Laudo de Avaliação SP-0372/13-01 KLABIN S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laudo de Avaliação SP-0372/13-01 KLABIN S.A."

Transcrição

1 Laudo de Avaliação SP-0372/13-01 KLABIN S.A.

2 LAUDO SP-0372/13-01 DATA BASE: 30 de setembro de 2013 SOLICITANTE: COMODORO PARTICIPAÇÕES S.A., doravante denominada COMODORO. Sociedade anônima fechada, com sede à Av. Brigadeiro Faria Lima, nº 3.600, 4º Andar, Sala 47, Itaim Bibi, na Cidade e Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob o nº / RIOPRIMA PARTICIPAÇÕES S.A., doravante denominada RIOPRIMA. Sociedade anônima fechada, com sede à Av. Brigadeiro Faria Lima, nº 3.600, 4º Andar, Sala 44, Itaim Bibi, na Cidade e Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob o nº / OBJETO: COMODORO, anteriormente qualificada; RIOPRIMA, anteriormente qualificada; e KLABIN S.A., doravante denominada KLABIN. Sociedade anônima aberta, com sede à Av. Brigadeiro Faria Lima, nº 3.600, 3º, 4º e 5º Andares, Itaim Bibi, na Cidade e Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob o nº / OBJETIVO: Cálculo dos Patrimônios Líquidos de COMODORO, RIOPRIMA e KLABIN, avaliados os patrimônios das sociedades envolvidas, segundo os mesmos critérios e nas mesmas datas a preços de mercado, para os fins do art. 264 da Lei nº 6.404, de 15/12/1976 (Lei das S/A). Laudo SP-0372/

3 SUMÁRIO EXECUTIVO A APSIS CONSULTORIA E AVALIAÇÕES LTDA. (APSIS) foi contratada pela empresa COMODORO e pela empresa RIOPRIMA para apurar, a preços de mercado, o valor dos seus ativos e passivos, assim como o valor patrimonial das ações das mesmas em relação à KLABIN, de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis, especificamente o artigo 264 da Lei 6.404/76 (Lei das S.A.). Os procedimentos técnicos empregados no presente laudo estão de acordo com os critérios estabelecidos pelas normas de avaliação, e os cálculos avaliatórios para determinação dos valores dos ativos foram elaborados com base nas abordagens da renda, ativos e de mercado. O presente laudo apresenta os valores de mercado dos ativos e passivos das empresas utilizados para ajustar os Patrimônios Líquidos contábeis de COMODORO, RIOPRIMA e KLABIN pela abordagem dos ativos. Laudo SP-0372/

4 RESUMO DOS RESULTADOS As tabelas abaixo apresentam uma visão geral dos Patrimônios Líquidos a preços de mercado das empresas envolvidas na operação, na data base deste laudo, para os fins do artigo 264 da Lei nº 6.404/76 (Lei das S.A.): KLABIN S.A. (CONSOLIDADO) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BALANÇO PATRIMONIAL (R$ mil) SALDOS EM 30/09/2013 EVENTO SUBSEQUENTE (1) SALDOS PRO FORMA AJUSTES A MERCADO SALDOS A MERCADO ATIVO CIRCULANTE Caixa e equivalente de caixa Aplicações Financeiras Contas a Receber de Clientes Tributos a Recuperar Estoques Despesas Antecipadas Outros Ativos ATIVO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO INVESTIMENTOS IMOBILIZADO Imobilizado Técnico INTANGÍVEL TOTAL DO ATIVO PASSIVO CIRCULANTE Empréstimos e Financiamentos Fornecedores Obrigações Tributárias Obrigações Sociais e Trabalhistas Dividendos a Pagar Partes Relacionadas Demais Contas a Pagar PASSIVO NÃO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Empréstimos e Financiamentos Partes Relacionadas - SCPs Tributos Diferidos Parcelamento Tributário - REFIS Provisão para Contingências Outros Passivos PATRIMÔNIO LÍQUIDO (85.000) Capital social Ações em Tesouraria ( ) - ( ) - ( ) Reservas de Capital Reservas de Reavaliação Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial Dividendos Antecipados - (85.000) (85.000) - (85.000) Lucros acumulados Ajuste a Mercado TOTAL DO PASSIVO (1) Distribuição de Dividendos. Laudo SP-0372/

5 COMODORO PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESPECIAIS BALANÇO PATRIMONIAL (R$ mil) SALDOS EM 30/10/2013 AJUSTES A MERCADO SALDOS A MERCADO ATIV O CIRCULANTE 1-1 Caixa e equivalente de caixa 1-1 ATIV O NÃO CIRCULANTE REALIZÁV EL A LONGO PRAZO INV ESTIMENTOS Participação em Klabin S.A. 17,86% Participação nas Reservas de Klabin S.A IMOBILIZADO INTANGÍVEL TOTAL DO ATIV O PASSIVO CIRCULANTE PASSIV O NÃO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Reservas de Reavaliação Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ajustes a Mercado TOTAL DO PASSIV O OBS: A equivalência patrimonial do investimento em KLABIN S.A. foi calculada com base no patrimônio líquido de 30/09/2013. Laudo SP-0372/

6 RIOPRIMA PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESPECIAIS BALANÇO PATRIMONIAL (R$ mil) SALDOS EM 30/10/2013 AJUSTES A MERCADO SALDOS A MERCADO ATIVO CIRCULANTE 1-1 Caixa e equivalente de caixa 1-1 ATIVO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO INVESTIMENTOS Participação em Klabin S.A. 2,69% Participação nas Reservas de Klabin S.A IMOBILIZADO INTANGÍVEL TOTAL DO ATIVO PASSIVO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE EX IGÍVEL A LONGO PRAZO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Reservas de Reavaliação Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ajustes a Mercado TOTAL DO PASSIVO OBS: A equivalência patrimonial do investimento em KLABIN S.A. foi calculada com base no patrimônio líquido de 30/09/2013. Laudo SP-0372/

7 Os quadros abaixo apresentam as relações de troca entre as ações da KLABIN e das empresas COMODORO e RIOPRIMA: R$ mil KLABIN x COMODORO CONTAS CONTÁBIL PL MERCADO RELEVANTES KLABIN COMODORO KLABIN COMODORO ATIVO ATIVO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO ATIVO PERMANENTE PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO PATRIMÔNIO LÍQUIDO QUANTIDADE TOTAL DE AÇÕES (*) R$ POR AÇÃO 6,063 6,066 7,037 7,040 RELAÇÃO DE TROCA 1,000 1,000 Obs.: Quantidade de ações KLABIN para 1 ação COMODORO. (*)Composição das ações: KLABIN COMODORO - Total de ações do Capital Social antes da incorporação Ações em tesouraria (1) ( ) ( ) Total de ações do Capital Social (1) A quantidade de ações de KLABIN foi reduzida por suas ações em tesouraria, em COMODORO foi considerada a mesma redução com base na sua participação percentual no capital de KLABIN. Laudo SP-0372/

8 R$ mil KLABIN x RIOPRIMA CONTAS CONTÁBIL PL MERCADO RELEVANTES KLABIN RIOPRIMA KLABIN RIOPRIMA ATIVO ATIVO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO ATIVO PERMANENTE PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO PATRIMÔNIO LÍQUIDO QUANTIDADE TOTAL DE AÇÕES (*) R$ POR AÇÃO 6,063 6,066 7,037 7,040 RELAÇÃO DE TROCA 1,000 1,000 Obs.: Quantidade de ações KLABIN para 1 ação RIOPRIMA. (*)Composição das ações: KLABIN RIOPRIMA - Total de ações do Capital Social antes da incorporação Ações em tesouraria (1) ( ) ( ) Total de ações do Capital Social (1) A quantidade de ações de KLABIN foi reduzida por suas ações em tesouraria, em RIOPRIMA foi considerada a mesma redução com base na sua participação percentual no capital de KLABIN. Laudo SP-0372/

9 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO PRINCÍPIOS E RESSALVAS LIMITAÇÕES DE RESPONSABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DAS EMPRESAS METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO DE KLABIN AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO DE COMODORO E RIOPRIMA CONCLUSÃO RELAÇÃO DE ANEXOS Laudo SP-0372/

10 1. INTRODUÇÃO A APSIS CONSULTORIA E AVALIAÇÕES LTDA., doravante denominada APSIS, com sede na Rua da Assembleia, nº 35, 12º andar, Centro, na Cidade e Estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ sob nº / , foi contratada por COMODORO e RIOPRIMA para calcular seus Patrimônios Líquidos em relação à KLABIN, avaliados os patrimônios das sociedades segundo os mesmos critérios e nas mesmas datas a preços de mercado, para os fins do art. 264 da Lei nº 6.404, de 15/12/1976 (Lei das S/A). Na elaboração deste trabalho, foram utilizados dados e informações fornecidos por terceiros, na forma de documentos e entrevistas verbais com os clientes. As estimativas utilizadas neste processo estão baseadas nos documentos e informações, os quais incluem, entre outros, os seguintes: Balanços Patrimoniais auditados das empresas do grupo; Organograma e participações societárias; Relação dos bens do ativo permanente; Avaliação dos estoques a preços de mercado; Relação de contingências com suas respectivas expectativas de realização; Fluxos de caixa utilizados para mensuração dos ativos biológicos; e Outros documentos necessários. A equipe da APSIS responsável pela realização deste trabalho é constituída pelos seguintes profissionais: AMILCAR DE CASTRO Diretor Comercial ANA CRISTINA FRANÇA DE SOUZA Vice-Presidente Engenheira civil, Pós-graduada em Ciências Contábeis (CREA/RJ ) ANTONIO LUIZ FEIJÓ NICOLAU Diretor ERIVALDO ALVES DOS SANTOS FILHO Contador (CRC/RJ /O-1) LUCILIA NICOLINI Contadora (CRC/SP /O-6) LUIZ PAULO CESAR SILVEIRA Vice-Presidente Engenheiro mecânico, Mestre em Administração de Empresas (CREA/RJ ) MARCIA APARECIDA DE LUCCA CALMON Diretora Técnica (CRC/SP /O-4) MÁRCIA MOREIRA FRAZÃO DA SILVA Diretora (CRC/RJ /O-3) MAURÍCIO EMERICK LEAL Gerente de Projetos RENATA POZZATO CARNEIRO MONTEIRO Vice-Presidente RICARDO DUARTE CARNEIRO MONTEIRO Presidente Engenheiro civil, Pós-graduado em Engenharia Econômica (CREA/RJ ) SERGIO FREITAS DE SOUZA Diretor Economista (CORECON/RJ ) Laudo SP-0372/

11 2. PRINCÍPIOS E RESSALVAS As informações a seguir são importantes e devem ser cuidadosamente lidas. O Relatório objeto do trabalho enumerado, calculado e particularizado obedece criteriosamente os princípios fundamentais descritos a seguir: Os consultores não têm interesse, direto ou indireto, nas companhias envolvidas ou na operação, bem como não há qualquer outra circunstância relevante que possa caracterizar conflito de interesses. Os honorários profissionais da APSIS não estão, de forma alguma, sujeitos às conclusões deste Relatório. No melhor conhecimento e crédito dos consultores, as análises, opiniões e conclusões expressas no presente Relatório são baseadas em dados, diligências, pesquisas e levantamentos verdadeiros e corretos. Assumem-se como corretas as informações recebidas de terceiros, sendo que as fontes das mesmas estão contidas e citadas no referido Relatório. Para efeito de projeção, partimos do pressuposto da inexistência de ônus ou gravames de qualquer natureza, judicial ou extrajudicial, atingindo as empresas em questão, que não os listados no presente Relatório. O Relatório apresenta todas as condições limitativas impostas pelas metodologias adotadas, quando houver, que possam afetar as análises, opiniões e conclusões contidas no mesmo. O Relatório foi elaborado pela APSIS e ninguém, a não ser os seus próprios consultores, preparou as análises e correspondentes conclusões. A APSIS assume total responsabilidade sobre a matéria de Avaliações, incluindo as implícitas, para o exercício de suas honrosas funções, precipuamente estabelecidas em leis, códigos ou regulamentos próprios. O presente Relatório atende a recomendações e critérios estabelecidos pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Uniform Standards of Professional Appraisal Practice (USPAP) e International Valuation Standards Council (IVSC), além das exigências impostas por diferentes órgãos, como Comitê de Pronunciamentos Contábeis (XC), Ministério da Fazenda, Banco Central, Banco do Brasil, Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), Regulamento do Imposto de Renda (RIR), Comitê Brasileiro de Avaliadores de Negócios (CBAN) etc. O controlador e os administradores das companhias envolvidas não direcionaram, limitaram, dificultaram ou praticaram quaisquer atos que tenham ou possam ter comprometido o acesso, a utilização ou o conhecimento de informações, bens, documentos ou metodologias de trabalho relevantes para a qualidade das conclusões contidas neste trabalho. Laudo SP-0372/

12 3. LIMITAÇÕES DE RESPONSABILIDADE Para elaboração deste Relatório, a APSIS utilizou informações e dados de históricos auditados por terceiros ou não auditados, fornecidos por escrito pela administração da empresa ou obtidos das fontes mencionadas. Sendo assim, a APSIS assumiu como verdadeiros e coerentes os dados e informações obtidos para este Relatório e não tem qualquer responsabilidade com relação a sua veracidade. O escopo deste trabalho não incluiu auditoria das demonstrações financeiras ou revisão dos trabalhos realizados por seus auditores. Sendo assim, a APSIS não está expressando opinião sobre as demonstrações financeiras da Solicitante. Não nos responsabilizamos por perdas ocasionais à Solicitante e suas controladas, a seus sócios, diretores, credores ou a outras partes como consequência da utilização dos dados e informações fornecidos pela empresa e constantes neste Relatório. Nosso trabalho foi desenvolvido unicamente para o uso dos Solicitantes e seus sócios, visando ao objetivo já descrito. Portanto, este Relatório não deverá ser publicado, circulado, reproduzido, divulgado ou utilizado para outra finalidade que não a já mencionada, sem aprovação prévia e por escrito da APSIS. As análises e as conclusões contidas neste Relatório baseiam-se em diversas premissas, realizadas na presente data, de projeções operacionais futuras, tais como: preços, volumes, participações de mercado, receitas, impostos, investimentos, margens operacionais etc. Assim, os resultados operacionais futuros da empresa podem vir a ser diferentes de qualquer previsão ou estimativa contida neste Relatório, especialmente caso venha a ter conhecimento posterior de informações não disponíveis na ocasião da emissão do Laudo. Esta avaliação não reflete eventos e seus impactos ocorridos após a data de emissão deste Laudo. A APSIS não se responsabiliza por perdas diretas ou indiretas nem por lucros cessantes eventualmente decorrentes do uso indevido deste Laudo. Destacamos que a compreensão da conclusão deste Relatório ocorrerá mediante a sua leitura integral e de seus anexos, não devendo, portanto, serem extraídas conclusões de sua leitura parcial, que podem ser incorretas ou equivocadas. Laudo SP-0372/

13 4. CARACTERIZAÇÃO DAS EMPRESAS Fundada em 1899, a KLABIN importa produtos de papelaria e produz artigos para escritórios, comércios, repartições públicas e bancos. Nos anos seguintes, a empresa entrou no setor de produção de papel, porcelana e papelão, tendo a maior capacidade de produção de papel ondulado da América Latina. Em 1979, a empresa abriu seu capital na Bolsa de Valores de São Paulo. No ano de 1990, o GRUPO KLABIN foi considerado o maior produtor brasileiro de papéis sanitários. No ano de 2005, a empresa recebeu a certificação Forest Stewardship Council para suas florestas em Santa Catarina e conquistou a certificação FSC para a cadeia de custódia de papel-cartão e kraftliner no Paraná, sendo a única empresa do mundo a receber tal selo, e conquistando nos anos seguintes também para a produção de papéis, sacos industriais, papelcartão, kraftliner, papéis reciclados e embalagens de papelão ondulado em diversas unidades. Este selo garante a rastreabilidade das matérias-primas em toda a cadeia produtiva. Foi também inaugurado o projeto Plasma, a primeira unidade do mundo para reciclagem de embalagens longa vida. Nos últimos dois anos, a empresa adquiriu terras para construção de uma fábrica de celulose de pinus e eucalipto no Paraná, instalou novo equipamento para redução nas emissões de gases de efeito estufa e do consumo de óleo combustível, estruturou o Comitê de Sustentabilidade, concluiu a linha de alta-tensão em Monte Alegre (PR), que aumenta a estabilidade no fornecimento de energia, e investiu R$ 220 milhões em nova máquina de sackraft em Correia Pinto (SC), com capacidade de 80 mil toneladas/ano. A empresa mantém 16 unidades industriais, 15 no Brasil e 1 na Argentina, escritórios comerciais em oito Estados do País e na Argentina, além de uma filial nos Estados Unidos e um distribuidor logístico na Europa. A sede da empresa está situada em São Paulo. Laudo SP-0372/

14 5. METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO ABORDAGEM DOS ATIVOS: PL A MERCADO Esta metodologia é derivada dos Princípios Contábeis Geralmente Aceitos (PCGA), no qual as demonstrações financeiras são preparadas com base no princípio do custo histórico, ou custo de aquisição. Devido a este princípio e ao princípio fundamental da contabilidade, o valor contábil dos ativos de uma empresa menos o valor contábil de seus passivos é igual ao valor contábil do seu patrimônio líquido. A aplicação da metodologia toma como ponto de partida os valores contábeis dos ativos e passivos e requer ajustes a alguns desses itens de modo a refletir seus prováveis valores de realização. O resultado da aplicação deste método pode fornecer uma base inicial à estimativa do valor da empresa, bem como, uma base útil de comparação com o resultado de outras metodologias. Por outro lado, os princípios básicos de economia nos permitem criar a seguinte técnica de avaliação: o valor definido para os ativos menos o valor definido para os passivos é igual ao valor definido para o patrimônio líquido de uma empresa. Dentro de uma perspectiva de avaliação, as definições relevantes de valor são aquelas apropriadas ao objetivo da avaliação. A abordagem dos ativos, portanto, visa avaliar uma empresa pelo ajuste do valor contábil (saldo líquido) aos seus respectivos valores justos de mercado. Os ativos e passivos julgados relevantes são avaliados pelo valor justo de mercado, sendo feita a comparação entre este valor e seu valor contábil (saldo líquido). Os critérios gerais de avaliação aplicados para o ajuste dos bens suscetíveis de avaliação a preço de mercado encontram-se detalhados no Capítulo 6 do laudo. Estes ajustes, devidamente analisados, são somados ao valor do patrimônio líquido contábil, determinando assim o valor de mercado da empresa pela abordagem dos ativos. O valor justo de mercado da empresa será o valor do patrimônio líquido, considerados os ajustes encontrados para os ativos e passivos avaliados. Cabe ressaltar que não foram objeto de nossos trabalhos a identificação e quantificação de passivos não registrados ou não revelados pelas Administrações das Empresas. Na presente avaliação, a metodologia e o escopo adotados tiveram como objetivo avaliar uma empresa em marcha (going concern), portanto, os gastos incorridos na realização de ativos ou exigência de passivos, bem como relacionados a processo de falência ou liquidação das empresas não foram considerados nos cálculos. Laudo SP-0372/

15 PRINCIPAIS ETAPAS DA AVALIAÇÃO Leitura e análise dos balancetes das empresas. Análise das contas de ativo e passivo registradas no balanço patrimonial da empresa, visando identificar as contas suscetíveis a ajustes, bem como o cálculo e seus prováveis valores de mercado. Ajustes dos ativos imobilizados das empresas pelos seus respectivos valores de mercado, com base nos cálculos realizados pela APSIS. Ajustes dos ativos intangíveis operacionais relevantes pelos seus respectivos valores de mercado, com base nas premissas e critérios de avaliação elaborados pela APSIS. Aplicação do método de equivalência patrimonial sobre os patrimônios líquidos a valor de mercado das empresas controladas e coligadas para o cálculo do valor dos investimentos. Cálculo do valor de mercado do Patrimônio Líquido das empresas. Laudo SP-0372/

16 6. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO O presente laudo foi elaborado com a finalidade de atender à legislação vigente, no contexto da Reorganização Societária do Grupo Klabin, conforme descrito no Sumário Executivo deste laudo. EVENTOS E AJUSTES CONSIDERADOS NA AVALIAÇÃO As Demonstrações Contábeis Auditadas, tomadas como base para o presente laudo, foram preparadas pela Sociedade já com a adoção pelo cumprimento integral da Lei nº /07. O quadro a seguir apresenta os critérios gerais definidos para avaliação de cada conta e/ou grupo de contas das empresas envolvidas na operação: GRUPO DE CONTAS PREMISSAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO GERAL REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS DE LONGA DURAÇÃO (TESTE DE IMPAIRMENT) CAIXA, EQUIVALENTES DE CAIXA E APLICAÇÕES FINANCEIRAS Contas com valor inferior a R$ 500 mil não foram analisadas, mantendo-se o valor contábil, com exceção daquelas consolidadas em algum grupo específico. O saldo de imobilizado e outros ativos são revistos anualmente para se identificar evidências de perdas não recuperáveis, ou ainda, sempre que eventos ou alterações nas circunstâncias indicarem que o valor contábil pode não ser recuperável. Quando este for o caso, o valor recuperável é calculado para verificar se há perda nestes ativos. Incluem os numerários em espécie, depósitos bancários disponíveis e aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, as quais são prontamente conversíveis em montante conhecido de caixa sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. Valor de mercado idêntico ao contábil. A Companhia não identificou indicadores que pudessem reduzir o valor recuperável de seus ativos no período findo em 30 de setembro de 2013, com base em suas análises do valor em uso pelos fluxos de caixa descontados, preparados de acordo com a projeção orçamentária aprovada pela Administração. Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. Laudo SP-0372/

17 GRUPO DE CONTAS PREMISSAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS CONTAS A RECEBER DE CLIENTES ESTOQUES TRIBUTOS A RECUPERAR E OUTROS TRIBUTOS São representados por Letras Financeiras do Tesouro Nacional (LFT), cuja remuneração é indexada à variação da SELIC, as quais estão classificadas como ativos financeiros disponíveis para venda. Seus vencimentos originais são até o final de 2015, entretanto esses títulos possuem um mercado ativo de negociação, considerando suas características, cujo valor justo é basicamente o valor do principal acrescido dos juros originalmente estabelecidos nesses títulos. São registradas e mantidas pelo valor nominal dos títulos decorrentes das vendas de produtos, acrescidos de variações cambiais, quando aplicável. A provisão para créditos de liquidação duvidosa ( PCLD ) é constituída com base em análise individual dos valores a receber e em montante considerado necessário e suficiente para cobrir prováveis perdas na realização desses créditos. O saldo em questão não se encontra ajustado a valor presente pela não relevância do ajuste, devido ao curto prazo de sua realização dos títulos. Os estoques são demonstrados pelo custo médio das compras, líquido dos impostos compensáveis, quando aplicáveis, e valor justo dos ativos biológicos na data do corte. Os estoques de produtos acabados são valorizados pelo custo das matériasprimas processadas, mão de obra direta e outros custos de produção. Quando necessário, os estoques são deduzidos de provisão para perdas, constituída em casos de desvalorização de estoques, obsolescência de produtos e perdas de inventário físico. Representados por: Os valores de imposto de renda e contribuição social diferidos são registrados nos balanços pelos montantes líquidos no ativo ou no passivo não Mantido o valor contábil por já estar contabilizado pelo valor justo dos títulos. Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. Foi considerado um ajuste a mercado desses itens calculados, com base nos preços de mercado, líquidos dos impostos diretos e despesas comerciais. Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. Laudo SP-0372/

18 GRUPO DE CONTAS PREMISSAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO circulante, sendo provenientes basicamente de provisões temporariamente não dedutíveis e tributos em discussão judicial, tanto no ativo como no passivo na controladora, variação cambial diferida na controladora e ajustes incluídos no Regime Tributário de Transição (RTT), como: custo atribuído ao ativo imobilizado (terras), mensuração dos ativos biológicos a valor justo, alteração nas taxas de depreciação do ativo imobilizado e amortizações do ativo diferido. As controladas têm os seus tributos calculados e provisionados de acordo com a legislação de seu país e/ou seu regime tributário específico, incluindo, em alguns casos, lucro presumido. Além dos impostos diferidos sobre a renda, há saldos compostos pelos seguintes tributos correntes: o IPI o ICMS o IRPJ/CS o PIS e COFINS o Outros PARTICIPAÇÃO EM CONTROLADAS OUTROS INVESTIMENTOS Avaliada pelo método da equivalência patrimonial. As Demonstrações Contábeis da KLABIN estão sendo apresentadas de forma consolidada. Representados por outros investimentos cujos saldos estão registrados líquidos de provisão para perda, quando aplicável. Os saldos foram ajustados pelos efeitos dos ajustes a mercado refletidos nos patrimônios líquidos das controladas avaliadas, quando aplicável. Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. Laudo SP-0372/

19 GRUPO DE CONTAS PREMISSAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS IMOBILIZADO Avaliados a preços de mercado recentemente, segundo critérios referentes ao Pronunciamento Técnico ICPC 10, com laudos de avaliação específicos. O ativo imobilizado foi avaliado conforme descrito detalhadamente no anexo deste laudo. Valor de mercado idêntico ao valor contábil, considerando a reavaliação realizada recentemente. Avaliado a mercado. OBRAS EM ANDAMENTO ATIVO BIOLÓGICO INTANGÍVEL EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Ativos com valor contábil próximo ao valor de mercado, por se tratarem de aquisições recentes. Os ativos biológicos são mensurados ao valor justo, deduzidos dos custos estimados de venda no momento da colheita. O valor da exaustão dos ativos biológicos é mensurado pela quantidade de madeira cortada, avaliada por seu valor justo. Representado substancialmente por: Softwares Custo de aquisição deduzido pela amortização acumulada. Marcas e Patentes Custo de aquisição. Representados por: Empréstimos e Financiamentos em: o Moeda Local Representados substancialmente por empréstimos junto ao BNDES, com liquidação prevista até janeiro de 2017; o Moeda Estrangeira - Representados substancialmente por Valor de mercado idêntico ao valor contábil. Mantido o valor contábil por já estar mensurado a valor justo. Para fins de atendimento ao artigo 264 da Lei das S.A., o avaliador optou pelos valores de custo histórico como a melhor referência. Dessa forma, foi mantido o valor contábil dos saldos. Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. Laudo SP-0372/

20 GRUPO DE CONTAS PREMISSAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO operações de pré-pagamentos e notas de crédito à exportação captadas em bancos de grande porte, com liquidação prevista para O saldo de empréstimos e financiamentos corresponde ao valor dos recursos captados, acrescidos dos juros e encargos proporcionais ao período incorrido, deduzidos das parcelas amortizadas. Se aplicável, os saldos de empréstimos e financiamentos contemplam a variação cambial reconhecida sobre o passivo. FORNECEDORES DEPÓSITOS JUDICIAIS, PROVISÕES FISCAIS, PREVIDENCIÁRIAS, TRABALHISTAS E CÍVEIS DEMAIS ATIVOS E PASSIVOS O saldo está representado substancialmente por dívidas em moeda nacional e a Companhia opera com um prazo médio de pagamento aos seus fornecedores de aproximadamente 45 dias. Os riscos provisionados pela Companhia correspondem a processos de natureza principalmente tributária relacionados a questionamentos acerca de tributação de imposto de renda e contribuição social, processos de natureza trabalhista, em sua maioria, de ações ingressadas por ex-empregados versando sobre pagamento de direitos trabalhistas, além de ações de natureza cível, concentrados, em sua maioria, em ações de indenização por danos materiais e/ou morais decorrentes de acidentes. Substancialmente representados por: Despesas Antecipadas; Adiantamentos; e Parcelamentos Tributários REFIS. Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. O saldo a pagar do REFIS (Lei /09), registrado no balanço individual e consolidado, totaliza R$ , o qual é atualizado pela taxa efetiva de juros que considera os valores futuros e a variação da SELIC. Laudo SP-0372/

21 GRUPO DE CONTAS PREMISSAS CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO Mantido o valor contábil por não ter apresentado sinal de ajuste a mercado. PATRIMÔNIO LÍQUIDO Ajustes a Mercado Resultado da avaliação dos Bens, Direitos e Obrigações, avaliados a mercado, líquido dos efeitos tributários. Reflete os ajustes a mercado líquido dos efeitos tributários, quando aplicável. Laudo SP-0372/

22 7. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO DE KLABIN Foi adotada, no presente laudo, a abordagem dos ativos para a avaliação do Patrimônio Líquido a valor de mercado da KLABIN. Nesta abordagem, nós avaliamos os ativos e passivos relevantes, de forma a refletir seu valor justo de mercado, de acordo com os critérios detalhados no Capítulo 6. ATIVOS RELEVANTES A companhia controla sociedades que operam nos segmentos: Florestal, Papéis e Conversão, com atividades relacionadas, respectivamente, a operações de plantio e cultivo florestal, produção e operações de venda de bobinas de papel-cartão e venda de caixas de papelão ondulado, chapas de papelão ondulado e sacos industriais, nos mercados interno e externo. IMOBILIZADO Os ativos integrantes do imobilizado, referentes às contas de máquinas, equipamentos e instalações, são os ativos de maior relevância dentro do grupo de ativos operacionais de KLABIN. Na presente avaliação, foi considerada a controladora KLABIN e suas controladas, direta e indiretamente, sendo que a soma dos ativos imobilizados da controladora representa mais de 90% do imobilizado total do grupo. A metodologia de avaliação destes ativos pode ser encontrada no Anexo 1 deste laudo, e os resultados estão resumidos no quadro a seguir: Em R$ mil IMOBILIZADO CONSOLIDADO KLABIN S.A. VALOR CONTÁBIL VALOR DE MERCADO Imobilizado Técnico , ,37 TOTAL , ,37 Laudo SP-0372/

23 ATIVO BIOLÓGICO Os ativos biológicos da Companhia compreendem o cultivo e plantio de florestas de pinus e eucalipto para abastecimento de matéria-prima na produção de celulose utilizada no processo de produção de papel e vendas de toras de madeira para terceiros. AVALIAÇÃO DOS DEMAIS ATIVOS E PASSIVOS Para os demais ativos e passivos de KLABIN, foram adotados os critérios detalhados no Capítulo 6. Em 30 de setembro de 2013, a Companhia possui 238 mil hectares de florestas plantadas, desconsiderando as áreas de preservação permanente e reserva legal que devem ser mantidas para atendimento à legislação ambiental brasileira. Os ativos biológicos não foram reavaliados, pois o critério para mensuração desses ativos, segundo o Pronunciamento Técnico CPC 29 (IAS 41), exige a avaliação dos ativos biológicos por seu valor justo, deduzidos dos custos estimados de venda no momento da colheita. Essa avaliação considera o uso da metodologia de Fluxo de Caixa Descontado, projetando os fluxos de caixa futuros de acordo com o ciclo de produtividade projetado das florestas, levando em consideração premissas como preço e volume de produtividade dos ativos biológicos, trazidos a valor presente por uma taxa de desconto que represente o custo médio ponderado de capital da Companhia. Além disso, a Companhia efetua a reavaliação do valor justo de seus ativos biológicos trimestralmente, sob o entendimento de que esse intervalo é suficiente para que não haja defasagem significativa do saldo de valor justo dos ativos biológicos registrado em suas informações trimestrais. Laudo SP-0372/

24 VALOR DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO DE KLABIN A tabela abaixo apresenta o valor do Patrimônio Líquido a Mercado de KLABIN, com os respectivos ajustes nas principais contas, na data base deste laudo: KLABIN S.A. (CONSOLIDADO) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BALANÇO PATRIMONIAL (R$ mil) SALDOS EM 30/09/2013 EVENTO SUBSEQUENTE (1) SALDOS PRO FORMA AJUSTES A MERCADO SALDOS A MERCADO ATIVO CIRCULANTE Caixa e equivalente de caixa Aplicações Financeiras Contas a Receber de Clientes Tributos a Recuperar Estoques Despesas Antecipadas Outros Ativos ATIVO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO INVESTIMENTOS IMOBILIZADO Imobilizado Técnico INTANGÍVEL TOTAL DO ATIVO PASSIVO CIRCULANTE Empréstimos e Financiamentos Fornecedores Obrigações Tributárias Obrigações Sociais e Trabalhistas Dividendos a Pagar Partes Relacionadas Demais Contas a Pagar PASSIVO NÃO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Empréstimos e Financiamentos Partes Relacionadas - SCPs Tributos Diferidos Parcelamento Tributário - REFIS Provisão para Contingências Outros Passivos PATRIMÔNIO LÍQUIDO (85.000) Capital social Ações em Tesouraria ( ) - ( ) - ( ) Reservas de Capital Reservas de Reavaliação Reservas de Lucros Ajustes de Avaliação Patrimonial Dividendos Antecipados - (85.000) (85.000) - (85.000) Lucros acumulados Ajuste a Mercado TOTAL DO PASSIVO (1) Distribuição de Dividendos. Laudo SP-0372/

25 VALOR DAS AÇÕES DE KLABIN ações VALOR POR AÇÃO Valor patrimonial contábil R$ 6,063 Ajuste por ação R$ 0,974 Valor patrimonial ajustado a mercado R$ 7,037 Laudo SP-0372/

26 8. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO DE COMODORO E RIOPRIMA Foi adotada, no presente laudo, a abordagem dos ativos para a avaliação do Patrimônio Líquido a valor de mercado de COMODORO e RIOPRIMA. Nesta abordagem, foram avaliados os ativos e passivos relevantes, de forma a refletir seu valor de mercado, de acordo com os critérios detalhados no Capítulo 6. AVALIAÇÃO DOS DEMAIS ATIVOS E PASSIVOS Para os demais ativos e passivos da KLABIN, foram adotados os critérios detalhados no Capítulo 6. ATIVOS RELEVANTES Para chegar ao valor do Patrimônio Líquido a preços de mercado de COMODORO e RIOPRIMA, foi necessário proceder a avaliações dos seus ativos operacionais relevantes. Os ativos relevantes das empresas em questão são os investimentos em KLABIN, e o ajuste a mercado se fez pela equivalência patrimonial. Laudo SP-0372/

27 VALOR DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO DE COMODORO A tabela abaixo apresenta o valor do Patrimônio Líquido a Mercado de COMODORO, com os respectivos ajustes nas principais contas, na data base deste laudo: COMODORO PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESPECIAIS BALANÇO PATRIMONIAL (R$ mil) SALDOS EM 30/10/2013 AJUSTES A MERCADO SALDOS A MERCADO ATIVO CIRCULANTE 1-1 Caixa e equivalente de caixa 1-1 ATIVO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO INVESTIMENTOS Participação em Klabin S.A. 17,86% Participação nas Reservas de Klabin S.A IMOBILIZADO INTANGÍVEL TOTAL DO ATIVO PASSIVO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE EX IGÍVEL A LONGO PRAZO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Reservas de Reavaliação Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ajustes a Mercado TOTAL DO PASSIVO OBS: A equivalência patrimonial do investimento em KLABIN S.A. foi calculada com base no patrimônio líquido de 30/09/2013. Laudo SP-0372/

28 VALOR DAS AÇÕES DE COMODORO ações VALOR POR AÇÃO Valor patrimonial contábil R$ 6,066 Ajuste por ação R$ 0,974 Valor patrimonial ajustado a mercado R$ 7,040 Laudo SP-0372/

29 VALOR DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A MERCADO DE RIOPRIMA A tabela abaixo apresenta o valor do Patrimônio Líquido a Mercado de RIOPRIMA, com os respectivos ajustes nas principais contas, na data base deste laudo: RIOPRIMA PARTICIPAÇÕES S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESPECIAIS BALANÇO PATRIMONIAL (R$ mil) SALDOS EM 30/10/2013 AJUSTES A MERCADO SALDOS A MERCADO ATIVO CIRCULANTE 1-1 Caixa e equivalente de caixa 1-1 ATIVO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO INVESTIMENTOS Participação em Klabin S.A. 2,69% Participação nas Reservas de Klabin S.A IMOBILIZADO INTANGÍVEL TOTAL DO ATIVO PASSIVO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE EX IGÍVEL A LONGO PRAZO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Reservas de Reavaliação Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ajustes a Mercado TOTAL DO PASSIVO OBS: A equivalência patrimonial do investimento em KLABIN S.A. foi calculada com base no patrimônio líquido de 30/09/2013. Laudo SP-0372/

30 VALOR DAS AÇÕES DE RIOPRIMA ações VALOR POR AÇÃO Valor patrimonial contábil R$ 6,066 Ajuste por ação R$ 0,974 Valor patrimonial ajustado a mercado R$ 7,040 Laudo SP-0372/

31 9. CONCLUSÃO À luz dos exames realizados na documentação anteriormente mencionada e tomando por base estudos da APSIS, concluíram os peritos que a relação de troca das ações de COMODORO e RIOPRIMA por ações de KLABIN, avaliadas pelos valores dos Patrimônios Líquidos a Mercado, abordagem dos ativos, em 30 de setembro de 2013, são de: 1,000 ações de COMODORO por 01 ação de KLABIN 1,000 ações de RIOPRIMA por 01 ação de KLABIN O laudo de avaliação SP-0372/13-01 foi elaborado sob a forma de Laudo Digital (documento eletrônico em Portable Document Format - PDF), com a certificação digital dos responsáveis técnicos e impresso pela APSIS, composto por 31 (trinta e uma) folhas digitadas de um lado e 03 (três) anexos. A APSIS Consultoria Empresarial Ltda., CREA/RJ e CORECON/RJ RF/02052, empresa especializada em avaliação de bens, abaixo representada legalmente pelos seus diretores, coloca-se à disposição para quaisquer esclarecimentos que, porventura, se façam necessários. Rio de Janeiro, 01 de novembro de Diretor Gerente de Projetos Laudo SP-0372/

32 10. RELAÇÃO DE ANEXOS 1. CÁLCULOS AVALIATÓRIOS IMOBILIZADO 2. DOCUMENTAÇÃO DE SUPORTE 3. GLOSSÁRIO E PERFIL DA APSIS RIO DE JANEIRO - RJ Rua da Assembleia, nº 35, 12º andar Centro, CEP Tel.: + 55 (21) Fax: + 55 (21) SÃO PAULO - SP Av. Angélica, nº 2.503, Conj. 42 Consolação, CEP Tel.: + 55 (11) Fax: + 55 (11) Laudo SP-0372/

33 ANEXO 1

34 AVALIAÇÃO DO IMOBILIZADO Os procedimentos técnicos empregados no presente Laudo estão de acordo com os critérios estabelecidos pelas Normas de Avaliação NBR :2001 e NBR :2004 da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, e os cálculos avaliatórios para determinação dos valores foram elaborados com base nos métodos Comparativo Direto de Dados de Mercado e do Custo de Reposição por Novo. A metodologia utilizada também deverá cumprir o objetivo de fornecer subsídios ao processo de ajuste das taxas de depreciação dos bens objeto, visando atender a Lei nº /2007. Baseado nas experiências anteriores, a APSIS desenvolveu uma metodologia de apuração de valores baseada em elementos comparativos extraídos dos sistemas operacionais avaliados. Apresentamos a seguir as referências utilizadas para execução dos trabalhos e os critérios utilizados para os principais itens da avaliação: d) Entrevistas com engenharias de cada Unidade de Negócio; e) Não julgamos necessárias visitas técnicas às unidades, tendo em vista que: Os balanços na data base foram auditados; Os ativos foram todos avaliados em 2009, para fins de atender o CPC 27, sendo que a companhia só contabilizou as mais valias correspondentes a terrenos; e As adições mais relevantes do imobilizado, do período da última avaliação de 2009 até a data base, estão substancialmente concentradas entre 2011 e 2013, e o custo de aquisição foi considerado como a melhor estimativa do valor de mercado. REFERÊNCIAS a) Controle Patrimonial do ativo imobilizado, fornecido pela KLABIN na data base de setembro de 2013; b) Valores de mercado do grupo das Máquinas e Equipamentos e do grupo de Benfeitorias e Edificações das principais unidades de negócio realizado pela companhia em 2008; c) Tabela de Vida Útil Econômica adotada pela empresa, em conformidade com o regulamento CPC-27; Laudo SP-0372/13-01 Anexo 1 1

35 METODOLOGIA Foram analisados os grupos das Máquinas e Equipamentos e das Construções e Benfeitorias das principais unidades de negócio da empresa, sendo elas: ANGATUBA JUNDIAÍ DI BETIM (BE01) JUNDIAÍ TP CORREIA PINTO (CP01) LAGES I (LG01) FEIRA DE SANTANA (FST1) LAGES II (LG02) GOIANA (GO01) MONTE ALEGRE (MA01) GOIANA RECICLADOS (GO02) OTACÍLIO COSTA (OTA1) GOIANA SACOS (GO04) PIRACICABA (PI01) GUAPIMIRIM PIRACICABA (PI02) ITAJAÍ (ITA1) SÃO LEOPOLDO (SL01) mesmos para a data base de setembro de 2013, levando em consideração as seguintes correções: Captar apenas a parcela dos bens que permaneceram no banco de dados da empresa na data de setembro de 2013; Depreciação dos bens no período de dezembro de 2008 até setembro de 2013; e Atualização dos valores avaliados a mercado pelo IGPM até a data base. A tabela abaixo apresenta a proporção de itens avaliados com base nos valores de mercado apresentados com data base de dezembro de 2008: Para a avaliação desses grupos, foram utilizados, como ponto de partida, os ANÁLISE BANCO DE DADOS* VALOR (R$) valores a mercado das unidades de negócio em dezembro de 2008, cuja documentação foi fornecida pela engenharia da empresa. Após a validação das metodologias e critérios utilizados nos cálculos avaliatórios apresentados, foi realizada a análise de relevância dos itens avaliados em comparação com o imobilizado total da empresa. Para isso, primeiramente fez-se necessário realizar uma verificação do banco de dados da empresa em dezembro de 2008 (data da avaliação a mercado), compará-la com o banco de dados da data base deste laudo, passando pela análise das baixas e adições. Do resultado desta análise, foi calculado um fator de redução para ser aplicado aos valores de mercado fornecidos, de forma a corrigir os Valor de Aquisição total em SET/13 R$ ,78 Valor de Aquisição dos itens avaliados em DEZ/08 que permaneceram no banco de dados em SET/13 % Itens que permaneceram na base 54% * Utilizando as informações recebidas do banco de dados de set/2013 R$ ,09 Laudo SP-0372/13-01 Anexo 1 2

36 Para os demais itens do banco de dados avaliado na data base (que não constavam no banco de dados de dezembro de 2008), foram consideradas as seguintes premissas: Para o grupo de Terrenos, como a empresa realizou o deemed cost conforme definido no ICPC-10, apenas foram validados os valores de mercados encontrados. Concluíram os peritos que o valor contábil registrado já estava a valor de mercado; e Para os itens do imobilizado com data de aquisição superior a 2011, por se tratarem de aquisições recentes, concluíram os peritos pelo valor residual contábil como a melhor estimativa do valor de mercado. A tabela seguinte apresenta um resumo da avaliação realizada para o grupo das Máquinas e Equipamentos e para o grupo das Edificações e Benfeitorias. AVALIAÇÃO A MERCADO VALOR RESIDUAL VALOR DE MERCADO MAIS VALIA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS R$ ,98 R$ ,59 R$ ,61 CONSTRUÇÕES E BENFEITORIAS R$ ,76 R$ ,75 R$ ,99 TOTAL R$ ,74 R$ ,34 R$ ,60 Considerando o exposto anteriormente, chega-se à seguinte relação de itens avaliados: ANÁLISE VALORES RESIDUAIS CONTÁBEIS VALOR (R$) % Valor Residual dos Itens Avaliados (base 2008) R$ ,74 36% Valor Residual dos Itens adquiridos após 2011 R$ ,19 22% Valor Residual Terrenos R$ ,66 8% Valor Residual Itens não Avaliados R$ ,69 33% Laudo SP-0372/13-01 Anexo 1 3

37 A tabela abaixo apresenta o resumo da avaliação das Máquinas e Equipamentos: MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS VALOR DE AQUISIÇÃO Remanescente VALOR DE AQUISIÇÃO Total 2008 VALOR DE REPOSIÇÃO (Dez/08) VALOR DE MERCADO (Dez/08) FATOR DE AJUSTE Dez/08 -Set/13 VALOR DE MERCADO (Set/13) ANGATUBA R$ ,42 R$ ,68 R$ ,00 R$ ,00 0,66 R$ ,65 BETIM (BE01) R$ ,88 R$ ,28 R$ ,00 R$ ,00 0,57 R$ ,25 CORREIA PINTO (CP01) R$ ,93 R$ ,60 R$ ,00 R$ ,00 0,65 R$ ,15 FEIRA DE SANTANA (FST1) R$ ,08 R$ ,14 R$ ,00 R$ ,00 0,54 R$ ,73 GOIANA R$ ,32 R$ ,27 R$ ,00 R$ ,00 0,54 R$ ,72 GUAPIMIRIM R$ ,49 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 0,67 R$ ,80 ITAJAÍ (ITA1) R$ ,84 R$ ,44 R$ ,00 R$ ,00 0,62 R$ ,94 JUNDIAÍ DI R$ ,14 R$ ,21 R$ ,00 R$ ,00 0,23 R$ ,11 JUNDIAÍ TP R$ ,30 R$ ,45 R$ ,00 R$ ,00 0,63 R$ ,10 LAGES I (LG01) R$ ,59 R$ ,11 R$ ,00 R$ ,00 0,53 R$ ,31 LAGES II (LG02) R$ ,58 R$ ,98 R$ ,00 R$ ,00 0,63 R$ ,61 MONTE ALEGRE (MA01) R$ ,90 R$ ,37 R$ ,00 R$ ,00 0,53 R$ ,02 OTACÍLIO COSTA (OTA1) R$ ,09 R$ ,23 R$ ,00 R$ ,00 0,58 R$ ,14 PIRACICABA (PI01) R$ ,98 R$ ,60 R$ ,00 R$ ,00 0,63 R$ ,47 SÃO LEOPOLDO (SL01) R$ ,14 R$ ,98 R$ ,00 R$ ,00 0,56 R$ ,60 Laudo SP-0372/13-01 Anexo 1 4

38 A tabela abaixo apresenta o resumo da avaliação das Edificações e Benfeitorias: BENFEITORIAS E EDIFICAÇÕES VALOR DE AQUISIÇÃO Remanescente VALOR DE AQUISIÇÃO Total 2008 VALOR DE REPOSIÇÃO (Dez/08) VALOR DE MERCADO (Dez/08) FATOR DE AJUSTE Dez/08 -Set/13 VALOR DE MERCADO (Set/13) ANGATUBA R$ ,01 R$ ,90 R$ ,00 R$ ,00 1,03 R$ ,35 BETIM (BE01) R$ ,11 R$ ,11 R$ ,00 R$ ,00 0,99 R$ ,59 CORREIA PINTO (CP01) R$ ,83 R$ ,91 R$ ,00 R$ ,00 0,91 R$ ,35 FEIRA DE SANTANA (FST1) R$ ,81 R$ ,11 R$ ,00 R$ ,00 0,98 R$ ,04 GOIANA R$ ,32 R$ ,65 R$ ,00 R$ ,00 0,94 R$ ,21 GUAPIMIRIM R$ ,93 R$ ,39 R$ ,00 R$ ,00 0,99 R$ ,73 ITAJAÍ (ITA1) R$ ,63 R$ ,73 R$ ,00 R$ ,00 1,03 R$ ,17 JUNDIAÍ DI R$ ,40 R$ ,74 R$ ,00 R$ ,00 0,69 R$ ,25 JUNDIAÍ TP R$ ,81 R$ ,35 R$ ,00 R$ ,00 1,03 R$ ,07 LAGES I (LG01) R$ ,15 R$ ,48 R$ ,00 R$ ,00 0,85 R$ ,60 LAGES II (LG02) R$ ,13 R$ ,67 R$ ,00 R$ ,00 0,96 R$ ,48 MONTE ALEGRE (MA01) R$ ,17 R$ ,67 R$ ,00 R$ ,00 0,31 R$ ,36 OTACÍLIO COSTA (OTA1) R$ ,76 R$ ,99 R$ ,00 R$ ,00 0,95 R$ ,91 PIRACICABA (PI01) R$ ,37 R$ ,37 R$ ,00 R$ ,00 1,04 R$ ,41 SÃO LEOPOLDO (SL01) R$ ,79 R$ ,75 R$ ,00 R$ ,00 1,01 R$ ,23 Laudo SP-0372/13-01 Anexo 1 5

39 AVALIAÇÃO DE ATIVO BIOLÓGICO O CPC-29 define como ativo biológico qualquer animal e/ou planta, vivos, podendo ser classificados como maduros ou imaturos, ou consumíveis e de produção. Ativos consumíveis são os que podem ser consumidos como produto agrícola ou vendidos como ativo biológico, enquanto os ativos de produção são autorrenováveis, ou seja, produzem regularmente. Os ativos maduros, por sua vez, são aqueles que já podem ser colhidos, ou que já estão aptos para sustentar colheitas regularmente. Ainda pelo CPC-29, o critério de reconhecido de um ativo biológico por uma entidade é válido quando: a) a entidade tiver o controle do ativo; b) quando benefícios econômicos futuros estejam associados ao ativo; e c) quando o valor justo do ativo puder ser mensurado. No caso das safras de cana-deaçúcar, estas três considerações são observadas. Na presente avaliação, foi considerado que o ativo biológico está sendo mensurado pelo seu valor justo no momento do reconhecimento inicial e no final de cada período de competência. O valor justo dos ativos biológicos é normalmente facilitado pelo agrupamento dos mesmos, conforme atributos reconhecidos pelo mercado, como idade ou qualidade do ativo. Estes atributos devem ser identificados pela empresa como base para fixação do preço de venda. O preço a ser utilizado na avaliação é determinado pela dinâmica do mercado destes ativos biológicos. O mercado deve ser utilizado como base para a empresa determinar o valor justo de seu ativo. No caso de não existirem mercados ativos, a empresa deve usar como referência o preço usado em transações recentes, ou o preço de ativos similares ajustado. Quando o preço do mercado não estiver disponível, a empresa deve utilizar o valor presente do fluxo de caixa líquido esperado, descontado à taxa corrente do mercado, a fim de determinar o valor justo do ativo. O objetivo nesse caso é o de determinar preço justo no local e condições atuais do ativo, incluindo isto na determinação da taxa de desconto apropriada. Como o preço, nesse caso, vai variar de acordo com o valor presente do fluxo de caixa líquido, a empresa deve sempre considerar as expectativas de variação de preço na elaboração da taxa de desconto. No caso da presente avaliação, foi considerado preço constante. Desse modo, a taxa de desconto foi considerada em termos reais. A definição de valor justo utilizada neste relatório baseia-se na ideia de que o valor justo de um ativo é o valor pelo qual ele pode ser negociado entre partes interessadas, conhecedoras do negócio e independentes entre si, com ausência de fatores que pressionem a liquidação da transação ou que caracterizem uma transação compulsória (definição apresentada pelo Pronunciamento Técnico CPC-29 Ativo Biológico e Produto Agrícola, emitido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - Definições). Portanto, qualquer análise deve refletir as premissas que seriam comuns a qualquer participante de mercado que fosse comprar ou vender cada ativo. Laudo SP-0372/13-01 Anexo 1 6

40 ABORDAGEM DA RENDA: FLUXO DE CAIXA DESCONTADO Esta metodologia define a rentabilidade de um ativo como sendo o seu valor operacional, equivalente ao valor descontado do fluxo de caixa líquido futuro. No caso do ativo biológico, este fluxo é composto pelo resultado líquido após custos com arrendamento, plantio e pagamento de impostos. O período projetivo do fluxo de caixa líquido é determinado levando-se em consideração o tempo que o ativo estará pronto para o corte. O fluxo é então trazido a valor presente, utilizando-se uma taxa de desconto, que irá refletir o risco associado ao mercado, empresa e estrutura de capital. RESULTADOS A companhia já realiza a avaliação e ajuste periódico do seu ativo biológico em conformidade com o pronunciamento técnico do CPC-29. Os cálculos apresentados pela equipe responsável por essa avaliação foram analisados e validados pela APSIS. Após análise, concluíram os peritos que o ativo biológico da empresa já está contabilizado a mercado, não apurando, dessa forma, nenhum ajuste a mercado. Laudo SP-0372/13-01 Anexo 1 7

41 ANEXO 2

42 COMODORO PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIAL LEVANTADO EM 30 DE OUTUBRO DE 2013 EM R$ ATIVO PASSIVO Circulante Caixa e Bancos 1.000, ,00 Não Circulante PATRIMÔNIO LÍQUIDO Invest. Valor patrimonial partic. em Klabin S.A ,53 Capital ,53 Participação nas reservas de Klabin S.A ,49 Reserva de Reavaliação de Klabin S.A , ,02 Ajuste de Avaliação Patrimonial em Klabin S.A ,44 Reserva de lucros - Ativos Biológicos em Klabin S.A , ,02 TOTAL DO ATIVO ,02 TOTAL DO PASSIVO ,02

43 RIOPRIMA PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIAL LEVANTADO EM 30 DE OUTUBRO DE 2013 EM R$ ATIVO PASSIVO Circulante Caixa e Bancos 1.000, ,00 Não Circulante PATRIMÔNIO LÍQUIDO Invest. Valor patrimonial partic. em Klabin S.A ,72 Capital ,72 Participação nas reservas de Klabin S.A ,79 Reserva de Reavaliação de Klabin S.A , ,51 Ajuste de Avaliação Patrimonial em Klabin S.A ,43 Reserva de lucros - Ativos Biológicos em Klabin S.A , ,51 TOTAL DO ATIVO ,51 TOTAL DO PASSIVO ,51

44 ANEXO 3

DATA BASE: 31 de agosto de 2006.

DATA BASE: 31 de agosto de 2006. LAUDO RJ-0237/06-01 DATA BASE: 31 de agosto de 2006. SOLICITANTE: ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A., companhia aberta, com sede na Cidade de Curitiba, Estado do Paraná, localizada na Rua Emílio Bertolini,

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0475/08-03 1/3 VIAS

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0475/08-03 1/3 VIAS LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0475/08-03 1/3 VIAS LAUDO RJ-0475/08-03 DATA: 31 de julho de 2008. SOLICITANTE: TOTVS S.A., com sede na Av. Braz Leme, 1631/2 andar, na Cidade e Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0356/08-01 1/3 VIAS

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0356/08-01 1/3 VIAS LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0356/08-01 1/3 VIAS LAUDO: RJ-0356/08-01 DATA BASE: 30 de junho de 2008 SOLICITANTE: ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A., companhia com sede na Av. Ruy Frazão Soares, nº 80, Barra da Tijuca,

Leia mais

LAUDO RJ-0604/08-02. DATA BASE: 31 de dezembro de 2008.

LAUDO RJ-0604/08-02. DATA BASE: 31 de dezembro de 2008. LAUDO RJ-0604/08-02 DATA BASE: 31 de dezembro de 2008. SOLICITANTE: LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A., com sede à Rua Oscar Freire, nº. 1.119 e 1.121, Cerqueira César, na Cidade e

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

DATA BASE: 30 de novembro de 2004

DATA BASE: 30 de novembro de 2004 LAUDO RJ-258/04 DATA BASE: 30 de novembro de 2004 SOLICITANTE: TELE NORTE LESTE PARTICIPAÇÕES S/A, com sede a Rua Humberto de Campos, 425 / 7º andar, Cidade do Rio de Janeiro, Estado de RJ, inscrito no

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Laudo de Avaliação RJ-0239/12-01 UB UNISÃOLUÍS EDUCACIONAL S.A.

Laudo de Avaliação RJ-0239/12-01 UB UNISÃOLUÍS EDUCACIONAL S.A. Laudo de Avaliação RJ-0239/12-01 UB UNISÃOLUÍS EDUCACIONAL S.A. LAUDO: RJ-0239/12-01 DATA BASE: 31 de dezembro de 2011. SOLICITANTE: ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S/A, sociedade anônima aberta com sede à Avenida

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00839-7 MANGELS INDUSTRIAL S.A. 61.065.298/0001-02 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

O que é ativo Intangível

O que é ativo Intangível O que é ativo Intangível Bens Intangíveis são aqueles bens que não podem ser tocados ou vistos, porque são incorpóreos (não tem corpo), ou seja, ativo intangível poderia ser definido, em termos práticos,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00414-6 KARSTEN S.A. 82.640.558/0001-04 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/29 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0475/08-02 1/3 VIAS

LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0475/08-02 1/3 VIAS LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0475/08-02 1/3 VIAS LAUDO RJ-0475/08-02 DATA: 30 de setembro de 2008. SOLICITANTE: TOTVS S.A., com sede na Av. Braz Leme, nº 1.631, 2 andar, Jardim São Bento, na Cidade e Estado de

Leia mais

Laudo de Avaliação AP-0450/15-02 TOTVS S.A., MAKIRA II EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A., BEMATECH S.A.

Laudo de Avaliação AP-0450/15-02 TOTVS S.A., MAKIRA II EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A., BEMATECH S.A. Laudo de Avaliação AP-0450/15-02 TOTVS S.A., MAKIRA II EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A., BEMATECH S.A. LAUDO: AP-0450/15-02 DATA-BASE: 31 de março de 2015 SOLICITANTE: TOTVS S.A., doravante denominada

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 TREVISA INVESTIMENTOS S.A. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A. Índice

Raízen Combustíveis S.A. Índice Raízen Combustíveis S.A. Índice Balanço patrimonial...2 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A.

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. 31 de dezembro de 2011 e 2010 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras individuais e consolidadas

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

Belém Bioenergia Brasil S.A.

Belém Bioenergia Brasil S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 17.132 16.233 Fornecedores (Nota 11) 7.768 48.741

Leia mais

GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A.

GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A. GRUPO VIRGOLINO DE OLIVEIRA AGROPECUÁRIA NOSSA SENHORA DO CARMO S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS INDIVIDUAIS E CONSOLIDADAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 30 DE ABRIL DE 2010 E 2009 E PARECER DOS AUDITORES

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014

Parque Eólico Assuruá VII. Relatório dos Auditores Independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 Parque Eólico Assuruá VII Demonstrações contábeis Referentes aos exercícios findos em 31

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 (IASB) (parte) Descrição Item Objetivo 1 Alcance e Finalidade

Leia mais

Demonstrações Financeiras Companhia Ligna de Investimentos

Demonstrações Financeiras Companhia Ligna de Investimentos Demonstrações Financeiras Companhia Ligna de Investimentos com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras individuais e consolidadas Índice Relatório dos auditores independentes...1

Leia mais

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A.

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

MARTHI COMÉRCIO DO VESTUÁRIO LTDA

MARTHI COMÉRCIO DO VESTUÁRIO LTDA MARTHI COMÉRCIO DO VESTUÁRIO LTDA LAUDO DE AVALIAÇÃO RJ-0604/08-03 1/3 VIAS LAUDO RJ-0604/08-03 DATA BASE: 31 de dezembro de 2008. SOLICITANTE: LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A., com

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Luz Franquias S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Luz Franquias S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Laudo de Avaliação RJ-0263/11-01. NOVA ACADEMIA DE CONCURSOS Cursos Preparatórios Ltda.

Laudo de Avaliação RJ-0263/11-01. NOVA ACADEMIA DE CONCURSOS Cursos Preparatórios Ltda. Laudo de Avaliação RJ-0263/11-01 NOVA ACADEMIA DE CONCURSOS Cursos Preparatórios Ltda. LAUDO: RJ-0263/11-01 DATA BASE: 07 de abril de 2011. SOLICITANTE: ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A., com sede à Av. Embaixador

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2009 e ao Período de 13 de Maio a 31 de Dezembro de 2008 e Parecer

Leia mais

Demonstracoes Financeiras. Financial Statements

Demonstracoes Financeiras. Financial Statements Demonstracoes Financeiras Financial Statements Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Laudo de Avaliação RJ-0150/12-01a MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S/A PORTX OPERAÇÕES PORTUÁRIAS S/A

Laudo de Avaliação RJ-0150/12-01a MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S/A PORTX OPERAÇÕES PORTUÁRIAS S/A Laudo de Avaliação RJ-0150/12-01a MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S/A PORTX OPERAÇÕES PORTUÁRIAS S/A LAUDO: RJ-0150/12-01a DATA BASE: 31 de março de 2012. SOLICITANTES: MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S/A, sociedade

Leia mais

INPA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS SANTANA S.A.

INPA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS SANTANA S.A. INPA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS SANTANA S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Acionistas e Administradores

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Kloeckner Metals Brasil S.A.

Kloeckner Metals Brasil S.A. Kloeckner Metals Brasil S.A. Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Audifisco Auditoria Fiscal e Contábil S/S. Rua Santa

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 81674 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações de resultados abrangentes 7 Demonstrações

Leia mais

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos Administradores e Quotistas

Leia mais

Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas

Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas Cerradinho Participações S.A. (Anteriormente denominada Cerradinho Holding S.A.) e Controladas Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2012

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Laudo de Avaliação RJ-0168/11-01. ANEC Sociedade Natalense de Educação e Cultura Ltda.

Laudo de Avaliação RJ-0168/11-01. ANEC Sociedade Natalense de Educação e Cultura Ltda. Laudo de Avaliação RJ-0168/11-01 ANEC Sociedade Natalense de Educação e Cultura Ltda. LAUDO: RJ-0168/11-01 DATA BASE: 22 de fevereiro de 2011. SOLICITANTE: ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A., com sede à Av. Embaixador

Leia mais

Super 25 Comércio Eletrônico de Óculos e Acessórios S.A.

Super 25 Comércio Eletrônico de Óculos e Acessórios S.A. Super 25 Comércio Eletrônico de Óculos e Acessórios S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A.

Salus Infraestrutura Portuária S.A. Salus Infraestrutura Portuária S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

Direcional Engenharia S.A. 1. Contexto operacional

Direcional Engenharia S.A. 1. Contexto operacional Notas explicativas às demonstrações financeiras 1. Contexto operacional A Direcional Engenharia S.A. ( Direcional ou Companhia ) é uma Companhia de capital aberto organizada segundo as leis societárias

Leia mais

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011

Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 5) 45.431 15.305 Financiamentos e empréstimos (Nota 12) 71.389 40.388

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas 31 de dezembro de 2012 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações contábeis 31 de dezembro

Leia mais