Conto O Enfermeiro de Machado de Assis sob a ótica de teóricos da Psicologia: Análise na formação do Enfermeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conto O Enfermeiro de Machado de Assis sob a ótica de teóricos da Psicologia: Análise na formação do Enfermeiro"

Transcrição

1 Conto O Enfermeiro de Machado de Assis sob a ótica de teóricos da Psicologia: Análise na formação do Enfermeiro ANDERSON DIAS DE SOUSA (RELATOR) AMAYA NAILA ALMEIDA LINHARES (COAUTORA) HUGO NAPOLEÃO DE MORAES NETO (COAUTOR) JULIANA MARIA DA SILVA FARIAS (COAUTORA) SORAIA DA COSTA PEREIRA - COREN/PI (ORIENTADORA) Resumo: As obras de Machado de Assis são caracterizadas por sua aguçada moralidade e ironia fina remetida aos fatos mais simples do cotidiano. Contos como O Enfermeiro, do referido autor, são uma ótima fonte para análise, pois permitem o entendimento do comportamento humano em determinada situação, ao passo que elucida a própria realidade. O profissional de Enfermagem, assim como qualquer outro que precise entrar em contato com outros indivíduos, deve ter uma visão holística de homem, e para tal faz-se necessário desvencilhar-se da formação mecanizada, de modo a ampliar os conhecimentos conectando as mais diversas áreas afins. O presente trabalho é um Ensaio temático que versa sobre o conto O Enfermeiro de Machado de Assis sob a ótica de três autores: Lev Vygotsky, Burrhus F. Skinner e Sigmund Freud, estudiosos que voltaram seus conhecimentos para o entender do desenvolvimento humano, do comportamento e da subjetividade do ser. Desse modo, esse texto tem por fim a conexão de conceitos fundamentais de Psicologia à prática do profissional de Enfermagem. Descritores: Enfermagem. Holística. Psicologia

2 Uma breve análise da obra de Machado de Assis A obra machadiana é sempre enaltecida não somente pela ótima retórica, como principalmente pela dualidade simplicidade-profundidade existente no conteúdo da mesma, especialmente em seus contos, que abordam, em sua maioria, assuntos cotidianos, o que leva a prender o leitor que acaba por se identificar com seus escritos. Machado de Assis permitiu que o âmago brasileiro se mostrasse para as demais culturas através de sua obra psicológica. Machado de Assis, ao adotar um enfoque narrativo da perspectiva do eterno, moderniza a eternidade, pois projeta nos casos nacionais os mistérios seculares da existência, incluindo, dessa maneira, a civilização brasileira na história do comportamento mais geral da alma e do psiquismo humanos. [...] ao abrir para sua análise sob a lente da experiência ocidental, dita eterna, e registrada nos textos da biblioteca, Machado tira o Brasil do isolamento e possibilita uma leitura do seu comportamento cultural, já integrado na história muito mais ampla da inteligência ocidental. (ANTUNES; MOTTA, 2009). A peculiaridade na escrita do autor ficou marcada na história da literatura brasileira e mundial. A consagração de Machado foi com o romance Memória Póstumas de Brás Cubas, porém seus contos não deixaram a desejar no quesito realidade irônica. Os principais temas destacados por Veríssimo nos contos machadianos, em que se alternam historietas, casos e anedotas de de pura fantasia ou perfeita verossimilhança, são a tolice e a malícia humanas. Ele observa, também, que, a partir da publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, os livros de contos também passam a trazer o tom pessimista e irônico inaugurado no romance. (ARMANGE, 2004). A obra O Enfermeiro deve ser analisada com cautela, por apresentar um narradorpersonagem que interfere em sua própria narrativa, pois, assim como qualquer indivíduo, é dotado de subjetividade, o que amplia as possibilidades do relato feito por este. Em O enfermeiro, no aspecto técnico, não é onisciente a visão de mundo desse narrador-personagem. Esta primeira pessoa, de fato, sugere instancias de mediação curiosa, especialmente em se tratando de Machado de Assis, que abusa do direito de ser autor, e estar em toda a parte [...]. Dominando a situação narrativa, temos um eu a se confessar e a interferir no entrecho de várias formas. (CALLES, 2007).

3 Nesse conto em que o protagonista Procópio vê-se em situação de extrema tensão, onde são colocadas à prova suas atitudes como profissional e seu caráter, especialmente por se tratar de um cristão que deveria apresentar boa conduta, o desenrolar da estória permite fazer inferências a cerca do seu perfil psicológico, bem como de seu antagonista. No tocante à apresentação das personagens desse conto, Machado nos dá, logo no início, alguns indícios de seus perfis psicológicos. Contudo, como é característico no método dramático, estes somente irão ser realmente revelados por meio de uma análise progressiva e gradual sobre seus atos e palavras no decorrer da trama. Durante a leitura, há uma mudança gigantesca não apenas nos perfis psicológicos das personagens como também em nossas próprias convicções iniciais. O enfermeiro passa de vítima da rudeza do Coronel à responsável pela morte do mesmo. O Coronel, de vilão e ingrato passa a ser visto como uma pessoa com um imenso sentimento de gratidão, ao deixar para o seu enfermeiro toda a sua fortuna. Logo, há um deslocamento de um esquema maniqueísta, onde se acredita que existam pessoas boas e pessoas ruins. (LACERDA, 2008) Nessa obra, a idéia de bem parece ser limítrofe à idéia de mau, e assim cada comportamento e pensamento encoberto deve ser analisado, pois muito mais há nas entrelinhas do que realmente nas palavras coesas de Machado. Nessa perspectiva, o leitor é instigado a refletir sobre o próprio comportamento diante das mais diversas situações, fazendo um balanço entre a moralidade e o ímpeto situacional, uma vez que a obra supracitada não dita verdades universais, apenas sensibiliza para uma maior percepção por parte de quem a interpreta. A obra O Enfermeiro com base na teoria de Lev Vygotsky Lev Vygotsky ficou conhecido por sustentar a idéia da aprendizagem com maior influência do meio externo, contrapondo-se à teoria piagetiana de universalidade do ser. Sendo assim, cada indivíduo irá maturar de forma diferenciada de acordo com o ambiente em que foi criado. E isso se dá, pois o individuo age no meio, e é influenciado por essa ação. O homem não nasce pronto, cada individuo aprende a ser um homem. A noção de desenvolvimento está atrelada a um contínuo de evolução, em que nós caminharíamos ao longo de todo o ciclo vital. Essa evolução, nem sempre linear, se dá em diversos campos da existência, tais como afetivo, cognitivo, social e motor. Este caminhar contínuo não é determinado apenas por processos de maturação biológicos ou genéticos. O meio (e por meio entenda-se algo muito amplo, que

4 envolve cultura, sociedade, práticas e interações) é fator de máxima importância no desenvolvimento humano. (RABELLO; PASSOS, 2011) Dessa forma, a cultura é refletida nas atitudes do ser, e esta aprendizagem cultural se dá de forma contínua, portanto há possibilidade de alterações nas expressões do indivíduo. Todos nós crescemos em uma determinada cultura, o que, com certeza, faz parte do que significa ser uma pessoa não existe ninguém não inserto em alguma cultura [...] Coisa que nenhuma criança nasce sabendo mas as culturas ensinam, contêm respostas a questões básicas como: O que a sociedade valoriza e espera de mim? Quem se parece comigo no convívio com minha família?[...] A cultura, ao influenciar os papéis que somos propensos a assumir, igualmente influencia nosso comportamento. (FRIEDMAN; SCHUSTACK, 2004) As funções psicológicas de uma pessoa se desenvolvem ao longo do tempo e são mediadas pelo fator sociedade, através de símbolos criados pela cultura. A linguagem como instrumento fundamental na constituição do sujeito, representa a cultura e depende da influência social. A linguagem permite ao homem se desligar da experiência direta e garante o nascimento da imaginação. Essa teoria encontra-se tangente à obra O Enfermeiro quando se observa o perfil dos principais personagens do conto. Procópio era um homem paciente e prestativo, enquanto o coronel Felisberto era mandão até mesmo violento. A princípio é feita uma alusão do homem de princípios ligado à igreja e o homem insuportável rodeado de amigos interesseiros. A citação a seguir denota calma e resignação típica de sua personalidade, [...] tendo eu quarenta e dois anos, fiz-me teólogo, - quero dizer, copiava estudos de Teologia de um padre [...] ao que respondi que estaria pelo que fosse de bom grado [..] eu nada sabia do resto do mundo. (ASSIS, 1994) Porém a estória muda de rumo, onde os papéis se invertem, e outras atitudes são mostradas. Procópio passa a responsável de uma atitude desaprovável pela sociedade e o coronel passa a ser bondoso e caridoso. E então a grande crítica do livro é essa ironia, de personalidades duvidosas em decorrência do seu contexto sócio-histórico como responsável pelo indivíduo e suas atitudes ditas tortas. Procópio e Felisberto são personagens que se estabelecem por um evidente antagonismo psicológico e social. Anteriormente à transformação ocorrida, o enfermeiro é um homem livre, mas que não se concebe como um ser econômica e espiritualmente autônomo. Na verdade, Procópio - um copista - encarna um destino

5 sem grandeza, sem anseio por realizar algo, alguém que vivia dos favores de um padre antigo colega de escola, recebendo casa e comida em troca de uma função imitativa, sem criatividade. Discrição, paciência, resignação, servilismo são peculiares a Procópio, que sempre estivera em posição subalterna, quase à margem social e que reúne, portanto, condições adequadas a submeter-se aos desmandos e às humilhações de Felisberto, um homem mimado e caprichoso, oriundo de família aristocrática. O ex-copista reproduz, por assim dizer, a sujeição ao mandonismo, beirando à violência, vigente num país que, em pleno século XIX, supostamente aspira ao progresso e à civilização. Porém, na clandestinidade, o paternalismo social ainda traduz os valores tradicionais da nacionalidade burguesa e determinados pelo capitalismo e liberalismo. Configura-se, desta maneira, a estrutura social assentada nos privilégios e na desigualdade. A luta pelo dinheiro e pela celebridade põe em relevo a ganância do lucro e do ganho desmedidos; o egoísmo; o calculismo; a soberania e o prestígio sociais e a transformação do homem em instrumento do homem. (SCHWARZ, 1989, 1990, 1991, 1992 apud CALLES, 2007). A obra O Enfermeiro sob a ótica da teoria de Skinner Todo comportamento está envolto de um contexto, e dessa forma um toda resposta ao ambiente produzirá também uma conseqüência a si própria. A primeira e mais básica proposição skinneriana que pode ser diretamente relacionada com a concepção de homem é a do conceito de operante. Não deve pairar dúvida sobre a caracterização que Skinner faz desta relação homem-ambiente. Apesar do próprio autor não deixar sempre explícito o significado deste conceito e não se referir a ele sempre do mesmo modo, existem passagens significativamente claras que podem inclusive compensar esta 'oscilação'. Desde o início, Skinner caracteriza o comportamento que compõe a relação operante como aquele que produz conseqüências e, exatamente por isso, tais conseqüências não poderão ser nunca "incidentais" (1935). A importância desta caracterização está no termo produzir, ele indica que o comportamento é indispensável porque ele é que produzirá aquilo que passará a fazer parte de seus determinantes. Dito de outra maneira, a conseqüência depende do comportamento e o determina. (SKINNER< 1935 apud MICHELETTO; SÉRIO, 1993). No conto aqui analisado, há uma série de comportamentos e consequências desencadeadas. Mas voltando-se às principais, que constam no clímax da estória, percebe-se que a resposta de Procópio ao ato violento de Felisberto, gerou uma conseqüência que foi a do recebimento da herança, no sentido de que a recebeu antes do tempo, pois isso também está ligado ao fato de que Felisberto se agradou de seu enfermeiro. Esta consequência, por sua vez,

6 vem afetar a própria resposta de agressão, quando Procópio começa a sentir remorso pelo ato cometido. Assim por uma ironia da sorte, os bens do coronel vinham parar às minhas mãos. Cogitei em recusar a herança. Parecia-me odioso receber um vintém do tal espólio; era pior do que fazer-me esbirro alugado. Pensei nisso três dias, e esbarrava sempre na consideração de que a recusa podia fazer desconfiar alguma cousa. No fim dos três dias, assentei num meio-termo; receberia a herança e dá-la-ia toda, aos bocados e às escondidas. Não era só escrúpulo; era também o modo de resgatar o crime por um ato de virtude; pareceu-me que ficava assim de contas saldas. (ASSIS, 1994) Aparentemente, para os que julgam a teoria skinnneriana, não considerariam os pensamentos oriundos dessa herança odiosa como uma conseqüência, porém, Skinner não negava os pensamentos como componentes do comportamento. Assim o chamando de comportamento encoberto. O papel dos sentimentos e de outros estados subjetivos foram tema de grande parte dos escritos de Skinner. O sentimento é um tipo de ação sensorial, como ver ou ouvir (Skinner, 1982). Discriminar aquilo que sentimos e falar sobre isso (sentimentos) são comportamentos aprendidos, produtos da comunidade verbal que nos ensina a descrever o que fazemos, o que pensamos e o que sentimos (Skinner, 1991). De acordo com o senso comum, o objeto de estudo de Skinner é o comportamento observável, mas, ao contrário dessa crença popular, pensamentos e sentimentos também foram considerados por Skinner que os denominou de comportamentos encobertos. Estes comportamentos continuam sendo estudados e é objeto de muita análise e discussão entre os comportamentalistas. (SKINNER, 1982 apud CARVALHO, 1999). Os comportamentos novos que começamos a aprender surgem a partir de comportamentos que já existem em nosso repertório comportamental. Dessa forma o conto é analisado sob a égide de um forte esquema psicológico. onde devem ser analisados tanto os comportamentos encobertos, quanto os comportamentos de Procópio aos olhos da sociedade, pois esta ao passo que é enganada quanto à morte de Felisberto, é, também, a responsável por reforçar comportamentos inescrupulosos, e assim, por modelar o comportamento que matou o coronel. O ambiente de falsidade perdura desde a morte, passando pelo enterro e chegando ao desfecho, onde mesmo sabendo ser culpado por acelerar o fim da vida de seu paciente, o enfermeiro tenta ficar em paz com a própria consciência, procurando artifícios para convencer a si mesmo de sua inocência. Essa falsidade impregnou-se no contexto social, e entenda por

7 contexto como palavra do dicionário comportamentalista, de modo que esse influenciou fortemente no comportamento de Procópio em esconder-se como assassino e aceitar o papel de bom amigo. Ainda no desfecho da estória, a fala da população enganada para Procópio, foi reforçadora de tal modo, que por fim já não se sentia tão culpado e nem doaria mais a herança, antes odiosa. Entende-se por reforço: [...] é um tipo de conseqüência do comportamento que aumenta a probabilidade de um determinado comportamento voltar a ocorrer. [...] relação entre organismo e seu ambiente, na qual o organismo emite uma resposta (um comportamento) e produz alterações no ambiente. Quando as alterações no ambiente aumentam a probabilidade de o comportamento que as produziu voltar a ocorrer, chamamos tal relação entre organismo e ambiente de contingência de reforço [...] (MOREIRA; MEDEIROS, 2007) Dessa forma entende-se que Procópio poderia até não realizar esse ato criminoso novamente, por diversos motivos maiores, mas o fato de a população enaltecê-lo como profissional e companheiro do coronel o fez repensar na sua condição de modo a ver-se quase como inocente. Receberam-me com parabéns. O vigário disse-me as disposições do testamento, os legados pios, e de caminho ia louvando a mansidão cristã e o zelo com que eu servira ao coronel, que, apesar de áspero e duro, soube ser grato. [...] Estava atordoado. Toda a gente me elogiava a dedicação e a paciência. [...] Durante esse tempo, falava muita vez do coronel. Vinham contar-me cousas dele, mas sem a moderação do padre; eu defendia-o, apontava algumas virtudes, era austero... [...] E referiam-me casos duros, ações perversas, algumas extraordinárias. [...] Eu, a princípio, ia ouvindo cheio de curiosidade; depois, entrou-me no coração um singular prazer, que eu sinceramente buscava expelir. [...] E o prazer íntimo, calado, insidioso, crescia dentro de mim, espécie de tênia moral, que por mais que a arrancasse aos pedaços recompunha-se logo e ia ficando. (ASSIS, 1994) A obra O Enfermeiro de acordo com a teoria de Freud O pensamento freudiano a cerca da formação da subjetividade do indivíduo baseia-se na idéia de um psicológico composto de três estruturas: ego, id e superego. O id foi concebido como um conjunto de conteúdos de natureza pulsional e de ordem inconsciente, constituindo o polo psicobiológico da personalidade. É

8 considerado a reserva inconsciente dos desejos e impulsos de origem genética, voltados para a preservação e propagação da vida. [...] O ego se desenvolve a partir da diferenciação das capacidades psíquicas em contato com a realidade exterior. Sua atividade é, em parte, consciente (percepção e processos intelectuais) e, em parte, pré-consciente e também inconsciente. É regido pelo princípio da realidade, que é o fator que se incumbe do ajustamento ao ambiente e da solução dos conflitos entre o organismo e a realidade. O ego lida com a estimulação que vem tanto da própria mente como do mundo exterior. Desempenha a função de obter controle sobre as exigências das pulsões, decidindo se elas devem ou não ser satisfeitas, adiando essa satisfação para ocasiões e circunstâncias mais favoráveis ou reprimindo parcial ou inteiramente as excitações pulsionais. [...] O superego desenvolve-se a partir do ego, em um período que Freud designa como período de latência, situado entre a infância e o início da adolescência. Nesse período, forma-se nossa personalidade moral e social. O superego atua como um juiz ou um censor relativamente ao ego. Freud vê na consciência moral, na auto-observação, na formação de ideais, funções do superego. Classicamente, o superego constitui-se por interiorização das exigências e das interdições parentais. (LIMA, 2009) Dessa forma, entende-se que Procópio foi induzido pelo Id no momento de estrangular o coronel, de modo que seu ego não ponderou possíveis problemas posteriores. O superego não prevaleceu nesse momento, e isso pode ser visto como um sentimento coletivo de tentar eliminar aquele indivíduo tão grosseiro com todos. Além do ímpeto no momento da ação, existe ainda os mecanismos de defesa, onde pode-se falar em repressão. Repressão seria um processo de expulsão de qualquer ideia, desejo e lembrança inaceitáveis na consciência, possibilitando, operar no inconsciente. Toda a subserviência e passividade de Procópio, e até mesmo o fato de ser copista de um padre aos 42 anos, e só depois a explosão de ódio culminando no assassinato de Felisberto, leva ao pensamento de sentimento reprimido. E posteriormente, outro mecanismo de defesa seria o de negação. A negação recusa em reconhecer um estímulo que provoca ansiedade [...] Conquanto a negação seja observada em adultos, em circunstâncias de extremo estresse, em algumas ocasiões as pessoas podem também distorcer alguns aspectos de dada situação [...]. (FRIEDMAN; SCHUSTACK, 2004) A obra O Enfermeiro e o profissional de enfermagem: um texto envolto de conceitos psicológicos

9 Na estória comentada nesse trabalho, tentou-se analisar sobre o ponto de vista psicológico uma obra que remete ao trabalho do profissional de Enfermagem. O texto não relata muito sobre a profissão em si. As palavras envolvendo esse tema são poucas, porém o que o conto sugere para os enfermeiros e sua profissão é vai além de uma simples interpretação colegial. Na obra o enfermeiro, aquele que teria por função primordial manter o zelo de seu paciente, ironicamente foi o responsável por sua morte. Dessa forma vê-se que seu trabalho não foi executado como deveria, levando em consideração que ele sabia que mesmo sendo um trabalho árduo, jamais poderia tomar tal atitude. O ápice da análise dessa obra sob os olhos do profissional de enfermagem, deve ser quanto as doenças que acometiam Felisberto e, dessa forma, o que acabava por transformá-lo como ser e reagir de forma grosseira com Procópio e outros. Sabe-se que a fisiologia e psicologia estão intrinsecamente ligadas, e que a alteração de uma irá interferir no desempenho da outra. Um problema psicológico pode somatizar e o corpo padecer. Uma moléstia na carne pode ser tão severa ao ponto de desestruturar o psicoemocional do ser. Conclui-se que, apesar das dificuldades de se trabalhar na área, e mesmo com as atitudes que parecem não possuir explicação e merecerem reação punitiva, o profissional de enfermagem deve ser centrado e exercer suas funções de acordo com os preceitos e aquilo que aprendeu na academia. Não só com conhecimentos a respeito do corpo humano, mas também com o entendimento do ser. Só assim é possível um trabalho completo, permeado de humanidade. Referências

10 ANTUNES, B; MOTTA, S. Machado de Assis e a crítica internacional. Ed. Unesp. São Paulo, ARMANGE, Ana Helena Krause. A concepção do conto em Machado, Poe e Tchekhov: diferenças e similitudes. Disponível em <http://www.entrelinhas.unisinos.br/index.php?e=2&s=9&a=>. Acesso em 20 de maio de CALLES, D. C. Uma leitura do conto machadiano pela análise de O enfermeiro. Revista Letra Magna. Revista Eletrônica de divulgação Científica em Língua Portuguesa, Lingüística e Literatura. Ano o4, nº. 6 1º. ISSN São Paulo, CARVALHO, S. G. O lugar dos sentimentos na ciência do comportamento e na terapia comportamental. Psicologia: Teoria e Prática, 1(2) : São Paulo, FRIEDMAN, H. S. SCHUSTACK, M. W. Teorias da Personalidade: Da Teoria Clássica à Pesquisa Moderna. Prentice Hall. 2 ed. São Paulo, LACERDA, M. M. Análise de O enfermeiro, de Machado de Assis. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.estacio.br/rededeletras/numero9/no_mundo_letras/oenfermeiro.asp>. Acesso em: 20 de maio de LIMA, A. P. O modelo estrutural de Freud e o cérebro: uma proposta de integração entre a psicanálise e a neurofisiologia. Uberlândia, Temas psicológicos. v.1 n.2. ISSN X. Ribeirão Preto, 1993 MOREIRA, M. B.; MEDEIROS, C. A. Princípios básicos de análise do comportamento. Artmed. Porto Alegre, RABELLO, E.; PASSOS, J. S. Vygotsky e o desenvolvimento humano. Rio de Janeiro, Disponível em Acesso em: 20 de maio de SKINNER, B.F. Sobre o Behaviorismo. Cultrix. São Paulo, SCHWARZ, Roberto. Ao Vencedor as Batatas. Duas Cidades - 4ª ed. São Paulo, 1992.

11 SCHWARZ, Roberto. Um Mestre na Periferia do Capitalismo: Machado de Assis. Duas Cidades. São Paulo, SCHWARZ, Roberto. Complexo, Moderno, Nacional e Negativo e Duas Notas sobre Machado de Assis, Que horas são? Cia das Letras. São Paulo, SCHWARZ, Roberto. A Poesia Envenenada de D. Casmurro e Uma Discussão Sobre Um Mestre na Periferia do Capitalismo. Novos Estudos. CEBRAP, n. 29, São Paulo, VENTURA, Mauro de Souza. Moral e sobrevivência no conto de Machado de Assis. Publicação de alunos do IEL/Unicamp, Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/site>, Acesso em: 20 maio de 2014.

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação Faculdade de Humanidades e Direito Curso de Filosofia EAD VI semestre Módulo Formação Docente Prof. Dr. Paulo Bessa da Silva Objetivo O objetivo desta teleaula é apresentar os fundamentos

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

SAÚDE MENTAL NAS ESCOLAS: REPENSANDO O ATO DE EDUCAR POR MEIO DO AMOR TRANSFERENCIAL

SAÚDE MENTAL NAS ESCOLAS: REPENSANDO O ATO DE EDUCAR POR MEIO DO AMOR TRANSFERENCIAL 1 SAÚDE MENTAL NAS ESCOLAS: REPENSANDO O ATO DE EDUCAR POR MEIO DO AMOR TRANSFERENCIAL NOME E ENDEREÇO COMPLETO DOS AUTORES: Diego Alonso Soares Dias Rua Pouso Alegre, 2442, apto 601, Bairro Santa Tereza,

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

O APARELHO PSIQUICO DE FREUD: NOS TRES MUNDOS DE POPPER, UMA INTEIRAÇÃO POSSIVEL?

O APARELHO PSIQUICO DE FREUD: NOS TRES MUNDOS DE POPPER, UMA INTEIRAÇÃO POSSIVEL? Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 523 O APARELHO PSIQUICO DE FREUD: NOS TRES MUNDOS DE POPPER, UMA INTEIRAÇÃO POSSIVEL? SILVIO SANTOS TOMAZIN Discente

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE.

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. Elen Patrícia Piccinini Leandro Dierka Patrícia Asinelli Silveira RESUMO Em meio à correria e compromissos do dia a dia é difícil prestar atenção em nosso corpo.

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO: DA INCLUSÃO E DA EXCLUSÃO OU DA EXCEÇÃO E DA REGRA Carla Priscila Cesário Gonçalves ( graduanda pedagogia UEPB) Erika Barbosa Santos ( graduanda pedagogia UEPB) Juliana Michelle

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA. Prof. Saulo Almeida

INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA. Prof. Saulo Almeida INTRODUÇÃO À PSICOLOGIA Prof. Saulo Almeida Psicologia = Psykhé (Alma) + Lógos (Estudo) - Ciência Psicologia - Disciplina Acadêmica - Profissão Psicologia - Ciência que estuda os processos mentais (sentimentos,

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

Ler o que escrevem aqueles que não concordam com nossas crenças é uma das. melhores formas de aprendizagem. As objeções destas pessoas são sempre um

Ler o que escrevem aqueles que não concordam com nossas crenças é uma das. melhores formas de aprendizagem. As objeções destas pessoas são sempre um Reencarnação: resposta às críticas de um cético Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes http://www.nascervariasvezes.com/ Ler o que escrevem aqueles que não concordam com nossas crenças é uma das melhores

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

O Brincar para a Criança Hospitalizada

O Brincar para a Criança Hospitalizada Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Brincar para a Criança Hospitalizada Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos Aos nossos familiares, que revestiram nossas vidas com muito amor,

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO Nesta unidade, estudaremos o pensamento sociológico clássico, que consiste na compreensão dos três princípios explicativos da realidade social.

Leia mais

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264

C A R R E I R A H O G A N D E S E N V O L V E R DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA. Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R C A R R E I R A DICAS DE DESENVOLVIMENTO PARA GESTÃO DE CARREIRA Relatório para: Tal Fulano ID: HC748264 Data: 12,

Leia mais

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010 Decio Tenenbaum Biológica Psicológica Ôntica Social Cultural Espiritual Níveis de consciência (transcendência) Somos formados por

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Revista Nº 60 COLÉGIO SANTA MARIA. Leitura. tratada como prioridade prazerosa

Revista Nº 60 COLÉGIO SANTA MARIA. Leitura. tratada como prioridade prazerosa Revista Nº 60 COLÉGIO SANTA MARIA Leitura tratada como prioridade prazerosa Destaque Leitura levada a sério Ilustrações: 123RF Leitur Um saldo extraordinário, principalmente se comparado com o número de

Leia mais

Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO

Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO A SOCIEDADE A E NATUREZA DO DELITO COMO FENOMENO INDIVIDUAL E COLETIVO a) O aparecimento da vida e do homem A doutrina do

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL

RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Conselho de Arbitragem RECOMENDAÇÃO DE NORMAS DE COMPORTAMENTO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL E DE FUTSAL Abril /2013 1 / 4 1. INTRODUÇÃO O Futebol evolui consideravelmente nos últimos anos e a competitividade

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

Marketing de Relacionamento. Contextualização. Aula 2. Instrumentalização. Prof. Adriane Werner. Determinantes do comportamento do consumidor

Marketing de Relacionamento. Contextualização. Aula 2. Instrumentalização. Prof. Adriane Werner. Determinantes do comportamento do consumidor Marketing de Relacionamento Aula 2 Contextualização Prof. Adriane Werner Determinantes do comportamento do consumidor Fatores de influência Teorias da motivação Modelos de valor, papéis e escalas de valores

Leia mais

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 Anelise Scheuer Rabuske Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de,

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DESENVOLVIMENTO COGNITIVO ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS Passemos então a examinar alguns conceitos piagetianos que são essenciais para a compreensão do processo de desenvolvimento da inteligência. HEREDITARIEDADE

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL COMO UM IMPORTANTE INSTRUMENTO NO PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA.

A LITERATURA INFANTIL COMO UM IMPORTANTE INSTRUMENTO NO PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA. A LITERATURA INFANTIL COMO UM IMPORTANTE INSTRUMENTO NO PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA. FABIANO JOSÉ COLOMBO (UNESP - MARÍLIA). Resumo O ensino da língua materna e a formação

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER?

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? Rita de Cássia de Souza Soares 1 Arno Bayer 2 Resumo O presente texto versa sobre questões motivacionais e o trabalho de sala de aula. O enfoque dado diz respeito

Leia mais

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Autora: Sheila Ferreira Miranda (Mestranda em Psicologia Social pela UFMG) sheilaze@gmail.com Resumo Pretende-se

Leia mais

AS TENDÊNCIAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DA DÉCADA DE 60 E SUAS INFLUÊNCIAS SOBRE O PROCESSO DE ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA

AS TENDÊNCIAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DA DÉCADA DE 60 E SUAS INFLUÊNCIAS SOBRE O PROCESSO DE ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA AS TENDÊNCIAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DA DÉCADA DE 60 E SUAS INFLUÊNCIAS SOBRE O PROCESSO DE ENSINAR E APRENDER MATEMÁTICA GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos iniciais e Anos finais Naura

Leia mais

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média + Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto III Média + O que é um conto? n Conto é uma narrativa curta que apresenta os mesmos elementos de um romance: narrador, personagens, enredo, espaço e tempo.

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

A dissecção da personalidade psíquica

A dissecção da personalidade psíquica A dissecção da personalidade psíquica Comentários sobre A dissecção da personalidade psíquica (Conferência número XXXI das Novas Conferências Introdutórias à Psicanálise, volume XXII das Obras Completas

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

LUTO E INTERNET, UMA REFLEXÃO ESPIRITA-CRISTÃ

LUTO E INTERNET, UMA REFLEXÃO ESPIRITA-CRISTÃ LUTO E INTERNET, UMA REFLEXÃO ESPIRITA-CRISTÃ Quase tudo que há alguns anos era armazenado em meio físico é agora arquivado em computadores, sejam os emails (substitutos das tradicionais cartas), fotos,

Leia mais

DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES

DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 800 DO ENSINO DA PSICANÁLISE NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA: ALGUMAS QUESTÕES Roberto Mielke 1, Carmen Lúcia

Leia mais

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA

HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA HUMILDADE- A VERDADEIRA GRANDEZA Ministério de Mulheres Aulas: 1 - Abertura - Tudo começa na Mente 2- Considerações gerais sobre a humildade 3- Manifestações Orgulho 4- Orgulho - personagens bíblicos 5-

Leia mais

O Jogo e os Processos de Aprendizagem e Desenvolvimento: Aspectos Cognitivos e Afetivos

O Jogo e os Processos de Aprendizagem e Desenvolvimento: Aspectos Cognitivos e Afetivos O Jogo e os Processos de Aprendizagem e Desenvolvimento: Aspectos Cognitivos e Afetivos Autora: Thaís Cristina Rodrigues Tezani Profissionais da área educacional, comprometidos com a qualidade da sua prática

Leia mais

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky

A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky A vida em grupo é uma exigência da natureza humana É na presença do outro que a pessoa forma a sua identidade. Lev Vygotsky No processo de socialização a criança aprende as regras básicas, os valores e

Leia mais

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO

A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO RESUMO A SIMBOLOGIA DA DOENÇA PSICOFÍSICA COMO UM CAMINHO POSSÍVEL PARA A INDIVIDUAÇÃO Fany Patrícia Fabiano Peixoto Orientadora: Eugenia Cordeiro Curvêlo RESUMO O termo psicossomática esclarece a organização

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Efeitos circulares entre a violência doméstica contra a criança e o adolescente e a violência nas escolas

Efeitos circulares entre a violência doméstica contra a criança e o adolescente e a violência nas escolas Efeitos circulares entre a violência doméstica contra a criança e o adolescente e a violência nas escolas Profª MSc Adriana Costa de Miranda Universidade Estadual de Roraima UERR adriana.soc@uerr.edu.br

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira

Educação Sexual no desenvolvimento infantil. Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Educação Sexual no desenvolvimento infantil Profª.Teresa Cristina Barbo Siqueira Início dos questionamentos: Educação Sexual... Quando, onde, por quem e como falar sobre este tema? É preciso que o professor/os

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

MOVIMENTO PSICANALÍTICO

MOVIMENTO PSICANALÍTICO MOVIMENTO PSICANALÍTICO Sigmund Freud (1856-1939) Psicanálise: escola psicológica que busca penetrar na dimensão profunda do psiquismo humano. Objeto de Estudo: o inconsciente Métodos: 1. Hipno-catártico

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA: um desafio para a equipe de saúde

HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA: um desafio para a equipe de saúde HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA: um desafio para a equipe de saúde Jorge Luiz Lima Objetivos da conversa: Discutir sobre os aspectos variados envolvidos no processo de humanização, ressaltando a atuação do

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Introdução. A Cosmologia de Martinus - Uma visão otimista da vida. Conheça a si próprio

Introdução. A Cosmologia de Martinus - Uma visão otimista da vida. Conheça a si próprio Introdução A Cosmologia de Martinus - Uma visão otimista da vida Conheça a si próprio Enquanto sua própria vida for um mistério, os enigmas do universo permanecerão também um mistério. A Cosmologia, uma

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

Compreendendo o controle aversivo

Compreendendo o controle aversivo Compreendendo o controle aversivo setembro 2012 Maura Alves Nunes Gongora [Universidade Estadual de Londrina] Justificativa: Controle aversivo constitui um amplo domínio do corpo teórico-conceitual da

Leia mais

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. *

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Amarílio Campos 1 Tudo permite a natureza, por suas leis assassinas: O incesto e o estupro, o furto e o parricídio. Todos os prazeres de Sodoma, os jogos

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

I - Desenvolvimento Humano

I - Desenvolvimento Humano I - Desenvolvimento Humano 1.1. Conceito O desenvolvimento humano se estabelece através da interação do indivíduo com o ambiente físico e social. Se caracteriza pelo desenvolvimento mental e pelo crescimento

Leia mais