ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA"

Transcrição

1 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional de área de Auditoria Interna nas empresas DME Participações (DME), DME Energética (DMEE) e DME Distribuição (DMED), doravante denominadas DME e suas subsidiárias. 2. ESCOPO GERAL DOS TRABALHOS O objeto contempla a estruturação, implantação (execução de auditoria conforme Plano de Auditoria) e acompanhamento pós-implantação de setor de Auditoria Interna, subordinada ao Conselho de Administração para realização de Auditorias Internas na Holding (DME Participações) e suas subsidiárias (DME Energética e DME Distribuição). 3. ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS Os serviços a serem realizados compreendem no mínimo as atividades descritas abaixo: 3.1. ESTRUTURAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA Na fase de estruturação da auditoria interna deverão ser desenvolvidas no mínimo as atividades relacionadas abaixo: Reunião Inicial de trabalhos com a Diretoria, Gestores e membros do Conselho da Administração e/ou outros que vierem a representá-la para explanação do projeto a ser executado na empresa, bem como alinhamento e definição do cronograma oficial de trabalhos Outras Reuniões: Sempre que necessário a contratada deverá realizar reuniões de apontamentos dos trabalhos com a Diretoria, Gestores, Auditores Internos, com intuito de apresentação do andamento dos trabalhos, bem como às necessidades de orientação sobre qualquer informação/atualização de assuntos no âmbito ou semelhantes com o objeto da contratação Elaboração do Regimento da Auditoria Interna: Deverá contemplar no mínimo, as seguintes seções: Edital de Tomada de Preços nº.004/2015 Página 1 de 5

2 Propósito da Auditoria Interna; Gestão de organização das atividades da Auditoria Interna; Conduta e orientação ética; Normas e procedimentos; Autoridade e responsabilidade; Confidencialidade; Independência; Escopo dos trabalhos; e Relatórios Definição e elaboração dos modelos/ferramentas para documentação dos trabalhos da Auditoria Interna, considerando entre outros, fluxogramas, matriz de riscos e controles internos, ferramentas para análise de dados e acompanhamento dos planos de ação originados dos trabalhos da auditoria interna e/ou externa, etc Definição e elaboração dos modelos de relatórios/report s para o Conselho de Administração, Alta Administração e Gestores das áreas, bem como a periodicidade e canais para comunicação e apresentação dos resultados obtidos nos trabalhos de Auditoria Interna Definição dos critérios para classificação e priorização dos riscos identificados, considerando o impacto de perda financeira x probabilidade de ocorrência/materialização do risco Elaboração e mapeamento da matriz de riscos e controles (operacionais, financeiro), contemplando dentre outras informações, descrição do risco, atividade de controle (resposta da administração em relação ao risco), periodicidade do controle, classificação de impacto do risco (alto/médio/baixo) e classificação de probabilidade de ocorrência do risco, matriz de relacionamento de Riscos Corporativos x Processos Definição dos protolocos de comunicação para todas as fases da auditoria Levantamento e definição de Indicadores de performance (financeiros, qualitativos e de tempo) para monitorar a atuação da função de auditoria interna da DME e suas subsidiárias. Edital de Tomada de Preços nº.004/2015 Página 2 de 5

3 Elaboração do Plano Anual de Auditoria Interna, com base nos riscos obtidos no diagnóstico realizado com conselho de administração, Alta Administração, demais gestores responsáveis pelos processos da empresa, critérios quantitativos (ex.: mapeamento das demonstrações financeiras), problemas com histórico de ocorrência e/ou identificados pela Auditoria Externa, histórico de fraudes, etc. O Plano Anual de Auditoria Interna contemplará dentre outros, as seguintes seções: Diretrizes: descrição das diretrizes, papel da Auditoria Interna, trabalhos a serem realizados, foco da Auditoria Interna, abordagem metodológica, critérios para classificação e materialização dos riscos, e etc. Planejamento da Auditoria Interna: entendimento do negócio, suas particularidades e quais riscos a DME e suas subsidiárias deve mitigar para garantir seu sucesso estratégico, operacional e financeiro; Trabalho de campo: entendimento das áreas sob análise e na definição da abordagem, considerando, dentre outros procedimentos de auditoria interna, testes de controles, teste de detalhes ou testes com técnicas de auditoria computadorizada; Relatórios: padrões, periodicidade, modelos de formalização e canais para comunicação e apresentação dos resultados obtidos nos trabalhos realizados; Qualidade: definir os meios e a forma de avaliação da efetividade e qualidade dos trabalhos da Auditoria Interna; Detalhamento do Plano Anual de Auditoria Interna: principais objetivos de auditoria interna, considerando os riscos mapeados, estrutura de negócio da DME e suas subsidiárias, e processos de negócio relevantes; Cronograma dos trabalhos e detalhamento das horas; Modelos de Relatórios: relatório detalhado e sumário executivo por processo de negócio, relatório de status do Plano Anual de Auditoria Interna e questionário de avaliação da auditoria interna. NOTA: Todas as seções poderão ser revisadas/alteradas conforme as necessidades de estruturação da auditoria interna na DME e suas subsidiárias Execução da Auditoria Interna Após a conclusão da etapa 1 (item 3.1) Estruturação da área de Auditoria Interna, e com base no Plano Anual de Auditoria Interna, a Alta Administração em conjunto com a Contratada e o Grupo de Auditores Internos, irão definir alguns processos prioritários e relevantes para Edital de Tomada de Preços nº.004/2015 Página 3 de 5

4 serem auditados/mapeados nessa fase, sendo no mínimo 3 (três), contemplando os itens abaixo, mas sem a eles se limitar: Mapeamento dos processos, através de entrevistas com as áreas envolvidas e desenvolvimento de fluxogramas, elaboração de matriz de riscos e Controles Internos, procedimentos e outros documentos pertinentes ao processo. Elaboração de procedimentos e execução de teste com base em amostragem para avaliar a efetividade dos controles internos, identificando e propondo as oportunidades de melhorias. Elaboração de relatório do mapeamento de processos desenvolvidos, considerando as oportunidades de melhorias, recomendações e etc. Elaboração do Relatório de Auditoria Interna realizada conforme modelo definido na primeira etapa. Apoio aos gestores das áreas na definição dos planos de ações para implementação das recomendações sugeridas Acompanhamento pós-implantação da Auditoria Interna Após o término de implantação e execução dos processos de auditoria interna, a contratada deverá apoiar a Equipe Auditora da DME e suas subsidiárias nas seguintes atividades: Acompanhamento das implementações das recomendações de melhoria dos relatórios de auditoria independente e interna; Quando necessário, revisar o mapeamento de riscos, base para o Plano de Auditoria Interna; Revisitar o monitoramento de indicadores de riscos prioritários para Auditoria Interna. Emitir relatórios sobre o andamento dos trabalhos realizados e fazer apontamentos de críticas, sugestões de melhorias, contribuindo para o desenvolvimento das atividades de auditoria e desempenho dos auditores internos. Esse acompanhamento deverá ser realizado pelo período de 12 (doze) meses, com visitas trimestrais de 3 (três) dias cada, perfazendo o total de 12 (doze) dias de visitas, ou conforme cronograma definido entre as empresas para um melhor aproveitamento do monitoramento. 4. ESTRUTURA DA AUDITORIA INTERNA A Auditoria será estruturada de modo que responderá organizacionalmente ao Conselho de Edital de Tomada de Preços nº.004/2015 Página 4 de 5

5 Administração da DME e suas subsidiárias. As empresas com a descrição Empresa a ser criada não fará parte do escopo dos trabalhos a serem desenvolvidos ORGANOGRAMA GERAL DA DME E SUAS SUBSIDIÁRIAS ORGANOGRAMA DME **AUDITORIA INTERNA ESTRUTURA A SER CRIADA 5. Qualificação Técnica e Profissional As exigências de qualificações técnicas e profissionais estão relacionadas no edital e anexos, II e III do edital. 6. Localização das Áreas para realização da prestação de serviços A consultoria será realizada na sede da empresa, na área central e demais setores externos à sede. O deslocamento do(s) consultor (es) para outras áreas externas é de responsabilidade da DME. Endereço da sede Rua Amazonas, 65 Centro CEP Poços de Caldas MG. Edital de Tomada de Preços nº.004/2015 Página 5 de 5

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA

OBJETIVO PÚBLICO-ALVO PROGRAMA Curso de Auditoria Interna, Controle Interno e Gestão de Riscos carga-horária: 16 horas OBJETIVO Fornecer aos participantes o conhecimento básico e bases técnicas e práticas fundamentais para que possam

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

ANEXO X EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 003/2016 PREÇO ORIENTATIVO

ANEXO X EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 003/2016 PREÇO ORIENTATIVO PREÇO ORIENTATIVO O valor global estimado para contratação de serviços regulares e especiais de Auditoria Independente, para emissão de parecer sobre as demonstrações contábeis das empresas DME Distribuição

Leia mais

Conteúdo Programático Completo

Conteúdo Programático Completo Conteúdo Programático Completo 1. PAPÉIS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DA AUDITORIA INTERNA 1.1 Gestão de Mudanças 1.1.1 Visão Geral 1.1.2 Habilidades Interpessoais 1.1.3 Tipos de Mudança 1.1.4 Resistência

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS... 4 6 PRERROGATIVAS... 4 7 DIRETRIZES... 5 8 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

guia do Conselho fiscal da CPfL energia

guia do Conselho fiscal da CPfL energia guia do Conselho fiscal da CPfL energia 1 Sumário I Objetivo 3 II Atividades e Responsabilidades 4 a. Principais atividades e responsabilidades do Conselho Fiscal no papel de Comitê de Auditoria 4 b. Relacionamento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL A Um Investimentos S/A CTVM atendendo às disposições da Resolução CMN 3.380/06 demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco

Leia mais

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas 17 de novembro de 2016 Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas Agenda Nossa missão Estrutura Processo Orçamentário Orçamento Matricial Despesas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

Norma 2110 Governança

Norma 2110 Governança Norma 2110 Governança A atividade de auditoria interna deve avaliar e propor recomendações apropriadas para a melhoria do processo de governança no seu cumprimento dos seguintes objetivos: Promover a ética

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

CURSO BÁSICO [156 HORAS]

CURSO BÁSICO [156 HORAS] FGV/CLEAR ForMA O objetivo do ForMA, Curso Básico de Formação em Monitoramento e Avaliação, é proporcionar ao aluno um contato abrangente com todas as etapas inerentes a processos de avaliação de programas

Leia mais

da Informação do BB está publicada no sítio: bb.com.br/psi.

da Informação do BB está publicada no sítio: bb.com.br/psi. 1. Qual é a quantidade de controles internos relacionados à segurança da informação em TI? RESPOSTA: Não é possível precisar a quantidade devido à magnitude do conglomerado. A Estrutura normativa do BB

Leia mais

Conteúdo Programático Completo

Conteúdo Programático Completo Conteúdo Programático Completo 1. ORIENTAÇÕES MANDATÓRIAS 1.1 Padrões Aplicáveis 1.1.1 Orientações Mandatórias 1.1.2 Orientações Fortemente Recomendadas 1.1.3 Representação Gráfica da Hierarquia das Normas

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Base: Setembro/2015 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DEFINIÇÃO O BMB entende que uma gestão apropriada do risco operacional é importante,

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2015

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2015 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2015 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

At. Sra. Silmara. Conforme solicitação, encaminhamos a Proposta Técnica Comercial 0703/16 para a implantação e implementação da NBR ISO 9001:2015.

At. Sra. Silmara. Conforme solicitação, encaminhamos a Proposta Técnica Comercial 0703/16 para a implantação e implementação da NBR ISO 9001:2015. São Paulo, 11 de agosto de 2016. À Farma Flora Naturais Rua Havana 41 D Mauá - SP At. Sra. Silmara Conforme solicitação, encaminhamos a Proposta Técnica Comercial 0703/16 para a implantação e implementação

Leia mais

Diagnóstico e Gestão de TI; Modernização da Gestão de Pessoas; Desenvolvimento, Integração e Gerenciamento de Projetos de TI;

Diagnóstico e Gestão de TI; Modernização da Gestão de Pessoas; Desenvolvimento, Integração e Gerenciamento de Projetos de TI; Fundada em fevereiro de 2001, a ProBid é uma empresa formada por colaboradores com vasta experiência de mercado, especializada em Tecnologia da Informação, com foco estratégico no Setor Público e que utiliza

Leia mais

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior.

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. PLANO GERAL DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO Com a entrada em vigor da Lei 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

Estilo de Trabalho. Cada etapa é embasada, assegurando ao cliente maior assertividade e velocidade nos resultados.

Estilo de Trabalho. Cada etapa é embasada, assegurando ao cliente maior assertividade e velocidade nos resultados. 06/03/2017 Estilo de Trabalho A Libbra Consultoria apoia seus clientes a obterem resultados superiores em seus mercados a partir de uma metodologia exclusiva, baseada em pesquisa, inteligência, gestão

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO DE 2016 Sumário POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 3 1 Objetivo... 3 2 Abrangência... 3 3 Princípios Norteadores... 3 4 Diretrizes... 4 5 Responsabilidades... 4 6 Endereço

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO DA CDP 1. OBJETIVO A Gestão de Risco da CDP visando dar segurança e consistência aos processos da Companhia, bem como levantar informações a fim de auxiliar a Alta Direção da

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

BPM como subsídio à Gestão Estratégica Escritório de Gestão de Processos e Projetos Estratégicos. Secretaria Executiva/MEC

BPM como subsídio à Gestão Estratégica Escritório de Gestão de Processos e Projetos Estratégicos. Secretaria Executiva/MEC BPM como subsídio à Gestão Estratégica Escritório de Gestão de Processos e Projetos Estratégicos Secretaria Executiva/MEC Histórico do Escritório de Processos Mapeamento de Sistemas na Diretoria de TI

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada Hospital de Clínicas da UFTM Macroproblema 1: falta de gestão adequada 2016 MP1. Falta de gestão adequada NC1. Falta de um projeto de comunicação interna NC2. Falta de fluxos e rotinas administrativas

Leia mais

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO PROF. ÉRICO VALVERDE Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO 1 Regimento Interno CAPITULO IV DO CONTRATO DE ADESÃO COM

Leia mais

Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará. Planejamento Estratégico Plano de Gestão de Riscos

Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará. Planejamento Estratégico Plano de Gestão de Riscos Poder Judiciário Federal Justiça Eleitoral do Ceará Planejamento Estratégico 2015-2020 Plano de Gestão de Riscos Versão 1.0 Aprovado pelo COE na 7ª RAE, 27/08/2015 Justiça Eleitoral do Ceará Plano de Gestão

Leia mais

Podemos definir o risco como a condição que aumenta ou diminui o potencial de perdas.

Podemos definir o risco como a condição que aumenta ou diminui o potencial de perdas. O que é Risco? Podemos definir o risco como a condição que aumenta ou diminui o potencial de perdas. Esta condição deve ser incerta, fortuita e de conseqüências negativas ou danosas. O risco então é uma

Leia mais

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016

Governança e Gestão das Aquisições. Encontro com fornecedores dos Correios. Brasília Junho/2016 Governança e Gestão das Aquisições Encontro com fornecedores dos Correios Brasília Junho/2016 Agenda Importância do tema para o TCU Criticidade das aquisições O porquê da Governança Governança x Gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44 TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE APOIO PEDAGÓGICO - 44 N.º e Título do Projeto: Projeto OEI/BRA 09/002, Desenvolvimento de Processos Gerenciais e Operacionais no Ministério

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014 Governo do Estado do Amazonas Equipe Técnica COORDENAÇÃO Marcelo Lima Filho Rodrigo Camelo de Oliveira Ronney César Peixoto ELABORAÇÃO Bernardo Monteiro de Paula Elaine

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Público Alvo... 2 III - Responsabilidades dos Envolvidos... 2 3.1. Responsabilidades da Administração... 2 3.2. Responsabilidades

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO GESTÃO DE RISCOS E PRE

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO GESTÃO DE RISCOS E PRE POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO GESTÃO DE RISCOS E PRE Política de Divulgação Atendimento Circular Bacen nº 3.477/09 - Rev 02 Página 1 I. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial em cumprimento e em aderência aos regulamentos

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO PRINCÍPIOS ISO 9001:2015 1. Foco no cliente 2. Liderança 3. Engajamento das pessoas 4. Abordagem de processo 5. Melhoria

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco operacional apresentada

Leia mais

A Grow RH. êxito, qualidade e agilidade, garantindo a

A Grow RH. êxito, qualidade e agilidade, garantindo a A Grow RH Oriunda de um dos maiores grupos de RH do Brasil, a Grow RH atua há 13 anos na área de consultoria em Recursos Humanos. Temos como clientes empresas e profissionais de diversos segmentos e portes,

Leia mais

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira

Seminário Nacional NTU Lei Anticorrupção e Programa de Compliance. Lélis Marcos Teixeira Seminário Nacional NTU - 2014 Lei Anticorrupção e Programa de Compliance Lélis Marcos Teixeira 28/agosto/2014 Iniciativas FETRANSPOR Lei 12.846/2013 Agenda Abertura Histórico Iniciativas Dúvidas Encerramento

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Gestão de Projetos. ENVIRONMENT & SUSTAINABILITY Marine Energy Business Assurance Transport & Infrastructures IFIs, Banks and Investors INNOVATION

Gestão de Projetos. ENVIRONMENT & SUSTAINABILITY Marine Energy Business Assurance Transport & Infrastructures IFIs, Banks and Investors INNOVATION Gestão de Projetos ENVIRONMENT & SUSTAINABILITY Marine Energy Business Assurance Transport & Infrastructures IFIs, Banks and Investors INNOVATION PERFIL DA EMPRESA RINA SERVICES S.p.A. é a empresa do RINA

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Guia PMBOK

GESTÃO DE PROJETOS. Guia PMBOK Guia PMBOK - O guia PMBOK nada mais é que um conjunto de práticas na gestão de projetos organizado pelo instituto PMI e é considerado a base do conhecimento sobre gestão de projetos por profissionais da

Leia mais

Política de Gestão de Riscos AES Brasil

Política de Gestão de Riscos AES Brasil Política de Gestão de Riscos AES Brasil 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes gerais para a Gestão de Riscos do Grupo AES no Brasil, visando conceituar e documentar os princípios de Gestão de Riscos e atividades

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 2. Leia-se: A documentação relativa à qualificação técnica do LICITANTE limitar-se-á à comprovação de

SUPLEMENTO Nº 2. Leia-se: A documentação relativa à qualificação técnica do LICITANTE limitar-se-á à comprovação de CO.GCM.A.00006.2016 1/6 SUPLEMENTO Nº 2 FURNAS Centrais Elétricas S.A. torna públicas as seguintes alterações no edital referente ao processo licitatório CO.GCM.A.00006.2016: Alteração 1) 1.1) SEÇÃO II

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 2. JUSTIFICATIVA

TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 2. JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO O objeto deste Termo de Referência é a contratação de serviços de consultoria especializada para a implantação de processos de modernização do atendimento presencial ao cidadão,

Leia mais

sigec Sistemática de Gestão de Contratos

sigec Sistemática de Gestão de Contratos sigec Sistemática de Gestão de Contratos O Produto Nascida em um trabalho em parceria com a, SIGEC é uma sistemática de gestão de terceiros e contratos que envolve: Processo Pessoas Ferramenta Tem por

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Escritório de Gestão de Processos - ANVISA Escritório de Gestão de Processos III Congresso Paraibano da Qualidade IV Seminário em Busca da Excelência João Pessoa - PB 25/08/2010 Cenário Desejado Cumprimento efetivo de sua missão Agência

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM ESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL - 33

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM ESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL - 33 TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) PARA CONSULTOR EM ESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL - 33 N.º e Título do Projeto: Projeto OEI/BRA 09/002, Desenvolvimento de Processos Gerenciais e Operacionais no Ministério do Esporte

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Princípios da Gestão Ambiental 1 Prioridade corporativa 9 - Pesquisa 2 Gestão Integrada

Leia mais

Melhores Práticas de Governança Corporativa

Melhores Práticas de Governança Corporativa Melhores Práticas de Governança Corporativa 27.11.2014 Melhores Práticas de Governança Corporativa A. Propriedade B. Conselho de Administração C. Gestão D. Auditoria Independente E. Conselho Fiscal F.

Leia mais

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias

Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias 14/06/2013 Desafios na Implementação de um Canal de Denúncias Luiz Umberto Modenese Diretor de Auditoria Cielo Canal de Denúncias - conceituação Processo para gestão de riscos corporativos Recebe informações

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

No dicionário: Local bem determinado a que se aposta atingir; Objetivo; Limite ou abrangência de uma operação.

No dicionário: Local bem determinado a que se aposta atingir; Objetivo; Limite ou abrangência de uma operação. Aula 06 1 2 No dicionário: Local bem determinado a que se aposta atingir; Objetivo; Limite ou abrangência de uma operação. No contexto projeto, escopo pode se referir a: Escopo do produto: as características

Leia mais

Riscos e Controles Internos

Riscos e Controles Internos Riscos e Controles Internos Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Estrutura de gerenciamento do risco operacional 4 4. Agentes da Estrutura de GRO

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA Nº 04 ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº141 DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Introdução: Até 2011, a forma de prestar contas sobre as ações, recursos

Leia mais

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Brasília DF OBJETIVO Promover a cultura da excelência, a melhoria da gestão e o compartilhamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MODELO DE GESTÃO Estratégia de Governança Digital 1. OBJETIVO

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

Planejamento dos Riscos

Planejamento dos Riscos UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Planejamento dos Riscos Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Limites do Projeto

Leia mais

Nossas soluções para o setor sucroenergético

Nossas soluções para o setor sucroenergético www.pwc.com.br Nossas soluções para o setor sucroenergético Centro PwC Brasil de Excelênca em Agribusiness Serviços PwC para o setor sucroenergético Agrícola Gestão de fornecedores de cana Revisão da estrutura

Leia mais

05/05/2017. AUDITORIA INTERNA Definição e Objetivos Auditoria Interna x auditoria Externa SUMÁRIO AUDITORIA INTERNA X AUDITORIA EXTERNA

05/05/2017. AUDITORIA INTERNA Definição e Objetivos Auditoria Interna x auditoria Externa SUMÁRIO AUDITORIA INTERNA X AUDITORIA EXTERNA SUMÁRIO AUDITORIA INTERNA Definição e Objetivos Auditoria Interna x auditoria Externa Grupo 6 Nº USP Brenda Rangel 8925701 Diego Carrascosa 8925823 Gelson Marinho Bascuñan 4885120 Lucas Pereira 8925890

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR POR PRODUTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR POR PRODUTOS Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR POR PRODUTOS OEI/BRA 09/005 - Desenvolvimento da Gestão Estratégica do

Leia mais

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras Política de Regulação das Empresas Eletrobras Versão 1.0 08/12/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 5. Responsabilidades... 5 6. Disposições Gerais...

Leia mais

Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10

Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10 Asseguração de Basiléia e Auditoria com Foco em Riscos ABBC JUN 10 AGENDA Objetivo da Auditoria Interna Tendências em Auditoria Interna O papel da AI no processo de asseguração Principais Desafios Auditoria

Leia mais

Auditoria - Atividade independente de avaliação e de consultoria para adicionar valor e melhorar as operações da Unimed-BH.

Auditoria - Atividade independente de avaliação e de consultoria para adicionar valor e melhorar as operações da Unimed-BH. PL.GES.CGC_.009 1 DE 7 1. OBJETIVO Definir o papel, as responsabilidades e os princípios das áreas para implantação de ambiente adequado de Controles Internos na Unimed-BH e regulamentar as atividades

Leia mais

Modeloo de Estatuto do Comitê de Auditoria

Modeloo de Estatuto do Comitê de Auditoria Modeloo de Estatuto do Comitê de Auditoria PROPÓSITO Auxiliar o conselho de administração a cumprir com suas responsabilidades de supervisão do processo de reporte financeiro, do sistema de controle interno,

Leia mais

Para o turista chegar e querer voltar, o empresário tem que querer melhorar. MEDE - Turismo: inovação e competitividade com foco em resultados.

Para o turista chegar e querer voltar, o empresário tem que querer melhorar. MEDE - Turismo: inovação e competitividade com foco em resultados. Para o turista chegar e querer voltar, o empresário tem que querer melhorar. MEDE - Turismo: inovação e competitividade com foco em resultados. O MEDE é um plano de atendimento especializado do SEBRAE

Leia mais

Diretoria de Tecnologia da Informação. Manual Gestão de Processos

Diretoria de Tecnologia da Informação. Manual Gestão de Processos Diretoria de Tecnologia da Informação Manual Gestão de Processos Juazeiro do Norte, Setembro de 2017 Sumário Sumário 2 Apresentação 3 Definições 3 Papéis 4 Artefatos 4 O Processo de Gestão dos Processos

Leia mais

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade.

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade. 26. POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 26.1 Introdução Nossa visão é ser uma referência em performance sustentável e em satisfação dos associados. Para nós, performance sustentável

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

Apresentação do representante Técnico

Apresentação do representante Técnico Apresentação do representante Técnico Alfredo Fonseca Bacharel em Administração de Empresas Pós Graduado em Gestão Estratégica e Gestão da Segurança no Trabalho Auditor ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001

Leia mais

Risk University.

Risk University. Risk University www.kpmg.com.br Risk University Quem somos Programa de capacitação executiva modelado para fornecer aos profissionais de áreas como riscos, auditoria, controles e compliance uma plataforma

Leia mais

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº )

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº ) Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 13.2010) REALIZAÇÃO DE OFICINAS TÉCNICAS PARA VALIDAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADES DA SOCIEDADE CIVIL E ELABORAÇÃO

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA Qualificação Prévia

1 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA Qualificação Prévia EDITAL DE CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE MODELOS DE ESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA QUE CONTEMPLEM SOLUÇÕES PARA O FINANCIAMENTO DE INVESTIMENTOS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EM INFRA-ESTRUTURA LOCAL OU

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 3.988/11 do Conselho Monetário Nacional, definiu o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: I

Leia mais

Cursos / Treinamentos

Cursos / Treinamentos Cursos / Treinamentos Carga Horária 1 Estatística Básica em Todos os Níveis. 16 Horas 2 Estatística Avançada. 60 Horas 3 Formação de Auditores Internos da Qualidade. 32 Horas 4 Controle Estatístico de

Leia mais

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS

REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS REGULAMENTO INTERNO DA AUDITORIA DA ELETROBRAS Sumário Capítulo I - Da Finalidade... 3 Capítulo II - Das Competências da Auditoria da Eletrobras... 3 Capítulo III - Da Organização da Auditoria da Eletrobras...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Prof. Glauco Carvalho

GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Prof. Glauco Carvalho GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Glauco Carvalho 1. Gerência da integração do Projeto Processos: Possui 6 processos: Gerenciamento da integração do Projeto 1. Desenvolvimento do Termo de Abertura 2. Desenvolvimento

Leia mais

Projeto qualidade e agilidade dos TCs

Projeto qualidade e agilidade dos TCs Projeto qualidade e agilidade dos TCs 1 Antecedentes e histórico 2 SAI-PMF 3 MMD-TC 4 Principais características 5 Abordagens 6 Escopo e abrangência 7 Aplicação do MMD-TC (Resolução Atricon 01/15) 8 Cronograma

Leia mais

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12

Risco de Liquidez. Um Investimentos S/A CTVM. Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14. Resolução nº 4090/12 Risco de Liquidez Resolução nº 4090/12 Fev/2010 Atualização Set/ 13 Atualização Fev/14 Um Investimentos S/A CTVM Objetivo Estabelecer as diretrizes para o gerenciamento dos riscos de liquidez a assegurar

Leia mais

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017

RIV-02 Data da publicação: 02/jun/2017 Resumo Descreve os componentes do SCI Sistema de Controles Internos da Riviera Investimentos e estabelece as responsabilidades e procedimentos para a sua gestão. Sumário 1. Objetivo...2 2. Público-alvo...2

Leia mais