ANÁLISE DISCURSIVA DE UM CONTO DE SIMÕES LOPES NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DISCURSIVA DE UM CONTO DE SIMÕES LOPES NETO"

Transcrição

1 Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 ( ) ANÁLISE DISCURSIVA DE UM CONTO DE SIMÕES LOPES NETO Oscar Luiz BRISOLARA (UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS) ABSTRACT: This work analyses the short story Melancia Coco Verde, from João Simões Lopes Neto under the light of de French orientated discourse analysis. The objective is the search for the imaginary of the inhabitant of the extreme south of RS, of the primitive predator present in the short stories KEYWORDS: discourse analysis; imaginary; predator. Neste trabalho, faço uma análise discursiva do conto Melancia Coco Verde de João Simões Lopes Neto. Para tanto, valho-me do referencial teórico da Análise de Discurso de orientação francesa. Busco também apoio no conceito de analogia proposto pela neo-escolástica. Da Análise de Discurso, tomo o conceito de heterogeneidade, ou seja, de que o outro está sempre presente no discurso: esse outro de outros tempos e de outros lugares. Ora, os contos de Simões Lopes tem origem numa antiga tradição oral, o que permite rastrear esse outro do passado que está presente no imaginário de nossa população, influenciado o modo de ver o mundo e de agir. Da neo-escolástica, tomo o conceito de equívoco que faz parte da analogia proposta por essa corrente filosófica. O equívoco permite que os diferentes sejam vistos como diferentes num mesmo conjunto. Assim, não é o sujeito que se explica a si mesmo, nem o predicado que o explica, mas os dois tomam sentido na sentença. E desse modo sucessivamente, a sentença toma sentido no texto, o texto no discurso e o discurso na cultura. A essa dimensão, a neo-escolástica denomina de transcendência. Com a finalidade de identificar o imaginário do habitante de Pelotas, tomo o predador primitivo, que se estabeleceu nesta região, caçador de um gado que existia no local, ou seja, o discurso dele presente nos contos do autor pelotense, essa heterogeneidade que marca o presente. Ao mesmo tempo, valho-me da polissemia desse discurso captada pelo equívoco que a analogia da neo-escolástica proporciona. O conto que passo a analisar trata de um casal de namorados. Ela, sia Talapa, é obrigada pelo pai a casar com um primo (um ilhéu, mui comedor de verduras); ele, o cadete Costinha, em pleno campo de batalha, sem poder fugir à luta com os castelhanos, manda um recado à namorada solicitando que o aguarde. Então, graças à adoção de apelidos secretos Melancia, ela; Coco Verde, ele - e a intervenção oportuna e astuciosa de Reduzo, amigo do cadete, a história acaba bem. Neste conto, aparecem mais claramente os traços que busco, ou seja, a classificação das atividades humanas em mais dignas e menos dignas, como propõe Macedo em um de seus artigos. As atividades menos dignas são atribuídas ao ilhéu que nem sequer tem identidade: é simplesmente o ilhéu. Não é gaúcho típico, retrata os açorianos, moradores das primeiras povoações urbanas do Sul. Relato a seguir os traços que lhe são atribuídos: (...) tinha um negócio na Vila. Esse tal era um ilhéu, mui comedor de verduras, que para montar a cavalo havia de ser em petiço e isso mesmo o petiço havia de ser podre de manso... e até maceta e (...) e nambi (...) e porongudo.!...(lopes NETO, 2000, p. 105). E mais adiante segue a descrição do ilhéu: (...)casar uma brasileira mimosa com um pé-de-chumbo, como aquele desgraçado daquele ilhéu (...) só porque ele tinha um bolicho em ponto grande!...(lopes NETO, 2000, p. 105). Prossegue o narrador: O ilhéu às vezes vinha à estância do tio, em carretinha (...) veja, carretinha, diante da moça!... Era só cama com lençóis de crivo, para o primo; fazia-se sopa de verdura para o meco; e até bacalhau aparecia, só para ele!... Que isto das nossas comidas, um churrasco escorrendo sangue e gordura e salmoura (...) uma tripa grossa assada nas brasas (...) uma cabeça de vaquilhona (...) uma paleta de ovelha; o mogango e cangica e coalhada (...) e uns beijus e umas manapanças (...) e um trago de cana e um chimarrão por cima (...) e para rebater tudo, umas tragadas dum baio, de um naco bem cochado e

2 1160 ANÁLISE DISCURSIVA DE UM CONTO DE SIMÕES LOPES NETO forte (...) tudo isso, que é do bom e do melhor, para o ilhéu não valia nem um sabugo!...(lopes NETO, 2000, p. 106). Primeiramente, o autor estabelece a oposição entre o homem da cidade e o homem do campo. Vila equivale a modificador adjetival com força de citadino. Nesse tempo não havia ainda a cidade, eram apenas os vilarejos, os primeiros aglomerados humanos. O modificador ilhéu, embora substantivado pelo determinante o, tem clara força de determinante do sujeito cujo nome sequer é citado. Prossegue o narrador caracterizando-o como comedor de verduras, modificador intensificado pelo modificador adverbial mui. O que permite identificar a expressão como modificador é a possibilidade de semanticamente equivaler a delicado. Esse sujeito é um açoriano, pela formação étnica do Rio Grande do Sul. Outros elementos com força de modificadores aparecem nas expressões que se referem à montaria: para montar a cavalo havia de ser em petiço e isso mesmo o petiço havia de ser podre de manso... e até maceta... e nambi... e porongudo. Petiço é um tipo de montaria pequena, hiperbolizado pelo modificador podre de manso, chegando quase ao nível da pilhéria com os modificadores maceta e nambi, que significam respectivamente manco e de orelhas caídas, quase um jumento. Porongudo é modificador adjetival que significa gordo, barrigudo: modificadores que dão ao animal traços de lentidão e morosidade. Esses traços atribuídos à besta recaem também sobre o cavaleiro: montador de animal desse tipo equivale a péssimo cavaleiro, caso contrário, escolheria um animal forte, veloz, ágil. A força de modificador adjetival provém da possibilidade de substituírem-se todos esses caracterizadores por adjetivos como inábil, desajeitado. A oposição que se segue entre a moça e o ilhéu degrada mais ainda a imagem dele: (...)casar-se uma brasileira mimosa com um pé-de-chumbo, como aquele desgraçado daquele ilhéu (...) só porque ele tinha um bolicho em ponto grande!...a indignação do narrador é marcada por pé-de-chumbo, modificador que significa mau ginete, e pelo modificador adjetival desgraçado que parece ter mais força de sem graça do que de infeliz, desaventurado, como quer o dicionário. Todos esses modificadores são intensificados pelos acentos exclamativos que aparecem no final de cada seqüência. A expressão só porque ele tinha um bolicho em ponto grande caracteriza a família da moça como interesseira. Prossegue a caricaturização do ilhéu conforme a narrativa: Vinha à estância (...), em carretinha(...) veja, carretinha, diante da moça!... O fato de não montar nem mesmo em cavalo manso, vir à estância em carretinha e aparecer diante da moça nessa situação, vale dizer ridículo e sem vergonha de tal proceder, até mesmo sem consciência de seu papel risível. A personagem fica ainda mais ridícula quando é colocada em oposição aos homens do campo, marcada pelas comidas típicas. Enquanto o modificador depreciativo meco, equivalente a sujeitinho, é atribuído ao açoriano citadino, e sua alimentação é sopa de verdura e bacalhau; os fazendeiros e peões, apagadas as suas diferenças sociais, comem churrasco escorrendo sangue e gordura e salmoura (...) tripa grossa assada nas brasas (...) cabeça de vaquilhona (...) paleta de ovelha (...) mogango e canjiga e coalhada (...) por sobremesa beijus e manapanças. Por fim, cachaça e cigarro forte, intensificados pelos modificadores do bom e do melhor. Esse tipo de alimento funciona como modificador no sentido de que são machões, comem alimentos fortes, sobremesas simples e bebem cachaça, bebida forte que intensifica o machismo de seu caráter, superintensificados pelo hábito de fumar cigarros rústicos e fumo picante. Em oposição, o açoriano é delicado, come sopa e bacalhau. Esse traço de delicadeza é estigmatizado pelos habitantes típicos da terra. Ser gaúcho é ser estóico, enfrentar com frieza as durezas da vida. O herói que o narrador vai opor ao anti-herói açoriano é o cadete Costinha, filho de estancieiros, a um tempo jovem e valente. O narrador marca-o com traços semânticos que se opõem aos do primeiro. Costinha havia recebido a notícia de que sua pretendente iria casar-se em poucos dias com o primo ilhéu. Seu primeiro impulso foi desertar e, com o peão Reduzo, voltar para casa e impedir que o ato se consumasse. Porém, no momento em que estava para abandonar a tropa, o comandante chama-o. A cena é narrada assim: Neste momento o clarim deu o toque de alarma (...) e como pra acoquinar o pobre um cabo veio a toda pressa chamar o Costinha, de ordem do comandante (...) Veja você que entaladela! Pelos altos das coxilhas avistava-se uma partida do inimigo. O comandante então até deu ao Costinha uma prova de confiança, pois encarregou-o de uma carga sobre um flanco dos atacantes. E agora?!... Filho de tigre é pintado!... Diante do dever o moço engoliu a tristeza, e mesmo não quis se desmoralizar, desertando justamente naquela hora de peleia. Mas coriscou-lhe um pensamento (...) e logo montou, formou a gente, tomou a testa do piquete e disse ao Reduzo: - Procura-me, que te preciso!...

3 Oscar Luiz BRISOLARA 1161 Desembainhou a espada, deu um viva a Sua Majestade! e despencou-se, firme nos estribos, com o chapéu caído para trás, sobre um ombro, preso pelo barbicacho. E a guachada, reboleando as lanças, carregou, a gritos, fazendo tremer a terra e o ar. Reduzo, de pura pabulagem, atou a cola do pingo e logo riscou, escaramuçando, na culatra dos companheiros. E foi mesmo no meio da carga, entre gritos, juras, palavrões, tiros, pontaços de espadas e coriscos de lanças, pechadas de cavalos, foi nesse berzabum do entrevero que o Costinha industriou o chiru.... E enquanto o chiru se deitava no pescoço do cavalo e uma lança de três pontas escorregava-lhe por cima do espinhaço, o Costinha, com um tiro de pistola derrubava um gadelhudo lanceador (...) e continuava o sermão(lopes NETO, 2000, p ). A hiperbolização dos traços do herói marcam o prestígio que a personagem tem no imaginário do narrador. Começa por criar um clima altamente patético, quando põe a personagem numa situação dramática decisiva entre desertar ou atender a um chamado ao combate. O modificador regionalista entaladela é o marcador da situação do protagonista. E é nesse cenário que se vai desenrolar a ação. A caracterização do cadete começa com o chamado do comandante: (...) deu ao Costinha uma prova de confiança (...) encarregou-o de uma carga sobre um dos flancos. Esses enunciados equivalem a bravo, de confiança, pois se não se tivesse portado bravamente em situações anteriores, não mereceria o destaque. A expressão filho de tigre é pintado!... seguida de exclamação e reticências funciona também como modificador intensificador positivo, pois pode facilmente ser entendida como nobre pela origem, uma vez que esse ditado liga o herói a seus antepassados. O enunciado (...) engoliu a tristeza também funciona como modificador adjetival significando que tinha bravura, pois nem mesmo diante da iminência de perder o amor, desistira do combate. Os arroubos de estoicismo a que o protagonista se expõe, marcados pelas expressões: desembainhou a espada, (...) despencou-se (...) no meio da carga, entre gritos, juras, palavrões, tiros, pontaços de espadas e coriscos de lanças, pechadas de cavalos, foi nesse berzabum do entrevero que o Costinha industriou o chiru estabelecem o clímax do drama. Tudo isso funciona como modificador hiperbolizante que caracteriza o protagonista como valente, destemido, estóico, pois não teme a própria perda da vida e, no meio de toda esta confusão, tem a frieza de dar instruções ao peão sobre a forma de levar o recado à namorada. Também no que diz respeito aos demais peões-soldados, sua descrição é modificada por intensificadores como guachada, reboleando as lanças, carregou, a gritos, fazendo tremer a terra e o ar. Esses enunciados caracterizadores dos combatentes equivalem aos adjetivos destemidos, bravos, heróicos, valentes e a tantos outros de composição semântica semelhante. Esses atributos aos demais companheiros do protagonista funcionam também como traços reforçativos de seu heroísmo quase mítico, uma vez que ele os chefiava: quem chefia bravos, é mais bravo ainda. Esses expoentes da guerra e do amor caracterizam-se como agentes da proeza, do espetáculo, da façanha, tão marcantes deste conto, e deixam espaço para se perceber também esse Outro, condicionador de um comportamento contemporâneo. Neste texto, os modificadores vão destacar, de modo especial, duas personagens: o cadete e o ilhéu. Enquanto o cadete é pintado com todas as virtudes próprias de um autêntico cidadão dos pampas, o ilhéu é depreciado com todos os defeitos. Quem os observa é Blau, o narrador fictício que Simões Lopes cria para que apresente sua narrativa, parece ser a voz oculta desse Outro caracterizador dos homens dentro de nosso espaço cultural. Se, de um lado, o cadete é hiperbolicamente o modelo desejável, proposto à imitação, de outro, o ilhéu é o detestável, o execrável, ridículo: o anti-herói a ser negado. Como diz Macedo, autor de três artigos de jornal sobre o desenvolvimento de Pelotas: Numa economia predatória, há valorização daqueles atos e atividades que envolvam proezas, façanhas, esperteza, força, coragem, ardil, logro, como requintes de irreverência, ao mesmo tempo em que atividades que não envolvam atos espetaculares, aquelas do trabalho assíduo, são tidas como degradantes(macedo, 1992, p. 3). Esse prestígio dado ao ato de façanha aparece no conto quando são caracterizados os pretendentes à mão da moça: o guerreiro, valente, é prestigiado, mas o comerciante, que não sabe cavalgar bem, é estigmatizado, ridicularizado.

4 1162 ANÁLISE DISCURSIVA DE UM CONTO DE SIMÕES LOPES NETO Esse conto tem um ingrediente novo: o trabalho. Supõe-se que um armazém implique alguma espécie de trabalho. Porém, o trabalho está ligado à personagem apresentada como antimodelo pelo conto. O elemento trabalho nunca aparece nos demais contos, apenas em Trezentas Onças há uma tropeada, mas essa atividade, na cultura do Sul, é muito mais uma façanha do que um trabalho rotineiro. E novamente o grande Outro lacaniano classifica os homens de acordo com suas atividades. Essa presença da cultura é que vai apresentar o cadete como herói e o ilhéu, sem nome, sem identidade, como desprezível. Costinha, o cadete, o Coco Verde é a presença de um outro de outros tempos, valente, enamorado, apaixonado, herói das revoluções que está presente nos Contos e vai continuar presente como se verá abaixo. Sia Talapa, Melancia, constitui uma outra, a que desafia o pai. Não quer aceitar o casamento com o ilhéu. O pai é a presença tanto do outro bakhtiniano, quanto do Outro lacaniano, abordados por Authier em sua teoria discursiva: traz para o presente tantos outros da história do Sul, pais desalmados que impunham a suas filhas casamentos, geralmente por interesses econômicos; é também a presença do Outro, proibindo, ditando normas. É conhecido apenas como Severo, nome que evoca, na sua formação etimológica, suas atitudes. Severo é rígido, rigoroso, mas que neste texto, à luz de nossa razão presente, soa como injusto. Injustiça que na voz do Outro dos Contos não se configura, a não ser na voz da minoria: Costinha e Talapa. A presença desse traço no imaginário da população atual de Pelotas também aparece na continuidade do comentário de Macedo, o economista já citado na introdução desta tese: A abstenção da laboriosidade nos tempos de hoje, como não poderia deixar de ser, determina o nítido declínio econômico, o que intensifica a preocupação com o bem-estar individual. Essa preocupação não abandona o pressuposto de dignidade, mas pelo contrário, parte dele, que exige ostentação pecuniária. A conjunção desses fatores faz com que a racionalidade econômica individual esteja sempre à cata da proeza econômica, do pulo do gato, da jogada de mestre que ninguém ainda descobriu, do grande negócio que trará o sucesso através da esperteza e da capacidade individual em descobrir e forjar situações excepcionais, de seu talento e criatividade, que o absolve de laboriosidade. Não é preciso sublinhar que esses talentos e situações excepcionais são sempre mais imaginários do que reais, frustrando os esforços(idem, ibidem, p.4). Numa economia que surge fundada na mão-de-obra escrava, o trabalho era uma atividade degradante. Os filhos de donos de charqueadas jamais trabalhariam: estudariam na Europa, de preferência na França, e voltariam para exercer ou atividades políticas ou de lazer, o que lhes conferia prestígio e afastava da laboriosidade. Esse modo de proceder em ambas as situações é também marcado pela presença desse Outro, que justifica o processo todo, ainda tornando-o normal, natural. O imaginário da população atual abriga ainda, como se pode perceber pela análise de Macedo, a concepção desse predador, que foge ao trabalho rotineiro, não como um traço absoluto de dominação, mas como um dos componentes do seu inconsciente. O sujeito-efeito desse processo predatório que originou nossa organização social, revela um discurso heterogêneo, apagado, mas que se manifesta através das atitudes das personagens. Foi esse processo predatório de guerras e de preia de gado selvagem que formou o sujeito dos contos manifestado nas personagens. Essa forma de prestigiar o cadete Costinha e estigmatizar o ilhéu sem identidade nasceu de um discurso anterior, de um sujeito primitivo guerreiro e caçador. Esse sujeito primitivo, por sua vez, traz um discurso mais antigo, o do predador europeu, que foi o grande predador do mundo, como aparece no conto O Negro Bonifácio, do mesmo autor. O grande Outro, que Authier-Revuz toma da teoria lacaniana, está por trás de tudo: do escravagismo, que colaborou para a geral aversão ao trabalho. O sistema dos senhores fazendeiros e coronéis também colaborou para isso, ou seja, a formação de uma sociedade ociosa, que espera a possibilidade de uma façanha para obter ganho sem esforço. Neste conto também, no nível da transcendência, possibilitado pela analogia, opera-se a superação entre os sujeitos Costinha e ilhéu, em que, cada um deles, é visto enquanto herói e anti-herói. No que se refere ao sujeito e ao outro, da mesma forma, opera-se essa superação. Todas essas personagens do conto, metáforas de personagens do passado, tipos do habitante regional, tomam sentido na história e na cultura local. Assim, como nos demais contos, sob os diversos níveis, a analogia opera sempre essa superação, mantendo o herói enquanto herói e o anti-herói como tal. Também no nível do sujeito e do Outro,

5 Oscar Luiz BRISOLARA 1163 mantém-se essa relação de sujeito enquanto sujeito e Outro enquanto Outro, superados no discurso e na cultura. RESUMO: Este trabalho analisa o conto Melancia Coco Verde, de João Simões Lopes Neto à luz da Análise de Discurso de orientação francesa. Tem por objetivo buscar o imaginário do habitante do extremo sul do Rio Grande do Sul, o predador primitivo presente nos contos. PALAVRAS-CHAVE: análise de discurso, imaginário, predador REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ALTHUSSER, Louis(1987). Aparelhos ideológicos de estado. Rio de Janeiro: Graal. AUTHIER-REVUZ, Jacqueline(1982). Heterogeneidade mostrada e heterogeneidade constitutiva: elementos para a abordagem do outro no discurso. D.R.L.A.V. (26): CIRNE LIMA, Carlos(1967). Realismo e dialética: a analogia como dialética do realismo. Porto Alegre: Globo. LOPES NETO, João Simões.(2000) Contos gauchescos. Porto Alegre: Novo Século. PÊCHEUX, Michel(1990). Discurso, estrutura ou acontecimento?. Campinas: Pontes. PÊCHEUX, Michel e FUCHS, Catherine.(1975) A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. (1975) In: GADET, Françoise e HAK, Tony. (orgs.)por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993.

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

OS SETE DIAS DA NARRAÇÃO

OS SETE DIAS DA NARRAÇÃO OS SETE DIAS DA NARRAÇÃO Antonio Rodrigues BELON (UFMS) Meu tio Roseno, a cavalo, i de Wilson Bueno, elabora de modo inusitado o artesanato de sua linguagem. Um andamento próximo do coloquial e do regional,

Leia mais

ADORADOR X GUERREIRO

ADORADOR X GUERREIRO ADORADOR X GUERREIRO Texto Chave ISamuel 16:17-18 17 E Saul respondeu aos que o serviam: Encontrem alguém que toque bem e tragam- no até aqui. 18 Um dos oficiais respondeu: Conheço um filho de Jessé, de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUL MATOGROSSENSE EPAD ENCONTRO PARA AVENTUREIROS E DESBRAVADORES CURSO DE RECREAÇÃO FEVEREIRO/2014 Prof. Márcio Rogério Gossler

ASSOCIAÇÃO SUL MATOGROSSENSE EPAD ENCONTRO PARA AVENTUREIROS E DESBRAVADORES CURSO DE RECREAÇÃO FEVEREIRO/2014 Prof. Márcio Rogério Gossler ASSOCIAÇÃO SUL MATOGROSSENSE EPAD ENCONTRO PARA AVENTUREIROS E DESBRAVADORES CURSO DE RECREAÇÃO FEVEREIRO/2014 Prof. Márcio Rogério Gossler Atividades Recreativas Músicas, Brincadeiras e Jogos MÚSICAS

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS ANA RACHEL CARVALHO LEÃO Faculdade de Letras/Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 312070-901 Belo Horizonte

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org Histórias Tradicionais Portuguesas Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO DE PINTO PINTÃO VAMOS CONHECER O LIVRO A CAPA A CONTRACAPA A LOMBADA Observa a capa do livro e responde: 1.Título 2. Nome da autora 3.

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA. 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens

1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA. 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens PAG - 1 1ª QUESTÃO MÚLTIPLA ESCOLHA 7,00 (sete) pontos distribuídos em 20 itens Marque no cartão de respostas a única alternativa que responde de maneira correta ao pedido de cada item: PORTUGUÊS Considere

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

Comunicando a paixão espiritual a nova geração

Comunicando a paixão espiritual a nova geração Comunicando a paixão espiritual a nova geração 1 13/01/2013 Jz 2 7 O povo de Israel serviu a Deus, o Senhor, enquanto Josué viveu. Depois que ele morreu, eles ainda continuaram a servir o Senhor enquanto

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr.

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Isaac Azevedo INTRODUÇÃO: A conversa sobre sexualidade é delicada e precisa

Leia mais

Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro Antônio de Oliveira)

Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro Antônio de Oliveira) PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 3 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro

Leia mais

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa Leia as questões da prova e, em seguida, responda-as preenchendo os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso). Texto 1 Januária 08 Toda gente homenageia Januária na janela Até o mar faz maré cheia Pra

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET

DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET DEVOLUTIVA ESTE JOVEM 2010 - INTERNET INTRODUÇÃO Olá pessoal! Antes de começar a análise dos dados queria agradecer a participação de todos que responderam a pesquisa desse ano do projeto Este Jovem Brasileiro.

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

A IDENTIDADE SEXUAL DOS JOVENS DA COMUNIDADE CATÓLICA MOVIMENTO ALIANÇA DE MISERICÓRIDA

A IDENTIDADE SEXUAL DOS JOVENS DA COMUNIDADE CATÓLICA MOVIMENTO ALIANÇA DE MISERICÓRIDA A IDENTIDADE SEXUAL DOS JOVENS DA COMUNIDADE CATÓLICA MOVIMENTO ALIANÇA DE MISERICÓRIDA Juliana de Oliveira Mendonça Ribeiro UFMS Resumo: Mesmo diante do apelo sexual do discurso midiático e da liberdade

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha - GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/7 Proatividade Uma questão de escolha Você chega sempre atrasado

Leia mais

Autora: Rivani Nasario (Cangaceira do Cordel)

Autora: Rivani Nasario (Cangaceira do Cordel) Autora: Rivani Nasario (Cangaceira do Cordel) CNTSS e FENASPS Guerreiras Dedicamos esse cordel Mulheres: do Preconceito à Justiça!, a todas valentes guerreiras, mães, fortes e vitoriosas. A arte desses

Leia mais

O Rio Grande se vê no espelho

O Rio Grande se vê no espelho O Rio Grande se vê no espelho Fotografias reunidas em livro apresentam um Estado diferente do que é imaginado pelos visitantes O Rio Grande do Sul é, com freqüência, contraposto ao resto do Brasil como

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

Poderiam perderse todos os exemplares do Quixote, em castelhano e nas traduções

Poderiam perderse todos os exemplares do Quixote, em castelhano e nas traduções Aluno(a) Turma N o Série 5 a Ensino Fundamental Data / / 06 Matérias Português Professora Carmen Valverde LISTA DE RECUPERAÇÃO PARALELA UNIDADE I Poderiam perderse todos os exemplares do Quixote, em castelhano

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE III PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01 (1,0 ponto) Leia atentamente a proposição. O Romantismo era a apoteose do sentimento; O Realismo é a anatomia do caráter. É a crítica do homem. É a arte

Leia mais

Escrevendo um conto de Ficção Científica

Escrevendo um conto de Ficção Científica Escrevendo um conto de Ficção Científica O que é um conto? Conto é um texto narrativo curto com linguagem simples que acontece em tempo e espaço reduzido. Possui poucos personagens e todas as ações são

Leia mais

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA RESENHA O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA LUCIANA SANTOS BARBOSA* AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972. Esta resenha objetiva descrever e analisar

Leia mais

Leandro Gomes de Barros

Leandro Gomes de Barros Leandro Gomes de Barros As Proezas de um Namorado Mofino Sempre adotei a doutrina Ditada pelo rifão, De ver-se a cara do homem Mas não ver-se o coração, Entre a palavra e a obra Há enorme distinção. Zé-pitada

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

Todos a favor da agilidade

Todos a favor da agilidade Todos a favor da agilidade Você sabia que agora os inventários, partilhas, separações e divórcios podem ser feitos no cartório? Pois é! Agora os cidadãos tiveram suas vidas facilitadas! Esses atos podem

Leia mais

O ANÃO. Pär Lagerkvist ANTÍGONA

O ANÃO. Pär Lagerkvist ANTÍGONA O ANÃO Pär Lagerkvist ANTÍGONA Tenho vinte e seis polegadas de altura, mas sou perfeitamente constituído e proporcionado, salvo no que respeita à cabeça, que é um pouco grande. Os meus cabelos são ruivos,

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Fragmento do filme Caramuru, a invenção do Brasil. http://www.youtube.com/watch?v=nv04qj93pwu. (Terra Papagalli - Mandamento 4)

Fragmento do filme Caramuru, a invenção do Brasil. http://www.youtube.com/watch?v=nv04qj93pwu. (Terra Papagalli - Mandamento 4) É aquela terra onde tudo está à venda e não há nada que não se possa comprar, seja água ou madeira, cocos ou macacos. Mas o que mais lá se vende são homens, que trocam-se por qualquer mercadoria e são

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

TRE / RJ - AGENTE DE SEGURANÇA JUDICIÁRIA NOVEMBRO DE 1995 2º GRAU

TRE / RJ - AGENTE DE SEGURANÇA JUDICIÁRIA NOVEMBRO DE 1995 2º GRAU TRE / RJ - AGENTE DE SEGURANÇA JUDICIÁRIA NOVEMBRO DE 1995 2º GRAU Texto HISTÓRIA DO RIO DE JANEIRO (Fragmento) Stanislaw Ponte Preta A coisa começou no século XVI, pouco depois que Pedro Álvares Cabral,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR Izabel Seehaber 1 Carme Regina Schons 2 Partindo do pressuposto de que, há algum tempo, várias Igrejas de denominações religiosas identificaram, em suportes

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

PONTUAÇÃO. 1) Para marcar a supressão ou omissão do verbo.

PONTUAÇÃO. 1) Para marcar a supressão ou omissão do verbo. EMPREGA-SE VÍRGULA: PONTUAÇÃO 1) Para marcar a supressão ou omissão do verbo. EX.: A moral legisla para o homem: o direito, para o cidadão. Adalberto estuda francês, e Osmar, Inglês. Uma flor, Quincas

Leia mais

JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE. Dois pontos de vistas

JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE. Dois pontos de vistas JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE Dois pontos de vistas 1. INTRODUÇÃO Paris, França, 7 de janeiro de 2015, mais precisamente na sede do jornal Charlie Hebdo às 11h33, dois homens dão início ao maior atentado

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Português 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 639/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. - Grupo L 1 a

Leia mais

Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses!

Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses! Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses! Armindo Abreu Armindo Augusto de Abreu (Especial para o MV-Brasil) Vocês, caros irmãos estadunidenses, estão chocados e aborrecidos com estas imagens? www.armindoabreu.ecn.br

Leia mais

ANÁLISE DE ITENS - PROVA BRASIL

ANÁLISE DE ITENS - PROVA BRASIL ANÁLISE DE ITENS - PROVA BRASIL 2011 LÍNGUA PORTUGUESA ANÁLISE SOBRE 10 ITENS Item 1 - Prova Brasil 2011 - bloco 3 A boneca Guilhermina 5 10 Esta é a minha boneca, a Guilhermina. Ela é uma boneca muito

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO Carolina Fernandes 1 Neste trabalho, apresento algumas considerações sobre a (re)construção teóricometodológica do dispositivo de análise

Leia mais

Durante a maior parte da peça, as cenas passam-se em Verona; uma vez, no Quinto Ato, em Mântua. Personagens da peça

Durante a maior parte da peça, as cenas passam-se em Verona; uma vez, no Quinto Ato, em Mântua. Personagens da peça Durante a maior parte da peça, as cenas passam-se em Verona; uma vez, no Quinto Ato, em Mântua. Personagens da peça Éscalo, Príncipe de Verona Páris, um jovem nobre, parente do Príncipe Montéquio e Capuleto,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Prática de Leitura e Escrita

Prática de Leitura e Escrita Prática de Leitura e Escrita Oficina de Fotonovela 1 (material do aluno) 7 a e 8 a séries do Ensino Fundamental Oficina de Fotonovela Todos nós gostamos de contar histórias: de narrar acontecimentos vividos

Leia mais

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé 1 DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé Sol Fressato é graduada e mestre em História pela Universidade Federal do Paraná, pesquisadora

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva 1 SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva Mulheres, crianças, jovens e homens xukurus, muitas pessoas curiosas se concentram por volta da três horas da tarde do dia

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

PERSONAGENS: CLEMÊNCIA

PERSONAGENS: CLEMÊNCIA PERSONAGENS: CLEMÊNCIA (a viúva de Alberto, mãe de Mariquinha e Júlia) MARIQUINHA (a filha que ama Felício, mas tem dois outros pretendentes interessados em seu dote) JÚLIA (a irmã de Mariquinha de 10

Leia mais

A Luta dos Tuaregues na Chapada Diamantina

A Luta dos Tuaregues na Chapada Diamantina A Luta dos Tuaregues na Chapada Diamantina Os tuaregues habitam o norte da África há tanto tempo que a memória de suas origens se desbota no tom ocre do deserto. Montados em seus meharis, uma raça de camelo

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO 1. UM POUCO ALÉM DO PRESENTE (10º DOMINGO) 1. Um pouco além do presente, Alegre, o futuro anuncia A fuga das sombras da noite, A luz de um bem novo dia. REFRÃO: Venha teu reino,

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor

Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Colégio dos Santos Anjos Avenida Iraí, 1330 Planalto Paulista www.colegiosantosanjos.g12.br A Serviço da Vida por Amor Curso: Nome do (a) Aluno (a): Ano: 3º Componente Curricular: Língua Portuguesa Professor

Leia mais

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman)

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) 1 Trecho 1:» O filme Homem-Aranha retrata um mundo moral, repleto de bem e mal. Há muitos vilões de pequeno porte, bem como um vilão de primeira classe,

Leia mais

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #2 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #2 Positivo, o que e u faç o Deu Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Deus Toma as Dores dos que são Fiéis

Deus Toma as Dores dos que são Fiéis Deus Toma as Dores dos que são Fiéis Ef 6.12,13 Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século,

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

Leitura de textos não verbais e de quadrinhos

Leitura de textos não verbais e de quadrinhos Nome: Nº: Turma: Português 3º ano Análise de textos não verbais Wilton Jun/10 Leitura de textos não verbais e de quadrinhos Analisaremos um texto não-verbal e três tirinhas. O primeiro texto é um quadro

Leia mais

Conceito de Sobrecarga Psicológica Stanley Milgram Quando cheguei a Nova Iorque pela primeira vez, parecia um pesadelo. Tão logo desci do trem no Grand Central, encontrei-me entre um amontoado de pessoas

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

É O AMOR, de João Canijo

É O AMOR, de João Canijo É O AMOR, de João Canijo por Daniel Ribas Da experiência do amor: um filme-processo Em 2012, o festival de cinema Curtas Vila do Conde organizou o Campus / Estaleiro, um intenso programa com estudantes

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 1. Pesquise cinco passagens no Antigo Testamento que anunciem o Messias,

Leia mais

Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte

Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte Piaf: um hino ao amor, ou como transformar dor em arte Piaf nasceu em 1915, durante a guerra e morreu com 48 anos, em 1963. Chamava-se Édith Giovanna Gassion. Seu primeiro nome foi dado em homenagem a

Leia mais

Sentir- se mal não é tão difícil

Sentir- se mal não é tão difícil 3 artigos sobre o Gerenciamento das Emoções Por Andrês De Nuccio Sentir- se mal não é tão difícil Li esses dias uma história segundo a qual uma senhora, preparando- se para sair, trocava diversas vezes

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

O DNA DOS QUE SERVEM A DEUS POR AMOR

O DNA DOS QUE SERVEM A DEUS POR AMOR Mensagem: 21/04/2013 No domingo passado aprendemos sobre os sinais na vida de quem serve a Deus pelo amor. Vimos que, servir a Deus por amor a Ele e ao Seu filho Filho Jesus é o centro da vida cristã e

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

Senhor Presidente. Senhor Presidente,

Senhor Presidente. Senhor Presidente, Intervenção proferida pelo Deputado Clélio Meneses aquando da discussão do Plano e Orçamento para 2012. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do

Leia mais