DOSSIER DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOSSIER DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO"

Transcrição

1 DOSSIER DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO Pág.1 de 15

2 Índice 1) Introdução 1.1) Âmbito Do Dossier de Limpeza e Desinfecção. 1.2) Enquadramento. 1.3) Termos e Definições. 2) Contaminantes dos alimentos 2.1) Noções Básicas de Microbiologia. 3) Programa de Higiene dos Manipuladores, Instalações e Equipamentos (Princípios Básicos) 3.1) Higiene do Operador de Alimentos ) Fardamento. 3.2) Higiene das Instalações e Equipamentos ) Produtos de Limpeza ) Processo de Higienização ) Higienização das Instalações ) Higienização dos equipamentos. 4) Produtos e Documentação Fornecida 4.1) Lista de Produtos. 4.2) Plano Regular de Higiene e Ficha de Registos. 4.3) Atestados da Faculdade de Farmácia. 4.4) Fichas Técnicas. 4.5) Fichas de Segurança. 5) Informações Adicionais Pág.2 de 15

3 1) Introdução O crescimento de exigências em matéria de segurança na sociedade actual, é evidente e transversal em diversas áreas no nosso quotidiano. Automóveis mais seguros, equipamentos seguros, segurança no trabalho, ergonomia, vídeo vigilância entre outros, são apenas alguns exemplos. Desta forma o sector Alimentar também converge para a adopção de práticas que possam garantir a segurança dos alimentos que produz, confecciona e distribui. 1.1) Âmbito do Dossier de Limpeza e Desinfecção A LATECMA, Lda., pretende com este documento, prestar um serviço informativo ao seu cliente sobre alguns conceitos e procedimentos, relacionados com a implementação e cumprimento de um Programa de Higiene dos Manipuladores e das Instalações, no contexto de um Sistema de Segurança Alimentar baseado nos princípios da metodologia HACCP. Com o presente documento, é facultado ainda toda a informação relativa aos produtos fornecidos, fichas técnicas, fichas de segurança, certificados (quando aplicável) e ainda um Plano Regular de Higiene. 1.2) Enquadramento Um Programa de Higiene dos Manipuladores e das Instalações, é entendido como um pré-requisito de um Sistema de Segurança Alimentar com base nos princípios HACCP. Para que se possa garantir toda a segurança dos géneros alimentícios (produzidos, confeccionas, ou distribuídos), é essencial que se verifiquem determinadas condições de higiene dos operadores, das instalações e equipamentos. Outros pré-requisitos, terão obviamente de ser cumpridos, como requisitos gerais das instalações, controlo de pragas, medicina no trabalho, etc. Para que os operados das empresas do sector alimentar cumpram com o disposto no Regulamento 852/2004 de 29 de Abril, terão de implementar e manter eficaz, um Programa de Higiene dos Operadores e das Instalações. Pág.3 de 15

4 1.3) Termos e Definições Contaminação Presença de qualquer material estranho num alimento, quer seja de origem química, física ou biológica; Desinfecção - Redução do número de microrganismos a um nível seguro, através de agentes químicos ou agentes físicos; Desinfectante Substância química que reduz o número de bactérias a um nível seguro; Detergente Substância usada para eliminar a sujidade e a gordura de uma superfície; Higienização Conjunto das operações de Limpeza e Desinfecção; Limpeza Acção química/física de eliminação de sujidades, resíduos de alimentos ou outra matéria não desejável; Microrganismos Organismos vivos invisíveis a olho nu. Seres simples, unicelulares, e de desenvolvimento/proliferação muito rápida; Microrganismos Patogénicos Seres vivos unicelulares, não visíveis a olho nu, susceptíveis de causarem doenças ao consumidor; Manipuladores de Alimentos Todas as pessoas implicadas na produção, processamento, armazenamento, transporte, distribuição e venda de alimentos; Perigo Agente biológico, químico ou físico, presente no alimento, que afecta adversamente a segurança do alimento e consequentemente saúde do consumidor; 2) Contaminação dos Alimentos Chama-se contaminação, à presença de uma substância estranha aos alimentos, comprometendo a sua salubridade e segurança. Podem ocorrer três tipos de contaminação Física, Química e Biológica. A contaminação de um alimento é entendida como um perigo, desta forma é também comum a referencia a três tipos de perigos: Físicos: diz respeito à presença de corpos estranhos nos alimentos, como metais, plásticos, madeira, tinta, adornos (brincos, anéis, etc.), cabelos, insectos, entre outros; Pág.4 de 15

5 Químicos: pode envolver a presença de substâncias tóxicas provenientes de organismos vivos, assim como de insecticidas, pesticidas, produtos de limpeza (detergentes, desinfectantes), metais pesados, aditivos alimentares, etc; Biológicos: são causados pela presença de organismos patogénicos nos alimentos, bactérias, vírus, parasitas, leveduras, bolores, etc. 2.1) Noções Gerais de Microbiologia Os microrganismos são seres vivos relativamente simples, de dimensões muito reduzidas, apenas visíveis ao microscópio. Muitos são completamente inofensivos para o Homem e alguns têm mesmo funções benéficas. Outros porém, podem causar doenças, sendo estes designados por patogénicos. O desenvolvimento deste tipo de microrganismos, como as bactérias e leveduras, ocorre de uma forma muito célere. Quando reunidas as condições favoráveis, a cada 20 minutos uma bactéria divide-se em duas, desta forma, num curto espaço de tempo podemos ultrapassar facilmente níveis seguros. Regra geral, as instalações das indústrias do sector alimentar são um meio favorável ao crescimento de bactérias. Vejamos as suas condições óptimas de crescimento: - Temperaturas entre 5ºC e 65ºC ideal 37ºC - Agua, facilmente obtida na maioria dos alimentos e nas condições ambientais. - Nutrientes (glucidos, proteínas, gorduras, etc.), obtidos de alimentos de origem animal, como carnes, pescado, ovos e produtos lácteos. Em suma, Alimento em Abundância. - etc. Dado como adquirido e provados os conceitos anteriores, facilmente se entende como é importante garantir a correcta higienização dos operadores (sobretudo das suas mãos), assim como das instalações e equipamentos (principalmente as superfícies que entram em contacto com os alimentares). Pág.5 de 15

6 3) Programa de Higiene dos Manipuladores, Instalações e Equipamentos Um indivíduo saudável, é portador de bactérias susceptíveis de causar doenças, estas encontram-se principalmente nas mãos, boca, nariz e no intestino. É fundamental que os manipuladores de alimentos adoptem hábitos de higiene, afim de evitarem o seu contributo para uma proliferação de bactérias. 3.1) Higiene dos Manipuladores de Alimentos Especial atenção deve ser dada às mãos do operador. Estas devem apresentar-se sempre perfeitamente higienizadas (de unhas cortadas, limpas e sem verniz). Caso haja alguma ferida, esta deve ser devidamente tratada e desinfecta, coberta por um penso colorido impermeável à água e protegidas por luvas descartáveis. A lavagem e desinfecção das mãos, deve ser frequente e correctamente efectuada: - Molhar as mãos e antebraços com água quente; - Ensaboar as mãos e os antebraços, com um sabonete líquido bactericida inodoro; - Deixar actuar alguns segundos; - Enxaguar as mãos e os antebraços com água corrente; - Secar as mãos com toalhetes de papel de uso único. Em alternativa, pode-se usar um sabonete líquido não bactericida, contudo, após a secagem com papel descartável, efectua-se a operação de desinfecção, esfregando as mãos com uma solução desinfectante e deixa-se secar ao ar. (ex. BISEP, produto LATECMA). As mãos devem ser sempre higienizadas: - Antes de se começar a trabalhar e de tocar em qualquer alimento; - Antes e depois de se manipular alimentos crus; - Após mexer no cabelo, nariz, ouvidos, boca, etc; - Depois de se proteger de um espirro ou tosse; - Depois de usar produtos de limpeza; - Após utilização dos sanitários; - Sempre que considere necessário. Pág.6 de 15

7 3.1.1) Fardamento De forma a não contaminar os alimentos durante o seu processamento ou distribuição, a roupa de uso exterior (que poderá transportar bactérias, poeiras, cabelos, etc.), terá que ser substituída por uma farda apropriada e exclusiva do local de trabalho. A troca de roupa exterior pela farda de trabalho (fato, bata, touca, avental, sapatos, etc), deve ser realizada apenas nas instalações próprias para o efeito. A farda deve ser de cor clara, lavável e apresentar-se em boas condições de higiene. O uso de luvas descartáveis pode ser facultativo. Caso o operador assegure que as suas mãos, se encontrem higienizadas (lavadas e desinfectadas) para realizar determina tarefa, pode dispensar o uso destas. Contudo em determinados circunstâncias, como na realização de tarefas de exigência máxima ou na protecção de feridas, as luvas descartáveis são de facto essenciais. 3.2) Higiene das Instalações e Equipamentos As operações de limpeza nem sempre são uma tarefa apreciável pelos colaboradores. Porém uma instalação perfeitamente higienizada, contribui decisivamente para prevenir a contaminação dos alimentos, reduz o risco de contaminação cruzada, contribui para um controlo de pragas, para além de assegurar um local de trabalho mais agradável. É importante estabelecer rotinas de limpeza. Limpar à medida que se suja, é uma filosofia a seguir, principalmente nas superfícies e equipamentos que entram em contacto com os alimentos. É aconselhável definir um Plano Regular de Higiene. Este contempla a higienização das superfícies, equipamentos e instalações em geral. Este plano, deve estar bem visível na zona para o qual foi definido, com as seguintes informações: - O que limpar/desinfectar? As áreas ou equipamentos; - Quando limpar/desinfectar? A periodicidade; - Como higienizar? Procedimentos de limpeza ou desinfecção; - Quem vai limpar? Nome do responsável pela tarefa. Pág.7 de 15

8 3.2.1) Produtos de Limpeza Os produtos de limpeza desempenham um papel fundamental nas operações de higienização. Não só facilitam as operações, como aumentam a sua eficácia, para além de economizarem tempo. As unidades alimentares acumulam sujidades, gorduras, resíduos, incrustações, etc., para cada caso, deve ser usado o detergente correspondente (multiusos, desengordurante, lava-louça, etc.). A etapa de desinfecção, só pode ser realizada recorrendo a um desinfectante. Pois só este, actua sobre as bactérias, reduzindo-as a um nível seguro. Os produtos de limpeza usados na área afecta à zona alimentar, devem mencionar na sua fichas técnica a conformidade destes para o uso no sector alimentar. Os produtos de limpeza devem ser armazenado em local próprio, fora da zona alimentar e de preferência com as fichas técnicas e de segurança ) Processo de Higienização O processo correcto de higienização (Limpeza + Desinfecção) deve realizar-se da seguinte forma: 1. Remoção dos resíduos por um processo físico Aplicar água sob pressão, varrer com vassoura de pelo curto, usar espátula, etc; 2. Lavagem com o detergente adequado Na dose conveniente e pelo tempo correcto; 3. Enxaguar com água corrente; 4. Aplicar uma solução desinfectante Na dose correcta, no tempo necessário; 5. Enxaguamento com água corrente; 6. Secagem natural ou recorrendo a papel descartável. Pág.8 de 15

9 3.2.3) Higiene das Instalações O quadro seguinte apresenta noções gerais sobre as áreas a higienizar, frequência das operações, assim como alguns conselhos úteis. Áreas a Limpar Operação Frequência Conselhos Úteis Pavimentos e ralos de escoamento Lavagem e Desinfecção Após cada refeição ou turno de laboração Usar vassoura de pelo curto. Não varrer o chão seco, pulverizar água de modo a evitar poeiras. Tecto e paredes Instalações Sanitárias Lavagem Lavagem e desinfecção A suficiente de modo a manterem-se limpos, (como orientação 1 vez por mês) Diariamente Dar especial atenção às zonas atrás das bancas e equipamentos. Deve possuir sabão líquido bactericida e toalhetes de papel. Usar um desincrustante (ex. DESGEL) 3.2.4) Higiene dos Equipamentos O quadro seguinte apresenta noções gerais sobre os equipamentos a higienizar, frequência das operações, assim como alguns conselhos úteis. Equipamentos Operação Frequência Conselhos Úteis Superfícies de trabalho em contacto com os alimentos Máquinas em contacto com os alimentos Exaustores e Extractores Lavagem e Desinfecção. Lavagem e Desinfecção. Lavagem (Desengorduramento) Após cada utilização. Após cada utilização. A necessária para que se apresentem sempre limpos. Equipamentos de Frio Lavagem e Desinfecção. Uma vez por semana Equipamentos de congelação Dar especial atenção ao enxaguamento. Desligar os aparelhos da corrente eléctrica, colocalos em segurança. Dar especial atenção ao enxaguamento. Usar um desengordurante. (Ex. LIGOR) Colocar os alimentos num equipamento alternativo. Dar especial atenção às borrachas, puxadores e paredes interiores. Lavagem e Desinfecção. Uma vez por mês. (Ver equipamentos de frio) Recipientes do lixo Lavagem e Desinfecção Diária Deve possuir pedal e serem forrados com sacos. Remover o lixo após cada turno de laboração. Pág.9 de 15

10 4) Produtos e Documentação Fornecida 4.1) Lista de produtos A lista de produtos adoptados pela cliente Cliente é apresentada no quadro seguinte: PRODUTO FUNÇÃO APLICAÇÃO Quantidade Adquirida HIGIENE PESSOAL SLN-BAC-IN Lavagem e desinfecção das mãos dos operadores. Mãos e antebraços 30 L HIGIENIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS DETOL Desengorduramento do pavimento. Desengorduramento dos equipamentos. Pavimentos (Cozinha, corredores, economato, bar e sala) Bancadas, Fornos, Fogões, Grelhador, Exaustor, Fritadeira, etc. 10 L DISILAT Desinfecção de pavimentos e superfícies. Lavagem e Desinfecção do equipamento Pavimentos (Zona de confecção, corredores, economato, casas de Banho) Superfícies de trabalho, tábuas de corte, fiambreiras e outros equipamento que entrem em contacto com os alimentos 10 L LAT-GERM Lavagem e desinfecção do equipamento. Equipamentos de Frio e de Congelação 10 L Pág.10 de 15

11 4.2) PLANO REGULAR DE HIGIENE e FICHA de REGISTO (O responsável pelo sector alimentar deve completar o espaço destinado ao Responsável pela Operação que consta no impresso.) Pág.11 de 15

12 4.3) Certificados de Analise Pág.12 de 15

13 4.4) Fichas Técnicas Pág.13 de 15

14 4.5) Fichas de Segurança Pág.14 de 15

15 5) Informações Adicionais Esta secção visa facultar aos clientes da LATECMA, algumas informações úteis, assim como esclarecer eventuais dúvidas. ASAE - A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), é o órgão de polícia criminal regula a legalidade da actuação dos agentes económicos, a defesa da saúde pública e a segurança dos consumidores; - Não há empresas com qualquer acordo ou relação privilegiada com a ASAE; - Os inspectores da ASAE, aquando de cada intervenção, são possuidores de um cartão de livretrânsito (com fotografia e devidamente acreditado), um crachá com o dístico do órgão policial e normalmente de colete com as siglas ASAE nas costas. - Quando qualquer operador desconfiar da veracidade de uma inspecção, deve contactar o centro coordenador mais próximo, pois cada intervenção é programada. Alguma Regulamentação Regulamento n.º 852/2004 de 29 de Abril de 2004, relativo à higiene dos géneros alimentícios. Regulamento n.º 853/2004 de 29 de Abril de 2004, que estabelece regras específicas de higiene aplicáveis aos géneros alimentícios de origem animal. Regulamento (CE) n.º 854/2004 de 29 de Abril de 2004, que estabelece as regras específicas de organização dos controlos oficiais de produtos de origem animal destinados ao consumo humano Regulamento (CE) n.º 2073 de 15 de Novembro de 2005, relativo a critérios microbiológicos aplicáveis aos géneros alimentícios. Directiva 2002/99/CE, de 16 de Dezembro, que estabelece as regras de política sanitária aplicáveis à produção, transformação, distribuição e introdução de produtos de origem animal destinados ao consumo humano. Pág.15 de 15

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR

BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR BOAS PRÁTICAS EM HIGIENE ALIMENTAR Romana Neves Médica Veterinária Direcção de Serviços de Qualidade e Segurança Alimentar Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural 14 de Outubro de 2010

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações]

ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS [recomendações] Portugal em Acção ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO E BEBIDAS As estruturas, as instalações e o equipamento dos estabelecimentos de restauração ou

Leia mais

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 -

NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA - TASQUINHAS DAS FESTAS DO BARREIRO 2015 - O presente documento destaca as principais medidas de segurança e higiene no trabalho que deverão ser implementadas e cumpridas

Leia mais

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO

PLANO DE HIGIENE ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO ÍNDICE 1 HIGIENE PESSOAL 2 RECEPCÇÃO DE MERCADORIAS 3 ZONAS DE ARMAZENAGEM 4 ZONAS DE PREPARAÇÃO 5 ZONAS DE CONFECÇÃO 6 REFEITÓRIO / CAFÉ 7 COPA 8 VESTUÁRIOS e / ou CASAS DE BANHO Elaborado: Aprovado:

Leia mais

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal.

Objectivos Gerais. Índice. - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal. Higiene Pessoal Higiene Pessoal Objectivos Gerais - Conhecer as boas práticas de higiene pessoal; - Reconhecer a importância do cumprimento das regras da higiene pessoal. Índice 1. Lavagem das mãos 1.1

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

HIGIENE DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS

HIGIENE DO MANIPULADOR DE ALIMENTOS DE ALIMENTOS 2. HIGIENE DO MANIPULADOR O principal responsável dos casos de intoxicação é quase sempre o Homem. As intoxicações alimentares são causadas, quase sempre, por não se seguir as boas práticas

Leia mais

Preparo de Alimentos Seguros

Preparo de Alimentos Seguros Preparo de Alimentos Seguros O que você precisa saber para preparar um alimento próprio para consumo? Alimento Seguro são aqueles que não oferecem riscos à saúde de quem o está consumindo, ou seja, o alimento

Leia mais

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS

CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS CARTILHA DE MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS Departamento de Vigilância Sanitária Setor de Fiscalização de Alimentos Introdução De acordo com a publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 60% dos

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

1) O que entende por contaminação cruzada? Cite algumas medidas de prevenção da contaminação cruzada. 2) Quais as categorias de perigos que conhece? 3) Dê alguns exemplos de Perigos Biológicos. 4) Quais

Leia mais

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL)

REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) MANUAL REQUISITOS GERAIS HÍGIO SANITÁRIOS E TECNICO-FUNCIONAIS PARA A OFERTA E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTARES NA FEIRA INTERNACIONAL DE LISBOA (FIL) O objectivo deste manual é fornecer informação

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE PESSOAL

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE PESSOAL MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE PESSOAL 1. Introdução As doenças alimentares constituem uma das principais preocupações ao nível da Saúde Pública, principalmente nos grupos mais vulneráveis como crianças

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Conceito de Higiene Pessoal. Higiene pessoal. Métodos utilizados pelos operadores para protegerem os alimentos deles próprios.

Conceito de Higiene Pessoal. Higiene pessoal. Métodos utilizados pelos operadores para protegerem os alimentos deles próprios. Conceito de Higiene Pessoal Higiene pessoal Métodos utilizados pelos operadores para protegerem os alimentos deles próprios. 1 O que são Microrganismos Microrganismos Seres vivos muito pequenos, que só

Leia mais

Conceito de Higiene Pessoal

Conceito de Higiene Pessoal 1 Conceito de Higiene Pessoal Higiene pessoal Métodos utilizados pelos operadores para protegerem os alimentos deles próprios. O que são Microrganismos Microrganismos Seres vivos muito pequenos, que só

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E DE FABRICO PARA CANTINAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E DE FABRICO PARA CANTINAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E DE FABRICO PARA CANTINAS Cláudia Silva GUIA DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E DE FABRICO PARA CANTINAS Cláudia Isabel Silva Aluna estagiária de Engenharia Alimentar, do Instituto

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização. Restauração e Bebidas

Ficha Técnica de Fiscalização. Restauração e Bebidas Legislação aplicável: Licenciamento: o Decreto-Lei n.º 168/97 de 04 de Julho, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 57/2002 de 11 de Março, que aprova o regime jurídico da instalação e funcionamento

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração

Segurança Alimentar na Restauração. Higienização Pessoal na Restauração Segurança Alimentar na Restauração Higienização Pessoal na Restauração 1 Índice Consequências para a segurança alimentar de uma higiene pessoal inadequada... 3 Boas práticas de higiene pessoal... 3 Higiene

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha.

Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Trabalho com a energia da vida. Tenho orgulho disso. Sou Boa Cozinha. Sou consciente, escolhido por Deus. Sei o que faço. Amo o meu trabalho, amo a vida. Faço o certo. Aqui tem segurança. Sou comprometido

Leia mais

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP

Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade. XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt. Implementação do Sistema HACCP Departamento de Gestão e Economia Controlo da Qualidade XáàtÄtzxÅ t dâ Çàt Implementação do Sistema HACCP O HACCP HACCP - (Hazard Analysis, Critical Control Points) em português Análise dos Perigos e Pontos

Leia mais

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado

Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado Na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado 46 C-52 C 115 F-125 F 00:00:20 Todas as pessoas que entram na área de trabalho de uma unidade de processamento de pescado devem vestir roupas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal

HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal Instituto Politécnico de Coimbra Escola superior Agrária de Coimbra HACCP na RESTAURAÇÃO em Portugal Caracterização do sector Bruno Carramate 20823001 Mestrado em Engenharia Alimentar Introdução Como todos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE ESCOLAR

HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE ESCOLAR HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR EM AMBIENTE ESCOLAR LINHAS ORIENTADORAS Índice 1. Introdução... 2 2. Recepção de produtos alimentares... 3 3. Armazenamento.... 4 3.1. Produtos Alimentares Refrigerados e

Leia mais

Anexo II Tarefas de limpeza a efectuar pelas equipas de limpeza

Anexo II Tarefas de limpeza a efectuar pelas equipas de limpeza Anexo II Tarefas de limpeza a efectuar pelas equipas de limpeza TAREFA 1 2 3 4 Abastecer e efectuar a manutenção de equipamentos dispensadores, desinfectantes, e desodorizantes Arejar o espaço de forma

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL

BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL BOAS PRÁTICAS EM MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS E HIGIENE PESSOAL Manipuladores de alimentos São todas as pessoas que trabalham com alimentos, ou seja, quem produz, vende, transportam recebe, prepara e serve

Leia mais

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO

ÍNDICE CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA DIVISÃO DE ÁGUAS E SANEAMENTO ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 2 2. INFORMAÇÕES A TRANSMITIR AOS FUNCIONÁRIOS... 2 2.1. QUAIS OS SINTOMAS DA GRIPE A?... 2 2.2. MODOS DE CONTÁGIO... 3 2.3. MEDIDAS DE PROTECÇÃO E PREVENÇÃO...

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato. Regras de Funcionamento. Albufeira. 22 a 26 de Julho de 2015. Praça dos Pescadores

Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato. Regras de Funcionamento. Albufeira. 22 a 26 de Julho de 2015. Praça dos Pescadores Festival Al-Buhera-Mostra de Artesanato Regras de Funcionamento Albufeira 22 a 26 de Julho de 2015 Praça dos Pescadores 1 O Município de Albufeira organiza anualmente uma MOSTRA DE ARTESANATO, inserida

Leia mais

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO

GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO E RECOMENDAÇÕES PARA ESCOLAS E OUTROS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO As escolas e outros estabelecimentos de ensino assumem um papel muito importante na prevenção de uma pandemia

Leia mais

Agir contra a Gripe A

Agir contra a Gripe A Agir contra a Gripe A O papel dos estabelecimentos de educação e ensino Maria Neto Responsável pela área funcional da Promoção e Protecção da Saúde Responsável pelo Programa Nacional de Saúde Escolar na

Leia mais

Código de Boas Práticas em Higiene e Segurança Alimentar

Código de Boas Práticas em Higiene e Segurança Alimentar Código de Boas Práticas em Higiene e Segurança Alimentar Índice Nota Introdutória 2 Noções Básicas de Higiene 3 Contaminação Biológica 4 Contaminação Física 6 Contaminação Química 6 Higiene Pessoal 7 Saúde

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

PRODUTOS DE HIGIENIZAÇÃO

PRODUTOS DE HIGIENIZAÇÃO PRODUTOS DE HIGIENIZAÇÃO DETERGENTES BIOQUAL Modop.31/00 Catálogo de Produtos de Higienização / ED01 07/02/2014 Pág. 2 CERA ACRÍLICA AUTOBRILHANTE - 5 Kg Produto desenvolvido para o polimento de revestimentos

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos

O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Segurança Alimentar O Papel do Manipulador na Produção de Alimentos Eduardo Alécio - CEFETPE MANIPULADOR DE ALIMENTOS: Toda pessoa que pode entrar em contato com um produto comestível em qualquer etapa

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

1. Introdução Para Educar uma Criança é Preciso uma Aldeia Inteira

1. Introdução Para Educar uma Criança é Preciso uma Aldeia Inteira 1. Introdução Para Educar uma Criança é Preciso uma Aldeia Inteira (Provérbio Nigeriano) 1 Visando prestar um melhor serviço nos refeitórios escolares da rede municipal, nomeadamente na verificação das

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

Químicos. Food Service. 3M Soluções Comerciais Núcleo Limpeza Profissional

Químicos. Food Service. 3M Soluções Comerciais Núcleo Limpeza Profissional 3M Soluções Comerciais Núcleo Profissional Químicos Food Service Os Químicos Food Service são especialmente formulados para a higienização de e equipamentos em ambientes de manipulação de alimentos. São

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO. Higiene Alimentar Na Restauração Colectiva

LISTA DE VERIFICAÇÃO. Higiene Alimentar Na Restauração Colectiva LISTA DE VERIFICAÇÃO Higiene Alimentar Na Restauração Colectiva LLi issttaa ddee VVeerri iffi i ccaaççããoo eel l aabboorraaddaa ppoorr JJooss éé AAmoorri im Lista de Verificação Restauração Colectiva No

Leia mais

Estação Vitivinícola da Bairrada

Estação Vitivinícola da Bairrada Estação Vitivinícola da Bairrada 106 º Curso Intensivo de Enologia Setembro 2012 Maria João Aguilar de Carvalho Águas Chefe de Divisão de Licenciamentos e Apoio Laboratorial Abordagem Licenciamento Industrial

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE ÁREA 1 - HIGIENE E ANTISSEPSIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP 001 ORIENTAÇÕES BÀSICAS DE HIGIENE PESSOAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE EXECUTANTE: Todos os profissionais da equipe de saúde. ÁREA:

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

XXIII TASQUINHAS PORTO DE MÓS FESTAS DE SÃO PEDRO 2015

XXIII TASQUINHAS PORTO DE MÓS FESTAS DE SÃO PEDRO 2015 ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) XXIII TASQUINHAS PORTO DE MÓS FESTAS DE SÃO PEDRO REGULAMENTO O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de realização da XXIII edição das Tasquinhas

Leia mais

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº.

ARMAZENAGEM. 8 O empilhamento dos materiais obstruí a circulação nas vias. Decreto-lei 243/86 de 20 de Agosto. Foto Nº. CHECK LIST DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Resposta à check list. A severidade está dividida em 3 níveis, Leve, Médio e Grave Só é preenchida quando a resposta não corresponde ao que a legislação prevê.

Leia mais

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição

Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Cartilha do Manipulador de Alimentos para Distribuição Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 4 2004. SENAC Departamento Nacional Proibida a reprodução total ou parcial deste material. Todos os

Leia mais

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO Manual desenvolvido pela equipe de monitoras, sob a supervisão da disciplina de Tecnologia de Alimentos (Curso de Nutrição) para normatização das atividades desenvolvidas

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1)

PLANO DE CONTINGÊNCIA GRIPE A (H1N1) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALFREDO DA SILVA ESCOLA EB 2,3 DE ALBARRAQUE GRIPE A (H1N1) Elaborado pela Direcção do Agrupamento de Escolas Alfredo da Silva Tel: 219156510 Fax: 219156513 Mail: eb23alba.geral@mail.telepac.pt

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

(Parecer do Prof.Catedrático Doutor Santos Oliveira na última página.)

(Parecer do Prof.Catedrático Doutor Santos Oliveira na última página.) (Parecer do Prof.Catedrático Doutor Santos Oliveira na última página.) PARECER JURÍDICO RELATIVO ÀS ANOMALIAS DETECTADAS Segundo o solicitado pelo Secretariado Geral da ACRA- Associação

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos

GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA. Exposição e Motivos CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS JUNTA REGIONAL DOS AÇORES GRIPE A (H1N1) PLANO DE CONTINGÊNCIA Plano de Contingência contra a Gripe A em acampamentos e actividades escutistas Exposição

Leia mais

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados

Manual de Procedimentos Norma n.º 5 - Esterilização Procedimento n.º 1 Pré Lavagem dos Dispositivos Médicos Contaminados 2014 1.Enquadramento: A limpeza dos dispositivos médicos contaminados (DMC) é, de acordo com a Norma n.º 2 Descontaminação de Dispositivos Médicos e Equipamentos 1, o processo que inclui a lavagem, o enxaguamento

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009

Vírus (H1N1)v. Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 ESCOLA SECUNDÁRIA D. MARIA II PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA A PANDEMIA DA GRIPE A Vírus (H1N1)v Medidas de Prevenção e Controlo Informação para Assistentes Operacionais 14 de Setembro 2009 Formas de Transmissão

Leia mais

BARES DO TERREIRO - FESTIVAL DA CASTANHA Regulamento

BARES DO TERREIRO - FESTIVAL DA CASTANHA Regulamento BARES DO TERREIRO - FESTIVAL DA CASTANHA Regulamento Os bares integram a programação do Festival da Castanha, sempre que a organização entender pertinente. 1. Objeto e Objetivos 1.1. O presente documento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. Alex Canziani) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de cozinheiro. Congresso Nacional decreta: Art. 1º Considera-se cozinheiro, para efeitos desta

Leia mais

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies

Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies Página 1 de 6 Colheita e Envio de Amostras para Análise Microbiológica das Superfícies ALTERAÇÃO (ÕES) À ÚLTIMA VERSÃO Pág. 3 RESPONSÁVEIS PELO DOCUMENTO Nome Função Rubrica/Data Elaborado por Isabel Costa

Leia mais

Procedimento da Higiene das Mãos

Procedimento da Higiene das Mãos HIGIENE DAS MÃOS Pág. 1/7 Objetivo Melhorar as práticas de higiene das mãos dos profissionais de saúde. Reduzir a transmissão cruzada de microrganismos patogénicos. Âmbito Todos os serviços clínicos e

Leia mais

O Controlo de Infeção Do Hospital à Comunidade. A experiência da ULSAM. Enf. António Amorim GCLPPCIRA da ULSAM GCRPPCIRA da ARS Norte

O Controlo de Infeção Do Hospital à Comunidade. A experiência da ULSAM. Enf. António Amorim GCLPPCIRA da ULSAM GCRPPCIRA da ARS Norte O Controlo de Infeção Do Hospital à Comunidade. A experiência da ULSAM. Enf. António Amorim GCLPPCIRA da ULSAM GCRPPCIRA da ARS Norte CHAM Hospital de Santa Luzia de Viana do Castelo Hospital Conde de

Leia mais

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014

BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 BAR TENDA ELECTRÓNICA FESTAS DE SÃO PEDRO 2014 REGULAMENTO ARTIGO 1º (Objecto e Âmbito) O presente Regulamento tem por objectivo a definição das condições de concessão e utilização do bar da Tenda Electrónica,

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Limpeza de superfícies

Limpeza de superfícies Limpeza de superfícies Gama de produtos de limpeza neutros e potentes para uma limpeza profunda de casas de banho / instalações sanitárias e que proporcionam um acabamento com brilho. Uma empresa do GRUPO

Leia mais

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A

QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA. Plano de Contingência para a Pandemia da Gripe A QUINTA DOS SONHOS Creche Jardim de Infância ÉVORA Plano de Contingência para a Pandemia da Ano Lectivo 2009/2010 1. Coordenação do plano: A coordenação global do plano é da responsabilidade da Direcção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DO OESTE PROCESSO SELETIVO Nº001/2010 AUXILIARES DE SERVIÇOS GERAIS NOME DO CANDIDAT0: ASSINATURA: RIO DO OESTE 27 DE JANEIRO DE 2010 Instruções: Antes de começar a realizar

Leia mais

Medidas gerais de higiene pessoal:

Medidas gerais de higiene pessoal: Plano de Contingência Gripe A O que é a Gripe A (H1N1)? A gripe A é uma doença infecto contagiosa que afecta o nariz, a garganta e a árvore respiratória, provocada por um novo vírus da Gripe, o designado

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO DA COZINHA PEDAGOGICA DO CENTRO DE GASTRONOMIA

MANUAL DE BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO DA COZINHA PEDAGOGICA DO CENTRO DE GASTRONOMIA MANUAL DE BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO DA COZINHA PEDAGOGICA DO CENTRO DE GASTRONOMIA JOINVILLE Junho 2009 1. INTRODUÇÃO Este manual descreve as operações realizadas nas cozinha pedagogica do centro de

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira ACIF CCIM Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira Objectivos Apoiar os estabelecimentos na implementação dos seus Sistemas de Segurança Alimentar, baseados

Leia mais

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças.

Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Soninho Mantenha as portas e as janelas abertas, inclusive nos dias frios, para evitar o aumento de germes no ar, o que facilita a transmissão de doenças. Garanta que entre os colchonetes haja meio metro

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Norma n.º 4 (Actualização em Março de 2006) PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA De acordo com o Inquérito de Prevalência

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE NA INDÚSTRIA DE SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE NA INDÚSTRIA DE SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE NA INDÚSTRIA DE SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES 1996 APROVADO PELA CT 31 - SUMOS, NÉCTARES E BEBIDAS REFRIGERANTES ÍNDICE Pág NOTA EXPLICATIVA... 4 SECÇÃO 1 OBJECTIVOS

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Versão Portuguesa CAC/RCP 1-1969 Rev. 4-2003

Versão Portuguesa CAC/RCP 1-1969 Rev. 4-2003 Versão Portuguesa CAC/RCP 1-1969 Rev. 4-2003 http://www.codexalimentarius.net Índice PREFÁCIO CÓDIGO INTERNCAIONAL DE PRÁTICAS RECOMENDADAS PRINCÍPIOS GERAIS DE HIGIENE DOS ALIMENTOS Introdução Secção

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A

Plano de Contingência Gripe A Versão 2 Aprovado na generalidade em 27 de Julho de 2009, por deliberação da Comissão Executiva da AIP CE. Actualizado em 17 de Setembro de 2009, por deliberação do Grupo de Acompanhamento da Gripe A da

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

Boas práticas na manipulação do pescado

Boas práticas na manipulação do pescado Boas práticas na manipulação do pescado O Brasil tem uma grande variedade de pescados e todas as condições para a produção deste alimento saudável e saboroso. Para que o pescado continue essa fonte rica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAIXIAS DO SUL RS LANÇA MANUAL DO GESTOR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CAPACITAÇÃO ESPECÍFICA. PREFEITURA DE CAXIAS DO SUL Secretaria Municipal da Educação Setor de Alimentação Escolar

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES

CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES CONTAMINAÇÃO DO AR E DE SUPERFÍCIES Monitorização de parâmetros num estabelecimento do sector da panificação e pastelaria Joana Afonso e Manuela V. da Silva Os estabelecimentos de panificação e pastelaria

Leia mais

ZONA DE CONFEÇÃO PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO DOSAGEM. Lavagem: De acordo com a rotulagem

ZONA DE CONFEÇÃO PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO DOSAGEM. Lavagem: De acordo com a rotulagem ZONA DE CONFEÇÃO ÁREA/EQUIPAMENTO PERIDIOCIDADE PRODUTO A UTILIZAR E RESPETIVA AÇÃO DOSAGEM MÉTODO DE HIGIENIZAÇÃO Bancadas, superfícies de laboração e cubas Após cada utilização - Aplicar a solução de

Leia mais