FAMILY RELATIONSHIPS AND INDIVIDUAL EXPERIENCES PRESENT IN THREE DIFFERENT BOOKS BY CLARICE LISPECTOR MARIANA TORRES RYAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAMILY RELATIONSHIPS AND INDIVIDUAL EXPERIENCES PRESENT IN THREE DIFFERENT BOOKS BY CLARICE LISPECTOR MARIANA TORRES RYAN"

Transcrição

1 FAMILY RELATIONSHIPS AND INDIVIDUAL EXPERIENCES PRESENT IN THREE DIFFERENT BOOKS BY CLARICE LISPECTOR by MARIANA TORRES RYAN (Under the Direction of DR. SUSAN CANTY QUINLAN) ABSTRACT It is the purpose of this thesis to show that Laços de família (Family Ties,) A hora da estrela (The Hour of the Star) and Um sopro de vida: Pulsações (A Breath of Life: Pulsations,) all written by the Brazilian writer Clarice Lispector, have important characteristics in common with what we refer to as family relationships and attempts to build such relationships with people who are removed from conventional family ties. This work will analyze these three works and pay particular attention to the concerns that arise within a family/friend environment that leads to multiple individual experiences. Also, two chapters focus on the creation of characters and narrators by Lispector who function as a narrator/character to tell the stories. These narrators sometimes see themselves creating characters in order to try to establish a family environment among themselves. INDEX WORDS: Clarice Lispector, Brazilian Literature, Brazilian Modernism, Family Context, Relationships, Individual Experiences, Laços de família, A hora da estrela, Um sopro de vida: Pulsações.

2 RELAÇÕES FAMILIARES E EXPERIÊNCIAS INDIVIDUAIS PRESENTES EM TRÊS OBRAS DE CLARICE LISPECTOR by MARIANA TORRES RYAN B.A., FEDERAL UNIVERSITY OF PERNAMBUCO, BRAZIL, 2002 A Thesis Submitted to the Graduate Faculty of The University of Georgia in Partial Fulfillment of the Requirements for the Degree MASTERS OF ARTS ATHENS, GEORGIA 2007

3 2007 Mariana Torres Ryan All Rights Reserved

4 RELAÇÕES FAMILIARES E EXPERIÊNCIAS INDIVIDUAIS PRESENTES EM TRÊS OBRAS DE CLARICE LISPECTOR by MARIANA TORRES RYAN Major Professor: Committee: Dr. Susan Canty Quinlan Dr. Lesley Feracho Dr. Robert H. Moser Electronic Version Approved: Maureen Grasso Dean of the Graduate School The University of Georgia May 2007

5 AGRADECIMENTOS A elaboração deste trabalho não teria sido possível sem a ajuda que recebi de pessoas muito especiais. Primeiramente, gostaria de agradecer a Deus por ter me dado saúde e força para enfrentar o tão corrido dia-a-dia de estudante de mestrado e professora de português. Agradeço aos meus pais, que sempre acreditaram no meu potencial e que proporcionaram apoio psicológico e financeiro nessa fase de dias difíceis nos Estados Unidos. Mãe, muito obrigada por ter me matriculado na English House, em 1989, e pelo incentivo no estudo do inglês ao longo dos anos. Pai, muito obrigada pela ajuda para providenciar meus documentos na época em que ainda estava concorrendo à bolsa de estudos da Universidade da Geórgia. Sem a ajuda incondicional de vocês, certamente não teria sido possível chegar até aqui. Agradeço ao meu esposo, Greg, pelo constante incentivo e pela compreensão quando não podíamos ficar juntos nos fins de semana devido aos meus estudos. Também quero agradecer à minha única irmã, Tuca - ou melhor, à Dra. Manuela Torres, médica e quase pediatra. Ela não sabe, mas o seu eterno empenho nos estudos e o sucesso em tudo o que faz são motivos de orgulho para mim, incentivando-me a trilhar o mesmo caminho. Agradeço ainda aos meus tios, tias e primos, que sempre torcem por mim, e em especial às tias Yara e Alice, por tudo que fazem por mim. Não posso esquecer da minha querida madrinha Elvira, cujo caminho nas Letras me inspiraram na escolha de uma carreira. Valeu, Dinda! Obrigada aos amigos Juliana, Ricardo e Sheyla, pela fiel amizade mesmo à distância; aos colegas e amigos do departamento de português da Universidade da Geórgia, em especial a Erika, por ter cedido seu tempo tantas vezes para discutirmos Clarice Lispector. iv

6 Gostaria ainda de expressar a minha gratidão àqueles que já partiram, mas que permanecerão eternamente nas minhas lembranças: Os meus avós José Firmino, Almir, Dalvanira e em especial à minha avó Eunice, cujos olhinhos cheios de lágrimas no aeroporto de Recife marcaram o momento do nosso último adeus. Obrigada, minha Nicinha! Agradeço aos meus professores da Universidade da Geórgia: à Dra. Susan Quinlan, minha orientadora, por ter me proporcionado os meios para o aprofundamento nos estudos sobre Clarice Lispector. Ao Dr. Robert Moser, pela paciência e pelas sugestões dadas ao longo da elaboração deste trabalho. E à Dra. Lesley Feracho, por ter aceitado participar da defesa da minha tese. v

7 ÍNDICE Página AGRADECIMENTOS...iv CAPÍTULOS 1 INTRODUÇÃO LAÇOS DE FAMÍLIA A HORA DA ESTRELA UM SOPRO DE VIDA: PULSAÇÕES CONCLUSÃO...39 OBRAS CITADAS...43 vi

8 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Mesmo para os descrentes há a pergunta duvidosa: e depois da morte? Mesmo para os descrentes há o instante de desespero: que Deus me ajude. (...) Venha, Deus, venha. Mesmo que eu não mereça, venha. (...) Sou inquieta, ciumenta, áspera, desesperançosa. Embora amor dentro de mim eu tenha. Só que não sei usar amor: às vezes parecem farpas. Se tanto amor dentro de mim recebi e continuo inquieta e infeliz, é porque preciso que Deus venha. Venha antes que seja tarde demais. Clarice Lispector. (Lispector qtd in Gotlib 47) Dentre os diversos contos e livros da escritora Clarice Lispector, três em especial me chamam à atenção. Em primeiro lugar, no que se refere a questões ligadas a problemas que ocorrem num âmbito familiar que ao mesmo tempo é palco para múltiplas experiências individuais. Para realizar o estudo dessa relação do indivíduo que pertence a um ambiente coletivo, mas é estando sozinho que acha respostas aos questionamentos da vida, selecionei os contos Os Laços de Família, Amor e Feliz Aniversário que fazem parte da coletânea Laços de família de Há em Lispector o uso da performance na criação de narradores que, sentindo a necessidade de ter pessoas em suas vidas, talvez a necessidade de um contexto familiar, entram 1

9 num processo de construção e dão vida às suas criações. Performance neste sentido se refere à atuação de Lispector como um elemento-chave na composição de seus personagens e nas histórias em que eles estão inseridos. Neste interessante processo, criador (narrador) e criatura (personagens) dependem um do outro para a sua existência e criação de uma identidade. Esta característica é encontrada no último livro escrito em vida de Clarice Lispector, A hora da estrela (1977) e no livro póstumo Um sopro de vida: Pulsações, organizado inicialmente em 1977 e publicado pela primeira vez em Através de um estudo comparativo das três obras acima mencionadas, pretendo neste trabalho demonstrar que mesmo personagens inseridos em contextos sociais diferentes muitas vezes passam pelos mesmos processos de auto-conhecimento para que possam dar mais sentido às suas vidas. Os processos de auto-conhecimento referem-se às experiências vividas por estes personagens, sejam enquanto estão sós ou quando estão acompanhados de outras pessoas. Além disso, pretendo analisar a maneira com que Lispector cria os seus narradores que, ao se encontrarem imersos em um ambiente de solidão, optam por não continuarem sós, num processo que dá vida à personagens e construindo laços familiares mesmo quando estes laços sejam artifícios, produtos de uma estratégia narrativa específica. No segundo capítulo, que trata dos contos de Laços de Família, além de elaborar um breve resumo de cada conto escolhido, irei explicar o contexto familiar em que as personagens, em especial as protagonistas, estão inseridas e o que acontece com elas quando abandonam esse ambiente. As transformações pelas quais essas personagens sofrem são decisivas para que haja um novo entendimento do mundo pelas mesmas. No capítulo seguinte, meu objeto de estudo é a criação da personagem Macabéa através do narrador-personagem Rodrigo S.M. Ainda neste capítulo, comentarei sobre o 2

10 processo de criação dela pelo seu narrador Rodrigo S.M. (ou Clarice Lispector), no que diz respeito à linguagem e estrutura da narrativa. Irei salientar alguns aspectos que fazem com que A hora da estrela seja uma narrativa singular. O quarto capítulo está dedicado ao livro Um sopro de vida que assim como em A hora da estrela, coloca em evidência a relação entre o sujeito criador (metaforizado na personagem do Autor) e o objeto da criação (metaforizada na figura da personagem Ângela Pralini). O motivo da escolha desses livros para compor esta tese é que todos demonstram interessantes similaridades no tratamento do que se refere à (des)construção de relacionamentos, sejam eles entre parentes de uma mesma família ou entre pessoas que buscam umas nas outras uma família. Para a melhor compreensão da escritura clariceana, em especial dos contos/romances que irei utilizar, acho importante incluir na introdução deste trabalho uma breve biografia sobre a autora e um pequeno resumo sobre a situação da sociedade brasileira, em especial a carioca na época em que as histórias foram escritas. A Autora e sua Obra: De origem russa (nascida numa pequena cidade da Ucrânia provavelmente em 1920 segundo Claire Varum,) Clarice Lispector, enquanto ainda é um bebê, vem para o Brasil com a família onde se fixa (primeiramente no nordeste e depois no Rio de Janeiro). Em sua bem pesquisada biografia intitulada Clarice: Uma vida que se conta, Nádia Battella Gotlib assim descreve a chegada da família ao Brasil: 3

11 Chegaram no Brasil e aportaram no Nordeste: em Maceió, capital de Alagoas, onde tinham parentes. Apesar de ser a capital do estado, Maceió era uma cidade muito pequena. Clarice tinha 2 [dois] meses: era fevereiro de E lá ficaram três anos e meio. De Alagoas foram para o Recife, onde devem ter chegado por volta de 1924: Clarice tinha quase 4 [quatro] anos (63). Ainda segundo Gotlib, sua formação intelectual e literária acontece toda no Brasil. Na época em que era casada com o diplomata Maury Gurgel Valente, ela acompanha-o pela Europa e pelos Estados Unidos onde nascem seus filhos. De volta ao Brasil, separa-se do marido e passa a levar uma vida bastante isolada em seu apartamento, no Rio de Janeiro, ao lado do seu fiel companheiro, o cão Ulisses. Clarice Lispector morre de câncer em 1977, um dia antes do seu aniversário, dia nove de dezembro. Lispector estréia na literatura em 1944 com Perto do coração selvagem, obra recebida com entusiasmo pela crítica brasileira. Antônio Cândido antevia na jovem escritora (com apenas dezenove anos na época) a afirmação de que a obra de Lispector demonstrava um dos valores mais sóbrios e, sobretudo, mais originais da nossa literatura, dada a intensidade com que sabe escrever e a rara capacidade de vida anterior. (26) Além de romances e contos, Lispector também escreveu livros infantis como O mistério do coelhinho pensante (1967), A mulher que matou os peixes (1969) e A vida íntima de Laura (1974). Clarice Lispector é universalmente reconhecida como uma das mais originais escritoras do seu tempo. Em estudos sobre questões de gênero, ela é considerada como um exemplo de escritora feminista que se preocupa com temas ligados à busca de uma autoconsciência feminina, embora ela própria não se considerasse feminista. Nos seus contos e romances, podemos 4

12 encontrar questões filosóficas profundas que estão ligadas à condição humana de todo e qualquer ser vivo. As reflexões as quais fazemos sobre suas histórias são sempre despertadas a partir de fatos cotidianos que podem ocorrer em qualquer lugar do mundo, porém quase sempre do ponto de vista feminino ou através de uma voz feminina. De acordo com a crítica Samira Y. Campedelli: Questões filosóficas profundas, como a verdade e a condição humana, estão colocadas nos romances, contos e crônicas de Clarice. Essa reflexão é sempre despertada a partir de um fato aparentemente banal, e jorra como produto incontrolável de um fluxo de consciência. A tomada de consciência pelas personagens de Clarice obedece muitas vezes a um ritual reflexivo, tortuoso, e até mesmo doloroso. E é precisamente nesses momentos que a obra da autora se revela em toda a sua beleza e profundidade, embora isso incomode a visão estereotipada e pacata corrente na classe média urbana, onde ela preferia localizar suas personagens (32). Esta afirmação é bastante coerente porque notamos o quanto a leitura dos contos e romances de Lispector possuem histórias aparentemente simples, que na verdade escondem a densidade do conteúdo. Universo Clariceano A originalidade dos meios de expressão utilizados por Clarice Lispector tem sua ligação com o inovador universo de personagens que ela cria. Inovador no sentido de que seus personagens têm em sua maioria um comportamento diferente dos personagens da literatura moderna. Ao analisarmos o conjunto da obra, percebemos que há alguns traços comuns entre 5

13 eles. Em geral, as protagonistas nos livros de Lispector são mulheres, que mesmo estando inseridas em um contexto familiar, encontram-se imersas em um estado de profunda interiorização, onde a subjetividade dos acontecimentos prevalece e para quem a realidade externa é extremamente ameaçadora. Encontrando-se mergulhadas em um vazio profundo de não-respostas, estas protagonistas buscam incessantemente descobrir o verdadeiro sentido da vida. Perguntas como Quem sou? e Qual meu papel no mundo? estão presentes na maioria das histórias. As personagens oscilam entre o desconforto da contínua investigação íntima e do desejo de ruptura com a introspecção e com o mundo objetivo. As personagens não encontram-se fixas em um tipo de comportamento, elas ao mesmo tempo que possuem um contato com o mundo exterior, estão imersas em sua interiorização. Um contínuo sentimento de náusea está presente em suas vidas. Náusea no sentido da experimentação do vazio. É deixando o eu e através do contato com o outro que pode haver uma saída em relação à náusea. Mas essas personagens raramente conseguem escapar desse sentimento, e quando conseguem (como Rodrigo S.M. de A hora da estrela) deparam-se apenas com a morte. A tendência à uma ficção introspectiva encontra sua formulação através do monólogo interior, isto é, um monólogo não falado e que se desenvolve somente no interior dessas personagens. É a partir da plenitude do monólogo interior que ficam expostos os conteúdos mais complexos e profundos da condição humana. Contexto Histórico-Cultural e a Literatura No ano de 1929 a família de Lispector muda-se para o Recife perante um acontecimento que causaria conseqüências para todo o mundo: a quebra da bolsa de valores de Nova Iorque. A economia mundial sofre sérias conseqüências, e o Brasil infelizmente está dentro deste quadro. O 6

14 principal produto de exportação brasileiro, o café, o qual sustentava a república do café-comleite, também entra em crise, promovendo o fim das oligarquias rurais. Com Getúlio Vargas no poder, instala-se a ditadura do Estado Novo em O mundo está em crise. O ano de 1939 é o momento da Segunda Guerra Mundial. De acordo com o crítico Alfredo Bosi, no seu livro História concisa da literatura brasileira: Não é fácil separar com rigidez os momentos internos do período que vem de 1930 até nossos dias. Poetas, narradores e ensaístas que estrearam em torno desse divisor de águas continuaram a escrever até hoje, dando às vezes exemplo de admirável capacidade de renovação (385). A afirmação de Bosi é pertinente, pois a realidade da época dos anos trinta é mais bem deplorada pelo poeta Carlos Drummond de Andrade. Além da visão dele, também despontam no cenário brasileiro os escritores Graciliano Ramos, José Lins do Rego e Érico Veríssimo. A literatura social dos anos trinta amadurece a proposta-brincadeira de uma linguagem brasileira dos modernistas da Semana de Arte Moderna que ocorreu em Em 1945, com o fim da Segunda Guerra, os militares destituem Vargas do poder, o qual retornaria em 1951, quando sua política nacionalista e populista já não agradava mais a classe dominante e suicida-se em 1954 por razões desconhecidas. A grave crise política gerada com a sua morte elege Juscelino Kubitschek para a presidência da República. O desenvolvimento industrial e o intenso crescimento urbano ( cinqüenta anos em cinco ) trazem consigo o grande problema das favelas e a intensa migração de nordestinos para o sul do país. Nessa época, aparecem na literatura as figuras de João Guimarães Rosa, Rubem Braga, Lygia Fagundes Telles, Dalton Trevisan e Clarice Lispector, enriquecendo a prosa brasileira tanto com temas de regionalismo quanto lançando contos e crônicas onde o espaço urbano 7

15 prevalece. Esses temas regionalistas e urbanos estão ligados à criação de novas palavras e à um narrador que utiliza uma linguagem experimental. Diferentemente do regionalismo da primeira fase do modernismo, os personagens agora não apenas refletem sobre a condição físico-social em que vivem, mas também refletem sobre temas filosóficos universais. O Rio de Janeiro e a Sociedade Carioca da Década de Sessenta: Durante mais de dois séculos, de 1716 a 1960, a cidade do Rio de Janeiro foi a capital da Colônia, do Império da República do Brasil e da intelectualidade brasileira. Nesta época, reinou na política, na economia, na cultura e como centro financeiro do país. Também foi nos anos sessenta que a cidade do Rio de Janeiro foi tema de romances e canções, como a famosa música Garota de Ipanema. Com a transferência da capital para Brasília, em 1960, o Rio perdeu seu status político, porém continuava sendo o centro dos intelectuais e a cidade maravilhosa, títulos que mantém até hoje. O início da década de sessenta trazia a marca luminosa daquela época de efervescência cultural que foram os anos do governo de Juscelino Kubitschek. Na literatura, como nas artes plásticas e na arquitetura, na música popular, no cinema e no teatro, a livre circulação de idéias, o alto nível do ensino universitário, o bom desempenho da economia, constituíam o pano de fundo indispensável à manifestação da criatividade. Era dentro desse cenário que Clarice Lispector escrevia os contos de Laços de família. Mesmo vivendo num regime de ditadura militar, a década de sessenta também foi marcada por diversos movimentos pacifistas e feministas, maior escolaridade das mulheres e o surgimento de métodos contraceptivos o que gerou um comportamento sexual feminino mais liberal. As pessoas, principalmente os jovens da época, contestam as normas estabelecidas, 8

16 questionando os padrões de comportamento. Os artistas e intelectuais, nos campos do teatro e literatura, sofrem por conta da censura. Tanto no teatro quanto na literatura todos tiveram que ir à luta. Edições foram censuradas e apreendidas, muitos escritores e jornalistas chegam a ser presos. O ato de escrever era uma forma de protestar e o ato de ler era um desafio por conta de tanta proibição. Assim pensa o crítico Affonso Romano de Santana sobre a política que se insere dentro da literatura: Foi este o século em que se viveu ideologicamente no sentido mais partidário do termo. Tivemos um conceito de história que afetou nossos gestos mais cotidianos e nossa produção intelectual. A ideologia marcou a atitude fascista presente nos dois lados, tanto esquerda como direita, pois o stalinismo foi apenas uma outra face do fascismo-nazismo (27). É muito difícil imaginar o que seria a sociedade brasileira de hoje sem considerarmos as enormes influências que a década de sessenta lançou, especialmente a partir da segunda metade e início dos anos setenta, principalmente as influências no campo das artes literárias. Foi nesta época em que foram estabelecidos conceitos que sobrevivem até os dias atuais como uma maior igualdade social entre homens e mulheres, que até esta época encontravam-se submissas e seu lugar era em casa cuidando dos filhos e dos afazeres domésticos, e a luta por direitos políticos e uma liberdade de expressão. É aqui que podemos situar a obra de Lispector que vamos considerar à luz destes acontecimentos. 9

17 CAPÍTULO 2 LAÇOS DE FAMÍLIA O estudo da obra e da crítica de Clarice Lispector é bastante complexo. Esta complexidade pode ser observada pelo modo em que se estruturam as historias de Laços de família. Marta Peixoto sugere que os contos desta obra podem ser lidos como... versions of a single developmental tale that provides patterns of female possibilities, vulnerabilities, and power in Lispector s world (25). Podemos comprovar o que foi escrito por Peixoto quando observamos que, nos treze contos da obra, dez apresentam protagonistas femininos e fixam problemas enfrentados por algumas adolescentes que confrontam o sexo como fantasia ou realidade (o que ocorre no conto Preciosidade ), as insatisfações de mulheres maduras que se relacionam com seus maridos e filhos de uma maneira precária ( A imitação da rosa e Amor ) e a celebração dos oitenta e nove anos de uma avó que, sentada em uma das pontas da mesa, presencia de forma impotente a ausência e a hipocrisia que caracterizam o seu ambiente familiar (o que acontece em Feliz aniversário ). As mulheres que povoam esses contos, sejam elas adolescentes ou adultas, não são capazes de promover a sua própria autonomia, já que estão presas e inadaptadas a um mundo repetitivo e sem autenticidade nenhuma. Escrita em 1960, a coletânea de contos Laços de família inova a arte de escrever. Esta obra está incluída entre os melhores livros de contos da literatura brasileira segundo Marta Peixoto. Os contos estão centrados, tematicamente, no processo de aprisionamento ou 10

18 entrelaçamento (talvez seja essa a razão do título escolhido por Lispector) dos indivíduos que compõe a história, de sua prisão doméstica, do seu cotidiano. Em seu artigo Existence in Laços de família, Rita Herman fala da dubialidade do termo laços que tanto pode significar: the chains of outward conformity that bind each person to others by means of a false set of values quanto pode significar the ties that bind each one to the other, by the total aloneness that they possess in common (70). Ao longo da leitura dos contos, percebemos que as formas de vida convencionais e estereotipadas vão se repetindo de geração em geração, submetendo-se às consciências e às vontades. A dissecação da classe média carioca resulta numa visão desencantada e descrente dos laços familiares, dos laços de convenção e interesse que minam a precária união familiar observada por Lispector. Como é característico de muitos escritores contemporâneos, a maneira de fazer literatura de Lispector marca-se pelo modo anti-convencional com que ela organiza o seu texto. Ela está sempre buscando fugir das convenções (pré)estabelecidas e da linguagem que obedece a norma culta. Seguindo uma postura de autora contemporânea, é freqüente em suas obras o emprego da técnica surrealista em que à narrativa vai fluindo à mercê do fluxo de consciência do narrador da história. Essa técnica surrealista se refere à questões que abordam a representação do irracional e do subconsciente. As personagens de Lispector são sempre flagradas no momento em que, a partir do cotidiano banal, alcançam o lado misterioso, inusitado, diferente da existência humana, mesmo que não consigam entendê-lo. Nessas histórias o lado oculto do indivíduo é exteriorizado. A protagonista termina buscando, através dos elementos exteriores, o seu eu interior. A partir disto, conclui-se que a busca da identidade própria passa pela busca do outro, quer seja esse outro humano (Ana, Laura, Pequena Flor, etc.), animal (galinha, cachorro, búfalo) ou objeto (como as rosas em A imitação da rosa ). 11

19 O conto Os laços de família é um ótimo exemplo para ilustrar o que foi dito anteriormente sobre o conceito do termo laços. A história começa quando a personagem Catarina vai deixar a sua mãe na estação, depois de duas semanas de visita. Dentro do táxi, a caminho da estação, Catarina recorda-se do desconforto causado pela breve convivência entre a sua mãe e o seu marido. O genro e a sogra mal se suportavam, porém na hora da despedida, ambos encheram-se de generosidade e delicadeza. A mãe de Catarina chama-se Severina, que significa uma pessoa severa, seca, dura. Assim observa Marta Peixoto sobre as relações familiares presentes neste conto: With this scene between the two women, as well as with flashbacks and the narration of the emotional consequences of the mother s visit, the story touches on several types of family relationships: mother/daughter, mother-in-law/son-in-law, grandmother/grandson, husband/wife and mother/son, all presented as subtle or not-so-subtle struggles for power (27). A questão do poder é uma temática constante em Os laços de família e em outras histórias também. Ao lermos o conto em questão, percebe-se que há uma nítida competição entre Catarina e sua mãe quanto à quem sabe educar melhor o filho/neto. Enquanto Catarina olha para sua mãe através da janela do trem, ela torna-se consciente do quanto a relação mãe/filha estava estragada. Catarina admite: Ninguém mais pode te amar senão eu (Laços 97). Esse relacionamento é como se mãe e filha fosse vida e repugnância. Não, não se podia dizer que amava sua mãe. Sua mãe lhe doía, era isso (Laços 97). Essa luta pelo poder acima mencionada por Marta Peixoto ocorre do começo ao fim do conto. Catarina precisa mostrar à sua mãe que sabe o que é melhor para seu filho, porém sua mãe acha que ela sendo mãe e avó ao mesmo tempo tem mais experiência e suas idéias são as que devem ser obedecidas. 12

20 Ainda há a figura masculina do pai querendo também exercer seu poder dentro da família, principalmente no que concerne o filho. Aqui nós podemos ver um mirror-image com a relação de Catarina com o filho como Severina com Catarina. Outro aspecto a ser considerado neste conto é o ponto de vista da figura masculina dentro do contexto onde as personagens femininas são as que possuem uma maior importância. Sobre a figura do pai/sogro ali presente: [...] the metaphorical prison entraps all members of the family: the father, who also speaks about his own predicament, sees the male as victim of the imprisoned and imprisoning female, the mother, who transmits this family tie to the next generation. The male (sic) power, deriving from his role in the world outside the home, does not prevail in the domestic world of intimate relationships, where his wife has a power at least equal to his own (Peixoto 28). Mesmo com todas essas relações familiares mencionadas por Peixoto, nota-se que há uma enorme hipocrisia envolvida neste ambiente familiar. A filha sente uma necessidade de se livrar de sua mãe para que possa continuar a viver a sua vida onde a família jantaria e depois do jantar iria ao cinema, porque depois do cinema seria enfim noite, e este dia se quebraria com as ondas nos rochedos do Arpoador (Laços 103). É quando Catarina chega em casa que ocorre mais um interessante fato dentro do contexto familiar. Primeiramente, o foco da narrativa é mudado, agora, é o marido de Catarina (não mais a mãe dela) que fica perplexo olhando pela janela mãe e filho caminhando de mãos dadas pela rua. Essa cena faz com que ele pense sobre seu casamento, mas principalmente o faz refletir sobre o que havia ocorrido com sua esposa enquanto ela deixava a mãe na estação. Há na personagem masculina, uma espécie de curiosidade sobre o motivo pelo qual Catarina estava agindo de uma maneira diferente da que costumava agir. De 13

21 certo modo Antônio intui que algo mudou na vida de sua esposa, e que embora esse dia tenha sido apenas mais um dia, aconteceu algo na vida de Catarina que fez com que ela mudasse. Para o marido de Catarina, the events of the day appear as minor, if recurrent, crisis within the sustaining institution of the family (Peixoto 28). Catarina não está ciente sobre o fato de que a sua relação com seu filho está se tornando muito semelhante ao tipo que relacionamento que ela desenvolveu com sua mãe ao longo dos anos. Uma outra observação que podemos fazer quanto à personagem Catarina, é que há em sua vida uma marca da ambigüidade. Se por um lado, ela é uma boa esposa e mãe, se preocupa com seu marido e com seu filho, por outro lado não é uma boa filha, pois é consciente de que não tem uma relação mãe/filha normal com a sua mãe. Reflete-se aqui a continuação de um ciclo entre mãe/avó/filho (neste caso Catarina, sua mãe e seu filho), onde nem a protagonista está ciente disto. Há uma enorme barreira entre elas que nem a freada brusca do táxi, quando estavam a caminho da estação, conseguiu romper. Em todos os diálogos entre Catarina e sua mãe Severina, notamos que há uma tensão entre as duas. No seu artigo A Discourse of Silence: The Postmodernism of Clarice Lispector, Earl Fitz assim descreve um pouco do comportamento de Catarina no que tange o contexto em que está inserida: When Catherine speaks, however, she presents her public or social self, a self that is utterly commonplace in word and deed. Yet though she is a character in a conventional social context, Catherine often engages her husband and her child in strikingly cryptic dialogue, using words that function as transmitters of what all involved assume to be a commonly shared body of knowledge (427). 14

22 Catarina pode apresentar um exemplo de família perfeita para seus vizinhos e conhecidos, mas a simplicidade que há entre ela e as pessoas que a cercam é apenas aparente. É através do convívio durante alguns dias com a sua mãe que Catarina alcança o verdadeiro valor da sua existência e desperta para certos sentimentos e comportamentos que nem ela própria estaria ciente de que existissem. Seguindo a análise dos comportamentos dessas protagonistas como indivíduos dentro e fora do ambiente familiar, vou comentar agora sobre o segundo conto escolhido, o conto Amor. Neste conto, Ana (cujo nome em hebraico significa pessoa benéfica e piedosa ), a protagonista, sente uma necessidade de amar um homem cego que insiste em persegui-la desde a janela de um bonde. O cego representa a ânsia dela de se entregar ao seu mundo obscuro e desconhecido. O amor que Ana sente pelo homem cego é um amor de náusea, quase ódio. Na verdade ela sente amor por si própria enquanto experimenta este fato. Ana alcançara ou não a situação estável em que vive com sua família? A cozinha era enfim espaçosa, o fogão enguiçado dava estouros. O calor era forte no apartamento que estavam aos poucos pagando (Laços 19). Este é um dos vários contos do livro onde a personagem vive quase que sem refletir que há todo um mundo à sua volta, porém Estava bom assim. Assim ela o quisera e escolhera (Laços 21). A partir da freada brusca do bonde, ela fica dominada pela insegurança e já não é mais a mesma. Ana tem medo de perder o seu refúgio, de desmoronar o seu lar em que tudo foi feito de modo que um dia se seguisse ao outro (Laços 22) e em que se podia escolher pelo jornal o filme da noite (Laços 30). Transtornada com a cena do cego mascando chicles, ela deixa cair ao chão, com a arrancada brusca do veículo, o saco com as compras que havia feito. A tranqüilidade de Ana desaparece totalmente e uma sensação de náusea lhe domina. Ana fica 15

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

#38. FeedForward. O e a caminho de Ser. Ser Feliz. Márcia Pinho COACH e Fundadora da believe IN (ICC 10410)

#38. FeedForward. O e a caminho de Ser. Ser Feliz. Márcia Pinho COACH e Fundadora da believe IN (ICC 10410) O e a caminho de Ser. Ser Feliz. Alexandra Lemos International Executive Coach Coach Trainer da ICC para Portugal www.mindcoach.pt O e a caminho de Ser. Ser Feliz. E de repente estava tudo errado. A minha

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado Inglês Aula 01 Título - Frases básicas em Inglês As orações em Inglês também se dividem em Sujeito e Predicado. Ao montarmos uma oração com um sujeito e um predicado, montamos um período simples. Estas

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Clarice Lispector * Elayne Bioni

Clarice Lispector * Elayne Bioni Clarice Lispector * Elayne Bioni Este trabalho tem como objetivo aprimorar certos conhecimentos e descobrir um pouco do mistério da grande escritora Clarice Lispector. BIOGRAFIA A provável data de nascimento

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência Estratégia de Leitura Elementos de Referência Reference devices ou elementos de referência Ao ler textos sobre qualquer assunto, em qualquer área de conhecimento, todo leitor percebe uma relação de REFERÊNCIA

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Simone Costa. Você Produtiva. Livro de exercícios

Simone Costa. Você Produtiva. Livro de exercícios Simone Costa Você Produtiva Índice Exercício 01: Autoconhecimento - Um mergulho em mim Exercício 2: Quem sou eu? Exercício 03: Agarre-se aos seus valores Exercício 04 : Respeitar a si mesma Exercício 05:

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Harmonizando a família

Harmonizando a família Harmonizando a família Narrador: Em um dia, como tantos outros, como e em vários lares a, mãe está em casa cuidando dos afazeres doméstic os, tranqüilamente. Porém c omo vem ac ontec endo há muito tempo,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Você não sofre porque tem uma programação mental, você sofre porque sua programação

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Relacionamento Amoroso

Relacionamento Amoroso CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Relacionamento Amoroso Luisa Guedes Di Mauro Natália Gióia Cípola

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Informações e instruções para os candidatos

Informações e instruções para os candidatos A preencher pelo candidato: Nome: N.º de inscrição: Documento de identificação: N.º: Local de realização da prova: A preencher pelo avaliador: Classificação final: Ass: Informações e instruções para os

Leia mais

Índice Geral. Índice de Autores

Índice Geral. Índice de Autores Victor Fernandes 1 Índice Geral A perua-galinha 3 A vida de um porco chamado Ricky 4 Um burro chamado Burro 5 O atrevido 6 O Burro que abandonou a família por causa de uma rã 7 A burra Alfazema 8 Índice

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais