O USO DA INFORMAÇÃO COMO ATIVIDADE ESTRATÉGICA DE COMPRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DA INFORMAÇÃO COMO ATIVIDADE ESTRATÉGICA DE COMPRAS"

Transcrição

1 O USO DA INFORMAÇÃO COMO ATIVIDADE ESTRATÉGICA DE COMPRAS FÁBIO DEMARCHI INOCENTI ( ) FURB OSCAR DALFOVO ( ) FURB GABRIEL ZUCHNA MULLER ( ) FURB RESUMO O objetivo deste trabalho é verificar a possibilidade da adoção do Electronic Data Interchange (EDI) como ferramenta para melhorar a performance na cadeia de compras. Realizou-se uma revisão bibliográfica sobre inteligência competitiva, gestão do conhecimento e gestão da informação. Analisou-se a viabilidade da utilização da tecnologia EDI como geradora de eficácia na cadeia de suprimentos de pequenas e médias empresas. Como conclusão, sugere-se a implementar um empreendimento em que uma empresa-centralizadora, utilizando a tecnologia do EDI, interligue os interesses de compra de micro e pequenas empresas associadas gerando maior poder de barganha para as compras de insumos, produtos e serviços. Palavras chave: EDI, gestão do conhecimento, tecnologia da informação, gestão da informação 1. INTRODUÇÃO A informação cada vez mais é usada como forma estratégica nas organizações e possui caráter de diferencial competitivo, pois em muitos processos é usada como insumo do processo de decisão. Conforme Robbins (2000, p. 123) vantagem competitiva é uma capacidade ou circunstância que propicia à organização uma margem sobre seus concorrentes. De acordo com Dalfovo e Rossetto (2003) em virtude dos grandes avanços tecnológicos existentes, pode-se considerar que um dos fatores fundamentais para o sucesso das organizações é o uso eficaz da informação. A terminologia da palavra informação deriva do latim e quer dizer um processo de comunicação ou algo relacionado com comunicação (ZHANG, 1988). Podemos também dizer que informação é um processo que visa o conhecimento, ou informação é tudo o que reduz a incerteza (ZORRINHO, 1995). Conforme Reis (1993), para que a gestão de informação seja eficaz, é necessário que se estabeleçam um conjunto de políticas coerentes que possibilitem o fornecimento de informação relevante, com qualidade suficiente, precisa, transmitida para o local certo, no tempo correto, com um custo apropriado e facilidades de acesso por parte dos utilizadores autorizados. Busca-se com este processo o diferencial da inteligência competitiva para as organizações. Para Prescott e Miller (2002), distante das sombas dos esteriótipos spy versus spy corporativos, nos dias de hoje, os profissionais da inteligência competitiva coletam, analisam e aplicam, legal e eticamente, informações relativas às capacidades, vulnerabilidades e intenções de seus concorrentes.

2 Conforme Salim e Sabbag, (2007) a gestão do conhecimento, ou do capital intelectual, está entre os temas mais quentes do momento. Líderes empresariais, consultores e acadêmicos, em uníssono, vêm falando do conhecimento como o principal ativo das organizações e a chave para uma vantagem competitiva sustentável. Dentre os vários fatores que poderíamos mencionar como explicativos para esse movimento, alguns são bastante óbvios e consensuais, como as mudanças na economia global, a preferência por organizações enxutas e o grande avanço das tecnologias nos campos da informação e das comunicações. O conhecimento é criado apenas pelos indivíduos e a eles pertence. Uma organização não pode criar conhecimento sem o envolvimento das pessoas. O que pode fazer é apoiar pessoas criativas e prover contextos para que essas gerem conhecimento. Além da geração e/ou aquisição de conhecimento, é preciso cuidar para que ele seja catalogado, transferido, assimilado e utilizado (SALIM e SABBAG, 2007). O objetivo deste trabalho é analisar o impacto do uso da informação como estratégia competitiva através do uso de uma Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), fundamentado na filosofia do Eletronic Data Interchange (EDI) como ferramenta para melhorar a performance na cadeia de compras de através da obtenção de ganhos competitivos, como agilidade na troca de informações, redução de custos e aumento do poder de barganha junto a fornecedores Primeiramente são apresentados conceitos das diferentes formas da informação nas organizações, ou seja, como a gestão da informação pode alinhar-se como atividade estratégica, integrando a inteligência competitiva e gestão do conhecimento. Por fim são apresentados os resultados da pesquisa, o impacto do EDI e na cadeia de suprimentos das organizações, as considerações finas e as referências. 2. REVISÃO DE LITERATURA Nesta revisão de literatura abordam-se três plataformas que fundamentam o uso de uma TIC, ou seja, Gestão da Informação, Inteligência Competitiva e Gestão do Conhecimento. Esta fundamentação permitirá compreender o uso destas tecnologias na utilização da informação como atividade estratégica. 2.1 GESTÃO DA INFORMAÇÃO De acordo com Drucker (1993) o primado da informação como a base e a razão para um novo tipo de gestão, em que a um curto prazo se perspectiva a troca do binômio capital/trabalho pelo binômio informação/conhecimento como fatores determinantes no sucesso empresarial. Caminha-se para a sociedade do saber onde o valor da informação tende a suplantar a importância do capital. A informação e o conhecimento são a chave da produtividade e da competitividade. Desta forma a gestão de empresas coloca-se fundamentalmente em informações, pois a eficácia desta gestão é dependente das informações que circundam a organização e desta forma a gestão da informação passa a ser devidamente compreendida. Zorrinho (1995, p.146) define a gestão da informação como: gerir a informação é, assim, decidir o que fazer com base em informação e decidir o que fazer sobre informação. É ter a capacidade de selecionar dum repositório de informação disponível aquela que é relevante para uma determinada decisão e, também, construir a estrutura e o design desse repositório.

3 Choo (2004) destaca que a informação não pode ser considerada como um recurso dentro das organizações, simples artefato, e sim sendo o resultado de pessoas construindo significados a partir de mensagens e insinuações. O conceito de gerenciar informação teve uma conotação de aumentar os investimentos em equipamentos, ampliar o parque tecnológico, em gerenciar tecnologia. Esta visão, erroneamente, permanece em alguns espaços e comportamentos gerenciais. O significado agora focaliza a importância de os administradores de informação possuir uma visão mais ampla das próprias instituições e uma capacidade maior de assimilar as alterações repentinas do mundo dos negócios (DAVENPORT, 2001). Em um mundo voltado para a tecnologia, os profissionais encarregados da informação são geralmente o pessoal técnico da TI como programadores, administradores de rede, analistas de suporte, etc. Porém, existem outras categorias de pessoal que trabalha para criar um ambiente de informação, os bibliotecários ou cientistas da informação. As competências nas áreas de classificação, pesquisa e recuperação de dados, assim como sua compreensão das necessidades da informação, representam um grande potencial para uma empresa que começa a trabalhar na gestão da informação (DAVENPORT, 2004). As práticas arquivísticas têm um profissional da informação (sujeito) que atua como gestor da informação ou como arquivista e um objeto de interesse de pesquisa e intervenção práticas arquivísticas, os arquivos formatados ou em processo de constituição (LOPES, 1997, p. 25). Para Davenport (2001) o processo de gerenciamento da informação segue quatro passos, a saber: a) determinação das exigências da informação, ou seja, conhecer as exigências das pessoas que necessitam da informação e conquistar a confiança de fornecedores e usuários; b) obtenção da informação, depois de definida as necessidades de informação pelos gerentes deve-se incorporar um processo contínuo de aquisição da informação; c) distribuição, envolvendo a ligação dos gerentes e funcionários com a informação de que necessitam; d) utilização das exigências, de forma que o uso da informação seja entendido como a etapa final de todo o processo de gerenciamento da informação. Conforme Beuren (1998, p. 28) os gestores necessitam de informações que estejam em consonância com seus modelos decisórios. Para tanto, o modelo de informação a ser empregado deve estar alinhado com os modelos de decisão e mensuração empregados. No ambiente de informação orientado para a tecnologia, prevalece a tendência de se utilizarem meios técnicos para se determinar de que tipo de informação as pessoas necessitam. Outra abordagem consiste na observação de alguns consumidores e em verificar a informação que buscam e utilizam, onde este método em termos antropológicos denomina-se etnografia da informação. Estudos mostram que a maior parte dos gestores e empregados desconhece suas próprias necessidades de informação, e, portanto, este tipo de informação, efetuado por um analista competente, pode ser de extrema utilidade (DAVENPORT, 2004). Conforme Carvalho e Tavares (2001), o processo de comunicação é que dissemina a informação, isto acontece a cada momento em uma organização. A todo instante a empresa se comunica, externa e internamente, trocando, captando informações. De acordo com Davenport (2004), as percepções e expectativas de gestores da hierarquia superior quanto ao papel da TI e uso da informação dividem-se em três grandes blocos:

4 a) boas práticas de TI impulsionarão o desempenho empresarial: os gestores elegem quatro maneiras de boas práticas, deve-se melhorar a eficiência das relações empresariais como, por exemplo, software e sistemas nas áreas financeiras, produção e distribuição; melhorar as comunicações apoiando o funcionamento tranqüilo dos processos empresariais; facilitar as tomadas de decisões; apoiar a inovação no desenvolvimento de novos produtos e serviços; b) melhores práticas com informação impulsionarão o desempenho empresarial: defendem a idéia de que uma atenção cuidadosa à maneira como a informação é percebida, coletada, organizada, processada e mantida é essencial; c) melhores comportamentos e valores com relação à informação impulsionarão o desempenho empresarial. A informação e o conhecimento devem ser compartilhados e a alta hierarquia dos gestores deve dar atenção especial aos valores culturais e comportamentos ligados à informação, e ao uso da TI nas suas empresas. O relacionamento entre estratégia e informações é inevitavelmente estreito, mesmo sem considerarmos a qual tipo de organização se tradicional ou inovadora (JAMIL, 2001). Conforme Davenport (2004) a exploração estratégica do pleno potencial dos sistemas de informação é vista como um fato de sobrevivência, um fator importante para as organizações é passar da automação para a inovação, A Inovação significa utilizar a TI como apoio potencial da criatividade das pessoas. Para se possibilitar a inovação deve-se mudar consideravelmente uma mudança na infra-estrutura da empresa, mas os ganhos em lucro e eficiência tendem a ser significativos. Na medida em que as empresas crescem em tamanho e complexidade, aumenta a importância da gestão da informação e a maneira como as informações são gerenciadas vai depender da tecnologia disponível. 2.2 INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Para um melhor entendimento acerca da inteligência competitiva, necessitamos da compreensão de alguns conceitos fundamentais na hierarquia da informação. De acordo com Gomes e Braga (2004), são eles: a) dados: A informação crua, mais básica. A matéria-prima, que por natureza, é quantitativa; b) informação: Dados processados de uma maneira que passem a conter algum significado relevante para o receptor; c) inteligência: Permite a antecipação de fatos que possam causar algum impacto à organização, e por conseqüência, o leva a uma tomada de decisão. Ainda conforme Gomes e Braga (2004), uma cadeia completa de tomada de decisão, precisa obrigatoriamente passar por todas as suas etapas, desde os dados até a ação. A falha de qualquer dessas etapas, leva a um processo de inteligência competitiva não efetiva e nem eficiente. Pode-se também constatar em Inteligência Competitiva (2007) que inteligência competitiva é um programa sistemático e ético para coleta, análise e gerenciamento de informações externas que podem afetar os planos, decisões e operações de uma empresa. Explicado de outra maneira, IC é o processo de aprimoramento de competitividade no mercado por meio de um mais amplo entendimento - e, mesmo assim, inequivocamente ético - dos competidores de uma empresa e do ambiente competitivo. Logo, pode-se considerar que a inteligência competitiva é uma peça fundamental na emergente economia do conhecimento. Analisando seus concorrentes e o cenário em que se encontram, as empresas que utilizarem desta metodologia poderão antecipar futuras decisões

5 e tendências, ao invés de tão somente reagir a elas. Conforme Rezende (2003, p.24) na vida empresarial ou organizacional, o que se verifica ou se alega é que geralmente não se pode aguardar o movimento do adversário e se tem constantemente que fazer lances. Também Miller (2002, p.36) concorda com a afirmação ao expor que a inteligência pode ser valiosa para áreas da empresa cuja gerência pretenda conservar ou ampliar uma vantagem competitiva. Para a melhor estruturação do desenvolvimento da inteligência competitiva nas empresas, Miller (2002) apresenta a inteligência em quatro ciclos distintos: a) Identificação dos responsáveis pelas principais decisões e suas necessidades em matéria de inteligência; b) A coleta de informações; c) A análise da informação e sua transformação em inteligência; d) A disseminação da inteligência entre os responsáveis pelas decisões. Logo, pode-se observar que existe a necessidade de um grande desenvolvimento de habilidades diversas para a gestão da inteligência competitiva, pois, também é grande a quantidade de informações dispersas e acessíveis nas organizações. De acordo com Davenport (2007), as primeiras indústrias a pensar em inteligência competitiva foram os serviços financeiros e as companhias aéreas, devido ao fato de que ambos possuem uma imensa quantidade de dados e precisam tomar decisões complexas. Assim, entre as recomendações para utilização de inteligência competitiva, Prescott e Miller (2002, p.134) sugerem: Torne a inteligência competitiva parte de sua função de marketing. Ligue-a a cada operação de sua empresa que possa ser afetada por ações competitivas. Uma vez tendo a informação em mãos, use-a. Assegure-se que os dados certos cheguem às pessoas certas no tempo certo. Acima de tudo, descubra formas de agregar valor para seus clientes; essa ainda é a melhor maneira de se distinguir dos concorrentes e garantir sucesso. Estas idéias facilitam o entendimento da necessidade dos administradores em utilizar de ferramentas que auxiliem na gestão de seus negócios. Quando colocam que conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores, porque a maioria das organizações precisa deles para sobreviver e prosperar. 2.3 GESTÃO DO CONHECIMENTO Devido a grande importância com a qual a informação vem sendo tratada nas organizações, a gestão do conhecimento passa a ser fundamental para que o conhecimento das pessoas permaneça nas instituições e não se perca com a passagem dos funcionários. Teixeira Filho (2000) define gestão do conhecimento como uma coleção de processos que governa a criação, disseminação e utilização do conhecimento para o alcance pleno dos objetivos organizacionais. Para Figueiredo (2005), a gestão do conhecimento surgiu para que as empresas efetuem a criação, o acesso, a transferência e o uso efetivo do conhecimento a favor de seus próprios negócios. A gestão do conhecimento é responsável por criar mecanismos e procedimentos que sirvam de molas propulsoras da generalização do conhecimento relevante por todos os níveis da organização. Na tentativa de apresentar um modelo de gestão do conhecimento, Terra (2001) sugere um modelo baseado em sete dimensões da prática gerencial, descrito a seguir. a) dimensão 1: a função da alta administração na definição dos domínios do conhecimento, nos quais os colaboradores devem focar seus esforços de aprendizado, além da clarificação da estratégia organizacional e na definição de metas desafiadoras;

6 b) dimensão 2: a criação de uma cultura organizacional voltada à inovação, experimentação, aprendizado contínuo e ao compromisso com os resultados e com a otimização de todas as áreas da empresa; c) dimensão 3: as inovações nas práticas organizacionais e práticas que superem os limites à inovação, ao aprendizado e à geração de novos conhecimentos; d) dimensão 4: as políticas de administração de recursos humanos associadas à aquisição de conhecimentos externos e internos à organização, assim como a geração, difusão e armazenamento de conhecimentos na empresa; e) dimensão 5: as inovações nas tecnologias de comunicação, bem como nos sistemas de informação estão facilitando e dinamizando o processo de geração, difusão e armazenamento de conhecimento nas organizações; f) dimensão 6: os esforços organizacionais na classificação dos resultados obtidos a partir da gestão do conhecimento possibilitam avaliar as várias dimensões do capital intelectual; g) dimensão 7: a necessidade constante das organizações aprenderem com o ambiente, por meio de alianças com outras empresas e do estreitamento com clientes. Os processos essenciais da gestão do conhecimento são definidos a partir da identificação de diversas atividades, muito proximamente relacionadas (PROBST, 2002). Numa abordagem sistêmica de gestão do conhecimento, sugere-se que os administradores devem evitar a otimização de atividades de conhecimento em áreas individuais sem considerar os efeitos mais amplos. Corroborando com esta linha de raciocínio, Figueiredo (2005) ilustra a pirâmide do conhecimento (conforme figura 3 abaixo) destacando a importância da empresa reconhecer cada um dos diferentes tipos de conhecimento, alertando que os enganos de pessoas pouco preparadas que invertem a base da pirâmide, confundindo conhecimento tácito com explícito, pode resultar em sérios problemas para a organização. Explícito Potencial Conhecimento Tácito Figura 3 Pirâmide do conhecimento Fonte: Adaptado de (FIGUEIREDO, 2005, p.47) A importância da gestão do conhecimento nas organizações fica também bastante evidente quando Davenport e Prusak (1998, p.14) colocam que as empresas contratam funcionários mais pela experiência do que pela inteligência ou escolaridade porque elas entendem o valor do conhecimento desenvolvido e comprovado ao longo do tempo. Mais que isso, Davenport e Prusak (1998) afirmam que estudos demonstram que os gerentes adquirem em média dois terços de suas informações e conhecimentos em reuniões presenciais ou em conversas telefônicas.

7 De acordo com Batista (2004, p.122) para que a empresa tenha sucesso, é necessária uma superorganização das informações no que diz respeito à sua capacidade de coletar, organizar, acessar e tornar disponível tais informações no momento oportuno para o usuário oportuno. Portanto, evidencia-se a necessidade de ferramentas para o auxílio aos administradores na gestão de seus negócios, ou seja, tornar o conhecimento pessoal disponível para a organização como um todo apoiado por uma ferramenta computacional, conforme apoiado por O Brien e Marakas (2007, p.60): A gestão do conhecimento tem, portanto, se tornado um dos maiores usos estratégicos da tecnologia da informação. Muitas empresas estão criando sistemas de gestão do conhecimento (KMS) para administrar o aprendizado organizacional e o know-how do negócio. O objetivo de tais sistemas é ajudar os trabalhadores a criar, organizar e disponibilizar importantes conhecimentos da empresa, onde e quando necessário na organização. 2.4 EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE O EDI surgiu como um grande facilitador nas trocas de informações na medida em que tem como princípio o intercâmbio de dados de um computador para outro, sem a necessidade da intervenção humana. Essa interatividade de dados entre as máquinas gera uma série de vantagens no ambiente corporativo, tais como gerenciamento de insumos e estoques, minimização de falhas, redução de incertezas e aumento da velocidade e qualidade do tratamento de informações disponíveis para a tomada de decisões. Zardo e Freitas (1996, p. 8), definem o EDI de uma forma mais direta: o uso da tecnologia para troca de documentos que tradicionalmente eram enviados e armazenados em papel e passam a ser transmitidos por meios eletrônicos. Figura 4: O uso da tecnologia para troca de documentos. Fonte: Adaptado de (ZARDO e FREITAS, 1996, p. 79) O EDI deve ser percebido como um sistema de tecnologia da informação que não se restringe ao tratamento de dados intra-muros. Pelo contrário, permite a criação de pontes sólidas com fornecedores, clientes e agentes financeiros a partir de uma sistematizada troca de informações que agiliza o processo e elimina a necessidade do papel e do telefone. O EDI combina a potência computacional com serviços de telecomunicações, otimizando significativamente a eficácia na troca de dados. Abaixo, temos uma ilustração que

8 demonstra a diferença entre possuir o fluxo tradicional versus a aplicação do EDI (CORREIA, 1991). MODELO TRADICIONAL MODELO EVOLUÇÃO NA INTEGRAÇÃO INTEREMPRESARIAL Figura 5: Fluxo tradicional x Aplicação EDI. Fonte: Adaptado de (CORREIA, 1991). Fernandez (1995, p.13) descreve uma série de documentos e processos que podem ser transacionados através do EDI: a) Solicitação de cotação de preço, prazo de entrega, disponibilidade de venda de uma determinada quantidade; b) Aceite de uma ordem de compra, mudança de uma ou mais ordens de compra; c) Todo o processo de faturamento; d) Todo o processo de pagamento; e) Todo o processo de distribuição dos produtos, envolvendo os transportadores. 3. METODOLOGIA A pesquisa bibliográfica é abordada conforme Gil (2002, p.44) como sendo a pesquisa bibliográfica é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livro e artigos científicos. Lakatos (1991, p. 183) define pesquisa bibliográfica como: A pesquisa bibliográfica, ou de fontes secundárias, abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico etc, até meios de comunicação orais: rádio, gravações em fitas magnéticas e auto-visuais: filmes e televisão. Sua finalidade é colocar o pesquisar em contato direto com tudo que foi escrito, dito ou filmado sobre determinado assunto [...]. A pesquisa bibliográfica, conforme Beuren (2003): Explica um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos. Pode ser realizada independentemente ou como parte da pesquisa descritiva experimental. Ambos os casos buscam conhecer e analisar as contribuições culturais ou científicas do passado existentes sobre um determinado assunto, tema ou problema.

9 Para Hühne (1999, p. 247), a pesquisa bibliográfica é fundamental em qualquer área de estudo porque é ela quem levanta os dados de uma questão e oferece fundamentação teórica para um problema. Bêrni (2002, p. 100) a pesquisa bibliográfica pode ser definida: [...] a pesquisa bibliográfica pode ser definida como um elenco de etapas coerentes utilizadas para levantar o mais exaustivamente possível a produção intelectual relativa a um certo tema. Ela demarca o que deve fazer o pesquisador para certificar-se de que está montando uma visão atual e abrangente do tema a que se dedica. Realiza-se uma pesquisa bibliográfica, efetuando-se um estudo bibliográfico através de um levantamento de obras já publicadas, como livros, teses, dissertaçöes, artigos e etc. Efetuando-se este levantamento, adquire-se conhecimento acerca das produções científicas publicadas. 4. RESULTADOS Através desta pesquisa bibliográfica visualiza-se o uso da informação como atividade estratégica. Este uso está ligado à utilização destas tecnologias nas áreas de suprimentos das empresas, então referendamos o uso do EDI na cadeia de suprimentos das organizações. O EDI gera um impacto na cadeia referida, de modo a ser estrategicamente salutar o emprego, como demonstra-se no decorrer deste trabalho. 4.1 IMPACTO DO EDI NA CADEIA DE SUPRIMENTOS A área de compras de uma empresa, tradicionalmente prevê atividades como transações com fornecedores para aquisição de insumos, produtos, serviços e bens de capital. Invariavelmente essas transações pressupõem rotinas envolvendo documentos como requisição, pedido de compra, dentre outros. Esses documentos transitam tanto internamente, considerando a interligação entre os departamentos, quanto no além muros, no relacionamento com fornecedores, bancos e outros órgãos públicos. O processo de compras, conforme Francischini e Gurgel (2004, p.21) pode ser resumido pelo seguinte esquema: Figura 6: O processo de compras.

10 Fonte: Adaptado de (FRANCISCHINI e GURGEL, 2002). Com o EDI, ocorre uma redução de gastos, racionalização do processo e aumento de visibilidade de oportunidade nas várias fases do processo, o que não significa a eliminação da necessidade de documentos básicos necessários nas transações comerciais. Conforme Correia (1991, p.31) o que ocorre é um aumento de velocidade nessas transações, com uma maior correção e controle dos processos existentes. No tocante à qualidade dos dados disponíveis, o EDI permite acesso a uma grande gama de informações, através do intercâmbio de dados, e esse é um ótimo caminho para a melhoria no desempenho do processo de compras na medida em que o tratamento dos insumos compartilhados gera uma maior amplitude na visão do negociador em relação aos produtos a serem adquiridos vis-à-vis as condições disponibilizadas pelos agentes ofertantes. Além disso, as áreas de vendas e compras podem verificar sensíveis melhorias com a adoção do EDI podendo enriquecer as suas atividades e agregar valor as ações inerentes a essas atividades. Conforme Gallina e Fleury (2002, p.8): [...] destacam-se principalmente as mudanças na função e no perfil do vendedor e na própria cultura da área de vendas, que deixa de se preocupar em apenas tirar pedidos e passa a buscar o aprimoramento dos negócios com os clientes. De forma semelhante passou a atuar a área de compras. Conforme Moreira (2002, p. 465) o custo do pedido é a soma de todos os custos incorridos desde o momento em que o pedido é feito, até o momento em que a mercadoria é estocada. Neste contexto a manutenção de toda a estrutura da área de compras, como os custos de pessoal, aluguel, despesas de escritório, podem ser racionalizados utilizando a filosofia do EDI. Algumas questões devem ser bastante sopesadas antes de se tomar esse tipo de decisão. Conforme Francischini e Gurgel (2004) é importante atentar para fatores como: a) qualidade do produto: o fornecedor deve comprovar que possui, pelo menos, a mesma competência para produzir o componente; b) confiabilidade no cumprimento de prazos: esse aspecto deve ser muito bem avaliado, de forma a não haver problemas com entrega nos períodos de maior demanda pelo produto; c) acesso à tecnologia: ao repassar a tecnologia a terceiros, corre-se o risco de eliminar a vantagem competitiva e trazer mais um concorrente para o mercado. Em compensação, há o lado positivo envolvido, que é a liberação de recursos produtivos, os quais podem ser carreados para o core competence da empresa. Ou seja, mãode-obra, espaço na fábrica, equipamentos e materiais necessários para a produção de mercadorias podem ser utilizados para aumentar a capacidade produtiva e reduzir custos. Vale frisar que a vantagem relacionada à racionalidade no tempo, que é decorrente da maior agilidade no fluxo de informações gerada pelo EDI, permite trabalhar com estoques mais reduzidos, integrar o processo de pedido, produção, entrega, faturamento e cobrança, aumentar o poder de barganha e reduzir a dependência de fornecedores. Com base nestas considerações observa-se que a adoção de um sistema devidamente estruturado que possibilite unificar ouso do EDI com uma estratégia de compras cooperativadas, permitiria uma força competitiva muito forte, oportunizando pequenas e medias empresas a serem mais competitivas no mercado. Esta competitividade se faz devido a redução de custos de seus insumos e do maior volume de compras a ser considerado por parte do fornecedor. Porter (1989) mostra que a vantagem competitiva de uma indústria é modelada pelas cinco forças competitivas (Clientes, Fornecedores, Entrantes em potencial, Concorrentes

11 atuais e os Produtos substitutos). Fornecedores e clientes são capazes de exercer o poder da negociação sobre os participantes de um setor e são capazes de forçar a baixa de preços e de exigir melhor qualidade. Estas forças são representadas pela figura abaixo: Figura 7: As forças competitivas de uma indústria. Fonte: Adaptado de (PORTER, 1999, p.512) 4.1 IMPACTO DO BI NO EDI Também pode-se aplicar uma TIC para auxiliar o processo de tomada de decisão, chamada de Business intelligence (BI), trata-se de um conjunto de ferramentas e aplicativos que oferece aos tomadores de decisão a possibilidade de organizar, analisar, distribuir e agir, ajudando a organização a tomar decisões melhores e mais dinâmicas. As ferramentas de BI permitem cruzar dados, visualizar informações em vários cenários e analisar os principais indicadores de desempenho empresarial. Por tais características, é o principal aliado para a tomada de decisões de uma empresa e necessária para um bom gerenciamento da organização na era da informação. Toda a montanha de dados provenientes dos hábitos de compra, assim como de contatos com as empresas e de reclamações de clientes, merecem um tratamento especial. Tudo hoje é meticulosamente armazenado em bases de dados de forma classificada e ordenada, para que quando necessário, as empresas possam lançar mão de indicadores precisos no apoio à tomada de decisões (SIEMENS, 2007). Desta forma o BI auxilia o EDI em acelerar o processo de tomada de decisão na função suprimentos, de modo que as informações sejam melhores dinamizadas na comunicação entre as empresas e as respectivas transações por elas efetuadas. Os estoques, pedidos, cotações e entregas podem ser efetuados com maior rapidez otimizando este processo de compras e promovendo vantagem competitiva para as organizações. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A tecnologia da informação cumpre um papel fundamental no aumento da eficiência e eficácia operacional das organizações e o EDI mostra-se como uma ótima solução para empresas que desejem a eliminação de papéis e telefone na sua troca de informações, que busquem uma redução nos seus custos administrativos e melhor aproveitamento de informações disponíveis no mercado para melhoria na perfomance de sua área de compras.

12 Na medida em que o EDI serve como uma tecnologia de informação que permite uma inteiração de dados constante entre os departamentos internos de uma empresa e também na sua relação com clientes, fornecedores e agentes financeiros, sua administração para o uso produtivo desses dados gerados pode gerar significativos ganhos em aumento de produtividade e redução de custos nas empresas que o adotarem. Essa redução nos custos que pode ser obtida através da aplicação do conceito do EDI pode ser bastante impactante para a organização. Na medida em que se obtenha uma significativa melhoria de processo com a implantação e gerenciamento das informações geradas através do EDI na cadeia de suprimentos, pode-se pensar, inclusive, em terceirizar determinadas áreas da empresa de forma a permitir a concentração dos esforços no core business da organização. Seria interessante a criação de um ambiente único para a administração dos benefícios que podem ser gerados pelo EDI na cadeia de compras. Assim, sugere-se incubar uma empresa que venha a ser uma prestadora de serviço para pequenas e médias empresas que venham a associar-se no projeto, com o intuito de obter ganho nos seus processos administrativos, redução de custos e, principalmente, aumento no poder de barganha junto a fornecedores. Este projeto pode ter a combinação de TICs como o EDI e o BI para que as informações de gerenciamentos de estoques e de suprimentos em uma empresas que ofertasse a negociação com fornecedores, a rapidez para as respostas dos clientes associados, cotações on-line para a carteira de pedidos pré-agendada, fortalecendo então a estratégia competitiva com a inteligência competitiva. REFERÊNCIAS AUDY, Rejane B.; ENDRES, Ana C.T.; MALVEZZI, Maria L.F. Case BI Informações Gerenciais em Hospital de Referência. Disponível em: << >>. Acesso em: 11 ago BARBIERI, Carlos. BI Business Intelligence modelagem e tecnologia. Rio de Janeiro: Axcel Books, BATISTA, Emerson de O. Sistemas de Informação o uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. São Paulo: Saraiva, BÊRNI, Duílio de Ávila. Técnicas de Pesquisa em Economia. São Paulo: Saraiva, BEUREN, Ilse Maria. Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade. São Paulo: Atlas, BEUREN, Ilse Maria. Gerenciamento da Informação - um recurso estratégico no processo de gestão empresarial. São Paulo: Atlas, CARVALHO, Gilda Maria Rocha de; TAVARES, Marcia da Silva. Informação & Conhecimento - uma abordagem organizacional. Rio de Janeiro : Qualitymark, CHOO, Chun Wei. Preenchendo as Lacunas Cognitivas - como as pessoas processam as informações. In: Dominando a gestão da informação. Porto Alegre: Bookman, CORREIA, Manuel Luis. EDI-MHS - a comunicacao empresarial global. Sao Paulo : Livros Erica, DALFOVO, Oscar; ROSSETTO, Carlos R. Gestão e Competitividade - estudos e casos. Palmas: CPEA, 2003.

13 DAVENPORT, Thomas H. Inteligência Competitiva. Information Week. Disponível em: <<http://www.informationweek.com.br>>. Acesso em 26 jun DAVENPORT, Thomas; MARCHAND, Donald; DICKSON, Tim. Dominando a Gestão da Informação. Porto Alegre: Bookman, DAVENPORT, Thomas H. Ecologia da Informação - por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, DAVENPORT, T.H.; PRUSAK, L. Conhecimento Empresarial como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, DRUCKER, Peter. Gerindo Para o Futuro. Lisboa: Difusão Cultural, FERNANDEZ, Marcelo J.; GRAHL, Everaldo A. Universidade Regional de Blumenau. Um Sistema Gerencial de Cobrança Para o IPT da FURB Utilizando Tecnologia EDI. Blumenau: [s.n], FIGUEIREDO, Saulo P. Gestão do Conhecimento estratégias competitivas para a criação e mobilização do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Qualitymark, FRANCISCHINI, Paulino Graciano; GURGEL, Floriano do Amaral. Administração de Materiais e do Patrimônio. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, GALLINA, Renato; FLEURY, Afonso C. C. A Tecnologia da Informação nas Cadeias Produtivas - o uso de EDI na indústria automobilística. São Paulo: EPUSP, GIL, Antônio C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, GOMES, Elisabeth; BRAGA, Fabiane. Inteligência Competitiva como transformar informação em um negócio lucrativo. Rio de Janeiro: Campus, HÜHNE, Leda Miranda (Org.). Metodologia Científica - cadernos de textos e técnicas. 7.ed. Rio de Janeiro: Agir, INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. Disponível em: <<http://www.inteligenciacompetitiva.pro.br>>. Acesso em 26 jun JAMIL, George Leal. Repensando a TI na Empresa Moderna - atualizando a gestão com a tecnologia da informação. Rio de Janeiro : Axcel Books do Brasil, LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 3.ed. ver. Ampl. SãoPaulo: Atlas, LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane P. Sistemas de Informação Gerenciais - administrando a empresa digital. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LOPES, Luís Carlos. A Gestão da Informação - as organizações, os arquivos e a informática aplicada. Rio de Janeiro: Arquivo Público do Estado, McGEE, James, PRUSAK, Laurence. Gerenciamento Estratégico da Informação - aumente a competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. Rio de Janeiro: Campus, MILLER, Jerry P. O Milênio da Inteligência Competitiva. São Paulo: Bookmann, MOREIRA, Daniel Augusto. Administração da Produção e Operações. São Paulo : Pioneira, O BRIEN, James A.; MARAKAS, George M. Administração de Sistemas de Informação - uma introdução. São Paulo: McGraw-Hill, 2007.

14 PORTER, Michael E. Vantagem Competitiva. Rio de Janeiro : Campus, PRESCOTT, John E. MILLER, Stephen H. Inteligência Competitiva na Prática técnicas e práticas bem sucedidas para conquistar mercados. Rio de Janeiro: Campus, PROBST, Gilbert et al. Gestão do Conhecimento - Os elementos construtivos do sucesso. São Paulo: Bookman, REIS, Carlos. Planeamento Estratégico de Sistemas de informação. Lisboa: Presença, REZENDE, Denis A. Planejamento de Sistemas de Informação e Informática. São Paulo: Atlas, ROBBINS, Stephen P. Administração - mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, SALIM, Jean J.; SABBAG, Paulo Y. A Emergência da Gestão do Conhecimento Como Disciplina nas Organizações. << Acesso em 26 jun SIEMENS. BI - Business Intelligence << Acesso em 04 ago TEIXEIRA FILHO, Jayme. Gerenciando Conhecimento - como a empresa pode usar a memória organizacional e a inteligência competitiva no desenvolvimento dos negócios. Rio de Janeiro: SENAC, TERRA, José Cláudio C. Gestão do Conhecimento o grande desafio empresarial: uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócio, ZARDO M; FREITAS H.. O uso do EDI para agilizar a comunicação no canal de distribuição. Angra dos Reis RJ. Anais do 20º ENANPAD. ANPAD, Marketing, 23 a 25 de setembro de ZHANG, Y. Definitions and Sciences os Information. Information Processing & Management, V.24, n.4, ZORRINHO, C. Gestão da Informação - condição para vencer. Iapmei, 1995.

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração Curso de Administração Cláudio Márcio, quem é você? Disciplina Informática Básica Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com FORMAÇÃO Graduação: Processamento de Dados e Administração Pós-Graduação: Especialização:

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CURSO: GESTÃO AMBIENTAL PROFESSOR: WENES SILVA DOS SANTOS ALUNOS: ANDRÉ VIANA CAVALCANTE, DANILO CARVALHO DE OLIVEIRA, GEISA MOREIRA DE SOUSA, FERNANDA MONTES, LIAMAR MONTES, PRISCILA CASTRO, RAIMUNDINHA

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ADMINISTRAÇÃO LINHA DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM COMÉRCIO INTERNACIONAL ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Carga horária semanal Etapa 4 5 OBJETIVO Realizar escolhas sobre a adoção de tecnologias e sistema

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP EM UM HOSPITAL SUL MATOGROSSENSE: VANTAGENS E DESAFIOS

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP EM UM HOSPITAL SUL MATOGROSSENSE: VANTAGENS E DESAFIOS ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP EM UM HOSPITAL SUL MATOGROSSENSE: VANTAGENS E DESAFIOS Isabella Venturini Baze (UFMS) isaventurini17@hotmail.com Rafael Sanaiotte Pinheiro (UFMS) rafaelpq03@yahoo.com.br

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Código: ENGP -

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas.

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Francisco Ignácio Giocondo César (UNIMEP) giocondo@merconet.com.br Osvaldo Elias Farah (UNIMEP) oefarah@unimep.br

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Janniele Aparecida Conceitos Sistema de Informação Conjunto de componentes interrelacionados que coletam (ou recuperam), processam e armazenam e distribuem

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação A ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO INTEGRADA ÀS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação A ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO INTEGRADA ÀS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação A ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO INTEGRADA ÀS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Diversos autores defendem que, no século XXI, a informação substituiu a terra

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 Curso: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Habilitação: TECNÓLOGO Disciplina: NEGÓCIOS INTELIGENTES (BUSINESS INTELLIGENCE) Período: M V N 4º semestre do Curso

Leia mais

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica SEÇÃO I: Fundamentos da Vantagem Estratégica Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO CRM NAS GRANDES ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS Marcelo Bandeira Leite Santos (LATE/UFF) Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS - IACE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS - IACE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS - IACE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS O capital intelectual nas organizações Por: Leonardo Lopes Morais Ante-projeto

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Flávia Felix da Silva Resumo: Neste estudo faz-se um levantamento sobre aspectos da informática e sistema de informação

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Dado Informação Conhecimento Sistemas de Informação DADO O DADO consiste

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto Brasília, 26 de Agosto de 2014 Sumário APRESENTAÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ESTUDO

Leia mais

FACULDADE DE VIÇOSA MOSTRA ACADÊMICA 2009 PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA EMPRESA NUTREMINAS RESUMO

FACULDADE DE VIÇOSA MOSTRA ACADÊMICA 2009 PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA EMPRESA NUTREMINAS RESUMO FACULDADE DE VIÇOSA MOSTRA ACADÊMICA 2009 PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA EMPRESA NUTREMINAS RESUMO Gustavo Cremonezi [1] Camila Costa Vitarelli [2] Este artigo visa destacar

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES. Tecnologia da Informação; Pesquisa de mercado; Inovação.

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES. Tecnologia da Informação; Pesquisa de mercado; Inovação. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Bruno Correia Souza Universidade Estácio de Sá/ RJ brunoc.souza@yahoo.com.br Orientador: José Carlos Beker Universidade Estácio de Sá/ RJ beker@wb.com.br Viviane

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.1 2 1 Material usado na montagem dos Slides BARBIERI,

Leia mais

SIG e SAE. Daniel Gondim

SIG e SAE. Daniel Gondim SIG e SAE Daniel Gondim Roteiro Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) Conceitos Aplicações Sistemas de Apoio ao Executivo (SAE) Conceitos Aplicações O SIG dá suporte às funções de planejamento, controle

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Gestão do Conhecimento na área jurídica. Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012

Gestão do Conhecimento na área jurídica. Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012 Gestão do Conhecimento na área jurídica Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012 Ciclo de Palestras Parceria: E Ciclo de Palestras Programação 2012 28/04/2012 - Entendendo a linguagem jurídica - Andréia Gonçalves

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA A tecnologia da informação como suporte à gestão estratégica da informação na pequena empresa 1 Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação Journal of Information Systems and Technology Management

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais