O CONTO DE FADAS: DA ORALIDADE À LITERATURA INFANTIL Luciane Alves SANTOS Universidade Federal da Paraíba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CONTO DE FADAS: DA ORALIDADE À LITERATURA INFANTIL Luciane Alves SANTOS Universidade Federal da Paraíba"

Transcrição

1 O CONTO DE FADAS: DA ORALIDADE À LITERATURA INFANTIL Luciane Alves SANTOS Universidade Federal da Paraíba Ao discorrer sobre a figura do narrador em O narrador considerações sobre a obra de Nikolai Leskov, Walter Benjamin apresenta-nos vários pressupostos teóricos que nos conduzem à reflexão sobre a importância de uma das mais antigas formas de expressão: a arte de narrar. De acordo com o autor, a narrativa é uma experiência acumulada ao longo do tempo vivido, ela tem como matéria-prima o que se pode recolher através da tradição oral. Narrar, aprendemos com Benjamin, é tecer um manto, alimentando-o diariamente com pontos da linha da memória, assim como Penélope tecia e o desfazia, manipulando o tempo e a experiência. A transmissão da memória e da experiência é atribuída, historicamente, ao contador de histórias, reprodutor da cultura, ele é elemento fundamental para que as narrativas populares se constituam como herança de um patrimônio cultural extremamente rico que brota da oralidade, de fonte muitas vezes anônima, mas intrinsicamente ligada ao domínio do coletivo. São os contos de fadas, as aventuras do maravilhoso, os contos folclóricos, enfim, uma gama de textos que tem em comum a predileção das crianças pelo universo do encantamento e da magia, que alimenta o desejo da descoberta, da revelação e da exploração do mundo. Essa categoria narrativa se mantém viva, atravessando os séculos e desafiando os inúmeros novos títulos que são depositados mensalmente nas prateleiras. No universo dos contos de tradição popular reina a riqueza de verdades e valores apresentados de maneira alegórica e simbólica. Tais aspectos servem de inspiração para vivência e transferência de conceitos para a própria realidade. É a partir da inserção no mundo imaginário que a criança, na leitura ou na audição, pode iniciar a reflexão acerca do comportamento humano, dos medos, alegrias e frustrações que o contato com o texto literário pode proporcionar. Portanto, o uso da fantasia na literatura infantil é mais um recurso de adequação do texto ao leitor (...) já que a criança compreende a vida pelo viés do imaginário. A partir da transfiguração da realidade pela imaginação, o livro infantil põe a criança em contato com o mundo e com todos os seus desdobramentos, oferecendo-lhe com isso a possibilidade de entendê-lo melhor e de a ele adaptar-se (AGUIAR, 2001, p.83). O conto popular evoluiu, passou do oral ao escrito, conquistou espaço privilegiado no meio literário e alcançou o status de literatura clássica. A estabilidade do gênero no mundo moderno, onde imperam imagens e diferentes mídias, pode ser explicada pela solidez de suas características artísticas e por sua capacidade de transfigurar-se a cada época, a cada contexto,

2 em novos e modernos revestimentos. Ainda que em constante renovação, ele mantém acesa a chama do fogo antigo, do passado ao qual sempre estará costurado pelas linhas da memória ancestral. A tradição literária atesta que as narrativas associadas ao domínio do Maravilhoso foram imortalizadas pelas mãos, inicialmente, do escritor francês Charles Perrault ( ), seguido pelos irmãos Grimm (Jacob, ; Wilhelm, ) e Hans Christian Andersen ( ). Esses escritores muito contribuíram para transformar a situação de enunciação popular em obra de valor estético e material de grande importância para alicerçar a ponte entre a tradição oral e a literatura infantil. Os contos de fadas: da oralidade à escrita A literatura destinada ao público infantil tem sua origem nas narrativas mágicas e está ligada aos mitos e lendas de caráter universal. Textos dessa natureza teriam um nascimento não marcado que se confunde com a própria origem da literatura. Durante séculos, esses contos, de caráter polimorfo, inicialmente associados às superstições populares, foram se consolidando no segmento da escrita e se tornaram importantes meios de transmissão de cultura e ensinamentos para diferentes povos. Nesse sentido, esclarece Nelly Novaes Coelho: Ao estudarmos a história das culturas e modo pelo qual elas foram transmitidas de geração para geração, verificamos que a Literatura foi o principal veículo para a transmissão de seus valores de base. Literatura oral e \literatura escrita foram as principais formas pelas quais recebem a herança da Tradição que nos cabe transformar, tal qual outros o fizeram antes de nós com os valores herdados e por sua vez renovados (2000, p.13). A escritora Ana Maria Machado também aponta interessantes considerações acerca da contribuição das narrativas populares para o desenvolvimento da literatura, já que muitas vezes foram consideradas como subgênero ou desprestigiadas pela crítica. De acordo com a autora, os contos não só faziam parte dos primórdios da humanidade, mas neles e em gêneros correlatos germinava o embrião de toda a arte literária que a humanidade veio a desenvolver (2010, p.12). A inserção dos contos ao universo infantil se dá em consonância com a valorização da infância e a expansão das escolas. Somente a partir do final do século XVII é que o público infantil adquire, modestamente, a condição de leitor. Tal fato se deve a fatores históricos e sociais, notadamente à ascensão da burguesia e com ela os conceitos de uma pedagogia mais

3 austera, moralizante e educativa. Mesmo nesse contexto de rigor escolar, a criança passa a ser valorizada como ser humano, com necessidades e interesses distintos dos adultos. Nesse período a escola se consolida como mediadora entre a criança e a sociedade, passa, então, a desempenhar o papel que lhe foi atribuído: transmissora de saberes e da ideologia dominante. Tornando-se essencial para as crianças, o sentimento da infância e da família é cultivado nesse ambiente de criação burguesa. O conhecimento começa a ser mais valorizado, os livros circulam com mais intensidade e, para os novos leitores que despontam no horizonte literário, germinam as primeiras obras que atravessarão os séculos e se tornarão referências para história da literatura. Paralelamente ao crescimento da escola, a arte do conto se expande na França, de oral ele passa ao escrito e se torna definitivamente literário. Charles Perrault, em 1694, publica Pele de asno, lançando, assim, as bases de um novo estilo: o conto de fadas. O nascimento do gênero deve ser compreendido por sua relação direta com uma das vertentes do Maravilhoso. Isso se considera porque nesse domínio não há nada que possa surpreender os personagens ou o leitor; tudo gira em torno de um pacto criado pela fantasia. Assim, dragões sequestram princesas, fadas interferem no desenrolar dos fatos, princesas dormem até que sejam despertadas por príncipes encantados. Esse é o mundo do encantamento, onde tudo pode acontecer. Trata-se de um mundo em que o sobrenatural intervém sem explicações em uma situação já concebida e aceita como irreal. A expressão era uma vez faz com que se entre, desde o início, em outro mundo, que não se considera existente. Em 1697, Perrault publica Histoires ou contes du temps passé avec des moralités, o conhecido Contos da Mamãe Gansa, livro que constava de oito histórias extraídas de fontes orais, não exatamente marcado pela intervenção de fadas, mas emaranhado nas linhas do Maravilhoso. Enfim, nasce uma obra cujos traços evidenciam sua direção ao entretenimento e à educação das crianças. O título indica sua ligação com as narrativas populares, pois mamãe gansa era personagem de um antigo fabliau e sua função era a de contar estórias para seus filhotes fascinados (COELHO, 1985, p. 68). Na contramão dos valores clássicos, Perrault entra para a História da Literatura Universal como autor de uma literatura, inicialmente, desvalorizada pela estética de sua época, mas que o tempo se incumbiu de elevá-la ao patamar dos maiores sucessos do gênero. Chapeuzinho Vermelho, A Bela Adormecida, O Gato de Botas...são estórias que fazem parte da vida de toda criança, mesmo antes de aprenderem a ler...e que lhes são tão familiares quanto as cantigas de ninar com que foram embaladas (COELHO, 1985, p.64). As inúmeras

4 publicações que se seguem, na Europa, confirmam o fortalecimento do conto, como atesta André Jolles: Pouco depois da publicação dos Contos de Perrault, narrativas do mesmo gênero inundaram a França e o resto da Europa. Podemos dizer sem temor que o gênero vai dominar toda a literatura do começo do século XVIII e substituir, por um lado, a grande narrativa do século XVII, o romance; e, por outro lado, tudo o que ainda restava da novela toscana (1976, p.191). Após a publicação de Contos da Mamãe Gansa, mais de um século se passa, o conto se torna cada vez mais comum nos meios aristocráticos, o Romantismo fortalece suas bases e, com elas, a consolidação de valores burgueses. No início do século XIX, entram em cena os irmãos Jacob e Wilhelm Grimm. Os jovens alemães, filólogos e folcloristas, inspirados pelos preceitos românticos, viajaram em busca do espírito do povo, do recolhimento da expressão oral e cultural de seu país. Ultrapassaram as fronteiras de estudos puramente linguísticos quando se depararam com a força do mundo fantástico que girava em torno das narrativas que eram recolhidas a partir dos relatos de camponeses. Foram fundamentais no panorama literário por reconhecer nas formas populares um farto cabedal de pesquisas de natureza simbólica e alegórica. Sua obra alcança sucesso entre o público adulto e, sobretudo, infantil por valorizarem o bem, a inteligência e a harmonia como forma exemplar conduta humana. Em Contos de fadas para o lar e as crianças (em alemão: Kinder- und Hausmärchen), coletânea publicada em 1812, estão algumas das histórias mais conhecidas da tradição oral. Os músicos de Bremen e Cinderela são alguns dos clássicos que compõem a obra. Na esteira do sucesso alcançado por seus antecessores destaca-se, a partir de 1835, a participação do dinamarquês Hans Christian Andersen. De origem humilde, inspirava-se em códigos sociais que abordavam sempre o sofrimento das minorias, dos trabalhadores rurais, transmitindo, por meio da fantasia e maravilhoso, uma moralidade ou ensinamento que repudiava a opressão aos menos favorecidos. Diferentemente das produções anteriores, a posição política bem marcada de Andersen levou-o a produzir textos em que o final desejado, o final feliz, não fosse uma condição básica para o desfecho da história. Essa renovação na estrutura do conto revela a necessidade de confrontamento com o jogo de oposições historicamente definido pela sociedade. Andersen publicou contos que caíram no gosto do público leitor e se tornaram célebres. Entre eles figuram O patinho feio e a Pequena Sereia, textos ainda largamente difundidos na contemporaneidade. Assim, resgatado pelo espírito romântico, pela necessidade de afirmação dos valores nacionais, o conto de fadas parece encontrar seu lugar, seu porto seguro, nas páginas de livros voltados para a infância. Por sua multiplicidade de temas, seu caráter lúdico e revelador de

5 valores universais, o gênero extrapola as barreiras do tempo e se fixa como objeto cultural da infância. Contos de fadas e a literatura infantil Psicólogos, antropólogos e pedagogos procuram demonstrar, no decorrer dos estudos acerca da infância, que a difusão e transmissão das narrativas tradicionais permitem aos indivíduos se construir psicologicamente e socialmente. Para o psicanalista austríaco Bruno Bettelheim, que se tornou célebre ao publicar A Psicanálise dos contos de fadas, os contos são extremamente importantes para a maturidade das crianças, pois operam simultaneamente em todos os níveis da personalidade infantil. As metáforas criadas pelo insólito estão intimamente associadas aos conflitos vividos pela sociedade em todas as épocas de sua existência. Trata-se de narrativas que desenvolvem uma série de acontecimentos e imagens simbólicas de maneira linear e simplificada, representando diferentes arquétipos que são integrados com maior facilidade pela infância. O acesso a essa literatura proporciona a vivência de diferentes emoções provocadas pela natureza dos conteúdos desenvolvidos. Nesse sentido, o mundo da magia se comunica diretamente com o pensamento da criança e experiências literárias dessa natureza contribuem para oferecer respostas à compreensão dos dilemas humanos. Além de trabalhar na formação emocional das crianças, os contos de fadas contribuem para desenvolver o poder de criação, atuando diretamente no imaginário infantil. Para que uma estória realmente prenda a atenção da criança, deve entretê-la e despertar sua curiosidade. Mas para enriquecer sua vida, deve estimular-lhe a imaginação: ajudá-la a desenvolver seu intelecto e a tornar claras suas emoções; estar harmonizada com suas ansiedades e aspirações; reconhecer plenamente suas dificuldades e, ao mesmo tempo, sugerir soluções para os problemas que a perturbam (BETTELHEIM, 2002, p. 13). O texto deve estimular a criança a desenvolver suas potencialidades por meio das possibilidades que o mundo da fantasia pode inspirar. Não podemos subestimar o poder de apreensão de jovens leitores oferecendo-lhes textos que pouco contribuem para sua formação literária. Para satisfazer a necessidade das crianças de fugir à monotonia do cotidiano e vivenciar situações de natureza mágica, as histórias devem ser escritas com simplicidade e clareza, devem ser emocionantes e lineares, bastante compreensíveis. A necessidade dessas características não justifica a falta de expressividade de muitas obras que circulam no meio literário voltado para o público infantil. Para Bruno Bettelheim os contos de fadas são

6 ímpares, não só como uma forma de literatura, mas como obras de arte integralmente compreensíveis para a criança, como nenhuma outra forma de arte o é. Ainda de acordo com o autor, a maioria da chamada literatura infantil tenta divertir ou informar, ou as duas coisas (...) são tão superficiais em substância que pouco significado pode-se obter deles. A aquisição de habilidades, inclusive a de ler; fica destituída de valor quando o que se aprende a ler não acrescenta nada de importante à nossa vida. (2002, p.12) Alguns aspectos do gênero caracterizam a estabilidade de sua estrutura e, por consequência, mantêm afinidades com as expectativas do leitor mirim. Há no domínio dos contos um fio condutor que perpassa toda a produção: concisão narrativa, inventividade estética, simplicidade vocabular e lógica. São, portanto, bons motivos para que as narrativas que bebem na fonte da tradição oral mantenham estreita relação com a evolução da literatura infantil. Contando com diferentes recursos, as narrativas podem apresentar em seu interior elementos mágicos e encantatórios advindos de fonte sobrenatural, clássicos como A Bela Adormecida, Branca de Neve e Cinderela são bons exemplos dessa linha de contos. Outros, a exemplo das fábulas, envolvem animais em situações mágicas ou detentores de esperteza e discernimento que lhes permite transmitir uma mensagem moralizante e educativa, são bons exemplos dessa categoria O lobo e os sete cabritinhos e A raposa e os gansos, ambos coletados por Grimm. Há, também, aqueles que não necessariamente lançam mão de encantamentos ou elementos mágicos para desenvolver as ações do texto. Nesse último caso, temos como exemplo A inteligente filha do camponês, pertencente à coletânea Contos de fadas para o lar e as crianças, publicada pelos irmãos Grimm, em A história gira em torno das aventuras vividas por uma jovem que, por meio apenas de sua inteligência e astúcia, consegue resolver situações conflituosas para alcançar o êxito final. Como tantas outras, associada aos enunciados de natureza oral, essa narrativa é fruto do exercício de compilação de contos que permaneceram na memória popular e encontram na escrita a materialização de seu conteúdo. Uma breve análise do texto nos permite exemplificar como funcionam alguns dos atributos dos contos de fadas no universo da literatura infantil. O título do texto, que tem como variante A esperta filha do camponês, de maneira direta e simples, permite a apreensão da situação em sua forma mais essencial, estamos diante de uma característica básica do conto de fadas: a simplicidade. É característico dos contos de fadas colocar um dilema existencial de forma breve e categórica. Isto permite a criança aprender o problema em sua forma mais essencial, onde uma trama mais complexa confundiria o assunto para ela. O conto de fadas simplifica todas as situações. Suas figuras são esboçadas claramente; e detalhes, a menos que muito importantes, são

7 eliminados. Todos os personagens são mais típicos do que únicos (BETTELHEIM, 2002, p. 7). O adjetivo dado à protagonista inteligente antecipa o atributo fundamental para o sucesso de seu empreendimento. Sem marcas temporais ou qualquer referência à idade, os personagens são representados de maneira direta e sem detalhes, são tipos que representam segmentos sociais. No conto em análise, duas categorias se apresentam: o rei e os camponeses, estes últimos, representados pela jovem inteligente. No núcleo narrativo não existem elementos externos que intervenham para auxiliar a heroína, como se confirma na maioria dos contos de fadas. Inicialmente, a jovem tem como missão resgatar o pai, injustamente enclausurado por determinação rei, que coloca em dúvida a honestidade do velho camponês. É importante lembrar que não constitui uma regra a representação do mal por símbolos antiestéticos e apavorantes como, por exemplo, dragões, bruxas ou seres fantasmagóricos. Na situação apresentada, o precipitado e equivocado julgamento do soberano revela que o mal é revestido de diferentes faces e é tão onipresente quanto a virtude. Bem e mal são propensões presentes em todos os seres humanos (BETTELHEIM, 2002, p.7). Confrontada com essa dualidade, a jovem trabalhará pelo triunfo da verdade, a palavra e a astúcia serão suas aliadas. Assim como todos os contos que compõe a obra, o texto tem seu início marcado pelo deslocamento do tempo presente era uma vez um pobre camponês. Como já mencionado anteriormente, a transposição espacial, por meio do pretérito imperfeito, reporta o leitor ao tempo passado, a um período indeterminado. Nesse mergulho para o mundo da ficção, encontramos uma importante similitude com a infância, pois crianças tendem a acreditar no mundo irreal para o qual foram transportadas, nada lhes parece mais natural e familiar do que os fenômenos extraordinários que se desenvolvem no interior dessas narrativas. Uma vez inseridos em um mundo distante, cumpre atentar para o desenrolar das ações. Caracterizado por sua brevidade, o gênero é composto por contos em que se manifestam ações rápidas e recheadas de aventuras. A situação inicial é abalada por um incidente que instiga o herói a solucioná-la com as habilidades ou instrumentos mágicos que lhe foram conferidos no nível da diegese. Nossa jovem protagonista é desafiada pelo rei a esclarecer um enigma que assim se apresenta: eu caso com você se você for capaz de me fazer uma visita não estando vestida, nem nua, nem a cavalo, nem de carro, nem pela estrada, nem por fora da estrada (GRIMM, 2012, p.78). Desprovida de amuletos mágicos, intervenções sobrenaturais ou ações sobre-humanas, resta à heroína contar com suas potencialidades para desmontar a teia armada por seu oponente. A necessidade de libertar o pai e, também, materializar o sonho do

8 casamento com um nobre, estimula o intelecto da moça que encontra uma estratégia ardilosa para esclarecer o curioso jogo proposto pelo rei. Nua, envolta em uma rede de pesca, portanto vestida; atrelada a um burro, portanto nem a cavalo, nem de carro; ela circunda o castelo por um barranco, portanto nem pela estrada, nem por fora dela. Assim, revela-se a solução do enigma. Encantado com a astúcia e sutileza da jovem, o rei cumpre o prometido e o matrimônio se realiza. Quando confrontamos esse argumento com Branca de Neve e Cinderela, por exemplo, constatamos que não são atributos físicos que a conduzem ao casamento. Sua Majestade (...) perguntou se ela era mesmo muito inteligente (...) se ela soubesse responder estaria disposto a casar-se com ela (GRIMM, 2012, p.78). Diferentemente das célebres heroínas, nenhuma referência a seu aspecto físico é apresentada, são apenas seus valores intelectuais e morais que despertam a admiração do rei e lhe proporcionam a justiça e a ascensão social. Não poderia haver melhor incentivo à inteligência do que o motivo enunciado pelo texto de Grimm. A criança, que através da estória foi convidada a identificar-se com um de seus protagonistas, não só recebe esperança, mas também lhe é dito que através do desenvolvimento de sua inteligência ela pode sair-se vitoriosa mesmo sobre um oponente muito mais forte (BETTELHEIM, 2002, p. 45). No segundo momento do conto, apresenta-se a técnica da reiteração, juntamente com a simplicidade da problemática e da estrutura narrativa, é outro elemento básico dos contos populares (COELHO, 1985, p.113). Essa técnica permite o reforço dos valores veiculados pela temática desenvolvida e assegura ao leitor o domínio dos acontecimentos futuros. Sabemos da necessidade infantil da repetição, muitas histórias são contadas e recontadas inúmeras vezes por insistência dos pequenos. De tanto serem exigidos, os contos se narram por si mesmos e, mesmo sem serem lidos, eles se perpetuam na memória de adultos e crianças. Voltemos à nossa jovem protagonista que, embora tenha atuado com sucesso em direção ao reestabelecimento do equilíbrio inicial, encontra-se diante de novo desafio que se apresenta, agora, na sua condição de rainha. Uma disputa entre camponeses pela posse de um potrinho leva o rei, novamente, a um conceito equivocado. O camponês, prejudicado pela sentença proferida pelo soberano, toma conhecimento da bondade e inteligência da rainha, assim, resolve procurá-la para tentar reverter a situação. A jovem adere à causa do camponês, mas receia se opor diretamente à decisão do marido. Decidida, ela o instrui de maneira a despertar a reflexão do sobre sua decisão e revogar a sentença. O único desejo da rainha é não ser traída pelo trabalhador, ele deve jurar fidelidade à dama e jamais revelar ao rei sua

9 intervenção nos acontecimentos. Neste ponto, a imagem da figura feminina adquire dimensão diferenciada, pois, ao barganhar a omissão de seu ato, rompe o pacto de pureza e ingenuidade a que são submetidas as heroínas tradicionais. Simulando a situação criada pela rainha, o camponês desperta a desconfiança do soberano por mostrar tamanha desenvoltura e astúcia nos argumentos apresentados. Intrigado, o rei exige o nome do verdadeiro articulador dos fatos. Como o camponês se recusasse a revelar quem o instruíra em tal artimanha, o rei resolve mandar sová-lo até que a verdade venha à tona. Fragilizado pela surra que levou, não resta ao camponês outra alternativa senão desfiar toda a participação da rainha no logro a que foi submetido. Sentindo-se traído pela esposa, o soberano repudia-a e ordena-lhe que abandone o palácio levando apenas um elemento de recordação, algo que ela considere muito importante. Novamente, coloca-se à prova o valor de sua inteligência. Resignada, ela escolhe o que lhe é mais caro na vida: o próprio marido. Para confirmar seu intento, ela lhe prepara uma bebida que o faz adormecer profundamente. Assim, ela pode carregá-lo até o humilde casebre onde vivia antes do casamento. Ao acordar, o rei, mais uma vez admirado com as habilidades da esposa, rende-se à força do destino que os uniu e a perdoa. Para Betteheim, De acordo com o primitivo senso de justiça (e o da criança) só aqueles que fizeram algo realmente mau são destruídos (2002, p. 45). A intenção da protagonista não é destruir seu oponente, e sim unir-se a ele. Dessa forma, consagra-se o desfecho esperado E a levou de volta para o palácio real, onde o casamento dos dois foi celebrado pela segunda vez e onde com certeza vivem até hoje (p.81). A expressão pela segunda vez trabalha como reiterador do motivo dramático. A felicidade e o equilíbrio renascem da ameaça de separação do casal. Repleta de otimismo, a narração apresenta um desfecho afinado com as aspirações humanas e, se estamos realmente pactuando com a fantasia, é certo que eles vivam felizes até hoje. Por fim, sabiamente argumenta Bettheim: Como toda grande arte, os contos de fadas tanto agradam como instruem; sua genialidade especial é que eles o fazem em termos que falam diretamente às crianças (2002, p. 56). Inscrito em uma comunidade, desde tempos imemoriais, os contos são marcados por códigos e valores que caracterizam o grupo. Herdeiro direto da cultura popular, sua memória narrativa se manifesta no inconsciente coletivo. Decorre daí seu aspecto depositário do artesanato primordial, da palavra que germina, se reproduz e se materializa, atravessando as fronteiras do tempo e do espaço, formando um mosaico de personagens imortalizados nas páginas dos livros infantis.

10 Referências AGUIAR, Vera Teixeira de. (org.) Era uma vez... na escola: formando educadores para formar leitores. Belo Horizonte: Formato Editorial, BENJAMIN, W. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas. vol.1. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, BETTELHEIM, Bruno. A Psicanálise dos contos de fadas. Trad. Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria. Análise, didática. São Paulo: Moderna, COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil/juvenil. São Paulo: Edições Quíron, GRIMM, Jacob e Wilhelm. Contos de Grimm. Tradução de Heloisa Jahn. São Paulo: Cia. das Letras, JOLLES, André. O conto. In: Formas simples. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, p MACHADO, Ana Maria. Contos de Fadas. Rio de Janeiro: Zahar, RIGAUD, Myriam. Deux reecritures contemporaines de contes traditionnels : Peau d ane, de Christine Angone et Le Vaillant petite tailleur d Eric Chevillard. Université Sthendal, Grenoble Disponível em

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

PROJETO ERA UMA VEZ...

PROJETO ERA UMA VEZ... PROJETO ERA UMA VEZ... TEMA: Contos de Fada PÚBLICO ALVO: Alunos da Educação Infantil (Creche I à Pré II) JUSTIFICATIVA O subprojeto Letramento e Educação Infantil, implantado na EMEI Sementinha, trabalha

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO

IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO IMPORTÂNCIA DOS CONTOS INFANTIS PARA EDUCAÇÃO Magna Flora de Melo Almeida Ouriques 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) mellomagna@gmail.com Co-Autor Renan de Oliveira Silva 2 rennanoliveira8@gmail.com

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS

LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS LEI ROUANET PROJETO ESTÓRIAS Projeto Estórias I. Introdução O projeto Estórias nasceu da necessidade de incluir na literatura infantil personagens com câncer e o ambiente hospitalar. A literatura que contém

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

Contos de ensinamento da tradição oral

Contos de ensinamento da tradição oral Contos de ensinamento da tradição oral Os chamados contos de ensinamento, fazem parte da grande herança cultural formada pelos contos transmitidos oralmente, de geração para geração, ao longo de milênios.

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE Maria Aline da Silva Graduanda do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE Antonio Marcelo Pereira Sousa Graduando do curso de Pedagogia

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado.

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Vania D'Angelo Dohme (Mackenzie) 1. Considerações iniciais Johan Huizinga foi um importante historiador alemão, que viveu entre

Leia mais

Celia Regina Lopes Feitoza

Celia Regina Lopes Feitoza Celia Regina Lopes Feitoza Se quiser falar ao coração do homem, há que se contar uma história. Dessas que não faltam animais, ou deuses e muita fantasia. Porque é assim, suave e docemente que se despertam

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação.

Meu Mini Mundo 1. PALAVRAS-CHAVE: livro; mini mundo; literatura infantil; kirigami; comunicação. Meu Mini Mundo 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Alexandre FERREIRA 3 Bruno César de SOUZA 4 Mayra Magalhães GOMES 5 Thiago Arthur GOMES 6 Lamounier Lucas PEREIRA Jr. 7 Centro Universitário Newton Paiva, Belo

Leia mais

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem

O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem O MUNDO ENCANTADO DO TELE CIRCO: gerando aprendizagem Autores: AZENILDA DE PAULA CABRAL e IVANISE MARIA BOMFIM SOARES Nem sempre a aprendizagem está diretamente ligada ao ensino. É possível ensinar e não

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Hora do conto: uma experiência maravilhosa

Hora do conto: uma experiência maravilhosa Hora do conto: uma experiência maravilhosa Jucelma Terezinha Neves Schneid UPF Todos apreciam uma boa história, mas muita pouca gente conhece o valor real dela. Muitos que a usam para diferentes fins,

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL BRASIL-ALEMANHA ALUNO: GINO BONA CONTOS DE FADAS NO ENSINO DA LÍNGUA ALEMÃ PARA A PRÉ-ESCOLA BÁSICA MUNICIPAL DR. ADALBERTO TOLENTINO DE

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO RECURSO METODOLÓGICO PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo: José Roniero Diodato Marilene Severina de Oliveira Ana Claudia do Nascimento Glauciane

Leia mais

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA BRINCADEIRA É COISA SÉRIA Márcia Maria Almeida Figueiredo Mestre em Educação e professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha

Leia mais

O COELHO E A ONÇA. Adaptação: Eduardo Longevo Ilustração: Denise Nascimento Temas: inteligência, presença de espírito, astúcia A OBRA...

O COELHO E A ONÇA. Adaptação: Eduardo Longevo Ilustração: Denise Nascimento Temas: inteligência, presença de espírito, astúcia A OBRA... O COELHO E A ONÇA Adaptação: Eduardo Longevo Ilustração: Denise Nascimento Temas: inteligência, presença de espírito, astúcia A OBRA... Os três contos reunidos no livro O coelho e a onça: histórias brasileiras

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? 1 Sandra Gaspar de Sousa Moura RESUMO Este artigo tem a finalidade de mostrar a importância das relações interpessoais dentro do ambiente escolar e como os sujeitos

Leia mais

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados

As Damas dos Contos de Fadas e seus Príncipes (quase) encantados Questões de gênero na literatura e na produção cultural para crianças. ST 54 Ângela Márcia Damasceno Teixeira Universidade Estadual de Santa Cruz UESC Palavras-chave: intertextualidade, criatividade, literatura

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE DE ENSINO E APRENDIZAGEM COM ENCANTO

LITERATURA INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE DE ENSINO E APRENDIZAGEM COM ENCANTO Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor LITERATURA INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Renata Cavalcanti Eichenberg PUCRS De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que se desenvolve, aprende passo a passo a

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Auricélia Lima da Silva 1 malsvida@hotmail.com Rosiane Bento Barros 2 rousybento@yahoo.com.br Thiago Alves Moreira Nascimento 3 thiago_com_h@yahoo.com.br

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Valores educacionais do Olimpismo

Valores educacionais do Olimpismo Valores educacionais do Olimpismo Aula 3 Busca pela excelência e equilíbrio entre corpo, vontade e mente Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Detalhar o valor busca pela excelência 2 Apresentar estratégias

Leia mais

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA

LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA LEITURA LITERÁRIA: REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA BORTTOLIN, A. M. P. LITTERA/UNESC SILVEIRA, R. de F. K. da LITTERA/UNESC O presente texto mostra uma experiência de leitura literária na escola

Leia mais

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA * Lúcia Helena dos Santos Mattos * Mônica Rejiane Bierhals * Renata Faria Amaro da Silva ** Adriana Lemes RESUMO Como estimular a leitura através do conto literário?

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTOS DE FADAS EM LIBRAS Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTEÚDO - Contos de Fadas; - Fábulas; - Vídeos de contação de histórias; - Entrevista OBJETIVOS -Apresentar aos professores como é o

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba José Ozildo dos SANTOS

Leia mais

O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA RESUMO

O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA RESUMO Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O USO DA LITERATURA INFANTIL NA ESCOLA COMO FORMA DE ESTÍMULO À LEITURA SOUZA, Elisangela Ruiz de 1 MUNIZ, Valdinéia

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

Cais da Leitura: leitura em ação

Cais da Leitura: leitura em ação Cais da Leitura: leitura em ação Conceição Flores. Universidade Potiguar (UnP). Carla Rosiane C. Andrade. Universidade Potiguar (UnP). Nos últimos tempos, estamos sendo quase que cotidianamente bombardeados

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR Lília Santos NA BIBLIOTECA ESCOLAR, a MEDIAÇÃO com crianças e jovens acontece o tempo todo. É preciso ter atenção com os conteúdos

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL Laura Lima Bernardinelli Vanderleia Macena Gonçalves de Carvalho RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL Laura Lima Bernardinelli Vanderleia Macena Gonçalves de Carvalho RESUMO A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL Laura Lima Bernardinelli Vanderleia Macena Gonçalves de Carvalho RESUMO Ao longo dos anos, a educação tem se preocupado em contribuir para a formação de um individuo

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DA PROMOÇÃO DA LITERATURA INFANTIL: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO PROJETO DE EXTENSÃO ERA UMA VEZ.

A RESPONSABILIDADE DA PROMOÇÃO DA LITERATURA INFANTIL: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO PROJETO DE EXTENSÃO ERA UMA VEZ. A RESPONSABILIDADE DA PROMOÇÃO DA LITERATURA INFANTIL: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO PROJETO DE EXTENSÃO ERA UMA VEZ. COSTA, Itaene Duarte (Graduanda/UERN) MEDEIROS, Hudson Harison Holanda (Graduando/UERN)

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Profª Me. Rafaela Beleboni Professora das Faculdades COC

Profª Me. Rafaela Beleboni Professora das Faculdades COC OFICINA Os clássicos e as diversas outras naturezas de obras literárias para Educação Infantil Profª Me. Rafaela Beleboni Professora das Faculdades COC ROTEIRO DA OFICINA Clássicos na literatura; Confecção

Leia mais

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com

OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem. Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com OFICINA: O uso dos contos de fadas na aprendizagem Luciana Bem Psicopedagoga e Arte-terapeuta lucianabem@gmail.com Literatura Infantil A literatura infantil contribui para o crescimento emocional,cognitivo

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS)

CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) CURRÍCULO DE LETRAMENTO LITERÁRIO (ENSINO FUNDAMENTAL) MODO COMPOSICIONAL: CONTOS POPULARES (NACIONAIS OU ESTRANGEIROS) Coordenação: Luciane Possebom 26 de março de 2014. Segundo Câmara Cascudo, pode-se

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais