AUTORES AUTHORS RESUMO SUMMARY PALAVRAS-CHAVE KEY WORDS. Elizabete Wenzel de MENEZES Franco Maria LAJOLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTORES AUTHORS RESUMO SUMMARY PALAVRAS-CHAVE KEY WORDS. Elizabete Wenzel de MENEZES Franco Maria LAJOLO"

Transcrição

1 Food Composition: Compilation and Structure Standardization for Data Interchange AUTORES AUTHORS Elizabete Wenzel de MENEZES Franco Maria LAJOLO Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental - Faculdade de Ciências Farmacêuticas - USP. Av. Prof. Lineu Prestes, 580, BL São Paulo-SP Ana Teresa RATTO Eliana Bistriche GIUNTINI Alunas de pós-graduação do PRONUT - Programa Interdisciplinar de Nutrição Humana Aplicada, FCF/FEA/ FSP - USP RESUMO O Projeto Integrado de Composição de Alimentos, coordenado pelo Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, e pela BRASILFOODS, põe à disposição determinados dados por meio da Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TBCA-USP). A inclusão de dados na TBCA-USP envolve vários aspectos, como considerações sobre a descrição para uma identificação correta do produto, plano de amostragem, métodos analíticos e qualidade dos procedimentos de análise, entre outros. Para otimizar o trabalho de compilação e promover uma uniformização das informações, foi desenvolvido um formulário que contém planilhas independentes para compilação de dados dos vários nutrientes, o qual está disponível na Internet no web site tabela. O formulário é uma ferramenta importante para garantir a qualidade dos dados, com o objetivo de oferecer informações cada vez mais completas e direcionadas para as necessidades das pessoas que consultam a TBCA-USP. SUMMARY The Integrated Food Composition Project, coordinated by the Food and Nutrition Department of the Pharmaceutical Faculty of the University of São Paulo (USP) and BRASILFOODS, makes nutrient data available through the Brazilian Food Composition Database TBCA-USP. The inclusion of food data in this database involves many aspects related to the correct identification of the food, sampling plan, analytical methods and analytical quality, among others. In order to improve the compilation and make it more uniform, a form was elaborated. This form has individual spreadsheets for each nutrient, and is available on the web site The form is an important tool to improve data quality, aiming to offer adequate data to TBCA-USP users. PALAVRAS-CHAVE KEY WORDS Tabela de composição de alimentos; dados analíticos; qualidade dos dados; compilação. Food composition database; analytical data; data quality; compilation. Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar Recebido / Received: 08/03/2004. Aprovado / Approved: 18/02/2005.

2 1. INTRODUÇÃO Dados de composição química de alimentos têm muitas aplicações: desde cálculos de balanço nutricional de alimentos para populações até para indivíduos que planejam um balanço de nutrientes e energia para as suas refeições, consultando rótulos em supermercados (WINDHAM et al., 1987). Para que dados presentes em tabelas de composição química de alimentos atendam às necessidades dos diversos segmentos que buscam estas informações, é necessário que eles estejam disponíveis, sejam consistentes, descritos coerentemente, comparáveis e não resultem em informações redundantes (RAND, 1987). A obrigatoriedade da inclusão de informações nutricionais nos rótulos dos alimentos, determinada pela resolução RDC n o 40, de 21 de março de 2001, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) (BRASIL, 2001), a qual foi substituída pela resolução RDC n o 360, de 23 de dezembro de 2003 (BRASIL, 2003), vem salientar ainda mais a necessidade das tabelas de composição química de alimentos brasileiros. Criado em 1984 para estimular e coordenar esforços a fim de melhorar a qualidade e a disponibilidade dos dados de composição química de alimentos, a International Network of Food Data Systems (INFOODS) desenvolveu procedimentos para tornar possível que dados de composição química de alimentos tenham uma padronização de tal forma que sejam intercambiáveis. Neste projeto globalizado, busca-se que as várias tabelas de composição existentes em diversos países possam pôr à disposição dados umas às outras. A INFOODS adota identificadores (tagnames), uma codificação para identificar e organizar os dados referentes aos nutrientes dos alimentos de forma precisa. O identificador é específico para cada nutriente, incluindo na sua definição a unidade na qual o nutriente é expresso e o método analítico utilizado. Considerando que a identificação de nutrientes e outros componentes dos alimentos por um nome não é, em geral, suficientemente específica para determinar se um dado valor pode ser diretamente comparado com outro, o desenvolvimento de identificadores tem como principal objetivo garantir que o valor associado a um nutriente possa ser comparável e intercambiável (KLENSIN et al., 1989). Informações sobre esses identificadores estão disponíveis na Internet (INFOODS, 2003). Com uma estrutura descentralizada, a INFOODS tem 11 centros regionais, entre eles a Rede Latino-americana de Dados de Composição de Alimentos (LATINFOODS), com sede no Chile. No Brasil, o Projeto Integrado de Composição de Alimentos (USP, 1998), coordenado pelo Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, e pela BRASILFOODS, divulga dados por meio da Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TBCA- USP), criada em Esse Projeto está inserido no contexto da INFOODS, com o apoio da Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO) para ampliar os dados de composição nutricional dos alimentos em todas as partes do mundo. Além da divulgação de dados nacionais por meio da TBCA-USP, o Projeto mantém parceria com a LATINFOODS, enviando informações para o banco de dados de composição de alimentos da América Latina (LATINFOODS, 2003). 2. TABELA BRASILEIRA DE COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS (TBCA-USP) A Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TBCA- USP) está disponível na Internet (http://www.fcf.usp.br/tabela), meio de divulgação que facilita o acesso aos dados por um número maior de pessoas e também permite uma atualização dinâmica das informações (MENEZES et al., 2002). A primeira versão do web site foi criada em 1998, seguindo os objetivos e critérios desenvolvidos pela INFOODS, apresentando dados validados e de forma que fossem intercambiáveis. Atualizações têm sido feitas para ampliar o banco de dados e proporcionar aos usuários maior facilidade para a obtenção das informações. Na TBCA-USP, os dados de composição apresentados são cuidadosamente compilados, e uma série de critérios foram adotados para garantir a confiabilidade das informações. Entre eles podemos citar: a avaliação do número de amostras que originaram os dados, descrição do plano de amostragem, tratamento dado à amostra, identificação e procedimento do método analítico adotado, controle da qualidade analítica, fatores de conversão, entre outros. A identificação do alimento aparece de forma detalhada, com a finalidade de assegurar uma opção mais correta por parte do usuário (MENEZES et al., 1997). 3. COMPILAÇÃO DE DADOS FORMULÁRIO A elaboração do banco de dados de alimentos nacionais pelo o Projeto Integrado de Composição de Alimentos teve início com um levantamento de dados a partir de publicações, teses e informações internas de laboratório. A compilação dessas informações foi elaborada com o auxílio de um formulário padronizado, o Formulário para Compilação de Dados sobre Composição de Alimentos (MENEZES et al., 1997). Posteriormente, identificou-se que indústrias de alimentos são fontes potenciais de informação. Entretanto, a informação nutricional apresentada nos rótulos dos alimentos, muitas vezes, carece de elementos para que seja avaliada a sua qualidade. As empresas que colaboram com a TBCA-USP fornecem laudos analíticos de composição dos produtos fabricados, bem como informações a respeito de amostragem, metodologia e controle da qualidade analítica. O rótulos não apresentam dados importantes como, por exemplo, a umidade, bem como não informam os métodos analíticos utilizados. A legislação permite, ainda, que dados sejam obtidos de tabelas nacionais ou estrangeiras, sem que isso seja mencionado no rótulo. De acordo com a resolução RDC n o 360 da Anvisa (BRASIL, 2003), os valores apresentados nos rótulos referem-se Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

3 a porções dos alimentos e são permitidos arredondamentos dos dados. Dessa forma, é imprescindível obter as informações da indústria referentes a 100 g de alimento, para que os dados disponíveis na tabela representem a informação de maneira precisa. Partindo do formulário para compilação publicado em 1997, foram feitas adaptações neste material objetivando melhor atender à demanda de informações das pessoas que utilizam a TBCA-USP, considerando facilidades proporcionadas pela evolução dos sistemas informatizados de banco de dados, atualizações e ampliações dos identificadores (tagnames) realizadas pela INFOODS, a necessidade de novos campos para um melhor detalhamento dos dados gerados a partir de técnicas modernas de análises de nutrientes e visando à identificação mais precisa dos alimentos. Para facilitar o trabalho de compilação de dados e promover uma uniformização das informações enviadas, o formulário é composto de planilhas independentes para os grupos de nutrientes: carboidratos, aminoácidos, ácidos graxos, minerais, vitaminas lipossolúveis, vitaminas hidrossolúveis, composição centesimal, além de incluir as planilhas de identificação dos alimentos e para qualidade dos dados. Essas planilhas vêm sendo utilizadas para a compilação de dados publicados em artigos ou de análises realizadas pelos laboratórios que colaboram com o projeto. O formulário está disponível no web site da TBCA-USP, Cabe ressaltar que no formulário há campos destinados à identificação da autoria do trabalho ou do laboratório onde foram feitas as análises, que posteriormente serão citados nas referências da TBCA-USP. Recentemente foi ampliada a planilha para a compilação dos carboidratos, de forma que sejam atendidas as várias formas pelas quais se obtêm dados para este nutriente. Nessa planilha, as informações são agrupadas conforme o tipo de análise, se há ou não agregação dos componentes, métodos de análise da fibra alimentar e componentes da fração da fibra alimentar. A identificação correta do alimento é de suma importância; assim, a existência de uma planilha que possibilite uma descrição detalhada, acompanhada de um guia prático de preenchimento, pode auxiliar na elaboração dos bancos e no intercâmbio de informações entre os diferentes países. Quando dados de alimentos industrializados começaram a ser compilados, foi verificada a necessidade de implementações no plano original da LATINFOODS, visto que para alimentos industrializados a existência de um único campo, algumas vezes, não era suficiente para inserir todos os detalhes do produto. Foram criados vários campos para tipo (tipo I, II, III, IV) e processo (processo I, II, III) e estabelecidos critérios claros quanto à ordem mais apropriada para a inserção de características dos alimentos e produtos, a fim de promover uma uniformidade na seqüência das informações para facilitar o manuseio do banco de dados (LATINFOODS, 2002). A utilização de um formulário padronizado para a compilação permite reunir informações necessárias para avaliar a qualidade dos dados, e ao mesmo tempo busca conscientizar os pesquisadores e analistas sobre o emprego de práticas adequadas e a importância de publicar os dados de maneira completa, com maior grau de confiabilidade. Os dados desse formulário servem de base para alguns modelos de avaliação de dados de nutrientes que vêm sendo propostos, como, por exemplo, o modelo para avaliação de dados de fibra alimentar (FA) criado pela BRASILFOODS (MENEZES et al., 2000), baseados em critérios estabelecidos pelo U.S. Department of Agriculture (USDA) para a avaliação de vitamina A e outros (HOLDEN et al., 1987; MANGELS et al., 1993). A avaliação é baseada em cinco categorias: número de amostras, plano de amostragem, tratamento dado à amostra, método analítico empregado e controle de qualidade analítica. No modelo de avaliação de dados de FA, cada categoria foi avaliada de acordo com as informações disponíveis e foram atribuídas notas. Essas notas variaram de 0 para inaceitável a 3 para alta aceitabilidade. Por meio do conjunto de notas atribuídas aos dados de FA, foi obtido um Índice de Qualidade que determinou o código de confiança. O código A indica considerável confiança, B indica confiança, porém com ressalva a alguns dados, e C indica reduzida confiança. Muitos alimentos recebem o código C em razão da falta de informações detalhadas sobre o controle de qualidade analítico; dessa forma, se existir por parte dos pesquisadores maior preocupação tanto com relação ao procedimento analítico como um todo quanto ao detalhamento sobre as informações desses procedimentos na publicação, muitos alimentos podem atingir códigos de maior confiança. A definição de critérios para a avaliação dos dados é necessária para que a qualidade e representatividade dos dados que serão inseridos nas tabelas de composição sejam avaliadas. Os indicadores de qualidade dos dados devem ser claramente definidos e ficar disponíveis para os usuários das tabelas, de forma que seja possível tomar decisões críticas na utilização dos dados, se são ou não adequados para um uso específico (HOLDEN, 1996). 3.1 Aspectos importantes para o preenchimento do formulário Para que o preenchimento do formulário seja padronizado, foi desenvolvido um manual que explica de forma detalhada cada entrada de dado. O manual discorre sobre aspetos importantes do preenchimento, desde detalhes de identificação dos produtos até a metodologia empregada para a obtenção do dado. Para cada grupo de nutrientes (por exemplo: aminoácidos, lipídios) existe uma planilha específica. O formulário completo pode ser acessado no web site sendo que neste artigo serão apresentados, a título de exemplo, as planilhas referentes à identificação dos alimentos e à qualidade dos dados que sempre acompanha todos os dados apresentados e também a planilha de composição centesimal. Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

4 3.2 Planilha para identificação dos alimentos A planilha para identificação dos alimentos é de preenchimento compulsório para todos os dados enviados. A identificação detalhada do alimento é fundamental para a utilização e o intercambiamento dos dados. Na Conferência Planilha 1 - Identificação dos Alimentos: Eletrônica realizada pela LATINFOODS em 2002 (LATINFOODS, 2002), a parte referente à identificação dos alimentos desse formulário foi apresentada e discutida. A seguir estão descritos alguns aspectos, que fazem parte do manual para preenchimento da planilha de identificação dos alimentos. NAME GENERIC KIND I KIND II KIND III KIND IV STRAIN PART MATURITY PROCESS I CÓDIGO NOME GENÉRICO TIPO I TIPO II TIPO III TIPO IV CEPA PARTE MATURAÇÃO PROCESSO I JUGU-01 Molho de tomate à bolonhesa Tomate molho bolonhesa conserva PROCESS II PROCESSO II PROCESS III PROCESSO III Planilha 1 (continuação) COMMERCIAL NAME NOME COMERCIAL LOCAL NAME NOME REGIONAL SCIENTIFIC NAME NOME CIENTÍFICO VARIETY ALT NAME SOURCE PORTION OTHERS VARIEDADE NOME EM INGLÊS tomate sauce FONTE PORÇÃO OUTRAS CIRIO CODE (CÓDIGO) Identificação do grupo e número geral do produto. Por ex.: A 102 significa que o alimento pertence ao grupo dos cereais e derivados (identificado pela letra A) e foi identificado dentro da TBCA-USP pelo n o 102. Esses grupos de alimentos foram definidos pela BRASILFOODS/ LATINFOODS. NAME (NOME) Descrição resumida para a caracterização inicial do alimento. GENERIC (GENÉRICO) Identificação primária. Ex.: arroz, biscoito, manga, goiaba, margarina, leite, carne, salsicha, etc. KIND I, II, IIII e IV (TIPO) Englobam características do produto como sabor, recheio, corte de carne, cobertura, forma (purê, molho, geléia, ketchup). Para todos os produtos testados, quatro (4) campos para KIND mostraram-se suficientes para a inclusão de todos os detalhes de identificação dos produtos. No entanto, os campos serão preenchidos de forma seqüencial, de acordo com a necessidade, o que significa que nem todos os campos são obrigatórios. Foram definidas prioridades na ordem de entrada das informações. Alguns exemplos dessas definições de prioridades são apresentados a seguir: Prioridades para ordem de entrada das informações do grupo cereais e derivados: Pães Grãos Prioridade I Prioridade II Prioridade III Prioridade IV tipo de cereal usado no preparo (aveia, centeio, trigo) integral pipoca francês, fôrma, quadrado, hambúrguer, bisnaguinha, italiano, hot-dog, doce beneficiamento (flocos, polido, farelo), tipo de preparo (p/ microondas) leite, tradicional, preto, integral finos ou grossos (flocos), creme, adição, sabor (no caso da pipoca) clássico, adição Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

5 Exemplos: Generic Kind I Kind II Kind III Kind IV biscoito doce wafer chocolate recheio sabor chocolate branco biscoito doce wafer recheio sabor morango aveia flocos finos pão trigo fôrma Integral milho pipoca p/ microondas sabor manteiga Prioridades para ordem de entrada das informações do grupo carnes e derivados: Carne Prioridade I Prioridade II Prioridade III Prioridade IV animal ou do tipo (frango, porco, bovina) corte ou parte (peito, picanha, fígado, língua, músculos) Para embutidos ou derivados: Embutido (salsicha, lingüiça, salame, presunto) Exemplos: apresentação (moída, filé, pedaço) presença de pele (c/ ou s/ pele) ou gordura externa Prioridade I Prioridade II Prioridade III Prioridade IV animal (frango, porco, peru, bovino) qualificação (tempero, apimentada, s/ corante, c/ ou s/ capa de gordura) apresentação (moída, filé, pedaço), Generic Kind I Kind II Kind III Kind IV carne frango peito c/ pele hambúrguer bovino tempero suave PART (PARTE): folha, polpa, semente (vegetais), inteiro, gema ou clara (ovos). MATURITY (MATURIDADE): grau de maturidade. PROCESS I, II, III (PROCESSO) Como foi relatado no item kind, um produto pode passar por vários tipos de processamento, mas de modo geral três (3) colunas para o item process são suficientes. Dessa forma também foram estabelecidas prioridades na ordem de entrada das informações, como: forma de apresentação (ralado, farinha, texturizado); adição ou retirada de nutriente (integral, light, diet, desnatado, semidesnatado, desengordurado, c/ VCT reduzido), beneficiamento (pó, mistura p/, desidratado, seco, dessecado, extrudado, em folhas, liofilizado, solúvel); preparo (instantâneo); preparo doméstico (cru, assado, cozido, frito, microondas, torrado, refogado, bruto); conservação (congelado, refrigerado, conserva, UHT, esterilizado, pasteurizado, cristalizado, salgado, vácuo); embalagem (enlatado, longa-vida). Exemplos: Generic Process I Process II Process III peixe salgado seco leite desnatado UHT grão-de-bico farinha desengordurado cozido COMMERCIAL NAME (NOME COMERCIAL) Nome pelo qual o produto é reconhecido comercialmente pelo consumidor. Ex.: Neston, Nutry, Dan Up, Sucrilhos. VARIETY (VARIEDADE OU CULTIVAR)/STRAIN (LINHAGEM). ALT NAME (NOME EM INGLÊS) Nome curto, em inglês. SOURCE (FONTE ou origem das amostras) Proveniência das amostras: região/cidade/país/entreposto comercial ou empresa que produz o alimento. PORTION (PORÇÃO) De acordo com a resolução RDC n. 359 da Anvisa, de 23 de dezembro de 2003 (BRASIL, 2003). OTHERS Outras informações que podem auxiliar o usuário. Ex.: no caso de gelatina (GENERIC), uva (KIND), pó (PROCESS), preparada (OTHERS). 3.3 Planilha para Compilação de Dados de Composição Centesimal A Planilha para Compilação de Dados de Composição Centesimal é freqüentemente utilizada para envio de dados para a TBCA-USP. A seguir são destacados alguns dos pontos relevantes para a compilação de dados de composição centesimal. PROTEÍNA: especificar o valor de conversão do nitrogênio adotado para o cálculo. Na compilação final o valor da proteína será calculado considerando os fatores de conversão da FAO ENERGIA: o cálculo do valor energético é baseado em alguns sistemas desenvolvidos para que, a partir dos resultados de análise de determinados nutrientes, seja possível calcular o valor energético do alimento. No sistema de Atwater, esse cálculo é feito pela multiplicação dos seguintes fatores: proteínas x 4 kcal/g, lipídios x 9 kcal/g, carboidratos disponíveis x 4 kcal/ g e álcool x 7 kcal/g. Na legislação brasileira, harmonizada com a do Mercosul (BRASIL, 2001), para proteínas, lipídios e carboidratos são adotados os mesmos fatores de Atwater e incluídos os fatores para ácidos orgânicos (3 kcal/g), polióis (2,4 kcal/g) e polidextrose (1 kcal/g). O cálculo na TBCA-USP segue os fatores de Atwater. Visando a uma adaptação para um sistema de cálculo mais atual, no caso o adotado de acordo com a legislação brasileira e do Mercosul, já estão incluídas as colunas para ácidos orgânicos, polióis e polidextrose, o que permite efetuar também o cálculo por esse sistema. LIPÍDIOS: há duas colunas, preencher a que corresponde ao método empregado lipídios totais por extração contínua pelo método de Soxhlet e outra para uma metodologia diferente (identificar qual). CARBOIDRATOS CARBOIDRATOS TOTAIS: calculados por diferença (100 g total de gramas de umidade, proteína, lipídios e cinzas). CARBOIDRATOS DISPONÍVEIS: calculados por diferença (100 g total de gramas de umidade, proteína, lipídios, cinzas e fibra alimentar). CARBOIDRATOS OUTRO MÉTODO (identificar qual). Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

6 Planilha 2 - Composição centesimal: NAME n <WATER> VARIATION/ SD CÓDIGO NOME n JUMB-03 Molho Barbecue UMIDADE UMIDADE desvio/ variação <ENERC> <ENERC> <PROCNT> VARIATION/ SD ENERGIA (kj/kcal) ENERGIA corrigida (kj/kcal) PROTEÍNA PROTEÍNA desvio/ variação <XN> N FAO <PROCNT> <FATCE> <FAT> FATOR convers PROTEÍNA corrigida LIPÍDIOS SOXHLET 1 61,69 577/ /138 0,90 6,25 6,25 0,90 0,11 LIPÍDIOS outro método < > Identificadores de nutrientes tagnames de acordo com a INFOODS (2003). Planilha 2 (continuação) <CHOCDF> <CHOAVL> <CHO_> <CHOAVL> <ASH> Carboidratos por diferença Carboidratos disponíveis Carboidratos outro método Carboidratos disponíveis corrigido Cinzas VARIATION/ SD Cinzas desvio/variação <FIBTG> Fibra alimentar 34,53 33,46 33,46 2,77 1,07 VARIATION/ SD Fibra alimentar desvio/variação FIBRA ALIMENTAR TOTAL: os métodos adotados são os enzímico-gravimétricos, não-enzímico gravimétricos (para alimentos com pouco amido) e enzímico-químico. Deve-se lembrar que a análise de fibra bruta é obsoleta, uma vez que subestima a quantidade total de fibras. Se disponível, incluir fração solúvel e insolúvel da fibra alimentar (preencher na planilha para carboidratos). 3.4 Aspectos sobre a planilha para avaliação da qualidade dos dados Outra planilha comum a todos os nutrientes inseridos na TBCA-USP é a que diz respeito à qualidade dos dados. A avaliação da qualidade analítica tem importância fundamental para dar confiabilidade aos dados e proporcionar um indicador de qualidade para guiar a comunidade científica nas diversas aplicações desses dados (HOLDEN et al., 2002). As informações contidas nesta planilha têm como objetivo possibilitar a avaliação da qualidade dos dados segundo as características de: (1) número de amostras; (2) plano de amostragem; (3) tratamento dado às amostras desde a coleta até a análise; (4) método analítico empregado; (5) controle de qualidade analítica. Utilizando estes parâmetros é possível estabelecer alguns critérios objetivos para a avaliação da qualidade dos dados e garantir sua confiabilidade (CARUSO et al., 1999). Os conceitos para a avaliação de qualidade dos dados foram desenvolvidos para alguns nutrientes específicos (HOLDEN et al., 2002; CARUSO et al., 1999), porém são diretrizes que podem ser amplamente aplicáveis aos demais nutrientes. Em software desenvolvido pelo U.S. Department of Agriculture s (USDA) Nutrient Data Laboratory (NDL) (HOLDEN et al., 2002), esses conceitos são utilizados de forma detalhada, porém mantendo estas cinco características como base para a avaliação da qualidade dos dados analíticos. A seguir estão ressaltados alguns pontos importantes no preenchimento da planilha referente à qualidade dos dados. Dependendo do produto e da técnica utilizada para a análise, podem ser inseridos detalhes específicos, em contrapartida existem campos nessa planilha que não se aplicam a todos os casos. Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

7 Planilha 3 - Qualidade dos fados: CÓDIGO PROVISÓRIO: 1 NÚMERO DE AMOSTRAS: 2 PLANO DE AMOSTRAGEM: Descrição: Área geográfica: Número de lotes: Período: Fatores que interferem: AMOSTRA REPRESENTATIVA COM RELAÇÃO AO CONSUMIDO NO MERCADO? MERCADO: sim não não informada 3 TRATAMENTO DADO ÀS AMOSTRAS Documentação dos procedimentos utilizados? sim não não informada Condições de estocagem: Monitoração de temperatura e umidade? sim não não informada Procedimento de homogeneização: Validação da homogeneização? sim não não informada Outros: 4 MÉTODO ANALÍTICO Documentação? sim não incompl. não informada Detalhes dos métodos empregados na análise: UMIDADE: CINZAS: PROTEÍNAS: LIPÍDIOS: FIBRA ALIMENTAR: CARBOIDRATOS: OUTRO NUTRIENTE: Utilização de métodos validados para os alimentos analisados? sim não Identificação das etapas críticas da análise? sim não Análises em triplicata? sim não Amostra com concentração dentro dos limites de detecção do método? sim não % de recuperação: Utilização de Padrão de Referência (SRM) ou secundário apropriado? sim não Utilização de estudo colaborativo interlaboratorial? sim não 5 CONTROLE DE QUALIDADE ANALÍTICA Documentação do grau da precisão e exatidão do método analítico? sim Freqüencia de análise de padrões de referência/controle em conjunto com as amostras: não Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

8 NÚMERO DE AMOSTRAS: o número de amostras analisadas é crítico para estabelecer uma estimativa da média e da magnitude do desvio para um determinado componente em um alimento. É considerada como amostra o material submetido à análise, que pode ser originário de um único produto ou proveniente da homogeneização de vários lotes. Ex. 1: foi retirado material de dez (10) pontos de uma carga de feijão, posteriormente homogeneizados e triturados. Neste caso n=1. Ex. 2: foram analisadas quatro (4) amostras de aveia, cada uma contendo material de três (3) lotes distintos. Portanto, n=4. PLANO DE AMOSTRAGEM: a maneira de se obter uma amostra é objeto da inferência estatística, em que conceitos básicos como amostra e população podem ser relacionados da seguinte forma: população é o conjunto de todos os elementos sob investigação e amostra é qualquer subconjunto dessa população. O objetivo da inferência estatística é produzir afirmações sobre dada característica da população, a partir de informações colhidas de uma parte dessa população (MORETTIN & BUSSAB, 2002). A descrição do plano de amostragem é a base para avaliar se existe representatividade da amostra que foi analisada, dentro do universo do produto ao qual ela se refere, relacionando-a com os diferentes cultivares, a sazonalidade, parte do alimento, forma de preparo, origem geográfica e outros fatores de variabilidade inerentes ao alimento. Fatores que interferem na variabilidade dos nutrientes do alimento analisado devem ser mencionados, para melhor situar o resultado das análises com relação ao tipo de alimento em questão. Todo plano de amostragem está associado a um certo nível de erro na amostragem, sendo que o grau de confiança desejado deve ser definido previamente, pela observação da variabilidade de um alimento e pela escolha do nível de confiança que se deseja atingir para decidir, geralmente de forma intuitiva, o número de amostras a ser coletado (SOUTHGATE, 2002). O pesquisador pode definir quais características do alimento têm influência na composição e variabilidade do componente pesquisado. Para alguns nutrientes, a região geográfica e a forma de amadurecimento são importantes. Para outros, o tipo de embalagem, ph e condições de estocagem são as fontes de variabilidade (HOLDEN, 1994). TRATAMENTO DADO ÀS AMOSTRAS: o tratamento dado às amostras, desde a sua coleta até o momento em que é feita a análise, é crítico para a manutenção da estabilidade de muitos dos nutrientes, bem como para manter as características básicas do alimento, como a umidade e outros componentes voláteis (HOLDEN, 1997). Detalhes da homogeneização e outros aspectos da preparação da amostra são importantes para avaliar a representatividade da alíquota retirada para a análise (HOLDEN et al. 1987). A validação da homogeneização é conferida analisando porções de várias partes da mistura final. MÉTODO ANALÍTICO: a utilização de uma metodologia adequada, aplicada de forma meticulosa, é crítica para a obtenção de dados precisos de nutrientes (HOLDEN et al., 2002). A avaliação da metodologia para cada nutriente deve levar em consideração a validade do método, a identificação e quantificação das etapas empregadas na análise e se o laboratório realiza as análises corretamente. Os pontos críticos para a validação dos métodos são: (1) Identificação das etapas de análise (métodos de extração, digestão etc.), (2) Detecção/ identificação (limites de detecção, porcentuais de recuperação) e (3) Quantificação (limites de quantificação, curvas de calibração, algoritmos para cálculo, utilização de materiais de referência certificados/padrões). Testes de recuperação no mesmo, ou em um alimento semelhante, a partir da análise de uma quantidade conhecida do nutriente adicionada à amostra, são indicadores de qualidade se considerado um porcentual de recuperação perto de 100%. Durante a validação do método, alíquotas de padrão de referência podem ser analisadas para determinar se o resultado obtido é comparável com os valores de padrões certificados. Padrões de referência certificados, ou materiais secundários de referência (padrões desenvolvidos especialmente para um estudo, característico de um ou mais métodos), devem ser utilizados para conferir a precisão das análises. A validação das análises também pode ser demonstrada via estudos colaborativos interlaboratoriais, pela comparação de resultados da análise de uma mesma amostra, realizada por diferentes laboratórios. CONTROLE DE QUALIDADE ANALÍTICA: a documentação sobre a exatidão e precisão das análises realizadas para um determinado método analítico é necessária para avaliar a qualidade dos dados de nutrientes. A exatidão é o grau pelo qual o valor analisado representa ou estima o real valor da amostra. Os analistas devem ter como meta minimizar os efeitos na variabilidade pela homogeneização, utilização de instrumentos, reagentes e outros fatores que influenciam na medida, para obter um valor que reflita a concentração e a variabilidade de um componente na amostra. O nível de precisão é definido como a variabilidade sobre o valor médio, associada à execução rotineira de uma análise por um determinado método. A indicação da variabilidade em uma análise rotineira só pode ser determinada quando o método analítico é monitorado continuamente por meio da análise de padrões de controle para as análises das amostras a serem determinadas. 4. CONCLUSÕES O novo formato do formulário, em planilhas do Microsoft Excel, contribui para uniformizar a informação sobre alimentos e respectivos valores de nutrientes, visando a sua inserção em bancos de dados de composição de alimentos, a exemplo do que ocorre na TBCA-USP. A apresentação do formulário em planilhas independentes e a criação de novos campos para inserção de nutrientes de forma mais específica ampliam a precisão das informações e facilitam o preenchimento do formulário. A utilização de identificadores de nutrientes internacionalmente padronizados pela INFOODS (tagnames) e a identificação detalhada dos alimentos, de acordo com as premissas da LATINFOODS, permitem que os dados sejam intercambiáveis com outras bases de dados de composição de alimentos. Com base em um formulário padronizado, otimiza-se a compilação e a reunião de informações necessárias para a avaliação da qualidade e para a criação dos indicadores de confiabilidade dos dados. O nível de detalhamento solicitado no preenchimento do formulário tem também como objetivo conscientizar os pesquisadores e analistas sobre o emprego de Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

9 práticas adequadas e a importância de publicarem dados de maneira completa, com maior grau de confiabilidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Resolução ANVISA/MS n o 40, de 21 de março de Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br> Acesso em: fev BRASIL. Resoluções ANVISA/MS n os 359 e 360, de 23 de dezembro de Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br> Acesso em fev CARUSO, L.; LAJOLO, F.M.; MENEZES, E.W. Modelos esquemáticos para avaliação da qualidade analítica dos dados nacionais de fibra alimentar. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 19, n. 3, p , HOLDEN, J.M.; SCHUBERT, A.; WOLF, W.R.; BEECHER, G.R. A system for evaluation the quality of published nutrient data: selenium, a test case. In: RAND, W.M.; WIDHAM, C.T.; WYSE, B.M.; YOUNG, V.R. (Eds.). Food composition data: a user s perspective. Tokio: The United Nation University, p HOLDEN, J.M.; BHAGWAT, S.A.; PATTERSON, K.Y. Development of a multi-nutrient data quality evaluation system. Journal of Food Composition and Analysis, v. 15, p , HOLDEN, J.M. Sampling estrategies to assure representative values in food composition data. Food, Nutrition and Alimentation, FAO (12), p , HOLDEN, J.M. Expert systems for the evaluation of data quality for establishing the recommended dietary allowances. Journal of Nutrition, v. 126, p. 2329S-2336S, HOLDEN, J.M. Assessment of the quality of data in nutritional databases. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 31, n. 2, p , INFOODS. The International Network of Food Data Systems Disponível em: <http://www.fao.org/infoods/index_en.stm> Acesso em fev KLENSIN, J.C.; FESKANICH, D.; TRUSWELL, A.S.; SOUTHGATE D.A.T. Identification of food components for INFOODS data interchange. Tokio: The United Nation University, p. LATINFOODS. Conferência electronica sobre: Compilación de datos para bases de datos y tabla de composición química de alimentos. 6 a 24 de maio de Disponível em: <http: //www.rlc.fao.org/foro/latfoods/> Acesso em fev LATINFOODS. Red Latinoamericana de Composición de Alimentos Disponível em: <http://www.inta.cl/latinfoods/> Acesso em fev MANGELS A.R.; HOLDEN, J.M.; BEECHER, G.R.; FORMAN, M.R.; LANZA, E. Carotenoid content of fruits and vegetables; an evaluation of analytic data. Journal of American Dietetic Association, v. 93, p , MENEZES, E.W.; CARUSO, L.; LAJOLO, F.M. Uniformização internacional de dados brasileiros de composição de alimentos. Boletim da Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 31, n. 2, p , MENEZES, E.W.; CARUSO, L.; LAJOLO, F.M. An application of criteria to evaluate quality of dietary fibre data in Brazilian foods. Journal of Food Composition and Analysis, v. 3, p , MENEZES, E.W.; GONÇALVES, F.A.; GIUNTINI, E.B.; LAJOLO, F.M. Brazilian Food Composition Database: internet dissemination and other recent developments. Journal of Food Composition and Analysis, v. 15, p , MORETTIN, P.A.; BUSSAB, W.O. Estatística Básica. 5. ed. São Paulo: Saraiva, p. RAND, W.M. Food Composition Data: A User s Perspective. Tokio: The United Nation University, p. SOUTHGATE, D.A.T. Data quality in sampling, analysis, and compilation. Journal of Food Composition and Analysis, v. 15, p , UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) Tabela Brasileira de Composição de Alimentos-USP. Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Coordenação: Menezes, E.W.; Lajolo, F.M. Tabela, Disponível em: <http: //www.fcf.usp.br/tabela>. Acesso em fev WINDHAM, C.T.; SCHVANEVELDT, N.B.; WYSE, B.W.; HANSEN R.G. Using food composition data to communicate nutrition to the consumer. In: RAND, W.M.; WIDHAM, C.T.; WYSE, B.M.; YOUNG, V.R. (Eds.) Food composition data: a user s perspective. Tokio: The United Nation University, p Braz. J. Food Technol., v.8, n.1, p , jan./mar.,

INFORME DE LAS ACTIVIDADES DEL COMITÊ TÉCNICO REGIONAL DE COMPILAÇÃO DO LATINFOODS 11/2006 a 9/2009

INFORME DE LAS ACTIVIDADES DEL COMITÊ TÉCNICO REGIONAL DE COMPILAÇÃO DO LATINFOODS 11/2006 a 9/2009 INFORME DE LAS ACTIVIDADES DEL COMITÊ TÉCNICO REGIONAL DE COMPILAÇÃO DO LATINFOODS 11/2006 a 9/2009 1. Perfil do Comitê Técnico Regional de Compilação do LATINFOODS Parte integrante do Comitê Executivo

Leia mais

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações)

Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) Uso de dados de composição de alimentos (incluindo limitações) FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos por Deborah Markowicz Bastos, Luisa Oliveira

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO

FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO FICHA TÉCNICA DO ALIMENTO 1 FICHA TÉCNICA: Como abrir a ficha técnica do alimento? Para inserir Novo alimento clique no botão para abrir ficha. Para Pesquisar Alimentos do banco de dados clique no botão

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 19, DE 5 DE MAIO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 19, DE 5 DE MAIO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 19, DE 5 DE MAIO DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade das empresas informarem à ANVISA a quantidade de fenilalanina, proteína e umidade de alimentos,

Leia mais

Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos

Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos Cursos e-learning sobre Composição de Alimentos Maria da Graça Dias Departamento de Alimentação e Nutrição Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, I.P. Sumário Introdução Curso e-learning FAO/INFOODS

Leia mais

CARDÁPIOS SUBSTITUTOS. Prof a - Andréa Araújo

CARDÁPIOS SUBSTITUTOS. Prof a - Andréa Araújo CARDÁPIOS SUBSTITUTOS Prof a - Andréa Araújo Por grupos alimentares Por equivalentes nos grupos alimentares Por equivalentes da pirâmide Pelo VET Por Grupos alimentares Grupo de Alimentos: Classificação

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CATÁLOGO DE CARNES, CONS. ORIGEM ANIMAL, CEREAIS, FARINÁCEOS, CONDIMENTOS, PEIXES

CATÁLOGO DE CARNES, CONS. ORIGEM ANIMAL, CEREAIS, FARINÁCEOS, CONDIMENTOS, PEIXES CATÁLOGO DE CARNES, CONS. ORIGEM ANIMAL, CEREAIS, FARINÁCEOS, CONDIMENTOS, PEIXES Descrição Bisteca suína Bisteca suína, congelada, com aproximadamente 250 gramas cada, embalada em camadas separadas por

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem de alimentos embalados Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem É toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACIÓN (FAO) RED DE COMPOSICIÓN DE ALIMENTOS DE AMÉRICA LATINA (Red LATINFOODS)

ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACIÓN (FAO) RED DE COMPOSICIÓN DE ALIMENTOS DE AMÉRICA LATINA (Red LATINFOODS) ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACIÓN (FAO) RED DE COMPOSICIÓN DE ALIMENTOS DE AMÉRICA LATINA (Red LATINFOODS) CONFERÊNCIA ELETRÔNICA SOBRE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Tabela Brasileira de Composição de Alimentos TBCA-USP (Versões 3 e 4) no contexto internacional

Tabela Brasileira de Composição de Alimentos TBCA-USP (Versões 3 e 4) no contexto internacional ARCHIVOS LATINOAMERICANOS DE NUTRICION Organo Oficial de la Sociedad Latinoamericana de Nutrición Vol. 56 Nº 4, 2006 Tabela Brasileira de Composição de Alimentos TBCA-USP (Versões 3 e 4) no contexto internacional

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos

Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos TÉCNICA DIETÉTICA E GASTRONOMIA Indicadores e/ou Parâmetros de Qualidade do Serviço de Ailmentos INDICADORES NO PREPARO DE ALIMENTOS Indicador de Parte Comestível (IPC): Valor > 1,00 IPC: usado para o

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

Sistemas de gestão de base de dados de composição de alimentos computadorizados e intercâmbio

Sistemas de gestão de base de dados de composição de alimentos computadorizados e intercâmbio Sistemas de gestão de base de dados de composição de alimentos computadorizados e intercâmbio U. Ruth Charrondière FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO

QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO Setor: N o. do quest QUESTIONÁRIO DE FREQÜÊNCIA ALIMENTAR ADULTO PARA TODAS AS PESSOAS COM 20 ANOS OU MAIS Data da entrevista / / Hora de início: Nome do entrevistador: Nº de identificação: Nome: Sexo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹

CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹ CARACTERIZAÇÃO BROMATOLÓGICA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE SUCO IN NATURA¹ FAVARIN, Fernanda Reis²; RODRIGUES, Alessandra²; BOSI, Greice Fracari²; BASSO, Cristiana³; STORCK, Cátia Regina³; ¹ Iniciação científica

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo

Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo V Encontro de Especialistas Sódio em Debate Desafios na Redução do Consumo Profª Raquel Botelho Universidade de Brasília Problemática Consumo excessivo Oferta excessiva Adaptação do Paladar Escolha de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO COMERCIAL DE MARGARINA, HALVARINA E CREME VEGETAL: PARÂMETROS DA LEGISLAÇÃO

CARACTERIZAÇÃO COMERCIAL DE MARGARINA, HALVARINA E CREME VEGETAL: PARÂMETROS DA LEGISLAÇÃO 1 CARACTERIZAÇÃO COMERCIAL DE MARGARINA, HALVARINA E CREME VEGETAL: PARÂMETROS DA LEGISLAÇÃO Flávia Andriza Bedin Tognon 1 Marina Daros Massarollo 2 Franciele Ani Caovilla Follador 3 Ana Paula Vieira 4

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS LOTES 0- PERECÍVEIS FRIOS 3 4 5 Lingüiça, do tipo calabresa, resfriada, industrialmente embalada, com SIF, embalagem plástica transparente atóxica não reciclada, contendo informações sobre o fabricante

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

ROTEIRO PARA O CÁLCULO O ÍNDICE DE QUALIDADE DA DIETA_REVISADO (IQD_R)

ROTEIRO PARA O CÁLCULO O ÍNDICE DE QUALIDADE DA DIETA_REVISADO (IQD_R) ROTEIRO PARA O CÁLCULO O ÍNDICE DE QUALIDADE DA DIETA_REVISADO (IQD_R) 1º Passo: Codificação de todos os alimentos e ingredientes reportados de acordo com o quadro abaixo. Exemplos e detalhes de como classificar

Leia mais

ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL FLORESTA ENCANTADA LANCHEIRA SAUDÁVEL

ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL FLORESTA ENCANTADA LANCHEIRA SAUDÁVEL ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL FLORESTA ENCANTADA LANCHEIRA SAUDÁVEL A lancheira deve ter pelo menos um alimento fonte de cada grupo alimentar, levando em consideração as opções mais saudáveis: 1) Um alimento

Leia mais

Delícias saudáveis. Inspire-se na cozinha. Abuse da criatividade. Delicie-se sem culpa.

Delícias saudáveis. Inspire-se na cozinha. Abuse da criatividade. Delicie-se sem culpa. Delícias saudáveis Inspire-se na cozinha. Abuse da criatividade. Delicie-se sem culpa. Pratos que não extrapolam em carboidratos e carnes, não transbordam de queijo e, mesmo assim, dão água na boca. Sobremesas

Leia mais

Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil

Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil .1 Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil Pesquisa realizada pela Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública GGLAS Abril

Leia mais

LICITAÇÃO CARTA CONVITE DE Nº 2015/0001 OBJETO DA LICITAÇÃO: AQUISIÇÃO MERENDA ESCOLAR DATA DA LICITAÇÃO: 02/03/2015 HORÁRIO DA LICITAÇÃO: 10:00hs

LICITAÇÃO CARTA CONVITE DE Nº 2015/0001 OBJETO DA LICITAÇÃO: AQUISIÇÃO MERENDA ESCOLAR DATA DA LICITAÇÃO: 02/03/2015 HORÁRIO DA LICITAÇÃO: 10:00hs GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação EEM Jáder de Figueiredo Correia Rua Livino Teixeira, 112 Bairro Centro Telefone: (88) 3617 4051 E-mail: jaderfigueiredo@escola.ce.gov.br LICITAÇÃO CARTA

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

ITENS DA MERENDA ESCOLAR 2015

ITENS DA MERENDA ESCOLAR 2015 ITENS DA MERENDA ESCOLAR 2015 Nº ITEM UNIDADE DE MEDIDA 1 ABACATE 2 ABACAXI 3 ABÓBORA 4 ACHOCOLATADO EM PÓ EMBALAGEM DE 800G FARDO COM 24 PCT DE 400G 5 ACHOCOLATADO EM PÓ DIET EMBALAGEM DE 210G 6 ACHOCOLATADO

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88 INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante Amargos e aperitivos Cereja em calda (para reconstituição da cor perdida durante processamento) Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites

Leia mais

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Alimentos Universidade

Leia mais

Tabela de Composição de Fenilalanina em Alimentos

Tabela de Composição de Fenilalanina em Alimentos Reunião da Câmara Setorial de Alimentos - 2011 Tabela de Composição de Fenilalanina em Alimentos Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos FENILCETONÚRIA Erro inato do metabolismo que

Leia mais

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha:

Dieta. Lanche da manhã. Almoço. Café da manha: Café da manha: Dieta opção 1 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado 1 pão francês sem miolo na chapa com 1 col. (sopa) rasa de margarina ou 1 fatia de queijo fresco ½ xíc. (chá) de cereal 1 xíc. (chá)

Leia mais

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios PNAE Mais antigo programa social do Governo Federal na área de alimentação e nutrição, considerado como um dos maiores programas na área de alimentação escolar do mundo, com atendimento universalizado

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

Princípios básicos para montar, administrar e atualizar uma base de dados de composição dos alimentos

Princípios básicos para montar, administrar e atualizar uma base de dados de composição dos alimentos Princípios básicos para montar, administrar e atualizar uma base de dados de composição dos alimentos FAO Os slides foram traduzidos para o Português pela Unidade de Tradução da FAO e revisados/revistos

Leia mais

ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA DIABETES. Elaboração de conteúdo: Equipe de Nutrição

ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA DIABETES. Elaboração de conteúdo: Equipe de Nutrição ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL PARA DIABETES Elaboração de conteúdo: Equipe de Nutrição PRINCÍPIOS GERAIS PARA MANUTENÇÃO DA GLICEMIA (GLICOSE NO SANGUE) ADEQUADA: Perder peso, se estiver acima do adequado. Fazer

Leia mais

EDITAL DO CONCURSO NUTRICHEF CSD

EDITAL DO CONCURSO NUTRICHEF CSD EDITAL DO CONCURSO NUTRICHEF CSD 1. DO OBJETO O presente instrumento tem por objetivo selecionar receitas que priorizem a utilização de ingredientes naturais e nutritivos que assegurem pratos saudáveis,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE 14. BOLO SETE GRÃOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE 14. BOLO SETE GRÃOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO E SAÚDE LABORATÓRIO DE ESTUDO EXPERIMENTAL DOS ALIMENTOS 14. BOLO SETE GRÃOS Janaína Moreira do Carmo, Samira

Leia mais

10 Alimentos importantes para sua saúde.

10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. Os alimentos funcionais geram inúmeros benefícios para o organismo. Como muitas patologias se desenvolvem por deficiência

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS PÃO DE QUEIJO MAXI Ingredientes: Amido de mandioca, queijo (leite pasteurizado, fermento lácteo, cloreto de sódio, cloreto de cálcio, coalho, corante

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO?

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? ROTULAGEM NUTRICIONAL OBRIGATÓRIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL

Leia mais

Você sabe o que está comendo?

Você sabe o que está comendo? Você sabe o que está comendo? Manual de orientação aos consumidores Educação para o Consumo Saudável Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de orientação

Leia mais

Óleo Ducoco 100% virgem é a nova opção no preparo de receitas saudáveis e deliciosas

Óleo Ducoco 100% virgem é a nova opção no preparo de receitas saudáveis e deliciosas Óleo Ducoco 100% virgem é a nova opção no preparo de receitas saudáveis e deliciosas Benéfico para a saúde, o produto substitui com vantagens outros óleos vegetais na cozinha, no preparo de saladas, bolos,

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP CARDÁPIO DO LANCHE DA MANHÃ/TARDE- Educação Infantil Mês de Janeiro e Fevereiro 2ª FEIRA 1 iogurte (beber) sabor morango 4 biscoitos cream cracker c/ manteiga

Leia mais

184 ISSN 0103 5231 Dezembro, 2012 Rio de Janeiro, RJ

184 ISSN 0103 5231 Dezembro, 2012 Rio de Janeiro, RJ 184 ISSN 0103 5231 Dezembro, 2012 Rio de Janeiro, RJ Ilustração: Gabriel Gomes de Sousa Validação do Método Analítico de Determinação de Nitrogênio Total para Atender a DOQ- CGRE-008 de 2010 do Inmetro

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

LEI N.º 4.522 de 16 de julho de 2015.

LEI N.º 4.522 de 16 de julho de 2015. LEI N.º 4.522 de 16 de julho de 2015. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Institui o Programa Municipal Alimentar de Proteção à Vida, denominado de SOUP.A., e dá outras providências. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

Carbo- Fibra Número do Umidade Energia Proteína Lipídeos Colesterol idrato Alimentar Cinzas Cálcio Magnésio Alimento Descrição do Alimento (%) (kcal)

Carbo- Fibra Número do Umidade Energia Proteína Lipídeos Colesterol idrato Alimentar Cinzas Cálcio Magnésio Alimento Descrição do Alimento (%) (kcal) Carbo- Fibra Número do Umidade Energia Proteína Lipídeos Colesterol idrato Alimentar Cinzas Cálcio Magnésio Alimento Descrição do Alimento (%) (kcal) (kj) (g) (g) (mg) (g) (g) (g) (mg) (mg) &HUHDLVÃHÃGHULYDGRVÃ

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO

INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DTB MIAMI CORP. INFORMAÇÕES PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTO Data: (mês/dia/ano) SECTION 1 TIPO DE REGISTO 1a REGISTRO DOMESTICO REGISTRO ESTRANGEIRO 1b REGISTRO INICIAL ATUALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE REGISTRO

Leia mais

ANEXO I Pag.: 1 Licitação Nº 9/2015-0026. Lote Descrição Qtd Unidade Preço total

ANEXO I Pag.: 1 Licitação Nº 9/2015-0026. Lote Descrição Qtd Unidade Preço total ANEXO I Pag.: 1 Lote Descrição Preço total 0001 000725 ACHOCOLATADO EM PÓ EMB.1KG 500,0000 QUILO 0002 009053 AÇÚCAR CRISTALIZADO COR BRANCA PACOTE COM 1 KG 40,0000 QUILO Acondicionado em sacos plásticos

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança

A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança A formação de bons hábitos alimentares na infância devem convergir para um único fim: o bem-estar emocional, social e físico da criança Recomendações para a prática dietética do pré-escolar: Intervalo

Leia mais

MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES

MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES MANUAL DE DIETAS HOSPITALARES TERESINA-PI SETEMBRO/11 1 ORIENTADORAS: Adriana de Azevedo Paiva Nutricionista, Doutora em Saúde Pública, Profa. da Disciplina Dietoterapia I da Universidade Federal do Piauí

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União;

Leia mais

Infantil. Suco de laranja Suco de acerola Achocolatado Suco de uva Suco de abacaxi

Infantil. Suco de laranja Suco de acerola Achocolatado Suco de uva Suco de abacaxi Infantil FEVEREIRO 01 Terça- feira 02 Quarta- feira 03 Quinta- feira 04 Sexta-feira Lanche Bolo mármore Pão coió recheado com Torrada Sucrilhos com sorvete queijo minas geléia / requeijão Biscoito cream

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL P. M. DE SAO JOSE DO HORTENCIO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL P. M. DE SAO JOSE DO HORTENCIO Licitação:PREGÃO PRESENCIAL Nro:6/2015 01a Via Pagina:1 Fornecedor: Data:07/07/2015 Endereço: Bairro: CNPJ: IE: Municipio: CEP: Telefone: Fax: 1 1,00 UN LOTE 01 - PÃES E PERECÍVEIS 2 1050,00 UN PÃO FRANCÊS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL FOLHA 1 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - O formulário deve ser preenchido em 2 vias. - Preencher a máquina ou por computador. FOLHA 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 03 FEV 2014 Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão Já pensou em tomar sorvete de mandioca? E doce de casca de maracujá?

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 Resolução nº 263/2005 23/09/2005 RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23.09.2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Cantina Hora do Lanche CARDÁPIO NOVEMBRO 2015

Cantina Hora do Lanche CARDÁPIO NOVEMBRO 2015 Cantina Hora do Lanche CARDÁPIO NOVEMBRO 2015 1 a SEMANA: 03/11/2015 04/11/2015 05/11/2015 de Presunto e queijo Pão de Forma c/ queijo e tomate Manga picada Bolo de chocolate recheado Bolacha Salgada Salada

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

CRONOGRAMA DE ENTREGA AABB

CRONOGRAMA DE ENTREGA AABB CRONOGRAMA DE ENTREGA AABB NÃO PERECIVEIS DATA DE ASSINATURA DO FORNECEDOR ASSINATURA DO RESPONSÁVEL ENTREGA ----------------------------------------------- ------------------------------------------------

Leia mais

Projetos para a Sala de Aula

Projetos para a Sala de Aula Projetos para a Sala de Aula 5 a a 8 a SÉRIES 5. COMO COMO? Comparação entre sua dieta diária e a recomendação da USDA SOFTWARES NECESSÁRIOS: SOFTWARE OPCIONAL: MICROSOFT EXCEL 97 MICROSOFT WORD 97 MICROSOFT

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

ALIMENTAÇÃO NO VERÃO

ALIMENTAÇÃO NO VERÃO ALIMENTAÇÃO NO VERÃO 1 - Quais os alimentos devem ser privilegiados no verão e quais devem ser evitados? Os alimentos que devem ser privilegiados no verão são as frutas, verduras e legumes, pois são ótimas

Leia mais

Observação: crianças, adolescentes, gestantes e praticantes de atividades físicas intensas têm recomendações diferenciadas.

Observação: crianças, adolescentes, gestantes e praticantes de atividades físicas intensas têm recomendações diferenciadas. Atualizado em 15.01.2014 O Lanche Certo tem como objetivo orientar sobre escolhas alimentares adequadas de lanches no trabalho, o que possibilita a melhora de hábitos alimentares, além da promoção da saúde

Leia mais

Programa de avaliação de conformidade de padrões físicoquímicos e microbiológicos de produtos de origem animal comestíveis e água de abastecimento

Programa de avaliação de conformidade de padrões físicoquímicos e microbiológicos de produtos de origem animal comestíveis e água de abastecimento de padrões físicoquímicos e microbiológicos de produtos de origem animal comestíveis e água de abastecimento PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que fazer se o estabelecimento não estiver produzindo nenhum dos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Termoquímica PROF. Prof. DAVID David TERMOQUÍMICA O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Estuda as quantidades de calor liberadas ou absorvidas durante as reações químicas

Leia mais

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014

Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados. Setembro de 2014 Resultados do monitoramento da redução do Sódio em Alimentos Processados Setembro de 2014 Doenças crônicas não-transmissíveis são responsáveis por 72% dos óbitos Doenças cardiovasculares Doenças respiratórias

Leia mais

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR. Tabela Nutricional e Alergênicos

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR. Tabela Nutricional e Alergênicos INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR Tabela Nutricional e Alergênicos INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR CASA DO PÃO DE QUEIJO PÃO DE QUEIJO TRADICIONAL Ingredientes: Amido de mandioca, queijo, água, ovo, margarina vegetal,

Leia mais

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV Alimentação: Sustentável NÚMERO 3 Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Risoto de casca de Abóbora Cascas de 2kg de abóbora (ralada ) 3 xicaras de arroz cozido 1 cebola grande (picada)

Leia mais