CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL"

Transcrição

1 CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r

2 Código de Ética da BB Previdência Fundo de Pensão Banco do Brasil

3 Introdução Este Código de Ética reúne o conjunto de diretrizes que norteia o comportamento dos membros dos órgãos colegiados, dirigentes e empregados da BB Previdência. O exercício compartilhado dos princípios deste Código sustenta o sucesso da BB Previdência e consolida a sua imagem de Entidade ética, que pauta sua atuação nos preceitos legais do negócio de previdência complementar fechada e, em especial, na satisfação de seus clientes e no reconhecimento de seus valores humanos e sociais.

4

5 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º. Estabelecer um conjunto de diretrizes que possam nortear o processo de desenvolvimento da BB Previdência, por meio do comportamento dos membros dos órgãos colegiados, dirigentes e empregados. Art. 2º. Demonstrar transparência na condução do negócio previdência complementar fechada, buscando a satisfação no relacionamento com o público que interage e a otimização do resultado da Entidade. CAPÍTULO II DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 3º. Este Código deve ser cumprido pelos dirigentes e por todo o corpo funcional da BB Previdência, o qual se constitui por empregados do quadro próprio e cedidos ou disponibilizados pelo Banco do Brasil, seu administrador. Art. 4º. Os dirigentes e os empregados da BB Previdência têm os mesmos compromissos éticos, indistintamente do cargo que ocupem e as relações entre as pessoas devem se guiar pela transparência, lealdade, confiança, atenção, cortesia, integridade e respeito, para que os objetivos da BB Previdência sejam atingidos. 5

6 Art. 5º. Estes princípios devem ser também cumpridos pelos integrantes dos Conselhos Deliberativo e Fiscal. Art. 6º. Todos devem preservar o patrimônio e os interesses da BB Previdência e dos participantes dos Planos por ela administrados, zelando pela sua imagem, de modo a fortalecêla no sistema de previdência complementar fechada. Art. 7º. Os dirigentes, empregados e conselheiros da BB Previdência devem adotar os valores, princípios e padrões de conduta que se encontram a seguir. DOS VALORES Art. 8º. Adotar como marca distintiva a competência, a responsabilidade, o comprometimento, a lealdade e a integridade, zelando pela qualidade de seus serviços e agindo com transparência; em consonância com as normas estabelecidas pela Entidade. Art. 9º. A excelência desse padrão de conduta deve se refletir especialmente nos compromissos assumidos perante os clientes, de acordo com os interesses da Entidade. 6 DA LEGALIDADE Art. 10º. Cabe aos conselheiros, dirigentes e empregados cumprir no desempenho de suas funções:

7 I - a Constituição da República Federativa do Brasil; II - a legislação e as normas que regem a previdência complementar fechada no Brasil; III - as decisões do Conselho Deliberativo, as recomendações do Conselho Fiscal e as demais normas instituídas pela Entidade; e IV - os contratos, acordos e convênios firmados com terceiros. DA RESPONSABILIDADE Art. 11º. Os deveres éticos compreendem a concretização dos direitos e interesses legítimos dos participantes e beneficiários da BB Previdência, almejando a otimização dos resultados com vistas ao cumprimento dos objetivos da Entidade. Nesse sentido, todos devem: I - ter conduta honesta, transparente e prudente, primando pelo zelo e decoro no exercício do cargo ou da função; II - assumir a conseqüência de suas próprias ações e omissões, ocorridas no âmbito de suas atribuições e por elas responder; III - repudiar, denunciar e combater qualquer forma de corrupção, ativa ou passiva; IV - desenvolver função e atividade com a plena utilização da capacidade, conhecimento e experiência profissional. 7

8 DA CONFIDENCIALIDADE Art. 12º. A imagem da BB Previdência é representada pelos seus dirigentes, empregados e conselheiros. Portanto, devem ser mantidas em sigilo todas as informações que, se divulgadas, possam trazer prejuízos para a Entidade. DOS RELACIONAMENTOS Art. 13º. Nos relacionamentos profissionais internos e externos, os dirigentes, empregados e conselheiros devem praticar os ideais de integridade, lealdade, honestidade e transparência, buscando permanentemente os objetivos organizacionais. 8 Entre Funcionários Art. 14º. A BB Previdência e seus empregados reconhecem e aceitam a diversidade das pessoas que integram a Entidade e pautam suas relações pela confiança, lealdade, transparência, atenção, cortesia, integridade, respeito e justiça. Art. 15º. As diferenças pessoais devem ser respeitadas e jamais serão aceitas discriminações de qualquer natureza. Art. 16º. O processo de comunicação interna deve ser valorizado de maneira que as informações relevantes ligadas

9 aos negócios e às decisões corporativas sejam disseminadas, preservando-se o sigilo e a segurança dessas informações. Art. 17º. Todos devem compartilhar aspirações de desenvolvimento profissional, reconhecimento do desempenho e zelo pela qualidade de vida. Art. 18º. É vedada utilização de ferramentas como internet, e outros meios de comunicação da Entidade para proveito pessoal. Entre as áreas Art. 19º. Cooperação, respeito e profissionalismo são fundamentais para o bom relacionamento entre as áreas, a partir do conhecimento geral das suas responsabilidades, contribuindo para a manutenção de um bom clima organizacional, para o desenvolvimento profissional dos empregados e para o alcance dos objetivos da BB Previdência. Com o administrador Art. 20º. O relacionamento entre a BB Previdência e o Banco do Brasil, seu administrador, deve se pautar pela colaboração, consideração e parceria mútua, buscando preservar a transparência e a precisão das informações. 9

10 Art. 21º. A BB Previdência adota a Carta de Princípios de Responsabilidade Socioambiental do Banco do Brasil como fundamento de suas práticas administrativas e negociais. Art. 22º. Os funcionários disponibilizados ou cedidos pelo Banco do Brasil devem cumprir, além do previsto neste código, o estabelecido no código de ética e nas normas de conduta do Banco do Brasil, prevalecendo o disposto nos normativos do Banco quando houver conflito de orientações entre os códigos. Com as patrocinadoras dos planos Art. 23º. O relacionamento entre a BB Previdência com os patrocinadores deve se pautar pela colaboração, consideração e parceria mútua, respeitando-se sempre os interesses dos participantes. Art. 24º. O processo de comunicação entre a BB Previdência e as patrocinadoras dos Planos deve ser claro, preciso, transparente e tempestivo, de modo que as informações disponibilizadas permitam acompanhar as atividades e a performance da Entidade, preservando-se a segurança e o sigilo dessas informações. As estratégias de marketing e comunicação são desenvolvidas de forma a impedir a propaganda enganosa ou abusiva. 10

11 Com os participantes dos planos Art. 25º. O relacionamento entre a BB Previdência e os participantes dos Planos deve se pautar pela colaboração, consideração, respeito e atendimento às suas necessidades, com demonstração de zelo pelos seus interesses e pela sua satisfação com os serviços prestados. Art. 26º. A comunicação entre a BB Previdência e os participantes dos Planos deve ser clara, precisa, transparente e tempestiva, de modo que as informações disponibilizadas permitam aos participantes a melhor tomada de decisão em relação aos negócios, preservando-se a segurança e o sigilo dessas informações. Art. 27º. As críticas e sugestões emitidas pelos participantes dos Planos devem ser respondidas e utilizadas, no que couber, para a melhoria do atendimento e da qualidade dos produtos e dos serviços oferecidos pela BB Previdência. Art. 28º. O compromisso com a satisfação dos participantes dos Planos deve se refletir no respeito aos seus direitos e na busca por soluções que atendam aos seus interesses, em consonância com os objetivos da Entidade. Com os órgãos reguladores Art. 29º. O relacionamento dos dirigentes e empregados da BB Previdência com os órgãos reguladores deve primar pelo 11

12 cumprimento dos preceitos legais que regem a Entidade, buscando preservar a transparência e a precisão das informações. Com os fornecedores Art. 30º. A seleção e a contratação dos fornecedores de materiais e serviços deve ocorrer segundo critérios técnicos, profissionais e éticos, estabelecidos em normativo específico, de modo a garantir a qualidade do material e a melhor relação custo-benefício e excluir do processo qualquer atitude no sentido de atender interesses que não sejam exclusivamente os da BB Previdência e de seus participantes. Art. 31º. Os dirigentes e empregados deverão manter uma postura ética e reservada em todas as relações com os fornecedores. Com outros fundos de pensão Art. 32º. As relações com outros fundos de pensão são regidas pelo respeito e pela parceria, sempre orientadas para a melhoria de resultados e para o bem comum, inclusive no que se refere à responsabilidade socioambiental. 12

13 Com a sociedade em geral Art. 33º. A BB Previdência exerce sua responsabilidade sócio-ambiental participando de projetos, gerando empregos diretos e indiretos e defendendo a valorização do ser humano e o respeito ao meio ambiente. Art. 34º. A BB Previdência estabelece canais de comunicação com o meio externo de forma transparente, zelando por um padrão de respeito mútuo, em consonância com os valores estabelecidos pela organização e pela sociedade. CAPÍTULO III DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 35º. A BB Previdência terá uma Comissão de Ética, que será formada por representantes indicados pela Diretoria Executiva e eleitos pelos empregados, com mandatos definidos em regimento próprio. Art. 36º. Os integrantes da Comissão de Ética terão suas atribuições definidas em regimento aprovado pela Diretoria Executiva, com base no presente Código de Ética e nos demais normativos que regem a BB Previdência. Art. 37º. Cabe à Comissão de Ética avaliar e assumir o julgamento de casos de violação do Código de Ética e deliberar sobre dúvidas de interpretação do seu texto. 13

14 CAPÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 38º. O dirigente, conselheiro ou empregado que transgredir o presente Código de Ética estará sujeito a sanções de caráter disciplinar detalhadas em normativos específicos. Art. 39º. No caso dos funcionários disponibilizados ou cedidos pelo Banco do Brasil, as situações disciplinares e de falhas em serviço ocorridas no âmbito da BB Previdência serão comunicadas à Auditoria Interna do Banco do Brasil, à qual, em conjunto com a BB Previdência, competirá a instauração de respectivo inquérito administrativo interno, observandose os trâmites previstos nos normativos internos do Banco. Art. 40º. Este Código de Ética entrará em vigor a partir da data de sua aprovação e terá prazo de validade indeterminado, devendo ser revisto a cada três anos ou, em caráter excepcional, quando necessário 14

15

16

CÓDIGO DE ÉTICA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

CÓDIGO DE ÉTICA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA CÓDIGO DE ÉTICA PREVI NOVARTIS - SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Previ Novartis Sociedade de Previdência Complementar ( Previ Novartis ) adotou este Código de Ética com a finalidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA

CÓDIGO DE ÉTICA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CÓDIGO DE ÉTICA RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA ( RECKITTPREV ) adotou este Código de Ética com a finalidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Dos Fundamentos. Do Objetivo. Da Abrangência. DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015

CÓDIGO DE ÉTICA. Dos Fundamentos. Do Objetivo. Da Abrangência. DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015 DELIBERAÇÃO 01/15 Em, 26 de maio de 2015 Dos Fundamentos Do Objetivo Da Abrangência Dos Valores Da Observância de Normativos Da Responsabilidade Da Confidencialidade Dos Relacionamentos Do Conflito de

Leia mais

Código de Ética da CASSI

Código de Ética da CASSI Código de Ética da CASSI APRESENTAÇÃO O Código de Ética da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI) reflete a identidade cultural da Instituição e os compromissos a serem assumidos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

1. DA APRESENTAÇÃO. Profissionalismo Valorizamos o profissionalismo para melhorar os serviços aos Participantes e Patrocinadoras.

1. DA APRESENTAÇÃO. Profissionalismo Valorizamos o profissionalismo para melhorar os serviços aos Participantes e Patrocinadoras. P R E V I G 4 C Ó D I G O D E É T I C A P R E V I G 5 C Ó D I G O D E É T I C A 1. DA APRESENTAÇÃO A ética é o ideal de conduta humana, criada em conformidade com os mais elevados padrões da civilização,

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA REFER

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA REFER MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA REFER 1. Apresentação A Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social - REFER, Entidade Fechada de Previdência Complementar - EFPC, tem por finalidade atuar direcionada

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 23.1.2015 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A. (

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética.

Cabe a todos os integrantes e colaboradores diretos ou indiretos fazer valer, respeitar e cumprir todos os itens abordados neste código de ética. CÓDIGO CORPORATIVO DE CONDUTA ÉTICA Introdução A Alta Engenharia de Consultoria Ltda tem como seu objetivo principal, a transparência e a ética de conduta em seus negócios orientados por um conjunto de

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

Manual de Governança Corporativa. Previplan - Sociedade de Previdência Privada

Manual de Governança Corporativa. Previplan - Sociedade de Previdência Privada Manual de Governança Corporativa Previplan - Sociedade de Previdência Privada Manual de Governança Corporativa Índice 1. Apresentação... 3 2. Governança... 4 3. Manual Governança... 5 4. Ideais Corporativos...

Leia mais

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS

POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS 13/5/2016 Informação Pública ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 DIRETRIZES... 5 6 RESPONSABILIDADES... 6 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 8 13/5/2016 Informação

Leia mais

Código de Ética Janeiro de 2013

Código de Ética Janeiro de 2013 Janeiro de 2013 Índice 1 PREÂMBULO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 OBJECTIVOS... 3 4 PRINCÍPIOS... 4 5 NORMAS DE CONDUTA... 4 6 CONFLITOS DE INTERESSES... 6 7 DISPOSIÇÕES FINAIS... 7 2013 espap Entidade

Leia mais

Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná e da Caixa de Assistencia dos Advogados do Paraná OABPrev-PR

Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná e da Caixa de Assistencia dos Advogados do Paraná OABPrev-PR OABPrev-PR CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA APRESENTAÇÃO A busca da gestão socialmente responsável tem exigido maior transparência das instituições, sejam públicas ou privadas, nas relações com seus clientes,

Leia mais

Código de conduta ética

Código de conduta ética Código de conduta ética Mensagem da presidência O Código de Conduta Ética reflete os padrões de comportamento adotados por nossa empresa baseados na nossa Missão, Visão e Valores. Todos os nossos negócios

Leia mais

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS

DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA PETROBRAS O objetivo deste documento é estabelecer diretrizes para o modelo de governança corporativa da Petrobras, visando à atuação ativa do Conselho de Administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS MASCARENHAS BARBOSA ROSCOE S/A CONSTRUÇÕES POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS Objetivo Estabelecer regras gerais para os processos de contratação de terceiros e obrigações básicas que devem ser adotadas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO QUE INSTITUI O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA DA FPAS PREÂMBULO As obrigações de transparência, de responsabilidade, de solidariedade e cooperação que recaem sobre a Federação Portuguesa

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Unisys Previ Entidade de Previdência Complementar Manual de Governança Corporativa Índice 1. Considerações Iniciais. 2. Público-alvo. 3. Visão Corporativa. 4. Controles Internos. 5. Valores. 6. Relações.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta INTRODUÇÃO O Código de Ética e conduta da Damasco Penna é dirigido à todos os colaboradores, estagiários e membros da administração para servir de referência da atuação pessoal

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE À CORRUPÇÃO > VERSÃO 2 / 8 1. INTRODUÇÃO A Política de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e Combate à Corrupção ( Política ) visa promover a adequação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Documento: Área Emitente: Código de Conduta e Ética Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Código de Conduta

Leia mais

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI)

E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) CÓDIGO de ÉTICA E NORMAS DE CONDUTA GABINETE DE AUDITORIA INTERNA (GAI) «Para um serviço de excelência» 2015 INTRODUÇÃO O presente Código de Ética do Gabinete de Auditoria Interna (GAI) da Direção-Geral

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente Caros Associados: Mensagem do Presidente A competitividade e sucesso de toda empresa depende de sua produtividade e, principalmente, da imagem que ela mantém junto ao mercado. As empresas associadas à

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Dezembro 2015 2015 Delta Economics & Finance Índice 1 Introdução 1 2 Visão, Missão e Valores 1 3 Conduta Esperada dos Funcionários 2 4 Conflito de Interesse 2 5 Informações Sigilosas

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. OBJETIVO 3 3. MISSÃO 3 4. VALORES E PRINCÍPIOS ÉTICOS 3 4.1. VALORES 3 4.2. PRINCÍPIOS 3 4.2.1. VALORIZAÇÃO DA FABES 3 4.2.2. CONFLITO DE INTERESSES 4 4.2.3. EQUIDADE 4 5. SEGURANÇA

Leia mais

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa

Celpa. serviços. Código de ética do prestador de serviços da Celpa Código de ética do prestador de da Índice Apresentação... 04 Missão, visão e valores... 04 Bom senso... 06 Abrangência... 06 Definição de Prestador de Serviços... 06 1. Conflito de interesses 1.1. Recursos

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ INTRODUÇÃO 1. As presentes regras que integram o programa de Certificação Profissional Elotech, instituído pela Diretoria

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

INSPETOR. defesa da sociedade. Importante aliado na DO CREA SP ANOS INSPETORES

INSPETOR. defesa da sociedade. Importante aliado na DO CREA SP ANOS INSPETORES INSPETOR DO CREA SP Importante aliado na defesa da sociedade ANOS C O M V O C Ê INSPETORES 1 Inspetor do Crea-SP: nosso importante aliado na defesa da sociedade Para garantir a segurança da sociedade e

Leia mais

DECISÃO Nº 163/2004 D E C I D E

DECISÃO Nº 163/2004 D E C I D E DECISÃO Nº 163/2004 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessões de 12.12.2003 e 20.08.2004, tendo em vista o constante no processo nº 23078.201510/03-75, de acordo com os pareceres nº 142/2003 e 17/2004 da Comissão

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Código de Conduta Ética Profissional

Código de Conduta Ética Profissional Código de Conduta Ética Profissional 1. CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DA BRASIL BROKERS A Brasil Brokers é uma empresa de intermediação e consultoria imobiliária que atua em todo território nacional e para nos

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL PRSA AGORACRED S/A SCFI. Rua das Palmeiras, 685, Ed. Contemporâneo Empresarial. Salas 1002,1003, 1007 a 1011, Santa Lucia, Vitória, ES. Tel.(27) 40090200 http://www.agoracred.com.br/ POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015 DISPÕE SOBRE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS CONSÓRCIOS. VERSÃO: 01 DATA: 03 de março de 2015. ATO APROVAÇÃO: Decreto 2.370/2015 UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES ÍNDICE I - POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS,

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO N. 147, DE 15 DE ABRIL DE 2011. Institui o Código de Conduta do Conselho e da Justiça Federal de primeiro e segundo graus. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, usando de suas atribuições

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Caixa de Assistência dos Empregados. do Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Cabergs CÓDIGO DE ÉTICA

Caixa de Assistência dos Empregados. do Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Cabergs CÓDIGO DE ÉTICA Caixa de Assistência dos Empregados do Banco do Estado do Rio Grande do Sul - Cabergs CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO 1. OBJETIVO...03 2. PRINCÍPIOS E DEVERES FUNDAMENTAIS...03 3. REGRAS DE CONDUTA...04 4. REGRAS

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA

CÓDIGO DE ÉTICA E REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA E REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I - DA FINALIDADE... 3 CAPÍTULO II - DA APLICAÇÃO... 3 CAPÍTULO III - DOS PRINCIPIOS... 3 CAPÍTULO IV - DAS

Leia mais

SUMÁRIO. I. Apresentação...3. Governança...4. Manual de Governança Introdução Princípios de Governança...6

SUMÁRIO. I. Apresentação...3. Governança...4. Manual de Governança Introdução Princípios de Governança...6 SUMÁRIO I. Apresentação...3 II. III. Governança...4 Manual de Governança...5 1. Introdução...5 2. Princípios de Governança...6 3. Estrutura da Entidade...7 4. Responsabilidades dos Órgãos Estatutários...9

Leia mais

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016

A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO. Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 A ATUAÇÃO DO CONSELHEIRO Romildo Gouveia Pinto CURITIBA, 6 DE JULHO DE 2016 Fundado em 27 de novembro de 1995, o IBGC associação de âmbito nacional, sem fins lucrativos é uma organização exclusivamente

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO DOCUMENTO CAPÍTULO II OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO DOCUMENTO CAPÍTULO II OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO DOCUMENTO Art. 1º. O presente Código de Conduta é orientado por princípios éticos e desdobrado em

Leia mais

Código de Ética da ABTT

Código de Ética da ABTT Código de Ética da ABTT Prezados (as) Associados (as), A ABTT, ao longo de sua existência, tem conduzido suas atividades na crença de que para seu associado desenvolver-se e ter sucesso, é imprescindível

Leia mais

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião

Glossário Acordo entre sócios/acionistas Administração Agenda de reunião Glossário Acordo entre sócios/acionistas Regula os direitos e obrigações entre sócios/acionistas, as condições que regem as transferências de ações de emissão da organização, o exercício dos direitos políticos,

Leia mais

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo:

Art. 2º- O Comitê Gestor será composto por 4 (quatro) membros titulares e seus respectivos suplentes. Sendo: Regimento Interno Regimento Interno do Comitê Gestor de Investimento do Plano de Suplementação de Aposentadoria e Pensão da Bandeirante Energia S.A. PSAP/Bandeirante 26/2/2015 CAPÍTULO I - DA FINALIDADE

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

BANDEPREV BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL CÓDIGO DE ÉTICA BANDEPREV BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL

BANDEPREV BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL CÓDIGO DE ÉTICA BANDEPREV BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL BANDEPREV BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL CÓDIGO DE ÉTICA BANDEPREV BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL Setembro de 2005 1. Introdução 1.1 A ética é o ideal de conduta humana desenvolvido de acordo com os mais elevados

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Lei /2016 Lei das Estatais

Lei /2016 Lei das Estatais Lei 13.303/2016 Lei das Estatais Impactos na Governança Corporativa SUORG 10 NOV 2016 Lei nº 13.303/2016 Estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade BRASILPREV SEGUROS E PREVIDÊNCIA S/A 24.09.2014 Sumário 1. INTRODUÇÂO 3 2. DEFINIÇÕES 4 3. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES 6 4. DIRECIONAMENTO 7 5. PREMISSAS 9 6. DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação:... 3 FINALIDADES E OBJETIVOS... 4 PRINCÍPIOS ÉTICOS... 4 VALORES... 5 NORMAS DE CONDUTA E RELACIONAMENTO...

SUMÁRIO. Apresentação:... 3 FINALIDADES E OBJETIVOS... 4 PRINCÍPIOS ÉTICOS... 4 VALORES... 5 NORMAS DE CONDUTA E RELACIONAMENTO... CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO Apresentação:... 3 CAPITULO I FINALIDADES E OBJETIVOS... 4 CAPITULO II PRINCÍPIOS ÉTICOS... 4 VALORES... 5 CAPITULO III NORMAS DE CONDUTA E RELACIONAMENTO... 5 CAPÍTULO IV CUMPRIMENTO

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental POLÍTICA - Versão: 1.0 POLÍTICA CORPORATIVA Área Reponsável: DIRETORIA DE CONTROLADORIA E COMPLIANCE 1. OBJETIVO A Política Corporativa de ( Política ) define um conjunto de princípios, diretrizes e responsabilidades

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI

CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI CÓDIGO DE ÉTICA DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DA PROPRIEDADE INTELECTUAL - ASPI I. - INTRODUÇÃO Assim como na prática da advocacia, o exercício dos operadores das atividades da Propriedade Intelectual, sejam

Leia mais

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL BASES CONCEITUAIS - SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL 1- As bases conceituais do Sistema de Negociação Permanente da Administração Pública Federal - SINP/FEDERAL

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO CAPÍTULO I DO COMITÊ DE PESSOAS E REMUNERAÇÃO 1. O Comitê de Pessoas e Remuneração (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução,

Leia mais

SUL BRASIL SECURITIZADORA S/A

SUL BRASIL SECURITIZADORA S/A SUL BRASIL SECURITIZADORA S/A 1 2 Código de conduta e ética. O sucesso não depende apenas de serviços de boa qualidade, mas sim da credibilidade e ética que assumimos perante a sociedade de uma forma em

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA CABEC - CAIXA DE PREVIDÊNCIA PRIVADA BEC

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA CABEC - CAIXA DE PREVIDÊNCIA PRIVADA BEC CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA CABEC - CAIXA DE PREVIDÊNCIA PRIVADA BEC Código de Ética e Conduta da CABEC 1/13 SUMÁRIO Capítulo I - Dos Objetivos Capítulo II - Da Abrangência Capítulo III - Das Definições

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

PROPOSTA CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS OABPREV-SP

PROPOSTA CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS OABPREV-SP PROPOSTA CÓDIGO DE CONDUTA E PRINCÍPIOS ÉTICOS OABPREV-SP 1 Objetivo e abrangência Art. 1º. Este Código tem por objetivo estabelecer instrumentos que explicitem valores, princípios e padrões de conduta

Leia mais

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO

O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO O PAPEL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO ÂMBITO DO SNE: DESAFIOS PARA A PRÓXIMA DÉCADA POR: GILVÂNIA NASCIMENTO "Que tristes os caminhos se não fora a presença distante das estrelas"? (Mario Quintana)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG I. DO OBJETIVO 1.1. O objetivo destas normas é estabelecer uma política de divulgação de ato ou fato relevante

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Código de Conduta e Ética R.P. Filho Serviços Hidráulicos LTDA Código de Conduta e Ética 1 INTRODUÇÃO É notório que o sucesso de uma organização depende, entre outros fatores, da imagem positiva que ela

Leia mais

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A.

PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. PORTUGAL CAPITAL VENTURES Sociedade de Capital de Risco, S.A. 16 de dezembro de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional

Leia mais

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7

GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional. Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 GRUPO FIDELIDADE Código de Conduta Ética e Profissional Referência Este documento só pode ser reproduzido na íntegra. 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA E PROFISSIONAL As regras de Conduta Ética e Profissional

Leia mais

BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC

BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC BANCO DE POUPANÇA E CRÉDITO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO BPC 1. INTRODUÇÃO A Política de Segurança da Informação, pode ser usada para definir as interfaces entre os utilizadores, fornecedores

Leia mais

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE

CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE CENTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA ELETRÔNICA AVANÇADA CEITEC S/A REGIMENTO INTERNO ÍNDICE TÍTULO I - DA NATUREZA JURÍDICA DA COMPANHIA TÍTULO II - DA FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA TÍTULO III

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regimento Interno do Comitê de Gestão de Riscos 1/7 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Regimento Interno do Comitê de Gestão de Risco Documentos Institucionais Resolução CGPC nº 13/2004 Estabelece a composição e atribuições

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA DECRETO Nº. 1491, DE 10 DE JANEIRO DE 2013. Institui a Mesa Permanente de Negociação com os Servidores Municipais - MESA e dá outras providências.. MARA LÚCIA FERREIRA DE MELO, Prefeita Municipal da Cidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA Versão:

CÓDIGO DE ÉTICA Versão: CÓDIGO DE ÉTICA Versão: 01.2007 Índice I. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 II. DOS PRINCÍPIOS E VALORES A PRESERVAR...3 III. A LEALDADE COMO DEVER FUNDAMENTAL...3 IV. DO RESPEITO E DA OBEDIÊNCIA À LEGISLAÇÃO...4

Leia mais

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build Código de Conduta e Ética Empresarial Grupo Visium Build 1 Índice 2 Âmbito 3 Missão e Visão 4 Valores 4 Compromisso com as partes interessadas 5 Cumprimento deste Código 9 2 ÂMBITO Este Código de Conduta

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Proteção da Livre Concorrência Código da Norma: NAD-40 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 5 Resumo: Estabelece as diretrizes e regras gerais para garantir a proteção da livre concorrência nas atividades da Duratex S.A. e suas subsidiárias (Organização). Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS & NORMAS INTERNAS Versão: 1- Objetivo O objetivo desta Política de Investimento Pessoal (ou Política) é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos pessoais

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição.

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição. I. OBJETIVO Esta Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA), tem como objetivo estabelecer os princípios e as diretrizes compatíveis com a natureza e complexidade das atividades e produtos da Instituição,

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta 1 ÍNDICE Item Página 1. Introdução 03 2. Abrangência 03 3. Missão da Avonprev 03 4. Objetivos do Código de Ética e Conduta 03 5. Regras Gerais de Conduta 04 6. Ambiente de Trabalho

Leia mais