A RELAÇÃO DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS COM A LITERATURA: FORMAÇÃO, HÁBITOS DE LEITURA, PRÁTICAS DE ENSINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELAÇÃO DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS COM A LITERATURA: FORMAÇÃO, HÁBITOS DE LEITURA, PRÁTICAS DE ENSINO"

Transcrição

1 A RELAÇÃO DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS COM A LITERATURA: FORMAÇÃO, HÁBITOS DE LEITURA, PRÁTICAS DE ENSINO Gabriela Rodella de Oliveira Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo FEUSP Mestrado na Área de Linguagem e Educação Orientadora: Profa. Dra. Neide Luzia de Rezende Resumo Esta comunicação visa a compartilhar parte de pesquisa de mestrado em andamento, que tem por objeto a relação que os professores de literatura do ensino médio da atual rede estadual da cidade de São Paulo têm com o conteúdo que ministram: a literatura. Nesse sentido, o que se está realizando no momento é a análise de dados coletados em pesquisa qualitativa realizada por meio de 87 questionários com professores da rede pública paulistana e posteriores entrevistas com quatro sujeitos selecionados a partir desse corpus acerca de: sua formação escolar; seus hábitos de leitura; e suas concepções e práticas de ensino de literatura. Para tanto, refletiu-se sobre as pesquisas já efetuadas sobre o ensino de literatura nesse nível de escolaridade e partiu-se das teorias da Estética da Recepção (Jauss; Iser), da Sociologia (Bourdieu), da História da Leitura (Chartier; Darnton) e da Análise do Discurso (Maingueneau; Pêcheux), na intenção de se traçar um perfil do leitor literário que é o professor de literatura do ensino médio paulistano hoje. Introdução A pesquisa que atualmente é desenvolvida dentro do Programa de Pós-Graduação da Área de Linguagem e Educação da Faculdade de Educação da USP (FEUSP) tem por objetivo investigar os hábitos e de leitura literária, as concepções de literatura e as práticas de seu ensino dos professores de Língua Portuguesa do ensino médio da rede pública paulistana. Com formação em Letras na FFLCH da USP e a experiência de mais de dez anos de trabalho com a edição de livros didáticos, pude acompanhar de perto o processo de

2 2 lançamento dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) para os vários ciclos do ensino fundamental e médio, que dirigiram as avaliações do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), do qual participei como editora várias vezes e como autora uma vez. Os primeiros PCN, de 1ª a 4ª, foram lançados em Logo depois vieram os PCN de 5ª a 8ª (em 1998) e os PCN do Ensino Médio (PCNEM, 1999). Embora os dois primeiros tenham sido elogiados e bastante discutidos dentro das instâncias escolares, os últimos foram muito criticados, inclusive porque, dentro da disciplina de Língua Portuguesa dos PCNEM de 1999, não havia um documento dedicado especificamente ao ensino de Literatura. No entanto, novos PCNEM já foram lançados e se encontram disponíveis no site do MEC desde de junho de Neles, há uma seção específica para o ensino de literatura, propondo novos recortes do ponto de vista da seleção de textos literários e novas maneiras de se lidar com o conteúdo tradicional dessa disciplina, que há anos tem sido ensinada por meio da história da literatura (com o trabalho com a biografia dos autores e as escolas de época). Teoricamente, do ponto de vista do governo, os PCN são parâmetros que deveriam ser levados em conta pelo professor para que ele estruturasse a sua prática e, inclusive, para que ele escolhesse o livro didático que vai adotar em sala de aula. Principalmente se o professor trabalha na rede pública. Mas, em uma pesquisa encomendada pela Secretaria do Ensino Fundamental do governo federal, Antônio Augusto Gomes Batista (2002) já constatava a tendência dos professores de escolherem livros com uma metodologia e um conteúdo mais tradicionais, em vez de escolherem livros considerados mais modernos e atualizados. Ou seja, apesar do esforço governamental no sentido de introduzir mudanças metodológicas e de conteúdos, os professores continuavam escolhendo os livros que organizavam suas disciplinas de maneira conservadora. O mesmo também acontece com os professores de literatura, que continuam privilegiando o ensino da história literária e escolhendo livros didáticos que organizam os conteúdos literários de maneira cronológica. Aparentemente, os professores não aprovam as mudanças metodológicas e pedagógicas propostas pelo governo e continuam efetuando sua prática como estão acostumados. Parece haver um abismo entre o discurso governamental e a perspectiva acadêmica (proposta nos PCN) sobre o ensino e a prática efetiva dos professores em sala de aula de literatura. Por que isso acontece? Portanto, as questões que me levaram a pesquisar o professor de literatura, seus hábitos de leitura e sua prática de ensino foram: Se o professor é resistente a mudanças, por que isso acontece? Por que o professor não é bem-formado? Por que o professor não é um

3 3 bom leitor literário? E que leitor então o professor é? O que ele gosta de ler? O que significa leitura e literatura para ele? O que significa ensinar literatura? Metodologia A pesquisa foi organizada a partir de quatro entrevistas não-estruturadas com professoras do ensino médio da rede pública estadual da cidade São Paulo, para as quais foram colocadas questões sobre seus hábitos de leitura literária e suas concepções de ensino e de literatura, realizadas no primeiro semestre de Nessas entrevistas prévias, ficou claro que: 1. Apesar de as aulas de literatura que essas professoras tiveram quando alunas do ensino médio terem sido consideradas ruins e de o ensino de literatura ter sido baseado na história literária, as professoras continuam adotando este método em suas aulas (Bourdieu, 2005a) 1 ; 2. Houve sempre um professor na escola ou na faculdade que foi importante para que o gosto e o interesse pela leitura literária aparecessem, ou seja, a questão transferencial e afetiva foi fundamental na aquisição do gosto (Bourdieu, 2005b) pela leitura; 3. A leitura literária foi importante em um determinado momento da vida dessas professoras, mas, no momento da entrevista, por conta do cotidiano atribulado, três delas não liam literatura, pois não tinham tempo. Liam, no entanto, revistas, jornais e outras coisas, o que leva à reflexão sobre o tempo que essas professoras não encontram para a leitura literária; 4. As professoras procuram atualmente trabalhar a literatura em sala de aula contextualizando os textos literários, ou seja, fazendo relações entre o texto e o tempo presente, na expectativa de que os alunos consigam dar um sentido para a literatura que devem ler na escola. Aliado à história da literatura, esse parece ser o caminho buscado para o ensino da literatura no ensino médio. 1 Aqui vale lembrar que o sociólogo Pierre Bourdieu afirma que embora não haja qualquer vínculo necessário entre um determinado conteúdo e um certo tipo de transmissão, aqueles que puderam adquiri-los em conjunto tendem a considerá-los indissociáveis (2005, p. 219). A constatação de que os professores têm a tendência de repetir modelos aprendidos durante sua formação foi constatada também por meio da coleta de dados dos questionários, em fase posterior da pesquisa.

4 4 Por meio da análise dessas entrevistas, foi elaborado um questionário com 34 perguntas, entre fechadas e abertas, aplicado no segundo semestre de 2006 a 87 professores do ensino médio da rede pública de diferentes pontos da cidade de São Paulo. O questionário, organizado em quatro partes, buscou coletar: 1. dados pessoais e profissionais (nome, idade, escola e região em que trabalham, horas semanais trabalhadas, tempo de atuação como professor); 2. formação escolar dos pais e do próprio professor; 3. hábitos de leitura (níveis de letramento e práticas de leitura na família; práticas de leitura no passado e no presente; formação como leitor literário no passado e no presente 2 ); 4. literatura e ensino (práticas de ensino de literatura em sala de aula e, mais subjetivamente, o significado que os professores atribuem à literatura e a seu ensino). Os questionários foram aplicados em reuniões do programa Ensino Médio em Rede 3, promovido pelo governo estadual e freqüentado por professores-representantes de diversas escolas de cada região, chamadas de Trabalho de Socialização (TRS), nas Diretorias de Ensino da cidade de São Paulo: Leste 4, Sul 3, Norte 1 e Centro-Oeste. A partir das respostas aos questionários, o que se pretendeu verificar foi o que se repete nos discursos dos diversos professores para, então, poder chegar ao que seriam discursos dos professores de língua portuguesa do ensino médio sobre a leitura, a literatura e o ensino literário. Além disso, a idéia era compor um perfil leitor do professor que está na rede atualmente, identificando o que ele leu em sua formação e o que e como ele lê atualmente. 2 O conceito de habitus (Bourdieu, 2005b) será a base da análise destes dados coletados nos questionários. 3 O programa, que existe desde 2004, trabalha com a formação em serviço de professores. Ele foi elaborado tendo em vista os problemas detectados a partir do Sistema de Avaliação de Rendimento do Estado de São Paulo (Saresp) e todo o material utilizado nas atividades é produzido pela Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas (CENP). Segundo seu regimento, o EMR tem como objetivos: discutir o currículo do ensino médio; desenvolver nos assistentes técnico-pedagógicos e professores coordenadores capacidade de análise crítica de propostas curriculares e orientá-los no planejamento de intervenções na escola; desenvolver competências leitoras e escritoras dos agentes educacionais; promover a integração de professores de diferentes áreas; possibilitar a esses agentes o acesso e a utilização de novas tecnologias de comunicação visando a sua formação. Podem participar do programa professores do ensino médio, professores coordenadores e mediadores (supervisores e assistentes técnico-pedagógicos). Estão previstos trabalhos coletivos e individuais. É esperado dos professores que participam das atividades nas diretorias de ensino que repassem as informações e discussões realizadas aos colegas de suas respectivas escolas nas reuniões de Hora de Trabalho Pedagógico Coletivo (HTPC). Os professores que participam do programa recebem um certificado de conclusão equivalente a um curso de extensão cultural. Há várias críticas feitas ao EMR pelos próprios coordenadores, assistentes técnico-pedagógicos e pelos professores que dele participam. Algumas são de que: os programas de formação continuada tiram o professor da escola e a deixam sem substituto à altura; o espaço para as discussões nas HTPCs é parco; a parceria entre as oficinas (nas quais os programas acontecem) e as escolas é difícil de ser estabelecida; os coordenadores não têm formação específica para liderar e coordenar o trabalho. Tal programa está suspenso desde que o governador José Serra assumiu o governo, em janeiro de A coleta de dados numa circunstância institucional, na qual os professores foram instados a responder ao questionário em situação de trabalho e de formação, contribuiu para que as respostas dos professores buscassem corresponder ao que imaginavam que uma pesquisadora da USP gostaria de ler. A análise posterior dos dados também não foi satisfatória, visto que o instrumento teórico utilizado para tal, a análise do discurso de linha francesa (Maingueneau e Ducrot) não foi adequado. A metodologia e mesmo o foco da pesquisa estão sendo revistos.

5 5 A análise de tais questionários, no entanto, evidenciou a violência simbólica (Bourdieu, 2003) que tal tipo de coleta pode exercer: desde a própria concepção do questionário à percepção, por parte dos professores, da pesquisadora (eu, no caso) como alguém socialmente superior, proveniente de uma instituição universitária, que os tornava objeto de pesquisa, ou seja, não-sujeitos. Essa situação limitadora, conseqüência direta de minha inexperiência dentro do campo de pesquisa e da circunstância em que coletei os dados sobre os professores, me levaram a refletir sobre a pesquisa e a buscar saídas que pudessem ser mais férteis do ponto de vista da construção de um conhecimento novo. A identificação dos professores como responsáveis pela ineficácia do ensino de literatura e de sua falta de formação como causa da resistência às reformas propostas, já problematizada em outras pesquisas sobre o tema, não dão conta da situação do ensino dessa disciplina nesse momento. Nesse sentido, foram selecionados quatro professores que concordaram em participar da segunda fase da pesquisa, realizada no primeiro semestre de 2007, na qual coletei entrevistas gravadas e transcritas, com questões acerca de sua formação como leitores literários e como formadores de leitores literários. A intenção desta fase da pesquisa é a de verificar se esses professores seriam leitores críticos, no sentido a que se refere Hans Robert Jauss (2002, p. 103), teórico da Estética da Recepção, e se formariam leitores críticos em suas salas de aula de literatura. No momento, trabalho na análise deste material. Perfil dos professores de literatura traçado a partir dos questionários O corpus dessa primeira amostra coletada por meio dos questionários é formado por 87 professores de literatura do ensino médio da rede estadual da cidade de São Paulo. Desses professores, 82% são do sexo feminino, 16% são do sexo masculino e 2% não responderam à pergunta. Ou seja, apesar de os dados terem sido coletados em uma situação específica de formação continuada, há predominância do sexo feminino entre os professores de língua portuguesa e de literatura, levando à possível caracterização desse ensino específico como uma função feminina. Quanto à idade desses professores (cf. gráfico 1), 14% deles têm menos de 30 anos, 32% têm entre 31 e 40 anos, 37% têm entre 41 e 50 anos e 14% estão acima dos 50 anos. Portanto, a maioria dos professores, 51% deles, têm mais de 40 anos. Partindo-se da premissa de que esses professores cursaram o ensino fundamental e médio regular, pode-se deduzir que

6 6 tenham concluído o ensino básico no começo da década de 1980 (ainda que os dados coletados não sejam suficientes para confirmar essa conclusão e que em conversas informais tenhamos tido contato com professores que fizeram o ensino médio em supletivos). De lá para cá, muito mudou no país, a começar pelo retorno ao regime democrático. A Lei de Diretrizes e Bases para a educação foi votada pelo congresso após anos de tramitação, os PCN foram implantados pelo governo Fernando Henrique, já há novas propostas para o ensino médio publicados pelo governo Lula e muitas mudanças foram implementadas nesse campo. Será que esses professores tiveram contato, compreenderam o escopo, concordaram com e foram capazes de se adaptarem a essas mudanças educacionais? Idade (gr fico 1) 14% 3% 14% 37% 32% 21 a 30 anos 31 a 40 anos 41 a 50 anos acima de 51 n o respondeu No tocante à carga de trabalho semanal, 65% dos professores responderam que cumprem entre 20 e 40 horas de trabalho por semana e 26% enfrentam mais de 40 horas semanais. Como somente 8% deles dá até 20 horas de aula por semana, pode-se concluir que a grande maioria dos professores (81%) dispõe de tempo exíguo para a preparação das aulas e do material didático que utiliza e mesmo para a leitura e a atualização profissional. Com relação à escolaridade paterna (cf. gráfico 2), 14% dos professores entrevistados têm pais sem escolaridade e 53% deles têm pais que cursaram até o ensino fundamental I, ou seja, 67% dos pais desses professores só tiveram acesso à escola até a antiga 4ª série do curso primário. Na outra ponta, somente 6% dos pais desses professores chegaram ao ensino superior. Números muito parecidos surgem com relação à escolaridade materna (cf. gráfico 3) desses professores: 13% deles têm mães sem escolaridade nenhuma e 58% têm mães que cursaram até o ensino fundamental I, o que quer dizer que 71% das mães desses professores chegaram no máximo até a antiga 4ª série do primário. Mais uma vez na outra ponta, as mães dos professores que alcançaram o ensino superior somaram 5%. Como todos os professores

7 7 entrevistados têm curso superior completo, pode-se concluir que eles são, na maioria, os primeiros de suas famílias de origem a terem acesso a tal nível de ensino. O baixo capital social e cultural (Bourdieu, 1998) desses professores certamente determinou hábitos de leitura específicos, o que nos leva a considerar a possibilidade de que eles não tenham tido a oportunidade de se desenvolverem como leitores críticos (Jauss, 2002). Tal questão foi retomada nas entrevistas aprofundadas com os quatro professores selecionados para a segunda fase da pesquisa. Escolaridade Paterna (gr fico 2) 1% 6% 14% 10% 16% Escolaridade Materna (gr fico 3) 1% 5% 13% 8% 15% 53% 58% sem escolaridade EF I EF II EM superior n o respondeu sem escolaridade EF I EF II EM superior n o respondeu Fazendo parte desse levantamento quantitativo, na questão relativa à freqüência de leitura dos pais quando os professores eram crianças, 25% deles responderam que seus pais nunca liam durante sua infância, 16% disseram que eles raramente liam e 25% dos professores responderam ainda que seus pais liam às vezes. Somando-se esse percentual, temse um total de 66% de professores que relatam um contato escasso de seus pais com livros e com a cultura escrita de uma maneira geral durante sua infância. Apenas 31% dos professores afirmaram que seus pais liam sempre nessa fase de sua vida. Cruzando-se os dados sobre o nível de escolaridade dos pais com estes relativos a seus hábitos de leitura, conclui-se que a maioria dos professores só teve acesso efetivo a uma cultura escrita e erudita na escola básica e no curso universitário. Ou seja, ter freqüentado uma faculdade significou para a maioria desses professores pelo menos uma ascensão no nível de formação, sem falar na constituição de hábitos e práticas de leituras diferenciadas das que vivenciaram em suas famílias de origem. Isso não significa, no entanto, que essa formação fosse desvalorizada pelos pais desses professores. Nas questões abertas pudemos perceber que, apesar da falta de hábito de leitura de muitos pais, havia o incentivo da parte deles para que os filhos adquirissem esse hábito e alcançassem uma melhor formação escolar.

8 8 Com relação à própria formação escolar, 89% dos professores cursaram o ensino fundamental na escola pública, 75% deles freqüentaram o ensino médio também na escola pública, mas 88% deles fizeram o curso de letras/licenciatura em faculdades particulares 4. Ou seja, a maioria dos indivíduos formadores desse corpus, tendo cursado a escola básica pública, não conseguiu chegar ao ensino superior público. Dos 11% que tiveram acesso à universidade pública, 99% cursaram letras na USP e 1% o fez na UNESP. Vale ainda apontar que nesse quesito de formação universitária há grande diferença entre os dados coletados nas diferentes regiões de São Paulo: enquanto 100% dos professores da DE Norte 1 cursaram faculdades particulares, 40% dos professores da DE Centro-Oeste freqüentaram a USP. Esse dado parece ter relação direta com a formação escolar dos pais, que atinge níveis melhores entre os professores da DE Centro-Oeste (20% dos pais e das mães dos professores dessa região cursaram o nível superior). Outro fator que pode estar relacionado com a questão é o fato de a DE Centro-Oeste concentrar professores da zona sudoeste de São Paulo, na qual está sediada a própria USP. Cabe ainda lembrar que a percepção que tivemos quando da coleta de dados durante os TRS nas diretorias foi a de que os professores da DE Norte 1 pareciam ter um nível sócio-econômico mais baixo do que os professores que participavam das atividades da DE Centro-Oeste. Nesse sentido, a diferença dos dados relativos à formação escolar superior nessas duas diretorias confirmam o senso comum de que quem cursa universidades públicas pertence a classes mais favorecidas. Ainda com relação ao curso superior, é digno de nota que 60% dos professores o tenham freqüentado no período noturno e que 17% tenham alternado estudos no período diurno e no noturno. Isso nos leva a considerar a hipótese de que um grande percentual desses professores tenha trabalhado enquanto cursava a faculdade, o que pode ter comprometido o tempo de dedicação ao estudo durante o curso. No tocante ao término do curso superior (cf. gráfico 4), os dados mostram que 8% o finalizaram até 1979, 30% até 1989, 33% até 1999 e somente 24% o terminaram depois do ano 2000 (sendo que 5% não responderam à questão). Teremos 71% do número de professores, somando-se os que se formaram antes de 1999, ano em que foram publicados os primeiros PCNEM. Esses professores certamente não tiveram contato com os parâmetros durante sua formação superior regular, donde pode-se concluir que necessitariam do auxílio 4 Entre as faculdades particulares citadas pelos professores estão: PUC-SP, FMU, São Judas Tadeu, Mackenzie, Teresa Martin, Anhembi-Morumbi, Faculdades Oswaldo Cruz, Universidade São Marcos, Unisa, Uniban, Unip, Unicid, Universidade Ibirapuera, Faculdades Associadas Ipiranga, Fintec, entre outras.

9 9 de algum tipo de intervenção institucional visto que estão trabalhando na rede estadual, para que pudessem discutir a fundo essas diretrizes governamentais. O programa do EMR do governo do Estado parece tentar responder a essa demanda formativa, embora funcione por meio da convocação dos professores-representantes. Trmino do curso superior (gr fico 4) 5% 8% 24% 30% 33% at 1979 dcada de 1980 dcada de 1990 depois de 2000 n o respondeu Quanto ao tempo de trabalho na rede (cf. gráfico 5), a grande maioria dos professores se concentra na faixa que já tem entre 11 e 20 anos de exercício do magistério, correspondendo a 56% deles. Há ainda 11% dos professores com mais de 21 anos de trabalho na função e 16% deles com 6 a 10 anos de exercício da profissão. Chama a atenção ainda o baixo número de novatos: somente 16% dos professores têm menos de 5 anos na rede e esses devem corresponder aos que tiveram uma formação superior mais recente e que podem ter tido contato com os PCNEM já na faculdade. Tempo de trabalho na rede (gr fico 5) 11% 16% 18% 16% 39% menos de 5 anos de 6 a 10 anos de 11 a 15 anos de 16 a 20 anos mais de 21 anos Com relação a cursos de extensão universitária, 48% dos professores buscaram algum tipo de especialização (seja em cursos de pós-graduação ou de especialização), ainda que 2% desse contingente tenham interrompido o curso por alguma razão. Mas a maioria dos

10 10 professores, 51%, não pôde procurar nenhum curso complementar à formação. Mesmo assim, todos os professores que participaram da pesquisa estavam presentes no curso de formação continuada do EMR. E, por fim, no tocante aos dados quantitativos de seus hábitos de leitura, 90% dos professores afirmaram que costumam ler com maior freqüência os clássicos, seguidos pela leitura de revistas, com 83% de indicações, e de jornais, com 78%. Com o menor percentual está a leitura na internet, que contou com 37% de indicações, o que pode estar relacionado à faixa etária dos professores (51% deles têm mais de 40 anos, como foi visto acima) e às dificuldades no acesso à rede internacional. Esses dados farão parte de análise mais aprofundada quando forem estudadas as questões abertas colocadas aos professores relativas a suas leituras atuais e passadas. Leituras dos professores % best-seller clássica contemporânea poesia internet jornal revista teoria outros Considerações finais e próximos passos A partir das entrevistas feitas com quatro professores que haviam participado da primeira parte da pesquisa está sendo possível traçar perfis diferenciados de leitores e conseqüentemente de formadores de leitores. O que foi possível aferir a partir de uma primeira análise do material coletado nessa segunda fase é que, embora três dos professores tenham tido famílias de origem cujo capital cultural e social era consideravelmente baixo, a valorização da cultura escolar e o incentivo à leitura estiveram presentes nos discursos de

11 11 pais, mães, tios e padrinhos desses professores. Além disso, fica claro que a relação dos professores com a leitura e a literatura é fator determinante no sucesso de sua prática docente. O material, no entanto, ainda se encontra em fase de análise. Referências Bibliográficas: BATISTA, Antônio A. G. A escolha de livros didáticos de 1ª a 4ª séries no PNLD: padrões e condições, exposição de pesquisa, SEF/MEC, Brasília, BOURDIEU, Pierre. (1998). Escritos de Educação. Petrópolis: Editora Vozes.. (2003). A miséria do mundo. Petrópolis: Editora Vozes.. (2005a). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.. (2005b). Gosto de classe e estilo de vida. In: ORTIZ, Renato. (org.). A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho D Água, JAUSS, Hans Robert. O prazer estético e as experiências fundamentais da Poiesis, Aisthesis e Katharsis. In: LIMA, L. C. (org.) A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. SP: Paz e Terra, Comunicação de pesquisa apresentada no 16º COLE, em Campinas, na Unicamp Seminário III Leitura, Escola, História SESSÃO XVII - Escola e práticas de leitura e escrita de professores Coordenação: Maria Isabel Edelweiss Bujes Dia: 12/07/07 - das 09:00 às 12:00 horas Local: Instituto de Estudos da Linguagem- IEL Sala: CL 11 Contatos:

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

O PATINHO FEIO E O ROUXINOL E O IMPERADOR DA CHINA DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN: A LITERATURA INFANTIL NAS 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL.

O PATINHO FEIO E O ROUXINOL E O IMPERADOR DA CHINA DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN: A LITERATURA INFANTIL NAS 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 949 O PATINHO FEIO E O ROUXINOL E O IMPERADOR DA CHINA DE HANS CHRISTIAN ANDERSEN: A LITERATURA INFANTIL NAS 4ª SÉRIES

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA EM MATO GROSSO: organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação Cancionila Janzkovski Cardoso UFMT (Coordenadora Geral do PNAIC/MT) Objetivo Apresentar

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Divulgação do curso de Gestão Educacional na modalidade presencial.

Divulgação do curso de Gestão Educacional na modalidade presencial. Divulgação do curso de Gestão Educacional na modalidade presencial. A Faculdade Paulista de Artes oferece uma pós-graduação lato sensu em Gestão Escolar, na modalidade presencial, com carga horária de

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

FAZENDO ESTATÍSTICA COM O QUE SE CONHECE

FAZENDO ESTATÍSTICA COM O QUE SE CONHECE FAZENDO ESTATÍSTICA COM O QUE SE CONHECE Júlio Pereira da Silva juliopereira86@yahoo.com.br Elaine Gabriel do Nascimento elainegn@oil.com.br André Araújo Palmeira andre-drearaujo@hotmail.com José Joelson

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LEVANTAMENTO E ANÁLISE DAS NECESSIDADES DOCENTES DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA PEDAGOGIA

PROJETO BRINQUEDOTECA PEDAGOGIA PROJETO BRINQUEDOTECA PEDAGOGIA GUARUJÁ 2013 PROJETO BRINQUEDOTECA 1 INTRODUÇÃO Compreender a importância da ludicidade como fator de desenvolvimento do ser humano é algo essencial na formação docente,

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional

A reforma do Estado e novos desafios para a gestão educacional Autor: Indira Alves França Orientador: Alicia Bonamino Título obtido: Mestrado Título da tese ou dissertação: Gestão Educacional em Tocantins Data de finalização: junho de 2007 Data de ingresso no curso:

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Programa Ler e Escrever. Apresentação

Programa Ler e Escrever. Apresentação Programa Ler e Escrever Apresentação Mais do que um programa de formação, o Ler e Escrever é um conjunto de linhas de ação articuladas que inclui formação, acompanhamento, elaboração e distribuição de

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE.

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. Introdução Carlos Roberto das Virgens Sirlene de Souza Benedito das Virgens Antonio Sales Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul Não faz muito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA A EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA Prof.ª Ms. Keli Cristina Conti keli.conti@gmail.com Doutoranda em Educação pela Unicamp Licenciada em Matemática e Pedagoga Participante dos Grupos Prapem (Prática

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Nome da Disciplina Estágio em Gestão Educacional II Curso Pedagogia Estágio em Gestão Educacional I Orientação individual e grupal

Leia mais

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12

Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12 Programa Nacional Alfabetização na Idade Certa PNAIC 30/05/12 Alguns dados disponíveis sobre analfabetismo Objetivo e principais componentes Objetivo O PNAIC é um programa integrado cujo objetivo

Leia mais

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES Antonio Fernando de Araújo dos Santos PUCPR Maria Sílvia Bacila Winkeler PUCPR Resumo: Este trabalho discute

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas.

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. 1364 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. FONTOURA, Maria Eugênia 1, PEREIRA, Débora Couto 1, LEBEDEFF, Tatiana 1, BASTOS, Amélia

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes.

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes. AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1 Andressa Cristina Coutinho BARBOZA Universidade Federal de Ouro Preto drecrist@ichs.ufop.br Resumo: O trabalho tem a proposta de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

Diagnóstico da Educação Municipal

Diagnóstico da Educação Municipal Diagnóstico da Educação Municipal Oneide Ferraz Alves Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Temas 1º dia Planejamento Planejamento Educacional Plano Anual de Educação Diagnóstico da Educação no

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO PROFESSOR ACERCA DO USO DA INFORMÁTICA EDUCACIONAL NO ENSINO DE FISIOTERAPIA

A PERCEPÇÃO DO PROFESSOR ACERCA DO USO DA INFORMÁTICA EDUCACIONAL NO ENSINO DE FISIOTERAPIA A PERCEPÇÃO DO PROFESSOR ACERCA DO USO DA INFORMÁTICA EDUCACIONAL NO ENSINO DE FISIOTERAPIA Renata Lopes Tonani Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais/MG, RESUMO: Este estudo buscou analisar

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA 2.1 PROGRAMA BOLSA ESCOLA DA FAMILIA (*) As Faculdades da UNIESP, em parceria com o Governo do Estado de São

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos Avaliação Econômica Gerência de Avaliação de Projetos São Paulo, 27 de agosto de 2012 1 O Programa Parceria entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Fundação Itaú Social; Coordenação técnica

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE DE MATEMÁTICOS

IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE DE MATEMÁTICOS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE DE MATEMÁTICOS Jéssica Paloma Alves dos Santos¹ Maria de Fátima Dutra² Anaeli Chaerli Ferreira Alves 3 O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID)

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro O estudo Educação Infantil em Debate - a Experiência de e a Realidade eira faz um paralelo entre as soluções encontradas

Leia mais

QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA

QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA Esta pesquisa é parte integrante do Exame Nacional de Cursos o Provão e tem por objetivo não só levantar informações que permitam traçar o perfil do conjunto de

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos A presente pesquisa foi realizada em junho de 2011, no Campus

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Relatório do Estágio Pós Doutoral

Relatório do Estágio Pós Doutoral Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Comunicação e Expressão Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras Programa de Pós Graduação em Estudos de Tradução Relatório do Estágio Pós Doutoral

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Educação Física Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Educação

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

GÊNERO DISCURSIVO, LEITURA E CIDADANIA: O PAPEL DO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO

GÊNERO DISCURSIVO, LEITURA E CIDADANIA: O PAPEL DO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO GÊNERO DISCURSIVO, LEITURA E CIDADANIA: O PAPEL DO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO MÉDIO MARLY APARECIDA FERNANDES (UNICAMP). Resumo Este trabalho tem como objetivo mostrar alguns resultados

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais