A RELAÇÃO DE EMPREGO E O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELAÇÃO DE EMPREGO E O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA"

Transcrição

1 A RELAÇÃO DE EMPREGO E O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA Danilo Nogueira Real Sakamoto Advogado RESUMO: Tem o presente estudo o objetivo de analisar a relação de emprego sem deixar de lado os elementos que a caracterizam como a pessoalidade, não eventualidade, onerosidade e a subordinação, pois sem eles não é possível falar em relação empregatícia. Além de analisarmos a diferença entre relação de emprego e a relação de trabalho como também diferenciarmos a o empregado do trabalhador. Relacionar as leis, as doutrinas e as jurisprudências que fundamentam os operadores do Direito. Tem o objetivo de identificar a finalidade do contrato de experiência, bem como as vantagens e desvantagens para o empregado e para o empregador, tais como: a duração, prorrogação, sucessão para a realização de um novo contrato de experiência, cuidados que devem ser tomados, a obrigatoriedade da anotação na CTPS, os casos de rescisão antecipada e as verbas rescisórias de direito.

2 2 SUMÁRIO Introdução Capítulo I Relação de Emprego 1.1.Da diferença entre a relação de emprego e a relação de trabalho 1.2.Da diferença entre empregado e trabalhador 1.3.Relação de Emprego Definição 1.4.Principais elementos para caracterização da relação de emprego Pessoalidade Não eventualidade Onerosidade Subordinação Capítulo II Modalidades de contrato de trabalho 2.1.Contrato de trabalho com prazo indeterminado 2.2.Contrato de trabalho com prazo determinado Contrato por obra certa Contrato de safra Contrato por prazo determinado com redução de encargos Lei nº 9.601/ Trabalho temporário Capítulo III Contrato de Experiência 3.1.Definição 3.2.Duração 3.3.Prorrogação 3.4.Sucessão de novo contrato 3.5.Cuidados que devem ser tomados 3.6.Obrigatoriedade da anotação na CTPS 3.7.Rescisão antecipada 3.8.Rescisão antecipada pelo empregador sem justa causa 3.9.Rescisão antecipada pelo empregado 3.10.Verbas rescisórias 3.11.Prazo para pagamento das verbas rescisórias Considerações Finais Referências Bibliográficas

3 1 A RELAÇÃO DE EMPREGO E O CONTRATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO O presente estudo tem a finalidade de abordar a relação de emprego regida pela Consolidação das Leis do Trabalho, as modalidades de contrato de trabalho como o de prazo indeterminado, os de prazo determinado, mas em específico o contrato de experiência que é uma das modalidades de contrato de trabalho com prazo determinado. Porém, antes de tratarmos da relação de emprego abordamos a diferença que existe entre a relação de emprego e a relação de trabalho. Trataremos também a diferença entre o empregado do trabalhador, para assim então entrarmos a fundo a relação de emprego. A relação de emprego é necessária para toda a modalidade de contrato de trabalho seja ela por tempo indeterminado ou por tempo determinado. Não podendo deixar de ser citada tendo em vista que é de suma importância para todas as modalidades de contrato de trabalho. Falando em relação de emprego, não podemos deixar de citarmos a existência dos elementos ou pressupostos que a caracterizam como a pessoalidade, a não eventualidade, a onerosidade e a subordinação, pois sem eles não é possível falar na relação empregatícia. Dessa forma a relação de emprego resulta dos cinco elementos fáticos jurídicos que a compõem, sendo que a subordinação entre todos esses elementos é o que tem maior importância para formação do tipo legal da relação empregatícia. A modalidade de contrato de trabalho com prazo indeterminado, que é o tipo mais comum de contrato esta Consolidado no artigo 442 e seguintes. Já as modalidades de contrato de trabalho com prazo a termo estão relacionados na CLT, em específico no artigo 443, parágrafo 2º, alíneas a b e c. O contrato de experiência que tem principal destaque, esta expresso na alínea c do referido artigo 443, parágrafo 2º Consolidado. Citaremos algumas modalidades de contrato de trabalho com prazo determinado apenas para diferenciarmos do contrato de experiência como o contrato por obra certa, o

4 2 contrato de safra, o contrato por prazo determinado com redução de encargos lei nº 9.601/98 e o trabalho temporário. Assim, o contrato de experiência será tratado em sua individualidade, deixando de lado as outras modalidades de contrato de trabalho, em específico o de prazo indeterminado. Assim, relataremos todas as especificações do contrato de experiência, como sua definição, onde veremos qual a vantagem do empregado e do empregador nessa modalidade de contratação, sua duração, sua prorrogação, o tempo necessário para a sucessão de um novo contrato, quais os cuidados que devem ser tomados para que o contrato de experiência não se torne um contrato por prazo indeterminado, a importância da anotação na CTPS, as verbas rescisórias e o prazo para o pagamento dela. Diante disso, através das peculiaridades do contrato de experiência e da importância de sua influência, é que se torna extremamente necessário o seu estudo, pois ele é usado de forma muito habitual pelos empregadores na contratação de seus empregados, para saber antes de contratá-lo de forma definitiva, se o mesmo tem aptidão para exercer a função para que foi contratado. Assim como é importante para o empregado verificar se consegue adaptar-se a estrutura hierárquica dos empregadores, como também ao ambiente de trabalho, e as condições de trabalho a que esta subordinado. CAPÍTULO I RELAÇÃO DE EMPREGO 1.1. DA DIFERENÇA ENTRE A RELAÇÃO DE EMPREGO E A RELAÇÃO DE TRABALHO Antes de tratarmos da relação de emprego, que é aquela resultante de um contrato de trabalho, expresso ou tácito, submetido aos dispositivos da CLT e que pode ser objeto de ação ajuizada perante a Justiça do Trabalho, surge diferenciá-la da relação de trabalho, pois não podemos confundir uma com a outra. Segundo o artigo 442 da CLT, contrato de trabalho é o acordo tácito ou expresso correspondente à relação de emprego. O consentimento a que se refere o artigo pode ser expresso ou tácito. Assim podemos definir a relação de emprego como sendo uma relação jurídica de

5 3 natureza contratual que tem de um lado o empregado e de outro o empregador como sujeitos, e tem como objeto o trabalho subordinado, continuado e assalariado. A relação de trabalho tem um caráter genérico, ou seja, referindo-se a toda modalidade de contratação de trabalho humano modernamente admissível, sendo assim a relação de emprego uma espécie de relação de trabalho, assim como todas as outras formas de pactuação de prestação de trabalho existente. Dessa forma a relação de emprego corresponde a um tipo legal específico, que não se confunde com as demais relações de trabalho como: a relação de trabalho de estágio, relação de trabalho eventual, relação de trabalho autônomo, relação de trabalho avulso, entre outras modalidades. Dessa forma, vejamos o entendimento doutrinário diante do ponto de vista técnico jurídico de Mauricio Godinho Delgado (2003 : 284): A relação de emprego, entretanto, é, do ponto de vista técnico-jurídico, apenas uma das modalidades especificas de relação de trabalho juridicamente configuradas. Corresponde a um tipo legal próprio e especifico, inconfundível com as demais modalidades de relação de trabalho ora vigorantes. Admissível a seguinte distinção terminológica: relação jurídica de trabalho é a que resulta de um contrato de trabalho, denominado relação de emprego. Quando não haja contrato, teremos uma simples relação de trabalho (de fato) DA DIFERENÇA ENTRE EMPREGADO E TRABALHADOR Também é muito importante diferenciarmos o empregado do empregador. Empregado é todo trabalhador, que mediante um contrato de trabalho, oneroso e sinalagmático, predispõe-se a vender, por um salário, sua força produtiva a outrem, ou seja, empregador, de forma subordinativa e não eventual. Trabalhador é todo indivíduo, que mediante o ajuste de determinado preço, predispõe-se a vender sua força de trabalho a outrem, de forma autônoma e eventual. Assim, o elemento principal que distingue o empregado e o trabalhador autônomo é a subordinação, ou seja, empregado é trabalhador subordinado, trabalhador autônomo

6 4 trabalha sem subordinação, para alguns doutrinadores é aquele que trabalha por conta própria, sendo que subordinado só pode ser aquele que trabalha por conta alheia. Já o elemento principal que distingue o empregado e o trabalhador eventual é a não eventualidade, ou seja, é o trabalhador admitido numa empresa para prestar desenvolver serviços não coincidentes com os seus fins normais. Sendo assim trabalhador eventual é o ocasional, esporádico, que trabalha de vez em quando. Assim, concluímos que o trabalhador autônomo e o trabalhador eventual não possuem vínculo empregatício, diferentemente do empregado que preenche todos os elementos que caracterizam a relação empregatícia RELAÇÃO DE EMPREGO DEFINIÇÃO (2002 : 236): Uma das melhores definições de Contrato de Trabalho é a dada por Délio Maranhão Contrato de trabalho stricto sensu é o negócio jurídico pelo qual uma pessoa física (empregado) se obriga, mediante o pagamento de uma contraprestação (salário), a prestar trabalho não eventual em proveito de pessoa física ou jurídica (empregador), a quem fica juridicamente subordinado. Assim, para definir uma relação empregatícia é necessário estar presentes os seus elementos caracterizadores. É importante diferenciarmos tais elementos, pois não estando presente um deles não poderá ser considerada relação protegida pelas regras do Estatuto Consolidado. Os elementos caracterizadores da relação de emprego são: 1. Pessoa física, pois a pessoa jurídica prestadora de serviços não pode ser considerada empregada; 2. O trabalho tem de ser prestado de forma contínua, pois trabalho eventual não consolida uma relação de emprego a ser protegida pela CLT; 3. Trabalho subordinado, pois o empregado, no exercício de suas funções, cumpre ordens de seu empregador;

7 5 4. Existência de contraprestação, posto que o trabalho prestado de forma voluntária, sem pagamento de salário, também descaracteriza a relação de emprego. Além desses elementos caracterizadores da relação de emprego, também são necessários alguns requisitos para a formação de um contrato de trabalho como: 1. Capacidade dos contratantes: empregado e empregador devem ter capacidade para contratar, isto é, não ser declarados, por lei, como incapazes. São capazes para contratar os maiores de 18 anos independentemente de autorização, os maiores de 16 anos e menores de 18 anos que dependem de autorização do representante legal, já os menores de 16 e maiores de 14 não podem contratar, mesmo que haja autorização legal, exceto se prestarem serviços na condição de aprendiz; 2. Manifestação da vontade: os contratantes devem manifestar livremente a sua vontade, ou seja, ela deve estar livre de qualquer vicio que a possa influenciar, como por exemplo, o erro, a má-fé, a coação, a simulação ou a fraude. Tais vícios podem anular o contrato de trabalho, salve aqueles que, praticados sem dolo, não prejudicam ninguém nem fraudam a lei; 3. Objeto lícito: a prestação de serviço deve ter por fim a realização de um objeto legal, permitido em Direito. A atividade a ser desenvolvida deve ser licita, autorizada por lei; 4. Forma prescrita em lei: os contratos de trabalho, para serem válidos, independem de forma pela qual foram elaborados. Podem ser acordados verbalmente ou por escrito e, ainda, expressa ou tacitamente conforme o artigo 443 da CLT. O vínculo entre empregado e empregador é de natureza contratual, ainda que no ato que deu origem nada tenha sido ajustado, ou seja, desde que a prestação de serviço tenha se iniciado sem oposição do tomador, será considerado existente o contrato de trabalho. Conforme entendimento do Douto Valentin Carrion (2005 : 279) o contrato de trabalho pode ser caracterizado tanto de forma tácita como de forma expressa senão vejamos: 2. Tácito ou expresso: a simples tolerância de alguém permitindo e usufruindo o trabalho alheio terá os mesmos efeitos jurídicos do pacto expresso, se o esforço humano desenvolvido estiver cercado das mesmas características do contrato de emprego. De certo que ninguém será empregado ou empregador senão em virtude de sua própria vontade, mas mesmo assim, se uma pessoa começar a trabalhar para outra sem

8 6 que nada haja sido previamente combinado, mas haja o consentimento de quem toma o serviço em seu benefício (contrato tácito), muito bem pode se originar um contrato de trabalho. Ainda que não exista documento formal de contrato, ou mesmo seja o contrato nulo por motivos diversos, mas daquela prestação de fato podem resultar conseqüências jurídicas para as partes. Assim, quando mencionamos a necessária existência de contrato de trabalho, não estamos nos reportando a documento formal. O contrato de trabalho pode muito bem ser firmado de forma tácita, ou mesmo quando expresso, não se converter em documento escrito. O que nos interessa é detectar a existência de contratação nos moldes previstos na CLT (trabalho pessoal, subordinado, não eventual, oneroso etc.). Na existência do contrato de trabalho, este deverá adotar normas jurídicas determinadas, havendo, no entanto, certa autonomia para que as partes integrantes da relação jurídica estipulem condições contratuais próprias, desde que dentro dos limites legais, pois estando fora não terá valor nenhum para o Direito. Por exemplo, o empregador não pode ajustar com o empregado na elaboração do contrato de trabalho clausula que estipule o pagamento de horas extras abaixo do mínimo legal que é de 50%, mesmo por vontade própria do empregado. É correto afirmar que é o contrato de trabalho, embora não seja elemento essencial para configuração da relação de emprego, pois a mesma pode se dar na forma tácita, é a forma mais segura de salvaguardar os direitos e garantias dela provenientes PRINCIPAIS ELEMENTOS PARA CARACTERIZAÇÃO DA RELAÇAO DE EMPREGO Para a caracterização da relação de emprego são necessários alguns elementos caracterizadores como a pessoalidade, não eventualidade, onerosidade e subordinação. Todos esses elementos fático-jurídicos juntos formam um tipo legal específico e delimitado que é a relação de emprego. Ensina Mauricio Godinho Delgado (2003 : ): De fato, a relação empregatícia, enquanto fenômeno sociojurídico, resulta da síntese de um diversificado conjunto de fatores (ou elementos) reunidos em um dado contexto social ou interpessoal. Desse modo, o fenômeno sociojurídico da relação de emprego deriva da conjugação de certos

9 7 elementos inarredáveis (elementos fático-jurídicos), sem os quais não se configura a mencionada relação. Esses elementos surgem independente do Direito e por isso são chamados de elementos fáticos, são captados pelo Direito e conseqüentemente são chamados de elementos fático-jurídicos. Por quanto, não são criação jurídica, mas simples reconhecimento pelo Direito. Deve-se ressaltar que alguns doutrinadores chamam esses elementos fático-jurídicos de pressupostos, o que não muda em nada o nosso estudo em relação a esses elementos ou pressupostos PESSOALIDADE O contrato de trabalho é intuitu personae em relação a pessoa do empregado, que não poderá ser substituído na execução das suas tarefas por quem quer que seja (a não ser que o empregador promova contratação de outro trabalhador, para executar tarefas idênticas, ou mesmo permita que o empregado que necessite se ausentar por motivos particulares seja substituído por um outro que execute função idêntica). A prestação pessoal do serviço decorre do fato de a relação de emprego ter caráter intuitu personae. Qualquer que seja o tempo de duração ela se institui entre dois pólos: empregado e empregador. A doutrina clássica, devido a esta regra da pessoalidade, desconhece a substituição no emprego, por que havendo substituição não podemos falar mais no elemento pessoalidade. Dela ainda decorrem os deveres de diligência, boa-fé, lealdade e o da profissionalidade, já que via de regra o trabalhador é contratado com vistas ao exercício de uma determinada profissão. Segundo Marcos Abílio Domingues (2000 : 19): O primeiro elemento, pessoa física, vai além da circunstância de que um dos sujeitos deva, necessariamente, ser pessoa natural e não jurídica. O trabalho do empregado, que somente pode ser pessoa física, inclui a imposição da prestação do serviço somente por quem foi contratado. Ou seja, o empregado não pode se fazer substituir por outra pessoa, qualquer que seja a causa. Se há impedimento para o trabalho, o trabalho não é

10 8 prestado por alguém em substituição, senão por outro empregado ou alguém contratado diretamente pelo empregador. A situação difere, por exemplo, do contrato de serviço autônomo, pelo qual nos impedimentos do titular, este pode se fazer substituir na execução do serviço por outra pessoa, exceto se houver impedimento expresso de quem contrata. Contudo, esta circunstância não desnatura o referido contrato. Além da característica intuitu personae, temos também outras como o princípio da infungibilidade, ou seja, não pode haver substituição, trocar um empregado por outro e, é personalíssimo, ou seja, não pode ser delegado a outra pessoa. Havendo substituição do empregado, estará este ferindo o principio da infungibilidade, assim o serviço prestado para o empregador não terá o elemento da pessoalidade, que é um dos elementos que caracterizam a relação empregatícia NÃO EVENTUALIDADE Esse elemento da não eventualidade rege o princípio da continuidade da relação de emprego, para que haja relação empregatícia é necessário que o trabalho seja prestado em caráter de permanência mesmo que seja por um período curto e determinado, pois sendo prestado de forma eventual, afasta-se totalmente a vinculo empregatício entre empregado e empregador. Trabalho prestado de foram eventual, sem permanência, não caracteriza a relação empregatícia. Segundo Jose Ribamar da Costa (1993 : 24) vejamos: Continuidade: É um elemento importante para caracterizar a relação de emprego. O trabalho tem que ser contínuo. Assim sendo, o trabalhador que presta serviços ocasionais, como o eventual, o biscateiro, etc., não é empregado pois executa serviços transitórios. Ensina também Amauri Mascaro Nascimento (2004 : 582):... é o mesmo que profissional sem patrão, sem empregador, porque seu serviço é aproveitado por inúmeros beneficiários e cada um destes se beneficia com as atividades do trabalhador em frações de tempo

11 9 relativamente curtas, sem nenhum caracter de permanência ou de continuidade. Trabalho transitório, portanto, caracterizado por tarefas ocasionais de índole passageira. A não eventualidade na prestação dos serviços significa a prestação de trabalho em caráter permanente. Para a efetiva integração do trabalhador na atividade empresarial. Para sua caracterização é de grande importância o tempo em que o trabalho é desenvolvido pelo trabalhador, surgindo assim um grande impasse doutrinário e jurisprudencial, que é um problema sanado na prática, através do arbítrio judicial. A maior polêmica sobre a não eventualidade é em relação aos serviços domésticos, onde o trabalho é prestado muitas vezes apenas um dia na semana e o vinculo empregatício é reconhecido. Esse elemento é essencial na distinção entre as figuras do empregado doméstico e do diarista, pois o diarista presta os seus serviços em apenas alguns dias da semana, assim confunde-se muito um do outro. Assim aparece a não eventualidade como um elemento essencial para caracterização da relação empregatícia, pois não sendo o serviço do empregado prestado para o empregador de forma continua, ou seja, eventual não se podemos falar na relação de emprego ONEROSIDADE A onerosidade nada mais é do que a contraprestação paga ao empregado pelo empregador pelos serviços prestados. Ensina Mauricio Godinho Delgado (2003 : 296) que na relação empregatícia existe o elemento onerosidade: Onerosidade A relação empregatícia é uma relação de essencial fundo econômico. Através dessa relação sociojurídica é que o moderno sistema econômico consegue garantir a modalidade principal de conexão do trabalhador ao processo produtivo, dando origem ao longo universo de bens econômicos característicos do mercado atual. Desse modo, ao valor econômico da força de trabalho colocada á disposição do empregador deve corresponder uma contrapartida econômica em beneficio obreiro, consubstanciada no conjunto salarial, isto é, o complexo de verbas contraprestativas pagas pelo empregador ao empregado em virtude da relação empregatícia pactuada.

12 10 Contudo, a relação entre empregado e empregador e totalmente onerosa, ou seja, é uma relação de essencial fundo econômico, pois à prestação de trabalho corresponde a contraprestação salarial. Este elemento deve sempre estar presente, por que onde houver prestação de serviços realizados a outrem, sempre haverá contraprestação econômica, ou seja, pagamento de salário. Podemos dizer então que na relação empregatícia haverá uma contraprestação salarial, paga pelo empregador para o empregado. Falando em onerosidade, devemos lembrar que o contrato de trabalho é, ainda, sinalagmático, uma vez que dele resultam obrigações contrárias e equivalentes (ao empregado cabe efetuar os serviços e ao patrão efetuar o pagamento do salário combinado). Assim o contrato de trabalho é bilateral, por envolver um conjunto diferenciado de prestações e contraprestações recíprocas entre as partes SUBORDINAÇÃO Entre todos os elementos fático-jurídicos relacionados acima este é o mais importante para a caracterização da relação de emprego. Assim ensina Marcos Abílio Domingues (2000 : 19-20):... o elemento mais importante e caracterizador supremo da relação de emprego é a subordinação. O contrato individual de trabalho, apesar de também composto pelos outros três elementos, sem dúvida tem na subordinação sua principal expressão. Veremos que outras modalidades de contratos de prestação de serviço podem apresentar a pessoalidade, a onerosidade e a continuidade, mas, somente o de emprego acrescenta e acumula com os demais elementos a subordinação.... A subordinação é a dependência hierárquica (jurídica) em que se encontra o empregado em face do empregador, isto porque apesar de o empregado vender sua força laborativa, esta não se desvincula de sua pessoa. Subordina-se, desta forma, empregado à vontade e aos limites instituídos pelo empregador, ainda que este tenha sua vontade e

13 11 suas diretrizes limitadas pela lei e pelo contrato, ou seja, o empregado deve obedecer ao empregador, ser-lhe fiel e servil dentro dos parâmetros legais. Daí falar-se em subordinação jurídica e não em dependência pessoal. Caracteriza-se, também, a subordinação, por se uma exteriorização da relação de trabalho, o débito permanente em que se encontra o empregado face o empregador. O fato de encontrar-se o empregado juridicamente subordinado ao empregador não significa que o primeiro seja dependente do segundo, mas sim que entre eles existe uma relação de interdependência (presunção absoluta) resultante do contrato de trabalho, que válido, faz nascer à relação empregatícia. Subordina-se o empregado à orientação técnica do empregador. Ressalta-se que o trabalhador é livre e se fica subordinado ao empregador, na prestação de trabalho, nunca é demais acentuar que tal subordinação encontra seus limites no mesmo contrato que a gerou. Segundo alguns doutrinadores, a subordinação do empregado, prevista no art. 3º, da CLT, como elemento caracterizador da relação de emprego, implica diversos tipos de subordinação como a econômica, a jurídica, a moral, e a de ordem pessoal. Como direitos do empregador, que inegavelmente geram subordinação ao empregado, destacamos os de direção (ou comando); os de controle (verificar o exato cumprimento da prestação do trabalho); os de aplicar penas disciplinares (em razão do inadimplemento do contrato de trabalho por parte do empregado). O poder disciplinar se constitui em possibilidade de aplicar as sanções disciplinares. É o meio de que dispõe o empregador para a imediata tutela de seus direitos em caso de violação das obrigações assumidas pelo empregado. O dever de obediência é limitado ao conteúdo do contrato de trabalho e em razão do tempo, ou seja, somente durante o tempo de vigência da contratação e nos limites do que ficou combinado. CAPÍTULO II MODALIDADES DE CONTRATO DE TRABALHO 2.1. CONTRATO DE TRABALHO COM PRAZO INDETERMINADO Dentre as modalidades de contrato de trabalho temos o contrato de trabalho com

14 12 prazo indeterminado e o contrato de trabalho com prazo determinado que trataremos a seguir. O contrato de trabalho é o ato jurídico que cria a relação de emprego, gerando, para o empregado e para o empregador, desde o momento de sua celebração, direitos e obrigações, oriundos deste contrato de trabalho celebrado entre as partes. Esta modalidade de contrato de trabalho é celebrado sem previa fixação do seu tempo de duração, diferentemente do contrato de trabalho por prazo determinado, sendo ajustado para prolongar-se indefinidamente, com termo final incerto. O contrato de trabalho com prazo indeterminado é o tipo mais comum de contrato. Neste caso, o contrato flui normalmente, sem determinação de prazo e na hipótese de rescisão, tanto o empregado quanto o empregador que quiser rescindi-lo deverá dar aviso prévio a outra parte. Saliente-se que se presume indeterminado o prazo até prova em contrário. Portanto, aquele que alegar existência de contrato a prazo, deverá provar a sua existência. Uma das características do contrato de trabalho é a não-eventualidade da obrigação de prestar trabalho. É próprio do contrato de trabalho a sua continuidade, razão pela qual presume-se a indeterminação do prazo de sua duração CONTRATO DE TRABALHO COM PRAZO DETERMINADO Esta modalidade é a que estabelece pré-determinação de prazo para sua extinção, razão pela qual ao seu termino, não há indenização e nem aviso prévio, pois seu termino tem data marcada. O contrato de trabalho com prazo determinado possui a duração máxima de 02 (dois) anos, podendo ser prorrogado apenas uma vez, desde que a soma dos dois períodos não ultrapasse dois anos. Tratando-se de contrato de experiência, seu prazo de duração passa a ser de 90 (noventa) dias, admitindo-se também uma única prorrogação, de forma que não ultrapasse o prazo retro especificado. É o contrato de trabalho que é combinado para vigorar por um período determinado, cuja vigência dependa de termo prefixado ou da especificados ou ainda da realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada.

15 13 Ao contrato que contiver cláusula assecuratória de direito recíproco de rescisão, antes de expirado o termo ajustado, aplicam-se, caso seja exercido tal direito por qualquer das partes, os princípios que regem a rescisão do contrato por prazo indeterminado. Nos contratos de trabalho por prazo determinado, sem cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão, caso o empregado não o cumpra, deverá indenizar o empregador dos prejuízos a que der causa, estando a indenização limitada a 50% (cinqüenta por cento) daquilo que teria direito de receber até o final do contrato. Da mesma forma, caso o empregador dispense o empregado, sem motivo justificado, estará sujeito ao pagamento de indenização a favor do obreiro correspondente à cinqüenta por cento do valor que receberia até o final do contrato, inclusive sobre os depósitos do FGTS. Em sua obra Valentin Carrion (2005 : 373) deixa claro a importância de cláusula assecuratória no contrato de trabalho com prazo a termo: Cláusula assecuratória do direito de rescisão antecipada confere às partes que assinaram contrato a termo a faculdade de se arrependerem antecipadamente. 443: Hipóteses de aplicação do contrato de trabalho por prazo determinado segundo o art. Art O contrato individual de trabalho poderá ser acordado tácita ou expressamente, verbalmente ou por escrito e por prazo determinado ou indeterminado. 1º Considera-se como prazo determinado o contrato de trabalho cuja vigência dependa de termo prefixado ou da execução de serviços especializados ou ainda da realização de certos acontecimentos suscetível de previsão aproximada. 2º O contrato por prazo determinado será valido em se tratando: a) serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo ; b) atividades empresariais de caráter transitório (retrata o exercício por um curto período de uma atividade que não é habitual na empresa) ; c) contrato de experiência: é uma espécie de contrato a prazo determinado, também denominado contrato de prova, que tem por finalidade dar mútuo conhecimento às partes contratantes, as quais durante período prefixado analisam as condições em que a relação de emprego ocorre e sua intenção de dar ou não continuidade ao contrato.

16 14 Assim vejamos algumas modalidades de contrato de trabalho com prazo a termo, como o contrato de trabalho por obra certa, o contrato de safra, o contrato por prazo determinado com redução de encargos lei nº 9601/98 e o trabalho temporário, de forma bem simples, apenas para diferenciá-lo do contrato de experiência que será tratado em sua individualidade CONTRATO DE TRABALHO POR OBRA CERTA Contrato de trabalho por obra certa é aquele celebrado entre as partes pelo período de duração da obra, constituindo-se em contrato por prazo determinado, podendo ser enquadrado na condição de execução de serviços especificados de que trata o 1º do art. 443 da CLT, bem como de realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. Os serviços realizados em obra certa são transitórios ou, muitas vezes, não passa a obra certa de atividade empresarial de caráter transitório. O objetivo desse contrato é a execução de serviços especificados, ou realização de certo acontecimento suscetível de previsão aproximada. Sua duração não poderá exceder a 02 (dois) anos e sua prorrogação não poderá ocorrer mais de uma vez, ocorrendo poderá transformar-se em um contrato por tempo indeterminado. Não devemos confundir o Contrato por Obra Certa com o Contrato de Empreitada, pois o primeiro é regulado pela legislação trabalhista e o segundo esta regulamentado no Código Civil Brasileiro CONTRATO DE SAFRA Contrato de Safra é aquele que tem sua duração dependentemente da influência das estações nas atividades agrárias, assim entendidas as tarefas normalmente executadas no período compreendido entre o preparo do solo para o cultivo e a colheita. Trata-se de trabalho não eventual, inserido na atividade do produtor rural.

17 15 Quanto à prorrogação, não pode ser ocorrer por mais de uma vez, pois se prorrogado se transforma por prazo indeterminado e assim obedecerá as regras do contrato de trabalho por prazo indeterminado. É empregado safrista a pessoa física que presta serviço a empregador rural mediante contrato de safra, isto é, contrato dependente de variação estacional na atividade agrária. O safrista, ou safreiro, é empregado porque presta trabalho não eventual, com pessoalidade e subordinação, mediante salário. O contrato se safra, não pode ser prorrogado após o termino da safra, mas pode entretanto ser sucedido por outro contrato de trabalho. A lei permite que o contrato de safra possa ser além de escrito, verbal ou tácito. Mas como todo contrato de trabalho, a forma mais adequada é a escrita, para evitar dúvidas futuras a respeito do que foi combinado entre as partes CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO COM REDUÇÃO DE ENCARGOS LEI Nº 9.601/98 Contrato por prazo determinado com redução de encargos Lei nº 9601/98, se caracteriza-se como contrato por prazo determinado nos termos da Lei nº 9.601/98 aquele firmado para admissões que representem acréscimo no número de empregados, cuja celebração deve contar com a participação obrigatória do sindicato representativo da respectiva categoria profissional, não sendo possível à empresa celebrá-lo diretamente com o empregado, sob pena da perda de sua eficácia plena. Admitindo-se sua implantação em qualquer atividade desenvolvida pela empresa ou estabelecimento, independentemente dos requisitos previstos no 2º do art. 443 da CLT. A intenção da criação dessa modalidade de contrato de trabalho é possibilitar a criação de mais empregos, pois o trabalhador pode ser contratado por um período Maximo de dois anos e a empresa fica isenta e multa de 50 % sobre o saldo do FGTS e do aviso prévio na rescisão do contrato, mesmo que esta ocorra antes do fim do prazo estipulado na contratação. Alem disso, a alíquota de FGTS reduzida para 2%. Seu objetivo é a implementação do referido contrato, nos moldes da citada Lei, tem por objetivo a redução de encargos sociais, visando o incremento de empregos, ou seja,

18 16 pretende a mencionada Lei amenizar a situação temporária de desemprego, decorrente da globalização, bem como legalizar a situação informal de certos trabalhadores, que eram utilizados sem registro e sem anotação na CTPS. Sua duração não poderá exceder 02 (dois) anos, quanto sua prorrogação, permite-se a dentro do período de 02 (dois) anos, sofrer sucessivas prorrogações. Desde que observado o período máximo de 02 (dois) anos, referidas prorrogações não acarretarão implicações para a empresa, visto que nesta modalidade de contrato admite-se a prorrogação por mais de uma vez, sem estar adstrito ao limite previsto no art. 451 da CLT TRABALHO TEMPORÁRIO Trabalho Temporário é aquele prestado por pessoa física a uma empresa para atender à necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços. Empresa de Trabalho temporário é a pessoa física ou jurídica urbana, cuja atividade consiste em colocar à disposição de outras empresas, temporariamente, trabalhadores, devidamente qualificados, por elas remunerados e assistidos. Seu objetivo justifica-se a contratação de trabalhadores temporários unicamente o acréscimo extraordinário de serviços na empresa, devidamente comprovado, ou a necessidade de substituição temporária de determinado empregado pertencente aos seus quadros permanentes. O contrato celebrado em desconformidade com o estabelecido pela legislação em vigor será considerado nulo de pleno direito, sujeitando as empresas contratante e contratada as penalidades legais aplicáveis. Quanto a duração o contrato de trabalho temporário mantido entre a empresa de trabalho temporário e a empresa tomadora com relação a um mesmo empregado, não pode ultrapassar a 3 meses, salvo autorização do órgão local do Ministério do Trabalho e desde que o período de trabalho não exceda a 6 meses. A prorrogação do contrato de trabalho temporário estará automaticamente autorizada caso a empresa tomadora comunique ao M.T.E. a ocorrência de um dos pressupostos: 1) Prestação de serviço destinada a atender necessidade transitória de substituição de pessoal regular e permanente que exceder de 3 meses.

19 17 2) Manutenção das circunstâncias que geraram acréscimo extraordinário dos serviços e ensejaram a realização de contrato de trabalho temporário. Segundo entendimento jurisprudencial os contratos sucessivos, com intervalo de poucos dias, produzem a responsabilidade solidária da empresa fornecedora de mão-deobra, bem como a caracterização de fraude à legislação e o reconhecimento do vínculo empregatício entre a tomadora de serviços e o trabalhador temporário, nos casos de extrapolação do limite de prazo dos contratos temporários. CAPÍTULO III CONTRATO DE EXPERIÊNCIA 3.1. DEFINIÇÃO É um contrato por prazo determinado que proporciona ao empregador a oportunidade de observar, durante o período, o desempenho funcional do empregado, as condições de trabalho oferecidas e sua adaptação, integração etc., ou seja tem a finalidade de verificar se o empregado tem aptidão para exercer a função que para ele foi confiada, além de simplificar os procedimentos por ocasião de seu término normal. No entanto o empregado, na vigência do contrato de experiência, também verificará se consegue se adaptar a estrutura hierárquica da empresa, dos empregadores, bem como a função, as condições de trabalho a que esta subordinado. Sobre o contrato de experiência temos o seguinte entendimento jurisprudencial: Contrato de experiência. O contrato de experiência é modalidade de contrato por prazo determinado que não exige requisitos especiais para sua adoção possuindo por escopo precípuo a avaliação de qualidades pessoais e profissionais do empregado e para que este aprove ou não as condições de trabalho oferecidas pelo empregador. (Acórdão unânime da 3ª Turma TRT da 4ª Região RO Rel. Juiz Mário Chaves DJ RS de ). Em tese, não podemos dizer que o contrato de experiência é um contrato preliminar,

20 18 pois o empregador verificará a aptidão do empregado para a função que lhe foi confiada, e somente depois celebrará ou não o contrato definitivo. Segundo Amauri Mascaro Nascimento (2004 : 645): É um contrato preliminar (Tofoleto e Coviello) dirigido à futura celebração de um contrato definitivo, tese que recebe critica de que não há obrigação das partes em fazer o contrato principal, que tanto poderá existir como não, daí por que não é correto falar em contrato preliminar de outro que inexiste. O contrato de experiência pode ser aplicado a qualquer trabalhador, independentemente de sua qualificação profissional, pois a lei não limita nenhum tipo de trabalhador específico para essa modalidade de contratação. Assim tanto o empregado comum, como aqueles que não são amparados pela CLT e sim por Lei específica podem passar pelo contrato de experiência antes serem contratados por prazo indeterminado. Em contrato de experiência não podemos falar em estabilidade, pois é incompatível com qualquer forma de estabilidade, inclusive a estabilidade provisória, tendo em vista a predeterminação do prazo para o seu termino desde a sua celebração. Assim, não será garantida estabilidade nem a empregada gestante, nem ao empregado acidentado nos termos da legislação previdenciária. Com relação a estabilidade da gestante temos os seguintes entendimentos jurisprudenciais: Gestante estabilidade provisória contrato de experiência O contrato de experiência, modalidade de contrato por prazo determinado (CLT, atr. 443, 2º, letra c), tem como característica o ser celebrado sob condição resolutiva, dependente de avaliação a que tem direito o empregador. Esse direito de avaliação assegura ao empregador, como não poderia deixar de ser, o direito de optar pela não manutenção do vinculo após o término do prazo da experiência. Em assim sendo, não se coaduna, o contrato de experiência, com o direito da empregada gestante à garantia do emprego. Embargos providos. (Acórdão unânime da SBDI-1 do TST ERR 96712/937 Rel. Min. Manoel Mendes de Freitas DJU-1 de ). Gestante. Contrato de experiência. Estabilidade provisória não reconhecida. Tratando-se o contrato de experiência de contrato por prazo determinado, em que as partes conhecem antecipadamente o seu prazo final, torna-se ele incompatível com o instituto da estabilidade provisória da

CONTRATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRATO DE EXPERIÊNCIA CONTRATO DE EXPERIÊNCIA O contrato de experiência é uma modalidade do contrato por prazo determinado, cuja finalidade é a de verificar se o empregado tem aptidão para exercer a função para a qual foi contratado.

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS D PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA CONTRATO

Leia mais

A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego.

A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego. 1 Aula 02 1 Contrato individual de trabalho A expressão contrato individual de trabalho tem o mesmo significado das expressões contrato de trabalho e contrato de emprego. 1.1 Conceito O art. 442, caput,

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS - DIREITO DO TRABALHO CONTRATO DE TRABALHO

ROTEIRO DE ESTUDOS - DIREITO DO TRABALHO CONTRATO DE TRABALHO ROTEIRO DE ESTUDOS - DIREITO DO TRABALHO CONTRATO DE TRABALHO Material de Estudo Legislação: CLT: art. 2º, 3º, 29, 41, 402, 442, 443, 445, 451, 452, 471, 472, 478, 479, 480, 481; CCB: art. 5º e 104; art.

Leia mais

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO

O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO O CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO Thiago Leão Nepomuceno (*)1 Normalmente, todo final de ano ao se aproximar traz consigo um aumento na demanda de algumas empresas, fazendo com que a necessidade

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho I Professora: Cláudia Glênia JUR: 3231 MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 7 Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p CONTRATO DE TRABALHO Contrato Individual de Trabalho o negócio jurídico pelo qual uma pessoa física se obriga, mediante remuneração, a prestar

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Oraides Morello Marcon Marques 1 Com o retorno da Copa Mundial de Futebol ao Brasil crescerá a demanda do comércio por

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT O contrato de trabalho por prazo determinado é aquele cuja duração dependa de termo prefixado ou da execução de serviços específicos ou ainda

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula. 15º Ponto Aviso Prévio.

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 4º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula. 15º Ponto Aviso Prévio. Aviso Prévio 1. Conceito 2. Cabimento 3. Prazo 4. Início da contagem do prazo 5. Ausência do aviso prévio 6. Anotação na CTPS da data do encerramento do contrato de trabalho 7. Renúncia do período de aviso

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO APRENDIZ E ESTAGIÁRIO Aprendiz é aquele que mediante contrato de aprendizagem ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 e menor de 24 anos,

Leia mais

CONTRATO DE OBRA CERTA

CONTRATO DE OBRA CERTA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Marina Quintino Vital de Souza CONTRATO DE OBRA CERTA Belo Horizonte 2012 Marina Quintino Vital

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Novas Regras

CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Novas Regras CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Novas Regras Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 25/09/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Requisitos 3.1 - Pressupostos de Validade

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em julho/2015 DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO 1. DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO O presente artigo abordará os direitos do trabalhador

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A doença do empregado e o contrato de trabalho Rodrigo Ribeiro Bueno*. A COMPROVAÇÃO DA DOENÇA DO EMPREGADO A justificação da ausência do empregado motivada por doença, para a percepção

Leia mais

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01)

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) HOMOLOGNET Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) Portaria Nº 1.620, de 14/07/2010: Institui o sistema Homolognet; Portaria Nº 1.621, de 14/07/2010: Aprova modelos de TRCT e Termos de Homologação; Instrução

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Sumário Introdução I - Contribuição previdenciária II - FGTS e demais verbas trabalhistas III - Rescisão contratual IV - Entendimentos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Contrato de trabalho por tempo determinado Publicado desde 15/12/2005 Vanessa Borges 1.1 As Hipóteses Do Art. 443, 2 Da CLT 1.2 Contrato De Experiência 1.3 Contrato De Safra 1.4

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/12/2010.

CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/12/2010. CONTRATO DE TRABALHO POR PRAZO DETERMINADO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/12/2010. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Requisitos 3.1 - Pressupostos de Validade

Leia mais

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB art. 7 CRFB São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: art. 7 CLT Os

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Indenização por Término de Contrato para Empregado Safrista

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Indenização por Término de Contrato para Empregado Safrista Indenização por Término de Contrato para 10/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Verbas Rescisórias... 4 3.1.1

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-156300-95.2009.5.01.0074. A C Ó R D Ã O (4.ª Turma) GMMAC/r4/asd/eo/h/j

PROCESSO Nº TST-RR-156300-95.2009.5.01.0074. A C Ó R D Ã O (4.ª Turma) GMMAC/r4/asd/eo/h/j A C Ó R D Ã O (4.ª Turma) GMMAC/r4/asd/eo/h/j RECURSO DE REVISTA. DISPENSA POR JUSTA CAUSA. QUITAÇÃO DE VERBAS RESCISÓRIAS. PRAZO. ART. 477, 6.º, ALÍNEA B, DA CLT. AFASTAMENTO DA MULTA. De acordo com o

Leia mais

Orientações divulgadas no portal do SINDEAP/RJ www.sindeaprj.org.br

Orientações divulgadas no portal do SINDEAP/RJ www.sindeaprj.org.br CONTRATO DE TRABALHO Orientações divulgadas no portal do SINDEAP/RJ www.sindeaprj.org.br Veja os procedimentos quando da contratação por prazo determinado, em especial o de experiência Terminada a fase

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO PROFª MS. JULIANE CARAVIERI MARTINS GAMBA

DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO PROFª MS. JULIANE CARAVIERI MARTINS GAMBA 1 FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE GRADUAÇÃO EM DIREITO DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO PROFª MS. JULIANE CARAVIERI MARTINS GAMBA CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO 1 Direito individual do trabalho: é

Leia mais

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais.

FÉRIAS INDIVIDUAIS. Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. FÉRIAS INDIVIDUAIS Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos algumas respostas aos questionamentos sobre férias individuais. 1) Quem tem direito a férias individuais? Todos os empregados

Leia mais

Trabalho Temporário (Lei nº 6.019, de 3/1/74, e Decreto nº 73.841, de 13/3/74);

Trabalho Temporário (Lei nº 6.019, de 3/1/74, e Decreto nº 73.841, de 13/3/74); Lição 3. Contratos Especiais de Trabalho Trabalho Rural (Lei nº 5.889, de 8/6/73, e Decreto nº 73.626, de 12/2/74); Trabalho Doméstico (Lei nº 5.859, de 11/12/72, e Decreto nº 71.885, de 9/3/73); Trabalho

Leia mais

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO 1 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO Camila Cristina Verly Vieira 1 Márcia Serafim Alves 2 Resumo: Como base sobre o termo rescisório o objetivo é demonstrar as diversas formas de se rescindir

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

AVISO PRÉVIO PODE SER DE ATÉ 90 DIAS

AVISO PRÉVIO PODE SER DE ATÉ 90 DIAS SICAP NEWS Ano 4 nº 38 Informativo Mensal Outubro 2011 Sistema Eletrônico de Ponto SREP As novas exigências estabelecidas pela Portaria MTE 1.510/2009 quanto ao novo equipamento de controle de ponto eletrônico,

Leia mais

V.1 - Remuneração Exemplo:

V.1 - Remuneração Exemplo: V.1 - Remuneração Exemplo: Salário do empregado R$ 1.000,00 Direito 30 dias 10 dias em abono pecuniário Valor das Férias R$ 1.000,00 : 30 x 20 + 1/3 CF/88 = R$ 666,66 + R$ 222,22 = R$ 888,88 Valor do Abono

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL. 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO

PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL. 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Contrato Individual 1. CONTRATO INDIVIDUAL 1.1 PRINCÍPIOS, RELAÇÃO DE EMPREGO e DEFINIÇÃO Relação de emprego, conforme a CLT, é apenas para trabalhadores urbanos. Art. 7º

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º Semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Denominação. 2. Conceito. 3. Objeto. 4. Requisitos essenciais. 5. Requisito não essencial. 6. Contrato de Trabalho e o Negócio Jurídico. 7. Duração do contrato determinado. 8. Vigência do contrato por

Leia mais

R 9ª AULA = EMPREGADO

R 9ª AULA = EMPREGADO R 9ª AULA = EMPREGADO (1) CONCEITOS: (a) Empregado é a pessoa física que com ânimo de emprego trabalha subordinadamente e de modo não-eventual para outrem, de quem recebe salário in Amauri Mascaro do Nascimento;

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA RELAÇÃO DE EMPREGO A partir do momento em que o trabalho começou a existir, surgiram também as relações de emprego. Sob o ponto de vista do direito, a relação de emprego é um regramento jurídico que envolve

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Princípio da norma mais favorável. 2. Princípio da condição mais benéfica. 3. Princípio de irrenunciabilidade. 4. Princípio da primazia da realidade. 5. Princípio da continuidade da relação de emprego.

Leia mais

1. Em relação ao trabalho da mulher, assinale a alternativa correta:

1. Em relação ao trabalho da mulher, assinale a alternativa correta: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO DO TRABALHO 1. Em relação ao trabalho da mulher, assinale a alternativa correta: a) A licença maternidade da empregada contratada por uma empresa

Leia mais

SICAP NEWS. Ano 6 - nº 63- Informativo Mensal - Novembro - 2013

SICAP NEWS. Ano 6 - nº 63- Informativo Mensal - Novembro - 2013 SICAP NEWS Ano 6 - nº 63- Informativo Mensal - Novembro - 2013 CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO Lei nº 6.019/74, regulamentada pelo Decreto 73.841/1974 Com a proximidade do final de ano há um aumento significativo

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO Sara Costa Benevides 1 Advogada Sócia de Homero Costa Advogados Lorena Efigênia da Cruz Silva Estagiária de Homero Costa Advogados INTRODUÇÃO No Diário Oficial

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

\CONTRATO DE TRABALHO

\CONTRATO DE TRABALHO \CONTRATO DE TRABALHO As teorias modernas que buscam explicar a natureza jurídica do contrato de trabalho se dividem em teoria contratualista e anticontratualista. A CLT ao equiparar o contrato à relação

Leia mais

Há pactuação de relação de emprego, presume-se ter sido ela efetivada mediante contrato por tempo indeterminado.

Há pactuação de relação de emprego, presume-se ter sido ela efetivada mediante contrato por tempo indeterminado. Contrato por Tempo Determinado e por Tempo Indeterminado 1. Conceito e hipóteses de contrato por tempo determinado A indeterminação da duração dos contratos constitui regra geral incidente aos pactos empregatícios.

Leia mais

NOVA LEI DAS DOMESTICAS

NOVA LEI DAS DOMESTICAS NOVA LEI DAS DOMESTICAS DEVERES DAS DOMÉSTICAS Se a doméstica trabalhar menos que o contrato, posso descontar do salário? O desconto é linear? Independentemente de trabalhar menos, ela recebe o mesmo valor

Leia mais

SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO E O EMPREGADO

SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO E O EMPREGADO SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO E O EMPREGADO 1. Introdução Nos termos do art. 1º da Lei nº 4.375/64, o Serviço Militar consiste no exercício de atividades especiais desempenhadas nas Forças Armadas, ou seja

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da EMPREGADA GESTANTE Trabalho elaborado por IVALDO KUCZKOWSKI, advogado especialista em Direito Administrativo e Consultor de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. 001 A garantia de emprego à gestante

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização.

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. O Direito do Trabalho não se preocupa apenas e tão somente com as relações entre empregado e empregador. Sua abrangência

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS OS LIMITES DA JORNADA DE TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS OS LIMITES DA JORNADA DE TRABALHO VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS Orientador Empresarial OS LIMITES DA JORNADA DE TRABALHO Por Sofia Kaczurowski* O Artigo 7º da Constituição Federal, no seu Inciso

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. (ART. 442 ao 456, CLT)

CONTRATO DE TRABALHO. (ART. 442 ao 456, CLT) Direito do Trabalho Aula 02 Contrato de Trabalho; Terceirização e afins; alteração contratual Maria Inês Gerardo CONTRATO DE TRABALHO (ART. 442 ao 456, CLT) CONTRATO DE TRABALHO Requisitos de validade

Leia mais

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções?

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções? LUANA ASSUNÇÃO ALBUQUERK Especialista em Direito do Trabalho Advogada Associada de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados O CONTRATO TEMPORÁRIO DE TRABALHO São as conhecidas contratações

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium

Aula 01. 1 Princípios 1.1 Conceito. 1.2 Funções. 1.3 Princípios em espécie 1.3.1 Princípio da proteção. 1.3.1.1 Princípio do in dubio pro operarium 1 Aula 01 1 Princípios 1.1 Conceito Segundo palavras de Maurício Godinho Delgado os princípios correspondem à noção de proposições ideais, fundamentais, construídas a partir de uma certa realidade e que

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: MATERIAL APENAS PARA ROTEIRO DISCIPLINAR, NÃO DEVE SER USADO

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO

CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO A contratação de empregados por prazo certo e determinado (temporário) é permitida excepcionalmente por meio de legislação específica para que as empresas possam atender

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Suscitante: Sindicato dos Corretores de Planos de Saúde Médicos e Odontológicos no Estado de São Paulo, inscrito no CNPJ/MF sob o nº 09.606.143/0001-16, com sede à Rua Conselheiro

Leia mais

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes Menor Aprendiz Perguntas Frequentes A aprendizagem é regulada pela CLT e passou por um processo de modernização com a promulgação das Leis nºs. 11.180/2005, 10.097/2008 e 11.788/2008. O Estatuto da Criança

Leia mais

AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO

AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO Vólia Bomfim Cassar 1. Histórico: O aviso prévio prévio teve sua origem no direito civil e comercial e sempre foi devido nas extinções unilaterais dos contratos.

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso Funcionário Preso 15/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Informação Sefip... 5 4. Conclusão... 6 5. Referências...

Leia mais

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA Sindicato dos Trabalhadores em Empresas do Ramo Financeiro do Grande ABC Rua Cel. Francisco Amaro, 87 - B. Casa Branca - Santo André CEP.: 09020-250 - Tel. ( 11 ) 4993-8299 Fax. ( 11 ) 4993-8290 CNPJ 43.339.597/0001-06

Leia mais

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS Lição 11. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS (Lei nº 8.036, de 11/5/90, e Decreto nº 99.684, de 8/11/90). 11.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é uma conta

Leia mais

Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas.

Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas. A NK Assessoria Contábil e Fiscal Ltda. Faz parte de um grupo empresarial nacional voltado para a prestação de serviços às empresas privadas e públicas. Nossa organização iniciou suas atividades em 1977,

Leia mais

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS ROTEIRO DO CURSO ROTINAS TRABALHISTAS A A CIRCULAÇÃO O Curso de Rotinas Trabalhistas é composto de 7 módulos que serão remetidos aos cursandos de 15 em 15 dias. AUTORA VERA HELENA PALMA Advogada trabalhista,

Leia mais

O PEDIDO DE DEMISSÃO MOTIVADO POR NOVO EMPREGO EXCLUI A OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIMENTO DE AVISO PRÉVIO

O PEDIDO DE DEMISSÃO MOTIVADO POR NOVO EMPREGO EXCLUI A OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIMENTO DE AVISO PRÉVIO O PEDIDO DE DEMISSÃO MOTIVADO POR NOVO EMPREGO EXCLUI A OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIMENTO DE AVISO PRÉVIO José Carlos Batista Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE/ES Resumo: Quando um trabalhador é dispensado

Leia mais

MÓDULO 2 CONTRATO DE TRABALHO CONTRATO DE TRABALHO REGIDO PELA LEI 9.601/98 2.2

MÓDULO 2 CONTRATO DE TRABALHO CONTRATO DE TRABALHO REGIDO PELA LEI 9.601/98 2.2 MÓDULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 2.2 CONTRATO DE TRABALHO REGIDO PELA LEI 9.601/98 ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE JULHO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2012 ASSUNTOS TRABALHISTAS

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE JULHO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2012 ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE JULHO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2012 ASSUNTOS TRABALHISTAS CONTRATO DE EXPERIÊNCIA - CONSIDERAÇÕES GERAIS Introdução - Contrato de Trabalho - Contrato de Experiência

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO

CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO A Constituição Federal assegura aos trabalhadores aviso prévio proporcional ao tempo de serviço de no mínimo trinta dias nos termos da lei. Passados

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO POR PERÍODO INDETERMINADO DE ESTRANGEIRO PROFISSIONAL NÃO TÉCNICO / ESPECIALISTA

CONTRATO DE TRABALHO POR PERÍODO INDETERMINADO DE ESTRANGEIRO PROFISSIONAL NÃO TÉCNICO / ESPECIALISTA Avenida Paulista 2006, 16º andar 01312-200 São Paulo, SP Brasil Telefone: (+55 11) 32 97 31 21 Fax: (+55 11) 32 97 31 17 Cabinet Chantereaux 22, Place du Général Catroux 75017 Paris FRANCE téléphone: (+33)

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

COMO EVITAR CONTINGÊNCIAS TRABALHISTAS EM PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO

COMO EVITAR CONTINGÊNCIAS TRABALHISTAS EM PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO COMO EVITAR CONTINGÊNCIAS TRABALHISTAS EM PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO Adriana Calvo Professora acadêmica. Mestre em Direito do Trabalho pela PUC/SP. Advogada trabalhista da Belline e Calvo Advogados. ROTEIRO

Leia mais