UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ THAIS HELENA ADAM DE OLIVEIRA CONTROLE INTEGRADO DE ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAIS NO COMÉRCIO DE ALIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ THAIS HELENA ADAM DE OLIVEIRA CONTROLE INTEGRADO DE ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAIS NO COMÉRCIO DE ALIMENTOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ THAIS HELENA ADAM DE OLIVEIRA CONTROLE INTEGRADO DE ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAIS NO COMÉRCIO DE ALIMENTOS CURITIBA 2012

2 THAIS HELENA ADAM DE OLIVEIRA CONTROLE INTEGRADO DE ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAIS NO COMÉRCIO DE ALIMENTOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito parcial para obtenção do grau de Médica Veterinária. Orientadora: Profª Drª Anderlise Borsoi. CURITIBA 2012

3 Reitor Prof. Luiz Guilherme Rangel Santos Pró-Reitor Administrativo Sr. Carlos Eduardo Rangel Santos Pró-Reitora Acadêmica Prof a Carmen Luiza da Silva Pró-Reitor de Planejamento e Avaliação Sr. Afonso Celso Rangel Santos Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Prof a Roberval Eloy Pereira Secretário Geral Prof. João Henrique Faryniuk Coordenadora do Curso de Medicina Veterinária Prof a Ana Laura Angeli Coordenadora de Estágio Curricular do Curso de Medicina Veterinária Prof a Ana Laura Angeli Metodologia Cientifica Prof. Jair Mendes Marques CAMPUS: PROF. SYDNEI LIMA SANTOS (BARIGUI) Rua: Sydnei A. Rangel Santos, 238 Santo Inácio CEP: Curitiba - Paraná Fone:(41)

4 TERMO DE APROVOÇÃO THAIS HELENA ADAM DE OLIVEIRA CONTROLE INTEGRADO DE ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAIS NO COMÉRCIO DE ALIMENTOS O presente Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado e aprovado para obtenção do título de Médica Veterinária no Curso de Graduação em Medicina Veterinária da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, 05 de dezembro de Medicina Veterinária Universidade Tuiuti do Paraná Orientadora: Profª Doutora Anderlise Borsoi Universidade Tuiuti do Paraná Membros: Profª Doutora Silvana Krychak Furtado Universidade Tuiuti do Paraná Profª Cássima Garcia Laureano dos Santos Universidade Tuiuti do Paraná

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho ao meu Pai, meu Irmão, minha Dinda e minha família que acreditaram e incentivaram este sonho de vida inteira e que são os responsáveis pela minha orientação moral. Aos colegas de todos os períodos que estiveram comigo nesta caminhada, em especial, Rosana, Nani, Lisis, Virgula, Paola, Lola, Leila, Carol, Carolzinha, Maicon, que levemos nossa amizade para o resto da vida. Aos meus orientadores Anderlise Borsoi e Eduardo A. S. Lobato que contribuíram com seus conhecimentos em todos os sentidos de forma ampla e clara, ajuda na vida acadêmica e por sua amizade e confiança em mim depositados e aos demais professores da UTP que fizeram da universidade a extensão do meu lar, nesses anos todos.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus e a minha Mãe por iluminar cada passo dado e me afastado de todo perigo, e ao meu Pai por me dar a oportunidade de chegar até aqui e me tornar uma Médica Veterinária.

7 RESUMO Os Roedores Sinantrópicos Comensais conhecidos popularmente por ratazanas, ratos de telhado e camundongos geram uma perda anual de cerca de 8% da produção mundial de alimentos (cerais e grãos principalmente). Além de causarem prejuízos econômicos, estão diretamente associados à Saúde Pública em decorrência de serem reservatórios de agentes de zoonoses. O Controle Integrado de Roedores ou de outras pragas num geral, tem como objetivo de impedir a instalação e proliferação desses animais indesejados no comércio, com a incorporação de medidas preventivas e corretivas no local, utilizando raticidas apenas quando estas medidas não são efetuadas com sucesso. Palavras chave: Roedores Sinantrópicos Comensais, Controle Integrado de Pragas, Zoonoses.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 HIGIENIZAÇÃO CORRETA DAS MÃOS 18 Figura 1.1 HOMOGENEIZADOR 19 Figura HIGIENIZAÇÃO DO HOMOGENEIZADOR 20 Figura 1.3 EMBALAGENS EM PALETES DE PLÁSTICO 21 Figura 1.4 ESBOÇO DA PLANTA DO AÇOUGUE 21 Figura 2 PRODUTO DOM INDÍCIO DE RECONGELAMENTO 22 Figura 2.1- EXEMPLO DE PLANILHA DE HIGIENIZAÇÃO PRESENTE NOS SETORES, COM OBJETIVO DE CONTROLE DOS PROCEDIMENTOS DE HIGIENE 23 Figura 2.2- PEIXES COM COBERTURA DE GELO DENTRO DA CÂMARA DE REFRIAMENTO 23 Figura 2.3 ESBOÇO DA PLANTA DA PEIXARIA 24 Figura 3 ÁREA DE VENDAS 24 Figura 3.1 PARTE INTERNA DO MARACANÃ 25 Figura 3.2 ESBOÇO DA PLANTA DA SALSICHARIA 26 Figura 4 QUEIJO MUSSARELA PARA PRODUÇÃO DE CROASSAINT IDENTIFICADO 27 Figura 4.1 ÁREA DE MANIPULAÇÃO DA PADARIA 27 Figura 4.2 ESBOÇO DA PLANTA DA PADARIA 28 Figura 5 EXPOSITOR REFRIGERADO DE BOLOS 28 Figura 5.1 AFERIÇÃO DE TEMPERATURA DO LOCAL DE MANIPULAÇÃO 29 Figura 5.2 PRODUTO PRONTO, EMBALADO E IDENTIFICADO 29 Figura 6 ESBOÇO DA PLANTA DA CAFETERIA 30 Figura 7 MELANCIA FRACIONADA SEM IDENTIFICAÇÃO E MAMÃO FRACIONADO SEM DATA DE VALIDADE NA ÁREA REFRIGERADA 31 Figura 7.1 ESBOÇO DA PLANTA DO FLV 31 Figura 8 PRODUTOS EXCEDENDO O LIMITE DE ABASTECIMENTO 32 Figura 8.1 ESBOÇO DA PLANTA DO PAS 32

9 Figura 9 PRODUTOS DEVIDAMENTE ESTOCADOS 33 Figura 10 MORFOLOGIA COMPARATIVA DAS ESPÉCIES DE ROEDORES SINANTRÓPICOS 39 Figura 11 RATAZANA OU RATO DE ESGOTO 39 Figura 11.1 CARACTERÍSTICA DA RATAZANA 40 Figura 12 RATO DO TELHADO OU RATO PRETO 41 Figura 12.1 CARACTERÍSTICAS DO RATO DE TELHADO 42 Figura 13 CAMUNDONGO OU RATO CASEIRO 43 Figura 13.1 CARACTERÍSTICAS DO CAMUNDONGO 43 Figura 14 QUADRO DEMONSTRATIVO DO CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS 45 Figura 15 HIGIENIZAÇÃO DIÁRIA DO ESTABELECIMENTO 46 Figura 15.1 INSPEÇÃO DE VEÍCULOS E PRODUTOS RECEBIDOS 47 Figura 15.2 PRODUTO ARMAZENADO EM PALETE E PROTEGIDO 47 Figura 15.3 ACESSO PARA ROEDORES 48 Figura 15.4 PRESENÇA DE FEZES DE ROEDORES 48 Figura 15.5 PEGADAS DE ROEDORES 48 Figura 16 BUEIRO FECHADO 49 Figura 16.1 JANELA PROTEGIDA COM TELA 49 Figura 16.2 ARMADILHA COM COLA ADESIVA PARA ROEDORES 50 Figura 16.3 RATOEIRA 50 Figura 16.4 GAIOLA PARA CAPTURA DE ROEDORES 50 Figura 17 RATOL GRANULADO 53 Figura KLERAT BLOCO PARAFINADO 53

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DE BIOLOGIA DOS ROEDORES SINANTRÓPICOS 44

11 LISTA DE ABREVIATURAS ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária MAPA Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. FUNASA Fundação Nacional de Saúde POP Programa Operacional Padrão PAS Programa Alimento Seguro FLV Frutas Verduras e Legumes T C Temperatura em graus celsius N - Número

12 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 14 2 OBJETIVO DO ESTÁGIO 15 3 LOCAL DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 15 4 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS AÇOUGUE PEIXARIA SALSICHARIA PADARIA CONFEITARIA CAFETERIA FLV (Frutas, Legumes e Verduras) PAS RECEBIMENTO DEPÓSITO TREINAMENTO DE FUNCIONÁRIOS CONTROLE DE PRAGAS 34 5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAIS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS RATOS RATAZANA Rattus norvegicus RATO DO TELHADO Rattus rattus CAMUNDONGO Mus musculus CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Medidas preventivas Medidas corretivas Controle químico Ratol granulado Klerat bloco parafinado 53 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS 54

13 7 REFERÊNCIAS 55

14 14 1 APRESENTAÇÃO Este Trabalho de Conclusão de Curso (T.C.C), apresentado ao curso de Medicina Veterinária da Universidade Tuiuti do Paraná, pela graduanda Thais Helena Adam de Oliveira, como requisito parcial para a obtenção do grau de Médica Veterinária, é composta pela Revisão Bibliográfica de Controle Integrado de Roedores Sinantrópicos Comensais no comércio de alimentos e pelo Relatório de Estágio, no qual são descritas atividades realizadas durante o período de 03 de setembro a 30 de novembro de 2012 no Hipermercado Carrefour, localizado na cidade de Curitiba PR.

15 15 2 OBJETIVO DO ESTÁGIO O estágio obrigatório supervisionado foi realizado no Hipermercado Carrefour Comércio e Indústria Ltda Parolin, localizado em Curitiba-PR, tendo como objetivo acompanhar a rotina e a importância do Médico Veterinário na área de higiene e inspeção de produtos de origem animal e no controle de qualidade do mesmo, com função de verificar vencimento de produtos, higiene e organização de todos os setores, supervisão de reforma, presença de pragas, irregularidade na cadeia frio quente, irregularidade de identificação, irregularidade de rotulagem e principalmente orientação aos funcionários conforme o Manual de Boas Práticas de Fabricação exigido pela ANVISA, disposto na RDC 216 de 15 de Setembro de 2004 (ANVISA, 2004). 3 LOCAL DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO O estágio obrigatório foi realizado na empresa Carrefour Comércio e Indústria Ltda, localizado na Avenida Marechal Floriano Peixoto, 3031, Rebouças, Curitiba- Paraná, cep Nos últimos 40 anos, o grupo Carrefour cresceu e se tornou um dos grupos mundiais líderes de distribuição, considerada a 2ª empresa varejista do mundo e a maior da Europa. O Carrefour foi criado em 1963 na cidade de Sainte Geneviève des Bois, perto de Paris na França, expandindo sua franquia em mais 32 países, atuando na Europa, Ásia e América Latina, sendo a primeira loja inaugurada no Brasil em 1975 (CARREFOUR, 2012). O estágio supervisionado transcorreu no período de 03 de setembro a 30 de novembro, tendo como orientador profissional o Médico Veterinário Eduardo Augusto Scardanzan Lobato e como professora orientadora a Médica Veterinária Dra. Anderlise Borsoi, com duração de 379,7 horas. Foi realizado também o internato na fazenda e na clínica veterinária da universidade, totalizando a carga horária exigida de 435,7 horas.

16 16 4 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS O estagiário quando chega ao local de trabalho divide suas 6 horas diárias percorrendo 7 setores, fazendo em torno 40 minutos cada um, sendo que no final do dia faz-se um relatório de todas as atividades desenvolvidas e enviando para a matriz de São Paulo. O mesmo, ficava encarregado de verificar vencimento de produtos, higiene e organização de todos os setores, presença de reforma, presença de pragas, irregularidade na cadeia frio quente, irregularidade de identificação, irregularidade de rotulagem de acordo com a RDC 216 (ANVISA, 2004). Os procedimentos dos setores eram realizados conforme as diretrizes da RDC 216, que preconizava: HIGENIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS...A área de preparação do alimento deve ser higienizada quantas vezes for necessárias e imediatamente após o término do trabalho; os produtos saneantes utilizados devem estar regularizados pelo Ministério da Saúde.... CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBARNAS...A edificação, as instalações, os equipamentos, os móveis e os utensílios devem ser livres de vetores e pragas, deve existir um conjunto de ações eficazes e contínuas de controle, com objetivo de impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou proliferação dos mesmos; quando as medidas de prevenção adotadas não forem eficazes, o controle químico deve ser empregado com produtos regularizados pelo Ministério da Saúde.... ABASTECIMENTO DE ÁGUA...Deve ser utilizado somente água potável para manipulação de alimentos; o gelo utilizado em alimentos deve ser fabricado a partir da água potável... MANIPULAÇÃO:...Os funcionários devem apresentar-se, com uniformes compatíveis à atividade, conservados e limpos; devem lavar cuidadosamente as mãos; devem usar cabelos presos e protegidos por toucas, não sendo permitido o uso de barba, unhas devem estar curtas e sem esmalte, e durante a manipulação, devem ser retirados todos os objetos de adorno pessoal e maquiagem, os manipuladores devem ser capacitados....

17 17 MATÉRIAS PRIMAS, INGREDIENTES E EMBALAGENS:...A recepção destes itens deve ser realizada em área protegida e limpa; as embalagens primárias das matérias primas e dos ingredientes devem estar íntegras, a temperatura das matérias primas e ingredientes que necessitem de condições especiais de conservação deve ser verificada nas etapas de recepção e de armazenamento; o armazenamento deve ser feito em local limpo e organizado, sobre paletes, estrados e ou prateleiras de material liso, resistente, impermeável e lavável... PREPARAÇÃO DO ALIMENTO:...Matérias primas, ingredientes e as embalagens utilizadas para preparação do alimento devem estar em condições higiênicosanitárias adequadas e em conformidade com a legislação específica; durante a preparação devem ser adotadas medidas a fim de minimizar o risco de contaminação cruzada, entre elas evitar contato direto ou indireto de alimentos crus, semi-preparados e prontos para consumo; funcionários que manipulem devem realiza a lavagem e a anti-sepsia das mãos; produtos perecíveis devem ser expostos à temperatura ambiente somente pelo tempo mínimo necessário para preparação do alimento; matérias primas e os ingredientes não utilizados por completo, devem ser adequadamente acondicionados e identificados com data de fracionamento e prazo de validade após retirado da embalagem original e designação do produto; o tratamento térmico deve garantir que todas as partes do alimento atinjam a temperatura de, no mínimo, 70 C (setenta graus celsius); os óleos e gorduras utilizados devem ser aquecidos a temperatura não superior a 180 C; produtos congelados, antes do tratamento térmico, deve-se proceder ao descongelamento, a fim de garantir adequada penetração do calor; o descongelamento deve ser efetuado em condições de refrigeração à temperatura inferior a 5 C (cinco graus Celsius); produtos descongelados não devem ser recongelados; o prazo máximo de consumo do alimento preparado e conservado sob refrigeração a temperatura de 4 C (quatro graus Celsius) ou inferior deve ser de 5 (cinco) dias... Com base nas exigências acima descritas o estágio foi realizado nos setores de: açougue, peixaria, salsicharia, padaria, confeitaria, cafeteria, frutas verdura e legumes, produtos de auto serviço (PAS), recebimento, depósito de produtos perecíveis, treinamento dos funcionários e controle integrado de pragas.

18 AÇOUGUE O estagiário instrui-se a seguir os padrões de higiene contidos na Resolução 216 ANVISA, verificando-se os balcões de atendimento quanto à temperatura do mesmo e do produto, presença do selo do fornecedor nas peças expostas, higiene do balcão, se os produtos de diferentes espécies estão separados por divisórias para evitar contaminação cruzada, a utilização completa de uniformes limpos, higiene das mãos no momento do atendimento. A higienização das mãos era feita da seguinte maneira (Figura 1): Molhar as mãos; usar sabonete líquido; esfregar antebraço, mãos, unhas e dedos; Enxaguar; Secar com papel toalha branco não reciclado. A higienização das mãos era obrigatória: a cada troca de atividades; ao tossir, espirrar; ao tocar em sacarias e caixas; ao recolher lixo; ao interromper o trabalho; ao utilizar sanitários; ao usar produtos de limpeza e ao tocar em alimentos crus. Figura 1 HIGIENIZAÇÃO CORRETA DAS MÃOS Fonte: CARREFOUR, 2012 Nos expositores refrigerados e ilhas de congelamento eram aferidas as temperaturas quando necessário (a temperatura é aferida por um funcionário específico, o estagiário afere a temperatura somente em casos que sejam notadas irregularidades como: quando o produto apresenta-se descongelando, quando havia

19 19 problemas técnicos que possam danifica-lo de alguma forma), higiene dos mesmos, validade dos produtos, aspecto da embalagem e rotulagem e qualidade dos produtos expostos. Na área de manipulação era verificado quanto aos manipuladores utilizando toucas, uniformes completos e sem nenhum tipo de adorno no local, se o setor apresentava papel de mão, detergente e álcool para higiene pessoal, ocorria à verificação se os procedimentos estavam corretos na área de manipulação, se havia presença de embalagens primárias e caixas de papelão no local, organização no momento da manipulação se estava respeitando as mesas para cortes identificados (ex: frango, bovino, suíno) para evitar a contaminação cruzada e se a serra fita era higienizada após a mudança de espécie e/ou para mudança de lotes. Após a manipulação era verificado se o setor foi higienizado de maneira correta, sendo higienizado ralos, mesas, facas, serra fita, chão, embaladora, carrinho de inox, entre outros, conforme a planilha de higienização presente no setor. Câmara de moída Verificava-se se o homogeneizador (Figura 1.1) era higienizado a cada lote, quando havia presença de retalhos para moídas verifica-se se estavam identificadas com o nome do produto e data de manipulação/ validade, organização quanto ao armazenamento das bandejas dentro do armário suspenso. Aferição da temperatura da câmara. Figura HOMOGENEIZADOR Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

20 20 A higienização do homogeneizador (Figura 1.2) era feita da seguinte maneira: o aparelho é retirado da eletricidade; remover as peças móveis; lavar peça por peça com detergente neutro diluído na mangueira; enxaguar as peças em água corrente; aplicar sanitizante e deixar agir por 15 min; enxaguar em água corrente e deixar secar naturalmente. Lavar a máquina com detergente alcalino diluído na mangueira; esfregar com esponja sintética por dentro e por fora e enxaguar; aplicar sanitizante e deixar agir por 15 min; enxaguar novamente e deixar secar naturalmente. Figura HIGIENIZAÇÃO DO HOMOGENEIZADOR Fonte: CARREFOUR, Câmara de frango verificação da temperatura da câmara, organização no local, se os produtos estão armazenados longe das paredes, data de validade dos produtos estocados, em caso de bandejas prontas verificação da identificação de manipulação e validade do produto. Câmara de suínos Verificação da temperatura da câmara, organização e armazenagem correta dos produtos, carcaça com presença de selo do fornecedor e carimbo. Câmara de bovinos Verificação da organização do local, se as meias carcaças bovinas apresentavam selo do fornecedor e carimbo, se a temperatura estava correta.

21 21 Estoque de embalagens armazenadas em cima de paletes de plástico (Figura 1.3), longe de paredes e organizadas. Figura 1.3 EMBALAGENS EM PALETES DE PLÁSTICO Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012 Figura 1.4 ESBOÇO DA PLANTA DO AÇOUGUE Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

22 PEIXARIA Balcão de atendimento verificação da temperatura do balcão, se a camada de gelo estava devidamente posta e verificava-se ascaracterísticas organolépticas dos peixes expostos. Expositor e ilha de congelados aferição da temperatura dos produtos, verificação de possível presença de produto descongelado, verificação da validade, rotulagem e embalagem, verificação de presença de indícios de recongelamento (Figura 2). Figura 2 PRODUTO DOM INDÍCIO DE RECONGELAMENTO Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012 Manipulação verificação da higiene do local conforme a planilha de higienização presente no local (Figura 2.1), se a manipulação estava seguindo os manuais de boas práticas, se os funcionários estavam utilizando uniforme completo, com toucas e sem adornos, se não estava faltando produtos para higiene pessoal como papel, sabonete líquido e álcool em gel.

23 23 Figura 2.1 EXEMPLO DE PLANILHA DE HIGIENIZAÇÃO PRESENTE NOS SETORES, COM OBJETIVO DE CONTROLE DOS PROCEDIMENTOS DE HIGIENE Fonte: CARREFOUR, Câmara de resfriamento Verificação dos produtos quanto à presença de gelo como cobertura para peixes (Figura 2.2), qualidade do gelo, produtos armazenados longe das paredes e em paletes de plástico, validade dos produtos estocados, higiene do local. Figura 2.2: PEIXES COM COBERTURA DE GELO DENTRO DA CÂMARA DE REFRIAMENTO Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

24 24 Figura 2.3 ESBOÇO DA PLANTA DA PEIXARIA Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, SALSICHARIA Área de vendas (figura 3) verificação dos balcões e dos produtos quando necessário, avaliação da embalagem, verificação quanto à data de validade, rotulagem e limpeza do local. Figura 3 ÁREA DE VENDAS Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

25 25 Manipulação - Verificação da utilização de uniformes completos pelos funcionários, com utilização de touca e sem adornos, observação visual do procedimento de higienização das mãos antes da manipulação, verificação da higienização após a manipulação conforme a planilha de higienização, aferição da temperatura do local, se não estava faltando papel, sabonete e álcool em gel para higiene pessoal dos funcionários, se não havia produtos fora da temperatura adequada por tempo excessivo e se não estava havendo ocorrência de produtos reembalados. Câmara 1, 2 e 3 Aferição da temperatura, vistoria de produtos estocados longe das paredes, prazo de validade, qualidade do produto, embalagens sem danos, produtos manipulados identificados com data de manipulação/validade, higiene do local. Laboratório frango vistoria da limpeza e organização diária após manipulação e se as embalagens estão devidamente guardadas nas prateleiras. Maracanã (Figura 3.1) subdivisão da salsicharia, é o local onde será vendido produtos agranel como: presunto gordo e magro, peito de peru, mortadela, salame, queijos, entre outro produtos, que são expostos em balcão fechado refrigerado até 7 C. Após a manipulação no local, era verificada a higienização de equipamentos, mesas e chão, conforme a planilha de higienização presente no local, se os produtos prontos estavam devidamente identificados com data de manipulação/validade. Figura 3.1 PARTE INTERNA DO MARACANÃ Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

26 26 Figura 3.2 ESBOÇO DA PLANTA DA SALSICHARIA Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, PADARIA Área de vendas verificação de produtos vencidos, identificações e rotulagens incorretas e se os produtos estavam sendo expostos de maneira correta. Estoque seco - verificação de sacos de farinha ou outros produtos encostados na parede, higiene do local, validade dos produtos presentes, produtos abertos identificados com data de manipulação/validade. Sala de carrinhos de pães - vistoria da higiene do local e dos carrinhos de pães. Câmara aferição da temperatura; verificação se os produtos estavam identificados com data de manipulação/validade (Figura 4), higiene do local, validade dos produtos fechados e se estavam armazenados longe das paredes.

27 27 Figura 4 QUEIJO MUSSARELA PARA PRODUÇÃO DE CROASSAINT IDENTIFICADO Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012 Manipulação (Figura 4.1) vistoria da utilização de uniformes completos pelos funcionários com utilização de touca e sem adornos, se os produtos estavam corretamente identificados e embalados, se os procedimentos de manipulação seguiam o manual de boas práticas, verificação se não havia falta de papel, sabonete e álcool em gel para higienização pessoal e se o local estava organizado durante a manipulação. Após manipulação era verificado a higienização conforme a planilha de higienização presente no local. Figura 4.1 ÁREA DE MANIPULAÇÃO DA PADARIA Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

28 28 Figura 4.2 ESBOÇO DA PLANTA DA PADARIA Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, CONFEITARIA Área de vendas (figura 5) aferição da temperatura do expositor refrigerado, verificação de datas de validade, qualidade das embalagens e produtos expostos, e verificação de irregularidade de identificação ou rotulagem do produto. Figura 5 EXPOSITOR REFRIGERADO DE BOLOS Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012 Manipulação verificação da utilização de uniformes completos, com touca e sem adornos pelas funcionárias, da higiene do local conforme a planilha de

29 29 higienização presente no setor, se os produtos estavam acondicionados de maneira correta e identificados quando necessários, observação da organização e higiene pessoal das funcionárias no momento da manipulação e aferição da temperatura do local quando necessário. Câmara Aferição da temperatura (Figura 5.1) somente quando alguma irregularidade aparente, como danos no motor que refrigera o local, se produtos prontos estavam embalados e identificados individualmente com data de manipulação/validade (Figura 5.2) e se os produtos estavam acondicionados de maneira correta longe das paredes. Figura 5.1 AFERIÇÃO DE TEMPERATURA DO LOCAL DE MANIPULAÇÃO Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012 Figura 5.2 PRODUTO PRONTO, EMBALADO E IDENTIFICADO Fonte: CARREFOUR, 2012.

30 CAFETERIA Área de atendimento aferição das temperaturas dos balcões quando necessário, vistoria da data de manipulação e validade presente em cada expositor, se os produtos manipulados estavam devidamente identificados com data de manipulação/validade, verificação do procedimento de higiene pessoal das funcionárias, higiene e organização do local. Manipulação Verificação da utilização de uniforme completo, com touca e sem adornos, data de validade dos produtos, se os produtos manipulados estavam devidamente identificados, higiene pessoal da manipuladora e higiene e organização do local. Figura 6 ESBOÇO DA PLANTA DA CAFETERIA Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, FLV (Frutas, Legumes e Verduras) Área de vendas verificação de data de validade, qualidade dos produtos, produtos refrigerados nas geladeiras, se os produtos fracionados estavam sendo identificados e colocados na refrigeração (Figura 7), se estava sendo feita a higiene dos expositores e se havia presença de vetores.

31 31 Figura 7 MELANCIA FRACIONADA SEM IDENTIFICAÇÃO E MAMÃO FRACIONADO SEM DATA DE VALIDADE NA ÁREA REFRIGERADA Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012 Manipulação verificação da limpeza conforme a planilha de higienização do setor e se produtos fracionados estavam sendo devidamente colocados em área refrigerada. Estoque climatizado Vistoria quanto a produtos encostados nas paredes, se os produtos de devolução estavam sendo sinalizados corretamente e se os produtos estavam com qualidade para ir para área de vendas. Figura 7.1 ESBOÇO DA PLANTA DO FLV Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

32 PAS Área de vendas aferição da temperatura quando necessário, verificação se havia produtos descongelados no local, verificação de validade, rotulagem e embalagem, se os produtos não estavam excedendo o limite de abastecimento (Figura 8), limpeza das prateleiras e ilhas conforme a planilha de higienização presente no setor. Figura 8 PRODUTOS EXCEDENDO O LIMITE DE ABASTECIMENTO Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012 Câmara 1 e 2 Verificação se os produtos não estavam próximos das paredes, se o local estava limpo, se não havia excesso de empilhamento, se os produtos estavam sobre paletes de plástico ou em prateleiras, se a área de quebra estava sinalizada e aferição do local quando necessário. Figura 8.1 ESBOÇO DA PLANTA DO PAS Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

33 RECEBIMENTO Fazia-se a aferição da temperatura da parte interna dos caminhões e dos produtos recebidos, verificava-se datas de validade, qualidade dos produtos entregues, problemas de irregularidade da rotulagem e embalagem, se não havia existência de vetores nas mercadorias e tempo de exposição da chegada até a estocagem do produto DEPÓSITO Verificação dos produtos estocados quanto a higiene do local e organização, se o produto esta devidamente protegido com uma película plástica, sobre paletes ou prateleiras, longe das paredes, tentando não exceder o limite de empilhamento. Figura 9 PRODUTOS DEVIDAMENTE ESTOCADOS Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, TREINAMENTO DE FUNCIONÁRIOS O treinamento era feito pelo responsável técnico RT da loja a cada 15 dias, tentando nesses dias dar palestras ao máximo de funcionários disponíveis pelos

34 34 gerentes no dia. As palestras eram oferecidas para todos os funcionários dos perecíveis e nela era abordado os Manuais de Boas Práticas, enfatizando higienização, modos corretos de manipulação, armazenamento, temperatura dos produtos, higiene pessoal e recebimento de produtos CONTROLE DE PRAGAS Era acompanhado a cada 7 dias o técnico de controle de pragas da empresa Ambiente, verificando as armadilhas postas, se havia indícios de presença de pragas e supostos abrigos para elas, acompanhamento na colocação de produtos químicos quando havia infestação de pragas em algum local e troca de fitas adesivas utilizadas para captura de moscas. Como medidas preventivas e de controle, a empresa oferece treinamentos aos funcionários enfatizando o Manual de Boas Práticas, que instrui o funcionário a tomar precauções, entre elas à higienização e armazenagem corretas de alimentos que tem como finalidade evitar oportunidades para a instalação de pragas no local. Era acionado quando necessário, o departamento de manutenção para arrumar como, por exemplo, portas de contenção, telas de janelas, vazamento de água, orifícios em paredes, problemas de iluminação entre outros. Eram empregadas também, caso havia presença de pragas, armadilhas com fita adesiva, gaiola para captura e inseticidas e raticidas registrados no Ministério da Saúde. A empresa Ambiente responsável pelo controle de pragas, tem autorização de utilizar os seguintes inseticidas e raticidas registrados pelo Ministério da Saúde e permitidos na utilização em mercados: inseticidas DEMAND 2,5 CS, DDVP-DICLORVOS, ALFATEK SC e BLATUM GEL F, e como raticidas RATOL GRANULADO e KLERAT BLOCO PARAFINADO. Nas publicações das Portarias 326/1997 ANVISA (ANVISA, 1997) e 368/1997 MAPA (MAPA, 1997), o Responsável Técnico era responsável pelo controle de pragas urbanas, mas após a publicação da Resolução 275/2002 ANVISA (ANVISA, 2002), o Responsável técnico deixou de responder pelo controle, direcionando estas ações para empresas prestadoras de serviço especializada, porem cabe a ele a responsabilidade do acompanhamento das ações feitas pela empresa especializada.

35 35 O objetivo do presente texto foi realizar a revisão bibliográfica sobre Controle Integrado de Pragas, abordando Roedores Sinantrópicos Comensais no comércio de alimento, visto que, esta praga representa problemas econômicos e sanitários de relevância ao homem.

36 36 5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A qualidade do alimento oferecido à população sempre foi uma preocupação do Governo Federal, observada com a publicação, em 27 de fevereiro de 1967, do Decreto Lei 209 que institui o Código Brasileiro de Alimentos o qual em seu Art. 1 diz: a defesa e a proteção da saúde individual e coletiva, no tocante a alimentos, desde a sua obtenção até o seu consumo, serão reguladas, em todo o território brasileiro, pelas disposições deste Código (SENADO FEDERAL, 1967; MATIAS, 2007) Em 21 de outubro de 2002, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), estabeleceu em normas legais, o Procedimento Operacional Padrão (POP) com a formulação da RDC 275. Este tem como objetivo instruir sequências para realização de operações rotineiras e específicas, sendo estabelecido em 8 pontos principais, entre eles: Higienização das instalações, equipamentos, móveis e utensílios; Controle de potabilidade da água; Higiene e saúde dos manipuladores; Manejo de resíduos; Manutenção preventiva e calibração de equipamentos; Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas; Seleção das matérias primas, ingredientes e embalagens e Programa de recolhimento de alimentos (ANVISA, 2002; MATIAS, 2007). Os POPs referentes ao controle integrado de vetores e pragas urbanas devem contemplar as medidas preventivas e corretivas destinadas a impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou a proliferação de vetores e pragas urbanas (ANVISA, 2002; MATIAS, 2007, SOUZA, 2011). O Controle Integrado de Pragas tem como objetivo evitar que as pragas se instalem no estabelecimento, visando métodos preventivos como a implantação de Boas Práticas de Fabricação e métodos corretivos com a adoção de manutenção das instalações e colocação de armadilhas para controle, e caso não haja resultado a utilização de produtos químicos (GIORDANO, 2004). 5.1 ROEDORES SINANTRÓPICOS COMENSAIS São considerados roedores sinantrópicos comensais ratos e camundongos que dependem unicamente do homem para sua sobrevivência, em virtude de terem seus ambientes naturais prejudicados pelo próprio homem, entre as espécies comensais

37 37 encontramos a ratazana (Rattus norvegicus), o rato do telhado (Rattus rattus) e o camundongo (Mus musculus) (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). Estes animais competem diretamente com o homem por alimentos, estima-se uma perda anual de até 8% da produção mundial de cereais e raízes, a perda pode ser maior se for considerado contaminação dos alimentos, farelos e rações para animais, por urina e fezes e o desperdício pelo rompimento de sacarias e outras embalagens (ZUBEN, 2006; NAGANO, 2011). Além de causarem prejuízos econômicos, estão diretamente associados à Saúde Pública em decorrência de serem reservatórios para agentes de zoonoses (doenças transmitidas do animal para homem), entre elas: Coriomeningingite Linfocitária, Hantavirose, Leptospirose, Tifo Murino, Salmonelose, Peste, Raiva, Triquinelose e toxoplasmose (ZUBEN, 2006; ISHIZUKA, 2008; NAGANO, 2011). Rato é o nome comum dado a diferentes espécies de mamíferos da ordem dos Roedores (PUZZI, 1986). Existem cerca de espécies de roedores no mundo, representando em torno de 40% de todas as espécies de mamíferos existentes (FUNASA, 2002). Vivem em qualquer ambiente terrestre que lhes dê condições de sobrevivência (FUNASA, 2002). Possuem extraordinária variedade de adaptação ecológica, suportando os climas mais frios e os mais quentes, suportam grandes altitudes, em cada região podem mostrar um grande número de adaptações fisiológicas, são habilidosos e resistentes, devido a estas adaptações, o controle desta praga requer o conhecimento de sua biologia e de seu comportamento. (PUZZI, 1986; FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). 5.2 CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS RATOS Os ratos são animais que possuem grande capacidade de reprodução. Regra geral, uma fêmea produz cerca de 3 a 7 ninhadas por ano, com um período de gestação de 25 dias, nascendo 6 a 14 filhotes, que por sua vez alcançam a fase de reprodução após um período de 3 a 4 meses de idade. (PUZZI, 1986). Para compensar a má visão, os ratos possuem excelente olfato, audição e tato (localizado nos seus longos bigodes e em pelo maiores distribuídos em toda extensão do corpo). Possuem também, dentes incisivos, que crescem até 3 milímetros por semana, que os permitem roer e abrir orifícios em madeira, sacarias,

38 38 tijolos, tubos de cobre e romper fios de condução elétrica, afim de desgastar os dentes; possuem grande agilidade podendo passar de um local ao outro por cordas e até mesmo saltar; podem cavar extensivos túneis horizontais e buracos; apresentam facilidade em nadar desde o segundo mês de vida, podendo nadar de 500 a 800 metros contra corrente em redes de esgoto. (PUZZI, 1986; ZUBEN, 2006; NAGANO, 2011; ENCOPPRAGAS, 2012). Vivem em colônias, onde acumulam comida recolhida nos locais, migram em massa por motivo de inundações, incêndios, falta de alimentos disponíveis, além da migração sazonal (PUZZI, 1986). São ativos durante a noite, porém se o nível populacional está muito elevado ou o alimento disponível é insuficiente para a colônia, eles saem de seus abrigos durante o dia (PUZZI, 1986; ZUBEN, 2006). Os ratos podem fazer comunicação química através de uma substância secretada pelo próprio organismo, que influenciam no comportamento de outro da mesma espécie, chamada de feromônios. Os feromônios podem envolver diversas mensagens específicas, quase sempre relacionadas com a preservação da espécie (PUZZI, 1986), como por exemplo, o Efeito Bumerangue. Podemos exemplificar como efeito bumerangue, quando ocorre excesso de indivíduos numa colônia e a oferta de alimento é escassa, os animais começam a apresentar mecanismos biológicos ocasionando baixa fecundidade e baixa fertilidade, diminuição ou supressão dos cios e, principalmente canibalismo dos recém-nascidos, como objetivo de auto regulação da colônia a níveis populacionais compatíveis com a própria sobrevivência. Suponha que uma colônia apresente 10 ratos e que 4 desses ratos tenham sido eliminados restando apenas 6 adultos, começará a haver sobra de alimento devido a falta dos 4 ratos, neste momento irá desencadear uma série de mecanismos biológicos inversos aos que vinham limitando o crescimento excessivo da colônia, entre os quais as fêmeas entrarão no cio, voltarão a ser férteis e os recém-nascidos não serão canibalizados, com o objetivo de preservar a espécie (FUNASA, 2002; NAGANO, 2011).

39 39 Figura 10 MORFOLOGIA COMPARATIVA DAS ESPÉCIES DE ROEDORES SINANTRÓPICOS Fonte: ISHIZUKA, RATAZANA Rattus norvegicus Conhecida também como rato de esgoto (Figura 11) é a espécie mais comum na faixa litorânea brasileira, dos ratos comensais a ratazana é considerada a maior e mais pesada. Apresenta coxas robustas, orelhas pequenas, cauda menor que o corpo, podendo pesar 150 a 600 gramas, com um comprimento podendo chegar a 22 centímetros (Figura 11.1) (PUZZI, 1986; FUNASA, 2002). Figura 11 RATAZANA OU RATO DE ESGOTO Fonte: FUNASA, 2002.

40 40 Figura 11.1 CARACTERÍSTICA DA RATAZANA Fonte: ISHIZUKA, É uma espécie de hábito fossorial (hábito de cavar) (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). Abrigando-se abaixo do solo, as ratazanas são encontradas em galerias de esgoto ou pluviais, caixas subterrâneas de telefone, margens de córregos e interior de instalações (ZUBEN, 2006). O território ou raio de ação raramente ultrapassa 50 metros, este é ativamente defendido de intrusos, que são expulsos pelos indivíduos dominantes da colônia (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). A ratazana possui vida média de 24 meses, chegando a sua maturidade sexual entre 60 a 90 dias de idade, quando fertilizada, a fêmea tem sua gestação em média de 22 a 24 dias, podendo dar uma ninhada entre 7 a 12 filhotes (FUNASA, 2002; NAGANO, 2011). Apresentam neofobia marcante, caracterizada pela desconfiança por objetos e/ou alimentos novos colocados no seu território, embora este comportamento apresente variação individual e ou populacional, sendo mais acentuado nos locais de pouco movimento de pessoas e objetos. Assim sendo, as medidas de controle são de difícil aplicação e os resultados são obtidos a longo prazo, em decorrência da natural aversão inicial por iscas, porta-iscas e armadilhas colocadas no ambiente. Em locais de movimento contínuo de pessoas, objetos e mercadorias, a neofobia é menos acentuada ou inexistente e os novos alimentos (iscas) e objetos (armadilhas)

41 41 despertam imediata atenção, facilitando o controle (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). A dispersão das ratazanas ocorre por razões diversas e atribui-se, principalmente, à redução da disponibilidade de alimento e de abrigo por alterações ambientais, mas também podendo ocorrer passivamente, sendo transportadas em caminhões, navios, trens e containers. A urbanização desenfreada e sem planejamento como as expansões de favelas e loteamentos clandestinos tem favorecido o crescimento da população e dispersão da ratazana (FUNASA, 2002; ZUBEN, 2006; ISHIZUKA, 2008). 5.4 RATO DO TELHADO Rattus rattus Conhecido também como rato preto e rato do silo (Figura 12) é predominante na maior parte do Brasil, sendo comum nas propriedades rurais e pequenas e médias cidades do interior (ISHIZUKA, 2008). Apresenta coxa delgada, pele dura, orelhas grandes e cauda mais comprida que o corpo, podendo pesar 100 a 350 gramas, com um comprimento podendo chegar a 20 centímetros (Figura 12.1) (PUZZI, 1986; FUNASA, 2002). Figura 12 RATO DO TELHADO OU RATO PRETO Fonte: FUNASA, 2002.

42 42 Figura 12.1 CARACTERÍSTICAS DO RATO DE TELHADO Fonte: ISHIZUKA, É uma espécie de hábitos elevados, vivendo em forros, telhados e sótãos, onde constroem ninhos e descem ao solo somente para buscar alimentos e água (FUNASA, 2002; ZUBEN, 2006; ISHIZUKA, 2008). Seu raio de ação tende a ser maior que o da ratazana, devido à sua habilidade em escalar superfícies verticais e à facilidade com que anda sobre fios, podendo atingir a um raio de 60 metros. (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). O rato de telhado possui vida média de 18 meses, chegando a sua maturidade sexual entre 60 a 75 dias de idade, e quando fertilizada, a fêmea tem sua gestação em média de 20 a 22 dias, podendo dar uma ninhada entre 7 a 12 filhotes (FUNASA, 2002; NAGANO, 2011). A dispersão do rato de telhado em zonas urbanas tem sido facilitada pelas características de verticalização das grandes cidades aliadas aos modelos de construção e decoração dos modernos prédios de escritório: forros falsos e galerias técnicas para passagem de fios e cabos, permitem o abrigo e a movimentação vertical e horizontal desta espécie (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008).

43 CAMUNDONGO Mus musculus Conhecido também como mondongo, rato de gaveta e rato caseiro (Figura 13), é a espécie que atinge maior nível de dispersão, sendo encontrado praticamente em todas as regiões (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). São roedores de pele macia, orelhas grandes, comparadas com seu porte pequeno, o comprimento de sua cauda é igual ao do seu corpo, podendo pesar 10 a 30 gramas, com um comprimento podendo chegar a 8 centímetros (Figura 13.1) (PUZZI, 1986, FUNASA, 2002). Figura 13 CAMUNDONGO OU RATO CASEIRO Fonte: FUNASA, Figura 13.1 CARACTERÍSTICAS DO CAMUNDONGO Fonte: ISHIZUKA, 2008.

44 44 Seu raio de ação é pequeno podendo chegar até 5 metros seu território, fazem seu ninhos no interior de gavetas, estufas e podem também cavar pequenos ninhos no solo, semelhante aos das ratazanas (FUNASA, 2002; ISHIZUKA, 2008). O camundongo possui vida média de 12 meses, chegando a sua maturidade sexual entre 42 a 45 dias de idade, quando fertilizada, a fêmea tem sua gestação em média de 19 a 21 dias, podendo dar uma ninhada entre 3 a 8 filhotes (FUNASA, 2002; NAGANO, 2011). Quadro 1 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DE BIOLOGIA DOS ROEDORES SINANTRÓPICOS Caracteristicas Rattus norvegicus Rattus rattus Mus musculus Peso 150g a 600g 100g a 350g 10g a 21g Comprimento 22 cm 20 cm 9 cm Habitat tocas galerias no subsolo, Forros, sótons, paióis, silos interior de moveis, dispenbeira de córregos, lixões, e armazéns; podem viver sas, armários. Interior de instalações. Em arvores. Raio de ação 50 m 60 m 3 a 5 m Habilidades nadador, cava tocas escalador, raramente cava escalador, pode cavar Gestação 22 a 24 dias 20 a 22 dias 19 a 21 dias ninhadas/ano 8 a 12 4 a 8 5 a 6 Filhotes/ ninhada 7 a 12 7 a 12 3 a 8 maturidade sexual 60 a 90 dias 60 a 75 dias 42 a 45 dias vida média 24 meses 18 meses 12 meses Fonte: FUNASA, 2002; NAGANO, 2011.

45 45 São considerados animais curiosos, isto é, não apresenta comportamento de neofobia, característico das ratazanas e ratos de telhado. Podem penetrar em 20 a 30 locais por noite em busca de alimento, podendo trazer sérios problemas de contaminação de alimentos em dispensas e depósitos em geral, além de dificultar o seu controle por raticidas (FUNASA, 2002). 5.6 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS O controle integrado de pragas foi um conceito originalmente criado para combater pragas na agricultura e adaptou-se perfeitamente ao combate de pragas urbanas (BIOMAX, 2012). Pode-se dizer que o controle integrado divide-se em 3 partes: as medidas preventivas que tem como intuito principal de treinar e aplicar as boas práticas de fabricação para os funcionários da empresa, as medidas corretivas que engloba toda parte de manutenção do local e colocação de armadilhas, e por fim, o controle químico que entra apenas quando as medidas preventivas e medidas corretivas não são efetivas (Figura 14) (VIEIRA, 2003; GIORDANO, 2004; MATIAS, 2007). Figura 14 QUADRO DEMONSTRATIVO DO CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Fonte: O PRÓPRIO AUTOR, 2012

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA Controle de Roedores Marcelo Weiss Introdução Diferença entre roedores silvestres e roedores sinantróficos comensais Condição

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

Controle Integrado de Ratos

Controle Integrado de Ratos CONTROLE INTEGRADO DE RATOS 0 CONTROLE INTEGRADO DE RATOS 1 Controle Integrado de Ratos Elaborado por: Revisão Técnica: Coordenação Editorial: Editoração Eletrônica: Normatização bibliográfica: Fotos:

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

CONTROLE DE ROEDORES

CONTROLE DE ROEDORES CONTROLE DE ROEDORES Roedores e a sociedade humana. Os problemas causados pelo aumento da população de roedores, especialmente nas grandes cidades são considerados um fenômeno mundial. Entre as espécies

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE...

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Página 1 POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Assegurar um controle

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Curso Integrado de Pragas JPGomes November 11th, 2006 Slide 1 Controle Integrado de Roedores e Insetos Instalações: O surgimento de roedores e insetos é conseqüência

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA

DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA DATA: 04/05/2015 ARENA DO CONHECIMENTO TEMA: BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS PALESTRANTE: NÁDYA MOLINA Boas Práticas Para um bom resultado na manipulação de alimentos deve-se trabalhar aplicando

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

Cartilha do. Manipulador de Alimentos

Cartilha do. Manipulador de Alimentos Cartilha do Manipulador de Alimentos apresenta Cartilha do Manipulador de Alimentos Belezas naturais e lugares maravilhosos, assim é o turismo no Brasil, que se desenvolve a cada dia e ocupa um importante

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat KLERAT O Melhor raticida dose única KLERAT mata todos os roedores, incluindo aqueles resistentes a outros raticidas anticoagulantes, com a MENOR DOSE DO MERCADO.

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 4 2004. SENAC Departamento Nacional Proibida a reprodução total ou parcial deste material. Todos os

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02)

RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) RESOLUÇÃO SMG N Nº 604 DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 (DOM 12-09-02) O RESPONSÁVEL PELO EXPEDIENTE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO (Decreto nº 1.630/2002), no uso de suas atribuições legais, e, considerando

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO APÊNDICE A LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS UTILIZADA NA COLETA DE DADOS, BASEADA NA RDC nº 275/2002 E NA RDC nº 216/2004, DA ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO RATOKILL PÓ DE CONTATO CÓDIGOS : 313, 314, 325 e 326. Páginas 1 de 5 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do produto... : RATICIDA RATOKILL PÓ DE CONTATO Fabricante... : INSETIMAX INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 DISPÕE SOBRE REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR TERMO DE REFERÊNCIA/ESCOPO HMR.02.06.04 HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SAÚDE AMBIENTAL (DESRATIZAÇÃO, DESCORPINIZAÇÃO

Leia mais

BIOLOGIA E CONTROLE DE ROEDORES URBANOS

BIOLOGIA E CONTROLE DE ROEDORES URBANOS BIOLOGIA E CONTROLE DE ROEDORES URBANOS Ronaldo Nonato Agente de controle de Zoonoses SUVIS Campo Limpo Vigilância Ambiental E-mail: ronaldo.nonato@hotmail.com Telefone comercial: (11) 5814-8805 São Paulo

Leia mais

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 1998 Associação Paranaense dos Controladores de Pragas e Vetores EPI CNAE 8122-2/00 CONCLA Comissão Nacional de Classificação

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO E NA ÁREA DE VENDA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENO E VENDAS CUIDADOS NAS OPERAÇÕES RECEBIMENTO No ato do recebimento dos produtos são conferidos: Procedência;

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente;

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente; Pag. 1 de 9 Portaria 069-R, de 26/09/2007. Dispõe sobre a documentação e requisitos básicos necessários para concessão de Licença Sanitária para Veículos Automotivos utilizados para o Transporte de Alimentos

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Página 1 de 9 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira Produto O piso maciço estruturado de madeira SCANDIAN WOOD FLOORS é produzido com a mais moderna tecnologia, fabricado para atender os mais altos

Leia mais

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR

QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DA MERENDA ESCOLAR OFERECIDA NO MUNICÍPIO DE LONDRINA, PR Elis Carolina de Souza Fatel* Aline Sarabia** Cássia Daiane Givigier** Eliane Kelly Silva Garcia** Indianara Cardoso

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download...

http://www.agricultura.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download... Page 1 of 5 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Portaria SAR nº 17/2010, de 28/10/2010 O Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO NACIONAL DE ENDEMIAS RURAIS

MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO NACIONAL DE ENDEMIAS RURAIS MINISTÉRIO DA SAÚDE DEPARTAMENTO NACIONAL DE ENDEMIAS RURAIS Publicado sob os auspícios do Ministério da Saúde sendo ministro o prof. MAURÍCIO DE MEDEIROS e Diretor-Geral do D.N.E.Ru. o Dr. MÁRIO PINOTTI.

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Aula 1 Seleção De Fornecedores, Compra E Recebimento Das Matérias- Primas, Ingredientes E Embalagens As matérias- primas, os ingredientes e as embalagens

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana Bastos de Carvalho

CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana Bastos de Carvalho SECRETARIA MUNICIPAL DE Secretaria Municipal de Saúde de Serrania/MG CNPJ. 11.402.407/0001-61 CARTILHA SOBRE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO DICAS, SERVIÇOS E ORIENTAÇÕES Elaboração: Tatiana

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

158009.32015.72556.4678.4039841750.595

158009.32015.72556.4678.4039841750.595 158009.32015.72556.4678.4039841750.595 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2015

Leia mais

ENCONTRO ABRACEN 2013

ENCONTRO ABRACEN 2013 ENCONTRO ABRACEN 2013 EDIÇÃO CEASA CAMPINAS/SP SEGURANÇA ALIMENTAR E INOCUIDADE -Resíduos de Agrotóxicos - Pragas Urbanas O que é um Resíduo de Agrotóxico? Combinação do ingrediente ativo e seus metabólitos

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES Engº Marcos Vinicius L. Tubino Coordenador de Qualidade IRGOVEL A IRGOVEL Origem da empresa Goiás Em 1972 RS Pelotas Pioneirismo na produção óleo

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato.

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. LEPTOSPIROSE - O que saber e o que fazer 1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. 2. Como se pega a leptospirose? Em situações

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO - COMÉRCIO VAREJISTA PADARIA E SIMILARES PREFETURA DE SÃO PAULO SECRETARA MUCPAL DA SAÚDE COORDEAÇÃO DE VGLÂCA EM SAÚDE GERÊCA DE PRODUTOS E SERVÇOS DE TERESSE DA SAÚDE SUBGERÊCA DE ALMETOS ROTERO DE SPEÇÃO - COMÉRCO VAREJSTA PADARA E SMLARES

Leia mais

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS FÉRIAS ESCOLARES X ACIDENTES DOMÉSTICOS As férias escolares exigem mais cuidados com os acidentes domésticos porque as crianças ficam mais tempo em casa e isso aumenta o risco de ocorrerem acidentes que

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais