As empresas estão hoje em ciclos económicos em que existe uma competitividade crescente e ciclos de vida mais curtos para os produtos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As empresas estão hoje em ciclos económicos em que existe uma competitividade crescente e ciclos de vida mais curtos para os produtos"

Transcrição

1 C a d e r n o s L i n k Arquitectura do negócio electrónico José Alves Marques Presidente do Conselho de Administração da Link A arquitectura do negócio electrónico As empresas estão hoje em ciclos económicos em que existe uma competitividade crescente e ciclos de vida mais curtos para os produtos e serviços que exigem conhecimento profundo dos clientes e dos fornecedores. Podemos considerar que neste novo paradigma empresarial a empresa vai alargar a sua tradicional fronteira para abarcar no seu perímetro de actuação as entidades com que se relaciona. Os especialistas de gestão deram as boas-vindas à «empresa estendida» O mercado do futuro vai ser global e electrónico. Esta mudança profunda da forma de fazer negócio é hoje amplamente reconhecida quer pelos analistas quer pelos empresários. Contudo, não existem certezas sobre quando se fará sentir maciçamente o impacto, mas vários estudos indicam que o processo de transformação está a iniciarse, prevendo-se que atinja proporções significativas já a partir do ano 2000 nos Estados Unidos e em 2001/2 na Europa. O crescimento dependerá, naturalmente, do número de empresas, organismos de administração e utilizadores particulares que adira mas é, seguramente, um fenómeno de explosão combinatória que conduz a taxas exponenciais na sua expansão. A visão prevalecente é de que a economia irá organizar-se em torno de vastos sistemas de negócio electrónico, constituídos por redes de fornecedores, distribuidores e clientes, que utilizarão meios electrónicos como plataformas-base para colaborarem e competirem no mercado. A figura mostra uma antevisão da alteração do peso relativo no Produto Nacional Bruto das actividades oriundas da economia industrial e da futura economia digital. A criação desta nova forma de organização, frequentemente designada Nova Economia, radica fundamentalmente na possibilidade de as empresas e organizações em geral se reinventarem, ou seja, aproveitarem o seu conhecimento e as suas potencialidades internas para, com base nas possibilidades oferecidas pela tecnologia, se reposicionarem nas cadeias de valor, redefinirem os seus processos de negócio, aumentarem a produtividade e se globalizarem. Negócio electrónico, o que é? É uma nova forma de estruturar todos os processos de negócio de uma empresa ou organização suportada em informação electrónica e comunicações, que permitem uma ligação directa entre: A empresa e os clientes; A empresa e os seus parceiros de negócio; A empresa e os seus colaboradores ou, de outra forma, entre o conhecimento que a empresa possui e os seus funcionários e o conhecimento pessoal que estes detêm; A empresa e a sua gestão. Como é óbvio, a ligação entre os diferentes participantes nos processos de negócio existe desde a génese do mercado. O factor significativo de alteração, introduzido pela tecnologia actual dos computadores, é o conjunto das características do novo tipo de relacionamento económico, que passou a ser: Directo; Interactivo; Activo a todo momento; Omnipresente. É de realçar que este entendimento do negócio electrónico transcende o mero 10 N1 - Novembro de 1999

2 Arquitectura do negócio electrónico C a d e r n o s L i n k Evolução conceito de comércio electrónico, entendido apenas como a capacidade de fazer transacções comerciais na rede. A capacidade disponibilizada pelos computadores interligados em vários níveis de rede vai para além do mercado permite transferir e partilhar informação e conhecimento, melhorar o processo de decisão, eliminar esforço duplicado, favorecer o trabalho em equipa mesmo remotamente, conectar estreitamente quem trabalha, em suma, repensar toda a organização da empresa e dos seus processos de negócio. É este contexto mais alargado que terá um impacto profundo na estrutura das empresas e organizações e conduzirá realmente a uma Nova Economia. Uma Nova Economia Mas o que é que mudou no contexto do funcionamento da economia e da sociedade que justifique uma revisão profunda dos processos de negócio? Numerosos factores poderiam ser apontados, mas consideremos apenas alguns cuja relevância merece ser destacada. Comecemos pelos factores tecnológicos: O enorme investimento necessário à criação de redes de comunicação abertas e universais já foi efectuado. A existência de uma infra-estrutura de comunicações global, eficiente e cujos custos estavam em grande parte amortizados foi um factor decisivo para que as comunicações electrónicas se tornassem universais e de acesso generalizado. A contínua evolução tecnológica vai levar a uma redução crescente dos custos das comunicações e a um contínuo aumento da banda disponível. Por outras palavras, as comunicações tornaram-se um factor de produção abundante e barato; A evolução tecnológica dos computadores e dos sistemas de informação tornou possíveis actuações que há algumas dezenas de anos atrás teriam custos exorbitantes. Basta apenas considerar dois factores mais conhecidos: os sistemas informáticos têm, para custos iguais de investimento, um desempenho que evolui exponencialmente, tendência que apenas será limitada pelo atingir dos limites físicos na tecnologia dos circuitos integrados, patamar que actualmente se prevê para o ano 2020; a capacidade de armazenamento e tratamento de informação não tem paralelo com nenhuma situação do passado. Da mesma forma que em relação às comunicações, o custo da computação, tão elevado há décadas atrás, tende virtualmente para zero; O comércio electrónico existe há mais de vinte anos. São exemplos as normas de EDI (electronic data interchange, na designação anglo-saxónica) na indústria automóvel ou os sistemas de reservas de viagem. Contudo, todas estas experiências tinham como base sistemas proprietários ou redes complexas. A Internet e os computadores pessoais deram uma abertura a este processo, que finalmente a Web colocou no domínio do grande público. Os sistemas abertos aboliram as fronteiras entre sistemas proprietários de empresas ou conglomerados empresariais, países ou blocos económicos, permitindo que a troca de informação se efectue de forma global e dando origem a um fenómeno de crescimento exponencial dos potenciais interlocutores. Contudo, os factores de mudança, apesar de provocados por motivos tecnológicos, não se limitam a estes, existindo condicionantes económicas, como a globalização, a mudança de hábitos de consumo e a crescente competitividade exigida às empresas. Entre os impactos económicos mais sentidos, refira-se dois: A desregulamentação de um elevado número de actividades, a criação de grandes zonas de comércio livre e a existência das redes de comunicação globais tendem a eliminar as barreiras à livre concorrência nos mercados de serviços e produtos. A geografia deixou de ser um argumento que N1 - Novembro de

3 C a d e r n o s L i n k Arquitectura do negócio electrónico Negócio Electrónico permita o proteccionismo e mercados geridos de forma menos competitiva. A competição em mercados muito mais vastos e abertos obrigará as empresas a redefinirem o seu posicionamento estratégico e levará a uma acrescida necessidade de repensar e optimizar os seus processos de negócio; Enquanto a tecnologia tornou os factores de produção abundantes e baratos, uma outra variável ganhou importância crescente, o tempo. O tempo é um recurso escasso, seja na vida empresarial, no mercado ou, cada vez mais, na vida pessoal. A rede mudará definitivamente os critérios dos consumidores em relação à conveniência, velocidade, capacidade de comparação, preço e serviço. A possibilidade de economizar tempo já hoje se pode sobrepor à lógica do melhor preço. Na rede, a disponibilidade é completamente diferente: as lojas não fecham e o acesso é feito a partir do local onde se encontra o cliente e não no espaço físico do vendedor. Os sistemas de informação das empresas podem facilmente ser interligados, construindo-se cadeias de valor eficientes e com tempos de resposta menores do que na tradicional economia industrial e de serviços. As empresas na era electrónica As empresas estão hoje em ciclos económicos em que existe uma competitividade crescente e ciclos de vida mais curtos para os produtos e serviços que exigem conhecimento profundo dos clientes e dos fornecedores. Podemos considerar que, neste novo paradigma empresarial, a empresa vai alargar a sua tradicional fronteira para abarcar no seu perímetro de actuação as entidades com que se relaciona. Os especialistas de gestão deram as boas-vindas à «empresa estendida». Estender o seu domínio de actuação significa dispor de mais informação através da utilização intensiva das comunicações e dos sistemas computacionais interligados em rede, de modo a recolher e a tratar a informação-base de todos os processos de negócio. Se observarmos os quadrantes que identificamos na figura, verificamos, primeiro, que a empresa irá ligar-se muito mais fortemente aos seus c l i e n t e s. Esta vertente, por vezes designada business to consumer («b to c», no acrónimo), tem, na nossa perspectiva, um âmbito mais abrangente, traduzindo-se em múltiplas actuações: Novos canais de venda (lojas electrónicas), procurement electrónico, que optimizem variáveis estratégicas como tempo, custos de armazenamento, custo, etc.; Pré-venda e ajuda ao cliente. A possibilidade de ajuda à utilização do produto de forma interactiva, com guias, análise, visualizadores; Melhor conhecimento dos clientes, capturando mais informação sobre as suas preferências e hábitos. A gestão da relação com os clientes ou CRM (acrónimo de cus - tomer relationship management) é um sistema de suporte à gestão de contactos com os clientes e para acções subsequentes de acompanhamento. Este tipo de sistemas automatiza o controlo das listas de clientes, as actividades de marketing directo, a realização de campanhas, a medição dos seus resultados, assegurando desta forma um ponto único de controlo da gestão de clientes. Os modernos sis- 12 N1 - Novembro de 1999

4 Arquitectura do negócio electrónico C a d e r n o s L i n k Mudança de paradigma temas de CRM são independentes dos canais de contacto, sejam eles via telefónica ( call center), via Web, via direct mail ou ainda através de cartões de fidelização; Capacidade de adaptação aos requisitos. A sociedade industrial criou um modelo de normalização de produtos que, mercê de uma produção maciça cada vez mais bem estruturada, conduziu ao tipo de consumo que conhecemos. A capacidade de os sistemas de informação interligarem o cliente à produção e à logística permitirá, a custos competitivos, uma crescente parametrização dos produtos. A segunda área de expansão da empresa é a integração dos seus processos de negócio com os dos seus p a r c e i r o s: fornecedores, distribuidores, revendedores. Esta evolução é vulgarmente designada por business to business e os analistas consideram que é nesta vertente «b to b» que deverá situar-se o maior volume de negócio, com um crescimento extremamente rápido a partir do ano Espera-se que o negócio electrónico nesta área passe de uma taxa de crescimento anual de 10% em 1997 para uma taxa de 90% em Esta interligação revestirá alguns dos seguintes aspectos: Aprovisionamento electrónico (e-pro - curement buy side). Utilização de meios electrónicos para aquisição de bens e serviços, quer para o processo produtivo quer para manutenção ou MRO (acrónimo de maintenance repair and operations). O aprovisionamento electrónico permite a selecção de fornecedores numa rede mais vasta, a gestão do processo de compras, conduzindo a redução de custos e a uma logística mais eficiente. A evolução previsível destes sistemas permitirá negociação, contratação e pagamento integralmente electrónicos; Gestão da cadeia de abastecimentos (supply chain management). Integração com os sistemas de informação dos fornecedores, operadores de logística e rede de distribuição. Optimização do fluxo de materiais e produtos, redução dos custos de armazenamento. Possibilidade de adaptação rápida aos requisitos dos clientes; Utilização de meios electrónicos para venda de produtos (e-procurement market s i d e). Constituição de catálogos, interligação de bases de dados de produtos e catálogos electrónicos, EDI e XML (de extensible markup language, que permite a troca de dados entre diferentes aplicações). Benefícios para a empresa: oportunidade de oferta de produtos a grandes redes de compras, presença num mercado com uma escala global, menor custo para apresentação de propostas. A mudança radical de alguns dos factores de produção faz com que a competitividade das empresas radique cada vez mais nos seus recursos humanos. Estes, para poderem desempenhar eficientemente as tarefas de que estão incumbidos num ambiente em mudança rápida, necessitam cada vez mais de informação e de conhecimento. As empresas têm de dedicar uma parte substancial do seu esforço a criar as condições adequadas para o trabalho dos seus colaboradores: A informação tem de estar disseminada pelos colaboradores, em documentos (textos, folhas de cálculo, etc.), em sistemas de ou workflow, em sistemas operacionais, em data warehouses. As capacidades existentes deverão permitir o desenvolvimento de soluções para recolher, organizar, seleccionar, analisar e disseminar a informação na empresa; A informação externa na rede faculta o acesso a múltiplas fontes que permitem conhecer o mercado, os concorrentes, as tendências internacionais (c o m p e t i t i v e intelligence); Cada utilizador deve poder criar uma porta de acesso (portal) à informação com uma visão personalizada da organização, de acordo com a área e os interesses de cada utilizador. É conhecida a dificuldade da gestão de topo de interactuar com a informação dis- N1 - Novembro de

5 C a d e r n o s L i n k Arquitectura do negócio electrónico Arquitectura do Negócio Electrónico ponibilizada pelos sistemas operacionais. Esta dificuldade deu origem ao desenvolvimento dos sistemas data warehouse e EIS (acrónimo para executive information sys - tems), para procurar simplificar a interface e aumentar a capacidade de extrair informação útil dos dados. O problema agravase com a disponibilização actual de informação sob todas as formas, reforçando a limitação do tempo e da capacidade de gestão. Por isso, a nosso ver, as empresas têm de criar uma geração avançada de postos de pilotagem ou portais de gestão, que permita: Visão integrada e sintética dos principais sistemas operacionais; Visão dos dados sobre as variáveis principais do negócio; Competitive intelligence: informação existente sobre a área de negócio, concorrentes, parceiros, tendências; Nível de personalização elevado; Gestão do conhecimento. Necessidade de uma nova arquitectura de sistemas de informação O potencial tecnológico deverá ser utilizado para dar coerência ao processo de negócio. Por sua vez, os sistemas informáticos são cada vez mais poderosos, com capacidades acrescidas, e simultaneamente mais complexos, constituídos por várias gerações. Substituir os sistemas antigos e refazer tudo de novo é praticamente inexequível nas organizações actuais, pelo que esta diversidade deverá manter-se, mas isso não deve impedir a sua integração. As arquitecturas de sistemas de informação são fundamentais para que o conhecimento da empresa possa transformarse numa real vantagem. Estas arquitecturas têm de estar em consonância com a distribuição do mercado, com as necessidades crescentes de informação e integrar eficientemente a herança que existe do passado. Na figura procuramos sintetizar os grandes blocos de uma arquitectura informática actual. Para simplificar, vamos considerar uma arquitectura em que separamos, por um lado, os sistemas encarregues da interacção com os utilizadores humanos e, por outro, os que interagem com o exterior, os sistemas informáticos de suporte, que essencialmente armazenam os dados, executam os processos de negócio e que são usados por utilizadores especializados ou apenas acedidos pelo primeiro tipo de sistemas. Vamos designar os primeiros por portais ou portas de acesso. Esta designação, oriunda da Web recente, tem a vantagem de ilustrar com um exemplo conhecido de todos o conceito que pretendemos introduzir. Os outros vamos designar por sistemas de back-office, seguindo uma terminologia há muito utilizada nos meios financeiros. Os sistemas de back-office podem, por sua vez, ser subdivididos em: Sistemas operacionais. Existem praticamente em todas as empresas. Estes podem suportar alguns processos de negócio horizontais, como os financeiros ou de recursos humanos, ou controlar aspectos nucleares da actividade, como a produção. Em certas actividades, como a financeira ou a distribuição, os sistemas operacionais são o núcleo da actividade. Na última década, muitas empresas optaram por integrar os seus sistemas operacionais em torno de plataformas de ERP (acrónimo de entreprise resource planning); Sistemas de suporte. Nesta categoria incluímos os sistemas que dão suporte a actividades da empresa que não se inserem nos seus processos de negócio cen- 14 N1 - Novembro de 1999

6 Arquitectura do negócio electrónico C a d e r n o s L i n k O factor inovação Schumpeter revisitado trais. São exemplos os sistemas de escritório electrónico, w o r k f l o w, gestão documental, etc.; Sistemas de conhecimento. Em muitas empresas a abundância de informação e a inflexibilidade para o seu tratamento nos sistemas de base de dados levaram à criação de sistemas de data warehouse e de suporte ao conhecimento. É de realçar que a interligação entre eles é crucial para que nos sistemas de conhecimento se possa capturar a riqueza da informação existente quer nos sistemas operacionais quer nos de suporte. Na função de interacção também podemos efectuar uma subdivisão entre diferentes tipos de portais, correspondendo aos quatro modelos em que se estrutura o negócio electrónico: Portal clientes. Interface com os clientes que pode assumir múltiplas formas: site Web, call center, loja electrónica. Todas estas formas devem ter uma interligação básica na gestão do contacto com o cliente e procurar capturar informação que deverá ser canalizada para os sistemas de conhecimento; Portal parceiros. Interface com fornecedores, distribuidores e parceiros na cadeia de valor, como sistemas financeiros, operadores de logística; Portal colaboradores. Sistema que seja capaz de procurar, organizar e difundir a informação e saber implícito existente na empresa. Deve interligar com os sistemas de conhecimento para apresentar a informação da forma mais adequada a um determinado utilizador. Pode, com a devida segurança, ser disponibilizado a parceiros; Portal de gestão. Sistema de gestão integrado que permite à gestão de topo ter a informação necessária à sua actividade. Será que se trata de uma mudança de fundo esta a que estamos a assistir ou é apenas mais uma moda, fruto do exagero dos tecnólogos e dos «media»? A influência da tecnologia no desenvolvimento económico tem sido estudada para procurar compreender o fenómeno que cada vez mais está na raiz do desenvolvimento das sociedades a inovação. De uma forma simples, o economista Joseph Schumpeter classificou a inovação em quatro categorias: Inovações incrementais. As melhorias nos produtos e processos existentes verificam-se de uma forma mais ou menos contínua, se bem que a sua intensidade varie de indústria para indústria. A inovação incremental nos processos traduz-se na «curva de aprendizagem» associada à produção de um mesmo bem repetidas vezes, resultando num processo de «aprender produzindo» (learning by doing) ou de melhorar sucessivamente, no modelo japonês conhecido do kaizen; Inovações radicais. Verificam-se de forma descontínua e não podem ser obtidas como resultado da acumulação, modificações o melhorias em produtos e processos existentes. O microprocessador, por exemplo, nunca poderia ter sido obtido a partir de melhoramentos incrementais em sistemas lógicos discretos; Novos sistemas tecnológicos. Combinações de várias inovações, com ramificações em diferentes sectores económicos e que podem estimular sectores emergentes. É o caso dos materiais sintéticos, inovações petroquímicas ou, mais recentemente, os novos materiais compósitos baseados na engenharia genética. Mudança de sistema tecnológico. Tem uma gama de aplicações tão vasta que afecta os factores e condições de produção em todos os sectores económicos. A introdução da máquina a vapor, o motor de combustão ou o telefone são exemplos de tecnologias com impacto global na economia. Cada revolução tecnológica provoca uma substancial diminuição nos custos dos factores de produção e altera radicalmente os métodos, organização e gestão dos processos produtivos. Enquanto a diminuição de custos é o principal incentivo ao investimento, a formação de um novo «tipo ideal» de produção, baseado no uso dos novos sistemas tecnológicos, é guiada por um paradigma «tecno-económico» constituído por um conjunto de crenças e atitudes adoptadas progressivamente pelos engenheiros, gestores, investidores e outros agentes económicos. Para que exista uma mudança de sistema tecnológico que possa espalhar-se com impacto em todos os sectores económicos, tem de existir, segundo o mesmo autor, um factor de produção-chave que preencha o seguinte conjunto de condições: custo relativamente baixo e com tendência para diminuir rapidamente; a oferta apresenta-se como ilimitada por longos períodos de tempo; o seu potencial para incorporação em diferentes produtos, processos ou serviços do sistema produtivo é extensível a vários sectores económicos; o novo factor de produção-chave é claramente reconhecido pelas empresas e agentes económicos como o centro de um sistema complexo de inovações técnicas, organizacionais e socioeconómicas. N1 - Novembro de

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

B2C. Pedro Sousa. Pedro Sousa

B2C. Pedro Sousa. Pedro Sousa B2C Posicionamento dos Sistemas B2C Primary Activities Inbound Logistics Operations Outbound Logistics Marketing & Sales Services Support Activities Procurement Human Resource Management Infrastructure

Leia mais

Aproveitar a janela de oportunidade da Nova Economia

Aproveitar a janela de oportunidade da Nova Economia C a d e r n o s L i n k Entrevista Aproveitar a janela de oportunidade da Nova Economia A emergência da economia digital implicou um outro conceito de empresa que exige uma nova arquitectura dos sistemas

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

a área de oportunidade emergente

a área de oportunidade emergente C a d e r n o s L i n k Entrevista B2B a área de oportunidade emergente Os processos de negócio que tiram partido das tecnologias ligadas à Web e ao comércio electrónico optimizando a proposta de valor

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL

SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL SISTEMAS DEGESTÃO EMPRESARIAL Imagine um mundo onde a sua Empresa se desenvolve facilmente, onde a cooperação entre os seus funcionários, as suas filiais e o seu ambiente de negócio é simples e em que

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto Os Sistemas de Informação nas PME s José Pinto José Ângelo Costa Pinto Licenciado em Gestão Empresas Pós-Graduação em Sistemas de Informação (PM) Pós Graduação em Economia e Gestão Mestre em Sistemas de

Leia mais

O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros

O projecto de sistemas de informação para as empresas de Facility Services e sua rede de parceiros PREMIVALOR O projecto de sistemas de informação para as empresas de "Facility Services" e sua rede de parceiros Rita Oliveira SEIDOR roliveira@seidor.es Telef.: +351 210 001 686 Lisboa, 6 Dezembro 2007

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Capítulo. Sistemas empresariais

Capítulo. Sistemas empresariais Capítulo 8 1 Sistemas empresariais 2 Objectivos de aprendizagem Identificar e exemplificar os seguintes aspectos da gestão do relacionamento com os clientes, da gestão de recursos empresariais e dos sistemas

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP Conteúdos A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP... 3 PREPARA-SE PARA UMA MAIOR MOBILIDADE... 4 O IMPACTO DOS ERP NO MOBILE... 5 CONCLUSÕES...

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

» apresentação. WORKFLOW que significa?

» apresentação. WORKFLOW que significa? » apresentação WORKFLOW que significa? WORKFLOW não é mais que uma solução que permite sistematizar de forma consistente os processos ou fluxos de trabalho e informação de uma empresa, de forma a torná-los

Leia mais

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica Informática Aula 8 Estrutura e Funcionamento de Computadores Software Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Tipos de Software Software de Sistema Software Aplicacional Gestão do Sistema

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP

Caso de Sucesso Vinho do Porto Taylor s Port. Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP Taylor s Port: Da vinha ao vinho com SAP The Fladgate Partnership Taylor s Port Sector Produção vinícola Produtos Vinho do Porto Web www.taylor.pt/pt Soluções e serviços SAP SAP Business Suite A Taylor

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

MICROSOFT BUSINESS SOLUTIONS NAVISION

MICROSOFT BUSINESS SOLUTIONS NAVISION MICROSOFT BUSINESS SOLUTIONS NAVISION MICROSOFT BUSINESS SOLUTIONS NAVISION O Microsoft Business Solutions Navision dá-lhe a liberdade para se concentrar no seu negócio ao fornecer uma forma eficaz de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO- GERAL DA EMPRESA INTERCHANGE OF DATA BETWEEN ADMINISTRATIONS PROGRAMME Catálogo IDA de INSTRUMENTOS Interchange of Data between Administrations

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento 1 Gestão do conhecimento Inteligência empresarial Aproveitar o saber-fazer organizacional Apoio ao desempenho Interacção com as bases de dados operacionais Construção de redes periciais Criação, partilha

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Qualidade e inovação: principais implicações nas organizações portuguesas

Qualidade e inovação: principais implicações nas organizações portuguesas Q UALI DADE E I NO VAÇÃO: PRI NCIPAIS IMPLI CAÇÕES NAS O RG ANIZAÇÕES PO RT UG UESAS 95 Qualidade e inovação: principais implicações nas organizações portuguesas Margarida Saraiva Universidade de Évora

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Gestão de Equipas de Vendas

Gestão de Equipas de Vendas Gestão de Equipas de Vendas Análise Comercial Business Intelligence Gestão de Desempenho Atinjo os meus objectivos comerciais? Quais os vendedores com melhor desempenho? A função comercial é o motor de

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 49 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Web Services OPINIÃO IDC Apesar de não constituírem uma alteração tecnológica radical,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 15. Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 17

Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 15. Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 17 Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. Agenda Supplier Relationship Management Ana Rita Cunha Janeiro de 2004 Definição do conceito Problemas no relacionamento com fornecedores Como é

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office.

Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. 1 Back-Office e Front-Office. Soluções para o Negócio Back-Office e Front-Office. ESTRATÉGIA DO NEGÓCIO ANÁLISE ESTRATÉGICA Visão, missão, objectivos

Leia mais

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Luis Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Abril de 2001 Modelos de negócio e internet valor oferecido aos consumidores segmentação dos consumidores

Leia mais

PT PRIME - APRESENTAÇÃO

PT PRIME - APRESENTAÇÃO PT PRIME - APRESENTAÇÃO A PT Prime Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, é uma empresa do Grupo PT que presta serviços e soluções de comunicação e informação para o mercado empresarial.

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações Informática Aula 7 Redes e Telecomunicações Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução Para as empresas modernas funcionarem eficazmente, são vitais as ligações que conectam as suas

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Perfis Profissionais do Engenheiro Informático

Perfis Profissionais do Engenheiro Informático Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Tomar Departamento de Engenharia Informática Unidade Curricular de Introdução à Tecnologia Perfis Profissionais do Engenheiro Informático

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

(2005/C 71/13) TENDO EM CONTA o seu parecer sobre a Avaliação do programa IDA e uma segunda fase do programa IDA (CdR 44/98 fin) (4);

(2005/C 71/13) TENDO EM CONTA o seu parecer sobre a Avaliação do programa IDA e uma segunda fase do programa IDA (CdR 44/98 fin) (4); Parecer do Comité das Regiões sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Ligar a Europa em alta velocidade: Estratégias

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Business Intelligence Framework

Business Intelligence Framework Business Intelligence Framework José Peixoto and Júlio Lopes Departamento de Informática Universidade do Minho Abstract. Este artigo apresenta os elementos que constituem a Framework desenvolvida, bem

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

O que é a Rede Gestus?

O que é a Rede Gestus? O que é a Rede Gestus? A Rede Gestus é uma união estratégica que tem em vista a revitalização e dinamização do comércio local das zonas de Bragança, Chaves e Viseu. A Rede destina-se às Pequenas e Médias

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Presidente do Conselho de Gerência da Multitel Conferência apresentada no Workshop Tecnológico da

Leia mais