VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIDADE DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIDADE DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS"

Transcrição

1 UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RS. DEAg - DEPARTAMENTO DE ESTUDOS AGRÁRIOS RICARDO DESSBESELL VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIDADE DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS IJUÍ, RS 2014.

2 RICARDO DESSBESELL VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIDADE DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Agronomia do Departamento de Estudos Agrários da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI, como um dos requisitos para a obtenção do título de Engenheiro Agrônomo. Orientadora: MSc. Angélica de Oliveira Henriques Ijuí RS, 2014

3 RICARDO DESSBESELL VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIDADE DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Agronomia Departamento de Estudos Agrários da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, defendido perante banca abaixo subscrita Banca Examinadora: Prof. MSc. Angélica de Oliveira Henriques Orientadora DEAg/UNIJUÍ Prof. MSc. Nilvo Basso DEAg/UNIJUÍ Ijuí(RS), 2014

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter me dado a vida, suas bênçãos, que sobre min destes todos os dias dando-me forças para alcançar os objetivos que sempre almejei, espero que continue desta maneira, ofertando-me, coragem e sabedoria para continuar. Agradeço principalmente a meus pais, Eliseu e Dulce, pelo amor, carinho e compreensão que tiveram comigo desde o primeiro dia de minha vida, pela dedicação, apoio e confiança que depositaram em min no momento de minhas decisões, e por muitas vezes deixarem de preocupar-se com eles para possibilitar que este meu sonho fosse realizado. Agradeço minha namorada Betina, e a todos os familiares e amigos principalmente aqueles que conviveram comigo, sempre me incentivando, dando força nessa caminhada e pelas palavras de consolo. Agradeço todos os professores do curso de Agronomia da UNIJUI, por terem transferido seus conhecimentos não só a min, mas a todos os alunos do curso, fazendo com que este sonho fosse realizado, principalmente a professora Angélica de Oliveira Henriques, pelo incentivo e paciência durante a condução do trabalho. Agradeço meus amigos, colegas e demais profissionais da área das Ciências Agrárias, que de alguma forma ajudaram-me na realização deste trabalho. A todos vocês o meu sincero, MUITO OBRIGADO

5 Que os vossos esforços desafiem as impossibilidades, lembrai-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível. (CHARLES CHAPLIN)

6 VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIDADE DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS Aluno: Ricardo Dessbesell Orientador: Prof. Angélica de Oliveira Henriques RESUMO O setor agrícola Brasileiro vem se desenvolvendo muito nas últimas décadas, principalmente o setor de produção de grãos. Mesmo assim este setor tem grande déficit no quesito armazenagem de grãos. Sendo que a armazenagem de grão na própria propriedade tem se tornado uma excelente alternativa, pois assim os agricultores que são dependentes de empresas intermediarias para negociar sua produção, se tornam independentes para fazer dela o que bem quiserem, podendo agregar mais valor a seu produto, na especulação de mercado, no valor ganho a mais pela venda disponível do grão e, além disso, poderá também comercializar os subprodutos que iriam ser descontados se entregues em empresas do ramo, transformando-os em excedentes dentro da empresa rural. Todavia, antes de implantar um sistema de armazenamento de grãos na propriedade, deve ser feito um estudo minucioso sobre os custos da implantação, pois estes são muito altos, devendo-se assim realizar um estudo da viabilidade econômica do projeto. O presente trabalho foi realizado em uma propriedade no município de Santa Barbara do Sul, no Rio Grande Do Sul, a qual possui uma área de 170 hectares, das quais 140 são de superfície agrícola útil, onde são cultivadas as culturas de soja e trigo. O estudo prova que, armazenar a produção na propriedade pode ser uma excelente opção de maximização de resultado, porem há uma necessidade de se ter o volume de produção adequado para que se torne viável. Neste trabalho foram feitas simulações, com o intuito de se saber qual a área mínima necessária para a implantação do projeto se tornar viável. Palavras Chaves: Projeto, Armazenamento, Empresa Rural, Viabilidade.

7 AM Amortização do Capital CF Custo Fixo CV Custo Variável CT Custo Total Flec Fluxo Econômico FF Fluxo Financeiro MB Margem Bruta PRK Período de Retorno de Capital RB Receita Bruta RL Renda Líquida SD Saldo Devedor TIR Taxa Interna de Retorno VPL Valor Presente Líquido LISTA DE ABREVIATURAS

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Orçamento do investimento do projeto...27 Tabela 2 Custos variáveis anual...28 Tabela 3 Custos fixos anuais...28 Tabela 4 Receita bruta...29 Tabela 5 Comparação da avaliação econômica entre o projeto e a simulação...36 Tabela 6 Comparação da avaliação da rentabilidade do capital do projeto e da simulação..36 Tabela 7 - Comparação da avaliação do financiamento e fluxo de caixa do projeto e da simulação...36

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Avaliação econômica do projeto...30 Quadro 2 Avaliação da rentabilidade do capital do projeto...31 Quadro 3 Avaliação do financiamento e fluxo de caixa do projeto...32 Quadro 4 Simulação da avaliação econômica do projeto...33 Quadro 5 Simulação da avaliação da rentabilidade do capital do projeto...34 Quadro 6 Simulação da avaliação do financiamento e fluxo de caixa do projeto...35

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA PRODUÇÃO AGRÍCOLA POR REGIÃO E ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA ARMAZENAGEM DE GRÃOS SITUAÇÃO DA ARMAZENAGEM ARMAZENAMENTO DE GRÃOS A GRANEL MODELOS DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM TIPOS DE UNIDADES ARMAZENADORAS BENEFÍCIOS DA ARMAZENAGEM NA PROPRIEDADE PRAGAS EM GRÃOS ARMAZENADOS PLANEJAMENTO E PROJETO METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA DO ESTUDO PROCEDIMENTOS AVALIATIVOS DE VIABILIDADE Avaliação econômica do projeto Avaliação da rentabilidade do capital investido Avaliação da capacidade de pagamento RESULTADOS E DISCUSSÃO DESCRIÇÃO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DESCRIÇÕES DO EMPREENDIMENTO ORÇAMENTO DO INVESTIMENTO Orçamento do Investimento do Projeto ORÇAMENTO DOS CUSTOS DE ARMAZENAGEM... 28

11 Custos Variáveis Custos Fixos ORÇAMENTO DA RECEITA BRUTA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DO EMPREENDIMENTO Avaliação econômica do projeto Avaliação da rentabilidade do capital investido do projeto Financiamento e fluxo de caixa projeto SIMULAÇÃO DE ÁREA NECESSÁRIA PARA O PROJETO SE TORNAR VIÁVEL Simulação viabilidade projeto Simulação da rentabilidade do capital investido do projeto Simulação de financiamento e fluxo de caixa projeto COMPARAÇÃO DO PROJETO COM A SIMULAÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS... 38

12 INTRODUÇÃO O agronegócio brasileiro, a cada ano apresenta maior importância econômica e social para o Brasil. Porém, muitas empresas rurais sofrem para se manter produtivas devido a diversos fatores. A dinâmica de funcionamento de uma pequena empresa é substancialmente diferente da grande organização, a limitação de sua produção restringe as entradas em seu sistema, tendo esta dificuldade de colocar produtos no ambiente capazes de competir em preço e qualidade com as grandes corporações. Este segmento da economia (agronegócio) está em franco crescimento e expansão nos últimos anos, e grande parte deste crescimento deve-se ao setor agrícola (produção de grãos), que tem funções indispensáveis para o país, produz alimento para humanos e animais, fornece matéria prima para indústrias e gera excedentes para exportação, desse modo ampliando a disponibilidade de divisas. Em uma economia de mercado como a agricultura, quem estabelece o preço é o comprador. Cabe, portanto ao empresário rural, encontrar ou desenvolver formas e/ou métodos que contribuam para a redução dos custos de produção e assim conseguir maior lucratividade nos seus produtos. Deste modo, a atividade agrícola passou a ser vista e praticada como um negócio, sendo os produtores cada vez mais profissionalizados e providos de novas práticas e tecnologias que contribuem para maximizar a produção e minimizar custos, fazendo o uso mais racional dos recursos. Isso fez com que a agricultura brasileira desse um grande salto nos seus índices de produtividade nos últimos anos. Mesmo assim passaram a buscar novos produtos e serviços de fora da propriedade, que até então não estavam sendo utilizados, como: armazéns, portos, aeroportos, agricultura de precisão e por último softwares, buscaram também novas técnicas de gestão, que pudessem influenciar no processo administrativo da propriedade. Nota-se que, para o produtor se tornar ainda mais competitivo em um mercado

13 13 tão concorrido, é necessário buscar alternativas capazes de reduzir custos dentro da propriedade. Assim sendo, um sistema de armazenamento e conservação de produtos agrícolas na propriedade rural permite que estes sejam estocados e comercializados em épocas que a oferta seja menor, e consequentemente os preços maiores. A unidade armazenadora de grãos também evitaria que fossem cobrados do produtor as taxas e descontos por produtos armazenados em armazéns de terceiros, e também minimizaria despesas com transporte, em função de se ter uma unidade armazenadora perto do local da colheita. Nesse sentido, o trabalho buscou realizar um estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação de uma unidade de armazenamento de grãos em uma propriedade rural no município de Santa Barbara do Sul, no Rio Grande do Sul. O estudo apresenta inicialmente um panorama da situação atual do Brasil em produtividade de grãos, depois uma abordagem técnica sobre armazenagem de grãos, incluindo os equipamentos necessários e os benefícios de se armazenar os grãos na propriedade, também é abordada a situação atual de armazenamento de grãos no Brasil e as perdas de grãos armazenados. É realizado um estudo envolvendo os aspectos econômicos e financeiros do investimento, por meio de cálculos da renda agrícola da propriedade e de um plano de financiamento com o objetivo de simular a viabilidade econômica e a capacidade de pagamento do projeto. Sendo assim o objetivo geral deste trabalho é a análise da viabilidade de implantação de uma unidade de armazenamento de grãos em uma unidade de produção agrícola no município de Santa Barbara do Sul, localizada na região noroeste do estado do Rio Grande Do Sul. Como objetivos específicos, buscou-se, a caracterização da unidade de produção, o estudo de uma unidade armazenadora de grãos, envolvendo aspectos como, o tamanho e localização para a implantação, o cálculo da viabilidade econômica e financeira do empreendimento e também a capacidade de pagamento do financiamento e do capital a ser investido, para saber se com o acréscimo no preço de venda da soja e do trigo na modalidade disponível, é viável a implantação de uma unidade armazenadora?

14 14 1 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1.1 PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA A produção agrícola estimada para a safra 2012/13 é de 186,15 milhões de toneladas, é 12,0% superior à safra 2011/12, quando atingiu 166,20 milhões de toneladas. Esse resultado representa um incremento de 19,95 milhões de toneladas devido, sobretudo, à cultura de soja, que apresenta crescimento de produção de 22,7% (15,07 milhões de toneladas) e a de milho segunda safra, com crescimento de 15,4% ou de 6,03 milhões de toneladas sobre a produção obtida na safra anterior (CONAB, 2013). Os efeitos dessas ocorrências na safra brasileira deste ano apontaram para uma produção de soja recorde de ,1 milhões de toneladas, comparada com ,0 mil toneladas em 2012, representando um aumento de 22,7%. Para o trigo a área plantada deverá alcançar 1.010,4 mil hectares, representando um incremento de 3,5% em relação ao ocorrido no ano anterior, tendo como suporte os bons preços alcançados na temporada passada, atualmente estimulada por um apertado quadro de oferta e demanda local, e pela possibilidade da ocorrência de problemas na produção dos principais fornecedores internacionais (CONAB, 2013). 1.2 PRODUÇÃO AGRÍCOLA POR REGIÃO E ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA Entre as Grandes Regiões agrícolas do Brasil, o volume da produção de cereais, apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 77,7 milhões de toneladas; Região Sul, 73,7 milhões de toneladas; Sudeste, 19,6 milhões de toneladas; Nordeste, 12,3 milhões de toneladas e Norte, 4,6 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, foram constatados incrementos de 9,8% na Região Centro-Oeste, 33,5% na Sul, 2,0% na Sudeste e 3,3% na Nordeste. Na Região Norte houve decréscimo de 3,1%. Nessa avaliação para 2013, o Mato Grosso liderou como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 24,4%, seguido pelo Paraná (20,2%) e Rio Grande do Sul (15,7%), que somados representaram 60,3% do total nacional previsto (IBGE, 2013). A área plantada nesta safra, estimada em 53,26 milhões de hectares, é 4,7% (2,38 milhões de hectares) maior que a cultivada em 2011/12, que totalizou 50,89 milhões de hectares.

15 15 Destaque para a cultura da soja, que apresenta crescimento de 10,7% (2,68 milhões de hectares), passando de 25,04 para 27,72 milhões de hectares, e o milho segunda safra com aumento de 17,6% (1,34 milhão de hectares), passando de 7,62 para 8,96 milhões de hectares. Para o milho primeira safra houve redução de 8,7% (665,8 mil hectares), com plantio de 6,90 milhões de hectares. A área plantada com milho, primeira e segunda safras totaliza 15,86 milhões de hectares, ou seja, crescimento de 4,5% ou de 688,3 mil hectares. Observa-se também crescimento nas áreas de amendoim na primeira safra (5,0%), amendoim segunda safra (24,6%) e sorgo (0,3%). As demais culturas apresentam redução na área cultivada, sobretudo, as de feijão total e milho primeira safra. O milho contabiliza decréscimo de 8,7% (655,8 mil hectares), e o feijão (total), redução de 5,2% (168,4 mil hectares), com a maior perda na cultura de primeira safra, com menos 9,2% (114,5 mil hectares), (CONAB, 2013). 1.3 ARMAZENAGEM DE GRÃOS Segundo Brandão (1989), a origem dos armazéns se perde na história. A ideia de armazenar produtos surgiu quando o homem deixou a fase de caçador nômade e passou a produzir alimentos. Como a caça e a pesca não eram mais suficientes para a alimentação humana, o homem se viu obrigado a começar cultivar alimentos para sua sobrevivência, e devido a isso também teve que começar a armazenar alimentos para suprir sua família nas épocas que não tinha colheita, hoje chamada de entressafra. Surgem assim os primeiros depósitos rústicos, de subsistência apenas de sua família. Mais adiante com as diversificações das profissões e formação dos grandes aldeamentos, surgiu a necessidade de armazenar maiores volumes de produtos das colheitas, para atender as funções de trocas, método muito utilizado na era primitiva de comércio, feito para socorrer os períodos de escassez de alimento (BRANDÃO, 1989). O armazenamento é o ato de estocar, guardar ou depositar qualquer produto por período indeterminado, garantindo segurança e conservando as características qualitativas e quantitativas do produto, durante o período em que estiver armazenado. Uma unidade de armazenamento de grãos é o aparelhamento destinado a receber a produção de grãos, conservá-los, em perfeitas condições técnicas e redistribuí-los, posteriormente (PUZZI, 1977). A produção de grãos é periódica, enquanto que a necessidade de alimentação e a demanda das agroindústrias são ininterruptas. Colhe-se uma safra em dois meses e esta safra

16 16 vai ser consumida, durante um ano ou mais. As unidades armazenadoras de grãos, recebendo a produção que não encontra consumo imediato, formam os estoques que permitem a distribuição cronológica dos produtos e impedem as flutuações de preços que resultam das safras e entressafras (PUZZI, 1977). 1.4 SITUAÇÃO DA ARMAZENAGEM Em países como França, Argentina e Estados Unidos, a capacidade estática de armazenagem nas fazendas varia de 30 a 60% das suas safras. No Brasil, estima-se que esta capacidade corresponda a 3,5% da produção total de grãos. Contribuem para este baixo índice o fator econômico, a pouca difusão da tecnologia gerada e/ou adaptada e a falta de planejamento da estrutura armazenadora (DEVILLA, 2004). Weber (2005) cita que a falta de silos no Brasil já é grave e está se tornando gravíssima sendo uma das maiores responsáveis pelas perdas crescentes que chegam à casa dos 20% e poderá ser maior tornando-se um obstáculo para o crescimento das frentes agrícolas. Segundo dados da CONAB, a armazenagem não acompanhou o ritmo de crescimento da produção, a capacidade instalada dos armazéns brasileiros encontra-se estagnada. Essa situação é agravada pelos problemas históricos de localização e adequação das unidades armazenadoras (CONAB, 2013). Os analistas setoriais quase sempre confrontam os dados da produção agrícola com a capacidade estática de armazenagem. Ocorre que, na prática, as safras não são colhidas ao mesmo tempo e, nem toda quantidade colhida é guardada, pois substancial parcela é exportada ou tem consumo imediato (NOGUEIRA JUNIOR, 2008). Comparado com o resto do Brasil, o Rio Grande do Sul apresenta uma situação mais confortável em torno de armazenagem. Conforme a Conab, o Estado possui uma capacidade estática total de 31,45 milhões de toneladas, o que seria suficiente para abrigar a safra gaúcha de 27,6 milhões de toneladas de grãos (BELIDELI, 2014). 1.5 ARMAZENAMENTO DE GRÃOS A GRANEL A implantação do manuseio e armazenagem de grãos a granel constitui uma tendência universal. Nos países desenvolvidos, a manipulação a granel é generalizada e integrada desde a colheita. À medida que o agricultor melhora o nível tecnológico, verifica-se a tendência de

17 17 manipular a sua produção a granel, como acontece em algumas regiões do Sul e Sudeste do país, basicamente os depósitos destinados ao armazenamento de grãos a granel são classificados em silos elevados e silos horizontais segundo a forma da estrutura de armazenamento (D ARCE, 2006). É comum encontrar justificativa para não haver investimento na construção de armazéns em fazendas, sob a alegação de que o custo inviabiliza a operação. Na verdade existe uma falta de conhecimento sobre as vantagens do sistema de processamento na fazenda, aliada às dificuldades acesso aos recursos financeiros necessários para tal investimento (CONAB, 2013). 1.6 MODELOS DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM Os silos podem ser classificados em horizontais e verticais, dependendo da relação que apresentam entre a altura e o diâmetro. Os verticais se forem cilíndricos, podem, para facilitar a descarga, possuir o fundo em forma de cone. De acordo com a sua posição em relação ao solo, classificam-se em elevados ou semienterrados. Os silos horizontais apresentam dimensões da base maior que a altura e, comparados com os verticais, exigem menor investimento por tonelada armazenada. Armazéns graneleiros são unidades armazenadoras horizontais, de grande capacidade, formada por um ou vários septos, que apresentam predominância do comprimento sobre a largura. Por suas características e simplicidade de construção, na maioria dos casos, representa menor investimento que o silo, para a mesma capacidade de estocagem. Como os silos horizontais, os graneleiros apresentam o fundo plano, em V ou em W. Essas unidades armazenadoras são instaladas ao nível do solo ou semienterrados (DEVILLA, 2004). Armazenamento em silos ou em armazéns equipados com eficientes sistemas de termometria, aeração e/ou outros recursos para manutenção de qualidade dos grãos, são as formas mais empregadas por cooperativas, agroindústrias e grandes produtores. Se bem dimensionados e manejados corretamente, esses sistemas podem ser empregados também por médios e pequenos produtores (ELIAS, 2003).

18 TIPOS DE UNIDADES ARMAZENADORAS Na agricultura atual, uma ferramenta indispensável para conseguirmos ser competitivos são estruturas de armazenamento, armazéns ou silos como são chamados. Segundo Weber (2005), os armazéns ou silos, podem ser classificados quanto à sua principal dimensão, quanto ao projeto de edificação, quanto ao sistema de aeração, quanto à aplicação e quanto à hermeticidade, conforme a seguir: a) Relativo à sua principal dimensão: Silos verticais; Silos horizontais. b) Quanto ao projeto e edificação: Silos de tela; - Silos tipo paiol; - Silos tipo bolsa; Armazéns graneleiros. - Silos graneleiros: - Silos de fundo plano; - Silos de fundo V ; - Silos de fundo semi V ; - Silos de fundo W ; Silos metálicos: - Silos de chapas parafusadas; - Silos de chapa contínuos recravada; - Silos de chapa soldados; Silos de concreto: - Silos de concreto pré-moldados; - Silos de forme deslizante; - Silos de concreto horizontal ao nível do solo; Silos elevadores; Silos tipo cúpula.

19 19 c) Silos quanto ao sistema de aeração: Aeração de manutenção; Aeração de resfriamento; Aeração de secagem. d) Silos quanto à aplicação: Silo armazenador; Silo secador; Silo de espera; Silo de expedição. e) Silo quanto à hermeticidade: Silo hermético; Silo não hermético. 1.8 BENEFÍCIOS DA ARMAZENAGEM NA PROPRIEDADE O armazenamento na fazenda constitui uma prática de suma importância, tanto para o complemento da estrutura armazenadora urbana quanto para minimizar perdas quantitativas e qualitativas a que estão sujeitos os produtos colhidos. Sabe-se que, no Brasil, dependendo da região, as perdas podem atingir 20% ou mais e são ocasionadas pelo ataque de pragas, devido à inadequação de instalações e à falta de conhecimentos técnicos adequados (WEBER, 2005). Há muitos anos, o aspecto de armazenagem de grãos em silos na própria propriedade vem sendo estudado, justamente por terem percebido as diversas vantagens desse tipo de prática. Conforme Puzzi (1986), além de reduzir os fluxos concentrados às unidades intermediárias, nos piques de safras, o armazenamento na fazenda, possibilita muitos benefícios ao produtor: comercialização do produto em épocas mais oportunas, evitando as pressões do mercado em épocas de colheita; redução das perdas na própria lavoura pelo retardamento da colheita e guarda dos produtos em locais inadequados, sujeito ao ataque de fungos, roedores e insetos; economia nos fretes, pois o transporte será evitado no pique de safra, onde os preços sobem e, também, evitar períodos ociosos desta operação decorrente da espera dos caminhões, os quais, muitas vezes ficam retidos nas longas filas, esperando para a descarga dos grãos nas unidades coletoras ou intermediárias.

20 PRAGAS EM GRÃOS ARMAZENADOS Segundo Brandão (1989), de um modo geral consideram-se pragas dos produtos armazenados todos os seres vivos que atacam os produtos armazenados para dele se alimentar. As principais pragas que atacam os produtos armazenados são: os insetos, os ratos e os pássaros, essas pragas atacam tanto no campo como no armazém. Os ratos preferem grãos já secos, especialmente cereais como milho e trigo, também atacam os produtos no próprio campo, continuando sua ação destruidora nos armazéns. De acordo com Brandão (1989), o mesmo acontece com os pássaros, cujo ataque aos grãos no campo podem atingir verdadeiras calamidades, como ocorrem na Tanzânia (África) onde os pássaros devoram cerca de 20-30% das safras de cereais daquele país. Os insetos disputam com os ratos o primeiro lugar na corrida de prejuízos aos homens, eles possuem a incrível marca de espécies diferentes, de espécies de animais que compõem o reino animal (BRANDÃO, 1989) PLANEJAMENTO E PROJETO Para Hoffmann (1987), o projeto num sentido lato, pode ser definido como qualquer propósito de ação definida e organizada de forma racional. Do ponto de vista da sociedade, considera os custos e benefícios sociais da utilização dos recursos públicos na produção de determinados bens e serviços. O projeto, do ponto de vista do empresário privado, é o instrumento que permite avaliar as vantagens relativas no emprego de seus recursos (capital) face às possibilidades alternativas de investimento; projeto, portanto, é um instrumental técnico-administrativo elaborado através de procedimento lógico e racional, que permite avaliar e decidir sobre as alternativas de investimento e os efeitos em termos de rentabilidade e eficiência econômica e financeira, bem como, os impactos do ponto de vista social e ambiental (HOFFMANN, 1987). A elaboração de um projeto segundo Buarque (1991) divide-se em identificar a ideia, o estudo de previabilidade, de viabilidade, o detalhamento a engenharia e a execução. Sendo que as três primeiras fases devem ser muito bem analisadas, para posteriormente a implantação, ou não do projeto. Durante a fase de identificação, os projetistas devem analisar anteriormente se a ideia da implantação do projeto é viável, ou não, se há um sentido de

21 21 analisar essa ideia deve-se fazer então o estudo da previabilidade, que é o estudo com dados não necessariamente definitivos ou complexos, se o estudo de previabilidade justificar o investimento, só aí então é que os projetistas partem para o estudo da viabilidade. Um projeto deve conter as seguintes etapas básicas: - Diagnóstico e justificativa; - Definição de objetivos e metas; - Estudo de mercado e comercialização; - Tamanho e localização; - A engenharia; - Elaboração do orçamento: análise da previsão de custos, receitas e investimentos; -Avaliação econômica, da rentabilidade, do financiamento e do fluxo líquido de caixa; - Avaliação do mérito do projeto.

22 22 2. METODOLOGIA 2.1 TIPO DE PESQUISA DO ESTUDO Conforme Gil (1991, p. 01), pesquisa é um estudo que tem como objetivo encontrar respostas aos problemas que são propostos, desenvolvendo-se com inúmeras fases, desde a formulação adequada do problema até a apresentação adequada de resultados. O estudo realizado é caracterizado como uma pesquisa exploratória, pois visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. Quanto aos procedimentos, a pesquisa trata-se de um estudo de caso, pois envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permita seu amplo e detalhado conhecimento. O estudo de caso é uma inquirição empírica que investiga um fenômeno contemporâneo dentro de um contexto da vida real, quando a fronteira entre o fenômeno e o contexto não é claramente evidente e onde múltiplas fontes de evidência são utilizadas. (YIN, 1989, p.23) Esta definição, apresentada como uma definição mais técnica pelo mesmo autor, nos ajuda, segundo ele, a compreender e distinguir o método do estudo de caso de outras estratégias de pesquisa como o método histórico e a entrevista em profundidade, o método experimental. O desenvolvimento da pesquisa no presente estudo envolve: - Descrição do sistema de produção atual; - Definição do modelo de armazenagem; - Elaboração de orçamento do projeto envolvendo os investimentos, os custos e as previsões de receitas do sistema; - Avaliação da viabilidade técnica, econômica e financeira do novo empreendimento.

23 PROCEDIMENTOS AVALIATIVOS DE VIABILIDADE Segundo Hoffmann (1987), na avaliação de um empreendimento visando à análise da viabilidade deve-se considerar diferentes ângulos de estudo destacando-se os aspectos econômicos para determinar a Renda Líquida, a parte financeira para apurar os indicadores de rentabilidade do capital investido e os cálculos envolvendo a projeção do financiamento e a capacidade de pagamento das prestações. Para tanto, se deve um conjunto de procedimentos para cada análise de viabilidade Avaliação econômica do projeto a) Margem Bruta (MB): indica o grau de intensificação de um sistema de produção. A Margem Bruta representa a sobra operacional do projeto, a qual se obtém subtraindo o valor dos custos variáveis do valor das receitas: MB = RB CV, onde RB corresponde ao valor da produção anual calculado pelo incremento de valor ganho a mais por saca no projeto. A MB corresponde ao valor da produção anual calculado através da multiplicação da produção pelo preço. E os custos variáveis (CV) são aqueles que variam com a quantidade produzida, como por exemplo: compra de insumos e pagamento de serviços, funrural, juros de custeio, etc. b) Custo Total (CT): compreende a soma dos custos variáveis e dos custos fixos: CT = CV + CF Os custos fixos são aqueles que não variam com a quantidade produzida, como por exemplo: seguros, juros sobre o capital, impostos fixos, etc. c) Renda Líquida (RL): representa o resultado econômico líquido do projeto. O que irá remunerar o empreendedor é a parte do valor bruto gerada no projeto. RL = MB CT d) Fluxo Econômico do Projeto (Flec): representa a contribuição anual do projeto em termos de disponibilidade monetária (saldo de caixa) sendo representado pelo valor da Renda Líquida anual acrescida do valor anual da depreciação do capital fixo. Flec = RL + Depreciação

24 24 e) Fluxo Financeiro (FF): no primeiro ano é o valor total do investimento subtraído do Fluxo Econômico. Nos anos subsequentes, é representado pelo valor do Fluxo Financeiro do ano anterior subtraído pelo Fluxo Econômico Avaliação da rentabilidade do capital investido a) Valor Presente Líquido (VPL): este valor define a viabilidade do projeto. Através desta fórmula matemático-financeira, determina-se o valor presente de pagamentos futuros descontados a uma taxa de juros apropriada, menos o custo do investimento inicial: Vpl = flec / (1 + tx) n b) Taxa Interna de Retorno (TIR): representa a rentabilidade do capital investido evidenciando, portanto, o ganho anual (taxa de juro) com a aplicação do capital no projeto, evidencia também a taxa máxima de juros de um financiamento que o projeto suportaria. c) Período de Retorno do Capital (PRK): representa o tempo (nº de anos) necessário para a recuperação do Capital investido, isto é, quanto tempo levará para retornar o dinheiro investido no projeto Avaliação da capacidade de pagamento Segundo (SCHNEIDER; WAQUIL et al. 2005) financiamentos da atividade agrícola para agricultores familiares são destinados a geração de renda, beneficiando diferentes atividades agrícolas, deste modo opta-se em considerar somente a renda obtida com estas atividades para o retorno do valor devido. a) Principal (Capital): é o montante a ser financiado, sendo o valor total do investimento. Nos anos seguintes é subtraído do valor da Amortização. b) Amortização do Capital (AM): trata-se da devolução do montante de dinheiro financiado ao banco credor conforme as condições de pagamento pré-estabelecidas

MODERNIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NUMA EMPRESA RURAL DE JÓIA RS

MODERNIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NUMA EMPRESA RURAL DE JÓIA RS 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEAg DEPARTAMENTO DE ESTUDOS AGRÁRIOS CURSO DE AGRONOMIA MODERNIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NUMA EMPRESA RURAL

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIEGO OTTONELLI

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIEGO OTTONELLI UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIEGO OTTONELLI CONDIÇÕES DE VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA UNIDADE DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS EM UMA PROPRIEDADE RURAL NO MUNICÍPIO

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

CAPACIDADE DINÂMICA DE ARMAZENGEM DE GRÃOS A GRANEL NA MESORREGIÃO DE ITAPETININGA-SP

CAPACIDADE DINÂMICA DE ARMAZENGEM DE GRÃOS A GRANEL NA MESORREGIÃO DE ITAPETININGA-SP CAPACIDADE DINÂMICA DE ARMAZENGEM DE GRÃOS A GRANEL NA MESORREGIÃO DE ITAPETININGA-SP WANDERLEY DE OLIVEIRA¹; ALINE REGINA PIEDADE 2, RICARDO SERRA BORSATTO 2 ; EVA FAGUNDES WEBER 2 ¹ Tecnólogo em Agronegócio.

Leia mais

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 Foi instalado em 30/01/2003, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CONSEA, o qual tem caráter consultivo e assessora

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Avaliação da Capacidade Estática de armazenagem de grãos no Brasil. Evaluation of Static Capacity of Storage of Grains in Brazil

Avaliação da Capacidade Estática de armazenagem de grãos no Brasil. Evaluation of Static Capacity of Storage of Grains in Brazil Avaliação da Capacidade Estática de armazenagem de grãos no Brasil Evaluation of Static Capacity of Storage of Grains in Brazil Aline Dias Ferreira de Jesus* Marta Cristina Marjotta-Maistro** Caetano Brugnaro***

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM LOGÍSTICA UM ESTUDO ACERCA DA CAPACIDADE DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS NO MUNICÍPIO DE PALMITAL-SP ANGÉLICA

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

A CAPACIDADE ESTÁTICA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NO BRASIL

A CAPACIDADE ESTÁTICA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NO BRASIL A CAPACIDADE ESTÁTICA DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS NO BRASIL Loianny Faria Azevedo (UNEMAT) loianny@hotmail.cm Thamy Pinheiro de Oliveira (UNEMAT) thamy_ly@yahoo.com.br Alexandre Gonçalves Porto (UNEMAT)

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE SOLOS NO NOROESTE DO RS

VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE SOLOS NO NOROESTE DO RS 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE SOLOS NO NOROESTE DO RS LUIS HENRIQUE MACIEL ALBIERO Ijuí RS Agosto

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

PESQUISA DE ESTOQUES MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA

PESQUISA DE ESTOQUES MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE AGRICULTURA PESQUISA DE ESTOQUES PRIMEIRO SEMESTRE - 2011 MANUAL DE INSTRUÇÕES (PRELIMINAR) 1. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA PESQUISA 1.1 - OBJETIVO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

CUSTO DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS NO SISTEMA SILOS BOLSA

CUSTO DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS NO SISTEMA SILOS BOLSA CUSTO DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS NO SISTEMA SILOS BOLSA Sérgio Almir Wachter Francisco de Assis Rolim Pereira ISSN: 2316-3992 Resumo Com o aumento da produtividade de grãos no Brasil, especialmente soja e

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL Josué G. Delmond 1 ; Gracielly Ribeiro de Alcântara 1 ; Suely M. Cavalcante

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação de Unidades Armazenadoras

Sistema Nacional de Certificação de Unidades Armazenadoras Sistema Nacional de Certificação de Unidades Armazenadoras MARINGÁ-PR 13/10/2014 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Objetivo da Certificação de Unidade Armazenadoras Fortalecimento da

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: CUSTO BENEFÍCIO DA CULTURA DO MARACUJÁ PARA AS PEQUENAS PROPRIEDADES DE CORUMBATAÍ DO SUL.

CONTABILIDADE AMBIENTAL: CUSTO BENEFÍCIO DA CULTURA DO MARACUJÁ PARA AS PEQUENAS PROPRIEDADES DE CORUMBATAÍ DO SUL. CONTABILIDADE AMBIENTAL: CUSTO BENEFÍCIO DA CULTURA DO MARACUJÁ PARA AS PEQUENAS PROPRIEDADES DE CORUMBATAÍ DO SUL. MOREIRA, Bruno Fernando, Ciências Contábeis, Fecilcam, bfm.900@hotmail.com SALONSKI,

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

Nº1 - Julho 2013. 1. Introdução

Nº1 - Julho 2013. 1. Introdução Nº1 - Julho 2013 1. Introdução A característica sazonalidade da atividade agrícola traz consigo a necessidade do armazenamento da produção. A armazenagem dos produtos agrícolas permite a distribuição do

Leia mais

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Adelina Azevedo BOTELHO ( 1 ); Wander Luis Barbosa BORGES ( 1 ); Rogério Soares de

Leia mais

Estudo técnico e de cenários econômicos para implantação de uma unidade de tratamento industrial de sementes de soja e trigo 1

Estudo técnico e de cenários econômicos para implantação de uma unidade de tratamento industrial de sementes de soja e trigo 1 118 Estudo técnico e de cenários econômicos para implantação de uma unidade de tratamento industrial de sementes de soja e trigo 1 Gilberto Strieder 2, Rafael Junior Foguesatto 2, Gizele Ingrid Gadotti

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5 RESUMO O presente estágio curricular obrigatório foi desenvolvido na unidade de recebimento e secagem de cereais da Campagro Insumos Agrícolas, unidade Boa Vista em Campo Mourão PR. O estágio teve a duração

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE CULTIVO DA SUCESSÃO-SOJA MILHO, EM ÁREAS PRÓPRIAS E ARRENDADAS. Pedro da Silva Neto (4)

VIABILIDADE ECONÔMICA DE CULTIVO DA SUCESSÃO-SOJA MILHO, EM ÁREAS PRÓPRIAS E ARRENDADAS. Pedro da Silva Neto (4) VIABILIDADE ECONÔMICA DE CULTIVO DA SUCESSÃO-SOJA MILHO, EM ÁREAS PRÓPRIAS E ARRENDADAS Tiago Rodrigues de Sousa (1),Andrécia Cósmen Silva (2), Rute Quélvia Faria (3),Sebastião Introdução Pedro da Silva

Leia mais

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000.

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000. 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas,

Leia mais

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra

Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Manual para Modelagem Financeira Definição de Ano Safra Muito embora os resultados financeiros da Companhia sejam divulgados no calendário de ano-civil (ex. o primeiro trimestre divulgado compreende o

Leia mais

RENTABILIDADE NA DIVERSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES RURAIS: estudo comparativo em duas pequenas propriedades. Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS

RENTABILIDADE NA DIVERSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES RURAIS: estudo comparativo em duas pequenas propriedades. Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS RENTABILIDADE NA DIVERSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES RURAIS: estudo comparativo em duas pequenas propriedades Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MARTINS, Alex Cavalcante LIMA, Marcelo Barbosa de FERREIRA, Jorge Leandro

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP.

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. Dioceli Gabriela de Carvalho¹; Francisco Claudio Tavares² Estudante do

Leia mais

Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1

Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1 1 Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1 Prof. Luís César da Silva Email: silvalc@cca.ufes.br - Website: www.agais.com Para a tomada de decisão sobre a construção de uma unidade

Leia mais

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução O presente estudo trata da construção de um modelo de quantificação das perdas de grãos do plantio

Leia mais

REGRAS DISCIPLINADORAS DA FORMAÇÃO E LIBERAÇÃO DOS ESTOQUES PÚBLICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGRAS DISCIPLINADORAS DA FORMAÇÃO E LIBERAÇÃO DOS ESTOQUES PÚBLICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGRAS DISCIPLINADORAS DA FORMAÇÃO E LIBERAÇÃO DOS ESTOQUES PÚBLICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A intervenção do Governo na comercialização de produtos de origem agropecuária, mediante

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente.

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente. APRESENTAÇÃO O presente diagnóstico Sócio-Econômico da Lavoura de Arroz e sua cadeia produtiva têm por finalidade apresentar sua relevante importância no município de Arroio Grande e Zona Sul, sendo a

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 0299 - Equalização de Preços nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de Estoques Reguladores e Estratégicos AGF 1. Descrição: O AGF (Aquisições do Governo Federal) é o instrumento tradicional da

Leia mais

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Luís Davi Vicensi Siqueira PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS luis.davi@ibest.com.br Carlos Eduardo Lobo e Silva PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Plano do Projeto: Diagnóstico (Planejamento) Estudo de Mercado Engenharia do Projeto Avaliação Planejamento Estratégico Tecnologia e tamanho do Investimento Projeto é:

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação Apresentação A amostragem de grãos constitui se, em nível de armazenagem, na primeira preocupação a ser considerada por estar relacionada à identificação ou diagnóstico dos eventuais serviços necessários

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 MANDIOCULTURA Economista Methodio Groxko Outubro de 2011 ASPECTOS

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais