ESTUDO DA ADOÇÃO DO AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL, EXIGIDO PELA LEI /2007, PELAS EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES LISTADAS NA BM&FBOVESPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA ADOÇÃO DO AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL, EXIGIDO PELA LEI 11.638/2007, PELAS EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES LISTADAS NA BM&FBOVESPA"

Transcrição

1 ESTUDO DA ADOÇÃO DO AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL, EXIGIDO PELA LEI /2007, PELAS EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES LISTADAS NA BM&FBOVESPA Graciela Dias Coelho Jones (UFU) Rayanne Silva Barbosa (UFU) Tamires Sousa Araujo (UFU) O trabalho tem o objetivo de verificar se as empresas do setor de Telecomunicações estão adotando o Ajuste de Avaliação Patrimonial, exigido a partir da Lei nº /2007. Adicionalmente, analisa os impactos da realização do Ajuste de Avalliação Patrimonial no Patrimônio Líquido das empresas do setor de Telecomunicações, listadas na Bm&FBovespa, que realizaram o ajuste no exercício de Realizou-se um estudo de caráter exploratório e metodologia qualitativa, com procedimento de coleta de dados documental e bibliográfica, de forma indireta. Para análise dos resultados foi realizada uma avaliação das Notas Explicativas e dos Balanços Patrimoniais da empresas do setor. O trabalho busca responder a seguinte questão: As empresas do setor de Telecomunicações estão adotando o Ajuste de Avaliação Patrimonial, exigido pela Lei nº /2007? Para isso, foi analisado o setor de Telecomunicações, por meio de levantamento de informações no site da Bm&FBovespa, dividindo este setor em três grupos: As empresas que fazem, as que não fazem e as que somente citam em suas Notas Explicativas o Ajuste de Avaliação Patrimonial. Como resultado, obteve-se que apenas 24% das dezessete empresas do setor de telecomunicações fazem o cálculo deste ajuste, ou seja, 76% dessas empresas não ajustaram os seus Balanços Patrimoniais de acordo com a legislação vigente, no que se refere ao Ajuste de Avaliação Patrimonial. Os impactos da realização do referido ajuste para as empresas que o realizaram são apresentados no decorrer do desenvolvimento do trabalho. Observou-se que a representatividade da conta Ajuste de Avaliação Patrimonial é maior nas empresas que apresentaram essa conta em forma redutora do Patrimônio Líquido. PALAVRAS-CHAVES: Ajuste de Avaliação Patrimonial. Patrimônio Líquido. Notas Explicativas. Balanço Patrimonial.

2 Palavras-chaves: Ajuste de Avaliação Patrimonial. Patrimônio Líquido. Notas Explicativas. Balanço Patrimonial. 2

3 1. Introdução A Lei nº de 2007 trouxe expressivas mudanças para o cenário atual e grandes alterações nas práticas contábeis brasileiras, no sentido de aproximação às Normas Internacionais. De acordo com Lemes e Carvalho (2010, p. 3), as Normas Internacionais nasceram nos anos 70 buscando abranger não apenas questões especificamente contábeis, mas também todo o espectro de temas envolvidos no conceito de divulgação de desempenho operacional por meio de balanços, demonstrações de fluxos de caixa e notas explicativas respectivas. O Ajuste de Avaliação Patrimonial foi uma conta criada, a partir da Lei nº /2007, no Patrimônio Líquido (PL). A lei entrou em vigor a partir de 1º de janeiro de 2008, trazendo a exigência de realização do ajuste no que se refere a avaliação a preço de mercado dos itens componentes do Balanço Patrimonial, no intuito de dar clareza ao Patrimônio Líquido das empresas. Assim, as empresas brasileiras passaram a incorporar as alterações e precisam estar preparadas para a adequação e prática da legislação vigente. Diante do assunto apresentado e da necessidade da adoção das mudanças por todas as empresas, este artigo visa responder ao seguinte problema de pesquisa: As empresas do setor de Telecomunicações estão adotando o Ajuste de Avaliação Patrimonial, exigido pela Lei nº /2007? Este estudo tem como objetivo verificar se as empresas do setor de Telecomunicações estão adotando o Ajuste de Avaliação Patrimonial, exigido a partir da Lei nº /2007. Adicionalmente, analisa os impactos da realização do Ajuste de Avaliação Patrimonial no Patrimônio Líquido das empresas do setor de Telecomunicações, listadas na Bm&FBovespa, que realizaram o ajuste, no exercício de Quanto a metodologia adotada para o desenvolvimento do trabalho tem-se que foi utilizado o método científico de abordagem classificado como dedutivo, quanto a classificação da pesquisa. Quanto ao objetivo classifica-se como exploratória, tendo a abordagem do problema de pesquisa classificada como qualitativa. Em relação aos procedimentos adotados na coleta de dados foi utilizada a fonte de papel, com ênfase nas pesquisas bibliográficas e documentais. No presente trabalho, foram estudadas as empresas brasileiras do setor de Telecomunicações listadas no site da Bm&FBovespa. Foram analisadas as Notas Explicativas e os Balanços Patrimoniais das referidas empresas, do exercício social de 2009, identificando se essas apresentam informações sobre o Ajuste de Avaliação Patrimonial e sobre a sua realização. A relevância deste trabalho e do estudo sobre o assunto baseia-se na importância do tema para a atualidade, por se tratar de uma exigência ainda recente, trazida pela Lei nº /2007. Também, o trabalho contribui para futuras pesquisas e informações sobre as mudanças exigidas pela lei no que se refere à utilização do Ajuste de Avaliação Patrimonial pelas empresas. Como uma contribuição prática, acredita-se que a discussão sobre o tema pode contribuir para empresas do setor de Telecomunicações, para empresas de outros setores e para os stakeholders, que anseiam por esclarecimentos sobre essa nova exigência trazida pela lei. Este trabalho está estruturado da seguinte maneira: No presente tópico tem-se a Introdução, seguido do tópico dois com a apresentação do Referencial Teórico. No terceiro tópico tem-se a Metodologia. No quarto tópico são descritos os Resultados do trabalho. Por fim, o tópico cinco apresenta as Considerações Finais. 3

4 2. Referencial Teórico 2.1 Os impactos da Lei nº /2007 Considerando as necessidades de harmonização às Normas Internacionais (INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARDS - IFRS), foi criado o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) que originou a Lei nº /2007. O Artigo 177, parágrafo 5º da Lei nº /2007 afirma: As normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários a que se refere o 3o deste artigo deverão ser elaboradas em consonância com os padrões internacionais de contabilidade adotados nos principais mercados de valores mobiliários. Em 28 de dezembro de 2007 foi promulgada a Lei nº /2007, como afirma o Comunicado ao Mercado em 14/01/2008 pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), com o objetivo de alterar e modificar as Leis nº 6.404/1976 e nº 6.385/1976. O início da adoção pelas Sociedades por Ações da Lei nº /2007 ocorreu a partir de 1º de janeiro de 2008, sendo inserida para a melhoria das normas contábeis, tornando-as mais claras e tendo um nível maior de comparação com as Normas Internacionais. A existência de profissionais atualizados torna-se muito importante, pois houveram mudanças significativas na contabilidade, e como afirmam Braga e Almeida (2008, p. 3), essa lei visa adequar disposições da Lei das Sociedades por Ações, principalmente aquelas que tratam da matéria contábil, à nova realidade da economia brasileira, [...] da globalização dos mercados, [...] e dos Princípios Fundamentais de Contabilidade. Dentre todas as mudanças trazidas pela Lei nº /2007, tem-se a classificação do Ativo e do Passivo em Circulante e Não Circulante ; extinção do grupo Ativo Permanente, do subgrupo Ativo Diferido e do grupo Resultados de Exercícios Futuros ; destinação do saldo de Lucros Acumulados; implantação da apuração do Ajuste a Valor Presente de elementos do ativo e do passivo; criação do subgrupo Intangível no grupo do Ativo Não Circulante, e no Patrimônio Líquido, da conta de Ajustes de Avaliação Patrimonial (RESOLUÇÃO CFC nº /09, p. 5). A finalidade da contabilidade é fornecer informações para pessoas jurídicas e físicas, no que se refere à situação financeira, econômica, física e de produtividade das entidades, tendo necessidade de modificações e alterações para a melhoria de entendimento e concisão entre balanços. A informação tempestiva e fidedigna representa uma das características elementares da Contabilidade e a representatividade da informação contábil toma lugar de destaque no presente momento (BARBOSA; CARLIN; VICTOR, 2009). No intuito de aprimorar a contabilização em alguns aspectos foi sancionada a Lei nº /2007 e através desta lei, algumas contas do Balanço Patrimonial foram extintas, assim como novas contas foram criadas, sendo uma delas a conta de Ajuste de Avaliação Patrimonial. No próximo sub-tópico, será discorrido sobre a criação da referida conta de Ajuste de Avaliação Patrimonial. 2.2 A criação da conta Ajuste de Avaliação Patrimonial O Ajuste de Avaliação Patrimonial foi uma conta criada no Patrimônio Líquido, a partir da Lei nº /2007, muito importante para a contabilidade. O mecanismo desta conta baseiase no registro de valores que já pertence ao Patrimônio Líquido, porém que ainda não transitaram pelo resultado (SANTOS; ALENCAR, 2010). Esta idéia é reforçada no suplemento do Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações 4

5 (IUDICIBUS; MARTINS; GELBCKE, 2009, p. 36) da seguinte forma: a conta de Ajuste de Avaliação Patrimonial tem como grande objetivo registrar valores que, já pertencentes ao Patrimônio Líquido não transitaram ainda pela conta do resultado do exercício, mas o farão no futuro. De acordo com Braga e Almeida (2008, p. 120), as entidades, via de regra, vinham dando às transações a prazo o mesmo tratamento contábil das operações à vista, ignorando o custo do dinheiro ao longo do tempo, deixando de reconhecer despesas e receitas financeiras incluídas nas transações e apurando resultados distorcidos. O Ajuste de Avaliação Patrimonial surgiu para dar clareza no Balanço Patrimonial, no que se refere a avaliação à preço de mercado. Essa nova conta está inserida no Balanço Patrimonial da empresa, mas especificamente no grupo Patrimônio Líquido, podendo ser tanto uma conta de ajuste que pode aumentar ou reduzir o valor de um item do ativo ou do passivo. Esta conta é utilizada para demonstrar as alterações de valores de ativos e passivos em relação ao valor de mercado. Na Lei nº /2007, que norteia os aspectos referentes ao Ajuste de Avaliação Patrimonial, pode-se encontrar: Artigo 182, parágrafo 3º: Serão classificadas como ajustes de avaliação patrimonial, enquanto não computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de competência, as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor atribuído a elementos do ativo ( 5 o do art. 177, inciso I do caput do art. 183 e 3 o do art. 226 desta Lei) e do passivo, em decorrência da sua avaliação a preço de mercado. Artigo 183, inciso I do artigo: as aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos, e em direitos e títulos de créditos, classificados no ativo circulante ou no realizável em longo prazo: a) Pelo seu valor de mercado ou valor equivalente, quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda; e b) Pelo valor de custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização, quando este for inferior, no caso das demais aplicações e os direitos e títulos de crédito. Artigo 226, parágrafo 3º: Nas operações referidas no caput deste artigo, realizadas entre partes independentes e vinculadas à efetiva transferência de controle, os ativos e passivos da sociedade a ser incorporada ou decorrente de fusão ou cisão serão contabilizados pelo seu valor de mercado. A Comissão de Valores Imobiliários (CVM) no comunicado de 14 de janeiro de 2008 (CVM, 2008, p. 3), com o objetivo de esclarecer sobre a aplicação da Lei nº /2007, afirma quanto a conta Ajuste de Avaliação Patrimonial: [...] servirá essencialmente para abrigar a contrapartida de determinadas avaliações de ativos a preço de mercado, especialmente a avaliação de determinados instrumentos financeiros e, ainda, os ajustes de conversão em função da variação cambial de investimentos societários no exterior. O Ajuste de Avaliação Patrimonial pode ser feito em casos como incorporação de sociedades, fusão, cisão, reestruturação societária com participação acionária, instrumentos financeiros ativos disponíveis para venda, instrumentos financeiros derivativos de proteção de fluxos de caixa e variação cambial de investimentos societários no exterior avaliado pelo método de 5

6 equivalência patrimonial (BRAGA; ALMEIDA, 2008, p ). Como afirmam Santos e Alencar (2010) o Ajuste de Avaliação Patrimonial é classificada dentro do Patrimônio Líquido e faz parte de resultados que um dia passarão por resultados de exercício porém não deve ser considerada como a reserva de lucro. Sobre Reserva de Lucros a Realizar considera-se: [...] realizada a parcela do lucro líquido do exercício que exceder da soma dos seguintes valores: o resultado líquido positivo da equivalência patrimonial e o lucro, rendimento ou ganho líquidos em operações ou contabilização de ativo e passivo pelo valor de mercado, cujo prazo de realização financeira ocorra após o término do exercício social seguinte (CPC, 2008). De acordo com Lemes e Carvalho (2010, p. 146), dentre as Normas Internacionais em vigor em 2009, a IAS 36 tem por objetivo assegurar que os ativos de uma entidade não sejam apresentados nas demonstrações contábeis por valor acima de seu valor recuperável [...]. Nesse caso, a entidade deverá ajustar o valor contábil reconhecendo uma perda por impairment. Segundo Carvalho, Lemes e Costa (2008, p. 142), a ocorrência do impairment é quando identificado que o valor contábil do imobilizado é maior do que o seu valor recuperável, a empresa deverá reduzir o valor contábil ao seu valor justo, se menor. Sendo este impairment contabilizado na conta Ajuste de Avaliação Patrimonial. Neste sentido, a contabilidade brasileira está se aproximando das Normas Internacionais. Quanto ao Valor justo (fair value), pode ser definido como o valor que um ativo pode ser negociado e o valor que um passivo pode ser liquidado como afirmam Santos e Alencar (2010). Já o Valor Recuperável, para Lemes e Carvalho (2010, p. 147), é o maior entre o valor justo menos os custos para vender e o valor em uso do ativo ou da unidade geradora de caixa. A seguir, será discorrido sobre o formato das Notas Explicativas e como as empresas devem explicitá-las para atender aos usuários e às Normas Brasileiras de Contabilidade. 2.3 Formatos das Notas Explicativas As notas explicativas são de grande importância para o universo contábil, sendo que nelas estão contidas todas as informações necessárias para que os usuários das demonstrações contábeis possam entender o que foi realizado pela empresa no decorrer do período contábil e os itens presentes no Balanço Patrimonial da empresa. De acordo com Santos e Alencar (2010), não há limitação do tipo de informação que deva ser divulgada, qualquer tipo de informação necessária ao esclarecimento do que foi evidenciado deve ser objeto de notas explicativas. No Suplemento do Manual de Contabilidade por Ações contém três incisos que são de grande importância para a orientação das Notas Explicativas de acordo com a medida provisória n 449/2008, artigo 176: I apresentar informações sobre a base de preparação das demonstrações financeiras e das práticas contábeis específicas selecionadas e aplicadas para negócios e eventos significativos; II divulgar as informações exigidas pelas práticas contábeis adotadas no Brasil que não estejam apresentadas em nenhuma outra parte das demonstrações financeiras; III fornecer informações adicionais não indicadas nas próprias demonstrações financeiras e consideradas necessárias para uma apresentação adequada (IUDICIBUS; MARTINS; GELBCKE 2009, p. 54). 6

7 A principal finalidade das Notas Explicativas é esclarecer e apresentar informações detalhadas sobre itens presente no Balanço Patrimonial. Em relação à apresentação das Notas Explicativas, a Resolução CFC nº. 737/92 (1992, p. 3), determina: NBC T 6.2 DO CONTEÚDO DAS NOTAS EXPLICATIVAS DISPOSIÇÕES GERAIS Esta norma trata das informações mínimas que devem constar das notas explicativas. Informações adicionais poderão ser requeridas em decorrência da legislação e outros dispositivos regulamentares específicos em função das características da Entidade. Com a atualização das normas contábeis, há uma necessidade maior de Notas Explicativas mais claras, por isso existem resoluções, como por exemplo a do CFC citada anteriormente, que mostram a importância e a obrigatoriedade das notas explicativas. Para que haja uma padronização em relação as Notas Explicativas, a Resolução CFC 737/92, (1992, p. 3) observa: ASPECTOS A OBSERVAR NA ELABORAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS Os seguintes aspectos devem ser observados na elaboração das notas explicativas: as informações devem contemplar os fatores de integridade, autenticidade, precisão, sinceridade e relevância; os textos devem ser simples, objetivos, claros e concisos; os assuntos devem ser ordenados obedecendo a ordem observada nas demonstrações contábeis, tanto para os agrupamentos como para as contas que os compõem; os assuntos relacionados devem ser agrupados segundo seus atributos comuns; os dados devem permitir comparações com os de datas de períodos anteriores; as referências a leis, decretos, regulamentos, normas brasileiras de contabilidade e outros atos normativos devem ser fundamentadas e restritas aos casos em que tais citações contribuam para o entendimento do assunto tratado na nota explicativa. A procura de Notas Explicativas mais claras é uma das intenções de novas leis e de padrões a serem respeitados pelo universo contábil, como mostra na citação anterior referente a Resolução de 1992, quando já havia uma necessidade de maior zelo com essas notas explicativas. No próximo tópico, será apresentada a metodologia adotada para o desenvolvimento do presente trabalho. 3. Metodologia Este trabalho apresentou como método científico de abordagem a classificação dedutiva, pois como afirma Marconi e Lakatos (2003, p. 91) o dedutivo tem o propósito de explicar o conteúdo das premissas. Tem como objetivo verificar se as empresas do setor de Telecomunicações estão adotando o Ajuste de Avaliação Patrimonial, exigido a partir da Lei nº /2007. Adicionalmente, analisa os impactos da realização do Ajuste de Avaliação Patrimonial no Patrimônio Líquido das dezessete empresas do setor de Telecomunicações, listadas na Bm&FBovespa, no exercício de Assim sendo realiza-se um estudo de caráter exploratório, que segundo Gil (1999, p. 43) é desenvolvido com o objetivo de proporcionar uma visão aproximativa, e busca-se contribuir para o conhecimento a respeito do Ajuste de Avaliação Patrimonial. Quanto a abordagem do problema de pesquisa é considerado qualitativo, pois não foram adotados instrumentos estatísticos, utilizando-se de análise e compreensão de dados. Richardson (1988, p. 39) explica que os estudos que empregam uma metodologia qualitativa 7

8 podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a intervenção de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais. O desenvolvimento desse trabalho fez-se em três etapas, sendo a primordial a escolha de um setor que tivesse uma grande relevância para a economia do país. A busca foi feita pelas S.A.s listadas no site da Bm&FBovespa, sendo este o universo da pesquisa e a amostra escolhida foi setor o de Telecomunicações, que apresenta dezessete empresas, sendo dez do subsetor telefonia fixa e sete do subsetor de telefonia móvel. Utilizou-se do procedimento de coleta de dados documental e bibliográfica, de forma indireta. De acordo com Marconi e Lakatos (2003, p. 174) toda pesquisa implica o levantamento de dados de variadas fontes. Para análise dos resultados foi realizada uma avaliação das Notas Explicativas e dos Balanços Patrimoniais da empresas do setor de Telecomunicações no que se refere ao Ajuste de Avaliação Patrimonial. Foram utilizadas para a pesquisa apenas informações referentes ao exercício social de 2009, pois as demonstrações do exercício de 2010 ainda não estavam disponíveis no momento da realização da presente pesquisa. Foram pesquisados todos os casos das empresas que apresentaram no Balanço Patrimonial valores para a controladora e consolidado, porém foram utilizados os valores expressos no consolidado. Para a análise, as empresas do setor de Telecomunicações foram divididas em três subgrupos: as que fazem, as que não fazem e as que citam mais não fazem o Ajuste de Avaliação Patrimonial. Por fim, foram analisados os impactos da realização do Ajuste de Avaliação Patrimonial no Patrimônio Líquido das empresas que realizaram o ajuste no exercício social de Apresentação dos resultados A competição no setor de telecomunicações é muito grande e envolve poucos grandes grupos explorando simultaneamente diversos desses sub-segmentos. As empresas listadas na Bm&FBovespa no setor de Telecomunicações, com os sub-setores telefonia fixa e telefonia móvel são apresentadas no Quadro 1, a seguir: Brasil Telecom S.A. Telefonia fixa Cia Telecomunicações do Brasil Central Coari Participações S.A Embratel Participações S.A. Jereissati Participações S.A. La Fonte Telecom S.A. LF TEl S.A. Tele Norte Leste Participações S.A. Telec de São Paulo S.A. - TELESP Telefonica S.A. Telemar Norte Leste S.A. Telemar Participações S.A. Razão Social Americel S.A. Telefonia móvel Inepar Telecomunicações S.A. Tele norte Celular Participações S.A. TIM Participações S.A. Vivo Participações S.A. Fonte: Bm&FBovespa (2011) Quadro 1 Empresas do setor de telecomunicações listadas na Bm&FBovespa O Quadro 1 apresentou as dezessete empresas do setor de Telecomunicações, objetos de 8

9 análise do presente estudo, considerando a subdivisão entre telefonia móvel e fixa. A seguir são apresentadas as análises feitas com base nos Balanços Patrimoniais e Notas Explicativas das empresas do setor de Telecomunicações e seus respectivos subsetores, que apresentaram ou não no seu Patrimônio Líquido alusão com o Ajuste de Avaliação Patrimonial. De acordo com as análises das empresas do setor de Telecomunicações estudadas, considerou-se para fins de estudo, a classificação dessas empresas (Tabela 1) em 3 grupos: As empresas que fazem o Ajuste de Avaliação Patrimonial, as que não fazem e as que não fazem mais citam o ajuste em suas Notas Explicativas de Jereissati Fazem Não fazem Somente citam Cia Telecomunicações do Brasil Central Brasil Telecom La Fonte Embratel Coari TELESP Telefônica Telemar Norte Leste LF TEL Tele Norte Leste Participações Tele Norte Celular Participações Americel Inepar Telecomunicações Tim Participações Vivo Participações Telemar Participações Tabela 1 Classificação das empresas em relação ao Ajuste de Avaliação Patrimonial Mostra-se no Gráfico 1 a seguir, a porcentagem das empresas que publicaram em seus Balanços Patrimoniais a conta de Ajuste de Avaliação Patrimonial, de acordo com a Lei nº /2007, no exercício de Gráfico 1 Empresas listadas na Bm&FBovespa em relação ao Ajuste de Avaliação Patrimonial em % Constata-se que apenas 24% das 17 (dezessete) empresas realizaram devidamente o ajuste, de acordo com o Gráfico 1, ou seja, quase 80% das empresas estudadas não fazem o Ajuste de Avaliação Patrimonial. Constata-se que 35% das empresas pesquisadas apenas citam em suas Notas Explicativas o ajuste. Observa-se que 76% das empresas do setor de Telecomunicações não estão cumprindo o que determina a Lei nº /2007, conforme foi constatado no exercício social de 2009, por 9

10 meio da análise dos Balanços Patrimoniais e Notas Explicativas das mesmas. Isso demonstra que tais empresas não estão adequando os seus Balanços de acordo com a lei, que entrou em vigor a partir de Apresenta-se nas tabelas a seguir a representatividade de cada conta do Patrimônio Líquido das empresas que fazem o Ajuste de Avaliação Patrimonial. Utilizou-se da técnica da Análise Vertical, tomando-se como base o valor total do Patrimônio Líquido das empresas, para identificar a participação de cada uma das contas na composição do Patrimônio Líquido. Desta forma, identificou-se a representatividade da conta Ajuste de Avaliação Patrimonial no Patrimônio Líquido de cada uma das referidas empresas. Considerando apenas as empresas do setor de Telecomunicações que realizaram o Ajuste de Avaliação Patrimonial no exercício de 2009, tem-se: a Jereissati, a La Fonte Telecom S.A, a TELESP e a LF TEL. A Tabela 2 apresenta a análise da composição do Patrimônio Líquido da empresa Jereissati. Patrimônio Líquido (Valores expressos em milhares de reais - R$) Contas Valores % Participação em relação ao PL Capital Social ,94% Reserva de Capital ,44% Reserva de Lucros ,39% Ações em Tesouraria ,38% Ajuste de Avaliações Patrimoniais ,39% Total Pat. Líquido % Tabela 2 Patrimônio Líquido da Jereissati Participações S.A. De acordo com a Tabela 2, podem ser observado os valores e a percentagem de cada conta do Patrimônio Líquido da empresa Jereissati, em relação ao valor total do Patrimônio Líquido. A conta Capital Social apresentou a maior participação na constituição do PL com o valor de R$ mil e 59,94% do mesmo. A conta Reserva de Capital representou 0,44% do total do PL com o valor de R$ mil. Já Reserva de Lucros, representou a segunda maior participação com 43,39% e R$ mil em valor real. A conta Ações em Tesouraria apresentou o valor negativo de R$ mil, e por isso sua percentagem também é apresentada de forma negativa com 0,38%. O mesmo aconteceu com a conta Ajuste de Avaliação Patrimonial que apresentou o valor negativo de R$ mil e a representatividade de 3,39% também negativa, fechando assim o valor total do Patrimônio Líquido em R$ mil. Na sequência, a Tabela 3 apresenta a análise da composição do Patrimônio Líquido da empresa La Fonte Telecom S.A. Patrimônio Líquido (Valores expressos em milhares de reais - R$) Contas Valores % Participação em relação ao PL Capital social ,29% Reservas de Capital 725 0,73% Ajuste de Avaliação Patrimonial ,92% Prejuízos Acumulados ,10% Total Pat. Líquido % 10

11 Tabela 3 - Patrimônio Líquido da La Fonte Telecom S.A. Na tabela 3, que se refere às contas discriminadas do Patrimônio Líquido da empresa La Fonte Telecom S.A, o valor da conta Capital Social é apresentado com valor elevado se comparado ao valor total do Patrimônio Líquido, sendo aquele no valor de R$ mil e sua percentagem 228,29%. Já Reservas de Capital, apresentou o valor de R$ 725 mil e 0,73% do valor total do PL. A conta Ajuste de Avaliação Patrimonial teve o valor negativo de R$ mil e sua participação em percentagem em relação ao PL foi de 37,92% negativo, caso semelhante à conta Prejuízos Acumulados, que é uma conta redutora e apresentou o valor negativo de R$ mil e 91,10% negativo em relação ao total do PL que totalizou R$ mil. Sequenciando a análise do Patrimônio Líquido das empresas que realizaram o Ajuste de Avaliação Patrimonial, a Tabela 4 apresenta a composição do Patrimônio Líquido da Empresa Telecomunicações de São Paulo S.A (TELESP). Patrimônio Líquido (Valores expressos em milhares de reais - R$) Contas Valores % Participação em relação ao PL Capital Social ,38% Reserva Especial de Ágio ,63% Reservas de Capital ,55% Reservas de Lucros ,56% Ajuste de Avaliação Patrimonial ,90% Ajuste Acumulado de Conversão ,02% Total Pat. Líquido % Tabela 4 - Patrimônio Líquido da Telecomunicações de São Paulo S.A. (TELESP) Como pode ser observado na tabela 4, que trata do Patrimônio Líquido da empresa TELESP, a conta Capital Social apresentou o valor de R$ mil que representou 65,38% do valor total do PL. Já a conta Reserva Especial de Ágio, representou 0,63% do PL com o valor de R$ mil. A conta Reservas de Capital é a segunda maior conta em valor, com R$ mil e uma representatividade de 26,55% do total do PL. A conta Reservas de Lucros constituiu 6,56% do valor final do PL com R$ mil. Já o Ajuste de Avaliação Patrimonial, apresentou-se de forma positiva com o valor de R$ mil e representou 0,90% do valor do PL. Por último, tem-se a conta Ajuste Acumulado de Conversão com o valor negativo de R$ mil e representação de 0,02% negativo do total do PL, que totalizou um valor de R$ mil. A seguir, a Tabela 5, apresenta a abertura das contas do Patrimônio Líquido da LF TEL S.A e a análise da composição de suas contas, ou seja, a participação de cada uma delas em relação à base (PL). Patrimônio Líquido (Valores expressos em milhares de reais - R$) Contas Valores % Participação em relação ao PL Capital social ,31% Reservas de Capital 690 0,34% Reserva de Lucros - 0,00% Ajuste de Avaliação Patrimonial ,92% 11

12 Prejuízos Acumulados ,73% Total Pat. Líquido % Tabela 5 Patrimônio Líquido da LF TEL S.A. A tabela 5 apresenta as contas do grupo Patrimônio Líquido da empresa LF TEL S.A, que é constituído por cinco contas: O Capital Social que apresentou o valor de R$ mil e representou 152,31% do valor total do PL, a conta Reservas de Capital com o valor de R$ 690 mil e 0,34% de participação no valor total do PL. Já a conta Reserva de Lucros, não apresentou valores, ou seja, não teve movimentação no período. A conta Ajuste de Avaliação Patrimonial participou com o R$ mil negativos e representou 21,92% negativo do valor do PL. Por último, a conta Prejuízos Acumulados apresentou o valor de R$ mil negativos e sua percentagem também negativa no valor de 30,73% do PL. O Patrimônio Líquido totalizou um valor de R$ mil. A seguir, tem-se uma tabela resumo (Tabela 6), que apresenta a representatividade da conta Ajuste de Avaliação Patrimonial no Patrimônio Líquido das empresas que realizaram o referido ajuste, no exercício social de Na primeira coluna são apresentados os nomes das empresas, na segunda coluna tem-se o valor total do Patrimônio Líquido de cada uma, na terceira coluna o valor da conta Ajuste de Avaliação Patrimonial das mesmas e na última coluna o percentual do Ajuste de Avaliação Patrimonial em relação ao Patrimônio Líquido de cada uma das empresas. Empresa Valor Total do Patrimônio Líquido (*) Valor Ajuste de Avaliação Patrimonial (*) % Ajuste de Avaliação Patrimonial em relação ao Patrimônio Líquido Jereissati ,39% La Fonte ,92% Telesp ,90% LF Tel ,92% Tabela 6 Representatividade do Ajuste de Avaliação Patrimonial no PL das empresas. * Valores expressos em milhares de reais - R$ Analisando as quatro empresas que realizam o Ajuste de Avaliação Patrimonial, pode-se identificar que o referido ajuste feito pelas empresas apresentou valores negativos em três delas, sendo: na Jereissati, na La Fonte e na LF Tel. Já a TELESP, apresentou um valor muito pequeno se comparado ao valor final do Patrimônio Líquido da mesma. Pode-se verificar que a representatividade da conta Ajuste de Avaliação Patrimonial é maior nas empresas que apresentaram essa conta em forma redutora do Patrimônio Líquido. O Ajuste de Avaliação Patrimonial tem grande importância para as empresas que o realizaram, pois seu valor impacta na determinação do valor total do Patrimônio Líquido, positiva ou negativamente. A pesquisa mostrou o valor real do Patrimônio Líquido de cada empresa estudada, que cumpriu a Lei nº /2007, no que se refere o Ajuste de Avaliação Patrimonial, no exercício social de Independentemente da representatividade dos valores oriundos da sua realização, a legislação vigente passou a exigir a sua adoção à partir de Ressalta-se que a conta Ajuste de Avaliação Patrimonial foi criada com o objetivo de dar clareza e precisão nas informações fornecidas no Patrimônio Líquido das empresas, e desta 12

13 forma, contribuindo para que essas empresas estejam executando as boas práticas de Governança Corporativa. 5. Considerações Finais Por meio deste estudo qualitativo, realizou-se uma pesquisa exploratória para verificar se as empresas do setor de Telecomunicações estão adotando o Ajuste de Avaliação Patrimonial, exigido a partir da Lei nº /2007. Adicionalmente, analisou os impactos da realização do Ajuste de Avaliação Patrimonial no Patrimônio Líquido das empresas do setor de Telecomunicações, listadas na Bm&FBovespa, que realizaram o ajuste no exercício de Analisou-se também a representatividade de cada conta presente no Balanço Patrimonial das empresas que fazem o Ajuste de Avaliação Patrimonial, utilizando informações extraídas das Notas Explicativas e dos Balanços Patrimoniais de cada empresa. Observou-se que dentre as dezessete empresas estudadas apenas quatro realizaram o Ajuste de Avaliação Patrimonial, no seu Patrimônio Líquido, também identificou-se que cinco destas empresas citam em suas Notas Explicativas a possibilidade de usarem esta nova conta, e oito não realizaram e também não citaram nada sobre a referida conta. Sendo assim, foi verificada a necessidade da realização do Ajuste de Avaliação Patrimonial, por parte das empresas que não o realizaram, para atender à legislação vigente. Diante dos resultados desta pesquisa, pode-se afirmar que 41% das empresas do setor de Telecomunicações não realizaram o Ajuste de Avaliação Patrimonial, de acordo com análise dos seus Balanços Patrimoniais do exercício social de Apenas 24% das empresas pesquisadas realizaram este ajuste e 35% apenas citaram em suas Notas Explicativas a possibilidade da sua utilização. Assim, 76% das empresas deste setor não cumpriram o que determinou a Lei nº /2007, no que se refere ao Ajuste de Avaliação Patrimonial, no exercício social de Com isso, a resposta ao problema de pesquisa foi que a maioria das empresas do setor de Telecomunicações não adotou o que foi proposto pela Lei nº /2007, no exercício social de 2009, quanto ao Ajuste de Avaliação Patrimonial. As empresas que não o fizeram deveriam ao menos ter mencionado em suas Notas Explicativas sobre o referido ajuste. Podese afirmar que a conta Ajuste de Avaliação Patrimonial tem um grande impacto no Patrimônio Líquido, pois o seu valor reflete de forma significativa no mesmo, aumentando-o ou diminuindo-o. Quanto aos objetivos do trabalho, ressalta-se que os mesmos foram alcançados em parte, pois menos de 25% das empresas realizaram o Ajuste, no período de referência da pesquisa (exercício social de 2009), representando uma amostra pequena. Contudo, dentre as empresas que realizaram o ajuste foi possível analisar seus Balanços Patrimoniais e as Notas Explicativas para analisar os impactos da sua realização. Este estudo contribuiu com novas informações sobre as mudanças trazidas pela Lei nº /07 no que se refere à utilização do Ajuste de Avaliação Patrimonial, uma exigência ainda recente. Como uma contribuição prática, acredita-se que a discussão sobre o tema pode contribuir para empresas do setor de Telecomunicações, para empresas de outros setores e para os stakeholders que anseiam por esclarecimentos sobre essa nova exigência trazida pela lei. Sugere-se que sejam desenvolvidas outras pesquisas sobre o assunto com os Balanços Patrimoniais e Notas Explicativas referentes ao ano de 2010, para que seja possível realizar um comparativo entre o ano de 2009 e 2010, e inclusive identificar o aumento da aderência à legislação vigente, por parte das empresas do setor de Telecomunicações. Ressalta-se que esta pesquisa pode ser estendida a empresas de outros setores da economia. 13

14 Referências BARBOSA, M.A.G.; CARLIN, D.O. & VICTOR, F.G. O Ajuste a Valor Presente e o Fortalecimento da Teoria Contábil. Revista CRCRS n.11, jun Disponível em: <http://www.crcrs.org.br/revistaeletronica/.../11_marco_diego_fernanda.pdf>. Acesso em : 20 dez BM&FBOVESPA. Setor e Subsetores de Telecomunicações. Disponível em: <http://www. bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/buscaempresalistada.aspx?idioma=pt-br>. Acesso em dezembro de BRAGA, H.R.; ALMEIDA, M.C. Mudanças contábeis na lei societária: Lei nº , de São Paulo: Atlas, 2008, 305 p. BRASIL. Lei nº , de 28 de dezembro de Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. CARVALHO, L.N.; LEMES, S. & COSTA, F.M. Contabilidade Internacional: aplicação das IFRS ed. 2 reimp. São Paulo: Atlas, 2008, 271 p. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM. Esclarecimento ao mercado e consulta pública sobre ato normativo a ser emitido pela CVM, referente à aplicação da Lei nº /07 que altera dispositivos da Lei nº 6.404/76 sobre matéria contábil. Comunicado ao Mercado, de 14 de janeiro de COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC. Sancionada alteração na Lei societária que permite a adoção das normas internacionais a partir de Notícia divulgada em 04/01/2008. Disponível em: <http://www.cpc.org.br/noticias50.htm>. Acesso em fevereiro de CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC. Aprova a NBC T 6 Da Divulgação das Demonstrações Contábeis. Resolução nº. 737/92, de 27 de novembro de CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC. Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº /07 e MP nº. 449/08 devem ser tratados. Resolução nº /09, de 13 de fevereiro de GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999, 206 p. IUDICIBUS, S.; MARTINS, E. & GELBCKE, E.R. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações: aplicável às demais sociedades (Suplemento). 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009, 116 p. LEMES, S. & CARVALHO, L.N. Contabilidade Internacional para Graduação: textos, estudos de casos e questões de múltipla escolha. São Paulo: Atlas, MARCONI, M.A. & LAKATOS, E.M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003, 310 p. RICHARDSON, R.J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989, 286 p. SANTOS, A. & ALENCAR, R. Contabilidade Societária: uma nova abordagem (E-learning - cursos de curta duração). Aula 04: Patrimônio Líquido: Contas Novas e Contas Extintas. FIPECAFI, 2º Semestre de TELECO. Dados sobre o setor. Disponível em: <http://www.camarae.net/_upload/setor_de_telecomunicacoes_visao_estrutural_2006_tri_2_ pdf>. Acesso em julho de

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: AJUSTES DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL E AJUSTES DE CONVERSÃO Patrimônio Líquido Após as alterações Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Impacto da Ifric 13 nas Demonstrações Contábeis de Companhias que Possuem Programa de Fidelização de Clientes

Impacto da Ifric 13 nas Demonstrações Contábeis de Companhias que Possuem Programa de Fidelização de Clientes Impacto da Ifric 13 nas Demonstrações Contábeis de Companhias que Possuem Programa de Fidelização de Clientes Tamires Sousa Araújo tamiresousa124@hotmail.com UFU Sirlei Lemes sirlemes@uol.com.br UFU Resumo:Programa

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

Ajustes de Avaliação Patrimonial.

Ajustes de Avaliação Patrimonial. Ajustes de Avaliação Patrimonial. (Lei 6.404/76, art. 178 2 ) Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos um breve comentário sobre a conta Ajustes de Avaliação Patrimonial, criada pela

Leia mais

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Nota Técnica nº 001/2013 Florianópolis, 24 de junho de 2013. Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Senhor Diretor de

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

A fusão é um processo no qual se unem duas ou mais sociedades para formar sociedade nova, que lhes sucederá em todos os direitos e obrigações.

A fusão é um processo no qual se unem duas ou mais sociedades para formar sociedade nova, que lhes sucederá em todos os direitos e obrigações. FUSÃO 1 - INTRODUÇÃO A fusão é um processo no qual se unem duas ou mais sociedades para formar sociedade nova, que lhes sucederá em todos os direitos e obrigações. A fusão de entidades sob controle comum

Leia mais

Vanessa Gonçalves de Magalhães vanessagmag@yahoo.com.br UFU. Meiriele Silva Oliveira meiriele_silva@yahoo.com.br UFU

Vanessa Gonçalves de Magalhães vanessagmag@yahoo.com.br UFU. Meiriele Silva Oliveira meiriele_silva@yahoo.com.br UFU Evidenciação dos Custos de Empréstimos sob os Parâmetros Estabelecidos pelo Pronunciamento Técnico Cpc 20: um Estudo das Empresas do Setor Energético Listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (bovespa)

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

Palavras-chave: Lei 6.404/76. Lei 11.638/07. Normas Internacionais de Contabilidade IFRS.

Palavras-chave: Lei 6.404/76. Lei 11.638/07. Normas Internacionais de Contabilidade IFRS. 1 CONDUTA ÉTICA DO PROFISSIONAL DE CONTABILIDADE E SUA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL FRENTE À NOVA LEI 11.638/07. * Leonardo dos Santos Pereira** RESUMO: Este artigo propõe uma análise das mudanças que a lei

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria²

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação, Avenida Shishima Hifumi,

Leia mais

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370

INCORPORAÇÃO PAPEL DE TRABALHO DA INCORPORAÇÃO. Subsidiária S.A S.A. Ativos 1.000 370 1370 1 INTRODUÇÃO INCORPORAÇÃO A incorporação é um processo no qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outra, que lhes sucede em todos os direitos e obrigações. As incorporações de entidades sob controle

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

DESTINAÇÃO DOS LUCROS APÓS LEI

DESTINAÇÃO DOS LUCROS APÓS LEI DESTINAÇÃO DOS LUCROS APÓS LEI 11.638/07: um estudo multi caso das empresas do setor de Tecnologia de Informação, sub setor Computadores e Equipamentos. RESUMO A Lei 11.638 promulgada em 28 de Dezembro

Leia mais

Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação

Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação A Nova Lei das S/A Lei nº 11.638/07 Introdução Mudanças de natureza contábil e alguns ajustes relativos à tributação Dependência de normatização: CVM, BACEN, SUSEP, CFC e outros LEI nº 11.638 versus Medida

Leia mais

Mudanças da Lei 11.638 e o novo regime tributário de transição RTT

Mudanças da Lei 11.638 e o novo regime tributário de transição RTT Mudanças da Lei 11.638 e o novo regime tributário de transição RTT 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento das organizações no decorrer dos anos, e dos novos mercados, inclusive os mercados internacionais que

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 E AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE UM ESTUDO DE CASO EM UMA SOCIEDADE ANÔNIMA

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 E AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE UM ESTUDO DE CASO EM UMA SOCIEDADE ANÔNIMA AS PRINCIPAIS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 E AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE UM ESTUDO DE CASO EM UMA SOCIEDADE ANÔNIMA RESUMO Em 28 de dezembro de 2007 foi promulgada a Lei 11.638 que altera e

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

(D) D: Investimentos C: Equivalência patrimonial...100.000,00. (E) D: Receita operacional. Resolução

(D) D: Investimentos C: Equivalência patrimonial...100.000,00. (E) D: Receita operacional. Resolução Aula 5 Questões Comentadas e Resolvidas Fusão, cisão e incorporação de empresas. Avaliação e contabilização de investimentos societários no país e no exterior. Reconhecimento de ágio e deságio em subscrição

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

AJUSTE A VALOR PRESENTE SOLICITADO PELA LEI Nº 11.638/07: UM ESTUDO COM AS EMPRESAS DE AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 2008

AJUSTE A VALOR PRESENTE SOLICITADO PELA LEI Nº 11.638/07: UM ESTUDO COM AS EMPRESAS DE AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 2008 AJUSTE A VALOR PRESENTE SOLICITADO PELA LEI Nº 11.638/07: UM ESTUDO COM AS EMPRESAS DE AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 2008 LÍSIA DE MELO QUEIROZ UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ELIZABET RODRIGUES DE OLIVEIRA

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA)

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) Vou abordar, neste artigo, um assunto relativamente novo, mas que já foi cobrado por algumas bancas. Trata-se da Demonstração do Resultado Abrangente (DRA). Resultado

Leia mais

Mudanças na Lei 6.404/ 76 Novas Regras de Contabilidade Geral

Mudanças na Lei 6.404/ 76 Novas Regras de Contabilidade Geral Mudanças na Lei 6.404/ 76 Novas Regras de Contabilidade Geral Olá, pessoal! Espero que tenham tido um ótimo Natal e uma excelente Réveillon. Antes de tudo, desejo a todos muita paz e prosperidade e que

Leia mais

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Alexandre Alcantara da Silva Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Adendo à 1ª edição Texto atualizado em 28.04.2009 Relativo às alterações introduzidas pela Lei nº 11.638/2007

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

Sumário. Demonstrações Contábeis. Notas Explicativas. Pareceres

Sumário. Demonstrações Contábeis. Notas Explicativas. Pareceres Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações Divisão Contábil Departamento de Demonstrações Contábeis DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DEZEMBRO 2007 Sumário Demonstrações Contábeis Relatório da Administração...

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Unidade 6 Hebert Sá 90 Sumário Introdução... 92 Objetivos... 93 Estrutura da Unidade... 93 Unidade 6: Tópico 1: Integração entre DRE e Balanço Patrimonial...

Leia mais

IMPAIRMENT - CONCEITOS INICIAIS E SEU IMPACTO PELO VALOR DE MERCADO: ESTUDO DE CASO DE UMA SOCIEDADE LTDA. DA CIDADE DE FRANCA.

IMPAIRMENT - CONCEITOS INICIAIS E SEU IMPACTO PELO VALOR DE MERCADO: ESTUDO DE CASO DE UMA SOCIEDADE LTDA. DA CIDADE DE FRANCA. IMPAIRMENT - CONCEITOS INICIAIS E SEU IMPACTO PELO VALOR DE MERCADO: ESTUDO DE CASO DE UMA SOCIEDADE LTDA. DA CIDADE DE FRANCA. Maria Amélia Duarte Oliveira Ferrarezi Marinês Santana Justo Smith Uni-FACEF

Leia mais

Mudanças na Estruturação do Balanço Patrimonial: um Estudo Envolvendo as Leis n 11.638/07 e n 11.941/09

Mudanças na Estruturação do Balanço Patrimonial: um Estudo Envolvendo as Leis n 11.638/07 e n 11.941/09 Mudanças na Estruturação do Balanço Patrimonial: um Estudo Envolvendo as Leis n 11.638/07 e n 11.941/09 Autores: Geordana Mendonça Curcino Universidade Federal de Uberlândia Anny Elise de Oliveira Parapinski

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008)

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008) CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES (2012, 2011, 2009 e 2008) A apostila contém provas de Contabilidade Geral de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO Vanessa Alves Cunha 1, Robernei Aparecido Lima 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas,

Leia mais

I - com atributos UBDKIFJACTSWEROLMNHZ e códigos ESTBAN e de publicação 130 e 140, respectivamente:

I - com atributos UBDKIFJACTSWEROLMNHZ e códigos ESTBAN e de publicação 130 e 140, respectivamente: CARTA-CIRCULAR 3.026 -------------------- Cria e mantém títulos e subtítulos no Cosif, esclarece acerca dos critérios a serem observados para o ajuste decorrente da aplicação do disposto nas Circulares

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATORIEDADE DA EVIDENCIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Marivane Orsolin 1 ; Marlene Fiorentin 2 ; Odir Luiz Fank Palavras-chave: Lei nº 11.638/2007. Balanço patrimonial. Demonstração do resultado

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

Ana Cláudia Akie Utumi, CFP, TEP autumi@tozzinifreire.com.br. Medida Provisória nº 627 Juros sobre capital próprio e ágio 7/4/2014

Ana Cláudia Akie Utumi, CFP, TEP autumi@tozzinifreire.com.br. Medida Provisória nº 627 Juros sobre capital próprio e ágio 7/4/2014 Medida Provisória nº 627 Juros sobre capital próprio e ágio Ana Cláudia Akie Utumi autumi@tozzinifreire. com.br Diretora da ABDF Ana Cláudia Akie Utumi, CFP, TEP autumi@tozzinifreire.com.br Membro do Comitê

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

Antes das alterações no livro propriamente, vejamos alguns temas de caráter geral, que exigem esclarecimentos adicionais.

Antes das alterações no livro propriamente, vejamos alguns temas de caráter geral, que exigem esclarecimentos adicionais. Este texto por finalidade atualizar o livro Contabilidade ESAF Provas Comentadas 6ª edição (Ricardo J. Ferreira, Editora Ferreira), em razão da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Antes das alterações

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÃOES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Em reais

NOTAS EXPLICATIVAS DAS DEMONSTRAÇÃOES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 Em reais 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Instituto Jundiaiense Luiz Braille De Assistência ao Deficiente da Visão, também designada Braille, fundada em 20 de dezembro de 1941, é uma Associação Civil, educacional beneficente,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEZEMBRO 2013 Exercícios findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Valores expressos em milhares de reais. SUMÁRIO Demonstrações Financeiras Regulatórias Balanços Patrimoniais

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Institui regras e procedimentos para o cálculo do patrimônio líquido ajustado exigido das sociedades supervisionadas.

Institui regras e procedimentos para o cálculo do patrimônio líquido ajustado exigido das sociedades supervisionadas. Quadro comparativo entre Resolução CNSP 085/02 e a Minuta de Resolução, com as alterações propostas Resolução 085/2002 Minuta de Resolução Minuta de Resolução Dispõe sobre o Patrimônio Líquido Ajustado

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ASSUNTOS CONTÁBEIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATÓRIAS APÓS AS LEIS NºS 11.638/2007 E 11.941/2009... Pág. 341 IMPOSTO DE RENDA PESSOA

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Lei n 11.638/07. Alterações na lei das sociedades por ações. São Paulo, 18 de junho de 2008. Deloitte Touche Tohmatsu 2008. Direitos reservados

Lei n 11.638/07. Alterações na lei das sociedades por ações. São Paulo, 18 de junho de 2008. Deloitte Touche Tohmatsu 2008. Direitos reservados Lei n 11.638/07 Alterações na lei das sociedades por ações São Paulo, 18 de junho de 2008 1 Energy and Resources Introdução A Lei 11.638/07 é resultado da aprovação do Projeto de Lei 3.741, longamente

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS Camila Gomes de Carvalho Nivaldo Grego (OR) RESUMO: Com a abertura da cultura e economia no mundo devido a globalização, possibilitou que

Leia mais

Propriedades para Investimento nas empresas de construção civil

Propriedades para Investimento nas empresas de construção civil Propriedades para Investimento nas empresas de construção civil Lineker Moraes Campos campos.lineker@gmail.com UFU Andressa Aparecida Cunha andressaaparecidacunha@hotmail.com UFU Ariane Caruline Fernandes

Leia mais

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA DELIBERAÇÃO Nº 550, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros derivativos em nota explicativa

Leia mais

Teste de recuperabilidade Impairment test

Teste de recuperabilidade Impairment test 1 Teste de recuperabilidade Impairment test A informação tem sido considerada o principal insumo para a obtenção de um conhecimento maior acerca das decisões que devem ser tomadas no âmbito das organizações.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LEI 11638/07 PRINCIPAIS MUDANÇAS NA LEI DAS S/A E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O MERCADO POR: MARCIO OLIVEIRA FERNANDES ORIENTADOR

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais