A integração monetária na Europa: da União Europeia de Pagamentos ao euro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A integração monetária na Europa: da União Europeia de Pagamentos ao euro"

Transcrição

1 A integração monetária na Europa: da União Europeia de Pagamentos ao euro António Mendonça * 1. Introdução A introdução do euro em 1 de Janeiro de 1999 foi o culminar de um longo processo de integração monetária na Europa que se desenrolou, praticamente, ao longo de toda a segunda metade do século XX. Olhando retrospectivamente é possível descortinar cinco grandes fases no processo de construção da moeda única europeia que, longe de traduzirem uma sequência normal e previsível de evolução de um processo de integração monetária, antes reflectiram as vicissitudes de um processo complexo, por vezes contraditório, de articulação monetária interna e de articulação com o sistema monetário internacional, hegemonizado pelo dólar, mas que nunca deixou de se afirmar como perspectiva no contexto mais vasto da integração económica na Europa. Uma primeira fase vai do fim do conflito mundial ate ao final de E uma fase marcada pelo processo de reconstrução da Europa e das suas relações económicas internas e pela criação de condições para a plena integração das moedas europeias no sistema monetário internacional acordado em Bretton- Woods. Uma segunda fase vai do inicio de 1959 a 1971, mais precisamente a 15 de Agosto desse ano, altura em que e decidida, unilateralmente, a suspensão da convertibilidade do dólar pela administração americana. E a fase que corresponde à plena integração das moedas europeias no sistema monetário internacional, ainda que com algumas particularidades resultantes do processo interno de integração económica. Uma terceira fase estende-se de Agosto de 1971 ate Março de 1979, altura em que começa a funcionar o novo sistema monetário europeu. E uma fase de crise * Professor Associado do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa. Presidente do CEDIN - Centro de Estudos de Economia Europeia e Internacional.

2 monetária internacional aberta, resultante da derrocada do sistema de Bretton- Woods mas, simultaneamente, uma fase de afirmação das tendências monetárias autonomistas que conduziriam ao lançamento pela França e Alemanha do chamado novo sistema monetário europeu. Uma quarta fase vai de Março de 1979 a Dezembro de Corresponde ao período de vigência do novo sistema monetário europeu sendo marcada, ainda, por varias sub-fases que reflectiram o processo complexo de afirmação do sistema monetário europeu, no plano interno e internacional. Finalmente, uma quinta fase tem inicio com a introdução do euro em 1 de Janeiro de 1999 e a fase actual. E precisamente a evolução deste processo de integração monetária na Europa, desde os seus primórdios, com a União Europeia de Pagamentos, até à moeda única dos nossos dias, que nos propomos discutir neste trabalho. 2. Primeira fase ( ): reconstrução e convertibilidade As debilidades económicas existentes à saída da guerra e a absoluta carência de reservas de meios de pagamento internacionais, por parte da generalidade dos países europeus, impediram a convertibilidade imediata das diferentes moedas, tal como ficara consignado nos acordos de Bretton-Woods, exigindo a criação de mecanismos específicos que fossem de encontro às necessidade práticas de relançamento das relações económicas intra-europeias e, simultaneamente preparassem o caminho para uma integração plena nas regras monetárias e cambiais acordadas. É de referir a tentativa falhada do Reino Unido de avançar para a convertibilidade plena da libra, logo em 1947, a partir de um lastro de 3,7 mil milhões de dólares emprestados pelos EUA. A acção dos especuladores, que viram o irrealismo do propósito e apostaram fortemente na desvalorização da libra, levou a que em poucas semanas 2/3 destas reservas desaparecessem por completo, gorando-se a tentativa. Deste modo, entre 1945 e 1957, a convertibilidade foi meramente teórica, existindo ainda um forte controle de câmbios, subordinado à necessidade imperativa de obtenção de dólares para fazer face às necessidades de importação de bens de equipamento dos Estados Unidos. Em 1947, a França, a Itália, a Holanda, a Bélgica e o Luxemburgo fizeram uma primeira tentativa de estabelecer um sistema multilateral de compensações monetárias, com o objectivo de incentivar as trocas comerciais entre si, tentativa esta que acabou por não ter os resultados esperados. Todavia, abriu o caminho para uma nova iniciativa, tomada dois anos depois, num contexto económico mais favorável, de criação no contexto da OECE de uma União Europeia de Compensação visando, precisamente, facilitar a convertibilidade e a liberalização das trocas comerciais. Esta iniciativa levou à criação da União Europeia de Pagamentos (UEP) em

3 Os objectivos da UEP consistiam na remoção das restrições às transacções comerciais e cambiais nos países da Europa Ocidental e na criação de um quadro operativo de referência para a progressiva convertibilidade das moedas europeias. Estes objectivos seriam realizados através da aplicação de um Código de Liberalização e da criação de um sistema multilateral de pagamentos intraeuropeus. Era suposto, ainda, que os diferentes países procurassem gerir as suas políticas internas de forma a minorar os desequilíbrios intra-europeus e, deste modo, reduzir a dependência das facilidades de crédito então existentes. Inicialmente, pensava-se que a UEP durasse até 30 de Junho de 1951, mas acabou por funcionar, com alguns ajustamentos, até final de 1958, altura em que foi adoptada uma política operativa de convertibilidade monetária. Os pagamentos e as receitas de exportação dos diferentes países eram centralizados no Banco de Pagamentos Internacionais (instituição integrada na UEP) procedendo-se mensalmente aos acertos de saldos, através do pagamento em ouro ou em dólares. Inicialmente só uma parte dos saldos era regularizada deste modo sendo a parte restante transformada em crédito do credor ao devedor. Todavia, à medida que o processo de reconstrução se foi realizando e as reservas foram sendo reconstituídas, foi diminuindo a fracção de crédito e aumentando o pagamento em dólares ou em ouro. Numa perspectiva de integração monetária na Europa, o grande contributo da UEP foi o incentivo que ela proporcionou à cooperação monetária entre os países da Europa Ocidental. Com efeito, a UEP foi, sobretudo, o reconhecimento do irrealismo do programa de Bretton-Woods para a retoma da convertibilidade das moedas europeias e da necessidade de encontrar arranjos alternativos para fazer face às dificuldades generalizadas das balanças de pagamentos, agravadas na sequência da recessão de nos EUA. Ao permitir uma discriminação positiva relativamente às barreiras comerciais entre os países europeus face a terceiros e, em particular, face aos EUA, foi um reconhecimento da especificidade europeia e, neste sentido, um estímulo à integração regional. Note-se que a responsabilidade da compensação de pagamentos foi atribuída ao BPI e não FMI. O Conselho de Administração estava sedeado em Basileia e não em Washington. O Código de Liberalização, em vez de estar anexo aos Estatutos do FMI, estava integrado na OECE. Em suma, tratava-se de instituições de cunho marcadamente europeu e fora da alçada directa do FMI onde os americanos eram dominantes. O FMI fora criado para supervisionar o funcionamento de moedas convertíveis e financiar desequilíbrios temporários das balanças de pagamentos e não para tratar com a inconvertibilidade e desequilíbrios externos permanentes como era a situação da Europa à saída da guerra. Para além disso havia o problema do plenoemprego que era incompatível com a utilização de instrumentos mais ortodoxos 3

4 como a subida das taxas de juro, já que implicavam uma contracção da actividade económica. A UEP permitiu resolver os problemas da balança de pagamentos da Alemanha, na segunda metade de 1950, do Reino Unido e da França em 1951, com recurso a restrições às importações, juntamente com medidas de carácter fiscal e monetário. A França viu-se obrigada a desvalorizar o franco em 17% em Em 31 de Dezembro de 1958 os países europeus restabeleceram a convertibilidade para as transacções da balança corrente, justificando, deste modo, a criação da UEP. Este novo estado de coisas só foi reconhecido pelo FMI em Segunda fase ( ): integração no SMI É de aceitação generalizada que a UEP criou as condições para a recuperação efectiva das economias europeias reforçando, ao mesmo tempo, as bases do processo de integração europeia, iniciado em 1951 com a criação da CECA. Na prática a UEP funcionou como uma zona monetária autónoma em que circulou uma verdadeira moeda europeia, constituída pela transferência de saldos credores no seu interior. Estes saldos tinham, inclusive, uma unidade de medida própria que era a unidade de conta europeia (UCE), definida em termos do ouro (0, g, ou seja, 1/35 onça), embora não convertível. Era, na altura, o valor do dólar americano Todavia, é importante que se diga, que aos olhos dos seus fundadores, a UEP mais não era do que uma organização transitória destinada, fundamentalmente, a favorecer a supressão das restrições comerciais e a preparar a entrada efectiva dos países europeus no SMI. A questão de um sistema monetário europeu autónomo era coisa que ainda não estava na ordem do dia. Pelo contrário, o sistema da UEP foi sendo progressivamente endurecido, até deixar de prever crédito automático. O facto de se ter afirmado a divisão entre países sistematicamente credores e países sistematicamente devedores, e de os primeiros, com a RFA à cabeça, terem todo o interesse e terem colocado o seu empenho, no rápido regresso à convertibilidade geral das moedas, fez com que a experiência da UEP não tivesse sido desenvolvida no sentido da criação de um sistema monetário europeu autónomo. A acção dos EUA, forçando a integração plena no quadro de Bretton- Woods, deste modo fortalecendo o papel do dólar, também não deve ser negligenciada. 4

5 O abandono da UEP foi preparado pelo Acordo Monetário Europeu, firmado em 5 de Agosto de 1955 pelos países da OECE. Os seus instrumentos fundamentais eram os seguinte: i) A continuação de um mecanismo de compensação multilateral, gerido pelo BPI, para os países que mantivessem a situação de inconvertibilidade; ii) Um Fundo Europeu para concessão de créditos de curto prazo (2 a 3 anos), com inicio em 1962; iii) Cláusulas relativas à estabilização das cotações das taxas de câmbio das partes contratantes: - fixação de um preço de compra e venda do dólar em cada moeda; - determinação das taxas de câmbio fixas multilaterais a partir do cruzamento das taxas fixas bilaterais face ao dólar; - fixação da maioria das margens de flutuação de cada moeda europeia face ao dólar em 0,75% (inferior à margem fixada pelo FMI que era de 1%); - fixação, em consequência do disposto no parágrafo anterior, das margens de flutuação de umas moedas europeias face às outras em 1,5%. Note-se que, de acordo com as cláusulas acima enunciadas, a amplitude da variação da taxa de câmbio entre duas moedas europeias podia ir até 3%, ou seja, o dobro da variação que cada uma delas podia ter face ao dólar (1,5%). Como é óbvio isto dava maior liquidez à moeda americana uma vez que o risco de câmbio que lhe estava associado era duas vezes menor. Mais um factor, portanto, de reforço da procura de dólares como moeda internacional e, consequentemente, um factor de inferiorização e de perturbação da estabilidade cambial das moedas europeias. Não obstante a consciência dos problemas, a UEP deu lugar à plena integração das moedas europeias no sistema monetário internacional hegemonizado pelo dólar, a partir de 1 de Janeiro de Mas, ao mesmo tempo, iniciava-se um processo de acumulação de tensões que haveria de conduzir à derrocada do sistema em É interessante notar que ao longo dos doze anos em que vigorou em pleno o sistema de Bretton-Woods nunca se verificou, verdadeiramente, por parte dos europeus uma aceitação plena da sua inevitabilidade. Ao mesmo tempo que assumiam as regras e instituições do SMI, os europeus aprofundavam a discussão sobre a importância de desenvolver um vector monetário no contexto do aprofundamento do processo de integração económica em que estavam empenhados. É de notar que, praticamente no período em que havia funcionado a UEP, se havia evoluído da CECA para a Comunidade Económica Europeia (CEE) e para a Comunidade Europeia de Energia Atómica (EURATOM), na sequência da assinatura dos Tratados de Roma em 25 de Março de 1957, de 5

6 modo que parecia haver uma contradição entre o abandono de um projecto monetário especificamente europeu, como era o caso da UEP, e o avanço para um patamar superior de integração económica que, claramente, apontava na direcção do mercado comum e da união económica. As próprias vicissitudes do funcionamento do SMI só vieram dar substância a esta contradição. Em primeiro lugar, é de referir o papel desempenhado pelos EUA, possuidores de uma moeda internacional de gestão privada, não obstante os compromissos assumidos em Bretton-Woods. A escassez de liquidez, existente à saída da guerra, e à qual o SMI não havia dado totalmente resposta, transformou-se em excesso de dólares: o Plano Marshall, os investimentos directos americanos no exterior, a guerra da Coreia, as despesas militares em geral, traduziram-se em elevados défices da balança de pagamentos americana só compensados pelos excedentes da balança comercial. Esperavam os americanos que esta situação fosse transitória, enquanto não se gerassem os fluxos inversos ligados ao pagamento das ajudas e ao retorno dos rendimentos dos capitais aplicados no exterior. No entanto o processo desenvolveu-se em bola de neve, com investimentos no exterior a atraírem outros investimentos e os lucros e juros repatriados a não atingirem a dimensão esperada. A agravar tudo isto, verificou-se uma perda progressiva da competitividade das exportações americanas face às europeias e japonesas, diminuindo os excedentes da balança comercial até se tornar negativa em Paralelamente a este processo, desenvolvia-se uma acção por parte dos bancos centrais no sentido da recomposição das suas reservas em ouro apresentando sistematicamente grandes quantidades de dólares para conversão ao tesouro americano. Tudo conjugado fez com que o rácio de cobertura das responsabilidades à vista do tesouro americano sobre o exterior pelos activos em ouro descesse para níveis explosivos, na casa dos 20%. Na Europa, não obstante o sucesso da reconstrução económica, os problemas não deixaram de se manifestar. Em 1960 o preço do ouro atinge no mercado londrino os 40 dólares/onça (contra os 35 oficiais). Os EUA, como era suposto no quadro de Bretton-Woods, procuram responder vendendo ouro, mas esta acção revela-se insuficiente. O Reino Unido, a França, a RFA, a Itália, a Bélgica, a Holanda e a Suíça saem em ajuda da moeda americana formando a chamada pool do ouro. O objectivo era responsabilizarem-se pela venda de ouro no mercado até 50% das necessidades para a manutenção do preço. Os outros 50% seriam da responsabilidade americana. Paralelamente são aumentadas as taxas de juro de curto prazo nos EUA, numa tentativa de impedir a saída de capitais. É também feita uma tentativa de diminuir as responsabilidades à vista do tesouro americano através da emissão de obrigações de médio prazo (os chamados títulos Roose). Também em 1960 e 1961, o Reino Unido vê agravarem-se substancialmente os seus défices da balança de pagamentos, acentuando a instabilidade monetária geral e as dificuldades de financiamento por parte do FMI. Em 1962 o Canadá e 6

7 o Japão juntam-se aos países do pool do ouro e elaboram-se os AGE, destinados a apoiar o dólar e a libra. Em 1965, os EUA, num esforço para assegurar a credibilidade externa do dólar suspendem a regra da cobertura da circulação interna. Em Novembro de 1967, o agravamento das dificuldades britânicas leva à desvalorização da libra em 14,3%, significando este acto na prática o fim do papel da libra como moeda de reserva. Ainda nesse ano, a França abandona o pool do ouro. Em 1968 as reservas americanas de ouro diminuem para 10,5 mil milhões de dólares atingindo o limite considerado de segurança pelo Pentágono. A 15 de Março desse ano, o ouro atinge em Paris o preço de 44 dólares/onça. Os mercados de Londres e Zurique são fechados. É decidido, também pôr fim ao pool do ouro, juntamente com a introdução de restrições à venda de ouro por parte das autoridades monetárias; nasce, deste modo, o duplo mercado, uma vez que o preço deixa de ser garantido nos mercados privados. A convertibilidade/ouro do dólar torna-se cada vez mais restrita. Multiplicam-se os arranjos no sentido de segurar a paridade do dólar. Em suma, vive-se um período da crise monetária aberta que desembocaria na declaração de suspensão da convertibilidade do dólar, feita em 15 de Agosto de 1971 por R. Nixon. Em todo este processo foi sentida a necessidade de uma cooperação monetária mais estreita entre os países europeus. Por um lado, tornou-se claro que os Estados Unidos, não obstante os compromissos assumidos nunca aceitaram submeter a política económica nacional a imperativos de equilíbrio internacional, apesar de a sua moeda ser uma moeda internacional. Muito pelo contrário, optaram por sacrificar o equilíbrio da sua balança de pagamentos, com todas as consequências que são sabidas, aos objectivos de manutenção do crescimento económico. O Employment Act de 20 de Fevereiro de 1946 deu ao governo federal todos os meios para promover o emprego, a produção e o poder de compra, incluindo o uso da política monetária, independentemente dos seus efeitos sobre as relações monetárias internacionais. A própria postura dos Estados Unidos nas instituições de Bretton-Woods não deixou de estar sempre subordinada a este principio, incluindo o seu papel como criador de liquidez internacional. Mesmo quando já era claro onde esta política ia conduzir nunca houve da parte americana uma atitude firme de inflexão mas, antes, tentativas diversificadas de comprometer os seus parceiros na resolução dos problemas de que eles eram os principais responsáveis. Por outro lado, na Europa o processo de integração económica mais geral avançava a passos firmes. Da CECA, de 1951, evoluiu-se para a CEE e EURATOM em 1958, numa perspectiva que apontava para a criação de um mercado comum, uma integração das políticas económicas dos países membros e, inclusive, a criação de uma moeda comum. Era óbvio, para os participantes no projecto, que a subordinação das relações intra-moedas europeias aos desígnios da política interna americana se tornavam fortemente constrangedoras, seja da gestão dos assuntos comunitários propriamente ditos, particularmente no que dizia respeito às políticas comuns, seja do lançamento de novas iniciativas visando o aprofundamento dos níveis de integração. 7

8 Em 1960, Robert Triffin, no seu livro Gold and the dollar crisis, prevê a dissolução do sistema de Bretton-Woods e inspirado nas proposta de Keynes aí apresentadas, avança com a proposta de um plano de criação faseada de uma união monetária europeia e de uma moeda comum. Abre-se um período de elaboração de propostas concretas que vão no sentido de se evoluir da perspectiva de criação do mercado comum para a União Económica e Monetária, através do reforço dos mecanismos de cooperação monetária intra-europeia. Seguem-se vários planos dos quais são de salientar, pelo facto de configurarem já o futuro SME, o Plano Werner (1968), o Plano Barre (1968) e o Plano Brandt (1969). No quadro das discussões então travadas manifestam-se as divergências entre os que consideravam que deveria ser dada prioridade à coordenação das políticas económicas e os que defendiam que deveriam ser dados passos rápidos no domínio monetário, até como meio de forçar os próprios governos a realizar o objectivo da coordenação das políticas económicas. O resultado da discussão é essencialmente prático. Para fazer face ao problema das variações cambiais intra-europeias em resultado das variações face ao dólar é proposta a criação do mecanismo da serpente monetária no túnel, um mecanismo que previa a flutuação conjunta face ao dólar dentro de limites apertados que não podiam exceder os 1,5%, quer face ao dólar (o túnel) quer entre si (largura da serpente). Era um mecanismo complexo que apontava já para acções coordenadas de intervenção dos bancos centrais europeus no sentido de conter as variações cambiais das moedas europeias dentro de limites considerados aceitáveis para o desenvolvimento do processo de integração económica europeia. Pensava-se, na altura, que a gestão da flutuação conjunta face ao dólar faria sobressair a personalidade monetária da Comunidade em relação ao resto do mundo e seria um primeiro passo no caminho da instauração de uma política monetária comum. Esta proposta é, no entanto, considerada prematura pelos que consideravam que se deveria avançar prioritariamente na coordenação das políticas. Em 1970, a versão final do Relatório Werner consagra um compromisso entre os dois pontos de vista: decide-se avançar em paralelo nas vias da convergência das políticas económicas e da integração monetária. Propõe-se, ainda, a criação de um Fundo Europeu de Cooperação Monetária (o FECOM) para gerir os mecanismos de apoio monetário de curto prazo e de assistência financeira de médio prazo. A este Fundo deveriam, também, ser progressivamente atribuídas a gestão das reservas comunitárias e das taxas de câmbio. A culminar todo este processo, na reunião do Conselho de 22 de Março de 1971 chega-se a acordo relativamente à continuação do processo de União Económica e Monetária. Adopta-se uma resolução que prevê o processo de união por etapas e especifica os princípios de acção para uma primeira etapa de três anos que teria inicio a 1 de Junho desse mesmo ano! Entre os princípios figurava a entrada em funcionamento de um mecanismo de apoio financeiro de médio 8

9 prazo e a redução progressiva das margens de flutuação entre as moedas europeias. A agudização da crise monetária internacional vem pôr em causa, no entanto, a aplicação deste segundo principio. O marco e o florim entram em flutuação face ao dólar e, para fazer face à especulação internacional, então desencadeada, são introduzidos controles de capitais. Em 15 de Agosto seria a suspensão da convertibilidade do dólar. O processo de União Monetária Europeia transformase em desunião. Os países do Benelux propõem no Conselho de 19 de Agosto a manutenção das antigas margens de flutuação intracomunitária e a flutuação conjunta face ao dólar. Não tendo obtido a adesão dos outros membros o grupo decide adoptar o sistema apenas entre si, o que veio a constitui, na prática, a primeira versão da serpente monetária. A Alemanha continuou a deixar flutuar livremente a sua moeda, o mesmo acontecendo com a Itália. A França organizou um mercado duplo de câmbios e reforçou o controle das transacções cambiais. Chegava-se ao fim de uma etapa em que, paradoxalmente, a tentativa de construir uma realidade monetária especificamente europeia se chocou com as debilidades do sistema monetário internacional que, supostamente, procurava ultrapassar. 4. Terceira fase ( ): crise e autonomização A crise do sistema monetário internacional se, por um lado, vem agravar os problemas monetários na Europa não deixa, por outro lado, de criar as condições para que se afirme a necessidade de se avançar mais rapidamente na criação de uma estrutura monetária comum e mais autónoma relativamente às vicissitudes do dólar americano. Tornou-se evidente que a estabilidade monetária requerida pelo aprofundamento dos níveis de integração económica teria de ser conseguida com recurso a uma cooperação monetária acrescida por parte dos paísesmembros da Comunidade, cooperação esta que deveria ter como suporte a criação de mecanismos institucionais mais sofisticados e menos informais, capazes de permitir a evolução da experiência no sentido da afirmação de uma gestão monetária especificamente europeia. Após o caos inicial gerado pela suspensão unilateral da convertibilidade do dólar, ainda se tenta lançar alguma ordem no sistema na reunião do Grupo dos dez que tem lugar a 17 e 18 de Dezembro, em Washington, na sede do Smithsonian Institute. Seria a derradeira tentativa de salvar o sistema de câmbios fixos definido em Bretton-Woods. Nessa reunião fica acordada uma nova grelha de paridades face ao dólar, (cujo preço face ao ouro passa de 35 para 38 dólares a onça) e uma ampliação das margens de flutuação das taxas de câmbio, face às paridades centrais, de 1% para 2,25%. Ao mesmo tempo introduzem-se medidas restritivas à utilização do ouro de forma a limitar os estragos sobre as reservas dos E.U.A.. Formalmente não se 9

10 acabava com a convertibilidade mas introduziam-se sérias limitações à sua utilização. Nos meses seguintes, a situação pareceu evoluir positivamente dando a ilusão de que o sistema de Bretton-Woods poderia continuar a funcionar, desde que flexibilizado. No entanto, os problemas persistiram e pressionaram ainda mais para uma resolução europeia. Com efeito, no quadro das novas paridades, a amplitude máxima de variação conjunta face ao dólar passava, agora, para 4,5% (contra os 2% de antes) e, em consequência, a amplitude máxima de variação entre duas moedas europeias passa para 9% (supondo que uma vai do seu limite superior ao inferior e a outra faz o percurso inverso). Flutuações de tão grande amplitude eram incompatíveis, como é óbvio, com a prossecução de quaisquer políticas internas que assentassem em transferências financeiras regulares e de montante elevado, como era o caso da PAC. Assim, em 10 de Abril de 1972, consuma-se o acordo entre os seis bancos centrais dos países comunitários, que ficou conhecido como Acordo de Basileia e que cria o mecanismo da serpente no túnel, já referido. Trata-se de uma auto-limitação no plano das flutuações das moedas europeias entre si as comunitárias mais as dos países candidatos à entrada, na altura, e que eram o Reino unido, a Irlanda, a Dinamarca e a Noruega que, entretanto, não viria a entrar em 1 de Janeiro de 1973, como os demais, em resultado do referendo negativo de Setembro de Nos termos do acordo de Basileia, o desvio instantâneo em relação à paridade das cotações de duas quaisquer moedas dos países da CEE(a largura máxima da serpente ) fica limitado a 2,25% (com excepção das moedas dos países do Benelux em que o limite é de 1,5%) e a flutuação conjunta face ao dólar (a largura do túnel ) fica limitada a 4,5%. Por sua vez, fica definido o recurso a intervenções em moedas europeias para manter as moedas europeias na serpente e o recurso a intervenções em dólares para manter a serpente no túnel. Acordam-se, igualmente, dispositivos técnicos de gestão que passam pela definição dos momentos de intervenção nas margens -, e pela forma de regularização dos saldos devedores que podia ser, no caso de um país não dispor da moeda do país credor, em ouro, direitos especiais de saque ou dólares. Pela primeira vez estabelecia-se um mecanismo de gestão conjunta das moedas europeias que, embora complicado, não deixava de apelar à solidariedade intracomunitária e à criação de uma personalidade comum face a terceiros. A 1 de Maio de 1972, consumava-se a entrada da libra esterlina, da libra irlandesa e da coroa dinamarquesa. Esta serpente teve, contudo, uma vida curta e muito atribulada. Por um lado, o conjunto dos seus dispositivos técnicos revelou-se difícil de operar e 10

11 bastante oneroso. Na prática verificou-se que a gestão conjunta das moedas exigia condições institucionais que na altura não havia condições para assegurar. Por outro lado, a degradação da situação económica geral não ajudou a criar o clima de solidariedade necessário ao funcionamento dos mecanismos acordados. Assim, a libra esterlina e a libra irlandesa saiem, mal haviam entrado, em 23 de Junho, no seguimento de fortes movimentos especulativos contra o dólar. Por sua vez, a coroa dinamarquesa abandona a serpente em 27 de Junho para regressar em 10 de Outubro. Ainda durante o mês de Outubro, e em plena crise monetária internacional, os seis reafirmam, na Cimeira de Paris, a vontade conjunta de realizar de forma irreversível, a União Económica e Monetária. Tratou-se de uma mera declaração de intenções mas que não deixou de ter uma sequência prática que foi a criação do Fundo Europeu de Cooperação Monetária FECOM -, que já havia sido decidida pelos ministros das Finanças em Setembro de Mas a situação continuou a degradar-se. Em Janeiro de 1973, a França, a Bélgica e a Itália, na sequência de problemas de balança de pagamentos e de ataques especulativos, introduzem duplos mercados de câmbios. A lira italiana vê-se, mesmo, obrigada a sair da serpente a 13 de Fevereiro, entrando em regime de flutuação controlada. Ainda na Europa, mas fora da Comunidade, é de referir a decisão da Suíça, a 23 de Janeiro, de deixar o franco flutuar, na sequência de vendas especulativas de dólares. Ainda a 13 de Fevereiro é a vez do dólar ceder ás pressões a que estava sendo sujeito, desvalorizando-se 10% face ao DSE. Em conformidade, o preço oficial do ouro passa de 38 dólares para 42,22 dólares a onça. Pela segunda vez, em pouco mais de uma ano, as autoridades americanas decidem modificar unilateralmente a paridade do dólar, pressionadas pelos elevados défices da sua balança de pagamentos. A incapacidade de dar resposta aos problemas manifestase de forma dramática no encerramento dos principais mercados de câmbios entre 1 e 18 de Março. É, precisamente, neste intervalo de tempo, mais precisamente em 12 de Março, que as autoridades da CEE vêem-se obrigadas a adoptar nova estratégia que entra em vigor a 19 de Março. O marco alemão é revalorizado em 3%, para reforçar a coesão monetária no interior da Comunidade. Por outro lado, dá-se vida a uma nova serpente, integrada pelo marco alemão, o franco francês, a coroa dinamarquesa e as moedas dos países do Benelux. Mantém-se o compromisso da flutuação conjunta dentro dos 2,25% (nos casos de existência de duplos mercados de câmbios o compromisso só se aplica ao mercado comercial), face ao novo arranjo de paridades resultante da revalorização do marco. Em relação à libra inglesa, à libra irlandesa e à lira italiana, aceita-se a sua flutuação livre, com o compromisso de estas moedas entrarem para a serpente, assim que as respectivas situações económicas o permitissem. 11

12 A novidade, relativamente à primeira serpente, reside na abolição do túnel: os bancos centrais aderentes deixam de ser obrigados a intervir para manter a flutuação conjunta face ao dólar. Na prática isto significava o fim das taxas de câmbio fixas no plano do sistema monetário internacional. Nascia aqui, a autonomia efectiva de um sistema monetário europeu face ao sistema monetário internacional. A vida desta segunda serpente monetária também não foi fácil. Ela rastejou (é o termo adequado), num contexto internacional de flutuação mais ou menos controlada em que as autoridades americanas se comprometeram, em principio, e pela primeira vez no pós-guerra, a intervir em defesa do dólar. Até aí, seguiam a política da benign neglect (negligência benigna) que, na prática, significava o alheamento do problema: o valor externo do dólar era um problema dos outros. Mas, ao mesmo tempo, aumentavam as divergências no seio da Comunidade, com a Alemanha a demarcar-se progressivamente da simetria de obrigações. Em Junho de 1973 o marco sofre nova revalorização (5,5%) e em Outubro dáse o desastre final: o primeiro choque petrolífero. A crise monetária desemboca numa crise económica geral, entra-se num clima de competição exacerbada a nível cambial, com entradas e saídas da serpente, com restrições à circulação de capitais, num quadro de anarquia geral que pouco tinha a ver com os princípios da União Económica e Monetária que se pretendia construir. Entre Outubro de 1973 e Outubro de 1977, pode dizer-se que se viveu um período de estagnação no sentido da integração monetária europeia, não obstante as diversas propostas de manutenção da serpente, da sua flexibilização ou do seu alargamento ao conjunto das moedas europeias. Vivia-se uma situação paradoxal: quanto mais se evidenciava a necessidade de uma realidade monetária europeia menos se conseguia avançar em direcção à sua construção. A nível do sistema monetário internacional é de destacar a adopção em Janeiro de 1976, em Kingston, na Jamaica, da 2ª emenda aos estatutos do FMI que legaliza a prática generalizada da flutuação cambial, sob a forma de um novo regime baptizado de managed float. Em termos práticos isto significava que cada país era livre de escolher o seu regime cambial. Era a machadada final no sistema de Bretton-Woods. Abria, também, as portas ao regionalismo monetário o que para a Europa significava a possibilidade de avançar sem restrições no seu projecto de União Económica e Monetária. Seria, no entanto, preciso esperar até 27 de Outubro de 1977 para ouvir de novo, pela voz do então Presidente da Comissão, Roy Jenkins, num discurso pronunciado em França, a defesa da integração monetária como a melhor via para proporcionar a recuperação económica da Europa. É no seguimento das ideias defendidas neste discurso que, no Conselho Europeu de Copenhaga de 7 de Abril de 1978, o Presidente francês Giscard Destaing e o chanceler alemão Helmut Schmidt lançam a ideia de criação de um novo sistema monetário 12

13 europeu no qual deveriam participar todos os países da Comunidade. O processo que se seguiu foi bastante rápido. Em Junho de 1978, o Conselho Europeu de Bremen aprova oficialmente a iniciativa franco-alemã e encarrega os ministros das finanças de elaborarem um sistema baseado numa unidade monetária europeia. São igualmente definidos os grandes objectivos deste novo sistema monetário europeu: - a criação de uma zona de estabilidade monetária interna e externa na Europa, significando isto, colocar como objectivos prioritários a existência de baixos níveis de inflação e taxas de cambio estáveis; - a constituição de um quadro para uma maior cooperação das políticas económicas dos Estados-membros, a fim de se conseguir uma maior convergência em termos de resultados económicos, bem como o crescimento do emprego; - a obtenção da estabilidade monetária global através de políticas comuns relativamente a moedas terceiras e da repartição do impacto de choques monetários externos por todas as moedas participantes. Claramente a experiência da serpente monetária esteve presente na elaboração deste projecto. A grande debilidade do anterior sistema havia sido a ausência de objectivos comuns em matéria de política monetária. Por outro lado, a situação de crise económica acentuou as divergências entre países. A prioridade ao plenoemprego determinava a prioridade aos problemas internos o que provocava a desestabilização ao nível das taxas de câmbio. Ao mesmo tempo afirmava-se a evolução assimétrica entre a economia alemã e as economias dos restantes países-membros, com claro reforço da primeira. Tudo isto, num contexto de ausência de experiência em matéria de cooperação monetária. A proposta de novo sistema monetário europeu adopta a estabilidade monetária como o grande desiderato, numa clara aceitação da hegemonia alemã afirmada durante a vigência da segunda serpente. Baixa inflação e estabilidade cambial passam a ser os objectivos da política monetária, no plano interno e externo. A questão do pleno-emprego, que havia reduzido a eficácia da cooperação no contexto da serpente, fica reduzida para segundo plano e subordinada aos progressos em matéria de convergência económica. Finalmente, consagra-se a necessidade de políticas comuns relativamente a moedas terceiras o que aponta já no sentido da unificação da política monetária que haveria de ser realizada mais tarde. A crise do sistema monetário internacional acabava por produzir as condições da autonomização do sistema monetário europeu. O empenho da Alemanha no projecto traduzia a consciência de que o novo SME iria funcionar como uma extensão das regras e princípios de gestão do marco e como uma forma de se libertar do dólar. 13

14 A 5 e 6 de Dezembro de 1978, o Conselho Europeu de Bruxelas adopta as modalidades de funcionamento do sistema. A 13 de Março do ano seguinte, o novo sistema monetário europeu entrava em funcionamento, com isso se abrindo uma nova e decisiva fase do processo de integração monetária na Europa. 5. Quarta fase ( ): o novo sistema monetário europeu Olhando retrospectivamente pode dizer-se que o sistema monetário europeu adoptado em 1979 teve um sucesso notável. Será preciso recuar aos tempos do padrão-ouro para encontrar um sistema que tenha tido tão longa duração e eficácia. Com efeito, o SME vigorou durante, praticamente, vinte anos (o sistema de Bretton-Woods apenas vigorou em pleno de 1959 a 1971, ou seja, cerca de treze anos), sobreviveu a dois grandes períodos de recessão económica internacional (inicio dos anos 80 e inicio dos anos 90), acomodou três alargamentos comunitários (Grécia em 1981, Portugal e Espanha em 1986 e Suécia, Áustria e Finlândia em 1996), digeriu três revisões maiores dos Tratados fundadores da Comunidade (Acto Único em 1985, Tratado da União Europeia (Maastricht) em 1992 e o Tratado de Amesterdão em 1997, os quais abriram caminho, sobretudo o de Maastricht, para a institucionalização da vertente monetária da integração europeia que permitiu a criação do euro, aguentou o embate da derrocada do sistema económico e político do centro e leste da Europa e da subsequente reunificação alemã, tudo isto num contexto de transformações profundas da economia internacional que acentuaram todos os fenómenos de transnacionalização e globalização. O novo SME estruturou-se em torno de três elementos fundamentais: uma unidade monetária europeia o ecu (european currency unit) -, um sistema de taxas de câmbio e um mecanismo associado de intervenção o Mecanismo das Taxas de Câmbio (MTC) e um conjunto de mecanismos de crédito de curto e médio prazo. O ecu era uma unidade monetária compósita, constituída por um cabaz das moedas comunitárias aderentes de acordo com a importância económica relativa dos países de cada uma delas. Com a sua criação pretendia-se, fundamentalmente, assegurar a realização de quatro objectivos fundamentais, considerados indispensáveis concretização de uma zona de estabilidade monetária. O primeiro objectivo, era a criação de um activo monetário de referência, distinto do dólar, para fixação das cotações centrais bilaterais das moedas europeias participantes no sistema. Era o retorno a um sistema de paridades fixas, ainda que limitado ao espaço europeu comunitário, mas julgado indispensável 14

15 para o prosseguimento e aprofundamento das políticas de integração económica na Europa. O segundo objectivo, era a constituição de uma unidade de referência para o funcionamento do chamado Indicador de Divergência, um instrumento orientador das acções de intervenção das autoridades na defesa das paridades. Na medida em que permitia a detecção da responsabilidade relativa das diferentes moedas no processo de desvio face às cotações centrais fixadas, estabelecia uma base objectiva para uma intervenção conjunta nos mercados de câmbios impedindo, deste modo, a produção de intervenções divergentes e cumulativas que, no passado, haviam gerado a instabilidade monetária. O terceiro objectivo, era a instituição de um denominador comum para as operações realizadas quer no âmbito do mecanismo das taxas de câmbio quer no âmbito dos mecanismos de crédito. Desta forma, os bancos centrais credores e devedores passavam a correr o risco de sofrer, no valor em moeda nacional dos seus créditos ou débitos em ecus, as consequências das intervenções das outras autoridades monetárias, enquanto que antes cada país era responsável único pelas taxas de conversão da sua moeda. Com as operações de intervenção e de crédito em ecus introduziu-se a noção e também a prática de repartição comunitária do custo associado ao risco de cambio. Finalmente, o quarto objectivo era a criação de um meio de reserva e de pagamento entre as autoridades monetárias da comunidade europeia. O ecu deveria servir, principalmente, para regularizar as dívidas resultantes da intervenções em moedas comunitárias, embora com a reserva de que nenhum banco central seria obrigado a aceitar ecus em pagamento do seu crédito num valor superior a 50% deste. Como se vê, pelo conjunto dos quatro objectivos, o que se pretendia era dar um novo e sustentado impulso à cooperação monetária na Europa, desta vez com um conjunto de mecanismos especificamente criados para o efeito e que estavam para além dos mecanismos tradicionais de base nacional. Talvez, desde o fim da União Europeia de Pagamentos, era dado um passo qualitativo importante no sentido da integração monetária do espaço da Comunidade que estava para além da simples cooperação entre autoridades nacionais. Todavia, para muitos, a criação do novo SME não passava de uma operação de cosmética, tratando-se, no fundo de um alargamento da serpente e da adopção para esta de uma nova designação. De uma nova pele para sermos fiéis à terminologia usada.. Com efeito, a participação no SME continuava a ser voluntária, e se bem que a França, a Itália e a Irlanda se tenham juntado aos outros membros da serpente (à época, a RFA, a Dinamarca e os países do Benelux, ou seja, a zona marco), a Grã-Bretanha, não aderiu ao mecanismo das taxas de câmbio, que era o elemento essencial do sistema. Também a Grécia, ao aderir em 1981 às Comunidades, também ficou de fora do SME sendo, aliás, o último país a fazê-lo já com a 15

16 decisão de passagem ao euro tomada. O próprio esquema de flutuação em torno das paridades bilaterais e o sistema de intervenções dos bancos centrais, fazendo apelo à simetria (i.e., intervenções simultâneas dos bancos centrais da moeda forte e da moeda fraca) não era muito diferente daquele que era utilizado no âmbito da serpente. Não obstante todas as semelhanças, e que eram, no fundo, o reflexo das práticas concretas e da experiência acumulada pelas autoridades monetárias em matéria de cooperação monetária, as diferenças qualitativas face à serpente eram reais. A primeira diferença qualitativa tinha a ver com o papel do ecu. Embora, a metodologia da sua construção remetesse para a antiga unidade monetária de conta europeia (UMCE), o ecu acabou por ter um papel muito mais importante, quer na estrutura global do sistema, quer no seu funcionamento concreto. Com efeito, a nova unidade monetária, não se limitou a ser uma mera unidade de conta mas passou a ter uma função de meio de pagamento entre bancos centrais, designadamente no âmbito do funcionamento dos mecanismos de crédito, e também de activo de reserva. Também no plano das transacções privadas e apesar de todas as limitações que derivavam do modo como era criado (todos os créditos concedidos em ecus tinham de estar cobertos pela criação de um passivo igualmente em ecus e neste sentido não era uma verdadeira moeda) o ecu acabou por ter uma utilização significativa e progressiva. Diferentemente do que havia acontecido com a UMCE, o ecu tornou-se, efectivamente, um embrião de uma moeda comum europeia. A segunda diferença qualitativa importante tinha a ver com o papel do indicador de divergência. Expressão do compromisso entre os que defendiam o esquema de intervenção da serpente, baseado nas intervenções bilaterais, e os que defendiam a intervenção conjunta, definida em função de uma média europeia, o indicador de divergência acabou por ser uma base objectiva para o desenvolvimento de um embrião de política monetária comum. No quadro do mecanismo das taxas de câmbio, manteve-se um esquema de obrigações de intervenção baseado na grelha de paridades bilaterais mas, ao mesmo tempo, introduziu-se um mecanismo baseado na divergência de uma moeda relativamente à média das outras moedas, ou seja, relativamente ao ecu. Diferentemente do primeiro, este mecanismo não comportava a obrigatoriedade de intervenção mas apenas, como se dizia, um pressuposto de acção. A ideia subjacente era criar uma base objectiva para forçar uma maior simetria de intervenções e, deste modo, proceder a uma repartição mais equitativa dos custos de ajustamento, um dos problemas que impediram o funcionamento eficaz da serpente. A terceira diferença qualitativa tinha a ver com o lugar do sistema monetário europeu no contexto das instituições comunitárias. Diferentemente da serpente que não tinha qualquer expressão institucional a não ser por intermédio do 16

17 FECOM que assegurava a sua gestão, pretendia-se agora que o novo SME se transformasse num sistema definitivo, com instituições próprias, com capacidade para legislar tanto a nível comunitário como nacional e com o ecu a evoluir para uma moeda verdadeiramente europeia. Este objectivo só seria alcançado, no entanto, com o Tratado da União Europeia de Maastricht. Existem ainda outros aspectos de relevo que devem ser mencionados. Em primeiro lugar, o reconhecimento por parte dos países aderentes da necessidade de coordenar as políticas de câmbio relativamente a terceiros e de proceder, no quadro deste objectivo, a uma concertação com as autoridades destes países. Em segundo lugar, a possibilidade de os países europeus com laços económicos e financeiros fortes com a Comunidade poderem vir a participar no mecanismo das taxas de câmbio e de intervenção, o que veio a acontecer com a coroa norueguesa, em Outubro de 1990, a coroa sueca, em Março de 1991, e a marca finlandesa em Junho deste mesmo ano. Por fim, em terceiro lugar, uma mensagem de paz para os EUA, o estabelecimento do principio de que o novo SME se integraria no conjunto de disposições acordadas no âmbito do FMI, ou seja, que se integraria plenamente no sistema de flutuação gerida saído da Conferência de Kingston. Continuava a residir aqui uma das principais debilidades do sistema embora fosse algo que estava para além da vontade das autoridades monetárias europeias. Na verdade, o lançamento do SME em 1978 foi facilitado pela relativa estabilidade do dólar existente na altura. Mas acontecimentos posteriores, designadamente os decorrentes do segundo choque petrolífero do inicio dos anos 80, trouxeram consigo uma enorme variação da moeda americana que acentuaram as divergências entre as moedas europeias tornando extremamente difícil a gestão interna do sistema e evidenciaram as suas insuficiências O funcionamento concreto do novo sistema monetário europeu No seu funcionamento concreto o SME passou por quatro fases distintas (ver Quadro 1, em anexo): A) A afirmação do sistema Uma primeira fase vai do inicio até Setembro de 1987 e corresponde ao processo de afirmação do sistema. De salientar que o começo não foi nada fácil dada a eclosão da crise económica internacional, quase de seguida à entrada em funcionamento do sistema, na sequência do segundo choque petrolífero do inicio dos anos 80. Longe de se atenuarem, como seria de desejar, as divergências económicas entre países acentuaram-se dificultando os progressos em matéria de coordenação das políticas económicas. Os níveis de inflação eram elevados e apresentavam bastantes disparidades; as balanças correntes conheciam situações diferenciadas; os défices orçamentais eram elevados e, não raro, financiados por emissão monetária; esta situação deu origem a políticas monetárias mais viradas 17

18 para a resolução dos problemas particulares de cada país do que orientadas para a procura de uma saída comum. A extrema flutuação da moeda americana, verificada ao longo de praticamente toda a primeira metade da década também não facilitou a tarefa das autoridades monetárias europeias. A política de Reagan de redução de impostos e de aumento das despesas militares gerou fortes défices internos e externos, obrigando a subida das taxas de juro como forma de garantir o financiamento externo. A consequência foi a fuga de capitais para os EUA e a forte valorização do dólar que minou os esforços europeus no sentido de estabilizar o valor externo do ecu. Para os EUA a taxa de câmbio do dólar era um simples problema de mercado com o qual não se tinham de preocupar. Se se juntar a tudo isto a ausência de experiência na utilização das regras e dos instrumentos comuns de intervenção fácil é entender as razões do funcionamento irregular do sistema que se traduziram em onze realinhamentos de paridades. Todavia, é importante reconhecer que estes realinhamentos foram sendo utilizados, progressivamente, menos como respostas passivas a evoluções divergentes da inflação e mais como instrumentos de uma política comummente adoptada de contenção da inflação. Era também a época de passagem das políticas de sustentação da procura interna para as políticas de carácter restritivo e de relançamento da oferta, em que a prioridade passava a ser dada à estabilidade dos preços, traduzindo, também, a afirmação da hegemonia alemã na definição dos princípios orientadores da política monetária no seio do SME. A parte final deste período é já marcada por progressos claros na capacidade de utilização dos instrumentos comuns de gestão monetária e cambial. O clima de recuperação económica que se vivia ajuda também à convergência de objectivos por parte dos países membros do sistema. Os indicadores económicos globais melhoram significativamente, a divergência dá lugar a um processo de convergência acentuada das principais economias europeias beneficiado por um contexto internacional de baixa de preços das matérias-primas e produtos energéticos. É, também, o período de descida acentuada do dólar, na sequência dos acordos do Hotel Plaza de 1985 e do Louvre de 1987.Traduzindo este clima positivo do funcionamento do SME são introduzidas, em 1985, as primeiras medidas de ajustamento visando incentivar a utilização do ecu nas relações entre os bancos centrais. Dois anos depois, em Setembro de 1987, no quadro da constatação da convergência económica entre países e de crescente liberalização dos movimentos de capitais, são acordadas novas medidas visando incentivar a coordenação de políticas e melhorar o mecanismo de intervenção no quadro do MTC. B) Estabilidade e reforço da credibilidade Uma segunda fase do funcionamento do SME vai de Setembro de 1987 a Junho de 1992 e é marcada pela estabilidade e pelo reforço da credibilidade 18

19 interna e externa do sistema. A recuperação económica internacional, iniciada em 1984, prolonga-se em expansão, praticamente até ao final de Reduzem-se os diferenciais de inflação e de taxas de juro, a convergência económica continua, e tudo melhora no seio dos países comunitários com excepção do desemprego que continua a gerar fortes tensões. Traduzindo esta estabilidade económica geral não se verificam grandes problemas no funcionamento do SME pelo que deixam de se verificar realinhamentos com excepção do de natureza técnica que se verificou em resultado da passagem da lira italiana para a banda estreita do MTC. Em contrapartida, três novas moedas passam a integrar em pleno o SME: a peseta espanhola, em 14/06/89, a libra inglesa, em 08/10/90, e o escudo português, em 06/04/92. Só dracma grego continuava de fora. É, ainda, durante este período que se decide avançar em definitivo para a União Económica e Monetária. Ao mesmo tempo que se convocam formalmente as conferências intergovernamentais para a discussão e aprovação de novo Tratado, decide-se pôr em marcha o conjunto de medidas propostas no Relatório Delors para a primeira etapa da UEM, a partir de 1 de Julho de 1990 e com um período de vigência até à aprovação desse novo Tratado. Como se sabe, esta primeira etapa duraria até 31 de Dezembro de 1993 e teve como objectivo central a convergência das performances económicas dos países participantes. Para isso foi assegurada a realização plena do mercado interno, a duplicação dos fundos estruturais, de forma a garantir os apoios necessários ao equilíbrio regional e à correcção de assimetrias entre países, e a institucionalização do Conselho de Ministros da Economia e Finanças (ECOFIN) como órgão coordenador das políticas económicas. No domínio especificamente monetário ficou definido a supressão de todos os obstáculos à circulação de capitais e a intensificação da cooperação e coordenação das políticas monetárias. A criação de um Fundo de Reserva Europeu, a partir da colocação em comum de 10% das reservas de cada país, que seria o embrião do futuro sistema europeu de bancos centrais, ficou, no entanto, uma vez mais adiada. Em 7 de Fevereiro de 1992 é assinado formalmente o Tratado da União Europeia que vem consagrar e precisar em alguns aspectos as propostas constantes no Relatório Delors para a segunda e terceira etapas da UEM. A segunda etapa é definida globalmente como uma fase de transição para a etapa definitiva da UEM durante a qual deveriam ser asseguradas as condições de convergência económica e os arranjos institucionais necessários à passagem à fase seguinte. O seu inicio fica marcado para 1 de Janeiro de A passagem à terceira etapa da UEM fica dependente do preenchimento de um conjunto de requisitos, que ficaram conhecidos como os critérios de convergência nominal de Maastricht, e que estabelecem limites máximos para a taxa de inflação, a taxa de juro de longo prazo, o défice orçamental, a dívida pública e ainda a exigência de a moeda do país candidato ter observado, durante 19

20 um mínimo de dois anos, a banda estreita de flutuação do MTC sem ter sofrido nenhuma desvalorização. A condução do processo de preparação para a passagem à terceira etapa fica a cargo de uma nova instituição o Instituto Monetário Europeu (IME) com existência confinada a esta segunda etapa, a quem são atribuídas as funções de gestão do sistema monetário europeu, de promoção da cooperação monetária a todos os níveis e da preparação das condições técnicas para a execução da política monetária única prevista para a terceira etapa. Fica decidido que, com a entrada em funcionamento do IME, o Fundo Europeu de Cooperação Monetária é dissolvido. C) Turbulência e crise O caminho para o euro não estava, no entanto, definitivamente aberto como se pensava e, do mesmo modo que o inicio do SME foi perturbado pela crise económica internacional do inicio dos anos 80, também este arranque para a moeda única viria a ser seriamente afectado pela eclosão de nova crise no inicio da década de 90. À fase de estabilidade e de consolidação do sistema monetário europeu, suceder-se-ía uma fase de turbulência e de crise profunda que quase deitou por terra todos os progressos alcançados ao longo dos treze anos que já durava o sistema mas que acabou, finalmente, por constituir a derradeira demonstração de que havia uma séria vontade de avançar para a união monetária e de que a experiência de gestão comum dos assuntos económicos e monetários era suficientemente forte e positiva para ser uma vez mais desperdiçada. Esta terceira fase do funcionamento do SME tem o seu inicio formal com o não da Dinamarca ao Tratado da União Europeia, decidido em referendo no dia 2 de Junho de 1992, e prolongar-se-ía, praticamente até Janeiro de 1995 altura em que o SME entra numa nova fase de estabilização que antecede a decisão de passagem à moeda única. Ao resultado negativo do referendo dinamarquês vem juntar-se a incerteza relativamente ao resultado do referendo francês marcado para Setembro desse mesmo ano, num contexto de agravamento das condições económicas internas e de crescente descontentamento da população. As expectativas dos agentes económicos face a uma rápida concretização da UEM alteram-se rapidamente e as tensões começam a afectar as moedas mais fracas do sistema com particular realce para a libra inglesa e a lira italiana. Na Itália, o défice orçamental dispara e as pressões para a desvalorização da lira manifestam-se com toda a força. No Reino Unido, aumentam as pressões para a descida da taxa de juro à medida que a crise económica se prolonga. Na Alemanha é o processo de reunificação a determinar o aumento das taxas de juro provocando imediatamente pressões no sentido da alta das taxas de juro das outras moedas do SME, com particular realce para a libra inglesa, a lira, o franco francês e a peseta espanhola que começam a ser alvo de fortes ataques especulativos. A depreciação significativa 20

O SME * baseava-se em três elementos estruturais:

O SME * baseava-se em três elementos estruturais: Centro de Informação peia ANTECEDENTES DA UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA A ideia de uma União Económica e Monetária (UEM), a existência de uma moeda e política monetária únicas, que eliminasse as flutuações

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

Relatório de Convergência do Banco de Portugal: excerto sobre o caso português (Março de 1998)

Relatório de Convergência do Banco de Portugal: excerto sobre o caso português (Março de 1998) Relatório de Convergência do Banco de Portugal: excerto sobre o caso português (Março de 1998) Source: Banco de Portugal. Relatório de Convergência. Lisboa: Março de 1998. 47 p. http://www.bportugal.pt/euro/emudocs/rel_bp/todo_p.pdf.

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS. Enquadramento das Finanças Internacionais

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS. Enquadramento das Finanças Internacionais MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS MÓDULO I Ponto 1 Objectivo Enquadramento Internacional O SMI, O SME O EURO e PORTUGAL 1 FINANÇAS INTERNACIONAIS Enquadramento das

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. 7. O sistema monetário internacional (Parte II)

ECONOMIA INTERNACIONAL II. 7. O sistema monetário internacional (Parte II) ECONOMIA INTERNACIONAL II 7. O sistema monetário internacional (Parte II) Bibliog.: Mendonça (1998), cap. 6 Krugman (2006), cap.18 António Mendonça amend@iseg.utl.pt O SISTEMA DE BRETTON WOODS 1. ANTECEDENTES:

Leia mais

EURO. prodep. Antecedentes da Moeda Única:

EURO. prodep. Antecedentes da Moeda Única: Antecedentes da Moeda Única: Até Janeiro de 1999, os países da Comunidade Europeia tinham moedas diferentes, o que durante muito tempo causou grandes dificuldades ao grupo. Os Estados-membros verificaram

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

A unificação monetária européia

A unificação monetária européia A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007 A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007

Leia mais

Bruxelas, 18 de Março de 2002

Bruxelas, 18 de Março de 2002 Bruxelas, 18 de Março de 2002 O tratado da UE institui uma política comercial comum cuja execução é da competência da Comissão Europeia : A política comercial comum assenta em princípios uniformes, designadamente

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. 7. O sistema monetário internacional (Parte I)

ECONOMIA INTERNACIONAL II. 7. O sistema monetário internacional (Parte I) ECONOMIA INTERNACIONAL II 7. O sistema monetário internacional (Parte I) Bibliog.: Mendonça (1998), cap. 6 Krugman (2006), cap.18 António Mendonça amend@iseg.utl.pt A MOEDA INTERNACIONAL 1. A moeda é um

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

VOTO DE CONGRATULAÇÃO MARÇO E A UNIÃO EUROPEIA

VOTO DE CONGRATULAÇÃO MARÇO E A UNIÃO EUROPEIA 1 VOTO DE CONGRATULAÇÃO MARÇO E A UNIÃO EUROPEIA 1. Nestas rememorações congratulatórias mensais, reportadas à vida de individualidades ligadas à construção europeia ou a factos relevantes à mesma respeitantes,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Por que o sistema financeiro atual tem essa configuração? Do Padrão-Ouro a Bretton Woods

Por que o sistema financeiro atual tem essa configuração? Do Padrão-Ouro a Bretton Woods Por que o sistema financeiro atual tem essa configuração? Do Padrão-Ouro a Bretton Woods Sistema monetário internacional Muitos economistas acreditam que o dinheiro e o sistema monetário internacional

Leia mais

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação

4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação 4º Congresso Nacional dos Economistas Lisboa, 19-20-21, Outubro 2011 Comunicação Portugal face à crise da economia global António Mendonça Economista. Professor catedrático do ISEG-UTL. 1 DIMENSÕES DA

Leia mais

Sistema Financeiro Internacional

Sistema Financeiro Internacional Sistema Financeiro Internacional - Conceito: relações de troca ou negócios entre moedas, atividades, fluxos monetários e financeiros, empréstimos, pagamentos, aplicações financeiras internacionais, entre

Leia mais

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Relator: João Costa Pinto Dia da Competitividade em Portugal 31 Outubro 2007 I. O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS NO MOVIMENTO DE

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ANÁLISE INSTITUCIONAL DO MERCADO DE TÍTULOS 1 ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS 2 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU CEE

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois

Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Integração de Portugal na Comunidade Europeia Vinte Anos Depois Luís Amado Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros Celebraram-se no

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro:

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro: Decreto n.º 143-A/80 Acordo, por troca de cartas, entre a República Portuguesa e a Comunidade Económica Europeia Relativo à Implementação de Uma Ajuda Pré-Adesão a Favor de Portugal O Governo decreta,

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

10 anos do Sistema Europeu de Bancos Centrais. Conferência

10 anos do Sistema Europeu de Bancos Centrais. Conferência P á g i n a 1 10 anos do Sistema Europeu de Bancos Centrais Conferência A Economia Portuguesa no Contexto da União Económica e Monetária Prof. Doutor António de Sousa Em primeiro lugar, agradeço o convite

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa

DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa DAS PERPECTIVAS FUTURAS DA ECONOMIA MUNDIAL, AO FUTURO DA ECONOMIA PORTUGUESA por António Rebelo de Sousa É do conhecimento geral que a economia mundial sofreu uma contracção de 2,2%, em 2009, com uma

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Prova escrita de conhecimentos específicos de Economia

Prova escrita de conhecimentos específicos de Economia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2013 Prova escrita de conhecimentos

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Resumo Quatro anos após o início da Grande Recessão, a zona euro permanece em crise. O PIB e o PIB per capita estão abaixo do seu nível

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Profissionais Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA (2º ano de formação) Página 1 de 6 Competências Gerais Usar os conceitos

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS e da ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO SOBRE A CONCESSÃO DE GARANTIAS PESSOAIS PELO ESTADO PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS O presente Relatório é elaborado nos termos

Leia mais

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Regulamentação dos serviços profissionais Iain Paterson, Marcel Fink, Anthony Ogus et al. Resumo Estudo

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Para Crescer Sustentadamente

Para Crescer Sustentadamente Preparar a Reestruturação da Dívida Para Crescer Sustentadamente Nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo

Leia mais

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda:

prodep ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: ANTES DA MOEDA ÚNICA: Até 31 de Dezembro de 1998, cada país da UE tinha a sua moeda: Portugal Escudo Bélgica Franco belga Dinamarca Coroa dinamarquesa Alemanha Marco alemão Grécia Dracma Espanha Peseta

Leia mais

"A construção europeia" in Cadernos de Economia (Outubro de 1989)

A construção europeia in Cadernos de Economia (Outubro de 1989) "A construção europeia" in Cadernos de Economia (Outubro de 1989) Caption: Em Maio de 1989, o economista Victor Manuel Ribeiro Constâncio, antigo ministro português das Finanças e antigo secretário-geral

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

A União Monetária Europeia. Capitulo 10. Revisão de Conceitos. Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica

A União Monetária Europeia. Capitulo 10. Revisão de Conceitos. Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica A União Monetária Europeia Capitulo 10 Revisão de Conceitos Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica História Monetária da Europa Moeda Metálica O valor de cada moeda era definido

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia XIX Simpósio Transnacional de Estudos Científicos Aracaju 21 de Setembro de 2009 Prof. Dr. Antony Mueller UFS Soberania do Estado

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado I. As raízes

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2006 SEC(2006) 1314 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª Cria uma nova taxa aplicável às transacções financeiras realizadas no mercado de valores mobiliários 1. Durante a crise financeira,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

RESUMO E CONTEXTO DA AVALIAÇÃO

RESUMO E CONTEXTO DA AVALIAÇÃO AVALiAÇÃO DA OCM "LEITE E PRODUTOS LÁCTEOS" E DO REGULAMENTO "QUOTAS" RESUMO E CONTEXTO DA AVALIAÇÃO A. RESUMO Na Europa, o leite representa cerca de 20% da produção agrícola, gera 1,5 milhões de empregos

Leia mais

O financiamento das empresas portuguesas

O financiamento das empresas portuguesas O financiamento das empresas portuguesas 1. Um dos efeitos colaterais da crise financeira ainda em curso foi o aumento da relevância do financiamento das empresas pelo mercado em detrimento do crédito

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

Cabo Verde e a crise da Zona Euro. Apontamento do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, a propósito da

Cabo Verde e a crise da Zona Euro. Apontamento do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, a propósito da Cabo Verde e a crise da Zona Euro Apontamento do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, a propósito da crise da Zona Euro A Zona Euro atravessa uma profunda crise financeira cujo término não

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Relatório Global sobre os Salários 2012/13

Relatório Global sobre os Salários 2012/13 Relatório Global sobre os Salários 212/13 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Principais tendências nos salários A crise continua a refrear os salários Em termos

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais