Estudo comparado da gestão dos projetos de sistemas informações governamentais Uma Proposta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo comparado da gestão dos projetos de sistemas informações governamentais Uma Proposta"

Transcrição

1 Estudo comparado da gestão dos projetos de sistemas informações governamentais Estudo comparado da gestão dos projetos de sistemas informações governamentais Uma Proposta Resumo Marcos Godoy Spindola, M.Sc. 1 UNIDF Pró reitoria de pós graduação e pesquisa Instituto de Cooperação e Assistência Técnica (ICAT) Essa pesquisa, além de apresentar um diagnóstico da crise do Estado (crise fiscal, crise no modo de intervenção no mercado e crise do próprio aparelho do Estado), delineará as suas funções necessárias num contexto de globalização econômica, para viabilizar o atendimento das demandas sociais e a inserção competitiva do País nos mercados internacionais. Nesse sentido, aconselhamos: A revisão da estrutura, ajustando-a ao papel de promotor e regulador do desenvolvimento social e econômico e fortalecendo sua capacidade de formulação e avaliação de políticas públicas; O aumento de sua governança, ou seja, sua capacidade de implementação de políticas públicas, sob a ótica de eficiência, eficácia e efetividade, mediante a introdução de novos modelos organizacionais e novas parcerias com a sociedade civil, o estabelecimento de contratos de gestão/termos de compromisso de gestão/termos de parceria e, finalmente, a modernização da gestão. Devemos ressaltar o entendimento que faz o Plano Diretor sobre a modernização da gestão. Trataremos também do advento governo na web e sua integração com ferramentas e métodos da tecnologia da informação (TI) fomentaram a criação de serviços oferecidos pela internet. Estas iniciativas compõem uma forma de aproximação de cidadãos e governo por meio da web (Gordon-Murnane, 2002). O Governo Eletrônico contempla três das sete linhas de ação do Programa Sociedade da Informação: Universalização de serviços, Governo ao alcance de todos e Infra-estrutura avançada. E por ultimo o Sistema de Integração e Inteligência em Informações de Governo o i3-gov, desenvolvido em plataforma abertas. Assim, são contemplados novas tendências de gestão compartilhada e interinstitucional que envolvem o setor público, o setor produtivo e o crescente setor voluntário ou terceiro setor (Frey, 2002). Enceraremos nosso artigo com uma proposta para desenvolvimento de um estudo comparado da situação da gestão dos projetos de sistemas de informação entre o Brasil e França, apresentando uma proposta se prováveis soluções e implementação de políticas publica mais adequadas para um Brasil moderno. Demonstrando a ligação entre práticas de gestão do conhecimento e gestão de projetos é fundamental para aquelas empresas que buscam incremento no nível de sucesso dos projetos e, principalmente, para aquelas que almejam a inovação. Todavia, haverá orientações nos principais guias de certificações, metodologias e ERP - Enterprise Resourcse Planning (Planejamento de Recursos empresariais) para auxiliar os que seja reutilizado a cada novo projeto. Palavras Chave: Governo, Sistemas de informação, Gerencia de projetos, Sistemas de Integração e Inteligência. 1 Marcos Godoy Spindola é Internacionalista e Professor de Strictu Senso pela Universidade do Minho Portugal 1

2 I STUDY COMPARED OF THE ADMINISTRATION OF THE PROJECTS OF SYSTEMS GOVERNMENT INFORMATION A PROPOSAL SUMMARY UNIDF Pro-Reitoria of Masters Degree and researches That research, besides presenting a diagnosis of the crisis of the State (fiscal crisis, crisis in the intervention way in the market and crisis of the own apparel of the State), it will delineate its necessary functions in a context of economic global, to make possible the attendance of the social demands and the competitive insert of the Country in the international markets. In that sense, advised: The revision of the structure, adjusting it to promoter's paper and regulator of the social and economic development and strengthening its formulation capacity and evaluation of public politics; The increase of its governance, that is to say, its capacity of implementers of public politics, under the efficiency optics, effectiveness and effectiveness, by means of the introduction of new models organizational and new partnerships with the civil society, the establishment of contracts of administration / terms of commitment of partnership administration / terms and, finally, the modernization of the administration. We should stand out the understanding that makes the Managing Plan about the modernization of the administration. We will also be about the coming government in the web and its integration with tools and methods of the technology of the information (TI) they fomented the creation of services offered by the internet. These initiatives compose a form of citizens approach and government by means of the web (Gordon-Murnane, 2002). The Electronic Government contemplates three of the seven lines of action of the Program Society of the Information: Universal of services, Government within reach of everybody and advanced Infrastructure. It is last the System of Integration and Intelligence in Information of Government the i3-gov, developed in opened platform. Thus, they are contemplated new tendencies of shared administration and inter institutional that involve the public section, the productive section and the growing voluntary section or third section (Frey, 2002). We will wax our article with a proposal for development of a compared study of the situation of the administration of the projects of systems of information between Brazil and France, presenting a proposal if you proved solutions and implementers of politics it publishes more adapted to a modern Brazil. Demonstrating the connection between practices of administration of the knowledge and administration of projects is fundamental for those companies that look for increment in the level of success of the projects and, mainly, for those that long for the innovation. Though, there will be orientations in the main guides of certifications, methodologies and ERP - Enterprise Resource Planning (Planning of managerial Resources) to aid the ones that it is reused to each new project. Words Key: Government, Systems of information, Management of projects, Systems of Integration and Intelligence. 2

3 1. Introdução e justificativa; No início do Governo FHC, em 1995, o então Ministro da Administração Federal e Reforma do Estado, Luiz Carlos Bresser Pereira, elabora o Plano Diretor da Reforma do Estado (PDRAE), que é aprovado pela Câmara da Reforma do Estado, vinculada ao Conselho de Governo da Presidência da República. Essa pesquisa, além de apresentar um diagnóstico da crise do Estado (crise fiscal, crise no modo de intervenção no mercado e crise do próprio aparelho do Estado), delineara as suas funções necessárias num contexto de globalização econômica, para viabilizar o atendimento das demandas sociais e a inserção competitiva do País nos mercados internacionais. Nesse sentido, aconselhamos: A revisão da estrutura, ajustando-a ao papel de promotor e regulador do desenvolvimento social e econômico e fortalecendo sua capacidade de formulação e avaliação de políticas públicas; O aumento de sua governança, ou seja, sua capacidade de implementação de políticas públicas, sob a ótica de eficiência, eficácia e efetividade, mediante a introdução de novos modelos organizacionais e novas parcerias com a sociedade civil, o estabelecimento de contratos de gestão/termos de compromisso de gestão/termos de parceria e, finalmente, a modernização da gestão. Devemos ressaltar o entendimento que faz o Plano Diretor sobre a modernização da gestão. Assim, o objetivo da proposta é aumentar sua efetividade mediante: Introdução de uma cultura gerencial, baseada na avaliação de desempenho; Implantação de uma política de profissionalização do serviço público (carreiras, salários, concursos públicos anuais, educação continuada); Consolidação e convergência de sistemas de informações para instrumentalizar o núcleo estratégico na sua função de formulação e avaliação de políticas públicas; Capacitação gerencial para definição e supervisão de contratos de gestão/termos de compromisso de gestão/termos de parcerias. Nos segmentos Atividades Exclusivas e Serviços Não-Exclusivos do Estado, o objetivo é aumentar a eficiência e eficácia na prestação de serviços. Dessa forma, nas Atividades Exclusivas, setor responsável por regulação, regulamentação, fiscalização, fomento, segurança pública, certificação etc., ou seja, atividades em que o poder extroverso do Estado é exercido, é proposta a implantação de Agências Autônomas, entendidas como Agências Executivas e Agências Reguladoras. Nos serviços não-exclusivos, setor que abrange atividades que garantem os direitos humanos e o atendimento à demandas sociais, é proposta a sua execução, com financiamento do Estado, por intermédio de entidades públicas 1 não-estatais, ou seja, as organizações sociais e organizações não-governamentais. Finalmente, o último segmento, voltado para a produção de bens e serviços para o mercado, é constituído de empresas estatais. Os fatores relevantes foram identificados para efeito de análise das informações levantadas, efetuada sob o âmbito de duas dimensões: Âmbito estratégico: que considera a Organização e a implementação da metodologia de Gerência de Projetos como uma nova opção de gerenciamento, Âmbito tático: que relaciona os elementos a serem considerados na implementação de tal metodologia. Assim, os fatores de âmbito estratégico, foram assim discriminados: a) vontade política dos envolvidos, b) adequação da estrutura organizacional, c) aproveitamento das abordagens existentes, d) implementações frustradas e, e) objetivos e planejamento de projetos. Os fatores de âmbito tático referem-se à gerência de: a) recursos, 3

4 b) custo, c) prazo, d) habilidades pessoais, e) cliente/equipe, f) comunicação, g) técnica e h) sistematização das atividades. Os fatores identificados certamente têm um nível bastante alto de relacionamento e foram assim agrupados para efeito de análise na pesquisa. Os fracassos em implementações de projetos da natureza de uma Organização governamental acontecem quando a alta administração está ausente, principalmente no que concerne às questões de mudanças, que são muitas e geram conflitos de várias dimensões. Administrá-las requer uma participação ativa e constante. A estrutura da Organização é um outro fator que merece atenção, uma vez que apresenta acentuada característica departamental e hierarquizada, constituída de cinco níveis. Estas duas características são classicamente inibidoras da gestão por projetos, pois reduz de forma significativa a autonomia dos gerentes e das equipes de projeto. Desta forma pode-se caracterizar a estrutura como matricial fraca, uma vez que está mais parecida com a estrutura funcional e os gerentes funcionais possuem um maior poder em comparação aos gerentes de projeto. O planejamento da implementação de um sistema de gerência de projetos e seus objetivos foi identificado como um fator amplo composto de três fatores relacionados: a) aproveitamento das experiências existentes, b) implementações frustradas e c) do fator tático: sistematização das atividades. O planejamento em si é justificado pela existência, verificada, de experiências frustradas de implementação de programas de gerência de projetos. A inexistência desta etapa, segundo vários autores (KERZNER, 1992), (KING, 1983), (STHUB, et al., 1994), implica em fracasso certo. Após planejamento e implementação da metodologia de gerência de projetos, através do uso de programas de computador já consolidados no mercado, é possível elaborar facilmente o nivelamento de recursos em projetos. O advento governo na web O advento governo na web e sua integração com ferramentas e métodos da tecnologia da informação (TI) fomentaram a criação de serviços oferecidos pela internet. O impulso inicial veio do setor privado, com o comércio eletrônico (e-commerce), mas atualmente as aplicações governamentais (e-government) já não são novidade. Portais governamentais são provedores de informações e serviços aos cidadãos, bem como a variadas esferas de governo, catalisando a demanda por mais informações e serviços. Estas iniciativas compõem uma forma de aproximação de cidadãos e governo por meio da web (Gordon-Murnane, 2002). Aldricha et al. (2002) observam que, em julho de 2001, o total de iniciativas de governo eletrônico nos Estados Unidos era de Na Europa, praticamente todos os países já possuem sítios integrados de governo na web (e.g., Reino Unido, França e Alemanha) ou estão em fase de implantação. Dentre os países em desenvolvimento, o Brasil tem posição de destaque. Projetos brasileiros têm sido considerados referências internacionais em áreas como cobrança on-line de impostos (Shaw, 2002) e gestão de sistemas de informação em Ciência e Tecnologia (Sabbatini, 2001). As metodologias propostas para o desenvolvimento de projetos de governo eletrônico inicialmente centraram-se mais na visão de integração de componentes tecnológicos (Inmon e Caplan, 1992). Mais recentemente, alguns trabalhos propõem a reformulação de processos de criação e instrumentalização de formulários on-line para minimizar custos (Liao et al., 2002), o estabelecimento de diretrizes para projetos (Cook et al., 2002) e a elaboração de metodologias de especificação da arquitetura dos sistemas que devem compor uma plataforma de governo (Sowell, 2000). 4

5 Sistemas de informação governamentais, na web ou fora dela, freqüentemente sofrem de falta de integração e baixa qualidade da informação. Neste projeto de pesquisa os problemas citados são abordados com ênfase numa visão que, por considerar uma vasta gama de interessados e não somente as agências provedoras de serviços ou informações específicas, tem demonstrado vigor suficiente para impulsionar o incremento do volume e qualidade da informação, bem como do interesse e do volume de acessos. Os conceitos são discutidos com foco em um exemplo na área de ciência, tecnologia e inovação (CT&I), a Plataforma Lattes. Além desses aspectos, deve-se ressaltar a ausência de políticas informacionais no Estado brasileiro. Esta situação leva à produção, sem critérios, de volumosos estoques informacionais que, insuficientemente gerenciados, comprometem a qualidade do processo político-decisório governamental e o direito do cidadão às informações. A exclusão informacional que se faz presente em muitos guichês reais, reflete-se na qualidade e quantidade de serviços públicos na Internet. "A infra-estrutura dos serviços informatizados do Governo Federal está baseada na operação de uma malha de múltiplas e diversas redes isoladas. Assim, os serviços não obedecem a padrões de desempenho e de interatividade, as interfaces com o usuário nem sempre são amigáveis e constata-se um descompasso entre os diversos órgãos governamentais no ritmo de assimilação das tecnologias da informação. A capacidade de intercomunicação entre os sistemas é ainda muito limitada, uma vez que foram concebidos sob um paradigma tecnológico já obsoleto. Dessa forma, os sistemas corporativos da administração pública federal são desnecessariamente centralizados, pouco integrados entre si e estruturados com o seu foco na gestão de processos e não de funções". (Pinto, 2002) Governo Eletrônico no Brasil Uma das principais ações governamentais no campo da informação no Brasil, o Governo Eletrônico contempla três das sete linhas de ação do Programa Sociedade da Informação: Universalização de serviços, Governo ao alcance de todos e Infra-estrutura avançada. Seu estabelecimento na Administração Pública Federal, a partir de março de 2000 tem levado à arquitetura de uma estrutura organizacional e informacional com ênfase nas "iniciativas do Governo Federal voltadas para o uso da Internet no exercício da cidadania". "Isso compreende os meios, as informações e os serviços necessários para o usufruto de direitos e o cumprimento de obrigações. Os serviços mencionados devem ser entendidos como 'serviços públicos mais públicos': aqueles que podem ser usufruídos em casa, no trabalho, ou em local de acesso público à Internet, sem a necessidade da presença do cidadão numa representação do governo." (http://www.governoeletronico.gov.br). O i3-gov Trata-se do Sistema de Integração e Inteligência em Informações de Governo o i3-gov, desenvolvido em plataforma aberta. O i3-gov permite conectar os dados, informações e processos armazenados nos oitos sistemas estruturados do governo federal que armazenam milhares de dados. Entre eles, informações sobre compras governamentais, recursos patrimoniais, orçamentários, dados sobre servidores públicos, entre outros. O i3gov entrou em plena operação no início de Temos o desalinhamento dos sistemas porque eles foram desenvolvidos em épocas diferentes, explicou o titular da SLTI, Rogério Santanna. As informações integradas foram disponibilizadas para a sociedade via internet. O objetivo do governo é aprimorar a produção de informações referentes aos sistemas estruturadores de Governo e organizar o conhecimento sobre os processos de tratamento das informações. Uma estimativa aponta que a integração dos sistemas é capaz de reduzir em até 75% dos custos gastos no tráfego de dados de cadastros e tabelas entre os sistemas estruturadores, que hoje ocorre de forma aleatória e repetitiva. Para dar suporte a este nível de inteligência, o i3gov possui uma infra-estrutura operacional de integração e gestão, via webservice, que envia e recebe dados trocados entre os diferentes sistemas estruturadores. O i3-gov foi desenvolvido num ambiente permanente de desenvolvimento de documentação e de análise de informações em tempo real que garante a atualização constante das bases de 5

6 dados. As informações são interligadas por meio dos Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico (e-ping) que permitem a convivência entre antigos e novos sistemas de informação Principais sistemas estruturadores do Governo Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (Siasg) Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos - (Siape) Sistema de Informações Gerenciais e Planejamento - (Sigplan) Sistema de Informações Organizacionais do Governo Federal - (Siorg) Sistema Integrado de Dados Orçamentários (Sidor) Sistema Integrado de Administração Patrimonial (Siapa) Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi) Sistema de Integração de Estatais (Siest) Governança pública e política (GPP) do terceiro setor O entendimento e as aplicações dos conceitos de GPP (Marques, Cunha & Meirelles, 2002) podem contribuir no alinhamento proposto. Apesar das concepções teóricas de governança serem multifacetadas, estão ocorrendo mudanças substanciais dos conceitos tradicionais baseados no princípio da autoridade estatal para abordagens de governança. Assim, são contemplados novas tendências de gestão compartilhada e interinstitucional que envolvem o setor público, o setor produtivo e o crescente setor voluntário ou terceiro setor (Frey, 2002). A nova governança pública também pode ser chamada de new public management (NPM) que pressupõe aplicar nas organizações públicas os modelos de gestão originalmente oriundos da iniciativa privada e os conceitos de administração estratégica, de competitividade e de empreendedorismo (Osborne & Gaebler, 1992). Também tem como princípios: reestruturação, reengenharia, reinvenção, realinhamento e reconceituação (Jones & Thompson, 2000). Apesar de tudo aplicamos os conceitos de e-governança, que podem ser entendidos como a aplicação dos recursos da TI na gestão das organizações públicas e do terceiro setor. Esse conceito, juntamente com o de NPM, está contemplado no modelo proposto de alinhamento entre o PEI e o PE. 2. Objetivo e definição O objetivo desta pesquisa é fazer um estudo comparado da situação da gestão dos projetos de sistemas de informação e inovações tecnológicas entre o Brasil e a Europa, apresentando uma proposta se prováveis soluções e implementação de políticas públicas mais adequada para uma Europa moderna assim como no Brasil e Portugal. A ligação entre práticas de gestão do conhecimento e gestão de projetos é fundamental para aquelas empresas que buscam incremento no nível de sucesso dos projetos e, principalmente, para aquelas que almejam a inovação. Todavia, não há orientações nos principais guias de certificações, metodologias e ERP - Enterprise Resourcse Planning (Planejamento de Recursos empresariais) para auxiliar os que seja reutilizado a cada novo projeto. Os projetos reúnem muitos conhecimentos, mas, o desafio está na transformação desta expertise individual dos colaboradores em conhecimento para que os gestores de projetos tenham condições de aplicarem às melhores práticas de gestão. A Gestão de Projetos não evidencia preocupação com o conhecimento que os projetos geram. Os novos projetos perdem, tanto em ganho de tempo como de qualidade, quando desconsideram os portfólios dos projetos passados. A incorporação de ferramentas de Gestão do Conhecimento pode, contribuir para a criação, recuperação e disseminação do conhecimento através das lições apreendidas entre os diversos projetos em uma organização. O projeto será dividido em (três) grandes partes: Apresentação do conteúdo Apresentação da organização; e O desenvolvimento. A terceira parte descreve todas as fases e subfases, nas quais são gerados e aprovados os respectivos produtos. As fases são mostradas de forma seqüencial e didática, nas chamadas partes. As subfases de cada parte serão elaboradas concomitantemente e de forma integrada e complementar. Os níveis de detalhamento de cada subfase serão determinados pela equipe 6

7 multidisciplinar do projeto, de acordo com o grau de necessidade da organização e do momento em que ela se encontra. Para a elaboração de algumas fases, recomenda-se a criação de formulários para documentar as respectivas atividades. A metodologia de Planejamento Estratégico de Informações (PEI) aplicadas ao estudo será composta de 09 (nove) partes. Pode-se elaborar o projeto pela seqüência das partes sugeridas ou com as subfases agrupadas por finalidade, tais como: organizar o projeto, identificar, avaliar, propor ou planejar determinados itens, executar o planejamento de outras subfases, se considerar necessário. As fases e tarefas podem ser adequadas, complementadas ou suprimidas. Foram elaboradas as seguintes fases e subfases: FASES Parte I. Planejar o PEI Parte II. Revisar o planejamento estratégico Parte III. Planejar informações e conhecimentos Parte IV. Avaliar e planejar sistemas de informação e de conhecimentos Parte V. Avaliar e planejar tecnologia da informação. Parte VI. Avaliar e planejar recursos humanos Parte VII. Priorizar e custear PEI Parte VIII. Executar PEI Parte IX. Gerir PEI SUBFASES a) Organizar o projeto b) Capacitar a equipe de trabalho c) Identificar estratégias e ações organizacionais d) Identificar informações e conhecimentos organizacionais (elaborar o modelo de informações). e) Avaliar sistemas de informação e de conhecimentos atuais f) Planejar sistemas de informação e de conhecimentos g) Avaliar tecnologia de informação h) Planejar tecnologia de informação software, hardware, sistemas de telecomunicações, gestão de dados e informação. i) Avaliar infra-estrutura paralela j) Planejar infra-estrutura k) Organizar a unidade da tecnologia da informação l) Avaliar recursos humanos m) Planejar recursos humanos gestores e não gestores n) Estabelecer prioridades e necessidades o) Avaliar impactos p) Elaborar plano econômico-financeiro q) Elaborar planos de ação r) Gestionar, divulgar, documentar e aprovar o projeto. Quadro 1- Demonstrativo de fases e subfases 3. Metodologia 3.1 Definição Simplificadamente, pesquisa pode ser definida como procedimento racional, estruturado e sistêmico para investigar problemas científicos e tecnológicos determinados e objetivos (Gil, 2002). É importante salientar que problemas e objetivos propostos devem ser válidos do ponto de vista da pesquisa científica e, portanto, potencialmente passíveis de solução. Além disso, esses problemas e objetivos devem ser construídos e confrontados com o conhecimento prévio do campo multidisciplinar em questão e devem estar ao alcance do pesquisador do ponto de vista da sua experiência em pesquisa, dos recursos temporais, materiais, laboratoriais, de acesso à pesquisa de campo, etc. 7

8 3.2 Etapas de pesquisa Como um procedimento racional e estruturado a pesquisa deve ser desenvolvida em etapas mutuamente complementares e, em alguns casos, interdependentes. Assim, o planejamento de pesquisa deve conter minimamente as seguintes etapas: Delimitação teórica - conceitual da pesquisa, envolvendo a seleção e estudo preliminar (exploratório) da bibliografia disponível para caracterizar da problemática de pesquisa (campo do conhecimento); Delimitação e recorte do(s) objetivo(s) da pesquisa, ou seja, as questões e indagações para as quais se deseja aprofundar o conhecimento existente (escopo de pesquisa); A partir dos objetivos de pesquisa é possível construir hipóteses, que se constituem em proposição de respostas às questões formuladas que devem ser verificadas pelos procedimentos de pesquisa; Em pesquisas de cunho exploratório nem sempre é necessário lançar hipóteses em respostas aos problemas formulados, nestes casos pode-se estar justamente buscando uma melhor compreensão e delimitação do problema e dos objetivos relevantes a serem abordados em pesquisas futuras. Com base nos objetivo(s) e hipótese(s) deve se delinear os procedimentos metodológicos de pesquisa bibliográfica e pesquisa empírica; Pesquisa bibliográfica, a fim de desenvolver o estudo minucioso da bibliografia disponível sobre o tema, envolvendo as etapas seleção e classificação do material, análise e interpretação das referências selecionadas; Pesquisa empírica trata-se aqui de buscar evidências práticas provenientes de conforme o caso, diferentes estratégias metodológicas (experimentos, levantamentos ou surveys, estudos de caso, pesquisa ação, etc.) capazes de elucidar os objetivos e corroborarem ou refutarem as hipóteses; As evidências bibliográficas e empíricas devem ser classificadas, sistematizadas, arquivadas e, com base nestas evidências, deve-se redigir o relatório de pesquisa (artigo, tese, dissertação, etc.) de forma a responder os objetivos apresentados e validar e refutar as hipóteses lançadas; Por fim, o relatório de pesquisa, seus dados, procedimentos, resultados e conclusões devem ser validados por pares (membros de bancas examinadoras, de comitês científico de eventos e revistas, etc.) responsáveis pala análise e critica sobre o trabalho. 3.3 Delineamentos da pesquisa No estudo do processo de projeto, os tipos de pesquisa mais usuais podem ser classificados como: Pesquisa exploratória, pesquisas explicativas e pesquisas descritivas. Do ponto de vistas metodológico, os delineamentos mais freqüentes são os de pesquisa bibliográficas, estudos de caso e levantamentos ou surveys. Além desses, podem ser encontrados na literatura delineamentos quase-experimentais e de pesquisa-ação. As pesquisas exploratórias visam propiciar uma aproximação com a problemática estudada. Pesquisas exploratórias são realizadas quando não se tem clareza dos objetivos e indagações pertinentes a um determinado tema e servem justamente para propiciar uma melhor compreensão de um problema de pesquisa. Os desenvolvimentos de pesquisas exploratórias assumem, geralmente, o delineamento de pesquisa bibliográfica e/ou de estudos de caso exploratório. As pesquisas descritivas têm como principal objetivo caracterizar um dado fenômeno através de estudos de caso ou a caracterização de populações e freqüências (para o que se sobressai os delineamentos tipo surveys ou mesmo estudos de caso descritivos). Os delineamentos tipo surveys estarão associados a técnicas de observação sistemática e questionários aplicados com critérios estatísticos de validação de amostras de forma a permitir a generalização dos resultados para um dado universo. Os estudos de caso descritivos buscarão caracterizar o funcionamento de dada realidade ou organização. 8

9 Por fim, o terceiro tipo de pesquisa são aqueles com finalidade explicativa que buscam determinar fatores que determinam ou contribuem para determinado fenômeno ou desempenho ou para traçar relações de causa e efeito. Com relação ao delineamento da pesquisa, o mais utilizado pelos pesquisadores de processo de projeto é a realização de estudos de caso, cuja principal vantagem é permitir a exploração flexível e criteriosa de fenômenos sociais complexos e a abordagem de múltiplas variáveis através da conjunção de diferentes técnicas de pesquisa empírica, entrevistas, observações em campo, análise de documentos, etc. Outro delineamento pertinente ao estudo do processo de projeto é o de levantamentos ou surveys baseados em coleta de informações junto a grupos de pessoas ou empresas através de amostragens estatísticas. Em geral, os levantamentos tratam um conjunto mais restrito e rígido de variáveis de forma a garantir generalizações estatísticas. A principal técnica de coleta de dados utilizada nestes casos é a de questionários estruturados aplicados junto a uma amostra pré-determinada na pesquisa. A escolha do tipo de delineamento a ser utilizado dependerá fundamentalmente do tipo de questão colocada, das características e do objeto da pesquisa. Aliada a este fato, destaca-se a grande preocupação com a formação de competências em gestão de projetos e com o autodesenvolvimento, tendo em vista, o desenvolvimento de habilidades nas nove áreas de conhecimento desta disciplina, conforme sugerido por PMBoK (2004), itens necessários para se atingir a maturidade Project Management Body of Knowledge (PMBoK) É um guia para o gerenciamento de projetos, reconhecido mundialmente, aprovado como um padrão nacional americano, ANS American National Standard pela ANSI - American National Standard Institute (Barros, 2003). O objetivo principal do PMBOK é identificar e condensar os conhecimentos, visões e práticas aplicáveis à maioria dos projetos na maior parte do tempo, de forma que a Aplicação correta dessas habilidades, ferramentas e técnicas contribuam para o aumento das chances de sucesso de uma série de projetos diferentes. A metodologia do PMBOK divide o processo de gerenciamento de projetos em cinco etapas principais (quadro 2): Processo Descrição Iniciação Planejamento Execução Controle Encerramentos Obter o comprometimento e a autorização para o inicio do projeto ou fase; Definir objetivos do projeto e os meios ótimos para o cumprimento dos mesmos Coordenar pessoas e recursos para o cumprimento do planejado Monitorar o progresso de projeto, identificando variações para tomada de ações corretivas, assim, assegurando o cumprimento dos objetivos. Formalizar a aceitação do projeto ou fase e encerrá-lo Quadro 2 Processos de gerenciamento de projetos. Fonte: PMBOK (2004) Somadas as etapas principais a Gerência de Projetos é organizada em nove Áreas de Conhecimento, as quais descrevem as praticas dos processos que a compõe (figura 1). 9

10 Rec. Humanos do Projeto - Planej. Organizacional - Montagem da equipe - Desenvolvimento da equipe Custo do Projeto - Planejamento dos recursos - Estimativa do custo - Orçamento dos custos - Controle dos custos Qualidade do Projeto - Planejamento da qualidade - Garantia de qualidade - Controle de qualidade Comunicação do Projeto - Planejamento da Comunicação - Distribuição das informações - Relato do desempenho - Encerramento administrativo Suprimentos do Projeto - Planejamento das aquisições - Preparação das aquisições - Obtenção das propostas - Seleção de fornecedores - Administração de contratos - Encerramento do contrato Prazo do Projeto - Definição das atividades - Sequenciamento das atividades - Estimativa de duração das atividades - Desenvolvimento do cronograma - Controle do cronograma Escopo do Projeto - Iniciação - Planejamento do Escopo - Detalhamento do Escopo - Verificação do Escopo - Controle de mudanças do Escopo Integração do Projeto - Desenvolvimento do plano de projeto - Execução do plano de projeto - Controle integrado de mudanças Risco do Projeto - Planejamento da gerencia de risco - Identificação dos riscos - Análise qualitativa dos riscos - Análise quantitativa dos riscos - Desenvolvimento das respostas - Controle e monitoramento Figura 1: Visão geral das áreas de conhecimento e dos processos de gerência de projetos. Fonte: PMBOK (2004) Segundo PMBOK (2004) um projeto é: 4. Conclusão Gerência de Projetos Um empreendimento temporário com o objetivo de criar um produto ou serviço único. Temporário significa que cada projeto tem um começo e um fim bem definidos. Único significa que o produto ou serviço produzido é de alguma forma diferente de todos os outros produtos ou serviços semelhantes. Esta pesquisa encontra-se em fase de levantamento de dados, não temos ainda as análises prontas. Mas nos levantamentos e observações iniciais podemos concluir que: 1. um dos problemas da gestão de sistemas governamentais é a terceirização da máquina administrativa por empresas prestadoras de serviços; 2. nos paises consultados o serviço de desenvolvimento de sistemas e gestão de projetos governamentais estão na mão exclusiva dos servidores do estado; 3. no Brasil logo após a troca do primeiro escalão os projetos e sistemas em desenvolvimento são paralisadas para substituição da prestadora de serviço assim como a mudança no projeto em desenvolvimento; 4. nos países analisados este tipo de pratica não acontece; 5. existe uma grande necessidade desenvolvimento de políticas publicas no que se diz respeito a gestão dos projetos de sistemas de informação governamentais; Entre estas e outras formas a necessidade de políticas publicas mais adequadas para a geração dos controles da gestão dos sistemas de informação se fazem necessárias. Esta pesquisa dará ênfase nestas necessidades e apresentará em breve uma serie de recomendações governamentais assim como a formulação das políticas publicas necessárias para o engrandecimento do nosso País. 10

11 5. Bibliografia de referência.informação para negócios no Brasil: reflexões. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE INFORMAÇÃO PARA INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, 1, 1993, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: AGUIAR, Afrânio Carvalho. Informação e atividades de desenvolvimento científico, tecnológico e industrial: tipologia proposta com base em análise funcional. Ciência da Informação, v. 20, n. 1, p. 7-15, ALDRICHA, D.; BERTOTA, J. C.; e McCLUREA, C. R. E-Government: initiatives, developments, and issues. Government Information Quarterly v. 19, Issue 4, 4th Quarter, p , AQUILLO, Isidro. Indicadores de contenidos para la web académica ibero-americana. II Seminário sobre indicadores para a sociedade da informação. Lisboa, Portugal: CCCM, de fevereiro de BACKUS, Michiel. "E-Governance and Developing Countries: Introduction and examples". Research Report, n.3, abr., BARBOZA, Elza Maria Ferraz ; NUNES, Eny Marcelino de Almeida ; SENA,Nathália Kneipp. "Websites governamentais, uma esplanada à parte". Ci. Inf., Brasilia, v. 29, n.1, p , jan./abr BARRETO, Aldo de Albuquerque. A oferta e a demanda de informação: condições técnicas, econômicas e políticas. Ciência da Informação v. 28, n. 2, p , BAX, Marcello Peixoto e LEAL, Jamil. Serviços Web e a evolução dos serviços em TI. DataGramaZero v.2, n.2, abr Disponível em <http://www.dgz.org.br/abr01/art_02.htm>. Acesso em 13 de abril de BITTENCOURT, Jorge Calmon Moniz de. "Diretrizes para o Governo Eletrônico no Mundo em Desenvolvimento - 10 Perguntas que os Líderes do Governo Eletrônico devem Fazer a Si Mesmos". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., Disponível em:<http://www.conip.com.br/palestras2002/12dejunho/sala5/jorgecalmon/diretrizesegov.zip>. Acesso em: 23 mai BRAGA, Elisabeth. "Compras Eletrônicas no Setor Público: O Desafio da Mudança". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., Disponível em: <http://www.conip.com.br/palestras2002/13dejunho/sala2/elisabethbraga/comprasnet.zip>. Acesso em 23 mai CARDOSO, Samuel ; GERENT, Cardoso e Maristela Prado. "Editais de Licitação Via Internet". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., Disponível em:<http://www.conip.com.br/palestras2002/12dejunho/sala2/samuelemaristela/licitacao.zip>. Acesso em 15 mai CARNEIRO, Paulo. "Projeto Liberdade: Identificação Segura e Aberta no Governo". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., CERTIFICACAO digital assegura operações virtuais". Revista do Governo Eletrônico. n. 2, jun./jul./ago Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/revista/n2/mat_certificacao_digital.asp> CERTIFICACAO: o Brasil ingressa no restrito grupo de paises que possuem entidades próprias de certificação". Tema. ano. 26, edição jan Disponível em: <htpp://www.serpro.gov.br/publicações/tema/159materia03.htm>acesso em: 2 mai CIATTEI, Emanuel. "ICP - infra-estrutura de chaves públicas para prestação de serviços ao cidadão - A experiência da primeira autoridade certificadora estadual". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., CLARKE, T.; FLAHERTY, T. B. Web-based B2B portals. Industrial Marketing Management v. 32, Issue 1, p , 1 Jan COMAN Jr., Edwin F. Business literature. In: KENT, Allen, LANCOUR, Harold (Eds.) Encyclopedia of library and information science. New York: M.Dekker, v. 3, p COOK; M. E. et al. Making a Case for Local E-Government, University at Albany, Center for Technology in Government, July Disponível em: <http://www.ctg.albany.edu/egov/making_a_case.pdf>. Acesso em 03 de abril de CROPLEY, Jacqueline. Business information online. In: OPPENHEIM, Charles et ai. Perspectives in information management. London: Butterworths, P

12 DE LOS RÍOS, Rebecca e SANTANA, Paulo Henrique de Assis. El espacio virtual de intercambio de información sobre recursos humanos en Ciencia y Tecnología de América Latina y el Caribe - Del CV Lattes al CvLAC. Ciência da Informação v. 30, n. 3, p , DINIZ, Dalila Zago França. Informação para negócios. Belo Horizonte: Núcleo Especializado em Capacitação de Pessoal em Informação Tecnológica e industrial, (Trabalho apresentado como requisito parcial para obtenção do titulo de Especialista em Gerência de Recursos de Informação para Indústria). GORDON-MURNANE, L. Digital Government: Digital Tools for Electronic Dissemination of Government Information. Searcher: The Magazine for Database Professionals, v. 10, n. 2, Feb Disponível em: <http://www.infotoday.com/searcher/feb02/gordon-murnane.htm>. Acesso em 05 de janeiro de GOVERNO Eletrônico: os serviços públicos que se destacam na Internet". Tema. ano. 26, edição jan Disponível em: <htpp://www.serpro.gov.br/publicações/tema/159/materia07.htm>acesso em: 23 jul GUERREIRO, Evandro Prestes Guerreiro. "Projeto Inclusão Digital para Acesso Público e Gratuito à Internet". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., Disponível em: <http://www.conip.com.br/palestras2002/11dejunho/sala6/evandro_prestes_guerreiro/2conferencia_onlin e_conip2002.zip>. Acesso em 23 mai HARRIOT, Esther. New York s new door to the information age.american Libraries, v. 27, n. 6, p , HAYDEN, Virginia. Information for management: services and sources. London: MCB, HAYTHORNTHWAITE, Jo. (Ed.) The business information maze: an essential guide. London: Aslib, INMON, W. H.; CAPLAN, J. H. Information Systems Architecture - Development in the 90 s. New York: John Willey and Sons, JARDIM, José Maria. Transparência e Opacidade do Estado no Brasil: usos e desusos da informação governamental. Niterói: EDUFF, A face oculta do Leviatã: gestão da informação e transparência KLIKSBERG, Bernardo. "Cómo reformar el Estado para enfrentar los desafíos sociales del 2000". Disponível em: <http://www.iigov.org/iigov/pnud/revista/prevista6.htm>. Acesso em: 21 mai LAVIN, Michael R. Business information: how to find it, how to use it. Phoenix: Oryx, LEAL, Ney Gilberto. "Quiosque Rede Governo". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., Disponível em:<http://www.conip.com.br/palestras2002/11dejunho/sala5/ney_gilberto_leal/ney_leal.zip>. Acesso em 22 mai LENK, K. ; TRAUNMULLER, R. "Broadening the Concept of Electronic Government", In: PRINS, J. E. J. (Ed.). Designing E-Government. [S. l.] : Kluwer Law International, 2001, p LIAO, T. S.; WANG; M. T.; TSERNG, H. P. A framework of electronic tendering for government procurement: a lesson learned in Taiwan. Automation in Construction v. 11, Issue 6, p , Oct RAMOS, Joel ; LAVAREDA,,Paulo. "Direcionamento em 'e - government' - Metodologias, Práticas, Plataforma e Soluções". In: SECOP- Seminário Nacional de Informática Publica, 29., Anais eletrônicos..., LOPES, Mikhail. Quem paga, quanto, para saber o quê. Exame, São Paulo, p , 7 de maio, MAINGUY, Gilles, Centre de Ia Recherche Industrielle du Québec (CRIQ). Ciência da Informação, v. 20, n. 1, p , MARCONDES, Carlos Henrique e JARDIM, José Maria Políticas de Informação Governamental: a construção de Governo Eletrônico na Administração Federal do Brasil, disponível <http://www.dgz.org.br/abr03/art_04.htm#pinto#pinto >. Acesso em 23 maio MARCONDES, Carlos Henrique e SAYÃO, Luís Fernando. Integração e interoperabilidade no acesso a recursos informacionais eletrônicos em C&T: a proposta da Biblioteca Digital Brasileira. Ciência da Informação v. 30, n. 3, p ,

13 MAROS, Luiz Carlos Pereira. "Sistema integrado de licitações e compras". In: SECOP- Seminário Nacional de Informática Publica,29., Anais eletrônicos..., Disponível em: <http://www.abep.sp.gov.br/download29secop/scsistemaintegradodelicitacoesecompras.pdf>. Acesso em: 17 mai MONTALLI, Kátia Maria Lemos. Informação na indústria de bens de capital no Brasil. Ciência da Informação, v. 20, n. 1, p , NASSUNO, Marianne. "Atendimento ao Usuário-Cidadão: Iniciativas no Governo Federal". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., Disponível em: <http://www.conip.com.br/palestras2002/13dejunho/sala7/mariannenassuno/conipatendimentoaousuarioc idadao.zip>. Acesso em: 23 mai NOGUEIRA FILHO, Dalmo. "Governo Eletrônico". In: SECOP - Seminário Nacional de Informática Publica, 29., Anais eletrônicos..., Disponível em: <http://www.abep.sp.gov.br/download 29secopSP/governo>. Acesso em: 23 mai NOGUEIRA, Marco Aurélio. "Governos Eletrônicos". Disponível em:<http://geocities.com/maisbrasil/goveletron.htm>. Acesso em: 23 mai Núcleo Especializado em Capacitação de Pessoal em Informação Tecnológica Industrial, p PACHECO, R. C. S. e KERN, V. M. Uma ontologia comum para a integração de bases de informações e conhecimento sobre ciência e tecnologia. Ciência da Informação v. 30, n. 3, p , PACHECO, R. C. S. Uma metodologia de desenvolvimento de plataformas de governo para geração e divulgação de informações e de conhecimento. Artigo apresentado em cumprimento a requisito parcial de concurso para professor no INE/UFSC. 35 p. Florianópolis, 14 de janeiro de PACHECO, R. C. S.; KERN, V. M. e BERMEJO, P. H. S. Interoperability and information integration in a digital library of theses and dissertations: the case of BTD. The International Information & Library Review, 2003 (to appear). PAULA JUNIOR, Jaime Leonel de ; AX, Renaldo ; SOARES, Cilene Ferandes. "Compras Públicas Via Internet". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., Disponível em: <http://www.conip.com.br/palestras2002/13dejunho/sala2/cilenefernandessoares/ax_pmf.zip>. Acesso em: 23 mai PMBOK Um Guia para o Corpo de Conhecimento em Projetos, Project Management Institute, PINTO, Sólon Lemos. "Governo Eletrônico no Brasil". Disponível em: <http://www.governoeletronico.gov.br>. Acesso em: 23 mai SABBATINI, M. Lattes, cómo gestionar la ciência brasileña en la red Disponível em: <http://www.galeon.com/divulcat/articu/141a.htm>. Acesso em 20 mai SANTANA, Paulo Henrique de Assis, PACKER, Abel Laerte, BARRETTO, Marcia Ymanaka e SORTE, Geraldo. Servidor de enlaces: motivação e metodologia. Ciência da Informação v. 30, n. 3, p , SANTOS, Maria Helena de Castro. "Governabilidade, Governança e Democracia: Criação de Capacidade Governativa e Relações Executivo-Legislativo no Brasil Pós-Constituinte". Dados, v. 40, no. 3, SANTOS,Rogério Santanna dos. "Infovia da Prefeitura de Porto Alegre". In: CONIP - - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., SAUR, Ricardo. "Um Novo Modelo de Prefeitura Eletrônica: Regionalidade e Integração Modular". In: CONIP - CONGRESSO DE INFORMATICA PUBLICA, 8., Anais eletrônicos..., SEMINÁRIO GOVERNO NA INTERNET.1., 2000, Brasília. Anais eletrônicos... Brasília, Disponível em: <http://www.redegoverno.gov.br/e_gov/index.htm>. Acesso em: 23 mai SHAW, R. Creating Trust in Critical Network Infrasctructures: the case of Brazil. In: ITU Workshop On Creating Trust In Critical Network Infrasctructures, 2002, Seoul, Republic of Korea, ITU, Disponível em: <http://www.itu.int/osg/spu/ni/security/docs/cni.06.pdf>. Acesso em 03 de janeiro de SILVEIRA, Henrique Rodrigues Flavio da. "Internet, governo e cidadania". Ci. Inf. v.30, n.2, p.80-90, maio/ago Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/300201/index.htm> Acesso em: 20 abril

14 SOUZA, Terezinha de Fátima Carvalho, BORGES, Mônica Erichsen Nassif. Instituições provedoras de informação tecnológica no Brasil: análise do potencial para atuação com informação para negócios. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n.1, p , SOWELL, K. P. The C4ISR Architecture Framework: History, Status and Plans for Evolution. The MITRE Corporation, McLean, Virginia, Disponível em: <http://www.mitre.org/support/papers/tech_papers99_00/sowell_evolution/sowell_evolution.pdf>. SYMONDS, Matthew. "Survey Government and the Internet. The next revolution. After e- commerce, get ready for e-government", The Economist, June 22nd Disponível em : <http://www.ebape.fgv.br/e_government/asp/dsp_artigos.asp>. 23 mai TARAPANOFF, Kira. A política científica e tecnológica no Brasil: o papel do IBICT. Ciência da Informação, v. 21, n. 1, p , TSICHRITZIS, D.; KLUG, A. The ANSI/X3/SPARC DBMS framework report of the study group on database management systems. Information Systems v. 3, p , VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Informação em ciência e tecnologia: políticas, programas e ações governamentais uma revisão de literatura. Ciência da Informação v. 31, n. 3, p , VERNON, K. D. C. (Ed.) Information sources in management and business. London: Butterworths, VIEIRA, Anna da Soledade. Redes de Ict e a participação brasileira. Brasília: IBICT, WAINWRIGHT, Eric. "Convergence, Information and Records Management : Observations from an Australian Government Information Management Perspective". Disponível em:<http://www.nla.gov.au/>. WEINSTEIN, Peter C. Ontology-Based Metadata: transforming the MARC Legacy. Digital Libraries, Pittsburg, p ZWEERS, K. ; PLANQUE, K. "Electronic Government. From a Organizational Based Perspective Towards a Client Oriented Approach". In: PRINS, J. E. J. (Ed.). Designing E- Government. [S. l.] : Kluwer Law International, 2001, p

VISÃO ESTRATÉGICA DA TERCEIRIZAÇÃO DE TI NO SERVIÇO PÚBLICO: ESTUDO COMPARADO DA GPSIG

VISÃO ESTRATÉGICA DA TERCEIRIZAÇÃO DE TI NO SERVIÇO PÚBLICO: ESTUDO COMPARADO DA GPSIG VISÃO ESTRATÉGICA DA TERCEIRIZAÇÃO DE TI NO SERVIÇO PÚBLICO: ESTUDO COMPARADO DA GPSIG Luiz Lustosa Vieira II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 17: Terceirização: solução ou problema? VISÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Gerência dos projetos de sistemas informações governamentais Um Estudo comparado. Resumo

Gerência dos projetos de sistemas informações governamentais Um Estudo comparado. Resumo Estudo comparado da gestão dos projetos de sistemas informações governamentais Gerência dos projetos de sistemas informações governamentais Um Estudo comparado Luiz Lustosa Vieira, Dr 1 llustosa@unb.br

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Arquitetura conceitual e resultados da integração de sistemas de informação e gestão da ciência e tecnologia Conceptual architecture and results from the integration of science and

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Governabilidade = Poder de Governo

Governabilidade = Poder de Governo 6. Governabilidade, Governança e Accountability 1. Governança 2. Controle por Resultados 3. Accountability Esta tríade reflete os princípios da Nova Gestão Pública e serviu de fundamento para o desenho

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 004/2010 1. Perfil: 001/2010-CGIR - POLÍTICAS PÚBLICAS E PATRIMÔNIO CULTURAL 3. Qualificação educacional: Profissional doutor, com

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso.

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso. Curso sobre Gerenciamento de Projetos Apresentação O Gerenciamento de Projetos evoluiu nos últimos anos, ampliando sua área de atuação dentro das organizações. Nos mais variados campos da administração,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Governança de TI. Governanca de TI. Objetivos. Governanca de TI - ESR - Confluence. 1 de 5 12/04/2010 11:15

Governança de TI. Governanca de TI. Objetivos. Governanca de TI - ESR - Confluence. 1 de 5 12/04/2010 11:15 1 de 5 12/04/2010 11:15 Dashboard > ESR >... > Elaboracao de cursos > Governanca de TI ESR Governanca de TI View Edit Attachments (4) Info Welcome Leandro N. Ciuffo History Preferences Log Out Browse Space

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Apresentação Apresentação Professor Alunos Representante de Sala Frequência e Avaliação Modelos das aulas

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA do PMI (Project Management Institute) PM-BoK (Project Management Body of Knowledge) Programa do Curso 2014 CONCEPÇÃO

Leia mais

Sociedade para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação. CRISE FISCAL x OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO ATENDIMENTO AO CIDADÃO

Sociedade para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação. CRISE FISCAL x OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO ATENDIMENTO AO CIDADÃO Sociedade para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação CRISE FISCAL x OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO ATENDIMENTO AO CIDADÃO Rápido, Fácil e Barato! TEMPOS DE CRISE REQUEREM PRAGMATISMO E SOLUÇÕES

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais