ANÁLISE TEXTUAL DO DISCURSO: UMA INTRODUÇÃO AO MODELO PROPOSTO POR JEAN-MICHEL ADAM (2011)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE TEXTUAL DO DISCURSO: UMA INTRODUÇÃO AO MODELO PROPOSTO POR JEAN-MICHEL ADAM (2011)"

Transcrição

1 ANÁLISE TEXTUAL DO DISCURSO: UMA INTRODUÇÃO AO MODELO PROPOSTO POR JEAN-MICHEL ADAM (2011) KILIAN, CARINA; FLÔRES, ONICI CLARO Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS) Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC Mestrado em Letras - Leitura e Cognição Mestranda em Letras (UNISC) - Doutora em Linguística e Letras (PUCRS) - RESUMO Este trabalho é de caráter bibliográfico, teve por objetivo elaborar uma análise textual do discurso, a partir da perspectiva da obra de Jean-Michel Adam (2011), A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos, focalizando a reportagem A volta do conto de fadas, publicada na revista Época, em abril de Para tanto, fez-se um levantamento bibliográfico de alguns conceitos fundamentais da linguística textual e da análise do discurso, tal como o propõe Adam (2011). Como resultados, observouse que a proposta de Adam (2011) contribui significativamente para os estudos do texto, enquanto manifestação de um discurso, socialmente situável, no que se refere aos elementos que asseguram a interpretação. Palavras-chave: Linguística textual. Análise textual do discurso. Operações de textualização. 1 INTRODUÇÃO Muitas são as abordagens teóricas acerca do texto e do discurso. Cada qual leva em consideração certos conceitos e alguns fatores que os autores definem como relevantes para seus estudos. Dentre as propostas existentes, destaca-se o trabalho de Jean-Michel Adam (2011), que faz uma abordagem inovadora, agregando conceitos da Análise do Discurso (doravante AD) e, também, da Linguística Textual (doravante LT). A segunda, vista como um subcampo da primeira. Em seu livro A linguística textual: uma introdução à análise textual dos discursos, por meio de análises empíricas e da formulação da teoria em questão, Adam (2011) enfoca aspectos importantes acerca das operações de textualização que asseguram a possibilidade de dizer. O autor apresenta diversos esquemas para explicar sua abordagem e o faz partindo de diferentes níveis linguísticos. O estudo realizado iniciou com os níveis ou planos da análise textual, especificamente, das operações de ligação de base que asseguram a continuidade textual, cuja realização se dá no âmbito das proposições-enunciados. Teve por objetivo principal analisar como se processam as operações de ligação de base; e como objetivo específico demonstrar a importância da teoria de Adam (2011), bem como suas contribuições para a área dos estudos acerca do texto/discurso.

2 A pesquisa justifica-se por se tratar de uma nova abordagem sobre o texto/discurso que agrega a LT e a AD, as quais são próximas, mas, ao mesmo tempo, possuem suas próprias finalidades e apresentam fundamentações teóricas distintas, opondo-se em aspectos basilares (conceitos de sujeito, por exemplo). Na aproximação proposta por Adam, destacam-se fatores interdisciplinares sobre o texto/discurso, o que confere à teoria em análise um caráter mais abrangente. Para o trabalho, foi selecionada uma reportagem da revista Época, na qual foram analisados os elementos textuais que asseguram a continuidade semântica, mantendo a coesão e a coerência. Para tanto, primeiramente, fez-se um levantamento teórico de alguns conceitos básicos atinentes ao texto/discurso; depois, seguiu-se a análise propriamente dita, cujas especificações foram registradas em tabelas para melhor visualização; logo após, constam as conclusões do trabalho. A análise foi divida em unidades semânticas como propõe o Esquema 13 (ADAM, 2011, p. 131), o qual é indispensável para se entender a proposta do autor. Isto é, a análise seguiu a ordem das operações de ligação que asseguram a continuidade textual, tal como concebida pelo autor. 2 CONCEITOS BÁSICOS 2.1 Texto, discurso e gênero textual Segundo Marcuschi (2008), o conceito de texto depende da concepção de língua adotada. Para ele, (...) a língua é um conjunto de práticas sociais e cognitivas historicamente situadas (MARCUSCHI, 2008, p. 61), e, por consequência, o texto é o resultado de uma ação linguística cujas fronteiras são em geral definidas por seus veículos com o mundo no qual ele surge e funciona (MARCUSCHI, 2008, p. 72). Em outras palavras e já conceituando discurso, o (...) texto é uma entidade concreta realizada materialmente e corporificada em algum gênero textual. Discurso é aquilo que um texto produz ao se manifestar em alguma instância discursiva (MARCUSCHI, 2010, p. 25). Os gêneros textuais, por sua vez, a partir de uma noção de língua como atividade social, histórica e cognitiva (...), se constituem como ações sociodiscursivas para agir sobre o mundo e dizer o mundo, constituindo-o de algum modo (MARCUSCHI, 2010, p. 23). Para Marcuschi (2008, p. 58), a diferença entre texto e discurso é bastante complexa, por isso deve-se ver o texto no plano das formas linguísticas e de sua organização, ao passo que o discurso seria o plano do funcionamento enunciativo, o plano da enunciação e efeitos de sentido na sua circulação sociointerativa e discursiva envolvendo outros aspectos.

3 2.2 Linguística textual e análise do discurso Conforme Mussalim e Bentes (2006), houve três momentos importantes na história dos estudos sobre o texto. Primeiramente, a LT estava próxima da linguística estrutural saussuriana, seu interesse central partia da frase - análise transfrástica. Em uma etapa posterior, o interesse voltou-se para a competência textual do falante/ouvinte, devido às propostas inovadores de análise textual da gramática gerativa, cujos estudos levaram à proposição de uma gramática textual. Na terceira fase sobre os estudos do texto, houve a inclusão do contexto de produção do texto na LT. O texto, então, passou a ser visto como fruto de interações sociocomunicativas, e a ser considerado em seu contexto pragmático, configurando à LT a definição de uma cadeira multidisciplinar. Em vista disso, concorda-se com Marcuschi (2008, p. 73) quando ele define a LT como o estudo das operações linguísticas, discursivas e cognitivas reguladoras e controladas da produção, construção e processamento de textos escritos ou orais em contextos naturais de uso. Sobre a análise do discurso, não há uma definição única que dê conta de todas as formas de se entender o que é discurso. O importante a ressaltar é que a teoria implica um sujeito situado social e historicamente, cujo discurso deriva de determinadas condições de produção. Para Van Dijk (2004, p.11), é difícil estabelecer distinções disciplinares precisas no campo de estudos do discurso, que parece cada vez mais se caracterizar como um campo interdisciplinar independente, no qual métodos e teorias puramente linguísticos ou gramaticais se mesclam àqueles da etnografia, microssociologia e (...) e aos da psicologia. 2.3 A LT e a AD na perspectiva de Adam (2011) Adam (2011, p. 43), por sua vez, situa a linguística textual na análise de discurso e seu trabalho propõe a união das duas teorias. Ele reconhece que ambas desenvolveram-se de forma autônoma, mas se propõe a articulá-las, considerando a linguística textual como um subdomínio do campo mais vasto da análise das práticas discursivas. Sua proposta pretende desvencilhar a linguística textual da gramática de texto. Além disso, Adam (2011, p. 52), contrariamente à Análise de Discurso Francesa, não considera o contexto e as condições de produção do discurso, rejeitando ainda a ideia de sujeito assujeitado. Ele explica sua posição ao citar Kleiber (1994a, p. 14), porque, segundo este autor, se confunde muito frequentemente o contexto com os elementos que completam ou que asseguram a interpretação global de um enunciado e os locais de onde esses elementos provêm, seja diretamente, seja indiretamente, quer dizer por inferência. E continua: Misturam-se, então, os dados do ambiente linguístico imediato (cotextuais) e os dados da situação extralinguística. Não se pode esquecer que não temos acesso ao contexto como dado extralinguístico objetivo, mas somente a

4 (re)construções pelos sujeitos falantes e/ou por analistas (sociólogos, historiadores, testemunhas, filólogos ou hermeneutas) (ADAM, 2011, p. 52). Nesse sentido, o autor complementa sua posição, citando Jacques Guilhaumou (1993 e 2002, p. 32), para elucidar que em seu modo de conceber há uma passagem de uma concepção sociolinguística de análise do discurso para sua redefinição como disciplina hermenêutica plena (ADAM, 2011, p. 52). Em resumo, pode-se afirmar que Adam (2011) considera como contexto apenas as condições cotextuais (ambiente linguístico do texto), para fazer análise do discurso, visto que, a partir de uma perspectiva hermenêutica, se o cotexto está disponível e se ele se mostra suficiente, o interpretante não vai procurar em outro lugar (ADAM, 2011, p. 53). Nesse sentido, o autor propõe uma análise pragmática textual ligada à análise do discurso. Em síntese, uma visão de linguagem-ação que se inscreve em dado setor do espaço social, que deve ser pensado como uma formação sociodiscursiva, ou seja, como um lugar social associado a uma língua (socioleto) e a gêneros de discurso (ADAM, 2011, p. 63). Gênero de discurso aqui é definido como uma determinação pragmaticamente instituída. Nesse sentido, a análise partiu do que está posto no texto e de fatores que ali se aprestam, especificamente, da proposição-enunciado. Portanto, para Adam (2011, p.106), Temos a necessidade, metalinguisticamente, de uma unidade textual mínima que marque a natureza do produto de uma enunciação (enunciado) e de acrescentar a isso a designação de uma microunidade sintático-semântica (a que o conceito de proposição atende, finalmente, bastante bem). Ao escolher falar de proposição-enunciado, não definimos uma unidade tão virtual como a proposição dos lógicos ou a dos gramáticos, mas uma unidade textual de base, efetivamente realizada e produzida por um ato de enunciação, portanto, como um enunciado mínimo. 3 METODOLOGIA Para a análise, fez-se um levantamento bibliográfico para conceituar elementos básicos envolvidos no estudo. Em seguida, consideraram-se os pressupostos de Adam (2011), no que se refere às suas definições no âmbito da análise textual do discurso. No terceiro momento, escolheu-se o texto para aplicação da teoria. Em quarto lugar, fez-se a análise textual do discurso, estruturando-a por meio de tabelas. Por fim, foram feitas as conclusões a respeito da pesquisa. 4 A VOLTA DO CONTO DE FADAS : UMA ANÁLISE TEXTUAL DO DISCURSO Para Adam (2011), a LT, no âmbito da AD, visa a teorizar e a descrever os encadeamentos de enunciados elementares da unidade complexa que é o texto. Nesse sentido, o autor propõe seu estudo em forma de esquema nos quais enquadra as operações de textualização que asseguram a continuidade textual por meio das proposições-enunciados. Especificamente, o item [4], da figura abaixo, reúne as unidades de maior complexidade.

5 Figura 1 - Esquema 5, extraído da obra A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos, de Jean-Michel Adam (2011, p. 64). Definido o ponto a ser analisado através das operações de segmentação, parte-se para a visualização dos elementos constitutivos que operam nesse âmbito. Dessa forma, Adam (2011) representa, novamente em forma de esquema, tais constituintes, conforme o esquema que segue: Figura 2: Esquema 13, extraído da obra A linguística textual: introdução à análise textual do discurso, de Jean-Michel Adam (2011, p. 131). Segundo Adam (2011, p. 131), as operações de ligação do esquema unem os constituintes de proposições próximas, mas também agem à longa distância, de modos prospectivo e retrospectivo, assegurando, assim, a coesão textual.

6 1 4.1 Texto analisado A volta do conto de fadas O casamento do herdeiro do trono britânico repete a cada 30 anos uma celebração majestosa e anacrônica que o mundo adora acompanhar. A princesa Elizabeth casou-se com o príncipe Philip em Em 1981, o príncipe Charles casou-se com a virginal lady Diana. Agora, passados 30 anos, é William, filho de Charles e neto de Elizabeth, quem se prepara para receber a mão da plebeia Kate Middleton. A cada três décadas, mais ou menos, a família real britânica repete um ritual antiquado e solene e o mundo, embevecido, suspende a respiração para assistir. Por reminiscência dos contos de fadas ou nostalgia da ordem monárquica, os casamentos reais mexem com os sentimentos da multidão. Quem das mulheres não quis ser Cinderela? Qual menino não sonhou em ser Arthur? Para os britânicos, o matrimônio dos monarcas é uma questão de Estado; para o resto de nós, é um estado de espírito. Espera-se que 2,5 bilhões de pessoas ao redor do mundo vejam a cerimônia na manhã do sábado dia 29. Nas páginas que seguem, o leitor encontrará detalhes sobre a festa, a história da futura princesa (e como ela se compara com Diana) e a importância do casamento de William para a monarquia britânica. Além da beleza do espetáculo e dos detalhes pitorescos, há, neste evento, um componente novelesco. Charles e Diana beijaram-se na sacada do Palácio de Buckingham para mergulhar, anos depois, no mais plebeu desentendimento, que terminou em divórcio e acrimônia públicos. De William e Kate, espera-se uma reparação. Não apenas da monarquia britânica, que luta para manter sua mística familiar, mas da ideia mesma do casamento. O mundo quer que os noivos sejam felizes para sempre. Assim como nos contos de fada. 4.2 Ligações do significado: [1] Anáforas e correferências e [2] Isotopias e colocações Segundo Adam (2011, p. 132), a correferência é uma relação de identidade referencial entre dois ou mais signos semanticamente interpretáveis, independentemente um do outro. As relações semânticas de correferência são expressas pelas anáforas presentes no cotexto esquerdo (anáfora) ou direito (catáfora). Outros elementos que asseguram a ligação do significado são as isotopias e as colocações. A isotopia refere-se sempre à constância de um percurso de sentido que um texto exibe quando é submetido a regras de coerência interpretativa (ECO, s/n, p. 83). Já as colocações seriam associações de lexemas, construções cristalizadas, repetidas nas sequências do texto. A partir do tema do texto, identificam-se os referentes, os quais são retomados semanticamente por correferências e anáforas, conforme podem ser visualizados na Tabela 1. Tabela 1 - Correferentes dos elementos textuais 1) Correferentes da expressão 2) Correferentes da palavra 3) Correferentes dos membros Conto de fadas Casamento que compõem o Trono britânico l. 4 princesa, príncipe l. 5 príncipe l. 7 plebeia l. 7 família real l. 3 celebração majestosa l. 8 ritual antiquado e solene l. 10 casamentos reais l. 12 matrimônio dos monarcas l. 4 princesa Elisabeth l. 4 príncipe Philip l. 5 Príncipe Charles l. 5 Lady Diana l. 9 por reminiscência dos l. 14 a cerimônia l. 6 William, filho de Charles e contos de fada l. 15 detalhes da festa neto de Elizabeth l. 10 os casamentos reais l. 16 a importância do l. 7 família real l. 11 Cinderela / Arthur l. 15 futura princesa l. 29 plebeu l. 22 que os noivos sejam casamento de William l. 16 beleza do espetáculo l. 21 casamento l. 22 os noivos felizes para sempre. Assim como nos contos de fada Predominância de isotopia, que Predominância de anáforas Predominância de anáforas

7 garante a permanência tópica. Há também a presença da anáfora enfática na linha 22, em que há uma ênfase do autor do texto sobre a felicidade dos noivos equiparando-a à do conto de fadas. resumidoras, a partir da qualificação sintética do que vem a ser o casamento do herdeiro do trono britânico associativas em que o leitor infere os componentes do trono britânico, com base nos conhecimentos lexicais. 4.3 [3] Ligações do significante As operações de ligação do significante são próprias de textos poéticos, mas podem aparecer também nos narrativos. Dizem respeito à repetição de fonemas; repetição de sílabas e/ou de um número de sílabas; repetição de lexemas e jogos de palavras por meio de homofonia, sinonímia, antítese; repetição de grupos morfossintáticos, conforme demonstra a tabela abaixo. Tabela 2 - Ligações do significante l Para os britânicos, o matrimônio dos monarcas é uma questão de Estado; para o resto de nós, é um estado de espírito. Observa-se uma anáfora estilística com a repetição da palavra estado, contudo, ela assume diferentes significados em cada aparição. 4.4 [4] Implicitações Segundo Adam (2011), as implicitações dizem respeito às elipses, aos pressupostos e aos subentendidos. As elipses são os elementos omissos na superfície textual facilmente recuperáveis pelo leitor. Já os pressupostos, são as informações que, sem serem expressas, são apresentadas no conteúdo semântico por determinados elementos da frase. E os subentendidos, são derivados de um processo interpretativo. Esses elementos estão demonstrados na tabela abaixo. Tabela 3 - Implicitações Elipse l Para os britânicos, o matrimônio dos monarcas é uma questão de Estado; para o resto de nós, é um estado de espírito. A última vírgula nesse caso torna elíptica a repetição do sintagma o matrimônio dos monarcas, fazendo com que não seja repetido na segunda frase. Pressupostos l. 1 a volta do conto de fadas Pressupõe que os contos de fada existiram numa realidade ficcional e que, a partir do casamento do príncipe William, eles retornam à imaginação popular. Isso se apreende através da palavra volta, pois quem volta já esteve em dado lugar e espaço. 4.5 [5] Conexões As conexões são realizadas por conectores, organizadores e marcadores textuais.

8 4.5.1Conectores Os conectores são formados por expressões linguísticas que reagrupam conjunções de coordenação, locuções conjuntivas de subordinação e grupos nominais ou preposicionais. Algumas expressões são apresentadas na tabela abaixo. Tabela 4 - Conectores Conjunções coordenadas Conjunções subordinadas Grupos nominais l. 8 e (conjunção aditiva) l. 9 ou (conjunção alternativa) l. 16 e (conjunção aditiva) l. 21 mas (conjunção aditiva) l. 3 que (conjunção adjetiva) l. 6 quem (conjunção adjetiva) l. 22 Assim como (conjunção comparativa) l. 16 Além de (aditivo) l. 20 Não apenas de (aditivo) Organizadores Os organizadores podem ser espaciais, temporais e enumerativos. Seguem, na tabela abaixo, alguns organizadores encontrados na análise. Tabela 5 - Organizadores Espaciais l. 13 ao redor do mundo l. 14 Nas páginas que seguem l. 17 neste evento l. 18 na sacada do Palácio de Buckingham Temporais l. 2 a cada 30 anos l. 4 em 1947 l. 4 em 1981 l. 5 Agora l. 5 passados 30 anos l. 7 a cada três décadas l. 16 anos depois Marcadores Os marcadores podem ser de mudança de topicalização, de ilustração e de exemplificação, como se pode observar na tabela abaixo. Tabela 6 - Marcadores Marcador de mudança de topicalização l Para os britânicos...; para o resto de nós... l. 20 De..., espera-se... l. 20 Não apenas da..., mas [6] Sequências de atos de discurso Para Adam (2011, p. 196), um texto não é uma simples sequência de atos de enunciação que possui certo valor ou forma ilocucionária, mas uma estrutura de atos de discurso ligados entre si. Os atos de discurso formam uma cadeia muito mais complexa do que a dos atos ilocucionários, pois estes são elementos auxiliares. No plano do uso da linguagem, os atos ilocucionários são as unidades de base da significação na continuidade do discurso. Eles podem ser: expressivos, constativos, assertivos e declarativos. Na tabela abaixo, demonstra-se um ato de discurso.

9 Tabela 7 - Sequências de atos de discurso Assertivos l. 8-9 o mundo, embevecido, suspende a respiração para assistir Constata-se o fenômeno de o mundo inteiro parar para assistir ao casamento. Nesse caso, o adjetivo embevecido remete ao estado de êxtase que as pessoas ao redor do mundo ficaram, pois esse evento evocou o sentimento de uma vida perfeita, idealizada que apenas os membros de reinos podem ter, no imaginário das pessoas que pensam que riqueza e poder facilitam ser feliz. 5 CONCLUSÕES A partir da análise feita, percebe-se como o articulista do texto utiliza muitos operadores textuais para manter o continuum semântico do texto, especialmente, com o uso de isotopias, as quais garantem a permanência tópica. Há também a presença de anáforas resumidoras, que condensam um todo enunciativo através de um sintagma definitório. Por sua vez, as anáforas associativas permitem, a partir dos itens lexicais utilizados para nomear ou descrever pessoas, associar os componentes do trono britânico, agregando-as ao conhecimento enciclopédico do leitor. Escrever com estilo também é uma estratégia para manter a atenção do leitor, o que é comprovável por meio das operações de ligação do significante, como a anáfora estilística, por exemplo. As elipses e os pressupostos, de sua parte, remetem à questão da inferência, pois, segundo Koch (2004), nem tudo está dito de forma explícita no texto. Isso é importante porque o leitor/ouvinte pode construir o sentido do texto necessário à sua compreensão a partir dos implícitos. As conexões, por seu turno, ajudam a manter a organização dos tópicos em aspectos espaciais, temporais e enumerativos, enquanto os atos de discurso expressam os deslocamentos do sujeito e as diferentes posições do enunciador, quanto ao conteúdo que aborda no texto. Dessa forma, observa-se como as operações de textualização, realizadas por meio da ligação das operações de base, permitem a continuidade do referente, tanto para o cotexto direito quanto para o esquerdo, assegurando a coesão textual. Nesse sentido, a proposta de Adam (2011) considera o cotexto, como elemento indispensável para a compreensão e interpretação do texto, excluído o contexto de produção, pois este, muitas vezes, pode confundir e ser confundido, impedindo a compreensão do leitor/ouvinte. Nessa perspectiva, sua teoria volta-se para uma visão hermenêutica de estudo do texto, bem como para o entendimento de linguagem como ação, como atividade pragmática. Dessa maneira, o autor consegue fundamentar a união da LT com a AD, pois ambas dão conta de grande parte dos aspectos circundantes do texto/discurso. Embora existam muitas pesquisas em Linguística Textual e em Análise do Discurso, espera-se ter contribuído para lançar um novo olhar aos estudos do texto/discurso, na ótica

10 interdisciplinar de Adam (2011), pois no texto operam muitos fatores, o que o transforma em um complexo significativo no qual a língua assume diferentes formas para promover a interação intersubjetiva, sociocomunicativamente situada. REFERÊNCIAS ADAM, Jean-Michel. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Cortez, DIJK, Teun Adrianus van. Cognição, discurso e interação. São Paulo: Contexto, ECO, Umberto. Lector in fabula: a cooperação interpretativa nos textos narrativos. Tradução de Atílio Cancian. São Paulo: Perspectiva, s/n. KOCH, Ingedore Villaça. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gênero e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Angela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, MARTINS, Ivan. A volta do conto de fadas. In: Época. Editora Globo. 18 de abril de Nº674. MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Christina Bentes (Orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 6. ed. São Paulo: Cortez, v. 1.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO TEXTO, SUA EXPANSÃO E DOMÍNIO EM LINGUÍSTICA TEXTUAL Ederson Henrique de Souza Machado 1 Introdução Os fenômenos textuais ingressam essencialmente no âmbito epistemológico

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL

ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL ENSINO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA LINGUISTICA TEXTUAL FATIMA APARECIDA DE SOUZA MARUCI (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA - SÃO PAULO). Resumo A presente pesquisa objetiva

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES Roseli Cabral Calil (Unifran) Juscelino Pernambuco (Unifran) Introdução Esta pesquisa terá como objetivo analisar a construção dos versos desse poeta, buscando

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A APLICAÇÃO DA TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO NA LÍNGUA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Introdução Gabriela Fontana Abs da Cruz 1 Teoria e prática de ensino parecem estar muito distantes uma da outra, principalmente

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO TEXTO COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS CONCEITO DE TÓPICO 1 Maria Lúcia Mexias Simon mmexiassimon@yahoo.com.

A CONSTRUÇÃO DO TEXTO COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS CONCEITO DE TÓPICO 1 Maria Lúcia Mexias Simon mmexiassimon@yahoo.com. A CONSTRUÇÃO DO TEXTO COESÃO E COERÊNCIA TEXTUAIS CONCEITO DE TÓPICO 1 Maria Lúcia Mexias Simon mmexiassimon@yahoo.com. A CONSTRUÇÃO DO TEXTO A noção de texto é central na lingüística textual e na teoria

Leia mais

ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1

ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1 ANÁLISE E TEORIAS DO DISCURSO 1 Karilene da Silva Corrêa PG-UEMS A AD Análise do Discurso é uma área da Linguística que tem como objeto de estudo o discurso do locutor. O estudo deste campo de análise

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia

1º ANO. Atividades Acadêmico-Científico-Culturais 20. Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia 1º ANO 1º básica Leitura e produção de textos/filosofia Pesquisa e construção do Conhecimento/ Sociologia Língua Portuguesa I Noções Básicas de Língua Portuguesa A gramática e sua subdivisão As relações

Leia mais

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º /2013 O Reitor do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura)

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) 4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) ESCALA DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA A

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

Entre a oração principal e a objetiva direta: um possível papel sintático-discursivo da conjunção integrante

Entre a oração principal e a objetiva direta: um possível papel sintático-discursivo da conjunção integrante Entre a oração principal e a objetiva direta: um possível papel sintático-discursivo da conjunção integrante Resumo: Profª. Drª. Lúcia Deborah Ramos de Araujo i (UERJ/CPII/UNESA) Pós-graduando Felipe de

Leia mais

MECANISMOS DE TEXTUALIZAÇÃO: análise dos mecanismos de conexão, coesão nominal e verbal em artigos científicos

MECANISMOS DE TEXTUALIZAÇÃO: análise dos mecanismos de conexão, coesão nominal e verbal em artigos científicos Rios Eletrônica- Revista Científica da FASETE ano 8 n. 8 dezembro de 2014 MECANISMOS DE TEXTUALIZAÇÃO: análise dos mecanismos de conexão, coesão nominal e verbal em artigos científicos Professor do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERÍODO CONTEÚDOS ORALIDADE Elementos constitutivos do texto publicitário. Ouvinte. Informação. Princípios reguladores

Leia mais

O gênero resumo na perspectiva de universitários

O gênero resumo na perspectiva de universitários O gênero resumo na perspectiva de universitários Adriana da Silva (Universidade Federal de Viçosa, adriasilva124@hotmail.com) RESUMO: A leitura e a produção de textos acadêmicos são atividades que preocupam

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

A REESCRITA COLETIVA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

A REESCRITA COLETIVA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO A REESCRITA COLETIVA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Lilian Rabelo dos Santos (UFS) Izabela de Lima Carlos (UFS) O presente trabalho trata da importância da reescrita coletiva no processo de alfabetização,

Leia mais

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2.

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2. EXPRESSÃO ESCRITA Sejam bem-vindos à segunda videoaula de Expressão Escrita. Sou a Maj Anna Luiza professora de Português da Seção de Idiomas da ECEME. Esta aula se destina a você, aluno do CP/ECEME e

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS*

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* 287 ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* Sulemi Fabiano 1 Resumo: A questão que norteia a pesquisa é: como um aluno em formação, ao se apropriar de uma teoria, utiliza os conectores

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO E LINGÜÍSTICA TEXTUAL: INTERAÇÃO E INTERDISCURSIVIDADE

ANÁLISE DO DISCURSO E LINGÜÍSTICA TEXTUAL: INTERAÇÃO E INTERDISCURSIVIDADE Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (589-594) ANÁLISE DO DISCURSO E LINGÜÍSTICA TEXTUAL: INTERAÇÃO E INTERDISCURSIVIDADE Graziela Zanin KRONKA (UNICAMP/FAPESP) ABSTRACT: This paper discuss

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE

INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE LILIAN DE PINHO BOTELHO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PUCSP). Resumo INTERTEXTUALIDADE INTERGÊNEROS NA PUBLICIDADE Lilian de Pinho BOTELHO

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM 1 A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM Keila de Quadros Schermack Universidade de Passo Fundo/UPF keila.quadros@terra.com.br Mestrado em Letras RESUMO:

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

A PRÁTICA DOCENTE E O ENSINO DA PRODUÇÃO TEXTUAL: REFLETINDO E RELATANDO UM MOMENTO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR TECNOLÓGICO

A PRÁTICA DOCENTE E O ENSINO DA PRODUÇÃO TEXTUAL: REFLETINDO E RELATANDO UM MOMENTO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR TECNOLÓGICO A PRÁTICA DOCENTE E O ENSINO DA PRODUÇÃO TEXTUAL: REFLETINDO E RELATANDO UM MOMENTO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR TECNOLÓGICO RICARDO JOSÉ ORSI DE SANCTIS 1 1 Professor de Língua Espanhola, Inglesa e Portuguesa

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Aquisição da linguagem oral e escrita

Aquisição da linguagem oral e escrita Aquisição da linguagem oral e escrita Castilho Francisco Schneider INTRODUÇÃO Behavioristicamente, o termo aquisição de linguagem pode ser aceito sem questionamentos. Já sob o enfoque chomskiano, parece-nos

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Luciana Maria Crestani i () As avaliações do MEC (Saeb e Prova Brasil) apontam que os alunos têm déficits de aprendizagem no

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO Karoline Maciel Sobreira Síntria Labres Lautert Marina Ferreira da Silva Costa Fernanda Augusta Lima das Chagas Universidade Federal

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2015 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

Palavras-chave: Formação do Pedagogo; Texto; Lingüística Textual; Séries Iniciais.

Palavras-chave: Formação do Pedagogo; Texto; Lingüística Textual; Séries Iniciais. A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA NAS SÉRIES INICIAIS: UM ESTUDO A PARTIR DAS CONCEPÇÕES DE TEXTO, TEXTUALIDADE E INTERTEXTUALIDADE SIMIONATO * Marta Maria - UNICENTRO, Irati /

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Informação prova final / Exame Final Nacional português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Prova 63/93/739 2014 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga as características

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz Curso Profissional de 12º H Português Planificação Anual - Módulos: 10,11 e 12 Ano Letivo: 2015/2016 Módulos Compreensão Âmbito dos Conteúdos Avaliação Leitura/descrição / Expressão de imagens oral Testes

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE Thiago Leonardo Ribeiro (Bolsista PIBIC UENP/Fundação Araucária) Vera Maria Ramos Pinto (GP Leitura e Ensino CLCA - UENP/CJ)

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO NA REDE SOCIAL: UM OLHAR SOBRE O MANUAL PARA ENTENDER AS MULHERES Carolina Sena de Meneses (UFRB) carolina_msena@hotmail.

RELAÇÕES DE GÊNERO NA REDE SOCIAL: UM OLHAR SOBRE O MANUAL PARA ENTENDER AS MULHERES Carolina Sena de Meneses (UFRB) carolina_msena@hotmail. RELAÇÕES DE GÊNERO NA REDE SOCIAL: UM OLHAR SOBRE O MANUAL PARA ENTENDER AS MULHERES Carolina Sena de Meneses (UFRB) carolina_msena@hotmail.com 1. Introdução O presente artigo fará uma análise sobre a

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Cassia Regina Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com

O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Cassia Regina Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Cassia Regina Teixeira (UERJ) kassiarteixeira@hotmail.com 1. Introdução Ao longo de toda a história e apesar de toda a tecnologia, a escrita

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A PROGRESSÃO REFERENCIAL EM DEPOIMENTOS DE ORKUT Lorena Santana Gonçalves (UFES) ls.goncalves@hotmail.com Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br 1. Apresentação Inseridos numa perspectiva

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

uma representação sintética do texto que será resumido

uma representação sintética do texto que será resumido Resumo e Resenha Resumo Ao pesquisar sobre as práticas de linguagem nos gêneros escolares, Schneuwly e Dolz (1999: 14), voltando seus estudos para o nível fundamental de ensino, revelam que a cultura do

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

Os estudos que se voltam para o ensino de língua portuguesa, ou mais especificamente,

Os estudos que se voltam para o ensino de língua portuguesa, ou mais especificamente, Reflexão sobre a sintaxe em dois livros didáticos de língua portuguesa 177 Suzana Cortez * Resumo: Este trabalho constitui uma investigação inicial de como a sintaxe é abordada nos livros didáticos de

Leia mais

PROJETOS FORMADORES EM DISTRIBUIÇÃO SÉRICA

PROJETOS FORMADORES EM DISTRIBUIÇÃO SÉRICA PROJETOS FORMADORES EM DISTRIBUIÇÃO SÉRICA ENTRE OS CICLOS DE ESTUDOS DO GRUPO DE PESQUISA Ciclo de Pesquisa V Cultura e currículo de formação de professores para o letramento e a alfabetização FORMAÇÃO

Leia mais

Admissão de alunos 2016

Admissão de alunos 2016 Tradição em Excelência Admissão de alunos 2016 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 8⁰ ANO ENSINO FUNDAMENTAL II CIÊNCIAS 1. ORIGEM DA TERRA 1.1. Origem da vida no Planeta Terra (principais teorias). 1.2. Fósseis,

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ED Comunicação e Expressão /2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 2 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS 1 O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS Marília Résio LEMES 1 mariliaresio@hotmail.com RESUMO: O livro didático é um objeto de múltiplas facetas e, às vezes, trazem temas

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

Projeto Temático Letramento do Professor

Projeto Temático Letramento do Professor 1 Projeto Temático Letramento do Professor www.letramento.iel.unicamp.br REFERENCIAÇÃO E RETEXTUALIZAÇÃO DE TEXTOS ACADÊMICOS: UM ESTUDO DO RESUMO E DA RESENHA 1 Maria de Lourdes Meirelles Matencio (PUC

Leia mais

+ Levantamento. bibliográfico, leitura, fichamento, resenha. Metodologia Científica

+ Levantamento. bibliográfico, leitura, fichamento, resenha. Metodologia Científica + Levantamento bibliográfico, leitura, fichamento, resenha Mestrado Acadêmico em Desenvolvimento Sustentável e Qualidade de Vida Prof. Luciel H de Oliveira luciel@fae.br Metodologia Científica Levantamento

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UMA ANÁLISE DOS GÊNEROS DIGITAIS PRESENTES NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute os gêneros digitais que são abordados

Leia mais