: Ciências PROFESSOR(A): Equipe de Ciências Ciências 6º Ano CADERNO 03 UNIDADE II A TERRA A constituição da Terra (Capítulo 1)

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ENEM PROVA AZUL RESUMO

ENEM PROVA AZUL RESUMO ENEM 2009 - PROVA AZUL RESUMO 2009 (19 questões) 1 Ecologia - Desequilíbrio Ambiental Bioquímica 1 2 Fisiologia Humana - Interpretação gráfica Biotecnologia 1 3 Doenças virais e Bioquímica - Soro x Vacina

Leia mais

Workshop da CT 150 SC5 Avaliação do Ciclo de Vida

Workshop da CT 150 SC5 Avaliação do Ciclo de Vida Workshop da CT 150 SC5 Avaliação do Ciclo de Vida CT 150 e subcomissões SC 1 Sistemas de gestão ambiental SC 2 Auditorias ambientais SC 3 Rotulagem ambiental SC 4 Avaliação do desempenho ambiental SC 5

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Estatística. António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Estatística António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura e Maria Clementina Timóteo O tema da Estatística nos Cursos Científico-Humanísticos de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. PERFIL

Leia mais

NOTA TÈCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA AFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONIAS DE SAÚDE

NOTA TÈCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA AFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONIAS DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDMEIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC NOTA TÈCNICA EBOLA SITUAÇÃO NA AFRICA E CONDUTAS PARA PROFISSIONIAS

Leia mais

8:00/8:15 1º B Pedro Papel da bioquímica no processo da doença cárie.

8:00/8:15 1º B Pedro Papel da bioquímica no processo da doença cárie. DATA 1º E 2º 17/05/16 TERÇA HORÁRIO DE PROFESSORES SUBTEMAS TIPOS DE APRESENTAÇÃO ORIENTADORES APRESENTAÇÃO AVALIADORES 7:30 / 7:45 1º A Claúdio Etiologia da Cárie Dentária doença Power Point Cotita e

Leia mais

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini-RS

Prefeitura Municipal de Piratini-RS LEI N. 1381/2013 CRIA CATEGORIAS FUNCIONAIS DE AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL, AGENTE DE ENDEMIAS, TÉCNICO DE ENFERMAGEM, FISIOTERAPEUTA E FONOAUDIÓLOGO, COM SEUS RESPECTIVOS CARGOS E PADRÃO DE VENCIMENTOS, NO

Leia mais