Palavras-chave: Gêneros discursivos. Finalidade social. Conto de fadas tradicional. Conto de fadas contemporâneo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Gêneros discursivos. Finalidade social. Conto de fadas tradicional. Conto de fadas contemporâneo."

Transcrição

1 UM ESTUDO PRELIMINAR DA FINALIDADE SOCIAL DO GÊNERO CONTO DE FADAS TRADICIONAL E DO CONTO DE FADAS CONTEMPORÂNEO Aldimeres Ferraz da Silva (G-CLCA-UENP/CJ) James Rios de Oliveira Santos (G-CLCA-UENP/CJ) Patrícia Cristina de Oliveira Duarte (CLCA-UENP/CJ- PG/UEL) Grupo de Pesquisa Leitura e Ensino Resumo: Para Bakhtin (2003), a finalidade discursiva determina a existência de um dado gênero. Coelho (1987), ao empreender um levantamento histórico sobre os contos de fadas, apoiando-se nos estudos literários, postula que tais contos são narrativas populares maravilhosas, que apresentaram, ao longo de sua existência, diferentes finalidades, vinculadas às necessidades imediatas de enunciação. Sob tal enfoque, neste trabalho, vinculado ao GP Leitura e Ensino (UENP/CNPq), mais especificamente ao Projeto de Pesquisa Gênero discursivo conto de fadas: da teoria à prática em sala de aula (UENP), buscou-se mapear, à luz da teoria bakhtiniana dos gêneros discursivos, as diversas finalidades que o gênero em foco foi apresentando em seu proceso evolutivo. O estudo inicia-se pelos celtas, fonte primária dos contos de fadas, perpassa pela Idade Média e Moderna, chegando à contemporaneidade, configurando-se o conto de fadas contemporâneo. Além disso, paralelo a tal evolução, há de se considerar as implicações do conto de fadas na construção dos sujeitos sociais e dos sentidos de sua existência. A pesquisa, no âmbito da Linguística Aplicada, fundamenta-se na teoria dos gêneros (Bakhtin, 2003) e, principalmente, nas contribuições teóricas da Psicanálise, sobretudo de Bettelheim (2002). Delimitadas as finalidades sociais do gênero conto de fadas tradicional, realiza-se uma análise do conto Sapomorfose, o príncipe que coaxava, de Cora Rónai, a fim de se levantar as finalidades dos contos de fadas, nos dias atuais, atentando-se para o direcionamento contemporâneo de tal gênero e para a ascensão da sátira e da crítica verbalizada, embutidas nos contos de fadas produzidos na sociedade hodierna. Palavras-chave: Gêneros discursivos. Finalidade social. Conto de fadas tradicional. Conto de fadas contemporâneo. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Segundo Bakhtin (2003), os gêneros discursivos são definidos principalmente por sua finalidade discursiva. Partindo deste princípio, Coelho (1987) compreende os contos de fadas como narrativas populares maravilhosas que apresentaram, ao longo da sua existência histórica, diferentes finalidades enunciativas que se adequaram às necessidades imediatas de interação. Dessa forma, todos os gêneros discursivos possuem obrigatoriamente uma finalidade comunicativa, social. 432

2 Partindo de tal postulado, este trabalho, vinculado ao GP Leitura e Ensino (UENP/CNPq), mais especificamente ao Projeto de Pesquisa Gênero discursivo conto de fadas: da teoria à prática em sala de aula (UENP), propõe, à luz das proposições bakhtinianas, um estudo preliminar da finalidade social do gênero conto de fadas tradicional e do conto de fadas contemporâneo, objetivando levantar as diversas finalidades que os gêneros em foco foram apresentando em seu processo evolutivo. Para melhor ilustrar e elucidar a finalidade social do gênero conto de fadas contemporâneo, trar-se-á, para esta discussão, uma análise da obra Sapomorfose, o príncipe que coaxava (1983), da autora Cora Rónai. OS GÊNEROS DISCURSIVOS De acordo com Bakhtin (2003, p. 261), o emprego da língua se efetua em forma de enunciados (orais e escritos) concretos e únicos, proferidos por integrantes desse ou daquele campo da atividade humana. Para o autor, tais enunciados correspondem às necessidades comunicativas das diversas esferas da atividade humana e refletem as condições específicas e as finalidades de cada referido campo (BAKHTIN, 2003, p. 261). Compreende-se, assim, que a interação humana se dá por meio de enunciados concretos e únicos, balizados pelos gêneros discursivos, visto que eles atendem às necessidades dos falantes, os quais fazem uso de um rico repertório de gêneros discursivos orais (e escritos) (BAKHTIN, 2003, p. 282). Assim, a cada momento, algum gênero é utilizado, em determinada interação, pois, não há enunciação senão por meio dos gêneros discursivos, e, em cada nova necessidade comunicativa, novos gêneros são criados, já que estes não surgem por si só, mas se constroem sobre as bases de outros gêneros já existentes. Partindo desse princípio, o teórico ressalta que a riqueza e a diversidade dos gêneros do discurso são infinitas porque são inesgotáveis as possibilidades da multiforme atividade humana e porque em cada campo dessa atividade é integral o repertório de gêneros do discurso, que cresce e se diferencia à medida que se desenvolve e se complexifica determinado campo (BAKHTIN, 2003, p. 262). Para melhor elucidar a noção de gêneros discursivos, Bakhtin (2003, p.262), em uma definição clássica, afirma que eles são tipos relativamente estáveis de enunciados, constituídos dentro das diversas esferas da atividade humana, apresentado três elementos indissociáveis: o conteúdo temático, o estilo e a estrutura composicional, juntamente com as condições de produção. Fiorin (2008, p. 62) reitera que o conteúdo temático, estilo e organização composicional constroem o todo do enunciado, que é marcado pela especificidade 433

3 de uma esfera de ação. Desse modo, depreende-se que um texto ou texto-enunciado é constituído por elementos de significação e sentido, com determinada organização textual e meios linguísticos selecionados corroborando na construção de seu estilo (FIORIN, 2008, p. 62). Compreende-se, portanto, que a estrutura de um gênero é relativamente estável, e, por isso, cabe salientar em especial a extrema heterogeneidade dos gêneros do discurso (orais e escritos) (FIORIN, 2008, p. 62), devido à sua constante modificação e desenvolvimento. Nesse sentido, são vários os exemplos de gêneros que apresentam mesclas em sua estrutura composicional, mantendo, porém, o seu conteúdo temático e, principalmente, a sua finalidade, pois, para Fiorin (2008, p.81, grifo nosso) os gêneros são - determinados pelas condições específicas e pelas finalidades de cada esfera. Disso advém a necessidade de ressaltar a importância de saber identificar um gênero do discurso, para utilizá-lo de forma adequada à situação comunicativa pretendida. Em síntese, pode-se afirmar que a finalidade social é a que melhor define o gênero. Isso não significa que os outros elementos da situação enunciativa (interlocutor, meio de circulação, etc.) não sejam importantes, muito pelo contrário, são necessários para a delimitação dos sentidos possíveis para uma determinada enunciação, mas, a essencialidade da finalidade discursiva não pode jamais ser relegada a um plano inferior, já que é por meio dela que todo enunciado é construído. Seguindo essa linha de raciocínio, é que se pretende reconhecer a finalidade do conto de fadas tradicional e do conto de fadas contemporâneo. Todavia, tem-se consciência de que este artigo apresenta apenas um estudo preliminar da finalidade social dos gêneros em tela, e, por isso, não se estenderá a uma minuciosa pesquisa acerca das dimensões caracterizadoras dos gêneros (construção composicional, estilo e conteúdo temático). Vale, ainda, ressaltar que, em um panorama geral, apresentar-se-á, historicamente, a trajetória dos contos de fadas tradicionais, a fim de se conhecer o contexto de produção de cada período, bem como estabelecer as finalidades do gênero em pauta, não priorizando apenas a materialidade linguística do enunciado, mas o contexto mais amplo em que ele se constituiu, possibilitando, assim, conhecer as razões pelas quais tal gênero é/foi utilizado. OS CONTOS DE FADAS TRADICIONAIS: TRÊS MOMENTOS Coelho (1987, p. 17) registra que a origem dos contos de fadas, em geral, perde-se na poeira dos tempos, uma vez que nasceram em meio aos diálogos orais dos povos orientais, 434

4 difundindo-se pela Europa, mais precisamente em localidades como Alemanha, Península Ibérica, Ilhas Britânicas, cuja população celta ali se fixou. Segundo a autora, não há uma data que registre precisamente a origem desses contos; no entanto, é possível pontuar sobre o surgimento de um elemento importante para a composição temática dessas histórias: as fadas. Foi em meio à cultura celta que surgiram diversos seres fantásticos, dentre eles a figura das fadas que, em um primeiro momento, por lidar com conteúdos da sabedoria popular, com conteúdos essenciais da condição humana foram extremamente importantes, perpetuandose até hoje (ABRAMOVICH, 1995, p. 120). Nesse sentido, Coelho (1987, p.79) assinala que em sua origem, as fadas estavam ligadas a cultos ou ritos religiosos e, a partir disso, passaram a fazer parte do folclore europeu ocidental (e dele emigraram para as Américas) e tornaram-se conhecidas como seres fantásticos ou imaginários, de grande beleza, que se apresentavam sob forma de mulher. Dotadas de virtudes e poderes sobrenaturais, interferem na vida dos homens, para auxiliá-los em situações-limite, quando já nenhuma solução natural seria possível (COELHO, 1987, p.31, grifo nosso). Conforme se pode ver, as fadas exerciam grande influência sobre a cultura celta; por isso a maioria dos contos de fadas se originou em períodos em que a religião era parte muito importante da vida; assim eles lidam, diretamente ou por inferência, com temas religiosos (BETTELHEIM, 2002, p. 14). Desse modo, intrinsecamente ligadas à espiritualidade celta, as primeiras histórias de fadas, segundo Duarte e Perfeito (no prelo), revelavam amores estranhos, fatais, eternos, entrelaçando realidade e lenda, à medida que as fadas eram reflexos da existência das mestras da magia, sacerdotisas, magas da Ordem dos Druidas casta sacerdotal defensora de um rito superior ao dos romanos. Neste contexto, os contos em pauta tinham por finalidade fazer alusão a histórias fantásticas sobre fadas, refletindo os ideais da cultura celta, profundamente arraigados em crenças místicas, que privilegiavam a idealização da vida, do amor, da morte, em detrimento de uma visão racional e lógica. Registros esparsos dão conta de que, nesse momento, tais histórias pertenciam apenas à oralidade. Era o início de um gênero milenar. Segundo Coellho (1987), a partir do século XIX, iniciaram-se científicamente estudos sobre literatura folclórica e popular das nações constituídas. Essa empreitada, marcada por controvérsias entre filólogos, antropólogos, etnólogos, psicólogos, sociólogos, entre outros, tentava levantar as fontes ou os textosmatrizes desse caudal de literatura maravilhosa, de produção anônima e coletiva. (COELHO, 1987, p. 16). Segundo a autora: 435

5 Os vestígios mais remotos, localizados por esses estudiosos, remontam a séculos antes de Cristo e provêm de fontes orientais e célticas que, a partir da Idade Média, foram assimiladas por textos e fontes européias. A despeito das muitas pesquisas desenvolvidas, foi impossível determinar quais teriam sido os textos-matrizes, puros, tal a amálgama de fontes que se fundiam nas narrativas recolhidas. (COELHO, 1987, p ) Embora não seja possível uma indicação exata das fontes primeiras do gênero, Coelho (1987) destaca duas fontes primordiais que conteriam histórias precursoras dos contos de fadas. A primeira fonte seria a narrativa Os dois irmãos, denominada por Coelho (1987) de romance. Segundo a autora, a obra foi encontrada, na Itália, em um manuscrito egípcio datado de aproximadamente anos. Tal narrativa é considerada, por vários estudiosos, como texto-fonte da história bíblica José e a mulher de Putifar. As várias versões dessa narrativa contribuíram para diseminar, entre várias partes do mundo, uma visão negativa da mulher. Para Coelho (1987), o texto pode ser visto como precursor do conto de fadas, à medida que sua trama gira em torno de uma problemática existencial a paixão amorosa, nesse caso, uma paixão destruidora. Calila e Dimna, coletânea indiana de narrativas usadas pelos pregadores budistas a partir do século V, é considerada uma outra fonte primordial do gênero em foco. Escrita em sânscrito, a obra difundiu-se pela Antiguidade, em diferentes versões feitas em vários idiomas. Segundo Coelho (1987), essa coletânea constitui-se o grande modelo de uma visão de mundo mágica, na qual o real e o imaginário fundem-se tão esencialmente que se torna difícil distinguir os respectivos limites. (COELHO, 1987, p. 19). A estudiosa explica que, a rigor, as narrativas dessa coletânea seriam fábulas, já que o maravilhoso realiza-se por meio da antropomorfização dos animais. No entanto, há duas narrativas O anacoreta e a rata e Ilaz, Chardarm e Irakht, que são consideradas precursoras dos contos de fadas. Para Coelho (1987), as tramas dessas narrativas, de forma geral, são de fundo moralizantes e existenciais, com evidente visão depreciativa das mulheres. Em contrapartida, Merege (2010) registra que a narrativa Os dois irmãos é apontada como o primeiro conto maravilhoso de que se tem notícia. Para ela, ao contrário de Coelho, as narrativas de Calila e Dimna, reunidas no livro Sendebar, também pertencem à categoria do conto maravilhoso e não do conto de fadas, já que a maior parte das histórias gira em torno de problemas sociais, materiais, e não existenciais, essência dos contos de fadas. Não obstante, Coelho (1987) contra-argumenta, afirmando que, em Sendebar, há 26 narrativas, desenvolvidas em torno do eixo paixão-ódio-sabedoria, temáticas de cunho existencial. 436

6 Todavia, ela admite que muitos episódios de Sendebar deram origem a vários contos maravilhosos de grande sucesso, como, por exemplo, As aventuras de Simbad, o marujo. Coelho (1987) ainda assinala que nas duas obras-fontes, já mencionadas, embora não haja a prresença de fadas, o conflito básico é de natureza existencial; portanto, podem, sim, serem consideradas precursoras dos contos de fadas. Diante do exposto, depreende-se que a questão é complexa. Todavia, pode-se perceber que, na Antiguidade, os contos de fadas tinham por finalidade contar histórias que giravam em torno de uma problemática existencial, vinculadas ao contexto sócio-histórico mais amplo em que se constituíram. Prosseguindo seu processo evolutivo, os contos chegam à Idade Média, apresentando outras finalidades. Farias e Rubio (2012, p. 02) postulam que tais contos, ainda que relatassem a vida dos camponeses, a qual era marcada por conflitos e aventuras pornográficas, também tinham por finalidade entreter os adultos. Nesse sentido, Coelho (1987) registra que, na Idade Moderna, muitas dessas histórias eram direcionadas aos adultos, principalmente alguns contos compilados por Perrault, já que estavam longe da realidade das crianças, pois os temas dessas narrativas discorriam sobre a causa feminina, defendida ardorosamente pelo autor francês. Necessário destacar que essas histórias eram acessíveis às crianças, pois elas misturavam-se com os adultos assim que eram consideradas capazes de dispensar a ajuda das mães ou das amas (ARIES 1978, p. 192). Percebe-se, assim, que Perrault dirigia seu discurso apenas aos adultos, não delimitando o conteúdo temático de suas histórias para as crianças. É importante salientar, que a figura do outro é vista por Geraldi (1995, p. 137) como a medida que determina como se deve falar ou escrever, uma vez que é preciso que se tenha a quem dizer o que se tem a dizer. Dessa maneira, houve, mais tarde, uma maior preocupação em adequar os conteúdos das histórias de acordo com a realidade infantil, já que o contexto de produção atentava para a evolução da instituição familiar que, segundo Aries (1978, p. 154), transformou-se profundamente na medida em que modificou suas relações internas com a criança. Frente a tais mudanças, observadas pela autora, têm-se os novos contos de Perrault, Grimm e Andersen, que possibilitaram um olhar mais sereno e infantil para versões das narrativas orais que circulavam na antiguidade, colaborando, assim, com o surgimento de histórias, reunidas na obra Mamãe Gansa - fiandeira e contadora de histórias, tais como A bela adormecida, Chapeuzinho vermelho, O Barba Azul, O gato de botas, Os sete anões e a Branca de Neve, A gata borralheira, A sereiazinha, Os sapatinhos vermelhos, entre outras elencadas 437

7 por Merege (2010). Essas obras, em um primeiro momento, apresentavam certas influências educativas, como, por exemplo, em Chapeuzinho Vermelho, na qual a personagem desobedece a sua mãe e, como consequência, acaba sendo comida pelo lobo. É visível, nesse conto, que a finalidade do autor era divertir as crianças, principalmente as meninas, orientando sua formação moral (COELHO, 1987, p.68). Abramovich (1995, p ) afirma que os contos, de forma geral, mantêm uma estrutura fixa, apresentando uma série de temas que compuseram o conteúdo temático de diversas histórias, as quais tinham por objetivo trabalhar com o imaginário da criança. Assim, há contos que falam de medos, de amor, da dificuldade de ser criança, das carências, das autodescobertas de perdas e buscas. Diante do exposto, pode-se afirmar, segundo Merege (2010, p. 78), que os contos de fadas, por sua vez, foram encarados durante muito tempo como um entrave ao amadurecimento das crianças e ao seu enfrentamento do mundo real. Partindo do pressuposto de que os gêneros evoluem e modificam-se, Bakhtin (1988, p. 428), em estudos acerca do gênero romance, postula que os gêneros estão em constante transformação e adaptação. Nesse sentido, compreende-se que tal evolução aplica-se ao gênero conto de fadas, devido, principalmente, ao fenômeno chamado por Bakhtin de romancização dos outros gêneros hibridismo de gêneros pelo qual o romance modifica os outros gêneros. Assim, entende-se que dos contos tradicionais surgiram uma nova modalidade de contos de fadas: os contos contemporâneos. Depreende-se, portanto, que a literatura infantil contemporânea possui novas e diferentes necessidades comunicativas. Em concordância com as ideias de Bakhtin, acerca da categorização dos gêneros discursivos, cabe, agora, levantar as novas dimensões desse novo gênero, o conto de fadas contemporâneo, atentando-se para o novo contexto de produção, à sua estrutura composicional, ao conteúdo temático, e às marcas linguístico-enunciativas, por meio da análise de um texto-enunciado, da autora Cora Rónai. SAPOMORFOSE, OU O PRÍNCIPE QUE COAXAVA 1 : UMA ANÁLISE Considerando a diversidade dos gêneros discursivos, já que, de acordo com Bakhtin (2003, p. 262), a riqueza e a diversidade dos gêneros do discurso são infinitas porque são 1 Devido à extensão do texto, não consta em anexo. 438

8 inesgotáveis as possibilidades da multiforme atividade humana e também a relevância da finalidade social discursiva, compreende-se que os contos de fadas contemporâneos surgiram como respostas aos contos de fadas tradicionais, uma vez que são construídos a partir destes e, em sua essência, funcionam como continuidade daqueles. No entanto, possuem estilo atualizado, linguagem adequada ao contexto sócio-histórico atual, além de temáticas diferentes, visto que o atual contexto de produção difere-se das necessidades enunciativas do contexto social mais amplo, que Andersen, Perrault e Irmãos Griim se apropriaram. No que tange ao contexto de produção, é preciso salientar a intrínseca relação entre o gênero e as necessidades sociais. Os contos dos autores, anteriormente mencionados, são reflexos de uma sociedade totalmente voltada aos valores educativos e morais, gerando a necessidade de adequar tais valores à linguagem infantil. Um exemplo clássico desse caráter educativo e moralizante é visível em Chapeuzinho Vermelho, no qual a personagem não deveria ter desobedecido a sua mãe, visto que tal desobediência acarretou conseqüências negativas para a personagem. Assim sendo, a criança pode pensar em não mais desobedecer aos pais, em não conversar com estranhos, em ter medo de lobos, em proteger sua avó e/ou demais familiares, além de inúmeras outras possibilidades responsivas influenciadas pelo contexto. Nessa perspectiva, é preciso atentar-se para o fato de que os contos de fadas dialogam diretamente com seus interlocutores. Betthelheim (2002, p. 33) complementa que eles tocam no inconsciente das pessoas, uma vez que falam de suas graves pressões interiores de um modo que elas inconscientemente compreendem e possibilitam soluções alternativas para determinadas dificuldades, fato que acentua ainda mais a relevância do estudo sobre contos de fadas tradicionais. Levando-se em conta todo o contexto histórico que envolve os contos de fadas, desde os celtas até a época atual, no que concerne à questão da finalidade social de cada período, entende-se que a obra Sapomorfose, da autora Cora Rónai, publicada em 1983, classifica-se como um conto de fadas contemporâneo, justamente porque visa refletir sobre os atuais acontecimentos sociais. Nesse sentido, é visível, no conto em estudo, assim, como em outras obras contemporâneas, dirigida ao público infantil, a crítica social travestida pela inversão temática dos contos tradicionais, com acréscimo de informações que remetem às condições atuais em que os leitores vivem: a modernidade, conforme pode se ver no seguinte fragmento: _Você tem que me lembrar de encomendar uma antena nova _ disse a bruxa para o corvo de estimação. _ Acho até que já está na hora de trocar essa bola 439

9 por uma nova, a cores. Isso de ficar vendo tudo em preto e branco não tem muita graça (RÓNAI, 1983, p. 11). Nesse excerto, como em diversos pontos da obra, há aproximação entre a fantasia e a realidade atual das crianças, que pode ser explicitada por meio da alusão à substituição da televisão por objetos mais inovadores. No decorrer do enredo, percebe-se, também, que o personagem principal é do sexo masculino, sendo ele quem se torna príncipe, fato não muito comum em contos tradicionais, nos quais a figura da princesa está sempre em primeiro plano. Isso se deve ao fato de que, segundo Coelho (1995, p. 177), a figura da mulher está indissociavelmente ligada às fadas, pois simbolizaram talvez a face positiva e luminosa dessa força feminina, essencial: o seu poder de dispor da vida, de conter em si o futuro. Por isso, é possível afirmar que, na maioria das histórias tradicionais, a princesa é a grande responsável pelo desencantamento do príncipe-sapo, por meio de um beijo de amor. Em contrapartida, no conto de Rónai há uma total inversão desses valores, pois o sapo, personagem masculino, torna-se feliz para sempre, sem a companhia de uma princesa ou alguma amada, apenas pela graça do desencantamento de ser príncipe e das obrigações inerentes ao posto. Intrinsecamente relacionada ao conteúdo temático dos contos atuais, a crítica proporciona ao leitor, mesmo que de forma subjetiva, a reflexão sobre os acontecimentos que colocam a sociedade atual em cheque, como por exemplo, a busca incessante de emprego, pelos cidadãos, e o jogo de passa e repassa feito por funcionários públicos na realização de seus deveres, que é representado de forma bem humorada neste fragmento: _ Com licença, madame, é aqui que estão precisando de um príncipe? _ Não sabe ler? Lógico que é. Ou você está achando que a gente está procurando piloto de Fórmula 1? _ Desculpe eu só queria confirmar. Estou interessado no cargo. _ Ah. É ali na outra torre. _ O que é que você quer? perguntou o mago sonolento abrindo uma fresta da veneziana. _ O senhor desculpe, mas é aqui que estão precisando de um príncipe? _ Nem desconfio. Tente a entrada dos fornecedores, lá atrás. Bom dia. O príncipe deu mais uma volta: na entrada de fornecedores, disseram que era melhor tentar a Ala Oeste; na Ala Oeste uma moça que estava penteando o cabelo sugeriu que tentasse a Lado Sul; no Lado Sul, um carroceiro recomendou que ele procurasse o Lado Norte; e... (RÓNAI, 1983, p. 40) Como se percebe, no excerto acima, não há indícios de um texto moralizante e/ou de caráter educativo, não, em primeiro plano, pois aqui o leitor é convidado a realizar uma reflexão sobre o mundo, o cotidiano e, principalmente, sobre a realidade atual da sociedade. A 440

10 crítica ao desemprego é suavizada pela figura do protagonista, que busca, por todo o castelo, a vaga de príncipe. É perceptível a intertextualidade que há neste conto, pois, segundo Maria Heloisa Sroczynski (s/d, p. 61), tal temática parodia o clássico Rei Sapo, dos Irmãos Grimm, no qual a princesa retira o príncipe transformado em sapo do poço, quebra o feitiço e consequentemente se casam e vivem felizes para sempre. Já no conto de Rónai, acontece o contrário: o sapo, ao se tornar humano, recusa a presença de princesas, quebrando o encanto. Assim, volta a ser sapo e viver feliz no seu pântano. Similarmente, a bruxa, que antes enfeitiçava os outros seres, agora, enfeitiçada involuntariamente pelo sapo, torna-se infeliz para sempre, transformada em uma fada madrinha. Destaca-se que uma das possíveis razões que levaram o sapo a desejar viver sozinho no pântano pode ser descoberta e/ou acrescentada pelo leitor, na interação autor-texto-leitor, considerando-se as pistas e lacunas deixadas pela autora. Nesse sentido, uma possibilidade para tal leitura pode ser a vontade constante do sapo de ser feliz na tranquilidade do seu habitat natural, onde fica distante de compromissos e deveres como, por exemplo, ter uma família para sustentar. Nessa direção, postula-se que a voz do sujeito enunciador desse texto posiciona-se contrariamente à voz presente nos discursos dos contos de fadas tradicionais, nos quais o casamento é visto como fonte quase única de felicidade e realização pessoal. Logo, depreendese que Rónai desconstrói um dos principais ensinamentos dos contos tradicionais, propiciando o entendimento de que é possível ser feliz sozinho. Em outras, palavras, casar-se não é mais sinônimo de ser feliz para sempre. Diante do exposto, pode-se inferir que os elementos temáticos do conto de fadas tradicional são parodiados nos contos de fadas contemporâneos, com finalidades bem delimitadas pela autora. Essa forma bem humorada é uma das características presentes nos contos contemporâneos, ou seja, proporcionar às crianças o senso crítico, assim como delimitar novas morais educativas relativas ao mundo atual. No que diz respeito ao estilo da obra, compreende-se que os recursos linguísticos permitem que o leitor faça aproximações com imagens e enunciados da sua realidade mais próxima: _Você tem que me lembrar de encomendar uma antena nova _ disse a bruxa para o corvo de estimação. _ Acho até que já está na hora de trocar essa bola por uma nova, a cores. Isso de ficar vendo tudo em preto e branco não tem muita graça. (RÓNAI, 1983, p. 11 grifo nosso). 441

11 Como se observa, o estilo utilizado apresenta algumas semelhanças com o texto tradicional de Rei Sapo. Contudo, um tanto inovador, próximo do cotidiano atual e bem acessível ao entendimento das crianças. Tal linguagem é que define uma das características do estilo dessa obra, pois Rónai utiliza recursos linguísticos atualizados e entonações satíricas, fato que marca a sua individualidade e subjetividade, buscando, por meio desse gênero, levantar críticas sociais sem desmerecer as histórias feéricas, que sempre fizeram parte da literatura universal e permanecem vivas no imaginário de muitas crianças Atrelado ao estilo da autora, encontra-se a construção composicional da obra, visto que, para Bakhtin (2003), essa dimensão delimita as partes mais estáveis do gênero, mas, ainda, passíveis de modificação, dependendo do contexto, uma vez que todo texto corresponde às necessidades da atividade humana em que se desenvolve. Não só cada gênero está em incessante alteração; também está em contínua mudança seu repertório, pois, à medida que as esferas de atividade humana se desenvolvem e ficam mais complexas, gêneros diferenciam-se, gêneros ganham um novo sentido (FIORIN, 2008, p. 65). Nesse sentido, diferente dos primeiros contos, que surgiram oralmente e depois foram grafados em prosa, sem qualquer artifício que pudesse estabelecer uma interação lúdica entre autor e interlocutor; observa-se, nessa obra contemporânea, que a constante presença de ilustrações, feitas pelo desenhista Millôr Fernandes, proporciona essa interação com os leitores infantis, uma vez que tais imagens auxiliam na construção de ideias sobre o que se passa na temática do conto, tornando a leitura mais agradável. Assim, a autora e o ilustrador, propositalmente, deixam sem cores, os desenhos com a finalidade de instigar as crianças a colorirem, como se observa no seguinte fragmento: Pena que este livro não seja a cores, não é mesmo? Mas se vocês tiverem uma caixa de lápis de cor por ai, dá pra ver como ia ficar, todo colorido. O Millôr, que fez o desenho, garante que vai ficar muito bonito. Mas vocês também podem fazer uma brincadeira divertida. Recortem vinte papeizinhos; em dez escrevam os números, e em dez escrevam as cores. Misturem os dois bolinhos um separado do outro! e pesquem, de cada vez, um número e uma cor. Maluco? Maluco! Vamos nessa? (RÓNAI, 1983, p.20) É visível, no excerto acima, a preocupação da autora em interagir com as crianças de forma lúdica e humorada. Contudo, faz-se necessário assinalar que a autora não domina apenas tais artifícios estéticos, mais que isso, ela explora o imaginário infantil e, por meio dele, possibilita ao leitor a oportunidade de refletir sobre os acontecimentos sociais do mundo no qual está inserido. 442

12 A qualidade artística dessa obra pode ser atribuída a todo o conjunto: conteúdo temático, estilo, e construção composicional, os quais compõem esse gênero discursivo, pois segundo Ceccantini (2002, p.39), todos esses elementos juntos formam a unidade da obra. Não obstante, o autor ainda postula que em termos gerais pode-se dizer que a literatura infantil brasileira contemporânea, a ideia de categoria rígida, que privilegia o projeto moral, a lógica do dever-se, é substituída pela ideia de valorização da sensibilidade, da comunicação e da emoção emotiva coletiva, do humor e da relatividade dos conceitos. Diante do exposto, é possível afirmar que a imagem do outro é vista por Geraldi (1995) como a medida que determina como se deve falar ou escrever, medida esta muito bem compreendida, sobretudo, considerada, pela autora Cora Rónai, visto que, em Sapomorfose, ela, a todo momento, delimitou/adequou seu discurso/linguagem de acordo com o perfil de seus leitores, consoante às necessidades da sociedade hodierna. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao compreender que o contexto de produção determina a finalidade enunciativa de um gênero, depreende-se, também, que tal finalidade surge a partir das necessidades comunicativas. Desse modo, ressalta-se a importância de se conhecer as finalidades sociais de um gênero, pois são elas, dentre outros elementos, que mais direcionam sua categorização. Partindo deste princípio, compreende-se que o gênero conto de fadas passou por transformações devido às diferentes necessidades comunicativas de cada épcoa. Constata-se, então, por meio deste estudo preliminar, ao menos, três momentos dos contos de fadas tradicionais: os primeiros contos orais, originários da cultura celta, que tinham por finalidade refletir os anseios religiosos; os contos voltados para entretenimento adulto na Idade Média; em meados da Idade Moderna, os contos foram suavizados por Perrault, Grimm e Andersen, devido a uma maior preocupação em adequar os conteúdos das histórias à realidade infantil, elevando-se a questão moral (COELHO, 1987). Nesse sentido, os contos de fadas contemporâneos diferem-se da vertente tradicional devido suas funções sociais não serem exatamente as mesmas. Além disso, é preciso ressaltar que nenhum gênero surge a partir do nada; sempre há/haverá uma relação dialógica e de transmutação. Nesse viés, Bakhtin (2003, p. 263) afirma que os gêneros secundários, no processo de sua formação eles incorporam e reelaboram diversos gêneros primários. Dessa forma, compreende-se que os contos de fadas contemporâneos surgiram a partir dos contos de fadas tradicionais, uma vez que retomam alguns elementos particulares destes, mas 443

13 possuem função social distinta. Tal afirmação pode ser, preliminarmente, confirmada por meio da análise do conto de Cora Rónai, observando que ele se configura como contemporâneo, já que suas finalidades sociais atendem perfeitamente às necessidades do seu atual público leitor. Ademais, Bettelheim (2002, p. 34) argumenta sobre alguns pontos relevantes acerca da contribuição destes contos como reflexos da vida humana e do seu interior, uma vez que tanto o conto tradicional quanto o contemporâneo apresentam características que contribuem para a formação dos sujeitos, ao trabalhar, entre outros fatores, com os sentidos da existência humana, com a fruição e a catarse. Os contos de fadas, diferentemente de qualquer outra forma de literatura, direcionam a criança para a descoberta de sua identidade e vocação, e também sugerem as experiências que são necessárias para desenvolver ainda mais o seu caráter (BETTELHEIM (2002, p. 34). REFERÊNCIAS ABRAMOVICH, F. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Sipione, ARIES, P. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Guanabara, BAKHTIN, M. Epos e romance. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Bernardini et al. 4. Ed. São Paulo: Editora UNESP, BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fadas. São Paulo: Paz e Terra, CECCANTINI, J, C. Leitura e literatura infanto-juvenil: Memória de Gramado. São Paulo: Cultura Acadêmica, Assis SP, COELHO, N, N. O conto de fadas. São Paulo: Ática, COELHO, N, N. Panorama Histórico da Literatura Infantil/Juvenil. 4. ed. São Paulo, Ática, DUARTE, P.C.O; PERFEITO, A.M. Uma proposta de análise linguística via texto-enunciado do gênero discursivo conto de fadas. In: SCOPARO, T.R.M.T; MIQUELETTI, E.A; FRANCISCO, E.C; GABRIEL, F.A. (orgs) Estudos em linguagens: diálogos linguísticos, semióticos e literários. Grupo Editorial Intelectus, (no prelo). 444

14 FIORIN, J, L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, GERALDI, J, W. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, MEREGE, A, L. Os contos de fadas: Origens, história e a permanência no mundo moderno. São Paulo: Claridade, RÓNAI, C. Sapomorfose ou o príncipe que coaxava. 8.ed. Rio de Janeiro: Salamandra, SROCZYNSKI, M, E, Z. Sátira menipéia: uma leitura dos contos de fadas contemporâneos. Revista Língua & Literatura: Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, s/d. Para citar este artigo: SILVA, Aldimeres Ferraz da; SANTOS, James Rios de Oliveira. DUARTE, Patrícia Cristina de Oliveira. Um estudo preliminar da finalidade social do gênero conto de fadas tradicional e do conto de fadas contemporâneo. In: XIII CONGRESSO DE EDUCAÇÃO DO NORTE PIONEIRO Jacarezinho Anais...UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Ciências Humanas e da Educação e Centro de Letras Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR

Anais do X Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR UM MODELO DIDÁTICO/TEÓRICO DO GÊNERO REDAÇÃO DE VESTIBULAR Marta Aline Buckta (G-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora CLCA-UENP/CJ) Introdução Motivada pelo desejo e pela necessidade,

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. FALAS DE PROFESSORE(A)S: O PAPEL DOS CONTOS DE FADAS NO DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. EIXO 4 - Práticas Pedagógicas, Culturas Infantis e Produção Cultural para crianças pequenas Autoras:

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL Caroline Cassiana Silva dos SANTOS 1 Renata Junqueira de SOUZA 2 Resumo: O artigo ora proposto discorre sobre as personagens femininas

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com Literatura Infantil A literatura infantil contribui para o crescimento emocional,cognitivo

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE Maria Aline da Silva Graduanda do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE Antonio Marcelo Pereira Sousa Graduando do curso de Pedagogia

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais A produção do gênero textual relatório pelo aluno pesquisador no âmbito do Projeto Bolsa Alfabetização Ana Paula P. R. Germanos Fátima Aparecida de Souza Este trabalho é resultado de pesquisa acerca da

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil

Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil 2015. 1 Projetos Integrados da Prática Docente: Literatura Infantil FACULDADE POLIS DAS ARTES Rua Tancredo Neves, 90 / 70 Jardim Pres. Kennedy Embu das Artes/SP Telefax: (11) 4782-4835 / 4244-2237 Professor:

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.:

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Querido(a)

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTOS DE FADAS EM LIBRAS Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTEÚDO - Contos de Fadas; - Fábulas; - Vídeos de contação de histórias; - Entrevista OBJETIVOS -Apresentar aos professores como é o

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS Competência Leitora na 5ª série O QUE É AVALIAÇÃO EM PROCESSO? Ação fundamentada no Currículo Oficial da SEE, que propõe acompanhamento coletivo e individualizado dos

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA CHAPEUZINHO VERMELHO, DE CHARLES PERRAULT: UMA LEITURA PSICANALÍTICA Aline Letícia Trindade Rosa Ana Victória Antunes Tamyres Rodrigues Zanforlin (G UENP/ campus Jac.) Penha Lucilda de Souza Silvestre

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL

Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL Aprendizagem e ensino de produção de texto na escola: sujeitos em processos inter-relacionais LEIVA DE FIGUEIREDO VIANA LEAL Agradecimento ao Ceale, em especial, no âmbito do programa PNAIC Renovo meus

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA

INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA INTERTEXTUALIDADE E INTERDISCURSIVIDADE EM PAUTA NAS AULAS DE LÍNGUA MATERNA Luciana Maria Crestani i () As avaliações do MEC (Saeb e Prova Brasil) apontam que os alunos têm déficits de aprendizagem no

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA BORTTOLIN, A. M. P. LITTERA/UNESC SILVEIRA, R. de F. K. da LITTERA/UNESC O presente texto mostra uma experiência de leitura literária na escola

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL Luana Martins Abreu Profª. da Secretaria Municipal de Educação de Nova Iguaçu/RJ As crianças com qualquer

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6]

BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] BOLETIM INFORMATIVO MAR/ABRIL 2013 [Edição 6] O tema central desta edição do Boletim Informativo será a Psicologia Infantil. A Psicologia Infantil é a área da Psicologia que estuda o desenvolvimento da

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais