100 ANOS DE SUPERVISÃO DE SEGUROS EM PORTUGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "100 ANOS DE SUPERVISÃO DE SEGUROS EM PORTUGAL"

Transcrição

1 boletim trimestral_associação Portuguesa de Seguradores» Julho, Agosto e Setembro 27» ANOS DE SUPERVISÃO DE SEGUROS EM PORTUGAL» NOTÍCIAS NOVA TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES» ARTIGO DE FUNDO 25 ANOS DE HISTÓRIA DA APS» ARTIGO DE FUNDO CAMPANHA INSTITUCIONAL 25 ANOS APS

2 notícias JANTAR COMEMORATIVO DO 25º ANIVERSÁRIO DA APS A Associação Portuguesa de Seguradores ofereceu um jantar comemorativo do seu 25 º aniversário, no dia 28 de Setembro, no Palácio da Bolsa, no Porto, que contou com a presença de Alberto Costa, Ministro da Justiça e diversos Secretários de Estado, entre destacadas personalidades do sector empresarial português. Os cerca de 8 convidados tiveram oportunidade de assistir à apresentação do filme completo da campanha de media desenvolvida no âmbito das acções comemorativas do 25º aniversário. No final do Jantar, Miguel Cadilhe, orador convidado, fez uma exposição sobre a situação económica do país. FICHA TÉCNICA Ano 5» nº8 Título APS Notícias Editor Associação Portuguesa de Seguradores Director Maria Manuel Santos Silva Coordenação e Contactos Ana Horta Carneiro Ana Margarida Carvalho Periodicidade Trimestral Projecto Gráfico Ruído Visual, Lda Depósito Legal ISSN Impressão Ondagrafe Nº de exemplares 4 Data de publicação Dezembro 27 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA ÀS ASSOCIADAS ASSINATURA ANUAL» EURO 72 (IVA INC.) Rua Rodrigo da Fonseca, Lisboa Tel: Fax: MEMBRO da PIA Presse Internationale des Assurances 2» Associação Portuguesa de Seguradores

3 notícias NOTICÍAS» Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel...4» A nova Tabela Nacional de Incapacidades (TNI) e a Tabela para a Avaliação de Incapacidades em Direito Civil...5» Medidas de descongestionamento dos Tribunais Judiciais...5» Reduzir o Impacto Social e Económico das Alterações Climáticas e das Catástrofes Naturais...6» Melhores Seguradoras do Ano...8» 3º Encontro Mútua...9» Groupama entra no Mercado Romeno...9» OK! Teleseguro Lançou novo Conceito de Atendimento no Porto...9» Lisboa Mágica Street Magic World Festival...» Novo Portal APS e Extranet...» Conferência Anual da IAIFA...» DMIF - Directiva dos Mercados Financeiros... ARTIGOS DE FUNDO» Associação Portuguesa de Seguradores, 25 Anos ao Serviço das suas Associadas...2» Campanha Institucional da APS...3» Anos de Supervisão de Seguros em Portugal...4» Fraude um assunto que a todos diz repeito...6 pág» 4 pág» 5 ACTIVIDADE SEGURADORA...8 SERVIÇOS APS» FNM - Ficheiro Nacional de Matrículas...2» CRS - Convenção de Regularização de Sinistros...2» Evolução IDS - 23 a » Segurnet...2 FORMAÇÃO» APS ministra formação em Gestão Técnica Contabilística, Económica e Financeira dos Seguradores e Fundos de Pensões...22» APS Academia Portuguesa de Seguros visita seguradoras Angolanas...22» Novo curso de IT Governance nos Seguros...23 NOVAS PUBLICAÇÕES» Relatório de Mercado pág» 8 ÚLTIMA HORA» Proposta de OE 28 - Implicações para a Actividade Seguradora...24 pág» 6 Associação Portuguesa de Seguradores «3

4 notícias SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL AUTOMÓVEL O regime do seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel tem vindo a sofrer alterações significativas que decorrem, por um lado, da transposição parcial da 5ª Directiva Automóvel (Directiva 25/4/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de de Maio de 25) e, por outro, da introdução de medidas que visam aumentar a protecção das vítimas de acidentes de viação e, através do envolvimento do Fundo de Garantia Automóvel (FGA), aumentar a eficácia do cumprimento da obrigação de subscrição do seguro. O Decreto-Lei n.º 29/27, de 2 de Agosto, entrou em vigor no passado dia 2 de Outubro e revogou os Decretos-Lei n.º 522/85, de 3 de Dezembro, n.º 22-A/86, de 3 de Maio, n.º 2/88, de 29 de Março, n.º 3/94, de 9 de Maio e n.º 83/26, de 3 de Maio. Das alterações introduzidas pelo Decreto-Lei salientam-se: i) a actualização dos capitais mínimos do seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel, que passam a ser de:».2. por acidente para os danos corporais, e de» 6. por acidente para os danos materiais. Estes capitais passarão, a partir de de Dezembro de 29, a ser de:» 2.5. por acidente para os danos corporais e» 75. por acidente para os danos materiais A partir de de Junho de 22 serão de:» 5.. por acidente para os danos corporais e».. por acidente para os danos materiais. A partir de de Junho de 22, os montantes são revistos de cinco em cinco anos, sob proposta da Comissão Europeia, em função do índice europeu de preços no consumidor. ii) o aumento das exigências em matéria de prestação de informação por parte da seguradora aos lesados e segurados em caso de sinistro e o estabelecimento de juros e coimas elevadas em caso de não cumprimento dessas obrigações; iii) a extensão do procedimento de oferta razoável aos sinistros que envolvam danos corporais, ou seja, a seguradora deverá comunicar a assunção ou a não assunção de responsabilidades no prazo de 45 dias a contar do pedido de indemnização, caso tenha sido emitido o relatório de alta clínica e o dano seja totalmente quantificável; iv) a existência de um sistema de avaliação e valorização dos danos corporais, assente na utilização da Tabela Nacional para a Avaliação de Incapacidade Permanente em Direito Civil, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 352/27, de 23 de Outubro, e com base em critérios e valores de determinação do montante da indemnização, a constar de portaria cuja publicação se aguarda; v) a possibilidade conferida à seguradora de solicitar a comparência do lesado para que este seja submetido a um exame de avaliação por perito médico designado pela companhia; vi) o estabelecimento do direito de regresso contra o condutor, quando este tenha dado causa ao acidente e conduzir com uma taxa de alcoolemia superior à legalmente admitida, ou acusar consumo de estupefacientes ou outras drogas ou produtos tóxicos; vii) o estabelecimento de regras mais claras a aplicar na indemnização das situações de perda total. Um veículo será considerado em situação de perda total, entre outras circunstâncias, quando se constate que o valor estimado para a reparação dos danos sofridos, adicionado ao valor do salvado, ultrapassa % ou 2% do valor venal do veículo consoante se trate respectivamente de um veículo com menos ou mais de dois anos; viii) no caso de acidentes causados por veículo sem seguro, sendo o responsável desconhecido, o FGA indemnizará os danos materiais quando se verifiquem também danos corporais significativos ou quando o veículo causador do acidente tenha sido abandonado no local do acidente e a autoridade policial haja efectuado o respectivo auto de notícia; ix) a obrigatoriedade da seguradora fornecer ao tomador de seguro, sempre que este o solicite, o certificado de tarifação com o número de sinistros ocorridos nos 5 últimos anos; x) o estabelecimento de limites especiais à responsabilidade do FGA quando haja outras entidades convocáveis para a efectivação do ressarcimento das vítimas nomeadamente seguradoras, Fundo de Acidentes de Trabalho ou Segurança Social. 4» Associação Portuguesa de Seguradores

5 notícias A NOVA TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES (TNI) E A TABELA NACIONAL PARA AVALIAÇÃO DE INCAPACIDADES EM DIREITO CIVIL Foi publicado o Decreto-Lei nº 352/27, de 23 de Outubro que aprova a Tabela Nacional de Incapacidades por Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais (TNI) e a Tabela Nacional para Avaliação de Incapacidades em Direito Civil. Nova Tabela Nacional de Incapacidades por Acidentes de Trabalho (TNI): a revisão e actualização da Tabela Nacional de Incapacidades por Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais decorreu nos últimos anos, tendo os trabalhos sido realizados por uma Comissão que integrou representantes de diversos ministérios, de organismos e serviços públicos, da APS, dos tribunais do trabalho, da Associação Nacional dos Deficientes Sinistrados do Trabalho, da Sociedade Portuguesa de Medicina do Trabalho, das associações patronais e das associações sindicais com assento na Comissão Permanente de Concertação Social, e do Conselho Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência. A nova TNI ajusta as percentagens de incapacidade aplicáveis em determinadas patologias, como resultado de um trabalho técnico-científico, levado a cabo em obediência não só à dinâmica do panorama médico-legal nacional, mas também por recurso com o preconizado em tabelas europeias, nomeadamente a francesa. Tabela Nacional para Avaliação de Incapacidades em Direito Civil: esta nova tabela médica, especificamente criada para a avaliação do dano corporal em direito civil permite uma mais adequada avaliação das incapacidades e vem colmatar uma lacuna há muito sentida. A tabela insere-se numa progressiva autonomização da avaliação do dano corporal em direito civil, que tem vindo a ocorrer em diversos países, inspira-se na tabela europeia intitulada guide barème europeén d evaluation dês atteintes à l intégrité physique e psychique, e para a sua elaboração foi decisivo o contributo do Instituto Nacional de Medicina Legal. A nova Tabela destina-se à avaliação e pontuação das incapacidades resultantes de alterações na integridade psico-física, prevê as grandes incapacidades, estabelece as taxas para as sequelas referentes aos diferentes sistemas, aparelhos e órgãos e respectivas funções e avalia as situações não descritas por comparação com as situações clínicas descritas e quantificadas. A incapacidade permanente é avaliada numa perspectiva global e integrada, tendo em consideração a redução definitiva da capacidade para a prática das actividades correntes do dia-a-dia e não apenas numa perspectiva de perda/redução da capacidade de ganho a nível laboral. A adopção da Tabela visa uma maior precisão jurídica e a salvaguarda da garantia da igualdade dos cidadãos perante a lei, no respeito do princípio de que devem ter avaliação idêntica as sequelas que, sendo idênticas, se repercutem de forma similar nas actividades da vida diária e a simplificação da fixação do valor das indemnizações, nomeadamente no âmbito do seguro de responsabilidade civil automóvel. O Decreto-Lei nº 352/27 de 23 de Outubro entra em vigor no dia 2 de Janeiro de 28, aplicando-se a nova TNI aos acidentes de trabalho ocorridos após a sua entrada em vigor e a nova Tabela Nacional para Avaliação de Incapacidades Permanentes em Direito Civil às peritagens de danos corporais também efectuadas após a sua entrada em vigor. MEDIDAS DE DESCONGESTIONAMENTO DOS TRIBUNAIS JUDICIAIS A RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE MINISTROS 72/27, DE 6 DE NOVEMBRO Processos de indemnização de acidentes de viação É de destacar a particular importância da medida preconizada na alínea h) do nº, relativa aos processos de indemnização de acidentes de viação: que vem dispor que a revisão do regime jurídico aplicável aos processos de indemnização por acidente de viação, estabelecendo regras para a fixação do valor dos rendimentos auferidos pelos lesados para servir de base à definição do montante da indemnização, de forma que os rendimentos declarados para efeitos fiscais sejam o elemento mais relevante. Esta medida deve ser aprovada até final de Junho de 28. Dispensa da necessidade de apresentação de uma acção judicial em matéria de acidentes de trabalho Refira-se, também, que de acordo com o disposto na alínea m) do nº foi definida a dispensa da necessidade de apresentação de uma acção judicial em matéria de acidentes de trabalho quando, após a realização dos exames médicos necessários, exista acordo entre trabalhador e empregador e decisão favorável de entidade administrativa ou equivalente, assegurando se sempre o acesso aos tribunais em caso de conflito. Associação Portuguesa de Seguradores «5

6 notícias fotografia: José Pedro Coelho REDUZIR O IMPACTO SOCIAL E ECONÓMICO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E DAS CATÁSTROFES NATURAIS Soluções de Seguros e Parcerias Público-Privadas Nos últimos anos, tornou-se evidente a crescente exposição do Mundo às catástrofes naturais, nomeadamente através das inundações, das vagas de calor e dos incêndios florestais ocorridos na Europa, bem como dos furacões que atingiram os Estados Unidos. De facto, temos vindo a assistir nas duas últimas décadas a um significativo aumento do número, da escala e do impacto económico dos eventos catastróficos de origem natural. Nesse sentido, o Comité Européen des Assurances (CEA) apresentou em Julho de 27 um relatório intitulado Reducing the Social and Economic Impact of Climate Change and Natural Catastrophes - Insurance Solutions and Public- Private Partnerships, que se encontra disponível ao público no site daquela organização (http://www.cea.assur.org). De acordo com o texto do relatório, o impacto das catástrofes naturais nas sociedades e economias europeias deverá crescer ainda mais, em consequência de duas tendências complementares:» o aumento da escala e da frequência dos acontecimentos naturais catastróficos, fruto das alterações climáticas;» o crescimento do impacto económico das catástrofes naturais em função do crescimento da população a residir em áreas de elevada exposição ao risco e do crescimento da actividade económica nessas mesmas zonas. Como as alterações climáticas apenas terão impacto nas catástrofes naturais meteorológicas, esta publicação do CEA centra-se apenas neste tipo de catástrofes. No entanto, muitos dos problemas e soluções discutidos no relatório são igualmente válidos para catástrofes de origem geofísica, como sismos, tsunamis e erupções vulcânicas. O CEA advoga um diálogo construtivo dos seguradores com os políticos e outros intervenientes relevantes Sabendo que os seguradores europeus partilham com os políticos e com outros intervenientes institucionais o objectivo de limitar as consequências económicas das alterações climáticas, este relatório do CEA pretende chamar a atenção dos decisores políticos para a valiosa contribuição prestada pelo sector segurador europeu (através do apoio à investigação, da promoção da prevenção e da apresentação de soluções financeiras para o problema dos riscos catastróficos naturais) e, simultaneamente, identificar as melhores práticas nas áreas onde a colaboração entre os sectores público e privado pode trazer benefícios mútuos para as pessoas, para as autoridades (nacionais e europeias) e para os seguradores. Promover a colaboração público-privada para a redução das perdas Segundo o CEA, os efeitos expectáveis das alterações climáticas no aumento do número de eventos meteorológicos graves podem ser melhor geridos se for estabelecida uma colaboração activa entre as autoridades públicas e as seguradoras. Estas possuem vasta experiência na identificação e análise dos riscos, no desenvolvimento de soluções financeiras sustentáveis e na promoção de comportamentos de redução de risco por parte dos segurados (particulares e empresas). Por seu lado, as instituições públicas têm a capacidade de decidir sobre o planeamento do uso dos solos (permitindo ou não a construção em zonas de grande exposição ao risco), o poder de adoptar códigos de construção mais rigorosos (a fim de reduzir o impacto e os custos provocados por condições climáticas extremas) e têm também a responsabilidade de investir em medidas de prevenção genéricas (como, por exemplo, a construção de defesas costeiras e regularização das margens de rios). Neste relatório, o CEA salienta o facto de actualmente as seguradoras europeias já disponibilizarem coberturas contra riscos da natureza. Nos mercados em que essas coberturas existem, a sua combinação com requisitos de prevenção constitui uma medida eficaz de adaptação às alterações climáticas. 6» Associação Portuguesa de Seguradores

7 notícias José Pedro Coelho No entanto, constata-se que, para fazer face a essas alterações, é cada vez mais difícil desenvolver soluções economicamente viáveis baseadas exclusivamente na actividade seguradora. De forma a tornar seguráveis os riscos de natureza, o sector segurador e o Estado deveriam estreitar a sua colaboração, de forma a reduzir o peso financeiro que recairá sobre ambos, em benefício dos consumidores....e promover a segurabilidade dos riscos Na opinião do CEA, as parcerias público-privadas podem ajudar a concretizar ou a melhorar as condições de segurabilidade, permitindo assim disponibilizar coberturas a preços razoáveis. Para além disso, estas parcerias poderão potenciar trocas de informação e partilha de dados, que ajudarão a compreender melhor os efeitos das alterações climáticas no nosso planeta e conduzirão à identificação de medidas tendentes à redução dos riscos e à adaptação a novos cenários. Melhorar as condições de segurabilidade através de parcerias público-privadas será benéfico para todos os intervenientes. Ao financiarem as potenciais perdas económicas antes mesmo da própria ocorrência das catástrofes, as soluções de índole seguradora apresentam vantagens, quando comparadas com soluções baseadas na atribuição de subsídios públicos ou estatais após os acontecimentos, nomeadamente:» as soluções seguradoras reduzem o fardo a suportar pelos cofres públicos, num momento em que as finanças públicas europeias já se encontram sob pressão, devido a outros desenvolvimentos, como sejam os desafios demográficos;» os seguros providenciam antecipadamente os fundos necessários para cobrir potenciais perdas, podendo, por isso, ser repostas mais rapidamente do que através de fundos mobilizados só depois da ocorrência de uma catástrofe natural. As seguradoras possuem a capacidade e a experiência para regularizarem os sinistros de forma eficiente;» o avanço dos fundos para fazer face a potenciais perdas causadas por catástrofes naturais representa um forte incentivo à redução do risco, visto estar intimamente associado à implementação de medidas de prevenção, condição básica para a disponibilização das coberturas de seguro. Por estas razões, os seguradores europeus apoiam activamente as parcerias público- -privadas que conduzam à adopção de medidas de prevenção e à melhoria das condições de segurabilidade dos riscos da natureza decorrentes das alterações climáticas. Um quadro legal sólido e coerente Iniciativas do mercado segurador europeu O CEA reconhece que, em virtude das diferenças existentes entre os diversos países da União Europeia no que diz respeito ao tipo de riscos a que se encontram mais expostos e às capacidades dos respectivos mercados seguradores nacionais, não existe uma solução global para tratar o problema do aumento do número de catástrofes naturais na Europa em consequência das alterações climáticas. Para além disso, em todos os Estados-Membros, o nível do financiamento da protecção contra os riscos catastróficos encontra-se muito abaixo daquilo que se poderia considerar como o óptimo, essencialmente devido à fraca procura de seguros e ao fenómeno da anti-selecção (apenas se seguram os bens mais expostos ao risco). O expectável crescimento do número de catástrofes naturais poderá vir a aumentar as discrepâncias económicas entre os Estados-Membros. É por este motivo que o CEA recomenda que os governos nacionais tomem as medidas adequadas para reduzir os riscos, tendo em atenção os aspectos transfronteiriços da aplicação (ou não) dessas mesmas medidas. O CEA apoia também as iniciativas levadas a cabo por cada Estado- -Membro, tendentes ao estabelecimento de um quadro legal coerente para tratar dos efeitos das catástrofes naturais. Esse quadro legal deveria encorajar os agentes económicos a interessarem-se mais pelas soluções de mercado mais apropriadas e limitar a intervenção do Estado ao papel de ressegurador de última instância. Nesse quadro, seria essencial a contratação das coberturas de seguro por iniciativa própria, ficando a intervenção do Estado ou da União Europeia reservada para as situações em que os prejuízos dos desastres naturais excedessem determinados patamares/montantes previamente definidos. Contudo, conclui o CEA neste seu relatório, as forças de mercado não conseguirão por si só encontrar a resposta necessária para enfrentar os sérios riscos que as alterações climáticas lhes colocam. Os governos nacionais têm um papel relevante na criação de um quadro políticolegal transparente e coerente, de forma a orientar a efectiva adaptação das pessoas e das empresas a um futuro seguramente diferente. Neste caso, e apesar da adaptação ser um desafio global, serão necessárias soluções locais. Associação Portuguesa de Seguradores «7

8 notícias MELHORES SEGURADORAS DO ANO Não Vida A Ocidental Seguros foi distinguida com o prémio Melhor Seguradora Não Vida 26, atribuído pela revista Exame. O prémio reconhece o desempenho da Ocidental Seguros no mercado em que opera, medido pela taxa de crescimento do volume de prémios, e os seus indicadores económico-financeiros, que traduzem a solidez, a eficiência e a rentabilidade da Companhia. O mercado de seguros Não Vida em Portugal é um mercado maduro e muito competitivo, assente maioritariamente na distribuição através de canais tradicionais (agentes e corretores). O facto de a Ocidental Seguros, Companhia de bancassurance que distribui através do Millennium bcp, ter sido distinguida reveste-se, pois, de uma relevância acrescida. A evolução muito positiva dos indicadores utilizados na avaliação que conduziu ao reconhecimento da Ocidental Seguros como Melhor Segura Não Vida 26 é a tradução natural das fortes apostas estratégicas no cross selling com a base de Clientes do Millennium bcp, na inovação de produtos e na excelência do serviço, na eficiência operativa e no reforço da solidez financeira da Companhia. Este galardão surge também como corolário da rigorosa gestão do risco e do capital que caracterizam a Companhia. A Ocidental Seguros processou em 26 um volume total de prémios de M65, mais 2% que em 25, num mercado que registou um crescimento de apenas,2% nesse período. A taxa de sinistralidade fixou-se em 48% e custos administrativos ficaram-se pelos 6% dos prémios. O resultado líquido atingiu os M 9. Vida A Açoreana, seguradora integrada no grupo Banif, foi considerada a Melhor seguradora Vida 26 em Portugal, pela revista Exame. A Açoreana, seguradora integrada no Grupo Banif, foi considerada a Melhor Seguradora Ramo Vida em Portugal, pela revista Exame. Depois de ter sido distinguida, por quatro vezes nos últimos cinco anos, a Açoreana recuperou, em 27, o Prémio Exame para a Melhor Seguradora Ramo Vida, em resultado da classificação atribuída por esta revista com a Deloitte&Touche e a Dun&Bradstreet. Baseado na análise dos resultados e indicadores relativos ao exercício de 26, este prémio veio distinguir o desempenho da Açoreana, num ano em que a Companhia registou um lucro líquido de 7,6 milhões de euros e um cash flow de 27,7 milhões de euros, e reforçou a sua quota global de mercado de 3,8% para 4,%, afirmando-se em termos de ranking como a 7ª Seguradora a nível global, refere a mesma fonte. 8» Associação Portuguesa de Seguradores

9 notícias DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DEU O MOTE PARA O 3º ENCONTRO MÚTUA Integrado nas comemorações do Dia Nacional do Mar, a Mútua dos Pescadores promoveu, no passado dia de Novembro, no Cine-Teatro João Mota, em Sesimbra, o seu 3º Encontro Nacional sob o tema O desenvolvimento sustentável das comunidades ribeirinhas, O Encontro foi, este ano, organizado em parceria com o Centro de Investigação em Sociologia Económica e das Organizações (SOCIUS) do ISEG e com a Câmara Municipal de Sesimbra. GROUPAMA ENTRA NO MERCADO ROMENO Compra da seguradora BT Asigurari insere-se na estratégia de desenvolvimento do Grupo O Grupo Groupama, um dos principais grupos seguradores europeus, passa a marcar presença na Roménia ao adquirir a seguradora BT Asigurari à Banca Transilvania, a 5ª instituição bancária daquele país. Seguros Esta aquisição enquadra-se no plano estratégico de desenvolvimento da Groupama que ambiciona ser um dos líderes na área dos seguros na Europa, estando por isso a apostar em mercados localizados na Europa Central, de Leste e do Sul. OK! TELESEGURO LANÇOU NOVO CONCEITO DE ATENDIMENTO NO PORTO A OK! TeleSeguro, seguradora para os canais directos do Grupo Caixa Geral de Depósitos, abriu em Setembro passado a primeira Flagship Store na cidade do Porto, o Lounge OK! TeleSeguro. O principal objectivo é aproximar a marca e a sua experiência dos consumidores da Zona Norte, aumentando a sua base de clientes que, a nível nacional, ultrapassa já os 4 mil. A OK! TeleSeguro lançou este novo conceito como forma de aumentar a sua taxa de penetração na Zona Norte do país. A par deste projecto, a OK! TeleSeguro está a criar nesta infraestrutura um Call Center que possibilita o Back up à unidade instalada em Lisboa e que pode atingir 3 colaboradores. Com este novo espaço pretende-se criar um ponto de atendimento que permita aos clientes terem uma referência na relação presencial com a seguradora, não descurando os seus canais core, a internet e o telefone. O Lounge OK! TeleSeguro oferece ainda, aos não clientes, um espaço descontraído para que seja estabelecido um contacto inicial com a companhia, fazer simulações, esclarecer dúvidas, etc. Esta oferta é feita num ambiente agradável, enquanto se folheia uma revista, se navega na Internet ou se bebe um café. Este espaço é caracterizado por ser moderno, onde as novas tecnologias ocupam um lugar de destaque. A seguradora pretende criar uma abordagem inovadora na relação com o cliente, envolvendo os seus profissionais numa interacção cordial onde a ausência de barreiras se destaca dos conceitos tradicionais de atendimento. O novo espaço oferece ainda postos de self service com acesso à Internet, plasmas com animação 3D, Touchscreen interactivo, e uma decoração inovadora para um espaço único. Associação Portuguesa de Seguradores «9

10 notícias LISBOA MÁGICA STREET MAGIC WORLD FESTIVAL Enorme êxito garante a terceira edição de Lisboa Mágica! O Street Magic World Festival fez sonhar mais de 3. espectadores! Face ao enorme êxito obtido em cada uma das 74 representações que, de 28 de Agosto a 2 de Setembro, no âmbito do LISBOA MÁGICA Street Magic World Festival, aconteceram em onze palcos naturais da baixa de Lisboa, a Câmara Municipal de Lisboa e a Companhia de Seguros Allianz Portugal, na qualidade de patrocinador exclusivo, já determinaram a realização da 3ª Edição do certame. Assim, Lisboa voltará a receber o Street Magic World Festival, em 28, de 26 a 3 de Agosto. A criação e produção do evento continuará a ser da responsabilidade da Luis de Matos Produções, Lda., assumindo o mágico português a direcção artística do mesmo. O balanço da edição deste ano não deixou margem para dúvidas e contou com mais de 3. espectadores que, na grande maioria dos casos, já se encontravam nos locais e horas marcadas no programa, antecedendo a chegada dos próprios artistas. No último dia, todos os espectáculos decorreram no Terreiro do Paço. Apesar do imenso calor sentido e da inexistência de qualquer sombra, milhares de pessoas permaneceram no local assistindo ao espectáculo que, em contínuo, decorreu entre as horas da manhã e as 9 horas da noite. Foi durante essa quente tarde de Domingo, que os responsáveis da Companhia de Seguros Allianz Portugal e o Senhor Presidente da Câmara de Lisboa, Dr. António Costa, manifestaram junto do mágico Luis de Matos a clara vontade e a mais firme determinação em anunciar desde já a 3ª Edição do festival LISBOA MÁGICA. De 26 a 3 de Agosto de 28, o 3º Festival Mundial de Magia de Rua acontece em Lisboa!» Associação Portuguesa de Seguradores

11 notícias Imagem actual da Extranet Imagem actual do Portal Institucional Imagem actual da Biblioteca NOVO PORTAL APS E EXTRANET Alguns meses após o lançamento do novo Portal Institucional da APS, da Academia Portuguesa de Seguros e da Extranet, e depois de analisados os números de acessos diários extraídos do sistema de monitorização da plataforma, podemos concluir que a solução adoptada se revelou adequada às necessidades internas, bem como na relação com os seus Associados. As Seguradoras encontram nestes novos Portais veículos privilegiados de interacção com a APS, podendo aceder rapidamente a um leque alargado de informações. Após o período que mediou entre o lançamento desta solução até à presente data, verificou-se a necessidade de proceder a alguns ajustamentos, estando por isso a APS a iniciar uma nova etapa de evolução onde irão ser introduzidas alterações/melhorias para o desempenho efectivo da solução. WEB SCREEN VIEWS IN THE LAST Estas evoluções serão sentidas na sua maioria na estrutura da Extranet e na Intranet que será definitivamente lançada já numa versão mais evoluída com funcionalidades acrescidas em relação a versão original / 3/ 4/ 5/ 6/ 7/ 8/ 35 CONFERÊNCIA ANUAL DA IAIFA Realizou-se em Lisboa, nos dias e de Setembro, a Conferência Anual da IAIFA International Association of Insurance Fraud Agencies. A IAIFA tem como missão criar e manter uma organização internacional que trate, a nível global, os temas da fraude nos seguros e do crime financeiro na actividade seguradora. Os objectivos desta associação são coordenar os esforços, a formação e a instrução de forças policiais, organismos governamentais e indústria seguradora, de forma a tornar mais eficiente a prevenção e o combate à fraude nos seguros e ao crime financeiro em todo o mundo. A conferência contou com a participação de oradores estrangeiros e nacionais que abordaram vários temas, entre os quais as implicações económicas e sociais da fraude no sector segurador, a contribuição das entidades de supervisão para a prevenção e o combate à fraude e a importância do desenvolvimento da cooperação entre as autoridades policiais e a actividade seguradora neste âmbito. DMIF DIRECTIVA DOS MERCADOS FINANCEIROS Foi Publicado o DL 357-A/27 (DR 2, Série I, 2º Suplemento, de 3 /): que altera o Código dos Valores Mobiliários, o DL 76/95, de 26/7 (transparência nos contratos de seguro), o DL 94-B/98, de 7/4 (regime jurídico de acesso e exercício da actividade seguradora) e o DL 2/26, de 2/ (constituição e funcionamento dos fundos de pensões e das entidades gestoras de fundos de pensões). As disposições dos títulos I, VII e VIII do Código dos Valores Mobiliários aplicam-se a contratos de seguro ligados a fundos de investimento e a contratos de adesão individual a fundos de pensões abertos. Republica, em anexo, o Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo DL 486/99, de 3/, com a redacção actual. Associação Portuguesa de Seguradores «

12 artigo de fundo ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES 25 ANOS AO SERVIÇO DAS SUAS ASSOCIADAS organizar e gerir serviços e realizar estudos de natureza técnica sempre com a missão de fortalecer uma actividade cujo papel sob o ponto de vista social e económico é crucial. A fim de dar seguimento a esta pretensão, realizouse no dia 5 de Abril de 982, no Hotel Tivoli, uma reunião preparatória onde foi mandatada uma Comissão Instaladora composta por: Ao longo da sua existência o Conselho de Direcção a APS teve três Presidentes: Ruy de Carvalho, que se manteve no cargo durante 5 mandatos, entre 982 e 997, ano em que, a seu pedido, abandonou o cargo. A presidência da APS foi, então, assumida por António Reis que desempenhou funções até 24. Actualmente, o Presidente da APS é Jaime d Almeida.» José Manuel Vilaça Carneiro» Carlos Ivens Ferraz de Mesquita» António Paiva de Andrada Reis» José Diogo Salvação No ano de 98 foram publicados dois despachos pelo Gabinete do Secretário de Estado do Tesouro, que ditaram a criação da Associação Portuguesa de Seguradores: 92/8 Reestruturação da actividade seguradora 93/8 Reestruturação dos órgãos de coordenação e fiscalização da actividade seguradora Na sequência desses despachos e considerando que o Instituto de Seguros de Portugal passou a ter apenas funções de coordenação e inspecção, muitas das tarefas anteriormente asseguradas pelo então Instituto Nacional de Seguros, deixaram de ser da sua responsabilidade. Estavam, assim, reunidas as condições necessárias para a constituição de uma entidade com características distintas, de natureza privada, que pudesse assegurar responsabilidades e funções como: a Contratação Colectiva, o Seguro de Fronteira, ACE, o Pool Atómico e Agrícola, Carta Verde e Arbitragens; Formação, incluindo a Escola de Seguros CEFOS, Publicidade e Relações Publicas, Prevenção, representação da actividade seguradora a nível nacional e internacional e diversos Grupos de Estudos de carácter Técnico. Tendo em conta estas novas circunstâncias, um grupo de companhias de seguros desenvolveu um conjunto de acções com vista à criação da Associação, por lhes parecer ser esta a forma mais adequada de acautelar a defesa dos interesses gerais da actividade seguradora e coordenar, nesse sentido, a acção das seguradoras aderentes. Procurava-se, assim, encontrar forma de representar e defender os interesses das Seguradoras, encontrar consensos e divulgar as suas posições comuns junto de quaisquer entidades, promover a cooperação entre os seguradores, contribuir para a modernização e o desenvolvimento do sector, prestar apoio técnico e fornecer a informação disponvel, Cuja primeira tarefa foi a elaboração dos estatutos da nova associação. A APS, então denominada Associação Portuguesa de Seguros, foi formalmente constituída por escritura pública de 2 de Agosto de 982, com publicação no Diário da República III Série - nº 29 de 9 de Setembro de 982. As 2 empresas fundadoras da APS foram:» Açoreana» Aliança Seguradora» Bonança» Companhia Portuguesa de Resseguos» Cosec» Fidelidade» Garantia» Gan Incendie Accidents» Gan Vie» Império» Mundial Confi ança» Mútua dos Armadores da Pesca da Sardinha» Mútua dos Armadores da Pesca do Arrasto» Mútua dos Navios Bacalhoeiros» Mútua dos Pescadores» Pearl» Royal» Social» Trabalho» Tranquilidade A actual designação Associação Portuguesa de Seguradores, decorreu de uma remodelação dos estatutos entretanto ocorrida, realizada com a escritura celebrada em 25 de Março de 985, na qual se assinala, igualmente, a transformação em Associação Patronal. O extracto desta escritura foi publicado no Diário da República III Série nº 92, de 2 de Abril de 985. As 7 empresas que integram actualmente a APS representam cerca de 99% do total de prémios do mercado e dos efectivos totais da actividade seguradora. A APS mantém contactos com congéneres e organizações internacionais relacionadas com seguros, com destaque para o Comité Européen des Assurances e ainda com OCDE (Comité de Seguros), Association de Genève, Council of Bureaux (Carta Verde) e IUMI ( International Union of Marine Insurance) International Insurance Society, IAIFA (International Association of Insurance Fraud Agencies), PIA (Presse Internationale des Assurances) e AIDA (Associação Internacional do Direito de Seguros). A APS assinala no corrente o ano seu 25º aniversário. 2» Associação Portuguesa de Seguradores

13 artigo de fundo NO ÂMBITO DOS SEUS 25 ANOS A APS LANÇOU CAMPANHA INSTITUCIONAL A Associação Portuguesa de Seguradores promoveu uma campanha institucional para dar a conhecer o sector segurador, procurando sublinhar a importância da actividade seguradora e o seu papel na economia e na sociedade, contribuindo para um desejável equilíbrio social e assegurando estabilidade económica às empresas e às famílias, potenciando ainda o investimento em inovação e no desenvolvimento e progresso do nosso país. A campanha, da autoria da Y&R Redcell, abordou os temas do seguro automóvel, dos seguros de acidente de trabalho, dos seguros de saúde e de reforma. Esta campanha desenvolveu-se no âmbito das açcões comemorativas do 25º aniversário e decorreu entre 5 de Setembro e 5 de Outubro em rádio, televisão e imprensa. Foi ainda elaborado um filme com cerca de dois minutos e trinta, mais abrangente, que está disponível no site da APS e poderá ser utilizado pela Associação e pelas Seguradoras suas associadas. Associação Portuguesa de Seguradores «3

14 artigo de fundo Fernando Dias Nogueira_Presidente do ISP ANOS DE SUPERVISÃO DE SEGUROS EM PORTUGAL O sector segurador e de fundos de pensões desempenha hoje em dia um importante papel na economia nacional e na protecção social dos portugueses, contribuindo ainda de forma decisiva para a estabilidade dos mercados de capitais e consequente incremento dos índices de confiança dos diferentes agentes económicos. Pela segurança adicional que introduz na actividade económica, ao cobrir os riscos a ela associados, o sector segurador potencia ainda a inovação e o desenvolvimento económico, para além de contribuir para a promoção da eficiência económica, ao permitir uma maior optimização da utilização dos capitais. Em função deste papel extremamente relevante, o sector segurador tem merecido uma atenção especial sob o ponto de vista das políticas públicas de regulação. As origens da actividade de supervisão de seguros em Portugal remontam a 97, com a criação do Conselho de Seguros, organismo com funções de fiscalização e coordenação da actividade seguradora. Posteriormente, verificaram-se vários desenvolvimentos importantes, que culminaram na criação do actual Instituto de Seguros de Portugal em 982. Nas últimas décadas, o mercado segurador português tem vindo a enfrentar períodos de significativas mudanças estruturais, enquadráveis na evolução da economia nacional e nas evoluções internacionais, aos quais tem sabido adaptar-se. Importa citar, por exemplo, a consolidação e reestruturação profundas do sector financeiro nacional, a crescente globalização dos mercados financeiros, os desenvolvimentos tecnológicos, a evolução dos factores demográficos, as mutações no mercado de trabalho e o incremento do nível de exigência por parte dos consumidores. Dada a sua relevância, destacam-se, em particular, a alteração das políticas económicas e sociais, a significativa modificação no peso da iniciativa privada na economia, bem como as mudanças estruturais resultantes da entrada de Portugal na União Europeia e do estabelecimento do mercado único europeu, que trouxeram um significativo aumento da concorrência e das oportunidades de negócio. Posteriormente, a criação da moeda única europeia, ao facilitar as operações transfronteiriças, colocou pressões acrescidas em matéria de competitividade das empresas portuguesas e conduziu a mudanças significativas nas políticas de investimento. A actividade de supervisão de seguros em Portugal tem, ao longo do tempo, acompanhado todas estas tendências, evidenciado um elevado grau de flexibilidade, preparação e adaptação às novas condições de mercado. Em termos de políticas de regulação, regista- -se hoje, a nível global, uma clara tendência de liberalização dos mercados. Cada vez mais, a actividade de supervisão tende a basear-se em princípios, transmitindo maior liberdade para os operadores de mercado investirem na inovação e na diferenciação dos seus produtos, ao mesmo tempo que lhes é exigida uma maior capacidade de gestão, maior qualidade de recursos e 4» Associação Portuguesa de Seguradores

15 artigo de fundo elevados padrões de controlo interno, governação e conduta de mercado. Tal contrasta com algumas práticas de regulação do passado que, face a um ambiente de mercado com menores níveis de especialização e de desenvolvimento tecnológico, em grande medida devido a capacidades de computação bastante mais limitadas, se concentravam numa óptica mais reactiva e na definição de um conjunto de regras mais ou menos detalhadas que limitavam o desenho, a tarifação e a diferenciação dos produtos, bem como a liberdade de investimento. oportunidades de negócio e para a melhoria das práticas de gestão correntes. De facto, importa estar preparado desde já para o Solvência II, pois esperam se significativas vantagens competitivas para as empresas que melhor o fizerem. O elevado grau de importância dos serviços financeiros na economia global, bem como a existência de importantes assimetrias de informação entre os consumidores e os prestadores de serviços continuam a justificar a manutenção de mecanismos de regulação e supervisão, em particular no sector segurador e de fundos de pensões. A supervisão de seguros em Portugal tem, ao longo do tempo, evidenciado um elevado grau de flexibilidade, preparação e adaptação às novas condições de mercado. Perante esta complexidade, exige-se cada vez mais às empresas que disponham de mecanismos de gestão de riscos adequados e suficientes, para que possam, em consonância com a respectiva estratégia de negócio, identificar atempadamente os riscos em que incorrem e aproveitar as oportunidades criadas pelos instrumentos financeiros disponíveis no mercado e pelas mais recentes e inovadoras técnicas de gestão e mitigação de riscos. Às autoridades de supervisão exige-se que regulem e supervisionem eficientemente, por forma a contribuírem para a estabilidade e solidez financeira do mercado e para uma transparência acrescida do mesmo, de modo a salvaguardar o interesse dos consumidores de produtos financeiros. É este caminho que o Instituto de Seguros de Portugal continuará a trilhar, procurando sempre perspectivar o passado mas, sobretudo, actuar no presente por forma a antecipar o futuro. Encontramo-nos actualmente numa fase de transição e de preparação para o Solvência II, o novo regime de solvência do sector segurador europeu que vai alterar profundamente o panorama da regulação e da supervisão e influenciar decisivamente as políticas de gestão do negócio segurador. Este novo regime de solvência, cuja entrada em vigor está prevista para 22, vai assentar numa óptica de avaliação de riscos prospectiva, com maior liberdade para a inovação e desenvolvimento tecnológico, mas também com maiores exigências sobre os processos de gestão, com o objectivo central de promoção de uma cultura de percepção do risco nas várias funções da empresa. No entanto, o Solvência II não deve ser visto meramente como um exercício de compliance, mas antes, deve ser encarado de uma forma positiva, como uma porta aberta para novas O projecto Solvência II deve ser encarado de uma forma positiva, como uma porta aberta para novas oportunidades de negócio e para a melhoria das práticas de gestão correntes. Com efeito, a globalização dos mercados financeiros e a inovação ao nível dos produtos e das técnicas de gestão têm-se traduzido num nível de complexidade acrescido, quer para os operadores e para as autoridades de supervisão, quer para os consumidores. Associação Portuguesa de Seguradores «5

16 artigo de fundo FRAUDE UM ASSUNTO QUE A TODOS DIZ RESPEITO! A Boa Fé é uma característica fundamental do contrato de seguro, na medida em que a relação entre segurado e Seguradora se baseia na mútua confiança. Quando essa se quebra, fica o caminho aberto para a fraude. Mas em que consiste a fraude aos seguros? É toda a acção ou omissão voluntária de qualquer dos intervenientes na celebração de contrato de seguro ou num processo de sinistro, tendente a levar a Companhia a cobrar um prémio inferior ao devido e/ou pagar importâncias que não devia, com o objectivo de conseguir ou potenciar benefícios ilegítimos, próprios ou alheios. Tal conceito tem, pois, por base três elementos essenciais: i) uma infracção dos princípios consignados na apólice ou na Lei; ii) uma atitude de má-fé de modo a induzir a Companhia a cobrar um prémio inferior ao devido ou a efectuar pagamentos que, em circunstâncias que não envolvessem fraude, não seriam efectuados; iii) a intenção de conseguir, através de acção ou omissão voluntárias, um enriquecimento indevido. Ora se o benefício económico ilegítimo se assume como o elemento com maior impacto, em boa verdade, a má-fé é o elemento que nos permite distinguir os casos de fraude dentro de todas as situações que conduzem à exclusão de pagamentos por parte das Seguradoras. Porém nem sempre essa distinção é clara e por isso, as Seguradoras devem adoptar uma atitude preventiva, esclarecendo devidamente o cliente acerca das razões pelas quais não irá liquidar o valor pretendido pelo cliente em caso de sinistro, ou terá reajustar o valor do prémio quando a irregularidade se detecta na contratação. Quando se fala na fraude aos seguros, regra geral essa é associada ao sinistro, contudo este não é o único canal de obtenção de benefícios ilegítimos no sistema segurador. Na verdade existe um tipo de fraude pouco valorizado mas com impacto financeiro que é a fraude na contratação. Alda Correia Responsável pela Unidade Especial de Investigação da Liberty Seguros Membro da Comissão Técnica Fraude da APS De cada vez que se ocultam factos na contratação com vista à redução do prémio de seguro (por exemplo o número real de trabalhadores no caso do seguro de AT prémio variável) ou elementos que pudessem influir na aceitação do contrato (características do local de risco) a Seguradora terá necessariamente um prejuízo económico já que o prémio cobrado é inferior ao adequado. A fraude aos seguros é por isso um conceito genérico que abarca diferentes situações e acima de tudo comportamentos que respeitam os três elementos acima identificados. Em termos legais, não se encontra tipificado o crime de fraude aos seguros, sendo a actividade dos seus autores enquadrada em um ou mais tipos de crime como a burla simples, burla aos seguros, burla qualificada, simulação de crime, falsificação de documento, entre outros. Esta diversidade de crimes, demonstra claramente a versatilidade da fraude, a constante transformação/adaptação a novas circunstâncias dependendo da imaginação, oportunidade e engenho dos seus autores. Mas o que leva alguém a cometer fraude aos seguros? E quem comete fraude? O contexto socio-económico em que cada individuo se encontra integrado é, sem dúvida, fundamental. Numa altura em que a crise económica atinge de forma violenta uma sociedade, as pessoas acabam por arriscar o tudo por tudo e recorrem a comportamentos incorrectos para obter o financiamento que necessitam, seja para reparar o seu veículo danificado, seja para ir de férias ou mesmo obter um tratamento médico que necessita. As Seguradoras acabam por ser assim um alvo fácil, até porque reina um sentimento de impunidade que convida mesmo os mais receosos a tentar afinal o que lhe pode acontecer? A Seguradora recusar o pagamento e quando muito anular a apólice? É pouco face ao prejuízo que tem do outro lado! No mundo ideal, o cidadão recusar-se-ia a defraudar uma Seguradora não pelo receio de ser apanhado mas porque está incorrecto. Seria pois uma questão de integridade e não de reputação. No mundo actual, as Seguradoras acabam por ter de apresentar queixas-crime dos casos detectados de forma a reduzir esse sentimento de impunidade e simultaneamente adoptar uma atitude transparente para com os seus clientes e sensibilizadora do impacto da fraude aos seguros no cidadão comum. Esta é aliás uma mudança fundamental na forma como as Seguradoras encaram o problema da Fraude, já que a inexistência de controlo eficiente por parte das Seguradoras e o conhecimento profundo dos mecanismos e procedimentos das Seguradoras, acabam por ser algumas das razões que levam alguém a cometer fraude. Daí que quando nos referimos a autores de fraude não se possa falar em classes sociais, zonas geográficas ou outros conceitos mais ou menos delimitadores. Na realidade a fraude é transver- 6» Associação Portuguesa de Seguradores

17 artigo de fundo Naturalmente que o objectivo final é muitas vezes obter uma indemnização em virtude de um sinistro participado. Mas se esse filtro for feito logo à partida, no momento da contratação os custos serão necessariamente inferiores (nulos) já que em caso de sinistro muitas vezes existe a consciência de que se trata de fraude, mas não a prova da mesma, por se ter facilitado algum procedimento na contratação ou no processo de regularização do sinistro. Regra geral, as fraudes mais frequentes no sinistro são:» enquadramento do sinistro nas coberturas da apólice (por exemplo, através da alteração de intervenientes, local, data ou circunstâncias);» sinistros fictícios ou simulados e planeados;» aproveitamento de danos. sal, pode ir desde o cliente ao funcionário da Seguradora, passando por intervenientes do sinistro, médicos, oficinas, reparadores em geral, peritos, agentes, etc Podemos contudo tentar traçar o perfil do defraudador e entre muitas outras definições encontramos três tipos fundamentais:» OPORTUNISTA OU INFLACIONISTA - tenta tirar vantagem do sinistro exagerando os danos, com o intuito de obter um valor mais alto de indemnização» PROFISSIONAL - actua por norma sozinho, procura acordo com gestor de sinistro com o intuito de evitar o recurso ao Tribunal, aceitando acordos bastante inferiores ao reclamado» ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA - grupos organizados que se dedicam a actividades ilegais, envolvendo esquemas de fraude não só a Seguradoras. Se durante muito tempo se pensou que o defraudador português se enquadraria no conceito de oportunista ou inflacionista e se tolerou de forma mais ou menos consciente esta fraude justificando sempre com a má imagem que a sociedade portuguesa tinha das Seguradoras, hoje, temos consciência que cada vez mais encontramos casos do defraudador profissional e de associações criminosas e o seu combate já não pode ser feito de forma empírica e voluntariosa! O combate à fraude assume-se por isso como uma preocupação comum a todas as Seguradoras no mercado, as quais, conscientes desta evolução da fraude se preocupam não só em punir a fraude mas sobretudo evitá-la através de acções de prevenção. AUMENTO SINISTRALIDADE FRAUDES SUBSCRIÇÃO / EMISSÃO / ALTERAÇÃO DA APÓLICE AUMENTO DO PRÉMIO SAÍDA DE SEGURADOS Acções essas que começam desde logo na contratação e se estendem até à regularização do sinistro. É preciso conhecer para combater pelo que a formação de todos os elementos que participam no processo de um contrato de seguro é fundamental! Quantas vezes são os agentes de seguros enganados por clientes que aproveitando-se da credibilidade que possam ter junto deste, ocultam elementos que agravam o risco, sinistros anteriores, tentam contratar seguros para bens que não existem de facto? Combater a fraude aos Seguros de forma profissional e eficiente, rentabilizando o investimento que se faz para a sua detecção não se resume à detecção desta. É preciso mais e respeitar algumas regras básicas como:» fechar a porta que permitiu a entrada da fraude, revendo os procedimentos;» só podemos combater aquilo que conhecemos registar os dados de fraude para que se possa conhecer quem, o quê, onde e quando se pratica fraude na carteira da nossa Seguradora;» no caso de Automóvel, inserir informação de fraude no sistema que alimenta a Segurnet;» apresentar queixa-crime nos casos graves e garantir a devida publicidade a condenações judiciais;» comunicar às autoridades de supervisão sempre que envolva alguém cuja profissão obriga a um especial dever de honestidade (ex. elementos de forças policiais, agentes de seguros, etc..);» formar, formar e formar toda a Seguradora, fornececendo informação actualizada de novos modus operandi. Por fim, sensibilizar a opinião pública para o problema da fraude, demonstrando claramente que no final, quem sai a perder é sempre o cidadão que paga o seu prémio de seguro e o vê agravado devido ao impacto da fraude na carteira das seguradoras. Estima-se que a 5% dos prémios são agravados devido ao custo da Fraude. Já imaginaram o que podiam fazer com esse dinheiro? Associação Portuguesa de Seguradores «7

18 actividade seguradora EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEGURO DIRECTO JANEIRO A SETEMBRO (VALORES ACUMULADOS) PRÉMIOS DE SEGURO DIRECTO U» mil milhões de euros Em Setembro deste ano, o volume acumulado de prémios de seguro directo ascendia, para uma amostra de 98,7% do mercado, a 9.79 milhões de euros, registando uma taxa de crescimento de 3,3% face ao período homólogo de 26. O segmento Vida atingiu, para uma amostra de 99%, uma produção total de 6.48 milhões de euros, apresentando um nível de crescimento superior (5,%), tendo sido os produtos de perfil financeiro aqueles que mais contribuíram para esta evolução. Esta taxa de crescimento é superior às que têm sido observadas no período em análise, o que pode ser indiciador de uma alteração de atitude por parte dos indivíduos. Neste período, o cenário evolutivo dos PPR não tem sido dos mais favoráveis, já que têm apresentado taxas de crescimento negativas, embora com uma ligeira tendência de recuperação (em Janeiro a variação era de -44,8% e em Setembro é de -8,7%). Esta recuperação é explicada especialmente pelo crescimento dos Planos de Poupança Reforma ligados a fundos de investimento, cujas taxas foram positivas a partir de Junho passado (em Setembro, o seu valor era de 2,4%). PRÉMIOS DE SEGURO DIRECTO - VIDA 4,5 4, 3,5 3, 2,5 2,,5,,5, U» mil milhões de euros PRÉMIOS DE SEGURO DIRECTO - NÃO VIDA 2,,5,» 26»27,5, U» mil milhões de euros» 26»27 8» Associação Portuguesa de Seguradores

19 actividade seguradora TAXAS DE CRESCIMENTO MENSAIS % 5% 5, % -5% 2,6,6-3,4 2,4 2,7 2,3 2,4 2,4 2,4 2,,6,3,5,5,6,6,2 -,7 -,5,5,6-2,3,5-2,9-3,6-4,7-5,3-5,7 3,3 2, -, -7,3-9, -8,2 -% -3,9-5% Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro U» mil milhões de euros» Vida» Total» Não Vida» Taxa de inflação Relativamente ao segmento Não Vida, no seu geral, tem apresentado taxas de crescimento estacionárias - apesar de ter sido negativa no mês de Setembro (-,%), registando, os montantes de prémios de seguro directo, valores próximos de.894 milhões de euros, neste início do último trimestre do ano. Constata-se que no mês de Setembro, os ramos com maior importância neste segmento - Automóvel, Acidentes de Trabalho e Riscos Múltiplos, que representam 54%, 8% e 3%, respectivamente - continuam a influenciar fortemente o seu comportamento. A queda do volume de produção de seguros no ramo Automóvel é notória dado que os seus montantes passaram de.56 milhões de euros, em Setembro de 26, para.469 milhões de euros, no período homólogo em 27. Quanto aos ramos que continuam a apresentar valores positivos, destacam-se o ramo Doença (+ 8,2%), o de Responsabilidade Civil Geral (+7,%) e o de Seguro de Crédito (2,2%). Dado os riscos que abrange, nomeadamente o de insolvência e o de crédito hipotecário, pode-se constatar que o crescimento deste último ramo não está indiferente à necessidade de estabilidade das empresas portuguesas no actual cenário económico. Com o comportamento do ramo Vida, a evolução da actividade ao longo do ano, em termos de taxas de crescimento homólogas, começa a assinalar uma ligeira recuperação. Associação Portuguesa de Seguradores «9

20 serviços aps DADOS ATÉ 3 DE SETEMBRO FNM» FICHEIRO NACIONAL DE MATRÍCULAS Nº DE MATRÍCULAS EM VIGOR POR ANO DE ABERTURA DAS APÓLICES Ano Nº Matrículas Freq.Relat. Freq.Absol ,9% 7,9% ,7% 35,5% ,8% 48,3% ,5% 59,8% ,% 66,9% ,7% 73,6% ,7% 78,3% ,2% 82,5% [99;999] ,5% 95,% [98;989] ,4% 98,4% [97;979] 79.49,3% 99,7% [96;969] 6.659,3%,% [95;959] 546,%,% [94;949] 564,%,% <94,%,% Total Total [94;27] ,% Ano Médio 22 Nº DE MATRÍCULAS EM VIGOR Categoria ISP Nº Matrículas Estrutura CICLOMOTOR ,3% MOTOCICLO ,8% LIGEIRO (particular) ,2% MISTO ,4% PESADO (caminheta, camião, autocarro e articulados) ,% Restantes ,% Total ,% Nº DE MATRÍCULAS DE APÓLICES NOVAS POR ANO Ano Nº Matrículas Total CRS» CONVENÇÃO DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS Danos Próprios Acidentes de Trabalho 26 Abertos 27 Abertos Δ% Encerrados* 26 Abertos 27 Abertos Δ% Encerrados* Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Total % 44% -39% -33% 2% -25% -2% -% 67% 8% % 25% -33% -% -64% -29% -29% -% -5% -86% Despesas Hospitalares IDS Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Total 26 Abertos Abertos Δ% Encerrados* Abertos Abertos Δ% Encerrados* * Processos encerrados independentemente do ano em que foram abertos 2» Associação Portuguesa de Seguradores

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel?

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel? SEGURO AUTOMÓVEL Qual a importância do Seguro Automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e, em caso de acidente, podem incorrer em graves

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde Gabinete de Apoio ao Consumidor Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014 Banco de Cabo Verde ÍNDICE pág. 1. Âmbito e atribuições do FGA...3 2. Actividades desenvolvidas pelo FGA em 2014...4

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto (informação prestada nos termos e para os efeitos previstos no n.º 6 da Cláusula Preliminar da Parte Uniforme das Condições Gerais do Seguro Obrigatório de Responsabilidade

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013

newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 newsletter Nº 79 AGOSTO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 Capitalização de Gastos com Empréstimos Obtidos 4 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Tribunal Constitucional

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 212/VIII PREÇOS CONVENCIONADOS PARA OS SEGUROS AUTOMÓVEIS OBRIGATÓRIOS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 212/VIII PREÇOS CONVENCIONADOS PARA OS SEGUROS AUTOMÓVEIS OBRIGATÓRIOS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 212/VIII PREÇOS CONVENCIONADOS PARA OS SEGUROS AUTOMÓVEIS OBRIGATÓRIOS Exposição de motivos A liberalização do sector dos seguros, operada desde o início da década de 90, ao possibilitar

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho O regime jurídico do pagamento dos prémios dos contratos de seguro consta do Decreto-Lei n.º 105/94, de 23 de Abril, cujo regime tem propiciado crescentes situações

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR A evidente importância de um ensino condigno para crianças e jovens está a ser seriamente posta em causa por factores de violência

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997R2027 PT 30.05.2002 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 REGULAMENTO (CE) N. o 2027/97 DO CONSELHO de 9 de Outubro de 1997 relativo à

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO

NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO NOVO REGIME JURÍDICO DO CHEQUE SEM PROVISÃO TEXTO INTEGRAL ACTUALIZADO Decorrente do Dec.-Lei 316/97, de 19 de Novembro. CAPÍTULO I Das restrições ao uso de cheque Artigo 1. Rescisão da convenção de cheque

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro

Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Decreto-Lei nº 495/88, de 30 de Dezembro Com a publicação do Código das Sociedades Comerciais, aprovado pelo Decreto-Lei nº 262/86, de 2 de Setembro, e do Decreto-Lei nº 414/87, de 31 de Dezembro, foram

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso Processo n.º 228/2006 Data: 27/Julho/2006 Assuntos: - Direito de regresso SUMÁRIO: Não vindo provado o facto justificativo do direito de regresso, no caso, o abandono do sinistrado, o pedido não pode deixar

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 )

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, Regulamenta a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, que estabeleceu as bases do enquadramento jurídico do voluntariado (JusNet 223/1999) ( DR N.º 229 30

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários

INFORMAÇÕES JURÍDICAS. 1.Serviços mínimos bancários INFORMAÇÕES JURÍDICAS 1.Serviços mínimos bancários Desde o passado dia 23 de Maio que qualquer consumidor pode ter acesso aos serviços mínimos bancários, com custos reduzidos, e não somente aqueles que

Leia mais

Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira

Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira Carlos Figueiredo 06/05/2010 Índice O Regime de Responsabilidade Ambiental Garantia Financeira

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre Agrupamento de Escolas Fernão do Pó, com n.º de Contribuinte 600079970 e sede em Av. Dr. Joaquim de Albuquerque, 2540-004 Bombarral, adiante designado por Agr. Escolas Fernão

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Considerando: A importância formativa, social e cultural do voluntariado e o papel importante que o Instituto Politécnico

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 Entre a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, Pessoa Colectiva nº 500948470, com sede em Lisboa, na Rua Dr. António Cândido, nº 8, 2º andar,

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Resolução de Conflitos no Sector Segurador e Fundos de Pensões

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Resolução de Conflitos no Sector Segurador e Fundos de Pensões Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Resolução de Conflitos no Sector Segurador e Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Novembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 6 V Outras informações 7 NEWSLETTER

Leia mais

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3 Adopta medidas mais justas no acesso aos medicamentos, combate à fraude e ao abuso na comparticipação de medicamentos e de racionalização da política do medicamento no âmbito do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na Mitigação de Riscos, no Salão de Banquetes da Assembleia

Leia mais

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO

MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO NotíciasdoDireito Janeiro a Março de 2012 SECTOR BANCÁRIO E FINANCEIRO MEDIDAS DE REFORÇO DA SOLIDEZ FINANCEIRA DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO A Lei n.º 4/2012, de 11 de Janeiro, altera a Lei n.º 63-A/2008,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

PROJECTO DE CIRCULAR BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE EMPRESAS DE SEGUROS E MEDIADORES DE SEGUROS

PROJECTO DE CIRCULAR BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE EMPRESAS DE SEGUROS E MEDIADORES DE SEGUROS PROJECTO DE CIRCULAR BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE EMPRESAS DE SEGUROS E MEDIADORES DE SEGUROS Nos termos legais, as empresas de seguros e os mediadores de seguros encontram-se sujeitos a um conjunto

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde Fundo de Garantia Automóvel Relatório Anual de Actividades 2010 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 03 2. Actividades desenvolvidas em 2010.. 03 2.1 Abertura e encerramento de processos... 04 2.2.

Leia mais

Manual de Regularização de Sinistros

Manual de Regularização de Sinistros Manual de Regularização de Sinistros Participação de Sinistro Abertura de Processo Peritagem Enquadramento e Definição de Responsabilidades Prazos de Regularização Veículo de substituição Perda Total Participação

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV 'HFUHWR/HLQž GHGH6HWHPEUR O voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando, de forma livre e organizada, na solução

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais