Instrumentos de Gestão Docente: Tiago Pinho Mestrado em Logística. Carla Domingues Daniel Ferreira Mário Oliveira Sílvia Pereira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "21-01-2010. Instrumentos de Gestão Docente: Tiago Pinho Mestrado em Logística. Carla Domingues Daniel Ferreira Mário Oliveira Sílvia Pereira"

Transcrição

1 Instrumentos de Gestão Docente: Tiago Pinho Mestrado em Logística Carla Domingues Daniel Ferreira Mário Oliveira Sílvia Pereira 1 WMS Sistema de Gestão de Armazém RFID Identificação por Radiofrequência Gestão de Frotas Leitura Óptica EDI Electronic Data Interchange VMI Vendor Managed Inventory Compras Electrónicas Sistemas Integrados de Gestão 2 1

2 A tecnologia avança a grande velocidade, contribuindo para criar novas regras de actuação entre os intervenientes no sector logístico. No entanto, estas regras implicam, também, o recurso ao desenvolvimento de novas soluções, por forma a garantir a competitividade das empresas. Para que a tecnologia contribua para o aumento real da produtividade, não basta instalar equipamentos nos veículos. Torna-se necessário analisar a empresa do ponto de vista interno e externo, no seu relacionamento com os seus clientes e fornecedores e integrar as informações relevantes nos sistemas. 3 Sistema da informação que planeia, programa e controla todas as operações do armazém. Chegada do veiculo Recebimento dos materiais Arrumação Separação dos pedidos Reposição e controle de stock Inventário Programação e controle de frotas Base de dados estruturada, onde todos os artigos e localizações estão referenciados e respectivamente associados. 4 2

3 Quando é dada a entrada de item em armazém, o seu código único é lido com a ajuda de um leitor e a sua informação detalhada é registada na base de dados. O artigo fica imediatamente disponível no sistema e pode ser de seguida arrumado numa zona devidamente identificada. Todos os processos internos são controlados com a ajuda de terminais, que lêem simultaneamente os códigos dos objectos e as suas localizações respectivas. A leitura do código de destino é sempre obrigatória para assegurar a de forma rápida e fácil o rastreio do produto. 5 Expedição imediata das mercadorias recebidas para os locais de depósito; Revisão repetida da localização dos stocks; Gestão do espaço para uma utilização e rentabilização máxima. 6 3

4 Sistema de gestão em tempo real; Evita roturas de stocks (emissão de alertas); Relatórios de estatísticas de fluxos; Redução de erros; Evita paralisação da empresa para realização de inventários; Optimização de processos e utilização dos espaços. Diminuir o custo Aumento da produtividade Melhorar a integração do processo de armazenagem com os demais processos Melhorar o atendimento ao cliente 7 A identificação por radiofrequência (IDRF) é um sistema automático de identificação que possibilita a transmissão de dados recorrendo a marcas/identificadores (tags) portáteis para leitores com a capacidade de processar tais dados. As marcas são microchips, de dimensões muito reduzidas, por vezes microscópicas, que se encontram conectados a uma antena e que possuem a capacidade de transmitir informação de identificação tipicamente, um código único universal. Os dados transmitidos pelas marcas de radiofrequência (RF) podem incluir informação sobre a identificação ou a localização, bem como outra relativa às características (propriedades) do produto etiquetado. 8 4

5 9 10 5

6 Aumentam a competitividade; Reduzem a intervenção humana; Diminuem o capital de trabalho; Processamento da informação em tempo real; Nenhuma linha visual é necessária; Aumentar a disponibilidade dos produtos e identificar as áreas problemáticas na cadeia de abastecimento; Dinamizar a eficiência da logística e reduzir o roubo e a falsificação; Aumentar a precisão do inventário e optimizar a projecção de estimativas comerciais ; Reduzir os custos de manutenção e concentrar-se nas excepções de processos dispendiosos. 11 O material pode ser facilmente rastreado. Violação da integridade física: uma etiqueta possui dados específicos do material em que está localizada. Se esta for trocada e colocada noutro produto os dados por ela transmitidos já não vão corresponder à realidade e pode provocar danos à empresa. Cópia de etiquetas: se uma pessoa tiver conhecimentos sobre criação de etiquetas, pode copiar dados de uma etiqueta alheia, usando um leitor, e criar uma nova com os mesmos dados. Um exemplo: alguns carros fabricados actualmente possuem um dispositivo com RFID que faz com que não seja necessário o transporte da chave. Facilmente um ladrão pode copiar a etiqueta deste dispositivo e fazer a cópia desta. O roubo seria simples e discreto. Vigilância da etiqueta: obtenção de dados das etiquetas para uso indevido sem envolver fisicamente a etiqueta. Exemplo: um assaltante pode rastrear os dados bancários de uma pessoa e, sabendo que esta possui grande quantia de dinheiro, obriga-la a levantar dinheiro numa ATM. 12 6

7 Tanto os sistemas como as pessoas são importantes numa organização, mas os sistemas estão cada vez mais superando, em qualidade e velocidade, a capacidade de processamento de informações. Exemplo: Leitura humana dados código de barras de dados vs Leitura óptica de 13 Há alguns anos atrás, quando um motorista saía os portões da transportadora com um camião, ele tornava-se a pessoa mais importante da empresa, tanto o veículo como a carga ficavam nas suas mãos. Todavia a necessidade de uma gestão logística mais eficiente aliada ao crescente número situações indesejáveis (roubos, engarrafamentos, ) obrigou o mercado de transportadores utilizar ferramentas de gestão. 14 7

8 15 Comunicação económica, fiável e segura; Monitorização em tempo real de todos os veículos; Total controlo sobre a actividade dos condutores; Melhor planeamento de rotas, cargas e actividades; Menor tempo de resposta; Redução de custos de operação Melhoria de qualidade do serviço prestados; Aumento da produtividade; Aumento da segurança e controlo dos veículos e condutores. 16 8

9 17 Exemplos de equipamentos É um rastreador que funciona tanto por sinais de telemóvel (GSM/GPRS) como por GPS. 18 9

10 Para instalações semi permanentes utilizando, ou não, o adaptador para o Isqueiro do carro em caso de falta de energia. Tem a capacidade de gravação até registos, numa memória Flash de 4 Mb (Mega Byte). Tem uma particularidade funciona em situações extremas de temperatura; entre -10 graus para +60 graus. 19 Exemplo de pagina na internet (Ver actividades diárias, alertas de zona, de velocidade, de uso fora de horário de trabalho, quilometragem, etc) 20 10

11 21 Esta tecnologia é utilizada na identificação dos leitores e documentos. A sua aplicação é transversal a vários módulos (Catalogação, Empréstimo e Inventário)

12 Uma redução significativa do tempo de recolha de dados; Uma diminuição de erros relativamente à introdução manual de dados. Linguagem igual em toda a cadeia. As quais resultam numa: Maior fiabilidade nos dados recolhidos; 23 Produtor Matéria-Prima 1º Intermediário 2º Intermediário Centro Distribuição Cliente Final Super M. ID Produtos No. Lotes (N) No. Lotes (N) No. Lotes (N) ID Novos Prod. ID Agregações Data de Produção Data de Produção Data de Produção (PV) No. Lote Data de Validade Data de Validade Data de Validade Data de Produção SCCC (N) SCCC (N) SCCC (N) Data de Validade SCCC No. Encomendas No. Encomendas No. Encomendas No. Encomendas Retirado da Pagina de CODIPOR 24 12

13 QR-code 25 Países aderentes Países Membro Números EAN atribuídos directamente pela EAN Retirado da Pagina de CODIPOR 26 13

14 ESTRUTURA DE CODIFICAÇÃO: Contém até 12 dígitos que são lidos e identificados contendo: a descrição do produto, o nome do fornecedor, o preço, a quantidade em stock, de entre outras informações dígitos (cedidos pela EAN): País(560 Portugal) 5, 4 ou 3 dígitos Empresa (107) 4, 5 ou 6 dígitos Produto (221055) 1 dígito (obtido pelo cálculo algoritmo): Dígito de controlo (7)

15 Algumas considerações a ter em conta na hora de criar um código de barra. Tamanho Cores (Barras escuras em fundos claros)

16 É um sistema que permite a troca electrónica de mensagens/documentos estruturados (normalmente associados às transacções) entre organizações, de computador para computador, segundo normas definidas. Encomenda Confirmação Encomenda Cliente Aviso de expedição Entrega Aviso de recepção Fornecedor Factura 31 Substituição do uso de documentos em papel; Automatizar procedimentos, onde a comunicação ágil reduz o tempo de realização e finalização dos mesmos, fomentando uma maior efectividade e possibilitando vantagens competitivas para as organizações; Facilitar a integração dos dados de empresas

17 A utilização de EDI reduz os custos de processamento e pessoal, dado que elimina ou reduz as seguintes actividades: inserção de dados redundantes; reconciliação manual de diferentes documentos; correcção de erros relacionados com a inserção incorrecta de dados; envio por correio ou fax de documentos; arquivo e distribuição de documentos; liberta o pessoal de tarefas administrativas repetitivas. A utilização de EDI reduz os custos de stock, dado que ao reduzir o ciclo de encomenda e incerteza associada, permite reduzir stocks de segurança. 33 Ao nível estratégico, a utilização do EDI não deve ser como um mecanismo de redução de custos, mas sim uma nova forma de fazer negócio e um factor de integração da cadeia de abastecimento, pois: potencia a reengenharia/redesenhar de processos internos; permite reduzir lead-times; melhora a capacidade de resposta aos clientes, pois disponibiliza informação em tempo real; permite suportar sistemas de gestão de materiais de uma forma automática, como sejam o MRP ou o JIT; permite estreitar a relação com os parceiros denegócio ou outras organizações que fazem parte da cadeia logística; potencia que a organização compita numa base global/internacional; permite a toda a organização utilizar a mesma informação, que é simultaneamente correcta e actualizada; muitas vezes é um requisito obrigatório

18 EDI - Desvantagens Custos iniciais de implementação; Necessidade de maior segurança para os dados; Incompatibilidade com os sistemas existentes e com as interfaces com o consumidor; Necessidade de adaptação dos funcionários. 35 EDI O EDI é uma evolução natural, que combina a potência da informática e das telecomunicações para substituir a documentação de papel enquanto suporte de dados em actividades e serviços comerciais. EDI é o comércio sem papéis, o caminho mais curto entre os sistemas informáticos dos parceiros comerciais

19 37 VMI - Vendor Managed Inventory Objectivo Fazer com que os fornecedores, por meio de um sistema de EDI, verifiquem as necessidades do cliente por um produto, no momento certo e na quantidade certa

20 VMI - Vendor Managed Inventory Stock gerido pelo fornecedor através da informação recebida de forma contínua sobre os movimentos de stock (ou da procura); Na prática, o fornecedor passa a ser responsável por manter os níveis de inventário do cliente em valores pré-estabelecidos. O fornecedor passa a ter acesso aos dados de inventário do cliente (normalmente via EDI) e é responsável por criar ordens de compra para o seu próprio material. 39 VMI - Vendor Managed Inventory Os stocks totais (fornecedor + Cliente) são inferiores, pois não há duplicação de stocks e há visibilidade dos consumos. Requer um esforço significativo e know-how logístico por parte do fornecedor, liberta recursos do lado do cliente e cria laços mais fortes. Obviamente, existem benefícios e riscos associados a um programa de VMI. Para aperfeiçoar os benefícios, é importante que, como em qualquer programa, as actividades sejam bem planeadas, executadas e lideradas

21 FORNECEDOR E COMPRADOR COMPRADOR FORNECEDOR Reforça a parceria entre as empresas. Redução dos tempos na cadeia de abastecimento. Melhor atendimento ao cliente final, ao ter melhor disponibilidade do material em inventário. Melhor timing das ordens de compras. Estabilidade no inventário e menor risco de falta de materiais. Redução do custo de emissão e processamento de pedidos. Melhoria do nível de serviço. Pode manter o foco no serviço ao cliente final. Redução do risco. Melhor previsão da procura, já que tem acesso a dados detalhados de inventário e consumo do comprador. Maior facilidade de incorporar promoções no plano de inventário. Redução de erros. Redução de custos de transporte, posse e de aprovisionamento 41 Resistência: os vendedores do fornecedor podem ser contrários a um sistema que tira o poder de venda das suas mãos. Complexidade: o sistema de EDI deve ser testado exaustivamente para garantir que os dados são de confiança. Aceitação: os funcionários envolvidos nas duas empresas devem conhecer os objectivos e processos do VMI, já que a relação fornecedor-comprador muda. Tempo: o VMI envolve um tempo de aprendizagem considerável. As empresas envolvidas devem ter isto claro e aceitar a curva de aprendizagem. Excesso ou Falta de Inventário: devem existir regras claras para casos nos quais sobre ou falte material, e quando o comprador quer mudar os níveis de inventário. Comunicação: aumenta a dependência de comunicação entre fornecedor e comprador. Devem-se definir novos processos entre as empresas

22 Necessidade de utilizar tecnologias avançadas, o que traz um acréscimo de custos; A extrema confiança que terá que existir entre as duas partes; A aceitação por parte dos funcionários de ambas as partes da sua responsabilidade; Aumento de custos para o fornecedor; Inexistência de regras claras em relação aos custos com a gestão de stocks; A implementação do EDI. 43 O VMI integra-se na cadeia de abastecimento como forma de estabelecer uma real colaboração e partilha de informação entre o fornecedor e o cliente e com isso, não só permite reduzir o nível de stock ao longo da cadeia como proporciona uma redução de custos

23 - O que é um Sistema de Gestão Integrado? Conjunto de partes interligadas e interdependentes, que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objectivo e efectuam determinada função produzindo um ou mais resultados. 45 O SGI é, actualmente, uma ferramenta de grande importância para as empresas que tem como principal objectivos: permitir uma maior fluidez em toda a organização, melhorando o reconhecimento e a compreensão das responsabilidades e inter-relações organizacionais. Integrar toda a gestão da empresa com a obtenção de informação em tempo real, acelerando assim o processo de decisão

24 Ou seja: - Uma organização que trabalhe com um SGI, aumenta a eficiência operacional e melhora o seu desempenho geral, diminuindo os riscos e tornando claro as responsabilidades

25 25

26

27

28 - O que são compras electrónicas? As compras electrónicas consistem na aquisição de bens e serviços, a qualquer hora e a partir de qualquer local, através de um conjunto de soluções, usando a internet Consiste na implementação de um portal electrónico de forma a possibilitar uma entidade a criação da sua encomenda e submetêla ao fornecedor com os seguintes objectivos: Gerar poupanças e aumentar a eficiência do processo de aquisição; Aumentar a transparência do procedimentos; Aprofundar o conhecimento da estrutura das despesas e dos processos de aquisição existentes; Melhorar os tempos de resposta em relação as solicitações internas e ao próprio mercado; Adoptar práticas inovadoras; 56 28

29

Solução de Auto-Venda

Solução de Auto-Venda Solução de Auto-Venda A Problemática Vendedores sem acesso a dados vitais para o seu trabalho Vendedores limitados e condicionados pelo escritório Pouca eficácia na gestão das vendas Solução Competitividade

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 Grupo MedLog 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 MedLog - As Empresas MedLog Passado e Presente Distribuição de medicamentos

Leia mais

RFID CASE STUDY THROTTLEMAN. Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54

RFID CASE STUDY THROTTLEMAN. Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54 RFID CASE STUDY THROTTLEMAN Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54 A TECNOLOGIA RFID A HISTÓRIA A TECNOLOGIA Identificação por Rádio Frequência permite identificar unicamente um objecto, usando ondas

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto The global language of business GS1 EPCglobal/RFID Uma ferramenta logística RASTREABILIDADE INFORMAÇÃO EM TEMPO REAL GS1 EPC

Leia mais

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações Informática Aula 7 Redes e Telecomunicações Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução Para as empresas modernas funcionarem eficazmente, são vitais as ligações que conectam as suas

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - AUTOMÓVEL OBJECTIVO GLOBAL - Planear, organizar, acompanhar e efectuar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA José Lourenço Apresentação TEIA Angola TEIA - Tecnologias de Informação de Angola, Lda (Desde 2008) Implementação e manutenção de soluções próprias

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 19º Encontro - 09/10/2011 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

CURSO DE CRIAÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA (EBT)

CURSO DE CRIAÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA (EBT) CURSO DE CRIAÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA (EBT) MÓDULO: Logística e Supply Chain Management Susana Garrido Azevedo, P.h.D sazevedo@ubi.pt UBI FORMAÇÃO CURSO DE CRIAÇÃO E DINAMIZAÇÃO

Leia mais

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Marcos Gaspar Carreira Técnico de CAD Um Mundo Um Sistema The Global Language of Business A Linguagem Global dos Negócios GS1 Início de actividade em 1977; Com sede

Leia mais

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência problema Má organização do espaço físico Mercadoria estagnada Tempos de resposta longos Expedições incorrectas Ausência de rastreabilidade Informação

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Your Partner for a Safe IT Operation

Your Partner for a Safe IT Operation Your Partner for a Safe IT Operation is Integrated Systems AG Öschlestrasse 77 78315 Radolfzell Germany Tel. +(49) (0) 7732/9978 0 Fax +(49) (0) 7732/9978 20 info@integratedsystems.de www.integratedsystems.de

Leia mais

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores,

Leia mais

PHC dfront. A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes

PHC dfront. A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes PHC dfront DESCRITIVO O módulo PHC dfront permite, não só a introdução das encomendas directamente no próprio sistema, bem como a consulta, pelo cliente, de toda a informação financeira que lhe diz respeito.

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

O Sistema GS1 Normas para os T&L

O Sistema GS1 Normas para os T&L O Sistema GS1 Normas para os T&L MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa O QUE É A GS1? Sem Fins Lucrativos Neutra em relação

Leia mais

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL Imagine um mundo onde a sua Empresa se desenvolve facilmente, onde a cooperação entre os seus funcionários, as suas filiais e o seu ambiente de negócio é simples e em que

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

O aumento da qualidade e eficiência das vendas

O aumento da qualidade e eficiência das vendas PHC dfront O aumento da qualidade e eficiência das vendas A solução Business-to-Business que permite a introdução das encomendas directamente no próprio sistema, bem como a consulta, pelo cliente, de toda

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição Whitepaper Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição ÍNDICE A Tecnologia RFID simplifica os Processos de Negócio 2 O que é RFID? 2 Como funciona a Tecnologia RFID 2 Vantagens

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

PHC Doc. Electrónicos CS

PHC Doc. Electrónicos CS PHC Doc. Electrónicos CS A diminuição dos custos da empresa A solução que permite substituir a típica correspondência em papel, agilizando os processos documentais e reduzindo os custos das empresas. BUSINESS

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

Workshop. Rastreabilidade na Indústria Alimentar. Com a presença de. Évora, 27 de Fevereiro. Definição e regras de rastreabilidade

Workshop. Rastreabilidade na Indústria Alimentar. Com a presença de. Évora, 27 de Fevereiro. Definição e regras de rastreabilidade Workshop Rastreabilidade na Indústria Alimentar Definição e regras de rastreabilidade Legislação aplicável Aplicações em suporte papel e em suporte digital Casos práticos Com a presença de Évora, 27 de

Leia mais

Mobile Business. Your sales on the move.

Mobile Business. Your sales on the move. Pág/02 O PRIMAVERA é um produto destinado a empresas que utilizem processos de auto-venda e/ou pré-venda com Equipas de Vendas que necessitem de um conjunto de informação e funcionalidades avançadas, disponíveis

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta

PHC Logística BENEFÍCIOS. _Redução de custos operacionais. _Inventariação mais correcta PHCLogística DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística A solução para diminuir

Leia mais

Integração de Sistemas de Informação

Integração de Sistemas de Informação Slides do livro publicado pela FCA em Setembro de 2003 Integração de Sistemas de Informação Miguel Mira da Silva 16 Nov 2003 1 5 Integração entre Empresas 5.1 EDI Tradicional 5.1.1 Vantagens 5.1.2 Dificuldades

Leia mais

O Sistema de Compras Electrónicas

O Sistema de Compras Electrónicas Seminário Novas Perspectivas na Contratação Pública Tribunal de Contas, INA, CCSCI 20-21 Nov 2006 O Sistema de Compras Electrónicas Luis Magalhães Programa Nacional de Compras Electrónicas (PNCE) Aprovado

Leia mais

SISTRADE MOBILIDADE, INOVAÇÃO & TECNOLOGIA SisTrade Sistemas de Informação Angulusridet Informática, S.A. sistrade.pt BdoisB MIS ERP 100% WEB SISTRADE - Angulusridet Informática, S.A. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes.

A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes. Descritivo completo PHC dfront A solução Business-to-Business que permite aumentar a qualidade e eficiência das suas vendas bem como a satisfação dos seus clientes. Benefícios Aumento da qualidade e eficiência

Leia mais

Gestão de Transportes / Operadores Logísticos

Gestão de Transportes / Operadores Logísticos Gestão de Transportes / Operadores Logísticos ÁBACO Consultores v1.0 Agenda Objectivo ABACO Vertical para Gestão de Transportes Vertical para Gestão de Operadores Logísticos ÁBACO Consultores Parceiro

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS

MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS MEIC-TP TECNOLOGIAS AVANÇADAS DE REDES E SISTEMAS (FASE 2) PROJECTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE COMUNICAÇÃO PARA WISECHOICE INTERNATIONAL Coordenador Geral do projecto Prof. Rui Santos Cruz 2008/2009 1 1. Os

Leia mais

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE

OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE OS SISTEMAS DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO MATERIAL CIRCULANTE 1. REFERÊNCIAS [1] - Bases Gerais para a Implementação de Sistemas de Gestão da Manutenção de Material Circulante, Instrução Técnica 5, INCFA

Leia mais

PRIMAVERA FASHION RETAIL A SOLUÇÃO PARA O SECTOR DA MODA

PRIMAVERA FASHION RETAIL A SOLUÇÃO PARA O SECTOR DA MODA PRIMAVERA FASHION RETAIL A SOLUÇÃO PARA O SECTOR DA MODA PRIMAVERA FASHION RETAIL A SOLUÇÃO PARA O SECTOR DA MODA 3 PRIMAVERA FASHION RETAIL. A SOLUÇÃO PARA O SECTOR DA MODA. NOS DIAS DE HOJE, MAIS DO

Leia mais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais

PRIMAVERA INDUSTRY. Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais PRIMAVERA INDUSTRY Uma solução para as PME industriais produtivos de modo a garantir uma maior qualidade dos produtos sujeitos a fabrico, ao menor

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 224078089 www.gestofinal.com info@gestofinal.

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 224078089 www.gestofinal.com info@gestofinal. Projecto de Informatização Instituto de Beleza O meu Salão GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 224078089 www.gestofinal.com info@gestofinal.com Versão

Leia mais

SIL Sistemas de informação na Logística

SIL Sistemas de informação na Logística SIL Sistemas de informação na Logística EFA TL02 Formador: Bernardo Castro Sistemas de informação na logística (SIL) 1. Funções do sistema de informação logístico. Segunda-feira, 17 de Março de 2014, 11:28

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

PHC Logística CS BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo

PHC Logística CS BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo O módulo PHC Logística CS permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à sua expedição. PHC Logística CS A solução para diminuir os custos

Leia mais

GeoMob Gestão de Recursos Móveis. Sistema de Monitorização de Logística

GeoMob Gestão de Recursos Móveis. Sistema de Monitorização de Logística GeoMob Gestão de Recursos Móveis 1 Objectivo GERIR O QUE SE MOVE NO TERRITÓRIO É o grande desafio que as empresas de distribuição enfrentam diariamente. A solução da GEOGLOBAL responde aos requisitos técnicos

Leia mais

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto Plataforma de Compras Electrónicas Sessão de Apresentação do Projecto 16 de Abril de 2007 Dr.ª Rosário Fernandes Estatísticas do Projecto (Fevereiro e Março de 2007) Utilizadores Orgânicas Fornecedores

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

Gestores Colaboradores com participação activa na Gestão da Farmácia Gestores e/ou Contabilistas - Conhecer ferramentas fundamentais para melhorar a Gestão da Farmácia; - Conhecer o peso Contabilístico/Fiscal

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais

GS1 EPCglobal: O que necessita saber...

GS1 EPCglobal: O que necessita saber... GS1 EPCglobal: O que necessita saber... GS1 EPCglobal Em 1999, um grupo de produtores e distribuidores identificou o potencial da RFID - Radio Frequency IDentification (Identificação por Rádio Frequência)

Leia mais

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais.

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais. Preparação da Qualidade Página 1 de 6 5.1. COMERCIALIZAÇÃO 5.1.1. Transporte A empresa através da sua área de operações ou da administração, tem como objectivo em cada serviço adjudicado, entre vários,

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1 Diminua os custos do processo de facturação da empresa Página 1 O software PHC é uma ferramenta imprescindível na gestão diária de uma empresa. Trata-se de um software cuidadosamente estudado por utilizadores

Leia mais

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega

www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ENOGEST O - Gestão informática de adega 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos módulos será acompanhado

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

be on top of your chain WMS Eye Peak Express

be on top of your chain WMS Eye Peak Express be on top of your chain WMS Eye Peak Express 1 Índice 1. O QUE É?... 3 2. AJUDA QUEM?... 5 3. RESOLVE O QUÊ?... 7 Pilar do Controlo, Eficiência e Responsabilização... 7 Pilar da eficácia, da rapidez, da

Leia mais

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

Uma aplicação que reúne Facturação, Clientes e Fornecedores com Stocks e Serviços, permitindo controlar toda a área comercial.

Uma aplicação que reúne Facturação, Clientes e Fornecedores com Stocks e Serviços, permitindo controlar toda a área comercial. PHC Software na Hora PHC Software na Hora Descritivo completo Benefícios 9 Muito fácil de utilizar; 9 Gestão de tempo e Informação Informação; 9 Maior facilidade de controlo e gestão; 9 Totalmente integrado;

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA ÍNDICE MANUTENÇÃO PRIMAVERA 4 MÓDULOS CONSTITUINTES 4 CADASTRO 4 Entidades 5 Localizações 8 MATERIAIS 11 Sobresselentes, Consumíveis,

Leia mais

Dennis Tortora, Vice President Controller, Steinway & Sons

Dennis Tortora, Vice President Controller, Steinway & Sons Dennis Tortora, Vice President Controller, Steinway & Sons Quadro de Contabilidade Geral base Distribuições Orçamentos Esquema de Contas Gráfico de Barras do Esquema de Contas Consolidação Centros de Responsabilidade

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

A plataforma EasyFrota é uma solução de gestão e localização de frotas baseada em tecnologia de localização por GPS e em telecomunicações GSM/GPRS.

A plataforma EasyFrota é uma solução de gestão e localização de frotas baseada em tecnologia de localização por GPS e em telecomunicações GSM/GPRS. FUNCIONALIDADES EASYFROTA EasySoft, Lda Centro Empresarial e Tecnológico Rua de Fundões, N. º 151 3700-121 S. João da Madeira Tel. 256001911 URL: www.easysoftware.pt SOBRE A EASYSOFTWARE A EasySoftware

Leia mais

PHC dgestão. ππ Área de Clientes. ππ Área de Fornecedores ππ Área de Stocks e Serviços ππ Área de Tesouraria. ππ Todas as empresas com

PHC dgestão. ππ Área de Clientes. ππ Área de Fornecedores ππ Área de Stocks e Serviços ππ Área de Tesouraria. ππ Todas as empresas com PHC dgestão DESCRITIVO A qualquer momento e onde quer que esteja, o PHC dgestão permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos e documentos de facturação, encomendas e compras, guias de

Leia mais

Análise real de dados

Análise real de dados Análise real de dados Para tacógrafos analógicos e digitais www.siemensvdo.com 1 Maximize todas as potencialidades dos tacógrafos digitais Novas obrigações, novas opções de análise Para si e para a sua

Leia mais

We make I.T. simple FÁCIL E RÁPIDO. O Sistema Logitools foi estudado para reduzir o cansaço de utilização através de uma utilização mais ergonómica.

We make I.T. simple FÁCIL E RÁPIDO. O Sistema Logitools foi estudado para reduzir o cansaço de utilização através de uma utilização mais ergonómica. We make I.T. simple + = FÁCIL E RÁPIDO SIMPLES E INTUITÍVO Com o aparecimento recente de equipamentos híbridos, que usam tanto o rato/teclado, como uma interface táctil. A Logitools desenha o primeiro

Leia mais

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise?

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? APLOG 12-Março-2009 2009 Objectivos da apresentação Apresentar algumas formas de contornar a actual crise com base na criação de valor recorrendo à

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS Sobre a SOL-S e SOLSUNI Fundada em 1992; Integrador de Soluções, com vasta experiência de Tecnologias de Informação, disponibiliza um completo portfolio

Leia mais

MILINHA VITOR P. GOMES, UNIPESSOAL, LDA

MILINHA VITOR P. GOMES, UNIPESSOAL, LDA CONDIÇÕES GERAIS E PARTICULARES DE VENDA ON-LINE As presentes CONDIÇÕES GERAIS E PARTICULARES DE VENDA ON-LINE são acordadas livremente e de boa-fé entre Vitor Pereira Gomes, Unipessoal, Lda. com sede

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning):

Definição. Planeamento Industrial Aula 13. MRP ou ponto de encomenda? Procura dependente e ponto de encomenda. MRP (Materials Requirements Planning): Planeamento Industrial Aula 13 Material Requirements Planning (MRP):. introdução. requisitos. plano mestre de produção. funcionamento. loteamento Definição 2 MRP (Materials Requirements Planning): Conjunto

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

PROJECTO DE REDES INFORMÁTICAS E INFRA-ESTRUTURAS DE COMUNICAÇÕES

PROJECTO DE REDES INFORMÁTICAS E INFRA-ESTRUTURAS DE COMUNICAÇÕES MEIC-TP PGRI PROJECTO DE REDES INFORMÁTICAS E INFRA-ESTRUTURAS DE COMUNICAÇÕES PARA WISECHOICE INTERNATIONAL Coordenador Geral do projecto Prof. Rui Santos Cruz 2009/2010 1 Os Objectivos A MEIC-TP é uma

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Seminário GS1 Portugal FIPA

Seminário GS1 Portugal FIPA GS1 - The Global Language of Business Seminário GS1 Portugal FIPA Nuno Miranda 14.06.2012 2 EDI = Electronic Data Interchange - Transferência Electrónica de Documentos EDI é a transferência de MENSAGENS

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo

COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS. As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo COMISSÃO NACIONAL DE PROTECÇÃO DE DADOS As dinâmicas de grupo e os perfis de consumo O uso de perfis na empresa Os perfis são conjuntos de dados que caracterizam categorias de indivíduos destinados a serem

Leia mais

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização

EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização 2014 EUROGEST Simplifique processos - rentabilize a sua organização MEE-IT, LDA 01-01-2014 1/1/2014 Índice EUROGEST... 2 Principais Módulos:... 5 Matérias Primas (Componentes)... 5 Modelos fichas Técnicas...

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Controle todos os custos e utilizadores da frota

Controle todos os custos e utilizadores da frota PHC Frota CS DESCRITIVO O módulo PHC Frota CS contém ferramentas para o controlo total sobre os custos da frota, manutenção e estado da mesma. PHC Frota CS Controle todos os custos e utilizadores da frota

Leia mais