PROCEDIMENTOS ADOTADOS NO SISTEMA MULTICONTROLE DE PRAGAS - SMUP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTOS ADOTADOS NO SISTEMA MULTICONTROLE DE PRAGAS - SMUP"

Transcrição

1 MULTI - SMUP ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO Responsabilidades Técnicas Técnicos e Operadores da Multicontrole OBJETIVOS ABRANGÊNCIA RESPONSABILIDADES Freqüência de Revisão DEFINIÇÃO DE PRAGAS E A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE DESCRIÇÃO GERAL DAS ATIVIDADES Monitoramento das Pragas Planejamento Operacionalização e Orientações Técnicas TREINAMENTOS E MEDIDAS CULTURAIS ETAPAS DO SISTEMA MULTI (SMUP) Programação Mensal Inspeções Técnicas Descrição da Inspeção Técnica Emissão de Relatórios Estatísticos e de Relatórios de Ação Operações Formas de Aplicação dos Defensivos e Instalação de armadilhas para Controle de insetos Formas de Aplicação dos Defensivos Instalação de armadilhas luminosas e caça-moscas, para captura de insetos Formas de Aplicação dos Defensivos (porta iscas) e armadilhas (gaiolas e adesivas) para Controle de Roedores Princípios Ativos Utilizados Orientações de Segurança Informações Toxicológicas Procedimentos de Higienização das Armadilhas (adesivas e gaiolas) e Estações de Iscagem para roedores Procedimentos de Higienização das Armadilhas para Insetos (luminosas e caça-moscas) Planilha de Registro Documentos dos Produtos Utilizados Impossibilidade de Execução dos Serviços Certificado de Execução de Controle de Pragas Treinamentos Internos Chamadas Extras, Trabalhos Avulsos e Retorno (Retrabalho) Suporte Técnico EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Controle de Roedores Controle de Insetos

2 MULTI - SMUP 1. APRESENTAÇÃO O controle de pragas é realizado pela empresa Multicontrole Controle de Pragas e Serviços S/C Ltda, alvará de licença Secretaria Municipal de Saúde. O controle integrado de pragas prevê a utilização de métodos químicos e físicos juntamente com procedimentos de higiene ambiental de modo a prevenir ou minimizar a ocorrência de pragas Responsabilidades Técnicas Responsável Técnico da Multicontrole: Carlos Vagner Peçanha - Biólogo CRBio nº D Responsável Técnico da Empresa: Técnicos do Controle de Qualidade Responsável pelas Operações da Multicontrole: Departamento Técnico e Departamento Operacional 1.2. Técnicos e Operadores da Multicontrole A lista, atualizada, de técnicos e operadores da Multicontrole encontra-se anexo a este documento. 2. OBJETIVOS Os objetivos básicos do Sistema de Controle Integrado de Pragas, executado pela Multicontrole no cliente são: a) Monitorar e manter sob controle, as populações das diversas espécies de pragas; b) Minimizar os riscos de acidentes e contaminação do homem por produtos e defensivos químicos, buscando alternativas de produtos e equipamentos mais seguros para as operações de tratamento; c) Minimizar os riscos de contaminação ambiental por defensivos químicos, diminuindo as freqüências de intervenções, e consequentemente, diminuir a quantidade de produtos aplicados; d) Minimizar os transtornos provocados pela atividade de controle de pragas na rotina do cliente. 3. ABRANGÊNCIA Este procedimento abrange as áreas da unidade, especificadas no escopo do contrato. 4. RESPONSABILIDADES É de responsabilidade do Departamento Técnico da Multicontrole a revisão deste documento. É de responsabilidade da Gestão do Controle de Qualidade e da Multicontrole o cumprimento deste procedimento. 2

3 MULTI - SMUP 4.1. Freqüência de Revisão Este documento deverá ser revisado a cada 24 meses, a partir da revisão vigente, ou quando houver alguma alteração significativa. 5. DEFINIÇÃO DE PRAGA E A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE Praga é qualquer organismo vivo que pode causar algum tipo de transtorno ao homem num determinado ambiente por ele ocupado. O transtorno ou prejuízo pode ser devido à transmissão de doenças, deterioração de matérias primas, materiais, ou simplesmente incomodo ao homem na partilha de seu espaço. As atividades desenvolvidas dentro do Sistema Multicontrole de Pragas (SMUP) são muito importantes em termos de saúde, pois as diversas pragas podem ser vetores biológicos e/ou mecânicos de vários microrganismos de importância médica e ainda podem denegrir a imagem da empresa. 6. DESCRIÇÃO GERAL DAS ATIVIDADES O Sistema Multicontrole de Pragas (SMUP) é efetuado através dos procedimentos de monitoramento periódico (freqüência determinada no contrato de trabalho), planejamento das atividades de Inspeção, orientações técnicas e operacionalização das estratégias de tratamento, levando-se em consideração as áreas a serem tratadas e as pragas infestantes Monitoramento das Pragas A atividade de monitoramento é efetuada com o objetivo de estar constantemente avaliando e coletando informações a cerca das pragas. Para estas atividades, temos instaladas Estações de monitoramento em pontos estratégicos, visando acompanhar continuamente as populações de pragas. Para tanto, poderão ser utilizadas: a) Armadilhas contendo atrativo a base de feromônios e/ou armadilhas luminosas para insetos; b) Armadilhas contendo atrativos alimentares (PPI Ponto Permanente de Iscagem), além de armadilhas adesivas ou, em alguns casos especiais, gaiolas para captura de roedores, conforme acordado em contrato. Estas estações de monitoramento são mapeadas, numeradas, etiquetadas e distribuídas em pontos estrategicamente definidos por profissional habilitado do departamento técnico. As estações de monitoramento são examinadas e higienizadas periodicamente (conforme programação enviada mensalmente) de modo a detectar a presença de pragas ou vestígios destas, antes da sua população assumir maiores dimensões, podendo assim direcionar nossas atividades às áreas que efetivamente apresentam problemas de infestação. Outro mecanismo de monitoramento utilizado são as Planilhas de Observação de Pragas, elaboradas para possibilitar que os colaboradores, do cliente, registrem as ocorrências de pragas. Estas planilhas estão distribuídas nos vários departamentos da empresa e são substituídas mensalmente a fim de mantermos um registro histórico, através da elaboração de relatórios. As Inspeções técnicas são efetuadas por profissional habilitado, visando coletar e registrar informações acerca da observação visual e dos registros nas Planilhas de Observação de Pragas. A partir das informações coletadas através destes mecanismos, as áreas são continuamente avaliadas quanto ao seu nível de risco de infestação. 3

4 MULTI - SMUP 6.2. Planejamento O planejamento é a fase mais importante do Sistema Multicontrole de Pragas (SMUP), pois nesta fase elaboramos formas e procedimentos de intervenção mais seguros e adequados a cada realidade e ambiente. É efetuado utilizando-se como ferramentas, as informações obtidas através das inspeções técnicas, anotações nas Planilhas de Observação de Pragas, pragas infestantes coletadas ou visualizadas e áreas onde estão se manifestando. Além disso, são definidos os pontos de iscagem e consideradas as formulações de defensivos mais adequados e seguros a serem utilizadas e, principalmente, as formas mais seguras de tratamento para cada área. Com base nos dados levantados, definimos as freqüências iniciais das intervenções, os produtos a serem utilizados, as formas de aplicação a serem adotadas em cada área e os pontos de instalação de armadilhas e porta iscas Operacionalização e Orientações Técnicas A operacionalização do programa compreende a ação prática das estratégias definidas no planejamento. Nesta etapa, ainda, são sugeridas ao cliente, informações técnicas para que efetue ações corretivas regulares (pois estas aumentam a segurança do ambiente em pontos que não apresentam riscos imediatos) e emergenciais. Também são repassadas orientações no sentido de informar ao cliente o que fazer em situações extraordinárias, como por exemplo, quando ocorre captura de roedores em armadilhas adesivas (lixo orgânico ou caldeira) ou quando um roedor é encontrado morto (lixo orgânico ou caldeira + higienização da área) 7. TREINAMENTOS E MEDIDAS CULTURAIS Para atuar desenvolvendo uma cultura adequada aos objetivos do programa, são ministrados cursos e palestras periódicas (conforme disponibilidade do cliente e escopo do contrato) de conscientização sobre Biologia e comportamento das diversas pragas, e da importância e papel de cada um dentro do Sistema Multicontrole de Pragas (SMUP). 8. ETAPAS DO SISTEMA MULTI (SMUP) 8.1. Programação Mensal No final de cada mês é encaminhado, ao cliente via fax ou , a programação dos serviços (conforme escopo do contrato) que serão prestados no mês subseqüente. As desinsetizações estruturais previstas são confirmadas, também através de fax ou , na quinta-feira anterior ao trabalho. Na oportunidade é encaminhada a data, horário, a lista de operadores que realizarão o serviço e orientações referentes às condições que deve se encontrar o(s) local (is) a ser(em) tratados e como proceder a higienização após a desinsetização. Caso o serviço seja confirmado, deve ficar junto à portaria da Empresa, um documento autorizando a entrada dos funcionários Inspeções Técnicas As inspeções técnicas são realizadas por técnico habilitado (biólogo, agrônomo, etc.) em todas as áreas que estão previstas no escopo do contrato. Por ocasião da implantação do contrato, é realizada a primeira inspeção, e entregue ao nosso contato, na empresa, a Planilha de Registro e a Pasta SMUP, esta última contendo documentos referentes à Multicontrole, documentos dos produtos que serão utilizados, dentre outros. 4

5 MULTI - SMUP Descrição da Inspeção Técnica O técnico identifica-se na portaria da Empresa utilizando o seu crachá, e solicita que o responsável pelo controle de pragas (contato), seja informado de sua presença. Juntamente com o responsável, faz uma avaliação do andamento dos trabalhos e suas particularidades (ocorrências de pragas, p.e). Após realiza a inspeção técnica (se possível com o acompanhamento do contato), circulando pelas áreas internas e externas. Durante a inspeção, são verificadas, minuciosamente, as condições que possibilitam e/ou favoreçam risco de infestações por pragas. Os itens críticos e locais observados são registrados na planilha de inspeção técnica, além das sugestões de medidas corretivas e/ou de higienização e as orientações/locais que deverão ser repassadas ao departamento operacional (para posterior tratamento). Posteriormente é enviado um relatório com sugestões de melhorias, ao contato da empresa Emissão de Relatórios Estatísticos e de Relatórios de Ação As informações obtidas através das Planilhas de Observação de Pragas, Planilhas de armadilha, Planilhas das estações de monitoramento e das Inspeções Técnicas, são processadas em nosso departamento técnico gerando os relatórios Operações As estações de monitoramento são constituídas basicamente por armadilhas para insetos e roedores instaladas nas diferentes áreas. Além das armadilhas, cada área é examinada por um dos técnicos da empresa, visando constatar sinais de presença de pragas e avaliar os níveis de risco de infestação existentes Formas de Aplicação dos Defensivos e instalação de armadilhas para Controle De Insetos Formas de Aplicação dos Defensivos O programa SMUP foi elaborado inicialmente para controle em áreas sensíveis como Hospitais, Hotéis, Indústrias de Alimentos, Aeronaves, entre outros. Por isso a Multicontrole possui técnicos e designers desenvolvendo equipamentos e materiais que tornam as atividades de intervenção com defensivos químicos cada vez mais seguras em termos toxicológicos. Para controle de algumas espécies de insetos a Multicontrole desenvolveu equipamentos que nos permitem efetuar as aplicações de defensivos químicos sem a necessidade de pulverizar os ambientes e sem a necessidade da remoção de pessoas das áreas tratadas e interrupção das atividades de rotina. Desta forma, as intervenções podem ser efetuadas com maior segurança. Este processo é efetuado através de deposição tópica de superfícies, aplicação de produtos na forma de gel, aplicação de estações fixas de iscagem bait station, polvilhamento de produtos na forma de pós secos, ou simplesmente a orientação para o conserto, com materiais adequados, de problemas estruturais que facilitam o acesso, alojamento e desenvolvimento de pragas. Para áreas externas ou áreas onde o risco de contaminação ambiental e de pessoal é reduzido, como caixas de esgoto, gordura, ou então em determinadas áreas onde se percebe a necessidade e onde não houver restrições em termos de segurança, os defensivos são aplicados através de atomização, aspersão (pulverização) e termonebulização (fog). Entre estas áreas tratadas, temos: áreas externas, garagens, escadarias, docas, caldeiras, galerias técnicas, jardins, casas de máquinas, entre outras. A atomização de defensivos químicos é efetuada através de equipamentos motorizados com o principal objetivo de tratamento de áreas externas e internas para controle de insetos voadores como: moscas, mosquitos, percevejos, etc... Este processo nos permite aplicação de defensivos químicos em locais de difícil acesso como vegetação e teto de ambiente cujo pé direito é muito alto. 5

6 MULTI - SMUP O processo de aspersão ou pulverização de defensivos químicos é efetuado com a utilização de aspersores manuais de inox. São utilizados em ambientes externos, pisos e ralos das áreas internas também. Este equipamento é eficiente para controle de insetos rasteiros como, baratas da espécie Periplaneta americana (baratas de esgoto), pulgas, traças, formigueiros em jardins, ácaros, etc... Exemplos de área tratadas desta forma são: sanitários, jardins, shafters, poços de elevadores A aplicação de defensivos químicos através da termonebulização é efetuada com a utilização de equipamentos onde o defensivo químico é aplicado com óleo mineral na forma de uma névoa. Este processo é utilizado em ambientes abertos para controle de mosquitos e em indústrias de alimentos, para controle de pragas em maquinários, pois não deixam nenhum efeito residual. Este processo é utilizado em ambientes abertos ou grandes espaços para controle de insetos e aracnídeos. Nas áreas que são ocupadas por funcionários, dependendo da praga, o defensivo químico, quando necessário, será aplicado através de deposição tópica superficial. Neste processo uma superfície de material absorvente é mantida, continuamente impregnada com defensivo. O contato desta superfície com a superfície a ser tratada garante a transferência do defensivo da primeira para a segunda com o mínimo de partículas de defensivo em suspensão no ar. Este procedimento aliado à utilização de defensivos adequados com baixa volatilidade e irritabilidade garante a segurança do processo de tratamento. Outra forma de aplicação tópica é o pincelamento. Neste, a aplicação é feita com um pincel embebido numa calda de inseticida na formulação pó molhável. O resultado é uma barreira química aplicada de forma segura e bem acessível às pragas. O procedimento de aplicação de gel com pistolas aplicadoras e estações fixas de iscagem foram desenvolvidos principalmente para controle de baratas de espécie Blattella germanica em ambientes internos como cozinhas, despensas, gavetas, vestiários, equipamentos eletrônicos, etc... O gel é aplicado com pistola aplicadora manual específica. Este procedimento é adotado nas lojas de alimentos e em departamentos onde a aplicação do produto será efetuada em equipamentos eletrônicos. Outra forma de aplicação, desenvolvida pela empresa, é através de iscagem permanente, onde são utilizadas estações de iscagem contendo produto na forma de gel. A vantagem deste procedimento é que o produto fica acondicionado dentro de uma estrutura plástica aumentando, assim, sua segurança. O polvilhamento é utilizado para controle de insetos que normalmente ficam em pequenas frestas, fendas, caixas de inspeção ou dentro de estruturas onde o produto líquido não pode ser aplicado. A aplicação é efetuada com polvilhadeira manual para produtos na forma de pó seco. São utilizadas, adicionalmente, quando necessário, iscas alimentícias para controle de baratas e formigas associadas aos tratamentos anteriormente descritos Instalação de armadilhas luminosas e caça-moscas, para captura de insetos: As armadilhas luminosas são instaladas no cliente, mediante acerto no contrato de prestação de serviços ou solicitação de aditivo contratual. O posicionamento destas armadilhas luminosas é determinado pelo Departamento técnico da Multicontrole, levando-se em consideração o risco de contaminação do produto (afastadas das linhas de produção) e a questão de atratividade (afastadas de pontos concorrentes ou atrativos, como luminárias, janelas e portas). As armadilhas caça-moscas são instaladas sempre no pátio, junto a locais críticos para a proliferação e/ou atratividade desta praga Formas de Aplicação dos Defensivos ( porta iscas) e armadilhas (gaiolas e adesivas) para Controle de Roedores 6

7 MULTI - SMUP Para ambientes internos são utilizadas para controle de roedores, armadilhas adesivas que podem conter atrativos alimentares. O roedor é capturado sem a necessidade da utilização de produtos raticidas. As intervenções visando o controle de roedores em ambientes externos, consistem na instalação de iscas, contendo atrativo alimentar e defensivo químico, criando um anel sanitário. Estas iscas estão sempre acondicionadas em porta iscas tipo Bolt (estruturas plásticas de proteção cochos). Nos porta iscas, são utilizadas iscas na forma de blocos parafinados e/ou iscas peletizadas (APÓS AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO TÉCNICO/CONTATO). Estas iscas são inspecionadas periodicamente (conforme cronograma enviado mensalmente) e substituídas quando necessário. No anel sanitário são estabelecidos pontos fixos de iscagem, definidos pelo departamento técnico, sendo remanejados com o passar do tempo, sempre que for necessário. As armadilhas adesivas, as gaiolas e os porta iscas são mapeadas (a revisão do mapa é anual ou excepcionalmente quando houver alguma alteração nas armadilhas) e etiquetadas, de tal forma, que possam ser identificados os dias em que o operador fez a vistoria dos pontos. Durante a inspeção das armadilhas adesivas, das gaiolas e dos porta iscas, verificamos o estado de conservação das mesmas e das suas etiquetas de identificação, se as iscas foram ou não consumidas ( no caso dos portas iscas) e se há ou não vestígio (fezes e/ou urina) de roedores. À partir destas verificações definimos a necessidade, ou não, da troca do raticida ( no caso dos porta iscas) e da higienização ou substituição da armadilhas adesivas e/ou gaiolas e/ou das etiquetas. Após a avaliação das armadilhas adesivas e/ou gaiolas e/ou porta iscas, os dados de consumo, troca de raticida ( no caso dos porta iscas) ou captura ( armadilhas adesivas e gaiolas) são anotados nas respectivas planilhas de desratização Princípios Ativos Utilizados Dentre os grupos químicos utilizados nas intervenções visando o controle de insetos e roedores no cliente temos: piretróides, carbamato, amidino hidrazones e fenil pirazóis. Os piretróides como a cipermetrina, deltametrina e permetrina apresentam uma boa ação de choque e desalojante, ainda apresentam uma ação residual mais prolongada. O hidrametilnone e fenilpirazol são utilizado na forma de iscas gel ou em estações de iscagem, nas áreas internas, atuam como intoxicantes estomacais. Os produtos que são utilizados no controle de roedores são do grupo do warfarínicos. São utilizadas iscas na forma de blocos parafinados e iscas pelletizadas em saches contendo 0,005 % de ingrediente ativo. Quando as condições de segurança permitem são empregados rodenticidas na formulação pó de contato. São também, em alguns casos, utilizados produtos naturais para repelência como óleo de citronela, de coparoba, algumas essências, entre outros (vide Procedimento de Aplicações em anexo) Orientações de Segurança Todos os produtos acima mencionados são regulamentados pelo Ministério da Saúde para uso profissional, ou seja, uso exclusivo por empresa especializada. Assim, é vetada, tanto pela legislação federal quanto pela estadual, sua utilização por empresas que não estejam legalmente habilitadas para a aplicação Informações Toxicológicas 7

8 MULTI - SMUP Encontram-se nos Certificados de execução do Controle de Pragas encaminhados, mensalmente, ao cliente. Os defensivos do grupo dos piretróides atuam a nível de sistema nervoso através de um mecanismo ainda não completamente esclarecido. Para estes produtos, em caso de intoxicação aguda, recomenda-se a aplicação de anti-histamínicos e tratamento sintomático. O hidrametilnone é um defensivo do grupo das amidinohidrazonas. Em caso de ingestão acidental das iscas recomenda-se provocar o vômito e procurar assistência médica. Os rodenticidas warfarínicos atuam por ingestão como anticoagulantes clássicos interferindo no metabolismo da vitamina K no fígado, impedindo a produção de protrombina, sem a qual o sangue demora a coagular-se. Sua ação letal ocorre de oito a doze dias após a ingestão. Em caso de envenenamento, ou suspeita de envenenamento, avaliar o tempo de protrombina para verificar se há intoxicação por anticoagulante cumarínico. Caso o resultado seja positivo, aplicar vitamina K Procedimentos de Higienização das Armadilhas (adesivas e gaiolas) e Estações de Iscagem ( porta iscas) para roedores A cada operação efetuada na empresa, é avaliado também o estado geral de conservação das armadilhas utilizadas. No caso dos PPI S (Posto Permanente de Iscagem) e gaiolas, se for observado apenas acúmulo de pó, eles serão limpos com um pano e/ou pincel. Os que apresentarem mal estado de conservação( muito sujos, etiqueta ilegível ou quebrados) serão substituídos por unidades novas. Os PPI S e gaiolas que forem recolhidos serão levados à Multicontrole onde passarão por um processo de higienização (escovação e lavagem com água e detergente) e reparos. Após sua secagem são novamente montados (colocada etiqueta e o arame/lacre que prende o raticida), ficando prontos para uso, ou em caso de avaria sem consertos, são descartados. No caso das armadilhas adesivas, se houver captura, a placa adesiva é substituída por uma nova e a proteção desta é limpa com pano ou pincel. Se houver necessidade (quebra), a proteção da armadilha adesiva também será substituída. OBSERVAÇÃO: em caso de extravio ou destruição da proteção e/ou armadilha adesiva, porta iscas ou gaiola, estes serão substituídos e haverá cobrança destes materiais Procedimentos de Higienização das Armadilhas para insetos (luminosas e caça-moscas) Estas armadilhas são revisadas periodicamente (conforme cronograma enviado mensalmente). Durante a substituição do refil das armadilhas luminosas, também é realizada a higienização (limpeza), que consiste em se passar um pano embebido em álcool para remover excesso de cola e alguns insetos que ficam aderidos fora do refil. Se houver necessidade (mal funcionamento ou excesso de sujeira), a armadilha é removida ( sendo instalada outra em seu lugar) e levada à Multicontrole para higienização ( limpeza) e execução dos reparos necessários. As substituições de lâmpadas, bem como os valores das contagens de insetos aderidos, por amostragem, no campo marcado no refil são anotadas na planilha das armadilhas luminosas. A cada trabalho operacional, as armadilhas caça-moscas serão limpas com um pano e/ou pincel. Ao retirar a tampa da armadilha côa-se o extrato, em um balde com tampa. Após adiciona-se o produto novo na armadilha, que é recolocada na sua posição. As moscas capturada são enterradas e fluído utilizado retorna no balde, com tampa, para a Multicontrole.. A revisão das armadilhas é registrada na Planilha das armadilhas caça-moscas. 8

9 MULTI - SMUP OBSERVAÇÃO: em caso de extravio ou destruição da armadilha, esta será substituída e haverá cobrança deste material Planilha de Registro A cada visita da Multicontrole na empresa (inspeção técnica ou operação), será preenchida uma Planilha de Registro (localizada na portarias ou no controle de qualidade), onde são detalhadas todas as atividades desenvolvidas Documentos dos Produtos Utilizados Todos os produtos que são empregados nas intervenções, que envolverem aplicação de defensivos químicos visando o controle de insetos e roedores nas instalações do cliente, são devidamente registrados no Ministério da Saúde para uso domissanitário e alguns também no Ministério da Agricultura (AUP Autorização de Uso de Produtos para áreas de produção de alimentos de origem animal). Os documentos referentes a estes produtos são revisados periodicamente fazendo-se, sempre que necessário, a substituição daqueles que sofreram atualizações ou perderam a validade, incluindo-os no site da Multicontole Impossibilidade de Execução dos Serviços Caso ocorra impossibilidade de execução dos serviços (inspeção técnica ou trabalho operacional), registra-se o motivo na Planilha de Inspeção Técnica ou Relatório Operacional e solicita-se que o contato ou a pessoa responsável pela informação, assine a observação da impossibilidade Certificado de Execução de Controle de Pragas Na primeira quinzena do mês é emitido o Certificado de Execução de Controle de Pragas do mês anterior, contendo informações a respeito dos produtos utilizados nas desinsetizações e desratizações, conforme exigido pela legislação Treinamentos Internos: Multicontrole No final de cada ano elabora-se um cronograma de treinamentos internos a serem realizados no ano seguinte. Este cronograma prevê treinamentos mensais e geralmente é ministrado pelo Departamento Técnico e Supervisores. Estes treinamentos podem ser práticos e/ou teóricos Chamadas Extras, Trabalhos Avulsos e Retorno (Retrabalho) Excepcionalmente, são atendidas chamadas extras solicitadas pelo cliente para avaliação/resolução de ocorrências emergenciais. Estas chamadas terão ônus Suporte Técnico: A Multicontrole disponibiliza suporte técnico a seus clientes. Este suporte técnico compreende peritagens, laudos, testes, análise de produtos, projetos de pesquisa e análise/avaliação de casos de infestação. Estas atividades podem ser parte do escopo de trabalho ou atividades extras 9

10 MULTI - SMUP 9. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Controle de Roedores Os EPI s - Equipamentos de Proteção Individual utilizados para manipulação de produtos raticidas são apenas Luvas de PVC e máscara facial no caso de aplicação de raticida na formulação pó (somente nas áreas externas) Controle de Insetos Os EPI s - Equipamentos de Proteção Individual utilizados para manipulação de produtos inseticidas nas formas líquida, pós secos e névoa, são: Aplicação/EPI Máscara Luva Avental Protetor facial Protetor auricular Botas: PVC/ segurança Gel X X X X Polvilhamento X X X X X Pulverização X X X X X Pincelamento X X X X X X Atomização X X X X X Fog X X X X X (termonebulização) CARLOS VAGNER PEÇANHA Diretor Técnico 10

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR TERMO DE REFERÊNCIA/ESCOPO HMR.02.06.04 HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SAÚDE AMBIENTAL (DESRATIZAÇÃO, DESCORPINIZAÇÃO

Leia mais

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE...

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Página 1 POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Assegurar um controle

Leia mais

158009.32015.72556.4678.4039841750.595

158009.32015.72556.4678.4039841750.595 158009.32015.72556.4678.4039841750.595 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2015

Leia mais

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Curso Integrado de Pragas JPGomes November 11th, 2006 Slide 1 Controle Integrado de Roedores e Insetos Instalações: O surgimento de roedores e insetos é conseqüência

Leia mais

PROPREV PROGRAMA DE PREVENÇÃO E ELIMINAÇÃO DE PRAGAS. ELABORAÇÃO: Maria Consuelo P. C. L. Setin - Área da Qualidade

PROPREV PROGRAMA DE PREVENÇÃO E ELIMINAÇÃO DE PRAGAS. ELABORAÇÃO: Maria Consuelo P. C. L. Setin - Área da Qualidade 1 PROPREV PROGRAMA DE PREVENÇÃO E ELIMINAÇÃO DE PRAGAS ELABORAÇÃO: Maria Consuelo P. C. L. Setin - Área da Qualidade APROVAÇÃO: Hilton L. Pinto Responsável Técnico CREA:060014298 DATA DE EMISSÂO: 19/11/12

Leia mais

INSETICIDAS CYPERCHEM 250 BR Concentração: 250g/L (25%), atomização e termonebulização Indicação: Mosquitos, barbeiros, moscas e baratas Ação tóxica: Disturbios sensoriais cutâneos, hipersensibilidade,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL DEDETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO

NORMA PROCEDIMENTAL DEDETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO 30.01.009 1/08 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos para realização do serviço de dedetização e desratização nas dependências do Hospital Escola HE. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os setores do HE, em

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Relatório Estatístico Gerencial de Manejo Integrado de Pragas

Relatório Estatístico Gerencial de Manejo Integrado de Pragas Relatório Estatístico Gerencial de Manejo Integrado de Pragas Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos - Fundação Instituto de Moléstias do Aparelho Digestivo Referente ao mês de: Março Proposta Ordem de

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157

MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 MIP: Industrias de POA Maria do Horto Nagano cleanpragas@gmail.com * (41 ) 9106 1157 1998 Associação Paranaense dos Controladores de Pragas e Vetores EPI CNAE 8122-2/00 CONCLA Comissão Nacional de Classificação

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Caderno de Especificação Técnica UAHP-056-R00-2013

Caderno de Especificação Técnica UAHP-056-R00-2013 COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA ADMINISTRATIVA DA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE PAULO AFONSO APA UNIDADE DE APOIO ADMINISTRATIVO HOSPITALAR UAHP Caderno de Especificação Técnica UAHP-056-R00-2013

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica A ABCVP (Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas) é uma entidade que congrega como associados representantes de empresas privadas

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS (VETORES E PRAGAS)

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS (VETORES E PRAGAS) A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária: 4- Inscrição Municipal: 5-CNPJ 6- Inscrição Estadual 9-Endereço: 10- nº 11-E-mail 13-Bairro: 8-Fone: 14-Município:

Leia mais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 1 de 8 PAC 01 Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v EMPRESA A Interfina nasceu em 2010 com o objetivo de criar soluções inovadoras em agroquímicos, desenvolvendo um mix de produtos que tenham tecnologia, qualidade e colaborem com eficácia no combate as

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO RATOKILL PÓ DE CONTATO CÓDIGOS : 313, 314, 325 e 326. Páginas 1 de 5 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do produto... : RATICIDA RATOKILL PÓ DE CONTATO Fabricante... : INSETIMAX INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA Controle de Roedores Marcelo Weiss Introdução Diferença entre roedores silvestres e roedores sinantróficos comensais Condição

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

Título do Trabalho: CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO SISTEMA DE COLETA E AFASTAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS UMA EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA.

Título do Trabalho: CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO SISTEMA DE COLETA E AFASTAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS UMA EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA. Título do Trabalho: CONTROLE DE PRAGAS URBANAS NO SISTEMA DE COLETA E AFASTAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS UMA EXPERIÊNCIA BEM SUCEDIDA. Tema: VI SAÚDE PÚBLICA E CONTROLE DE VETORES Autores: Mauro Mazzilli

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 111/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 111/2014 COMPRASNET 1. OBJETO COTAÇÃO ELETRÔNICA: 111/2014 COMPRASNET TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 Serviços de desinsetização, desratização e controle de pragas em áreas internas e externas da PRODAM, nos endereços descritos abaixo:

Leia mais

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v EMPRESA A Interfina nasceu em 2010 com o objetivo de criar soluções inovadoras em agroquímicos, desenvolvendo um mix de produtos que tenham tecnologia, qualidade e colaborem com eficácia no combate as

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( )

Concurso de Auxiliar de Serviços Gerais - Prefeitura de Alvorada do Sul - 2014 A ( ) 18 B ( ) 28 C ( ) 38 D ( ) 40 A ( ) B ( ) C ( ) D ( ) PORTUGUÊS MATEMÁTICA 01 QUESTÃO Qual das seguintes palavras é masculina? A ( ) Flor B ( ) Mar C ( ) Amora D ( ) Folha 02 QUESTÃO Entre as palavras abaixo, qual está escrita de maneira incorreta? A ( )

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Inseticidas aliados contra a dengue

Inseticidas aliados contra a dengue Inseticidas aliados contra a dengue Alguns dos produtos testados deixaram a desejar na eliminação de baratas e moscas. A boa notícia é que todos eles tiveram ótimo desempenho contra o mosquito Aedes aegypti.

Leia mais

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL TÍTULO : SAÚDE E SEGURANÇA 1. OBJETIVO: Informar, conscientizar e instruir os colaboradores, sobre possíveis riscos inerentes as funções desempenhadas em seu dia a dia do trabalho.

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 5103 / 2014-DL Identificador de Documento 647141 Folha 1/4 LO N.º 5103 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente,

Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, DE Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Marcus de Almeida Lima Vice-Presidente Rafael de

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: IMPERCOTEPRIMER CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat KLERAT O Melhor raticida dose única KLERAT mata todos os roedores, incluindo aqueles resistentes a outros raticidas anticoagulantes, com a MENOR DOSE DO MERCADO.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Solunew Diluição: 1/10. Empresa: Ricknew Indústria Química.. Endereço: Rua Luiz Job de Souza, 118. Telefones: (44) 3233 2356 e 9849 0008. Home

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

Nós temos A SOLUÇÃO!!

Nós temos A SOLUÇÃO!! Farto de PRAGAS?? Nós temos A SOLUÇÃO!! Controlo de Pragas Controlo de Roedores: Rato Murganho Ratazana Castor Coelho Toupeira Relativamente aos produtos para DESINFESTAÇÔES, fazemos uma pequena apresentação:

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Impercit Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTOS (FISPQ)

INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTOS (FISPQ) Página 1 de 5 TECNOCELL AGROFLORESTAL LTDA Rua dos Tucanos, 535 - Parque Industrial 06330-281 Carapicuíba SP FONE: (11) 4186-1433 4186-1278 4186-2857 comercial@tecnocellagro.com.br NOME: VECTOCELL 40 PM

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

Número de página: 1/5. Data da última revisão: 14 de maio de 2009

Número de página: 1/5. Data da última revisão: 14 de maio de 2009 Número de página: 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO FABRICANTE Nome comercial: Aplicação: inseticida indicado no controle de baratas Fabricante: Tapinoma Indústria e Comércio de Desinfestantes Ambientais

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

Comércio de Produtos Químicos

Comércio de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1.) Identificação do Produto Nome do Produto: Pombo Código do Produto: Pr 295307 2.) Composição e Informação sobre os Ingredientes Substância:

Leia mais

ROBERT BOSCH LIMITADA

ROBERT BOSCH LIMITADA F0LHA...: 1 de 5 1 _ Identificação do Produto e Fabricante Nome do Produto: Acumulador elétrico de energia Nome do Fabricante sob licença da Robert Bosch Ltda.: Enertec do Brasil Ltda. Endereço: Av. Independência,

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Metrofix Fabricado por: Lwart Química Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO

MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO MANUAL DE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO 1. O que é limpeza É o ato de remover todo tipo de sujidade, visível ou não, de uma superfície, sem alterar as características originais do local a ser limpo. 1.1 Limpeza

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA COORDENAÇÃO

Leia mais

Av. Presidente Vargas, 1261 CEP: 20071-004 - Centro - Rio de Janeiro Tel: +55 (21) 2532-2661

Av. Presidente Vargas, 1261 CEP: 20071-004 - Centro - Rio de Janeiro Tel: +55 (21) 2532-2661 TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE TELHADOS VERDES/ECOTELHADO, JARDINS E CANTEIROS NA BIBLIOTECA PARQUE ESTADUAL RJ. JUSTIFICATIVA A Biblioteca

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Ortolan Sep 791 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua Henry Martin, 235 Vargem Grande

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria Municipal de Finanças Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /2011 Fls. 1

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria Municipal de Finanças Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /2011 Fls. 1 Contrato nº /2011 Fls. 1 MINUTA TERMO DE CONTRATO Convite de Preços n.º 085/2011 Processo n.º 29.199/2011 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO NAS UNIDADES

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Programa de Parceria

Programa de Parceria de Parceria APRESENTAÇÃO CORPORATIVA A Inset Hunter é uma empresa que desenvolve soluções e estratégias em controle de pragas e animais sinantrópicos. Seguindo princípios de engenharia ambiental, sanitária

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais Agosto/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem estar e o desenvolviment

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Fabricado por Endereço Vedapac Laje Preto Lwart Química Telefone (14) 3269-5060 Fax (14) 3269-5003 email

Leia mais

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F

Assinale a alternativa correta: a) V,V,F.F b) V,F,V,F c) V,F,F,F d) V,V,F,V e) V,V,V,F AUXILIAR OPERACIONAL 1. A desinfecção é o processo de destruição de agentes infecciosos. Assinale a alternativa correta: a) pode ser feita através de meios físicos e químicos b) deve ser realizada com

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE. KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental

PENSE NO MEIO AMBIENTE. KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental PENSE NO MEIO AMBIENTE KPA KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL Treinamento teórico e prático COA - Comunicado de Ocorrência Ambiental Fevereiro/2014 KPA QUANDO UTILIZAR O KIT DE PROTEÇÃO AMBIENTAL? I. Derramamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Os Defensivos Agrícolas e a Comercialização. Autor: Equipe do Decen e Senar.

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Os Defensivos Agrícolas e a Comercialização. Autor: Equipe do Decen e Senar. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS MÉTODO UTILIZADO As orientações constantes deste documento são uma compilação das exigências

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores.

Data de Vigência: Página 1 de 8. 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. Data de Vigência: Página 1 de 8 1- Objetivo: Prevenir doenças e livrar o ambiente de pragas, insetos e roedores. 2- Aplicação: 3- Procedimentos: Este procedimento aplica-se a cozinha e refeitório. 3.1-

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br Produto: TILDREN Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: Nome do Distribuidor: Endereço: TILDREN La Ballastiere BP 126-33501 Libourne. Ceva Saúde Animal

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS

INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS INFORMAÇOES TÉCNICA DOS SERVIÇOS 3 - LIMPEZA E MANUTENÇÃO Informamos abaixo a forma correta de como proceder à limpeza profunda. Os equipamentos utilizados estão dimensionados de acordo com o tamanho do

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higiene e desinfecção e Jardinagem com fornecimento de materiais e equipamentos, para

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do produto: COLA PVA EXTRA FORMICA Nome da empresa: Formiline Indústria de Laminados Ltda. Endereço: Estrada Portão do Honda, 120 Rio Abaixo

Leia mais

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC ANEXO IV MEMORIAL DE MANUTENÇÃO PAISAGISMO HOTEL SESC MEMORIAL DE MANUTENÇÃO DE JARDIM HOTEL

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: CURATON CQ FISPQ n 052 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Curaton CQ Código do produto: 11130 Nome

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: MAXPREN LAJE PRETO Código do produto: 16100 Nome da empresa: Maxton Brasil Endereço: Rua Ivo

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Descrição dos Equipamentos

TERMO DE REFERÊNCIA. Descrição dos Equipamentos ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DOS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA COZINHA ESCOLA

Leia mais