RELAÇÃO ENFERMEIRO/PACIENTE PSIQUIÁTRICO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO ENFERMEIRO/PACIENTE PSIQUIÁTRICO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO RESUMO"

Transcrição

1 RELAÇÃO ENFERMEIRO/PACIENTE PSIQUIÁTRICO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO RESUMO ARAÚJO, Carla Priscila Cavalcanti ASSIS NETO, Luiz Pereira da LIMA, Pauliana Caetano CARTAXO, Ziclomar Rodrigues A enfermagem psiquiátrica é um ramo que se diferencia dos outros da profissão devida ser seu alvo pacientes especiais exigindo do enfermeiro um desenvolvimento mais completo, uma compreensão mais notável e uma maior preocupação no que se refere ao relacionamento enfermeiro/cliente. Este estudo foi desenvolvido com o objetivo de investigar a relação entre o enfermeiro e o paciente psiquiátrico, avaliando as dificuldades e facilidades encontradas nesse relacionamento. Trata-se de um estudo exploratório realizado em um hospital psiquiátrico da cidade de João Pessoa PB. Os dados foram coletados no mês de junho do ano de 2004 através da técnica de entrevista. Da análise realizada, as dificuldades encontradas pela maioria dos entrevistados foram a agressividade do paciente, seguida da aceitação do paciente ao tratamento; diálogo com o paciente; demora do restabelecimento do paciente para um quadro de melhora; e, cuidado tardio por parte da família. Com relação às facilidades encontradas, a experiência na área foi a opção mais relatada pela maioria dos participantes, seguido da satisfação em trabalhar na área; consciência em aceitar o comportamento do paciente devido sua patologia; e, não discriminar nem ter medo de lidar com o pacientes psiquiátricos. A compreensão deste estudo nos permitiu um maior conhecimento diante do relacionamento enfermeiro/paciente psiquiátrico onde podemos concluir que esta interação é difícil, porém contornada quando há conscientização por parte do enfermeiro em saber lidar com as situações encontradas perante o paciente psiquiátrico. PALVRAS CHAVES: enfermagem; paciente psiquiátrico. RELATION MEDICAL PERSONEL/ PSYCHIATRIC PATIENT: ANALYZING STUDY ABSTRACT Psychiatric treatment is a segment that differs from other methods of Medical practice because of its patient s special condition, requirering from the doctor of nurse a far more complex skill of understanding and interpretation as well as relation with patients. This study was developed with the purpose of investigating the relationship between the psychiatric

2 4 Medical staff and patients, analyzing the difficulties and advantages in the process. This study took place in Joao Pessoa City, PB Brazil. All the data was collected with a series of interviews with a medical staff team during the month of June From these interviews four topics were pointed as difficulties: aggressiveness and acceptance of treatment, establishing communication, restraining after a nervous attack and family denial. The advantages that Psychiatric Medical Personnel state is regarding to the experience acquired in such relationships, personal gratification, total understanding of the patient s pathologic condition and to acknowledge that the lack of prejudice the good will, and lots of love for other is essential to any kind of treatment. The conclusion of these studies provided us with the understanding of the basic in patients and medical personnel relation. There is no easy task in this matter, but dominated with professional skills, training and LOVE. Keywords: medical personel; psychiatric patient. 1.INTRODUÇÃO Não podemos falar sobre relacionamento sem enfatizarmos a comunicação, pois esta é uma parte especial no processo terapêutico. Comunicação é a habilidade de transmitir idéias para outros e de manter a mente aberta para estender as idéias e sentimentos dos outros. O processo terapêutico se inicia quando o paciente compartilha com o profissional da área de saúde algum conhecimento de si mesmo, que tenha significado, permitindo ao profissional conhecer seus pensamentos e sentimentos e pôr em prática suas habilidades de ouvir, falar e perceber, principalmente, aquilo que não foi dito. È preciso que os pacientes encarem os enfermeiros como seres humanos, isso é muito importante hoje em dia, mais do que em qualquer outra época, pois, os cuidados terapêuticos estão tornado-se cada vez mais impessoais, os pacientes muitas vezes se vêem num relacionamento como uma máquina que pode emitir sons incompreensíveis e que parece estar no lugar daqueles cuja humanidade menospreza e discrimina.

3 5 O enfermeiro psiquiátrico desempenha um papel importantíssimo e para obter êxito, necessita de uma preparação e de uma qualificação que o torne capaz de cuidar, entender e ajudar seus pacientes especiais. A enfermagem psiquiátrica diferencia-se dos outros ramos da profissão no que se refere ao principal objeto, no caso, o esforço visando à resistência ao usuário, que requer do enfermeiro um desenvolvimento mais completo, uma compreensão especial e um maior interesse no relacionamento enfermeiro-cliente. O cuidado de enfermagem depende do entendimento do comportamento do paciente e o seu modo de reagir. È preciso aprender a encarar o paciente como seu semelhante, sendo para ele tanto um enfermeiro como uma pessoa comum. Quanto mais preparado o enfermeiro estiver para compreender o comportamento humano e lidar com isso, mais confiança ele terá em sua capacidade de responder ao desafio das necessidades emocionais do seu cliente. Por isso a nossa preocupação como futuros participantes de uma equipe interdisciplinar, está voltada para pesquisas que devem avançar em relação à atuação na rede de saúde mental voltando-se para o desempenho dos profissionais de enfermagem com suas dificuldades, expectativas, suas satisfações para com pacientes e terapias específicas vivenciadas nesta rede. paciente psiquiátrico. Temos como objetivo nesta pesquisa investigar a relação entre o enfermeiro e o 2.REVISÃO DA LITERATURA

4 6 Enfermagem psiquiátrica constitui num processo onde a enfermeira auxilia as pessoas, individualmente ou em grupos, a desenvolverem um autoconceito mais positivo, um padrão mais gratificante de relacionamentos interpessoais e um papel mais satisfatório na sociedade. (TAYLOR, 1992). Psiquiatria: parte da medicina que se ocupa do diagnóstico e do tratamento das doenças mentais. A psiquiatria atual considera todos os fatores capazes de ocasionar perturbações psíquicas e se esforça, na teoria e na prática, em sondar a essência, do espírito doente, a fim de ajuda-lo a recobrir a saúde e, desse mesmo passo, curar também o corpo. Para este fim, dispõe de medicamentos em número sempre crescente, e cada vez mais ativos como neurolépticos, tranqüilizantes, etc. (O Grande compêndio de Enfermagem Sivadi). Psicopatologia: ramo da patologia que se ocupa com o estudo sistemático das doenças mentais. A psicopatologia constitui a base teórica da psiquiatria. (O Grande compêndio de Enfermagem Sivadi). de Enfermagem Sivadi). Psicose: nome que se dá ao conjunto das doenças mentais. (O Grande compêndio Segundo Stuart e Laraia, (2001), a função de oferecer cuidados de enfermagem ou simplesmente atender às necessidades dos doentes, existe desde o inicio da civilização. Antes de 1860, a ênfase nas instituições psiquiátricas, concentravam-se nos cuidados de custódia, e os atendentes eram contratados para manterem o controle dos pacientes com freqüência. Esses atendentes eram nada mais que carcereiros com pouco treinamento, tornando os cuidados psiquiátricos de qualidade muito baixa. A enfermagem, como profissão, começou a emergir no final do século XIX, e no século XX já evoluíra para especialidade com papéis e funções próprias. Pouco citado nas literaturas, Pussin foi o primeiro enfermeiro a cuidar de pacientes psiquiátricos. Ele trabalhou nas reformas políticas e sociais que influenciaram os hospitais psiquiátricos e prisões em Paris, juntamente com Philippe Pinel ( ) em Pinel foi nomeado pela história, o pai da psiquiatria. Ele conseguiu provar, de maneira conclusiva, a falácia do tratamento desumano às pessoas com doenças mentais.(stuart E LARAIA, 2001).

5 7 Em 1873, Linda Richards formou-se no New England Hospital for women and children, em Boston. Ela aprimorou os cuidados de enfermagem nos hospitais psiquiátricos e organizou práticas de enfermagem e programas educacionais em manicômios públicos, nos Estados Unidos. Por essas atividades ela é tida como sendo a primeira enfermeira psiquiátrica norte-americana.(stuart E LARAIA, 2001). A primeira escola a preparar enfermeiros para cuidar de doentes mentais surgiu no McLean Hospital, Wanvarly, Massachusetts, em Ela oferecia um programa de dois anos, mas poucas habilidades psicológicas eram abordadas. As enfermeiras cuidavam de necessidades físicas dos pacientes, como medicação, nutrição, higiene e atividades de lazer. Naquela época, os cuidados psicológicos consistiam de gentileza e tolerância para com os pacientes.(stuart E LARAIA, 2001). Uma das contribuições mais importantes de Linda Richards foi à ênfase na avaliação das necessidades tanto físicas quanto emocionais do individuo. Nesse período inicial da historia da enfermagem, a formação reparava essas duas necessidades. Os enfermeiros aprendiam tais habilidades no hospital geral ou no psiquiátrico.(stuart E LARAIA, 2001). Apenas no final dos anos 30, a formação em enfermagem passou a reconhecer a importância do conhecimento psiquiátrico nos cuidados gerais da enfermagem para todas as doenças. Um importante fator no desenvolvimento da enfermagem psiquiátrica foi o surgimento de terapias somáticas, como psicocirurgias, terapia de choque insulínico e terapia eletroconvulsiva, tornando os pacientes mais susceptíveis ao tratamento.(stuart E LARAIA, 2001) À medida que se evoluíam as terapias somáticas, as enfermeiras iniciavam seus esforços para a definição do seu papel como enfermeiras psiquiátricas. A prática contemporânea da enfermagem psiquiátrica ocorre em um contexto social e ambiental. A função desta, cresceu em complexidade desde seus elementos históricos originais. Hoje ela engloba as dimensões da competência clinica, defesa do paciente, da família, responsabilidade fiscal, elaboração interdisciplinar, responsabilidade social e parâmetros éticos e legais.(stuart E LARAIA, 2001).

6 8 O centro de serviços de saúde mental reconheceu oficialmente a equipe interdisciplinar de saúde mental como formada por enfermagem, psiquiatria, psicologia clínica e assistência social. Todas elas emergiram como especialidade dentro de suas respectivas profissões durante a última metade do século XIX, época em que as pessoas com perturbações de comportamento passaram a ser vistas como doentes e não como possuidores de demônios ou moralmente corruptas. (TAYLOR, 1992). Durante todo o período colonial ( ) no Brasil não vamos encontrar nenhuma manifestação concreta pela assistência aos pacientes mentais. O completo abandona que abatia sobre os doentes mentais ocorria de forma generalizada, em todas as províncias brasileiras, causando preocupações em algumas poucas autoridades nos estados mais pobres e distantes da corte. (SILVA, 1998). Os doentes da mente, como eram rotulados, viviam perambulando pelas ruas, becos, estradas, misturados com os flagelados das secas periódicas (a pior delas que assolou o nordeste foi a de ) e as terríveis epidemias (cólera e varíola), mendigos, marginais e prostitutas como se vê, faziam engrossar a parcela marginalizada da sociedade em todos os recantos do Brasil. (SILVA, 1998). O começo efetivo das mudanças no campo da saúde ocorreu com a vinda da corte portuguesa ao Brasil, ocorrendo a propagação das ciências médicas. Foi o esforço do notável Dr. Cruz Jobim que ocorreu o primeiro protesto público do Brasil contra o modo desumano como eram tratados os pacientes mentais, em meados de (SILVA, 1998). No diário da saúde de 1835, o ilustre Dr. José Francisco Xavier Sigmund publicou um artigo intitulado Reflexos acerca do transito livre dos doidos pelas ruas da cidade do Rio de Janeiro, em que protesta contra as más condições, em que se encontravam os doentes mentais, e sugere a construção de um hospital para assisti-los.(silva, 1998). O imperador Dom Pedro II após sua consagração como soberano no Brasil, criou um hospital destinado a construção do Hospício Pedro II, tempos depois esta obra foi considerado o mais belo edifício localizado na América do Sul. (SILVA, 1998). A fundação do Hospício Pedro II e a criação cátedras de clinica Psiquiátrica, pelo decreto nº 8024, de 18 de março de 1881, nas faculdades de medicina na Bahia e no Rio

7 9 de Janeiro, as únicas existentes no país até então, contribuíram significativamente para dar origem às condições necessárias ao aparecimento da psiquiatria brasileira. (SILVA, 1998). A historia dos primeiros pacientes paraibanos acometidos com problemas psiquiátricos ou psicológicos, não é diferente de outras localidades espalhadas pelo Brasil como vimos, pois sabemos que a questão cultural, ou seja, os problemas dos preconceitos impregnados por milhares de anos sobre os pacientes mentais, a ponto de persistir ainda hoje inúmeras situações carregadas de puro preconceito contra os pacientes, seus familiares, os psiquiatras, são vários tipos de discriminações. (SILVA, 1998). Nesta época eram rotulados doentes mentais os pobres, prostitutas, mendigos pedintes e vitimas de pestes e secas daí geralmente eram destinadas a cadeias públicas, as correntes dos quartos esquecidos das casas, os porões escuros e sótãos imundos das mansões, etc. (SILVA, 1998). Por outro lado à situação dos pacientes paraibanos que possuíam uma condição financeira satisfatória começou a mudar de mentalidade com a inauguração do famoso Hospício de visitação de Santa Isabel em Olinda-Pernambuco. Na Paraíba o primeiro local especifico para tratamento de insanos o Asilo do Sant Anna, neste período não ocorreram grandes avanços na psiquiatria. (SILVA, 1998). Vivemos numa época de intensas mudanças, marcada por acontecimentos tecnológicos, econômicos e políticos, que afetam todas as áreas de nossa vida, dentre elas, a profissional. No âmbito atual, a enfermagem exige de seus profissionais um conhecimento técnico-científico. E paralelo a essas mudanças surgem modificações no planejar, cuidar e no desenvolver de trabalhos pelos profissionais de enfermagem. (STUART E LARAIA, 2001). Os cuidados psiquiátricos estão numa área de especial mudança, que se apresenta como uma matéria em constante evolução, marcada por uma trajetória de erros, mas que também chegou a acertos, na qual gradativamente vem ganhado terreno na sociedade, procurando sempre novos recursos terapêuticos e acima de tudo uma maior aceitação do paciente. (STUART E LARAIA, 2001).

8 10 Atualmente, a doença mental deixou de ser considerada um estigma de vergonha e quase sobrenatural. Hoje em dia, a concepção integral da saúde e do ser humano presume maior aceitação do componente mental como parte inseparável da pessoa, admitindo-se a influência recíproca entre o fisiológico, psicológico e o social. (STUART E LARAIA, 2001). O enfermeiro atuante nesta área deve desenvolver uma disposição pessoal, além de um conhecimento de si mesmo que facilitem a relação terapêutica, o que não é muito fácil para o profissional, que deve transpor suas próprias barreiras para prestar uma assistência adequada ao paciente psiquiátrico. Além disso, deve estar em constante formação para adaptar-se às características dos pacientes a quem tem de prestar cuidados. Porém a maioria dos profissionais não tem o conhecimento básico acerca da doença mental, o que torna difícil a adaptação dos modelos terapêuticos. (STUART E LARAIA, 2001). Ao cuidar de pacientes, o enfermeiro segue as etapas do processo de enfermagem: diagnóstico, planejamento, implementação e avaliação. Em outras palavras ele aplica a técnica da solução de problemas ao seu cuidado de enfermagem. No diagnóstico ele identifica e determina prioridades quanto às necessidades do paciente, levando em consideração suas condições, as circunstancias especificas e suas habilidades de satisfazer suas próprias necessidades. A seguir, com o paciente, ele traça plano de cuidados de enfermagem, o qual delimitam objetivos a longo e curto prazo para o paciente e as ações e intervenções de enfermagem necessárias para auxilia-lo a alcançar tais objetivos.(irving R.,1979). O enfermeiro põe em execução o plano usando a sua própria personalidade tardia de forma terapêutica, para auxiliar o paciente a progredir em função de sua saúde. Ele documenta as reações do paciente dos cuidados prestados e modifica as ações de enfermagem de acordo com os resultados da avaliação. Assim, cada cuidado ao paciente é individualizado e dirigido para a resolução dos seus problemas específicos. (IRVING R., 1979). A enfermagem psiquiátrica é diferente e, no entanto, tem semelhanças com todas as outras áreas da enfermagem. Algumas pessoas consideram a enfermagem psiquiátrica como sendo a base, o coração, o cérebro, a verdadeira arte da enfermagem. Outras pensam que a enfermagem psiquiátrica é estritamente limitada aos cuidados do paciente diagnosticado como doente mental. Enfermagem psiquiátrica não é, definitivamente, um conjunto

9 11 organizado de procedimentos ou rituais que terminem com a cura. É principalmente uma luta árdua, pessoal e humana em direção à saúde. (IRVING R., 1979). Pode-se concordar geralmente que a enfermagem psiquiátrica é o processo de comunicação humana que envolve duas pessoas, o enfermeiro e o paciente, e seu relacionamento, a soma das interações. O propósito inicial do relacionamento enfermeiropaciente é auxilia-lo para maior satisfação de suas necessidades básicas e utilizar as maneiras efetivas de agir a fim de se obter maior sucesso em viver. Além disso, é responsabilidade do enfermeiro, estabelecer, manter e concluir tal relacionamento. Se este relacionamento é terapêutico, útil, saudável ou não, pode ser mensurado muito simplesmente pelo senso de bem-estar que um paciente experimenta como resultado do mesmo. (IRVING R., 1979). Freqüentemente, o profissional de enfermagem que está iniciando estudo ou prática de enfermagem psiquiátrica é influenciado por preconceitos comumente existentes em relação aos doentes mentais, a seu tratamento e a sua contribuição como enfermeiro aos seus cuidados. Como resultado, ele pode tentar abordar os cuidados de paciente psiquiátricos com atitudes e ações que são mais prejudiciais do que benéficas. É essencial para o enfermeiro reconhecer, compreender e corrigir sua abordagem se agir terapeuticamente com o paciente todos os pacientes e, creio, todas as pessoas. (IRVING R., 1979). Antes de tudo, o usuário é uma pessoa, um ser humano único, diferente de todos os outros. Ele não é um tipo de doença, uma condição do estado de saúde ou um conjunto de sintomas. Ele é uma pessoa, um indivíduo que está doente, em dificuldade, sozinho e com medo. Ele freqüentemente torna-se um alienado, um rejeitado, um peso, um estranho em seu próprio mundo, podendo defrontar-se com o medo, a ira, a desconfiança, a hostilidade, o desdém, o desgosto, o desespero ou o ridículo tanto da parte daqueles que lhe são mais próximos, como daqueles que nem mesmo o conhecem. Quando ele não pode mais tolerar o medo e a solidão, volta-se para os estranhos em busca de afeto e da receptividade de que necessita, tornando-se um paciente. (IRVING R., 1979). Ele é doente, com uma estranha e amedrontadora doença, sobre a qual ele tem pouco ou nenhum controle. Muitas vezes o paciente sabe, no seu intimo, que não deveria pensar e sentir tais coisas, quanto mais dize-las ou faze-las, mas parece não poder parar. Vê as pessoas olharem para ele com medo ou desconfiança, culpa ou raiva, desprezo ou vergonha. Acha que as coisas estão se tornando piores em lugar de melhorar, e começa a experimentar

10 12 uma sucessão sempre crescente de fracassos e rejeição. Quando não pode mais enfrentar suas necessidades ou dirigir seu comportamento apropriadamente, busca obter conforto e auxílio daqueles que estão preparados para ajudá-los. (IRVING R., 1979). O enfermeiro também é uma pessoa, um ser humano único, diferente de todos os outros. Ele não é uma espécie particular de personalidade, ou um conjunto de atributos, ou uma acumulação de qualidades especiais. É um individuo, um produto de suas experiências de vida, o qual adquiriu conhecimentos específicos e atividades para prestar cuidados aos outros, ele decidiu que o trabalho, em sua vida, seria prestado no serviço a outras pessoas tornando-se um enfermeiro. (IRVING R., 1979). Ele deve ser um adulto sadio, bastante maturo emocionalmente para ser capaz de adiar a satisfação de suas próprias necessidades e permitir que as necessidades do paciente tenham precedência. Deve ser capaz de tolerar frustrações e tensões de forma suficientemente efetiva, de modo a manipular os sentimentos resultantes de maneira construtiva, ter suficiente autoconhecimento para avaliar o impacto que produz sobre outras pessoas e assumir responsabilidade por seu comportamento. Ser bastante flexível para aceitar mudanças e bastante receptivo para aprender novas maneiras de perceber e responde à vida. Preocupar-se com o bem-estar dos pacientes e fazer algo sobre isto se tornado um enfermeiro. (IRVING R., 1979). O relacionamento do profissional com o usuário deve sempre envolver algo sobre a natureza muito importante, crítico e profundamente pessoal, atendendo às necessidades do paciente, aumentando seu sentimento de conforto, segurança e bem-estar. (IRVING R., 1979). O enfermeiro deve ser capaz de aceitar o paciente, não importando o que ele diga ou faça, ou de onde ele vem, não apenas porque ele é um paciente, mas porque ele é uma pessoa de valor essencial e dignidade e que merece respeito. O enfermeiro pode ter sentimento de discordância, desgosto ou mesmo recusar por alguma de suas ações. É necessário, entretanto, que ele seja capaz de controlar e expressar seus sentimentos de forma construtiva, de maneira a não rejeitar, punir ou ignorar o paciente. Ao mesmo tempo, ele precisa saber o que se espera quanto a um comportamento apropriado e aceitável de sua parte,

11 13 e necessita de auxilio para aprender como se comportar dentro desses padrões. (IRVING R., 1979). O relacionamento entre o enfermeiro e o paciente deve ser honesto. Isto quer dizer que o enfermeiro deve ser realmente interessado no bem-estar do paciente e que deve auxilia-lo a fazer alguma coisa sobre o mesmo. Significa, além disso, que ele deve estar certo de qualquer coisa que faça ou diga em sua interação com pacientes, expressando tal tipo de preocupação: Não há lugar para fingimentos. Por outro lado, é importante que o enfermeiro não transfira seu sentimento e frustração por outras causas ao seu relacionamento com o usuário, é, portanto, necessário que o enfermeiro entenda seus motivos para tais frustrações e seja capaz de enfrenta-los e dirigi-los para uma resolução construtiva. (IRVING R., 1979). A compreensão deve esta sempre presente na assistência ao cliente, isto quer dizer que o enfermeiro deve conhecer bem o paciente de forma individualizada para ser capaz de compreender como o mesmo se sente na situação em que se encontra, e não como é sentido pelo profissional, ou como o tem sentido em situação semelhante. Esta é a diferença entre empatia de um lado e simpatia, do outro. Empatia em termos psiquiátricos é uma das formas não-verbais que o enfermeiro usa para comunicar seu interesse e preocupação pelo cliente. O enfermeiro deve fazer mais do que presumir quanto ao que sente um usuário, e sim esclarecer consigo mesmo para estar seguro de como o paciente realmente se sente. (IRVING R., 1979). A confiança mútua que existir na interação enfermeiro cliente, significa que o enfermeiro deve ter confiança na sua habilidade de ajudar o paciente, assim como sua capacidade em corresponder profissionalmente. Por parte do paciente também deve existir uma confiança na competência e nos cuidados do enfermeiro, onde ambos devem afastar situações de dificuldades. Nenhum relacionamento humano existe sem conflitos ou tensões e isto inclui o relacionamento terapêutico. (IRVING R., 1979). Ao cuidar do paciente, o enfermeiro se defronta com muitos problemas que podem interferir seriamente na sua eficiência. Estes problemas parecem agrupar-se em áreas comuns em que cada enfermeiro, cada paciente e cada circunstância em certo grau. Para ser bem-sucedido, o enfermeiro tem que ser capar de resolver ou lidar com êxito e com os problemas que ocorrem no cuidar ao paciente psiquiátrico. As áreas de problemas comuns

12 14 incluem o próprio enfermeiro, a equipe, o comportamento do paciente e de sua família, as dificuldades físicas e a comunidade do qual o cuidado é oferecido. (IRVING R., 1979). O relacionamento enfermeiro paciente já foi chamado de uma variedade de termos que inclui relacionamento terapêutico enfermeiro paciente, terapia de enfermagem psiquiátrica, psicoterapia de apoio, terapias de reabilitação e aconselhamento não-diretivo. A relação enfermeiro cliente evolui para uma relação de parceria entre ambos, que expande as dimensões do papel de enfermagem psiquiátrica, que incluem competência clínica, defesa do paciente família, responsabilidade fiscal, colaboração interdisciplinar, responsabilidade social e parâmetros ético-legais. Todos fazendo parte desta parceria. (TAYLOR, 1992). O enfermeiro psiquiátrico deve desenvolver uma relação terapêutica com o seu cliente ou grupo de pacientes, através de uma interação adequada com eles e conseqüentemente com a sua família. Para isso, ele deve utilizar-se de autoconhecimento, formação técnica e habilidade pessoal. (TAYLOR, 1992). A relação social entre o enfermeiro e o paciente consiste numa relação superficial, neutra e sem nenhuma intimidade. Muitos enfermeiros desenvolvem esta relação devido à inexperiência, o estresse causado pela profissão, o cotidiano, etc. Já a relação terapêutica é dotada principalmente de confiança, realizado num ambiente terapêutico (espaço de segurança no qual se proporcionam cuidados que não exista atmosfera punitiva) onde o enfermeiro tem a oportunidade de conhecer o problema do paciente podendo assim realizar e planejar procedimentos adequados. Nesta relação busca uma aceitação mútua e bastante aprofundada. (ESPINOSA, 1998). Os objetos de um relacionamento terapêutico voltam-se ao crescimento do paciente e incluem os seguintes pontos: auto-realização, auto-aceitação, incentivo de autorespeito genuíno; um claro senso de identidade pessoal e um nível intensificado de integração pessoal; capacidade para formar um relacionamento íntimo, interdependente e interpessoal, com habilidades para dar e receber amor; melhora no funcionamento e maior capacidade para satisfazer necessidades e atingir metas pessoais realistas. Para que estes objetivos sejam satisfeitos, vários aspectos das experiências de vida do paciente são explorados. O enfermeiro

13 15 permite que o paciente expresse pensamentos e emoções, e os relacionam às ações observadas e relatadas, classificando áreas de conflito e de ansiedade. (STUART E LARAIA, 2002). Ele deve ajudar o usuário a satisfazer as suas necessidades de maneiras mais adequadas, isto se consegue, ajudando o paciente a aprender novos métodos de funcionamento, a partir das suas interações com o enfermeiro. Este por suas vez deve acrescentar algo ao conforto e segurança do paciente.(stuart E LARAIA, 2002). Espinosa (1998), divide o processo da ralação terapêutica em três frases. A primeira fase é chamada de introdutória, de orientação ou informação, esta consiste no primeiro contato entre o paciente e o enfermeiro, onde o enfermeiro procura primariamente a conquista da confiança e a aceitação, utilizando-se de uma linguagem clara para que ambas as partes obtenham as informações para um relacionamento futuro satisfatório. Depois desta etapa, passa-se para a segunda fase, chamada de intermediária, que constitui a própria realização do trabalho. Na fase intermediaria o enfermeiro estimula o paciente a tomar consciência de si mesmo, escutando seus problemas, deixando as propostas abertas para que o cliente conduza conversação e escutando todos os seus problemas e relatos. Durante esta interação, o enfermeiro utiliza-se bastante de silêncio, faz pausas durante a conversa para que o cliente possa refletir melhor, reforça mensagens para um eficiente entendimento do paciente, simula situações para que o paciente possa obter e valorizar um outro ponto de vista do seu problema e em casos de contradições e incongruências entre o verbal ou lógico e o não-verbal ou analógico por parte do paciente, o enfermeiro confronta-o para que o usuário fique consciente de tais atitudes. È nesta fase onde as estratégias adaptam-se às necessidades do cliente, mas em geral ocupa-se da ajuda ao paciente no reconhecimento das suas formas de conduta anteriores, e a experimentar outras alternativas de adaptação mais positivas. A última fase é a de resolução, finalização ou conclusão. Onde se tem como objetivo principal, ajustar o paciente para que este prepare o seu futuro. Nesta fase é bastante comum se observar sentimentos de rejeição, ansiedade e agressividade no paciente e, por vezes, também no profissional. È a fase de conclusão com planificação, em conjunto, de novos objetivos a serem atingidos no seio da família e da comunidade.

14 16 Na relação terapêutica, o enfermeiro psiquiátrico deve sempre se atentar para as barreiras e obstáculos que prejudiquem o avanço do tratamento do seu cliente, evitando dificuldades como a resistência, transferência, contratransferência e a extrapolação de limites (transgressões de limites). Estes são os principais impasses terapêuticos que bloqueiam a progressão do relacionamento. Têm origem em uma série de motivos e podem tomar muitas formas distintas, mas criam, sem exceção entraves no relacionamento terapêutico. Esses impasses provocam sentimentos intensos no enfermeiro e no paciente que podem variar desde ansiedade e apreensão até a frustração, amor ou raiva intensa. (ESPINOSA, 2000). A resistência é uma tentativa do paciente de não perceber os aspectos que geram ansiedade nele próprio. É uma relutância natural ou uma defesa aprendida contra a verbalização ou, até mesmo, a experimentação de aspectos problemáticos dele mesmo, com freqüência, uma resistência imediata resulta da má vontade do paciente em mudar quando se reconhece a necessidade da mudança. (ESPINOSA, 2000). A transferência é uma resposta inconsciente em que o paciente experimenta sentimentos e atitudes pelo enfermeiro que estavam originalmente associadas a figuras significativas na vida progressiva do paciente. O termo refere-se a um conjunto de reações que tentam reduzir ou avaliar a ansiedade. As reações de transferência só são perigosas para o processo terapêutico quando permanecem ignorados e não examinados pelo enfermeiro. Os dois principais tipos são as reações hostis e as reações dependentes. (ESPINOSA, 2000). A contratransferência é um impasse terapêutico criado pelo enfermeiro, não pelo cliente. Refere-se a uma resposta emocional específica dada pelo enfermeiro ao paciente, a qual é imprópria para o conteúdo e o contexto do relacionamento terapêutico ou impróprio quanto à sua intensidade emocional. A contratransferência é a transferência aplicada ao enfermeiro. São, em geral, de três tipos: reações de amor ou preocupações intensas, reações de hostilidade ou aversão, e reações de ansiedade intensa, freqüentemente em resposta a uma resistência do paciente. (ESPINOSA, 2000). Para superar os impasses terapêuticos, o enfermeiro deve estar preparado para ficar exposto a sentimentos e emoções intensos dentro do contexto do relacionamento enfermeiro cliente. De início, o enfermeiro deve ter conhecimento dos impasses e

15 17 reconhecer os comportamentos que indicam a sua resistência. Em seguida, o enfermeiro pode esclarecer e refletir sobre o sentimento e esforçar-se por enfocar de maneira mais objetiva o que está acontecendo. (ESPINOSA, 2000). Os motivos que há por trás do comportamento são discutidos, e o paciente (para as reações de resistência e transferência) ou a enfermeira (para as reações de contratransferência e extrapolação de limites) assume a responsabilidade pelo impasse e pelo impacto negativo deste sobre o processo terapêutico. Por fim, os objetivos do relacionamento e as áreas de necessidade e de problemas do paciente são revistas, ajudando o enfermeiro a restabelecer um pacto terapêutico compatível com o processo do relacionamento enfermeiro paciente. (ESPINOSA, 2000). A transgressão de limites é um impasse terapêutico também criado pelo enfermeiro. Estas ocorrem quando o enfermeiro sai dos limites do relacionamento terapêutico e estabelece um relacionamento social, comercial ou pessoal com um paciente. Como por exemplo: o enfermeiro vai a uma festa a convite do paciente, o enfermeiro freqüenta as obrigações sociais do paciente, o enfermeiro mantêm algum tipo relação comercial com o paciente, abraça-o rotineiramente ou tem contato físico com paciente freqüentemente, etc. (ESPINOSA, 2000). Os enfermeiros psiquiátricos não podem mais, apenas concentrar-se exclusivamente nos cuidados à beira do leito e nas necessidades imediatas do paciente. Eles devem ampliar o conceito dos cuidados que oferecem, a responsabilidade e a compreensão que trazem à situação de oferta de seus cuidados. A prática atual da enfermagem psiquiátrica exige maior sensibilidade para o ambiente social e para as necessidades de defesa dos pacientes e suas famílias. Exige também, atenta consideração de dilemas éticos e legais complexos, que surgem de um sistema de assistência à saúde que se concentra na eficiência dos cuidados gerenciados, que podem apresentar desvantagens e discriminação contra os portadores de doenças ou transtornos mentais. (STUART E LARAIA, 2001). 3.METODOLOGIA Tipo de pesquisa: A pesquisa é do tipo exploratória. Essa pesquisa tem como principal finalidade desenvolver e esclarecer conceitos e idéias, com vistas na formulação de problemas

16 18 mais precisos ou hipóteses para estudos posteriores(gil, 1995). Informamos que este estudo obedece as normas da ABNT. Local do estudo: A pesquisa foi desenvolvida em um hospital psiquiátrico da cidade de João Pessoa - PB. População/Amostra: A população será composta pelos enfermeiros que trabalham no hospital e a amostra pelos enfermeiros presentes no momento da pesquisa. Totalizaram vinte participantes. Considerações éticas: Por envolver seres humanos, a pesquisa obedece ao que preconiza a Resolução 196/96, da Comissão Nacional de ética e Pesquisa, que regulamenta as Diretrizes e Normas da Pesquisa em Seres Humanos, do Ministério da Saúde. Desta forma, foi apresentado aos participantes do estudo o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido que garante a privacidade, o anonimato e a desistência da pessoa que está sendo entrevistado, sem prejuízo para o mesmo em qualquer etapa da pesquisa. Coleta de dados: Os dados foram colhidos no mês de junho do ano de 2004, e o instrumento utilizado para a pesquisa foi uma entrevista com o seguinte questionamento: Como é sua interação enfermeiro/paciente psiquiátrico? Análise de dados: Os dados obtidos foram analisados, através de uma leitura minuciosa dos depoimentos e das expressões chaves; além disso, foram calculadas as freqüências absolutas e percentuais, dispostas em tabelas. 4.ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo mostraremos as dificuldades e facilidades encontradas pelos enfermeiros psiquiátricos, com relação ao tratamento do paciente. Vale salientar que do total de 20 profissionais apenas 01 relatou não sentir dificuldades e facilidades na relação enfermeiro/ paciente psiquiátrico. A opinião dos demais, colocaremos em quadros, conforme exposição abaixo.

17 19 Quadro 1. Expressões que caracterizam a relação enfermeiro/paciente psiquiátrico, segundo as dificuldades encontradas. Respostas obtidas Número de pessoas Porcentagem (%) Agressividade do paciente 4 31% Aceitação do paciente ao 2 15% tratamento Diálogo com o paciente 2 15% Dificuldade por ser um 2 15% paciente especial Carência do paciente 1 08% Aguardar pelo 1 08% restabelecimento do paciente para um quadro de melhora Cuidado tardio por parte da 1 08% família FONTE: Pesquisa em campo Diante da análise realizada observamos que na relação enfermeiro/paciente psiquiátrico, segundo as dificuldades encontradas, a agressividade do paciente é a opção mais relatada entre os participantes da pesquisa. O profissional enfermeiro deve entender a situação de tal paciente devido a sua patologia. O enfermeiro pode discordar ou até mesmo recusar a aceitar as atitudes do paciente, mas é fundamental que ele controle e procure utilizar seus sentimentos de forma positiva para a recuperação do paciente, não ignorando o mesmo, Sabendo respeitá-lo como ser humano, valor essencial e único. Desse modo, segundo Espinosa (2000), o enfermeiro deve estar preparado para enfrentar os seus próprios sentimentos e emoções no contexto da relação com o paciente: averiguar que condutas provocam o bloqueio terapêutico, refletir sobre os seus próprios sentimentos para saber o que está se passando. Terá de explorar as razões que motivam tanto a

18 20 conduta do paciente como as suas próprias. Deve aceitar, assim, a responsabilidade da sua influência negativa no processo terapêutico. Quadro 2. Expressões que caracterizam a relação enfermeiro/paciente psiquiátrico, segundo as facilidades encontradas. Respostas obtidas Número de pessoas Porcentagem (%) Devido a experiência na 03 43% área Satisfação em trabalhar na 02 29% área Não Ter discriminação nem 01 14% medo se torna fácil a interação Consciência em aceitar o 01 14% comportamento do paciente devido sua patologia FONTE: Pesquisa em campo Com base na análise realizada observamos que na relação enfermeiro/paciente psiquiátrico, segundo as facilidades encontradas, a experiência na área de psiquiatria contribui para interação com pacientes especiais, isto relatou a maioria dos enfermeiros entrevistados. O enfermeiro atuante nesta área, por um período mais prolongado, desenvolve um conhecimento de si mesmo que facilita a relação terapêutica, o que é fundamental para que o profissional supere suas próprias barreiras para uma assistência cada vez mais qualificada ao paciente psiquiátrico. Atualmente, reconhece-se que o uso que o enfermeiro faz de sua própria personalidade pode ter uma influência terapêutica na experiência do cliente, se ele usar de compreensão e habilidade. Essa é a única ferramenta exclusiva sua e que apenas depende dele seu manejo. É importante que o profissional faça o melhor uso possível de seu tempo, sua energia e suas habilidades, dedicando-se àqueles clientes cujo diagnóstico de enfermagem indica um potencial em beneficiar-se com esse tipo de investigação feita pelo enfermeiro (TAYLOR, 1992).

19 21 5.CONSIDERAÇÕES FINAIS Após a realização deste estudo, consideramos que o paciente psiquiátrico do ponto de vista do cuidar, é um paciente que determina cuidados específicos, dado que as patologias psiquiátricas, envolvem de maneira geral o comportamento desses pacientes. Portanto a relação enfermeiro / paciente é determinada por dificuldades e facilidades no que se refere ao tratamento. A pesquisa ainda possibilitou averiguar que esta relação possui mais dificuldades que facilidades. Neste sentido, o Enfermeiro psiquiátrico, deve estar preparado para as adversidades que ocasionalmente são encontradas nesta relação. Assim esperamos que estudos futuros venham complementar este, contribuindo para a prática destes profissionais. 6.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DALLY, Heather Harrington. Psicologia e Psiquiatria na Enfermagem. São Paulo: Pedagógica e universitária Ltda, ESPINOSA, Ana Fernández. Psiquiatria: Guias Práticos de Enfermagem. Rio de Janeiro: McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ltda, FRAGA, Maria de Nazaré Oliveira. A Prática de Enfermagem Psiquiátrica: subordinação e resistência. São Paulo: Cortez, MANZOLLI, Maria Cecília. Enfermagem Psiquiátrica: Da Enfermagem Psiquiátrica à Saúde mental. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, MANZOLLI, Maria Cecília. Enfermagem Psiquiátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, NUNES, Portella; BUENO, Romildo. Psiquiatria e Saúde Mental: Conceitos Clínicos e Terapêuticos Fundamentais. São Paulo: Atheneu, QUEIROZ FILHO, José Pinto. Função, Disfunção e Controle da mente humana: Fundamentos de Psiquiatria para a clínica diária. Salvador: Universitária Americana, RODRIGUES, Antonia Regina Furegato. Enfermagem Psiquiátrica: Saúde mental: prevenção e intervenção. São Paulo: E.P.U, R, Susan Irving. Enfermagem Básica. 2ª ed. São Paulo: Editora M.S., 1979.

20 22 SILVA FILHO, Edvaldo Brilhante. História da Psiquiatria na Paraíba. João Pessoa: Santa Clara, STUART, Gail W.; LARAIA, Michele T. Enfermagem Psiquiátrica: Princípios e Prática. 6º edição. Porto Alegre : Artmed, STUART, Gail Wiscartz; LARAIA, Michele Teresa. Enfermagem Psiquiátrica: Enfermagem Prática. Rio de Janeiro: Reichmann e Affonso, TAYLOR, Cecília Monat. Fundamentos de Enfermagem Psiquiátrica de Mereness. 13ª ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I & PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I Marli Maria Loro 1 Ethiane Roever 2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz 3 Aline Neli Bernat

Leia mais

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS

GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS GRUPO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO SOCIAL DE MULHERES MASTECTOMIZADAS Gilmara Saraiva Bezerra 1 Irma Caroline Lima Verde da Silva 2 Nydia Cavalcante de Carvalho Pinheiro 3 Maria Zélia de Araújo Madeira

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

A filosofia ganha/ganha

A filosofia ganha/ganha A filosofia ganha/ganha Interdependência Talvez nunca tenha existido, na história da humanidade, uma consciência tão ampla sobre a crescente interdependência entre os fatores que compõem nossas vidas,

Leia mais

A DINÂMICA DA COMUNICAÇÃO NA FAMÍLIA E O SURGIMENTO DE SINTOMAS PSICÓTICOS EM ESQUIZOFRÊNICOS

A DINÂMICA DA COMUNICAÇÃO NA FAMÍLIA E O SURGIMENTO DE SINTOMAS PSICÓTICOS EM ESQUIZOFRÊNICOS A DINÂMICA DA COMUNICAÇÃO NA FAMÍLIA E O SURGIMENTO DE SINTOMAS PSICÓTICOS EM ESQUIZOFRÊNICOS MORAIS, Geuza Ferreira de Graduada em Psicologia pela Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL

Leia mais

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites?

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Cláudia Fabiana de Jesus Psicóloga e Mestre em Psicologia da Saúde Estimular a reflexão sobre os limites das abordagens Repensar sobre os

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS PELO MÉDICO QUE TRABALHA EM SERVIÇO DE LEPRA

ASPECTOS PSICOLÓGICOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS PELO MÉDICO QUE TRABALHA EM SERVIÇO DE LEPRA ASPECTOS PSICOLÓGICOS QUE DEVEM SER CONSIDERADOS PELO MÉDICO QUE TRABALHA EM SERVIÇO DE LEPRA J. MARTINS DE BARROS (*) Tôdas as moléstias costumam afetar de algum modo o psiquismo do indivíduo. Um simples

Leia mais

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Projetos Perfil e Competências do Coach Entidades Formadoras e Certificadoras Perfil e Competências do Coach Adriana

Leia mais

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB

O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB O PAPEL DO EDUCADOR NA REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL DOS USUÁRIOS DO CAPS II DE CAJAZEIRAS PB Flávio Pereira de Oliveira¹; Leiana Isis Soares de Oliveira²; Paloma Irys da Conceição¹; Hilana Maria Braga Fernandes¹

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

AS DIMENSÕES BÁSICAS DO ACONSELHAMENTO

AS DIMENSÕES BÁSICAS DO ACONSELHAMENTO AS DIMENSÕES BÁSICAS DO ACONSELHAMENTO Alessandro Alves Terapeuta leigo, Conselheiro, Aconselhador ou Consultor em Dependência Química Em muitas clinicas de tratamento para alcoolismo e dependência de

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro)

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) Código Deontológico (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) SECÇÃO II Do código deontológico do enfermeiro Artigo 78.º Princípios gerais 1 - As intervenções

Leia mais

Processo de Mudança & Entrevista motivacional

Processo de Mudança & Entrevista motivacional Processo de Mudança & Entrevista motivacional Ruth Borges Dias GESF 17/11/2008 Etapas do Processo de mudança de Prochaska e DiClemente Pré-contemplação Contemplação Preparação Ação Manutenção Recaída

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO Sistematização da Assistência de Enfermagem = Processo de Enfermagem Na década de 50, iniciou-se o foco na assistência holística da

Leia mais

Habilidades sociais. Clínica

Habilidades sociais. Clínica Clínica Habilidades sociais Já se tornou lugar-comum achar que a busca pela terapia se dá apenas quando há alguma questão estritamente individual a ser resolvida. Mas essa crença cai por terra no momento

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL

GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL 1 GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL Edelvais Keller 1; Dorli Terezinha de Mello Rosa 2; Jovani Antonio Se 1 cchi

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia de Casal Débora Kalwana Flávia Verceze Júlia Montazzolli

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL Disciplina: A ética descritiva sob a Perspectiva Interdisciplinar 1 e 2 A ética descritiva, Logoterapia e as esferas

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO 6 PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO Súmario Introdução 03 #1 Desenvolva-se Pessoalmente 05 #2 Pratique Autoconhecimento 07 #3 Seja Líder de Si Mesmo 08 #4 Controle

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

Psicopedagogia Institucional. Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br

Psicopedagogia Institucional. Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br Psicopedagogia Institucional Profa. Ms. Cintia Perez Duarte cperezduarte@yahoo.com.br O psicopedagogo dentro da empresa atua diretamente com o interrelacionamento entre todos com o aprendizado, com o desempenho

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

RESENHA BIBLIOGRÁFICA

RESENHA BIBLIOGRÁFICA RESENHA BIBLIOGRÁFICA BERVIQUE, Profa. Dra. Janete de Aguirre Docente do Curso de Psicologia FASU / ACEG - Garça-SP Brasil e-mail: jaguirreb@uol.com.br 1. IDENTIDADE DA OBRA MAY, Rollo O homem à procura

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA

CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA 1 CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FUNDAMENTADA EM SUA PRÓPRIA ÓTICA Samuel Rodrigues de Paula Introdução: No mundo inteiro o alcoolismo é considerado, um dos mais graves problemas de ordem social e

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS

AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS AS PRÁTICAS PSICOSSOCIAIS DE ATENDIMENTO À SAÚDE MENTAL EM MARINGÁ-PR: O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS E OS USUÁRIOS DESTES SERVIÇOS Partindo do ponto de que a saúde mental está vivendo, há alguns anos,

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento MÓDULO 1 Psicoeducação, organização e planejamento Psicoeducação e introdução a habilidades de organização e planejamento Sessão 1 (Corresponde aos Capítulos 1, 2 e 4 do Manual do paciente) MATERIAIS NECESSÁRIOS

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 04 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Rafaela Conde de Souza Entrevistadora: Luciana Zanella Gusmão TEMA: A IMPORTÂNCIA DA DINÂMICA DE GRUPO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO.

TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO. TÍTULO: ADOÇÃO TARDIA E SEU IMPACTO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO: UM ESTUDO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADES DE DRACENA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva²

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² INTRODUÇÃO A empatia é uma habilidade socialmente aprendida,

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA Talvane M. de Moraes Médico especialista em psiquiatria forense Livre Docente e Doutor em Psiquiatria Professor de psiquiatria forense da Escola da Magistratura

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas *Vanessa Ferreira Silva Breve histórico da psicopedagogia De acordo com Bossa (2000, p.37) a psicopedagogia surgiu na Europa, mais precisamente

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe:

Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: Dinâmica de grupo, o grupo e a equipe: O estudo de grupos sociais surgiu desde os primórdios da sociologia, com suas distinções a respeito de diferentes tipos de grupos e da preocupação com a análise das

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1.

PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I PROCESSO DECISÓRIO EM ENFERMAGEM 1. GRECO, ROSANGELA MARIA 2 Objetivo

Leia mais