Proposta de um Método para o Controle da Qualidade de Dados em Agricultura de Precisão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de um Método para o Controle da Qualidade de Dados em Agricultura de Precisão"

Transcrição

1 Proposta de um Método para o Controle da Qualidade de Dados em Agricultura de Precisão Allan K. Veiga 1, Wilian F. Costa 1, Etienne A. Cartolano Jr. 1, Antonio M. Saraiva 1 1 Centro de Pesquisa em Biodiversidade e Computação BioComp Escola Politécnica (Poli), Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo SP Brasil Abstract. This paper describes a method for dealing with important Data Quality (DQ) issues in precision agriculture, such as transform poor data into data fit for use; measuring, assessing and improving DQ; and define DQ metrics and concepts. These and others issues can be handled by following the three steps of this method: (1) Identify DQ Needs; (2) Defining a DQ Policy; and (3) Implementing DQ Mechanisms. The application of this method and its periodic reviewing allows organizations controlling the quality of their data, improving the fitness-for-use of data and having better results in precision agriculture. Resumo. Este trabalho propõem um método para tratar importantes questões de Qualidade de Dados (QD) na agricultura de precisão, tais como transformar os dados adequado ao uso; medir, avaliar e melhorar a QD; e definir métricas e conceitos de QD. Essas e outras questões podem ser endereçadas a partir das seguintes etapas do método proposto: (1) Identificação das Necessidades de QD; (2) Definição de uma Política de QD; e (3) Implementação de Mecanismos de QD. A aplicação desse método, associada a sua revisão periódica, permite às organizações controlar a qualidade de seus dados, adequar o uso dos dados e obter melhores resultados na agricultura de precisão. 1. Introdução A Agricultura de Precisão (AP), pode ser caracterizada pelo uso de diversas tecnologias para melhorar as atividades agrícolas (plantio, colheita, fertilização e adequado manejo do solo). A geração de modelos em AP utiliza informações relativas a atributos químicos, físicos e ambientais obtidos durante a fertilização, plantio e colheita para a obtenção de recomendações que possam melhorar a produtividade e minimizar o uso de insumos agrícolas (Coelho, 2005). De acordo com Menegatti & Molin (2003), três são os componentes primários da AP: o sistema de posicionamento global, os mecanismos para controle de aplicação de nutrientes e o banco de dados, que guarda as informações usadas para gerar modelos que definem relações de causa efeito de aplicação de insumos e produtividade. Para alimentar e operar esses componentes, Menegatti & Molin (2003) aponta como necessária a coleta de uma grande quantidade de dados, que pode ser feita de forma automática, com custo relativamente baixo. Contudo, existe um número considerável de erros sistemáticos introduzidos, sendo que apenas alguns desses erros podem ser eliminados por determinados programas computacionais (Menegatti & Molin, 2003).

2 Este trabalho propõe um método que aborda questões de Qualidade de Dados (QD) que vão além de apenas correções de erros pontuais. Este artigo propõe tratar a qualidade como uma componente dos projetos de AP, adotando uma análise prévia, estruturada e sistemática das necessidades de dados do projeto e a definição de aplicação de uma política de QD. A relevância dos dados, e da sua qualidade, justificam a adoção de medidas não somente corretivas, mas também preventivas de tratamento dos dados, que devem seguir um método que permita estruturar tal atividade. 2. Conceitos de QD De acordo com Crosby (1984, apud Wang et al., 1993), é amplamente aceito que a qualidade pode ser definida como a conformidade com os requisitos. Isso implica que o conceito de qualidade muda à medida que os requisitos dos usuários mudam. Assim, para se definir um conceito de qualidade em um determinado contexto, é necessário entender e considerar os requisitos que afetam a satisfação dos usuários dos dados (Rose, 1994). Uma definição frequentemente utilizada para conceituar QD é a de que dados de alta qualidade são dados adequados ao uso (Strong et al., 1997); ou seja, os dados devem servir aos propósitos de quem os usa. De acordo com Wang et al. (1993), em geral, dados de alta qualidade são capazes de representar as condições do mundo real e de serem utilizados de maneira satisfatória pelos seus usuários. Visto que os dados podem ser utilizados de diversas maneiras na AP, a definição de um conceito de QD nesse domínio é um desafio. O entendimento do que é QD em um domínio é essencial para a realização da avaliação da QD. A avaliação da QD consiste em julgar se um conjunto de dados está adequado para ser um utilizado de maneira satisfatória para um determinado propósito específico. Para que essa avaliação da QD seja realizada adequadamente é necessário considerar um conjunto de métricas de QD que forneçam medidas de diversos aspectos da qualidade dos dados. Essas métricas são chamadas de dimensões de QD. Essas métricas são usadas como parâmetros para a melhoria da QD. Essa melhoria pode ser realizada por meio de um conjunto de mecanismos que são implementados para otimizarem as medidas das dimensões de QD. Em suma o mecanismos de QD são responsáveis pela redução de erros que degradam a qualidade. O método proposto por este trabalho tem como objetivo permitir que a QD possa ser medida, avaliada e melhorada dentro de organizações que lidam com AP. O método inclui realizar a identificação das necessidades de QD, a definição de uma política para formalizar conceitos de QD e o desenvolvimento de mecanismos para medir e melhorar a qualidade dos dados na AP. A seguir este método é descrito e exemplificado com aplicações em agricultura de precisão. 3. Proposta de um Método de Controle de QD na Agricultura de Precisão Aplicando o método descrito a seguir no contexto de AP, é possível identificar as necessidades de QD dos usuários dos dados, definir políticas que formalizam a QD e implementar mecanismos para medir e melhorar a QD com o objetivo de continuamente medir, avaliar e melhorar a adequação ao uso dos dados. O método proposto neste trabalho é composto de três etapas principais:

3 1. Identificação de Necessidades de QD: definição de dados adequados ao uso; 2. Definição de uma Política de QD: conjunto de declarações que formaliza como os dados devem estar para atender as necessidades de QD; 3. Implementação de Mecanismos de QD: implementação de mecanismos que façam a política de QD ser cumprida na organização ETAPA I Identificação de Necessidades de QD O objetivo da primeira etapa é entender quais são as necessidades de QD na organização. Esse objetivo pode ser endereçado por meio da identificação, compreensão e das relações entre os seguintes componentes: Elementos de Informação (EI); Dimensões de QD; Problemas de QD; Erros de QD; Fonte de Erros de QD Elementos de Informação Os EI são informações que possuem algum valor na AP. O custo de controle de QD é proporcional a quantidade de EI. Portanto, recomenda-se utilizar os EI que possuem maior valor na AP, caso seja inviável a análise de todos os EI. Os EI podem ser classificados em dois tipos: Simples: elementos que possuem valores atômicos como latitude, longitude, produtividade de massa seca, umidade, ph de solo, K, P, V, CTC, por exemplo; Compostos: elementos compostos por outros EI simples ou compostos, por exemplo, pontos descritos em coordenadas geográficas (latitude, longitude e datum geodésico), linhas formadas por pontos que delimitam os limites de um talhão ou conjunto de polígonos que representam as regiões dos talhões, conjuntos de pontos que representam dados obtido por máquinas, análises de nutrientes e textura do solo, entre outros (Burrough et al., 1998). É importante entender o ciclo de vida dos EI, compreender como essas informações são geradas, gerenciadas, manipuladas e utilizadas, quem são os atores relacionados a essas informações (pessoas, sistemas, equipamentos, organizações) e qual é o valor gerado a partir dessas informações. Os EI são os componentes centrais nas próximas sub-etapa da Identificação de Necessidades de QD, ou seja, a identificação dos próximos componentes serão sempre de acordo com cada um dos EI Dimensões de QD Para cada EI, um conjunto de dimensões de QD relevantes deve ser identificado. Essas dimensões são aspectos de QD, como completeza, acurácia, precisão, credibilidade e temporalidade, por exemplo (Veiga, 2012). A seleção dessas dimensões para cada EI é baseada nas necessidades dos usuários. Por exemplo, a completeza é uma dimensão essencial em EI coordenadas geográficas para a maioria das aplicações em AP. A definição de cada dimensão em relação a cada EI pode variar. Por exemplo, a dimensão de credibilidade em dados de atributos químicos do solo pode estar associado ao método utilizado ou a credibilidade o laboratório contratado para obter essas informações, enquanto que a dimensão de credibilidade em dados geoespaciais pode estar associado ao equipamento ou ao método de georeferenciamento utilizado.

4 A seleção das dimensões de QD e as suas definições em relação aos EI são importantes, pois a partir das dimensões, as medidas de QD serão obtidas, as quais permitirão realizar a avaliação da adequação ao uso dos dados Problemas de QD As dimensões de QD são degradadas por um ou mais problemas de QD. Por exemplo, valores incorretos são problemas que podem degradar a dimensão de acurácia e valores faltantes são problemas que podem degradar as dimensões de completeza e de precisão Erros de QD Os problemas de QD são gerados por um ou mais erros de QD. Por exemplo, erros de digitação podem gerar problemas de valores incorretos e erros de medição de equipamentos podem gerar erros de valores faltantes. Em AP, um exemplos comum de erros de QD é a associação incorreta entre os resultados de uma análise e suas respectivas coordenadas. Em cada análise, as coordenadas são associadas as amostras normalmente em uma junção de tabelas, muitas vezes disponibilizados em planilhas manualmente preenchidas. Nestas planilhas, as coordenadas e respectivas amostras são associadas de acordo com um índice préestabelecido. Erros de associação de índices de amostras, podem causar vários problemas, como valores faltantes para os pontos Fontes de Erros de QD Os erros de QD podem possuir uma ou mais fontes de erros. Por exemplo, a causa dos erros de digitação pode ser a digitação manual dos dados, erros de medição de equipamentos podem ser gerados por equipamentos com defeito, equipamentos ultrapassados ou de baixa qualidade. Entender essas fontes de erros permitem identificar onde estão as vulnerabilidades de QD na organização. Em AP, uma fontes de erros comum está relacionado a não utilização de padrões para troca e geração de informações. Cada laboratório, técnico ou engenheiro agrícola cria suas próprias planilhas, arquivos ESRI Shapefile ou imagem raster lidando com as informações de acordo com suas preferências pessoais e experiências. A troca destas informações e o uso destes dados na ausência do responsável, pode ser um tarefa difícil. Assim, a adoção de padrões interoperáveis para a geração e controle destas informações é um fator essencial para o gerenciamento adequado da QD em AP. Identificar, entender e relacionar os cinco componentes descritos nesta seção permite identificar as necessidades de QD da organização e suportar a criação de uma política de QD apropriada, conforme descrito a seguir (Veiga, 2012) ETAPA II Definição de uma Política de QD O objetivo da segunda etapa é definir uma política de QD que declare como a informação deve estar para satisfazer os requisitos de QD da organização. Baseado nas necessidades de QD, um conjunto de Declarações de QD é estabelecido. Uma Declaração de QD descreve a condição em que o dados deve estar para ter qualidade, por exemplo: Dados referentes aos atributos químicos do solo devem estar georeferenciados, Coordenadas geográficas deve possuir precisão inferior a 20

5 metros, As amostras de solo deverão ocorrer em grade de no máximo 60 metros de distância e profundidade de 20cm ou Pontos de produtividade fora do perímetro do talhão devem passar por avaliação manual antes de ser descartado. Cada Declaração de QD deve ser especificada em Estados de QD. Estado de QD é uma formalização de uma Declaração de QD, onde um dado pode assumir o estado de Com qualidade ou Sem qualidade em relação ao uma Declaração de QD. Por exemplo, o dado possui o estado de Com qualidade em relação a Declaração de QD Coordenadas geográficas deve possuir precisão inferior a 20 metros se P < 20m, onde P representa o valor da precisão das coordenadas geográficas. Considerando que os dados podem ser classificados em dois estados ( Com qualidade ou Sem qualidade ), a política de QD pode ser analisada sistematicamente para verificar a sua aderência as necessidade de QD da organização. Vários métodos podem ser utilizados para a modelagem e a análise da política, como Redes de Petri Colorida ou Qualitative Reasoning, por exemplo. Com a formalização de como os dados devem estar para atender a necessidade de QD, o próximo passo é implementar mecanismos para que os dados atendam a política de QD ETAPA III Implementação de Mecanismos de QD O objetivo da terceira etapa é identificar, projetar, implementar e implantar métodos, técnicas, ferramentas ou procedimentos para impor a política de QD na organização (Veiga, 2012). Cada mecanismo de QD é implementado para impor uma parte da política da QD. A combinação de todos os mecanismos deve cobrir toda a política. Os mecanismos de qualidade de dados podem ser classificados em cinco classes: (1) Prevenção: para prevenir a ocorrência de erros de QD; (2) Detecção: para detectar erros de QD ocorridos; (3) Correção: para corrigir erros de QD detectados; (4) Recomendação: para recomendar correção de erros de QD; (5) Medição: para atribuir um valor qualitativo ou quantitativo a uma dimensão de QD de um EI. Um exemplo de mecanismo detecção de erros de medições é o uso de modelos estatístico para a detecção de outliers. Métodos estatísticos não-paramétricos podem ser utilizados para a recomendações de perfis históricos dos dados (Costa et al., 2013). Mecanismos de prevenção e correção de erros podem ser implementados por meio de serviços web de geoprocessamento (Yang et al., 2010). Esses serviços podem ser mecanismos de tratamentos simples de dados, como a exclusão de valores nulos ou inválidos (Menegatti & Molin, 2004), ou algoritmos complexos, como interpoladores e geradores de recomendação de aplicação de insumos (Santana et al., 2010). 4. Considerações Finais O método proposto neste trabalho permite investigar de maneira sistemática e estruturada as principais necessidades de QD da organização, as fontes de problemas de QD, definir e formalizar uma política de QD que informa como a organização lida com a QD e implementar mecanismos para medir e melhorar a QD. Desse modo, a organização pode controlar a QD por meio da: Medição da QD, onde cada elemento de informação relevante possui valores referentes a qualidade da

6 informação em diversas dimensões; Avaliação da QD, onde o usuário, baseado nas medidas de QD, poderá avaliar se os dados são adequados para determinado propósito; e Melhoria da QD por meio de mecanismos de redução de erros que degradam a QD. Referências BURROUGH, P. A.; MCDONNEL, R. Principles of Geographical Information Systems. Vol Oxford university press Oxford COELHO, A. M. Agricultura de precisão: manejo da variabilidade espacial e temporal dos solos e culturas. Embrapa Milho e Sorgo COSTA, W. F.; SARAIVA, A. M.; VEIGA, A. K.; SANTANA, F. S.; QUINTANILHA, J. A. Applying Multiresolution Segmentation Algorithm to Generate Crop Management Zones based on Interpolated Layers, In: Proceedings of EFITA-WCCA-CIGR Conference Sustainable Agriculture through ICT Innovation. Turim, Itália MENEGATTI, L.A; MOLIN, J. P. Metodologia para identificação e caracterização de erros em mapas de produtividade. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v7, n2 p Campina Grande, PB MENEGATTI, L.A; MOLIN, J. P. Removal of errors in yield maps through raw data filtering. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, n. 8, ROSE, P. Quality in services and services in quality. Customer Driven Quality in Product Design, IEEE Colloquium on. p SANTANA, F. S.; COSTA, W. F.; SARAIVA, A. M.; MOLIN, J. P.; MURAKAMI, E. Computação orientada a serviços em agricultura de precisão: serviço de recomendação para aplicação de insumos em taxa variável. In: Anais do Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão ConBAP STRONG, D. M.; LEE, Y. W.; WANG, R. Y. Data quality in context. Transactions on Communications of the ACM. 40, n. 5, p VEIGA, A. K. Um estudo sobre qualidade de dados em biodiversidade: aplicação a um sistema de digitalização de ocorrências de espécies Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Disponível em: WANG, R.; KON, H.; MADNICK, S. Data Quality Requirements Analysis and Modeling. In: Proceedings of the Ninth International Conference of Data Engineering. p YANG, C. R.; GOODCHILD, R.; GAHEGAN, M. M. Geospatial Cyberinfrastructure: Past, present and future. Computers, Environment and Urban Systems. 34,

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Profª Drª Simone Sayuri Sato Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Data Quality Control in Biodiversity Informatics: The Case of Species Occurrence Data

Data Quality Control in Biodiversity Informatics: The Case of Species Occurrence Data IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 12, NO. 4, JUNE 2014 683 Data Quality Control in Biodiversity Informatics: The Case of Species Occurrence Data A. K. Veiga, E. A. Cartolano Jr. and A. M. Saraiva Abstract

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Fábio Favaretto (PUCPR) fabio.favaretto@pucpr.br Rosana Adami Mattioda (PUCPR) mattioda@brturbo.com Resumo O

Leia mais

Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde

Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde Valéria Farinazzo Martins Salvador Mozart Britto Lincoln de Assis Moura Jr. Jorge Rady de Almeida Junior Roteiro Introdução Qualidade de

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

UMA INFRAESTRUTURA PARA SISTEMAS DE AGRICULTURA DE PRECISÃO VIA WEB

UMA INFRAESTRUTURA PARA SISTEMAS DE AGRICULTURA DE PRECISÃO VIA WEB UMA INFRAESTRUTURA PARA SISTEMAS DE AGRICULTURA DE PRECISÃO VIA WEB ANTONIO MAURO SARAIVA 1 ; JOSÉ PAULO MOLIN 2 ; EDSON MURAKAMI 3 ; FABIANA SOARES SANTANA 4 1 Professor Titular, Escola Politécnica da

Leia mais

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios Process FMEA for quality assurance results in a testing laboratory Jéssica Fredi Cocco 1, Carla Hartmann Sturm 1,

Leia mais

SIGs. Gerais e específicos

SIGs. Gerais e específicos SIGs Gerais e específicos Gerais ArcView É o SIG mais popular do mundo É possível: Usar a informação geográfica para apoiar na tomada de decisão; Visualizar e analisar dados espaciais; Criar e manter conjuntos

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

Qualidade de Dados em Data Warehouse

Qualidade de Dados em Data Warehouse Qualidade de Dados em Data Warehouse Prof. Dr. Jorge Rady de Almeida Jr. Escola Politécnica da USP C/1 Relevância do Tema Principal motivação p/ manter alta QD: impactos nos lucros DW: tomada de decisões

Leia mais

EAD Sistema CR Campeiro 7

EAD Sistema CR Campeiro 7 EAD Sistema CR Campeiro 7 Tópico 1 Interface com Sistema de Posicionamento Global 1.1 Introdução: O Sistema Campeiro, disponibiliza para emprego nas rotinas de topografia, Geoprocessamento e Agricultura

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE PULVERIZAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS. PERNOMIAN, Viviane Araujo. DUARTE, Fernando Vieira

SISTEMA AUTOMÁTICO DE PULVERIZAÇÃO UTILIZANDO TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS. PERNOMIAN, Viviane Araujo. DUARTE, Fernando Vieira REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Adoção da Agricultura de Precisão no Brasil. Alberto C. de Campos Bernardi e Ricardo Y. Inamasu EMBRAPA 1

Adoção da Agricultura de Precisão no Brasil. Alberto C. de Campos Bernardi e Ricardo Y. Inamasu EMBRAPA 1 Adoção da Agricultura de Precisão no Brasil Alberto C. de Campos Bernardi e Ricardo Y. Inamasu EMBRAPA 1 Agricultura de Precisão A agricultura de precisão se deu inicio na década de 90 com o uso de monitores

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso

Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Análise qualitativa do processo de workflow da ouvidoria do IFMG campus Bambuí: um estudo de caso Estefânia Paula da SILVA¹; Lígia Maria SOARES PASSOS² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção do IFMG

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 5.2 Qual a Diferença? Dado? Informação? Conhecimento? Dado Platão (428-348

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

APLICAÇÕES AGRÍCOLAS PARA REDES DE SENSORES SEM FIO RESUMO

APLICAÇÕES AGRÍCOLAS PARA REDES DE SENSORES SEM FIO RESUMO APLICAÇÕES AGRÍCOLAS PARA REDES DE SENSORES SEM FIO RESUMO LUCIANO GONDA 1 CARLOS EDUARDO CUGNASCA 2 ALBERTO CAMILLI 3 O controle e monitoramento em aplicações agrícolas são estratégias fundamentais para

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE AGRICULTURA DE PRECISÃO NO CULTIVO DE LARANJA NO MUNICÍPIO DE LIMEIRA - SP

UM ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE AGRICULTURA DE PRECISÃO NO CULTIVO DE LARANJA NO MUNICÍPIO DE LIMEIRA - SP UM ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE AGRICULTURA DE PRECISÃO NO CULTIVO DE LARANJA NO MUNICÍPIO DE LIMEIRA - SP BARBOSA, Rogério Zanarde rogério.zanarde@hotmail.com GARCIA, Fernando Manfrin GIATI

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 CHERUBIN, M. R. 2 ; AMARAL, A. 3 ; MORAES, M. T. 2 ; FABBRIS, C. 2 ; PRASS, M.

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução Agricultura de precisão voltada à melhoria da fertilidade do solo no sistema plantio direto R.B.C. DELLAMEA (1), T.J.C. AMADO (2), G. L. BELLÉ (), G.T.LONDERO (4), R.J. DONDÉ (4). RESUMO - O sistema de

Leia mais

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Edméia Leonor Pereira de Andrade Embrapa edmeia.andrade@embrapa.br AngélicaToffano Seidel Calazans Caixa Econômica Federal

Leia mais

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN Paulo Jarbas Camurça 1, Robson Franklin Vieira Silva 2, Mosefran Barbosa Macedo Firmino 2, 3, Eduardo Sávio Passos Rodrigues Martins

Leia mais

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão MAS DE LUCRATIVIDADE DA SOJA EM SISTEMA DE CULTIVO AGRICULTURA DE PRECISÃO E CULTIVO CONVENCIONAL Juliano Brusco 1, Eduardo Godoy de Souza 2, Francelino Augusto Rodrigues Junior 3, Jerry Adriani Johann

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Eduardo R. Martini -Setembro 2011 Tendências Globais Crescimento Populacional População (bilhões) Crescimento da Renda Calorias de proteína animal (kcal) Crescimento

Leia mais

V Workshop Anual do MPS - WAMPS 2009 Estudo de Viabilidade de Domínio para Avaliar o Potencial da Organização Quanto à Implementação do Processo Desenvolvimento para Reutilização do MR-MPS MPS Mylene Lisbôa

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Uso das Técnicas de Georeferenciamento na Locação de Amostras Pontuais Aplicadas a Mapeamento Geotécnico

Uso das Técnicas de Georeferenciamento na Locação de Amostras Pontuais Aplicadas a Mapeamento Geotécnico Uso das Técnicas de Georeferenciamento na Locação de Amostras Pontuais Aplicadas a Mapeamento Geotécnico Sérgio Barreto de Miranda, Alexandre Cerqueira de Jesus, Engenharia Civil - UFBA, Salvador, Bahia

Leia mais

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Zélia Magalhães Bianchini (Diretoria de Pesquisas) Helena Piccinini (Diretoria de Informática) Gestão da Qualidade

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Agricultura de Precisão e Rastreabilidade: a tecnologia da informação no. agronegócio

Agricultura de Precisão e Rastreabilidade: a tecnologia da informação no. agronegócio Agricultura de Precisão e Rastreabilidade: a tecnologia da informação no agronegócio Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto Mestre, Pesquisador Científico da UPD de Marília, Pólo Regional do Centro Oeste/APTA

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

Armazenamento e recuperação de dados georreferenciados de condutividade elétrica do solo na Rede de Agricultura de Precisão da Embrapa **

Armazenamento e recuperação de dados georreferenciados de condutividade elétrica do solo na Rede de Agricultura de Precisão da Embrapa ** 3 Armazenamento e recuperação de dados georreferenciados de condutividade elétrica do solo na Rede de Agricultura de Precisão da Embrapa ** Eduardo Antonio Speranza 1 *, Leonardo Ribeiro Queiros 1, Ladislau

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas?

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Fábio Martinho. obtido [on-line] na URL http://www.testexpert.com.br/?q=node/669, em 11/03/2008. Segundo a NBR

Leia mais

EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO

EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO EXTRACÇÃO DE SOMBRA A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO Classificação Não Supervisionada, Reclassificação de Imagem e Classificação Orientada a Segmento Morna Nandaia Ricardo Silva SUMÁRIO

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Rafael Seidi Shigueoka¹, Bruno Bogaz Zarpelão¹ 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Métricas de Software. Sistemas de Informação

Métricas de Software. Sistemas de Informação Métricas de Software Sistemas de Informação Objetivos Entender porque medição é importante para avaliação e garantia da qualidade de software Entender as abordagens principais de métricas e como elas são

Leia mais

Georreferenciamento de Informações Econômicas

Georreferenciamento de Informações Econômicas Georreferenciamento de Informações Econômicas Utilizando o sistema de informações georreferenciadas (SIG) para analisar padrões espaciais PROF.VLADIMIR FERNANDES MACIEL NÚCLEO DE PESQUISA EM QUALIDADE

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Unidade I Conceito de Qualidade Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com UNIDADE I : Conceito de Qualidade 1.1 Qualidade de processo de software 1.2 Qualidade de produto de software UNIDADE

Leia mais

Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com visualização em VRML

Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com visualização em VRML Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com Antonio de Paula Pedrosa Universidade Severino Sombra-USS Vassouras-RJ, Brasil tonywebdevelop@hotmail.com Carlos Vitor de Alencar

Leia mais

Davy Baía MSC Candidate

Davy Baía MSC Candidate Descoberta de conhecimento em banco de dados utilizando técnicas de mineração de dados no domínio da Engenharia de Software para fins de gerenciamento do processo de desenvolvimento Davy Baía MSC Candidate

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014 IntroduçãoaoGuia SWEBOK Ernani Lopes Isensee 2014 Conhecendo o SWEBOK Guide to the Software Engineering Body of Knowledge IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers Conhecendo o SWEBOK O guia

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Edison A. M. Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

Georreferenciamento de Informações Econômicas

Georreferenciamento de Informações Econômicas Georreferenciamento de Informações Econômicas Utilizando o sistema de informações georreferenciadas (SIG) para analisar padrões econômicos espaciais PROF.VLADIMIR FERNANDES MACIEL NÚCLEO DE PESQUISA EM

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Autor: Raul de Abreu Medeiros Júnior Orientadores: Arnaldo Dias Belchior Co-orientador: Pedro Porfírio Muniz Farias Nível: Mestrado Programa de pós-graduação

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt (slides cedidos pelo Prof. Carlos Kamienski - UFABC) Gerenciamento e Avaliação de Riscos Terminologia

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CONBAP 2014 Marcos Nascimbem Ferraz

CONBAP 2014 Marcos Nascimbem Ferraz AGRICULTURA CONBAP 2014 Marcos Nascimbem Ferraz Amostragem de Solo Equipamentos automatizados EFICIÊNCIA ; QUALIDADE E CONFIABILIDADE nas análises Avaliações a campo Qualquer informação utilizada para

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos

A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos Rui Figueira Museu Nacional de História Natural e CERENA Centro de Recursos Naturais do IST Objectivo Reflectir e discutir os princípios de

Leia mais

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Alessandro Liebmam Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP: 31270-010

Leia mais

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC)

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Introdução... 3 1.1 Referência Espacial... 3 1.2 Sistema de Referência de Coordenadas (SRC)...3 1.3

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Gerência de Configuração de Software Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Introdução O que é GCS? Terminologia Agenda Modelos, Padrões e Normas Processo de GCS Padrão IEEE

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

NEW HOLLAND IDEA 2014

NEW HOLLAND IDEA 2014 NEW HOLLAND IDEA 2014 Samir de Azevedo Fagundes Marketing PLM Agricultura de Precisão Felipe Sousa Marketing Especialista Agricultura de Precisão IDEA Edições anteriores... 2009 Influência da lastragem

Leia mais

SISTEMA CR CAMPEIRO 7

SISTEMA CR CAMPEIRO 7 SISTEMA CR CAMPEIRO 7 Tópico 2 Estrutura de Gestão Conceitos e Procedimentos 1. Introdução: A Estrutura de gestão empregada no Sistema CR Campeiro 7, obedece a uma hierarquia, que consiste no registro

Leia mais

Gestão do custo do projeto

Gestão do custo do projeto Nome: N. Série: Gestão do custo do projeto A gestão do custo é representada pelos processos necessários para cumprimento do orçamento. São eles o Planejamento dos Recursos, a Estimativa dos Custos, o Orçamento

Leia mais