JULIANA MARQUES PEREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULIANA MARQUES PEREIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus - Campo Mourão Engenharia de Alimentos JULIANA MARQUES PEREIRA COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE PRODUTORES DE CORUMBATAÍ DO SUL E REGIÃO COAPROCOR ESTÁGIO SUPERVISIONADO Campo Mourão, Fevereiro de 2014.

2

3 RESUMO As frutas in natura sofrem muitas deteriorações em poucos dias e devido a isso, tem se uma alternativa para o aproveitamento dos frutos durante a safra é a produção de polpas de frutas congeladas, permitindo um melhor aproveitamento e estocagem de polpas fora da época de produção dos frutos in natura. O congelamento é um meio favorável para o aproveitamento integral das frutas em época de safras evitando os problemas ligados a sazonalidade. As polpas devem manter suas características físico-químicas e sensoriais de origem, portanto, não podem sofrer alterações durante o seu beneficiamento e comercialização. A Cooperativa beneficia principalmente o maracujá e para manter a garantia de qualidade para as polpas beneficiadas na empresa foi necessário o desenvolvimento do Manual de Boas Práticas de Fabricação e Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s). Para a elaboração dos manuais foi abordado às normas e procedimentos necessários exigidos pela legislação para a elaboração e comercialização dos produtos, a fim de evitar a ocorrência de doenças transmitidas por alimentos e melhores condições higiênicas sanitárias de processamento destes. Também foi realizada uma pesquisa para a implantação de um laboratório na indústria, para isso foram determinados os tipos de análises físico-químicas e microbiológicas que devem ser feitas, para cada tipo de fruto, estabelecidas pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), para que um alimento tenha uma boa qualidade sanitária.

4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO COAPROCOR ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ESTÁGIO Manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF) e Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s) Higiene e Saúde dos Manipuladores Higiene de Equipamentos e Controle de Pragas Desenvolvimento dos Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s) Beneficiamento da Polpa de Fruta Análises Físico-químicas e Microbiológicas CONCLUSÃO REFERÊNCIA ANEXOS... 22

5 4 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior produtor mundial de frutas in natura, porém sua comercialização é dificultada, devido essas frutas sofrerem deterioração em poucos dias, especialmente a longas distâncias. Uma importante alternativa para o aproveitamento dos frutos durante a safra é a produção de polpas de frutas congeladas, permitindo a estocagem das polpas fora da época de produção dos frutos in natura (BRUNINI et al., 2002). Além disso, as perdas pós-colheita são estimadas entre 15 a 50%. Portanto, durante a época da safra a produção de frutas congeladas se tornou uma alternativa favorável para aproveitamento integral das frutas, evitando assim os problemas ligados à sazonalidade (BARRET et al., 1994). A polpa é o produto não fermentado, não concentrado ou diluído, obtido pelo esmagamento de frutos polposos, através de um adequado processo tecnológico, com um teor mínimo de sólidos totais, proveniente da parte comestível e variável para cada tipo de fruta, segundo a legislação brasileira do Ministério da Agricultura (BRASIL, 2000). O preparo da polpa deve ser com frutas sãs, limpas, isentas de matéria terrosa, de parasitas e detritos de animais ou vegetais. Não deve conter fragmentos das partes não comestíveis da fruta, nem substâncias estranhas à sua composição normal, observando também as características microscópicas, como ausência de sujidades, parasitas e larvas (SANTOS et al., 2004). As características da polpa de fruta, como físico-químicas e sensoriais, deverão ser as provenientes do fruto de sua origem, sendo assim, não poderão ser alteradas pelos equipamentos, utensílios, recipientes e embalagens utilizadas durante o seu processamento e comercialização (BRASIL, 2000). Devido à sazonalidade do maracujá e as grandes perdas ocasionadas pelo transporte e o baixo tempo de vida útil da fruta in natura uma alternativa é o beneficiamento do maracujá, obtendo assim a polpa de maracujá. Com mais de 150 espécies de Passifloraceas utilizadas para o consumo humano, o maracujá é originário da América Tropical. O maracujá-amarelo (Passiflora edulisf. flavicarpa), o maracujá-roxo (Passiflora edulis) e o maracujá-doce (Passiflora alata) são as espécies mais cultivadas no Brasil e no mundo. O mais cultivado no mundo é o maracujá-amarelo, responsável por mais de 95% da produção do Brasil e utilizados, principalmente, no preparo de sucos, apresentando características como maior

6 5 tamanho do fruto, maior peso, maior teor de caroteno, maior acidez total, maior resistência às pragas e maior produtividade (PIZA JÚNIOR, 1991). O estágio foi realizado na COAPROCOR Cooperativa Agroindustrial de Corumbataí do Sul e Região, localizada na cidade de Corumbataí do Sul, situada no norte do estado do Paraná e que beneficia polpa de frutas, tendo como um forte o maracujá cultivado na região. O presente relatório teve como objetivo cumprir um dos requisitos para conclusão do ensino superior e obtenção do grau de engenheira de alimentos a ser concedido pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão e disponibiliza dados sobre a empresa e as atividades realizadas, que possibilitaram uma união entre os conhecimentos teóricos adquiridos nestes períodos de curso e a prática.

7 6 2. COAPROCOR A Cooperativa Agroindustrial de Produtores de Corumbataí do Sul e Região (COAPROCOR) foi criada no ano de 2009 para prestar assistência aos produtores de café e maracujá da região de Corumbataí do Sul (COAPROCOR, 2008). Esta empresa teve como ponto de partida a crise do mercado de café, bem como os problemas climáticos do final da década de 90. Desde então, os produtores rurais desta região precisaram renovar as culturas para a própria sobrevivência. A opção pelo cultivo de maracujá foi um grande advento, já que tratar-se de uma cultura orgânica, de baixo custo ao produtor, que promove e propagação da cultura na região, além do desenvolvimento sustentável em virtude da baixa necessidade de utilização de agrotóxicos e produtos nocivos ao meio ambiente (COAPROCOR, 2008). O cultivo de maracujá é a maior fonte de renda dos produtores rurais de Corumbataí do Sul e região e tudo isso, graças à primorosa colaboração do projeto Universidade Sem Fronteiras, mantido pela UEPR Universidade Estadual do Paraná (antiga Fecilcam) de Campo Mourão/PR, a cidade é considerada o maior polo de produção de maracujá do Paraná. Os produtores do município tiveram seu produto classificado como o maracujá que possui a melhor coloração, tamanho e melhor ºBrix (teor de sólidos solúveis), em uma pesquisa realizada pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) (COAPROCOR, 2008). A grande responsável pela criação da cooperativa é a APROCOR Associação dos Produtores Rurais de Corumbataí do Sul, que percebeu o grande potencial da cultura do maracujá, e com o escopo de melhorar a renda de seus produtores, concluiu que a criação de uma cooperativa especifica para a região traria maiores benefícios aos seus cooperados (COAPROCOR, 2008). A COAPROCOR beneficia polpa de goiaba, acerola convencional, acerola orgânica, maracujá e abacaxi. Outras polpas são beneficiadas, mas são fornecidas por outras empresas em forma de barras congeladas e a COAPROCOR refaz o beneficiamento passando novamente pela refinadeira em seguida bombeada até o tanque homogeneizador e por fim embalada. A indústria possui um tecnólogo em alimentos, um auxiliar de escritório, um contador, um auxiliar administrativo, um gerente financeiro, 15 funcionários na linha de produção sendo dois auxiliares de

8 7 produção, uma zeladora e dois transportadores da polpa de fruta, sendo um total de 23 funcionários (COAPROCOR, 2008). A Cooperativa conta com mais de 460 cooperados, abrangendo também os seguintes Municípios: Barbosa Ferraz, Nova Tebas, Iretama, Godoy Moreira, Arapuã, Quinta do Sol, Peabiru, Prudentópolis, Lidianopolis, Borrazópolis, Jandaia do Sul, além de outro fora da região sendo o Município Reserva (COAPROCOR, 2008). A Agricultura Familiar é a principal beneficiada pela COAPROCOR, haja vista a produção das culturas orgânicas estar elevando significativamente o nível de vida dos pequenos produtores, pois a região de Corumbataí do Sul possui características de relevo acidentado (COAPROCOR, 2008). A COAPROCOR possui os seguintes parceiros governamentais: Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), Fundação de Amparo ao Ensino e Pesquisa (FAEP), Sindicato Patronal de Campo Mourão, Secretaria da Agricultura e Abastecimento (SEAB), Serviço Social do Comércio (SESC), Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), Banco do Brasil, Sistema de Crédito Cooperativo (SICREDI), Prefeituras Municipais como a de Corumbataí do Sul, Godoy Moreira, Iretama, Barbosa Ferraz, Nova Tebas e demais participantes na região, todos estes órgãos estão empenhados em promover o Desenvolvimento Socioeconômico e Ambiental, juntamente com a melhoria substancial da qualidade de vida dos produtores (COAPROCOR, 2008).

9 8 3. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ESTÁGIO Durante o estágio realizado na COAPROCOR no período de janeiro a novembro do ano de 2013, foi elaborado o Manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF) e Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s), com o propósito de garantir a qualidade do produto final e a saúde e higiene dos manipuladores. Como a empresa não possuía análises de controle de qualidade do seu produto, pois são feitas por empresas terceirizadas, foi realizado um estudo para a implantação do laboratório na Indústria, foram identificados os tipos de análises que devem ser realizadas, estabelecida segunda a legislação para cada tipo de fruto, visando garantir a qualidade final do produto. As atividades realizadas estão descritas a seguir Manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF) e Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s) A estrutura básica para compor a elaboração do Manual de BPF e POP s foi apresentada neste relatório. Todas as etapas foram baseadas segundo a Resolução - RDC nº 216 (BRASIL, 2004). A BPF é de suma importância para uma empresa, pois os consumidores estão mais exigentes com a qualidade do produto, isto leva a empresa a procurar medidas que levam a segurança de seus alimentos, implantando programas de autocontrole. O principal objetivo da BPF é garantir a integridade do alimento, suas condições sanitárias e a saúde do consumidor, tornando-se prérequisitos indispensáveis para a implantação de qualquer programa de qualidade. O manual da empresa apresentou os documentos necessários como: razão social e nome fantasia da empresa, a licença de localização, alvará sanitário, horário de funcionamento da empresa, lista de produtos que serão manipulados e também, o nome, cargo e função de cada funcionário dentro da empresa. Foi descrito as condições das áreas circunvizinhas da empresa, como são as vias de acesso externo, como é a iluminação utilizada na área externa, às condições de salubridade

10 9 e condições urbanas, informações estas que devem compor o manual e acompanhar os relatórios referentes ao andamento da empresa. O layout da empresa foi anexado apresentando metragem e especificações das áreas, mostrando cada setor da indústria contendo descrição das suas características físicas, tais como: teto, forro, paredes, pisos, ralos/caneletas, iluminação, ventilação, janela, portas, lavatórios, sistemas de exaustão, esgotamento sanitário, instalações elétricas, etc. O manual elaborado necessita de todas as informações sobre instalações, edificações, funcionários, sendo descritas as funções e cargos que cada um realiza na empresa, informações sobre fornecedores, cooperados, funcionamento da empresa entre outras necessárias para que a indústria esteja dentro dos critérios de padrão de qualidade. Para compor o manual de BPF é primordial obter informações sobre a higiene e saúde dos manipuladores dentro da empresa para poder garantir a qualidade do produto final sem contaminações, além de dados sobre o controle de pragas, limpeza e desinfecção dos equipamentos utilizados para o beneficiamento da polpa de forma a garantir a qualidade do produto final sem que haja algum tipo de contaminação direta ou cruzada Higiene e Saúde dos Manipuladores No manual é importante descrever como foi feita a admissão dos funcionários, se são feitos exames laboratoriais e treinamentos sobre: boas práticas no manuseio de alimentos, higiene pessoal, armazenagem, controle de pragas e outros relativos a boas práticas, e relatar quem foi responsável pelos treinamentos e com que frequência é realizado. Apresentar o número de funcionários (por sexo) de cada área de produção e o número de funcionários qualificados. Todas essas informações foram arquivadas para manter o controle. A importância da higiene e saúde dos manipuladores está na garantia de qualidade do produto final, por isso deve conter no manual: o tipo de uniforme e Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para cada área de produção, como é feita a higienização dos uniformes e a frequência em que deve ser realizada, onde e

11 10 como é feita a higienização das mãos, com que frequência e se existe instruções, relatar se os funcionários usam adornos, fumam, usam perfume, tomam banho antes de iniciar as atividades e se são arquivados. Na COAPROCOR são feitos exames dos funcionários antes de serem admitidos, e quando se apresentam doentes ou com lesões, são afastados durante o tempo de tratamento. Os treinamentos são feitos antes de serem admitidos e a responsável pelo treinamento é a Tecnóloga em Alimentos, o ideal é que sejam realizados uma vez a cada dois meses sendo ministrados na própria Indústria. O controle de saúde e treinamento dos funcionários são arquivados. Para cada área de beneficiamento na COAPROCOR, é utilizado um uniforme de cor branca e limpo para a manipulação do produto, cada funcionário da linha de produção utiliza jaleco, botas, touca, máscara, luvas, protetor auricular e avental, para a parte de armazenamento em câmara fria é necessário o uso de EPI adequado (roupa e luva térmica). Todo o pessoal envolvido no beneficiamento da polpa de fruta mantém-se dentro dos requisitos mínimos necessários em relação a sua higiene pessoal. Os funcionários não devem usar adornos e perfume, não tossir e não fumar, tomar banho antes de iniciar as atividades, manter unhas e cabelos curtos, no caso de mulheres devem estar sempre presos e bem limpos e homens bem barbeados. Antes de entrarem para a área de produção, é feita a higienização das mãos e higienizar sempre que for necessário. No lavatório há cartazes educativos de como lavar as mãos corretamente. Essa monitorização é realizada e arquivada. Essa descrição é necessária a fim de garantir a qualidade do produto final e a saúde do manipulador, pois se ocorre uma monitorização ou fiscalização correta dos procedimentos estabelecidos não haverá risco de contaminação do produto, devendo ser descrito também, a higiene dos equipamentos e o controle de pragas na indústria.

12 Higiene de Equipamentos e Controle de Pragas Para um controle adequado de qualidade não basta apenas ter cuidados com a manipulação durante o beneficiamento das polpas de frutas ou o controle com a saúde e higiene dos manipuladores, também é necessário informações sobre o tipo de água utilizada, como são feita a limpeza dos reservatórios, a frequência com que é realizada e como é feito o controle da qualidade da água. A água utilizada na indústria provém de poço artesiano, sendo que suas análises são feitas em laboratórios terceirizados. O reservatório é higienizado sempre que preciso, utilizando água para retirar as sujidades grosseiras, essa água é utilizada para a limpeza de equipamentos na indústria e em seguida a desinfecção utilizando hipoclorito de sódio a 2,5 % é realizada. Os equipamentos utilizados na indústria foram descritos no manual, as suas especificações e como é feita a manutenção e a higiene dos equipamentos e instalações. Os equipamentos são constituídos de aço inox, onde não transmitem substâncias tóxicas, odores e sabores ao produto, são resistentes à corrosão e fácil limpeza, na COAPROCOR para a produção de polpa possui os seguintes equipamentos, lavador de frutas, esteira de seleção, elevador de talisca, despolpadeira de fruta, refinadeira da polpa, tanque pulmão e embaladeira. As manutenções de alguns equipamentos são feitas pelos funcionários da empresa e outros por uma empresa terceirizada, já a calibração de todos os equipamentos é feita por uma empresa terceirizada, anexando e arquivando os controles de manutenção. A higiene dos equipamentos é feito sempre no inicio e fim do processo, realizando assim uma limpeza, seguido de sanificação. A higienização das instalações é feitas após o processamento, onde limpeza e sanificação são realizadas seguindo a normas da empresa. O controle de pragas também é de suma importância para garantir as boas práticas dentro da empresa, sendo assim o controle integrado de vetores e pragas foi descrito no manual, bem como as medidas preventivas onde são instaladas barreiras físicas, qual o procedimento adotado, produtos utilizados e se existe monitoramento e arquivos relatando este controle.

13 12 São instalados telas de proteção em janelas e portas de acesso a produção, e o controle de manter portas fechadas durante a produção, não há pragas encontradas na área de produção, pois a limpeza é bem rígida e obtém o cuidado necessário para que não ocorra à entrada de vetores e pragas. Esse procedimento de monitorização relatado acima é importante a fim de garantir a qualidade do produto, para que não ocorra à contaminação indesejada, por isso deve seguir adequadamente cada passo descrito para que se encontre dentro dos padrões estabelecidos Desenvolvimento dos Procedimentos Operacionais Padronizados (POP s). Os Procedimentos Operacionais Padronizados devem conter as instruções sequenciais das operações e a frequência de execução, especificando o nome, o cargo e ou a função dos responsáveis pelas atividades. Devem conter local apropriado para ter aprovação, data e assinatura do responsável. Para parte do programa de BPF foram exigidos os Procedimentos Padrão de Higiene Operacional (PPHO) que devem ter detalhamentos de procedimentos de monitorização, ação corretiva, registros e verificação; visado estabelecer a forma rotineira pela qual o estabelecimento industrial evitará a contaminação direta ou cruzada e a adulteração do produto, preservando sua qualidade e integridade por meio da higiene, antes durante e depois das operações industriais. Os PPHO são representados por requisitos de BPF considerados críticos na cadeia produtiva de alimentos. Para estes procedimentos, recomenda-se a adoção de programas de monitorização, registros e ações corretivas. Os PPHO são programas considerados parte das BPF. Da mesma maneira que o Manual de Boas Práticas de Fabricação, os POP s devem estar escritos de forma clara e objetiva, evitando-se, ao máximo, que tenham grande volume. A intenção deve ser a de evidenciar facilmente a maneira que a empresa executa o procedimento. Os itens a serem descritos, no POP, devem ser os seguintes: a) OBJETIVO: Descrever neste item os objetivos do documento, por exemplo:

14 13 Estabelecer procedimentos a serem adotados para coletar as amostras de polpa de fruta com segurança. (PPHO 1- coleta de amostras de polpa de fruta). b) DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA: Citar normas técnicas e legais que servem como base para o documento. c) CAMPO DE APLICAÇÃO: Descrever para que setores/ áreas da empresa o procedimento se aplica. d) RESPONSABILIDADES: Citar quem serão os responsáveis pela execução do procedimento, pela sua monitorização, verificação e pelas ações corretivas. e) DESCRIÇÃO: Nesta etapa devem ser descritos os procedimentos, passo a passo. f) MONITORIZAÇÃO: Citar como será feita a monitorização do procedimento. Se o uso de tabelas e planilhas se fizer necessários, devem ser anexados os modelos. g) AÇÃO CORRETIVA: Descrever quais serão a ações corretivas para cada situação de não conformidade, ou seja, que não atenda os padrões estabelecidos pelo POP. h) VERIFICAÇÃO: Descrever de forma clara e objetiva O QUE, COMO, QUANDO E QUEM executará os procedimentos. Para garantir a execução do POP é de suma importância que estes procedimentos estejam formalizados, implantados e executados, com seu monitoramento, controle, medidas corretivas, preventivas, responsabilidade pela execução, frequência e os respectivos registros, que servirá de base para a verificação do real cumprimento das BPF, por parte da autoridade sanitária, garantindo a qualidade do produto durante as etapas do seu beneficiamento.

15 Beneficiamento da Polpa de Fruta Para o controle do beneficiamento da polpa deve ser descrito os critérios de higiene utilizada e a seleção, como é feito o recebimento da matéria-prima e como é realizado o armazenamento da matéria-prima e produtos químicos, tóxicos e de limpeza. Também foi apresentado no manual o acondicionamento, rotulagem e armazenagem de produto pronto, pré-preparados e de sobras, foi relatado se a empresa realiza algum tipo de controle de qualidade e quais os procedimentos adotados para o recolhimento de produtos com reclamações. Na COAPROCOR é feito uma seleção da matéria prima e embalagens, são analisadas as características sensoriais da matéria prima, não há adição de ingredientes, a embalagem deve estar limpa e em condições íntegras. Para o recebimento da matéria prima é preciso analisar as condições de higiene dos veículos e se a fruta está em condições adequadas para consumo, há também visita técnica aos produtores tendo como objetivo observar as condições de manejo dos produtores. Em condições insatisfatórias é feita a devolução da matéria prima, devidamente identificada, ao fornecedor. Para o armazenamento de produtos químicos, tóxicos e de limpeza é utilizado um armário separado, os produtos devem ser devidamente etiquetados e armazenados. Não há armazenamento da fruta in natura, pois esta é imediatamente beneficiada. Após o beneficiamento das polpas, as mesmas são armazenadas em câmaras frias a temperatura de refrigeração (-23 ± 0,2 C) até que a sua distribuição seja feita. O transporte é feito em veiculo adequado, de forma a evitar contaminações e defeitos com a temperatura de estocagem. Deve ser devidamente identificado na embalagem data de fabricação e o tipo de produto. Os resíduos e sobras do beneficiamento da polpa são destinados aos produtores da matéria prima, com finalidade para alimentação animal. O controle de qualidade laboratorial não é realizado na indústria, as análises são feitas por laboratórios terceirizados.

16 15 O produto que apresentar inconformidades identificadas pelo consumidos é recolhido rapidamente, pela própria indústria, o problema é identificado, analisado e descartado em sequência. O descarte é destinado para alimentação de animais. É registrado o lote que ocorreu a reclamação, analisado e arquivado na indústria. Na área de produção não há depósitos de lixos para não ocorrer circulação ou acúmulo de pragas e insetos ou qualquer outro tipo de contaminante, que possa contaminar o alimento processado. Para que haja um controle com tudo que ocorre dentro da empresa, é feito um documento relatando todo o procedimento ocorrido, para assegurar a qualidade do produto e organização da empresa. A Figura 1 apresenta o fluxograma do beneficiamento da polpa de fruta. Figura 1.: Fluxograma do beneficiamento da polpa de maracujá.

17 16 De acordo com o fluxograma de beneficiamento da polpa de maracujá apresentada na Figura 1, na recepção da matéria-prima as frutas ao chegarem à indústria são analisadas quanto à sua qualidade (grau de maturação, Brix, cor). Os produtores e os fornecedores de frutas são orientados quanto às condições de transporte e ponto de colheita ideal, a fim de que as frutas não cheguem ao seu destino com um nível baixo de qualidade. Na pré-lavagem visa remover a terra e outras sujeiras aderidas à superfície da fruta. São feitas em tanque, sob imersão em água limpa, não necessitando ser clorado, devido à grande quantidade de matéria orgânica presente. Os tanques de lavagem são de aço inox. Eles são mantidos limpos, sem ranhuras e usados especificamente para este fim. Após a etapa da lavagem, as frutas são enxaguadas em outro tanque com água limpa. As seleções das frutas são de acordo com seu estado de maturação e sua integridade física, isto é, são descartadas todas as frutas verdes ou em estágio de maturação inadequada, apodrecida fermentada, excessivamente machucada, dilacerada e picadas por insetos. As seleções das frutas são feitas em mesas específicas e em área bem iluminada. No despolpamento é feito a separação da polpa do material fibroso, casca e sementes, providas de tela de aço inox. A abertura da tela poderá ser modificada de acordo com o tipo de fruta, variando de 0,8 a 0,5 mm. Nesta etapa são separadas as cascas das sementes. No refinamento foi realizado o sistema da despolpadeira, utilizando-se tela de malha de 0,3 mm, com o objetivo de remover partículas grosseiras, dando um aspecto mais homogêneo ao produto. A necessidade desta operação será determinada pelo tipo de fruta e pelo aspecto desejado para o produto. Após a refinadeira, a polpa é bombeada para o tanque homogeneizador, este tanque mantém a polpa homogeneizada sem separação de fases para melhor aspecto ao produto final. Em seguida ela é bombeada e embalada, colocada em caixas para o ser armazenamento em câmaras frias a temperatura de aproximadamente -23 ± 0,2ºC. Com o intuito de garantir a qualidade do produto final é necessário que todas as etapas do beneficiamento da polpa sejam respeitadas e feitas de acordo com a sua necessidade. Seguindo de forma correta todo o procedimento, obterá um produto com ótima qualidade para consumo.

18 Análises Físico-químicas e Microbiológicas As análises dos alimentos são de suma importância para garantir a qualidade do produto final. Para um alimento ter uma boa qualidade sanitária é necessário que seja livre de microrganismos patogênicos e possuir características sensoriais desejáveis, como: cor, odor e sabor. Todas as análises devem se encontrar dentro dos padrões de limites máximos e mínimos permitido pela legislação. Como a COAPROCOR realizava suas análises em laboratórios terceirizados, foi feito uma pesquisa com levantamento de dados para que fosse possível a implantação do seu próprio laboratório de controle de qualidade. As análises necessárias para cada fruto é determinado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, conforme regulamento técnico geral para fixação dos padrões de identidade e qualidade para a polpa de fruta. O roteiro de análises físico-químicas foi retirado através do Manual de Normas do Instituto Adolfo Lutz (1985). As análises físico-químicas necessárias para garantir a qualidade da polpa de fruta são: Determinação de Sólidos Totais; Determinação de Sólidos Solúveis por Refratometria; Determinação de Acidez Titulável - % Ácido Cítrico; Determinação de Vitamina C Ácido Ascórbico. As características físico-químicas necessárias para cada polpa de fruta in natura beneficiada pela empresa COAPROCOR são apresentadas nas tabelas em Anexo, onde constam dados sobre maracujá, acerola, uva e goiaba. As análises microbiológicas necessárias para polpa de fruta foi retirado do regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos (BRASIL, 2001), que determina as análises a ser realizada para a polpa de fruta, as análises são: Contagem de Bolores e Leveduras; Contagem de Coliformes Totais e Coliformes Termotolerantes em Alimentos; Número mais Provável de Coliformes Totais e Coliformes Termotolerantes em Alimentos; Pesquisa de Salmonella; Pesquisa de Escherichia coli O157:H7.

19 18 Esta etapa foi documentada com os roteiros de análises descritos, para a realização das análises físico-químicas e microbiológicas das polpas de frutas. É importante uma empresa conter seu próprio laboratório de qualidade, para obter um controle em relação ao seu produto, sendo analisando antes, durante e após o seu beneficiamento, a fim de garantir a sua qualidade final.

20 19 4. CONCLUSÃO Durante o período de estágio, foi possível entender a importância de cada pessoa que compõe cada etapa do processo, para que se possa garantir a qualidade do produto final. A importância do desenvolvimento realizado da implantação dos programas de autocontrole, dos treinamentos com os funcionários da produção, exigindo o uso certo dos equipamentos e EPI s, e também da sua higiene pessoal, para que se possa garantir a qualidade do produto desde o recebimento da matéria prima, durante o processo e até o produto final. Os cuidados durante o beneficiamento são de vital importância no resultado final, para garantir uma ótima qualidade do produto. No intuito de proteger a saúde dos consumidores e evitar alterações não desejadas nos alimentos, devendo utilizar um procedimento de elaboração higiênica adequada. O objetivo dessas implantações foi garantir a integridade do alimento, suas condições sanitárias e a saúde do consumidor, tornando-se pré-requisitos indispensáveis para a implantação de qualquer programa de qualidade. O período de estágio proporcionou a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos na teoria, sabendo lidar com situações diversas dentro de uma indústria de alimentos, com o intuito de garantir a qualidade dos produtos.

21 20 5. REFERÊNCIA BARRET, R. L. de C.; CHITARRA, Mª I. F.; CHITARRA, A. B. Choque a frio e atmosfera modificada no aumento da vida pós-colheita de tomates: 2-Coloração e textura. Ciência e Tecnologia Alimentos, Campinas, v.1, n.14, p.14-26, BENASSI, M.T.; ANTUNES, A.J.A. Comparison of meta-phosphoric and oxalic acids as extractant solutions for the determination of vitamin C in selected vegetables. Arquivos de Biologia e Tecnologia, Curitiba, v.31, n.4, p , BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO ABASTECIMENTO. Instrução Normativa n 01/00, de 07/01/00. Regulamento técnico geral para fixação dos padrões de identidade e qualidade para polpa de fruta. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 jan. 2000, Seção I, p BRASIL. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO ABASTECIMENTO. Instrução Normativa n 62, de 26/08/03. Oficializar os Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animais e Água. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 18 set BRASIL. Resolução RDC nº 12, de 2 de janeiro de Aprova o Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Órgão emissor: ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: Acesso em: 10 de janeiro de BRASIL. Resolução-RDC Nº 216, de 15 de setembro de Diário Oficial da União. Brasília, de 18 de dezembro de BRUNINI, M. A.; DURIGAN, J. F.; De OLIVEIRA, A. L. Avaliação das alterações em polpa de manda Tommy-Atkins congeladas. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 24, n.3, p , 2002.

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE VIGILÂNCIA SANITÁRIA de ALIMENTOS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS I - INTRODUÇÃO O Manual de Boas Práticas

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Ref.: MBPF-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 12 Introdução Cabe ao fornecedor elaborar e implementar

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Produção Segura de Hortaliças Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Alimentos seguros Antes de mais nada, um direito do consumidor!! Práticas que buscam a Segurança do Alimento geralmente contribuem

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Agosto de 2010 Curso Teórico-Prático de Análises Microbiológicas de Àgua e Bebidas não Alcoólicas Palestrante Juliane Dias Gonçalves Eng de Alimentos,

Leia mais

APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM

APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM 830 APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM Witã dos Santos Rocha 1 ; Pablo Rodrigo Fica Piras 2 1. Bolsista PIBEX, Graduando em Engenharia de Alimentos, Universidade

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 7 DE JANEIRO DE 2000

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 7 DE JANEIRO DE 2000 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 7 DE JANEIRO DE 2000 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS BOAS PRÁTICAS NA MANIPULAÇÃO E Sumário ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Normas Gerais Objetivos da Unidade de Alimentação e Nutrição Descrição Geral dos Serviços da UAN Dietas gerais e dietas especiais, destinadas

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

Superintendência de Vigilância em Saúde do Estado de Goiás Gerencia de Vigilância Sanitária em Produtos Coordenação Fiscalização de Alimentos

Superintendência de Vigilância em Saúde do Estado de Goiás Gerencia de Vigilância Sanitária em Produtos Coordenação Fiscalização de Alimentos Superintendência de Vigilância em Saúde do Estado de Goiás Gerencia de Vigilância Sanitária em Produtos Coordenação Fiscalização de Alimentos Legislação Sanitária em Alimentos Boas Praticas de Fabricação

Leia mais

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto:

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto: Desde sua fundação, aliada aos princípios e entendimentos ecológicos de seus proprietários, fruto do envolvimento com agricultura e agropecuária e no cumprimento das Leis Ambientais, a RB Alimentos tem

Leia mais

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB)

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) FRANÇA PIRES 1, Vanusia Cavalcanti GOMES 2, Erika Adriana de Santana LIRA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS CENCI, S. A. ; GOMES, Carlos Alexandre Oliveira ; ALVARENGA, André Luis Bonnet ; JUINIOR, Murillo Freire. Boas Práticas de Processamento Mínimo de Vegetais

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Anvisa - Legislação - Portarias

Anvisa - Legislação - Portarias Page 1 of 18 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Portaria nº 327/SNVS/MS, de 30 de julho de 1997 (DOU de 07/08/97) A Secretária de Vigilância

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 31 DE MARÇO DE 2000. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação: Uma alternativa para o melhoramento de uma agroindústria de polpa de fruta Boquim (SE)

Boas Práticas de Fabricação: Uma alternativa para o melhoramento de uma agroindústria de polpa de fruta Boquim (SE) Boas Práticas de Fabricação: Uma alternativa para o melhoramento de uma agroindústria de polpa de fruta Boquim (SE) Edinéia Dotti Mooz UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão, Rua Maringá, Bairo Vila Nova,

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007 Ana Lúcia de Freitas Saccol Santa Maria, julho de 2007 Ingestão de alimentos ou água contaminados Estão independente de toda a tecnologia OMS + de 60% das DTA são provocadas por agentes microbiológicos

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ

ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ ORIENTAÇÕES TÉCNICO-SANITÁRIAS EM EVENTOS NO MUNICÍPIO DO RJ A Vigilância Sanitária Municipal é responsável pela fiscalização de todos os stands, espaços, barracas, postos e/ou pontos de venda da área

Leia mais

COLEÇÃO I A F A M. Agregando valor à pequena produção. Polpa de Fruta Congelada

COLEÇÃO I A F A M. Agregando valor à pequena produção. Polpa de Fruta Congelada COLEÇÃO AGR OIN DÚSTRIA F A M I L I A R Agregando valor à pequena produção Polpa de Fruta Congelada Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura,

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 O Que Muda na Área Operacional Logística com a RDC-48??? NADA A não ser Maior Fiscalização por parte da Anvisa Maior Organização por parte das Empresas A ÁREA LOGÍSTICA

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos

Boas Práticas de Manipulação em Serviços de Alimentação. Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Módulo 6 - Etapas da Manipulação dos Alimentos Aula 1 Seleção De Fornecedores, Compra E Recebimento Das Matérias- Primas, Ingredientes E Embalagens As matérias- primas, os ingredientes e as embalagens

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS I IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Endereço: AP: Nome Fantasia: Inscrição Municipal: Nº do Processo: CNPJ: Tipo de Serviço: ( ) Municipal ( ) Filantrópico ( ) Conveniado SUS RJ ( ) Privado ( ) Estadual

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011.

EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS JI-PARANÁ Rua Rio Amazonas, 151 Bairro Jardim dos Migrantes 76900-730 Ji-Paraná RO EDITAL Nº 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2011. EDITAL PARA SELEÇÃO

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Desafios e Oportunidades de Melhorias no Atendimento às Demandas de PAF pela Rede Analítica de Laboratórios

Desafios e Oportunidades de Melhorias no Atendimento às Demandas de PAF pela Rede Analítica de Laboratórios Desafios e Oportunidades de Melhorias no Atendimento às Demandas de PAF pela Rede Analítica de Laboratórios Juliana de Melos Couto de Almeida Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS AÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SOBRE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS WILLIAM CESAR LATORRE Diretor de Alimentos Centro de Vigilância Sanitária SES / SP Decreto Lei 986, de 21/10/1969 Institui normas

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais