OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com"

Transcrição

1 OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta

2 Literatura Infantil A literatura infantil contribui para o crescimento emocional,cognitivo e para a identificação pessoal da criança, propiciando a percepção de diferentes resoluções de problemas, despertando a criatividade, a autonomia, a criticidade, que são elementos necessários na formação da criança de nossa sociedade atual. As situações de interação, contato e manuseio de diferentes materiais escritos são importantes para a aprendizagem da leitura e da escrita.

3 Literatura Infantil Inserir a literatura no dia a dia das crianças é o primeiro passo para que elas sejam convidadas a entrar do mundo da linguagem escrita. É essencial, porém que o trabalho seja pensado, planejado e estruturado de forma intencional. É preciso ler os livros para as crianças e convidá-las a ler também. A criança aprende através do exemplo! Ao ver um adulto lendo ela se sentirá motivada a ler também.

4 Literatura Infantil Ao desmontar um texto, pode-se criar situações em torno da leitura e do livro para se conhecer as diferentes dimensões que compõem uma história: Como a história é contada? Que recurso o autor utiliza na forma de escrever? Como a história é apresentada graficamente? (letras, ilustrações e recursos gráficos utilizados)

5 Literatura Infantil O que fazer com o livro? Conhecer o livro Falar sobre o livro Ordenar as ilustrações da história Relacionar os personagens e suas ações Localizar nome no texto Escrever os nomes dos personagens da história Ler os trechos da história

6 Os contos de fadas são uma variação do conto popular ou fábula. Partilham com estes o fato de serem uma narrativa curta cuja história se reproduz a partir de um motivo principal e transmite conhecimento e valores culturais de geração para geração, transmitida oralmente, e onde o herói ou heroína tem de enfrentar grandes obstáculos antes de triunfar contra o mal.

7 O significado oculto dos contos de fadas Nos contos, que muitas vezes começam pelo "Era uma vez" são para salientar que os temas não se referem apenas ao presente tempo e espaço, o leitor encontra personagens e situações que fazem parte do seu cotidiano e do seu universo individual, com conflitos, medos e sonhos. As etapas da vida (nascimento, amadurecimento, velhice e morte), bem como sentimentos que fazem parte de cada um (amor, ódio, inveja e amizade) são apresentados para oferecer uma explicação do mundo que nos rodeia e nos permite criar formas de lidar com isso.

8 O significado oculto dos contos de fadas O modo pelo qual os contos de fadas resolvem esses conflitos é oferecendo às crianças um palco onde elas podem representar seus conflitos interiores. As crianças, quando ouvem um conto de fada, projetam inconscientemente partes delas mesmas em vários personagens da história, usando-os como repositórios psicológicos para elementos contraditórios do eu. Cashdan -2000

9 Caminho da autodescoberta Pelo seu núcleo problemático ser existencial, os contos de fadas podem também ser encarados como "uma jornada em quatro etapas: TRAVESSIA: "leva o herói ou heroína a uma terra diferente, marcada por acontecimentos mágicos e criaturas estranhas". ENCONTRO: "com uma presença diabólica uma madrasta malévola, um ogro assassino, um mago ameaçador ou outra figura com características de feiticeiro". CONQUISTA: "o herói ou heroína mergulha numa luta de vida ou morte com a bruxa, que leva inevitavelmente à morte desta última". CELEBRAÇÃO: "um casamento de gala ou uma reunião de família, em que a vitória sobre a bruxa é enaltecida e todos vivem felizes para sempre".

10 UMA CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO Entre os grandes autores, além do irmãos Grimm, encontram-se o francês Charles Perrault, que deu vida à Chapeuzinho Vermelho, Bela Adormecida, Pequeno Polegar e Gato de Botas; Andersen, que nos presenteou com a história do Patinho Feio; Gabrielle- Suzanne Barbot, a Dama de Villeneuvee com a Bela e a Fera e Charles Dickens, com o Conto de Natal e a história de Oliver Twist. No Brasil, a maior conquista foi Monteiro Lobato, cuja a obra ainda hoje serve de base ao início literário de muitas crianças.

11 Vamos pensar????

12 Dinâmicas - CONTOS DE FADAS Jornal Falado Objetivos: 1- Organizar informações sobre um determinado conto. 2- Desenvolver a expressão oral, a interpretação, o raciocínio, o espírito de cooperação e socialização. 3- Sintetizar ideias e fatos. Passos: 1- Formar pequenos grupos. 2- O coordenador apresenta o tema para pesquisa. 3- Cada grupo pesquisa e apresenta o conto de forma lúdica e criativa. 4- Os demais grupos sintetiza as idéias. 5- Elaboração das notícias para apresentação, de forma bastante criativa. 6- Apresentação do jornal ao grupão. Avaliação 1- Quais os momentos que mais nos agradaram? 2- Que ensinamentos podemos tirar para o grupo?

13 Dinâmicas - CONTOS DE FADAS Júri Simulado Objetivos: 1- Estudar e debater um conto, levando todos os participantes do grupo se envolverem e tomar uma posição. Participantes:Juiz,Advogado de acusação,advogado de defesa,testemunhas,corpo de Jurados e Público. Passos: 1- Coordenador apresenta o assunto e a questão a ser trabalhada. 2- Orientação para os participantes. 3- Preparação para o júri. Juiz abre a sessão. 4- Advogado de acusação (promotor) acusa o réu ou ré (a questão em pauta). 5- Advogado de defesa, defende o réu ou a ré. Advogado de acusação toma a palavra e continua a acusação. 6- Intervenção de testemunhas, uma de acusação. Advogado de defesa, retoma a defesa. Intervenção da testemunha de defesa. 7- Jurados decidem a sentença, junto com o juiz. 8- O público, avalia o debate entre os advogados, destacando o que foi bom, o que faltou. Leitura e justificativa da sentença pelo juiz. Avaliação: - Que proveito tiramos da dinâmica? - O que mais nos agradou? - Como nos sentimos? - O que podemos melhorar?

14 Tirinha - Contos de Fadas Quem são os personagens dessa tirinha? O que eles estão fazendo? A expressão OBA!! no primeiro quadrinho significa o quê? No último quadrinho, qual a reação da mãe com a resposta dada?por que?

15 1.Quem são os personagens da tirinha? 2.Quem é o principal personagem? 3. Qual é a principal característica desse personagem? 4.Onde está o humor da tirinha? 5. Que sentimento demonstra? Como você reagiria nessa situação?

16 1. Quem é o principal personagem dessa tira? Descreva -o. 2.Contextualize o conto de fada. 3.O que está acontecendo na ultima cena?o que a personagem quer dizer com a sua fala? 4.Que emoção expressou na cena final? Como você reagiria em seu lugar?

17 Atividades - CONTOS DE FADAS Bilhete O LOBO, CANSADO DE SOPRAR, RESOLVEU ARMAR UMA CILADA DIFERENTE PARA OS TRÊS PORQUINHOS. MANDOU UM BILHETE PARA ELES, QUE DIZIA: QUERIDOS PORQUINHOS, ESTOU CANSADO DE TANTA BRIGA, POR ISSO PENSEI EM FAZER UM BANQUETE EM SINAL DE AMIZADE. SERÁ HOJE, À NOITE, EM MINHA CASA. ESPERO ANSIOSO POR VOCÊS. UM ABRAÇO CALOROSO DE SEU AMIGO. ASS. LOBO OS PORQUINHOS DESCONFIADOS, RESOLVERAM NÃO IR, POIS SENTIRAM QUE HAVIA ALGO DE MUITO ESTRANHO. COMO SÃO EDUCADOS, PENSARAM EM RESPONDER O BILHETE. AJUDE-OS A ESCREVER EXPLICANDO O MOTIVO DA AUSÊNCIA.

18 Atividades - CONTOS DE FADAS Listas JOÃO E MARIA FORAM ABANDONADOS NA FLORESTA E, COMO ESTAVAM PERDIDOS, CAMINHARAM SEM RUMO. AO LONGE AVISTARAM UM CASINHA TODA FEITA DE DOCES. O QUE ELES NÃO SABIAM É QUE ELA ERA DE UMA TERRÍVEL VELHA MÁ! FAÇA UMA LISTA DOS DOCES QUE VOCÊ IMAGINA QUE A VELHA MÁ COLOCOU NA CASA PARA DEIXAR AS CRIANÇAS COM ÁGUA NA BOCA.

19 Atividades - CONTOS DE FADAS Lince O desafio do jogo Lince é encontrar as imagens que se tem no meio de um grande tabuleiro cheio de imagens, como as cores, cenas e formas se misturam a nossa visão tem dificuldade no foco. As regras podem variar de acordo com a maneira que se quer jogar colocando mais limite de tempo, jogadores procurando simultaneamente ou não, numero de imagens escolhidas, a regra do Lince é sempre uma, mas algumas alterações são sugeridas para deixar a brincadeira mais divertida e o desafio maior.

20 Memória

21 Proposta Atividade Prática Agora É com VocêS!

22 Qual é o Conto?...nenhuma outra será minha esposa senão aquela que couber nesse sapatinho de cristal. quando chegaram perto viram que a casinha era feita de pão e coberta de bolo e as janelas cobertas de açúcar transparente....a filha do rei começou a chorar,pois tinha medo do sapo frio que ela iria tocar e que agora iria dormir na sua cama de lençóis de seda....o primeiro porquinho o seguiu pela estrada, não tinha a intenção de andar muito e só de pensar....em construir uma casa já estava cansado.

23 Salada de contos A chapeuzinho vermelho encontra o Pinóquio na floresta. O príncipe que acordou a branca de neve com o beijo casou com a gata borralheira no dia anterior.

24 (RE) CONTEXTUALIZANDO CONTOS Contos ao avesso A chapeuzinho vermelho é mau e o lobo é bom. A branca de neve não encontra 7 anões e sim 7 gigantes que devoram todas as frutas da floresta.

25 (RE) CONTEXTUALIZANDO CONTOS Contos insólitos Chapeuzinho vermelho foi visitar a vovozinha de helicóptero. A branca de neve fez uma viagem espacial com o príncipe e resolveu ficar hospedada em marte.

26 (RE) CONTEXTUALIZANDO CONTOS Finais diferenciados O sapato de cristal da gata borralheira parte-se. A bela adormecida só acorda 500 anos depois no século XXI.

27 ESTUDO DE CASO Escolha um instrumento... Elabore uma atividade para ser utilizada no processo de avaliação psicopedagógica. E, uma atividade para ser utilizada no processo de intervenção psicopedagógica. Leve em consideração a situação: Criança de 8 anos de idade com dificuldade na lecto-escrita e na aprendizagem matemática.

28 Há maior significado profundo nos contos de fadas que me contaram na infância do que na verdade que a vida ensina (Schiller) Meu agradecimento especial á Luciara Gomes, monitora da oficina e parceira nos trabalhos da ABPp-Ce. Luciana Bem Fortaleza, 09/11/2012

Luciara Gomes Pedagoga, Psicopedagoga, Educadora Biocêntrica. Silvia Azevedo Pedagoga, Psicopedagoga, Mestre em educação

Luciara Gomes Pedagoga, Psicopedagoga, Educadora Biocêntrica. Silvia Azevedo Pedagoga, Psicopedagoga, Mestre em educação Diagnóstico Psicopedagógico Clínico Luciara Gomes Pedagoga, Psicopedagoga, Educadora Biocêntrica. Silvia Azevedo Pedagoga, Psicopedagoga, Mestre em educação PSICOPEDAGOGIA CLINÍCA Possui o objetivo central

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas.

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1) Do que são feitas as casas dos três porquinhos? a) Plástico, cimento e

Leia mais

Toca a trocar as histórias de encantar

Toca a trocar as histórias de encantar Toca a trocar as histórias de encantar Autora: Teresa Adão Ilustrações: Manuela Câmara GUIÃO de LEITURA ORIENTADA Nome Ano Turma Antes de ler: Nome da obra Autor(a) Ilustração Editora Assim começa a história

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

AS FADAS, DE CHARLES PERRAULT

AS FADAS, DE CHARLES PERRAULT 1 AS FADAS, DE CHARLES PERRAULT Kate Constantino Pinheiro de Andrade (FSLF) Rosana Batista Pereira (Pio X) CHARLES PERRAULT (Paris, 12 de janeiro de 1628 - Paris, 16 de maio de 1703) Charles Perrault foi

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR"

CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: MUNDO ENCANTADOR CRECHE MUNICIPAL MACÁRIA MILITONA DE SANTANA PROJETO LITERATURA INFANTIL: "MUNDO ENCANTADOR" CUIABÁ-MT 2015 CRECHE MUNICIPAL MÁCARIA MILITONA DE SANTANA 1- Tema: "Mundo Encantador" 1.2- Faixa etária: 2

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANDRÉ ANTÔNIO MAGGI SACOLA MÁGICA E LATA LITERÁRIA Claudia

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados Questões de gênero na literatura e na produção cultural para crianças. ST 54 Ângela Márcia Damasceno Teixeira Universidade Estadual de Santa Cruz UESC Palavras-chave: intertextualidade, criatividade, literatura

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS 1º ANO C e D 1º SEMESTRE/2012 PROFESSORAS: JULIANA E MARCELA

REUNIÃO DE PAIS 1º ANO C e D 1º SEMESTRE/2012 PROFESSORAS: JULIANA E MARCELA REUNIÃO DE PAIS 1º ANO C e D 1º SEMESTRE/2012 PROFESSORAS: JULIANA E MARCELA PROPÓSITOS DA REUNIÃO Apresentar o trabalho que será realizado no decorrer do ano letivo, em cada área do conhecimento. Compartilhar

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): Descendo as Corredeiras 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECíFICO(S) O episódio Descendo as Corredeiras

Leia mais

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias

existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias existe um tsunami avançando sobre as nossas famílias + 23% + 108% (em 20 anos a taxa é superior a 200%) 15% das mulheres e 65% dos homens brasileiros já tiveram ao menos uma experiência sexual fora do

Leia mais

JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin

JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin Quem não se lembra do tempo de escola? Das canções infantis? Das brincadeiras de criança? Dos jogos daquele

Leia mais

Notícias do grupo. REUNIÃO DE PAIS 1º ANO B e C 1º SEMESTRE/2011 PROFESSORAS:CRIS E JULIANA 21/3/2011

Notícias do grupo. REUNIÃO DE PAIS 1º ANO B e C 1º SEMESTRE/2011 PROFESSORAS:CRIS E JULIANA 21/3/2011 REUNIÃO DE PAIS 1º ANO B e C 1º SEMESTRE/2011 PROFESSORAS:CRIS E JULIANA Notícias do grupo QUANDO EU TINHA UM ANO, EU ESTAVA APENAS COMEÇANDO. QUANDO EU TINHA DOIS, EU ERA QUASE NOVO. QUANDO EU TINHA TRÊS,

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Relatório da Atividade de Desenvolvimento

Relatório da Atividade de Desenvolvimento - 1 - Relatório da Atividade de Desenvolvimento Conto de Fadas Interativo Introdução Como uma estudante do curso de Comunicação Social com Habilitação em Midialogia, acho importante conhecer as tecnologias

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

Narrador Era uma vez um livro de contos de fadas que vivia na biblioteca de uma escola. Chamava-se Sésamo e o e o seu maior desejo era conseguir contar todas as suas histórias até ao fim, porque já ninguém

Leia mais

Conteúdos: Leitura e interpretação de texto Produção de texto.

Conteúdos: Leitura e interpretação de texto Produção de texto. Conteúdos: Leitura e interpretação de texto Produção de texto. Habilidades: Ler as entrelinhas, deduzir, criar e relacionar informações; Partilhar sentimentos e experiências através das produções textuais.

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

MORAL: UMA BOA AÇÃO GANHA A OUTRA.

MORAL: UMA BOA AÇÃO GANHA A OUTRA. O LEÃO E O RATINHO UM LEÃO, CANSADO DE TANTO CAÇAR, DORMIA ESPICHADO DEBAIXO DA SOMBRA DE UMA BOA ÁRVORE. VIERAM UNS RATINHOS PASSEAR POR CIMA DELE E ELE ACORDOU. TODOS CONSEGUIRAM FUGIR, MENOS UM, QUE

Leia mais

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org Histórias Tradicionais Portuguesas Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO DE PINTO PINTÃO VAMOS CONHECER O LIVRO A CAPA A CONTRACAPA A LOMBADA Observa a capa do livro e responde: 1.Título 2. Nome da autora 3.

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Criar perfil de personagens literários na rede

Criar perfil de personagens literários na rede Criar perfil de personagens literários na rede Que tal aliar as leituras literárias da turma ao uso das redes sociais digitais? A proposta desta atividade é que os alunos criem, em rede social, perfis

Leia mais

O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA RESUMO

O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA RESUMO Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA SOUZA, Elisangela Ruiz de 1 MUNIZ, Valdinéia

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

O leitor também narra sua história

O leitor também narra sua história The reader also narrate his story Rosa Amanda Strausz* Resumo: Experiência pessoal a descoberta de uma linguagem literária para crianças. A teoria de recepção e a possibilidade de construção de uma narrativa

Leia mais

Hora do conto: uma experiência maravilhosa

Hora do conto: uma experiência maravilhosa Hora do conto: uma experiência maravilhosa Jucelma Terezinha Neves Schneid UPF Todos apreciam uma boa história, mas muita pouca gente conhece o valor real dela. Muitos que a usam para diferentes fins,

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III

PLANEJAMENTO DO TRIMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL III 1ª ETAPA COMPONENTE CURRICULAR - BRINCAR Objetos e Significados na brincadeira Participar das brincadeiras exploradas. Utilizar os brinquedos de maneira cuidadosa. Participar de jogos com ou sem a intervenção

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil.

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil. O Conto Sonoro, uma forma de explorar a escrita musical. Renata de Oliveira Pavaneli Frederico, Escola de Educação Infantil Casa da Gente Campinas-SP. musicamed@directnet.com.br reoliveirafred@gmail.com

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Projeto Livro Viajante. Maternal III B tarde. Thais e Amanda

Projeto Livro Viajante. Maternal III B tarde. Thais e Amanda Projeto Livro Viajante Maternal III B tarde Thais e Amanda Este projeto foi elaborado partindo do interesse em comum de todos os alunos da turma. No decorrer do ano foi observado de uma forma geral que

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF JOGOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Olímpia Terezinha da Silva Henicka e Dariléia Marin Quem não se lembra do tempo de escola? Das canções infantis? Das brincadeiras de criança? Dos jogos daquele

Leia mais

Projeto Brincadeiras tradicionais

Projeto Brincadeiras tradicionais Projeto Brincadeiras tradicionais E. E. Dr Luis Arrôbas Martins Sala 4-1ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Cristiane Moreno Nascimento Tatiane Cecília da Silva Nardi Realização: Foco Possibilitar

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL Luana Martins Abreu Profª. da Secretaria Municipal de Educação de Nova Iguaçu/RJ As crianças com qualquer

Leia mais

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013 Atividade Pedagógica Teatro de fantoches Junho 2013 III D Teatro de fantoches A criança que ainda não sabe ler convencionalmente pode fazê-lo por meio da escuta da leitura do professor, ainda que não possa

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I SÉRIE: EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.:

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Querido(a)

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

A História dos Três Porquinhos

A História dos Três Porquinhos SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 0 / / 03 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Um Problema Divertido

Um Problema Divertido Paloma Marques dos Santos Um Problema Divertido Biblioteca Popular de Afogados BPA Recife - PE Paloma Marques dos Santos Texto e Pesquisa de Imagens Paloma Marques dos Santos Um Problema Divertido Julho

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS. Onde tem bruxa tem fada

BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS. Onde tem bruxa tem fada Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS Onde tem bruxa tem fada ILUSTRAÇÕES: SUPPA PROJETO DE LEITURA Maria José Nóbrega Rosane Pamplona Onde tem bruxa tem fada BARTOLOMEU

Leia mais

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil Richard Uchôa C. Vasconcelos CEO LEO Brasil O tema hoje é engajamento, vamos falar de dez maneiras de engajar o público em treinamentos a distância. Como vocês podem ver, toda a minha apresentação está

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos.

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos. Língua Portuguesa As crianças do 1º ano têm o direito de aprender e desenvolver competências em comunicação oral, em ler e escrever de acordo com suas hipóteses. Para isto é necessário que a escola de

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

COLEÇÃO VEM COMIGO! Isa Mara Lando ilustrações de Mariângela Haddad

COLEÇÃO VEM COMIGO! Isa Mara Lando ilustrações de Mariângela Haddad COLEÇÃO VEM COMIGO! Isa Mara Lando ilustrações de Mariângela Haddad www.autenticaeditora.com.br Rua Aimorés, 981, 8º andar Bairro Funcionários CEP 30140-071 Belo Horizonte, MG Tel. (31) 3222-6819 Fax:

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

Projeto Pedagógico. Sala Sabichões

Projeto Pedagógico. Sala Sabichões Projeto Pedagógico Sala Sabichões Ano Letivo 2013-2014 2 Índice 1.Caraterização do Grupo... 3 2.Organização do Espaço e do Tempo... 3 3. Tema e fundamentação teórica do projeto da sala dos Sabichões: ler,

Leia mais

dobrar pelo tracejado para dentro furo ÁLBUM de aventuras furo dobrar pelo tracejado para dentro pôr cola no outro lado

dobrar pelo tracejado para dentro furo ÁLBUM de aventuras furo dobrar pelo tracejado para dentro pôr cola no outro lado Você acha que consegue plantar uma floresta inteirinha? E de transformar o seu bairro? Ah, mas criar uma ação em conjunto com o mundo inteiro, você consegue? Claro que sim! Todos têm super poderes, e o

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

16 Matheus Vieira Fernando Alves

16 Matheus Vieira Fernando Alves Introducao Quando me propus a refletir sobre a aplicação do RPG na Educação, nunca pensei que escreveria sobre isso, muito menos que os escritos se transformariam num livro. Entretanto, quero tomar o cuidado

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais