UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO SUPRIMENTO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS OUTSOURCING. Por: Alessandro Fontes Schmidt Orientador Prof. Jorge Tadeu Vieira Lourenço Rio de Janeiro, 2010

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DO SUPRIMENTO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS OUTSOURCING. Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial. Por:. Alessandro Fontes Schmidt

3 RESUMO 3 A tendência de mercado a alguns anos tem sido a terceirização dos serviços dentro das organizações empresariais, dessa forma essas empresas podem focar todo seu esforço e preocupação em seu core business. Dentre os serviços comumente terceirizados, está à logística. O que efetivamente foi bom para o setor, pelos avanços tecnológicos, pela melhoria na qualidade de serviços oferecidos e pela redução de custos nessa área no mercado nacional. Porém tivemos outras áreas que também passaram por esse processo. E essas áreas, agora novas empresas, também precisam de apoio logístico, mas de uma forma diferenciada, pois a mesma pratica uma atividade limitada e definida. E sua necessidade de suprimentos é apenas parte do que a empresa anteriormente demandava. Assim, gerando um novo tipo de necessidade, pontual e dinâmica, que deve ser atendida pelos fornecedores de forma diferenciada, a ser examinada nesse estudo, através da análise dos impactos decorrentes de problemas com esse tipo de stockout. E através dessa análise, sugerir formas de fornecimento para atendimento de cada tipo de necessidade específica.

4 4 METODOLOGIA O método utilizado para elaboração do presente estudo foi a pesquisa realizada em bibliografia especializada na área. Com intuito de estabelecer embasamento teórico aos itens apresentados. Apesar de suas limitações, por motivos naturais, o método de pesquisa bibliográfica foi bastante eficaz nas conclusões mercadológicas voltadas especificamente para a área da logística de serviços, que é uma área emergente. As hipóteses são levantadas a nível investigatório e seu embasamento limitado, por parte da própria literatura, não representa a verdade absoluta para os exemplos abordados. Essas alternativas foram identificas de acordo com o material disponível no mercado para consulta e auxiliadas por conhecimento específico em si tratando de logística de serviços.

5 5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 06 CAPITULO 1 Empresa Fictícia Mano-Tensão 09 CAPITULO 2 - Distribuição de Serviços 12 CAPITULO 3 Problemas Comuns no Processo de Suprimento 17 CAPITULO 4 - Problemas Causados por Falta de Material 22 CAPITULO 5 Fornecimento de Material e Controle de Inventário 27 CAPÍTULO 6 Fornecimento de Serviços 32 CONCLUSÃO 35 BIBLIOGRAFIA 37 INDICE 38 FOLHA DE AVALIAÇÃO 40

6 INTRODUÇÃO 6 Na literatura acadêmica atual temos muito material sobre gestão de cadeia de suprimento, e muitos exemplos práticos da forma sobre como as empresas atuam. Neste estudo pretendemos debater uma necessidade suprimento mais voltada para a logística de serviços. Sobre essa modalidade temos pouquíssimo material disponível, quando muito, alguns parágrafos apenas, mas trata-se de uma modalidade que tem muito ainda a crescer. Em si falando de sustentabilidade, de conservação e manutenção dos bens já existentes, a logística de serviços pode passar a ser uma aplicação estratégica rentável. As possibilidades de serviço existentes que podem vir a se enquadrar nos princípios do modelo apresentado são inumeráveis, e as dimensões dessa possibilidade nos leva a acreditar na necessidade de situar o leitor nas peculiaridades dessa área de atuação. No primeiro item desse estudo essa necessidade é observada. E onde exemplificamos o funcionamento de um dos tipos de empresa dessa área de atuação, e a abordagem desse segmento do ponto de vista logístico. Com isso facilitando o entendimento da mesma e o melhor acompanhamento dos capítulos subseqüentes. Em seguida passamos um panorama simplificado de como é a distribuição de serviços, exemplificando de forma relativamente simples, mas que relacionada a escassez de material referente a essa área específica pode ser tida como um resumo geral do material que é encontrado em grandes autores aliados ao conhecimento obtido na prática. Esse tipo de serviço é geralmente vinculado a contratos de prestação de serviço. Geralmente negociados através de licitações e afins. Esses contratos são feitos de forma a garantir a funcionalidade do objeto do mesmo, prevendo diversas obrigações aos fornecedores, que se por algum motivo não cumprirem as mesmas podem ser multados ou penalizados pelo contratante. O que diversas vezes impacta na própria viabilidade do serviço.

7 7 Os problemas decorrentes de esforço profissional são facilmente solucionados pelo pessoal que fica responsável pela execução desse serviço locado dentro da planta do cliente (outsourcing). Entretanto nessas contratações geralmente está incluso o fornecimento de material. Material esse, necessário para a execução do serviço final contratado. Por exemplo, a troca de uma lâmpada. (que envolve a necessidade de se ter disponível esse item). A necessidade desse tipo de fornecimento, uma lâmpada, como no exemplo é de difícil trato na questão logística da empresa prestadora do ponto de vista logístico. Dessa forma temos o envolvimento de mais uma empresa, a que fornece a tal lâmpada. Sendo assim um problema da cadeia de suprimentos, e da logística como ferramenta e integração, visto que esta tem como uma de suas definições mais conhecidas: A logística se preocupa em levar produtos e serviços aonde são necessários, e no exato tempo desejado (BOWERSOX; CLOSS; COOPER, 2006 p.43). Normalmente as pequenas e médias empresas no Brasil, adotam como fator de definição de rotas de entrega o maior valor total das entregas de uma determinada região, seja por limitações gerenciais ou por cultura da empresa. Está pronto nosso desafio! Dispomos em seguida os problemas do exemplo no processo que é objetivo do estudo, compras/ suprimentos. Nesse capítulo analisamos os problemas mais comuns decorrentes do setor de suprimentos, que não são exclusivos da logística de serviços, mas que junto com os problemas causados por falta de material foram essenciais para a devida visualização dos impactos que essas falhas podem produzir no sistema em análise. Os problemas causados pela falta de material são os principais pontos a serem verificados. Depois de abordados os motivos para acontecimento dessas falhas e das implicações que as mesmas podem acarretar para a empresa de forma geral, em seguida, foi feita a análise das formas de suprimento, mas específicas, e conjeturamos a aplicação de cada uma delas as várias necessidades específicas do setor, que em nosso exemplo são bastante abrangentes.

8 8 Na conclusão é exposta a importância do setor de suprimentos com ferramenta de redução de custos que ainda nesse setor é uma ferramenta mal utilizada e que merece uma atenção especial, em um tipo de serviço que tem pretensões de prospecção no cenário moderno, e que hoje já são market share considerável em países desenvolvidos.

9 CAPÍTULO 1 EMPRESA FICTÍCIA MANO-TENSÃO Para melhor visualização dos pontos de vista abordados, criamos a empresa fictícia Mano-Tensão. Uma empresa do segmento de engenharia, especializada em manutenção industrial e predial, que atua com empresas privadas e públicas. A Mano-Tensão atua através de licitações, o que possibilita ter acesso a uma prévia do escopo dos contratos que estão sendo disputados, onde é verificado se o serviço se encaixa no perfil oferecido pela empresa. Essa empresa foi escolhida para exemplificação do estudo, pois trataremos de detalhes pouco usuais, de poucas menções do ponto de vista logístico. A logística em áreas não produtoras. Uma aplicação da logística em uma área que não tem como forma de trabalho a armazenagem, transporte e controle de estoques somente, como formas de redução de custos, mas que segundo Ballou: Trata-se, no entanto, de uma visão por demais estreita e que pode causar a perda de inúmeras oportunidades de negócios. Os princípios e conceitos de logística/cs aprendidos no decorrer dos anos podem ser aplicados em setores como as indústrias de serviços, forças armadas e até mesmo a administração ambiental. (BALLOU 2006 p. 39). 1.1 Aspectos Logísticos. Para melhor observação, abordemos superficialmente como essa empresa funciona do ponto de vista logístico Estoques Uma empresa que atua com serviços em diferentes clientes e que demandam materiais diferentes não consegue uma relação de itens muito extensa que se possa ter em estoque. Além disso, a mão-de-obra é locada

10 10 dentro do cliente, o que implicaria, no caso de um estoque em custos de distribuição, o que não é do interesse da empresa Previsão de Demanda Apesar dos serviços de manutenção estarem divididos em: preditivas e preventivas, não existe um cronograma de manutenção para os itens preventivos, o que seria uma das poucas formas de se prever parte da demanda. As manutenções preditivas acontecem eventualmente e são de difícil previsão, visto que não podemos situar a falha de um determinado item como uma placa eletrônica etc Fornecimento Intangível O item de fornecimento em maior parte é a própria mão-de-obra que fica nas instalações do cliente, o que dificulta a visualização desse fornecimento do ponto de vista logístico Veículos A empresa não possui veículos para deslocamento da força de trabalho e distribuição de materiais. Benefícios como o transporte, adotam que o deslocamento dos funcionários de casa até o local de trabalho e vice-versa. 1.2 Procedimentos no Setor de Compras. Como o foco do estudo é a importância do suprimento na prestação de serviço outsourcing. Vamos resumir o funcionamento do setor de compras / suprimentos do caso em questão.

11 11 O setor de compras da empresa Mano-Tensão funciona de forma lenta. A empresa utiliza um sistema ERP (Enterprise Resource Planning), em que as solicitações devem ser cadastradas e aprovadas por um dos gerentes. Em seguida essa solicitação é enviada a área de compras/suprimentos, onde o material é enviado aos fornecedores (qualquer fornecedor) para recolhimento de orçamentos, que são no mínimo três. Após o recebimento dos orçamentos e a negociação posterior, é cadastrado no sistema ERP um pedido de compras, que novamente deve ser aprovado por outro dos gerentes antes de poder ser enviado aos respectivos fornecedores. Quando por algum motivo alguma dessas etapas é rejeitada, o processo se inicia novamente.

12 12 CAPÍTULO 2 DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇOS Sempre que falamos de distribuição em logística imaginamos caminhões, caixas, empilhadeiras etc. Porém a logística também se aplica a outros serviços, e pode representar muito na eficácia do planejamento estratégico da empresa. A logística de serviços é algo semelhante à logística das forças armadas, é necessário cuidar para que as tropas tenham: roupas, alimentação, remédios e, é claro, armamento. Fazendo uma comparação superficial podemos verificar que no outsourcing, os funcionários precisão de: uniformes, epi s, alimentação, ferramentas, materiais consumíveis etc. No caso que estamos desenvolvendo, sobre o serviço de manutenção, podemos ter uma duração extremamente longa, exatamente como em uma guerra. Onde os suprimentos devem chegar regularmente. E uma das diferenças é que nessa área de atuação, se usa economia de escala, onde é necessário diluir os custos da estrutura administrativa e da infra-estrutura por todos os clientes. Paralelamente, em nosso serviço, estamos amarrados a contratos, conforme citado no Capítulo I, e os mesmos nos obrigam a vencer o inimigo, mesmo que tenhamos que morrer. Isso por que esses contratos, principalmente quando são obtidos por meio de licitações, possuem cláusulas que definem uma série de sanções a serem aplicadas caso o objeto do contrato não seja comprido. Essa é uma prática comum em acordos comerciais para assegurar a qualidade e o padrão dos serviços. Os contratos de fornecimento foram se desenvolvendo com mais dinamismo e flexibilidade em virtude do aumento da prática do outsourcing nas empresas. Pratica essa, que trata essencialmente da terceirização de uma atividade que faz parte do processo de um determinado produto ou serviço, porém que não é essencial para a atividade fim da empresa, ou core business, e que tem como característica a disponibilidade de mão-de-obra especializada dentro do cliente.

13 Níveis de Necessidade dos Suprimentos A princípio não podemos fazer distinção da importância de cada item, afinal o que é uma máquina de furar sem a broca? Mas nesse tipo de serviço podemos contar com as habilidades técnicas do pessoal atreladas a itens chamados de primeira necessidade, que por si só já são suficientes, mesmo sendo mínimos, para o início das atividades Materiais de Primeira Necessidade Alguns materiais são indispensáveis a prestação de serviço, e devem ser supridos rapidamente em um primeiro momento e acompanhados para substituições posteriores. Seja por desgaste natural ou qualquer outro acontecimento eventual, como a quebra de uma ferramenta, por exemplo. Dentre eles os principais: Uniformes e Epi s Ferramentas e Equipamentos Transporte Alimentação Nessa relação podem-se verificar dois itens que normalmente são relacionados ao setor de recursos humanos, mais que em muitos casos, deixam de ser um benéfico/direito e tornam-se serviços quarteirizado ou subterceirizado. Principalmente quando falamos de locais fechados ou isolados. Como refinarias, por exemplo.

14 Materiais de Segunda Necessidade Em segundo lugar está o material de consumo utilizado nesse serviço, que juntamente com os anteriores são os imprescindíveis para que o serviço efetivamente comece. Esses itens têm uma reposição mais dinâmica e uma infinidade de variações, dependendo até mesmo do tipo de equipamentos que o cliente em questão tem em suas instalações ou utiliza em sua linha de produção. O fornecimento desse material é facultativo a cada cliente, podendo ou não fazer parte do escopo do contrato Outros Serviços Esses serviços são os que excluem transporte e fornecimento de alimentação. Geralmente são de natureza técnica onde é necessário que a empresa tenha uma série de certificações e licenças. Ou também serviços que exigem locações pontuais de equipamentos muito específicos. 2.2 Suprimento, Re-suprimento e Logística Reversa Temos três principais momentos que necessitam de atenção especial na logística de serviços, seja em qualquer escala, são elas: a mobilização (suprimento), o re-suprimento e a desmobilização (logística reversa) Mobilização (Suprimento). Neste momento, também chamado de implantação, é quando precisamos mobilizar todas as áreas da empresa para efetivamente implantar o início dos serviços no novo cliente. É um momento muito importante, pois tem prazos definidos, geralmente curtos, que passam a contar após a assinatura do contrato.

15 15 Apenas após esse momento qualquer esforço para aquisição de material pode ser firmado com os fornecedores. Por mais que já se tenha feito todo um trabalho de pesquisa e que se tenha coletado todas as informações necessárias para que os processos se concretizem. Sempre é um momento muito conturbado, muitas vezes o prazo firmado para implantação do novo cliente não leva em consideração os prazos dos fornecedores de apoio, como, por exemplo, as confecções, que demoram 30 dias em média para entregar as encomendas de uniforme, que só podem ser feitas após a contratação dos novos funcionários, que só pode ser feita após a assinatura do novo contrato. Dependendo de onde seja a nova planta, é necessário providenciar o deslocamento de mercadorias para outros lugares, o que ainda exige um tempo de deslocamento variável conforme a distancia Re-suprimento Após o início dos serviços, começa o ciclo de re-suprimento de materiais, onde as primeiras remessas já estão alcançando níveis baixos, não necessariamente todos os itens ao mesmo tempo. Esse é o momento mais duradouro do ponto de vista de suprimento, que irá se repetir continuamente por todo o período de execução do serviço, e caso haja uma renovação contratual ira se manter ainda por mais tempo. Logo após a implantação caso seja necessário, são desenvolvidos fornecedores locais que possam atender prontamente a localidade, caso esses fornecedores existam. Essa é uma etapa importante, pois é responsável pelo fluxo dos serviços, e para que a mão de obra no local não se torne improdutiva em alguns momentos e sobrecarregada em outros Logística Reversa (Desmobilização) Essa etapa acontece quando o prazo de um determinado contrato expirou se, não havendo a renovação do mesmo seja por desejo mútuo ou

16 16 por apenas uma das partes. É a etapa onde os equipamentos e ferramentas (ativos fixos) são conferidos e deslocados para um depósito, onde irão ficar armazenados para uma possível nova necessidade de utilização (um novo cliente). A retirada desses itens de dentro das instalações do cliente implica na apresentação dos documentos de compra e / ou envio até essa planta (notas fiscais). Um bom controle desses ativos gera uma economia de escala para clientes futuros, por excluírem a necessidade da aquisição desses itens novamente em uma nova etapa de implantação. Funciona realmente como uma logística reversa, visto que estamos reavendo itens que foram enviados no primeiro (mobilização) ou em momentos posteriores (re-suprimento) de acordo com a necessidade.

17 17 CAPÍTULO 3 PROBLEMAS COMUNS NO PROCESSO DE SUPRIMENTO Visando o atendimento das necessidades de aquisição de material para o abastecimento das plantas onde o serviço é realizado continuamente. Há necessidade constate de aquisição de materiais, esse é um processo muito importante, onde um cuidado especial deveria ser adotado desde o princípio. Porém esse cuidado nem sempre é verificado, temos diversos problemas enfrentados diariamente, cada qual por motivos diferes, ou a combinação de vários motivos. Em nosso estudo, os mais comuns são: Dificuldade/ impossibilidade no acesso remoto ao sistema da empresa. Falta de especificações corretas. Lentidão no processo de aquisição. Erro nas medições do quantitativo de material Dificuldade / Impossibilidade no Acesso Remoto ao Sistema da Empresa. A importância da tecnologia da informação é reconhecida como diferencial importante no mercado. No caso da logística, a informação é vital para que se inicie qualquer processo com possibilidade de sucesso operacional e financeiro. Uma das dificuldades que verificamos no caso deste estudo foi a impossibilidade do acesso ao sistema de dentro da empresa tomadora de serviço ou, no caso, por parte do cliente. Essa impossibilidade, não permite que os processos sejam realizados de uma única forma, sendo necessária a criação de variáveis alternativas, o que demanda uma grande flexibilidade de processos, porém, que em demasiado, gera incoerência no processo total. O que também resulta em uma

18 18 falta de controle nesta área, área esta vital para empresa. Pois todo o material necessário é importantíssimo para o serviço e estão previstos nos contratos de fornecimento (a serem analisados posteriormente). Sem processos confiáveis, podemos ter diversos problemas a serem abordados abaixo Falta de Especificações Corretas. Esse tipo de problema é responsável pela maior parte da demora no atendimento ao cliente interno e por conseqüente ao cliente. A falta de informações precisas é um obstáculo grande a ser superado. Visto que além de muita demora na resposta (lead time), a mesma corre sério risco de não ser eficiente em virtude da margem de erro com que se trabalha dessa forma. Outra conseqüência desse tipo de falha é a ausência total ou parcial de feedback. Existem, por exemplo, equipamentos de alto valor agregado que precisam de um acompanhamento técnico preciso, e com a maior clareza possível nas informações a eles atribuídas. Tornando as necessidades futuras mais fáceis de serem solucionadas, seja pela empresa atual ou uma outra futuramente. Esse tipo de banco de informações agrega valor de qualidade ao serviço executado e gera um diferencial para a empresa que o pratica. Esse problema também pode ser causado pela falta de conhecimento do pessoal envolvido. O que leva esse problema a ser abordado em um outro mérito, o de pessoal. 3.3 Lentidão no Processo de Aquisição. O processo de controle sobre as compras destinadas ao abastecimento de vários clientes diferentes, e com perfis diferentes. Torna o processo de compra de material ainda mais lento. Pois toda compra deve ser analisada criteriosamente antes de sua liberação e posteriormente após a negociação com os fornecedores.

19 19 Essa função não é delegada a uma pessoa responsável pelo atendimento a cada cliente, o que sobrecarrega o encarregado que a exerce. A sobre-carga é fator importante para que a análise de cada situação não seja feita da melhor forma, podendo novamente haver falhas nesse processo. E novamente em uma área de importância elevada dentro da organização. 3.4 Erro nas Medições do Quantitativo de Material. Outro problema que temos relacionado a aquisição do que está para nós como a matéria prima está para a industria, é a sucessão de falhas nas medições do quantitativo de material. Em parte essa falha é difícil de se controlar, pois está atribuída a um profissional da área em questão, e que por vezes não tem a preocupação de solicitar o material na quantidade ideal que será necessária. Por exemplo, um serviço de marcenaria, onde a quantidade de madeira solicitada não é suficiente para execução completa do serviço em andamento. Ou a mesma é mais que suficiente para a execução do mesmo. Das duas formas a empresa tem prejuízo. Na primeira, com um re-suprimento, que demanda custos operacionais. Na segunda, o custo do serviço fica comprometido, fora o desperdício de material. No caso em questão, em muitas vezes esse excesso não gera ao menos estoque. Pois se trata de um serviço específico. E caso seja um material re-utilizável, posteriormente, o mesmo não tem previsão de acontecer o que gera um custo de estoque muito grande para pouquíssimo material. 3.5 Escassez de Infra-estrutura Logística Esse problema é um dos mais complicados de se lidar do ponto de vista logístico. A escassez e até mesmo a ausência de uma estrutura de apoio dificulta uma eventual resolução em qualquer dos problemas acima e onera o custo com deslocamento de uma localidade a outra.

20 20 Podemos tomar como exemplo um novo serviço a ser executado em uma nova base no meio do Pantanal. Onde os fornecedores deverão ser desenvolvidos e muitas vezes nem mesmo existirão para atender as demandas necessárias, e caso existam, pode-se não ser o suficiente para o atendimento da mesma. Isso implica na aquisição de material em outras cidades para atendimento dessas necessidades. 3.6 Fornecimento de Material Indevido Em vários casos, seja por situação emergencial ou por negociação extracontratual alguns itens fora do escopo de fornecimento acabam sendo fornecidos. Esse problema pode ser atribuído a falta de informação por parte dos solicitantes, que muitas vezes não realizam treinamentos específicos para atuar dessa forma. Essa falha somada a impossibilidade de acesso ao sistema da empresa é uma combinação perigosa para a empresa, pois o sistema ou o aprovador (sobrecarregado!) é que deve fazer o devido bloqueio a solicitações que estejam fora do escopo dos serviços. A sucessão dessas falhas no decorrer do processo pode gerar em apenas uma solicitação todos os problemas acontecendo em conjunto. Os efeitos decorrentes dessa situação ferem a principal ferramenta de trabalho dentro da empresa, que deveria ser o software de gestão de todo esse processo. Fazendo com o que o fluxo da informação não atenda as necessidades básicas de um sistema em que se é utilizado para a definição de tomada de decisão, feedback s atualizados e também na disponibilidade de informações impreteríveis a necessidade dos clientes hoje em dia. Conforme diz Bowersox: O fluxo de informação identifica localizações específicas dentro de um sistema logístico, as quais possuem necessidades. A informação também integra as três áreas operacionais. Dentro das áreas logísticas individuais, existem diferentes necessidades de movimentação referentes ao tamanho do pedido, à disponibilidade de inventário e à urgência da movimentação. O objetivo fundamental da gestão do fluxo de informação é de conciliar esses três diferenciais para melhorar o

21 desempenho total da cadeia de suprimentos. É importante ressaltar que as necessidades de informação são paralelas ao trabalho efetivo desempenhado na distribuição ao mercado, no apoio à produção e nas compras (procurement). Enquanto essas áreas contêm o trabalho logístico real, a informação facilita a coordenação do planejamento e do controle das operações do dia a dia. Sem informações precisas, o esforço dispendido no sistema logístico pode ser desperdiçado (BOWERSOX; CLOSS; COOPER 2006 p.55). 21

22 22 CAPÍTULO 4 PROBLEMAS CAUSADOS POR FALTA DE MATERIAL Mesmo com todas as limitações específicas de nosso caso, a área de suprimentos / compras sempre será uma área importante em qualquer empresa, pois, é uma área que lida diretamente com itens indispensáveis e que são extremamente relevantes em aspectos nível de serviço e custo. Iremos abordar neste capítulo os principais pontos onde a falta de materiais pode impactar no fornecimento de um serviço. Sendo elas causadas ou não por um dos problemas citados anteriormente. 4.1 Sanções Contratuais. Um contrato é um instrumento legal que define um acordo entre duas ou mais partes distintas. No caso de um contrato comercial, normalmente são definidas algumas cláusulas de proteção, que implicam na aplicação de algumas sanções visando a integridade do seu objeto, e resguardar o cliente de qualquer possível prejuízo. Podemos verificar abaixo algumas dessas sanções: Multas As multas contratuais oneram o custo total de um contrato de forma significativa, e são inadmissíveis em um ambiente competitivo em que a margem de lucratividade das operações já se faz enxuta. As multas podem ser aplicadas por inúmeros motivos diferentes, desde que estejam mencionadas no contrato. Essas multas podem ser de valor definido para cada aspecto, ou mencionarem uma percentagem em cima do valor total do contrato. Alguns motivos usuais; atrasos injustificados na entrega / execução dos serviços contratados, inexecução total ou parcial, não-

23 23 manutenção das condições de habilitação e qualificação exigidas no contrato (capacidade técnica) Advertência A menor das sanções que podem ser recebidas. Implicam bastante nos índices de qualidade apresentados. E podem estar vinculadas a renovação ou não do contrato em questão, sendo item de pré-requisito Suspensão Temporária da Participação em Licitação Essa penalidade é significativa, levando em consideração que essa é a maior forma de se conseguir novos clientes em nosso exemplo. Com essa restrição fica impossível, de ao menos, ter as propostas aceitas como participante nas concorrências que estejam sendo realizadas / finalizadas no período. 4.2 Problemas Comerciais Nível de Serviço O nível de qualidade de qualquer operação é um fator importante para a satisfação do cliente, que é responsável pela manutenção desse cliente, principalmente quando falamos de contratos, que normalmente operam a cláusula de renovação por período similar ao período assinado no primeiro momento. Uma interpretação muito conhecida do item nível de serviço retratada em um gráfico genérico onde a mesma é proporcional ao custo. Resumindo, quanto maior o custo maior o nível de serviço a ser oferecido. Mas essa não é a realidade de nenhuma empresa, e esse gráfico deve ser acertado de forma a atender as necessidades do cliente e gerar algum retorno para o prestador.

24 24 Do ponto de vista logístico, temos que atender ao nível de serviço esperado pelo cliente com o menor custo possível. Essa é uma das missões do setor de compras / suprimentos. Analisando o caso da lâmpada citado na introdução, podemos notar esse aspecto de forma simples, em dois exemplos de medidas que podem ser adotadas: a) Podemos aguardar que mais material elétrico seja necessário. Assim adquirindo a lâmpada em um mix de produtos onde seu custo pode ser negociado com base no valor do pedido, seu prazo de pagamento pode ser diluído no parcelamento de uma compra mais significativa. Dessa forma estaremos trabalhando com o menor custo possível para aquisição de uma lâmpada. Em contra partida o cliente pode não gostar da demora que se ocorreu, e adotará em sua avaliação de qualidade que o nível de serviço ficou prejudicado, utilizando como exemplo a demora na troca de uma lâmpada (principalmente se for uma lâmpada do corredor de acesso da sala da alta administração da empresa contratante!). b) Podemos entrar em contato com nosso fornecedor mais próximo geograficamente e solicitar a entrega diretamente na planta através do serviço de motoboy. O que implica no custo do transporte especial direto, e no custo sem possibilidade de negociação de descontos etc, de aquisição de uma única lâmpada. Dessa forma o cliente ficará impressionado com a agilidade do serviço, porém com certeza será a lâmpada com o maior custo e provavelmente fora do previsto nos valores acertados no momento do envio de orçamento de tal contrato. Esse é o tipo de atendimento que mesmo com um custo de valor agregado maior, é necessário para a manutenção do relacionamento com o cliente, e um trade-off normal de ocorrer, se pensarmos que a lâmpada é aquela do corredor de acesso da sala da alta administração da empresa contratante. Ao analisarmos o ponto de vista estratégico, com a satisfação do cliente garantida, podemos conseguir a renovação de um contrato que está

25 25 totalmente implantado e aumentar a rentabilidade do mesmo, visto que não serão necessárias aquisições de itens de primeira necessidade como uniformes e ferramentas (já existentes) apenas cuidado da substituição periódica desses itens. Algo muito mais gerenciável Suspensão Temporária da Participação em Licitação Esse item merece novamente ser mencionado, pois sua implicação abrange a área comercial com uma importância crucial, pois deixa de ser um problema isolado em um determinado cliente e passa a ser um empecilho para a atuação de todo esse setor da empresa, setor esse responsável pela captação de novos clientes, por tanto importantíssimo para o crescimento da empresa, mesmo sendo uma sanção temporária. A recorrência da mesma pode paralisar essas atividades de forma preocupante Marketing Negativo A constante repetição de falhas e conseqüente recebimento de penalidades prejudica a empresa também no mercado privado, onde não é necessário apresentar algumas documentações, mas onde o nome da empresa no mercado é mais que suficiente para que a mesma seja convidada a apresentar uma proposta para a prestação de serviço. 4.3 Exemplo de Cláusula de Penalidades penalidades: Para melhor visualização dos itens acima segue trecho de cláusula de Pela inexecução total ou parcial serão aplicadas multas na forma a seguir, garantida a prévia defesa: a)inexecução parcial dos serviços contratados: 1% (um por cento) por dia de inexecução, do valor correspondente à recarga do(s) cartucho/toner(s). b)ocorrência de quaisquer outros tipos de descumprimento contratual não abrangidos pelas demais alíneas: 1% (um por

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Da publicação do IREM : Estratégias de Negócios para Administradoras de Imóveis Richard F. Muhlebach, CPM Alan A. Alexander, CPM A sua empresa acabou

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos

MANUAL DO FORNECEDOR. Setor de Suprimentos MANUAL DO FORNECEDOR Setor de Suprimentos ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. LOCALIZAÇÃO... 3 3. POLÍTICA DA QUALIDADE ISO 9001/2008... 3 4. MISSÃO, VISÃO E VALORES... 4 4.1. MISSÃO... 4 4.2. VISÃO... 4 4.3.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Projeto Básico - Prestação de Serviços

Projeto Básico - Prestação de Serviços Diretoria de Tecnologia Gerência de Fornecimento de TI Projeto Básico - Prestação de Serviços 1. Objeto: 1.1 Contratação de empresa para prestação de serviços especializados de escuta de gravações e monitoração

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016

Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Guia Canais de Distribuição PLANETFONE 2016 Av. Nossa Senhora do Carmo, 1.191, 3º andar, Sion, Belo Horizonte/MG - www.planetfone.com.br 1 SUMÁRIO 1. A PLANETFONE... 03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 04

Leia mais

ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RONDÔNIA GERÊNCIA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS

ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RONDÔNIA GERÊNCIA DO PROGRAMA LUZ PARA TODOS TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 002 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA CONTÁBIL Porto Velho, 24 de Fevereiro de 2014. 1. OBJETO Prestação de serviços especializados em auditoria

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE O diferencial que sua empresa busca para os negócios Índice APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO 1 MOTIVOS DE SOBRA PARA TERCERIZAR SUA FROTA! 05 CAPÍTULO 2 POR QUE A TRANSMIT?

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO

Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO ANEXO DO CONTRATO Anexo 2 Apêndice 3 PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MOBILIÁRIO Outubro - 2012 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTO PARA GESTÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3. ORIENTAÇÕES

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso QUESTIONAMENTO 01 BRUNA APARECIDA SOUZA AO SR. PREGOEIRO RESPONSÁVEL PELO CERTAME DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO, PREGÃO ELETRÔNICO Nº 100/2015 - SRP, MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS. Prezados, bom dia! A

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto 3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

Leia mais

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES CADASTRO DE CLIENTES Recebimento de equipamentos somente com cadastro completo; O cadastro do e-mail é obrigatório; É de responsabilidade do cliente manter seus dados sempre

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Obrigado por adquirir o FOCUS 10!

Obrigado por adquirir o FOCUS 10! Obrigado por adquirir o FOCUS 10! Somos do setor de apoio à implantação do software de Gestão Óptica - Focus 10. Daremos todo o suporte remoto, para os primeiros dos muito importantes passos a serem dados

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS E MARKETING

Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS E MARKETING Curso de Especialização EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS E MARKETING ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo de Negócios

Leia mais

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite:

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: 01/07/2008 ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008 A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: A data de abertura foi transferida para o dia 18/07/2008, às 14 horas; o prazo para realização

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME.

INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. INVOCK SERVIÇOS DE PORTARIA LTDA-ME. CARTA DE APRESENTAÇÃO Estamos encaminhando nosso portfólio na intenção de apresentar nossa empresa. Após estudo e análise do mercado no segmento de Segurança, Segurança

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais