Título do Slide Máximo de 2 linhas Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título do Slide Máximo de 2 linhas Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização"

Transcrição

1 Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização Darli Palma Cunha, 09/19/2013

2 Título As mãos do que Slide desenham Todo fazer é um conhecer e todo conhecer é um fazer A árvore do conhecimento Maturana e Varela Mãos que desenham de M.C. Escher

3 Máximo da experiência de 2 linhas As mãos que desenham,, desenham através Todo fazer é um conhecer e todo conhecer é um fazer A árvore do conhecimento Maturana e Varela Mãos que desenham de M.C. Escher

4 Sobre Título a Abordagem do Slide & Dinâmica Visa: Criar um espaço' que potencialize o processo de aprendizado Ao simular um projeto, do início à conclusão O projeto proposto é a solução de um quebra-cabeça 3D. A simulação progride, passo a passo, pela Metodologia do PMI Project Management Institute Os participantes assumem os papéis de gerente de projeto, equipe e sponsor. A dinâmica de grupo visa abordar questões técnicas e comportamentais.

5 Sobre a Abordagem & Dinâmica Título do Slide

6

7 EXECUÇÃO

8 EXECUÇÃO

9 EXECUÇÃO

10 6 EXECUÇÃO ACI 3 J 2

11 A ação das mãos que desenham Título do Slide Todo fazer é um conhecer e todo conhecer é um fazer A árvore do conhecimento Maturana e Varela Mãos que desenham de M.C. Escher 11

12 Fatores Críticos De Sucesso 3 EXECUÇÃO ACI Competências Ética J 2 R J R H C P BF

13 (1) Instrução para os participantes-jogadores

14 (1) Instrução para os participantes-jogadores (2) Facilitador

15 (1) Instrução para os participantes-jogadores (2) Facilitador (3) Uma rodada típica

16 (1) Instrução para os participantes-jogadores (2) Facilitador (3) Uma rodada típica (4) Plano do Projeto Quebra-Cabeça concluído.

17 (1) Instrução para os participantes-jogadores (2) Facilitador (3) Uma rodada típica (5) Monitorando e Controlando (4) Plano do Projeto Quebra- Cabeça concluído.

18 (1) Instrução para os participantes-jogadores (2) Facilitador (3) Uma rodada típica (5) Monitorando e Controlando (4) Plano do Projeto Quebra-Cabeça concluído. (6) Projeto Executado

19 Fatores Críticos De Sucesso Competências Ética R J R H C P BF EXECUÇÃO ACI Elaborado por Darli Palma Cunha Como o Treinamento é Implementado Título do Slide Geral A. Capturar o Contexto A-1 Identificar os assuntos do ambiente organizacional B. Desenho do Treinamento C. Condução do Treinamento D. Avaliação A-2 Definir as competências importantes para discussão ao longo do treinamento B-1 Identificar uma ligação comum entre as competências e áreas de conhecimento J D-1 Avaliação individual dos participantes A-3 Definir quais áreas de conhecimento devem ser enfatizadas ao longo do treinamento B-2 Customizar as cartas de situação D-2 Análise & Definição dos próximos passos

20 Constatações A dinâmica é um facilitador para fomentar a discussão sobre o rol de competências necessárias para a execução apropriada e êxito do projeto Estimula a aquisição, desenvolvimento e aplicação de conhecimento A reflexão sobre a importância de cada papel no desenvolvimento de um projeto Do ponto de vista dos participantes e das organizações, a dinâmica alinha o entendimento das vantagens da aplicação apropriada da metodologia de gerenciamento de projetos Trazendo à tona a importância de competências tanto técnicas quanto comportamentais

21 O aprendizado é mais eficaz e dinâmico Maior participação e envolvimento dos participantes Dinâmica muito boa e que torna mais fácil fixar conceitos importantes. O treinamento ajudou a entender situações do dia-a-dia que fazem toda a diferença para o sucesso do projeto. Traz a realidade A simulação da prática com certeza é o diferencial. Prende o aluno ao aprendizado e participação Fica mais fácil fixar conceitos. Foi possível compreender a teoria já a aplicando ao planejar e executar todo um projeto. Constatações Ensina de maneira prática todo o fluxo de um projeto. O jogo mostra bem o caminho que temos que seguir. Com o jogo ficou mais claro a metodologia para aplicar nos próximos projetos. Permite entendimento das etapas do projeto e a metodologia a ser empregada para obter sucesso na realização de um projeto. Tudo isso foi muito bem exemplificado quando colocamos o projeto em execução. Todo o treinamento foi muito proveitoso, na medida em que os processos foram sendo realizados, tivemos a compreensão da importância do planejamento. Os aspectos relacionados à comunicação para dar visibilidade de um projeto. A oportunidade de ver na prática a execução de cada etapa do projeto, desde sua concepção até sua entrega final, foi essencial para compreender os passos necessários para o êxito de um projeto. Faz-nos refletir sobre a situação atual e possível planos de ação. As reflexões sobre Ética. Conscientização das pessoas quanto às melhores práticas de Gestão de Projetos.

22 Perguntas Fatores Críticos De Sucesso 3 6 EXECUÇÃO ACI 3 6 Competências Ética J 2 R J R H C P BF

23 Obrigada

24

O remédio certo na dose certa!

O remédio certo na dose certa! O remédio certo na dose certa! Programa DC-DinsmoreCompass de Avaliação e Desenvolvimento de Competências em Gestão de Projetos A DC-DinsmoreCompass, com base em padrões de referência publicados pelo PMI

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Um pouco sobre o PMI PMI - Project Management Institute PMI Instituição internacional sem fins lucrativos criada em 1969 Desenvolve normas,

Leia mais

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas.

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. MIND LAB MISSÃO DA MIND LAB Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. Ajudar os alunos se transformarem em indivíduos íntegros e realizados. SOBRE A MIND LAB Fundada em 1994.

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos!

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos! RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos! ACORDO DE TRABALHO Motivação Disposição para aprendizagem xícara de chá Comprometimento com os resultados Trazer o Vinho

Leia mais

Liderança e Gestão da Organização

Liderança e Gestão da Organização 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Simulado "1.Introdução"

Simulado 1.Introdução Pá gina 1 de 7 Simulado "1.Introdução" Simulado do PMI por Antônio Augusto 17 de March de 2012 Pá gina 2 de 7 Disciplinas e temas deste simulado 01 - Introdução ao gerenciamento de projetos (3 questões)

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

TEMA ESCOLHIDO - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

TEMA ESCOLHIDO - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO AUTOR : José Aquiles Baesso Grimoni - POLI TEMA ESCOLHIDO - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO ÍNDICE DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. PROJETO E PLANEJAMENTO 2. DEMANDA 3. TARIFAS 4. DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

AGENDA MARÇO E ABRIL 2016 ESCRITÓRIO REGIONAL DE PIRACICABA

AGENDA MARÇO E ABRIL 2016 ESCRITÓRIO REGIONAL DE PIRACICABA 1 AGENDA MARÇO E ABRIL 2016 ESCRITÓRIO REGIONAL DE PIRACICABA PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO: O PRIMEIRO PASSO PARA COMEÇAR O SEU NEGÓCIO PALESTRA QUE VISA SENSIBILIZAR OS PARTICIPANTES A IDENTIFICAR AS OPORTUNIDADES

Leia mais

Informatização de inscrições em treinamentos via Portal SAP

Informatização de inscrições em treinamentos via Portal SAP 1 2 Informatização de inscrições em treinamentos via Portal SAP Autores: Fabiano Zaché Nayara Teixeira Unidade: R-DDP Chefia: Renata Faco Oportunidade Percebida O desenvolvimento de uma ferramenta informatizada

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Ciclos de Vida 1 Ciclo de Vida de um Produto Qualquer desenvolvimento de produto inicia com uma idéia e termina com o produto pretendido. O ciclo de vida de um produto

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I

GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I GESTÃO DE PROJETOS D I S C U S S ÃO B AS E A D A N O P M I DEFINIÇÃO DE PROJETO Empreendimento temporário realizado de forma progressiva para criar um produto ou serviço único. (Project Management Institute

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO ESSENCIAL: UM ENFOQUE NA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA MANUTENÇÃO DE SOFTWARE

DOCUMENTAÇÃO ESSENCIAL: UM ENFOQUE NA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA MANUTENÇÃO DE SOFTWARE DOCUMENTAÇÃO ESSENCIAL: UM ENFOQUE NA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Sérgio Cozzetti B. de Souza Nicolas Anquetil Káthia M. de Oliveira {anquetil,kathia}@ucb.br UCB - Universidade

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

Uma análise aprofundada dos factores que contribuiu para a obtenção de altos resultados dos escolares da Rússia no Projecto PIRLS-2006

Uma análise aprofundada dos factores que contribuiu para a obtenção de altos resultados dos escolares da Rússia no Projecto PIRLS-2006 Tyumeneva Júlia Alekseevna, Candidato de Ciências Psicológicas, Directora do Centro de Monitorização da Qualidade da Educação do Instituto de Desenvolvimento da Educação Primeira Conferência da READ Desenvolvimento

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as

Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as Cada programa, projeto ou produto possui determinadas fases de desenvolvimento: São as chamadas fases do ciclo de vida de um PROJETO Planeamento a) Fase Inicial - concetual b) Fase de planeamento c) Fase

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Volta Redonda, março de 2009

Volta Redonda, março de 2009 Trabalho de Conclusão de Curso TCC Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Núcleo de Graduação Tecnológica Volta Redonda, março de 2009 Agenda Objetivos Alcance Coordenação Orientação O Aluno Pesquisador

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo:

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo: Foto Calabor@tiva Carga Horária: 15h presenciais Facilitador: Sandro Barros Objetivo: O objetivo é estimular crianças e jovens a utilizar a linguagem fotográfica como elemento alternativo e visual, despertando

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE. Aula 08 - Técnicas para avaliação de interfaces

ENGENHARIA DE USABILIDADE. Aula 08 - Técnicas para avaliação de interfaces Aula 08 - Técnicas para avaliação de interfaces Na aula anterior... Técnicas para modelagem de requisitos The Bridge 1: Expressar os requisitos dos usuários como fluxos de tarefas. 2: Mapear os fluxos

Leia mais

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida Planejamento e Desempenho de Custos Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida O que é um orçamento? É o planejamento financeiro para um determinado projeto. Objetivo da aula: apresentar

Leia mais

Museu da Chapelaria São João da Madeira. 20 a 23 de setembro. Organização:

Museu da Chapelaria São João da Madeira. 20 a 23 de setembro. Organização: Museu da Chapelaria São João da Madeira 20 a 23 de setembro Organização: Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva Objetivos: Relacionar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL DEPARTAMENTO: PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: DISCIPLINA: Matemática A (12.º ano) Matemática e Ciências Experimentais 2015/2016 UNIDADE Tema 1 - Probabilidades e Combinatória

Leia mais

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional INFORMATIVO SENAI 5.5 TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O MUNDO SENAI PESQUISA INSTITUCIONAL S E N A I - R O. 2 01 5 MOSTRAR SEU SORRISO DE SATISFAÇÃO Sua participação é importante para o SENAI continuar

Leia mais

TLBD1. Análise e Levantamento de Requisitos. Prof. Robson Carvalho

TLBD1. Análise e Levantamento de Requisitos. Prof. Robson Carvalho TLBD1 Análise e Levantamento de Requisitos Prof. Robson Carvalho carvalho.ti@gmail.com Análise de Requisitos A Análise de Requisitos é a primeira atividade técnica no desenvolvimento do software, é a base

Leia mais

Gerenciando Obras de Engenharia de Forma Eficaz

Gerenciando Obras de Engenharia de Forma Eficaz Gerenciando Obras de Engenharia de Forma Eficaz 08/07/15 Vinícius Bravim, MBA, PMP Palestrante Vinícius Bravim, MBA, PMP Especialista em Gerenciamento de Projetos pela FGV, certificado PMP (Project Management

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos MBA em Gerenciamento de Projetos APRESENTAÇÃO A gestão eficiente de projetos é essencial para a sobrevivência das empresas em um cenário de competição global, avanços tecnológicos, clientes mais exigentes

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS PLANO DE ENSINO Dados de Identificação Componente Curricular: DP0377-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Capital Humano. Programa de Desenvolvimento em. Um novo Mercer College para você!

Capital Humano. Programa de Desenvolvimento em. Um novo Mercer College para você! Programa de Desenvolvimento em Capital Humano Um novo College para você! O College mudou para se adequar à sua necessidade e de sua empresa. Muito mais completo e flexível, nosso programa apresenta os

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses

ENQUETE. Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses Aula 1 e 2 ENQUETE Formação acadêmica Profissão (Área que atua) Interesses ESTRUTURA / PLANO DE AULA Horário: 19H00 às 23H00 com intervalo das 20H45 às 21H00 FALTAS A chamada será realizada antes e após

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias

MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE. Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS Apresentação com material de apoio do evento Orientação Técnica sobre a recuperação paralela realizado nos dias 23, 24 e 25 de julho de 2008. AVALIAÇÃO Os objetivos

Leia mais

CONTEÚDOS CURRICULARES

CONTEÚDOS CURRICULARES CONTEÚDOS CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES PROCESSOS DE FABRICAÇÃO RESUMO DE CONTEÚDOS Processos de Usinagem em Máquinas Operatrizes, Usinagem a CNC, Ferramentas e Técnicas para Usinagem com Precisão,

Leia mais

1º Seminário Topologias. Oradora: Margarida Gonçalves

1º Seminário Topologias. Oradora: Margarida Gonçalves 1º Seminário Topologias Oradora: Margarida Gonçalves 1 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Modalidade de Ensino Profissional Secundário Ano: Área: 10º Ano Informática Disciplina:

Leia mais

Atividade 1. Objetivos: Planificação: Etapa 1. Debata: Tempo: 3 horas. Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês.

Atividade 1. Objetivos: Planificação: Etapa 1. Debata: Tempo: 3 horas. Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês. Atividade 1 Tempo: 3 horas Disciplinas: Ciências Naturais, Ciências Sociais, Inglês. Ciclo de ensino: Ensino secundário da área das ciências. Objetivos: Conseguir decifrar e compreender um artigo científico

Leia mais

MOMENTO SEGURANÇA DO TRABALHO

MOMENTO SEGURANÇA DO TRABALHO MOMENTO DA SEGURANÇA DO TRABALHO Parte 7 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções: Hidrelétrica;

Leia mais

EDITAL CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS PROCESSO SELETIVO FRUTAL CONSULTORIA JÚNIOR

EDITAL CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS PROCESSO SELETIVO FRUTAL CONSULTORIA JÚNIOR EDITAL CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS PROCESSO SELETIVO FRUTAL CONSULTORIA JÚNIOR 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Empresa Júnior da Universidade Estadual de Minas Gerais torna público o processo seletivo destinado

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Gestão de Projetos é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos,

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL

O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL O USO DO JOGO CORRIDA DAS FUNÇÕES E A RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO LOGARÍTMICA E FUNÇÃO EXPONENCIAL Amanda Gonçalves Figueiredo Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ leona_shyla@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

ATÉ O MOMENTO A RETÓRICA NÃO É VERDADEIRA

ATÉ O MOMENTO A RETÓRICA NÃO É VERDADEIRA AEEL 31 ANOS Em Defesa dos Trabalhadores da Eletrobras! Informe_010/15 ATÉ O MOMENTO A RETÓRICA NÃO É VERDADEIRA Em meados de 2009 a Eletrobras criou o Plano de Carreira e Remuneração - PCR do Sistema

Leia mais

Uma reflexão crítica

Uma reflexão crítica O USO DAS TICS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NO ENSINO FUNDAMENTAL Uma reflexão crítica Ana Cláudia G. Carvalho Ana Paula Fermin Gilmara R. Santos Patrícia Elaine B.R. Alecrim Telma Augusta da Cunha RESUMO Este

Leia mais

Mudar a mentalidade das organizações. Carlos Telles de Freitas

Mudar a mentalidade das organizações. Carlos Telles de Freitas Mudar a mentalidade das organizações através s da Logística Carlos Telles de Freitas Historicamente a logística foi sempre factor crítico de competitividade das nações. A logística é o sector da empresa

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1 Título: Localizando-se... 2 Autora: Adriana Regina Perez Rech 3 Docente: Lisiane Cristina Amplatz 4 Aplicativo utilizado: Geogebra 5 Disciplina: Matemática 6 Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

Negociações Integradas de OPME para Obtenção de Resultados

Negociações Integradas de OPME para Obtenção de Resultados Negociações Integradas de OPME para Obtenção de Resultados Sr. Jorge Luiz Gonçalves Coordenador Técnico do Comitê Técnico de Materiais Unimed Mercosul Coordenador Técnico do Comitê Técnico Nacional de

Leia mais

CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS

CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS CURSO NEGOCIAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM CLIENTES DIFÍCEIS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05

Leia mais

27/02/2015 VISÃO GERAL

27/02/2015 VISÃO GERAL PROJETO SÓCIO-EDUCATIVO ARSENATO GVAC CONFECÇÃO DE ARTESANATO COM USO DE MATERIAL RECICLÁVEL; MEDIANDO A RELAÇÃO COM PACIENTES INTERNADOS E OS COLABORADORES. 27/02/2015 VISÃO GERAL 1. Descrição e histórico

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL OBJETIVOS: CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS - 80h Capacitar os participantes para trabalharem com as melhores

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO

RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO A pasta do estágio será composta pelas fichas referentes ao estágio profissional supervisionado, deverão ser elaborados segundo os padrões das normas ABNT e entregue à Coordenação

Leia mais

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Seminário Motivações para o Início e o Fim do Consumo de Drogas: uma análise das comunidades virtuais relacionadas ao tema SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Arthur Guerra de Andrade Coordenação da Área

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

Fundamentos Estratégicos

Fundamentos Estratégicos 1 Fundamentos Estratégicos MISSÃO Fornecer soluções e serviços em sistemas de suspensões, eixos e componentes para veículos comerciais com inovação, qualidade, segurança e sustentabilidade. VISÃO Ser reconhecida,

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE PARTICIPAÇÃO NO BOOTCAMP EM EMPREENDEDORISMO SOCIAL SANTA MARIA DA FEIRA INOVAÇÃO SOCIAL Janeiro de 2016 ÍNDICE 1 Sumário Executivo 2 Concurso para atribuição de bolsas

Leia mais

Capacitação e Especialização de Consultores Empresariais

Capacitação e Especialização de Consultores Empresariais Capacitação e Especialização de Consultores Empresariais Internos e Externos Mudança de Status de Analista para Consultor de Empresas Justificativa - 1: A Evolução dos Sistemas de Gestão da Espécie A medida

Leia mais

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências Gestão de Pessoas e Avaliação por competências quer a empresa que não existe! Funcionário quer o profissional que não existe! Empresa A visão evolutiva da área de Gestão de Pessoas... 1930 Surgem departamentos

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Dilemas da era da economia digital Descompasso envolvendo culturas e estruturas na maior parte das empresas Tecnologias do século

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Introdução ao gerenciamento de projeto Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública Introdução ao gerenciamento de projeto O que é um Projeto? Um projeto é um complexo e não rotineiro esforço único limitado por tempo, orçamento, recursos

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol Industrial S/A está entre aquelas empresas que estão preocupadas com as questões trabalhistas, procurando adotar os Princípios de Direito

Leia mais

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO

OBJETIVOS DESTE ENCONTRO OBJETIVOS DESTE ENCONTRO Apresentar e facilitar o entendimento dos Critérios da Modalidade Processo. Entender como demonstrar resultados requeridos nesta modalidade. 2 1 CRONOGRAMA 2010 ATIVIDADE MAR ABR

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

Professor Roberto César. O que é qualidade?

Professor Roberto César. O que é qualidade? O que é qualidade? O que é qualidade? Século XX até o início dos anos 50 Sinônimo de perfeição técnica Década de 50 - Juran Satisfação do cliente quanto a adequação do cliente ao uso Feugenbaum (1986)

Leia mais

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO

OBJECTIVO ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO INTRODUÇÃO OBJECTIVO O objectivo deste regulamento é definir os requisitos para integração e manutenção de auditores na bolsa de auditores da Ordem dos Farmacêuticos. ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO Actividades desenvolvidas

Leia mais

Sistemas de Informação e Decisão. Douglas Farias Cordeiro

Sistemas de Informação e Decisão. Douglas Farias Cordeiro Sistemas de Informação e Decisão Douglas Farias Cordeiro Decisão Tomamos decisões a todo momento! O que é uma decisão? Uma decisão consiste na escolha de um modo de agir, entre diversas alternativas possíveis,

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 5 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade Total; 2. Planejamento; Gestão da Qualidade Total Gestão da Qualidade Total Como vimos na última aula a Gestão da Qualidade

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL Administração: (Bacharel) Direito: (Bacharel) Mantida pela A.E.S.P. R: Tiradentes, 322 Centro Tel.: (67) 3437-8820 Ponta Porã MS Home Page: www.magsul-ms.com.br E-mail: magsul@terra.com.br PROJETO DAS

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO

EDUCAÇÃO VISUAL 3ºCICLO DO ENSINO BÁSICO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Os Conteúdos Programáticos estão enunciados segundo o programa em vigor e as Metas Curriculares definidas pelo ministério da Educação e Ciência.* 9.ºANO 1º Período 39/42 aulas previstas

Leia mais

Orçamento participativo: engajamento da força de trabalho e resultados organizacionais. Os caminhos...

Orçamento participativo: engajamento da força de trabalho e resultados organizacionais. Os caminhos... Orçamento participativo: engajamento da força de trabalho e resultados organizacionais Os caminhos... O que é um orçamento? Orçamento é um plano que detalha as receitas e despesas de uma administração

Leia mais

As Inteligências: arsenal de competitividade e conhecimento para vencer a guerrilha empresarial

As Inteligências: arsenal de competitividade e conhecimento para vencer a guerrilha empresarial As Inteligências: arsenal de competitividade e conhecimento para vencer a guerrilha empresarial Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais fiéis, sendo crescente o número

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000

O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Gestão da Qualidade O Sistema HACCP no âmbito da NP EN ISO 9001:2000 O Sistema HACCP Princípios: 1 Identificação dos perigos e análise

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira - REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira CLIENTE INTERNO Instrutoria: Jane Costa de Paula Oliveira FOCO NO CLIENTE O que é CLIENTE? O QUE É CLIENTE INTERNO?

Leia mais

Gestão de Projeto para Leigos: Uma Síntese para Fácil Compreensão

Gestão de Projeto para Leigos: Uma Síntese para Fácil Compreensão Gestão de Projeto para Leigos: Uma Síntese para Fácil Compreensão Ana Flavia Meireles Rodrigues (FCSGN) 1 Gesielen Souto lima Paranhos (FCSGN) 2 Laíde dos Anjos Santos (FCSGN) 3 Lucélia Aparecida Rothermel

Leia mais

I CONGRESSO ESTADUAL DA AGROPECUÁRIA UMUARAMA. Nova dinâmica da Assistência Técnica e Extensão Rural. (Emater-PR)

I CONGRESSO ESTADUAL DA AGROPECUÁRIA UMUARAMA. Nova dinâmica da Assistência Técnica e Extensão Rural. (Emater-PR) I CONGRESSO ESTADUAL DA AGROPECUÁRIA UMUARAMA Nova dinâmica da Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PR) Eng. Agr. Hernani Alves da Silva Gerente de Produção Agropecuária e Negocios hernanialves@emater.pr.gov.br

Leia mais

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de Integração Prof. Anderson Valadares 1. Conceito A área de conhecimento em gerenciamento de integração do projeto inclui processos e as atividades necessárias para identificar, definir,

Leia mais

Oficina: Social Media Gov

Oficina: Social Media Gov Oficina: Social Media Gov Convite para sua participação Prezados, É com muita satisfação que a WeGov Treinamento para Gestão Pública encaminha informações relativas ao Curso: Social Media Gov a ser realizado

Leia mais

Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro. Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se

Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro. Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se PLANEJAMENTO DE PROJETOS Mauro Lúcio Batista Cazarotti Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se dos profissionais

Leia mais

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016

REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 Faculdade de Economia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, 4200-464 Porto REGULAMENTO 3.ª EDIÇÃO 2016 - As Jornadas - 1. As Jornadas de Economia e Gestão da Faculdade de Economia da Universidade

Leia mais

CMMI. Cooperativo. Programa

CMMI. Cooperativo. Programa CMMI Cooperativo Programa O Programa Cooperativo CMMI Programa elaborado e gerenciado pelo ITS,, em cooperação com o CenPRA,, suporte do SOFTEX e Fundo Verde Amarelo/FINEP FINEP. Capacita empresas brasileiras

Leia mais

Emergências e Gerenciamento de Riscos

Emergências e Gerenciamento de Riscos CONCURSO PETROBRAS PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR ENGENHEIRO(A) DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. DE MEIO AMBIENTE Emergências e Gerenciamento de Riscos Questões Resolvidas QUESTÕES

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

REDE DE PONTOS DE CULTURA DE GOVERNADOR VALADARES - MG

REDE DE PONTOS DE CULTURA DE GOVERNADOR VALADARES - MG TÍTULO DO PROJETO Área Predominante: (Marque um x nas áreas que seu projeto mais se identifica) CULTURAS POPULARES ( ) Tradição Oral ( ) Artesanato ( ) Manifestações culturais ( ) Contador de Histórias

Leia mais

Cursos para turbinar a sua carreira profissional

Cursos para turbinar a sua carreira profissional Cursos para turbinar a sua carreira profissional CONTATOS: FONE: (92) 3216-3080 FUNDACAOREDEAM.COM.BR CERTIFICAÇÃO OFICIAL FURUKAWA FCP Data Cabling System (28 horas) Introduzir e direcionar profissionais

Leia mais