Casos de Ensino em Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Casos de Ensino em Administração"

Transcrição

1 Casos de Ensino em Administração SINAF S SINAF SEGUROS Eduardo Santiago Spiller Mônica Ferreira da Silva RESUMO A SINAF, que até o ano 2002 era voltada à assistência funeral, adquiriu uma seguradora e passou a atuar no ramo de seguro de vida. No primeiro semestre de 2003, a primeira etapa da transição foi vencida, ou seja, o ritmo de negócios anterior foi atingido e o novo patamar mostrou-se compatível com a nova estrutura empresarial. Porém, além do crescimento do negócio incentivado pela própria estrutura montada, mostrava-se necessário pensar em uma forma de alcançar escala com o novo negócio. Palavras-chaves: estratégia de marketing; posicionamento; marketing mix; comportamento do consumidor; estratégias de crescimento. ABSTRACT SINAF, dedicated to the attendance funeral until 2002, acquired an insurance company and started to act in the life insurance branch. In the first semester of 2003, the initial stage of the transition was accomplished, in other words, the rhythm of previous businesses was reached and the new level was compatible with the new business structure. However, besides the growth of the business due to the restructuring, it was necessary to think a way of enlarging scale with the new business. Key words: marketing strategy; positioning; marketing mix; consumer behavior; growth strategy. RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004:

2 O D O DESAFIO DE IR ALÉM LÉM, NOS NEGÓCIOS DO OUTRO MUNDO UNDO Pedro Bulcão, executivo de criação, vinha dedicando boa parte de seu tempo em considerar como ampliar a escala do novo negócio sob sua gestão. Nos momentos de distração, ou quando precisava parar para pensar um bocado e buscar inspiração costumava sair para navegar em seu veleiro na Costa Verde - litoral do Estado do Rio de Janeiro - e assim, ao sabor das ondas, as idéias iam fluindo. A SINAF Assistencial, empresa sob sua gestão, que até o ano 2002 era voltada à assistência funeral, adquiriu uma seguradora e passou a atuar no ramo de seguro de vida. No primeiro semestre de 2003, a primeira etapa da transição foi vencida, ou seja, o ritmo de negócios anterior foi atingido e o novo patamar mostrou-se compatível com a nova estrutura empresarial. Porém, além do aumento incentivado pela própria estrutura montada, mostrava-se necessário pensar em uma forma de alcançar escala com o novo negócio. As classes B2, C e D, bastante conhecidas por Bulcão, em razão de seu antigo negócio, representavam uma parcela do mercado pouco explorada pelo ramo de seguros. Aproveitando sua experiência anterior, o executivo resolveu manter este público no negócio de seguros. Deste modo, deveria praticar preços baixos, em razão da renda limitada de seus potenciais clientes e oferecer estímulos à força de vendas, de maneira a promover a ampliação da massa de clientes, a despeito das comissões mais baixas do que aquelas geralmente praticadas no ramo e do maior tempo necessário para orientar os potenciais clientes, a fim de fazer com que o valor do seguro de vida fosse percebido e tangibilizado. Como dizia Bulcão, seguro de vida é um negócio sempre vendido, nunca comprado. O retorno do final de semana da Costa Verde coincidiu com a necessidade de encontrar a melhor resposta para a pergunta: como ampliar os negócios da SINAF Seguros, tendo como base o segmento trabalhado pela SINAF Assistencial? Havia mercado para crescer, porém este mercado não estava consciente da necessidade do serviço, e boa parte dele não possuía as condições mínimas para compreender os conceitos envolvidos no negócio. Várias questões subjacentes desafiavam Bulcão, diretor executivo da SINAF: Como sensibilizar o público-alvo e desenvolver sua percepção para a necessidade de adquirir um seguro de vida? Quais os canais adequados para atingir esse público? Como superar ou contornar as barreiras enfrentadas no segmento, como o baixo nível educacional? Como transmitir o conceito de seguro 214 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

3 para esse público? Como motivar os corretores, a fim de alcançar maior velocidade e volume de vendas? A T A TRAJETÓRIA DE BULCÃO Até 1993, Pedro Bulcão, era um conceituado diretor de filmes publicitários, havendo dirigido filmes para grandes marcas, entre as quais: Revlon, Ceras Johnson, Castrol e Fleishman Royal. A partir de então ocorreu a grande guinada de sua carreira, ao ser chamado por seu pai, advogado e empresário de um grupo de empresas do ramo funerário - uma empresa especializada em assistência funeral, uma funerária e uma floricultura - para associar-se a ele em um novo negócio. Bulcão passou a analisar a compra em sociedade de um cemitério parque no Rio de Janeiro, sem imaginar o quanto passaria a se dedicar aos negócios do outro mundo, maneira bem-humorada com que se referia. A crescente dedicação à gestão das empresas fez Bulcão se afastar da carreira de publicitário, uma vez que o crescimento dos negócios exigia maior rigor e atenção gerencial. A experiência adquirida ao longo do tempo em que se dedicou à direção cinematográfica, que incluía lidar com pessoas, idéias, conceitos e imagens voltados à divulgação de produtos e de marcas, exercendo influência sobre a opinião e o comportamento dos consumidores, foi fundamental à nova carreira. A vivência adquirida nos tempos de estudante nos EUA foi também importante para forjar o espírito independente e empreendedor. Acostumado a problemas complexos que exigiram inspiração, espírito criativo e sangue-frio na ousadia em anunciar seu negócio, Bulcão considerava o novo dilema determinante para o rumo da empresa, pois a maneira de lidar com as novas atividades da SINAF poderia implicar significativa modificação em relação à forma com que se acostumara a tratar a comunicação e as ações de vendas de serviços de assistência funeral. O N O NEGÓCIO ORIGINAL O Grupo Uni-SINAF era constituído por quatro empresas dedicadas a atividades RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

4 voltadas a serviços funerários, e controlado por uma holding gerida por herdeiros de um de seus fundadores, pai de Pedro Bulcão. Além de Pedro, sua mãe participava dos negócios. No mercado há mais de 20 anos, a principal empresa era, até 1992, a SINAF Assistencial S.A., uma empresa de porte médio, especializada em prestar serviços de assistência funeral, que acabou se tornando referência no ramo, ao revolucionar o conceito deste serviço no Brasil. A SINAF Assistencial S.A. era responsável por providenciar e pagar o funeral em nome das famílias, com comodidade e conforto, reduzindo o trauma por elas enfrentado, segundo Bulcão. Com o início da participação de Bulcão, a SINAF Assistencial foi preparada para o lançamento das campanhas publicitárias através das quais ganhou notoriedade. Participo da gestão da Assistencial desde 1995, quando começamos a preparar a empresa para o crescimento. Em 1996, houve o lançamento da primeira campanha ( como planejar a morte da sua sogra ), mas o dever de casa já havia sido feito, na área de reformulação de produto, reorganização de pessoal, revisão de processos, etc., informava o diretor. A diferenciação era a estratégia genérica adotada pelo grupo, caracterizada por seus planos sem limite de idade, além da garantia de traslado em todo o País, com destino ao município de domicílio do associado, além de dispor de estrutura própria de atendimento 24x7 vinte e quatro horas, sete dias por semana. Os serviços eram prestados em todo o País, porém a comercialização e a comunicação eram restritas ao Estado do Rio de Janeiro. Para a empresa, a estratégia adotada era decisiva para a consolidação de sua marca. Por essa razão, Bulcão ao desenvolver o programa de marketing da empresa, com o apoio de sua equipe, transformou um produto de difícil venda em marca regional de grande reputação. Fazer parte de um grupo empresarial permitiu potencializar a operação assistencial. O grupo SINAF contava com 280 funcionários, 45 destes trabalhando especificamente na SINAF Assistencial, além de, aproximadamente 60 corretores que foram transferidos, quando da criação da seguradora, para a corretora Vital Latina, uma nova operação do grupo. Os demais funcionários atuavam nas áreas de suporte, atendendo às diversas unidades de negócio do grupo, ou em unidades de negócio, como o cemitério ou a funerária. O modelo de organização adotado e as alterações efetuadas para a implantação da seguradora são mostrados no Anexo I. As receitas operacionais da SINAF Assistencial alcançavam cerca de R$ 13 milhões anuais (ver Anexo II) e sua carteira vinha crescendo à razão de 25% ao ano, chegando a atender cerca de 500 óbitos/mês, totalizando aproximadamente 216 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

5 atendimentos realizados. Sua carteira era composta por cerca de 300 mil clientes ativos, pouco antes da mudança. Em 2001, a SINAF já atingira a posição de empresa líder do ramo, considerada por seu diretor, confiável, ágil e inovadora. O slogan empregado para a divulgação de sua marca era: Conforto e segurança no momento mais difícil da vida. As características dos serviços, aliadas ao fato de que preferivelmente estes somente seriam oferecidos aos seus clientes a longo prazo, requeriam a adoção de estratégias que integravam foco, diferenciação e tangibilização, visando desenvolver uma marca capaz de transmitir confiança e segurança, atributos valorizados pelo seu público-alvo, segundo seus executivos. As características do negócio determinaram a necessidade de considerar e desenvolver meios capazes de auxiliar a superação de importantes obstáculos, como classificou Márcia Almeida, gerente de marketing da empresa:. A morte, que as pessoas tentavam evitar e vencer por meio da negação de sua ocorrência, representando um tabu.. A superstição, que contemplava presságios e idéias fantasiosas, como mal agouro ou azar, que povoavam o inconsciente coletivo independente do nível sóciocultural dos indivíduos.. A falta de cultura previdencial, que decorria da não percepção por parte do mercado da necessidade de segurar o risco envolvido.. O fato de que mesmo as pessoas que reconheciam tal necessidade, supunham que o produto fosse caro demais.. O preconceito que era representado pela resistência manifesta pelas pessoas em adquirir um produto do qual não iriam usufruir.. A exploração do mercado. O custo de gerar o ciclo da venda que incluía a criação da consciência, a promoção do conhecimento, a provocação do interesse, o despertar da simpatia, a formação de convicção e a indução à compra do produto, era muito elevado, fazendo com que as empresas do setor se dedicassem a tarefas menos onerosas.. O tíquete médio baixo, uma vez que o preço médio pago por pessoa no plano funeral era de R$4,00. Tendo em vista o custo operacional da obtenção de cada novo cliente e os constantes investimentos em tecnologia, marketing e treinamento e desenvolvimento (T&D), muitas vezes o aumento da parcela de RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

6 mercado não se justificava, a menos que houvesse também um aumento da receita por cliente. O Anexo III retrata, por intermédio das campanhas de comunicação empregadas pela SINAF Assistencial, a forma descontraída e irreverente de abordar o antigo negócio, própria de seu diretor. O N O NOVO NEGÓCIO Apesar de os números estarem progredindo bem, Bulcão identificava a possibilidade de diversificar e ampliar os negócios, tomando por base as seguintes premissas:. O fato de que a assistência funeral não era uma atividade regulamentada.. O fato de que o ramo de seguros estava num ambiente jurídico melhor definido e mais familiar do ponto de vista do consumidor (Anexo IV).. A possibilidade de desenvolver o mercado de seguros, área cuja ação era tradicionalmente conservadora e, em sua opinião, usualmente pouco atenta às reais necessidades do segurado.. A possibilidade de fazer crescer os resultados, a parcela de mercado e o tíquete médio.. O interesse e a capacidade de buscar a ampliação da carteira de negócios. A partir das premissas indicadas, foi tomada a decisão de criar a SINAF Previdencial Cia. de Seguros, especializada no ramo de vida, que trouxe ao mercado um novo conceito de seguro: O Seguro de Assistência. Pedro realçava que, enquanto atuava como assistência funeral, vendíamos caro, para poucos. Com a reformulação do produto passamos a vender barato para muitos, o que, associado a uma comunicação adequada, levou a uma melhora expressiva da qualidade atuarial da carteira de clientes. O Seguro de Assistência tinha por propósito ir além do pagamento de uma indenização, oferecendo mais benefícios do que um seguro de vida comum, por intermédio de uma gama de serviços mais ampla que incluía:. A manutenção temporária da cobertura em caso de desemprego do titular; 218 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

7 . Antecipação de recursos para despesas emergenciais;. Parcelamento da indenização do valor segurado, visando garantir melhor administração dos recursos por parte dos beneficiários, entre outros benefícios;. Antecipação em caso de estado terminal. Assim, a SINAF, líder no mercado de assistência funeral, teve transformado o seu negócio principal em atividade seguradora, porque passaria a estar inserida em um ambiente melhor definido sob o ponto de vista comercial e jurídico. Os aspectos éticos e a preocupação com as regras do jogo eram marcantes na personalidade de Bulcão: uma delas era oferecer mais do que a assistência aos familiares do associado em um dos dias mais difíceis de suas vidas, conforme já vinha fazendo por intermédio da SINAF Assistencial. O fato de o negócio da assistência funeral não ser regulamentado foi determinante para a migração para o ramo de seguros, que apresentava também maiores perspectivas de crescimento. Foi possível ainda inferir que o ramo de seguros se mostrava mais adequado aos seus propósitos, promovendo ainda a diluição do risco do negócio e do mercado. Em 1999, como forma de agilizar o processo, foi adquirida pelo grupo uma seguradora. A SINAF é audaciosa e irreverente na forma de comunicação, porém conservadora e séria em sua gestão, conforme Bulcão. A despeito da complexidade das operações de uma empresa seguradora, a SINAF já empregava cálculos atuariais, promovia a formação de reservas e a capitalização de recursos desde A pouca regulamentação da atividade assistencial foi determinante para a formação de reservas ainda maiores do que é geralmente exigido ao mercado segurador. Descrita como uma companhia do outro mundo, a SINAF não queria ser percebida apenas como mais uma seguradora, a partir do início das operações de suas novas atividades. Bulcão costumava dizer que: nossa vocação é ser muito mais para as pessoas do que nós somos hoje. Assim, pretendia ver a empresa focada segundo os seguintes aspectos:. Eficiência na oferta de serviços de qualidade.. Abordagem inusitada do tema, no ramo de seguros.. Dedicação a segmentos pouco explorados classes B2, C e D, definidas segundo critério de faixa de renda. RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

8 . Disposição para enfrentar um mercado conservador, poderoso, consolidado e concentrado. A escolha do público-alvo decorreu do fato de que este era pouco interessante para os bancos, pois possuía pouca capacidade financeira para as operações bancárias, as quais eram orientadas para um público de maior poder aquisitivo, especialmente em relação a seguros. Já as seguradoras ofereciam, especialmente, serviços de seguros de automóveis, também dirigidos a um segmento mais aquinhoado. Como afirmava Bulcão: Seguros como os oferecidos pela SINAF apresentam um baixo tíquete médio, o que torna o público e o negócio desinteressantes para essas entidades. Tudo isso contribui para a pouca expressão da modalidade de vida do ramo de seguros, o que é um contra-senso em um país que possui um sistema previdenciário público inadequado. No final do segundo semestre do ano 2002, a SINAF Previdencial Cia. de Seguros foi apresentada ao mercado como a Seguradora que entende de pessoas e divulgou seu produto por intermédio do slogan: Seguros para uma vida melhor lançando inicialmente uma linha de produtos definida como: O seguro que você pode pagar. Ao se decidir pelo início das operações da seguradora, Bulcão estancou completamente a comercialização dos serviços de assistência funeral, um produto em franco crescimento. Tinha início a oferta de um produto mais abrangente, que agregava a assistência funeral ao seguro de vida. Um traço da personalidade de Bulcão era a preocupação manifesta em ser útil à sociedade. A ampliação dos negócios possibilitava atender às famílias dos seus clientes não apenas no dia do funeral, como também nos dias subseqüentes. Esta postura veio ao encontro de uma necessidade latente do mercado. Havia produtos dirigidos aos funerais e produtos dirigidos a garantir a manutenção da qualidade de vida dos familiares posteriormente à morte ocorrida. A SINAF reuniu em um só produto a solução para os problemas que acompanhavam um sinistro, oferecendo ainda outros benefícios. Os interesses do executivo iam além do senso de coletividade. A preocupação com as pessoas era outra de suas características. O foco dirigido às classes B2, C e D requeria esforços para desenvolver a percepção da necessidade de um serviço de seguro. O executivo defendia a idéia de que um seguro de vida era ainda mais importante para aqueles que não possuíam um ativo familiar que permitisse amenizar momentos de crise. Outro desafio enfrentado era oferecer um produto acessível ao público pretendido pela empresa. 220 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

9 A nova empresa não mudou de público-alvo. A forma e o tom da comunicação caracterizada pela irreverência, também permaneceram inalteradas. O produto sofreu modificações agregando novos valores, tornando-se mais abrangente e comercial, pelo acréscimo do seguro de vida à assistência funeral. Porém, o ambiente externo permanecia extremamente conservador e o público-alvo não apresentava uma postura de valorização do produto, julgando-o, também, inacessível. Promover a comunicação do novo serviço ao público focado não era tarefa fácil, tanto que a força de vendas foi orientada a buscar novos clientes em lugar de estimular a adesão dos clientes antigos, pois seria necessário despender muito tempo para explicar aos antigos clientes as modificações introduzidas no serviço, inclusive quanto às restrições e carências. Conceitos como estes eram de difícil absorção por um público pouco acostumado a questões mais complexas. Outra razão para o não aproveitamento da antiga base de clientes era que o comissionamento dos corretores seria pouco atraente, uma vez que o tempo gasto para explicar as diferenças entre os serviços não seria compensado pela baixa remuneração referente ao diferencial de valor do prêmio. Considerando que o mercado nas classes B2, C e D era muito grande, a melhor opção foi buscar novos clientes. O reposicionamento do negócio foi tratado com muita cautela pela empresa. Três anos de trabalho foram gastos antes de dar início à nova atividade. Foram realizadas pesquisas junto ao público-alvo, que resultaram na oferta de planos com coberturas para segurados em idades mais avançadas e valores mais ajustados às possibilidades dos clientes. Essas pesquisas permitiram também identificar maior aceitabilidade do produto de seguros em comparação à assistência funeral, atingindo inclusive um público mais amplo. Foram necessárias reestruturações internas e uma campanha de marketing compatível com a imagem da marca, ou seja, ousada para o ambiente segurador. Os Anexos I e V apresentam respectivamente informações referentes às modificações ocorridas na estrutura da empresa, às pesquisas de mercado realizadas e as campanhas de comunicação da SINAF seguros. A estrutura construída para a transformação em seguradora permitia, e até requeria, a ampliação do negócio, não em termos de tíquete médio, mas em termos de volume de operações concretizadas. A SINAF Assistencial possuía uma carteira superior a clientes ativos. O crescimento em 2002 foi da ordem de a novos associados por mês. Com este ritmo e sem maiores alterações na estrutura, a empresa previa triplicar sua capacidade de produção até 2004, conquistando de a novos segurados por mês. Uma vez RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

10 vencidas as etapas de transição e de acomodação à nova estrutura, o momento seguinte seria propício para planejar o crescimento da empresa, quando as idéias para aumentar a escala seriam imprescindíveis. O C O COMPOSTO DE MARKETING No início das operações da seguradora, poucos produtos foram oferecidos, porém a diversificação estava em vista. Um dos primeiros produtos que seriam lançados pela seguradora era o Seguro de Assistência SINAF Família, com ampla abrangência, em termos do grau de parentesco e limites de idade, contemplando as seguintes coberturas: Os pacotes possibilitavam a inclusão de pais e sogros como dependentes para a cobertura do seguro de vida e da assistência funeral, além de limites de idade mais amplos do que os praticados pelo mercado - até 70 anos de idade para o segurado principal e até 80 para seus dependentes. Havia também produtos voltados para nichos como o religioso (SINAF Família Cristã), o das associações de classe e sindicatos e o do segmento corporativo (SINAF Soluções Corporativas) para micro, pequenas, médias e grandes empresas; além de produtos de acidentes pessoais e educação. 222 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

11 O grupo SINAF dispunha de uma corretora, a Vital Latina que, em conjunto com seis outras plataformas de atendimento a corretores, chamadas representações, atendiam às necessidades imediatas da SINAF Seguros. A corretora ligada ao grupo era responsável por 90% das vendas, que deveriam ficar situadas ao nível de 50%, após o aumento das atividades das demais corretoras interessadas. As corretoras parceiras eram escolhidas pela área comercial, a qual oferecia treinamento, softwares, material de suporte à venda, atendimento pessoal, comissionamento, campanhas de incentivo às vendas, site para consultas e simulações e indicações de clientes. Estava em fase de desenvolvimento a promoção de vendas on line, principalmente para o segmento B-to-B. A Promoção, em especial a propaganda, é a pedra de toque. Como o negócio e o assunto eram fora do comum, foi necessário encontrar uma forma criativa, irreverente e polêmica para abordá-los. Para potencializar o impacto das campanhas, inclusive por motivos de ordem financeira, cada pessoa que as visse deveria comentar a respeito com várias outras, de modo a tornar a marca o mais conhecida possível, considerava Bulcão. A SINAF acreditava que a presença na mídia ajudava a superar as dúvidas e as desconfianças das pessoas que pensavam em adquirir o seu produto, especialmente pelo seu perfil de longo prazo. O público devia se sentir motivado e ver presente a marca. Além disso, uma boa comunicação poderia causar um impacto significativo sobre a motivação da força de vendas e sobre a visão que o mercado tinha a respeito da empresa, elevando seu valor. Para Bulcão a comunicação devia ser objetiva, pois o público-alvo não dispõe de poder de abstração. A falta de recursos, própria da sua realidade diária, impõe a concretude do pensamento. A campanha publicitária para o lançamento da seguradora foi orçada em R$ 3 milhões e contou com dois filmes para televisão dirigidos por um dos diretores de maior prestígio no mundo no ramo de filmes publicitários. O investimento anual em propaganda vinha sendo da ordem de R$ 800 mil, mas em função do lançamento da seguradora, esta verba foi significativamente ampliada. O mix de comunicação empregado era composto por mídia de massa (outdoors, busdoors, tv, rádios, jornais), mídia de ponto de venda (stands, displays, banners) e one to one (ações de marketing-direto). O recall era considerado surpreendente e até mesmo o mercado publicitário reagia favoravelmente, concedendo prêmios e referências espontâneas na mídia. A política de preços adotada era considerada fundamental para a sobrevivência RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

12 e para o crescimento da empresa, sendo orientada pelo comportamento dos clientes e pelas informações obtidas junto aos corretores. A composição de preços, além de estar sujeita às tábuas de mortalidade recomendadas pela SUSEP, era muito afetada pelos percentuais de comissionamento concedidos aos corretores e pela eficiência da gestão da companhia. Embora não buscasse diferenciação por preços menores, a SINAF vinha conseguindo se destacar como uma seguradora que oferecia O Seguro que você pode pagar, em decorrência da adequação da combinação das coberturas para o seu público-alvo e dos baixos capitais segurados que colocava à disposição do público. A gerente de marketing da empresa, Márcia Almeida, destacava que: Por R$12,28 mensais, uma família de idade média pode dispor de um capital segurado de R$5 mil, além do serviço completo de assistência funeral, e por R$18,67 o capital segurado passa para R$10 mil, incluindo a cobertura de assistência funeral para os ascendentes. Bulcão reforçava: Nossos preços não são baratos. São acessíveis, coerentes com as classes a que se destinam. Além disso, preços mais baixos esbarrariam no preço relativo das tarifas estabelecidas para a cobrança de operações bancárias, o que dificulta a redução de preços e a percepção de valor do serviço, ao se aproximar do valor praticado para a cobrança bancária. O posicionamento de preço fora destacado em alguns jornais, revistas e sites de notícias. O P O PROBLEMA ENFRENTADO Ao longo de cerca de vinte anos a SINAF vinha lutando para construir uma marca capaz de transmitir conceitos de valor, como segurança, proteção, qualidade, disponibilidade e eficiência, junto ao seu público-alvo. Com a criação da companhia de seguros, o foco dos negócios da empresa se deslocou do plano de assistência funeral para o seguro de vida. A alta direção do Grupo não estava disposta a abrir mão do valor agregado à marca ao longo do tempo. Todavia, havia o receio de impregnar o novo negócio com conteúdo funéreo, o que poderia não ser interessante ao reposicionamento. Para maior segurança na decisão foram realizadas pesquisas de mercado, empregando também a técnica de grupo de foco, havendo sido confirmada a 224 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

13 percepção de valor da marca, decidindo-se por manter o nome SINAF para a nova companhia seguradora (Anexo V). Os resultados também indicaram que o público-alvo da SINAF se sentia mais próximo do plano de assistência, do que do seguro, pois acreditava que o seguro não era um tipo de produto acessível ao seu orçamento. A irreverência que caracterizou as campanhas de comunicação, e tornou a empresa conhecida, foi mantida nas campanhas da seguradora. Em relação à seguradora, não há nenhum inconveniente em manter o humor na comunicação. O defunto é que tem que sair um pouco de cena, destacava Bulcão, com humor. O problema referente à criação de um conceito de produto, claro e acessível para seus clientes, que ajudasse a explicar a importância do seguro e, além disso, diferenciasse e favorecesse a identificação de sua marca com os clientes deveria ser enfrentado. Porém, a empresa esbarrava em algumas limitações referentes ao próprio segmento com o qual optou trabalhar. Bulcão ilustrava os problemas enfrentados da seguinte forma: A adesão ao seguro é fácil, pois devem ser respondidas 4 ou 5 perguntas. Porém escrever a frase afirmando que estão em boas condições de saúde é um problema. Pode ser contornado fazendo uma cruz, porém assinar a proposta é em si constrangedor, pois grande parte das pessoas mal consegue escrever o próprio nome e se sente acanhada por isso. A SINAF estava, assim, diante dos seguintes desafios:. O negócio de seguros de vida era, por natureza, sempre vendido e nunca comprado, como afirmava Pedro Bulcão.. O segmento requeria maior tangibilização do serviço, para que percebesse seu valor e se dispusesse a pagar por ele.. Era necessário fazer com que o segmento percebesse que estava diante de um serviço acessível. A percepção do público-alvo era de que o serviço oferecido não era compatível com seu poder aquisitivo.. Os corretores necessitavam empregar com mais afinco suas habilidades, apesar de receberem uma comissão inferior à praticada por outras seguradoras, devido ao baixo valor do tíquete médio. Estes desafios pareciam estar dispostos ao longo do horizonte, enquanto Pedro Bulcão, pensativo, mantinha o curso do leme de seu barco. O final do domingo se anunciava com o sol repousando no firmamento. Era hora de voltar e estabelecer RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

14 a nova rota que deveria ser seguida por sua empresa em um mar ainda não navegado. OBJETIVOS EDUCACIONAIS Discutir questões relacionadas com estratégia de marketing, posicionamento, marketing mix, comportamento do consumidor, ampliação de mercado consumidor, ambiente de marketing, estratégias de produto-mercado, marca, comunicação, imagem, análise SWOT e estratégias de crescimento. FONTES DE OBTENÇÃO DOS DADOS Os dados para elaboração deste caso foram obtidos por meio de trabalho de campo e de pesquisa documental, incluindo a monografia elaborada pela gerente de marketing da empresa, sra. Márcia Denise de Souza Ponte e Almeida. UTILIZAÇÃO RECOMENDADA Caso recomendado para uso em programas de mestrado em Administração e de formação executiva. 226 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

15 NEXO 1: E ANEXO HUMANOS 1: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE RECURSOS A estrutura organizacional do Grupo SINAF seguia um modelo em que as áreas de suporte atendiam as diversas unidades de negócio. A estrutura atual pode ser vista a seguir: O controle da organização era detido pela Java Participações Ltda., holding que reunia os herdeiros de um dos fundadores. O poder de decisão, formalmente nas mãos de Pedro Bulcão, era apoiado por um conselho informal composto por sua mãe, um de seus irmãos e um primo. Além da diretoria da holding, Pedro acumulava as diretorias executivas das empresas, com exceção da SINAF Seguros e da Corretora. A SINAF Seguros contava com um diretor técnico e Pedro atuava como diretor comercial. Já a Corretora possuía uma diretoria técnica e outra operacional ocupadas por profissionais especializados. As Unidades de Negócio eram clientes das áreas de suporte. A prioridade de atendimento era administrada pelo gerente de cada área, não havendo priorização, conforme a unidade de negócio, ou conforme o cargo do solicitante. RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

16 O início da operação de seguros fez com que a estrutura inicial do grupo fosse formalizada e amadurecida sofrendo as seguintes alterações (já retratadas no organograma apresentado):. Substituição dos serviços externos de contabilidade com a criação de um departamento.. Criação de uma área de RH com maior investimento e autonomia, responsável por reforçar a estrutura de pessoal, com a contratação de novos funcionários. Todos os funcionários do grupo (inclusive de unidades de negócio como a funerária) receberam treinamento, quando da mudança para seguradora, a fim de homogeneizar o comportamento dos empregados. O Departamento de Pessoal permaneceu com as atividades burocráticas relacionadas a pagamentos, desligamentos, admissões, etc.. Criação de uma área de administração financeira, operando entre Pedro e as demais áreas de suporte, visando mensurar os resultados.. Criação do departamento de marketing.. Reformulação da área de informática, em hardware e software. Foi montada uma base tecnológica que permitia a expansão geográfica do grupo com maior facilidade, utilizando recursos de telecomunicações e envio de dados on line.. Reformulação da unidade de negócio de assistência funeral, a fim de atender às exigências de uma seguradora. Foi criada uma diretoria técnica que contava, pela primeira vez, com um diretor estranho à família controladora.. Reformulação do departamento de vendas, com a criação da corretora Vital Latina, para a qual foi transferida toda a força de vendas da antiga SINAF Assistencial. Todos os vendedores foram treinados e habilitados a trabalhar com seguros de vida, conforme norma da SUSEP. Segundo informações prestadas pela gerente de marketing da SINAF, S ra Márcia Almeida, o grupo SINAF exigia o terceiro grau para os cargos de chefia e para alguns departamentos específicos. Para as demais funções técnicas, a exigência na decisão de novas contratações era o segundo grau, em consonância com uma iniciativa do grupo SINAF de montar salas de Telecurso de 1 o e 2 o graus, para nivelar todos os funcionários. Eram oferecidos incentivos aos estudos relacionados à função desempenhada pelos profissionais, sendo custeados 50%, 75% ou 100% das mensalidades, bem como cursos de atualização, além de ser estimulada a participação em seminários e congressos. 228 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

17 As premiações e a remuneração variável estavam restritas ao departamento comercial. A área de RH vinha trabalhando na elaboração do Plano de Carreiras. Os benefícios oferecidos pelo grupo SINAF eram: seguros saúde, de vida e de assistência funeral, assistência odontológica, ticket alimentação e vale-transporte. Eram promovidas ações de marketing interno, com o concurso das gerências de RH e de Marketing. RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

18 NEXO 2: I ANEXO 2: INFORMAÇÕES FINANCEIRAS Informações que retratam a evolução dos resultados da SINAF Assistencial durante o período de implantação do negócio de seguros de vida. 230 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

19 NEXO 3: C DA SINAF A ANEXO 3: CAMPANHAS DE COMUNICAÇÃO DA SINAF ASSISTENCIAL Os anúncios veiculados em outdoors, busdoors e jornais. RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun

20 NEXO 4: A INDÚSTRIA ANEXO BRASIL NDÚSTRIA E O MERCADO DE SEGUROS DE VIDA NO A necessidade de experimentar a sensação de segurança acompanha o ser humano desde os primórdios da civilização. O aperfeiçoamento das relações sociais levou à criação de formas de proteção do patrimônio, que resultaram na criação do seguro, que operava como um artifício para constituir uma proteção sob a forma de reserva econômica, dedicada à diluição do risco de um imprevisto que pudesse causar lesão aos bens protegidos. O seguro, em sua forma aperfeiçoada, passou a ter por propósito o restabelecimento da condição econômica do segurado, prejudicada pela ocorrência de um sinistro. Até meados do século XIX, o seguro de vida era proibido pelo Código Civil Brasileiro. A única exceção eram os escravos, tratados pela lei como coisas passíveis de propriedade. A partir de 1855 foi autorizado o funcionamento da Tranqüilidade, a primeira empresa a fazer seguro de vida tanto de pessoas livres como de escravos. A partir de 1992, uma série de medidas desreguladoras do mercado foi baixada. A Lei 6051/92 promoveu as modificações pretendidas, passando a permitir maior autonomia de preços às seguradoras, em decorrência da adoção do acompanhamento atuarial. Assim, as seguradoras que carregassem menor nível de risco em suas carteiras poderiam repassar aos preços as reduções de custos, levando a uma guerra de preços e à modificação nas posições do ranking das seguradoras. As empresas rapidamente buscaram ajustar os seus custos, de modo a se manterem competitivas. Outro efeito da desregulamentação foi o aumento do número de seguradoras, passando de 96 empresas em 1985, para 127 em Não obstante, o grau de concentração na indústria se manteve elevado, com as cinco maiores empresas respondendo por mais de 50% do faturamento total da indústria. Apesar de quatro das cinco empresas pertencerem a conglomerados bancários, somente cerca de 21% dos seguros eram comercializados pela rede bancária. A maior parte das vendas era efetuada por corretores. As empresas menores optaram por uma política de marketing voltada para a especialização, restringindo-se em sua maioria à atuação regional. 232 RAC, v. 8, n. 2, Abr./Jun. 2004

Casos de Ensino em Administração

Casos de Ensino em Administração Casos de Ensino em Administração SINAF SEGUROS Eduardo Santiago Spiller Mônica Ferreira da Silva RESUMO A SINAF, que até o ano 2002 era voltada à assistência funeral, adquiriu uma seguradora e passou a

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

+ BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES

+ BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES + BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES CDL CARTÕES +FACILIDADE Com o objetivo de oferecer soluções para facilitar a vida dos associados e seus funcionários, a FCDL-MG se uniu à Valle Express,

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

Quando uma questão é específica procure um especialista.

Quando uma questão é específica procure um especialista. Quando uma questão é específica procure um especialista. Sou Consultor Especialista no Ramo Financeiro formado na Àrea de Contabilidade e Credenciado junto à Superintendência de Seguros Privados, com registro

Leia mais

2010 Começa a expansão. 11 de Setembro. Aquisição Internacional da. Sinistros pagos em. Alico MetLife (US)

2010 Começa a expansão. 11 de Setembro. Aquisição Internacional da. Sinistros pagos em. Alico MetLife (US) Breve Histórico 1868 Início das atividades 1912 Centro de Apoio aos sobreviventes do Titanic 1931 Financiamento do Empire State e do Rockfeller Center 1945 Financiamento aos Aliados durante a Segunda Guerra

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

A Corretagem como Negócio

A Corretagem como Negócio A Corretagem como Negócio Robert Bittar, Presidente, FENACOR www.fenacor.com.br XVI Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros Florianópolis, Santa Catarina - Outubro/2009 Mudando o Conceito Corretor

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Publicidade de bebidas alcoólicas - Novos rumos perante legislação Cássio Zill Henke * As discussões envolvendo a modificação do conceito de bebidas alcoólicas previsto no artigo

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional, a facilidade de acesso ao crédito e as ações do governo para incentivar o consumo

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

Tranquilidade em vida. Quem precisa tem. SEGURADORA

Tranquilidade em vida. Quem precisa tem. SEGURADORA Tranquilidade em vida. Quem precisa tem. SEGURADORA Quem somos A BMG Seguradora S.A. iniciou suas atividades em outubro de 1977 sob a denominação social de CONAPP - Companhia Nacional de Seguros, quando

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006 Operadora: Bom dia a todos. Sejam Bem Vindos à Teleconferência da S.A. para a discussão dos resultados referentes ao segundo trimestre de 2006. Estão presentes no evento os Srs. Casimiro Blanco Gómez,

Leia mais

menu No dia 17/12/1953, em Uberlândia (MG), é inaugurado o Armazém de Secos e Molhados Borges Martins, a primeira empresa Martins.

menu No dia 17/12/1953, em Uberlândia (MG), é inaugurado o Armazém de Secos e Molhados Borges Martins, a primeira empresa Martins. Versão Completa No dia 17/12/1953, em Uberlândia (MG), é inaugurado o Armazém de Secos e Molhados Borges Martins, a primeira empresa Martins. Borges Martins começa a atuar no Planalto Central. Os excedentes

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL 2011 Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL ÍNDICE Evolução de TI... 4 Metodologia... 6 Foco... 8 Conclusão 1: As diferenças entre expectativas e realidade revelam a evolução

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

Competitividade: uma barreira instransponível?

Competitividade: uma barreira instransponível? Competitividade: uma barreira instransponível? Alfredo Fonceca Peris A discussão sobre a importância do setor industrial para o crescimento e o desenvolvimento da economia brasileira ganhou um novo capítulo

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Gestão de Benefícios

Gestão de Benefícios Gestão de Benefícios 2EASY GESTÃO DE BENEFÍCIOS A 2Easy Benefícios é uma unidade de negócios da 2Easy Solutions, reconhecida pelo seu know how em Soluções para Gestão de Pessoas. A 2Easy Benefícios nasceu

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

Grupo Citi no Brasil

Grupo Citi no Brasil Crédito Consignado Grupo Citi no Brasil Grupo Citi no Brasil Segmento voltado a pessoas físicas e pequenas empresas, com variada gama de produtos e serviços diferenciados. Atendimento exclusivo a pessoas

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

Case ANSP. Brasilcap - Case ANSP

Case ANSP. Brasilcap - Case ANSP Case ANSP Problema Pesquisas realizadas junto à base de clientes do Banco do Brasil no início de 2004 identificaram a existência de uma demanda não atendida pela linha de títulos de capitalização até então

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA

GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL MUITO BOA Exercício 2008 RELATÓRIO FINANCEIRO & CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Exercício 2008 GRUPO MARÍTIMA SEGUROS CLASSIFICAÇÃO: COR AZUL Relatório 1. Institucional

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Você necessita de uma divulgação especial?

Você necessita de uma divulgação especial? Coloque a sua marca em uma vitrine privilegiada e seja visto por um público qualificado, que busca informação de credibilidade sobre comércio exterior, logística e internacionalização de empresas. Você

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho A ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA ESTRATÉGICA MISSÃO Impacto: 1. Organizacional 2. Ação de Mudança Nenhum Positivo Negativo OBJETIVOS

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

Pesquisa com a comunidade Avaliação da imagem e. e pessoal diretamente ligado à Usina Termelétrica Presidente Médici UTPM Candiota 4ª pesquisa

Pesquisa com a comunidade Avaliação da imagem e. e pessoal diretamente ligado à Usina Termelétrica Presidente Médici UTPM Candiota 4ª pesquisa Pesquisa com a comunidade Avaliação da imagem e e pessoal diretamente ligado à Usina Termelétrica da atuação Presidente Médici do CREA RS UTPM Candiota 4ª pesquisa Preparado exclusivamente para: Síntese

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012

PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012 PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012 NOSSA TRAJETÓRIA 1 ERA UMA VEZ...E O RH SURGIU! 2 - CENÁRIOS E ESTRATEGIA EMPRESARIAL 3 RH CUSTO / RH LUCRO 1- CENÁRIO E ESTRATEGIA EMPRESARIAL

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

Liberty Web - você pode consultar tarifas, circulares, além de acompanhar toda a sua carteira de clientes.

Liberty Web - você pode consultar tarifas, circulares, além de acompanhar toda a sua carteira de clientes. CARO (A) CORRETOR (A) Obrigado por trabalhar com a Liberty Seguros. Preparamos este manual para que você conheça em detalhes o produto Liberty Vida Global, um produto completo, fácil de entender e com

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

1º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

1º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: Lar Escola São Francisco - São Paulo - SP Categoria: Parceria Público/Privado Trabalho Serviço de Orientação e Empregabilidade Resumo do trabalho Case Janssen-Cilag O case Janssen-Cilag iniciou-se

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

WORKSHOP SEGURO DE VIDA O caminho do Sucesso!

WORKSHOP SEGURO DE VIDA O caminho do Sucesso! WORKSHOP SEGURO DE VIDA O caminho do Sucesso! Rogério Araújo Abril - 2013 VOCÊ CONHECE SEU CLIENTE? Nascimento Faculdade Efetivação Casamento 0 4 18 20 22 24 28 30 Estudos Estágio Carro + Seguro Promoção

Leia mais

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005

LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 316% NO TERCEIRO TRIMESTRE 2005 São Paulo, 07 de Novembro de 2005 - O Submarino S.A. (Bovespa: SUBA3), empresa líder dentre aquelas que operam exclusivamente no varejo eletrônico

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Serviços Inovadores Fidelizam Clientes e Aumentam sua Lucratividade!

Serviços Inovadores Fidelizam Clientes e Aumentam sua Lucratividade! Serviços Inovadores Fidelizam Clientes e Aumentam sua Lucratividade! WeCare Auto. Mais cuidado para o carro. Mais tempo para o cliente! www.wecareauto.com.br Origem da ideia... 12% Dos acidentes por falta

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Apresentação. Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome.

Apresentação. Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome. Apresentação Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome. História A empresa foi fundada no ano de 1995 na cidade paulista de São José do Rio Preto e

Leia mais