Título A Logística em Moçambique: necessidades e potencial de desenvolvimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título A Logística em Moçambique: necessidades e potencial de desenvolvimento"

Transcrição

1

2 Título A Logística em Moçambique: necessidades e potencial de desenvolvimento Data Setembro 2003 Promotor / Editor AIP/CCI Associação Industrial Portuguesa / Câmara de Comércio e Indústria Projecto Acção de Promoção Integrada aos Mercados PALOP 2003/2004 AIP/CCI Associação Industrial Portuguesa / Câmara de Comércio e Indústria AEP/CCI Associação Empresarial de Portugal / Câmara de Comércio e Indústria ICEP Portugal Equipa Técnica Coordenação, recolha e tratamento de dados e redacção INOUT GLOBAL / ISCTE João Carlos R. Menezes José Crespo de Carvalho Ana Lúcia Martins Design, Composição e Impressão 5W Comunicação e Marketing Estratégico, Lda. Tiragem exemplares

3 ÍNDICE 3 AGRADECIMENTOS 7 INTERNACIONAIS SUMÁRIO EXECUTIVO 9 INTRODUÇÃO 11 PARTE I: OPERAÇÃO LOGÍSTICA EM PORTUGAL Introdução 13 ESTUDOS 2. Enquadramento Metodológico O Reconhecimento da Actividade Logística em Portugal Análise do Sector de Operação Logística em Portugal Portfólio de serviços disponibilizados pelos operadores logísticos Transporte próprio vrs. subcontratado Activos para gestão do fluxo informacional Capital humano 21 PARTE II: OPERAÇÃO LOGÍSTICA EM MOÇAMBIQUE Introdução Enquadramento Metodológico Caracterização da Situação Logística Actual Reconhecimento da actividade Operação própria vs. Externalizada Transporte e armazenagem Sistemas de informação Competência técnica do capital humano Considerações 34

4 PARTE III: DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGICO DE MOÇAMBIQUE Introdução Caracterização Estrutural do País Infra-estruturas de apoio ao sistema de transporte Estrutura de importações e exportações Distribuição da população Apoio estrutural às empresas Considerações Cenários Possíveis de Desenvolvimento Logístico Introdução Cenário A Cenário B Cenário C Selecção do Cenário com Maior Potencial de Concretização 60 PARTE IV: CONCLUSÕES Potencial de Criação de Valor Desenvolvimento de alternativas de escoamento de produtos Desenvolvimento e formação de quadros médios e técnicos Captação de investimento para gestão de infra-estruturas Apoio à criação e instalação de empresas Desenvolvimento económico e do nível de vida da população Oportunidades de Cooperação 70 NOTA CONCLUSIVA 71

5 ÍNDICE DE GRÁFICOS, DIAGRAMAS, QUADROS E MAPAS Gráfico 1 Percentagem de empresas em que o departamento de logística é responsável pela actividade 14 INTERNACIONAIS Gráfico 2 Redução do prazo de entrega, em dias, entre 1992 e Gráfico 3 Redução do número de dias do prazo de entrega, em Portugal 15 Gráfico 4 Empresas que recorrem a EDI para comunicar com alguns dos seus clientes e fornecedores 16 Gráfico 5 Portfólio de serviços prestados Gráfico 6 Portfólio de serviços prestados ESTUDOS Gráfico 7 Transporte próprio vs transporte subcontratado -1999/ Gráfico 8 Recurso a activos para gestão do fluxo informacional / Gráfico 9 Habilitações literárias do capital humano / Gráfico 10 Empresas na amostra segundo área de actividade 24 5 Gráfico 11 Distribuição dos custos totais 25 Gráfico 12 Localização das actividades logísticas dentro da empresa 25 Gráfico 13 Localização da actividade logística na estrutura da empresa 26 Gráfico 14 Actividades realizadas insourcing e/ou em outsourcing 27 Gráfico 15 Propensão à externalização futura de actividades logísticas 28 Gráfico 16 Realização da actividade de transporte 28 Gráfico 17 Propriedade do armazém utilizado 29 Gráfico 18 Modo de transporte utilizado 29 Gráfico 19 Motivos para a utilização de sistemas de informação 31 Gráfico 20 Utilização de transferência electrónica de dados e de códigos de barras 31 Gráfico 21 Forma de tranferência electrónica de dados 32 Gráfico 22 Motivos para utilização de internet 32 Gráfico 23 Capital humano por área de actividade 33

6 Gráfico 24 Percentagem do capital humano da área logística por escalão de habilitações 34 Gráfico 25 Evolução do peso das principais importações 48 Gráfico 26 Evolução do valor das principais importações 49 Gráfico 27 Evolução das principais exportações 49 Gráfico 28 Evolução do valor das principais exportações 50 Gráfico 29 Comparação da classificação dos cenários alternativos 61 Diagrama 1 Abrangência da operação logística 17 Quadro 1 Vantagens e desvantagens do cenário A 57 6 Quadro 2 Vantagens e desvantagens do cenário B 58 Quadro 3 Vantagens e desvantagens do cenário C 60 Quadro 4 Classificação comparativa dos cenários 61 Mapa 1 Principais corredores 39 Mapa 2 Corredor de Nacala 40 Mapa 3 Corredor da Beira 41 Mapa 4 Corredor de Maputo 43 Mapa 5 Densidade populacional por província 51 Mapa 6 Necessidade de ajuda alimentar 52 Mapa 7 Distância à rede rodoviária 52 Mapa 8 Cenário proposto A 56 Mapa 9 Cenário proposto B 58 Mapa 10 Cenário proposto C 59 Mapa 11 Proposta genérica do cenário com maior interesse estratégico 62

7 AGRADECIMENTOS O In Out Global ISCTE e a AIP gostariam de expressar o seu mais sincero agradecimento e reconhecimento às empresas que participaram neste estudo, bem como a todos os que contribuíram para a recolha de informação junto destas. Sem a sua colaboração a Análise Conjuntural do Contexto Moçambicano deste estudo não teria sido possível e, consequentemente, outras teriam sido as premissas de partida para a construção dos cenários de desenvolvimento estratégico, certamente com menor aderência às necessidades moçambicanas. É também aqui o lugar para agradecer a todos quando investiram do seu tempo na revisão deste estudo, e contribuíram para o mesmo através dos seus comentários e sugestões. INTERNACIONAIS ESTUDOS 7 Equipa In Out Global - ISCTE João Carlos R. Menezes José Crespo de Carvalho Ana Lúcia Martins

8 8 A LOGÍSTICA EM MOÇAMBIQUE

9 SUMÁRIO EXECUTIVO Este sumário traduz o essencial do estudo realizado pelo In Out Global ISCTE para a AIP Associação Industrial Portuguesa relativo ao levantamento das necessidades logísticas em Moçambique e ao seu potencial de desenvolvimento, e à indicação de uma solução que permita concretizar esse mesmo potencial. Verificou-se que as empresas moçambicanas estão numa fase de desenvolvimento logístico incipiente. Apresentam a necessidade de evoluir nesta área, nomeadamente através do reconhecimento da própria logística, das suas actividades e dos seus custos. As empresas ainda não conseguem reconhecer que na base dos problemas que enfrentam estão questões de natureza logística. Verifica-se uma tendência acentuada para realização insourcing de todas as actividades associadas à gestão física do produto. A externalização de actividades resume-se ao transporte. 66% do transporte é realizado por empresas externas, no entanto as empresas procuram garantir em paralelo uma parte de transporte através de recursos próprios (34%) de forma a não perderem controlo físico total sobre o fluxo físico de materiais. INTERNACIONAIS ESTUDOS 9 O capital humano está principalmente afecto à produção (58,5%). O nível de formação dos indivíduos responsáveis por actividades logísticas é muito baixo, sendo que 50% dos indivíduos concluíram ou frequentaram o ensino primário. Sendo a actividade logística uma área de criação de valor por excelência, e com complexidade crescente, é urgente ultrapassar esta situação através da formação dos indivíduos na área logística. Moçambique continua a investir nos corredores de passagem que haviam sido construídos no período colonial para escoamento de mercadorias provenientes do Malawi, do Zimbabwe e da África do Sul e apresenta-se, para o exterior, como um país de serviços, fazendo do seu principal negócio a passagem de mercadorias até ao oceano Índico. Este estudo revelou, também, que são profundas as assimetrias dentro do país, e que, em parte, na origem destas diferenças estão aspectos logísticos, ou melhor, a falta de preocupação sobre eles.

10 Foi desenvolvido um modelo conceptual centrado no desenvolvimento logístico de Moçambique com base em cinco variáveis chave: - Desenvolvimento do nível de vida da população; - Captação de investimento e apoio à criação e instalação de empresas; - Desenvolvimento de redes de escoamento de produtos; - Captação de investimento para a gestão de infra-estruturas de carácter logístico; - Formação e qualificação de indivíduos na área logística. Com base nestas variáveis foi seleccionado um cenário, entre três, de desenvolvimento estratégico logístico, o qual parece ser o mais adequado ao aproveitamento do potencial logístico de Moçambique. 10 Neste estudo conclui-se que o desenvolvimento de Moçambique passa, entre outros, pela criação de redes de escoamento dos produtos, em particular os agrícolas, e pela reabilitação de infra-estruturas de carácter logístico que possam oferecer um serviço com qualidade ajustada às especificidades locais. Neste sentido o cenário seleccionado aposta no desenvolvimento fluvial (para escoamento de excedentes agrícolas), no investimento em rodovia não pavimentada entre cidades secundárias (para canalização destes excedentes até aos portos fluviais), na requalificação das infra-estruturas de armazenagem (que ficaram danificadas e abandonadas durante a guerra civil) para actividades de consolidação de cargas, no desenvolvimento do quarto corredor de Moçambique (o corredor marítimo, através de short sea shipping), no incentivo à emergência de um tecido empresarial formado por micro-empresas, na criação de condições para fixação de investimento estrangeiro, e na reorganização da estrutura de importações e exportações. Uma das principais conclusões deste estudo foi que a colaboração de empresas portuguesas que estejam dispostas a realizar investimento em Moçambique poderá revelar-se muito vantajoso para ambas as partes. Verificou-se que as empresas portuguesas, pela competência que possuem, e pelos laços históricos, culturais e afectivos que têm com Moçambique, estão em situação privilegiada para realizar investimentos e intensificar as trocas comerciais com Moçambique. O conhecimento da realidade do país e do mercado local permite que as empresas portuguesas possam desenvolver soluções ajustadas às características específicas das necessidades locais.

11 INTRODUÇÃO O presente estudo resulta da resposta a uma solicitação efectuada pela AIP ao In Out Global ISCTE para aferição das necessidades logísticas de Moçambique, bem como do seu potencial de desenvolvimento. Neste sentido o estudo está centrado na área logística, a qual, sendo cross-functional, inevitavelmente atenta a outros aspectos da realidade moçambicana. A logística, embora responsável por uma parte significativa dos custos de uma empresa, traduz-se num elemento fundamental do serviço que é prestado ao cliente. Uma economia, seja ela a portuguesa, a moçambicana, ou outra, deve encontrar na logística e na eficiência dos sistemas logísticos, uma fonte de competitividade e de criação de vantagem competitiva. INTERNACIONAIS ESTUDOS O incremento da produtividade e da qualidade da prestação de serviços logísticos, através de melhores taxas de utilização da capacidade instalada e do desenvolvimento de sistemas flexíveis que respondam às necessidades do mercado, devem ser factores prioritários na gestão dos sistemas de valor. A externalização das operações logísticas, a criação de estruturas dedicadas à consolidação de fluxos de mercadorias, quer nos nós, quer nas arestas da network empresarial, poderá ser, em larga medida, uma das fontes fundamentais de incremento da competitividade da economia moçambicana. Para tal, empresas portuguesas com conhecimento do mercado moçambicano, e com provas dadas da sua competência noutros mercados, através de uma presença independente ou de parcerias com empresas locais, poderão contribuir para a geração de valor no mercado moçambicano, contribuindo activamente para a competitividade deste, quer em termos internos quer a nível externo. 11 No sentido de responder com medidas efectivas para a criação de condições ao desenvolvimento, em termos logísticos, do mercado moçambicano, e tendo por base o contributo que empresas portuguesas poderão dar a este nível, o presente documento está organizado em quatro capítulos. No primeiro capítulo é abordada a operação logística em Portugal, analisando-se a disponibilidade de serviços prestados pelas empresas que operam nesta área e os seus recursos, bem como as necessidades das empresas suas

12 clientes. Esta análise foi possível com recurso a informação pré-existente no In Out Global ISCTE. No segundo capítulo é feito o levantamento da situação actual e das necessidades logísticas das empresas moçambicanas. Tal, baseia-se em questionários realizados a empresas que operam no mercado moçambicano. No terceiro capítulo é realizada a caracterização dos determinantes estruturais que permitem identificar áreas de desenvolvimento logístico em Moçambique. No seguimento desta análise procede-se à construção de um conjunto de cenários estratégicos e à identificação daquele que se apresenta mais favorável para o país. 12 No quarto e último capítulo procede-se à análise do impacto que a implementação do cenário seleccionado poderá gerar na economia moçambicana. São aqui identificadas oportunidades para a captação do investimento estrangeiro, nomeadamente português, e sugeridas formas para a sua concretização.

13 PARTE I: OPERAÇÃO LOGÍSTICA EM PORTUGAL INTERNACIONAIS 1. Introdução Embora nos últimos anos a prestação de serviços logísticos em Portugal tenha registado um desenvolvimento significativo, ainda é prematuro afirmar que esta representa um sector de actividade na economia portuguesa. Tal fica a dever-se, fundamentalmente, ao facto do próprio conceito de logística ainda não estar enraizado nas empresas portuguesas e, consequentemente, a tipologia e abrangência de actividades a desenvolver nesta área por um prestador de serviços logísticos ser pouco precisa. Apesar das limitações referidas existem já empresas no mercado português que reconhecem a capacidade de criação de valor das actividades logísticas, e que prestam serviços logísticos de forma integrada. ESTUDOS 13 Esta secção do presente estudo pretende, numa fase inicial, salientar o reconhecimento da actividade logística nas empresas portuguesas e, numa segunda fase, caracterizar e salientar a capacidade e a evolução dos operadores logísticos portugueses nos últimos anos. 2. Enquadramento Metodológico Para a aferição do reconhecimento da actividade logística em Portugal foram utilizados dados secundários provenientes de estudos efectuados com empresas do sector de produtos de grande consumo (fmcg fast moving consumer goods) entre os anos de 1997 e 2000, nomeadamente nos aspectos relativos a actividades desempenhadas, prazos de entrega e utilização de sistemas de informação. No que respeita à actividade de operação logística, foram utilizados dados secundários provenientes de estudos realizados nos anos de 1999 e 2000, tendo-se centrado a análise na panóplia de serviços prestados, na tipologia de transporte, nos recursos informacionais e no capital humano.

14 3. O Reconhecimento da Actividade Logística em Portugal A actividade logística em Portugal tem registado uma evolução no sentido do seu próprio reconhecimento e autonomização. As empresas portuguesas, tal como as restantes empresas europeias, têm registado nas últimas duas década uma tendência para o agrupamento das actividades logísticas, o que, em termos organizativos, tem resultado na autonomização desta área. O estudo realizado, cujos resultados estão espelhados no Gráfico 1, permite verificar que em 1998 as responsabilidades mais comuns nos departamentos de logística das empresas portuguesas eram a gestão do transporte e a gestão de stocks e de armazenamento físico de produtos acabados. 14 Conclui-se assim por uma ênfase da logística em termos de distribuição, enquanto que outras actividades, de foro logístico, ainda permanecem atribuídas a outras áreas de responsabilidade dentro das empresas.

15 Não obstante, a integração do processo logístico tem permitido obterem-se melhorias significativas em termos da performance logística das empresas. Um dos aspectos onde se verificaram melhorias, acompanhando o evoluir das exigências dos consumidores, é o prazo de entrega. INTERNACIONAIS De uma forma global, entre 1992 e 1997, verificaram-se reduções muito significativas em termos de prazo de entrega na Europa, e em Portugal em particular. No entanto, verifica-se, através do Gráfico 2, que esta evolução é mais significativa em Portugal do que no global dos países europeus. Esta situação pode dever-se a uma consciencialização mais tardia das empresas para o prazo de entrega como vector de criação de vantagens competitivas, o que as faz partirem de uma situação em que a margem de melhoria é maior. ESTUDOS 15 Embora a redução do número de dias do prazo de entrega seja generalizável a todos os sectores da economia portuguesa, através do Gráfico 3 podemos concluir que o sector de produtos de grande consumo é aquele que, entre 1997 e 2000, embora registe uma evolução positiva muito significativa, apresenta uma redução do prazo menos expressiva que os restantes sectores.

16 Esta evolução pode-se ficar a dever ao facto de serem estes sectores, de produtos de grande consumo, os que registam prazos de entrega mais reduzidos e, consequentemente, apresentarão maior dificuldade na produção de melhorias adicionais com maior expressividade. Dentro de uma cadeia de abastecimento, havendo necessidade de comunicação e de estabelecimento de vínculos entre os seus elementos, o recurso a tecnologias de informação é um aspecto fundamental. 16 Assim, analisar a utilização de recursos tecnológicos na comunicação da empresa a montante e a jusante, nomeadamente em termos de utilização de sistemas de EDI (Electronic Data Interchange), é um aspecto premente. Verificamos, pelo Gráfico 4, que, em 1998, em Portugal, o recurso a sistemas de EDI para comunicação com fornecedores e/ou clientes é ainda reduzido, no entanto a apetência para concretizarem esta possibilidade num prazo de cinco anos é bastante elevada. O estudo realizado demonstrou que embora poucas empresas já tenham equacionado e concretizado a sua integração com os seus fornecedores e/ou clientes em termos de sistemas de informação, 73% consideram fazê-lo dentro de um horizonte temporal de cinco anos. 4. Análise do Sector de Operação Logística em Portugal Sintetizando, podemos afirmar que a logística é uma actividade estratégica (porque acrescenta valor, permite diferenciação, cria vantagem competitiva,

17 aumenta a rendibilidade e rentabiliza a organização) que procede ao planeamento, implementação e controlo de fluxos físicos, informacionais, de serviços e de ideias, desde um ponto de origem até um ponto de consumo, ao mais baixo custo para o sistema logístico envolvido, e de acordo com as necessidades dos clientes a serem servidos. INTERNACIONAIS A operação logística atende as actividades que suportam o fluxo logístico e que comportam a gestão da network logística. Desta forma, um operador logístico actua a três níveis dentro da network: 1. A montante da produção: entre outros aspectos, assegurando o transporte primário, a gestão de stocks de matérias-primas e outras necessárias à produção, e a gestão dos espaços de movimentação e armazenamento; ESTUDOS 2. No apoio à produção: garantindo disponibilidade de materiais a montante da produção, a movimentação dos materiais ou produtos em vias de fabrico entre áreas do processo produtivo, e a jusante das áreas de fabrico através da recolha dos produtos, sua integração em stock e armazenamento A jusante da produção: através da gestão do stock de produtos, preparação de encomendas e entrega nos clientes/consumidores, através de transporte secundário, satisfazendo os vários canais de distribuição que possam existir. De uma forma esquemática, o âmbito de actuação do operador logístico está patente no Diagrama 1.

18 4.1. Portfólio de serviços disponibilizados pelos operadores logísticos Numa análise realizada aos operadores logísticos a operar no mercado português nos anos de 1999 e 2000, verificou-se que, de uma forma global, estes disponibilizam um amplo leque de serviços, o que demonstra capacidade de suporte total do fluxo físico gerado pelas empresas suas clientes. Analisando os Gráficos 5 e 6 verificamos que as empresas realizam principalmente actividades relacionadas com a armazenagem (problemas de stocks, armazenagem e controlo de inventários) e distribuição (transporte secundário) dos produtos. Esta postura fica a dever-se ao cariz nuclear que estas actividades têm na gestão dos sistemas logísticos. 18

19 ESTUDOS INTERNACIONAIS 19 É importante sublinhar que apesar da oferta de serviços ser global, a procura por parte das empresas clientes não regista a mesma incidência em relação a todas as actividades. Evolui-se de uma maior ênfase sobre a actividade de transporte para uma maior ênfase sobre as actividades de armazenagem, o que se fica a dever à tendência crescente para a externalização destas últimas actividades. Em relação a este aspecto há que atender ao facto de que antes da emergência dos operadores logísticos, a gestão do fluxo de materiais era efectuadas pelos próprios clientes, os quais recorriam a prestadores de serviços logísticos para fazer face a variações de procura e à sazonalidade, continuando o fluxo corrente de materiais a ser assegurado por recursos próprios dentro das empresas. As actividades sobre as quais ainda se verifica uma menor oferta de serviços são as que se referem à gestão de marcas e de serviço no ponto de venda. Este aspecto resulta do facto de, em muitas empresas, estas atividades ainda

20 serem remetidas às áreas de marketing, sendo assim pouco consideradas pelos operadores logísticos Transporte próprio vrs. subcontratado O transporte, primário e secundário, foi igualmente alvo de análise para efeito de avaliação da capacidade dos operadores logísticos portugueses. 20 Pode-se constatar que tanto no ano de 1999 quanto no ano de 2000 a percentagem de transporte subcontratado é elevada, sendo esta tendência de externalização marcadamente crescente de um ano para o outro. É de salientar que a actividade de transporte é uma das principais actividades desempenhadas pelas empresas de operação logística, aspecto que já tinha sido verificado anteriormente Activos para gestão do fluxo informacional O investimento em activos para gestão do fluxo informacional relacionado com a operação logística incide principalmente sobre sistemas de EDI (Electronic Data Interchange) e sobre a Internet. No entanto, em 2000, o crescimento de investimento na utilização de códigos de barras permitiu

21 que a utilização deste recurso se aproximasse mais dos níveis de utilização dos activos referidos antes. Aliás, através do Gráfico 8, podemos verificar, não só um crescimento acentuado de recurso a códigos de barras (no ano de 2000 dois terços das empresas utilizavam códigos EAN 66,7%), mas também, e para todos os activos que apoiam a gestão do fluxo de informação relacionado com a operação logística, uma tendência crescente de utilização. INTERNACIONAIS ESTUDOS 21 Os índices de utilização destes activos no sector da operação logística aumentam a capacidade destas empresas responderem às solicitações dos seus clientes com um serviço integrado, com maior disponibilidade de produto e com um desempenho mais elevado, tanto em termos de qualidade de serviço quanto de produtividade Capital humano O capital humano é outro dos aspectos fundamentais num sistema logístico. A análise efectuada permitiu concluir pela valorização das habilitações do capital humano das empresas de operação logística através de um decréscimo de indivíduos com frequência ou conclusão do ensino primário, e reforço das restantes categorias, especialmente em termos de ensino secundário.

22 22 O crescente reconhecimento da actividade logística como fonte de criação de vantagem competitiva, o aumento da escolaridade obrigatória e a complexidade crescente da actividade exigem uma valorização do capital humano. Esta valorização não poderá passar apenas pela utilização de indivíduos com habilitações académicas mais elevadas, mas deverá igualmente passar por um maior investimento em termos de formação profissional com vista ao incremento da produtividade, redução dos erros, utilização correcta dos recursos técnicos e aprendizagem das melhores práticas.

23 PARTE II: OPERAÇÃO LOGÍSTICA EM MOÇAMBIQUE INTERNACIONAIS 1. Introdução A actividade de operação logística em Moçambique é praticamente inexistente, mais ainda se nos reportarmos aos parâmetros de disponibilidade, fiabilidade e performance operacional verificadas nas empresas europeias, ou até mesmo nas empresas portuguesas. ESTUDOS No sentido de captar a verdadeira necessidade das empresas moçambicanas em termos logísticos, e de caracterizar a sua postura neste área, realizou-se um questionário a empresas que desenvolvem a sua actividade em Moçambique. A recolha, tratamento e análise desta informação terá sucesso se nos permitir caracterizar, de forma global, o desenvolvimento das empresas moçambicanas em termos logísticos, e realizar um ponto de situação em termos de recurso a outsourcing de actividades logísticas, utilização de recursos tecnológicos para gestão do fluxo de informação, e formação do capital humano Enquadramento Metodológico Para a recolha de informação sobre o contexto empresarial moçambicano em termos de necessidades logísticas foi efectuado um questionário, tendo o mesmo sido aplicado no terreno através da delegação da AIP em Moçambique, entre os dias 14 e 28 de Julho de Foi obtida uma amostra efectiva de 20 respostas. A distribuição das empresas da amostra efectiva pelos vários sectores de actividades é a que se apresenta no gráfico 10. A caracterização da situação logística actual de Moçambique será efectuada atendendo à informação recolhida através dos questionários recepcionados, os quais são aqui tidos como representativos de uma tendência geral das empresas moçambicanas.

24 24 3. Caracterização da Situação Logística Actual 3.1. Reconhecimento da actividade Através da análise da distribuição dos custos totais das empresas (Gráfico 11) verificamos que cerca de 75% destes são de cariz operacional (recursos humanos, produção e compras), enquanto que apenas 6% são identificados como custos logísticos. Conclui-se que os custos logísticos, embora existam, não são todos identificados com tal e são incluídos noutras áreas como a produção e as compras. Este facto demonstra que o estado evolutivo das empresas em termos logísticos é ainda muito baixo, até incipiente, sendo as empresas abordadas como um conjunto de áreas funcionais. Pode-se referir, a título de exemplo, que nos Estados Unidos os custos logísticos representam 10% do Produto Interno Bruto, valor que já resulta de um esforço iniciado há mais de 20 anos de compressão de custos nesta área.

25 INTERNACIONAIS ESTUDOS Apesar de 31% das empresas considerarem as actividades logísticas numa área autónoma, 69% ainda as engloba noutras áreas tais como a produção e o marketing. 25

26 26 A inclusão das actividades de carácter logístico em áreas com outros fins, nomeadamente na produção e no marketing, contribui não só para o adensar de conflitos internos, como também para uma performance mais pobre das empresas nos mercados onde actuam. As empresas são abordadas como um conjunto de áreas funcionais, pelo que o reconhecimento da actividade logística, com o seu carácter cross-functional, ainda não existe Operação própria vs. Externalizada As empresas moçambicanas demonstram tendência para a realização interna das actividades logísticas, nomeadamente daquelas que possibilitam controlo directo sobre o produto físico ou sobre o serviço prestado. De facto, através do Gráfico 14 verifica-se que são as actividades de transporte, e principalmente as de transporte de produtos acabados, as mais realizadas com recurso a outsourcing. Verifica-se também que, apesar de já se registar alguma propensão para a externalização, a manutenção de uma solução híbrida (com recurso simultâneo a transporte próprio e a transporte subcontratado) é ainda a mais adoptada. Este último aspecto acentua a vontade das empresas manterem controlo sobre o fluxo físico de materiais, recorrendo a empresas externas em situações de variação de procura ou para fazer face a flutuações sazonais.

27 ESTUDOS INTERNACIONAIS A propensão das empresas para realizarem algumas actividades logísticas através do recurso a empresas externas foi avaliada através de uma escala de valores inteiros, de 1 a 4, em que 1 significava muito pouco provável e 4 significava muito provável. Os resultados desta análise estão disponíveis no Gráfico A perspectiva de evolução para externalização de actividades logísticas por parte das empresas centra-se principalmente nas actividades de transporte, nomeadamente no transporte de matérias-primas (100% das empresas afirmam que o pretendem passar a fazer externamente num prazo de um a três anos). Esta evolução vem confirmar a tendência para a realização das actividades em outsourcing identificada anteriormente. A maior focalização da externalização no movimento de inbound e não tanto no de outbound poderá ficar a dever-se ao facto das empresas actualmente já realizarem parte deste último movimento através de outsourcing, motivo que as poderá ter levado a não considerar a resposta à questão. Uma menor apetência para a externalização da gestão de armazém e do processamento de encomendas poderá ficar a dever-se a falta de oferta de serviços de qualidade por parte do mercado.

28 3.3. Transporte e armazenagem 28 Os movimentos de inbound e de outbound são, de uma forma genérica, actualmente efectuados tendencialmente em regine de outsourcing em 66% das empresas (Gráfico 16). Relativamente à posse efectiva dos locais de armazenagem de matérias-primas e/ou de produtos acabados, a realidade é distinta da verificada em relação ao transporte, uma vez que 93% da armazenagem é realizada em instalações da própria empresa (Gráfico 17), sendo estas instalações operadas por recursos próprios (Gráfico 14).

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

O FUTURO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO RIO DE MERCADORIAS EM PORTUGAL. TIS.pt

O FUTURO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO RIO DE MERCADORIAS EM PORTUGAL. TIS.pt O FUTURO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO RIO DE MERCADORIAS EM PORTUGAL Rosário Macário TIS.pt Seminário T&N, 28.09.06 Que Políticas de Transporte? Tendências Fortes na Evolução da Envolvente Externa centralidade

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística Feira de Valladolid Copyright 2011 APLOG All Rights Reserved. 1 Desde 1991 20 anos de existência É uma associação de conhecimento,

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 01. A REDE NACIONAL DE PLATAFORMAS LOGISTICAS 01. INTRODUÇÃO 02. PRIORIDADES NA CONSTRUÇÃO DE NOVAS 02.

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

LOGÍSTICA EM PORTUGAL

LOGÍSTICA EM PORTUGAL LOGÍSTICA EM PORTUGAL 1 LOGÍSTICA EM PORTUGAL SUMÁRIO EXECUTIVO LOGÍSTICA EM PORTUGAL 2 LOGÍSTICA EM PORTUGAL INTRODUÇÃO CONTEXTO ATUAL 4 OBJETIVO 5 PRESSUPOSTOS ORIENTADORES 6 LOGÍSTICA EM PORTUGAL CONTEXTO

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 RELATÓRIO FINAL MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 1. Introdução À semelhança de iniciativas anteriores, a Nersant organizou

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda.

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. é uma empresa com competências nucleares

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE Enquadramento Comunitário e Nacional Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes, rumo a um sistema de transportes

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à 1. Amostra 2. Caracterização das viagens profissionais 3. Política de viagens

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo IX Produção e Logística Global Carina Viveiros Carla Pereira Ruben Dias Rui Ponte Produção e Logística Global Objectivos: Descrever as diferentes dimensões da estratégia

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Dados Pessoais: Naturalidade: Beira. Mandato: 2015/2017. Vice-Presidente do Conselho de Administração, WHATANA INVESTMENTS CORP

Dados Pessoais: Naturalidade: Beira. Mandato: 2015/2017. Vice-Presidente do Conselho de Administração, WHATANA INVESTMENTS CORP Dados Pessoais: Data de nascimento: 25 de Março de 1952 Naturalidade: Beira Nacionalidade: Moçambicana Cargo: Presidente do Conselho de Administração Início de Funções: 2015 Mandato: 2015/2017 Cargo que

Leia mais

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011

Apresentado por: Miquelina Menezes Maputo, 17 de Novembro de 2011 Energia Para Moçambique Análise do potencial do país no âmbito da geração de energias renováveis e revisão dos projectos de energia solar, eólica, hídrica, biomassa e biodiesel Apresentado por: Miquelina

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da Conclusão O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da empresa. As condições decorrentes da teoria da dualidade, entre produção e custos, permitiram a opção pela abordagem centrada

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais