AS FADAS, DE CHARLES PERRAULT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS FADAS, DE CHARLES PERRAULT"

Transcrição

1 1 AS FADAS, DE CHARLES PERRAULT Kate Constantino Pinheiro de Andrade (FSLF) Rosana Batista Pereira (Pio X) CHARLES PERRAULT (Paris, 12 de janeiro de Paris, 16 de maio de 1703) Charles Perrault foi um escritor e poeta francês do século XVII que estabeleceu as bases para um novo gênero literário, o conto de fadas, além de ter sido o primeiro a dar importância acadêmica a esse tipo de literatura, feito que lhe conferiu o título de Pai da Literatura Infantil. Suas histórias mais conhecidas são Le Petit Chaperon rouge (Chapeuzinho Vermelho), La Belle au bois dormant (A Bela Adormecida), Le Maître chat ou le Chat botté (O Gato de Botas), Cendrillon ou la petite pantoufle de verre (Cinderella), La Barbe bleue (Barba Azul) e Le Petit Poucet (O Pequeno Polegar) publicadas em 1697 sob o título Histórias ou contos do tempo passado com moralidades, embora tenha ficado conhecido por seu subtítulo: Contos da mamãe gansa. A maioria de suas histórias ainda hoje são editadas, traduzidas e distribuídas em divervsos meios de comunicação, e adaptadas para várias formas de expressões, como o teatro, o cinema e a televisão, tanto em formato de animação como de ação viva. Além dos contos citados, muitos outros fazem parte desta obra como o conto Les Fées (As Fadas) sobre o qual faremos algumas observações. Este trabalho tem por objetivo demonstrar como os Contos de Fadas podem influenciar positivamente a iniciação no mundo da leitura nas crianças e que esta influencia pode e é direcionada pela mensagem passada a cada nova história que se descobre nas linhas mágicas dos contos.

2 2 Contos são histórias curtas.os contos de Fadas são uma variação dos contos populares( Fábulas). A palavra Fada vem do latim FATUM e significa Destino, Fatalidade, Fado. No Brasil, surgiu no final do sec.xix nomeados como Contos da Carochinha. As fadas são originárias do Folclore europeu ocidental. Elas podem ser mulheres belas, dotadas de poderes mágicos (como a Fada madrinha de Cinderela) ou igualmente belas, porém, diabólicas (como as bruxas). Os contos de Fadas nem sempre evidenciam a presença de uma fada (como em Chapeuzinho vermelho) mas vêem-se elementos sobrenaturais que mudam o rumo dos acontecimentos. Há perigos ou obstáculos a vencer (no final da história). As temáticas giram em torno da vaidade, gula, inveja, hipocrisia ou avareza. Em suas origens, os contos de Fadas não visavam às crianças nem objetivavam transmitir ensinamentos morais. A partir de Perrault esse quadro começa a mudar e se consolida com os contos dos irmãos Grimm (sec.xix, Alemanha). Os contos de Fadas são histórias que foram repetidas ao longo do tempo e através de civilizações, são de autoria coletiva e passados de geração em geração, naturalmente, foram sofrendo alterações em sua estrutura original. Barba Azul, por exemplo, é um conto do sec.xvii que, em sua versão escrita, sofreu modificações devido à idéia de cristianização de seu público. Em Cinderela, na versão de Charles Perrault, existe um modelo de protagonista feminina( passiva), que não existia na oralidade. O Final Feliz que conhecemos de Chapeuzinho Vermelho (A aparição providencial do Herói lenhador) não existia na versão original, contada por Perrault e outros contistas. Quanto mais os Contos de Fadas passaram a ser destinados à infância, mais moralizadores se apresentavam. O que se vê, de forma geral, é o enaltecimento de valores cavalheirescos e camponeses, além de uma disseminação da moral

3 3 condicionante de comportamentos que são esperados pelo contexto espaço-temporal da história. Os contos orais de tradição popular (fonte dos contos de Fadas) perpassam um discurso literário cujo objetivo (A moral da história) era manter certos costumes, práticas e valores da época e, dessa forma, as crianças adaptam-se ao modelo de comunidade no qual estão inseridas. Na época de Perrault, por exemplo, a sociedade exigia da mulher uma atitude diferente da que temos no sec. XXI. Daí a adaptação de vários contos de fadas e a criação de novos paradigmas (como Sherek, Deu a louca na Chapeuzinho, etc). Para as meninas, a futura jovem mulher deveria demonstrar modéstia, humildade, perspicácia e virgindade, pois dessa forma provaria seu valor. Já os meninos tinham como arquétipo de homem a figura do jovem mais ativo (que a Demoiselle), forte, corajoso, sagaz, leal e que, no final, salva a mocinha indefesa. A perspectiva da narrativa dos contos de fadas, em suas origens, mescla a concepção de mundo paysan com o humanismo da burguesia ascendente. Os contos de fadas são importantes, pois demonstram (em suas diferenciadas versões) como os valores sociais são influenciados pela literatura (e vice -versa) e, consequentemente, constituem fator crucial na educação de uma criança. Muitas delas, quando lêem ou escutam um conto de fadas enxergam-se nos modelos propostos, desejam um final semelhante ao narrativa ou simplesmente encantam-se com a magia do mundo da leitura e passam a se tornarem, elas mesmas, leitores assíduos com um mundo infinito a descobrir. Os contos de fadas, na Literatura infantil, podem ser decisivos para a formação da criança, de suas concepções do mundo que a cerca. O dualismo que separa as personagens em boas/más, belas/feias, fortes/fracas facilita para a criança a compreensão de valores que a sociedade admite e espera delas. A criança acaba se identificando, consequentemente, com o herói/heroína que é bom/boa, bonito(a) e justo(a).

4 4 A linguagem fácil e metafórica desse tipo de narrativa é compatível com a estrutura do pensamento dessa faixa etária. Outro benefício dos contos de fadas é a apropriação da linguagem escrita pelas crianças, o que, futuramente, permitirá melhores condições de aceitação social e autonomia (nas sociedades letradas deste século). É exatamente a mensagem que os contos de fadas transmitem à criança de forma múltipla: que uma luta contra dificuldades graves na vida é inevitável,é parte intrínseca da existência humana-mas que se a pessoa não se intimida mas se defronta de modo firme com as opressões inesperadas e muitas vezes injustas, ela dominará todos os obstáculos, e ao fim emergirá vitoriosa. (BETTELHEIM, 1991). Segunda ainda este autor, os contos de fadas baseiam-se em situações de estabilidade+problema+solução=estabilidade, que é justamente o esquema piagetiano da mente humana e, especificamente, da criança. Os contos, portanto, trabalhariam o psíquico infantil, resultando em equilíbrio e apresentando uma explicação do mundo que permitiria lidar com esses problemas (cuja solução já é prevista em um dado momento: O Felizes para Sempre ). AS FADAS CARACTERÍSTICAS Por se tratar de um conto de fadas, o seu núcleo é problemático em virtude de sua configuração existencial. Por conta disso, esse conto pode também ser estruturado como "uma jornada em quatro etapas, sendo cada etapa da jornada uma estação no caminho da autodescoberta" (Cashdan, 2000, p. 48). A primeira etapa pode ser definida como a TRAVESSIA na qual "leva o herói ou heroína a uma terra diferente, marcada por acontecimentos mágicos e criaturas

5 5 estranhas". No conto As fadas a travessia pode ser observada na passagem em que a heroina vai à fonte buscar água e lá encontra uma fada que lhe concede um dom: Entre outras coisas, a pobre criança precisava ir duas vezes por dia buscar água a uma boa meia-légua de casa, e trazer de lá uma bilha grande bem cheia. Certo dia, quando estava na fonte, chegou-se a ela uma pobre mulher rogando que lhe desse de beber. É claro, minha senhora, disse a linda moça; e, enxaguando imediatamente a bilha, apanhou água no melhor lugar da fonte e lhe ofereceu, sempre segurando a bilha para que bebesse mais facilmente. Depois de beber, a boa mulher lhe disse: Você é tão linda, tão boa e tão gentil que não posso deixar de lhe fazer um dom (pois era uma fada que tinha tomado a forma de uma pobre mulher de aldeia, para ver até onde iria a gentileza da jovem). Concedo-lhe o dom, prosseguiu a fada, de lhe sair da boca uma flor ou uma pedra preciosa a cada palavra que você disser. A segunda etapa é definida pelo ENCONTRO que é marcado "com uma presença diabólica uma madrasta malévola, um ogro assassino, um mago ameaçador ou outra figura com características de feiticeiro". Neste trecho, a presença diabólica pode ser representada tanto pela irmã da bela heroína como pela sua mãe que, além de maltratarem a bela moça, possuem uma má índole, observe: Quando a linda moça chegou em casa, sua mãe ralhou com ela por voltar tão tarde da fonte. Ai, Senhor, é que minha mãe me expulsou de casa. (Falando a fada à irmã da heroína): Você não é nada gentil, retrucou a fada (...). A terceira parte é a da CONQUISTA, no qual "o herói ou heroína mergulha numa luta de vida ou morte com a bruxa, que leva inevitavelmente à morte desta última". Neste conto não há uma luta explícita entre o bem (representado pela heroína) e o mal (representado pela mãe da heroína sua irmã). Há apenas o ataque do mal contra o bem, este se defende apenas fugindo das agressões: (Sobre a maldição concedida à irmã da heroína): Oh! Céus! Exclamou a mãe, que é isto? A culpa é da irmã,

6 6 ela vai me pagar; e em seguida correu para bater nela. A menina fugiu e foi se abrigar na floresta mais próxima. E a quarta e última parte é definida pela CELEBRAÇÃO na qual há geralmente "um casamento de gala ou uma reunião de família, em que a vitória sobre a bruxa é enaltecida e todos vivem felizes para sempre" como atesta o seguinte fragmento: O filho do rei, vendo sair de sua boca cinco ou seis pérolas, e outros tantos diamantes, pediu-lhe que dissesse de onde vinha aquilo. Ela lhe contou toda a sua aventura. O filho do rei apaixonou-se por ela, e considerando que um dom como aquele valia mais que tudo o que pudesse dar a outro casamento, levou-a para o palácio do rei, seu pai, onde a desposou. Quanto à sua irmã, se tornou tão odiosa que sua própria mãe a expulsou de casa; e a infeliz, depois de andar muito sem encontrar ninguém que a quisesse acolher, acabou morrendo só e desamparada. REFERÊNCIAS CASHDAN, Sheldon. Os 7 pecados capitais nos contos de fadas: como os contos de fadas influenciam nossas vidas. Rio de Janeiro:Campus, PERRAULT, Charles. Histoires ou contes du temps passés. La Bibliothèque Gallimard, France, Dictionnaire Encyclopédique Larousse BETTELHEIM, Bruno Psicanálise dos Contos de Fadas, Lisboa, Bertrand Editora, 1991.

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com Literatura Infantil A literatura infantil contribui para o crescimento emocional,cognitivo

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA * Lúcia Helena dos Santos Mattos * Mônica Rejiane Bierhals * Renata Faria Amaro da Silva ** Adriana Lemes RESUMO Como estimular a leitura através do conto literário?

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

Os Gêneros da Literatura Infantil

Os Gêneros da Literatura Infantil PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Os Gêneros da Literatura Infantil Maria Zélia Versiani Machado Se, por não sei que excesso de socialismo ou de barbárie, todas as nossas disciplinas devessem

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas.

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: Responda a este teste e descubra se você conhece os personagens dos contos de fadas. 1) Do que são feitas as casas dos três porquinhos? a) Plástico, cimento e

Leia mais

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA

ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA ERA UMA VEZ: A INFLUÊNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA INFÂNCIA Prof. Luana Leão Cury, Prof. Tiago Aquino da Costa e Silva, Prof. Kaoê Giro Ferraz Gonçalves FMU Faculdades Metropolitanas Unidas/SP Prof. Alipio

Leia mais

SEXUALIDADE E REPRESSÃO: ERA UMA VEZ O PROIBIDO EM CHAPEUZINHO VERMELHO

SEXUALIDADE E REPRESSÃO: ERA UMA VEZ O PROIBIDO EM CHAPEUZINHO VERMELHO 1 SEXUALIDADE E REPRESSÃO: ERA UMA VEZ O PROIBIDO EM CHAPEUZINHO VERMELHO Fabiana Mariano Moraes (UEFS) 1 CONTANDO CHAPEUZINHO VERMELHO O homem em sua história é um ser social caracterizado pela sua capacidade

Leia mais

BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS. Onde tem bruxa tem fada

BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS. Onde tem bruxa tem fada Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente BARTOLOMEU CAMPOS QUEIRÓS Onde tem bruxa tem fada ILUSTRAÇÕES: SUPPA PROJETO DE LEITURA Maria José Nóbrega Rosane Pamplona Onde tem bruxa tem fada BARTOLOMEU

Leia mais

PORTUGUÊS IRIA 5ª E.F.

PORTUGUÊS IRIA 5ª E.F. PORTUGUÊS IRIA 5ª E.F. 1º (1,5) 01. Rasura, borrões, corretivos, serão considerados ERROS; 02. Respostas claras e com letra legível; 03. Respostas somente com caneta, PRETA ou AZUL. 04. Esta prova contém

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Relatório da Atividade de Desenvolvimento

Relatório da Atividade de Desenvolvimento - 1 - Relatório da Atividade de Desenvolvimento Conto de Fadas Interativo Introdução Como uma estudante do curso de Comunicação Social com Habilitação em Midialogia, acho importante conhecer as tecnologias

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

ENTRE FÁBULAS E CONTOS DE FADAS: ANÁLISE DE PRODUÇÕES TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENTRE FÁBULAS E CONTOS DE FADAS: ANÁLISE DE PRODUÇÕES TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL ENTRE FÁBULAS E CONTOS DE FADAS: ANÁLISE DE PRODUÇÕES TEXTUAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL Roseane Huber (E.E.B Professor Carlos Maffezzolli) roseanehuber@gmail.com Thais de Souza Schlichting (Furb) thais_schlichting@hotmail.com

Leia mais

Charles Perrault (1628-1703)

Charles Perrault (1628-1703) (1628-1703) Escritor e advogado francês, como funcionário do governo Luís XIV foi responsável pela escolha dos arquitetos que projetaram Versalhes e o Louvre. Ao registrar em livro os contos de sua infância,

Leia mais

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa.

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa. 10 Fábula O que é: Trata-se de um gênero narrativo ficcional bastante popular. É uma história curta, vivida por animais e que termina com uma conclusão ético- moral. As fábulas eram narrativas orais, e

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

As Histórias que as Crianças Contam: um estudo preliminar sobre o repertório narrativo e modos de expressão de crianças de quatro a seis anos.

As Histórias que as Crianças Contam: um estudo preliminar sobre o repertório narrativo e modos de expressão de crianças de quatro a seis anos. As Histórias que as Crianças Contam: um estudo preliminar sobre o repertório narrativo e modos de expressão de crianças de quatro a seis anos. Descritores: narrativa; linguagem; cuidado da criança. Resumo

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL Caroline Cassiana Silva dos SANTOS 1 Renata Junqueira de SOUZA 2 Resumo: O artigo ora proposto discorre sobre as personagens femininas

Leia mais

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE Maria Aline da Silva Graduanda do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE Antonio Marcelo Pereira Sousa Graduando do curso de Pedagogia

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

AS FADAS REVISITADAS. Palavras-chave: conto de fadas. adaptações. Leitura. Compreensão.

AS FADAS REVISITADAS. Palavras-chave: conto de fadas. adaptações. Leitura. Compreensão. AS FADAS REVISITADAS SILVA Ana Maria Zanoni 1 RESUMO: Em O direito à literatura (1995), Candido afirma ser a literatura um dos direitos humanos, ou seja, um bem incompressível, por ser ela um dos fatores

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. EIXO 4 - Práticas Pedagógicas, Culturas Infantis e Produção Cultural para crianças pequenas Autoras:

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

O leitor também narra sua história

O leitor também narra sua história The reader also narrate his story Rosa Amanda Strausz* Resumo: Experiência pessoal a descoberta de uma linguagem literária para crianças. A teoria de recepção e a possibilidade de construção de uma narrativa

Leia mais

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS Competência Leitora na 5ª série O QUE É AVALIAÇÃO EM PROCESSO? Ação fundamentada no Currículo Oficial da SEE, que propõe acompanhamento coletivo e individualizado dos

Leia mais

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO HINÁRIO NOVA DIMENSÃO Tema 2012: Flora Brasileira Rabo de Galo (Worsleya rayneri) Padrinho Alfredo Alfredo Gregório de Melo 1 www.hinarios.org 2 01 BRILHANTES PEDRAS FINAS Marcha - Valsa Ao pai eterno

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTOS DE FADAS EM LIBRAS Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTEÚDO - Contos de Fadas; - Fábulas; - Vídeos de contação de histórias; - Entrevista OBJETIVOS -Apresentar aos professores como é o

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR: A DESCONSTRUÇÃO DA PRINCESA E O APOGEU DA MULHER

BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR: A DESCONSTRUÇÃO DA PRINCESA E O APOGEU DA MULHER BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR: A DESCONSTRUÇÃO DA PRINCESA E O APOGEU DA MULHER Carindia do Amarante Marques i () Resumo: este artigo pretende realizar uma comparação entre o conto tradicional Branca de Neve

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS LAMERA, Iraci Cristina; iracicristinalp@yahoo.com.br Faculdade São Francisco de Assis RESUMO Os estímulos postos à criança enfatizam

Leia mais

Avaliação Parcial de Rendimento em Leitura - 03

Avaliação Parcial de Rendimento em Leitura - 03 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE EDUCAÇÃO - SIAQUE ESCOLA: PROFESSOR: ALUNO: DATA / / PORTUGUÊS - 4ª SÉRIE / 5º ANO TURMA: TURNO: DATA: / / - Instruções gerais: - Este instrumento de verificação

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA OBRA A BELA ADORMECIDA, DE CHARLES PERRAULT, DOS IRMÃOS GRIMM E DOS CLÁSSICOS DE OURO.

ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA OBRA A BELA ADORMECIDA, DE CHARLES PERRAULT, DOS IRMÃOS GRIMM E DOS CLÁSSICOS DE OURO. ANÁLISE E COMPARAÇÃO DA OBRA A BELA ADORMECIDA, DE CHARLES PERRAULT, DOS IRMÃOS GRIMM E DOS CLÁSSICOS DE OURO. Antônio Marques PEREIRA FILHO¹ UECE FECLI Orientador: Prof.º Dr. Everton Alencar MAIA² Resumo

Leia mais

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados Questões de gênero na literatura e na produção cultural para crianças. ST 54 Ângela Márcia Damasceno Teixeira Universidade Estadual de Santa Cruz UESC Palavras-chave: intertextualidade, criatividade, literatura

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

Toca a trocar as histórias de encantar

Toca a trocar as histórias de encantar Toca a trocar as histórias de encantar Autora: Teresa Adão Ilustrações: Manuela Câmara GUIÃO de LEITURA ORIENTADA Nome Ano Turma Antes de ler: Nome da obra Autor(a) Ilustração Editora Assim começa a história

Leia mais

MARATONA SCALABRINIANA - 2013. QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF

MARATONA SCALABRINIANA - 2013. QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF MARATONA SCALABRINIANA - 2013 QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF 1. Qual a data de nascimento de Scalabrini e em qual país ele nasceu? Resposta: Scalabrini nasceu no dia 08 de Julho do ano 1839, na Itália.

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA Aline Letícia Trindade Rosa Ana Victória Antunes Tamyres Rodrigues Zanforlin (G UENP/ campus Jac.) Penha Lucilda de Souza Silvestre

Leia mais

DIÁLOGOS INTERTEXTUAIS ENTRE LITERATURA E CINEMA: UMA ANÁLISE CONTRASTIVA ENTRE HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL (1997) E CINDERELA (1986) RESUMO

DIÁLOGOS INTERTEXTUAIS ENTRE LITERATURA E CINEMA: UMA ANÁLISE CONTRASTIVA ENTRE HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL (1997) E CINDERELA (1986) RESUMO DIÁLOGOS INTERTEXTUAIS ENTRE LITERATURA E CINEMA: UMA ANÁLISE CONTRASTIVA ENTRE HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL (1997) E CINDERELA (1986) RESUMO Carina Pereira da Paula (G CLCA UENP/CJ) Juliana Aparecida

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA RESUMO

O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA RESUMO Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA SOUZA, Elisangela Ruiz de 1 MUNIZ, Valdinéia

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba José Ozildo dos SANTOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2008 2º SEMESTRE 7º ANO UME. Nome. 7º ano N. Professores:

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2008 2º SEMESTRE 7º ANO UME. Nome. 7º ano N. Professores: AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2008 2º SEMESTRE 7º ANO UME Nome 7º ano N. Professores: Leia uma parte do texto Branca de Neve e os sete anões e responda às questões 1 a 5. Num dia muito frio, uma bela rainha estava

Leia mais

Profª Me. Rafaela Beleboni Professora das Faculdades COC

Profª Me. Rafaela Beleboni Professora das Faculdades COC OFICINA Os clássicos e as diversas outras naturezas de obras literárias para Educação Infantil Profª Me. Rafaela Beleboni Professora das Faculdades COC ROTEIRO DA OFICINA Clássicos na literatura; Confecção

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

A LEITURA DO NÃO-VERBAL NOS FILMES INFANTIS E A EDUCAÇÃO MORAL

A LEITURA DO NÃO-VERBAL NOS FILMES INFANTIS E A EDUCAÇÃO MORAL A LEITURA DO NÃO-VERBAL NOS FILMES INFANTIS E A EDUCAÇÃO MORAL ÉRICA DANIELA DE ARAÚJO 1 CARMEN LÚCIA H. AGUSTINI 2 RESUMO: As enunciações fílmicas infantis se configuram como objetos culturais que são

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao quarto bimestre escolar ou às Unidades 7 e 8 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A BELA ADORMECIDA NO BOSQUE: UM DIÁLOGO COM O FEMININO DO SER Fábio Pratts Regina Michelli reginamichelli@globo.com INTRODUÇÃO Vivemos em uma sociedade patriarcal, em que a maioria dos grandes cargos ainda

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

Informações e instruções para os candidatos

Informações e instruções para os candidatos A preencher pelo candidato: Nome: N.º de inscrição: Documento de identificação: N.º: Local de realização da prova: A preencher pelo avaliador: Classificação final: Ass: Informações e instruções para os

Leia mais

Contos de Fadas: origem e contribuições para o desenvolvimento da criança

Contos de Fadas: origem e contribuições para o desenvolvimento da criança 85 Contos de Fadas: origem e contribuições para o desenvolvimento da criança (Fairy Tales: origin and contributions to child development) Isabela Mendes Falconi¹; Alessandra Corrêa Farago² ¹Graduanda em

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum?

A Busca. Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas. Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas. encontrar uma trama em comum? A Busca Capítulo 01 Uma Saga Entre Muitas Sagas Não é interessante como nas inúmeras sagas que nos são apresentadas em livros e filmes podemos encontrar uma trama em comum? Alguém, no passado, deixouse

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM PAUTA: CHAPEUZINHO VERMELHO E CINDERELA

CONTOS DE FADAS EM PAUTA: CHAPEUZINHO VERMELHO E CINDERELA CONTOS DE FADAS EM PAUTA: CHAPEUZINHO VERMELHO E CINDERELA Véra Beatriz M. Bertol de OLIVEIRA (PG UEM) ISBN: 978-85-99680-05-6 REFERÊNCIA: OLIVEIRA, Vera Beatriz M. Bertol de. Contos de fadas em pauta:

Leia mais

OS CONTOS DE FADAS E O DESENVOLVIMENTO PSICO-COGNITIVO DA CRIANÇA

OS CONTOS DE FADAS E O DESENVOLVIMENTO PSICO-COGNITIVO DA CRIANÇA OS CONTOS DE FADAS E O DESENVOLVIMENTO PSICO-COGNITIVO DA CRIANÇA INTRODUÇÃO Maria Angélica Seabra Rodrigues Martins FAAC-Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Unesp-Universidade Estadual Julio

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

A jornada do herói. A Jornada do Herói

A jornada do herói. A Jornada do Herói A Jornada do Herói Artigo de Albert Paul Dahoui Joseph Campbell lançou um livro chamado O herói de mil faces. A primeira publicação foi em 1949, sendo o resultado de um longo e minucioso trabalho que Campbell

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

MARIANA RODRIGUES ALVES CONTO DE FADAS NA VIDA DE CRIANÇAS

MARIANA RODRIGUES ALVES CONTO DE FADAS NA VIDA DE CRIANÇAS Universidade do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação e Humanidades Faculdade de Formação de Professores Departamento de Educação - DEDU MARIANA RODRIGUES ALVES CONTO DE FADAS NA VIDA DE CRIANÇAS

Leia mais

LEITURA INFANTIL O DOMÍNIO DO OLHAR

LEITURA INFANTIL O DOMÍNIO DO OLHAR LEITURA INFANTIL O DOMÍNIO DO OLHAR Adriana Thomazotti Claro Doutorado em Sociologia USP drithomazotti@uol.com.br RESUMO Este trabalho tem por objetivo discutir a formação da biblioteca cultural da criança

Leia mais

Moralidade e fantasia: as versões clássicas de Chapeuzinho Vermelho e seus leitores pressupostos

Moralidade e fantasia: as versões clássicas de Chapeuzinho Vermelho e seus leitores pressupostos Moralidade e fantasia: as versões clássicas de Chapeuzinho Vermelho e seus leitores pressupostos André Bozzetto Junior 1 (UNISC) Resumo: Este trabalho tem por objetivo abordar o conto infantil Chapeuzinho

Leia mais

Resumo. 13 a 17 de julho de 2008 USP São Paulo, Brasil. XI Congresso Internacional da ABRALIC Tessituras, Interações, Convergências

Resumo. 13 a 17 de julho de 2008 USP São Paulo, Brasil. XI Congresso Internacional da ABRALIC Tessituras, Interações, Convergências Convergências e divergências na idealização da mulher no discurso cinematográfico contemporâneo em diálogo com os contos de fadas clássicos 1 Mestranda Maíra Bastos dos Santos 2 Resumo O objetivo desse

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

ANÁLISE DO FILME ENCANTADA CONTOS DE FADAS

ANÁLISE DO FILME ENCANTADA CONTOS DE FADAS Periódico de Divulgação Científica da FALS Ano V - Nº XII- DEZ / 2011 - ISSN 1982-646X ANÁLISE DO FILME ENCANTADA CONTOS DE FADAS Cintia Pinha Geraldini Karla Cristina Prado BREVE HISTORICO Os contos de

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

O CONTO DE FADAS: DA ORALIDADE À LITERATURA INFANTIL Luciane Alves SANTOS Universidade Federal da Paraíba

O CONTO DE FADAS: DA ORALIDADE À LITERATURA INFANTIL Luciane Alves SANTOS Universidade Federal da Paraíba O CONTO DE FADAS: DA ORALIDADE À LITERATURA INFANTIL Luciane Alves SANTOS Universidade Federal da Paraíba Ao discorrer sobre a figura do narrador em O narrador considerações sobre a obra de Nikolai Leskov,

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita

Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita Simbologia Oculta Os 12 Trabalhos de Hércules Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita A Coragem de Ser Autêntico O Cinturão de Hipólita: A Coragem de Ser Autêntico A missão do herói era conseguir

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social

IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social IGUALDADE NA DIFERENÇA Projeto interdisciplinar sobre inclusão social A diversidade através dos tempos Obra: O corcunda de Notre-Dame Autor: Victor Hugo Adaptador: Jiro Takahashi Ilustrador: Jayme Leão

Leia mais