A Amil, a Qualicorp e um grave problema de saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Amil, a Qualicorp e um grave problema de saúde"

Transcrição

1 A Amil, a Qualicorp e um grave problema de saúde O lobby de Edson Bueno pela liberação dos preços dos planos de saúde individuais coloca em lados opostos dois amigos do peito do Governo. De um lado, representando os interesses da Amil, o próprio Bueno, que se gaba entre amigos de ter contribuído apenas para a campanha de Dilma Rousseff enquanto a maioria dos empresários contribuiu para os três principais candidatos. (Bueno e sua exmulher, Dulce Pugliese, que juntos construíram a Amil, receberam 6,5 bilhões de reais ao vendê-la em outubro de 2012 para a UnitedHealth.) Do outro, José Seripieri Júnior, controlador da Qualicorp e amigo fraternal tanto do ex- Presidente Lula quanto de Dilma. (Nos últimos dois anos, Lula passou o Ano Novo na casa de Júnior em Angra dos Reis.) A notícia do Radar On-line de que Bueno quer convencer o Planalto a liberar os reajustes do planos individuais bem como declarações subsequentes do ministro da saúde de que o Governo prepara mudanças nos planos detonaram uma correção de 20% nas ações da Qualicorp nos últimos dias, porque os acionistas temem que uma mudança nas regras prejudique a empresa. (Ontem, a ação se recuperou, reduzindo a queda para 15%.) Os planos individuais, cujos preços são controlados pelo Governo, são um grande abacaxi para as operadoras e seguradoras de saúde como a Amil e a Bradesco Seguros. Como a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) não concede reajustes em linha com a chamada inflação médica (o custo dos equipamentos e serviços usados nos exames e procedimentos), as operadoras e seguradoras que não oxigenam suas carteiras perdem muito dinheiro nos individuais. A Bradesco Seguros parou de vendê-los há anos, e a Amil, no ano passado. Entre 2007 e 2013, a ANS concedeu um reajuste acumulado de 61% nos planos individuais, enquanto a variação de custos médico-hospitalares calculada pelas operadoras foi de 120%. Desde que a UnitedHealth comprou a Amil, já teve que injetar pelo menos 1 bilhão de reais na empresa, em parte para sustentar a carteira deficitária de planos individuais antigos. Neste ambiente regulatório de preços artificiais (e ainda assim muito caros), a Qualicorp cresceu vendendo os chamados planos coletivos por adesão, também conhecidos como planos de afinidade. A empresa negocia com as operadoras e seguradoras um preço no

2 atacado em nome de um conjunto de clientes, geralmente uma entidade de classe, como a OAB ou o CREA. Ao dividir com os clientes uma parte das economias de escala, a Qualicorp supriu a lacuna deixada no mercado pelos planos individuais, conquistou 5,2 milhões de vidas e chegou a valer mais de 8 bilhões de reais na Bolsa. No mercado, os acionistas da Qualicorp temem que o Governo autorize as operadoras de saúde a lançar um plano individual com novas regras, e que este produto roube mercado (ou pressione as margens) da Qualicorp. Para Maurício Ceschin, ex-presidente da ANS e hoje CEO da Qualicorp, a chance de que isto aconteça é remota, e o debate sobre liberação de preços dos planos individuais é um falso dilema. Este é o debate errado, é uma cortina de fumaça que mascara os desafios reais do setor, porque liberar preços é apenas enxugar gelo, diz Ceschin, que é médico e já foi diretor superintendente do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Para ele, o País deveria aproveitar essa oportunidade para discutir o aumento desenfreado dos custos médico-hospitalares que impactam tanto o Sistema Único de Saúde (SUS) quanto os planos de saúde privados este sim, o desafio real. Atacar este problema contribuiria para gerar eficiência no sistema de saúde e na economia. Se não fizermos mudanças estruturais, daqui a três anos vamos estar aqui discutindo o tema de sempre: qual percentual de reajuste aplicar aos planos de saúde, diz ele. Segue a entrevista que Ceschin deu a VEJA Mercados ontem (senta aí porque a conversa é longa): Se as operadoras puderem lançar um plano de saúde, com reajuste livre atrelado ao dos planos de pequenas e médias empresas, esse produto poderia ser competitivo com os planos coletivos por adesão que a Qualicorp oferece? Esta resposta é um pouco complexa. Depende. Se este novo plano permitisse a rescisão unilateral por parte das operadoras, ele poderia em tese ser precificado mais barato, até como forma de atrair mais clientes num primeiro momento, mas hoje o plano para PME (pequena e micro empresa) já está precificado com as mesmas características que se propõem para este novo produto, portanto o preço deveria ser semelhante ao atual PME. Mas isto causaria outro problema para as operadoras: uma parcela dos clientes dos planos individuais existentes, principalmente os sadios, migrariam para o novo plano porque ele seria mais barato, o que pioraria ainda mais a sinistralidade da carteira de planos individuais existente. A parte que, possivelmente, não migraria para os novos planos é aquela mais antiga, cujos preços estão tão defasados que, mesmo diante da nova oferta, ainda seria mais barato ficarem onde estão ou os que estão doentes e em tratamento. No final do dia, a operadora terá uma carteira antiga de usuários ainda mais deficitária do que a que já tem hoje, pois esta carteira envelheceria com uma sinistralidade crescente, agravando o que se pretende corrigir com a mudança. Se, por outro lado, este novo plano não permitir a rescisão unilateral o que seria o mais razoável do ponto de vista do Estado na proteção ao consumidor do ponto de vista atuarial ele nasceria tão ou mais caro do que os planos de pequenas e médias empresas, que permitem às operadoras a rescisão unilateral deste contrato. Em outras palavras, a proibição da rescisão unilateral implicaria em um preço maior para este novo plano PME/individual. Hoje, os planos coletivos por adesão já competem com o PME, com a vantagem de que, no coletivo por adesão, não há a rescisão unilateral individual do contrato, só com a entidade de classe como um todo.

3 No fim do dia, a sistemática de simplesmente reajustar preços, como há décadas é feito, não resolve o problema do plano individual, não vai gerar mais oferta para beneficiar o consumidor, e vai acabar com as garantias, com a proteção que o consumidor teve até hoje. Você está dizendo que os ganhos das operadoras com um novo plano (um com a carteira de gente muito mais sadia, e com liberdade para aumentar preço depois em linha com PMEs) não aliviaria o déficit da carteira antiga? É isto que você está dizendo? Depende do tamanho da carteira antiga. A operadora teria que vender muitos planos novos para, além de garantir o equilíbrio econômico-financeiro deste novo plano, compensar o déficit do antigos, porque a sinistralidade do antigo, por não receber mais novos entrantes e concentrar aqueles com maior sinistro, vai aí sim crescer muito mais que os reajustes calculados pelo governo com base nos dados de mercado. De qualquer forma, se existir uma compensação, ela deverá ser um processo de maturação lenta Não resolveria, de imediato, o problema de ninguém. Nos últimos dias, a Qualicorp perdeu 1 bilhão de reais em valor de mercado porque os investidores temem que um novo produto aumente a competição. Isso não pode acontecer? Lançar um novo tipo de plano individual não é uma tarefa tão fácil. Não é só o Governo autorizar que no dia seguinte o produto é automaticamente lançado. Isso vai requerer estudos, inclusive atuariais por parte da ANS. Leva tempo. Além disso, você tem que lembrar que hoje, no Brasil, há poucas operadoras economicamente sustentáveis, e geralmente são as que tem controladores fortes. E mesmo assim, elas estão tendo prejuízo operacional. Não há condições de alguém lançar um produto e tentar forçar o preço para baixo para como os investidores temem. As operadoras estão com água até o nariz. A raiz dessa problemática, desse ciclo vicioso, é que a lógica econômica do sistema ainda está focada no aumento da receitas, o que é um erro, e não na gestão médico-assistencial, que conseguiria otimizar, racionalizar e reduzir os custos, ao mesmo tempo aumentando a qualidade desses serviços para o usuário. A lógica é deveria ser outra. A Qualicorp fica com cerca de 12% a 15% de cada apólice que vende. Vocês não são parte do custo? Mesmo cobrando isso, a Qualicorp ainda consegue ter planos coletivos efetivamente mais baratos do que os individuais, e não raro até que os PMEs. Temos 2,3 mil funcionários diretos, e mais de 400 destes estão em áreas ligadas a inteligência, que abrem o sinistro

4 dos grupos, verificam se existe fraude, e negociam com as operadoras em nome do cliente. No plano coletivo, quem protege o cliente final sou eu. O cliente final gosta da Qualicorp porque o plano dele não sobe tanto quanto os outros, e os RHs das empresas adoram porque nós ajudamos a controlar os custos. Nós vivemos de controlar custos. Já a mentalidade do setor é de repassar custos. Como assim? É a contracultura do controle de custos? Não raro, nos planos corporativos empresarias, há operadoras pedindo reajustes anuais na casa dos 30%, 40% ou até mais quando não pedem direto a rescisão. A gente representa o cliente e luta contra isso, mas o sistema está anacrônico, precisa mudar Vou te dar outro exemplo. Quando o então ministro José Serra fez a lei de saúde complementar em 1998, ele colocou lá que a lei era retroativa, ou seja, que os planos que já tivessem sido vendidos antes da lei também ficariam sob controle de preços. Algumas operadoras lutaram contra isso, e em 2002 levaram o caso ao Supremo Tribunal Federal e ganharam. No mês seguinte, teve operadora rodando boleto com 87% de aumento. (Detalhe: nunca receberam, porque pipocaram liminares em todo o País.) Eu acho até que as operadoras estavam certas, mas isso mostra como repassar preço, para elas, é algo automático. Essa lógica tem de ser mudada, senão daqui a pouco o consumidor não aguenta mais. Faz sentido ficar debatendo reajustes sem tentar lidar com a questão dos custos médico-hospitalares? Nós achamos que este é o grande debate e estamos prontos para colaborar com ele. Apenas liberar preços ou reajustes não vai resolver nada, além de ter um enorme impacto social. Vai ser como enxugar gelo. Outro dia, um grande hospital de São Paulo, cliente da Qualicorp, recebeu a proposta de reajuste anual da seguradora de saúde que cobre os funcionários deste hospital. A proposta era de 40%. Quando o hospital foi, abrir o sinistro [ver as taxas de sinistro que aconteciam na carteira para determinar qual nível de reajuste faria sentido], identificou situações de atendimento pelas quais ele mesmo poderia se responsabilizar e propôs uma sistemática alternativa para melhorar o controle destes custos elevados. Com este compromisso, o reajuste ficou abaixo de 20%. Ou seja, há alternativas de gestão assistencial que podem modificar dramaticamente os custos na saúde suplementar. Quais são os incentivos econômicos dos hospitais hoje? Como as diárias pagas pelos planos de saúde são irreais, os hospitais têm buscado sua margem de lucro em materiais e medicamentos, criando uma distorção enorme. Hoje, quase toda rentabilidade de um hospital vem de materiais e medicamentos. Esse sistema abre espaço para tratamentos desnecessários e escândalos como o das próteses. Quanto maior a complexidade da doença, maior o consumo de materiais, medicamentos e uso de tecnologia, melhor pro hospital. Não é à toa que estão sumindo os leitos de pediatria e maternidade, que em geral gastam menos materiais. Essa questão das fraudes à parte, do jeito que o sistema está, os hospitais hoje não estão economicamente comprometidos com reduzir ou otimizar os custos. Hoje, os hospitais brasileiros são remunerados num sistema conhecido na indústria como fee for service. Isso significa que, a partir do momento em que o paciente entra no hospital, cada bandaid, cada exame, cada procedimento é cobrado separadamente. É como um taxímetro ligado, e a corrida sai muito cara para o paciente. Nos EUA, cada vez mais as operadoras estão indo na direção oposta. Estão trabalhando com preços fechados para cada tipo de tratamento. Por exemplo, uma apendicite custa x. E o hospital tem que resolver o problema naquela faixa de preço. Além disso, a operadora remunera o hospital com uma parte variável atrelada à qualidade do serviço

5 prestado. Isso evita abusos e estimula racionalidade de custos, ao mesmo tempo em que resolve o problema do paciente. E no Brasil? A Qualicorp vai crescer nesta direção. Vamos negociar parcerias com operadoras para desenvolver novos modelos de gestão assistencial focados em resolver o problema do paciente. Hoje, tem operadora que passa um ano sem te ver, aí chega e diz, tá aqui o aumento. Não oferece serviços, acompanhamento, soluções, inteligência nenhuma. Quando você precisa de um bom ortopedista, você procura uma recomendação com a sua operadora? Não. Eu nem tenho essa expectativa em relação a ela. Exatamente. Mas por que não? Por que ela não poderia te prestar este serviço? O que a gente tem hoje é um sistema que repassa ao consumidor suas próprias ineficiências, glosa fornecedores e frequentemente gera dificuldade de acesso [do paciente]. Ou mudamos este modelo ou daqui a três anos a gente ainda vai estar aqui discutindo que reajuste aplicar nos individuais. ***** ATUALIZAÇÃO: A assessoria da Qualicorp enviou a seguinte nota de esclarecimento : Com relação à matéria A Amil, a Qualicorp e um grave problema de saúde, esclarecemos que a Qualicorp é favorável à flexibilização do reajuste dos planos individuais e ao direito das operadoras de saúde manterem o equilíbrio econômicofinanceiro dos seus contratos, ainda que a companhia alerte que somente isso não irá resolver a sustentabilidade do sistema; aproveitamos também para esclarecer que eventual flexibilização do reajuste dos planos individuais não afeta a operação da Qualicorp. Por Geraldo Samor

C Por que é preciso fazer rápido o produto web?

C Por que é preciso fazer rápido o produto web? C Por que é preciso fazer rápido o produto web? Já falamos sobre algumas denições e requisitos para se ter uma startup. Depois falamos sobre como ter ideias de produtos para a startup e que essas ideias

Leia mais

PESQUISA PLANOS DE SAÚDE

PESQUISA PLANOS DE SAÚDE 20 Junho 2013 REVISTA DO IDEC Saúde não é o que interessa Reajustes dos planos coletivos não são regulados pela ANS. Mas pesquisa inédita do Idec revela que, mesmo assim, a Justiça tem considerado abusivos

Leia mais

Seguro Saúde: grande utilização do plano causa aumento nas mensalidades

Seguro Saúde: grande utilização do plano causa aumento nas mensalidades APCD Jornal - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas - Fevereiro de 2005 - Ano 39 - nº 574 - Entrevista Seguro Saúde: grande utilização do plano causa aumento nas mensalidades Por Flávia Travaglini

Leia mais

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 1 CONTEXTO CUSTOS DA SAÚDE COLOCAM OPERADORAS EM RISCO FINANCEIRO O SETOR DE SAÚDE ESTÁ EM ALERTA O aumento dos custos com procedimentos médicos e hospitalares tem superado

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

Como são calculadas as mensalidades?

Como são calculadas as mensalidades? Este informe aborda os aspectos relacionados ao reajuste do valor das mensalidades do Plano de Assistidos e do Plano de vinculados administrados pelo Eletros-Saúde (ES) para o ano de 2015. mas antes, é

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Transcrição de Teleconferência Resultados do 2T10 Q&A SulAmérica (SULA11 BZ) 09 de agosto de 2010. Guilherme Assis, Raymond James:

Transcrição de Teleconferência Resultados do 2T10 Q&A SulAmérica (SULA11 BZ) 09 de agosto de 2010. Guilherme Assis, Raymond James: Guilherme Assis, Raymond James: Bom dia a todos. Eu tenho duas perguntas, na verdade. Arthur, a primeira é sobre a sinistralidade que vocês estão apresentando. Eu queria entender quais são os principais

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Em relação às outras duas questões, eu vou passar ao Sérgio, que está aqui ao lado, para fazer o comentário.

Em relação às outras duas questões, eu vou passar ao Sérgio, que está aqui ao lado, para fazer o comentário. Rafael Frade, Bradesco: Bom dia a todos. Eu tenho três perguntas. Uma é com relação ao segmento de saúde, que vimos um forte crescimento, principalmente na parte de SME, pequenas empresas, e eu queria

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

Transcrição da Teleconferência do 3T15 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência do 3T15 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência do 3T15 Q&A SULAMÉRICA Operador Senhoras e senhores, iniciaremos agora a seção de perguntas e respostas. Nossa primeira pergunta Gabriel Gusan (Bradesco) Gabriel Gusan (Bradesco)

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Novas Perspectivas para o Mercado sob a Ótica do: Comprador, Fornecedor, Prestador e Governo

Novas Perspectivas para o Mercado sob a Ótica do: Comprador, Fornecedor, Prestador e Governo Novas Perspectivas para o Mercado sob a Ótica do: Comprador, Fornecedor, Prestador e Governo Carlos Ballarati MD. MBA.PhD Imunoballa@yahoo.com Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988.

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO...

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... CADÊ O BRASIL RICO? FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO.... E AQUI, DINHEIRO SOBRANDO NO FIM DO MÊS. DESTE

Leia mais

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado?

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Mauricio Ceschin Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Chapecó-SC, 23 de junho de 2006 Presidente: É um programa, talvez

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006 Operadora: Bom dia a todos. Sejam Bem Vindos à Teleconferência da S.A. para a discussão dos resultados referentes ao segundo trimestre de 2006. Estão presentes no evento os Srs. Casimiro Blanco Gómez,

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

Mas do ponto de vista do grosso, o grande percentual de discussões acumuladas e passadas que tínhamos, já está absolutamente eliminado.

Mas do ponto de vista do grosso, o grande percentual de discussões acumuladas e passadas que tínhamos, já está absolutamente eliminado. Carlos Macedo, Goldman Sachs: Bom dia. Obrigado pela oportunidade. Duas perguntas, a primeira se refere à sinistralidade em seguro de saúde. Na página sete do release, vocês falam de uma despesa extraordinária

Leia mais

XP Gestão de Recursos

XP Gestão de Recursos XP Gestão Renda Variável XP Gestão de Recursos Renda Variável XP Investor FIA XP Dividendos FIA XP TOP Dividendos FIA (XPTD11) XP Long Short FIC FIM XP Long Biased FIC FIM XP Gestão de Recursos XP Long

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Rafael Frade, Bradesco:

Rafael Frade, Bradesco: Rafael Frade, Bradesco: Bom dia. Eu tenho duas perguntas, a primeira com relação aos prêmios complementares de seguro saúde individual. No 1T ficou bem claro que vocês reconheceram o valor de cerca de

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

CSHG Strategy II FIC FIA

CSHG Strategy II FIC FIA CSHG Asset Management Comentários do gestor CSHG Strategy II FIC FIA Agosto de 2013 Em agosto, o fundo CSHG Strategy II FIC FIA teve um retorno de 3,22%. No mesmo período, o Ibovespa teve um retorno de

Leia mais

Medial Saúde 12 th Annual Latin American Conference Acapulco Mexico 15 a 18 de janeiro de 2008

Medial Saúde 12 th Annual Latin American Conference Acapulco Mexico 15 a 18 de janeiro de 2008 Medial Saúde 12 th Annual Latin American Conference Acapulco Mexico 15 a 18 de janeiro de 2008 Disclaimer Este comunicado contém considerações referentes às perspectivas do negócio e estimativas de resultados

Leia mais

CSHG Unique Long Bias FIC FIA

CSHG Unique Long Bias FIC FIA CSHG Asset Management Comentários do gestor CSHG Unique Long Bias FIC FIA Agosto de 2013 Em agosto, o fundo CSHG Unique Long Bias FIC FIA teve um retorno de 1,38%. No ano, o fundo acumulou um retorno de

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS Nota de Acompanhamento do Caderno de Informações da Saúde Suplementar - NACISS 29ª Edição Agosto de 214 SUMÁRIO EXECUTIVO Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (Mar/14): 5.722.522; Taxa

Leia mais

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço.

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 7 Aparelho de DVD e monitor de TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes

Leia mais

1 Informações diversas Câmara aprova ampliação de parcelamento do Refis da crise O plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (21) a medida provisória que amplia o parcelamento de débitos tributários,

Leia mais

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel #103 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel Consórcio ou financiamento? Poupança com ganho real Investimento volta a superar a inflação

Leia mais

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 1 ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 Operadora: Bom dia senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Arteris, para discussão dos resultados

Leia mais

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar

Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar 50 Alguns equívocos comuns sobre saúde suplementar SANDRO LEAL ALVES 1 1 Este artigo reflete a opinião do autor e foi produzido a partir de apresentação realizada pelo mesmo por ocasião da 4ª Conferência

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS

ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS O que é contrato coletivo? ou coletivo. No que diz respeito à modalidade de contratação, o plano de saúde pode ser individual, familiar, Os planos de saúde individuais

Leia mais

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD Qualificação e Remuneração de Prestadores Ary Ribeiro MD; PhD Faz-se necessário reformar o modelo de remuneração dos prestadores hospitalares na saúde suplementar brasileira? Sim, pois o atual modelo,

Leia mais

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega

Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Desafios do setor de saúde suplementar no Brasil Maílson da Nóbrega Setor de grande importância Mais de 50 milhões de beneficiários no país. Níveis elevados de satisfação com os serviços. Custos hospitalares

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Sérgio Lopez Bento 02.06.2009 AGENDA 1. Contexto atual do segmento de saúde privada 2. Modelos de

Leia mais

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste?

5. O Plano do funcionário sofrerá reajuste? PERGUNTAS E RESPOSTAS REAJUSTE ANUAL E DENÚNCIA DE CONVÊNIOS E MENSALIDADES REAJUSTADAS JULHO DE 2014 REAJUSTE ANUAL 1. O que é um reajuste anual e qual é sua base legal? O reajuste anual é um mecanismo

Leia mais

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Ciclo de Debates SUS O Cenário do Fornecimento de Órteses e Próteses Uma visão das Operadoras de Planos Privados 07 de

Leia mais

UnitedHealth compra Amil em operação de R$ 9,8 bi

UnitedHealth compra Amil em operação de R$ 9,8 bi 9 de outubro de 2012 Empresas/Serviços UnitedHealth compra Amil em operação de R$ 9,8 bi Por Beth Koike De São Paulo Após três anos de conversas, a Amil fechou na madrugada de segunda-feira a venda de

Leia mais

O mundo é melhor quando a vida é mais segura. Prontos para o amanhã

O mundo é melhor quando a vida é mais segura. Prontos para o amanhã O mundo é melhor quando a vida é mais segura. Prontos para o amanhã AIG Marca sinônimo de excelência em gestão de riscos. Com atuação global, a AIG é reconhecida como referência no mercado de seguros.

Leia mais

"Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria"

Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria Nº EDIÇÃO: 816 30.MAI.13 ENTREVISTAS Edmar Bacha, economista e ex-presidente do BNDES "Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria" O economista Edmar Bacha, que integrou a equipe

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

CONSUMIR? SEU DINHEIRO VOCÊ SABE #212. Especialista diz que brasileiro não sabe comprar

CONSUMIR? SEU DINHEIRO VOCÊ SABE #212. Especialista diz que brasileiro não sabe comprar #212 SEU DINHEIRO A SUA REVISTA DE FINANÇAS PESSOAIS VOCÊ SABE CONSUMIR? Especialista diz que brasileiro não sabe comprar COMO PARAR ANTES DO TEMPO CONHEÇA A MELHOR ESTRATÉGIA PARA LARGAR O BATENTE AOS

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos

ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos 201 ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos Luciana Gomes de Paiva 1 Da palestra do Dr. Franklin Padrão, de início, destacam-se os princípios doutrinários de universalidade, equidade

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

1 Informações diversas Contribuintes devem ficar atentos para novidades em 2015 O Sescon-SP listou algumas das principais mudanças fiscais e tributárias para o próximo ano, que requerem atenção e capacitação

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

Avaliação Atuarial de Banco de Dados

Avaliação Atuarial de Banco de Dados Avaliação Atuarial de Banco de Dados ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SP São José dos Pinhais, 12 de Junho de 2007. Índice 1. Introdução---------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

ENTREVISTA. ConJur Como surgiu a ideia de conciliar nas negociações entre mutuários inadimplentes e construtoras?

ENTREVISTA. ConJur Como surgiu a ideia de conciliar nas negociações entre mutuários inadimplentes e construtoras? ENTREVISTA ConJur Como surgiu a ideia de conciliar nas negociações entre mutuários inadimplentes e construtoras? Carla Boin Surgiu em 2009, quando nos aproximamos devido a uma empatia de ideais, de princípios.

Leia mais

A Saúde Suplementar e o Sistema Unimed frente aos seus desafios Dr. Eudes de Freitas Aquino. Presidente da Unimed do Brasil

A Saúde Suplementar e o Sistema Unimed frente aos seus desafios Dr. Eudes de Freitas Aquino. Presidente da Unimed do Brasil A Saúde Suplementar e o Sistema Unimed frente aos seus desafios Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil Cenário da Saúde Suplementar PIB gasto em saúde (2013) Gasto per capita em saúde

Leia mais

Investimentos. Inteligentes. Roberta e Bruno Omeltech

Investimentos. Inteligentes. Roberta e Bruno Omeltech Investimentos Inteligentes Roberta e Bruno Omeltech station centro de treinamentos (11) 3704-4377 contato@stationct.com.br !!!! ROBERTA OMELTECH DIRETORA COMERCIAL OMELTECH DESENVOLVIMENTO Empresa de Educação

Leia mais

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Francine Leite Apresentação Este trabalho introduz o tema Envelhecimento

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

1. A retomada da bolsa 01/02/2009 Você S/A Revista INSTITUCIONAL 66 à 68

1. A retomada da bolsa 01/02/2009 Você S/A Revista INSTITUCIONAL 66 à 68 1. A retomada da bolsa 01/02/2009 Você S/A Revista INSTITUCIONAL 66 à 68 Data de geração: 12/02/2009 Página 1 Data de geração: 12/02/2009 Página 2 A retomada da bolsa No ano passado, a bolsa de valores

Leia mais

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares

VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares VCMH Variação dos Custos Médico-Hospitalares José Cechin Superintendente Executivo José Cechin Carina Burri Martins Francine Leite Apresentação Entende-se por Custos Médico-Hospitalares o total das despesas

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis.

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis. Iago Whately, Banco Fator: Eu tenho duas perguntas. A primeira é a respeito da sinistralidade no seguro de saúde. A sinistralidade da SulAmérica no 1T ficou bem abaixo da média do mercado segurador. Eu

Leia mais

Estado de Sergipe Poder Judiciário 4ª Vara Cível CAPUCHO, ARACAJU/Se Termo do Despacho Dados do Processo Número 200410400571 Classe Civil Publica Situação ANDAMENTO Competência 4ª VARA CíVEL Distribuido

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011. 01/03/2011 às 09:30h

Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011. 01/03/2011 às 09:30h Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011 01/03/2011 às 09:30h Agenda 4T11e 2011 Principais Realizações e Destaques em 2011 Receitas, Lucro Líquido e Retorno sobre Capital Desempenho dos principais

Leia mais

Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação

Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação Tecnologia o Custo e o Risco da Inovação Carmine Taralli Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo necessariamente as

Leia mais

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10. DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.2012 A G E N D A 1. Cenário da saúde no Brasil 2. Um setor cada vez mais

Leia mais

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Auditoria do Processo de Contas Hospitalares Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Declaração de potencial conflito de interesses Não possuo vínculo ou

Leia mais

PLANO MÉDICO-HOSPITALAR UNIMED-RIO PERGUNTAS E RESPOSTAS

PLANO MÉDICO-HOSPITALAR UNIMED-RIO PERGUNTAS E RESPOSTAS Em complemento às informações prestadas pela SIAS aos participantes e assistidos, relativamente à implantação do novo plano médico-hospitalar junto à Unimed-Rio, segue Perguntas e Respostas que facilitará

Leia mais

André Fogaça 02/01/2016

André Fogaça 02/01/2016 Entrevista com Valter Bianchi Uma Conversa Franca Sobre Investimentos André Fogaça 02/01/2016 Tempo de leitura: 15 minutos Tendo em vista a boa repercussão da primeira entrevista que fiz para o blog, hoje

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais Para crescer, Brasil precisa rever cultura de mil bolsas Para Marcos Mendes, consultor do Senado, é muito difícil coordenar um acordo social que reduza benefícios em prol de um país mais eficiente e menos

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Teleconferência Novo Diretor-Presidente 15 de Junho de 2015

Teleconferência Novo Diretor-Presidente 15 de Junho de 2015 Operadora: Bom dia. Sejam bem-vindos à teleconferência da TOTVS. Estão presentes os senhores Laércio Cosentino, CEO e Membro do Conselho da Administração, Rodrigo Kede, Diretor-presidente, e Gilsomar Maia,

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Chile, Agosto 2011

Agência Nacional de Saúde Suplementar. Chile, Agosto 2011 Agência Nacional de Saúde Suplementar Chile, Agosto 2011 Dados do Setor Planos de Saúde Planos de Saúde Médico Hospitalares Exclusivamente Odontológicos Consumidores Número de Operadoras Faturamento em

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS

PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS PLANOS DE SAÚDE REGULAMENTADOS Com relação a este tema, vamos explanar onde tudo começou: O Estatuto do Idoso (Lei n 10.741, de 01.10.03), reconhecendo a hipossuficiência do idoso, trouxe algumas conseqüências

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

Press Release 2T15 12/08/2015

Press Release 2T15 12/08/2015 Press Release 2T15 12/08/2015 Sumário 1. Destaques do período... 4 2. Sumário de resultados... 5 3. Receita bruta... 6 3.1 Produtos de bancassurance... 6 3.1.1 Vida... 7 3.1.2 Habitacional... 7 3.1.3 Prestamista...

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

A Competitividade no Seguro de Automóvel

A Competitividade no Seguro de Automóvel A Competitividade no Seguro de Automóvel Murilo Setti Riedel Diretor Técnico HDI Seguros Logo Apresentação O Preço do Seguro de Automóvel O elevado grau de concorrência do segmento no Brasil se traduz

Leia mais

Gestão Financeira para Micro e Pequenas Empresas em 5 passos

Gestão Financeira para Micro e Pequenas Empresas em 5 passos Gestão Financeira para Micro e Pequenas Empresas em 5 passos O saldo negativo na conta bancária é apenas a consequência. Mas onde estão as causas? Você pode levar o marketing, gestão de pessoas e liderança

Leia mais

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes

O Modelo CAPM. por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes O Modelo CAPM por Carlos Alexandre Sá e José Rabello de Moraes Em um mercado perfeito, caracterizado pela ausência de impostos e outros custos de transações, onde haja perfeita simetria de informações

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

mesmo nem ao inimigo, jamais sairá vitorioso. Sun Tzu: A Arte da Guerra

mesmo nem ao inimigo, jamais sairá vitorioso. Sun Tzu: A Arte da Guerra Se você conhece a si mesmo e ao inimigo, não temerá a batalha. Se você conhece a si mesmo, porém não ao inimigo, perderá uma batalha para cada batalha que ganhar; e se você não conhece a si mesmo nem ao

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Sistema de Saúde Suplementar

Sistema de Saúde Suplementar 300 Sistema de Saúde Suplementar Marcia Cunha S. A. de Carvalho 1 INTRODUÇÃO Desde as últimas décadas do século XX, assistimos à demissão do Estado de seu dever de prestar assistência à saúde da população,

Leia mais

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar pág. 08 DOUGLAS DUEK COMO AS EMPRESAS PODEM CHEGAR À BOLSA? pág. 12 TRENDS O QUE PODE ATRAPALHAR A BOLSA EM 2011 A REVISTA DO INVESTIDOR NA BOLSA ANO 3 MAR 11 #36 R$ 12,00 9 771982 835003 0 3 0 3 6 EXEMPLAR

Leia mais