- Estratégia LIPOR - 2M menos Resíduos, menos Carbono. Pelo Grupo Carbono Zero

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Estratégia LIPOR - 2M menos Resíduos, menos Carbono. Pelo Grupo Carbono Zero"

Transcrição

1 - Estratégia LIPOR - 2M menos Resíduos, menos Carbono Pelo Grupo Carbono Zero

2 LIPOR 8 municípios Área de abrangência 648 km 2 População 1 milhão de habitantes Produção de RSU (2008) ton Per capita 1,4 kg/hab/dia

3 Desafios LIPOR Aumento das quantidades a enviar para Reciclagem; Aumento da Valorização da fracção orgânica presente nos RSU; Reduzir a deposição em Aterro (cumprimento da Directiva Aterros); Implementar a Certificação TOTAL da LIPOR (Qualidade, Ambiente, Saúde e Segurança); Aumento da Eficiência Energética; Diminuição das emissões de CO 2 eq.

4 e a nossa Estratégia... Plano Estratégico de Gestão de Resíduos LIPOR ( ); Promover a Prevenção; Utilização da metodologia Balanced Scorecard na definição e execução da estratégia LIPOR; Avaliar & Valorizar as emissões de GEE; Reforçar a Marca LIPOR.

5 Hoje, todos as Nações reconhecem que as Alterações Climáticas requerem uma resposta global e a longo prazo, alinhada com as últimas descobertas científicas e compatível com o crescimento económico e com a equidade social. Ban Ki-moon, Secretário-Geral das Nações Unidas

6

7 Operacionalização da Estratégia Criação de um Grupo Multidisciplinar Grupo Carbono Zero para trabalhar a estratégia 2M e a temática; Definição de uma Estratégia de longo prazo minimizar as emissões de GEE nas nossas actividades e compensar as inevitáveis; Contributo para o compromisso político dos Municípios da região do Porto (o Porto é um dos signatários do Pacto dos Autarcas); Alinhamento da estratégia com os objectivos do Plano Estratégico

8 Resíduos e Emissões de GEE A contribuição mundial do sector dos Resíduos para os GEE é de cerca de Mt CO2Eq (cerca de 5% das emissões). Na Europa esta contribuição é de 2%. Apesar da contribuição deste sector, em Portugal, não ser muito elevada, cerca de toneladas de CO 2 eq, esta é uma área que pode contribuir bastante para a redução das quantidades globais das emissões de GEE. Em Portugal, as emissões de GEE do sector dos resíduos contabilizavam cerca de 12% do total de emissões, de acordo com o Inventário Nacional, em 1990, sendo expectável que em 2010 contabilizem cerca de 7%.

9 O sector dos Resíduos

10 Motivação e Intervenção 4 motivações essenciais 1) A Lipor está exposta a riscos relacionados com as alterações climáticas. Abordar o tema é uma questão de protecção do negócio 2) As actividades desenvolvidas pela Lipor são fonte de emissões de GEE. Gerir essas emissões é assumir uma responsabilidade directa 3) A Lipor tem capacidade de induzir reduções de emissões fora das suas fronteiras. Assumir esse compromisso é uma questão de responsabilidade social corporativa 4) Valorizar os benefícios carbónicos da prevenção e separação de resíduos pode contribuir para o cumprimento dos objectivos do Plano Estratégico Lipor Promover essa valorização reforça a estratégia empresarial 3 eixos de intervenção Eixo 1 Conhecimento Conhecer o perfil de emissões de GEE LIpor Eixo 2 Acção Reduzir emissões próprias e compensar emissões inevitáveis Eixo 3 Mobilização Promover iniciativas que induzam a redução de resíduos e de emissões

11 Eixo 1 Conhecimento Conhecer o perfil de emissões de GEE LIpor

12 Concretizar Objectivos Quantificar as emissões de GEE resultantes da actividade Lipor Monitorizar as emissões e projectar a evolução Avaliar benefícios da actividade Lipor em termos de emissões evitadas Divulgar resultados Benefícios Ganhos de informação Caracterização da situação de referência; apoio a decisões de gestão; definição de medidas/ metas de redução Ganhos de imagem Transparência; tangibilização do contributo Lipor para redução de GEE Medidas Inventário de emissões GEE Lipor (metodologia GHG Protocol, adaptada ao sector dos resíduos em coerência com Inventário Nacional de Emissões) Projecção emissões Lipor: 2010; 2016; 2020 Balanço líquido de GEE (CO₂e emitido VS. CO₂e evitado) Divulgação resultados Metas Manter actualizado o inventário Lipor, em coerência com as melhores metodologias disponíveis

13 Inventário Parceria com a E. Value (especialista nacional em emissões); GEE considerados: Operação GEE Aterro Sanitário CH 4 Valorização Energética CO 2, CH 4, N 2 O Valorização Orgânica CH 4, N 2 O Transportes e Mobilidade CO 2, CH 4, N 2 O Consumo Combustíveis CO 2, CH 4, N 2 O Consumo Electricidade CO 2, CH 4, N 2 O Metodologia: Greenhouse Gas Protocol World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) e World Resources Institute (WRI); Resultados em CO 2 eq.

14 Inventário 14 Ano base Previsões de longo prazo 2012, 2016 e 2020

15 Emissões de GEE LIPOR (tco₂e) Âmbito 1 Emissões Directas Âmbito 2 Emissões Indirectas (electricidade) Âmbito 3 Outras Emissões Indirectas Emissões Totais LIPOR

16 Emissões Directas

17 Emissões Evitadas contributo (in)directo para redução de emissões Queima de biogás (Aterro) Produção de energia (CVE) Substituição de fertilizantes (CVO) Fluxos de materiais para reciclagem (RMM)

18 Inventário e Projecção Balanço Emissões (t CO2e) Fluxos para reciclagem Subst. de compostos azotados (Nutrimais) Produção Eléctrica (Amave) Produção Eléctrica Queima Biogás Consumo Energia Eléctrica Mobilidade Uso Combustíveis Val. Orgânica Val. Energética (Amave) Val. Energética Dep. no Solo (2006) (2010) (2016) (2006) (2010) (2016)

19 O Compromisso A LIPOR compromete-se a reduzir, face a 2006, as suas emissões de CO 2 e em: Emissões totais Emissões per capita % 356 kg CO 2 e/hab.ano % 340 kg CO 2 e/hab.ano % 324 kg CO 2 e/hab.ano

20 Eixo 2 Acção Reduzir emissões próprias e compensar emissões inevitáveis

21 Concretizar Objectivos Implementar medidas de redução de emissões (gestão de resíduos e actividades de suporte) Definir metas para redução e monitorizar o cumprimento Utilizar projectos externos para compensar emissões inevitáveis Benefícios Reduzir o impacto da actividade da Lipor no clima Ganhos de eficiência resultantes de medidas de racionalização de consumos energéticos Benefícios sociais e ambientais adicionais através do apoio a projectos de compensação diferenciados Medidas Medidas de eficiência energética e utilização de energias renováveis no edificado Utilização de biodiesel na frota própria Optimização da captura e valorização energética de biogás Novo aterro da Póvoa de Varzim: Incentivo à Gestão das Emissões de Metano (IGEM) Plano de compensação de emissões Lipor Metas Metas concretas de redução de GEE

22 Acções já desenvolvidas Energia Poupada Emissões evitadas Substituição de telhas no CT kwh 32 t CO₂e

23 Acções já desenvolvidas Energia Poupada Emissões evitadas Desactivação de luminárias nas instalações kwh 20 t CO₂e

24 Acções já desenvolvidas Energia Poupada Emissões evitadas Racionalização nos níveis de iluminação kwh 8 t CO₂e do E. administrativo

25 Acções já desenvolvidas Energia Produzida Biogás de Ermesinde desde Junho de kwh Emissões evitadas 2569 t CO₂e

26 Acções já desenvolvidas Energia Produzida Emissões evitadas Biogás de Matosinhos desde Maio de kwh 294 t CO₂e

27 Acções já desenvolvidas Óleo Alimentar A nível nacional produz-se cerca de toneladas de óleo alimentar. 40% são de uso doméstico. A média por habitante é de 15 litros ao ano. Na Lipor Como somos cerca de 231 famílias, se cada família depositasse o óleo alimentar produzido nas suas habitações, conseguíamos produzir litros de biodiesel. A utilização deste biodiesel (a 30%) na frota da Lipor, evitava a emissão de 10,5 t CO₂e.

28 Acções já desenvolvidas

29 Acções já desenvolvidas

30 Eixo 3 Mobilização Promover iniciativas que induzam a redução de resíduos e de emissões

31 Concretizar Objectivos Informar e sensibilizar para o tema clima e sua relação com a produção e gestão de resíduos Promover a adopção de boas práticas para redução de emissões de GEE associadas à gestão de resíduos, junto de stakeholders (externos e internos) Comunicar posicionamento e acção Lipor Benefícios Responsabilidade social : assumir um compromisso de sensibilização pública sobre um tema fulcral da agenda actual Cumprimento dos objectivos do Plano Estratégico Lipor Liderança sobre o tema no sector dos resíduos em Portugal - alinhamento com as melhores práticas internacionais Medidas Declaração de Compromisso Lipor Plano de comunicação Lipor 2M Conteúdos estruturados em Projectos específicos - para munícipes Projectos específicos para parceiros Metas Integração da 2M na estratégia de comunicação Lipor Mobilização de parceiros e cidadãos para a adopção de comportamentos de redução das emissões de carbono

32 Cidadão Instrumentos de compensação para anular emissões inevitáveis, privilegiando acções com elevado potencial de sensibilização pública. Compromisso de redução de emissões Lipor 2M: metas per capita

33 Atitude do Cidadão Impactos das diferentes atitudes na prossecução dos objectivos Lipor.

34 Acções já desenvolvidas

35 Acções já desenvolvidas

36 Sensibilização e Educação Ambiental - Promover Campanhas para a redução da utilização de Recursos Naturais e para a adequada Gestão dos Resíduos; - Promover Campanhas centradas na Conservação e protecção dos Ecossistemas; - Assegurar a Participação Activa e Construtiva da População, Empresas, ONG s e Entidades Estatais.

37 Combater as Alterações Climáticas significa redefinir os padrões de consumo energético actuais e repensar os processos produtivos, apostando no aumento dos níveis de reciclagem Um desafio para os governos e para as empresas mas especialmente para a Sociedade Civil.

38 Mais informações sobre o projecto

Qualidade Ambiental - Contexto LIPOR -

Qualidade Ambiental - Contexto LIPOR - Qualidade Ambiental - Contexto LIPOR - Inês Inácio LIPOR 27 de maio de 2016 LIPOR - Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto LIPOR sobre nós A LIPOR é uma Associação de Municípios

Leia mais

Mitigação Laboratório Nacional de Energia e Geologia, I.P. Ricardo Aguiar Unidade de Análise Energética e Alterações Climáticas http://siam.fc.ul.pt/siam-cascais lobal G Sociedade Economia Tecnologia Local

Leia mais

CGD RELATÓRIOS CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD Direção de Comunicação e Marca (DCM)

CGD RELATÓRIOS CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD Direção de Comunicação e Marca (DCM) 1 Relatório de Compensação de Emissões de GEE 2013 Direção de Comunicação e Marca (DCM) www.cgd.pt 2 Relatório de Compensação de Emissões de GEE - 2013 1.1 Introdução A criação do Programa de Baixo Carbono,

Leia mais

A recolha de 55 toneladas de óleos alimentares usados resultou na produção de litros de

A recolha de 55 toneladas de óleos alimentares usados resultou na produção de litros de Economia circular 1 Economia circular Em Portugal, entende-se por resíduo urbano, o resíduo proveniente de habitações, bem como outro resíduo que, pela sua natureza ou composição, seja semelhante ao resíduo

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos é o Banco que lidera o maior grupo financeiro Português. Presente em 23 países e 4 continentes, detém

Leia mais

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos

LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos SEMINÁRIO RESÍDUOS E SAÚDE LIPOR A Sustentabilidade na Gestão dos Resíduos Urbanos Susana Lopes Departamento Produção e Logística 29 de maio de 2013 1 Tópicos Sistema Integrado Gestão de Resíduos o caso

Leia mais

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR Ciclo de Seminários Técnicos T Eficiência na Gestão de Resíduos duos Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto População

Leia mais

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade

A Valorização de CDR s, uma Oportunidade A Valorização de CDR s, uma Oportunidade Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos EMAC Empresa de Ambiente de Cascais Estoril, 22 de Setembro de 2009 A LIPOR 8 Municípios Área - 648 km 2 População - 1

Leia mais

Reduzir a pegada carbónica à boleia da eficiência energética

Reduzir a pegada carbónica à boleia da eficiência energética Reduzir a pegada carbónica à boleia da eficiência energética 1 A estratégia 2M - menos resíduos, menos carbono, enquadra-se no compromisso da LIPOR com a sustentabilidade. Face ao objetivo de redução em

Leia mais

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia Resíduos do Nordeste, EIM 17.03.2010 Resíduos do Nordeste, EIM A actividade da empresa engloba a recolha e deposição de resíduos indiferenciados

Leia mais

SUSTENTABILIDADE -RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA CGD S.A. 2015

SUSTENTABILIDADE -RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA CGD S.A. 2015 SUSTENTABILIDADE NA CGD -RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA CGD S.A. 2015 2 SUSTENTABILIDADE NA CGD ÍNDICE 3 Compensação... 4 Metodologia... 6 Recálculo... 7 Créditos de

Leia mais

A indústria leiteira na economia de baixo carbono

A indústria leiteira na economia de baixo carbono A indústria leiteira na economia de baixo carbono Objetivo Apresentar ações orientadas para uma produção de baixo carbono no transporte e no processamento do leite Cadeia de produção >>> Emissão de GEE

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

Energias Renováveis:

Energias Renováveis: Energias Renováveis: o contributo da Investigação e Desenvolvimento. António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do

Leia mais

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social

No caminho da Sustentabilidade. Óbidos Carbono Social No caminho da Sustentabilidade Óbidos Carbono Social Objectivos Implementação de medidas que visam a redução das emissões de CO 2 Execução de soluções de sequestração de CO 2 no Concelho Projectos de Mitigação

Leia mais

Projecto. Produzir menos 100 kg/habitante/ano na Região do Porto. Seminário A Prevenção na Produção de Resíduos Lipor 06 Julho 2006

Projecto. Produzir menos 100 kg/habitante/ano na Região do Porto. Seminário A Prevenção na Produção de Resíduos Lipor 06 Julho 2006 Projecto Produzir menos 100 kg/habitante/ano na Região do Porto Seminário A Prevenção na Produção de Resíduos Lipor 06 Julho 2006 A produção de resíduos na Área Metropolitana do Porto tem vindo a aumentar

Leia mais

A Manutenção da Sustentabilidade Energética

A Manutenção da Sustentabilidade Energética A Manutenção da Sustentabilidade Energética Emanuel Sá AdEPorto 2006 O Município do Porto submeteu uma candidatura conjunta com Bordéus, Latina, Múrcia, Porto e Riga ao IEE para criar 5 agências de energias.

Leia mais

EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA

EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA As cidades cobrem menos de 1% da superfície terrestre, mas são desproporcionalmente responsáveis pelas alterações climáticas: actualmente, 50% da população mundial vive em cidades, consome 75% da energia

Leia mais

DTEA Transportes, Energia e Ambiente 1

DTEA Transportes, Energia e Ambiente  1 DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA Transportes, Energia e Ambiente http://dtea.ist.utl.pt 1 Veículos e

Leia mais

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação

ÍNDICE. Sistema de Certificação Energética. Revisão da Legislação. Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Edifícios Sustentáveis. A importância da legislação Congresso LiderA 2011 IST Lisboa, 25 e 26 de Maio de 2011 ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista sce@adene.pt ÍNDICE Sistema de Certificação Evolução

Leia mais

Paulo Rodrigues I

Paulo Rodrigues I Paulo Rodrigues I paulo.rodrigues@lipor.pt UNIVERSOLIPOR População 969.036 habitantes 10.3% da população de Portugal em 650 km 2 (0.8% do território nacional) Produção Anual de RSU (ano 2009) 505.665 toneladas

Leia mais

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA

Case study. Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA Case study 2010 Stakeholders internos MOBILIZAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL EMPRESA O grupo Águas de Portugal (AdP) actua nas áreas de abastecimento de água, saneamento de águas residuais e tratamento

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO FÓRUM AGENDA AMBIENTAL NA AGU AGU CARBONO NEUTRO Mayra Motta Advogada da União mayra.motta@agu.gov.br BRASILIA, DF-2012 AGU CARBONO NEUTRO APRESENTAÇÃO: Introdução. Nome e Descrição do Projeto Alinhamento

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Curso Internacional de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos Urbanos em Aterros Sanitários Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Fundação Estadual

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA)

Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Index (1990=100) Departamento de Alterações Climáticas (DCLIMA) Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas (NIR 2014 emissões 2012) Memorando sobre emissões de CO2e elaborado com base na submissão oficial

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

30 Anos com história

30 Anos com história 30 Anos com história janeiro: janeiro de 1985 Adesão do Município de Vila do Conde à Lipor fevereiro: março: fevereiro de 1999 Adesão do Município da Póvoa de Varzim à Lipor fevereiro de 2000 Início da

Leia mais

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição

População Aprox habitantes. Área Aprox. 650 Km 2. Obras Licenciadas 2007 Grande Porto Edificação Demolição População Aprox. 969.036 habitantes Área Aprox. 650 Km 2 Obras Licenciadas 2007 Grande Porto 2354 2189 Edificação 165 - Demolição Obras Concluídas2007 Grande Porto 1853 1794 Edificação 59 - Demolição Resíduos

Leia mais

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Cristina Santos 1 Enquadramento na EU 2 Disponibilidades 3 Estratégia nacional 1 Enquadramento Directiva 2001/77/CE relativa às energia renováveis

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

No caminho da Inovação

No caminho da Inovação 04/0/6 Apresentação 8 Municípios Área 648 km População 985.000 habitantes RU Rececionados (04) 499.7 t Capitação, kg/hab.dia 96. toneladas Coeq evitadas No caminho da Inovação Produção RU Área Geográfica

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Setor dos Resíduos: Importância Estratégica para Portugal 2020 17 de outubro de 2014 / Luís Marinheiro

Leia mais

Relatório de Compensação 2012 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO ATIVIDADE 2012 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS.

Relatório de Compensação 2012 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO ATIVIDADE 2012 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO ATIVIDADE 2012 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS www.cgd.pt 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD 2012 Enquadrado no Programa de Baixo Carbono, a CGD realiza a compensação das

Leia mais

Livro Verde sobre a eficiência energética

Livro Verde sobre a eficiência energética Livro Verde sobre a eficiência energética Fazer mais com menos Integrado na estratégia de Lisboa Paula Abreu Marques Comissão Europeia Direcção Geral da Energia e dos Transportes 1 Antecedentes: O Livro

Leia mais

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO?

VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? MEIO AMBIENTE MUDANÇA CLIMÁTICA VOCÊ SABE QUAIS SÃO AS MAIORES FONTES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO? Comparação das Emissões Totais e por Habitante de São Paulo, em GWP (t CO2 eq)

Leia mais

Cursos de Formação COTHN / SGS

Cursos de Formação COTHN / SGS ACÇÃO DE FORMAÇÃO Organização da emergência / Plano de emergência interno Permitir identificar situações de emergência e a elaborar um Plano de Emergência Interno. Curso Reconhecido pela ACT para Renovação

Leia mais

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios AGOSTO/2014 Aterro Sanitário: Aproveitamento do Biogás e Tratamento de Chorume. MAIO/2014 A CRVR tem como pilares

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

HPEM Higiene Pública, E.M. Objectivos e vantagens. Descrição do projecto

HPEM Higiene Pública, E.M. Objectivos e vantagens. Descrição do projecto HPEM Higiene Pública, E.M. Porquê? Objectivos e vantagens Descrição do projecto Resultados Metas HPEM Higiene Pública, E.M. Número de funcionários: 276 Frota: 53 viaturas pesadas Actividade: Recolha de

Leia mais

Estudo do uso de carvão vegetal de resíduos de biomassa no sistema de aquecimento dos fornos de produção do clínquer de cimento portland.

Estudo do uso de carvão vegetal de resíduos de biomassa no sistema de aquecimento dos fornos de produção do clínquer de cimento portland. Estudo do uso de carvão vegetal de resíduos de biomassa no sistema de aquecimento dos fornos de produção do clínquer de cimento portland. Aluno: Bruno Damacena de Souza Orientador: Francisco José Moura

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Rita Camata)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Rita Camata) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Rita Camata) Institui a Política Brasileira de Atenuação do Aquecimento Global e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política

Leia mais

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão:

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão: Inquérito O Plano de Ação para a Energia Sustentável do Concelho de Setúbal (PAESS) é um instrumento fundamental para assegurar o cumprimento, a nível local, do compromisso de atingir e ultrapassar o objetivo

Leia mais

Agenda. Braskem e Visão Função da ACV. GCV na Braskem. Perspectivas Futuras. Conclusões

Agenda. Braskem e Visão Função da ACV. GCV na Braskem. Perspectivas Futuras. Conclusões Agenda Braskem e Visão 2020 Função da ACV GCV na Braskem Perspectivas Futuras Conclusões Indústria Petroquímica Nafta Gás natural Integração Competitiva PE PP PVC 1ª Geração 2ª Geração Extração 3ª Geração

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

Política de Coesão da UE

Política de Coesão da UE da UE 2014 2020 Propostas da Comissão Europeia da União Europeia Estrutura da apresentação 1. Qual é o impacto da política de coesão da UE? 2. A que se devem as alterações propostas pela Comissão para

Leia mais

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009

Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 Que Serviços de Nova Geração para a Educação? Museu da Electricidade 8 de Julho de 2009 plano tecnológico da educação objectivo estratégico e metas objectivo estratégico colocar Portugal entre os cinco

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas

A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas A compostagem como estratégia de gestão de resíduos verdes e de resíduos hortícolas Esposende o concelho Distrito Braga N.º de freguesias - 15 Área - Cerca de 96 Km 2 População - Cerca de 34.000 hab. Orla

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DA SANEPAR - IGEES

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DA SANEPAR - IGEES RESUMO EXECUTIVO RE003_APDA_V01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DA SANEPAR - IGEES 2014 Agosto / 2015 Curitiba - PR INTRODUÇÃO De acordo com a política ambiental da Companhia de Saneamento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável no Varejo

Desenvolvimento Sustentável no Varejo Desenvolvimento Sustentável no Varejo Daniela de Fiori Outubro de 2006 Desenvolvimento Sustentável As três dimensões Objetivos Econômicos Crescimento Valor para acionistas Eficiência Inovação Objetivos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA UNIDADE DE GÉNERO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA UNIDADE DE GÉNERO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA UNIDADE DE GÉNERO PLANO ESTRATÉGICO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE DO GÉNERO DO SECTOR DA ENERGIA (2008-2013) VIII Conselho Coordenador Nampula, 17 de Agosto

Leia mais

Extensity Uma Abordagem Integrada. Contributo dos sistemas agro-florestais para o sequestro de carbono. Cobertura Geográfica e Temática

Extensity Uma Abordagem Integrada. Contributo dos sistemas agro-florestais para o sequestro de carbono. Cobertura Geográfica e Temática O Futuro da Agricultura, Floresta e Despovoamento da Região Nordeste 21 Casa da Cultura de Mogadouro, 9 de Maio de 2007 Contributo dos sistemas agro-florestais para o sequestro de carbono O projecto Extensity

Leia mais

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo

METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo METAS DO PERSU 2020: PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Nuno Lacasta Presidente do Conselho Diretivo 1. APA: FACTOS E NÚMEROS A APA foi criada em 2012, em resultado da fusão de 9 organismos distintos.

Leia mais

Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020

Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020 f Posição da APESB - Associação Portuguesa de Engenharia Sanitária e Ambiental sobre os Biorresíduos e a revisitação urgente do PERSU 2020 março de 2017 www.apesb.org/pt 1 Enquadramento O PERSU 2020, no

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Decreto-Lei Nº 71/2008, de 15 de Abril Maio 2010 1 Índice Caracterização do SGCIE Registos de Operadores Registos de Técnicos

Leia mais

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS \ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS Como Atingir a Eficiência Energética nas Empresas NPF 27 e 28 de Junho de 2006 \Sumário Introdução Política Energética para Portugal Energia

Leia mais

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações.

Evento EDIFÍCIOS BALANÇO. Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades. 22 Novembro Museu das Comunicações. Evento EDIFÍCIOS BALANÇO Rumo ao Impacte Nulo da Construção e Reabilitação nas Cidades PARTICIPE 22 Novembro 2011 Museu das Comunicações Lisboa ORGANIZAÇÃO UMA PUBLICAÇÃO APOIO APRESENTAÇÃO A conferência

Leia mais

Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva.

Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A NOSSA PERSPECTIVA COMUM Nós, Autoridades

Leia mais

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano:

A Pegada de Carbono do Vinho Alentejano: : Exemplo de valorização da sustentabilidade Colóquio A Sustentabilidade do setor vitivínicola: Que desafios? @ Lisboa Instituto da Vinha e do Vinho 31-01-2012 bcaldeira@consulai.com TEMAS A ABORDAR ENQUADRAMENTO

Leia mais

Valorização Energética de. Lamas de ETAR. nos Fornos de Cimento

Valorização Energética de. Lamas de ETAR. nos Fornos de Cimento Valorização Energética de Lamas de ETAR nos Fornos de Cimento APDA Seminário O Mercado das Lamas de ETAR e Entidades Gestoras - Novembro 2010 Lisboa CTEC 1 15-02-2011 Agenda Introdução Secagem de Lamas

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS

ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS ENERGIA LIMPA PARA TODOS OS EUROPEUS Green Business Week Lisboa, 15-17 março 2017 Paula Pinho Head of Unit Energy Policy Coordination European Commission DG ENERGY OPORTUNIDADE O SISTEMA ENERGÉTICO DO

Leia mais

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia

Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Apresentação do SGCIE Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia Sector Industrial Carlos Pimparel, DGEG Índice Enquadramento do SGCIE Objectivos e âmbito de aplicação do Sistema de Gestão Organização

Leia mais

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas

Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas Sustentabilidade GPA Thatiana Zukas O GPA em números - Eleito uma das 10 empresas mais admiradas do Brasil e vencedor no setor Varejo Supermercados em estudo da revista Carta Capital. - Listada no ranking

Leia mais

Certificação Energética em Portugal. Keep Cool in Zero Energy Buildings. LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010

Certificação Energética em Portugal. Keep Cool in Zero Energy Buildings. LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010 Certificação Energética em Portugal Revisão da Directiva Europeia e futuras implicações na regulamentação energética Keep Cool in Zero Energy Buildings LNEG, Alfragide, 17 Maio 2010 Sistema de Certificação

Leia mais

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima Edição nº 69 Outubro 215 submete suas INDCs à Convenção do Clima A vigésima Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 2) foi uma etapa essencial no processo negociador

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Debate Regional "Crescimento Sustentável: desafios e prioridades para a Região Oeste Portugal Apresentação da reflexão do subgrupo Crescimento Sustentável sobre

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS INTELIGENTES DE TRANSPORTES PARA A INCLUSÃO SOCIAL Rui D. Camolino Lisboa, 9 de Julho 2008 1 AGENDA Projecto MATISSE Conclusões do Projecto A Contribuição da Associação ITS

Leia mais

Jailson Bittencourt de Andrade Secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo, SP, 21 de Março de 2017

Jailson Bittencourt de Andrade Secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo, SP, 21 de Março de 2017 SEPED Secretaria de Mudança do e Segurança Hídrica Reflexos e Impactos para a Sociedade Estratégias e InstrumentosEconômicos Aplicados à Política de Mudança do no Brasil Jailson Bittencourt de Andrade

Leia mais

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil O acordo de mudanças climáticas: impactos na eficiência energética no Brasil Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil uma meta de redução absoluta de emissões aplicável

Leia mais

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa

Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa Plano Municipal de Gestão de Resíduos do Município de Lisboa [2015-2020] 4ª Comissão Ambiente e Qualidade de Vida Primeiro Plano Municipal de Resíduos na cidade de Lisboa O Caminho [Lisboa Limpa] Melhorar

Leia mais

LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas

LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas Auditório do LNEC, Lisboa, 25 de janeiro de 2017 Ana Daam DCLIMA/DMMC 25/01/2017 Pacote Clima-Energia 2020 2 Política Climática

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CULTURA E TURISMO INSTITUTO NACIONAL DO TURISMO TERMOS DE REFERÊNCIA Título da Posição: TECNICO DE PROMOÇÃO TURÍSTICA Duração: Local: Instituição: RENOVAÇÃO DEPENDENDO

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA ENERGÉTICO-AMBIENTAL PARA A CIDADE DE LISBOA. Livia Tirone Lisboa E-Nova Agência Municipal de Energia-Ambiente de Lisboa

UMA ESTRATÉGIA ENERGÉTICO-AMBIENTAL PARA A CIDADE DE LISBOA. Livia Tirone Lisboa E-Nova Agência Municipal de Energia-Ambiente de Lisboa UMA ESTRATÉGIA ENERGÉTICO-AMBIENTAL PARA A CIDADE DE LISBOA Livia Tirone Lisboa E-Nova Agência Municipal de Energia-Ambiente de Lisboa Lisboa, capital nacional, centro político, económico e cultural, é

Leia mais

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos João Torres EDP Distribuição Coimbra, 8 de Setembro de 2011

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

Plataforma para a Construção Sustentável rede para o cluster Habitat. Victor M. Ferreira Faro 10/07/2009

Plataforma para a Construção Sustentável rede para o cluster Habitat. Victor M. Ferreira Faro 10/07/2009 Plataforma para a Construção Sustentável rede para o cluster Habitat Victor M. Ferreira Faro 10/07/2009 Sumário A Plataforma e o Cluster Habitat Missão e Objectivos Parceiros/Associados? Contributo? Programa

Leia mais

Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável

Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável Lipor II- Valorização Energética de 1200 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos por dia, ao serviço do Desenvolvimento Sustentável Proprietário da Instalação: LIPOR (Serviço Intermunicipalizado de Gestão

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Decreto-Lei Nº 71/2008, de 15 de Abril 15 MAIO 2011 1 Índice Caracterização do SGCIE Registos de Operadores Registos de Técnicos

Leia mais

Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição ( ) Ponto de situação

Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição ( ) Ponto de situação Plano de Promoção de Desempenho Ambiental da EDP Distribuição (2009-2011) Ponto de situação 14 de Julho de 2009 Seminário ERSE Enquadramento 1. O PPDA 2009-2011 da EDP D é composto por 8 Medidas (100%

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida

Avaliação de Ciclo de Vida Avaliação de Ciclo de Vida Comitê de Meio Ambiente e Sustentabiliade SWISSCAM 3 de abril 2009 André Camargo Futuro para o meio ambiente Images: Araquém Alcântara Organização do Grupo ECOGEO Áreas de Atuação

Leia mais

O papel dos comportamentos na utilização racional de energia. Coimbra, 19 Novembro 2013

O papel dos comportamentos na utilização racional de energia. Coimbra, 19 Novembro 2013 O papel dos comportamentos na utilização racional de energia Coimbra, 19 Novembro 2013 AREAC Quem somos? O que fazemos? A AREAC... Diretora Técnica e Gestora de Projetos Técnica de SIG Equipa técnica -

Leia mais

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa

Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Energia a partir de resíduos provenientes de biomassa Isabel Cabrita & Ana Marta Paz Divisão de Estudos Investigação e Renováveis DIREÇÃO GERAL DE ENERGIA E GEOLOGIA Workshop oportunidades de valorização

Leia mais

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Emissões de Carbono e a análise de ciclo de vida de produto Programa Brasileiro GHG PROTOCOL Centro de Estudos em Sustentabilidade

Leia mais

SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria

SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria SGCIE enquanto ferramenta para a eficiência energética na indústria março de 2015 Entidade Supervisora: Gestão Operacional: João Paulo Calau ADENE Belém, 5 de março de 2015 SGCIE O Sistema de Gestão dos

Leia mais

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009

FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO. Lisboa, 20 de Junho de 2009 FUNAB FUNDO NACIONAL DO AMBIENTE DE MOÇAMBIQUE FONTES INTERNAS DE FINANCIAMENTO Lisboa, 20 de Junho de 2009 INTRODUÇÃO O FUNAB é uma pessoa colectiva, de direito público, com personalidade jurídica e dotado

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020)

PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020) PLANO NOVAS ENERGIAS (ENE 2020) 0 Metas da União Europeia para 2020 20% 20% 20% Peso das Renováveis no consumo de energia final Redução do consumo de energia final Redução de gases de efeito de estufa

Leia mais

Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Beja, Portugal, September 2013

Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Beja, Portugal, September 2013 Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Beja, Portugal, 11-13 September 2013 Marcos António Nogueira Rui Pedro Henriques Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Pacto dos Autarcas Europeus

Leia mais