3B SCIENTIFIC FÍSICA. Conjunto de componentes para experiências com eletrônica Instruções de uso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3B SCIENTIFIC FÍSICA. Conjunto de componentes para experiências com eletrônica Instruções de uso"

Transcrição

1 SINTIFI FÍSI onjunto e componentes pr experiêncis com eletrônic 085 Instruções e uso 05/5 UD. Instruções e segurnç Pr o uso conorme s eterminções, operção segur os componentes é grnti. segurnç não é grnti, entretnto, se os componentes orem utilizos e orm inevi ou escui. Quno houver probbilie e que o uso seguro não mis sej possível (por exemplo, em cso e nos visíveis), os componentes corresponentes evem ser postos or e operção imeitmente.

2 . onteúo o ornecimento conjunto e 0 jumpers ioos Si N 4007 (4x) ioo Ge 8 4 ioo Z ZPD 6, 5 resistor 00 Ohm, W 6 resistor 470 Ohm, W 7 resistor kohm, W 8 resistor 4,7 kohm, W 9 resistor 0 kohm, W 0 resistor 47 kohm, W potenciômetro 0 Ohm, W trnsistor NPN D 7 trnsistor FT F 44 4 tiristor TYN 0 5 trnsistor PNP D 8 6 comutor, um polo 7 LD, vermelho 8 LD, vere 9 soquete pr lâmp 0, em cim 0 interruptor e botão e um polo, echmento interruptor e botão e um polo, bertur interruptor e lvnc, um polo cpcitor eletrolítico 470 F, 6 4 cpcitor eletrolítico 00 F, 5 5 otorresistor LDR 0,5 6 one e ouvio interno 7 resistor PT 00 Ohm 8 resistor NT, kohm 9 conjunto e 0 lâmps incnescentes, 4, 40 m 0 conjunto e 0 lâmps incnescentes,, 00 m

3 N LD 0 m 0 Dimensões Peso. Dos técnicos 4. Descrição 40x0x80 mm³ prox.,9 kg ompilção e componentes pr experiêncis básics o âmbito temático eletrônic n plc e encixe pr componentes. m estojo resistente e conicionmento com espum n orm os componentes. 5. xemplos e experiêncis prelhos necessários: conjunto e componentes pr experiêncis com eletrônic 0855 plc e encixe pr componentes 090 multímetros nlógicos SOL conjunto e 5 cbos e experiênci, 75 cm onte e limentção /D ou onte e limentção /D vel e réchu isqueiro ou ósoros 5. Linh crcterístic e um ioo Si eriicção ireção e pssgem e um ioo Si. Registro linh crcterístic e um ioo Si. 5. Linh crcterístic e um LD eriicção tensão e pssgem e um LD. Registro linh crcterístic e um LD vere e e um LD vermelho / / 0 W c e b g 0 W c e b g 00 W 00 W U50 U

4 ZPD 6. 0 LD 0 m D 7 5. Linh crcterístic e um ioo Z eriicção ireção e pssgem e um ioo Z. Registro linh crcterístic e um ioo Z e comprção com um ioo Si. 5.4 Trnsistores Montgem e um circuito e teste pr um trnsistor. eriicção o luxo e corrente em um trnsistor / / 0 W c e b g b 470 W W LD 0 m U U ~ 470 4

5 b c 0 W e g D W D Linh crcterístic e um trnsistor eriicção epenênci corrente o coletor I corrente básic I. 5.6 Fotorresistor LDR nálise o vlor e resistênci em epenênci intensie luz inciente sobre o LDR. Observção luminosie e um lâmp incnescente / / 00 W LDR U50 U50 I I 00 6 = 5

6 TYN 0 K G k W. k 00 k PT NT 5.7 Tiristor em um circuito e corrente contínu Funcionmento e um tiristor em circuito e corrente contínu. 5.8 omportmento térmico e um resistor NT e um resistor PT nálise resistênci em epenênci tempertur e um resistor NT e um resistor PT. Representção resistênci em epenênci tempertur em um igrm pr o resitor NT e o resistor PT / / k W NT U N NO K 7 = = 6

7 0 0 k D 7 k µf µf 5 b b c c 0 W e g 0 W e g 47 k 0.5 W 47 k 0.5 W G G F 44 F 44 D S D S Operções e comutção com trso Montgem e nálise e operções e comutção com trso. 5.0 Linhs crcterístics e um trnsistor e eeito e cmpo Registro corrente rin ID em epenênci voltgem rin-source UDS e um FT pr ierentes tensões gte UGS / / k W N W k 0.5 W 00 µf U U / 6 = N4007 k W 470 W U50 6 ~ = 47 k G D S 7

8 N4007 e c 0 b g D 7 5. eriicção e zumbio Montgem e um circuito pulsnte e corrente contínu, cuj prcel e tensão ltern é mpli e torn uível µf 5 0 W / 00 W 00 U rmzengem, escrte rmzenr o conjunto e componentes em locl limpo, seco e livre e poeir. emblgem eve ser estc n estção locl e reciclgem. Se os componentes tiverem que ser escrtos pelo próprio proprietário/usuário, eles não poem ser escrtos no lixo oméstico comum, ms evem ser escrtos em locl proprio pr resíuos elétricos. Devem ser observs regulções locis. = ~ Scientiic GmbH Ruorweg 8 0 Hmburgo lemnh lterções técnics reservs opyright 05 Scientiic GmbH

O Amplificador Operacional

O Amplificador Operacional UFSM CT DELC O Amplificdor Opercionl Prte I Giovni Brtto 6/26/2007 Introdução Neste texto, o mplificdor opercionl será considerdo como um cix pret. Estmos interessdos em compreender o seu funcionmento

Leia mais

20W-60W. LED Solar iluminação externa autônoma. Manual do Usuário

20W-60W. LED Solar iluminação externa autônoma. Manual do Usuário 20W-60W LED Solr iluminção extern utônom Mnul do Usuário Prezdo cliente, Obrigdo por escolher um modo limpo e renovável de iluminção extern LED Solr. Este mnul contém instruções e recomendções pr instlção,

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

MOSFET. Lucas Modesto da Costa. Instituto de Física - DFGE - USP. 12 de dezembro de / 36

MOSFET. Lucas Modesto da Costa. Instituto de Física - DFGE - USP. 12 de dezembro de / 36 MOSFET Lucs Modesto d Cost Instituto de Físic - DFGE - USP 12 de dezembro de 2008 1 / 36 Trnsistores Descobert Tipos de Trnsistores MOSFET Como Funcion? Resultdos Experimentis Circuitos Integrdos 2 / 36

Leia mais

RESULTADO DA CONCORRÊNCIA PÚLICA Nº 186/2010 SENAI PR

RESULTADO DA CONCORRÊNCIA PÚLICA Nº 186/2010 SENAI PR RESULTADO DA CONCORRÊNCIA PÚLICA Nº 186/2010 SENAI PR A Comissão de Licitações do Sistema FIEP, instituída pela Portaria nº 027/2008, informa o RESULTADO da Concorrência Pública nº 186/2010: Protocolo:

Leia mais

Ligando uma lâmpada com Arduino. Professor: Paulo Marcos Trentin

Ligando uma lâmpada com Arduino. Professor: Paulo Marcos Trentin Ligando uma lâmpada com Arduino Professor: Paulo Marcos Trentin Aviso Importante! Energia elétrica de alta corrente e tensão pode matar! Tome sempre muito cuidado ao trabalhar com estas tensões. Verifique

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

Ligando uma lâmpada com Arduino. Professor: Paulo Marcos Trentin Escola CDI Videira

Ligando uma lâmpada com Arduino. Professor: Paulo Marcos Trentin Escola CDI Videira Ligando uma lâmpada com Arduino Professor: Paulo Marcos Trentin Escola CDI Videira Aviso Importante! Energia elétrica de alta corrente e tensão pode matar! Tome sempre muito cuidado ao trabalhar com estas

Leia mais

Aluno(a):... nº:... - Data:.../.../2010

Aluno(a):... nº:... - Data:.../.../2010 SENAI - Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini Curso Técnico em Eletrônica 1º Período Avaliação de Tecnologia Eletrônica 7 pontos Instrutor: Gabriel Vinicios Silva Maganha Aluno(a):... nº:...

Leia mais

Física Experimental II. Instrumentos de Medida

Física Experimental II. Instrumentos de Medida Física Experimental II Instrumentos de Medida Conceitos Básicos I 1. Corrente Elétrica: chamamos de corrente elétrica qualquer movimento de cargas de um ponto a outro. Quando o movimento de cargas se dá

Leia mais

Lista de Problemas H2-2002/2. LISTA DE PROBLEMAS Leia atentamente as instruções relativas aos métodos a serem empregados para solucionar os problemas.

Lista de Problemas H2-2002/2. LISTA DE PROBLEMAS Leia atentamente as instruções relativas aos métodos a serem empregados para solucionar os problemas. List de Prolems H 0/ List sugerid de prolems do livro texto (Nilsson& Riedel, quint edição) 4.8, 4.9, 4., 4.1, 4.18, 4., 4.1, 4., 4.3, 4.3, 4.36, 4.38, 4.39, 4.40, 4.41, 4.4, 4.43, 4.44, 4.4, 4.6, 4.,

Leia mais

Roteiro 07 Transistor Bipolar Operação como chave 2

Roteiro 07 Transistor Bipolar Operação como chave 2 Roteiro 07 Transistor Bipolar Operação como chave 2 Equipe: Objetivos: Data: / / 16 Visto Assiduidade Verificar e interpretar o funcionamento do transistor bipolar NPN como chave eletrônica em circuito

Leia mais

Lista de peças LS300 ELITE(31)

Lista de peças LS300 ELITE(31) Lista de peças LS300 DESCRIÇÃO ITEM 460 E380 575 CE 380 BARRA CONECTORA A - 10-5412 10-5412 10-5412 10-5412 BARRA CONECTORA B - 10-5413 10-5413 10-5413 10-5413 BARRA CONECTORA C - 10-5414 10-5414 10-5414

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

Máx. teor de óleo do ar comprimido Resistência ao choque max. (Direção-XYZ) Resistência a vibrações (Direção-XYZ) Absorção de corrente de repouso

Máx. teor de óleo do ar comprimido Resistência ao choque max. (Direção-XYZ) Resistência a vibrações (Direção-XYZ) Absorção de corrente de repouso Sistema de sensores Sensores de pressão Pressão de comutação: - - 2 bar eletrônico Sinal de saída digital: 2 Saídas - Saída IO-Link Conexão elétrica: Conector, M2x, De 4 pinos 233 Certificados Grandeza

Leia mais

Compensação de Sistemas Elétricos. Desequilíbrios e Compensação. Luís Carlos Origa de Oliveira

Compensação de Sistemas Elétricos. Desequilíbrios e Compensação. Luís Carlos Origa de Oliveira Compensção de Sistems Elétricos Desequilíbrios e Compensção Luís Crlos Orig de Oliveir A Btlh dos Sistems Corrente Contínu Corrente Alternd X Edison Morgn Tesl Westinghouse questões científics envolvids

Leia mais

2. TRANSFORMADORES DE TENSÃO Suporte Suporte com fusível Metalizado / Encaixável

2. TRANSFORMADORES DE TENSÃO Suporte Suporte com fusível Metalizado / Encaixável 2. TRSFORMDORES DE TESÃO Suporte Suporte com fusível Metlizdo / Encixável 16 Trnsformdores de medid Médi tensão. Uso interno 2. TRSFORMDORES DE TESÃO ITRODUÇÃO Reduzem os vlores de tensão do ponto d rede

Leia mais

4, 0 10 m. e constante dielétrica k = 5,0. Assinale, então, a estimativa da energia total acumulada no campo elétrico dessa parede.

4, 0 10 m. e constante dielétrica k = 5,0. Assinale, então, a estimativa da energia total acumulada no campo elétrico dessa parede. Questão. lgums céluls o corpo humno são circuns por prees revestis externmente por um películ com crg positiv e, internmente, por outr películ semelhnte, ms com crg negtiv e mesmo móulo. 6 Consiere sejm

Leia mais

Documentação da Eletrônica do Time Caboclinhos

Documentação da Eletrônica do Time Caboclinhos Documentação da Eletrônica do Time Caboclinhos 1. Placas de Circuito Impresso do Robô em Tamanho Real Figura 1. Placa do jogador com rádio com uma barra de pinos simples 1x8. Figura 2. Distribuição dos

Leia mais

Carga de teste para fontes chaveadas ou lineares

Carga de teste para fontes chaveadas ou lineares PY2 NFE - Ron Carga de teste para fontes chaveadas ou lineares Um dos problemas que nos defrontamos quando montamos ou modificamos uma fonte é o teste da mesma. Apenas a leitura da tensão de saída com

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos AULA LAB 04 DIODOS ZENER, LEDS E TRANSISTORES BIPOLARES 1 INTRODUÇÃO Os componentes

Leia mais

Aluno(a):... nº:... - Data:.../.../2010

Aluno(a):... nº:... - Data:.../.../2010 SENAI - Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini Curso Técnico em Eletrônica 1º Período Avaliação de Tecnologia Eletrônica 7 pontos Instrutor: Gabriel Vinicios Silva Maganha Aluno(a):... nº:...

Leia mais

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4 Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas Potenciômetros Um potenciômetro é um resistor cujo valor de resistência é variável. Assim, de forma indireta, é possível controlar a intensidade da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

Número PE030/2014. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE030/2014. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 SOLDA, de estanho, liga 60/40. Embalagem: rolo com 100 metros, com peso 500 g, com dados de identificacao do produto e marca do Rl 2,00 fabricante. Ref. SAEB => 34.39.00.00038889-0 2 FERRO, de

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS:

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS: TELE - ENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 PROA DE LÂMPADAS Testando a Lâmpada Com a lâmpada fora do soquete, encoste uma ponta de prova no encaixe e a outra ponta no pólo como é mostrado

Leia mais

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução

Robô segue luz. Vanderlei Alves S. da Silva. Introdução Robô segue luz Vanderlei Alves S. da Silva Introdução O mundo da robótica é algo realmente fascinante e podemos encontrar uma série de robôs capazes de fazer coisas incríveis. Alguns bem complexos de serem

Leia mais

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano)

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano) PARTE I ) Determine s potêncis: ) 4 = b) - = ) Escrev usndo potênci de bse 0: ) 7 bilhões: b) um milionésimo: ) Trnsforme os números ddos em potencições e simplifique epressão: 0000000 00000 5 = 4) Escrev

Leia mais

Lista de Exercícios ENTREGAR NO DIA DA PROVA (10/04). CASO NÃO TENHA ENTREGUE A LISTA CONFORME DATA ACIMA, A NOTA DE PROVA SERÁ DECRESCIDA.

Lista de Exercícios ENTREGAR NO DIA DA PROVA (10/04). CASO NÃO TENHA ENTREGUE A LISTA CONFORME DATA ACIMA, A NOTA DE PROVA SERÁ DECRESCIDA. Lista de Exercícios ENTREGAR NO DIA DA PROVA (10/04). CASO NÃO TENHA ENTREGUE A LISTA CONFORME DATA ACIMA, A NOTA DE PROVA SERÁ DECRESCIDA. 1. Vamos supor que uma lâmpada utiliza uma alimentação de 6V

Leia mais

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO

Experiência 02: RETIFICADORES MONOFÁSICOS DE ONDA COMPLETA A DIODO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos.

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos. A Lei ds Mlhs n Presenç de mpos Mgnéticos. ) Revisão d lei de Ohm, de forç eletromotriz e de cpcitores Num condutor ôhmico n presenç de um cmpo elétrico e sem outrs forçs tundo sore os portdores de crg

Leia mais

5.6 Instrumentos de medidas elétricas

5.6 Instrumentos de medidas elétricas 5.6 Instrumentos de medids elétrics Os ftos experimentis expressos pels fórmuls (5.1.3) (primeir lei de Frdy) e (5.1.4) grntem que é possível construir mperímetros sedos em eletrólise e forç mgnétic. Em

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RLC DIGITAL MODELO RLC-410

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RLC DIGITAL MODELO RLC-410 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RLC DIGITAL MODELO RLC-410 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Amplificador Eletrônico pq 11

Amplificador Eletrônico pq 11 Amplificador Eletrônico pq 11 Controla um solenóide proporcional Instalado diretamente sobre a válvula Opera com sinais teóricos de tensão ou corrente Admite operação de CLP Circuitos compensadores de

Leia mais

Evolução dos microcontroladores

Evolução dos microcontroladores Guilherme Luiz Moritz 1 1 DAELT - Universidade Tecnológica Federal do Paraná 9 de abril de 2014 Permanência Agendar com antecedência moritz@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/moritz Avaliação

Leia mais

Ciclone USO DOMÉSTICO. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. SAL -Serviço de Atendimento Lavor

Ciclone USO DOMÉSTICO. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. SAL -Serviço de Atendimento Lavor Mnul de Instruções H 2 O Ciclone ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso. USO DOMÉSTICO SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-2715 DESCRIÇÃO DO APARELHO A - ALÇA B - CABO ELÉTRICO C - ENROLADOR DE CABO

Leia mais

CURVAS CARACTERÍSTICAS DO

CURVAS CARACTERÍSTICAS DO P U C LABORATÓRIO DE DCE2 E N G E N H A R I A EXPERIÊNCIA 1: CURVAS CARACTERÍSTICAS DO TRANSISTOR BIPOLAR Identificação dos alunos: Data: 1. Turma: 2. 3. Professor: 4. Conceito: I. Objetivos Traçar as

Leia mais

EXPERIMENTO N O 03 TRANSISTOR BIPOLAR

EXPERIMENTO N O 03 TRANSISTOR BIPOLAR XPIMNTO N O 03 TANSISTO IPOLA F4D240 - Laboratório de letrônica I OJTIO: MATIAIS: Instrumentos Osciloscópio duplo traço Multímetro digital Multímetro analógico Fonte de alimentação D PAT A: - Medir as

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ ANEXO I RELAÇÃO DO MATERIAL PARA REVITALIZAÇÃO DOS LABORATORIOS DE CIENCIAS em favor da EEEP JOAQUIM NOGUEIRA, NE: 15.134, Valor Limite: R$5.580,88 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DOS MATERIAIS ITEM DESCRITIVO

Leia mais

5. Análise de Curto-Circuito ou Faltas. 5.3 Curto-Circuitos Assimétricos

5. Análise de Curto-Circuito ou Faltas. 5.3 Curto-Circuitos Assimétricos Sistems Elétricos de Potênci 5. Análise de Curto-Circuito ou Flts 5. Curto-Circuitos Assimétricos Proessor: Dr. Rphel Augusto de Souz Benedito E-mil:rphelbenedito@utpr.edu.br disponível em: http://pginpessol.utpr.edu.br/rphelbenedito

Leia mais

Série 250 Válvula de Controlo Pneumático Tipo e Tipo Válvula de Globo Tipo 3251

Série 250 Válvula de Controlo Pneumático Tipo e Tipo Válvula de Globo Tipo 3251 Série 250 Válvul de Controlo Pneumático Tipo 3251-1 e Tipo 3251-7 Válvul de Globo Tipo 3251 Aplicção Válvul de controlo pr plicções de engenhri de processos com grndes exigêncis industriis Dimensão nominl

Leia mais

ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL ELETRÔNICA VEM DA PALAVRA ELECTRON, PARTICULA SUBATÔMICA QUE TEM CARGA NEGATIVA ELETRÔNICA ANALÓGICA

ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL ELETRÔNICA VEM DA PALAVRA ELECTRON, PARTICULA SUBATÔMICA QUE TEM CARGA NEGATIVA ELETRÔNICA ANALÓGICA 1 ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL ELETRÔNICA VEM DA PALAVRA ELECTRON, PARTICULA SUBATÔMICA QUE TEM CARGA NEGATIVA ELETRÔNICA ANALÓGICA SÃO COMPONENTES DA ELETRÔNICA ANALÓGICA : RESISTORES, CAPACITORES,

Leia mais

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante

Exemplo 1 Dimensionamento ELU Força Cortante Exemplo 1 Dimensionmento ELU Forç Cortnte 1. Esquem estruturl, geometri, crgs e resistêncis O presente exemplo mostr rotin e imensionmento à orç cortnte sem que sej necessário esenhr treliç resistente

Leia mais

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS.

FLEXÃO E TENSÕES NORMAIS. LIST N3 FLEXÃO E TENSÕES NORMIS. Nos problems que se seguem, desprer o peso próprio (p.p.) d estrutur, menos qundo dito explicitmente o contrário. FÓRMUL GERL D FLEXÃO,: eixos centris principis M G N M

Leia mais

1] Dada a associação de resistores abaixo, calcule a resistência total.

1] Dada a associação de resistores abaixo, calcule a resistência total. ª ANO 1] Dada a associação de resistores abaixo, calcule a resistência total. Onde: O circuito A é uma associação de resitores em série, pois há apenas um caminho para que a corrente passe de uma extremidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA CORRENTE, TENSÃO, LEI DE OHM E POTÊNCIA Relatório de atividades da aula 01 Equipe: Angela Crepaldi.

Leia mais

Tutorial: Componentes passivos.

Tutorial: Componentes passivos. Tutorial: Componentes passivos. Autor: Samuel Cerqueira Pinto T-16 Data: 24/02/2013 Componentes Passivos Componentes passivos são os componentes eletrônicos que não possuem a capacidade de amplificar um

Leia mais

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores 4.4 - Acelerômetros ombindos Montgem: G θ x x x ircuito: reerênci R R v R R R R R - + 0 + v R - + R 0-7 rcterístics de ensores Deslocmento liner médio: x x + x && x + Deslocmento ngulr médio: θ && θ x

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Exper. 4 Objetivo Associação de esistores dentificar em um circuito resistivo as associações serie, paralela e mista. Determinar a resistência equivalente entre dois pontos de um circuito elétrico resistivo,

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves

PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves PLANO DE AULA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Projeto PIBID-IFRS-BG Área: Física Plano de Aula para Aplicação de Atividade Experimental com

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS TRANSISTORES BIPOLARES DE JUNÇÃO Parte 1

LISTA DE EXERCÍCIOS TRANSISTORES BIPOLARES DE JUNÇÃO Parte 1 Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professores: Bene Régis Figueiredo Turma AN1 Vinícius Secchin de Melo Turma AM1 LISTA DE EXERCÍCIOS TRANSISTORES BIPOLARES

Leia mais

Objetivo 1. Estudar o uso de transistores como chaves eletrônicas.

Objetivo 1. Estudar o uso de transistores como chaves eletrônicas. ELT 054 (LA) Turmas D1/D2 D3/D4 1º. Sem 2012 Aula 03 Transistores Objetivo 1. Estudar o uso de transistores como chaves eletrônicas. ntrodução A Fig. 1 mostra um transistor bipolar e suas regiões de operação.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones

MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual Manual de Instrucciones MULTÍMETRO DIGITL Digital Multimeter ET-10 / ET-11 0k M m 0m k k 0 250 250 o C m m 0µ CT III 250 /250 MX sec ECH 15min mmax MX250 o C m * Imagem meramente ilustrativa./only illustrative image./imagen meramente

Leia mais

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço

2º. Teste de Introdução à Mecânica dos Sólidos Engenharia Mecânica 25/09/ Pontos. 3 m 2 m 4 m Viga Bi Apoiada com Balanço 2º. Teste de Introdução à Mecânic dos Sólidos Engenhri Mecânic 25/09/2008 25 Pontos 1ª. Questão: eterminr os digrms de esforços solicitntes d Vig i-poid com blnço bixo. 40kN 30 0 150 kn 60 kn/m 3 m 2 m

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Electrónica, Automação e Computadores. Disciplina de Tecnologias Aplicadas 10º Ano Ano Lectivo 2009 / 2010

Curso Profissional de Técnico de Electrónica, Automação e Computadores. Disciplina de Tecnologias Aplicadas 10º Ano Ano Lectivo 2009 / 2010 Curso Profissional de Técnico de Electrónica, Automação e Computadores Disciplina de Tecnologias Aplicadas 10º Ano Ano Lectivo 2009 / 2010 Módulo 3 Tecnologia dos Componentes Electrónicos Objectivos: Conhecer

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV Laboratório de Física U 1/5 Resistividade em Fios Metálicos Resistência lunos: Turma: Data: / /20 1: 2: 3: 4: 5: Objetivo Determinar a resistividade de fios metálicos por meio da medida da resistência

Leia mais

Eletricidade Aplicada à Informática

Eletricidade Aplicada à Informática Professor: Leonardo Leódido Ligações Elétricas Sumário Dispositivos Eletro-Eletrônicos Dispositivos de Medição Dispositivos Eletro-Eletrônicos Resistência Todo elemento em um circuito oferece um certa

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETROELETRÔNICA ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da

Leia mais

Matemática. 2 log 2 + log 3 + log 5 log 5 ( ) 10 2 log 2 + log 3 + log. 10 log. 2 log 2 + log 3 + log 10 log 2 log 10 log 2.

Matemática. 2 log 2 + log 3 + log 5 log 5 ( ) 10 2 log 2 + log 3 + log. 10 log. 2 log 2 + log 3 + log 10 log 2 log 10 log 2. Mtemátic Aotno-se os vlores log = 0,30 e log 3 = 0,48, riz equção x = 60 vle proximmente: ), b),8 c) 4 ),4 e),67 x = 60 log x = log 60 x. log = log (. 3. ) x = x = log + log 3 + log log 0 log + log 3 +

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Amostra de cobre para efeito Hall Amostra de zinco para efeito Hall Instruções de uso

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Amostra de cobre para efeito Hall Amostra de zinco para efeito Hall Instruções de uso 3B SCIENTIFIC FÍSICA Amostra de cobre para efeito Hall 18751 Amostra de zinco para efeito Hall 18752 Instruções de uso 08/16 MH/JS 1 Amostra 2 Espaçador 3 Conexão para corrente transversal 4 Furos para

Leia mais

Circuito sensor de som

Circuito sensor de som Circuito sensor de som Introdução Para a prática proposta, buscando sempre auxílio no conhecimento de trabalhos anteriores e integrando um pouco com as necessidades e tecnologias atuais, devemos projetar

Leia mais

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A]

Professora FLORENCE. e) repulsiva k0q / 4d. d) atrativa k0q / 4d. Resposta: [A] . (Ufrgs 0) Assinle lterntiv ue preenche corretmente s lcuns no fim o enuncio ue segue, n orem em ue precem. Três esfers metálics iêntics, A, B e C, são monts em suportes isolntes. A esfer A está positivmente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF Introdução Associação de Resistores Em muitas aplicações na engenharia elétrica e eletrônica é muito comum fazer associações de resistores com o objetivo de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO OBJETIVOS: Aprender a utilizar um voltímetro e um amperímetro para medida de tensão e corrente contínua. MEDIDA DE TENSÕES: INTRODUÇÃO TEÓRICA A medida de tensões

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO III AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6170

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6170 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6170 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do multímetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1

Leia mais

Introdução teórica aula 12: Pisca- Pisca Controlado por Luz

Introdução teórica aula 12: Pisca- Pisca Controlado por Luz Introdução teórica aula 12: Pisca- Pisca Controlado por Luz IC555 O IC555 é um circuito integrado (chip) utilizado em uma variedade de aplicações como temporizador ou multivibrador. O CI foi projetado

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 43 400-07 Porto. T 8 340

Leia mais

Acendendo as luzes. Projeto 1 LED piscante. Componentes necessários. capítulo 2. Protoboard. LED de 5 mm. Resistor de 100 ohms * Fios jumper

Acendendo as luzes. Projeto 1 LED piscante. Componentes necessários. capítulo 2. Protoboard. LED de 5 mm. Resistor de 100 ohms * Fios jumper capítulo 2 Acendendo as luzes Projeto 1 LED piscante Protoboard LED de 5 mm Resistor de 100 ohms * Fios jumper * Esse valor pode ser diferente, dependendo do LED que você utilizar. O texto explicará como

Leia mais

Linha a Gás de Passagem para Banho

Linha a Gás de Passagem para Banho QUECIMENTO DE ÁGU Linha a Gás de Passagem para Banho Made in Japan QUECEDOR DE ÁGU Linha a Gás de Passagem para Banho CRCTERÍSTICS E BENEFÍCIOS Sistema computadorizado. cendimento eletrônico automático

Leia mais

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores

Painel para análise de circuitos resistivos CC. (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores 1 2 Circuitos Paralelos e a Associação Paralela de Resistores Utilizando as chaves

Leia mais

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00003/2013 (SRP)

Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00003/2013 (SRP) 17/05/2016 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

MÓDULO DE ENTRADAS ANALÓGICAS SINAIS DE BAIXO NÍVEL / TEMPERATURA

MÓDULO DE ENTRADAS ANALÓGICAS SINAIS DE BAIXO NÍVEL / TEMPERATURA DF45 MÓDULO DE ENTRDS NLÓGICS SINIS DE IXO NÍVEL / TEMPERTUR JUL / 05 DF45 D F 4 5 M P smar web: www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Para atualizações

Leia mais

Modelo CSL de 15kV e 20kV Seccionador Unipolar

Modelo CSL de 15kV e 20kV Seccionador Unipolar Modelo CSL de 15kV e 20kV Seccionador Unipolar Documento sujeito a alterações. Moving together 2 1. PLICÇÕES 1. PLICÇÕES s chaves a óleo tipo CSL são projetadas para chaveamento de banco de capacitores,

Leia mais

USO DOMÉSTICO POWER SLIM. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso.

USO DOMÉSTICO POWER SLIM. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. Mnul de Instruções Lvdor de Alt Pressão Residencil POWER SLIM ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso USO DOMÉSTICO SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-715 COMPONENTES G A L M C E F { F1 F K D B A-

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETRICIDADE CAPÍTULO 2 ELEMENTOS DOS CIRCUITOS ELÉTRICOS 2.1 - INTRODUÇÃO - EXISTEM CINCO ELEMENTOS BÁSICOS IDEAIS QUE SÃO UTILIZADOS EM CIRCUITOS ELÉTRICOS. - ELEMENTOS ATIVOS (GERAM ENERGIA ELÉTRICA)

Leia mais

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428 Eletrônica Básica Educador Social: Alexandre Gomes Multimetro Resistores Varistor Termistor Fusível Capacitores Diodos Transistores Fonte de Alimentação Eletrônica Básica: Guia Prático Multimetro É o aparelho

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidde Federl do Rio Grnde do Sul Escol de Engenhri de Porto Alegre Deprtmento de Engenhri Elétric ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Aul 2 - Teorems de Thévenin e Norton Sumário Algrismos significtivos

Leia mais

Prof. Manoel Eusebio de Lima

Prof. Manoel Eusebio de Lima Eletrônica (Amplificador Push-Pull) Prof. Manoel Eusebio de Lima Operação classe B Estes amplificadores, denominados classe B permite que a corrente do coletor flua apenas por 180 o do ciclo ca em cada

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 PONTE DE WHEATSTONE

Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 PONTE DE WHEATSTONE COMPONENTES DA EQUIPE: Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 PONTE DE WHEATSTONE ALUNOS NOTA 1 2 3 Data: / / : h 1. OBJETIVOS: Verificação experimental de ciruito em ponte de Wheatstone e variação de

Leia mais

Filtros Passa alta e passa baixa

Filtros Passa alta e passa baixa Filtros Passa alta e passa baixa Objetivo: Medir a corrente elétrica sobre o indutor e o capacitor em um circuito em paralelo de corrente alternada (AC). Materiais: (a) Dois resistores de igual resistência

Leia mais

ÂNGELO ANTÔNIO LEITHOLD RELAÇÃO GANHO IMPEDÂNCIA DE CIRCUITOS DE TRANSÍSTORES CURITIBA 1975

ÂNGELO ANTÔNIO LEITHOLD RELAÇÃO GANHO IMPEDÂNCIA DE CIRCUITOS DE TRANSÍSTORES CURITIBA 1975 ÂNGELO ANTÔNO LETHOLD RELAÇÃO GANHO MPEDÂNCA DE CRCUTOS DE TRANSÍSTORES CURTBA 1975 Este material tem a finalidade de resumir rapidamente a relação ganho-impedância de circuitos amplificadores. Para que

Leia mais

Dicas de segurança: permaneça com o multímetro desconectado do circuito quando fizer uso da chave seletora!

Dicas de segurança: permaneça com o multímetro desconectado do circuito quando fizer uso da chave seletora! Orientações Como usar o multímetro: Para as medidas da corrente elétrica, tensão e resistência nos circuitos elétricos pode ser utilizado um multímetro digital de baixo custo, como mostra a figura 7. Observe

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 1: Medidas Elétricas. Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos.

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 1: Medidas Elétricas. Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos. 1 1. Objetivos Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos. 2. Conceito 2.1 Matriz de contatos Uma grande parte dos circuitos eletrônicos, especialmente os digitais, quando

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

Leitura de Temperatura e Umidade pelo Logo

Leitura de Temperatura e Umidade pelo Logo Leitur de Tempertur e Umidde pelo Logo N edição nº 4 (setembro/outubro 5) publicmos um rtigo referente um circuito pr leitur de tempertur pel port prlel de um PC pelo Logo. Este novo rtigo, lém de possibilitr

Leia mais

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações

Aula Prática 01. O Amplificador Diferencial e Aplicações Aula Prática 01 I - Objetivos O objetivo desta aula prática é estudar o amplificador diferencial, suas propriedades e aplicações. A técnica adotada é reforçar a noção de associação de amplificadores em

Leia mais

APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA MÓDULO

APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA MÓDULO POSTIL ELÉTRI PR ELETRÔNI MÓULO - 1 UL 7 Na figura 1, temos um circuito alimentado por uma tensão de 12 volts, tendo como carga 3 resistores: R1 com 1k; R2 com 1k e R3 também com 1k. Fica fácil concluir

Leia mais

1.1. Resistor fixo de carvão e resistor fixo de fio. 1.2. Resistor de fio com derivação - ajustável

1.1. Resistor fixo de carvão e resistor fixo de fio. 1.2. Resistor de fio com derivação - ajustável Resistores 1. Introdução 2. Codigo de cores 3. Associação 4. Associação série 5. Associação paralela 6. Associação mista 7. Observações 8. Circuito em série 9. Circuito em paralelo 10. Exercícios 11. Referências

Leia mais

Principais características DADOS TÉCNICOS Características elétricos Características mecânicas

Principais características DADOS TÉCNICOS Características elétricos Características mecânicas Botões de Comando e Sinalização Ø 22mm HB2-E (Plastico) A linha de Botões de comando e Sinalizações HB2-E com seu design moderno, alta confiabilidade e baixo custo, com grandes variedades de configurações,

Leia mais

Arduino. Introdução aos Componentes Básicos. Leonardo Mauro P. Moraes. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Arduino. Introdução aos Componentes Básicos. Leonardo Mauro P. Moraes. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. Arduino Introdução aos Básicos Leonardo Mauro P. Moraes Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS Ponta Porã - MS 2016 1 Introdução 2 Arduino 3 4 Encerramento Introdução Arduino 1 Introdução Arduino

Leia mais

Aula de Laboratório: DIODO

Aula de Laboratório: DIODO Aula de Laboratório: DIODO I.1 - Teste do estado de funcionamento de um diodo Utilizando a função apropriada do multímetro, meça a condutividade dos diodos fornecidos em ambos os sentidos de polarização.

Leia mais

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente;

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente; Objetivo do teste Verificar os picos de corrente gerados por circuitos de lâmpadas de vapor Metálico (Mercúrio, Sódio, etc.) de lâmpadas fluorescentes compactas e lâmpadas incandescentes. Procedimentos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6115

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6115 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6115 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais