Dissertação de Mestrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dissertação de Mestrado"

Transcrição

1 Dissertação de Mestrado Egídio Ieno Júnior Uma Proposta de Metodologia para Análise de Desempenho de Redes IEEE Combinando a Gerência SNMP e Ferramentas de Simulação Agosto/2003 Inatel Instituto Nacional de Telecomunicações

2 UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO DE REDES IEEE COMBINANDO A GERÊNCIA SNMP E FERRAMENTAS DE SIMULAÇÃO

3 EGÍDIO IENO JÚNIOR Dissertação apresentada ao Instituto Nacional de Telecomunicações, como parte dos requisitos para obtenção do Título de Mestre em Engenharia Elétrica. ORIENTADOR: Prof. Dr. Anilton Salles Garcia Santa Rita do Sapucaí 2003

4 FOLHA DE APROVAÇÃO Dissertação defendida e aprovada em 19/09/2003, pela comissão julgadora: Dr. Anilton Salles Garcia / Instituto Nacional de Telecomunicações Dr. Jorge Moreira de Souza / FITec Inovações Tecnológicas Dr. José Marcos Câmara Brito / Instituto Nacional de Telecomunicações Coordenador do Curso de Mestrado

5 DEDICATÓRIA Aos meus pais Egídio e Ilza, minhas irmãs Irina e Inara, e a Giselli pelo apoio incondicional em todos os momentos

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter me dado saúde e inteligência para concluir este trabalho. Ao professor Dr. Anilton Salles Garcia pelo seu trabalho de orientação, sem o qual esta pesquisa não seria possível. Ao professor Dr. José Marcos Câmara Brito e ao Dr. Jorge Moreira de Souza por fazerem parte da banca examinadora. Aos amigos Oscavo Gonzaga Prata Júnior, Cristian da Rocha Duarte, Rodrigo Bahia Paiva, Luciano Leonel Mendes, Auder Bonora Nardi, Florence de Castro Campos, Iwanir Araújo da Silva Júnior, Ângelo Pinelli Martins Samia, Giovani Prado Siqueira, William Hiroshi Hisatugu, Ricardo Augusto Rabelo Oliveira, Ádrian Bonfá Drago por suas amizades e apoio. Aos professores Edson Josias Cruz Gimenez e Mauro Tapajós por estarem sempre dispostos a ajudar. A busca incessante de vários professores em trazer os melhores softwares de simulação para o INATEL. A todos os demais funcionários do Instituto Nacional de Telecomunicações que tornam o ambiente de trabalho o melhor possível. Já ancorado na Antártida, ouvi ruídos que pareciam de fritura. Pensei: será que até aqui existem chineses fritando pastéis? Eram cristais de água doce congelada que faziam aquele som quando entravam em contato com a água salgada. O efeito visual era belíssimo. Pensei em fotografar, mas falei para mim mesmo: - Calma, você terá muito tempo para isso... Nos 367 dias que se seguiram, o fenômeno não se repetiu. Algumas oportunidades são únicas. Almir Klink Como diz o Dalai Lama: Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ONTEM e o outro AMANHÃ. Portanto HOJE é o dia certo para AMAR, ACREDITAR, FAZER e principalmente VIVER.

7 ÍNDICE LISTA DE FIGURAS...i LISTA DE TABELAS...v LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS...vi RESUMO...ix ABSTRACT...x 1 Introdução Motivações para o Estudo sobre Redes IEEE e o Protocolo SNMP Objetivos do Trabalho e Estrutura da Dissertação Visão Geral sobre o Padrão IEEE Breve Histórico do Padrão IEEE O Padrão IEEE A Arquitetura do Padrão IEEE A Camada Física do Padrão IEEE A Camada MAC do Padrão IEEE A Operação da Função de Coordenação Distribuída DCF A Operação da Função de Coordenação em um Ponto PCF Tipos de Quadros mais Comuns Fragmentação da Camada MAC Varredura (Scanning) Associação Autenticação Criptografia Roaming Sincronização Gerenciamento de Potência Os Grupos de Trabalho do Padrão IEEE Algumas Diferenças entre os Padrões e

8 3 Visão Geral sobre Gerência de Redes SNMP e o Planejamento de Capacidade Gerência de Redes Metas para o Gerenciamento Recursos Gerenciados As Áreas Funcionais da Gerência Gerência Pró-ativa X Gerência Reativa Sistemas de Gerência Centralizada X Distribuída Breve Histórico sobre o Protocolo de Gerência SNMP A Arquitetura SNMP Descrição das Operações Disponíveis no Protocolo SNMP O Formato das Mensagens SNMP A Estrutura da Informação de Gerência A Base de Informações de Gerência SNMP A MIB-II O Grupo System SNMPv SNMPv Proxies Ferramentas Auxiliares na Gerência de Redes RMON Sniffers Diferenças entre RMON e Sniffers A Gerência de Desempenho Conceitos Fundamentais sobre a Gerência de Desempenho Serviço Ocupação de Recursos e Caracterização de Serviços Indicadores de Qualidade de Serviço Demanda sobre os Serviços As Principais Atividades da Gerência de Desempenho Monitoramento de Eventos Relevantes ao Desempenho de Sistemas Monitoramento para Verificação de Desempenho Monitoramento para Caracterização da Carga-de-Trabalho (workload) Análise de Desempenho...59

9 Planejamento de Capacidade Técnicas Auxiliares da Gerência de Desempenho A Simulação Digital Simuladores A Simulação de Redes Utilizando o OPNET Modeler Análise de Desempenho de Redes IEEE Combinando a Gerência SNMP e Ferramentas de Simulação Problemas com o Gerenciamento de Redes IEEE O Protocolo SNMP e o Desempenho de Redes IEEE Motivações para se Utilizar a Versão 2 do Protocolo SNMP O SNMP na Gerência de Redes Padrão IEEE (Ethernet) O SNMP na Gerência de Redes Padrão IEEE (WLAN) As MIBs Proprietárias Diferenças entre o SNMP sobre Redes Padrão IEEE e Requisitos de uma Estação de Gerenciamento Grupos de Recursos Gerenciáveis da Rede Clientes Facilidades de Comunicação Servidores A Metodologia Proposta para Análise de Desempenho A Fase Um (Escolha e Coleta dos Objetos) Etapa Um (Escolha dos Objetos) Etapa Dois (Coleta dos Objetos) O Tempo de Polling A Fase Dois (Eliminação de Dados e Obtenção dos Indicadores) Etapa Três (A Eliminação dos Dados Espúrios) Etapa Quatro (O Tratamento dos Dados Coletados) A Fase Três (Interpretação do Administrador da Rede) A Fase Quatro (Processo de Simulação) Aplicação da Metodologia Proposta A Fase Um (Escolha e Coleta dos Objetos) Etapa Um (Escolha dos Objetos) Etapa Dois (Coleta dos Objetos)...93

10 O Cálculo do Tempo de Polling A Fase Dois (Eliminação de Dados e Obtenção dos Indicadores) Etapa Três (A Eliminação dos Dados Espúrios) Etapa Quatro (O Tratamento dos Dados Coletados) A Fase Três (Interpretação do Administrador da Rede) A Fase Quatro (Processo de Simulação) Proposta de um Estudo de Caso para Análise de Desempenho da Expansão de uma Rede Existente Utilizando Redes IEEE (Etapa Três) O Primeiro Passo O Segundo Passo O Terceiro Passo O Quarto Passo O Quinto Passo A Influência das Alterações dos Parâmetros da Camada MAC no Desempenho das Redes IEEE Simulações com Duas Estações A Influência do Parâmetro RTSthreshold A Influência do Parâmetro FRAGMENTATIONthreshold A Influência da Taxa de Transmissão no Tempo de Acesso ao Meio Fatores que Influenciam no Throughput A Influência da Taxa de Transmissão na Perda de Pacotes Os Fatores que Influenciam na Tentativa de Retransmissão de Pacotes Simulações com Quatro Estações A Influência do Parâmetro RTSthreshold A Influência dos Modos de Operação no Throughput A Influência das Alterações dos Parâmetros da Camada MAC com o Aumento da Carga na Rede Conclusões Referências Bibliográficas Glossário Anexo A Um Estudo sobre Softwares de Gerência Utilizados em Redes IEEE

11 A.1 Introdução A.2 - O Software SpectrumSoft WNMS A.3 WNM (Wireless Network Manager) da Proxim Corporation A.4 - Gerenciamento Corinex Wireless Powerline A.5 - MRTG (Multi Router Traffic Grapher) A.6 LoriotPro A.7 Net SNMP A.8 MG - SOFT MIB Browser A.9 Softwares Utilizados na Coleta de dados, embora não sejam baseados no SNMP A Nagios A.9.2 Sniffer Wireless A.10 Considerações sobre os Softwares Analisados Anexo B Alguns Parâmetros e Estatísticas Coletadas para Rede IEEE na Simulação B.1 - Introdução B.2 - Alguns Valores Utilizados nas Simulações B.3 - Alguns Valores Utilizados no Estudo de Caso B.4 - Estações para Redes IEEE mais Comuns B.5 Uma Breve Comparação entre o OPNET Modeler e o NS

12 i LISTA DE FIGURAS FIGURA 2.1 O MODELO IEEE 802.X COM O RM OSI...9 FIGURA 2.2 ARQUITETURA DE UMA REDE WLAN ESTENDIDA...10 FIGURA 2.3 REDE IEEE CONECTADA À REDE IEEE FIGURA 2.4 AS CAMADAS DO PADRÃO IEEE FIGURA 2.5 OPERAÇÃO BÁSICA DA FUNÇÃO DE ACESSO AO MEIO DCF...13 FIGURA 2.6 OPERAÇÃO DA FUNÇÃO DE ACESSO AO MEIO DCF NA RESERVA DO MEIO...15 FIGURA MODOS PCF E DCF OPERANDO JUNTOS...16 FIGURA 2.8 FORMATO DO QUADRO MAC...17 FIGURA 2.9 FORMATO DO QUADRO DE CONTROLE...18 FIGURA 2.10 FORMATO DO QUADRO RTS...19 FIGURA 2.11 FORMATO DO QUADRO CTS...20 FIGURA 2.12 FORMATO DO QUADRO ACK...20 FIGURA 2.13 O PROBLEMA COM TERMINAIS ESCONDIDOS...24 FIGURA 3.1 CONFIGURAÇÃO DE UM GERENCIAMENTO DE REDE DISTRIBUÍDO...33 FIGURA 3.2 EXEMPLO DE REDE GERENCIADA SEGUNDO ARQUITETURA SNMP...35 FIGURA 3.3 PROTOCOLO SNMP SOBRE A CAMADA DE TRANSPORTE...36 FIGURA 3.4 OPERAÇÕES DO PROTOCOLO SNMP...37 FIGURA 3.5 FORMATO DAS MENSAGENS E PDUS DO SNMP...37 FIGURA 3.6 EXEMPLO DA LOCALIZAÇÃO DE OBJETO NA ÁRVORE DA MIB-II...41 FIGURA 3.7 GRUPOS DE OBJETOS DA MIB-II NA ÁRVORE...44 FIGURA GRUPO SYSTEM DA MIB-II...44 FIGURA 3.9 COMUNICAÇÃO HIERARQUIZADA ENTRE GERENTES...47 FIGURA OPERAÇÕES DO PROTOCOLO SNMPV FIGURA 3.11 CONFIGURAÇÃO DE PROXY PARA GERENCIAMENTO SNMP...50 FIGURA 3.12 ABRANGÊNCIA DA ATUAÇÃO DO RMON1 E RMON FIGURA 3.13 ESTRUTURA DE REDE USANDO SNIFFER...53 FIGURA 4.1 ESQUEMA DE GERÊNCIA PARA REDES SEM FIO...65 FIGURA 4.2 A ESTRUTURA EM ÁRVORE DA MIB ETHERLIKE...67 FIGURA 4.3 PARTE DOS TIPOS DE INTERFACES DEFINIDOS PELA IANA...69 FIGURA 4.4 PARTE DA SMI DA MIB IEEE FIGURA 4.5 PARTE DA MIB DO AP DA CISCO AIRONET...72 FIGURA MODELO DOS GRUPOS DE ELEMENTOS DE UM SISTEMA DE GERÊNCIA..76

13 ii FIGURA 4.7 ESQUEMA PROPOSTO PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO...78 FIGURA POSSÍVEIS OPERAÇÕES EM UMA REDE IEEE FIGURA EXEMPLO DAS ALTERAÇÕES DO STATUS DE UMA INTERFACE...83 FIGURA 5.1 GRUPO INTERFACES DA MIB-II...91 FIGURA COLETA DE DADOS ATRAVÉS DO MRTG PARA O TRÁFEGO DA REDE IEEE FIGURA TRÁFEGO IMPORTADO PARA O EXCEL SEM TRATAMENTO...95 FIGURA TRÁFEGO IMPORTADO PARA O EXCEL COM TRATAMENTO...96 FIGURA 5.5 COMPARAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS GERADAS POR UM PERÍODO DE 24 HORAS DE OBSERVAÇÃO...97 FIGURA 5.6 UTILIZAÇÃO POR UM PERÍODO DE 24 HORAS DE OBSERVAÇÃO...97 FIGURA 5.7 DIAGRAMA EM BLOCOS PARA ANÁLISE DA EXPANSÃO DE REDES EMPREGANDO SIMULAÇÃO...99 FIGURA TOPOLOGIA DA REDE INICIAL FIGURA O CONJUNTO DE ESTAÇÕES DA REDE IEEE BSS FIGURA TEMPO MÉDIO DE RESPOSTA DA APLICAÇÃO FTP FIGURA TEMPO MÉDIO DE RESPOSTA DA APLICAÇÃO HTTP FIGURA UTILIZAÇÃO DO ENLACE BSS 1<-->GATEWAY IP FIGURA UTILIZAÇÃO DO ENLACE GATEWAY IP<-->NUVEM IP FIGURA UTILIZAÇÃO DO ENLACE NUVEM IP<-->FIREWALL FIGURA UTILIZAÇÃO DO ENLACE FIREWALL<-->SERVIDOR FTP FIGURA UTILIZAÇÃO DO ENLACE FIREWALL<-->SERVIDOR HTTP FIGURA REDE EXPANDIDA FIGURA TEMPO MÉDIO DE RESPOSTA DA APLICAÇÃO FTP PARA REDE EXPANDIDA FIGURA TEMPO MÉDIO DE RESPOSTA DA APLICAÇÃO HTTP PARA REDE EXPANDIDA FIGURA COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO ENLACE GATEWAY IP-->BSS FIGURA COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO ENLACE NUVEM IP-->GATEWAY IP FIGURA COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO ENLACE GATEWAY IP-->NUVEM IP FIGURA COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO ENLACE FIREWALL-->NUVEM IP FIGURA COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO ENLACE SERVIDOR FTP--> FIREWALL FIGURA COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO ENLACE SERVIDOR HTTP--> FIREWALL FIGURA TEMPO DE RESPOSTA PARA APLICAÇÃO FTP FIGURA MELHORES TEMPOS DE RESPOSTA PARA APLICAÇÃO FTP

14 iii FIGURA TEMPO DE RESPOSTA PARA APLICAÇÃO HTTP FIGURA 5.29 MELHORES TEMPOS DE RESPOSTA PARA APLICAÇÃO HTTP FIGURA UTILIZAÇÃO DO ENLACE NUVEM IP-->GATEWAY IP PARA VÁRIAS SITUAÇÕES DA REDE FIGURA UTILIZAÇÃO DO ENLACE GATEWAY IP-->NUVEM IP PARA VÁRIAS SITUAÇÕES DA REDE FIGURA 6.1 DUAS ESTAÇÕES NO MODO DCF OPCIONAL FIGURA 6.2 CONFIGURAÇÃO DOS PARÂMETROS FIGURA 6.3 A INFLUÊNCIA DO LIMIAR DE RTS NO TEMPO DE RESERVA DE CANAL113 FIGURA 6.4 A INFLUÊNCIA DA FRAGMENTAÇÃO NO TEMPO DE RESERVA DE CANAL FIGURA 6.5 A INFLUÊNCIA DA FRAGMENTAÇÃO NO THROUGHPUT FIGURA 6.6 A INFLUÊNCIA DA TAXA DE TRANSMISSÃO NO TEMPO DE ACESSO AO MEIO FIGURA 6.7 A INFLUÊNCIA DO LIMIAR DE RTS NO TRÁFEGO DE CONTROLE FIGURA 6.8 A INFLUÊNCIA DO LIMIAR DE RTS NO THROUGHPUT FIGURA 6.9 A INFLUÊNCIA DO LIMIAR DE RTS NA TAXA DE DESCARTE FIGURA 6.10 A INFLUÊNCIA DA TAXA DE TRANSMISSÃO NO DESCARTE DE PACOTES FIGURA 6.11 A INFLUÊNCIA DE DIVERSOS PARÂMETROS NA TENTATIVA DE RETRANSMISSÃO FIGURA 6.12 A INFLUÊNCIA DE DIVERSOS PARÂMETROS NO THROUGHPUT FIGURA 6.13 QUATRO ESTAÇÕES OPERANDO NO MODO DCF FIGURA A INFLUÊNCIA DO LIMIAR DE RTS NO THROUGHPUT FIGURA A INFLUÊNCIA DO LIMIAR DE RTS NO TRÁFEGO DE CONTROLE FIGURA 6.16 ESTAÇÕES OPERANDO NOS MODOS DCF E PCF FIGURA 6.17 A INFLUÊNCIA DO MODO DE OPERAÇÃO NO THROUGHPUT FIGURA 6.18 A INFLUÊNCIA DO MODO DE OPERAÇÃO NO DESCARTE DE PACOTES 122 FIGURA 6.19 A INFLUÊNCIA DO MODO DE OPERAÇÃO NA RETRANSMISSÃO FIGURA 6.20 A INFLUÊNCIA DA CARGA NA REDE E DO LIMIAR DE RTS NO THROUGHPUT AGREGADO FIGURA A INFLUÊNCIA DA CARGA NA REDE E DO LIMIAR DE RTS NA TAXA DE DESCARTE FIGURA A INFLUÊNCIA DA CARGA NA REDE E DO LIMIAR DE RTS NAS TENTATIVAS DE RETRANSMISSÃO FIGURA 6.23 A INFLUÊNCIA DA CARGA NA REDE E DO LIMIAR DE RTS NO TEMPO DE ACESSO AO MEIO FIGURA A INFLUÊNCIA DA CARGA NA REDE E DO LIMIAR DE RTS E DE FRAGMENTAÇÃO NO THROUGHPUT AGREGADO

15 iv FIGURA A.1 - REDES IEEE GERENCIADAS ATRAVÉS DA INTERNET FIGURA A.2 - GRÁFICO DA TRANSFERÊNCIA DE DADOS - CORINEX FIGURA A.3 - GRÁFICO DIÁRIO (5 MINUTOS - MÉDIA) FIGURA A.4 - NAVEGANDO NAS MIBS SNMP ATRAVÉS DO LORIOTPRO FIGURA A.5 VISÃO DE UMA TABELA SNMP NA FORMA DE COLUNAS MG-SOFT FIGURA A.6 - O STATUS E A DISPONIBILIDADE DE UMA ESTAÇÃO - NAGIOS FIGURA A.7 UMA POSSÍVEL ATUAÇÃO PARA O SNIFFER WIRELESS FIGURA B.1 - CONFIGURANDO OS ATRIBUTOS DA ESTAÇÃO DA REDE IEEE FIGURA B.2 - CONFIGURANDO OS ATRIBUTOS DA ESTAÇÃO DA REDE IEEE FIGURA B.3 ATRIBUTOS DE UMA ESTAÇÃO SUPORTANDO FTP FIGURA B.4 CAIXAS DE DIÁLOGO DE CONFIGURAÇÃO FIGURA B.5 - CONFIGURAÇÃO DA APLICAÇÃO FIGURA B.6 - CONFIGURAÇÃO DO PERFIL DO USUÁRIO FIGURA B.7 - MODELANDO UMA APLICAÇÃO FIGURA B.8 - MODELO DE ESTAÇÃO PARA REDES IEEE SEM AS CAMADAS SUPERIORES FIGURA B.9 - MODELO DE ESTAÇÃO PARA REDES IEEE COM AS CAMADAS SUPERIORES

16 v LISTA DE TABELAS TABELA 2.1 CAMPOS DE ENDEREÇAMENTO MAC...17 TABELA DESCRIÇÃO DOS TIPOS E SUBTIPOS DE QUADROS...19 TABELA 3.1 INDICADORES DE DESEMPENHO DE REDE...29 TABELA 3.2 TABELA COMPARATIVA ENTRE O SNMP E SNIFFERS...54 TABELA 4.1 ALGUNS TIPOS DE INTERFACES DE REDE...69 TABELA 4.2 INDICADORES DE DESEMPENHO E PADRÕES DE QUALIDADE...84 TABELA 4.3 INDICADORES DE DESEMPENHO E OBJETOS (VARIÁVEIS)...85 TABELA 5.1 DESCRIÇÃO DOS OBJETOS DO GRUPO INTERFACES...91 TABELA 5.2 POSSÍVEIS OBJETOS UTILIZADOS PARA FORMAR OS INDICADORES DE DESEMPENHO...92 TABELA A.1 CARACTERÍSTICAS X ÁREAS DE GERÊNCIA OSI PARA O SPECTRUMSOFT WNMS

17 vi LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACK - Acknowledgment AP Access Point ASN.1 - Abstract Syntax Notation One BER - Basic Encoding Rules BSS Basic Service Set CA - Collision Avoidance CCA Clear Channel Assessment CF - Coordination Function CFP Contention Free Period CP Contention Period CMIP - Commom Management Information Protocol CMOT CMIP over TCP/IP CRC Cyclic Redundancy Checking CSMA - Carrier Sense Multiple Access CSMA/CA - Carrier Sense Multiple Access with Collision Avoidance CSMA/CD Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection CTS Clear To Send DA Destination Address DCF - Distributed Coordination Function DES - Data Encryption Standard DIFS - DCF Interframe Space DS Distribuition System DS1 Digital Signal Level No 1 DSSS Direct Sequence Spread Spectrum ESS Extended Service Set FDDI Fiber Distributed Data Interface FHSS Frequency Hopping Spread Spectrum FTP - File Transfer Protocol

18 vii HTTP Hypertext Transfer Protocol IANA - Internet Assigned Numbers Authority IBSS Independent Basic Service Set ICMP Internet Control Message Protocol IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers IETF Internet Engineering Task Force IP - Internet Protocol IrDA Infrared Data Association ISM Industrial, Science and Medical ISO - International Organization for Standardization ITU - International Telecommunication Union LAN Local Area Network MAC - Media Access Control MD Message Digest MIB - Management Information Base MLME - MAC Layer Management Entity MRTG - Multi Router Traffic Grapher NAV - Network Allocation Vector OID Object Identifier PCF Point Coordination Function PDU Protocol Data Unit PHY Physical Layer PIFS - PCF interframe space PLCP - Physical Layer Convergence Protocol PLME - Physical Layer Management Entity PMD - Physical Layer Dependent PPP Point-to-Point Protocol PS Power-Save QoS Quality of Service RA - Receiver Address RFC Request for Comment RMON Remote Network Monitoring

19 viii RTS Request To Send SA Source Address SHA Secure Hash Algorithm SIFS - Short Interframe Space SMI Structure Management Information SNMP Simple Network Management Protocol STA Station TA - Transmitter Address TCP Transmition Control Protocol UDP User Datagram Protocol WAN Wide Area Network WAP - Wireless Application Protocol WEP Wired Equivalent Privacy WLAN Wireless Local Area Network WPANs - Wireless Personal Area Networks

20 ix RESUMO JÚNIOR, E.I. Uma Proposta de Metodologia para Análise de Desempenho de Redes IEEE Combinando a Gerência SNMP e Ferramentas de Simulação. Santa Rita do Sapucaí, Instituto Nacional de Telecomunicações. A importância da gerência de redes de computadores se torna cada vez mais incontestável. Com o aumento destas redes em complexidade e tamanho torna-se imprescindível um bom conhecimento sobre as possíveis ferramentas de gerência disponíveis para a coleta de dados. Estes dados serão responsáveis por indicar ao administrador da rede a sua situação atual. O SNMP é um protocolo capaz de coletar as informações em uma base de informação de gerenciamento (MIB) e disponibilizálas em uma estação gerente para serem tratadas e analisadas. Uma das possíveis análises que podem ser feitas com os dados coletados é relativa ao desempenho da rede, através dos objetos responsáveis por estes indicadores. Desta forma, é proposta nesta dissertação uma metodologia para Análise de Desempenho de redes, combinando a Gerência SNMP em um padrão de rede crescente, que é o IEEE , e o processo de simulação. Ainda nesta metodologia é apresentado um estudo de caso ilustrando a possibilidade do Planejamento de Capacidade em uma rede que tem o seu cabeamento principal (backbone) ampliado com redes sem fio. Palavras-chave: IEEE , Gerência de Redes, Gerência de Desempenho, Planejamento de Capacidade, Simulação e Ferramentas de Gerência SNMP.

21 x ABSTRACT There is no doubt about the importance of networks management. Computer networks are growing in complexity and size. The complexity of such systems dictates the use of automated network tools to help the tasks of network management. The SNMP is a protocol capable to collect the information in a database (MIB) and to availability them in a controlling station to be treated and analyzed. One of the possible analyses that can be made with the collected data are relative to the performance of the network, through responsible objects for these indicators. Of this form, a methodology for the performance analysis is proposal in this dissertation, using protocol SNMP in a standard of increasing network, that is IEEE In addition, in this methodology possibility of the planning of capacity using simulation also was considered. For this, a case study illustrating backbone extended with wireless networks is presented. Keywords: IEEE , Network Management, Performance Management, Capacity Planning, Simulation and SNMP Management Tools.

22 1 Capítulo I 1 Introdução A expansão das redes de computadores vem se tornando cada vez mais abrangente, alcançando um número maior de usuários. Embora esse crescimento venha sendo bem assimilado pelos elementos de redes comerciais existentes, é preciso dar garantias sobre os serviços prestados à rede expandida. Como conseqüência, surge a necessidade de tecnologias para a transmissão dos dados e também para a manutenção da qualidade do serviço prestado ao usuário final. Uma tecnologia de comunicação sem fio (wireless) que consiga ampliar o cabeamento principal (backbone) da rede, sem causar transtornos físicos em sua instalação, como perfurar paredes, cortar o piso ou mesmo, possibilitar o acesso à Internet em um local fisicamente inacessível, parece algo inovador e distante. O fato é que esta tecnologia já existe e assim como a própria Internet, teve o início de seu desenvolvimento voltado para fins militares há anos atrás. A impulsão da tecnologia de redes sem fio ocorre juntamente com o avanço da tecnologia de transmissão digital, a aprovação de padrões para comunicação sem fio e o barateamento dos equipamentos. Além disso, ao longo do tempo, novas aplicações vêm sendo elaboradas para as transmissões sem fio, o que as tornam uma alternativa cada vez mais popular. Entre os padrões de redes sem fio, existem padrões para redes pessoais sem fio (Wireless Personal Area Networks - WPANs) como: Bluetooth, IEEE , HomeRF e IrDA (Infrared Data Association), padrões para sistemas móveis, como o protocolo WAP (Wireless Application Protocol) e padrão para redes locais sem fio, como o padrão IEEE [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ] [ 4 ] [ 5 ]. Como se pode observar, o padrão utilizado para redes locais sem fio é o IEEE , que além das características físicas da comunicação sem fio, apresenta a possibilidade de mobilidade de suas estações, incluindo o movimento entre células (roaming).

23 2 Segundo a ISO (International Organization for Standardization), a Gerência de Redes é dividida em cinco áreas: Segurança, Configuração, Desempenho, Contabilidade e Falhas. Destas áreas, a que se voltou à qualidade de serviço prestada ao usuário final é a Gerência de Desempenho. Esta área exige um monitoramento constante dos elementos de rede, ou seja, uma coleta dos indicadores de qualidade, como forma de prevenir a queda da qualidade e planejar melhorias para o futuro. Todos os indicadores de qualidade ou desempenho de uma rede são altamente dependentes do conjunto de serviços prestados por ela. Para Redes de Telecomunicações, que prestam uma classe de serviços bem conhecida, tais indicadores estão documentados nos padrões ITU-T E800 e I350. Dentre eles, os principais são: atraso (delay) na transmissão, jitter, eco, taxa de erro e tempo de espera na conexão. Já para as Redes de Computadores e Sistemas Abertos Interconectados existe um consenso apontando para os parâmetros: tempo de resposta, utilização, vazão (throughput) e taxa de erros como os mais importantes [ 6 ]. Embora os indicadores variem, dependendo do serviço prestado pelo sistema, a análise imposta sobre eles é essencialmente a mesma. O que se deseja é manter os indicadores de desempenho dentro dos limites considerados satisfatórios e ao mesmo tempo atender toda a demanda pelo serviço prestado. Quando os indicadores apontam a degradação do desempenho e a necessidade da correção de rumos, o administrador do sistema deve lançar mão de sistemáticas e técnicas capazes de restabelecer o desempenho desejado. Os principais focos a serem analisados pelo administrador da rede são: Análise de Desempenho, Identificação de Gargalos, Ajuste de Parâmetros do Sistema, Caracterização da Carga de Trabalho e o Planejamento de Capacidade. O que de fato tenta se alcançar com toda essa análise é a melhor relação desempenho/custo para um dado cenário. Embora este seja o objetivo real, em muitos casos o problema do desempenho só é percebido com as reclamações dos usuários e a prática mais comum para se resolver o problema é aumentar a capacidade do sistema, mesmo que a solução não apresente uma boa relação custo/benefício. Pensando na ampliação da rede tradicional (cabeada) utilizando redes sem fio, surge a seguinte questão: Será que haverá atendimento aos requisitos de qualidade

24 3 dos serviços prestados? Qual será o desempenho da rede IEEE e como ele poderá afetar a rede como um todo? Para responder a estas perguntas é primordial a análise do desempenho das redes sem fio, a verificação do tráfego gerado por todas as estações sem fio e que passa pelo Ponto de Acesso (Access Point - AP), além da previsão do impacto de novas aplicações e usuários na rede como um todo. Com todos os indicadores de desempenho, consegue-se analisar o desempenho de qualquer rede, inclusive das redes IEEE Desta forma, é proposta uma metodologia visando a coleta, o tratamento e a apresentação dos dados de forma mais amigável ao Administrador de Rede. Contudo, ainda buscando uma integração da metodologia com ferramentas de simulação, foi criada uma fase responsável pelo Planejamento de Capacidade da rede. Foi pensado então em como obter os indicadores de desempenho desejados e que ferramentas poderiam ser utilizadas para a coleta de dados. O interesse se voltou imediatamente à gerência baseada no protocolo SNMP (Simple Network Management Protocol) que, além de ser a mais utilizada e implementada nos dispositivos de redes tradicionais, possui a segunda versão da base de informação de gerenciamento (Management Information Base - MIB-II), com quase todos os objetos responsáveis pelos indicadores de desempenho, e vem sendo bastante empregada em redes IEEE Esta arquitetura de gerência inclui o protocolo SNMP, diversas MIBs e os procedimentos que são utilizados para monitorar e gerenciar os dispositivos conectados à rede. Com a finalidade de verificar como o tráfego gerado em redes sem fio pode afetar a rede como um todo, foi utilizada a ferramenta de simulação OPNET Modeler, que ainda possibilitou a compreensão dos parâmetros característicos destas redes. As ferramentas de simulação são muito importantes na Análise de Desempenho, já que se pode criar um cenário com o perfil do usuário e o tráfego gerado bem próximos do real, realizar as alterações pertinentes no cenário e obter a melhor solução sem gerar gastos ou paradas no funcionamento da rede real.

25 4 1.1 Motivações para o Estudo sobre Redes IEEE e o Protocolo SNMP As redes locais de computadores tradicionais, ou seja, cabeadas (wired), usam um meio físico para interconectar os seus terminais, como por exemplo, o par trançado. Vários pontos são fornecidos no meio físico, permitindo assim, a conexão dos terminais ao meio. Essas redes podem ser conectadas entre si utilizando pontes (bridges) ou switches e o protocolo mais comum é o Ethernet (IEEE 802.3), com todas as suas variações ao longo de sua evolução. Já as redes locais sem fio aumentam o acesso das redes cabeadas através do AP, que liga o backbone da rede tradicional ao usuário móvel utilizando o espectro de rádio. Além da possibilidade de ampliar a cobertura de uma rede cabeada, as redes sem fio apresentam várias outras vantagens, tais como: Facilidade de instalação A velocidade e simplicidade de instalação em redes sem fio eliminam a necessidade de puxar cabos através de paredes e tetos. Não necessita de homologação para atuar em sua faixa de freqüência, podendo ser criada e desfeita por pessoas leigas, bastando para isto uma estação com a interface adequada e um software instalado que lhe dá os passos para a sua configuração. Flexibilidade A retirada e a colocação de estações ocorre de forma dinâmica, ficando a cargo do protocolo de controle de acesso ao meio (Media Access Control MAC) as respectivas comunicações. Mobilidade É a possibilidade de sair de um local, por exemplo, seu escritório e ir para outra sala, continuando conectado à rede, permitindo maior produtividade e oportunidades de serviço que não são possíveis em uma rede cabeada. Escalabilidade Trata-se da capacidade da rede em ampliar a sua área de cobertura, formando uma rede ainda maior através do uso de pontos de acesso, podendo ser configurado para qualquer topologia. As configurações são facilmente mudadas e englobam desde redes fim-a-fim, ideais para um pequeno número de usuários, até uma infra-estrutura

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Padrão IEEE 802.11 Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores IEEE 802.11 Aula 12 Modelo para arquiteturas wireless (1997) Especifica a camada de nível físico (PHY) e seu controle de

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Computação Móvel e Ubíqua. Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Computação Móvel e Ubíqua. Ciência da Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Computação Móvel e Ubíqua Ciência da Computação Prof. Vagner J. do Sacramento Rodrigues vagner@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~vagner/ Tecnologias de Redes

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Nível de Enlace (Redes Ethernet & WiFi) por Helcio Wagner da Silva. p.1/35 Introdução A Arquitetura TCP/IP não define muito bem o que deve haver no Nível de Host/rede. Neste contexto,

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 04 Tecnologias para WLAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Introdução Camada física Subcamada MAC Estrutura do quadro Segurança Introdução

Leia mais

Wireless LANs. IEEE 802.11 e 802.11e. FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela

Wireless LANs. IEEE 802.11 e 802.11e. FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Wireless LANs IEEE 802.11 e 802.11e FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela IEEE 802.11 IEEE 802.11 Wireless LAN Medium Access Control (MAC) and Physical Layer (PHY) specifications é uma

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Uma Proposta de Metodologia para Análise de Desempenho de Redes IEEE 802.11 Combinando o Protocolo SNMP com Ferramentas de Simulação

Uma Proposta de Metodologia para Análise de Desempenho de Redes IEEE 802.11 Combinando o Protocolo SNMP com Ferramentas de Simulação Uma Proposta de Metodologia para Análise de Desempenho de Redes IEEE 802.11 Combinando o Protocolo SNMP com Ferramentas de Simulação Egídio Ieno Júnior Prof. Dr. Anilton Salles Garcia Egídio Ieno Júnior

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Redes Wireless. Padrão IEEE 802.11. Redes Sem Fio (Wireless) 1

Redes Wireless. Padrão IEEE 802.11. Redes Sem Fio (Wireless) 1 Padrão IEEE 802.11 Redes Wireless Redes Sem Fio (Wireless) 1 Topologias e pilha de protocolos 802.11 Parte da pilha de protocolos 802.11. Padrão IEEE 802.11 Redes Wireless Redes Sem Fio (Wireless) 3 Quadros

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Quadros. Transmitido em taxa variável. Transmitidos em uma taxa básica. Dados RTS CTS ACK

Quadros. Transmitido em taxa variável. Transmitidos em uma taxa básica. Dados RTS CTS ACK Quadros Transmitido em taxa variável Dados Transmitidos em uma taxa básica RTS CTS ACK Quadro de dados Controle de quadro (2 octetos) Subdividido em 11 campos Versão (2 bits) Tipo (2 bits) Dados Controle

Leia mais

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE

Sistemas de Comunicação. WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE Sistemas de Comunicação WLANs Prof. Paulo Gonçalves pasg@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~pasg CIn/UFPE INTRODUÇÃO Introdução 1-2 O que é uma LAN? E uma WLAN? LAN: Local Area Network Rede Local Rede de dados

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Norma IEEE 802.11. Arquitectura IEEE 802.11

Norma IEEE 802.11. Arquitectura IEEE 802.11 Norma IEEE 802.11 Esta norma define as funções e os serviços necessários para um cliente 802.11, de maneira a este operar no modo ad-hoc ou no modo infra-estrutura. Define ainda os aspectos da mobilidade

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de acesso ao meio (Medium Access Control - MAC) Aula 10 Enlaces podem ser divididos em duas grandes categorias: Enlace

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

Telefonia Celular: Redes WLAN. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva

Telefonia Celular: Redes WLAN. CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva Telefonia Celular: Redes WLAN CMS60808 2015/1 Professor: Bruno Fontana da Silva REVISÃO SOBRE REDES LOCAIS - Seguem os padrões IEEE 802 Redes Locais - IEEE: Institute of Electronics and Electrical Engineers

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Capitulo 2 Prof. Ricardo de Macedo ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Organização Internacional para Padronização. Definição de um padrão de interoperabilidade. Modelo OSI OSI OPEN SYSTEM

Leia mais

Este segundo tutorial apresenta detalhes do funcionamento do padrão 802.11.

Este segundo tutorial apresenta detalhes do funcionamento do padrão 802.11. Redes LAN/MAN Wireless II: Funcionamento do Padrão 802.11 Esta série de tutoriais apresenta um estudo comparativo das tecnologias definidas pelos padrões 802.11 a, b e g do IEEE (Institute of Electrical

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RECURSOS EM REDES SEM FIO IEEE 802.11

GERENCIAMENTO DE RECURSOS EM REDES SEM FIO IEEE 802.11 i PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA E

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Evolução do Padrão Ethernet

Evolução do Padrão Ethernet Beethovem Zanella Dias bzdias@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Evolução do Padrão Ethernet Resumo A rápida evolução dos padrões de tecnologias de rede nós leva a várias

Leia mais

802.11a 802.11b 802.11g 802.11n Domínio de colisão Domínio de broadcast

802.11a 802.11b 802.11g 802.11n Domínio de colisão Domínio de broadcast 802.11a Chega a alcançar velocidades de 54 Mbps dentro dos padrões da IEEE. Esta rede opera na frequência de 5 GHz e inicialmente suporta 64 utilizadores por Ponto de Acesso (PA). As suas principais vantagens

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes Locais Sem Fio Wireless LAN (IEEE 802.11) Agenda. 1) Histórico. Vagner Sacramento

Redes Locais Sem Fio Wireless LAN (IEEE 802.11) Agenda. 1) Histórico. Vagner Sacramento Redes Locais Sem Fio Wireless LAN (IEEE 802.11) Vagner Sacramento vagner@lac.inf.puc-rio.br Laboratory for Advanced Collaboration - LAC Departamento de Informática - PUC-Rio Agenda 1 Histórico do IEEE

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

ACESSO AO MEIO EM REDES SEM FIO

ACESSO AO MEIO EM REDES SEM FIO PÓS GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES MÓDULO II: REDES: SERVIÇOS TECNOLOGIA E ARQUITETURA ACESSO AO MEIO EM REDES SEM FIO Professor: Filippe Coury Jabour Grupo: * Antônio Márcio Gama Silva * Fabiana Marcato

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte II Controle de Acesso ao Meio e Segurança Padrões WLAN: WiFi Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Apenas computadores computadores

Leia mais

Redes Locais Sem Fio (WLANs)

Redes Locais Sem Fio (WLANs) Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Redes

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Prof. Celso Rabelo Universidade Castelo Branco 1 Objetivo 2 Conceitos Tratamento de Colisão Histórico 3 Características Regras de Controle Tipos de Cabo e

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio II PADRÃO ETHERNET

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x.

A solução objetiva conjugar a operação dos mecanismos internos do Padrão IEEE 802.11b com uma autenticação externa, utilizando o Padrão IEEE 802.1x. 1 Introdução A comunicação de dados por redes sem fio (Wireless Local Area Network - WLAN - Padrão IEEE 802.11b) experimenta uma rápida expansão tecnológica, proporcionando novas soluções para serem implementadas

Leia mais

Redes Wireless. Prof. Érico José Ferreira

Redes Wireless. Prof. Érico José Ferreira Prof. Érico José Ferreira erico.ferreira@uneb.com.br UNEB/2006 Prof. Érico José Ferreira 1 Referências Bibliográficas ENGST, Adam: Kit do Iniciante em Redes sem Fio. São Paulo, Elsevier, 2005 ROSS, John

Leia mais

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET

REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET REDE EM BARRENTO UTILIZANDO O MÉTODO DE ACESSO CSMA-CD ETHERNET HISTÓRICO 1973, XEROX INICIALIZOU O DESENVOLVIMENTO DE UM REDE LOCAL DE TOPOLOGIA DE BARRAMENTO NO XEROX PALO ALTO RESEARCH CENTER (PARC);

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Slide 1 Camada de Enlace Fluxo real de PDUs Slide 2 Sumário dos Protocolos MAC Como se faz com um canal compartilhado? Particionamento de canal, no tempo, por freqüência

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Modelo de Referência -

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Enlace Redes de Computadores 2 1 Modelo OSI O que os protocolos fazem? controle de erros: canais mais confiáveis - retransmissão reseqüenciamento: reordenar

Leia mais