Taller Regional sobre Contabilidad del Capital Natural com Énfasis em las Cuentas del Agua

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Taller Regional sobre Contabilidad del Capital Natural com Énfasis em las Cuentas del Agua"

Transcrição

1 Taller Regional sobre Contabilidad del Capital Natural com Énfasis em las Cuentas del Agua Water sta(s(cs and SEEA- Water implementa(on process in Brasil 17 to 19 December, 2014 San José / Costa Rica

2 Precipitation Manaus/AM Quixeramobim/CE Maceió/AL Brasília/DF São Carlos/SP Passo Fundo/RS

3 Surface water provisioning Average long term surface flows: 180 mil m³/s (12% of the global availability) Amazon region = 81% 81% n n n Internal Renewable Water Resources (IRWR): hm 3 /year Total Renewable Water Resources (TRWR): hm 3 /year Dependency rate from upstream countries: 25% (Amazon basin)

4 Groundwater provisioning = m3/ s Map of the aquifer systems Hydrographic regions RH Amazônica RH do Paraguai RH do TocanFns- Araguaia RH do Paraná RH do Uruguai RH AtlânFco- Sul RH AtlânFco- Sudeste RH do São Francisco RH AtlânFco- Leste RH do Parnaíba RH Nordeste- Ocidental RH Nordeste- Oriental BRASIL Groundwater provisioning (m 3 /s)

5 Main beneficiaries of this ecosystem service (water users) Abstraction of water from inland water resources (E.1) E.1.1 (surface water) E.1.2 (groundwater) Total Abstraction (E.1.1+E.1.2) = hm3/year (2012) 1 q Water abstracted by ISIC 36 (drinking water): hm3/ year q Water abstracted directly by families: hm3/year q Water abstracted by manufacture industries: hm3/year q Water abstracted for agriculture (Irrigation + livestock): hm3/year 1. High Urban Demand Manaus Metropolitan Region (MR) 2. High Demand for Irrigation Formoso, Pium and Urubu Projects 3. High Demand for Irrigation Paranaíba River Basin 4. High Demand for Irrigation Petrolina-Juazeiro Center 5. High Demand for Irrigation West Bahia 6. High Urban and Industrial Demand Rio de Janeiro MR 7. High Urban and Industrial Demand Sao Paulo MR 8. High Demand for Irrigation of Rice Crops Total Demand Total Demand per Watershed per Watershed (m 3 /s) (m 3 /s) 0,000 0,000 0,005 0,005 0,006 0,006 0,100 0,100 0,101 0,101 0,250 0,250 0,251 0,251 0,500 0,500 0,501 0,501 3,000 3,000 3,001 3,001 9,700 9,700 Hydrographic Hydrographic Region Region

6 Irrigation Irriga:on area in Brazil annual evolu:on (1970 to 2012) Irriga:on area = 4,5 million hectares (2006) and 5,8 million hectares (2012)

7 Vulnerabilities Extreme events Floods Municípios afngidos em

8 Vulnerabilities Extreme events Droughts Municípios afngidos em

9 EvoluFon of the equivalent reservoir Evolução do Volume do Reservatório Equivalente* 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% mai.2012 jun.2012 jul.2012 ago.2012 set.2012 out.2012 nov.2012 dez.2012 jan.2013 fev.2013 mar.2013 abr.2013 mai.2013 jun.2013 jul.2013 ago.2013 set.2013 out.2013 nov.2013 dez.2013 jan.2014 fev.2014 Percentagem do Reservatório Equivalente DATA BA PE PB PI CE RN Nordeste mai-12 37,3% 48,9% 59,4% 68,0% 68,0% 71,1% 61,7% jun-12 36,5% 47,4% 57,1% 63,2% 65,2% 67,0% 59,1% jul-12 36,4% 47,3% 56,4% 63,2% 64,4% 66,6% 58,6% ago-12 35,2% 46,6% 54,5% 61,6% 62,1% 64,7% 56,7% set-12 35,0% 44,0% 51,4% 59,5% 59,2% 61,6% 54,1% out-12 34,0% 41,5% 49,1% 56,1% 56,5% 59,2% 51,5% nov-12 32,5% 39,9% 45,1% 52,7% 53,3% 56,6% 48,7% dez-12 32,7% 37,6% 42,2% 52,5% 50,4% 52,5% 46,6% jan-13 32,4% 35,4% 40,3% 48,6% 49,1% 50,4% 45,2% fev-13 33,3% 33,3% 36,7% 46,2% 46,1% 47,2% 42,2% mar-13 32,8% 31,9% 35,5% 46,0% 45,3% 45,9% 41,5% abr-13 31,6% 29,9% 36,4% 44,3% 44,3% 44,1% 40,8% mai-13 31,7% 29,0% 38,2% 47,8% 44,5% 44,3% 41,3% jun-13 33,6% 28,1% 37,8% 47,9% 44,7% 46,1% 41,7% jul-13 34,2% 29,1% 37,6% 46,6% 43,9% 46,0% 41,2% ago-13 33,9% 31,1% 36,9% - 42,7% 44,2% 40,5% set-13 33,2% 30,9% 35,2% 44,3% 40,7% 42,3% 38,8% out-13 32,2% 30,1% 33,2% 41,9% 38,4% 40,4% 36,9% nov-13 31,5% 28,5% 31,8% 40,2% 36,2% 38,7% 35,1% dez-13 30,3% 28,0% 29,5% 39,5% 34,2% 37,1% 33,4% jan-14 48,2% 26,3% 29,1% 39,1% 32,3% 35,9% 34,2% fev-14 49,3% 24,4% 26,6% 39,0% 30,9% 34,6% 33,1% PI CE RN PB BA PE Nordeste * Considerando reservatórios com capacidade acima de 10hm³ **Valores sujetios a posterior consolidação. *** A partir de 30/jan/14 fev- 14 considera- se novo novo volume volume para para os os reservatórios Curema e Mãe D'Água na Paraíba devido a batimetria realizada pela ANA.

10 High water availability Low population density Low water availability High population density

11 Water Accounts - Strategy phases First phase establish na(onal ins(tu(onal arrangements Second phase self assessment using diagnos(c tool Third phase data quality assessment

12 First phase establishment of nafonal insftufonal arrangements Ministry of Environment (MMA) Ministry of Planning and Management (MPOG) Secretariats Linked Ins(tu(ons Secretariats Linked Ins(tu(ons Water Resources and Urban Environment (SRHU) Others NaFonal Water Resources Agency (ANA) Others IBGE (Federal StaFsFcs Authority) Others... ANA SRHU Agreement Inter- Ministry ordinance nº 236/2012 IBGE Goal assess the NaFonal Environmental- Economic AccounFng

13 Second phase self assessment using diagnosfc tool

14 Third phase data quality assessment (and data collecfon) Water resources data collec:on and data quality assessment process (Water Report Annual EdiFons - first five years) (State of the Art + Water Use Balance Brazilian Water Resources Report 2009 Baseline Brazilian Water Resources Report 2013 Balance of the last 4 years 2010 Update 2011 Update 2012 Update 2014 Update The image part with relationship ID rid8 was not found in the file. ANNUAL VARIATIONS Reference for systematic and periodic follow up regarding water resources situation and management in Brazil, as well as National Water Resources Plan implementation status.

15 INSTITUTIONAL PARTNERS INMET DNOCS MMA / SRHU IBGE Ibama MI / Senir State Water Resources and Environmental Ins(tu(ons Water resources data collec:on partnership (almost 60 insftufons) ANA National Water Agency SEMA / AC, SEMA / AP, SDS / AM, SEMARH / AL, IMA / AL, INEMA / BA, SRH / CE, COGERH / CE, IBRAM / DF, ADASA / DF, CAESB / DF, SEAMA / ES, IEMA / ES, SEMARH / GO, AGMA / GO, SEMA / MA, SEMA / MT, SEMA / MS, IMASUL / MS, SEMAD / MG, IGAM / MG, SEMA / PA, SECTMA / PB, AESA / PB, SUDEMA / PB, SEMA / PR, IAP / PR, ÁGUAS PARANÁ / PR, SRHE / PE, CPRH / PE, SEMAR / PI, SEA / RJ, INEA / RJ, SEMARH / RN, EMPARN / RN, IDEMA / RN, IGARN / RN, SEMA / RS, FEPAM / RS, SEDAM / RO, FEMACT / RR, SDS / SC, SMA / SP, CETESB / SP, DAEE / SP, SEMARH / SE, SEMADES / TO, NATURATINS / TO, SANEATINS / TO. Contextualização do Relatório - Context of the 2013 Report 2013 Result of the integration of multiple institutional partners in a complex process of information appropriation Fruto da integração estabelecida com os diversos parceiros IBGE insftucionais em um processo complexo environment de apropriação institutions da informação. Federal SRHU/MMA, Inmet, DNOCS, SBF/MMA, Ibama/MMA, ICMBio/MMA, Over 50 state water resources and Use of the results of the 2008 National Survey on Water Supply and Sanitation - PNSB, 2010 Demographic Census (IBGE) 2006 Agricultural and Live Stock Census (IBGE) Federais (SRHU, Inmet, DNOCS, SBF/MMA, IBAMA, Senir/MI) 50 órgãos gestores estaduais Use de of recursos the results hídricos of recent e river meio basin plans (MDA, Verde Grande, Doce, ambiente Tocantins-Araguaia e Paranaíba) and Atlas Brazil: Urban Water Supply. /,

16 Informação de contexto Informação hidrológica INDICADOR OU DADO INTERMEDIÁRIO DERIVADO UNIDADE 2012 Densidade populacional hab/km 2 24 Hidroeletricidade como proporção da energia gerada % 69% Eletricidade gerada per capita KWh/hab Precipitação em lâmina/altura mm/ano Evapotranspiração como proporção da precipitação % 48% Recursos Hídricos Internos Renováveis (IRWR) hm 3 /ano Total de Recursos Hídricos Renováveis (TRWR) hm 3 /ano Grau de dependência países à montante % 25% Total de Recursos Hídricos Renováveis per capita m 3 /hab/ano Capacidade dos reservatórios/açudes como proporção do escoamento superficial e entrada de água de territórios vizinhos % 6% Armazenamento dos reservatórios/açudes per capita m 3 /hab Par(cipação Energia Hidrelétrica Variação: PIB, Re(rada, Armazenamento 600, , , , , , % 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% Variação PIB Per Capita Energia elétrica gerada Energia hidroeléctrica gerada Variação de armazenamento per capita Variação Água extraída per capita

17 OBJETIVO DES. SUST / META INDICADOR MÉTRICA 2.3 até 2030, dobrar a produ(vidade agrícola e a renda dos pequenos produtores de alimentos aumentar substancialmente a par(cipação de energias renováveis na matriz energé(ca global, até até 2030, alcançar o acesso universal e equita(vo à água potável, segura e acessível para todos até 2030, alcançar o acesso a saneamento e higiene adequados e equita(vos para todos até 2030, melhorar a qualidade da água, reduzindo a poluição, eliminando despejo e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas... Produ(vidade hídrica Proporção energia renováveis (hidrelétrica, outras) em relação à produção elétrica Proporção da população u(lizando fonte melhorada de água Proporção da população u(lizando instalações melhoradas de saneamento Percentual de efluentes tratados Produ(vidade Hídrica WPirrigation= TON/(E+G) (F +H) Razão (%) = GWh renováveis / GWh total ODM7.8= S.1/População Total ODM7.9= T.1/População Total TR%= H.a/H x 100 WPeconomy= PIB/(E+G) (F +H) 6.4 até 2030, aumentar substancialmente a eficiência do uso da água em todos os setores e assegurar re(radas sustentáveis... Intensidade de uso da água Perdas da distribuição WI= (E+G) (F+H)/População LD%= I.1/E.b x 100

18 Conclusões e desafios ODS / SDGs (oportunidade) No caso de algumas metas propostas, aumenta- se a pressão sobre os recursos hídricos (dobrar produ(vidade, dinamizar economia,...). A gestão deverá vir acompanhada de infra- estrutura para maior segurança hídrica (saneamento, reservação,...) Aumenta- se a necessidade de integração entre polí(cas (usos da água, infra- estrutura colabora(va,...) Monitoramento das metas com indicadores apropriados (desafio da coleta de dados) Coleta de dados e indicadores Demanda pela indústria e irrigação (es(ma(vas, coeficientes) Demandas no meio urbano, a(vidades ligadas à rede de saneamento (famílias, indústria, comércio, serviços) Re(rada águas superficiais x águas subterrâneas Perdas e retornos Perdas na distribuição (indústrias e agricultura) Emissões e contaminação da água Sistema Nacional de Estaws(cas em Recursos Hídricos (> 400 dados) IDH- Água

19 IDH-ÁGUA Água potável e higiene (0 a 1) Índice para o monitoramento da segurança hídrica A segurança hídrica depende de proteção dos recursos hídricos contra a sobre explotação e poluição de maneira que possa continuar provendo as necessidades humanas de água (água potável, higiene) e as demandas de água pelas atividades agropecuária, geração de energia, industrial, navegação (provedoras de bens e serviços). A segurança hídrica está relacionada, também, à diminuição da exposição dos sistemas socioambientais aos riscos de desastres relacionados às cheias e secas. Diminuição Risco Desastres (cheias e secas) Segurança Hídrica InsFtuições estáveis Proteção ecossistemas aquá(cos (bens e serviços ambientais) Água a(vidades econômicas (bens e serviços)

20 Gracias! Marco Neves (+55) (61)

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Brazilian Water Resources Report and Implementation of SEEA-Water in Brazil

Brazilian Water Resources Report and Implementation of SEEA-Water in Brazil Brazilian Water Resources Report and Implementation of SEEA-Water in Brazil National Seminar of SEEA Implementation Rio de Janeiro, September 2013 Brazilian Water Resources Report Annual Editions (State

Leia mais

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL

MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL MESA REDONDA ÁGUA: ESCASSEZ, USO RACIONAL IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA Rodrigo Flecha Superintendente de Gestão de Recursos Hídricos 18 de março de 2013 Belo Horizonte/MG ESTRUTURA

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE ÁGUA, DIREITO DE TODAS AS PESSOAS Recursos hídricos recursos naturais essenciais bens de valor econômico limitado viabiliza

Leia mais

Segurança Hídrica. Encob- 2015 Caldas Novas. Marília Carvalho de Melo Especialista em Recursos Hídricos

Segurança Hídrica. Encob- 2015 Caldas Novas. Marília Carvalho de Melo Especialista em Recursos Hídricos Segurança Hídrica Encob- 2015 Caldas Novas Marília Carvalho de Melo Especialista em Recursos Hídricos Tópicos a serem abordados -Conceito de Segurança Hídrica -O Brasil no contexto internacional -O Panorama

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE

ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE ANÁLISE DO ESTÁGIO DA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS EM BACIAS DE ESPECIAL INTERESSE Andrade, L. A. Z. 1 de & Teixeira, A. L. de F. 2 * & Brasil, M. A. 3 Dubois, G. S. J. 4 & Ayrimoraes Soares, S. R. 5 Resumo

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

Taller Regional Sobre Contabilidad del Capital Natural Cuentas de Agua Brasil

Taller Regional Sobre Contabilidad del Capital Natural Cuentas de Agua Brasil Taller Regional Sobre Contabilidad del Capital Natural Cuentas de Agua Brasil San Jose, Diciembre de 2014 José Antonio Sena do Nascimento IBGE - Diretoria de Geociências Estágio Atual da Implementação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%)

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%) 1,96 1,96 1,76 1,73 1,54 1,47 1,37 0,92 0,85 0,74 0,50 0,46 0,31 Nº 17 / 14 Embora o cenário macroeconômico aponte perda de dinamismo para setores importantes da economia brasileira, os resultados do emprego

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC Relatório Mensal de Incidentes de Segurança como instrumento de melhoria contínua Rildo Souza Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (CAIS) Agenda Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO

LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO LOCALIZAÇÃO DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA ESCALA SUBNACIONAL: ÁGUA E ESGOTO Maria da Piedade Morais 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Brasília, 28 de junho de 2011 Objetivos

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

acompanhar a situação das famílias vulneráveis planejar suas ações no território ofertar benefícios de forma transparente e republicana

acompanhar a situação das famílias vulneráveis planejar suas ações no território ofertar benefícios de forma transparente e republicana Proteção e Promoção Social no Brasil A proteção social básica e a promoção de oportunidades para as famílias em situação de pobreza têm hoje, como instrumento principal de gestão, o Cadastro Único. Mais

Leia mais

Tratamento de resíduos. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Tratamento de resíduos. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Tratamento de resíduos Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Resíduos Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica - Igor Reis de Albuquerque - Andrea Manetti Entidades e Pessoas que Colaboraram - ICLEI

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - MAIO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011

Transporte Escolar nos Estados e no DF. Novembro/2011 Transporte Escolar nos Estados e no DF Novembro/2011 UFs onde existe terceirização total ou parcial (amostra de 16 UFs) AC AL AP AM DF GO MT MS PB PI RJ RN RO RR SE TO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO TERCEIRIZAÇÃO

Leia mais

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento

Crédito Suplementar. 2049 Moradia Digna 2.000.000.000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 28 845 2049 00AF Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento ÓRGÃO: 56000 - Ministério das Cidades UNIDADE: 56101 - Ministério das Cidades ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTAÇÃO) Crédito Suplementar Recurso de Todas as Fontes R$ 1,00 FUNCIONAL PROGRAMÁTICA

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág.

ÍNDICE RELATÓRIO SIOR 2012. Pág. 02 NOTÍCIAS 2011/2012. Pág. 03 ANÁLISE DAS DEMANDAS. Pág. 04 GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO. Pág. RELATÓRIO SIOR 2012 ÍNDICE NOTÍCIAS 2011/2012 ANÁLISE DAS DEMANDAS GRÁFICO DE DEMANDAS POR ESTADO TEMPO DE ATENDIMENTO DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES MAPA DAS PRINCIPAIS DEMANDAS CONSIDERADAS PROCEDENTES

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

42ª Reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Pacto pela Educação. Henrique Paim Secretário Executivo Ministério da Educação

42ª Reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Pacto pela Educação. Henrique Paim Secretário Executivo Ministério da Educação 42ª Reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Pacto pela Educação Henrique Paim Secretário Executivo Ministério da Educação Introdução Dívida Educacional Forte crescimento populacional

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 SÓCRATES ARANTES TEIXEIRA FILHO Consultor Legislativo da Área IV Finanças Públicas AGOSTO/2015 Sócrates Arantes Teixeira Filho 2 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO

A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO COM BASE NA LEI Nº 11738 DO PISO NACIONAL NA SUA FORMA ORIGINAL

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional

Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional Objetivo do Projeto Articular, organizar e animar uma Rede Nacional de Comercialização Solidária constituída por empreendimentos econômicos comerciais feiras permanentes, lojas e centrais/centros públicos

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO EM SAÚDE

CONSOLIDAÇÃO EM SAÚDE CONSOLIDAÇÃO EM SAÚDE Riscos e potenciais benefícios para usuários e prestadores José Cechin FGV/RJ, 13 novembro 2008 Agenda HISTÓRICO DA SAÚDE SUPLEMENTAR CONSOLIDAÇÃO E MODERNIZAÇÃO CONCENTRAÇÃO E CONCORRÊNCIA

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

O Enquadramento em nível nacional

O Enquadramento em nível nacional 1º Seminário Estadual sobre Enquadramento dos Corpos d água O Enquadramento em nível nacional Marcelo Pires da Costa Gerente Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE

SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE SISMAMA INDICADORES DE QUALIDADE Encontro Nacional de Coordenadores Maio/2011 SISMAMA Portaria SAS 779/08 Subsistema do sistema de faturamento ambulatorial do (SIA-SUS) Faturamento dos serviços de mamografia,

Leia mais

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará

Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais. 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará IPECE Informe nº 38 Perfil Municipal de Fortaleza Tema V: Aspectos Educacionais 23 de Agosto/2012 Fortaleza - Ceará 1. INTRODUÇÃO O Neste documento serão analisados os aspectos educacionais da capital

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

MEC. Censo da Educação Superior 2014

MEC. Censo da Educação Superior 2014 MEC Censo da Educação Superior 2014 BRASÍLIA DF 04 DE DEZEMBRO DE 2015 Tabela Resumo Estatísticas Gerais da Educação Superior Brasil 2014 Categoria Administrativa Estatísticas Básicas Total Geral Pública

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL Apresentação Ao lançar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em janeiro de 2007, o Governo Federal assumiu o compromisso de fazer o Brasil crescer de

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola Diretor de Política Agrícola e Informações Mandato Legal Empresa pública, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012

SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 SEGURO RISCOS RURAIS 2002 / JAN A SET - 2012 1 SEGURO RISCOS RURAIS Esse estudo tomou por base dados oficiais gerados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, IBGE e pela SUSEP (Superintendência

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 8º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Cargo 1: Analista do MPU Área de Atividade: Apoio Técnico-Administrativo Especialidade: Arquivologia Distrito Federal / DF 596 4 149,00 Especialidade: Biblioteconomia Acre / AC 147 1 147,00 Especialidade:

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero Inovação tecnológica Uma das faces do desenvolvimento econômico pode ser vista

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Felipe Matias Secretário de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura Agosto de 2011 A Aquicultura

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais

2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação 2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais SICONFI 2014 OBJETIVOS

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais