Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga"

Transcrição

1 Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

2

3 Forma como construímos a nossa imagem a partir de conceitos que temos de nós mesmos, e de como os outros nos definem. Trata-se de um espelho interno.

4 Percepção, da qual muitas vezes não temos consciência, configura o modo como vamos nos relacionar com a gente mesmo, com o outro e com o mundo.

5 A imagem corporal é como cada pessoa elabora a imagem de seu próprio corpo acentuando ou modificando as diferentes partes em função dos mecanismos de sua personalidade e de todas as suas vivências, passadas e presentes. ( Van Kolck). É construída tomando em grande parte a referência do corpo de outras pessoas predominando, em geral, os elementos visuais.

6 É constituída por três estruturas: Cognitivo: são as características que a pessoa vê quando olha para si mesma. Afetivo: caracterizado pelos afetos, emoções e avaliações. me sinto feliz porque me considero forte, bonita. Comportamental: o autoconceito influi na forma de se comportar e perceber o mundo ( locomoção, postura).

7 O ser humano constrói sua imagem corporal na relação com o mundo e essa percepção não ocorre sempre da mesma maneira. Se alterar a percepção, negativa ou positivamente, alterará sua autoimagem.

8 As alterações que ocorrem no corpo por doenças, agravos ou outros distúrbios, comprometem a imagem corporal e as interações com o meio e com os outros.

9 Através da nossa autoimagem, estabelecemos a nossa autoestima.

10 Não é apenas um sentimento mas pensamentos e comportamentos que temos relacionados a nós mesmos. Aceitação em ser nós mesmos.

11 Crianças não nascem preocupadas em serem boas ou más, espertas ou estúpidas, amáveis ou não. Elas desenvolvem estas idéias. Elas formam auto-imagens baseadas fortemente na forma como são tratadas por pessoas significantes, os pais, professores e amigos, e elas também passam a se comportar, a agir consigo e com as pessoas baseadas nestas experiências.

12 Fatores importantes para a construção da autoestima o valor que a criança percebe dos outros em direção a si, expresso em afeto, elogios e atenção; a experiência com sucessos ou fracassos; as aspirações e exigências que a pessoa coloca a si mesma para determinar o que constitui sucesso; forma como reagimos à críticas ou comentários negativos.

13 Situações que podem baixar autoestima: Críticas; Rejeições; humilhações; Abandono; desvalorizações e perdas. Tudo é resultado de interações sociais ( familiares, escolares, profissionais, etc )

14 Autoimagem dimensão cognitiva ou perceptiva, idéia que tenho de mim. Autoestima dimensão avaliativa ou afetiva, o quanto gosto de mim.

15 A autoimagem e a autoestima se transformam em todas as pessoas devido ao processo de crescimento e cada fase da vida acrescenta algo.

16

17 Caracteriza-se principalmente pela perda de motricidade e sensibilidade nas partes do corpo. Estas alterações e limitações corporais modificam completamente a maneira como o deficiente encara e utiliza seu corpo durante suas tarefas cotidianas e em suas relações sociais.

18 A deficiência física adquirida (decorrente depois do nascimento) causa uma mudança abrupta na imagem corporal do deficiente físico.

19 Essa nova condição exige: Reestruturação da autoimagem; Incorporar a cadeira de rodas à sua imagem e, Interação com imagens de pessoas que não possuem deficiência física.

20 A autoimagem no deficiente físico depende: Aparência física; Sentimento de vergonha e menos valia; Funcionamento físico; Conflito de valores com as pessoas próximas; Conceitos e julgamentos impostos pela cultura no qual está inserido.

21 As dificuldades no convívio com pessoas não deficientes : Deficiente físico é tido com deficiente mental;

22 Infantilizar o deficiente, mesmo sendo um adulto

23 Ignorar suas capacidades, decidir pelo deficiente físico;

24 Poderá ter percepção negativa ou positiva de sua imagem corporal. Autoimagem: Se positiva sensação de autoaceitação; Se negativa desequilíbrios emocionais, gerando prejuízo da autoestima.

25 Autoimagem Negativa: Subvalorização: a pessoa se nega a vivenciar novas experiências com medo de fracassar ou se frustrar, se "escondendo" atrás da deficiência; Agressividade: mecanismo de defesa diante da rejeição que imagina que irá sofrer;

26 A deficiência traz para o indivíduo um novo corpo, com novas habilidades, capacidades e limitações. Assim há a necessidade do estabelecimento de um processo de reconhecimento desse novo corpo.

27 Ao alcançar a aceitação, a pessoa com deficiência descobre que a vida é superar obstáculos. Assim,a sua autoestima representa uma importante ferramenta de enfrentamento e adaptação à realidade.

28 Estimular as potencialidades; Resgatar sentimento positivo de dignidade e autoestima; Buscar o reconhecimento social; Valorizar a independência.

29 Mudanças de atitudes das pessoas com deficiência, através DANÇA,ESPORTE,MERCADO DE TRABALHO, INCLUSÃO SOCIAL Contribui para : a diminuição da ansiedade e depressão; ganhos emocionais e funcionais; e melhora do autoconceito, autoimagem, autoestima e autoconfiança.

30 É impossível apoiar-se no que falta a uma determinada pessoa, no que ela não é, mas é necessário ter, nem que seja a idéia mais vaga sobre o que ela possui e o que ela é. (Vygotsky)

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G.

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G. Enfrentamento da Dor Crônica Enfrentamento da Dor Profa. Dra. Andréa G. Portnoi BIO PSICO SOCIAL Sensação Incapacitação Diagnóstico Medicamentos Procedimentos Tratamentos Emoção Cognição Comportamento

Leia mais

DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Kamila Pimentel dos Santos Leila Márcia Azevedo Nunes Lionela da Silva Corrêa Universidade Federal do Amazonas - UFAM Práticas Pedagógicas inclusivas

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações.

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações. Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações Mirieli Colombo, Fga Fga. Especialista em Voz Especialista em Dinâmica dos Grupos Master em PNL Personal e Profissional Coaching EUA, 70

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Percepção e sensação do próprio corpo: a representação das pessoas com deficiência física na natação

Percepção e sensação do próprio corpo: a representação das pessoas com deficiência física na natação Percepção e sensação do próprio corpo: a representação das pessoas com deficiência física na natação Mariana Piculli, Kamila Yaguchi, Mylena Nariê Kato, Denise Kakitani, Claudio Alexandre Celestino, Sonia

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO

CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO CENTRO DE CONVIVÊNCIA ESCOLA BAIRRO ESTRUTURA DE TRABALHO Os CCEB atendem a comunidade escolar no contra turno com oficinas diversificadas que atendem os alunos da faixa etária de 6 à 12 anos que estudam

Leia mais

Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr

Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr Resgatando a Autoestima dos Docentes e Discentes da EJA PROFESSORES E ESTUDANTES Qual

Leia mais

Introdução à obra de Wallon

Introdução à obra de Wallon Henri Wallon Introdução à obra de Wallon A atividade da criança: conjunto de gestos com significados filogenéticos de sobrevivência. Entre o indivíduo e o meio há uma unidade indivisível. A sociedade é

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR. Teste Seus Chakras

MATERIAL COMPLEMENTAR. Teste Seus Chakras MATERIAL COMPLEMENTAR Teste Seus Chakras IMPORTANTE: Este teste tem como objetivo a percepção de si mesmo e o autoconhecimento. FUNCIONAMENTO A seguir você verá uma tabela com os principais sintomas de

Leia mais

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação

Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Experiências de corpo inteiro: Contribuições de Wallon para a educação Mariana Roncarati Mestranda em Educação - UNIRio/ CAPES; Psicomotricista Uni-IBMR; Especialista em Educação Infantil PUC-Rio m_roncarati@hotmail.com

Leia mais

Fundamentos e Práticas de Braille II

Fundamentos e Práticas de Braille II Fundamentos e Práticas de Braille II Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa Competências Pessoais e Sociais I Sessão 2 20 e 21 de Outubro Isabel Paiva de Sousa isabelmpsousa@netcabo.pt Outubro 2015 1 Alegria Confiança Apego Prazer Alivio Esperança Euforia Surpresa Raiva Tristeza

Leia mais

GUIA DO ESTUDO PERFEITO. 8 passos infalíveis para alcançar a aprovação \o/

GUIA DO ESTUDO PERFEITO. 8 passos infalíveis para alcançar a aprovação \o/ 8 passos infalíveis para alcançar a aprovação \o/ Está chegando a hora! Chegamos para nossa última sequência de aulas. Sem dúvida, você já é quase 100% um #estudantedescomplica. Vamos agora aprimorar os

Leia mais

IMAGEM CORPORAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA PRATICANTES DE DANÇA SOBRE RODAS

IMAGEM CORPORAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA PRATICANTES DE DANÇA SOBRE RODAS IMAGEM CORPORAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA PRATICANTES DE DANÇA SOBRE RODAS Leila Marcia Azevedo Nunes Lionela da Silva Corrêa Kamila Pimentel dos Santos Universidade Federal do Amazonas Palavras-chave:

Leia mais

Medo, Fobia, Vergonha e Estresse no Esporte

Medo, Fobia, Vergonha e Estresse no Esporte Medo, Fobia, Vergonha e Estresse no Esporte Curso de Ed. Física Prof. Ana Catarina Correia Mesquita Medo Estado emocional desencadeado no sistema nervoso central ante a um perigo iminente, que gera uma

Leia mais

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois.

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. AULA 04 Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. Jussara Hoffmann Avaliar respeitar primeiro, educar depois Interesse questões avaliativas As crianças permanecem

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOSE (IBH) Gil Gomes. Mestre em Psicologia Diretor do IBH

INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOSE (IBH) Gil Gomes. Mestre em Psicologia Diretor do IBH INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOSE (IBH) Gil Gomes Mestre em Psicologia Diretor do IBH O TRABALHO COM IMAGENS MENTAIS Gil Gomes PASSOS DA TERAPIA: 1. Identificação do Esquema (QE Young et al.,2008). 2. Identificação

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1)

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1) RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA SES UNIDADE III (Parte 1) TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental TEMAS Psicopatologia geral. Transtornos psicológicos, cognitivos, relacionados ao uso

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

ENSINO FUNDAMENTAL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA Denise Rodrigues Mestre em Psicologia Professora, supervisora e coordenadora do Serviço de Psicologia Aplicada da Universidade Estácio de Sá E-mail: deniserodriguespsi@hotmail.com

Leia mais

2º Ano 1º Período Conteúdos Competências Essenciais Atividades Atividades baseadas no livro Crescer a Brincar.

2º Ano 1º Período Conteúdos Competências Essenciais Atividades Atividades baseadas no livro Crescer a Brincar. . Diferenciação emocional e cognitiva Emoções positivas(alegria, interesse, carinho, felicidade, esperança ) Emoções negativas(tristeza, medo, fobia, inveja, ciúme..) símbolos emocionais(sinais corporais,

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

ALMA. - Problemas Evitação Desejo Receber Sorte. Lições Atitude Energia Compartilhar Mérito PROATIVIDADE REATIVIDADE RESISTÊNCIA

ALMA. - Problemas Evitação Desejo Receber Sorte. Lições Atitude Energia Compartilhar Mérito PROATIVIDADE REATIVIDADE RESISTÊNCIA ALMA - Problemas Evitação Desejo Receber Sorte REATIVIDADE RESISTÊNCIA + Lições Atitude Energia Compartilhar Mérito PROATIVIDADE Age como um flash para tomada de decisões. Fala conosco por meio de sonhos,

Leia mais

SDE0183 TEORIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA Aula 4: Atividade Motora Adaptada as PcD s Visuais. continuação

SDE0183 TEORIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA Aula 4: Atividade Motora Adaptada as PcD s Visuais. continuação SDE0183 TEORIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA Aula 4: Atividade Motora Adaptada as PcD s Visuais continuação Objetivos desta aula: 1. Conhecer e aplicar a classificação das DV s em relação ao nível

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella

MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA. Prof.ª Suzane Maranduba AULA 4. Freire e mandella MENSUTE 2014 PSICOPEDAGOGIA AULA 4 Prof.ª Suzane Maranduba Freire e mandella 1 A MINHA PRÁTICA PESSOAL REFLETE A MINHA PRÁTICA PROFISSIONAL Suzane Maranduba sumário SUMÁRIO 1. Anamnese 2. Desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISES DO COMPORTAMENTO, DIFERENÇAS INDIVIDUAIS E MOTIVAÇÃO

ANÁLISES DO COMPORTAMENTO, DIFERENÇAS INDIVIDUAIS E MOTIVAÇÃO ANÁLISES DO COMPORTAMENTO, DIFERENÇAS INDIVIDUAIS E MOTIVAÇÃO Aula 2 Administração de Serviços em Saúde Bucal Turma FEMAGUE Técnico em Saúde Bucal Dr. Flávio Pavanelli CROSP 71347 Liste : 3 desejos e 3

Leia mais

Teorias Motivacionais

Teorias Motivacionais Teorias Motivacionais A perspectiva biológica A perspectiva Biológica da Motivação pode subdividir-se em 3 categorias: As contribuições genéticas para o comportamento motivado A Motivação como estimulação

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

E-BOOK CO M L O U R O

E-BOOK CO M L O U R O BENZIMENTO E-BOOK CO M L O U R O Quem somos? Nós somos Bruno Gimenes e Patrícia Cândido e neste material especial nós vamos lhe ensinar algumas técnicas especiais de aplicação e resultados rápidos, para

Leia mais

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa

1 ª sessão. Sessão com o treinador. Participantes. Treinador. Psicólogo. Motivação para o programa 1 ª sessão Sessão com o treinador Treinador Motivação para o programa Discussão sobre a importância das competências psicológicas Descrição do programa Importância do reforço Importância da colaboração

Leia mais

Consultoria de imagem para coach

Consultoria de imagem para coach Consultoria de imagem para coach Com a Master Coach Patrícia Coelho DESCUBRA SEU PODER ATRAVÉS DA SUA IMAGEM Olá, aqui é a Patrícia Coelho! Gratidão pelo seu interesse com a consultoria de imagem e coaching

Leia mais

TEATRO - EMPRESARIAL

TEATRO - EMPRESARIAL TEATRO - EMPRESARIAL TEATRO-EMPRESARIAL Desenvolvido para pessoas que trabalham no mercado formal e que não possuem experiência teatral ou mesmo intimidade com a oratória e exposição social. Sua metodologia

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Relacionamento no Trabalho: Como reduzir conflitos e melhorar o clima

Relacionamento no Trabalho: Como reduzir conflitos e melhorar o clima Relacionamento no Trabalho: Como reduzir conflitos e melhorar o clima Como reduzir os conflitos e melhorar o clima? GENTE Decifrar este enigma Até Freud se questionava, e nós, nas empresas, o que fazer?

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Projeto de Dispositivos de Reabilitação e Tecnologia Assistiva Professor: Pai Chi Nan 1 História II Guerra mundial (1939-1945) Aumento de número de pessoas com

Leia mais

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat

A Importância dos Cuidados com o Cuidador. Lívia Kondrat A Importância dos Cuidados com o Cuidador Lívia Kondrat ABRALE 22 de Julho de 2011 CÂNCER é uma doença crônica; possui tratamentos com possibilidade de cura; traz consigo estigmas; está cercada por mitos,

Leia mais

Será Culpa ou Vergonha?

Será Culpa ou Vergonha? Será Culpa ou Vergonha? Aprenda a distinguir e a lidar com estas emoções! O que são? A vergonha e culpa são emoções auto-conscientes que fazem parte do sistema moral e motivacional de cada indivíduo. Estas

Leia mais

NOÇÕES DE PSICOLOGIA DO RELACIONAMENTO

NOÇÕES DE PSICOLOGIA DO RELACIONAMENTO NOÇÕES DE PSICOLOGIA DO RELACIONAMENTO A INTELIGÊNCIA A inteligência tem significados diferentes para pessoas diferentes. É a capacidade de usar a experiência e o conhecimento que constitui o comportamento

Leia mais

Boletim Eletrônico Casa Abrigo Betel

Boletim Eletrônico Casa Abrigo Betel Boletim Eletrônico Casa Abrigo Betel 3ª edição Junho de 2011 Nesta edição: Palavra da Presidente 1 Palavra da Presidente A Psicologia em Ação 2 Galeria de fotos 3 Galeria de Fotos 4 Ser Presidente da Casa

Leia mais

3º seminário de Proteção Escolar. Diretoria de Ensino de São Vicente

3º seminário de Proteção Escolar. Diretoria de Ensino de São Vicente 3º seminário de Proteção Escolar Diretoria de Ensino de São Vicente GESTÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO MEDIAÇÃO ESCOLAR DO SÉC. XXI ELISABETE CANDIDA CAETANO DE SOUZA E.E. Dr. Reynaldo Kuntz Busch Praia Grande

Leia mais

CARLA EGÍDIO LEMOS PSICÓLOGA. Autoestima.

CARLA EGÍDIO LEMOS PSICÓLOGA. Autoestima. CARLA EGÍDIO LEMOS PSICÓLOGA Autoestima Autoestima A baixa autoestima é, infelizmente, um estado muito comum. As pessoas geralmente se sentem inseguras, inadequadas, com dúvidas constantes, não têm certeza

Leia mais

INSTRUÇÕES: Crédito imagem: metasinergia desenvolvimento de pessoas

INSTRUÇÕES: Crédito imagem: metasinergia desenvolvimento de pessoas Crédito imagem: metasinergia desenvolvimento de pessoas INSTRUÇÕES: As 12 seções da roda da vida representam um panorama global de sua vida ; Você deve apontar o seu nível se satisfação em cada seção,

Leia mais

DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM

DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM DISTÚRBIOS, TRANSTORNOS, DIFICULDADES E PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM Os termos distúrbios, transtornos, dificuldades e problemas de aprendizagem tem sido utilizados de forma aleatória, tanto na literatura

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

"OS ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS RELACIONADOS À AUTOESTIMA NO DIA-DIA PROFISSIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS".

OS ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS RELACIONADOS À AUTOESTIMA NO DIA-DIA PROFISSIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS. "OS ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS RELACIONADOS À AUTOESTIMA NO DIA-DIA PROFISSIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS". Palestrante: Valdney Roatt Delmaschio Alves. Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos

Leia mais

Trabalhando a ansiedade do paciente

Trabalhando a ansiedade do paciente Trabalhando a ansiedade do paciente Juliana Ono Tonaki Psicóloga Hospitalar Título SOFRIMENTO... principal Sofrimento humano como condição à todos; Cada um sente à sua forma e intensidade; Manifestação

Leia mais

ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA

ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA PROPOSTA PEDAGÓGICA DA ESCOLA SONHO DE CRIANÇA A visão de educação da Escola Sonho de Criança é de concepção humanista, já que valoriza o ser humano no desenvolvimento das suas potencialidades. Acreditamos

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes

Plano Anual de Atividades. Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes Mês Atividade/Tarefa Objetivos Intervenientes Setembro Integração e adaptação das Crianças Reunião de pais - Promover a (re)integração e adaptação das crianças à creche; - Proporcionar um ambiente que

Leia mais

Atividades Cooperativas

Atividades Cooperativas Atividades Cooperativas Acadêmicos: Luis Szczuk Shayda Muniz Tipos de Atividades: Individual; Competitiva; Semicooperativa; Cooperativa. Atividade Individual Nestas atividades/jogos não existe relação

Leia mais

ATENDIMENTO DE CASAIS

ATENDIMENTO DE CASAIS ATENDIMENTO DE CASAIS ÁREA DA INTERVENÇÃO PSICOTERÁPICA PROPOSTA DE AJUDA A PERCEIROS NO ENFRENTAMENTO DOS PROBLEMAS DE RELACIONAMENTO ENTRE ELES E SUAS DIFICULDADES PESSOAIS NECESSÁRIO EXAMINAR TODA SUA

Leia mais

Henry Wallon. Psicologia do Desenvolvimento Pedagogia 2º período Profª Renatha Costa ARQUIVO VI

Henry Wallon. Psicologia do Desenvolvimento Pedagogia 2º período Profª Renatha Costa ARQUIVO VI Henry Wallon Psicologia do Desenvolvimento Pedagogia 2º período Profª Renatha Costa renathakcosta@gmail.com ARQUIVO VI 2016.2 A gênese da inteligência para Wallon é genética e organicamente social. O ser

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA NO PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA NO PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA NO PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM AUTISMO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Márcia Eleotério da Silva Adriana Rodrigues Saldanha de Menezes Patrícia Blasquez Olmedo Prefeitura Municipal

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE

OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE OFICINA DE FUTEBOL MASCULINO E FEMININO TRABALHANDO MENTES E FORMANDO CIDADÃOS ATRAVÉS DO ESPORTE É sabido que através da prática esportiva, o indivíduo pode ser norteado a caminhos contrários a violência,

Leia mais

Serão as emoções importantes? Sim

Serão as emoções importantes? Sim As emoções Emoções Uma reação complexa a estímulos externos (mais frequentemente) e também a estímulos internos, que se traduz em reações fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afetivas, sentimentais

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Jesus Cristo revela três passos para a felicidade

Jesus Cristo revela três passos para a felicidade Jesus Cristo revela três passos para a felicidade Introdução O desejo de felicidade está enraizado profundamente em cada pessoa, infelizmente muitos não alcançam este objetivo. São diversos os motivos

Leia mais

RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE. Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012

RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE. Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012 RELAÇÕES INTERPESSOAIS: UM DEBATE NA DIVERSIDADE Profa. Elizabeth Toledo Novembro/2012 Homem: Ser Social Só existe em relação. Subjetividade e individualidade: se formam a partir de sua convivência social.

Leia mais

(Lopes Neto, 2005) Manual adaptado por Prof. Ms. Maria Lucia Dondon

(Lopes Neto, 2005) Manual adaptado por Prof. Ms. Maria Lucia Dondon BULLYING O Bullying pode ser entendido como um balizador para um nível de tolerância da sociedade com relação à violência. Portanto, enquanto a sociedade não estiver preparada para lidar com Bullying,

Leia mais

A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos

A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos A importância de recomendar a leitura para crianças de 0 a 6 anos AF357-15FIS_CampanhaPrescrevaumLivroItauCrianca_FOLHETO_19x23_V6.indd 1 29/09/15 01:22 2 Receite um livro A importância de recomendar a

Leia mais

Ecologia do desenvolvimento humano

Ecologia do desenvolvimento humano Ecologia do desenvolvimento humano U. Bronfenbrenner 1 A abordagem sistêmica de Bronfenbrenner: modelo bioecológico Ecologia do Desenvolvimento Humano Estudo científico da acomodação progressiva, mútua,

Leia mais

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo. Administração Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX COMPETÊNCIA INTERPESSOAL Qualquer organização que queira obter êxito não admite mais profissionais individualistas.

Leia mais

Brincadeiras no desenvolvimento cognitivo

Brincadeiras no desenvolvimento cognitivo Brincadeiras no desenvolvimento cognitivo Adailes 2016 Introdução Segundo Friedman (1996) Brincadeiras e jogos são considerados fatos universais, pois sua linguagem pode ser compreendida por todas as crianças

Leia mais

Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física

Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física Adolescência Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física Adolescência, do latim adolescere (crescer). É uma fase da vida que pode ser definida em sua dimensão histórica, política,

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Calendarização Actividades Objectivos Intervenientes Recursos Dia 2 de setembro Dias 21, 22, 23, 24, 25 e 28 de setembro Recepção das crianças à escola Reunião de pais e Encarregados de Educação Dia 23

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Iamara Harami E.E. Dona Irene Machado de Lima Diretoria de Ensino Região de Registro RESUMO: O presente trabalho visa que o aluno

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 TURMA: Nível 1 PERÍODO: 23/02 a 22/05 DISCIPLINA/PROFESSOR/A OBJETIVO CONTEÚDOS Viviane Bhoes Identidade e Autonomia * Reconhecer colegas e professores pelo nome; * Ampliar

Leia mais

CONSULTAS TRATAMENTO DESCRIÇÃO TEMPO VALOR PACOTES

CONSULTAS TRATAMENTO DESCRIÇÃO TEMPO VALOR PACOTES CONSULTAS TRATAMENTO DESCRIÇÃO TEMPO VALOR PACOTES Inner Coaching Sessões individuais para desenvolvimento do Eu Integral ou para orientação em áreas específicas da vida 1:30h 1ª sessão 80 Seguintes -------

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS GERAIS Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, a melhoria

Leia mais

Ao término desta unidade, você será capaz de:

Ao término desta unidade, você será capaz de: Aula 02 PRINCIPAIS ESCOLAS Objetivos de aprendizagem Ao término desta unidade, você será capaz de: Conhecer as principais escolas da Psicologia Compreender as principais Correntes teóricas da Psicologia.

Leia mais

Facing por Cristina Coltro

Facing por Cristina Coltro Facing por Cristina Coltro CENTRO DE PSICOTERAPIA SOMÁTICA EM BIOSSÍNTESE Sede: Av. 5 de Outubro, Nº 122 5º Esq 1050-061 Lisboa Portugal Tel. 21 793 5326 Sociedade por quotas Capital Social 5 000 Registo

Leia mais

A PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E O MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA OFICINA PROTEGIDA DE PADARIA DA APAE

A PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E O MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA OFICINA PROTEGIDA DE PADARIA DA APAE A PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E O MERCADO DE TRABALHO: UM ESTUDO SOBRE A INFLUÊNCIA DA OFICINA PROTEGIDA DE PADARIA DA APAE Tatiane Cristina Athayde Marques Glaucimara Pires Oliveira Universidade

Leia mais

Autoestima do Professor:

Autoestima do Professor: Autoestima do Professor: combustível para ensinar e aprender Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 Professa Confessa Abraça Adota a verdade o não-saber o compromisso de se re-inventar

Leia mais

Competência Interpessoal e Trabalho em Equipe. Rebeca Ribeiro de Barcellos, MSc.

Competência Interpessoal e Trabalho em Equipe. Rebeca Ribeiro de Barcellos, MSc. Competência Interpessoal e Trabalho em Equipe Rebeca Ribeiro de Barcellos, MSc. Interação humana Pessoas reagem às pessoas com as quais entram em contato: - Comunicam-se - Simpatizam e sentem atrações

Leia mais

Escrita. Por Ricardo Fonseca

Escrita. Por Ricardo Fonseca Escrita Por Ricardo Fonseca FUGA MEDOS GRATIDÃO MISSÃO Sonhos VIVER DOENÇA FAMÍLIA Amor DÚVIDAS PAIXÃO Escrever SAÚDE RECUPERAÇÃO TRISTEZA ABUNDÂNCIA PERDA Luto REALIZAÇÃO VITÓRIA FELICIDADE ABANDONO CRISE

Leia mais

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!!

O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! O QUE TE MOVE??? Ser Futura para ser Diretora!! OBJETIVO Compreender que para definir objetivos é preciso planejamento e disciplina e como fazer para realiza-los Compreender que para definir objetivos

Leia mais

SARA CARDOSO. Escolho Ser Feliz. Um guia para uma autoestima mais forte e uma vida mais positiva. Pergaminho

SARA CARDOSO. Escolho Ser Feliz. Um guia para uma autoestima mais forte e uma vida mais positiva. Pergaminho Escolho Ser Feliz SARA CARDOSO Escolho Ser Feliz Um guia para uma autoestima mais forte e uma vida mais positiva Pergaminho Aceitação em vez de negação A aceitação é o oposto da negação, ou da resistência

Leia mais

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática

CURSO SAÚDE VOCAL. Material de Apoio. Roteiro- aula 2. Desenvolvimento da voz. Teoria. Prática Programa de Educação Corporativa CURSO SAÚDE VOCAL Material de Apoio Roteiro- aula 2 Teoria 1. Desenvolvimento da voz: evolução da voz do neonato ao senescente 2. Psicodinâmica vocal: impacto psicológico

Leia mais

Crescimento, Desenvolvimento e Aprendizagem Motora. Profº Gil Oliveira

Crescimento, Desenvolvimento e Aprendizagem Motora. Profº Gil Oliveira Crescimento, Desenvolvimento e Aprendizagem Motora CONTEXTUALIZAÇÃO E TERMOS Comportamento Motor Comportamento Motor Para Go Tani: Estuda processos neuropsicológicos de organização motora em termos de

Leia mais

Análise do Artigo para leitura

Análise do Artigo para leitura Conflitos e gerações Análise do artigo solicitado para leitura; Conflitos geracionais no ambiente de trabalho; Stress e conflitos organizacionais; Stress, conflitos e doenças do trabalho. Prof. Dr. Alexandre

Leia mais

REGRAS GERAIS CONDUTOR

REGRAS GERAIS CONDUTOR 1 REGRAS GERAIS CONDUTOR DEFICIENTE CONDUTOR são as pessoas portadoras de deficiência física consideradas inaptas a dirigir veículos comuns, mas que, na forma da lei, são habilitadas a conduzir veículos

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart 11. Estágio personalismo (3 a 6 anos) A predominância funcional é AFETIVA (relações afetivas) e o conflito é de natureza endógena (centrípeta). Período de formação da personalidade, marcado por conflitos

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

MUDANÇAS COMPORTAMENTAIS. Delmar Reschke

MUDANÇAS COMPORTAMENTAIS. Delmar Reschke MUDANÇAS COMPORTAMENTAIS Delmar Reschke Delmar Reschke Pressuposto da PNL MUDANÇAS COMPORTAMENTAIS Delmar Reschke Delmar Reschke Pressuposto da PNL Corpo e mente são partes do mesmo sistema. PNL - Programação

Leia mais

Designação do Módulo: Técnicas de Animação

Designação do Módulo: Técnicas de Animação Módulo N.º 3258 Designação do Módulo: Técnicas de Animação Planificar e dinamizar a animação com caráter interdisciplinar, como forma de desenvolver competências e autonomias. Expressão livre e animação

Leia mais

Andréia de Conto Garbin

Andréia de Conto Garbin Andréia de Conto Garbin Promoção: DVST - CEREST ESTADUAL/SP São Paulo, 12 de novembro de 2015 O nexo causal dos Transtornos mentais relacionados ao trabalho e a importância da anamnese ocupacional Por

Leia mais

CONDUTOR NÃO CONDUTOR

CONDUTOR NÃO CONDUTOR 1 REGRAS GERAIS CONDUTOR DEFICIENTE CONDUTOR são as pessoas portadoras de deficiência física consideradas inaptas a dirigir veículos comuns, mas que, na forma da lei, são habilitadas a conduzir veículos

Leia mais

Auditoria DISC. Juan Prueba

Auditoria DISC. Juan Prueba Auditoria DISC Juan Prueba 26/03/2016 1 Introdução à metodologia D.I.S.C. Este relatório baseia-se na metodologia D.I.S.C. e o seu objectivo é o de ajudar aos processos de progressão e selecção. D.I.S.C.

Leia mais

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me

TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me TERAPIA RACIONAL EMOTIVA E COMPORTAMENTAL TREC Albert Ellis (1955) Gil Gomes - Me Fundador: Albert Ellis (1955) Principais motivos Decepção com os níveis de efetividade e eficiência das terapias psicanalíticas.

Leia mais

Principais Temas. Gosto 26/09/2015. Principais temas abordados por jovens vestibulandos na escolha profissional

Principais Temas. Gosto 26/09/2015. Principais temas abordados por jovens vestibulandos na escolha profissional Principais temas abordados por jovens vestibulandos na escolha profissional Pontifícia Universidade Católica de Goiás Prof.ª Ms. Otília Loth Principais Temas É imprescindível considerar variáveis psicológicas,

Leia mais

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil.

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Senhores pais ou responsável: Iremos iniciar as matrículas das atividades extracurriculares. INÍCIO DAS

Leia mais

Feedback. Conceito de. Sumário. Conceito de Feedback. Escuta ativa. Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR

Feedback. Conceito de. Sumário. Conceito de Feedback. Escuta ativa. Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR Sumário Conceito de Feedback Escuta ativa Obstáculos (dar / receber feedback) Feedback STAR Recomendações para eficácia de sua sessão de feedback Conceito de Feedback Feedback é o retorno que alguém obtém

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

Psicometria e análise de dados

Psicometria e análise de dados Psicometria e análise de dados 01 - A ansiedade do candidato à renovação da carteira nacional de habilitação frente á avaliação psicológica na cidade de Fortaleza. 02 - A avaliação da percepção emocional

Leia mais