BIANCA FREYTAG IMPORTÂNCIA DA CONTRATAÇÃO DO SEGURO PARA O TRANSPORTE AÉREO E MARÍTIMO PARA AS MERCADORIAS IMPORTADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIANCA FREYTAG IMPORTÂNCIA DA CONTRATAÇÃO DO SEGURO PARA O TRANSPORTE AÉREO E MARÍTIMO PARA AS MERCADORIAS IMPORTADAS"

Transcrição

1 BIANCA FREYTAG IMPORTÂNCIA DA CONTRATAÇÃO DO SEGURO PARA O TRANSPORTE AÉREO E MARÍTIMO PARA AS MERCADORIAS IMPORTADAS Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí/SC 2008

2 2 BIANCA FREYTAG IMPORTÂNCIA DA CONTRATAÇÃO DO SEGURO PARA O TRANSPORTE AÉREO E MARÍTIMO PARA AS MERCADORIAS IMPORTADAS Conclusão de Estágio Supervisionado do Curso de Administração, do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior. Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí 2008

3 3 ESTRATÉGIAS DE ORIENTAÇÃO PARA O MERCADO EM ORGANIZAÇÕES DE SERVIÇOS COMO FORMA DE GANHAR VANTAGEM COMPETITIVA (IMPORTÂNCIA DA CONTRATAÇÃO DO SEGURO PARA O TRANSPORTE AÉREO E MARÍTIMO PARA AS MERCADORIAS IMPORTADAS) Este trabalho de conclusão de curso foi julgado aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Administração do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior IFES Itajaí, 20 de novembro de 2008 Prof. Wilson Reginatto Jr Coordenador de estágios Banca Examinadora Prof. Marcello Soares Prof. Orientador Prof.Leodir Senger

4 4 EQUIPE TÉCNICA Estagiária Bianca Freytag Coordenador de estágio Prof. Wilson Reginatto Junior Orientador de Conteúdo Prof. Leodir Senger Orientador de Metodologia Prof. Marcello Soares Supervisor de campo Jailson de Souza

5 5 Dedicatória Dedico este trabalho primeiramente a Deus por ter me dado a oportunidade de estar aqui neste momento. Dedico este trabalho também, aos meus pais Luiz Carlos Freytag e Alvatéa Degan Gonçalves, ao meu irmão Luiz Carlos Freytag filho, que estiveram presente em todos os momentos; A todos da minha familia, estes que são nosso suporte, são nossos anjos quando mais precisamos, em especial à Marlene Soares, Zulma Cidral e Maria do Carme Soares da Silva. Dedico também aos nossos amigos de longa data Noemi Teixeira, Pedro Teixeira e Ivan Teixeira.

6 6 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço a Deus por ter me iluminado, ter dado forças, luz,paciência para chegar até aqui. Agradeço aos meus pais e meu irmão esses que amo muito, que estiveram presente comigo, tiveram paciência e confiança durante todo esse período. Agradeço a minha família, aos meus amigos pelo companheirismo, em especial ao Volnei Eufrazio, Ronaldo Mabba Junior, Valério Campos Filho e Sérgio Eduardo Lopes. Agradeço também a Marilia Soares, uma grande amiga e minha professora que teve grande importância em mais esta etapa. Agradeço também ao meu orientador Leodir Senger, que me fez conduzir muito bem este trabalho, a DC Logistiscs Brasil, por ter o estágio realizado nela, a Pier Sul que me orientou nas minhas dúvidas, aos meus colegas de trabalho, que me auxiliaram durante a pesquisa e aos meus amigos que contribuíram de alguma maneira para que eu pudesse chegar até aqui.

7 7 RESUMO Este trabalho de Conclusão de curso aborda a importância de segurar uma mercadoria importada, os principais órgãos que regulam o Sistema Nacional de Seguros, tipos de avarias, embalagens, procedimentos de contratação de seguro, pesquisa com os importadores sobre a importância do seguro. Além da implementação de um link para o seguro, desenvolvimento de uma apólice aberta para a DC Logisitcs Brasil, e os custos relativos para segurar uma mercadoria importada. Esta proposta, aplicada a empresa trará vantagens competitivas, segurança, agilidade e um grande diferencial de mercado a ser oferecido aos seus clientes. Palavras-chave: seguro, mercadorias, importação, apólice, sinistro e avaria.

8 8 LISTA DE SIGLAS ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil AWB - Air Way Bill B/L Bill of Lading CBA - Código Brasileiro de Aeronáutica CCI - Câmara de Comércio Internacional CNSP - Conselho Nacional de Seguros Privados DMM - Departamento da Marinha Mercante FUNENSEG Fundação Nacional Escola de Seguro IATA International Air Transport Association IMO - International Maritime Organization INFRAERO Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária INCOTERMS Sigla que identifica os 13 termos que padronizam a linguagem usada no mercado de exportação e importação; IRB - Instituto de Resseguros do Brasil JUST IN TIME Atender o cliente externo ou interno no momento exato de sua necessidade. P&I CLUBS São clubes de proteção e indenização formado por armadores. SUSEP - Superintendência de Seguros Privados TM - Tribunal Marítimo

9 9 SUMÁRIO 1 Introdução Histórico da Empresa Problema Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Fundamentação Teórica Transporte Metodologia Caracterização da Pesquisa Campo de Observação Instrumento de Coleta de Dados Critérios para Análise dos Dados Descrição das Etapas da Investigação Resultados Levantamento de Informações a Respeito do Seguro Sugestão de Implementação no Sistema Relativo a Seguros Proposta de Emissão de Apólice Coletiva Verificação da contratação do seguro nos modais aéreo e marítimo Identificação do custo relativo para segurar uma mercadoria CONCLUSÃO REFERENCIAS APÊNDICES

10 1 INTRODUÇÃO O comércio internacional tem crescido de forma significativa nas últimas décadas e vem desempenhando cada vez mais um papel fundamental para o desenvolvimento econômico mundial. As transformações na economia acontecem rapidamente, resultando na abertura de mercados e na formação de blocos econômicos, fazendo com que os países busquem uma maior participação no comércio internacional. Para que ocorra o comércio entre as diferentes regiões do mundo, um meio de transporte bastante utilizado atualmente é o transporte aéreo e marítimo. Este, por transportar um grande e diversificado número de mercadorias, constitui-se em um meio complexo que requer um estudo mais aprofundado pelos aspectos que envolvem e circundam a logística modal de transporte. No entanto, para cargas com valor agregado elevado, de pequeno ou médio porte, ou ainda para aquelas que necessitam chegar a seu destino final com verdadeira rapidez, faz-se a escolha do transporte aéreo. Este trabalho tem como objetivo estudar o desenvolvimento, os procedimentos envolvidos do seguro, nos modais de transporte aéreo e marítimo, suas dificuldades e suas vantagens. Atendendo a necessidade dos clientes, prezando pela qualidade nos serviços prestados. O seguro teve inicio no Brasil no século XVI pelos Jesuítas e pelo Padre José de Anchieta. No ano de 1808 devido a abertura dos Portos Brasileiros, começou a exploração de seguros marítimos através da Companhia de Seguros Boa Fé, a 1 sociedade seguradora a funcionar no Brasil. No ano de 1831 iniciaram-se as fiscalizações no Brasil com a Instituição de Procuradoria de Seguros das Províncias Imperiais, que tinha sua atuação nas leis Portuguesas. Em 1850 o código Comercial somente definia normas para o setor de seguros marítimos, porém no século XIX inúmeras seguradoras conseguiram aprovar seus estatutos, juntamente com outros ramos, inclusive o seguro de vida. Em 1860 surgiram as primeiras regulamentações, documentos obrigatórios relativas ao seguro, inclusive a autorização para o funcionamento das seguradoras. Em 1895 as empresas estrangeiras também passaram a ser supervisionadas baseadas na legislação nacional. Em 1940 foi criado o IRB Instituto de Resseguros do Brasil foi criado para controlar as Cias de Seguros Estrangeiras, porém com o passar dos anos o IRB foi desviando sua função, que era de operacionalizar as regulamentações do seguro. Devido a isso em

11 o governo criou o Sistema Nacional de Seguros Privados, a SUSEP Superintendência de Seguros Privados, órgão que controla e fiscaliza a constituição e funcionamento das companhias de seguros privados. Com a criação do Plano Diretor, em 1996 foi liberada a entrada de empresas estrangeiras no mercado, com isso houve a quebra do monopólio ressegurador do IRB, possibilitando as empresas estrangeiras de funcionar/operar no mercado brasileiro nos ramos de vida e previdência. Atualmente com a globalização, as barreias estão se quebrando, o que torna o mercado mais produtivo e competitivo. 1.1 Histórico da Empresa A empresa DC Logistics Brasil iniciou sua atividade em 1994 na cidade de Itajaí- SC, oferecendo serviços de logística internacional para todo o mercado de Santa Catarina. Em face às oportunidades neste ramo, em meados de 1996 iniciou com uma filial em Curitiba-PR, e em 2007 abriu mais uma filial em São Paulo/ SP ampliando assim seu mercado de atuação no Paraná e São Paulo. Hoje a DC Logistics Brasil conta com um total de 60 funcionários internos e externos que atuam na matriz e suas respectivas filiais. Para proporcionar o serviço ao cliente, a empresa deve contar com parcerias junto aos seus fornecedores. Dentre os maiores fornecedores estão as companhias aéreas e marítimas, além de outros agentes de logística no destino ou origem da carga, para assim poder coordenar embarques com ênfase e atender o cliente. Atualmente a DC Logistics Brasil atende todo território nacional e planeja estabelecer nova filial em Porto Alegre-RS procurando assim oferecer uma maior gama de serviços e cumprir com as necessidades dos seus consumidores. Os clientes são exclusivamente na área industrial, sendo negócios b2b, e buscam os serviços da DC Logistics Brasil para atender as necessidades de suas empresas, tanto para suprir suas fábricas com as peças e maquinários que são importadas, como para exportar o produto ao mercado estrangeiro. Entre os principais clientes, o departamento de importação aérea conta com algumas empresas como: Whirlpool, Weg, Intelbras, etc.

12 12 A DC Logistics Brasil possui diversos clientes dentro dos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo, possuindo um cadastro ativo de clientes nestes estados. Para o transporte de cargas, o cliente sempre tem de estar atualizado com a atual posição de sua mercadoria que segue para o destino ou origem e para isso a DC Logistics oferece serviços através de ferramentas eletrônicas, sendo a página de internet que possibilita o rastreamento de um embarque. E até mesmo informação periódica via correio eletrônico. A prestação de serviço oferecida pela DC Logistics Brasil é de suma responsabilidade de transportar mercadorias de importação e exportação. Para isso a empresa conta com auditoria interna e externa. Entre funcionários internos e terceirizados, qualificado para prestar serviços de monitoramento e padronização nos serviços internos, como também através da auditoria externa, qualificando a DC Logistics Brasil em prestação de serviços com o certificado ISO Os valores desempenhados dia-a-dia na empresa são primordiais, chegando a um ponto almejado, com a padronização de serviços. Obter a padronização, no mesmo ritmo compreende-se outros atos essenciais para o fortalecimento da marca no mercado, tais como: Agilidade; Atitude; Conhecimento; Ética; Moral; Qualificação. Entretanto a agilidade por si só não é mais um fator de diferenciação. O objetivo é ofertar segurança durante o transporte de cargas, constitui uma das principais prioridades nos negócios da DC Logistics Brasil. Para isso, aliando esses valores com a tecnologia de informação, viabiliza presenciar na prática o manuseio de cada etapa dos processos de cada serviço oferecido, de maneira ágil e precisa.

13 13 Sejam quais forem os setores de atuação ou porte, gerir com eficiência cada atividade da cadeia logística requer conhecimento para administrar simultaneamente o fluxo de cargas e informações. Esse entendimento é a premissa para que empresa e cliente possam construir cenários palpáveis de produtividade e resultados. Atuando neste ramo de mercado, a empresa oferece dois modais de transporte de cargas; transporte marítimo e transporte aéreo. Tendo como base esses modais, a DC Logistics Brasil se divide em quatro departamentos, sendo modais de transporte em: importação aérea, exportação aérea, importação marítima e exportação marítima. A DC Logistics Brasil oferece serviços de transportes de cargas, tendo ainda como serviço adicional seguro de carga para a mercadoria transportada. Maiores detalhes conforme abaixo: - Transporte aéreo: interagindo de forma personalizada, visando à elaboração de rotas e administrar o modal aéreo, desenvolvendo negociações para cargas de importação e exportação. O transporte aéreo traz a vantagem da velocidade sobre grandes distâncias; - Transporte marítimo: quando a opção é o mar, a DC Logistics Brasil oferece também o suporte e todo o gerenciamento do modal. Oferecendo linhas regulares priorizando o embarque e o melhor tempo de transito para exportação ou importação; - Transporte rodoviário nacional: oferecendo a complementação dos serviços aéreo e marítimo através do suporte rodoviário de curta distância, possibilitando o atendimento logístico completo door-to-door[1], da origem ao seu destino final; - Seguros de transportes: oferecendo apólices contratadas mediante meticulosa análise de risco com as principais seguradoras mundiais, a DC Logistics Brasil oferece conhecimento técnico, experiência, assessoria e simplificação operacional para transportes aéreos, marítimos e terrestres. Abaixo segue a descrição do processo de vendas da DC Logistics Brasil. [1] Door-to-door é a classificação utilizada para nomear o tipo de serviço que abrange desde a coleta da mercadoria na porta do fornecedor com a entrega até a porta do cliente.

14 MANAGING DIRECTOR Fig.01 Organograma da empresa IM LEADER OP OPERATIONAL/ FINANCIAL MANAGER IA LEADER OP EM LEADER OP. OI EA LEADER OP DELEGATE KEY ACCOUNT FIN SUPERVISOR IM COMMERCIAL COMMERCIAL MANAGER ITJ IA COMME RCIAL EM COMME RCIAL EA COMME RCIAL PRICING SALES EXECUTIVE ADMINIS T. ADMINISTRATIVE COORDINATOR/ QUALITY/RH/BSC TE LEFHONE OPERATOR OFFICE-BOY AUX. LIMPE ZA BRANCH MANAGER CWB COMME RCIAL IM, IA, E M, EA SALES EX ECUTIV E ADMINIS T. BRANCH MANAGER SPO CUSTOME R SE RV ICE SALES EX ECUTIV E ADMINIST. NAC. OP. OP. INT. NAC. OP. OP. INT. NAC. OP. NAC. OP. OP. FIN. IM, IA, EM, EA FIN. INT. CUST. SERV. CUST. SERV. CUST. SERV. AS SISTANT

15 Questão- Problema Qual a importância da contratação do seguro para o transporte aéreo e marítimo, nas mercadorias importadas? 1.3 Justificativa Esta pesquisa tem como foco não apenas o estudo do acadêmico para a conclusão do curso, mas também agregar, na prática, as técnicas estudadas mais a fundo para futura orientação dos funcionários e clientes da empresa onde foi realizado o estágio. O estudo torna-se viável também em virtude de estar diariamente em busca de informações de posicionamento de futuras soluções para quem esta importando e recebendo a mercadoria. O transporte de mercadorias, qualquer que seja o meio utilizado, está sempre sujeito a riscos que são diretamente proporcionais à duração da viagem.o transporte pode estar sujeito a uma longa série de riscos: mau tempo, colisão, capotamento, naufrágio, explosão, quebra, roubo, derrame, entre outros. A cada 100 embarques aéreos 90 cargas sofrem algum tipo de avaria e no marítimo a cada 100 embarques 10 cargas sofrem avarias. Todos os intervenientes no comércio de mercadorias estão interessados na sua entrega em boas condições, evitando, assim, perdas econômicas e garantindo a satisfação do cliente. Com efeito, nenhum comerciante ou industrial ignora que o seguro de Transportes de Mercadorias é um instrumento essencial no comércio externo. Porém muitos optam por não fazer o seguro, pois na maioria dos casos o prêmio do seguro é alto. O objetivo é tentar esclarecer os contornos do seguro de Transporte de Mercadorias. Não pretende, obviamente, ilustrar todos os detalhes do contrato de seguro de Transportes de Mercadorias, pelo que é indispensável à consulta a uma seguradora em todos os aspectos que aqui não sejam mencionados. Demonstrando que seguro não é despesa, mas um grande investimento, haja vista este negócio, o negócio de seguro, ser muito próspero nos países desenvolvidos, tendo em conta a proteção do patrimônio do segurado.

16 16 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo geral Apresentar a importância da contratação do seguro para o transporte aéreo e marítimo, nas mercadorias importadas. 2.2 Objetivos específicos Os objetivos específicos são: Levantamento de informações junto a um grupo de importadores a respeito do seguro de mercadorias; Sugerir a implantação de um sistema alocado com o próprio sistema já utilizado pela DC Logistics Brasil; Propor a DC Logistics Brasil a emissão de uma apólice coletiva junto a companhia seguradora para cobertura de seguro das cargas importadas, quer sejam marítimas e/ou aéreas, sendo a averbação a cada embarque realizado; Verificar como é feita a contratação do seguro no modal aéreo e/ou marítimo;. Apresentar custo relativo de segurar uma mercadoria;

17 17 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo trata da fundamentação teórica deste relatório de conclusão supervisionado, para a conclusão do curso de Administração, abordando os seguintes tópicos: transporte e seus modais; seguro e suas características, bem como os órgão reguladores, além de tratar das avarias, apólices e as perdas de mercadorias, nas transações comerciais, caracterizadas pelas importações. 3.1 Transporte Entende-se por transporte o deslocamento de mercadorias e pessoas de um lugar a outro, origem e destino. Desde os primórdios o homem realiza operações de troca conhecidas primeiramente como escambo. Estas ocorriam por meio da troca de mercadorias onde um grupo de indivíduos trocava um produto de sua especialização por outros que não tinha condições e meios de produzir. Com o aumento intenso das trocas, do volume de produtos trocados, assim como a distância entre os grupos participantes desta relação, o homem viu-se na contingência de utilizar-se de outros meios de transporte, tendo em vista sua limitada capacidade física. De acordo com Keedi e Mendonça (2000), impulsionado por esta necessidade, o ser humano inventou a roda e passou a aproveitar inteligentemente a força animal para puxar veículos que multiplicavam a capacidade de volume transportado. Já os povos que ocupavam as regiões ribeirinhas desenvolveram meios para aproveitar o curso das águas e os ventos, construindo jangadas e outras embarcações que possibilitassem o transporte do maior volume de pessoas e mercadorias possível. Desta maneira o homem desenvolveu-se até a Revolução Industrial, ocasião em que a invenção da máquina a vapor, a substituição da madeira pelo aço e o surgimento da eletricidade facilitaram o desenvolvimento de novas fontes de força motriz.

18 18 A partir daquele momento, gradualmente, os meios de transportes vêm proporcionando a integração do comércio entre os diferentes povos do mundo, desempenhando papel fundamental no atual panorama da globalização. São vários os modais utilizados para o transporte de mercadorias: rodoviário, ferroviário, aéreo, dutoviário e o hidroviário que se dividem nos modais fluvial, lacustre e marítima, sendo este último o mais focado pelo presente estudo Transporte Rodoviário Este modal de transporte é indicado para médias e curtas distâncias e cargas de maior valor agregado, oferecendo um transporte porta a porta, com rotas flexíveis e sem a necessidade de transportes complementares. Está regulamentado no Brasil pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e é realizado através de caminhões, carretas e treminhões. O transporte rodoviário tem na simplicidade o seu ponto forte, pois, segundo não apresenta qualquer dificuldade e está sempre disponível para atendimentos urgentes, permitindo uma maior flexibilidade para as empresas importadoras e exportadoras. (KEEDI e MENDONÇA 2000, p. 128) O transporte rodoviário é um dos mais utilizados no mercado interno, pelo custo e pela praticidade. Principais vantagens do modal rodoviário podem-se citar: Essencial na intermodalidade e multimodalidade; Favorece embarques de pequenos lotes; Menor manuseio de cargas sendo, portando, mais seguro; Facilidade de substituição do veículo em caso de quebra ou acidente; Maior disponibilidade de vias de acesso. Apresenta, além das vantagens, as seguintes desvantagens: Tem a menor capacidade de carga entre todos os modais; Maior custo operacional; Menos competitivo para longas distâncias;

19 19 Exige construção e manutenção continua das estradas; Contribui para a poluição do meio-ambiente; Provoca congestionamento nas estradas Transporte Ferroviário É considerado transporte ferroviário aquele realizado por trens, formados por vagões puxados por locomotivas, sobre trilhos e com trajetos devidamente delineados. Em geral, é utilizado entre países limítrofes. O modal ferroviário é recomendado para viagens de média e longa distância. As principais mercadorias transportadas são produtos agrícolas a granel, minérios, produtos siderúrgicos que têm como característica grandes volumes e baixos valores agregados. Por outro lado, a tendência da conteinerização para facilitar a intermodalidade e multimodalidade, possibilitará um aumento no transporte de mercadorias de maior valor agregado. Principais vantagens: Livre de congestionamentos; Menor custo de transporte, visto que pode ser movido por diesel ou energia elétrica com grande economia de escala; Possibilita transporte de grandes quantidades de cargas e longas distâncias (economia de escala); Baixo custo de manutenção. Desvantagens: Alto custo de implantação; Modal de transporte lento; Diferença nas larguras das bitolas dificultando a integração regional; Menor flexibilidade nos trajetos; Necessidade de transbordo constante para entrega da mercadoria ao destino final, conseqüentemente, de veículo complementar.

20 Transporte Aéreo O modal aéreo tem como veículo transportador a aeronave e sua principal característica é a rapidez de circulação entre os países e a facilidade de acesso, pois os aeroportos estão localizados em grandes cidades. Esse modal facilita a utilização de estratégias just in time, com a conseqüente redução de custos de estoque e sua influência no capital de giro dos negócios. Segundo Keedi e Mendonça (2003, p. 32), o transporte aéreo é realizado por empresas de navegação aérea, através de aeronaves de vários tipos e tamanhos. Além de ser um modal de transporte ágil, são recomendados para mercadorias de alto valor agregado, pequenos volumes e encomendas urgentes e é adequado para longas distâncias. No Brasil, o transporte aéreo é regulado pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO), pela ANAC Agência Nacional de Aviação Civil e pelo Ministério da Aeronáutica. Já no âmbito internacional, o principal órgão é a International Air Transport Association (IATA), pelas Convenções de Varsóvia e Montreal. Principais vantagens: É o modal de transporte mais rápido; Os aeroportos estão mais próximos dos centros de produção; Permite a redução de estoque e do custo de capital de giro; Menor custo de embalagem, pois não necessita de muito manuseio. Desvantagens: Alto custo do frete; Necessita de veículo complementar para entregar a carga ao destino final; Menor capacidade de carga; Custo elevado da infra-estrutura.

21 Transporte Dutoviário Refere-se à modalidade de transporte em que o veículo utilizado compõe a própria infra-estrutura construída (dutos) permitindo o transporte de granéis a longas distâncias, como petróleo bruto, gás e minérios. Os dutos são tubos subterrâneos onde as mercadorias são impulsionadas por bombeamento para travessia dos obstáculos do relevo. Ex: oleoduto, gasoduto e mineroduto. É regulado pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) Não se entrará em detalhes deste modal por estar fora do foco da pesquisa Transporte Fluvial A navegação fluvial é um dos mais antigos meios de transporte hidroviário que se conhece, tendo desempenhado importante papel na penetração, ocupação e colonização do interior dos continentes. Realizado através de rios o transporte fluvial pode ser nacional, utilizando as vias aquáticas do país, ou internacionais, onde as embarcações navegam por rios que ligam países. Como definição de ambos, o transporte fluvial é o transporte hidroviário, realizado em rios, portanto, interior. Pode ser nacional, utilizando as vias aquáticas do país, ou internacional, cuja navegação liga países. ( KEEDI; MENDONÇA, 2003, p. 119). Este modal favorece o transporte de produtos de baixo valor agregado e grandes volumes como produtos agrícolas, fertilizantes, minérios, derivados de petróleo, etc. Os tipos de embarcações existentes são as balsas, chatas, barcaças, pequenos barcos e navios de médio e grande porte, variando de acordo com a finalidade a qual se destina. Com cerca de km de rios navegáveis, a navegação fluvial brasileira é pouco utilizada e tem um alto potencial para ser desenvolvida. Principais vantagens: Baixo consumo de combustível;

22 22 Possibilita o transporte de grandes volumes; Fretes mais baratos que nos modais rodoviário e ferroviário; Oferece mais segurança que o modal terrestre; Apresenta um baixo índice de poluição ambiental. Desvantagens: Rotas fixas; Baixa velocidade; Capacidade de volume transportado variável de acordo com o nível de água das hidrovias Transporte Lacustre Define-se transporte lacustre como sendo o transporte hidroviário de mercadorias através dos lagos e pode ser, como no fluvial, nacional, nos lagos internos do país, ou internacionais, nos lagos que ligam países. Ainda é uma modalidade pouco utilizada e sem importância no comércio internacional. Já o transporte lacustre é aquele realizado em lagos, portanto,interior, da mesma forma que o fluvial, também uma navegação de interior. Pode ser nacional, se realizado em lagos internos do país, ou internacional, ligando países. ( KEEDI; MENDONÇA, 2003, p. 124). Os principais meios de transporte são os mesmos do modal fluvial, isto é, as balsas, chatas, barcaças, pequenos barcos e navios de médio e grande porte, dependendo das finalidades a que se destina. É uma modalidade indicada para o transporte de produtos de baixo valor agregado e com grande volume. Principais vantagens: Baixo consumo de combustível; Fretes mais baratos que nos modais rodoviário e ferroviário; Apresenta um baixo índice de poluição ambiental. Desvantagens:

23 23 Rotas fixas; Baixa velocidade; Capacidade de volume transportado variável de acordo com o nível de água das hidrovias Transporte Marítimo Possibilitando o deslocamento do maior e mais pesado volume de cargas, o transporte hidroviário marítimo é realizado por meio de navios que podem transportar vários tipos de mercadorias. Segundo Keedi e Mendonça (2003, p. 75) O transporte marítimo é aquele realizado por navios em oceanos e mares, podendo ser de cabotagem ou de longo curso, sendo que a navegação de longo curso é aquela caracterizada de navegação internacional e a cabotagem, navegação nacional. Dentre todos os modais de transporte, indiscutivelmente o marítimo é o principal responsável pelo tráfego internacional de cargas. Este fato deve-se à capacidade de que os navios têm de movimentar grandes volumes e massas a um menor custo comparado aos modais aéreos e terrestres. O grande diferencial do frete marítimo baseia-se no fato de que a potência necessária para mover o mesmo peso é muito menor do que nas demais modalidades de transportes, bem como o próprio meio marítimo, que exige pouca manutenção e não demanda alta aplicação de capital para seu uso. O modal marítimo possibilita o transporte tanto de cargas soltas quanto de contêineres, podendo ser de longo curso ou cabotagem. Já a cabotagem é o termo utilizado para definir o transporte marítimo entre os portos de um mesmo país. No Brasil, este modal de transporte é regulamentado por alguns órgãos governamentais como o Ministério dos Transportes, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), o Departamento da Marinha Mercante (DMM) e o Tribunal Marítimo (TM). No âmbito internacional, é regulado pelo International Maritime Organization (IMO). No transporte marítimo são muitas as entidades participantes. Dentre elas tem-se o Armador, que a partir de um navio alugado ou comprado, arma-o, dando as condições necessárias para o veículo operar comercialmente, tornando-se

24 24 responsável pela mercadoria quando estiver de sua posse. Como o custo para manter escritórios em todos os portos por onde passa é muito alto, o armador utilizase do Agente Marítimo para aumentar a sua área de abrangência. Cabe a este agente, representá-lo mediante remuneração, podendo desempenhar um grande número de serviços em seu nome, tanto na parte operacional quanto na documental. Principais vantagens Grande capacidade de carga; Custo de manutenção relativamente baixo; Apresenta um baixo índice de poluição ambiental; Baixo consumo energético. Desvantagens Longo tempo de viagem; Alto custo operacional na movimentação para embarque e desembarque Seguro Segundo Lacerda (1984) o contrato de seguro, em geral, para diversos riscos, é verdadeiramente, recente, pois só no século XIX floresceram inúmeras variedades de seguros. No antigo direito, porém encontramos um único tipo de seguro: o marítimo. Quando ainda não se pensava em prevenir desastres terrestres, comerciantes de mercadorias e armadores, enfrentando, constantemente, os riscos de navegação, sentiram a necessidade de uma instituição que resguardasse seus interesses dos vários infortúnios que os ameaçavam permanentemente. Foi desse modo que nasceu o seguro marítimo, cuja utilidade e conveniência os autores antigos reconheceram. Assim, uma operação de seguro é um contrato jurídico realizado entre as partes envolvidas. O que caracteriza são as coberturas e cláusulas estabelecidas na assinatura do contrato, que obrigam o cumprimento de determinadas condições, tato por parte da seguradora como do segurado (beneficiário). Conforme Azua (1987) As declarações e informações constantes de uma

25 25 apólice de seguro, tanto as do segurador quanto as do segurado, precisam respeitar a estrita verdade dos fatos, nada se omite, nem se acrescentando fatos inverídicos. Tal conceito deve ser considerado durante toda a vigência do seguro, inclusive nas providências para o recebimento da indenização por um sinistro. Nas apólices exigese que se consignem os riscos assumidos, o valor do objeto, o prêmio pelo seguro, ou por ele pago. Segundo Keedi (1987) dividem-se as apólices em simples ou flutuantes. Dizem-se simples as apólices na qual o objeto do seguro é determinado precisamente sem que haja possibilidade de substituí-lo. Na visão de Azua (1987) Nas apólices flutuantes, a substituição do bem segurado esta prevista, fazendo-se o seguro por uma soma global, como se verifica em relação a mercadorias armazenadas. Segundo Lacerda (1984) no caso de um eventual sinistro com uma carga não segurada, a responsabilidade será da parte que, tecnicamente, teria que contratar o seguro, obedecendo-se para isto os termos do INCOTERMS quanto ao local e condição de entrega da mercadoria, ou seja, momento exato da transferência da responsabilidade da carga. Portanto, evidencia-se a relevância da contratação do seguro, pois se um embarque não segurado sofrer um sinistro, a empresa que será responsável pelo seguro dos bens, terá de arcar com os custos envolvidos e com isso sofrer prejuízos que poderão comprometer a sua sobrevivência no mercado Sistema Nacional de Seguro Serão abordados os principais elementos que compõem o Sistema Nacional de Seguros, bem como as suas principais atribuições dentro dessa estrutura, com apresentação de valores monetários que compreende cada estrutura.

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior. Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional e do Comércio Exterior Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Papel dos Transportes Modais de Transporte sob o foco da Logística Internacional

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

Seguros de Mercadorias Transportadas

Seguros de Mercadorias Transportadas Seguros de Mercadorias Transportadas Via Marítima, Aérea ou Terrestre Índice Introdução Parte 1 - Breve Resumo Histórico Parte 2 - O Seguro de Mercadorias O Tráfego de Mercadorias O Seguro de Mercadorias

Leia mais

Tokio Marine TRANSPORTES

Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine Transportes Objetivo Compreender o Seguro de Transportes e sua aplicação. Identificar oportunidades de negócios ligadas ao seguro de Transportes. 1. Objetivo do Seguro

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES Este glossário apresenta-se composto de palavras e expressões comumente usadas pelo mercado segurador e por vezes desconhecidas pelo grande público consumidor

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS Paulo Robson Alves FATORES DE COMPETITIVIDADE Seguradoras devem ter atuação Global Preço do Seguro compatível com o mercado internacional Coberturas de Seguros

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade II. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade II Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos Administração de Suprimentos Objetivos da Unidade Analisar os principais conceitos sobre: A medição do desempenho na cadeia de suprimentos

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO CENTRAL DE PEQUISA DE PREÇO CPP/SEINF SHIS Quadra 01 Conjunto B - Bloco A -Edifício Santos Dumont - Lago Sul, Brasília - DF CEP: 71605-001 Telefone: 61 3211 9222 / Fax - 61 3211-9219 E-mail : melquizedeque.coutinho@cnpq.br

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial (Curso de consultoria empresarial em Belo Horizonte) Programa do curso: Planejamento Empresarial com Técnicas de Negociação 1. Perfil do gestor empresarial: Características do gestor

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro.

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Quem Somos A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Contamos com profissionais altamente qualificados no comércio internacional e uma rede

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Osegmento de transporte. Seguros de transportes. Opinião. Qual o futuro para a carteira? BRUNO KELLY E LIGIA NASCIMENTO CARDOSO

Osegmento de transporte. Seguros de transportes. Opinião. Qual o futuro para a carteira? BRUNO KELLY E LIGIA NASCIMENTO CARDOSO Opinião 26 Seguros de transportes Qual o futuro para a carteira? BRUNO KELLY E LIGIA NASCIMENTO CARDOSO Osegmento de transporte de cargas é um dos mais importantes para o desenvolvimento do país. Diretamente

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

A partir das 24:00 horas do dia05/11/2015 até as 24:00 horas do dia05/11/2016

A partir das 24:00 horas do dia05/11/2015 até as 24:00 horas do dia05/11/2016 VIGÊNCIA A partir das 24:00 horas do dia05/11/2015 até as 24:00 horas do dia05/11/2016 A BERKLEY INTERNATIONAL DO BRASIL SEGUROS SA - 01414 a seguir denominada "SEGURADORA", tendo em vista as declarações

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução na Importação A Declaração de Importação (D.I.) será instruída com os seguintes

Leia mais

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR.

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. JORENTE, Marroni Angélica. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: angelicamarroni@flash.tv.br MICHEL, Murillo. Docente da

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso

Visões sobre a padronização mínima de PGR s - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Gostaria de iniciar com algumas definições sobre os riscos da atividade

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

Contratos internacionais. Contratos internacionais - Características. Contratos internacionais. Contratos internacionais

Contratos internacionais. Contratos internacionais - Características. Contratos internacionais. Contratos internacionais - Características Os contratos internacionais do comércio, como uma espécie de contrato internacional, são todas as manifestações de vontade de duas ou mais partes, que buscam criar relações patrimoniais

Leia mais

ENCONTRO 3 Transporte Aéreo

ENCONTRO 3 Transporte Aéreo ENCONTRO 3 Transporte Aéreo ENCONTRO 3 Transporte Aéreo TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro anterior, você conheceu as características do transporte marítimo, a sua importância para

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1 Cobertura Básica Nº 21 PARA SEGUROS DE MERCADORIAS CONDUZIDAS POR PORTADORES Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura garante, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência de

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

APÓLICE DO RAMO DE RC TRANSP ROD CARGA

APÓLICE DO RAMO DE RC TRANSP ROD CARGA Porto Seguro Cia de Seguros Gerais Avenida Rio Branco, 1489 Campos Eliseos São Paulo CEP 01205-905 CNPJ 61.198.164/0001-60 - Cód. Susep 0588.6 Regulamentada pelo Decreto Lei 20.138 de 06/12/1945 Central

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados

AULA 05. Sistema Nacional de Seguros Privados AULA 05 Sistema Nacional de Seguros Privados Sistema Nacional de Seguros Privados O Sistema Nacional de Seguros Privados do Brasil (SNSP) - parte integrante do Sistema Financeiro Nacional - é formado por

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente:

ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente: ANEXO VI.9 - CONDIÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS Proponente: Declaro que, caso venha a ser adjudicado com o objeto do Edital MS/CS 510- R02474, comprometo-me a efetuar a contratação de seguros para

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 15 PARA MADEIRAS (CARGA NO CONVÉS) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro.

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. 52 5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. Este Capítulo abordará a análise dos dados efetuados em 150 processos aduaneiros de importação

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial

Curso Superior de Tecnologia em Logística Empresarial PRIMEIRA FASE 01 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Funções, gráficos e aplicações; cálculo diferencial e aplicações; funções de duas ou mais variáveis: derivadas parciais e aplicações; aplicação computacional

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

Curso de Consultoria Empresarial

Curso de Consultoria Empresarial Curso de Consultoria Empresarial (Curso Presencial em Belo Horizonte) Início - 23/08 Objetivo: Capacitar o aluno para atuar na área de consultoria e gestão empresarial. Este é um curso livre de capacitação

Leia mais

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota

Unidade: Transporte Multimodal. Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Unidade: Transporte Multimodal Revisor Textual: Profa. Esp. Márcia Ota Transporte Multimodal O transporte multimodal se caracteriza pela utilização de mais de um modal de transporte entre a origem e o

Leia mais

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil Eng. Augusto Andrade 17/04/2013 Agenda Estrutura do Mercado Seguros no Brasil; Mercado de Resseguros; Seguros e Garantias para Construção Civil:

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 12 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 12 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Ampla Nº 12 PARA EMBARQUES A GRANEL (AQUAVIÁRIOS E TERRESTRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988

RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988 RESOLUÇÃO CNSP nº 12/1988 A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do art. 30 do Regimento Interno baixado pela Resolução CNSP nº 31/68, de 19.08.68, com a redação dada pela Resolução CNSP

Leia mais