Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino"

Transcrição

1 Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino

2 Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento econômico através das inovações, geração de novos negócios, aumento do número de empregos. Empreendedorismo como tema de formação Opção de carreira, valorizada na sociedade Os alunos das IES apresentam comportamentos empreendedores? Em que níveis?

3 Objetivo Analisar os comportamentos empreendedores dos alunos de uma IES. Objetivos específicos Identificar os comportamentos por curso, idade e sexo; Analisá-los em três conjuntos: realização, planejamento e poder; Identificar ações que poderão contribuir para o desenvolvimento de comportamentos

4 Referencial Teórico Emprendedorismo Desenvolvimento econômico Inovação motor do capitalismo Agente - empreendedor

5 A história da ciência é uma grande confirmação do fato de que consideramos excessivamente difícil adotar um ponto de vista científico ou um método novos. O pensamento volta repetidamente à trilha habitual... É portanto necessário uma força de vontade nova e de outra espécie para arrancar, dentre o trabalho e a lida com as ocupações diárias, oportunidade e tempo para conceber e elaborar a combinação nova e resolver olhála como uma possibilidade real... Essa liberdade mental pressupõe um grande excedente de força sobre a demanda cotidiana e é algo peculiar e raro por natureza. (SCHUMPETER, 1997, p )

6 Comportamentalista - A motivação pela realização é a mais evidente entre os empreendedores - Comportamentos recorrentes entre empreendedores

7 As pessoas com necessidade de realização elevada,... começam a fazer as coisas melhor.. O que antes tinha que ser feito por um desejo de agradar... Se converte em uma atividade em que são definidos e perseguidos, por si mesmos, alguns padrões de excelência. (McClelland, 1972, p.72) Não seria de modo algum surpreendente imaginar que um incremento na necessidade de realização promovesse o crescimento econômico ou cultural. (McClelland, 1972, p. 72)

8 Comportamentos empreendedores Conjunto Realização Planejamento Poder Comportamento Busca de Oportunidades e Iniciativa Correr Riscos Calculados Exigência de Qualidade e Eficiência Persistência Comprometimento Estabelecimento de Metas Busca de Informações Planejamento e Monitoramento Sistemáticos Persuasão e Redes de Contato Independência e Autoconfiança Fonte: Cooley, 1991

9 Empreendedor - Articulador de rede Agente com capacidade de unir e conectar diferentes atores e recursos dispersos no mercado e na sociedade, agregando valor à atividade produtiva (VALE, 2005).

10 Parceria estratégica Unir-se a outras pessoas ou instituições com objetivos comuns ou complementares a fim de obter mais recursos. Articula redes (familiares, amigos e profissionais) e amplia os recursos disponíveis para a ação empreendedora.

11 [...] não operam em um vácuo social. Eles precisam convencer investidores, obter matéria prima, construir uma organização e motivar funcionários. Eles também precisam descobrir maneiras de estabilizar as relações com os concorrentes e se ajustar às regras e leis determinadas pelo governo (MARTINELLI, 2009, p. 215).

12 Metodologia Estudo de caso Documentos Observação direta Aplicação de um questionário

13 Questionário Comportamentais empreendedoras, agrupadas nos conjuntos Realização, Planejamento e Poder; 55 afirmações resposta em escala de 5 pontos; Variáveis demográficas - idade e sexo Duas questões abertas

14 Questionário - amostra Curso Amostra da pesquisa 1º ano 4º ano Total Administração de Empresas Comunicação visual/design gráfico Design de Moda Hotelaria Publicidade e Propaganda Sistemas da Informação Total Universo alunos: 676 Pesquisados: %

15 Questionário 023% 022% 017% 013% 013% 012% Design Gráfico Adm. de Empresas Sistemas da Informação Design de Moda Publicidade e Propaganda Hotelaria

16 Principais resultados Conjunto Comportamento Estudo 2004* Estudo 2008* Pesquisas Estudo 2012* Estudo atual Busca de Oportunidades e Iniciativa 18,3 18,6 18,2 17,5 Correr Riscos Calculados 17,0 16,8 15,8 15,6 Realização Exigência de Qualidade e Eficiência 18,0 17,7 17,1 18,1 Persistência 17,0 17,8 17,3 16,6 Comprometimento 18,8 19,5 18,6 18,2 Estabelecimento de Metas 18,3 20,9 19,7 18,2 Planejamento Poder Busca de Informações 19,3 19,3 18,6 18,8 Planejamento e Monitoramento Sistemáticos 17,3 17,8 17,1 16,8 Persuasão e Redes de Contato 17,3 17,3 16,9 16,1 Independência e Autoconfiança 19,8 18,3 17,2 17,7 Fonte: 1. Batista, 2004; 2. Carneiro, 2008; 3. Dias; Martens; Boas, 2012

17 Principais resultados Comportamento Até 20 anos 21 a 25 anos 26 anos ou mais Busca de Oportunidades e Iniciativa 17,7 17,3 18,3 Correr Riscos Calculados 15,8 15,5 16,0 Realização Persistência 16,9 16,3 16,8 Exigência de Qualidade e Eficiência 18,1 18,2 18,0 Comprometimento 18,2 18,2 18,6 Busca de Informações 18,3 18,1 18,7 Planejamento Poder Estabelecimento de Metas 19,1 18,7 18,8 Planejamento e Monitoramento Sistemáticos 16,6 17,0 17,3 Persuasão e Redes de Contato 16,3 15,8 16,3 Independência e Autoconfiança 18,0 17,4 17,7

18 Principais resultados Comportamentos empreendedores Busca de Oportunidades e Iniciativa Feminino Masculino Total 17,6 17,6 17,6 Correr Riscos Calculados 15,4 16,0 15,7 Realização Persistência 16,7 16,5 16,6 Exigência de Qualidade e Eficiência 18,2 18,0 18,1 Comprometimento 18,4 18,1 18,3 Busca de Informações 18,2 18,3 18,2 Planejamento Poder Estabelecimento de Metas 18,7 19,2 18,9 Planejamento e Monitoramento Sistemáticos 16,5 17,3 16,8 Persuasão e Redes de Contato 15,8 16,5 16,1 Independência e Autoconfiança 17,4 18,1 17,7

19 Principais resultados Curso 1º ano 4º ano Realização Administração de empresas 17,6 17,2 Sistemas da Informação 16,9 17,6 Comunicação visual/ design gráfico 17,1 16,7 Design de moda 17,1 16,8 Hotelaria 17,6 17,5 Publicidade e Propaganda 17,6 16,9 Planejamento Administração de empresas 18,3 18,2 Sistemas da Informação 18,1 19,1 Comunicação visual/ design gráfico 17,2 17,2 Design de moda 17,5 18,2 Hotelaria 18,6 17,8 Publicidade e Propaganda 18,4 17,2 Poder Administração de empresas 17,7 16,5 Sistemas da Informação 17,4 17,4 Comunicação visual/ design gráfico 16,1 15,5 Design de moda 16,8 17,2 Hotelaria 16,9 16,7 Publicidade e Propaganda 18,2 16,4

20 Principais resultados

21 Principais resultados questões qualitativas Grau de importância % Redes de relacionamento Total Importante e muito importante 75,5% Nenhum relacionamento 48 Baixa 10,2% Professores 41 Média 10,2% Relacionamentos no trabalho 38 Sem opinião 4,1% Família 27 Não responderam 39,1% Amigos 26 Amigos da faculdade 19 Faculdade 17 Profissionais da área 14

22 Considerações Finais O conjunto planejamento obteve a maior pontuação, independente do curso pesquisado. O conjunto realização, considerado por McClelland (1972) como de suma importância para o empreendedorismo, obteve pontuação intermediária O conjunto poder foi o de menor pontuação.

23 Considerações Finais A evolução do comportamento persuasão e redes de contato poderá contribuir para a evolução do comportamento correr riscos calculados, pois o aluno hábil na articulação de redes compartilha recursos, o que favorecerá a assunção de riscos.

24 Considerações Finais Redes de contato - limitam-se aos relacionamentos do contexto familiar, do trabalho e amigos que é natural na fase inicial do empreendimento, mas, as IES precisam conscientizar os alunos da necessidade de ampliar essa rede. Elevada atribuição de importância ao estudo sobre empreendedorismo pelos alunos, mas não demonstram compreender as contribuições que o curso pode oferecer. Pequena parcela de alunos atribuiu pouca importância ao ensino do empreendedorismo - Não associam o empreendedorismo com a carreira almejada

25 Considerações Finais Os resultados apontam que o aluno atuam no sentido individual e isso não favorece o empreendedorismo. É preciso desenvolver metodologias e ambiente cultural acadêmico que estimulem a parceria, a colaboração, a articulação em redes. As competições por planos de negócios - realizadas em grupos, mas, embora haja interação entre os membros do grupo, não há colaboração entre eles.

26 Considerações Finais Limitações da pesquisa: A Cultura variável que não foi contemplada Acompanhamento alunos do 1º até o 4º ano letivo avaliar os comportamentos em 2 momentos distintos Acompanhamento do aluno após formados (relacionamento com os egressos)

27 Muito obrigada!

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA Prof. Araken Patusca Linhares UNIDADE I Surgimento do Empreendedorismo Postura e comportamento do Empreendedor A importância do Empreendedor na sociedade Motivação do

Leia mais

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry Cursos: Administração / Ciências Contábeis Disciplina: Inovação Tecnológica Data: 12/04/2012 Inovação Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Leia mais

Intra empreendedorismo Eva Vieira

Intra empreendedorismo Eva Vieira Intra empreendedorismo Eva Vieira contato@evavieira.com.br Um empreendedor é uma pessoa imaginativa,caracterizada por uma capacidade de fixar alvos e objetivos Filion (1986) O empreendedor não perde a

Leia mais

TÍTULO: EMPREENDEDORISMO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR DOS ALUNOS DE PRIMEIRO ANO DA FACULDADE

TÍTULO: EMPREENDEDORISMO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR DOS ALUNOS DE PRIMEIRO ANO DA FACULDADE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMPREENDEDORISMO: ANÁLISE DO COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR DOS ALUNOS DE PRIMEIRO ANO DA FACULDADE

Leia mais

Empreendedorismo. Empreendedor

Empreendedorismo. Empreendedor Empreendedorismo A palavra empreendedor tem origem francesa e quer dizer aquele que assume riscos e começa algo de novo. Os primeiros indícios de relação entre assumir riscos e empreendedorismo ocorreram

Leia mais

Palestra. A importância do Empreendedorismo

Palestra. A importância do Empreendedorismo Palestra A importância do Empreendedorismo Everton Saulo Silveira - Administração UFSJ - MBA Gestão de Negócios e Marketing - Trainer Master Practitioner em Programação Neurolinguística - Trainer em Jogos

Leia mais

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

MÓDULO 3 MANUAL DO ALUNO DISCIPLINA DE EMPREENDEDORISMO PLANO DE NEGÓCIOS. Especialistas em pequenos negócios

MÓDULO 3 MANUAL DO ALUNO DISCIPLINA DE EMPREENDEDORISMO PLANO DE NEGÓCIOS. Especialistas em pequenos negócios MANUAL DO ALUNO DISCIPLINA DE EMPREENDEDORISMO MÓDULO 3 PLANO DE NEGÓCIOS Especialistas em pequenos negócios Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE DISCIPLINA DE EMPREENDEDORISMO

Leia mais

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II Prof. Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio da Mecatrônica (ramal 739400) E-mail: trindade@sc.usp.br

Leia mais

E se eu não for EMPREENDEDOR

E se eu não for EMPREENDEDOR E se eu não for EMPREENDEDOR A produção industrial paranaense cresceu 7,6% no ano. É o segundo maior crescimento no quadro brasileiro, pesquisa pelo IBGE O resultado da produção do setor no Paraná superou

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL COMPORTAMENTAL EMPREENDEDOR EM INDÚSTRIA METAL MECÂNICA DA REGIÃO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL 1

ANÁLISE DO PERFIL COMPORTAMENTAL EMPREENDEDOR EM INDÚSTRIA METAL MECÂNICA DA REGIÃO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL 1 ANÁLISE DO PERFIL COMPORTAMENTAL EMPREENDEDOR EM INDÚSTRIA METAL MECÂNICA DA REGIÃO NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL 1 Linéia Carneiro 2, Liane Beatriz Rotili 3, Adriane Fabricio 4, Gilberto Castro Vargas

Leia mais

De consultora a Diretora em 5 meses

De consultora a Diretora em 5 meses De consultora a Diretora em 5 meses Seja uma pessoa sonhadora. Pense grande! Já foi dito que se você pode sonhar, você também pode realizar. Antes que seu sonho se transforme em realidade, você deve visualizá-lo

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DO PERFIL EMPREENDEDOR DOS ALUNOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA DA FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

TÍTULO: ANÁLISE DO PERFIL EMPREENDEDOR DOS ALUNOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA DA FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: ANÁLISE DO PERFIL EMPREENDEDOR DOS ALUNOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA DA FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 1 2 FUTUROS Capacitar Acompanhar Avaliar Investir Valorizar Reter ÁREA CRÍTICA Remanejar Traçar metas Disponibilizar MANTENEDORES Desenvolver Manter 3 4 Quem são os talentos de

Leia mais

AUMENTO DO EMPREGO A melhoria da produtividade deve ampliar a geração de novos e melhores empregos

AUMENTO DO EMPREGO A melhoria da produtividade deve ampliar a geração de novos e melhores empregos Expotalentos 2008 Competências e Características Empreendedoras de Sucesso Curitiba Novembro/08 Júlio C. Felix NOSSA CAUSA Contribuir para o desenvolvimento sustentável do País através da melhoria constante

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

Metodologias ativas na EaD. Sandra Rodrigues

Metodologias ativas na EaD. Sandra Rodrigues Metodologias ativas na EaD Sandra Rodrigues Metodologias ativas na EaD EaD no Brasil principais características Caminhos naturais para aprendizagem ativa nessa modalidade Participação e engajamento como

Leia mais

http://www.youtube.com/watch?v=d0fptv_kq9s XII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA 8º ENCONTRO DO FÓRUM DE COORDENADORES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Aprendendo a Empreender Um novo desafio Mauricio

Leia mais

APRESENTAÇÃO HUB SEBRAE-SP

APRESENTAÇÃO HUB SEBRAE-SP APRESENTAÇÃO HUB SEBRAE-SP HUB SEBRAE-SP O QUE É HUB? O princípio do HUB vem da informática, sendo um dispositivo com diferentes portas para conexão de pequenos equipamentos de vários tipos. Nessse contexto,

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro. Resultados

Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro. Resultados Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro Resultados PROPÓSITO DO CONSELHO Articular a indústria moveleira para obter: sucesso, excelência, qualificação e informação. Articular de politicas e ações estratégicas

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

O PAPEL DO ENGENHEIRO QUÍMICO NO MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZADO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

O PAPEL DO ENGENHEIRO QUÍMICO NO MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZADO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO O PAPEL DO ENGENHEIRO QUÍMICO NO MERCADO DE TRABALHO GLOBALIZADO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Raphael Carlos Rosa Pereira ( ¹ ) ; Eder Dias da Silva ( ² ). (1) Graduando em Engenharia Química

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Ex-achievers edição 2014

Relatório de Pesquisa. Ex-achievers edição 2014 Relatório de Pesquisa Ex-achievers edição 2014 Destaques O Programa Miniempresa, segundo os Ex-achievers Motiva a iniciar a carreira profissional a estabelecer novos objetivo para a vida Desenvolve Trabalho

Leia mais

PESQUISA. Expectativa do comércio do varejo de Rio Branco/Ac, no natal Realização: 30/11 a 02/12/2011

PESQUISA. Expectativa do comércio do varejo de Rio Branco/Ac, no natal Realização: 30/11 a 02/12/2011 PESQUISA Expectativa do comércio do varejo de Rio Branco/Ac, no natal 2011 Realização: 30/11 a 02/12/2011 Rio Branco/AC, 09 de dezembro de 2011 APRESENTAÇÃO Como parte da programação operacional da Fecomercio/Ac,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS

ADMINISTRAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS ADMINISTRAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século

Leia mais

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências

Wanessa Dose Bittar Formação Cursos Extras Experiências Wanessa Dose Bittar Formação -Especializada em Engenharia de Produção ( UFJF) -Graduada em Educação Artística ( UFJF) -Técnica em Design ( CTU) Cursos Extras -Educação Empreendedora pelo Endeavor Brasil

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

A Avaliação de Políticas e Programas no Banco do Nordeste do Brasil (BNB)

A Avaliação de Políticas e Programas no Banco do Nordeste do Brasil (BNB) DIÁLOGOS RBMA_NE Limites e Possibilidades da avaliação das políticas públicas: a prática do Nordeste A Avaliação de Políticas e Programas no Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Recife, 28 de Julho de 2016.

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação.

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação. IMPORTANTE: Em ótimas condições do ambiente, a grande maioria das pessoas pode ter a capacidade de desempenhar-se adequadamente em quaisquer das seguintes competências. Referimo-nos a "ótimas condições"

Leia mais

CRISE OU OPORTUNIDADE?: O (INTRA)EMPREENDEDORISMO COMO DIFERENCIAL NO PERFIL DO ARQUIVISTA

CRISE OU OPORTUNIDADE?: O (INTRA)EMPREENDEDORISMO COMO DIFERENCIAL NO PERFIL DO ARQUIVISTA CRISE OU OPORTUNIDADE?: O (INTRA)EMPREENDEDORISMO COMO DIFERENCIAL NO PERFIL DO ARQUIVISTA Joseane Farias de Souza¹; Josemar Henrique de Melo² ¹Discente do curso de Arquivologia da Universidade Estadual

Leia mais

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS

FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS FACULDADE HORIZONTINA - FAHOR PAE - PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS HORIZONTINA - RS 2011 PAE Programa de Acompanhamento de Egressos I HISTÓRICO Desde 2006, ano em que formou a sua primeira turma,

Leia mais

SECISA ÁREA: ADMINISTRAÇÃO

SECISA ÁREA: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO AS ABORDAGENS CAUSATION E EFFECTUATION NO ÂMBITO DO EMPREENDEDORISMO: fatores que influenciam diretamente no processo empreendedor. KOWALSKI, Janaína Samara¹, (G). SANTOS, Jessica Rodrigues²,

Leia mais

Mkt Internacional Introdução ao Marketing

Mkt Internacional Introdução ao Marketing Introdução ao Marketing Profa. Marta Fleming O Que é Marketing? Marketing é a atividade e o conjunto de instituições e processos para a criação, a comunicação e a entrega de ofertas que tenham valor para

Leia mais

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade

Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Profa. Dra. Maria da Conceição Lima de Andrade Conceitos de pesquisa A Pesquisa é: procedimento reflexivo sistemático, controlado e crítico, que permite descobrir novos fatos ou dados, relações ou leis,

Leia mais

Empresas & Empresários Edição 9

Empresas & Empresários Edição 9 59 c) Auto-imagem: - Principais características positivas: Qualidades vinculadas à gestão das pessoas: se relacionar bem com pessoas; ser líder; saber comunicar; ser acessível; delegar; ser mediador, articulador,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015

PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 PANORAMA DA INOVAÇÃO NO BRASIL Edição 2015 Prof. Hugo Ferreira Braga Tadeu e Diogo de Lacerda Santos 2015 Apoio: Cooperação: SOBRE OS AUTORES Hugo Ferreira Braga Tadeu é Professor e Pesquisador da Fundação

Leia mais

Perspectivas da Gestão Estratégica de Pessoas para as Organizações Públicas

Perspectivas da Gestão Estratégica de Pessoas para as Organizações Públicas Perspectivas da Gestão Estratégica de Pessoas para as Organizações Públicas Aleksandra Pereira dos Santos Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações UnB Coordenadora-Geral de RH Previc

Leia mais

26 de setembro de 2013

26 de setembro de 2013 Resultados da aplicação da ferramenta A3 no serviço público brasileiro: um estudo de caso no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO) 26 de setembro de 2013 Arcadio de Paula Fernandez

Leia mais

26 de setembro de 2013

26 de setembro de 2013 Resultados da aplicação da ferramenta A3 no serviço público brasileiro: um estudo de caso no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO) 26 de setembro de 2013 Arcadio de Paula Fernandez

Leia mais

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Apresentação Para praticar Inteligência Competitiva (IC), uma organização deve contar com o apoio de profissionais que priorizam uma administração

Leia mais

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato

Programa FIC+Feliz. Maio/2016 Belo Horizonte - MG. Maria Lúcia Rezende Milhorato Programa FIC+Feliz Maio/2016 Belo Horizonte - MG Maria Lúcia Rezende Milhorato CONTEXTO A Credicom foi piloto no projeto do Índice de Felicidade Interna do Cooperativismo FIC, promovido pelo SESCOOP Nacional

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem.

É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. É um projeto da sociedade, uma Política Pública de Qualidade (PPQ), focada na escola, na promoção e no acompanhamento do ensino e da aprendizagem. Está pautada no compromisso, no diálogo, no planejamento

Leia mais

CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 PLANO DE CURSO

CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 PLANO DE CURSO CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 Componente Curricular: Ética e Empreendedorismo Código: Pré-requisito: Período Letivo:

Leia mais

SUMÁRIO AULA. Empreendedorismo. Curso de Empreendedorismo USP Escola de Engenharia de Lorena. Aula 04 Planejamento Mercadológico

SUMÁRIO AULA. Empreendedorismo. Curso de Empreendedorismo USP Escola de Engenharia de Lorena. Aula 04 Planejamento Mercadológico Empreendedorismo Aula 04 Planejamento Mercadológico SUMÁRIO AULA Pesquisa e análise de mercado Estratégias e ações para atingir o mercado Análise Concorrência Como criar negócios de alto crescimento Habitats

Leia mais

Equipe. Diretoria de Comunicação e Relacionamento Diretora: Marcela Conceição. Diretoria de Tecnologia da Informação Diretor: Victor Marcelino

Equipe. Diretoria de Comunicação e Relacionamento Diretora: Marcela Conceição. Diretoria de Tecnologia da Informação Diretor: Victor Marcelino Equipe Diretoria de Comunicação e Relacionamento Diretora: Marcela Conceição Diretoria de Tecnologia da Informação Diretor: Victor Marcelino Diretoria Administrativo e Financeira Diretor: Vitor Bahia Apresentação

Leia mais

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa HEADLINE TEXT SUBTITLE Célia Figueira, Ana Galrão & Lília Aguardenteiro Pires Instituto de

Leia mais

Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas ESTUDO QUANTITATIVO. Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas. APEME MAIO de 2008.

Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas ESTUDO QUANTITATIVO. Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas. APEME MAIO de 2008. ESTUDO QUANTITATIVO Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas APEME MAIO de 2008 OBJECTIVOS OBJECTIVOS Com o presente estudo pretendeu-se identificar

Leia mais

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas

Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas Descrição do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas O Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas tem caráter multidisciplinar, integrando em suas disciplinas diversos

Leia mais

CURSO 2014 SP GOVERNANÇA CORPORATIVA PARA ACIONISTAS E HERDEIROS DE EMPRESA FAMILIAR

CURSO 2014 SP GOVERNANÇA CORPORATIVA PARA ACIONISTAS E HERDEIROS DE EMPRESA FAMILIAR Apoio: CURSO 2014 SP GOVERNANÇA CORPORATIVA PARA ACIONISTAS E HERDEIROS DE EMPRESA FAMILIAR Com a criação de mecanismos que permitem aos acionistas uma visão panorâmica sobre as empresas, as boas práticas

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UFPR 1. Apresentação O Departamento de Matemática - DMAT da UFPR possui atualmente 45 professores efetivos, 42 dos quais trabalhando em regime de dedicação

Leia mais

GUIA PRÁTICO: COMO E POR QUE APLICAR ANÁLISE SWOT NO SEU NEGÓCIO

GUIA PRÁTICO: COMO E POR QUE APLICAR ANÁLISE SWOT NO SEU NEGÓCIO GUIA PRÁTICO: COMO E POR QUE APLICAR ANÁLISE SWOT NO SEU NEGÓCIO SUMÁRIO Introdução - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

De Consultora a Diretora em 6 meses Rumo ao Cruzeiro

De Consultora a Diretora em 6 meses Rumo ao Cruzeiro De Consultora a Diretora em 6 meses Rumo ao Cruzeiro Seja uma pessoa sonhadora. Pense grande! Já foi dito que se você pode sonhar, você também pode realizar. Antes que seu sonho se transforme em realidade,

Leia mais

Pré-requisitos Para integrar o Programa MACAL de Estágio Supervisionado, o candidato precisa atender os seguintes requisitos:

Pré-requisitos Para integrar o Programa MACAL de Estágio Supervisionado, o candidato precisa atender os seguintes requisitos: Prezados Senhores: A MACAL - Soluções em Nutrição, desde 2003 desenvolve o programa de Estágio Supervisionado que consiste em um intensivo programa para a preparação de novos profissionais, tendo como

Leia mais

O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço.

O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço. O Mercado consiste num grupo de compradores reais e potenciais de um determinado produto ou serviço. O Mercado envolve o grupo de compradores (procura) e a Indústria o grupo de vendedores (demanda). O

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 22 DE JUNHO DE 2012 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

8/25/2015. Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos

8/25/2015. Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos Processo de Planejamento Financeiro Os 6 Passos 1 Planejamento Financeiro Transforma a Vida das Pessoas Processo de Planejamento 2 Definir o relacionamento entre cliente e planejador Obter informações,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Regente Feijó 08/08

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Regente Feijó 08/08 P D E P P Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local para os Municípios do Pontal do Paranapanema APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Regente Feijó 08/08 Sumário 1. Motivação 2. Viabilização do projeto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Qualificação: Sem Certificação Técnica

Plano de Trabalho Docente Qualificação: Sem Certificação Técnica Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO E.E.ESTERINA PLACCO Código: 091-01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

Assessoria de Comunicação: Avante Comunicação Estratégica Soluções em Assessoria de Imprensa e Marketing Digital 1

Assessoria de Comunicação: Avante Comunicação Estratégica Soluções em Assessoria de Imprensa e Marketing Digital 1 Assessoria de Comunicação: Avante Comunicação Estratégica Soluções em Assessoria de Imprensa e Marketing Digital 1 Cláudia Larissa Tavares de SOUZA 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca (Favip),

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DA INOVAÇÃO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E GESTÃO DA INOVAÇÃO EMPREENDEDORISMO. Prof. Dr. Daniel Caetano INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO GESTÃO DA INOVAÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-2 Objetivos Compreender os modelos para gerenciar o processo de inovação Conhecer as fontes de inovação Conhecer

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Aluna: Ticiana de Carvalho Farias Orientador: Prof. Esp. Hélio T. Matos

Aluna: Ticiana de Carvalho Farias Orientador: Prof. Esp. Hélio T. Matos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CCSO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DECCA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADM Aluna: Ticiana de Carvalho Farias Orientador:

Leia mais

Agosto 2012. Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados

Agosto 2012. Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados Agosto 2012 Gestão Social Estratégia para Gerar Resultados Objetivo Compartilhar com o grupo uma postura de planejamento positiva para que a regionais da FEMAMA consigam atingir o seu objetivo, e desta

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Mudança nas relações com clientes em vendas. 2. Vendedor consultor: Gestor de negócio. 3. Planejamento em vendas.

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA RELATÓRIO 2012

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA RELATÓRIO 2012 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA RELATÓRIO 2012 PESQUISA DE EGRESSO A Faculdade SENAI CETIQT, atenta ao seu compromisso com a excelência de ensino, com o aperfeiçoamento da qualidade de suas atividades

Leia mais

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014.

Taller sobre remesas, educación financiera y microemprendimiento en Goíanía, Brasil, 26 y 27 de Noviembre 2014. Fortalecimiento del diálogo y de la cooperación entre la Unión Europea (UE) y América Latina y el Caribe (ALC) para el establecimiento de modelos de gestión sobre migración y políticas de desarrollo www.migracion-ue-alc.eu

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM

Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM Comunidade Intermunicipal do Oeste OesteCIM É uma pessoa coletiva de direito público de natureza associativa e âmbito territorial e visa a realização de interesses comuns aos Municípios que a integram,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Mestrados (5)

EMPREENDEDORISMO Mestrados (5) EMPREENDEDORISMO Mestrados (5) Título: Empreendedorismo social: uma abordagem sobre a questão de gênero no Brasil Ano: 2007 - MESTRADO Autor: Renata da Conceição Cruz Resumo: Atualmente, temas como o terceiro

Leia mais

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Introdução Estatísticas do SEBRAE indicam que 60% das 500 mil pequenas e micro-empresas que são abertas todos os anos no Brasil fecham as portas

Leia mais

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09 Noções de Marketing 21/10/09 Atendimento. Marketing em empresas de serviços. Marketing de relacionamento. Segmentação de mercado e segmentação do setor bancário. Propaganda e Promoção. Satisfação, Valor

Leia mais

Prospecção Tecnológica. 30 de agosto de 2012.

Prospecção Tecnológica. 30 de agosto de 2012. Prospecção Tecnológica 30 de agosto de 2012. A ação será executada por: A Equipe O Projeto Prospecção Tecnológica Objetivo Possibilitar a implantação de novas tecnologias que permitam redução de custos,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTO DE CONHECIMENTO, REFLEXÃO E DECISÃO ALBUQUERQUE, Rosa 1 NEGREIROS, Gláucia 2 VASCONCELOS, Maria Auxiliadora Marques 3 Introdução No ano de 2004 o Governo Federal

Leia mais

FACULDADE DE AMERICANA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS NOME DOS INTEGRANTES DA EQUIPE

FACULDADE DE AMERICANA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS NOME DOS INTEGRANTES DA EQUIPE FACULDADE DE AMERICANA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS NOME DOS INTEGRANTES DA EQUIPE PLANO DE MARKETING NOME DA EMPRESA / SEGMENTO AMERICANA 2016 FACULDADE DE AMERICANA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

FACULDADES PROMOVE DE SETE LAGOAS. Manual do Egresso

FACULDADES PROMOVE DE SETE LAGOAS. Manual do Egresso FACULDADES PROMOVE DE SETE LAGOAS Manual do Egresso Sete Lagoas 2012 PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM EX-ALUNOS FACULDADES PROMOVE DE SETE LAGOAS O Programa de Relacionamento com Ex-alunos das Faculdades

Leia mais

Universidade Veiga de Almeida. Estratégia Empresarial. Análise SWOT

Universidade Veiga de Almeida. Estratégia Empresarial. Análise SWOT Universidade Veiga de Almeida Estratégia Empresarial Análise SWOT Antonio Damique Teixeira Matr 021273014 1.0 - Análise SWOT Por que usamos a análise SWOT, nas organizações e empresas. Porque a análise

Leia mais

A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS/MA: OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS/MA: OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS/MA: OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Eriveth Silva Teixeira¹ ¹Acadêmica do 7º período do curso

Leia mais

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de Gestão de Pessoas Hoje a sociedade busca desenvolver trabalhos para aprimorar o conhecimento das pessoas em um ambiente de trabalho. A capacitação e o preparo que uma organização deve ter para com os seus

Leia mais

Ferramentas para Gestão da Inovação. Prof. Robson Almeida

Ferramentas para Gestão da Inovação. Prof. Robson Almeida Ferramentas para Gestão da Inovação Prof. Robson Almeida O mundo mudou... E você também Design Thinking é uma abordagem interdisciplinar, centrada nas pessoas, para atingir a inovação, que surge das ferramentas

Leia mais

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização

Disciplina: Orçamento Empresarial. Contextualização Disciplina: Orçamento Empresarial Contextualização A complexidade do ambiente onde as empresas atuam requer a adoção de estratégias e ferramentas adequadas para lidar com os constantes desafios e com a

Leia mais

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento.

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento. Este conteúdo faz parte da série: Avaliação de Desempenho Ver 3 posts dessa série O que é Quando o assunto é gestão de pessoas um dos tópicos mais importantes e falados é a avaliação de desempenho. Esse

Leia mais

Proposta de auto avaliação continuada do curso de Jornalismo

Proposta de auto avaliação continuada do curso de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO Proposta de auto avaliação continuada do curso de Jornalismo Apresentador: Giulia Micheli POZZOBON

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO EDITAL Nº 01, 10 DE MARÇO DE 2017 SELEÇÃO PARA BOLSISTAS O Núcleo de Empreendedorismo da Universidade Federal de Sergipe EMPREENDER UFS, torna público a chamada para a seleção de alunos que desejam participar

Leia mais

Conselho Federal de Administração. Câmara de Formação Profissional

Conselho Federal de Administração. Câmara de Formação Profissional Conselho Federal de Administração Câmara de Formação Profissional Adm. Mauro Kreuz Diretor Adm. Tânia M. C. Dias Vice-Diretora Adm. Sônia F. Ferraz - Membro Principais projetos da Câmara de Formação Profissional

Leia mais

(esforço). Competência entendida segundo três eixos:

(esforço). Competência entendida segundo três eixos: em Gestão de Projetos Prof. Roberto Paixão Introdução Competência = com (conjunto) + petere (esforço). Competência entendida segundo três eixos: Características da pessoa; Formação educacional; Experiência

Leia mais

O Comportamento Empreendedor dos Contabilistas: um estudo exploratório

O Comportamento Empreendedor dos Contabilistas: um estudo exploratório O Comportamento Empreendedor dos Contabilistas: um estudo exploratório Maíra Mara de Souza maira_mara_souza@hotmail.com UFSJ Aline Freire de Oliveira Moraes moraes.alinef@yahoo.com.br CESUC João Paulo

Leia mais

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive 1 O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive DEFINIÇÃO DE AUDITORIA INTERNA "A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Médio Código: 262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Planejamento Empresarial e Empreendedorismo Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais