ANÁLISE DOS PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE APPCC FARIMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUBPRODUTOS ANIMAIS LTDA. APPCC / FARIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DOS PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE APPCC FARIMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUBPRODUTOS ANIMAIS LTDA. APPCC / FARIMA"

Transcrição

1 ANÁLISE DOS PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE APC FARIMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE SUBPRODUTOS ANIMAIS LTDA. APC / FARIMA

2 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 4 CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 MATERIAIS... 5 DEFINIÇÕES... 5 EQUIPE RESPONSÁVEL PELO APC... 7 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA... 7 Direção, Gerência e Supervisão... 7 Diagrama de hierarquia da Empresa... 8 RESULTADOS E DISCUSSÃO... 9 Implantação do plano APC... 9 O processo produtivo Considerações a respeito das Boas Práticas de Fabricação (BPF) Instalações da empresa Operações Pessoal Controle de Pragas Registros e Documentações FORMULÁRIO DE PERIGOS BIOLÓGICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Penas Hidrolisadas FORMULÁRIO DE PERIGOS QUÍMICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Penas Hidrolisadas FORMULÁRIO DE PERIGOS FÍSICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Penas Hidrolisadas FORMULÁRIO DE PERIGOS BIOLÓGICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Vísceras FORMULÁRIO DE PERIGOS QUÍMICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Vísceras FORMULÁRIO DE PERIGOS FÍSICOS

3 Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Vísceras FORMULÁRIO DE PERIGOS BIOLÓGICOS Nome do Processo: Fabricação de Óleo de Aves FORMULÁRIO DE PERIGOS QUÍMICOS Nome do Processo: Fabricação de Óleo de Aves FORMULÁRIO DE PERIGOS FÍSICOS Nome do Processo: Fabricação de Óleo de Aves ANEXOS

4 INTRODUÇÃO Com a modernização da indústria alimentícia faz-se necessário a implantação de um sistema de segurança alimentar a fim de preservar a saúde do consumidor final. Novas exigências estão sendo imposta pela sociedade moderna com isto a busca por produtos com melhor qualidade, torna-se indispensável à análise dos perigos e pontos críticos de controle na indústria destinada à alimentação animal para estabelecer esta qualidade certificando-a. Destacando ainda a requisição aplicada pela legislação pertinente. O APC é um sistema dinâmico quando aplicado corretamente assim todo o alimento produzido já possui certificação de não possuir os perigos previamente considerados os quais já foram controlados no decorrer do processo. A inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal tem seus fundamentos técnico-científicos e jurídicos, procedimentos e mandamentos administrativos inseridos em lei específica, mais precisamente Lei 1283, de 18/12/50 (D.O.U. de 19/12/50). Esta lei, por sua vez, dá lastro aos Decretos , de 20/3/52 e 1255, de 25/6/62, o primeiro, aprovando o Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA) e o segundo, alterando-o. O alimento deve satisfazer às exigências de qualidade quanto ao aspecto nutricional, de pureza, de higiene, de sanidade e de integridade. O fornecimento de uma alimentação adequada nutricionalmente, em quantidade suficiente e livre de contaminações, ou seja, com segurança alimentar, é um cuidado primário com a saúde e uma preocupação da Saúde Pública. A segurança alimentar é definida como a garantia de o consumidor adquirir um alimento com atributos de qualidade que sejam de seu interesse, entre os quais se destacam os atributos ligados à saúde e segurança. Devido à preocupação com a segurança alimentar, muitos produtores de alimentos estão optando por aplicar um sistema mais lógico, prático, sistemático, dinâmico e compreensivo para controlar a segurança do Produto. O APC é embasado na aplicação de princípios técnicos e científicos de prevenção, que tem por finalidade de garantir a inocuidade dos processos de produção, manipulação, transportes, distribuição e consumo dos alimentos. Nesses processos são definidos os Pontos Críticos de Controle (C), que são todas aquelas etapas onde há um perigo previamente identificado, onde serão aplicadas medidas de controle para prevenir, eliminar ou reduzir um perigo para níveis aceitáveis. 3

5 OBJETIVOS 1. Identificar e analisar os Pontos Críticos de Controle na produção de Farinhas de Vísceras e de Penas de Aves, bem como do Óleo de Aves produzidos na empresa Farima Indústria e Comércio de Subprodutos Animais Ltda. 2. Estabelecer normas para implantação, manutenção e verificação do Plano de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle APC; 3. Assegurar que o produto seja produzido sem risco de perigo alimentar e saúde pública; 4. Garantir padrões uniformes de identidade e qualidade; 5. Atender a legislação nacional e internacional pertinente; 6. Diminuir as perdas das matérias-primas; 7. Garantir competitividade no mercado interno e externo. CAMPO DE APLICAÇÃO Este Manual, elaborado de acordo com os princípios do Sistema APC, aplica-se em toda a área de produção da referida empresa. 4

6 MATERIAIS Para o atendimento do objetivo deste trabalho, realizou-se um estudo: sobre a metodologia da APC, do processo de fabricação. Pelo sistema APC, é necessária a existência de pré-requisitos, como um programa que controle as condições operacionais mantendo o ambiente favorável para a produção de um alimento seguro. Este programa pode ser as Boas Práticas de Produção (BPP ou GMP Good Manufacturing Pratices). DEFINIÇÕES 1. APC-: Análise de perigos e pontos críticos de controle; 2. Adulteração: adição fraudulenta de substância imprópria ou desnecessária a outra substancia (medicamentos, combustíveis, alimentos, etc.); 3. Armazenamento: é o conjunto de tarefas e requisitos para a correta observação de insumos e produtos terminados; 4. Antisséptco, sanitizante ou desinfetante: produto de natureza química utilizado para reduzir a carga microbiana a níveis aceitáveis e eliminar os microrganismos patogênicos; 5. BPF: As Boas práticas de Fabricação são procedimentos necessários para a obtenção de alimentos inócuos, saudáveis em com alto padrão de qualidade; 6. Check list: lista de verificação contendo requisitos que devem ser avaliados em auditorias internas, tem como objetivo padronizar a auditoria; 7. Contaminação: presença de substancias ou agentes de origem química física ou orgânica que considere nocivos a saúde humana e animal; 8. Contaminação cruzada: é a transferência de microorganismos de um local para o outro através de meios comuns entre o contaminante o e contaminado. A higiene local, segregação de material, local de armazenamento e operação isolados e higiene pessoal são alguns meios de se evitar tal contaminação; 9. Controle Integrado: seleção de métodos de controle e o desenvolvimento de critérios que garantam resultados favoráveis sob ponto de vista higiênico, ecológico e econômico; 10. Desinfestação: é a eliminação de pragas e vetores; 5

7 11. EPI: são equipamentos de proteção individual que consiste em todo o dispositivo de uso individual de fabricação nacional ou estrangeira destinada a proteger a saúde e a integridade física dos trabalhadores; 12. Fracionamento de alimentos: são as operações pelas quais se fraciona um alimento, sem modificar sua composição original; 13. BPF: Manual de Boas práticas de Fabricação 14. Higienização: procedimento de limpeza e sanitização. Eliminação/redução de risco de contaminação microbiológica; 15. Limpeza: é a eliminação de terra, restos de alimentos, pó entre outros materiais indesejáveis, ou seja, eliminação de sujidades ou agentes contaminantes; 16. Lote: Quantidade definida de uma parte de matéria prima. No caso da produção continua um lote, pode ser uma quantidade produzida dentro de um determinado espaço de tempo. 17. Manipulação de alimento: são manipulações que vão desde o manuseio da matéria-prima até o produto acabado em qualquer etapa da produção, armazenamento e/ ou transporte; 18. Monitorização: inspeção de indícios de focos com registros de ocorrências em planilhas próprias, servindo para análise da eficiência do programa e necessidade de implementação de ações corretivas e preventivas; 19. Não-conformidades: não atendimento de um requisito especificado em legislação sanitária; 20. : ponto de controle, ponto ou etapa onde o perigo é controlado preventivamente pelas BPF/POP; 21. C: pontos críticos de controle, ponto ou etapa na qual o perigo vai ser controlado, não havendo possibilidade de ser controlado preventivamente; 22. Perigo: contaminação inaceitável de natureza biológica, química ou física que possa causar danos a saúde ou a integridade do consumidor; 23. POP: procedimento operacional padrão: procedimento operacional padronizado devidamente documentado pode incluir planilhas e/ou check list apropriado. Escrito de forma objetiva que estabelece instruções seqüenciais para a realização de operações rotineiras na produção; 24. Praga: é todo o agente animal ou vegetal que possa ocasionar danos materiais ou contaminações com risco à saúde, segurança e qualidade; 6

8 25. Sanitização, sanificação ou desinfecção: procedimento adotado para eliminar microrganismos patogênicos a fim de reduzi-los a níveis considerados seguros; EQUIPE RESPONSÁVEL PELO APC A equipe possui formação multidisciplinar. As pessoas estão familiarizadas com os produtos e seus métodos de elaboração. As pessoas integrantes da equipe devem ter poder de convencimento, liderança e capacidade de multiplicação dos conceitos. O escopo de estudo deve ser definido, sabendo-se quais etapas da cadeia produtiva devem ser envolvidas. A equipe responsável pela realização e aplicação do programa de análise dos perigos e pontos críticos de controle é composta por: Coordenador: Rogério do Nascimento Engenheiro Químico / Consultor Sênior CREA PR 72131/D CRQ PR Integrante: Eduardo do Nascimento Químico Licenciado / Inspetor de Qualidade IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Farima Indústria e Comércio de Subprodutos Animais Ltda. Localização: Cidade: Tupãssi UF: Paraná País: Brasil PR 581 KM 01 N : S/N Bairro: Rural Fone: (55) Fax: (55) CEP: Site: SIF: 4435 Área: Carne Direção, Gerência e Supervisão Todos os Diretores bem como gerentes e supervisores de produção conhecem as normas implantadas pelo APC e estão conscientes da importância de assegurá-las. 7

9 Diagrama de hierarquia da Empresa 8

10 RESULTADOS E DISCUSSÃO A seqüência de atividades na implantação da APC é a seguinte: 1. Formar a equipe de APC; 2. Descrever o produto, seus ingredientes e forma de uso; 3. Elaborar o fluxograma de processo detalhado; 4. Identificar os perigos nas matérias-prima e nas etapas de processo; 5. Identificar os Pontos Críticos de Controle (C) ou necessidades de modificações nos ingredientes/processo, para cada perigo identificado; 6. Descrever os procedimentos de controle dos C e as modificações necessárias no processo; 7. Estabelecer a freqüência de controle para todos os C; 8. Estabelecer os limites de controle para todos os C; 9. Estabeleça as ações corretivas para todos os C; 10. Estabelecer o sistema de registro para todos os C; 11. Implantar o Sistema de APC no processo; 12. Avaliar o funcionamento do Sistema de APC periodicamente. Implantação do plano APC Significa passar do papel para a prática, um plano que foi baseado em estudos e teorias. Esse é, sem dúvida, o passo mais difícil para a indústria, compreende além de alteração na rotina, vários treinamentos com funcionários de todos os setores envolvidos, para a capacitação técnica que o sistema exige. As mudanças têm que ser inseridas gradativamente e, da forma mais prática possível. Algumas indústrias optam por fazer simulações de situações que possam vir a ocorrer, tudo sob a supervisão do pessoal responsável, até que todos sejam envolvidos e possam colaborar com o sistema e este passe ser a nova rotina da indústria. Encaminhamento da documentação para avaliação pelo MAPA/SFA/DT/PR e validação do plano APC, que toda a documentação referente ao APC deve ser encaminhada ao MAPA, para sua análise e aprovação, ou validação durante as auditorias ou através consultoria contratada. O sistema APC, apesar de dispensar certo trabalho e investimento inerente a qualquer programa de qualidade, atualmente é o que mais gera confiança dentro das indústrias, não só em relação à segurança do produto ou minimização de perdas, mas pela certeza de estar cumprindo as exigências da fiscalização nacional e internacional. Dentre as 9

11 principais dificuldades enfrentadas para implantação do sistema estão à capacitação técnica e os investimentos em infra-estrutura. O processo produtivo A formulação básica de todos os produtos tem como insumos as vísceras e penas de aves e perus. Os insumos são carregados através de roscas transportadoras específicas para este fim previamente sanitizados (processo de limpeza e desinfecção), de acordo com um processo padronizado para cada equipamento. As vísceras têm sua massa determinada e são carregados em digestores específicos para cada produto, com aquecimento indireto através do vapor no eixo e camisa, para produção da farinha e óleo. Durante a cocção à temperatura mínima na massa é de 70 C por no mínimo 45 minutos. O óleo é então, transportado por meio de bomba centrífuga para o tanque de aquecimento e segue para a centrífuga. As penas têm sua massa determinada e são carregados em digestores específicos para cada produto, com aquecimento indireto através do vapor no eixo e camisa, para produção da farinha de penas hidrolisadas. Durante a hidrólise a pressão mínima é de 2,0 a 2,5 por no mínimo 25 minutos. O processo de produção é semi-contínuo por batelada, utilizando-se diversos digestores para cozimento, e os lotes são registrados de acordo com o volume produzido dentro da semana. A troca de batelada para a produção não necessita de uma limpeza prévia de toda a instalação, exceto os veículos transportadores de cada carga. Para evitar perda de tempo no processo produtivo, a produção é sempre realizada até esvaziar as moegas de recebimento. O planejamento para a produção das farinhas e óleos dos diferentes fornecedores é realizado por meio das entregas de resíduos (produção do frigorífico). Os fornecedores emitem documento de transporte de seus resíduos, como garantia de qualidade e todos possuem, Serviço de Inspeção Federal SIF. Todos os produtos têm todas as informações de rotulagem (nutricional e de informação ao consumidor) e registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de acordo com a legislação específica. Fluxograma de produção das Farinhas de Vísceras e de Penas e Óleo de Aves, nos anexos. 10

12 Considerações a respeito das Boas Práticas de Fabricação (BPF) Destaca-se na empresa um amplo atendimento aos requisitos legais em termos de instalações, procedimentos, operações, documentos e registros. Existe a formalização de outros procedimentos por meio de documentação para que se alcance a formalização no atendimento a requisitos, que embora não estejam diretamente explícitos em legislação específica, são necessários para padronizar os processos que levam à garantia da qualidade e segurança dos alimentos na empresa. A falta de acompanhamento de procedimentos existentes está relacionada à falta de treinamento contínuo e irrestrito dos colaboradores. O acompanhamento dos procedimentos foi observado e evidenciado por meio de registros. De modo geral, foi observado que a alta administração da empresa está realmente preocupada com os aspectos de BPF. Ela entende perfeitamente a sua importância e experimenta continuamente a necessidade no controle de variáveis que afetam a qualidade do produto, principalmente no que se refere aos aspectos sensoriais. As farinhas e óleos produzidos têm boa estabilidade a contaminantes bacterianos, principalmente os patogênicos (aqueles que oferecem risco à saúde do consumidor perigos microbiológicos). A grande preocupação da empresa está no controle microbiológico especialmente de Salmonella spp. que, se não controlados, podem causar problemas ao produto final diminuindo a vida de prateleira do mesmo. Por isto, procedimentos incorretos de pesagem, formulação, manipulação, tratamento térmico, qualidade da matéria-prima podem aumentar consideravelmente o nível destes contaminantes causando problemas de qualidade sensorial do produto, embora seja improvável, porém possível, a existência de problemas de segurança. Sob o aspecto de gestão, a alta administração está envolvida diretamente nas questões administrativas e de operações de produção, o que se torna uma vantagem para a tomada de decisões. As comunicações referentes às mudanças nos processos, alterações de demandas, tomadas de ações corretivas, entre outras são realizadas diretamente aos colaboradores envolvidos e têm resultado imediato. Entretanto, necessitam de formalização por meio de documentos e de treinamentos para que os colaboradores incorporem formalmente estas comunicações. Isto se torna uma vantagem muito grande que a pequena empresa tem em relação à estrutura mais densa e complexa de comunicação existente nas empresas maiores. 11

13 Instalações da empresa A empresa dispõe de diferentes ambientes, setorizados fisicamente, e que têm por objetivo a eliminação da possibilidade de contaminação cruzada do ambiente (ar) de uma área menos limpa para uma área mais limpa. Deste modo, as áreas físicas onde se manipula os insumos (descarga e carregamento/fracionamento), onde se processa os resíduos de frigorifico, ou seja, cozimento, e onde os produtos (silos ou/e ensaque) são completamente fechados e vedados, com restrição de acesso. Esta setorização minimiza a possibilidade do produto sofrer contaminação no processo de cozimento e transporte interno na fabrica e, e durante o ensaque do produto pronto. As interligações destas áreas são por meio de óculo (dispositivo de abertura entre setores para transporte dos insumos oriundos do processo e de tubulações em aço carbono ou aço galvanizado, completamente vedado (transporte do óleo). A área de processo - cozimentos são fechados com esquadrias de alumínio com telas de plástico, o que impede a entrada de pragas e promove uma circulação de ar para diminuir o calor gerado pelos digestores. O almoxarifado de embalagens e de outros insumos é igualmente isolado fisicamente e os produtos são dispostos sob paletes e estantes, para que não sejam contaminados. Similarmente, os produtos finais são dispostos sobre paletes e organizados no armazém de estocagem de modo a permitir facilidade de identificação na expedição. Ainda sob o ponto de vista de instalações, todas as áreas da empresa (exceto áreas administrativas) têm luminárias com proteções contra quebra e queda de lâmpadas (evita a presença de perigos físicos cacos de lâmpadas em caso de acidente) e ralos com tampas escamoteáveis tipo abre-fecha (evita o acesso de pragas, principalmente rasteiras e roedores, para estas áreas que são fechadas). Operações Todas as instalações (equipamentos, utensílios, paredes, pisos e tetos) são sanitizadas (limpas e desinfetadas) por meio de protocolos tecnicamente adequados, na freqüência recomendada, conferindo a assepsia necessária para a produção das farinhas e óleos sem contaminação. A empresa dispõe de funcionários devidamente treinados que executam especificamente estas operações. Estas operações são devidamente registradas em planilhas específicas o que garante o controle das variáveis e de sanitizantes utilizados nestas operações. Esta é uma etapa fundamental na produção das farinhas e óleos seguros e a sua não observação gera problemas crônicos para a qualidade e segurança dos produtos. 12

14 Há uma coleta semanal e aleatória de produto para controle microbiológico de contaminação realizado por um laboratório terceirizado, que mostra aos gestores da empresa uma tendência das operações utilizadas para prevenir contaminação, e se estão sendo bem realizadas ou não. O procedimento de sanitização de mãos é bastante difundido na empresa, nas áreas de recebimento, Processamento, estocagem, banheiros e vestiários. O abastecimento de água é realizado por meio da captação de poço artesiano local de distribuição de água. A empresa mantém duas caixas d água em um volume total de 260 mil litros, o suficiente para a produção de dois dias. A qualidade da água (teor de cloro e ph) é controlada diariamente pela manhã e pela tarde, e ações corretivas são tomadas no caso de desvios. Este procedimento está formalmente descrito e os registros são realizados adequadamente. Pessoal Os funcionários da empresa que são responsáveis diretamente pelo processo produtivo (recebimento e processamento e embalagem/carregamento) usam uniformes completos (toucas, camisas, calças e botinas). Os colaboradores do setor de recebimento utilizam roupa de cor cinza (área suja). Os funcionários que trabalham com processamento e estocagem e distribuição de produtos prontos utilizam uniformes de cor berge (área limpa), os funcionários da manutenção mecânica, elétrica e civil utilizam uniformes de cor azul, os funcionários da limpeza e higienização utilizam uniforme de cor verde. Os uniformes têm a marca da empresa que faz questão de relacioná-la à imagem de qualidade existente no ambiente produtivo e de seus produtos. Eles são trocados diariamente, conferindo uma aparência adequada às atividades desempenhadas pela empresa e de forma a não proporcionar contaminação dos produtos, principalmente no momento de sua fabricação. Os funcionários são orientados a não sair para a parte externa da empresa com os uniformes, trocando-os por vestimentas pessoais e mantendo-os em seus armários no vestiário. Todos os funcionários são treinados de modo formal sempre que há alguma nãoconformidade observada em suas atividades, embora exista um consenso geral das atividades e comportamentos que se não forem controlados podem oferecer risco de contaminação aos produtos. Um ponto extremamente positivo em termos de pessoal é que todos os funcionários diretamente envolvidos nas atividades de produção das farinhas e óleo entendem o princípio de cada atividade realizada e a importância de fazê-la certo da primeira vez. 13

15 Os hábitos higiênicos destacados como fundamentais para as atividades desenvolvidas são seguidos à risca e estão devidamente registrados no Manual de Boas Práticas de Fabricação como política da empresa. Controle de Pragas A empresa se preocupa com as medidas preventivas para evitar o acesso de pragas ao ambiente produtivo. Entretanto as medidas estruturais que representam esta preocupação podem ser evidenciadas pela presença de telas entre forros e telhados, abertura mínima inferior das portas com dispositivos que inibem a entrada de pragas rasteiras, presença de placas cegas em caixas de luz sem uso (para previsão de novas instalações de tomadas/interruptores/luminárias quando necessárias), afastamentos mútuos de paletes/estantes entre outros paletes/estantes e paredes, o que proporciona espaço para limpeza adequada (prevenção de pragas) e manutenção periódica de rejuntes entre placas cerâmicas de parede e pisos para evitar a formação de ninhos de formigas (que fazem ninhos pelos rejuntes). A empresa executa com funcionário próprio e treinado a manutenção de iscas químicas nos seus arredores para o controle de roedores. Os procedimentos para separação e destinação dos resíduos gerados estão devidamente registrados e são criteriosamente realizados por meio de separação de material que pode ser reciclado (papel, plástico, óleos usados, metal e madeira) e de material orgânico (restos de varrição e lixo orgânico). Os resíduos industriais não recicláveis são recolhidos por empresa legalmente habilitada. O material reciclado é vendido para empresas específicas de reciclagem, gerando renda para a empresa, e o material orgânico é recolhido duas vezes por semana pela empresa municipal de limpeza urbana, em função da baixa quantidade gerada. Registros e Documentações A empresa mantém todas as documentações e registros previstos por legislação sanitária específica e outros procedimentos necessários, que não são requisito legal, mas necessários para formalizar a orientação de outras atividades que são fundamentais. Entretanto, a empresa está elaborando outros documentos para que sejam incorporados à implantação do sistema APC, principalmente aqueles relacionados ao treinamento de pessoal e sua freqüência nos procedimentos existentes e outros que venham a ser incorporados. 14

16 Todos os procedimentos de transporte dos resíduos (da geração até destinação final) são registrados em documentos chamados de Manifestos de Resíduos que estabelecem a quantidade de resíduos gerados, o tipo de resíduo, sua origem, sua destinação, e os responsáveis pela geração, transporte e recepção dos resíduos, conforme legislação estadual local, conferindo a responsabilidade ambiental da empresa. A empresa dispõe de registro no Instituto Ambiental Estadual IAP e Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA. FORMULÁRIO DE PERIGOS BIOLÓGICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Penas Hidrolisadas. ETAPA DO PROCESSO RECEPÇÃO DA MATÉRIA PRIMA HIDRÓLISE PERIGO BIOLÓGICO Presença de microorganismos patogênicos. Sobrevivência de microorganismos JUSTIFICATIVA Matéria prima estocada causa fermentação. Transporte de matéria prima em dias quentes facilita a multiplicação de microorganismos Falha no controle da Pressão e/ou tempo SEVERIDADE RISCO Média Alto Baixo MEDIDAS PREVENTIVAS Não deixar a matéria prima estocada, colher e transportar no menor tempo possível. Registro das cargas. Calibração dos Médio instrumentos. Treinamento dos operadores.. C/ C2 MOAGEM/ENSAQ UE/EMBALAGEM ARMAZENAGEM/ ESTOCAGEM Equipamentos contaminados Peroxidação farinha da Limpeza inadequada nos equipamentos entre as etapas Falha na aplicação de antioxidante. Exposição na temperatura inadequada. Baixa Média Baixo Médio Executar a limpeza correta conforme plano. Controle da dosagem de antioxidante. Treinamento dos operadores. SECAGEM Sobrevivência de Microorganismos Falha no controle da Temperatura Baixa Baixo Calibração dos instrumentos. Treinamento dos operadores. RECEPÇÃO DA Não observado EMBALAGEM / pelos registros. SACARIA C Pontos críticos de controle Ponto importante de contaminação Observação das rotinas do BPF no recebimento

17 FORMULÁRIO DE PERIGOS QUÍMICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Penas Hidrolisadas. ETAPA DO PROCESSO RECEPÇÃO DA MATÉRIA PRIMA HIDRÓLISE PERIGO QUÍMICO Resíduos de antibióticos, antifúngicos, antiparasitários e pesticidas JUSTIFICATIVA Matéria prima suscetível a Resíduos. SEVERIDADE RISCO Alta Baixo MEDIDAS PREVENTIVAS Adquirir matéria prima somente de fornecedores com Inspeção Federal SIF. Resíduo de Graxas- Falta de bandeja de Colocar bandejas de lubrificante, nos coleta Media Médio proteção digestores. C Pontos críticos de controle Ponto importante de contaminação C/ FORMULÁRIO DE PERIGOS FÍSICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Penas Hidrolisadas. ETAPA DO PROCESSO RECEPÇÃO DA MATÉRIA- PRIMA MOAGEM ENSAQUE /EMBALAGEM PERIGO FÍSICO Corpos estranhos Passagem de Fragmentos metálicos. Corpos estranhos. JUSTIFICATIVA SEVERIDADE RISCO MEDIDAS PREVENTIVAS C/ Adquirir matéria-prima Falha no processo do somente de fornecedores Média Baixo C1 fornecedor com Inspeção Federal SIF, com BPF. Manutenção preventiva. Treinamento de utilização Falha no equipamento. Média Baixo do equipamento. C3 Teste/checagem da tela de moagem padrão. Contaminação cruzada, falha no BPF. Média Baixo Treinamento no BPF ARMAZENAGEM/ ESTOCAGEM Corpos estranhos. Má conservação dos Pallets, contaminação cruzada. Falha no Controle de Pragas. Média Médio Treinamento BPF SECAGEM Desprendimento de partes internas do equipamento Arraste de material da fornalha Má condição do equipamento. Baixa Baixo Manutenção no Secador e na fornalha. Falha na inspeção RECEÇÃO DA Inspeção visual dos pallets. visual Falta de EMBALAGEM / Corpos estranhos. Média Baixo Observação das rotinas do proteção das SACARIA BPF no recebimento. embalagens C Pontos críticos de controle Ponto importante de contaminação 16

18 FORMULÁRIO DE PERIGOS BIOLÓGICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Vísceras. ETAPA DO PROCESSO PERIGO BIOLÓGICO JUSTIFICATIVA SEVERIDADE RISCO MEDIDAS PREVENTIVAS C/ RECEPÇÃO DA MATÉRIA PRIMA Presença de microorganismos patogênicos. Matéria-prima estocada causa fermentação. Transporte de matéria prima em dias quentes facilita a multiplicação de microorganismos. Média Baixo Não deixar a matéria prima estocada, coletar e transportar no menor tempo possível. Registro das cargas. Observação das rotinas do BPF. COCÇÃO Sobrevivência de microorganismos Falha no controle da Temperatura e/ou tempo Alto Calibração dos Médio instrumentos. Treinamento dos operadores. C2 PRENSAGEM/ MOAGEM Equipamentos contaminados Limpeza inadequada nos equipamentos entre as etapas Baixa Baixo Executar a limpeza correta conforme plano. ENSAQUE/ EMBALAGEM Não observado pelos registros. --- Baixa Baixo Controle da dosagem de antioxidante. Treinamento dos operadores. ARMAZENAGEM/ ESTOCAGEM Peroxidação farinha RECEPÇÃO DA Não observado EMBALAGEM / pelos registros. SACARIA C Pontos críticos de controle da Falha na aplicação de antioxidante. Exposição na temperatura inadequada Média Médio Ponto importante de contaminação Controle da dosagem de anti-oxidante. Observação das rotinas do BPF no recebimento

19 FORMULÁRIO DE PERIGOS QUÍMICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Vísceras. ETAPA DO PROCESSO PERIGO QUIMICO JUSTIFICATIVA SEVERIDADE RISCO Resíduos de RECEPÇÃO DA antibióticos, Matéria prima MATÉRIA antifúngicos, suscetível a Resíduos. PRIMA antiparasitários e Alta Baixo pesticidas Resíduo de COCÇÃO Graxas- Falta de bandeja de lubrificante, nos coleta Media Médio digestores. C Pontos críticos de controle Ponto importante de contaminação MEDIDAS PREVENTIVAS Adquirir matéria prima somente de fornecedores com Inspeção Federal SIF. Colocar bandejas de proteção C/ 18

20 FORMULÁRIO DE PERIGOS FÍSICOS Nome do Processo: Fabricação de Farinha de Vísceras. ETAPA DO PROCESSO PERIGO FÍSICO JUSTIFICATIVA SEVERIDADE RISCO MEDIDAS PREVENTIVAS C/ RECEPÇÃO DA MATÉRIA- PRIMA PRENSAGEM/ MOAGEM ENSAQUE/ EMBALAGEM Corpos estranhos Passagem Fragmentos metálicos. de Corpos estranhos. Falha no processo do fornecedor Falha no equipamento. Contaminação cruzada, falha no PPHO. Média Média Adquirir matéria-prima somente de fornecedores Baixo C1 com Inspeção Federal SIF, com BPF. Manutenção preventiva. Treinamento de utilização Baixo do equipamento. C3 Teste/checagem da tela de moagem-padrão. Média Baixo Treinamento em BPF. ARMAZENAGEM/ ESTOCAGEM Corpos estranhos. Má conservação dos pallets, contaminação cruzada. Falha no Controle de Pragas. Média Médio Treinamento em BPF Falha na inspeção Média Baixo RECEÇÃO DA Inspeção visual dos pallets. visual Falta de EMBALAGEM / Corpos estranhos. Observação das rotinas do proteção das SACARIA BPF no recebimento. embalagens C Pontos críticos de controle Ponto importante de contaminação 19

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE VIGILÂNCIA SANITÁRIA de ALIMENTOS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS I - INTRODUÇÃO O Manual de Boas Práticas

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft

C/ cópias para: SIF, UTRA, SIPAG, SFA e CGPE/DIPOA DICS/CGI/DIPOA/aft REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA COORDENAÇÃO

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS

TRANSQUALIT. Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS TRANSQUALIT Sistema de Gestão da Qualificação para Empresas de Transporte de Cargas PRODUTOS FARMACÊUTICOS Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Definições 4 Sistema de qualificação 5 Responsabilidade

Leia mais

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE...

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Página 1 POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Assegurar um controle

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31

SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31 INDICE Check List...03 Check List APPCC...23 SINDIRAÇÕES - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal Página 2 de 31 do A Requisitos Regulamentares A.1 3 A.2 3 O fabricante tem número de registro

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA

CIRCULAR Nº 369/2003/DCI/DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO MAPA DIVISÃO DE CONTROLE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL - DCI DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL DIPOA

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO EMPRESA 1) ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO ENDEREÇO: RUA RIO GRANDE DO SUL, 1200, CENTRO, IVAIPORÃ- PR NUMERO DE FUNCIONÁRIOS: 6 AREA

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 ISO SEGURANÇA DOS ALIMENTOS A norma especifica requisitos para o sistema de gestão da segurança dos alimentos, onde uma organização na cadeia produtiva precisa

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Ref.: MBPF-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 12 Introdução Cabe ao fornecedor elaborar e implementar

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Anvisa - Legislação - Portarias

Anvisa - Legislação - Portarias Page 1 of 18 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Portaria nº 327/SNVS/MS, de 30 de julho de 1997 (DOU de 07/08/97) A Secretária de Vigilância

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elizangela Veloso elizangelaveloso@yahoo.com.br Carlos Antonio Pizo (UEM) capizo@uem.br Resumo A comercialização de

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS

ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO EMPRESA DE CONTROLE DE VETORES E PRAGAS ROTEIRO DE INSPEÇÃO PRESTADORA DE SERVIÇOS / DEDETIZADORAS Data: A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-Razão Social: 2-Nome de Fantasia: 3-Alvará/Licença Sanitária:

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO 1. Objetivo Este Regulamento Técnico fixa os requisitos mínimos exigidos para o registro e

Leia mais

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Agosto de 2010 Curso Teórico-Prático de Análises Microbiológicas de Àgua e Bebidas não Alcoólicas Palestrante Juliane Dias Gonçalves Eng de Alimentos,

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 1 de 8 PAC 01 Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO 7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO Autor(es) SIMONE RODRIGUES DOS SANTOS Orientador(es) ANGELA DE FÁTIMA K. CORREIA 1. Introdução O

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) FABRICAÇÃO (BPF) Página 1 de 120 MANUAL DE BOAS FABRICAÇÃO (BPF) ELABORAÇÃO SUPERVISÃO APROVAÇÃO Inspetor de Qualidade / Diretor de Qualidade Diretor de Qualidade Diretor de Fábrica Página 2 de 120 SUMÁRIO

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOSPITALAR

ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOSPITALAR GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA ROTEIRO DE IPEÇÃO PARA FARMÁCIA HOPITALAR ome do estabelecimento: ome dos Inspetores / Matrícula / Carimbo:

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 O Que Muda na Área Operacional Logística com a RDC-48??? NADA A não ser Maior Fiscalização por parte da Anvisa Maior Organização por parte das Empresas A ÁREA LOGÍSTICA

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

Romeu Garbin Filho - Expoprag 2010

Romeu Garbin Filho - Expoprag 2010 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Meta Busca a eficiência do controle com o menor risco de reinfestações e contaminações através de ações múltiplas e conjuntas sempre com o menor uso de pesticidas Por ser

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar Rogério Augusto Profeta (FASC) rogerio.profeta@uniso.br Simone Fermino da Silva (FASC) fafil.oapec@argon.com.br Resumo A expressão

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR

REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR Salvador - BA Outubro-2012 1 REGULAMENTO PARA OPERAÇÃO COM GRÃOS NO PORTO DE SALVADOR Objetivo Este regulamento estabelece diretrizes, definições

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 167, DE 2 DE JULHO DE 2004

RESOLUÇÃO - RDC Nº 167, DE 2 DE JULHO DE 2004 RESOLUÇÃO - RDC Nº 167, DE 2 DE JULHO DE 2004 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado

Leia mais