Faculdade de Medicina Veterinária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade de Medicina Veterinária"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária CONTROLO DE PRAGAS NO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA PARTICULAR RELEVÂNCIA PARA O CONTROLO DE ROEDORES E SUA INFEÇÃO PARASITÁRIA António Pedro Marcos Avérous Mira Crespo CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Doutor Luís Manuel Madeira de Carvalho Doutor Virgílio da Silva Almeida Doutora Yolanda Maria Vaz Dr. Narciso António Esteves Lapão ORIENTADOR Dr. Narciso António Esteves Lapão CO-ORIENTADORA Doutora Yolanda Maria Vaz 2012 LISBOA

2

3 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária CONTROLO DE PRAGAS NO JARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA PARTICULAR RELEVÂNCIA PARA O CONTROLO DE ROEDORES E SUA INFEÇÃO PARASITÁRIA António Pedro Marcos Avérous Mira Crespo DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM SEGURANÇA ALIMENTAR CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Doutor Luís Manuel Madeira de Carvalho Doutor Virgílio da Silva Almeida Doutora Yolanda Maria Vaz Dr. Narciso António Esteves Lapão ORIENTADOR Dr. Narciso António Esteves Lapão CO-ORIENTADORA Doutora Yolanda Maria Vaz 2012 LISBOA

4 AGRADECIMENTOS Quero desta forma expressar os meus sinceros agradecimentos a todos os que direta e indiretamente me ajudaram na realização deste trabalho. À Administração do Jardim Zoológico de Lisboa, pela possibilidade da realização do estágio. Ao Dr. Narciso Esteves Lapão, como orientador, deste estudo, por todo o apoio, ajuda, boa disposição e disponibilidade demonstrados durante o estágio e pela revisão crítica do manuscrito. À Professora Doutora Yolanda Maria Vaz Corientadora deste trabalho, pelos ensinamentos, pela paciência na revisão crítica do documento, pela dedicação e por toda ajuda prestada na realização deste estudo, sem a qual não poderia ter sido realizado. Ao Professor Doutor Luís Madeira de Carvalho, por toda a colaboração, ensinamentos, boa disposição, disponibilidade demonstrados particularmente no estudo parasitário e revisão crítica do manuscrito e acima de tudo, pela amizade. Ao Enfermeiro Nuno Gaspar, responsável pelo controlo de pragas no Jardim Zoológico de Lisboa, pela incansável ajuda na captura dos roedores, pelas orientações e ensinamentos transmitidos e pela simpatia e amizade. À Dra. Lídia Gomes, pelos conhecimentos transmitidos e apoio relativamente à parte prática do estudo parasitário e pela paciência, dedicação e companheirismo demonstrados. A toda a equipa de tratadores do Jardim Zoológico de Lisboa pela colaboração prestada, elevada disponibilidade, interesse e simpatia durante todo o período de estágio. Ao Doutor Nuno Carolino, Investigador Auxiliar, da Unidade de Investigação de Recursos Genéticos, Reprodução e Melhoramento Animal do INRB, IPL-INIA, pela ajuda e disponibilidade prestadas na realização da análise estatística dos resultados, que permitiu validar este estudo. Ao Dr. Rui Bernardino, Médico-Veterinário do Jardim Zoológico de Lisboa, pelas orientações, ensinamentos transmitidos e amizade. Ao Professor Doutor Jorge Correia pelas facilidades concedidas e apoio, quer na realização das necrópsias dos roedores, quer nos cortes histológicos e respetivas fotografias. Ao Dr. Henrique Simas pelo apoio prestado e sugestões para o controlo das aves do Zoo. À empresa Desinfeções Sul-Tejo por todas as informações prestadas acerca do controlo de pragas no Zoo de Lisboa. À Dra. Lucília Tibério, Eng.º José de Ornellas Dias Ferreira, Eng.ª Ana Paula Saraiva e Dra. Telma Araújo, pela ajuda, simpatia, estímulo e disponibilidade prestadas. A todos os professores do Mestrado de Segurança Alimentar, pelo constante incentivo e apoio prestado. Aos meus colegas de mestrado, aos colegas do Laboratório de Parasitologia e Doenças Parasitárias da Faculdade de Medicina Veterinária e aos educadores do Jardim Zoológico i

5 de Lisboa por toda a vivência, companheirismo e amizade demonstrados ao longo destes anos e no decorrer do estágio. Às amigas de sempre, Ana Teresa Ferreira Jorge e Fernanda Rosa, pelo interesse, estímulo e ajuda prestada, particularmente na pesquisa bibliográfica, ilustração dos parasitas e na revisão crítica do documento. Aos amigos de toda a vida pelo incentivo na realização deste trabalho e pelos momentos, que juntos temos partilhado. Finalmente, as minhas últimas palavras são dirigidas aos meus pais e avó, pela enorme compreensão, incentivo e auxílio na concretização deste estudo. A todos Um muito obrigado! ii

6 Controlo de pragas no Jardim Zoológico de lisboa particular relevância para o controlo de roedores e infeção parasitária RESUMO Os parques zoológicos constituem ecossistemas partilhados por espécies domésticas e silvestres e pelo Homem, o que facilita a entrada de agentes patogénicos, sendo fundamental o estabelecimento de um programa de medicina veterinária preventiva, onde o cumprimento de todas as regras de segurança e higiene e o controlo de pragas são fundamentais. Assim, o presente estudo que decorreu no Jardim Zoológico de Lisboa, durante o ano de 2011, teve como objetivo efetuar um levantamento sobre as práticas de higiene e segurança, com ênfase no controlo de pragas, mediante observações in loco, entrevistas aos tratadores e responsáveis pelas empresas de controlo de pragas e a aplicação de um inquérito aos tratadores, com vista à identificação dos graus de infestação e práticas de prevenção e controlo. Dada a importância que os roedores representam como hospedeiros de um elevado número de espécies parasitárias foi ainda objetivo deste estudo a determinação da infeção parasitária em 100 roedores capturados (50 Mus musculus; 50 Rattus norvegicus). Através das observações realizadas e da análise das respostas obtidas no inquérito aos tratadores, verificou-se que de uma maneira geral, os cuidados de higiene e segurança praticados no Jardim Zoológico de Lisboa vão ao encontro do preconizado por vários autores, no entanto, alguns aspetos, relativamente à prevenção e ao controlo de pragas poderiam ser melhorados. São apresentadas neste trabalho sugestões de melhoramento, e sugere-se ainda que as ações de formação aos tratadores sejam estendidas a esta temática, caracterizando as espécies de pragas existentes e as doenças por elas transmitidas, para incentivar uma melhor deteção e controlo das mesmas. No estudo parasitário verificou-se que 82 roedores (82,0 %) apresentavam formas de eliminação parasitária, com maior proporção de animais positivos para a espécie Rattus norvegicus (84,0%). Identificaram-se nove espécies de parasitas, Eimeria spp., Cryptosporidium parvum, Cysticercus fasciolaris (forma larvar de Taenia taeniaeformis), Hymenolepis diminuta, Nippostrongylus brasiliensis, Heterakis spumosa, Syphacia obvelata, Callodium hepaticum e Trichuris muris, independentemente da espécie de roedor. Das espécies identificadas, Cryptosporidium parvum, Calodium hepaticum e Syphacia obvelata são transmissíveis diretamente a primatas, incluindo o Homem e Cysticercus fasciolaris e Hymenolepis diminuta indiretamente aos mesmos hospedeiros. Estes estudos salientam a importância do controlo de pragas no ecossistema formado pelo Zoo de lisboa, especialmente considerando o papel que algumas espécies de pragas assumem como reservatório de agentes parasitários e de outras naturezas, patogénicos para o Homem e animais. Palavras chave: Jardim Zoológico de Lisboa; higiene e segurança; controlo de pragas; identificação de potenciais perigos; infeção parasitária em Mus musculus e Rattus norvegicus. iii

7 Pest control in the Zoological Garden of Lisbon special relevance for rodents control and their parasitic infection ABSTRACT Zoological parks constitute special ecosystems shared by domestic and wild species and man, which promotes the entrance of pathogens, therefore the establishment of preventive programs, with the fulfillment of all rules of security hygiene and pest control is essential The present study was carried out at the Lisbon Zoo, during 2011, aimed to characterize the hygiene and safety practices, with special emphasis on pest control, by in situ observations, interview to keepers and the pest control personnel. A formal questionnaire was implemented to keepers in order to establish infestations levels and current preventive and control practices. Considering the importance of rodents as host of a large number of parasitic species another objetive of this study was to determine the parasitic infection in 100 captured rodents (50 Mus musculus, 50 Rattus norvegicus). The observations and the analysis of keeper s survey revealed that in general, the hygiene and safety practiced in Lisbon Zoo follows the recommendations of several authors, however, some aspects of pest control would benefit of improvements. Suggestions are presented to correct the aspects, is also suggested that training activities for keepers are extended to this subject, including the characteristics of the existing pests and diseases they can transmit in order to improve pest detection and their control. In the parasitic study it was found that 82 rodents (82.0%) had parasitic forms of disposal, with a greater proportion of animals positive for the species Rattus norvegicus (84.0%). We identified nine species of parasites, Eimeria spp., Cryptosporidium parvum, Cysticercus fasciolaris (larval form of Taenia taeniaeformis), Hymenolepis diminuta, Nippostrongylus brasiliensis, Heterakis spumosa, Syphacia obvelata, Calodium hepaticum and Trichuris muris, regardless of the rodent species. From those species, Cryptosporidium parvum, Calodium hepaticum and Syphacia obvelata may be transmitted directly to primates, including humans and Cysticercus fasciolaris and Hymenolepis diminuta are indirectly transmitted also to humans and primates. These studies highlighted the importance of pest control in the Lisbon Zoo ecosystem, especially considering the role that some pest species assume as reservoirs of animal and zoonotic parasitic diseases as well as other pathogens. Keywords: Lisbon Zoo, health and safety, pest control, identification of potential hazards; parasite infection in Mus musculus and Rattus norvegicus. iv

8 NOTA PRÉVIA Deste estudo, integrado na componente prática do Mestrado em Segurança Alimentar, realizado no Jardim Zoológico de Lisboa e no Laboratório de Parasitologia e Doenças Parasitárias da Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa resultaram três trabalhos, dois já apresentados sob a forma de painel, e um a apresentar em comunicação oral, nos seguintes congressos: - V Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências Veterinárias, INRB IP/L-INIA Fonte Boa, Vale de Santarém, 13 a 15 de outubro de 2011 (Anexo 1); - International Conference on Diseases of Zoo and Wild Animals 2012, 16 th to 19 th May 2012, Bussolengo/Verona, Italy (Anexo 2); - 30 th Meeting of the European Society of Veterinary Pathology, Leon, Espanha, 5 a 8 setembro de 2012 (Anexo 3). v

9 ÍNDICE AGRADECIMENTOS... i RESUMO... iii ABSTRACT.... iv NOTA PRÉVIA.. v ÍNDICE... vi LISTA DE FIGURAS....x LISTA DE TABELAS... xii 1 INTRODUÇÃO BIOSSEGURANÇA E CONTROLO DE PRAGAS Pragas Principais pragas Roedores Mus musculus (rato do campo ou ratinho) Rattus norvegicus (ratazana) Rattus rattus (rato preto ou rato do telhado) Aves Columba livia (Pombo-doméstico) Larus spp. (Gaivotas) Insetos Ordem Blattodea (Baratas) Família Formicidae (Formigas) Prejuízos e Riscos Principais doenças transmissíveis pelos roedores Parasitas gastrintestinais e hepáticos dos roedores Protozoa; Phylum Apicomplexa Cryptosporidium sp Eimeria spp Phylum Platyhelminta; Classe Cestoda Cysticercus fasciolaris Hymenolepis diminuta Phylum Nematoda Nippostrongylus brasiliensis Heterakis spumosa Syphacia obvelata Trichuris muris Calodium hepaticum Controlo e Prevenção de Pragas Prevenção e controlo de roedores Prevenção e controlo de aves Prevenção e controlo de insetos vi

10 2.1.4 Prevenção e controlo de Pragas em Parques Zoológico MATERIAL E MÉTODOS Trabalho de campo no Jardim Zoológico de Lisboa Mapa das instalações Maneios sanitário e alimentar Práticas de Higiene e Segurança e caracterização da infestação por pragas Registo dos métodos de controlo de pragas Métodos de captura de roedores Trabalho de laboratório Identificação dos roedores Necrópsias Processamento parasitológico Colheita e identificação de espécimes adultos de helmintes Colheita e identificação de formas larvares de helmintes Pesquisa de ovos e/ou oocistos Estudo taxonómico Registos e análise de dados Métodos estatísticos Conceitos adotados no estudo parasitário RESULTADOS Infraestruturas, maneio geral e alimentar e higiene e sanidade Instalações - Maneio Geral e Higiene Maneio Alimentar Sanidade Higiene e Segurança análise do questionário Identificação/caracterização dos inquiridos Higiene e segurança praticada Principais pragas identificadas Intensidade de infestação por pragas Roedores do Jardim Zoológico de Lisboa Aves do Jardim Zoológico de Lisboa Insetos do Jardim Zoológico de Lisboa Outras pragas do Jardim Zoológico de Lisboa Métodos de controlo das pragas Controlo de pragas no Jardim Zoológico de Lisboa Controlo de roedores Controlo de aves Controlo de insetos Captura de roedores no Jardim Zoológico de Lisboa vii

11 4.5 Infeção parasitária em roedores Espécies identificadas Protozoa; Phylum Apicomplexa Cryptosporidium sp Eimeria spp Phylum Platyhelminta; Classe Cestoda Cysticercus fasciolaris Hymenolepis diminuta Phylum Nematoda Nippostrongylus brasiliensis Heterakis spumosa Syphacia obvelata Trichuris muris Calodium hepaticum Prevalência/Infeção Global e por espécie de roedor Distribuição da infeção por classe etária do hospedeiro Distribuição da infeção por sexo do hospedeiro Distribuição da infeção por local de captura Carga parasitária Carga parasitária global Carga parasitária por classe etária do hospedeiro Carga parasitária por sexo do hospedeiro DISCUSSÃO Higiene e segurança praticadas no Jardim Zoológico de Lisboa Pragas do JZL Controlo de pragas Controlo de roedores Controlo de aves Controlo de insetos Infeção parasitária nos roedores capturados Espécies identificadas Prevalências Infeção parasitária por classe etária do hospedeiro Infeção parasitária por sexo do hospedeiro Infeção parasitária por local de captura Carga parasitária Intertransmissibilidade parasitária CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA viii

12 Anexo 1 - Resumo da comunicação apresentada sob a forma de painel no V Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências Veterinárias, INRB IP/L-INIA Fonte Boa, Vale de Santarém, 13 a 15 de outubro de Anexo 2 - Resumo da comunicação apresentada sob a forma de painel na International Conference on Diseases of Zoo and Wild Animals 2012, 16th to 19th May 2012, Bussolengo/ Verona, Italy. 124 Anexo 3 - Resumo da comunicação a apresentar oralmente no 30th Meeting of the European Society of Veterinary Pathology, Leon, Espanha, 5 a 8 de setembro de Anexo 4 - Características e comportamento das principais espécies de roedores sinantrópicos comensais 126 Anexo 5 - Principais doenças transmitidas pelos roedores ao Homem e outros animais Anexo 6 - Ciclo biológico de Cryptosporidium parvum Anexo 7 - Ciclo biológico de Eimeria sp Anexo 8 - Ciclo biológico de Taenia taeniaeformis 131 Anexo 9 - Ciclo biológico de Hymenolepis diminuta Anexo 10 - Ciclo biológico de Calodium hepaticum. 133 Anexo 11 - Perfil estrutural/operacional, no controlo de roedores, em diferentes setores Anexo 12 - Mapa do Jardim Zoológico de Lisboa onde se podem observar os espaços verdes e as áreas cobertas onde se incluem as instalações dos animais. 135 Anexo 13 - Questionário e interpretação da classificação em graus das pragas identificadas Anexo 14 - Folha de registos de necrópsias/análises parasitárias. 138 Anexo 15 - Base de dados em folha de cálculo Microsoft Excel referente às respostas obtidas no questionário realizado aos tratadores do Jardim Zoológico de Lisboa Anexo 16 - Base de dados em Microsoft Excel do estudo parasitário 143 Anexo 17 - Tipos de vegetação e substratos das instalações exteriores dos mamíferos, aves e répteis do Zoo de Lisboa Anexo 18 - Maneio e higiene praticados no Zoo de Lisboa, por instalação dos mamíferos, aves e répteis Anexo 19 - Folheto do Raticida usado no controlo de roedores. Cedido pela empresa. 149 Anexo 20 - Levantamento das armadilhas colocadas para roedores nos diferentes setores do Jardim Zoológico de Lisboa 151 Anexo 21 - Zonas em estudo, no Jardim Zoológico de Lisboa com a localização das armadilhas mecânicas e químicas para controlo de roedores e armadilhas mecânicas para controlo dos pombos Anexo 22 - Análise estatística efetuada relativamente ao estudo parasitário nos roedores capturados no Jardim Zoológico de Lisboa 155 Anexo 23 - Sugestão para uma ficha de inspeção de pragas no Zoo 157 Anexo 24 - Regulamento interno da Câmara Municipal de Lisboa, referente ao controlo e prevenção de pragas ix

13 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Componentes que integram um programa de biossegurança em parques zoológicos... 2 Figura 2 - Características morfológicas de: Mus musculus, Rattus norvegicus e Rattus rattus Figura 3 - Distribuição geográfica da espécie Mus musculus Figura 4 - Distribuição geográfica da espécie Rattus norvegicus... 9 Figura 5 - Distribuição geográfica da espécie Rattus rattus Figura 6 - Distribuição geográfica da espécie Columba livia Figura 7 - Medidas a implementar num controlo integrado de pragas Figura 8 - Zonas em estudo, no Jardim Zoológico de Lisboa Figura 9 - Armadilhas utilizadas para captura de M. musculus (a - Tipo Sherman) e R. norvegicus (b - Tipo Tomahawk). 44 Figura 10 - Necrópsia em roedor.. 44 Figura 11 - Copo com fezes Figura 12 - Individualização dos órgãos em placa de Petri, após necrópsia Figura 13 - Decantação dos conteúdos gastrintestinais Figura 14 - Roedor necropsiado, apresentando os órgãos em autólise Figura 15 - Algumas das pragas identificadas no Jardim Zoológico de Lisboa Figura 16 - Intensidade de infestação de roedores, M. musculus e R. norvegicus, nas instalações interiores e exteriores Figura 17 - Intensidade de infestação de aves, Columba livia, Larus spp. e Passer domesticus, nas instalações interiores e exteriores.. 58 Figura 18 - Intensidade de infestação de insetos, da ordem Blattodea e família Formicidae nas instalações interiores e exteriores Figura 19 - Métodos de controlo utilizados contra as pragas, no Zoo de Lisboa.. 61 Figura 20 - Diferentes tipos de armadilhas químicas usadas pela empresa de desratização. a cartão; b verdes; c pretas 62 Figura 21 - Armadilha mecânica usada para a captura de pombos Figura 22 - Metodologia para controlo de insetos voadores no interior do Templo dos Primatas. a. Inseto caçador; b. Tela adesiva 64 Figura 23 - Exemplares dos roedores em estudo. a - Mus musculus; b Rattus norvegicus 64 Figura 24 - Distribuição das espécies de roedores capturados por sexo (a) e idade (b) Figura 25 - Zonas de captura dos roedores, no Jardim Zoológico de Lisboa Figura 26 - Distribuição dos roedores capturados, por instalação de animais, do Jardim Zoológico de Lisboa Figura 27 - Oocisto de Cryptosporidium sp Figura 28 - Oocistos do género Eimeria.. 68 Figura 29 - Cysticercus fasciolaris, forma larvar de T. taeniformis: a - exteriorizada da vesícula e semelhante à forma adulta; b - escoléx com quatro ventosas e coroa dupla de ganchos Figura 30 - Hymenolepis diminuta. a - proglótide maduro; b - proglótide grávido com o útero repleto de ovos; c escólex inerme; d ovo hialino e oncosfera com três pares de ganchos Figura 31 - Nippostrongylus brasiliensis 70 Figura 32 - Figura 33 - Figura 34 - Heterakis spumosa. a - extremidade anterior, bulbo esofágico com complexo valvular; b - ventosa pré-anal do macho; c - extremidade posterior do macho com estrutura papiliforme visível Fêmea de Heterakis spumosa. a - vulva com formações cuticulares e útero repleto de ovos; b - extremidade posterior pontiaguda; c - morfometria dos ovos 71 Extremidade anterior de Syphacia obvelata. a - zona cefálica com duas dilatações e boca com três lábios; b - esófago e bulbo esofágico esférico, separados por constrição x

14 Figura 35 - Extremidade posterior de Syphacia obvelata. a - três dilatações mamilonadas, na face ventral do último terço do corpo do macho; b - espícula do macho ligeiramente encurvada. c - poro genital da fêmea e extremidade posterior, longa e fina; d - útero cheio de ovos, em forma de banana.. 72 Figura 36 - Ovo de Trichuris muris 73 Figura 37 - Calodium hepaticum: a - fígado com lesões macroscópicas (nódulos esbranquiçados de calcificação); b ovo a fresco, após maceração; c ovos e adultos no parênquima hepático; d pormenor dos ovos em corte histológico. 73 Figura 38 - Tipos de infeção observadas em Mus musculus (a) e Rattus norvegicus (b).. 75 Figura 39 - Número de animais positivos, por idade e espécie de roedor em estudo Figura 40 - Diversidade parasitária observada em Mus musculos, por idade Figura 41 - Diversidade parasitária observada em Rattus norvegicus, por idade.. 77 Figura 42 - Número de animais positivos, por sexo e espécie de roedor em estudo 78 Figura 43 - Diversidade parasitária observada em Mus musculus, por sexo Figura 44 - Diversidade parasitária observada em Rattus norvegicus, por sexo Figura 45 - Número de animais capturados e positivos, por roedor e local de captura 80 Figura 46 - Diversidade parasitária observada em Mus musculos, por local de captura.. 81 Figura 47 - Diversidade parasitária observada em Rattus norvegicus, por local de captura.. 81 Figura 48 - Comedouros nas instalações dos flamingos. a antigos, de fácil acesso aos pombos e gaivotas; b recentes, de acesso restrito aos flamingos Figura 49 - Medidas para evitar as aves. a colocação de redes em cantos para evitar que façam ninhos; b colocação de arames para evitar que pousem; c redes de captura nas árvores Figura 50 - Autocolantes com a forma de um predador Zoo de Berlin xi

15 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Rodenticidas utilizados no controlo de roedores.. 34 Tabela 2 - Critérios selecionados para os diferentes graus de classificação de pragas consideradas. 42 Tabela 3 - Alimentação dos mamíferos do Zoo de Lisboa, por grupos de animais.. 52 Tabela 4 - Alimentação das aves e répteis do Zoo de Lisboa, por grupos de animais.. Tabela 5 - Identificação dos inquiridos Tabela 6 - Atividade (tempo e animais a cargo) e formação dos inquiridos. 54 Tabela 7 - Higiene e segurança Tabela 8 - Infestação por roedores, M. musculus e R. norvegicus, no interior e exterior das instalações, por grupos setores em estudo.. 57 Tabela 9 - Infestação de aves, Columba livia, Larus spp. e Passer domesticus, nas instalações interiores e exteriores, por setores em estudo Tabela 10 - Infestação por insetos da ordem Blattodea e família Formicidae no interior e exterior das instalações, por setores em estudo 60 Tabela 11 - Distribuição das diferentes armadilhas usadas para captura de roedores, por zonas do Zoo de Lisboa.. 63 Tabela 12 - Distribuição dos roedores capturados, no Zoo de Lisboa, por sexo e idade 65 Tabela 13 - Prevalência global da infeção por helmintes e protozoários intestinais nos roedores em estudo Tabela 14 - Prevalência da infeção por helmintes e protozoários intestinais em função da localização no hospedeiro em estudo Tabela 15 - Infeções observadas em Mus musculus, Rattus norvegicus e no total das observações. 75 Tabela 16 - Tipos de infeções (%) observadas por idade e por espécie de roedor Tabela 17 - Tipos de infeções (%) observadas por sexo e por espécie de roedor Tabela 18 - Carga parasitária registada por roedor e espécie parasitária (valores médios, máximos e mínimos) Tabela 19 - Espécimes machos e fêmeas por roedor e por espécie parasita da Filo de Nematoda (valores médios, máximos e mínimos e proporção 1 /n.º ).. 82 Tabela 20 - Carga parasitária registada por roedor e espécie parasitária, em função da idade dos hospedeiros.. 83 Tabela 21 - Carga parasitária registada por roedor e espécie parasitária, em função do sexo dos hospedeiros Tabela 22 - Espécies parasitas assinaladas em Portugal em M. musculus, M. spretus, R. norvegicus e R. rattus Tabela 23 - Dimensões de espécies de Eimeria de M. musculus e R. norvegicus xii

16 Tabela 24 - Dimensões de C. muris e C. parvum Tabela 25 - Prevalência da infeção por helmintes de M. musculus, em Portugal. 101 Tabela 26 - Prevalência da infeção por helmintes de R. norvegicus, em Portugal Tabela 27 - Estudo comparativo das cargas parasitárias obtidas neste estudo com as de outros trabalhos. 104 Tabela 28 - Espécies exóticas onde foi identificado Calodium hepaticum. 105 Tabela 29 - Espécies exóticas onde foi identificado Cryptosporidium spp. 106 xiii

17 1 INTRODUÇÃO A criação dos Parques Zoológicos teve, quando do seu início, fins contemplativos, de exibicionismo e de entretenimento da população (Dias & Cortinhas, 1992). Atualmente, de acordo com Dias & Cortinhas (1992) e World Association of Zoos and Aquariums [WAZA] (2005), estas instituições tentam afirmar-se como modelos de conservação integrada, assumindo quatro funções principais: conservação/preservação, educação, investigação científica e lazer e procuram educar e sensibilizar a opinião pública, mostrando a quem os visita que o mundo animal e tudo o que o envolve precisam de mais atenção e que algumas das espécies residentes em parques já se encontram em extinção no seu habitat natural. Mostram, ainda, que a criação de animais silvestres deve ser feita através da sua manutenção em instalações inovadoras e nas melhores condições de bem-estar, dedicandose essencialmente à reprodução de animais em vias de extinção, com a esperança de um dia os poderem reintroduzir em habitats naturais (WAZA, 2005). Os parques zoológicos, estejam eles localizados dentro das cidades ou em espaços rurais, geralmente estão situados próximo de áreas verdes ou têm na sua componente espaços ajardinados abundantes, representando assim um ecossistema próprio com uma ampla variedade de espécies animais (Corrigan, 2001). Este ecossistema é partilhado por espécies domésticas ou silvestres e pelo próprio Homem, situação esta que facilita a entrada a agentes patogénicos, muitos deles com potencial zoonótico. Desta forma é fundamental o estabelecimento de um programa de medicina preventiva, cujo objetivo principal é impedir a disseminação de agentes patogénicos e doenças, quer para os trabalhadores, quer para a coleção zoológica, através do estabelecimento dum protocolo de maneio sanitário (Collins & Powell,1996; Cubas, Silva & Catão-Dias, 2007). De acordo com Collins & Powell (1996) e Cubas et al. (2007) este programa tem os seguintes componentes: - o controlo de entradas e saídas de animais, com o estabelecimento do tempo adequado de quarentena; - o controlo das limpezas diárias das instalações e espaços verdes; do maneio específico para cada setor de intervenção; dos equipamentos de limpeza e de proteção física; - o controlo e tratamento dos resíduos sólidos e líquidos de todas as instalações (animais, hospitalares, laboratoriais, serviços administrativos), restos de alimentos, espaços verdes e esgotos; - os controlos sanitários específicos, tais como os referentes a determinadas áreas: maternidades, quarentena, laboratório e zonas de preparação de alimentos; - o controlo de pragas, que passa pela identificação das principais pragas existentes, pela determinação de medidas para a sua prevenção e controlo e ainda pela captura, 1

18 eutanásia e pesquisa das doenças, particularmente as zoonóticas, de que são potenciais transmissores; - a formação e educação dos tratadores através do desenvolvimento de programas educativos que visem o conhecimento das espécies com que lidam, para uma melhor leitura dos seus comportamentos e sinais de saúde e o reconhecimento de alterações comportamentais que possam indicar alterações de saúde e do bem-estar animal; os tratadores devem ainda ser educados em relação aos riscos para a saúde animal e para a sua saúde associados às várias práticas. Considera-se ainda de grande importância que estas ações de formação incidam também, no estudo das espécies de pragas existentes para uma melhor deteção e controlo das mesmas. Todas estas etapas encontram-se presentemente associadas a um conceito mais amplo, a biossegurança em que todos os componentes requerem permanente manutenção, monitorização e revisão (Cubas et al., 2007). A Figura 1 apresenta os componentes de proteção de saúde animal e pública, sendo a biossegurança representada pelos componentes de prevenção de entrada de agentes e de prevenção da multiplicação e manutenção de agentes. Figura 1 Componentes que integram um programa de biossegurança em parques zoológicos. Saúde Animal / Saúde Pública Controlo de Agentes Patogénicos Medidas Preventivas Medidas de Eliminação Prevenção de entrada de agentes - Quarentenas, controlo ambiental e vazios sanitários; - Higiene dos trabalhadores; - Controlo e qualidade de materiais (alimento, água e camas); - Profilaxia (animais da coleção); - Controlo de pragas. Prevenção da multiplicação e manutenção de agentes - Higienização e desinfeções; - Tratamentos de lixo e resíduos; - Acondicionamento dos alimentos e do material das camas; - Controlo de pragas. - Vigilância; - Confirmação de diagnóstico; - Eutanásia. 2

19 Pode-se pois definir biossegurança como: a implementação de um conjunto de políticas e normas operacionais rígidas que terão a função de proteger os animais da coleção zoológica contra a introdução de qualquer tipo de agentes infeciosos (vírus, bactérias, fungos ou parasitas) (Kleiman, Thompson & Baer, 2010). Assim, o presente trabalho teve como objetivo efetuar um levantamento, no Jardim Zoológico de Lisboa, sobre as práticas de higiene e biossegurança, com ênfase no controlo de pragas, mediante observações in loco, entrevistas aos tratadores e responsáveis pelas empresas de controlo de pragas e a aplicação de um inquérito aos tratadores, com vista à identificação dos potenciais perigos. Deseja-se com este trabalho contribuir para o estabelecimento de medidas corretivas para os perigos identificados mediantes a apresentação de sugestões e de um plano de controlo e prevenção de pragas, com especial destaque para os roedores. Dada a importância que os roedores representam como hospedeiros de um elevado número de espécies parasitárias responsáveis por diversas doenças transmissíveis, tanto aos animais, como ao Homem, foi ainda objetivo deste estudo: - contribuir para um melhor conhecimento da fauna parasitária das espécies de roedores pragas, capturadas no zoo; - determinar as prevalências, os tipos de infeção, as cargas parasitárias e o potencial zoonótico das espécies parasitárias identificadas; - analisar os principais fatores indutores de variação da diversidade da fauna parasitária: sexo, idade e local de captura dos hospedeiros. Espera-se com este estudo poder contribuir para melhorar as condições de higiene, saúde e bem-estar, tanto dos animais que se encontram no Jardim Zoológico de Lisboa, como também dos trabalhadores, colaboradores e visitantes. 3

20 2 BIOSSEGURANÇA E CONTROLO DE PRAGAS De acordo com Shellabarger (1994), um programa de medicina preventiva e saúde ocupacional em parques zoológicos e aquários com animais selvagens deve atender a três propósitos: - Proteger a saúde humana dos trabalhadores e do público; - Proteger a saúde dos animais da coleção; - Cumprir com os aspetos legais e éticos. Pessoas que trabalham com animais sob cuidados humanos, selvagens ou domésticos, estão expostas a um maior risco biológico, incluindo agressões físicas e exposição a zoonoses. Doenças zoonóticas ou zoonoses são definidas como aquelas infeções transmissíveis naturalmente entre humanos ou outros animais vertebrados, incluindo as de origem viral, bacteriana e parasitária, nas quais os animais apresentam importante papel na manutenção da infeção (Shellabarger, 1994). Apesar disso, os parques zoológicos não são considerados locais com grande incidência de doenças zoonóticas, talvez por haver grande preocupação com a saúde animal e a adoção de medidas preventivas (Fowler, 1986). Existem mais de 200 zoonoses conhecidas e que são transmitidas sob condições variadas (Shellabarger, 1994). Assim, torna-se importante que todos os que trabalham com animais ou material biológico proveniente deles, conheçam os meios de prevenção de modo a minimizar a transmissão. Os animais podem transmitir doenças aos humanos, quer por contacto direto (mordeduras e arranhadelas), quer indireto (urina, fezes, secreções, sangue, fómites ou aerossóis), sendo importante não esquecer o facto de poderem não manifestar sinais clínicos e serem transmissores (Fowler, 1986). A palavra biossegurança é uma designação genérica da segurança das atividades que envolvem organismos vivos. Segundo a FAO (2009; 2010) biossegurança é uma abordagem estratégica e integrada, que engloba os quadros políticos e regulamentares (incluindo os instrumentos e atividades) que analisam e gerem os riscos nos setores da segurança alimentar, da vida animal e vegetal e da saúde, incluindo o risco ambiental associado. Abrange a prevenção da introdução de pragas de plantas, de pragas e doenças animais e zoonoses, a introdução e liberalização de organismos geneticamente modificados (OGM) e seus produtos, bem como a introdução e gestão de espécies exóticas. Biossegurança é um conceito holístico de relevância direta para a sustentabilidade da agricultura, segurança alimentar, bem como para a proteção do meio ambiente, incluindo a biodiversidade. O programa de biossegurança nos diversos setores de um parque zoológico deve ser elaborado conforme as necessidades institucionais, o tipo de animais, o número de funcionários envolvidos e o setor em que trabalham. Neste sentido, é preciso ter em conta, a exposição pessoal aos animais (ex.: tratadores são diferentes do pessoal da cozinha ou da 4

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características:

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características: Nome científico: Lutra lutra Nome Popular: Lontra europeia, lontra-comum Classe: Mammalia Ordem: Carnívora Família: Mustelidae Subfamília: Lutrinae Género: Lutra Espécie: Lutra lutra Características: A

Leia mais

PEIXES - corpo coberto de escamas - barbatanas para nadar - respiram por guelras

PEIXES - corpo coberto de escamas - barbatanas para nadar - respiram por guelras Os animais do meu ambiente Há muitos animais na Natureza e todos são diferentes. Os animais estão adaptados ao ambiente em que vivem, pela forma do corpo, pela maneira como se deslocam, pela alimentação

Leia mais

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão).

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão). Nome científico: Chamaeleo chamaeleon Nome popular: camaleão-comum Classe: Reptilia Ordem: Squamata Subordem: Sauria Família: Chamaeleontidae Etimologia: O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS A proposta A proposta de ensino das Ciências Naturais se fundamenta na construção do pensamento científico acerca dos fenômenos

Leia mais

Plano de Ação. Vespa velutina

Plano de Ação. Vespa velutina Plano de Ação Vespa velutina Foto - wikipedia Direção de Serviços de Proteção Animal Página 1 de 10 O plano de ação para a vespa velutina foi elaborado pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV)

Leia mais

Cantigas e parlendas

Cantigas e parlendas Cantigas e parlendas Professora Carolina Nome: 1 Alfabetário 2 A vela Isabel Cristina O pato viu a vela e ficou com medo do fogo. O gato viu a vela e gostou do fogo. A foca viu a vela e ficou com medo

Leia mais

ANIMAL: PORQUINHO DA ÍNDIA. LAURA E ANA BEATRIZ 2º ano H

ANIMAL: PORQUINHO DA ÍNDIA. LAURA E ANA BEATRIZ 2º ano H ANIMAL: PORQUINHO DA ÍNDIA LAURA E ANA BEATRIZ 2º ano H PORQUINHO DA ÍNDIA São roedores e tem hábitos noturnos. Tempo de vida: de 5 a 8 anos Alimentação: comem verduras, capins, raízes, sementes e tubérculos.

Leia mais

Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil

Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil Os Recursos Hídricos e a Biodiversidade do Brasil Comunidade dos países de Língua portuguesa (CPLP) A CPLP foi criada em17 de Julho de 1996 por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal

Leia mais

Introdução. Como foram domesticados gatos?

Introdução. Como foram domesticados gatos? Introdução Os Gatos domésticos chegaram pela primeira vez ao continente Norte- americano levados por colonos europeus, há várias centenas de anos. Desde então, multiplicaram-se e prosperaram como gatos

Leia mais

Ciências da Natureza 5º ano Planificação 2014/2015

Ciências da Natureza 5º ano Planificação 2014/2015 1º Período Ciências da Natureza 5º ano Planificação 2014/2015 SUBDOMÍNIOS Nº de aulas (45 ) Apresentação 1 A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES A importância das rochas e do solo na manutenção

Leia mais

Abril de 2008. Autores: Luciana Gonçalo Lénio

Abril de 2008. Autores: Luciana Gonçalo Lénio Os Animais Abril de 2008 Autores: Luciana Gonçalo Lénio 20 1 Conclusão Achamos que trabalhamos bem. Descobrimos muitas coisas interessantes. Por exemplo: que haviam as cadeias alimentares. Assim ficámos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA Controle de Roedores Marcelo Weiss Introdução Diferença entre roedores silvestres e roedores sinantróficos comensais Condição

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS UNIDADE 1 Conteúdos. UNIDADE 2 Conteúdos Ser humano: semelhanças e diferenças (características físicas e comportamentais, gostos pessoais) Partes do corpo humano Sentidos humanos: audição, visão, paladar, tato e olfato Cuidados com os órgãos

Leia mais

Simulado Biologia UNICAMP 2014-2013

Simulado Biologia UNICAMP 2014-2013 1. (Unicamp 2014) Considere os seguintes componentes celulares: I. parede celular II. membrana nuclear III. membrana plasmática IV. DNA É correto afirmar que as células de a) fungos e protozoários possuem

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

BUGIO-RUIVO Alouatta guariba clamitans

BUGIO-RUIVO Alouatta guariba clamitans ANTA Tapirus terrestris CARACTERÍSTICAS GERAIS: A anta é um mamífero de grande porte, cujo corpo mede de 1,70 a 2,00 m e pode pesar até 300 kg. É o maior mamífero brasileiro. Sua coloração é marrom escura

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO Planeamento Curricular referente ao 1 º Período Ano e Turma 5º Disciplina Ciências Naturais Prof. (a) N.º Aulas Previstas Domínio: ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

Baleia. Aranha. Iuri. Malcom

Baleia. Aranha. Iuri. Malcom Aranha Baleia A aranha é um aracnídeo. O habitat das aranhas é nas florestas ou em casas. Mas ela mora em uma teia que ela mesma faz. Depressa ela se pendura na teia e enrola insetos nessa teia para se

Leia mais

O javali asselvajado NORMA. e medidas de controle

O javali asselvajado NORMA. e medidas de controle O javali asselvajado NORMA e medidas de controle O JAVALI é um porco selvagem, originário da Europa, Ásia e norte da África. Foi introduzido em diversas regiões do mundo como animal de criação para consumo.

Leia mais

ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas...

ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas... ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas... www.geota.pt geota.sec@netcabo.pt O que são as espécies protegidas Espécies cujo número de indivíduo é muito reduzido estando em

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA Aula 04 A PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula de hoje: Hemiptera de importância em Parasitologia Zootécnica ORDEM HEMIPTERA Insetos da ordem Hemiptera são divididos em três subordens, os Heteroptera (conhecidos

Leia mais

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados

Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Standard da OIE Controle de cães não domiciliados Capítulo 7.7 Lizie Buss Med Vet Fiscal Federal Agropecuário Comissão de BEA/MAPA Conceito de bem-estar animal OIE Como um animal está se ajustando as condições

Leia mais

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes

Gato-do-mato-pequeno. Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação. Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes Zoo é notícia Ano 3 - No. 8 - Junho 2013 Gato-do-mato-pequeno Filhote de menor felino do Brasil nasce na Fundação Congresso ALPZA recebe mais de 400 participantes - Mestrado Profissional em parceria com

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes.

A vida nas cidades. leptospirose é geralmente transmitida através da urina de ratos, que se mistura à água das enchentes. A U A UL LA A vida nas cidades Atenção Leptospirose - Cresce a epidemia 43 pessoas já morreram em São Paulo A epidemia de leptospirose que assola São Paulo atingiu ontem a marca recorde de 1.003 casos

Leia mais

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL

Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Peixes e crustaceos Nativos da PVSuL Alguns, encobertos pela água. Outros, ativos à noite. A maioria, raramente vista. Os peixes e crustáceos presentes no PV-Sul representam dois grupos de animais presentes

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) OUTRAS DOENÇAS CAPÍTULO 2.10.1 Zoonoses Transmissíveis por Primatas não Humanos Artigo 2.10.1.1. Introdução Há cerca de 180 espécies diferentes de primatas não humanos pertencentes a duas subordens divididas

Leia mais

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Curso Integrado de Pragas JPGomes November 11th, 2006 Slide 1 Controle Integrado de Roedores e Insetos Instalações: O surgimento de roedores e insetos é conseqüência

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 7º ANO 2010 Questão 1 O reino Animalia, ou reino dos

Leia mais

MANEJO DE RATOS E POMBOS EM UNIDADES ARMAZENADORAS

MANEJO DE RATOS E POMBOS EM UNIDADES ARMAZENADORAS MANEJO DE RATOS E POMBOS EM UNIDADES ARMAZENADORAS Marcos Roberto Potenza - INSTITUTO BIOLÓGICO/ APTA - Av. Cons. Rodrigues Alves, 1252, CEP 04014 002, SãoPaulo/SP. E-mail: potenza@biologico.sp.gov.br

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SETOR DE FAUNA SILVESTRE DEPARTAMENTO DE BIODIVERSIDADE SECRETARIA DO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM

Leia mais

1- Foca-da-Gronelândia (Pagophilus groenlandicus) 2 - Cavalo-marinho Pigmeu (Hippocampus bargibanti) 3 - Lontra-marinha (Enhydra lutris)

1- Foca-da-Gronelândia (Pagophilus groenlandicus) 2 - Cavalo-marinho Pigmeu (Hippocampus bargibanti) 3 - Lontra-marinha (Enhydra lutris) 2 - Cavalo-marinho Pigmeu (Hippocampus bargibanti) Características: É um peixe. Tem características semelhantes às do camaleão, como mudar de cor e mexer os olhos independentemente um do outro. Mede entre

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica Medicina Veterinária. Principais parasitas de interesse zoonótico em pombos urbanos no Distrito Federal

Projeto de Iniciação Científica Medicina Veterinária. Principais parasitas de interesse zoonótico em pombos urbanos no Distrito Federal Projeto de Iniciação Científica Medicina Veterinária Principais parasitas de interesse zoonótico em pombos urbanos no Distrito Federal Brasília 2012 Projeto de Iniciação Científica Medicina Veterinária

Leia mais

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.:

Que tipo de relação há entre o peixe-palhaço e a anêmona? Justifique sua resposta. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Nas figuras abaixo

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

LPN - SEDE NACIONAL Estrada do Calhariz de Benfica, 187 1500-124 Lisboa T. +351 217 780 097 F. +351 217 783 208 lpn.natureza@lpn.

LPN - SEDE NACIONAL Estrada do Calhariz de Benfica, 187 1500-124 Lisboa T. +351 217 780 097 F. +351 217 783 208 lpn.natureza@lpn. Índice 1. O mais pequeno dos Peneireiros... 1 2. Principais factores de ameaça... 3 3. Como identificar... 4 4. Uma espécie migradora... 5 5. Os montes abandonados... 6 6. Onde preferem habitar?... 8 7.

Leia mais

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Estamos cadastrando alunos cursando Biologia interessados em trabalhar em atividades monitoradas em Ed.Ambiental no

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO Taenia sp Profª Cyntia Cajado Taxonomia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família: Taenidae Hermafroditas Corpo achatado dorsoventralmente Gênero:

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEQUENOS VETORES GRANDES PREJUÍZOS JOÃO MARCILIO DA SILVA REBOUÇAS RIO DE JANEIRO RJ 2005 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 PÚBLICO ALVO... 4 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CONTROLE DE ROEDORES

CONTROLE DE ROEDORES CONTROLE DE ROEDORES Roedores e a sociedade humana. Os problemas causados pelo aumento da população de roedores, especialmente nas grandes cidades são considerados um fenômeno mundial. Entre as espécies

Leia mais

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser

Específicas. I. Harmônicas. II. Desarmônicas. I. Harmônicas 1) SOCIEDADE. Estas relações podem ser Relações Ecológicas Os seres vivos mantém constantes relações entre si, exercendo influências recíprocas em suas populações. INTRA ou INTERESPECÍFICAS Estas relações podem ser HARMÔNICAS OU DESARMÔNICAS

Leia mais

Rede de Centros de Educação Ambiental CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL -

Rede de Centros de Educação Ambiental CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL - CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL - PARQUE DA CIDADE Apresentação do Centro Integrando território das freguesias de Aldoar e Nevogilde, o Parque da Cidade é o maior parque urbano do país, inserido

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM 2º CICLO Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Currículo Nacional do Ensino Básico- Competências Essenciais Ciências Físicas

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre

Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Aula 4.4 - Os conquistadores do ambiente terrestre Além do vegetais outros organismos habitavam o ambiente terrestre Organismos de corpo mole como moluscos e anelídeos Organismos com cutícula redução da

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

O APARECIMENTO DO ACHATINA FULICA NA CIDADE DE PARACATU- MG E OS POSSÍVEIS PROBLEMAS DE SAÚDE PÚBLICA RESUMO

O APARECIMENTO DO ACHATINA FULICA NA CIDADE DE PARACATU- MG E OS POSSÍVEIS PROBLEMAS DE SAÚDE PÚBLICA RESUMO O APARECIMENTO DO ACHATINA FULICA NA CIDADE DE PARACATU- MG E OS POSSÍVEIS PROBLEMAS DE SAÚDE PÚBLICA, MSc. RESUMO O molusco conhecido como caramujo-africano ou caramujo-giganteafricano, o Achatina fulica,

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES PROFESSOR DISCIPLINA TURMA DEISE MENEZES CIÊNCIAS 201 ALUNO SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br Questão 1 Numere: ( 1 )

Leia mais

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose Aula 4 1. Leia a notícia a seguir. Atividades IV. o mapeamento genético do verme pode auxiliar no controle dos problemas ambientais, como a falta de saneamento básico. V. resolverá definitivamente os problemas

Leia mais

Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana

Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana Elisa Helena Siegel Moecke Depto de Ciência e Tecnologia de Alimentos/ UFSC Laboratório de Análises - LABCAL

Leia mais

Capuchinho Vermelho revelou a crianças e jovens o último segredo da vida selvagem em Portugal: há lobos na Serra da Lousã.

Capuchinho Vermelho revelou a crianças e jovens o último segredo da vida selvagem em Portugal: há lobos na Serra da Lousã. Capuchinho Vermelho revelou a crianças e jovens o último segredo da vida selvagem em Portugal: há lobos na Serra da Lousã. O Parque Biológico da Serra da Lousã recebeu o Capuchinho Vermelho para revelar,

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS 6 ano 1 volume CONTEÚDOS OBJETIVOS 1.Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Sistema Solar e exploração do Universo - Movimentos da - Terra e da Lua Reconhecer

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR. Capuchinho Vermelho. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR. Capuchinho Vermelho. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR Capuchinho Vermelho Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Era Uma Vez uma cor vermelha! Enquadramento Curricular Preparação da visita 3º Ciclo Ciências Naturais

Leia mais

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO INFORMAÇÕES SOBRE AVESTRUZES CRIAÇÃO DE RATITAS: - EMA Vivem na América do Sul e são menores.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS 7º ANO PROFESSORA: LUCIANA PERES

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

MAPAS DOS CONTINENTES (POLÍTICO OU FÍSICO) MAPAS MUNDI MAPAS DO BRASIL

MAPAS DOS CONTINENTES (POLÍTICO OU FÍSICO) MAPAS MUNDI MAPAS DO BRASIL MAPAS DOS CONTINENTES (POLÍTICO OU FÍSICO) 01 África 02 Ásia 03 América Central 04 América do Norte 05 América do Sul 06 As Américas 07 Europa 08 Oceania MAPAS MUNDI 01 Biomas 02 Climas 03 Físico 04 Ilustrado

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 07 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP 0 A alma da gente durante a vida, produz uma quantidade imensa

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Chave simplificada para a identificação das presas mais comuns em regurgitações da Coruja-das-torres Tyto alba (Scopoli, 1769)

Chave simplificada para a identificação das presas mais comuns em regurgitações da Coruja-das-torres Tyto alba (Scopoli, 1769) Chave simplificada para a identificação das presas mais comuns em regurgitações da Coruja-das-torres Tyto alba (Scopoli, 1769) www.jcmorais.com José Carlos Morais 2 Crânio com dentes. Classe dos Mamíferos

Leia mais

OS INSETOS E OS DOCUMENTOS

OS INSETOS E OS DOCUMENTOS OS INSETOS E OS DOCUMENTOS A presença de insetos são um dos maiores problemas enfrentados pelas instituições que guardam documentos. Só recentemente em Portugal é que se começou a tomar medidas adequadas

Leia mais

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93

Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Controle de Resíduos GT Revisão Resolução CONAMA 05/93 Oscar de Aguiar Rosa Filho Fiscal Federal Agropecuário Vigilância Agropecuária Internacional Secretaria de Defesa Agropecuária A agropecuária no Brasil:

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ESCORPIÕES DIVAL/GEVAC/NUNOR Brasília, agosto de 2015 ESCORPIÕES 1 - O que é um escorpião? O escorpião, assim como as aranhas, carrapatos, entre outros, são animais que fazem

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Bloco de trabalho 7 - Diversidade nos animais: como se alimentam. 1. A figura 1 representa,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO. CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS - CIPmax

SISTEMA DE GESTÃO. CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS - CIPmax ÍNDICE Item Conteúdo Página 1 Introdução 2 1.1 Gestão da Informação 2 2 Objetivo 3 2.1 Responsabilidades 3 3 Formas de Atuação 3 4 Biologia dos Insetos 4 4.1 Baratas 4 4.2 Formigas 5 4.3 Moscas 5 5 Biologia

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

de animais nos parques

de animais nos parques GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Abandono de animais nos parques Animais não são descartáveis. Não abandone o seu. Abandonar é maltratar e maus-tratos a animais é crime. Lei Federal

Leia mais

Ex.: A B C D E 2 Boa Sorte! TESTE -1ªEliminatória

Ex.: A B C D E 2 Boa Sorte! TESTE -1ªEliminatória Este teste é constituído por 20 questões que abordam diversas temáticas da Biologia. Lê-as atentamente e seleciona a opção correta unicamente na Folha de Respostas, marcando-a com um X no quadrado respetivo.

Leia mais

A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca.

A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca. 12 EMA CUXIÚ 1 A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca. Este macaco é com certeza muito engraçado. A cauda mais

Leia mais

OS ROEDORES DAS ILHAS FLORES E CORVO: DISTRIBUIÇÃO, FERTILIDADE E MORFOMETRIA

OS ROEDORES DAS ILHAS FLORES E CORVO: DISTRIBUIÇÃO, FERTILIDADE E MORFOMETRIA OS ROEDORES DAS ILHAS FLORES E CORVO: DISTRIBUIÇÃO, FERTILIDADE E MORFOMETRIA JOÃO J. S. AMARAL & ROSA M. PUCHADES-PRADAS Laboratório Regional de Veterinária - Vinha Brava - 9701-861 Angra do Heroísmo

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L Andorinha-das-chaminés Andorinha-dos-beirais Andorinha-das-barreiras Andorinha-dáurica Andorinha-das-rochas INTRODUÇÃO

Leia mais

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição

UFPI - CT - DRHGA SANEAMENTO SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA SANEAMENTO SAÚDE PÚBLICA. Definição UFPI CT DRHGA DISCIPLINA: Saneamento II Carga horária: horas 6 créditos Horário: Seguas, quartas e sextas 6: 8: horas Local: Sala 55 Professores: Carlos Ernao da Silva email: carlosernao@gmail.com 88 Página:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Relações Ecológicas Prof. Enrico Blota Biologia Ecologia Relações ecológicas Representam as interações entre os seres vivos em um determinado ecossistema. Podem ser divididas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais