Introdução ao DATEXII Ferramentas para gestão on-line de infra-estruturas rodoviárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução ao DATEXII Ferramentas para gestão on-line de infra-estruturas rodoviárias"

Transcrição

1

2 Ferramentas para gestão on-line de infra-estruturas rodoviárias

3 Management Estrutura Apresentação Introdução Sistemas de Gestão on-line Implementação DATEX II como suporte ao ITS

4 Introdução Através da estrutura rodoviária nacional é possível identificar diversos agentes, em que cada um tem diferentes planos de acção, objectivos e responsabilidades; Os sistemas de gestão de tráfego em tempo real enquadrados numa arquitectura de plataforma ITS, têm que responder às várias necessidades; Vários estudos europeus no âmbito do projecto Easyway, têm como objectivo responder às necessidades nas diferentes áreas como information, Management, Freight Transport, Safety, etc. Estes estudos têm como objectivo fomentar a utilização de standards e estudos como ALERT-C, TPEG, DATEX2, GDF, e-call, EETS, QUANTIS. Ou na pesquisa de novos estudos e protótipos em áreas como Multi-modal travel, TMP, VMS harmonisation, Framework for route, Truck parking, Hazardous transport, Speed limit, data quality, etc;

5 Diferentes Objectivos e Planos EUROPEU - Easyway Fluidez de Tráfego / Redução de congestionamento, reduzir até 25% o congestionamento de tráfego na TERN (Rede Rodoviária Transeuropeia); Incremento da Segurança Rodoviária Reduzir em 50% o numero de acidentes mortais Meio Ambiente - Reduzir a emissão de CO2 em 10%, na TERN. NACIONAL - Missão dos reguladores nacionais Fiscalizar, supervisionar e controlar o cumprimento das leis e regulamentos e dos contratos de concessão, assegurar a realização do Plano Rodoviário Nacional; Administrar e gerir os contratos de concessões Garantir a eficiência, equidade, qualidade e a segurança das infra-estruturas, bem como os direitos dos utentes Operadores de tráfego Gestão das infra-estruturas e tráfego Garantir o serviço aos utentes Garantir a melhor Gestão do seu negócio Utentes Mais e Melhores Serviços

6 Gestão on-line de infra-estruturas rodoviárias Sistemas Sistemas ITS Regulação e Administração Operadores Informação Utentes Gestão Telemática Manutenção Análise Management Incident TMP Exchange ALERT-C GDF DATEX II QUANTIS V2V / V2I VMS / TMP ecall outros Infra-estrutura CCTV PMVs Sensores SOS EMs DAI EToll V2V V2I

7 Visão Sistemas ITS Security Forces/ Broadcasters Other TCC s Motorways Users TCC s

8 DATEXII DATEX2 define um standard para a troca e suporte de informação de tráfego na Europa. The vision is to enable exchange information in an unambiguous manner whereby it is represented in common structures and users are able to fully understand the semantics and context of the information being exchanged. O grupo de trabalho DATEX2 desenvolveu um novo modelo que aponta soluções para a troca de informação. Este disponibiliza: Um modelo de dados que responde às principais necessidades dos agentes de tráfego na Europa; Uma arquitectura para a troca de informação entre os diversos agentes; Uma arquitectura que suporta as mais recentes tecnologias; Um guia de implementação para soluções e produtos; A arquitectura base da especificação DATEX2 define: Uma arquitectura de informação para a gestão e troca de informação de tráfego Uma arquitectura funcional que define um guia para implementação de serviços de gestão e troca.

9 Especificação DATEXII Accident Poor Road Infrastructure Activities Abnormal Obstructions Conditions Roadside Assistance Network Management RoadWorks Sign Setting Operator Actions Transit Car Parks Service Disruption Non Road Event Weather Value Value Time Value Status CCTV images Elaborated Data Situations others Hazardous transport Data Quality TMP Situations Elaborated Data Measured Data View VMS Payload Publication

10 Visão Security Forces/ Broadcasters Other TCC s Motorways Users TCC s Entidades Regulação

11 Utilização DATEXII numa Plataforma ITS Plataforma para suporte à gestão e troca de informação Gestão de informação de negócio como caracterização da rede de estradas, Eventos/incidências, equipamentos, transacções, entre outra informação. Incident Management Infrastructure Management Surveillance Business Intelligence Administration Center Others - Events - Incidents - Motorways - GIS - CCTVs - PMVs - Sensors - Others - Alarms Measures - Elaborate Tolls Data - Suppliers - Contracts - OLAP - Others UML 2.0 Specification TCC s Systems

12 Utilização DATEXII numa Plataforma ITS Um sistema de gestão e controlo de tráfego deve: 1. Suporte aos vários Meios telemáticos 2. A gestão e tratamento dos processos de operação e gestão 3. Garantir o suporte à difusão de serviços e informação ao utente

13 Business Intelligence Indicadores Incidências Sinistralidade Assistências Rede de Operação Equipamentos Dados de Tráfego Meteorologia Billing Exploração de Dados

14 Incident Management Visão global do estado do tráfego Gestão do ciclo de vida de incidentes Tráfego Acidentes, Obstruções, Condições, Actividades, Estado Tráfego Operação Trabalhos, Assistências, PMV s, Gestão Rede Outros Eventos Execução de procedimentos e acções Integração de informação de outras fontes (DAI, Contadores, etc) Visualização dos dados de medidas de tráfego e caracterização da rede de estradas Representação da informação através de Mapas geográficos e esquemáticos

15 Infrastructure Management Visão da rede estradas Gestão de eventos de gestão da rede Fichas de intervenção Danos Trabalhos Gestão e planificação de trabalhos Gestão dos elementos da rede de estradas (Obras de Arte, Estruturas de via, etc) Representação da informação através de Mapas geográficos e esquemáticos

16 Surveillance Gestão e controlo de equipamentos telemáticos Videowall CCTV s PMV s SOS Contadores Integração com outros sistemas: DAI Telefonia Supervisão técnica Representação da informação através de Mapas

17 Data Exchange Visualização dos dados Troca de dados Incidências Medidas Catálogo de Localizações Outros dados

18 A conjunção do cumprimento de diferentes objectivos e necessidades com as regras dos contratos de concessão, com a eficiência na gestão de tráfego e com a prestação de serviços de excelência aos utentes, obriga à criação de uma rede de colaboração e evolução dos Sistemas ITS; As necessidades de evolução dos Sistemas de Informação e as necessidades de troca de informação entre agentes impõem hoje aos agentes de tráfego a preocupação na implementação de novas soluções, de fácil utilização e evolução para a adopção de novos standards e estudos; O protocolo DATEX2 garante enormes vantagens. O DATEX2 garante que todos os agentes falam a mesma linguagem facilitando a comunicação entre operadores; A especificação DATEX2 disponibiliza a tecnologia e as fundações para a criação de diversos novos sistemas e soluções para a gestão e utilização da informação de tráfego;

19 Título de Apresentação Nome de Orador INSTITUIÇÃO Obrigado

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013 Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013 COLÓQUIO APCAP 2008 Sistemas e Serviços Inteligentes na Rede Concessionada Rui Camolino 19Jun08 Agenda Plano de

Leia mais

Os Sistemas de Informação de Tráfego e Viagem em Tempo Real.

Os Sistemas de Informação de Tráfego e Viagem em Tempo Real. Os Sistemas de Informação de Tráfego e Viagem em Tempo Real. Pedro Pinto 19 de Junho Colóquio APCAP 2008 Índice 1 O paradigma da informação; 2 Os componentes existentes; 3 Serviços disponíveis; 4 Funcionamento

Leia mais

O Estudo Europeu 4 do EASYWAY A participação da APCAP

O Estudo Europeu 4 do EASYWAY A participação da APCAP O Estudo Europeu 4 do EASYWAY A participação da APCAP Pag. 1 O que é o Easyway? Projecto que resultou dos ERP (Euro Regional Projects) ARTS, CENTRICO, CONNECT, CORVETTE, SERTI, STREEWISE, VIKING. Constitui

Leia mais

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Plano 2010-2013

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Plano 2010-2013 Os Sistemas Inteligentes na Europa: Plano 2010-2013 COLÓQUIO APCAP 2009 Novos Desafios para as Concessionárias de Auto-estradas em Portugal Sistemas e Serviços Inteligentes na Rede Concessionada Rui Camolino

Leia mais

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 APCAP Day, 22 de Outubro 2009 Índice Definição; Objectivos; Benefícios; Projectos em desenvolvimento (3); Definição:

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

MELHORIA DOS NÍVEIS DE SERVIÇO ATRAVÉS DA MONITORIZAÇÃO DE TRÁFEGO

MELHORIA DOS NÍVEIS DE SERVIÇO ATRAVÉS DA MONITORIZAÇÃO DE TRÁFEGO MELHORIA DOS NÍVEIS DE SERVIÇO ATRAVÉS DA MONITORIZAÇÃO DE TRÁFEGO Rui Miguel Dias 1 e Tiago Delgado Dias 2 1 Brisa Inovação e Tecnologia; rui.dias@brisa.pt; www.brisainnovation.com 2 Brisa Inovação e

Leia mais

Open Innovation: Caso Brisa

Open Innovation: Caso Brisa 2013 Brisa Inovação e Tecnologia SA Open Innovation: Caso Brisa Lisboa, 9/10/2013 Tomé Pereira Canas Brisa Inovação e Tecnologia Inovar está na ordem do dia Inovação fechada 2 Mas muitas vezes está fechada

Leia mais

Sistemas de Mensagens Variáveis na Europa

Sistemas de Mensagens Variáveis na Europa Auto-estradas de Portugal, S. A. AGENDA Enquadramento: o Easyway vs ERP s o Papel APCAP/Brisa o InIR e Estradas de Portugal EASYWAY o Objectivo o Estrutura o Organização Estudo Europeu 4 (ES4) o Resultados

Leia mais

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa

Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Desenvolvimento Tecnológico e o Transporte Ferroviário 14 de Novembro de 2014 Jorge Sousa Índice Visão Ferroviária; Arquitectura de Sistemas de Informação; Desafios; Pág. 2 Visão Ferroviária - Introdução

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

Gerir o Utente da Estradas

Gerir o Utente da Estradas Gerir o Utente da Estradas Rui Ribeiro Director SI rui.ribeiro@estradasdeportugal.pt 18 Maio 2010 EP Estradas de Portugal S.A. Hoje e Futuro EP - Estradas de Portugal SA (EP) é uma concessionária de infraestruturas

Leia mais

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias

A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias A Importância e o Papel Central do SIG- Empresarial da EP na Gestão de Infraestruturas Rodoviárias Rui Ribeiro e Luís Correia EP Gabinete de Sistemas de Informação Agenda Os Sistemas de Informação na EP

Leia mais

CCT uma ferramenta para o incremento da segurança rodoviária. Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da Segurança Rodoviária

CCT uma ferramenta para o incremento da segurança rodoviária. Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da Segurança Rodoviária Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da egurança Rodoviária Abril 2006 O grupo Aenor istemas de Telemática Rodoviária disponíveis Centro de Controlo de Tráfego Funcionamento Esquemático

Leia mais

Gestão Centralizada do Controlo de Tráfego. José Pedro Tavares FEUP

Gestão Centralizada do Controlo de Tráfego. José Pedro Tavares FEUP POLÍTICAS DE GESTÃO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO EM MEIO URBANO Gestão Centralizada do Controlo de Tráfego Sistemas, Tecnologias e Condicionantes de Implementação José Pedro Tavares FEUP Ordem dos Engenheiros

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

Gestão Activa de Tráfego em Rede de Auto-Estradas

Gestão Activa de Tráfego em Rede de Auto-Estradas Especialização em Transportes e Vias de Comunicação Sistemas e Tecnologias Inteligentes de Transportes Painel Lisboa 10 outubro 2012 Gestão Activa de Tráfego em Rede de Auto-Estradas Jorge Lopes (Brisa)

Leia mais

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação

Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação Gestão Rodoviária: optimização de processos de manutenção e operação José Miguel Santos, Miguel Serrano Ana Maria Nunes Missão Promover o processo de inovação, transformando o conhecimento em vantagens

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE

AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE AGÊNCIA REGULADORA DE TRANSPORTE CONCESSIONÁRIA USUÁRIO ARTESP PODER CONCEDENTE 1 MISSÃO Promover e garantir a prestação de serviços de transportes de excelência, seguro e sustentável, compatível com as

Leia mais

TÚNEIS INTEGRADOS na REDE TERN e com EXTENSÃO SUPERIOR a 500 M

TÚNEIS INTEGRADOS na REDE TERN e com EXTENSÃO SUPERIOR a 500 M TÚNEIS INTEGRADOS na REDE e com EXTENSÃO SUPERIOR a 500 M RELATÓRIO BIENAL de INCIDENTES 2010-2011 2 Título Túneis Integrados na Rede Transeuropeia de Estradas e com Extensão Superior a 500 Metros - Relatório

Leia mais

A8 e A15 PLATAFORMAS PRIVILEGIADAS PARA NOVAS TECNOLOGIAS

A8 e A15 PLATAFORMAS PRIVILEGIADAS PARA NOVAS TECNOLOGIAS A8 e A15 PLATAFORMAS PRIVILEGIADAS PARA NOVAS TECNOLOGIAS JORGE CUNHA COORDENADOR ÁREA SISTEMAS E APLICAÇÕES, AUTO-ESTRADAS D0 ATLÂNTICO, S.A. JOSÉ PEDRO RODRIGUES COORDENADOR ÁREA TELECOMUNICAÇÕES E TELEMÁTICA

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

IT SEGURANÇA. Luanda 26, 27 e 28 de Setembro de 2011 PROGRAMA

IT SEGURANÇA. Luanda 26, 27 e 28 de Setembro de 2011 PROGRAMA 1ª Edição Como Desenhar e Implementar uma estratégia IT SEGURANÇA Evite riscos e garanta a continuidade do negócio REQUISITOS LEGAIS /ANÁLISE DE RISCO / GESTÃO DE RISCO DISASTER RECOVERY PLAN / AUDITORIA

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica da Ascendi

Sistema de Informação Geográfica da Ascendi Sistema de Informação Geográfica da Ascendi Eliana Carreira Eliana Carreira Direcção de Engenharia Agenda Ascendi Problemas e Metas Evolução do SIG Ascendi Arquitectura Software SIG Ascendi Principais

Leia mais

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001 Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Agenda Introdução Desafio 1º passo Problemática ISO 27001 ISO 20000 Conclusões 2 Agenda Introdução

Leia mais

Prof. Dr. Paulo Cezar M Ribeiro

Prof. Dr. Paulo Cezar M Ribeiro Sistemas inteligentes de Transportes. Introdução Os sistemas ITS se baseiam em três correntes: ITS América ERTICO (Europa) VERTIS (Japão) ITS America ITS Sistemas Inteligentes de Transportes, ou, Telemática

Leia mais

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 New Standards for Business SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 Quem Somos A SCORE INNOVATION é uma empresa que tem como objecto social a prestação de serviços em consultoria,

Leia mais

O Sistema Nacional de Informação Geográfica. Rui Pedro Julião Subdirector-General rpj@igeo.pt. snig.igeo.pt

O Sistema Nacional de Informação Geográfica. Rui Pedro Julião Subdirector-General rpj@igeo.pt. snig.igeo.pt O Sistema Nacional de Informação Geográfica Rui Pedro Julião Subdirector-General rpj@igeo.pt snig.igeo.pt Tópicos Enquadramento IDE Contexto Antecedentes GeoPORTAL Estrutura Funcionalidades Próximos passos

Leia mais

DO PÓLO DE SOFTWARE DO MINHO AO CENTRO DE EXCELÊNCIA EM DESMATERIALIZAÇÃO DE TRANSACÇÕES

DO PÓLO DE SOFTWARE DO MINHO AO CENTRO DE EXCELÊNCIA EM DESMATERIALIZAÇÃO DE TRANSACÇÕES DO PÓLO DE SOFTWARE DO MINHO AO CENTRO DE EXCELÊNCIA EM DESMATERIALIZAÇÃO DE TRANSACÇÕES Pedro Vilarinho COTEC Portugal 26 de Junho de 2008 AGENDA O Pólo de Software do Minho no Plano Estratégico da COTEC

Leia mais

The Secure Cloud. Gerir o risco e entregar valor num mundo virtual. C l o u d C o m p u t i n g F ó r u m 2 0 11 S e t e m b r o 2 0 11

The Secure Cloud. Gerir o risco e entregar valor num mundo virtual. C l o u d C o m p u t i n g F ó r u m 2 0 11 S e t e m b r o 2 0 11 The Secure Cloud Gerir o risco e entregar valor num mundo virtual C l o u d C o m p u t i n g F ó r u m 2 0 11 S e t e m b r o 2 0 11 Agenda Novas dimensões de governo e gestão do SI Entender e endereçar

Leia mais

Inovar com o Sistema VIVA

Inovar com o Sistema VIVA Inovar com o Sistema VIVA Novas Soluções de Venda de Títulos de Transporte OTLIS, ACE / Miguel Brito da Silva Agenda 1. O Consórcio OTLIS 2. O Sistema VIVA 3. Desafios OTLIS VIVA: melhorar a experiência

Leia mais

ITIL: Valerá a Pena? Quais os processos mais Afetados?

ITIL: Valerá a Pena? Quais os processos mais Afetados? ITIL: Valerá a Pena? Quais os processos mais Afetados? Diego Leonardo Dermann Grimon www.diegogrimon.com Artigo de Gonçalo João Vitorino de Jesus gjesus@student.dei.uc.pt Departamento de Engenharia Informática

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Serviços Inteligentes de Transporte Desafios e Oportunidades. IMT, I.P. pedro.barradas@inir.pt

Serviços Inteligentes de Transporte Desafios e Oportunidades. IMT, I.P. pedro.barradas@inir.pt Serviços Inteligentes de Transporte Desafios e Oportunidades IMT, I.P. pedro.barradas@inir.pt conteúdos Enquadramento ITS Action Plan Diretiva ITS 2010/40/UE Desafios nos Transportes que Data? que Formatos?

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade Cisco Innovation Day 20 maio 2014 Porto Estádio do Dragão O que é a APDL? APDL Administração dos Portos do Douro e Leixões, SA - Sociedade Anónima de capitais exclusivamente públicos Tem como função a

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro

Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro Início do contrato: Maio 2004 Duração: Coordenador: Parceiros: 32 meses Hospital Infante D. Pedro Universidade de Aveiro Hospital Distrital de Águeda Sub Região de Saúde de Aveiro SUMÁRIO EXECUTIVO Relatório

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

Segurança em Túneis Rodoviários Urbanos

Segurança em Túneis Rodoviários Urbanos Segurança em Túneis Rodoviários Urbanos João Palma C. Oliveira Costa João Viegas LNEC/CIC/NSE LNEC/CIC/Ch LNEC/DED/NAICI Segurança em Túneis Rodoviários Urbanos RESUMO: Introdução Tecnologias para a redução

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

Secretaria-Geral do MAOT

Secretaria-Geral do MAOT Secretaria-Geral do MAOT Paula Vieira 8 Outubro 2010 SIAP 2010 1 IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTRANET SIAP 2010 2 AGENDA Objectivos do projecto Arranque do projecto Implementação do projecto Resultados: - Conteúdos

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Empreendedorismo Feminino

Empreendedorismo Feminino Empreendedorismo Feminino A Igualdade entre Mulheres e Homens é um princípio da Constituição Portuguesa e uma das tarefas fundamentais do Estado Português, que deve, não só garantir o direito à Igualdade

Leia mais

Gabinete de Prevenção, Segurança e Continuidade de Negócio

Gabinete de Prevenção, Segurança e Continuidade de Negócio Gabinete de Prevenção, Segurança e Continuidade de Negócio Agenda 1. Enquadramento do Grupo CGD 2. Gabinete de Prevenção, Segurança Cont. Negócio 3. Prevenção e Equipamentos 4. Visão Holística Grupo Caixa

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

Seminário Eco-Condução. Tecnologia: Projectos e Oportunidades

Seminário Eco-Condução. Tecnologia: Projectos e Oportunidades Seminário Eco-Condução Tecnologia: Projectos e Oportunidades Margarida C. Coelho Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica Lisboa, 20 de Maio de 2009 1 Estrutura 1. Motivação 2. Tendências

Leia mais

MEDIDAS DE GESTÃO DA MOBILIDADE PARA ESCOLAS

MEDIDAS DE GESTÃO DA MOBILIDADE PARA ESCOLAS Informação para direções de escola, autoridades locais e nacionais, e associações Ficha Informativa 2 Políticas Públicas MEDIDAS DE GESTÃO DA MOBILIDADE PARA ESCOLAS A campanha Serpente Papa-Léguas jogo

Leia mais

Sistematização da Sinalização de Mensagem Variável

Sistematização da Sinalização de Mensagem Variável Apresentação de: Rui Manuel da Silva Oliveira Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Instrução Técnica para a Sistematização da Sinalização () Instrução Técnica Qualidade exigida Rigor técnico Título

Leia mais

Return Your Investment. www.advantis.pt

Return Your Investment. www.advantis.pt Return Your Investment. www.advantis.pt A ADVANTIS MISSÃO Fornecer serviços e produtos tecnologicamente avançados, criando para os seus clientes soluções de elevado valor acrescentado. INOVAÇÃO Membro

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE ARQUIVOS. PT, Lisboa, Direcção-Geral de Arquivos

DIRECÇÃO-GERAL DE ARQUIVOS. PT, Lisboa, Direcção-Geral de Arquivos DIRECÇÃO-GERAL DE ARQUIVOS PT, Lisboa, Direcção-Geral de Arquivos 1 DIRECÇÃO-GERAL DE ARQUIVOS DIRECÇÃO-GERAL DE ARQUIVOS Digitalização e disponibilização de informação: experiência portuguesa 2.534.211

Leia mais

PLATAFORMA DE TEMPO REAL PARA GESTÃO DE EVENTOS COMPLEXOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELOS DE TRÁFEGO E DE APOIO ONLINE À OPERAÇÃO DE CENTRO DE TRÁFEGO

PLATAFORMA DE TEMPO REAL PARA GESTÃO DE EVENTOS COMPLEXOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELOS DE TRÁFEGO E DE APOIO ONLINE À OPERAÇÃO DE CENTRO DE TRÁFEGO PLATAFORMA DE TEMPO REAL PARA GESTÃO DE EVENTOS COMPLEXOS PARA CONSTRUÇÃO DE MODELOS DE TRÁFEGO E DE APOIO ONLINE À OPERAÇÃO DE CENTRO DE TRÁFEGO Rui Ribeiro 1, Rita Cruz 2, José Maçarico 3, Luis Neves

Leia mais

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico

Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare. Gestão Integrada do Processo Clínico Diogo Assunção HP C&I Lead Solution Consultant - Healthcare Gestão Integrada do Processo Clínico A HP na Saúde O que a HP faz Technology for better business outcomes A nossa proposta de valor Fornecer

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Transportes. Transportation. Semestre do plano de estudos 1

Transportes. Transportation. Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Transportes CU Name Código UC 706 Curso MEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Engenharia Civil Duração Semestral Horas de trabalho 120 ECTS 4.5 Horas de contacto T - 22,5; TP - 22,5

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Redes Industriais. Alexandre Rocha Alysson Geisel

Redes Industriais. Alexandre Rocha Alysson Geisel Redes Industriais OPC OLE for Process Control Alexandre Rocha Alysson Geisel 1 O que é OPC? Padrão de comunicação entre os dispositivos de chão de fábrica e os sistemas de automação e informação, desenvolvido

Leia mais

Visualização de Informação Geográfica na WEB. O exemplo do Atlas de Portugal.

Visualização de Informação Geográfica na WEB. O exemplo do Atlas de Portugal. Visualização de Informação Geográfica na WEB. O exemplo do Atlas de Portugal. INSPIRE e a Infra-estrutura Nacional de Informação Geográfica 17 de Novembro de 2006 1 Tópicos Atlas de Portugal na WEB A proposta

Leia mais

Gestão de Equipas de Vendas

Gestão de Equipas de Vendas Gestão de Equipas de Vendas Análise Comercial Business Intelligence Gestão de Desempenho Atinjo os meus objectivos comerciais? Quais os vendedores com melhor desempenho? A função comercial é o motor de

Leia mais

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel A Gisgeo Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web Geo Marketing e Geo Turismo Localização de pessoas Gestão de frota automóvel App de localização para smartphones Sistemas de navegação GPS A Gisgeo

Leia mais

OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos

OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos Jorge Jacob OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos 13.1 1. ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) (4) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL

Leia mais

MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR

MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR Paulo Pereira 1, Nelson Baltazar 2 e Bruno Romão 3 1 Scutvias Autoestradas da Beira Interior SA, Direção de Sistemas e

Leia mais

A Certificação de Qualidade no Sector Segurador. Sandra Santos - GDQ-Ok! TeleSeguro Certificação do Sistema Gestão da Qualidade

A Certificação de Qualidade no Sector Segurador. Sandra Santos - GDQ-Ok! TeleSeguro Certificação do Sistema Gestão da Qualidade A Certificação de Qualidade no Sector Segurador Certificações da OK! TeleSeguro Certificação do site de acordo com a especificação QWeb (Certificação de de Negócio Electrónico). 2006 Reconhecimento pela

Leia mais

A Plataforma ArcGIS Suportando a Segurança Nacional

A Plataforma ArcGIS Suportando a Segurança Nacional A Plataforma ArcGIS Suportando a Segurança Nacional O que é Segurança Nacional? Segurança Nacional é proteger e sustentar a nação: População Economia Infraestrutura Fronteiras Prosperidade no seu todo...

Leia mais

Utilização de informação geoespacial na gestão e apoio à decisão das empresas

Utilização de informação geoespacial na gestão e apoio à decisão das empresas Utilização de informação geoespacial na gestão e apoio à decisão das empresas A Gisgeo Alguns dados da empresa: Fundada em 2008; Integrada no UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia da UP; 3 sócios + 2 colaboradores,

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br Nosso método de trabalho foi criado para atender VOCÊ A WISSEN CONSULTING têm como compromisso ajudá-lo a alcançar o sucesso na implementação de ferramentas de gestão e colaboração para que você possa

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio do Atendimento da Segurança Social e Satisfação ao Cidadão

Balanço das Medidas do Domínio do Atendimento da Segurança Social e Satisfação ao Cidadão Balanço das Medidas do Domínio do Atendimento da Segurança Social e Satisfação ao Cidadão Dr. Pedro Filipe ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Contextualização Plano de Trabalho PSGSS Status Gestão Integrada

Leia mais

Hotel Sana Parque Lisboa

Hotel Sana Parque Lisboa Hotel Sana Parque Lisboa 8 de Abril de 2010 Rui Soares GFI Portugal Desafios da Gestão de Serviço de TI Complexidade dos processos de negócio suportados pelas TI Gestão e controlo de subcontratação Infra-estrutura

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

INFRA-ESTRUTURAS E SERVIÇOS SIG O Exemplo nas Autarquias

INFRA-ESTRUTURAS E SERVIÇOS SIG O Exemplo nas Autarquias INFRA-ESTRUTURAS E SERVIÇOS SIG O Exemplo nas Autarquias GMV Portugal 1998: Fundação da Skysoft Génese no sector Aeronáutico Depois expansão para outros sectores 2005: Integração no Grupo GMV Novas sinergias

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

INSTITUTO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA

INSTITUTO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA INSTITUTO DE INOVAÇÃO E CONHECIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE ESTUDOS E FORMULAÇÃO DE PROJECTO DE BACKBONE DE FIBRA OPTICA PARA IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA DE COMUNICAÇÃO REDE DO ESTADO INIC

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

O Conceito de Cluster

O Conceito de Cluster O Conceito de Cluster Conjunto de empresas, relacionadas entre si, que desenvolvem competências específicas, formando um pólo produtivo especializado e com vantagens competitivas. Antecedentes As empresas

Leia mais

ÍNDICE... 2 0 COMPROMISSO... 3 1 INSTITUTO SUSTENTÁVEL... 8 2 CONCRETIZAÇÃO DA MISSÃO DO INSTITUTO...26 3 RELAÇÃO COM O AMBIENTE...

ÍNDICE... 2 0 COMPROMISSO... 3 1 INSTITUTO SUSTENTÁVEL... 8 2 CONCRETIZAÇÃO DA MISSÃO DO INSTITUTO...26 3 RELAÇÃO COM O AMBIENTE... Relatório de Sustentabilidade 2008 1 2 ÍNDICE ÍNDICE... 2 0 COMPROMISSO... 3 ENQUADRAMENTO DO RELATÓRIO... 3 MENSAGEM DO CONSELHO DIRECTIVO... 5 1 INSTITUTO SUSTENTÁVEL... 8 ORGANIZAÇÃO... 8 ORIENTAÇÕES

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade e Certificação. Nuno Gonçalves

Sistema de Gestão da Qualidade e Certificação. Nuno Gonçalves Sistema de Gestão da Qualidade e Certificação Nuno Gonçalves Aeroporto de Faro Missão A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infra-estruturas aeroportuárias a seu

Leia mais

Case Hidrovias do Brasil Inovação Logística com drástica redução de Custos Dr. Rogério Dutra, PMP. www.cloudimagination.com

Case Hidrovias do Brasil Inovação Logística com drástica redução de Custos Dr. Rogério Dutra, PMP. www.cloudimagination.com Case Hidrovias do Brasil Inovação Logística com drástica redução de Custos Dr. Rogério Dutra, PMP Apresentação Institucional Bulk Commodities Value Chain Institucional Hidrovias do Brasil S.A. Produção

Leia mais

Alargamento 2x3 vias sub-lanço Loures/Malveira da A8. João Paulo Santos

Alargamento 2x3 vias sub-lanço Loures/Malveira da A8. João Paulo Santos Alargamento 2x3 vias sub-lanço Loures/Malveira da A8 Decreto Regulamentar n.º 12/2008 de 9 de Junho Alargamento 2x3 vias sublanço Loures/Malveira da A8 Artigo 3.º Projecto das condições de execução das

Leia mais

QUE SIGNIFICA ITS? (INTELLIGENT TRANSPORTATION SYSTEMS)

QUE SIGNIFICA ITS? (INTELLIGENT TRANSPORTATION SYSTEMS) QUE SIGNIFICA ITS? (INTELLIGENT TRANSPORTATION SYSTEMS) 54a REUNIÃO DO FÓRUM PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE TRANSPORTE E TRÂNSITO Stenio Franco (stenio.franco.br@gmail.com) Comissao de

Leia mais

Perspetivas de Desenvolvimento de ITS para o Transporte Rodo-Ferroviário. Infraestruturas de Portugal / Mário Alves

Perspetivas de Desenvolvimento de ITS para o Transporte Rodo-Ferroviário. Infraestruturas de Portugal / Mário Alves Perspetivas de Desenvolvimento de ITS para o Transporte Rodo-Ferroviário Infraestruturas de Portugal / Mário Alves Agenda: Sistemas de Transportes Inteligentes Uma perspetiva Rodo/Ferroviária Gestão integrada

Leia mais

Renata Pedrosa Dantas Orientador: Prof. Dr. Paulo Maciel

Renata Pedrosa Dantas Orientador: Prof. Dr. Paulo Maciel Uma Análise de Dependabilidade e Desempenho como Alternativa ao Planejamento em Sistemas de Transporte de Passageiros: um estudo sobre o sistema BRT (Bus Rapid Transit). Renata Pedrosa Dantas Orientador:

Leia mais

IBM Intelligent Transportation Versão 1 Release 6. IBM Intelligent Transportation Documentação do Produto

IBM Intelligent Transportation Versão 1 Release 6. IBM Intelligent Transportation Documentação do Produto IBM Intelligent Transportation Versão 1 Release 6 IBM Intelligent Transportation Documentação do Produto IBM Intelligent Transportation Versão 1 Release 6 IBM Intelligent Transportation Documentação do

Leia mais

Alcance Adapte-se a mundança. Nome, Título

Alcance Adapte-se a mundança. Nome, Título Alcance Adapte-se a mundança Nome, Título Foco no Consumidor Conectada Modernização Força de Trabalho Entusiastas Visionários Pragmáticos Conservadores Séticos Diferenciação Start-ups e CSVs Corporações

Leia mais

Centro de Inovação e Competitividade

Centro de Inovação e Competitividade Centro de Inovação e Competitividade Contexto para a criação do centro Tendência Internacional das MO s GS1 Análise de melhores práticas mostra que muitas MO s da GS1 têm vindo a implementar Centros Similares,

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Iniciativa i MERCA Protocolo Iniciativa Merca Medida 3 Incentivos a projectos de PME integrados em Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial Acções de Regeneração

Leia mais

Websphere ESB Caminho para Adopção

Websphere ESB Caminho para Adopção Websphere ESB Caminho para Adopção Websphere ESB: Que desafios para o Negócio? Adaptar rapidamente os meus processos Fusão de organizações Internacionalização Deslocalização Mudança no negócio Novas regras

Leia mais

A Informação Geográfica na Economia e na Gestão do Território - Oportunidade: Sim ou Não

A Informação Geográfica na Economia e na Gestão do Território - Oportunidade: Sim ou Não A Informação Geográfica na Economia e na Gestão do Território - Oportunidade: Sim ou Não 26 de novembro de 2012 Auditório do CIUL - Centro de Informação Urbana de Lisboa- Patrocínio Apoio Patrocinadores

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

Informática Embarcada XtraN & Luís Simões

Informática Embarcada XtraN & Luís Simões Vitor Daniel Ferreira Lopes / CESI vtr_lps@hotmail.com RESUMO Este documento é realizado no âmbito da disciplina de Gestão e Sistemas de Informação e tem como principal objectivo o enquadramento de uma

Leia mais

Missão. Seminário de lançamento do GT Infraestruturas de águas

Missão. Seminário de lançamento do GT Infraestruturas de águas Missão A promoção da reflexão sobre o setor da construção e implementação de iniciativas e projetos de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI), que possam contribuir para o incremento da respetiva

Leia mais

Gestão da Formação na Cloud. Raul Denominato Manager elearning & HCM @ Novabase raul.denominato@novabase.pt

Gestão da Formação na Cloud. Raul Denominato Manager elearning & HCM @ Novabase raul.denominato@novabase.pt Gestão da Formação na Cloud Raul Denominato Manager elearning & HCM @ Novabase raul.denominato@novabase.pt Tornamos possível a gestão de milhões de horas de formação por ano, suportadas em diferentes

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes Microfil QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Manuel Antunes Faculdade de Letras da Universidade do Porto 4 de Novembro de 2005 Tema A transferência de suporte e o desenvolvimento de software

Leia mais