BOLETIM INFORMATIVO JULHO 2010 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS ANO 23 Nº 45

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLETIM INFORMATIVO JULHO 2010 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS ANO 23 Nº 45"

Transcrição

1 BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ANO 23 Nº 45 JULHO 2010 Dados sobre a Banca em Portugal relativos ao exercício de 2009

2 RELAÇÃO DOS BANCOS INCLUÍDOS NESTE BOLETIM INFORMATIVO (Ordem Alfabética de Siglas) 1) BANCOS AGREGADOS PARA EFEITO DO RELATÓRIO DE ANÀLISE ABN ABN AMRO BANK N.V., (Sucursal) ACTIVO BANK BANCO ACTIVOBANK (Portugal), S.A. BAC BANCO ESPÍRITO SANTO DOS AÇORES, S.A. BAI BANCO AFRICANO DE INVESTIMENTO EUROPA, S.A. BANCO BIC BANCO BIC PORTUGUÊS, S.A. BANCO INVEST BANCO INVEST, S.A. BANIF MAIS BANCO MAIS, S.A. BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. BANIF INV BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. BANIF SGPS BANIF SGPS, S.A. BARCLAYS BARCLAYS BANK PLC (Sucursal) BB BANCO DO BRASIL, S.A. BBVA BANCO BILBAO VIZCAYA ARGENTARIA (Portugal) S.A. BCP BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. BES BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. BESI BANCO ESPÍRITO SANTO DE INVESTIMENTO, S.A. BEST BEST BANCO ELECTRÓNICO DE SERVIÇO TOTAL, S.A. BIG BANCO DE INVESTIMENTO GLOBAL. S.A. B I I BANCO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, S.A. BNP BNP PARIBAS (Sucursal) BNP PRIVATE BNP PARIBAS PRIVATE BANK (Sucursal) BPG BANCO PORTUGUÊS DE GESTÃO BPI BANCO PORTUGUÊS DE INVESTIMENTO, S.A. BANCO BPI BANCO BPI, S.A. BSN BANCO SANTANDER DE NEGÓCIOS PORTUGAL, S.A. BST BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. CAIXA GALÍCIA CAJA DE AHORROS DE GALÍCIA (Sucursal) CAIXA VIGO CAIXA DE AFORROS DE VIGO, OURENSE E PONTEVEDRA (Sucursal) CBI CAIXA BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. CCCAM CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO CETELEM BANCO CETELEM, S.A. (Sucursal) CGD CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. CREDIFIN BANCO DE CRÉDITO AO CONSUMO, S.A. DEUTSCHE BANK DEUTSCHE BANK (PORTUGAL), S.A. FINANTIA BANCO FINANTIA, S.A. FINIBANCO FINIBANCO S.A. FORTIS BANK FORTIS BANK (Sucursal) ITAÚ BANCO ITAÚ EUROPA, S.A.

3 MG CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL POPULAR BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. SANTANDER CONSUMER BANCO SANTANDER CONSUMER PORTUGAL, S.A. SANTANDER TOTTA SGPS SANTANDER TOTTA SGPS 2) BANCOS COM ACTIVIDADE OFFSHORE IMIBANK SANPAOLO IMI BANK (INTERNACIONAL), S.A RURAL BANCO RURAL EUROPA, S.A.

4 ÍNDICE Pag. 0 NOTA INTRODUTÓRIA CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA PRINCIPAIS VARIÁVEIS DE BALANÇO Estrutura de Balanço Crédito a Clientes Recursos de Clientes e Responsabilidades Representadas por Títulos RESULTADOS POSIÇÃO ORDINAL DOS BANCOS RECURSOS HUMANOS COBERTURA GEOGRÁFICA E BANCARIZAÇÃO CARGA FISCAL E PARAFISCAL NOS BANCOS ACTIVIDADE INTERNACIONAL DO SECTOR PRINCIPAIS INDICADORES DE GESTÃO Indicadores de Estrutura Indicadores de Funcionamento Rácios de Rendibilidade ANEXO I BALANÇOS E CONTAS DE EXPLORAÇÃO DE DEZEMBRO ANEXO II SÉRIE HISTÓRICA DO BALANÇO E CONTAS DE EXPLORAÇÃO 41 ANEXO III OUTROS DADOS 134 ANEXO IV TABELAS DE DEFINIÇÃO E ÂMBITO DAS VARIÁVEIS E INDICADORES DE GESTÃO 172

5 0 NOTA INTRODUTÓRIA O presente Boletim Informativo contém os principais elementos relativos ao exercício de 2009 bem como um breve comentário sobre os principais factores que influenciaram o comportamento da actividade bancária neste período. Para efeitos desta análise, procedemos à agregação da informação financeira constante dos balanços e das contas de exploração elaboradas de acordo com as Normas de Contabilidade Ajustadas (NCA), bem como de outros dados de gestão, como o número de empregados e balcões, o número de promotores externos, dados relativos à carga fiscal, formação, etc. Decorre desta agregação um balanço e uma conta de exploração sectoriais reportados à actividade individual que publicamos com vista a permitir uma visão do sector no seu conjunto, que referenciamos como série A, a qual constitui a informação base utilizada para fundamentar os comentários. É igualmente apresentado um conjunto de indicadores de gestão (rácios de estrutura, funcionamento e rendibilidade) a partir do cálculo, baseado em elementos trimestrais 1, de balanços médios agregados de acordo com os critérios definidos no Anexo IV, do qual consta igualmente uma breve descrição do significado e âmbito dos indicadores publicados. Em complemento desta informação, e no que respeita a totais de sector, foi construída uma segunda série, identificada como série B, de modo a abranger também as instituições off shore, informação que, salvo menção expressa em contrário, não foi utilizada na preparação do texto de análise. Para cada instituição, são ainda publicadas as demonstrações financeiras (balanço e conta de exploração) relativas à actividade consolidada. Note-se que, para as instituições que não procedem à consolidação, os dados publicados correspondem à actividade individual 2, situação que é devidamente identificada no cabeçalho do próprio quadro. 1 Considerando a informação de Dezembro de 2008, Março, Junho, Setembro e Dezembro de No caso da CCCAM abrange a Caixa Central e as Caixas Associadas 3

6 Adicionalmente, e para uma amostra de instituições cujos grupos financeiros se estendem a outras áreas geográficas, publicam-se, de forma agregada, indicadores relativos à sua actividade internacional. Quanto ao seu âmbito, as considerações feitas reportam-se à actividade global dos bancos, ou seja a actividade individual desenvolvida apenas em Portugal e através de sucursais e representações no estrangeiro. Tendo em conta a sua especificidade, foram, porém, excluídas deste conjunto as instituições que desenvolvem a sua actividade principal ou exclusiva no quadro off shore. Assinala-se também no que diz respeito ao universo de instituições que contribuem para o Boletim, a ocorrência, durante 2009, de várias alterações a saber: o Grupo Cofinoga deixa de existir devido a aquisição do mesmo pelo Cetelem mantendo-se todavia a instituição Credifin com actividade individual; os dados referentes ao BCA deixaram de ser incluídos, uma vez que esta instituição foi integrada no Banif; o BCPI deixou de constar por ter sido incorporado no BCP; o Banco Mais foi integrado no grupo financeiro Banif, passando a utilizar a marca Banif Mais; o Banco BIC passou a integrar a informação do sector; o perímetro de consolidação do Grupo CGD regista alterações com a inclusão da Locarent, do Banco Caixa Geral Totta de Angola e do Banco Caixa Geral Brasil. 4

7 1 CARACTERIZAÇÃO SUMÁRIA O ano de 2009 manteve-se ainda numa linha recessiva, como é indicado pela contracção da actividade económica, que em Portugal foi de 2,7%. Todavia, o segundo semestre apresentou alguns sinais de recuperação, na sequência dos programas de estímulo lançados pelas autoridades de forma concertada nas diversas economias. Salienta-se que neste período as taxas de juro atingiram mínimos históricos, com a Euribor a 3 meses a situar-se nos 0,7%, que a taxa de desemprego chegou aos 10% no final do ano, com a consequente contracção do consumo e subida dos níveis de incumprimento de crédito, e que os mercados financeiros registaram alguma recuperação, com o índice bolsista PSI-20 a valorizar-se mais de 33% no conjunto do ano. Perante este enquadramento, as principais variáveis e indicadores de actividade apurados no exercício assumiram os valores que constam do quadro seguinte. Principais Variáveis e Indicadores Dezembro Variações Absolutas Relativas (%) 1. Dados Gerais (em milhões de Euros) Activo Líquido ,6 Crédito sobre Clientes ,4 Recursos de Clientes ,1 Responsabilidades Representados por Títulos ,9 Número de Balcões ,8 Número de Empregados ,3 Resultado Bruto de Exploração ,7 Resultados do Exercício ,1 2. Indicadores (em %) Nº Empregados por Balcão (NP/NB) Custos Operativos/Activos Financeiros (CO/AF) 1,30 1,43-0,13 Relevância dos custos no Produto (CO/PB) 53,13 50,73 2,40 Rendibilidade dos Capitais Próprios (RL/KP) 6,49 10,32-3,83 No comportamento do conjunto de variáveis e indicadores apresentados, destacamos: a desaceleração geral da actividade, com um crescimento de apenas de 2,4% do crédito a clientes (ano de 2008: 12,2%), que foi acompanhado de um aumento de apenas 2,1% (ano de 2008: 10,1%) dos recursos de clientes; 5

8 o crescimento de quase 35%, para os 86,6 mil M, da dívida titulada, beneficiando da melhoria verificada nos mercados internacionais, relativamente à situação ocorrida em O aumento de 112 balcões verificado na rede bancária a qual atinge no final de 2009 um total de unidades; a variação do número de trabalhadores para colaboradores, revela praticamente a estabilização do volume de emprego no sector (+0,3% em relação ao ano anterior), mantendo-se portanto inalterado em 9 unidades o número de empregados por balcão; a quebra sentida no resultado bruto de exploração apurado (5.043 M ),que se situou 8,7% abaixo do registado no exercício anterior, devido, essencialmente, à redução da margem financeira; o volume excepcional da carga de provisionamento para imparidades imposto pelo clima económico de enquadramento, o que determinou que o resultado líquido tivesse ficado pelos M, montante que representa uma redução superior a 24% relativamente ao ano anterior; a redução da rendibilidade dos capitais próprios para 6,5%, resultado do efeito conjugado do reforço dos capitais próprios (+20,6% em termos de capitais médios) registado durante o período com a diminuição do resultado líquido apurado; a evolução desfavorável registada, pela primeira vez desde há alguns anos, do indicador de relevância dos custos no produto ou cost-to-income foi essencialmente determinada pela quebra do produto bancário, fixando-se em 53,13% (+2,4 p.p.). 6

9 2 PRINCIPAIS VARIÁVEIS DE BALANÇO 2.1 ESTRUTURA DE BALANÇO A estrutura do balanço sectorial revela essencialmente a importância do negócio de intermediação financeira dos bancos, continuando a concessão de crédito a clientes a representar, com 61,2% do activo, a actividade nuclear dos bancos em Portugal e os recursos de clientes e as responsabilidades representadas por títulos a assegurarem o grosso (56,6%) do financiamento da actividade. Em termos dinâmicos, são visíveis os efeitos da presente conjuntura económica e da crise de liquidez despoletada em 2008 na redução do peso do crédito a clientes (-3,1 p.p.), que acompanhou a retracção da actividade económica, e no aumento do peso dos recursos de bancos centrais (+0,6 p.p.). Entre as alterações da estrutura do balanço identificadas no exercício, salientamos ainda: o reforço do peso dos activos financeiros em 2,6 p.p., que traduz um efeito decorrente da recuperação dos mercados registada em 2009, com o PSI 20 a valorizar 33%; ao nível dos passivos, o aumento do peso das responsabilidades representadas por títulos em 3,6 p.p. para os 17,9%; o crescimento verificado nos capitais próprios e equiparados, que representam agora 8,9% do total dos recursos, como resultado dos aumentos de capital ocorridos em várias instituições, com especial significado no caso da CGD e BES. 7

10 Estrutura (%) Aplicações e Recursos Var. (p.p) Disponibilidades 2,2 2,3-0,1 Aplicações em Instituições de Crédito 13,7 12,9 0,8 Créditos a Clientes (bruto) 61,2 64,3-3,1 Activos Financeiros (negociação, p/venda e justo valor) 15,8 13,2 2,6 Investimentos detidos até à maturidade 1,5 1,0 0,5 Derivados de Cobertura 0,4 0,5-0,1 Activos Tangiveis e Intangíveis 0,7 0,7 0,0 Outros Activos 4,5 5,1-0,6 TOTAL 100,0 100,0 Recursos de Bancos Centrais 3,7 3,1 0,6 Recursos de Instituições Crédito 19,5 21,5-2,0 Recursos de Clientes 38,7 40,8-2,1 Responsabilidades Representadas por Títulos 17,9 14,3 3,6 Provisões 0,8 0,8 0,0 Capitais Próprios e Equiparados 8,9 8,5 0,4 Outros Passivos 10,5 11,0-0,5 As variações das diferentes componentes do balanço são resumidamente apresentadas no mapa de origens e de aplicações de fundos seguinte. Aplicações de Fundos Milhões de Euros Origens de Fundos Disponibilidades 143 Crédito a clientes Aplicações em Activos Financeiros Investimentos detidos até à maturidade Activos Tangíveis e Intangíveis 18 Aplicações diversas Recursos Bancos Centrais Recursos Instit.Crédito (líq.de aplic.) Recursos de Clientes Responsabilidades representadas títulos Passivos Financeiros assoc.a activos transferidos Passivos diversos Capitais Próprios e Equiparados TOTAL Constata-se assim que as principais aplicações de fundos foram feitas ao nível do crédito a clientes (+7,1 mil M ), dos activos financeiros (+17,0 mil M ), que incluem os activos de negociação, para venda e detidos até à maturidade, e dos recursos de instituições de crédito líquidos de aplicações (+11,1 mil M ). 8

11 Quanto às fontes de financiamento, destacam-se as responsabilidades representadas por títulos (+22,4 mil M ), os capitais próprios e equiparados (+5,2 mil M ), os recursos de bancos centrais (+4,3 mil M ) e, em menor escala, os recursos tradicionais de clientes, depósitos e similares, com +3,8 mil M. 2.2 CRÉDITO A CLIENTES O total de crédito concedido pelo sector (296,6 mil M ) evidenciou um dinamismo inferior ao de anos anteriores, apresentando uma taxa de crescimento de 2,4%, justificada pelo ciclo económico recessivo iniciado em 2008 não só a nível nacional como mundial. Os dados publicados pelo Banco de Portugal relativos ao crédito a empresas e a particulares reflectem esta realidade. De facto, o crédito a particulares, com 138 mil M, apresenta uma taxa de crescimento anual de 4,1% (4,2% em 2008 e 10,7% em 2007), que se encontra suportada pelo crédito à habitação (+5,1%), uma vez que o crédito ao consumo conheceu um crescimento moderado (+1,8%) e o crédito para outros fins registou uma redução (-2%). Quanto ao crédito a empresas, que subiu para 117,8 mil M, o crescimento anual foi de 1,7%. As operações de titularização também caíram para os 12,6 mil M (-14,8%), com o respectivo mercado penalizado pela crise de liquidez e pela menor apetência para o risco. Milhões de Euros Variações Crédito a Empresas e Particulares Absolutas Relat. (%) Crédito a Particulares ,1 Habitação ,1 Consumo ,8 Outros Fins ,0 Crédito a Empresas não Financeiras ,7 TOTAL ,0 Peso do Crédito a Particulares (%) 53,9 53,4 Operações de titularização de crédito ,8 Fonte: Boletim Estatístico do Banco de Portugal - Abril/10 No que respeita à sua composição, o crédito não apresenta alterações significativas: se no crédito a particulares a grande finalidade (80%) é o crédito à habitação, com 110 mil M, no crédito a empresas, com o total de 117,8 mil M, a sua repartição orienta-se predominantemente para o sector dos serviços imobiliários e serviços prestados a empresas (36%), seguido pelo sector da construção (19%), pela indústria transformadora (15%) e pelo comércio (13%). 9

12 DISTRIBUIÇÃO SECTORIAL DO CRÉDITO A EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS (Dezembro 2009) Educação, Saúde e Out.Serv.Colect., Soc. e Pessoais 4% Outros 6% Indústria Transformadora 15% Prod.Distrib.Electr., Gás e Água 3% Serv.Imob.e Alug. e Serv. Prest.Empresas 36% Construção 19% Transporte, Armaz. e Comunicações 6% Comércio p/grosso e Retalho 13% Fonte: Boletim Estatístico do Banco de Portugal Abril/10 O crédito de cobrança duvidosa sofreu por sua vez um agravamento (+45,9% em 2008 e +53,1% em 2009) que está directamente relacionado com a degradação da conjuntura económica a partir de Assim, o rácio crédito de cobrança duvidosa/crédito a empresas e particulares, que tinha registado nos últimos anos uma evolução positiva sustentada até 2007, inverteu esse andamento a partir de 2008 e assume agora o valor mais elevado da década (3,2%). % 3,5 RÁCIO "Crédito de Cobrança Duvidosa/Crédito a Empresas e Particulares " 3,2 3,0 2,5 2,0 2,0 1,9 1,7 1,6 2,2 1,5 1,0 0,5 0, Fonte: Boletins Estatísticos do Banco de Portugal 10

13 2.3 RECURSOS DE CLIENTES E RESPONSABILIDADES REPRESENTADAS POR TÍTULOS A evolução do total dos recursos a clientes e das responsabilidade representadas por títulos, que atinge 274,2 mil M (+10,6% do que no período homólogo do ano anterior), reflecte essencialmente a recuperação do acesso aos mercados internacionais por parte dos bancos que retomaram a emissão e colocação de dívida titulada, registando uma subida de 35% para os 86,6 mil M. Os produtos tradicionais de poupança com expressão no Balanço, ascenderam a 187,6 mil M, continuam a representar, com um peso de 68,4%, a parcela mais significativa dos recursos captados. m.m.euros 250,0 200,0 EVOLUÇÃO DOS RECURSOS DE CLIENTES E RESPONSABILIDADES REPRESENTADAS POR TÍTULOS 144,6 167,0 183,8 187,6 150,0 100,0 43,3 55,3 64,2 86,6 50,0 0,0 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Respons.represent.Titulos Recursos de Clientes 11

14 3 RESULTADOS No quadro seguinte apresentam-se, devidamente desagregados, os resultados obtidos no presente exercício e faz-se a sua comparação com os valores correspondentes do período homólogo do ano anterior. Variáveis Milhões de Euros Dezembro Variações Absolutas Relat.(%) (+) (-) Juros e Proveitos Equiparados ,4 Juros e Custos Equiparados ,3 (=) Resultado Financeiro ,3 (+) Resultado de Serviços e Comissões ,7 (+) Outros Resultados ,0 (=) Produto Bancário de Exploração ,0 (-) Custos com Pessoal ,5 (-) Gastos Gerais Administrativos ,4 (-) Depreciações e Amortizações ,4 (=) Resultado Bruto de Exploração ,7 (-) Provisões e Similares ,6 (=) Resultados antes de Impostos ,8 (-) Impostos sobre os Lucros ,9 Impostos correntes ,9 Impostos diferidos ,1 (=) Resultado Líquido ,1 A queda do resultado financeiro (-712 M ), que atingiu -11,3%, foi ditada pelo efeito significativo induzido nas taxas de juro pela redução registada nas taxas de referência (taxas directoras do BCE e taxas Euribor) e pela subida dos spreads das emissões colocadas nos mercados internacionais, situações que levaram a uma descida mais acentuada da taxa média das aplicações (-266 pontos base) do que a conseguida no custo dos recursos (-240 p.b), provocando uma redução de 31 p.b. na margem financeira. 12

15 Os resultados de serviços e comissões, que não foram além de um acréscimo de 112 M (+4,7%), terão sido, de acordo com o divulgado por várias instituições nos seus comunicados de apresentação de resultados, negativamente influenciados pela redução das comissões relacionadas com Títulos e Gestão de Activos. Os Outros Resultados, que incluem resultados de mercados cambiais e de capitais, passaram para os M (2.533 M no exercício de 2008). Conclui-se assim que o Produto Bancário de Exploração, que foi de M, ficou 4% aquém do registo do ano anterior, influenciado pelo comportamento do resultado financeiro. No que diz respeito aos custos operativos, que registam um crescimento de 0,6% relativamente a 2008, destacamos: - o crescimento dos custos com pessoal (+2,5%), influenciado pela actualização da tabela salarial em 1,5% acordada para o sector bancário em 2009; - o aumento das amortizações (6,4%), que reflectem os investimentos realizados nos exercícios anteriores ao nível da rede de distribuição e de plataformas informáticas; - e a redução dos gastos gerais administrativos em 3,4%, na sequência das políticas de controlo de custos implementadas pela generalidade das instituições. Como consequência da evolução do Produto Bancário de Exploração e dos custos operativos, o Resultado Bruto de Exploração ficou-se pelos M, abaixo 8,7% do obtido em igual período do ano anterior. Por sua vez, o Resultado Líquido, obtido numa conjuntura especialmente difícil, apresenta uma redução de 525M (-24,1%) para os 1.652M, devido essencialmente ao considerável esforço no reforço das provisões e no reconhecimento de imparidades, que atingiu o valor total de M, montante que representou 66% (55% em 2008) do resultado bruto gerado. A composição do produto bancário de exploração, continua a ser dominada pelo resultado financeiro (51,8%), não obstante a erosão da margem financeira ter contribuído para uma perda de 4,3 p.p no seu peso relativo, em favor do reforço dos resultados de operações financeiras (+1,9 p.p.) e dos resultados de serviços bancários (+2,4 p.p). 13

16 EVOLUÇÃO DO PESO DAS COMPONENTES DO PRODUTO 100,0 75,0 54,8 56,4 56,1 51,8 50,0 23,7 22,2 22,6 25,0 25,0 21,6 21,5 21,3 23,2 0, Serviços Bancários Resultados Operações Financeiras Resultado Financeiro 4 POSIÇÃO ORDINAL DOS BANCOS Para as variáveis activo líquido, crédito a clientes, recursos captados, situação líquida e resultados do exercício apresenta-se uma lista ordenada das instituições incluídas no Boletim, a qual consta do quadro 3 do Anexo II. 5 RECURSOS HUMANOS Na análise dos recursos humanos, foi utilizada como fonte de informação, por entender-se que se trata de uma vertente específica, essencialmente de carácter social, em que o mais relevante serão factores relacionados com o volume de emprego, distribuição etária, género e grau de qualificação dos recursos humanos utilizados no sector, o universo integral das instituições bancárias, incluindo portanto as instituições com actividade exclusiva ou predominantemente off-shore. A população bancária em 2009 contava com colaboradores dos quais a maior parte (96,9%) se encontra afecta à actividade doméstica. O volume de emprego referido, face ao do ano anterior, representa um crescimento de 188 colaboradores (+0,3%), a maior parte dos quais para apoio à internacionalização da actividade bancária. Com efeito, o sector conta com mais 159 empregados afectos a sucursais no exterior, mantendo-se praticamente sem alteração o total de empregados em território nacional. 14

17 No quadro seguinte apresenta-se a população bancária e a respectiva evolução para a actividade doméstica e no exterior, detalhando-se a distribuição dos colaboradores domésticos de acordo com vários critérios (por funções, níveis de escolaridade, sexo, idade e antiguidade, vínculo contratual e tipo de actividade desenvolvida). Número de Empregados Dez/09 Dez/08 Variação Número Peso (%) Abs. % 1.TOTAL GERAL , ,3 1.1 Empregados afectos a Sucursais no Exterior , ,3 1.2 Empregados afectos à Actividade Doméstica , ,1 2. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREGADOS DA ACTIVIDADE DOMÉSTICA 2.1 Por Funções , ,1 Chefias , ,4 Específicas , ,3 Administrativas , ,7 Auxiliares 799 1, ,9 2.2 Por Níveis de Escolaridade , ,1 Ensino Superior , ,4 Secundário , ,9 Básico , ,9 2.3 Por Sexo , ,1 Homens , ,8 Mulheres , ,1 2.4 Por Idades , ,1 Até 44 anos , ,4 Mais de 44 anos , ,8 2.5 Antiguidade , ,1 Até 15 anos , ,6 Mais de 15 anos , ,1 2.6 Por Vínculo Contratual , ,1 Efectivos , ,2 Contratados a Prazo , ,4 2.7 Por Tipo de Actividade , ,1 Afectos a Balcões , ,3 Outra Actividade , ,7 Tendo-se mantido praticamente estável em 2009 o número de empregados, haverá apenas a assinalar algumas alterações de estrutura, das quais salientamos: 15

18 1. No que respeita à especialização, característica que tem revelado uma intensificação nos últimos anos, verifica-se novo reforço do número de colaboradores com funções específicas ( pessoas), em detrimento das funções administrativas que se reduzem em pessoas. Em simultâneo, continuam a subir os níveis de escolaridade da população bancária, registando-se neste período um aumento de colaboradores com ensino superior (os quais representam agora quase metade do total) e uma redução de com ensino secundário e básico. 2. A situação de precariedade no emprego, já de si pouco expressiva neste sector, tem vindo a perder relevância. Com efeito, o número de empregados com vínculo contratual efectivo é de (2008: ), representando 93,8% do total da população bancária, enquanto o número de contratados a prazo voltou a experimentar uma redução, agora de -24,4%; 3. Mantém-se a estrutura no que respeita à afectação de empregados, com a área comercial (64,4%) a sobressair como a mais importante, muito embora se tenha verificado este ano uma redução no seu número (-109), ao invés do aumento dos empregados afectos a outras actividades (+138); 4. Por fim, a população bancária continua a ser maioritariamente masculina (54,2%) apesar de se ter verificado um aumento do número de mulheres (+281) superior à redução verificada nos homens (-252) e é composta, predominantemente, por pessoas com menos de 44 anos (68,1%) e com menos de 15 anos de actividade no sector (58,8% do total). Sendo característica comum das politicas de pessoal das várias instituições o desenvolvimento das competências dos seus recursos humanos, o sector continua a investir fortemente em formação tendo aplicado 22,9 M em 2009, o que representa cerca de 1,1% do total de gastos administrativos do sector. Não obstante este investimento se situar aquém do realizado no exercício anterior em cerca de 8,5%, a percentagem e o número de colaboradores abrangidos por acções de formação passou respectivamente para 90,4% (89,3% em 2008) e para colaboradores, os quais beneficiaram de um total de acções de formação. 16

19 Ao nível das metodologias utilizadas, a formação presencial continua a ser a mais relevante (81%) mantendo-se o e-learning (13%) como a alternativa de referência Metodologia das Acções Formação (%) 100% 100% Formação Presencial 81% 79% Formação à Distância 4% 4% Formação Online (e-learning) 13% 14% Outdoor 0% 0% Outras 3% 2% Nº de Acções de Formação Realizadas Gastos em Acções Formação (mil ) Com Entidades Externas Custos Internos % Gastos Formação/Gastos Administrativos 1,1% 1,1% Nº de Colaboradores em Acções Formação % de Colaboradores em Acções Formação 90,4% 89,3% No quadro seguinte, apresenta-se o grau de escolaridade por tipo de função exercida, destacando-se a importância da percentagem que conta com formação superior (50,9% do total). Número Empregados Níveis de Escolaridade/Ensino Funções Superior Secundário Básico Total Chefias Específicas Administrativas Auxiliares TOTAL Quanto a regimes de horários, continua a verificar-se, tal como nos anos anteriores, que a grande maioria dos colaboradores (94,7% do total) está afecta ao horário integral, sendo de reduzida utilização os regimes de horário parcial e diferenciado. 17

20 Número Empregados Homens Mulheres Total Tempo Integral Horário Parcial Horário Diferenciado Trabalho por Turnos TOTAL Por último, foram admitidos novos empregados (ano anterior: 4.012), com um maior peso de mulheres (53,7%) e com formação superior (71,4% do total das admissões). Nas saídas (por reforma, demissão, despedimento, morte, etc.) que totalizaram pessoas, sobressaem ao nível do género, os homens (51,5% das saídas). 6 COBERTURA GEOGRÁFICA E BANCARIZAÇÃO Considerando ainda todas as instituições sem qualquer excepção, o número total de balcões que integram a rede bancária em território nacional atingiu unidades (+108 do que em 2008). De acordo com a tendência, foi nos dois principais distritos do país que se verificou o maior número de aberturas: Lisboa passou a contar com mais 23 balcões do que no ano anterior e o Porto com mais 17 balcões. São ainda de referir os distritos de Setúbal (+13), Aveiro e Braga (ambos com +10) e Faro (+9). Verificaram-se, no entanto, reduções em 2009 em alguns distritos menos 5 balcões nos Açores e menos 1 balcão em cada um dos distritos de Beja, Coimbra e Portalegre situação que é nova relativamente a anos anteriores. A distribuição do aumento do número de balcões contribuiu para a manutenção do nível de correlação entre o índice de concentração e a densidade populacional. Com efeito são os distritos de Lisboa e Porto que contam com as maiores concentrações de agências: 24,6% e 15,4% respectivamente (em 2008 e pela mesma ordem: 24,7% e 15,4%). 18

21 Nº Balcões Distritos Dez-09 % Dez-08 Índice de Concentração (%) TOTAL , ,0 10,0 20,0 30,0 Aveiro 411 6, Beja 92 1, Braga 391 6, Bragança 88 1, Castelo Branco 117 1, Coimbra 246 4, Évora 119 1, Faro 345 5, Guarda 101 1, Leiria 294 4, Lisboa , Portalegre 79 1, Porto , Santarém 255 4, Setúbal 386 6, Viana do Castelo 139 2, Vila Real 126 2, Viseu 203 3, Açores 166 2, Madeira 154 2, Os bancos têm procurado abrir canais alternativos de contacto com os clientes, sendo os promotores externos - nomeadamente as agências imobiliárias, na colocação de crédito à habitação, os agentes de seguros na venda de produtos de bancasseguros e outros promotores com intervenção em vários produtos como contas à ordem, cartões, crédito ao consumo, etc.,- um meio cada vez mais utilizado como complemento à tradicional rede de balcões, a par da bancanet e da banca telefónica. Assim, o total de promotores externos para captação de negócio bancário crescia em 2009 cerca de 25,2%, ascendendo no final do ano a o número de promotores, conforme consta do quadro seguinte. 19

BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS ANO 22 Nº 44 NOVEMBRO 2009

BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS ANO 22 Nº 44 NOVEMBRO 2009 BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ANO 22 Nº 44 NOVEMBRO 2009 Dados sobre a Banca em Portugal relativos 1º semestre de 2009 ÍNDICE Pag. 0 NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1 PRINCIPAIS VARIÁVEIS E INDICADORES...

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS ANO 19 Nº 39 JULHO 2007

BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS ANO 19 Nº 39 JULHO 2007 BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ANO 19 Nº 39 JULHO 2007 Dados sobre a Banca em Portugal relativos ao exercício de 2006 RELAÇÃO DOS BANCOS INCLUÍDOS NESTE BOLETIM INFORMATIVO (Ordem Alfabética

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS Ano 18 Nº 35 Julho de 2005 Dados sobre a Banca em Portugal relativos ao exercício de 2004

BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BANCOS Ano 18 Nº 35 Julho de 2005 Dados sobre a Banca em Portugal relativos ao exercício de 2004 BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA Ano 18 Nº 35 Julho de 2005 Dados sobre a Banca em Portugal relativos ao exercício de 2004 ÍNDICE Pag. RELAÇÃO DOS BANCOS INCLUÍDOS NESTE BOLETIM.. 4 0 NOTA INTRODUTÓRIA...

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO ANO 22 Nº 43 JULHO 2009

BOLETIM INFORMATIVO ANO 22 Nº 43 JULHO 2009 BOLETIM INFORMATIVO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ANO 22 Nº 43 JULHO 2009 Dados sobre a Banca em Portugal relativo ao exercício de 2008 RELAÇÃO DOS BANCOS INCLUÍDOS NESTE BOLETIM INFORMATIVO (Ordem Alfabética

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Perfil sociodemográfico Real delivery Painel IR % Total painelistas: 10.382 90,7% Sexo Homem 4.231

Perfil sociodemográfico Real delivery Painel IR % Total painelistas: 10.382 90,7% Sexo Homem 4.231 1 / 14 Painel de Banca Portugal Características Tamanho painel (ISO): 32.637 Pessoas perfiladas (ISO): 11.557 Taxa de resposta estimada (ISO): 41% Atualizado: 15/12/2014 Tamanho (ISO): o número de participantes

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Boletim Estatístico. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 48 2012 Anual

Boletim Estatístico. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 48 2012 Anual Boletim Estatístico Associação Portuguesa de Bancos Nº 48 2012 Anual Lisboa Outubro 2013 Nota de Agradecimentos A Associação Portuguesa de Bancos agradece a todos os seus Associados a disponibilidade

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe, estão abertas a partir de 18 de Junho

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

Boletim Estatístico. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 46 2010 Anual

Boletim Estatístico. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 46 2010 Anual Boletim Estatístico Associação Portuguesa de Bancos Nº 46 2010 Anual Lisboa Junho 2011 Nota de Agradecimentos A Associação Portuguesa de Bancos quer agradecer a todos os seus Associados pelo contributo

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2014 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 28 de Fevereiro de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Boletim Estatístico. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 50 2014 Anual

Boletim Estatístico. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 50 2014 Anual Boletim Estatístico Associação Portuguesa de Bancos Nº 50 2014 Anual Lisboa Setembro 2015 Nota de Agradecimentos A Associação Portuguesa de Bancos agradece a todos os seus Associados a disponibilidade

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

Relatório de Actividades 3.º Trimestre de 2013

Relatório de Actividades 3.º Trimestre de 2013 2013 Relatório de Actividades 3.º Trimestre de 2013 Nos termos do n.º 3 do artigo 8.º do Código dos Valores Mobiliários informa-se que a presente informação trimestral não foi sujeita a auditoria ou revisão

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005 BANIF S G P S, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30 - Funchal Capital Social: 200.000.000 Euros Matrícula Nº 3658 Conservatória do Registo

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

Categorias em análise: Hardware, Software, Serviços TI e Serviços Telecomunicações.

Categorias em análise: Hardware, Software, Serviços TI e Serviços Telecomunicações. RELATÓRIO LOCAL Despesa TIC no Sector Financeiro Oportunidades num Sector em Reestruturação INTRODUÇÃO IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa, Rua Tomas da Fonseca, Torre G, 1600-209 Lisboa

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 900 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Grupo Caixa Económica Montepio Geral APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Atividade Consolidada (Informação financeira não auditada) 12 de maio 2015 CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL A CEMG NO PERÍODO

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015 Sumário executivo No decurso do primeiro semestre de 2015, a Administração do BNI prosseguiu de forma consistente a missão, visão e objectivos do Banco orientados no objectivo central de contribuir para

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sociedade Aberta Pessoa Colectiva N.º 500 852 367 Sede: Av. da Liberdade, n.º 195, 1250 142 Lisboa Mat. N.º 1607 Conservatória Registo Comercial Lisboa Capital Social: 1.500.000.000,00

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Boletim Informativo. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 46 2010 Anual

Boletim Informativo. Associação Portuguesa de Bancos. Nº 46 2010 Anual Boletim Informativo Associação Portuguesa de Bancos Nº 46 2010 Anual Lisboa Junho 2011 Nota de Agradecimentos A Associação Portuguesa de Bancos (APB) quer agradecer a todos os seus Associados pelo contributo

Leia mais