Different Partners, Different Patterns: Trade and Labour Market Dynamics in Brazil Post-Liberalization

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Different Partners, Different Patterns: Trade and Labour Market Dynamics in Brazil Post-Liberalization"

Transcrição

1 International Collaborative Initiative for Trade and Employment (ICITE) ICITE REGIONAL CONFERENCE Latin American and Caribbean Labor Markets and the Global Economy Session 2: Brazil Case Study Different Partners, Different Patterns: Trade and Labour Market Dynamics in Brazil Post-Liberalization David Kupfer, Marta Castilho, Esther Dweck, Marcelo Nicoll and Daniela Carbinato Industry and Competitiveness Research Group Institute of Economics, Federal University of Rio de Janeiro SANTIAGO, CHILE June, 2011

2 Changes in the Competitive Regime

3 Brazil: Rapid Tariff Liberalization in the 1990s alíquota (%) p.p Média Mediana Graph extracted from Castilho, M., Estrutura de Proteção Efetiva no Brasil. Projeto PIB,

4 Brazil: Rapid Tariff Liberalization in the 1990s Graph extracted from Kovak, B., Regional Labor Markets Effects of Trade Policy, 2010

5 Brazil: Rapid Tariff Liberalization in the 1990s Graph extracted from Kovak, B., Regional Labor Markets Effects of Trade Policy, 2010

6 Brazil: Nominal and Effective Tariff in ,0 150,0 em % 100,0 50,0 Avg Tarifa Nominal nominal Tariff média ,0-50,0 Agricultura, silvicultura, exploração Pecuária e pesca Petróleo e gás natural Minério de ferro Outros da indústria extrativa Alimentos e bebidas Produtos do fumo Têxteis Artigos do vestuário e acessórios Artefatos de couro e calçados Produtos de madeira - exclusive móveis Celulose e produtos de papel Jornais, revistas, discos Refino de petróleo e coque Álcool Produtos químicos Fabricação de resina e elastômeros Produtos farmacêuticos Defensivos agrícolas Perfumaria, higiene e limpeza Tintas, vernizes, esmaltes e lacas Produtos e preparados químicos diversos Artigos de borracha e plástico Cimento Outros produtos de minerais não-metálicos Fabricação de aço e derivados Metalurgia de metais não-ferrosos Produtos de metal - exclusive máquinas e Máquinas e equipamentos, inclusive Eletrodomésticos Máquinas para escritório e equipamentos de Máquinas, aparelhos e materiais elétricos Material eletrônico e equipamentos de Aparelhos/instrumentos médico-hospitalar, Automóveis, camionetas e utilitários Caminhões e ônibus Peças e acessórios para veículos Outros equipamentos de transporte Móveis e produtos das indústrias diversas Tarifa Effective Efetiva 2005 Tariff 2005

7 Exchange Rate 4,5 Nominal Exchange Rate $/USD: 1995/1-2010/10 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0, Source: FRED (Federal Reserve Economic Data) BRZ CHN/10 JPN/100 EUR

8 Changes in the Trade Pattern

9 Brazilian Export and Import to GDP Ratio: 2000 A ,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0, Export/GDP (%) Imports/GDP (%)

10 Brazilian Trade Share in World Exports and Imports: 2000 to ,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0, Share in World Exports (%) Share in World Imports (%)

11 China Mercosul UE EUA Resto do Mundo Fonte: SECEX, IBGE (Contas Nacionais).

12 Basic x Industrial Products in Brazilian Exports: 2000 x 2010 Mercosur Mercosur ALADI USA EU Japan China Total ALADI USA EU Japan China Total 0% 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Basic pdt Industrial pdt Basic pdt Industrial pdt Fonte: SECEX, IBGE (Contas Nacionais).

13 Brazilian International Trade: 1989 a , , , , , , , , Exports Imports Trade Flow Trade Balance Fonte: SECEX, GIC-IE/UFRJ 13

14 Brazilian International Trade Patterns: 1989 a ,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0, ,0-40,0 Agrocommodities CA CI IN IT Mineral commodities More Innovative industries Traditional industries -60,0 Fonte: SECEX, GIC-IE/UFRJ Exportação Importação Corrente Saldo 14

15 , , , , ,00 Brazilian International Trade Patterns: 1989 a , , ,00 140, ,0 Exports Imports Trade Flow Trade Balance 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0, ,0-40,0 Agrocommodities CA CI IN IT Mineral commodities More Innovative industries Traditional industries -60,0 Fonte: SECEX, GIC-IE/UFRJ Exportação Importação Corrente Saldo 15

16 Change in Employment Pattern

17 160,0 150,0 140,0 130,0 120,0 110,0 100,0 90,0 80,0 70,0 Ultra Protection, High Inflation and Stagnation Openess Tariff Reduction Pre-Liberalization Organizational Change Industrial Output and Employment Index (1985=100 to 2010) ULTRA- Openess Monetary Stabilization with overvalued exchange rate Imports of Embodied Technology Floating Exchange Regime Phase I Macro and Micro Adjustment Floating Exchange Regime Phase II Income Transfer Policies Rapid Growth of Trade World Financial Crisis and Recovery 60,0 50, Employment Output Source: GIC-IE/UFRJ from IBGE data

18 Employment Change: 2001 to 2007 Activities KLEMS Jobs Change Number % AGRICULTURA, CACERÍA Y SILVICULTURA ,2% PESCA ,4% MINERIA Y EXTRACCION PARA LA PRODUCCION DE EN ,7% MINERIA Y EXTRACCION EXCEPTO PARA LA PRODUCCI ,2% ALIMENTOS, BEBIDAS Y TABACO ,2% TEXTILES Y TEXTIL ,6% CUERO, ZAPATOS DE CUERO ,1% MADERA Y DE MADERA, CORCHO ,6% PULPA, PAPEL, PRODUCTOS DE PAPEL, IMPRESIONES Y ,9% QUMICOS, CAUCHO Y PLASTICOS ,5% OTROS MINERALES NO METÁLICOS ,3% METALES BÁSICOS Y PRODUCTOS FABRICADOS DE ME ,2% OTRAS MAQUINARIAS ,3% EQUIPOS ELÉCTRICOS Y ÓPTICOS ,8% EQUIPOS DE TRANSPORTE ,1% OTRAS MANUFACTURAS, RECICLAJE ,0% OFERTA DE ELECRICIDAD ,6% OFERTA DE GAS Y OFERTA DE AGUA ,5% CONSTRUCCION ,0% VENTAS DEL COMERCIO AL POR MAYOR ,3% HOTELES Y RESTAURANTS ,0% TRANSPORTE Y ALMACENAMIENTO ,5% CORRESPONDENCIA Y TELECOMUNICACIONES ,3% INTERMEDIACIÓN FINANCIERA ,2% BIENES RAICES, RENTA Y ACTIVIDADES DE NEGOCIOS ,1% ADMINISTRACIÓN PÚBLICA Y DEFENSA; SEGURIDAD S ,5% EDUCACIÓN ,7% SALUD Y TRABAJO SOCIAL ,8% HOGARES PRIVADOS CON PERSONAS EMPLEADAS ,5% Total ,1%

19 Labor content of production by activities KLEMS: direct employment to R$ 1 million output ratio, by skill levels and sectors (in 2008 prices) AGRICULTURE, HUNTING AND FORESTRY 67,9 0,5 7,0 60,1 54,5 0,8 9,4 44,2 FISHING 95,5 0,6 10,4 84,3 102,2 1,0 15,4 85,5 Employment High skill Medium skill Low skill Employment High skill Medium skill Low skill MINING AND QUARRYING OF ENERGY PRODUCING MATERIALS 0,6 0,2 0,3 0,1 0,6 0,2 0,4 0,0 MINING AND QUARRYING EXCEPT ENERGY PRODUCING MATERIALS 12,1 0,7 3,4 7,8 7,6 0,8 3,5 3,3 FOOD, BEVERAGES AND TOBACCO 6,2 0,4 2,8 2,9 6,4 0,5 3,3 2,6 Textiles and textile 30,8 0,9 13,3 16,2 34,2 1,6 18,4 14,0 Leather, leather and footwear 23,5 0,7 9,6 13,0 30,8 1,4 17,6 11,7 WOOD AND OF WOOD AND CORK 26,0 0,6 7,8 17,3 21,8 0,6 8,0 12,9 PULP, PAPER, PAPER, PRINTING AND PUBLISHING 10,6 2,2 6,0 2,3 11,3 2,7 6,6 2,0 CHEMICAL, RUBBER, PLASTICS AND FUEL 2,9 0,5 1,5 0,9 2,6 0,4 1,5 0,7 OTHER NON-METALLIC MINERAL 17,5 0,8 6,1 10,5 13,1 1,0 6,5 5,5 BASIC METALS AND FABRICATED METAL 7,6 0,6 3,7 3,2 6,6 0,6 4,1 1,9 MACHINERY, NEC 6,2 0,8 3,4 2,0 4,3 0,6 2,9 0,8 ELECTRICAL AND OPTICAL EQUIPMENT 4,6 0,9 2,7 1,0 5,2 1,0 3,7 0,6 TRANSPORT EQUIPMENT 3,6 0,5 2,2 1,0 3,4 0,5 2,4 0,5 MANUFACTURING NEC; RECYCLING 23,2 0,8 11,0 11,0 23,1 1,6 12,0 9,4 Source: IBGE

20 Sectoral employment by skill level, 2008 (% of total)

21 Employment Content of Brazilian Exports by Activities KLEMS: 2002 x 2008 Employment High skill Actividades KLEMS AGRICULTURE, HUNTING AND FORESTRY FISHING MINING AND QUARRYING OF ENERGY PRODUCING MATERIALS MINING AND QUARRYING EXCEPT ENERGY PRODUCING MATERIALS FOOD, BEVERAGES AND TOBACCO Textiles and textile Leather, leather and footwear WOOD AND OF WOOD AND CORK PULP, PAPER, PAPER, PRINTING AND PUBLISHING CHEMICAL, RUBBER, PLASTICS AND FUEL OTHER NON-METALLIC MINERAL BASIC METALS AND FABRICATED METAL MACHINERY, NEC ELECTRICAL AND OPTICAL EQUIPMENT TRANSPORT EQUIPMENT MANUFACTURING NEC; RECYCLING TOTAL % of total employment (Brazil)¹ 5,2 2,2 4,0 6,7 4,5 1,9 3,6 6,3 Notes: ¹ total employment (services included) of Brazilian economy. Source: IBGE. Medium skill Low skill Employment High skill Medium skill Low skill 2008 < 2002 (Employment) 2008 > 2002 (High Skill)

22 Direct labor content of Brazilian exports by destination: 2002 x 2008 Mercosur High Skill Medium Skill Low Skill TOTAL % total , ,4 China High Skill Medium Skill Low Skill TOTAL % total , ,8 USA High Skill Medium Skill Low Skill TOTAL % total , ,3 EU High Skill Medium Skill Low Skill TOTAL % total , ,3 TOTAL High Skill Medium Skill Low Skill TOTAL % total , ,0 Source: IBGE and Secex.

23 Direct labor content of Brazilian exports by destination: 2002 x % Mercosur China US EU Total 80% 60% 40% 20% 0% Low Skill Medium Skill High Skill

24 Trade and Employment Dynamics

25 Structural Decomposition of Change in Employment in Brazilian Economy: 1990 to 2001 Change in Employment Domestic Demand(2) Exports Imports Technical Change Total Nota: (1) exclusive setores Intermediação Financeira ; Aluguéis e Serviços Privados Não-Mercantis (2) inclui o efeito da variação de estoques Fonte: Kupfer, D.; Freitas, F. e Young, C.E.F. (2003). Decomposição estrutural da variação do produto e do emprego entre 1990 e 2001 Relatório de pesquisa para a CEPAL/Divisão de Indústria. IE/UFRJ. mimeo

26 Sectoral Decomposition of Change in Employment in Brazilian Economy: 1990 to 2001 Activity Domestic Demand Exports Import Penetration Technical Change Grand Total 01 Agropecuário Mineração Indústria de transformação Eletricidade, gás e água - SIUP Construção civil Comércio Transporte e comunicações Serviços empresariais Serviços pessoais e sociais Administração pública Grand Total

27 Decomposition of Employment Change by Skill (number of jobs): 2001 to 2007 Total High Skill Medium Skill Low Skill Total Domestic Demand Scale Composition High Skill Medium Skill Low Skill Total Technical Change High Skill Medium Skill Low Skill Total Net Export High Skill Medium Skill Low Skill Total

28 Decomposition of Employment Change by Skill (number of jobs): 2001 to 2007 Net Export High Skill Medium Skill Low Skill Total Exports Imports Scale Composition Final Dem. Interm. High Skill Medium Skill Low Skill Total

29 Employmet Change due to Trade: 2001 to 2007 Employmet Change due to Trade: 2001 to 2007 Nível de Qualificação Net Export Exports Imports to Final Demand Imports to Intermediary Consumption High Skill 0,8% 0,7% 0,0% 0,1% Medium Skill 3,7% 3,2% 0,1% 0,3% Low Skill 4,6% 4,0% 0,1% 0,5% % Change 9,1% 7,9% 0,3% 0,9% Change in jobs

30 Decomposition of Employment Change by Skill due to Export and Partner (number of jobs): 2001 to 2007 Total Alta Media Baixa Total EUA Escala Composição Alta Media Baixa Total União Européia Scale Composition Alta Media Baixa Total Mercocur Scale Composition Alta Media Baixa Total China Escala Composição Alta Media Baixa Total ROW Escala Composição Alta Media Baixa Total

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence

Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence MPRA Munich Personal RePEc Archive Inter-regional sistem south-rest of Brazil: income generation and regional interdependence Umberto Antonio Sesso Filho and Joaquim José Martins Guilhoto and Antonio Carlos

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CNS/FESESP RELATÓRIO - ANO 2004 São Paulo, 4 de setembro de 2007 EQUIPE Diretor

Leia mais

POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE

POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE POLÍTICA DE IMPORTAÇÃO E ESTRUTURA DE PROTEÇÃO EFETIVA NO BRASIL NO PERÍODO RECENTE Marta Castilho Universidade Federal Fluminense Seminário Estado, Tributação e Seguridade Social Seminário Estado, Tributação

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Industrialização e Desindustrialização no Brasil: Muito Além dos Números

Industrialização e Desindustrialização no Brasil: Muito Além dos Números Industrialização e Desindustrialização no Brasil: Muito Além dos Números David Kupfer GIC-IE/UFRJ e BNDES 28o. Fórum de Debates Brasiliana.org São Paulo 23 de agosto de 2012 Desindustrialização redução

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001: Análise Comparativa dos Setores de Atividade entre Regiões e Países

Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001: Análise Comparativa dos Setores de Atividade entre Regiões e Países Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001: Análise Comparativa dos Setores de Atividade entre Regiões e Países Lucila Maria Souza de Campos Thiago H. S. Santos Débora Spenassato Andréa Cristina Trierweiller

Leia mais

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira 2 Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Confederação Nacional dos Serviços - CNS Federação de Serviços

Leia mais

Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a cidade de Salvador

Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a cidade de Salvador Avaliação de rotas tecnológicas de reciclagem de resíduos sólidos urbanos para a Julia Trindade Alves de Carvalho (Mestre em Economia PPGE/UFBA); Gervasio F. Santos (Prof. Dr. Depto. de Economia, PPGE

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira David Kupfer GIC-IE/UFRJ e BNDES COSEC FIESP São Paulo 9 de março de 2015 Roteiro Desempenho Competitivo Taxa de Câmbio e Custos Estrutura Tarifária

Leia mais

Câmbio, Competitividade e Investimento

Câmbio, Competitividade e Investimento Câmbio, Competitividade e Investimento Lucas Teixeira (BNDES) Laura Carvalho (EESP) Introdução Questão: a desvalorização cambial resolverá o problema de perda de competitividade e de compressão de margens

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA. Versão 2.0 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão 3.0 Brasília-DF Setembro/2014 COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL METODOLOGIA Versão 2.0 Brasília - Março/2012 Versão

Leia mais

Nº 133. Produtividade no Brasil nos anos 2000-2009: análise das Contas Nacionais

Nº 133. Produtividade no Brasil nos anos 2000-2009: análise das Contas Nacionais Nº 133 Produtividade no Brasil nos anos 2000-2009: análise das Contas Nacionais 3 de fevereiro de 2012 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Wellington

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO. Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal

DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO. Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal DESAFIOS DA POLÍTICA DE COMÉRCIOEXTERNO 2013 Prof. Vera Thorstensen, Lucas Ferraz, Emerson Marçal 2 Sistema Multilateral de Comércio Regras Multilaterais OMC (DSB), FMI, BM, OCDE, UNCTAD, FAO, OMPI Regras

Leia mais

A INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL NO PARANÁ: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO PARA O ANO DE 2006.

A INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL NO PARANÁ: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO PARA O ANO DE 2006. A INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL NO PARANÁ: UMA ANÁLISE DE INSUMO-PRODUTO PARA O ANO DE 2006. Everson Kapusniak (UEPG/e-mail: eversonkapusniak@gmail.com), Cleise Maria de Almeida Tupich Hilgemberg (UEPG/e-mail:

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica.

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica. dossiers Economic Outlook Conjuntura International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros Last Update Última Actualização 15-07-2015 Prepared by PE

Leia mais

Certificação ISO 9001:2008

Certificação ISO 9001:2008 Certificação ISO 9001:2008 10 de Novembro 2008 Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt Agenda 1.Organismo Certificador APCER 2.A revisão ISO 9001:2008 (motivações e principais alterações) 3.Ciclo de Certificação:

Leia mais

A relevância da indústria para o processo de desenvolvimento econômico. Nelson Marconi. Escola de Economia de São Paulo - FGV

A relevância da indústria para o processo de desenvolvimento econômico. Nelson Marconi. Escola de Economia de São Paulo - FGV A relevância da indústria para o processo de desenvolvimento econômico Nelson Marconi Escola de Economia de São Paulo - FGV Por que a indústria é relevante? Impacto sobre o PIB agregado Impacto sobre a

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais

ANEXO 1 Regras aplicáveis aos modelos de documentos fiscais Padrão Mínimo Tipo de Impresso Emissão Operação Série Subsérie Nota Fiscal, modelo 1 Bloco Manual *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto Mecanizado *, 1 a N 4 3 Nota Fiscal, modelo 1 Jogo Solto

Leia mais

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira

Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira Os efeitos da valorização do real na indústria brasileira !"#"#!$%&"'()* * " + # (, " - --.&"- "/"& 0+- &#"./" - "0 - () " 1 # 2- (, - 34/ % - &5"() #-6 $ 7-" &"'()"" (,8 32- )-" 8 7- & () 98 % ) #- 2-

Leia mais

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro Desafios do Comércio INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Balança Comercial Brasileira INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Evolução da Balança Comercial

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários.

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. 11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. Resultados das negociações coletivas gradativamente superaram o INPC e têm aumento real aproximado de

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1

CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1 CONCENTRAÇÃO DA PAUTA COMERCIAL DO BRASIL COM AS ECONOMIAS DA CHINA E DO JAPÃO 1 Silvio Miyazaki 2 1 - INTRODUÇÃO 1 2 A busca de mercados externos alternativos aos tradicionais - Estados Unidos, Europa

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Investimento em Controle Ambiental das Indústrias no Brasil 1997/2002 Rio de Janeiro

Leia mais

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008 1.6 Faturamento 1966/008 Revenue 1966/008 1966 1967 1968 1969 1970 1971 197 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 198 AUTOVEÍCULOS VEHICLES 7.991 8.11 9.971 11.796 13.031 15.9 17.793 0.78 3.947 6.851 6.64

Leia mais

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira

Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Atualização do Estudo sobre a Carga Tributária no Setor de Serviços e Impactos da Desoneração da Folha de Pagamentos na Economia Brasileira Confederação Nacional dos Serviços - CNS Federação de Serviços

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007

Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Efeitos da política cambial sobre a balança comercial brasileira no período de 2000 a 2007 Claudinei Ramos de Oliveira UEPG Eziquiel Gu e r r e i r o UEPG Jú l i o Cé s a r Bilik UEPG Resumo: Este trabalho

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Investir em Angola Perspectiva de um Banco Alemão. 5º Fórum Económico Alemão-Angolano, Luanda, Junho 2013

Investir em Angola Perspectiva de um Banco Alemão. 5º Fórum Económico Alemão-Angolano, Luanda, Junho 2013 Investir em Angola Perspectiva de um Banco Alemão Commerzbank AG Commerzbank: 1.00 agências, 50 países, 14 milhões clientes particulares, 1 milhão clientes empresas e institucionais, 59.100 colaboradores

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre Espanha Área (km 2 ): 504 880 Primeiro-Ministro: Mariano Rajoy População (milhões hab.): 47,1 (estimativa ) Risco de crédito: (*) Capital: Madrid Risco do país: BBB (AAA = risco

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Financiamento da Inovação Tecnológica no Brasil: Análise do período 1998-2005. Jorge Luís Faria Meirelles. Campus de Sorocaba.

Financiamento da Inovação Tecnológica no Brasil: Análise do período 1998-2005. Jorge Luís Faria Meirelles. Campus de Sorocaba. Financiamento da Inovação Tecnológica no Brasil: Análise do período 1998-2005 Jorge Luís Faria Meirelles Professor da Universidade Federal de São Carlos Campus de Sorocaba Nara Rossetti Professora da Universidade

Leia mais

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI)

(PROGRAMA LEONARDO DA VINCI) ANGLIA UNIVERSITY PROGRAMA LEONARDO DA VINCI GROUP ESC PAU GROUP ESC TOULOUSE PRIORIDADES PARA EL DESARROLLO DIRECTIVO INSTITUTO SUPERIOR SUPERIOR DE GESTAO MIDDLESEX UNIVERSITY INSTITUTO DE EMPRESA UNIÓN

Leia mais

Mudança estrutural e política industrial sistêmica-estrutural: uma análise dos setores-chave da economia brasileira

Mudança estrutural e política industrial sistêmica-estrutural: uma análise dos setores-chave da economia brasileira Mudança estrutural e política industrial sistêmica-estrutural: uma análise dos setores-chave da economia brasileira Fernanda Oliveira Ultremare feultremare@gmail.com Unicamp Marilia Bassetti Marcato /

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

A competitividade do Brasil e da China no mercado norte-americano no período 2000-2008. Marina Filgueiras Jorge (IPEA) Honorio Kume (IPEA e UERJ)

A competitividade do Brasil e da China no mercado norte-americano no período 2000-2008. Marina Filgueiras Jorge (IPEA) Honorio Kume (IPEA e UERJ) A competitividade do Brasil e da China no mercado norte-americano no período 2000-2008 Marina Filgueiras Jorge (IPEA) Honorio Kume (IPEA e UERJ) Resumo Este trabalho estima os índices de similaridade,

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos).

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos). Ago-04 Ago-05 Ago-06 Ago-07 Ago-08 Ago-09 Ago-10 Ago-11 Ago-12 Ago-13 Ago-14 Análise de Conjuntura Setembro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

França - Síntese País

França - Síntese País Informação Geral sobre França Área (km 2 ): 543 965 Primeiro-Ministro: Manuel Valls População (milhões hab.): 66,3 (estimativa janeiro ) - Insee Risco de crédito: (*) Capital: Paris Risco do país: A (AAA=risco

Leia mais

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0 Informação Geral sobre a Palestina População (milhões hab.): 4,5 (estimativa 2014) Unidade monetária: Shequel de Israel (ILS) e Língua oficial: Árabe Dinar Jordano (JOD) Chefe de Estado: Mahmoud Abbas

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

Cenário internacional - crise, barreiras e política industrial

Cenário internacional - crise, barreiras e política industrial Conferência Política Industrial em contexto de crise internacional: avaliando estratégias Cenário internacional - crise, barreiras e política industrial Lia Valls Pereira IBRE/FGV FCE/UERJ Realização CEBRI.

Leia mais

Uma nova especialização em recursos naturais. Carlos Frederico Rocha fred@ie.ufrj.br

Uma nova especialização em recursos naturais. Carlos Frederico Rocha fred@ie.ufrj.br Uma nova especialização em recursos naturais Carlos Frederico Rocha fred@ie.ufrj.br Por que indústria? Primeira resposta: Relação entre crescimento da produ

Leia mais

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL: UMA PROPOSTA PARA ANALISAR O CICLO DE VIDA DOS SETORES. Talita Marum Mauad

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL: UMA PROPOSTA PARA ANALISAR O CICLO DE VIDA DOS SETORES. Talita Marum Mauad i UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL: UMA PROPOSTA

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Conjuntura Econômica do Chile

Conjuntura Econômica do Chile OBSERVATÓRIO DA AMÉRICA LATINA Conjuntura Econômica do Chile Carolina Martins Ferro Fabio Teixeira Rocha Gabriela Cavichioli Rodrigues Trabalho Elaborado na Disciplina Economia Financeira e Latina do Curso

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun

UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL. Resumo. Abstract. Maria Helena Zockun 1 UMA MEDIDA DO TAMANHO DA ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL Maria Helena Zockun Resumo O trabalho estima a parcela da atividade econômica que não declarou seu faturamento à tributação em 1996, por setor. A

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. Labour Market Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. dossiers

Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. Labour Market Statistics Estatísticas do Mercado de Trabalho. dossiers dossiers Economic Outlook Conjuntura Last Update Última Atualização: 13-02-2015 Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal Economy Probe PE Probe All rights reserved Index / Índice

Leia mais

Custo econômico da energia em Minas Gerais: impactos das elevações de tarifas entre 2011 e 2015

Custo econômico da energia em Minas Gerais: impactos das elevações de tarifas entre 2011 e 2015 Custo econômico da energia em Minas Gerais: impactos das elevações de tarifas entre 2011 e 2015 Terciane Sabadini Carvalho (PPGDE/UFPR) Aline Souza Magalhães (Cedeplar/UFMG) Edson Paulo Domingues (Cedeplar/UFMG)

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano?

Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? Desempenho recente da Indústria: os sinais de retomada são robustos? O que esperar para o fechamento do ano? SUMÁRIO EXECUTIVO O estudo está dividido em duas partes: 1. A primeira faz uma análise mais

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica (Atualizada em março de 2015) Foram construídas quarenta e três taxas de câmbio efetivas reais, sendo trinta e seis taxas de exportação e sete taxas de importação.

Leia mais

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014 Informação Geral sobre o Chile Área (km 2 ): 756 096 Risco de crédito (*): População (milhões hab.): 17,7 (estimativa ) Risco do país: A2 (A = risco menor; D = risco maior) Capital: Santiago do Chile Unidade

Leia mais

PORTUGAL GREECE Trade Balance

PORTUGAL GREECE Trade Balance PORTUGAL GREECE Trade Balance March 2013 TRADE BALANCE PORTUGAL GREECE IMPORTS (CIF) Annual Variation % EXPORTS (FOB) Annual Variation % 10³ Euros BALANCE 2003 81.998 121.881 39.883 2004 76.487-6,72 126.685

Leia mais

Raio-X dos Investimentos

Raio-X dos Investimentos Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior: Investimento líquido brasileiro no exterior foi negativo: No mês de abril de 2010 os investidores brasileiros internalizaram US$ 365 milhões. Entretanto,

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

Alemanha - Síntese País

Alemanha - Síntese País Informação Geral sobre a Alemanha Área (km 2 ): 356 970 km 2 Chanceler Federal: Angela Merkel População (milhões hab.): 81 (estimativa 2014) Risco de crédito (*): Capital: Berlim Risco do país: A (AAA

Leia mais

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %)

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %) Brasil e Coréia: Qualquer similaridade é mera coincidência? a Faz algum tempo que argumentamos sobre as lições importantes que a Coréia oferece ao Brasil. O país possui grau de investimento há muitos anos,

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 3ª Edição Última atualização 07 de Março de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da Indústria

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Exercícios de reestruturação tributária para o Rio Grande do Sul: análise com um modelo de equilíbrio geral computável inter-regional

Exercícios de reestruturação tributária para o Rio Grande do Sul: análise com um modelo de equilíbrio geral computável inter-regional Exercícios de reestruturação tributária para o Rio Grande do Sul: análise com um modelo de equilíbrio geral computável inter-regional Patrícia Ullmann Palermo Economista da Fecomércio-RS, professora da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Key-words: sectoral effective exchange rate, structural change, trade pattern JEL Code: Código JEL: L16, F00, O14

Key-words: sectoral effective exchange rate, structural change, trade pattern JEL Code: Código JEL: L16, F00, O14 A EVOLUÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL SETORIAL E A MUDANÇA ESTRUTURAL NO PADRÃO DE COMÉRCIO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA ÁREA ANPEC: Área 7 - Economia Internacional Julia Torracca 1 David Kupfer 2 Resumo

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais