Guia de referência Qualidade da informação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de referência Qualidade da informação"

Transcrição

1 Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Guia de referência Qualidade da informação Angélica Toffano Seidel Calazans Prof. Murilo Bastos da Cunha Brasília, Julho de /34

2 Sumário SUMÁRIO...2 LISTA DE FIGURAS INTRODUÇÃO OBJETIVO DO GUIA CONSIDERAÇÕES SOBRE GUIA Limitação de língua Limitação de tempo Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos artigos, periódicos e dissertações/teses Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos pesquisadores e especialistas Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos livros Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos artigos da Internet ORGANIZAÇÃO DO GUIA ALGUMAS ANÁLISES SOBRE AS REFERÊNCIAS CITADAS FONTES PRIMÁRIAS Pesquisadores e especialistas Brasileiros Estrangeiros Eventos Estrangeiros Artigos de Anais de Congressos, Simpósios, Workshops Estrangeiros Periódicos Brasileiros Estrangeiros Teses e dissertações FONTES SECUNDÁRIAS Dicionários, glossários e enciclopédias /34

3 7.2 Internet Livros INSTITUIÇÕES ESPECIALIZADAS /34

4 Lista de figuras Figura 1 Evolução numérica da produção sobre o tema...7 Figura 2 Produção sobre o tema por autor...7 Figura 3 Percentual de artigos sobre Qualidade da Informação nos eventos referenciados...8 4/34

5 1. Introdução A qualidade da informação é um dos temas mais relevantes da Ciência da Informação. Todos os autores reconhecem a informação como um produto que necessita ser gerenciado, controlado e monitorado. A informação, como produto, necessita de qualidade para garantir eficácia e competitividade, tanto no meio acadêmico como na indústria. O estudo do tema qualidade da informação é relativamente novo, começou a ser discutido em 1989 no Nordic Concil for Scientific Information and Research Libraries Nordinfo realizado em Copenhagem na Dinamarca. Estes foram os primeiros trabalhos elaborados sobre este tema e nestes últimos anos, com evolução da Word Wide Web a preocupação com a qualidade da informação disponibilizada tem aumentado consideravelmente. Desde 1996 este tema tem sido também o foco da Conferência Internacional de Qualidade da Informação promovida pelo MIT - Massachusetts Institute of Technology. Este Guia tenta consolidar as referências mais relevantes sobre o tema Qualidade da Informação. Muitas das referências citadas abrangem a análise da qualidade para um contexto específico da informação, por exemplo: páginas da WEB para cientistas, informações médicas, instituições bancárias, etc. Independente do contexto da informação analisado a quantidade de artigos em periódicos, eventos, artigos de eventos e livros publicados nos últimos anos demonstra a importância deste tema tanto para a comunidade científica como para a indústria. 2. Objetivo do guia O objetivo deste guia é apresentar, no momento atual, a informação relevante, ampla e geral sobre o tema Qualidade da Informação, e servir de referência a pesquisadores e estudantes de graduação que querem aprofundar suas pesquisas sobre este tema. 3. Considerações sobre guia Para elaboração do guia foram considerados algumas limitações e critérios: 3.1 Limitação de língua Foram selecionadas somente as referências de língua portuguesa, espanhola, inglesa e francesa. 3.2 Limitação de tempo Foram selecionados somente as referências de 1989 até Julho/2006. A escolha da data de 1989 foi proposital considerando o surgimento dos primeiros trabalhos sobre Qualidade da informação no Nordic Concil for Scientific Information and Research Libraries - Nordinfo, realizado em 1989 na Dinamarca. 3.3 Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos artigos, periódicos e dissertações/teses - Estão somente relacionados os artigos, periódicos e dissertação/teses que citam e analisam o tema Qualidade da Informação; - artigos, periódicos e dissertações/teses que abordam qualidade de forma geral, aspectos de qualidade com relação ao produto de software, ao processo ou a qualquer produto não vinculado à informação não foram selecionados; - alguns artigos, periódicos e dissertações/teses selecionados abordam o tema qualidade da informação e também a qualidade do produto de software; - todos os artigos, periódicos e dissertações/teses foram selecionados pela integridade, clareza de comunicação e relevância para o propósito do guia. 5/34

6 3.4 Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos pesquisadores e especialistas Para seleção dos pesquisadores brasileiros foi consultada a base da Plataforma Lattes utilizando como filtro o termo Qualidade da Informação, grande área Ciências Sociais Aplicadas e área Ciência da Informação. Foram considerados também pesquisadores e/ou especialistas com produção de dois ou mais artigos e/ou um ou mais livros ou dissertações sobre o tema. Para identificação dos pesquisadores estrangeiros, foram consideradas as participações dos pesquisadores como coordenadores de eventos vinculados a qualidade da informação e/ou a produção de dois ou mais artigos e/ou um ou mais livros. 3.5 Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos livros Foram selecionados os livros que possuem como título ou parte do título o tema qualidade da informação ou que possuem algum capítulo sobre este assunto. Foram selecionados também pela integridade, clareza de comunicação e relevância para o propósito do guia. 3.6 Critérios adotados para inclusão no guia da referência dos artigos da Internet Foram selecionados os artigos na Internet que possuem autor, com afiliação de alguma instituição acadêmica ou indústria. Os artigos também deveriam possuir bibliografia. Foram selecionados também pela integridade, clareza de comunicação e relevância para o propósito do guia. 4. Organização do Guia O guia está organizado em duas fontes: primárias e secundárias. Dentro de cada fonte foram identificados grupos e subgrupos conforme Quadro 1. Para alguns dos subgrupos não foram encontradas referências. Para as fontes terciárias não foram encontradas referências. Em cada subgrupo as referências estão listadas em ordem alfabética, para facilitar a consulta. Quadro 1 Organização do Guia Fontes Grupos básicos Subgrupos Fontes Primárias Pesquisadores Brasileiros Eventos Estrangeiros Estrangeiros Artigos de Anais de Congressos, Simpósios e Workshops Periódicos Projetos de pesquisa em andamento e concluídos Teses e dissertações Estrangeiros Brasileiros Estrangeiros Brasileiros Estrangeiros Fontes Secundárias Dicionários, glossários e enciclopédias 6/34

7 Internet Livros 5. Algumas análises sobre as referências citadas Foram realizadas algumas análises sobre as referências citadas pelo Guia. O objetivo destas análises foi identificar, somente com relação às referências citadas, a evolução numérica de estudos sobre o tema, durante o período pesquisado (Figura 1), a quantidade de artigos (em eventos e períodicos) publicados por autor (Figura 2), e em artigos de eventos referenciados (Figura 3). Após estas análises é possível identificar a evolução histórica das pesquisas, os principais eventos, autores e periódicos envolvidos com o tema qualidade da informação Qtd Anos Figura 1 Evolução numérica da produção sobre o tema Qtd ENGLISH EPPLER LEE STRONG NEUS FURQUIM LOPES NEHMY Autores FISHER KAHN WANG Outros 73 autores Figura 2 Produção sobre o tema por autor 7/34

8 6% 6% 6% International Conference on Information Quality Annual quality congress American Conference on IS Word Library and Information congress 82% Figura 3 Percentual de artigos sobre Qualidade da Informação nos eventos referenciados 8/34

9 6. Fontes primárias 6.1 Pesquisadores e especialistas Brasileiros AGUIAR, Andréa Vasconcelos Carvalho de Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação ARAUJO, Nelma Camelo de Bolsista de Desenvolvimento Tecnológico Industrial 7D Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação BAPTISTA, Sofia Galvão Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar BERCOTT, Flavio Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília-UNB, Brasília. BRODBECK, Angela Freitag Orientador de Mestrado Orientador de Doutorado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar CARVALHO, Luciana Moreira Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar CARVALHO, Sandra Carleth Fernandes Maior nível de formação: Especialização Primeira área de atuação: Ciências Humanas - Multidisciplinar CAVALLI, Flávia Regina Maior nível de formação: Graduação Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Economia COSTA, Sely Maria de Souza Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação 9/34

10 DUQUE, Andrea Paula Osorio Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação FADEL, Barbara Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar FERREIRA, Marta Araujo Tavares Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar FURQUIM, Tatiana GANZAROLLI, Maria Emilia Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação GIMENES JÚNIOR. Carlos Universidade de São Judas Tadeu - SP GUIMARÃES, Maria Cristina Soares Primeira área de atuação: Engenharias - Engenharia Química IBAÑEZ, Hugo Álvaro Murilo. Universidade de São Paulo - USP JOSEPHSON, Joana Ziller de Araújo Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação LOPES, Ilza Leite de Azevedo Santos Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação MAÇADA, Antonio Carlos Gastaud Orientador de Mestrado Orientador de Doutorado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Administração MARINHO, Raimunda Ramos Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação Instituição: Universidade Federal do Maranhão 10/34

11 MARQUES, Mamede Lima- (Pós-Doutorado) Primeira área de atuação: Ciências Exatas e da Terra - Ciência da Computação MARTELETO, Regina Maria Orientador de Doutorado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação MIRANDA, Antonio Lisboa Carvalho de Orientador de Doutorado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar MORAIS, Leila de Maior nível de formação: Especialização Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar MORESI, Eduardo Amadeu Dutra Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação MOURA, Maria Aparecida Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação NAKAYAMA, Haruka Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar NEHMY, Rosa Maria Quadros Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina, Departamento de Medicina Preventiva e Social NJAINE, Kathie Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar PEDRAZZI, Fernanda Kieling Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Comunicação Instituição: Universidade Federal de Santa Maria PINTO, Virginia Bentes Bolsista de Produtividade Em Pesquisa 2 (***) 11/34

12 Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação SABBATINI, Marcelo Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação SAMPAIO, Renelson Ribeiro Primeira área de atuação: Ciências Exatas e da Terra - Ciência da Computação SETTE, Carlos Roberto Maior nível de formação: Mestrado Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar SILVA, Ana Rosa dos Santos Rodrigues da Maior nível de formação: Especialização Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação SILVA, Luiz Custódio da Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Comunicação SUGANUMA, Simone Maior nível de formação: Mestrado Universidade de Brasília - Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação TOUTAIN, Lidia Maria Batista Brandao Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Ciência da Informação VASCONCELOS, Maria Celeste Reis Lobo de Primeira área de atuação: Ciências Sociais Aplicadas - Multidisciplinar Estrangeiros ALEXANDER, Janet E., Wolfgram Memorial Library, Widener University, Chester, PA BORAWSKI, Paul E. executive director and chief strategic officer of the American Society for Quality. ENGLISH, Larry P. President and Principal, Information Impact International Inc., Brentwood 12/34

13 EPPLER, Martin J. University of St. Gallen FISHER, Craig W., Ph.D. Marist College JUNG, Wonjin. Claremont Graduate University St, Claremont, California KUAN TSAE, Huang. TASKCO E-Business Corporation. Electrical Engineering & Computer Science, Ph.D., Massachusetts Institute of Technology LAURÍA, Eitel J.M., Ph.D. Dr. Lauría is an Assistant Professor of Information Systems at Marist College, Poughkeepsie, NY. LEE, Yang W.- Northeastern University LESCA, Humbert, Professeur Ecole Superiere dês Affaires de L universite Pierre-Mendes France de Grenoble LESCA Elisabeth MARSHA Ann Tate The Pennsylvania State University University Park, PA Phone: Fax: SCHEEDER, Donna Director, Law Library Services Law Library of Congress Washington, D.C. USA STRONG, Diane M. Worcester Polytechnic Institute WANG, Richard Y Director of the MIT Information Quality (MITIQ) Program and Co-Director for the Total Data Quality Management Program at the Massachusetts Institute of Technology 6.2 Eventos 13/34

14 6.2.1 Estrangeiros INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 1996, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 1997, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 1998, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 1999, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2000, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2001, Cambridge, MA. Proceedings of the 6 th International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2002, Cambridge, MA. Proceedings of the 7 th International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2003, Cambridge, MA. Proceedings of the 08 th International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2004, Cambridge, MA. Proceedings of the 9 th International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2005, Cambridge, MA. Proceedings of the 10 th International Conference on Information Quality Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, 2005 # Conferência existente desde 1996 promovida pelo Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, MA Alguns de seus anais e artigos estão disponíveis na Internet no site pesquisa realizada em 07/07/2006. Alguns artigos focam qualidade da informação, outros qualidade voltada para tecnologia.a próxima Conferência a ser realizada será em Novembro de 2006: NORDIC CONCIL FOR SCIENTIFIC INFORMATION AND RESEARCH LIBRARIES - NORDINFO, 1989, Copenhagem, Dinamarca. Information Quality definitions and dimensions. 1989, Copenhagem, Dinamarca: Royal School of Librarianship, Taylor Graham ed, # Segundo as autoras NEHMY e PAIM (1998) este foi um dos primeiros eventos a discutir o conceito qualidade da informação. WORLD CONFERENCE ON QUALITY AND IMPROVEMENT FORMERLY THE ANNUAL QUALITY CONGRESS (AQC), Milwaukee, Wisconsin. Proceedings of the Annual Quality Congress. Milwaukee, Wisconsin: American Society for Quality Archives, # Congresso realizado desde 1946 até o presente ano. Focado principalmente em qualidade de uma forma geral, de produto e de 14/34

15 empresas (processos). Tem poucos artigos com relação a qualidade da informação. O próximo Congresso será realizado em Orlando, Florida, 05/ Artigos de Anais de Congressos, Simpósios, Workshops Estrangeiros AL-HAKIM, Latif. Information quality function deployment. In: 09 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 2004, Cambridge, MA. Proceedings of the 09 th International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # Esta pesquisa analisa o processo da qualidade da informação (IQ) e identifica que o controle deste processo compreende dois tipos de fatores: Dimensões da IQ e Indicadores da IQ. Segundo o autor medidas de desempenho da informação, conhecidas como orientação à informação, medem a capacidade de uma organização controlar e utilizar eficazmente a informação. A consistência entre os dois tipos de fatores (Dimensões da IQ e Indicadores da IQ) melhorará a qualidade da informação. Foi realizado um estudo de caso na área de saúde utilizando uma adequação do modelo de Distribuição da Função da Qualidade (QFD) em uma tentativa de combinar Dimensões da IQ com os Indicadores da IQ e identificar os fatores mais importantes que afetam a qualidade da informação. BURGESS, M S E, GRAY, W A, and FIDDIAN, N J. Quality measures and the information consumer.. In: 09 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 2004, Cambridge, MA. Proceedings of the 09 th International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # A quantidade de dados disponíveis ao consumidor da informação tem aumentado substancialmente, é possível procurar pela informação em um número ilimitado de tópicos através de uma larga escala de ambientes. Embora abundante esta informação possui vários níveis de qualidade, sendo produzida por profissionais e por aqueles com quase nenhum conhecimento. Dois obstáculos impedem encontrar a informação relevante: a sobrecarga da informação e qualidade da informação. A solução proposta neste artigo consiste no desenvolvimento de uma metodologia para utilizar critérios de qualidade como um dispositivo automático de entrada para procurar a informação. Apresenta uma estrutura hierárquica genérica da qualidade e estruturas de domínios específicos e é demonstrado como estes modelos podem ser usados pelo consumidor da informação. O consumidor da informação é capaz de criar uma definição personalizada da qualidade, baseada na seleção de critérios de qualidade, de pesos de importância, e de valores de preferência da qualidade. Esta definição da qualidade é usada para focalizar as buscas da informação e é demonstrado como esta abordagem pode alterar os resultados retornados de uma busca da informação. CABALLERO, Ismael, GÓMEZ, Óscar, PIATTINI, Mario. Getting better information quality by assessing and improving information quality management. In: 09 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 2004, Cambridge, MA. Proceedings of the 09 th International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # A qualidade da informação é fator decisivo para organização. A qualidade dos dados e da informação vai além da definição de dimensões da qualidade dos dados, e falta um framework integral, que possa guiar organizações na avaliação e na melhoria da qualidade dos dados e da informação de uma maneira coordenada e global. Neste trabalho é proposto um framework para preencher esta falha. Este framework é baseado no conceito de Gerenciamento do Processo da Informação (IMP) e é composto de dois componentes: um modelo de gerência da qualidade da informação estruturado nos níveis da maturidade (CALDEA) e em uma metodologia para avaliação e melhoria da qualidade da informação (EVAMECAL). O framework foi elaborado considerando outros modelos de qualidade existentes CMMI, ISO 9000, SPICE, etc. 15/34

16 CARLSON, Raul, PÅLSSON, Ann-Christin, Environmental information management in practice, using principles of total quality management.in: INTERNATIONAL WORKSHOP ON LCI-QUALITY,. 2003, Alemanha. International Workshop on LCI-Quality Proceedings, Alemanha, # Os autores sugerem aplicar o conceito do TQM (Gerenciamento da Qualidade Total) para gerenciamento da qualidade da informação. Os autores citam que os principais problemas da qualidade da informação no ambiente industrial são credibilidade, consistência, transparência e imparcialidade. Descrevem um pouco cada uma destas características. Sugerem um framework PHASETS para aplicar o TQM no LCA (Life Cycle Assessment - Avaliação do ciclo de vida). DIEMERS, Daniel. On the social dimension of information quality e Knowledge.. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 1999, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # O trabalho discute a dimensao social da qualidade da informação no contexto da gestão do conhecimento. Propõe um modelo de transformação do processo de informação para conhecimento. ENGLISH, Larry P.. Information quality management: the next frontier.in: ANNUAL QUALITY CONGRESS, 2001, Charlotte, NC. Annual quality Congress Proceedings, 2001, Charlotte, NC. ABI/INFORM Global. p.529#. O autor cita que os princípios da qualidade de Denning, Ishikawa, Juran, Crosby e outros implementaram maturidade na Era Industrial. Alguns destes princípios nos últimos cinco anos foram aplicados diretamente na melhoria da qualidade da informação.o autor afirma que a qualidade da informação é essencial para a sobrevivência da organização. Se você não gerencia sua informação, você não gerencia seu negócio. São analisadas algumas características da qualidade da informação e o seu respectivo benefício com relação ao conhecimento. Algumas das características citadas são: completeza, acurácia, redundância, tempo, propósito, objetividade, etc EPPLER, Martin J. ; MUENZENMAYER, Peter. Information quality on corporate intranets: Conceptuzalition e measurement. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 1999, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # O trabalho avalia a qualidade da informação no contexto das Intranets. Apresenta critérios identificados pelo Gartner e outros autores. Examina os fatores que caracterizam a qualidade da informação e como ela pode ser mensurada.realizou um survey (entrevistas semi estruturadas) com 50 usuários e especialistas de diversas organizações para identificar critérios de qualidade na intranet das organizações. As respostas foram condensadas de acordo com as quatro visões: identificação, evolução, integração e aplicação e quatro fases: uso e aplicação, integração, procura e evolução. Para cada visão foram mapeados critérios de qualidade, ao todo 34 critérios de qualidade. Para demonstrar os resultados foram utilizados gráficos de radar onde foi possível identificar as fases ou visões que precisam ser melhoradas. EPPLER, Martin J. WITTIG, Dörte Conceptualizing Information Quality: A Review of Information Quality Frameworks from the Last Ten Years. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 2000, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p #Este trabalho analisa sete framework conceituais da qualidade da informação com critérios e dimensões a fim identificar elementos comuns, diferenças, e componentes ausentes. Os framework são avaliados de acordo com critérios analíticos (ou científicos) e critérios pragmáticos (ou operacionais). Os critérios analíticos são baseados em padrões acadêmicos considerando a literatura existente em uma estrutura consistente e sistemática. A dimensão pragmática consiste nos critérios que fazem a estrutura aplicável, se os exemplos estão fornecidos para ilustrar a estrutura, e se as ferramentas incluídas estão baseadas na estrutura. A revisão dos framework mostrou que os framework da qualidade da informação são fortes em sua dimensão analítica ou em sua dimensão pragmática, mas raramente forte em ambas as dimensões ao mesmo tempo. A avaliação revelou também que as estruturas de IQ são frequentemente específicas para determinado domínio (isto é, para uma aplicação específica tal como data warehouse ou comunicações organizacionais), e que analisam raramente interdependências entre os critérios de qualidade da informação que são incluídos em um framework. O trabalho concluí um esboço dos cinco sentidos futuros para o framework da 16/34

17 qualidade da informação: primeiramente, a questão para modelos mais genéricos. Em segundo, o desenvolvimento de framework de IQ que mostre interdependências entre critérios de qualidade diferentes. Em terceiro lugar, a inclusão de áreas de problema e indicadores nestes framework (assim os framework vão além dos critérios de qualidade listados). Em quarto, o desenvolvimento das ferramentas que são baseadas em uma estrutura da qualidade da informação. E última, o desenvolvimento das estruturas que são ao mesmo tempo teóricas e práticas. Os autores relacionam os framework (indicadores e dimensões de qualidade) dos autores Lesca/Lesca (1995), Koniger/Reithmayer (1998), Alexander/Tate (1999), Russ-Mohl (1994), Wang, Strong (1996), English (1999), Redman (1996). KATERATTANAKUL, Pairin ; SIAU,Keng. Measuring information quality of web sites:development of an instrument. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 1999, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # Os Web site são utilizados extensivamente para fornecer a informação aos consumidores. Neste trabalho foi proposto um modelo e desenvolvido um instrumento para medir a qualidade da informação de sites pessoais da Web. A fundamento teórico desta pesquisa é a estrutura da qualidade da informação. A estrutura e o instrumento proposto foram aplicados em uma amostra 64 estudantes. KLEIN,Barbara D. When do users detect information quality problems on the world wide web? In: EIGHTH AMERICAS CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS, 2002, Montpellier, France. Eighth Americas Conference on Information Systems Proceedings. Montpellier, France, 2002, p # Este estudo envolve uma análise dos principais problemas com relação a qualidade da informação na Word Wide Web. São apresentados resultados de 132 questionários aplicados a estudantes com e sem experiência em realizar pesquisas na WWW e identificados os principais fatores associados a qualidade da informação: acurácia, completeza, relevância, atualidade e outros. O objetivo do trabalho é o desenvolvimento de um modelo teórico dos fatores que afetam a detecção do usuário de problemas com a qualidade da informação na World Wide Web. LEE, Yang W.., STRONG, Diane M.. Process knowledge and data quality outcomes. In: 8 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 2003, Cambridge, MA. Proceedings of the 8 th International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # O artigo identifica quais modalidades ou domínios do conhecimento são mais críticos para produzir dados de alta qualidade. As informações foram coletadas através de questionário e analisadas utilizando a regressão linear. Os resultados mostram que algumas similaridades e diferenças das variáveis do conhecimento são significativas para várias dimensões da qualidade dos dados. Três resultados são de particular interesse para gerentes e aos pesquisadores da qualidade dos dados. O primeiro é a complexidade do conhecimento associada à produção de dados acurados. O segundo é o resultado significativo do conhecimento sobre o processo do levantamento de dados em comparação aos processos do armazenamento de dados e da utilização. O terceiro é a associação negativa da modalidade do conhecimento por que em comparação às associações positivas para o que e como. MATSUMURA, Alan; SHOURABOURA, Nadia. Competing with quality information. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 1996, Cambridge, MA. Proceedings of the International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # A qualidade da informação impacta na qualidade das decisões. O trabalho apresenta o significado da informação para as organizações, e como as organizações podem implementar melhorias na qualidade das informações. A qualidade, neste trabalho, considera somente as características de acurácia e acessibilidade. Para melhorar a qualidade da informação as organizações devem analisar as causas da falta de qualidade.o trabalho apresenta uma metodologia para diagnóstico e melhoria da qualidade. MISSIER, Paolo, EMBURY,Suzanne, GREENWOOD,Mark, PREECE, Alun, JIN, Binling. An Ontology-Based Approach to Handling Information Quality in e-science.. In: 10 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 2005, Cambridge, MA. Proceedings of the 10 th International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts 17/34

18 Institute of Technology MIT, p # Neste trabalho é construído um modelo para controlar qualidade da informação (IQ) em um contexto da e-ciência. Os trabalhos existentes consideram uma visão abstrata das propriedades da IQ, mas os cientistas podem definir as características da qualidade que são importantes em seu domínio particular. Por exemplo, a exatidão pode ser definida nos termos de conformidade de dados experimentais a um padrão particular. Os Usuário-cientistas podem especificar suas preferências da qualidade da informação sendo possível definir uma ontologia formal, de modo que as definições sejam manipuláveis, permitindo a classificação e organização das características de domínio-específicas da qualidade NEUS, Andréas. Evolving knowledge:empowering information users. In: 08 th INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY AT MIT, 2003, Cambridge, MA. Proceedings of the 08 th International Conference on Information Quality at MIT. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology MIT, p # A qualidade da informação semi-estruturada e não estruturada nas Intranets está influenciando cada vez mais a eficiência e a competitividade das organizações. Entretanto, o maior problema da qualidade da informação nas Intranets não é o processo inicial para assegurar esta qualidade, geralmente, a qualidade da informação é elevada inicialmente. O problema principal é a deterioração de-facto da informação previamente de alta qualidade devido a uma falta de atualizações para refletir as mudanças. O artigo faz considerações sobre o desafio de fornecer uma informação com qualidade que acompanhe as exigências de mudanças. NEUS, Andréas. Managing Information quality in virtual communities of practice. In: 6 TH INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION QUALITY, 2001,Cambridge, MA. Proceedings of the 6 th International Conference on Information Quality. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology - MIT, # A Internet proporcionou meios para efetiva colaboração no tempo e espaço, principalmente com as comunidades de práticas virtuais. As ferramentas de open source criaram um novo paradigma, um novo caminho para a informação. As comunidades de práticas tem agora a chance de utilizar este novo caminho para redefinir como a qualidade da informação será criada e compartilhada na organização. São citados alguns questionamentos sobre a formação e desempenho das comunidades de prática como redes ou hierarquias, spam, colaboração e qualidade. A qualidade neste contexto pode ser visualizada em diversas dimensões: como resultado da integração de vontades, como resultado da colaboração massiva, etc SCHEEDER, Donna. Information Quality Standards: Navigating the Seas of Misinformation*.In: WORLD LIBRARY AND INFORMATION CONGRESS: 71TH IFLA GENERAL CONFERENCE AND COUNCIL, 2005, Oslo, Norway. World Library and Information Congress: 71th IFLA General Conference and Council Proceedings. Oslo, Norway, 2005.# O trabalho afirma existir uma crise da qualidade da informação. O comportamento da busca da informação, a procura das empresas e de profissionais por mais clientes tem disponibilizado, na WWW, trabalhos ilicitamentes editados, fontes inexatas, etc. Existem muitas desinformações na WEB e isto representa um desafio e oportunidade para todos os bibliotecários e para aqueles que servem a parlamentares, foco deste artigo. Este trabalho analisa estas tendências, seus efeitos e discute as estratégias que podem ser utilizadas para adicionar o valor à informação assegurando sua autenticidade, atualidade e exatidão Periódicos Brasileiros FURQUIM, Tatiana. Fatores motivadores de uso de site web:um estudo de caso. Ciência da Informação, v.33, n.1, p.48-54, jan-abr, 2004.#A partir da adaptação de um conjunto de critérios de avaliação de sites web centrados no usuário, foram identificados fatores motivadores de uso de site de governo eletrônico. Os fatores identificados remetem a qualidade da informação e a qualidade de software e parte destes fatores, principalmente os fatores relacionados a categoria conteúdo, são 18/34

19 considerados por outros autores como características de qualidade. São eles: utilidade da informação, confiabilidade da informação, atualidade da informação, facilidade de uso. LOPES, Ilza Leite de Azevedo Santos. Novos paradigmas para avaliação da qualidade da informação em saúde recuperada na web. Ciência da Informação, v.33, n.1, p.81-90, jan-abr, 2004 # Analisa os paradigmas de produção do conhecimento e as implicações na qualidade da informação disponibilizadas. Identifica critérios de avaliação de qualidade da informação em saúde recuperadas na Web. Cita alguns critérios categorizados como indicadores de qualidade como credibilidade, conteúdo, apresentação do site, links, design, interatividade e anúncios.e cita também critérios e dimensões identificadas por autores como Marchand (1990), Olaisen (1990) Kahn, Strong & Wang (1997). A autora identifica, também, estudos sobre a qualidade da informação em saúde na Web (estrangeiros e brasileiros). MACHADO, Francis Berenger. Limitações e deficiências no uso da informação para a tomada de decisões. Caderno de pesquisas em Administração, São Paulo, V.09, n. 2, abril/junho, # Discute as limitações existentes no uso de sistemas de informação como apoio a tomada de decisões e identifica características como acurácia e entendimento como essenciais a informação de qualidade. MOREIRO, Jose Antonio. Critérios e indicadores para evaluar la calidad del analisis documental de contenido. Ciência da Informação, v.312, n.1, p , Janeiro-abril, # O autor identifica critérios e indicadores para avaliar a qualidade da análise documental de conteúdo. Cita a norma ISO 8402 que define qualidade como a totalidade das características de uma entidade que lhe confere a capacidade de satisfazer as necessidades explicitas e implícitas. Identifica a satisfação do cliente em duas perspectivas: externa - administrar as expectativas dos usuários e, interna reduzir as conseqüências de falhas humanas e diminuir os defeitos. O artigo aborda o processamento da informação no tratamento documental para permitir uma satisfatória recuperação da informação pelo cliente. NEHMY, Rosa Maria Quadros; PAIM, Isis. A desconstrução do conceito de qualidade da informação. Ciência da Informação, v.27, n.1, p , jan./abr., Analisa formas de abordagem da qualidade da informação na literatura, tentando montar uma construção/descontrução teórica conceito Estrangeiros ALBRECHT, Karl. Information Quality. Executive Excellence, 18,8, Ago p.11.# Analisa a importância da qualidade da informação e descreve quatro fases para o processo de qualidade da informação: identificar os problemas de qualidade e oportunidades, priorizar as mudanças; mudar sistemas, processos e práticas, reintegrar todas estas mudanças as necessidades negociais. BALLOU, Donald P., TAYI, Giri Kumar. Enhancing Data Quality in Data Warehouse environments. Communications of the ACM, 42(01), 1999, p # Identifica que parte do esforço de melhoria em sistemas de Data Warehouse, solicitada pelo usuário, tem como objetivo a melhora da qualidade dos dados que é considerada insatisfatória. Data Warehouse é um sistema que agrega informações de vários outros sistemas organizacionais. A qualidade de dados neste contexto é muito complexa pois envolve, na maior parte das vezes, sistemas dos mais variados tipos. Os autores sugerem uma série de passos para implementar um modelo que se preocupe com a qualidade em todas as fases de construção do Data Warehouse. CHIU, Chao-Min, HSU, Meng-Hsiang, SUN, Szu-Yuan, LIN, Tung-Ching, SUN, Pei-Chen. Usability, quality, value and e-learning continuance decisions. Elsevier- Computers & education, 45, p , # Os autores correlacionam as características de qualidade citadas no título do artigo: usabilidade, qualidade e valor com o nível de satisfação dos usuários (com relação a utilização do produto ou serviço disponibilizado na WWW). O principal motivo para garantir um relacionamento continuo com o cliente é a satisfação do mesmo e que esta satisfação pode ser medida em termos da qualidade, incluindo qualidade da informação e do sistema. Os autores realizaram um survey com /34

20 participantes para correlacionar estas variáveis (percepção de usabilidade, qualidade e valor) com a satisfação. Ao final concluíram que estas variáveis estão relacionadas a satisfação. EPPLER, Martin J.; HELFERT, Markus; GASSER, Urs. Information quality: organizational, technological, and legal perspectives. Studies in Communication Sciences, 4/2, p.1-16, 2004.# Os autores analisam o uso da informação em três perspectivas: organizacional, tecnológica e legal. Mas ressaltam a necessidade de identificar aspectos que fazem a informação ter valor. Propõem um framework para a qualidade da informação, que possui características como acurácia, clareza, aplicabilidade, consistência, corretude, etc FISHER, Craig W..; GINGMA, Bruce R. Criticality of data quality as exemplified in two disasters. Elsevier Information & Management, 39, p , 2001.#O artigo cita que a explosão da Challenger e a queda do Arbus Iraniano são exemplos de erros, que envolvem a qualidade dos dados. É discutida a importância da qualidade dos dados, especificamente nestes dois casos. A qualidade dos dados é um dos principais problemas nas organizações de hoje e são analisados critérios de qualidade como: acurácia, atualidade, completude, consistência, relevância. GELLE, Esther, KARHU, Katja. Information quality for strategic technology planning. Emerald industrial management & data systems, 103 8, p , # Aspectos importantes para a qualidade da informação: atualização, relevância, confiabilidade. As autoras também identificam passos para prover uma qualidade da informação, no caso do artigo, focada para o planejamento estratégico da tecnologia. Estes passos são: definir as necessidades dos usuários, planejar e especificar como a informação pode ajudar a atender as necessidades dos usuários, implementar métodos e ferramentas conforme especificado, checar constantemente se a implementação atende as necessidades dos usuários, planejar como a qualidade dos dados pode ser continuamente melhorada, implementar pequenas melhorias.são sugeridos alguns métodos tecnológicos para suportar a qualidade da informação. KAHN, Berverly; STRONG, Diane M.; WANG, Richard Y. Information quality benchmarks: product and service performance. Communications of the ACM, 45 (4ve), p , abril, 2002.# Apresenta um modelo PSP/IQ (Product and Service Performance Model for Information Quality) (Product and Service Performance Model for Information Quality) em que identificam dimensões da qualidade da informação referentes aos produtos e serviços disponibilizados pelas organizações. Identifica também algumas dimensões de qualidade da informação como: acessibilidade, completeza, objetividade, relevância, valor agregado, etc. O modelo foi aplicado em três organizações de saúde, identificando oportunidades de melhoria. LEE, Yang W.; STRONG, Diane M.; KAHN, Berverly, WANG, Richard Y. AIMQ: a methodology for information quality assessment. Elsevier - Information & management 40, p , # Detalhamento da metodologia de qualidade AIMQ (AIM Quality). O trabalho apresenta uma metodologia para avaliação da qualidade da informação e sua aplicação nas organizações analisadas (6 organizações). Os autores afirmam que apesar de uma década de pesquisa e práticas, somente poucos estudos foram aplicáveis para medir, analisar e melhorar a qualidade da informação nas organizações. Foram identificadas (quatro) categorias de qualidade da informação: Intrínseca, contextual, representacional e de acessibilidade (a visão representacional e de acessibilidade está mais focada na avaliação de sistemas de computação que provêem o acesso à informação). Foram definidos 4 quadrantes: sound, dependable, useful e usable com foco no serviço (necessidade consumidor) e no produto (conformidade com as especificações). Após consolidação das visões acadêmicas de qualidade de informação os autores identificaram12 a 20 itens para cada dimensão, e fizeram um estudo piloto para reduzir o número de itens (Survey com 120 IQA (itens de qualidade da informação) randomicamente misturados em 4 páginas com 52 respondentes. Reduziram para 4 a 5 itens por dimensão. Após o piloto foi elaborado e aplicado o estudo completo com 65 IQA, 4 paginas, 261 respondentes e utilizado a técnica Cronbach Alpha para identificar o relacionamento das medidas de cada dimensão e pontuar pesos para cada item. 20/34

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Information quality: concepts and applications

Information quality: concepts and applications Qualidade da informação: conceitos e aplicações Information quality: concepts and applications 29 ARTIGO ARTIGO QUALIDADE DA INFORMAÇÃO Angélica Toffano Seidel CALAZANS 1 RESUMO A qualidade da informação

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Fábio Favaretto (PUCPR) fabio.favaretto@pucpr.br Rosana Adami Mattioda (PUCPR) mattioda@brturbo.com Resumo O

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde

Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde Qualidade de Dados para Gestão do Conhecimento na Área de Saúde Valéria Farinazzo Martins Salvador Mozart Britto Lincoln de Assis Moura Jr. Jorge Rady de Almeida Junior Roteiro Introdução Qualidade de

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados

MIT CDOIQ Symposium 2014. Os temas mais abordados IV Conferência Internacional em Qualidade da Informação MIT CDOIQ Symposium 2014 Os temas mais abordados Evolução MIT Information Quality Program Pesquisa, Ensino, Publicações, Conferências, Certificação

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Qualidade de Dados em Data Warehouse

Qualidade de Dados em Data Warehouse Qualidade de Dados em Data Warehouse Prof. Dr. Jorge Rady de Almeida Jr. Escola Politécnica da USP C/1 Relevância do Tema Principal motivação p/ manter alta QD: impactos nos lucros DW: tomada de decisões

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO 1 FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * Lena Vania Ribeiro Pinheiro, IBICT 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO Alguns termos técnicos de Ciência da

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software Marco Aurélio Vilaça de Melo Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Belo Horizonte MG

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Zélia Magalhães Bianchini (Diretoria de Pesquisas) Helena Piccinini (Diretoria de Informática) Gestão da Qualidade

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e JEANE MENDES DA SILVA SANTOS Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e Plano de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz SENAC GO Gestão da Tecnologia da Informação Tópicos especiais em administração Professor Itair Pereira da Silva Alunos: Eduardo Vaz Jalles Gonçalves COBIT COBIT (CONTROL OBJETIVES FOR INFORMATION AND RELATED

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Capítulo 8: Conclusão. Capítulo 8: Conclusão

Capítulo 8: Conclusão. Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3 Ago/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE RECURSOS

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais